PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004"

Transcrição

1 PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 António M. Fonseca Introdução No âmbito dos objectivos do Programa AVES Avaliação de escolas com ensino secundário, a vontade de conhecer os processos educativos de cada escola assim como os resultados que obtêm os alunos, tendo em conta as características da escola e o nível académico dos alunos, passa também pela avaliação de estratégias de aprendizagem, valores e atitudes, competências de raciocínio, e opinião sobre a escola. Os pais dos alunos também são chamados a expressar a sua opinião sobre a escola 1. Neste texto apresentam-se e discutem-se os resultados alcançados com a aplicação dos instrumentos de avaliação das dimensões consideradas, reportados a 2004, do seguinte modo: - apresentação dos resultados por dimensão, sendo previamente delimitados o modo e a natureza dessa avaliação; - síntese dos principais resultados seguida de respectiva discussão. Resultados 1. Valores e Atitudes A prova de Valores e Atitudes consiste num questionário de 52 itens, a que cada aluno responde anonimamente. Nesse inquérito são analisados temas de quatro eixos orientadores: educação ambiental, educação para a paz, educação para a saúde; educação para a igualdade de oportunidade entre os sexos. A partir dos dados obtidos através da administração desta prova aos alunos, avalia-se a relevância junto dos alunos dos seguintes factores: - tolerância e igualdade de oportunidade entre os sexos: refere-se à posição que os alunos adoptam em temas como o racismo, a xenofobia e a discriminação, assim como os conhecimentos e comportamentos relacionados com a igualdade de oportunidades entre ambos os sexos; - ecologia e respeito pelo meio ambiente: refere-se à posição que os alunos adoptam perante conhecimentos e comportamentos no âmbito da educação ambiental; - saúde e bem-estar: refere-se à posição que os alunos adoptam relativamente a conhecimentos e comportamentos no âmbito da educação para a saúde. 1 Os instrumentos de avaliação utilizados estão disponíveis em: Fundação Manuel Leão (2003). PROGRAMA AVES Avaliação de escolas com ensino secundário. Apresentação dos instrumentos de avaliação para a população portuguesa. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.

2 As primeiras três figuras referem-se aos resultados alcançados nesta prova pelos alunos do 7º, 9º e 11º anos de escolaridade. Figura 1 O factor saúde e bem-estar é aquele que alcança maior relevância junto dos alunos do 7º ano de escolaridade, sucedendo o inverso com o factor tolerância e igualdade de oportunidades. Não há diferenças de resultados consoante o contexto sócio-cultural das escolas. Figura 2

3 Nos alunos do 9º ano, o factor saúde e bem-estar continua a ser o mais destacado, mas agora é o factor ecologia o menos valorizado. Não há diferenças de resultados consoante o contexto sócio-cultural das escolas. Figura 3 Os resultados expressos pelos alunos do 11º ano de escolaridade revelam uma tendência idêntica à observada no 9º ano: maior valorização atribuída ao factor saúde e bem-estar, menor ao factor ecologia. Verifica-se uma diferença de resultados consoante o contexto sóciocultural das escolas no factor saúde e bem-estar, no sentido de uma maior valorização deste factor nos alunos provenientes de escolas de contexto médio. Uma visão agrupada destes resultados (Figura 4), independentemente do contexto das escolas, permite-nos extrair as seguintes ideias principais: - valores e atitudes relativos à saúde e bem-estar são os mais destacados pelos alunos, em todos os anos de escolaridade; - valores e atitudes relativos à ecologia são, no 9º e no 11º ano, os menos destacados pelos alunos; - com o avanço da escolaridade, verifica-se um aumento da importância atribuída a valores e atitudes relativos à tolerância e igualdade de oportunidades, e uma diminuição da relevância de valores e atitudes relativos à saúde e bem-estar.

4 Figura 4 A prova de Valores e Atitudes permite ainda analisar o factor transversalidade, por meio do qual se avalia a percepção dos alunos sobre a forma como temas transversais do currículo (nomeadamente, tolerância e igualdade de oportunidades, ecologia, saúde e bem-estar), são abordados em cada estabelecimento de ensino. Os resultados obtidos apresentam-se na Figura 5. Figura 5 À medida que se avança na escolaridade, a percepção dos alunos é que a abordagem de temas transversais vai tendo um peso cada vez menos importante no respectivo currículo.

5 2. Estratégias de Aprendizagem A prova de Estratégias de Aprendizagem consiste num questionário de 44 itens, a que cada aluno responde anonimamente. A partir dos dados obtidos através da administração desta prova aos alunos, avaliam-se os seguintes factores: - tratamento da Informação: refere-se à capacidade dos alunos para planificar a tarefa que pretende levar a cabo e tratar a informação, extraindo as ideias principais e distinguindo o essencial do acessório; - técnicas de estudo: refere-se ao uso de técnicas próprias de elaboração e organização da informação, tais como resumos, esquemas ou guiões; - articulação de saberes: refere-se à capacidade do aluno para estabelecer relações entre o que já sabe e os novos conteúdos, bem como entre diferentes áreas de estudo; - aprendizagem pela memória: refere-se à forma como o aluno aborda o estudo e caracteriza-se pela consideração isolada dos materiais de estudo, usando a memorização. Figura 6 As principais ideias a reter são as seguintes: - verifica-se uma grande homogeneidade quanto às estratégias de aprendizagem usadas pelos alunos; - não há diferenciação de estratégias à medida que se avança na escolaridade; - a aprendizagem pela memória é muito salientada pelos alunos, nos três anos de escolaridade. Não se verificaram diferenças de resultados consoante o contexto sócio-cultural das escolas.

6 3. Competências de Raciocínio Este questionário consiste num conjunto de três provas/testes de raciocínio diferencial, originalmente incluídas na Bateria de Provas de Raciocínio Diferencial (BPRD), instrumento de avaliação das capacidades intelectuais aferido para a população estudantil portuguesa pelo Prof. Leandro Almeida, em meados da década de oitenta. A BPRD tem subjacente a possibilidade e o interesse de avaliação da capacidade de raciocínio dos alunos em diferentes conteúdos de raciocínio; no caso do Projecto AVES, foram seleccionados o Raciocínio Numérico, o Raciocínio Abstracto e o Raciocínio Verbal. Raciocínio Numérico A prova de Raciocínio Numérico compõe-se de 30 itens sob a forma de sequências lineares ou alternadas de números que se seguem em cada série. Este trabalho requer, por um lado, a descoberta da lei de sucessão dos números e, por outro, a aplicação desse princípio aos problemas propostos, subentendendo a realização de pequenos cálculos. Exemplo: Raciocínio Abstracto A prova de Raciocínio Abstracto compõe-se de 35 itens figurativos ou de conteúdo abstracto em termos de significação. O aluno terá que, inicialmente, perceber a relação existente entre os dois elementos de um primeiro par de figuras para, de seguida, aplicar essa relação a um segundo par que é constituído por uma terceira figura apresentada e por uma quarta a escolher de entre as cinco alternativas de resposta. Exemplo: a b c d e Raciocínio Verbal A prova de Raciocínio Verbal compõe-se de 40 itens verbais, apresentados sob a forma de analogias. Após a descoberta da relação existente entre um primeiro par de palavras, o aluno deverá encontrar uma quarta palavra que mantenha idêntica relação com a terceira apresentada. Exemplo: Quarto está para Casa, como Capítulo está para a) Dicionário b) Leitura c) Livro d) Jornal e) Revista Cada uma destas provas tem subjacente um tempo de realização próprio, distinto de prova para prova. O resultado de cada prova equivale ao número total de respostas correctas que o aluno alcançou dentro do tempo atribuído para cada uma. A apreciação desse resultado deve fazer-se comparando o valor obtido por um aluno numa determinada prova com o valor médio

7 alcançado por um grupo representativo de alunos do mesmo sexo e do mesmo ano de escolaridade nessa mesma prova, realizada em condições semelhantes. Esses valores médios foram calculados para a população estudantil portuguesa do 7º ao 12º ano de escolaridade, pelos autores da BPRD, a partir de uma amostra nacional representativa de cerca de alunos, repartidos pelos vários anos de escolaridade, pelos dois sexos e por várias regiões. Analisemos, desde já, os resultados obtidos pelos alunos por ano de escolaridade. Figura 7 Fig. 7 cont. Em todas as provas, os resultados médios obtidos pelos alunos que actualmente frequentam o 7º ano são inferiores aos obtidos pelos alunos que frequentavam o 7º ano de escolaridade há

8 cerca de 20 anos. Verifica-se um grande equilíbrio entre os resultados actuais e os registados há 20 anos pelos alunos que frequentam o 9º ano e o 11º ano de escolaridade. Analisemos, agora, os resultados obtidos pelos alunos por ano de escolaridade e por contexto sócio-cultural da escola. Figura 8 Figura 9

9 Figura 10 Em qualquer uma das provas de raciocínio usadas e nos três anos de escolaridade considerados, verifica-se uma clara variação dos resultados em função do contexto, ocorrendo uma diminuição progressiva dos resultados à medida que se desce nos níveis de contexto. No 7º ano, a diminuição é acentuada de nível para nível. No 9º ano, essa diminuição é mais suave, sendo o ano de escolaridade onde os resultados são mais equilibrados entre os contextos. No 11º ano, a clivagem faz-se essencialmente do contexto de nível alto para os dois outros contextos de nível médio, onde os resultados são idênticos. 4. Opinião sobre a escola - alunos A avaliação da opinião dos alunos sobre a escola que frequentam realiza-se a partir de um questionário com 35 itens. A análise das respostas é realizada em função de sete factores: - ordem, disciplina e ambiente de trabalho no estabelecimento de ensino: refere-se aos itens que abordam a disciplina, a ordem e o ambiente de trabalho assegurados pelos professores dentro da sala de aula, bem como à forma de resolução de eventuais problemas disciplinares; - professores - relação e competência: refere-se ao relacionamento humano com os professores, em especial no que diz respeito à capacidade de comunicação, à disponibilidade e à capacidade de partilha de responsabilidades pedagógicas; - actividades: refere-se às actividades extra escolares e às propostas didácticas ao nível das diferentes disciplinas; procura analisar a quantidade, mas também a qualidade e,

10 sobretudo, o nível de participação dos alunos tanto na concepção como na execução dessas actividades propostas; - Director de Turma - relação e competência: refere-se ao papel do director de turma como conselheiro, como interlocutor nos conflitos, como "ponte" com os encarregados de educação e como informador privilegiado sobre o futuro profissional; - classificações obtidas: refere-se ao índice de satisfação com os resultados escolares alcançados, bem como do grau de justiça desses resultados; - relação com os colegas: refere-se ao nível de satisfação na relação com os colegas, tanto da turma como da escola em geral; - satisfação com a escola em geral. Figura 11 Para todos os factores avaliados, os alunos do 7º ano de escolaridade são aqueles que têm uma opinião mais positiva da escola que frequentam e os alunos do 11º ano os que registam uma opinião menos positiva. A opinião sobre a escola vai, pois, registando impressões progressivamente menos positivas (ou até negativas) à medida que se avança na escolaridade, em particular entre 7º e o 9º ano de escolaridade. Do 9º para o 11º ano de escolaridade, a opinião tende a estabilizar (excepção feita ao factor actividades). Em qualquer um dos anos de escolaridade, relação com os colegas e Director de Turma são os aspectos acerca dos quais os alunos mantêm uma opinião mais positiva; actividades e classificações são os aspectos que menos opiniões positivas recolhem dos alunos. A satisfação com a escola em geral é elevada em qualquer um dos anos de escolaridade, registando o mesmo padrão de evolução da generalidade dos factores avaliados: diminuição de satisfação entre o 7º e o 9º de escolaridade, satisfação idêntica no 9º e 11º anos de escolaridade. Não se verificaram diferenças de resultados consoante o contexto sócio-cultural das escolas.

11 5. Opinião sobre a escola encarregados de educação A avaliação da opinião dos encarregados de educação sobre a escola que os educandos frequentam faz-se a partir de um questionário com 28 itens. A análise das respostas é realizada em função de cinco factores: - funcionamento da escola e preparação dos alunos; - comunicação com professores/directores de turma; - informação e participação dos pais na vida escolar; - ordem e disciplina; - actividades extra-curriculares. Figura 12 Os factores comunicação com professores/directores de turma e ordem e disciplina são aqueles acerca dos quais os encarregados de educação têm uma opinião mais positiva, em qualquer um dos anos de escolaridade. O factor que recolhe uma opinião menos positiva é o relativo às actividades extra-curriculares. A opinião dos encarregados de educação sobre a escola vai-se tornando progressivamente menos positiva, em todos os factores avaliados, à medida que se avança na escolaridade, com uma variação mais sensível entre o 7º ano e o 9º ano de escolaridade, permanecendo depois mais estável entre o 9º e o 11º ano de escolaridade. Não se verificaram diferenças de resultados consoante o contexto sócio-cultural das escolas.

12 Síntese de resultados e discussão Para facilitar a discussão dos resultados, apresentamos inicialmente uma síntese das principais ideias já registadas (Quadro 1), distinguindo, para além de uma apreciação global, duas variáveis de interpretação: o ano de escolaridade e o contexto socio-cultural da escola. Quadro 1 APRECIAÇÃO GLOBAL ANO DE CONTEXTO ESCOLARIDADE SOCIO-CULTURAL Valores e atitudes Valores e atitudes relativos à saúde e bem-estar são Valores e atitudes relativos à tolerância e igualdade De um modo geral, não há diferenças significativas de os mais destacados pelos de oportunidades são os resultados consoante o alunos menos salientados pelos contexto sócio-cultural das alunos do 7º ano; valores e escolas. atitudes relativos à ecologia são os menos destacados pelos alunos do 9º e do 11º ano. Com o avanço da escolaridade, verifica-se: - aumento da relevância de valores e atitudes relativos à tolerância e igualdade de oportunidades, - diminuição da relevância de valores e atitudes relativos à saúde e bemestar. Transversalidade Este factor alcança um valor médio entre os A percepção dos alunos é que a abordagem de Não se verificaram diferenças de resultados alunos. temas transversais vai consoante o contexto tendo um peso cada vez sócio-cultural das escolas. menor no respectivo currículo, à medida que se avança na escolaridade. Estratégias de aprendizagem Grande homogeneidade quanto às estratégias de Não há diferenciação significativa de estratégias Não se verificaram diferenças de resultados aprendizagem usadas entre os diferentes anos de consoante o contexto pelos alunos. A escolaridade. sócio-cultural das escolas. aprendizagem pela memória é muito salientada pelos alunos como uma estratégia de aprendizagem importante.

13 Competências de raciocínio Em todas as provas, os resultados actuais ficam Os resultados médios obtidos pelos alunos que Há variação dos resultados em função do contexto, aquém ou são idênticos actualmente frequentam o com uma diminuição aos obtidos pelos alunos 7º ano são inferiores aos progressiva dos resultados que efectuaram estas obtidos pelos alunos que à medida que se desce provas há cerca de 20 frequentavam o 7º ano de no contexto: anos. escolaridade há cerca de - no 7º ano, a diminuição é 20 anos. Os resultados acentuada, actuais e os registados há - no 9º ano, a diminuição é 20 anos pelos alunos que mais suave, sendo o ano frequentam o 9º ano e o de escolaridade onde os 11º ano de escolaridade resultados são mais são globalmente idênticos. equilibrados entre os contextos, - no 11º ano, a clivagem faz-se essencialmente do contexto alto para os outros contextos de nível médio, onde os resultados são idênticos. Opinião sobre a escola - alunos Relação com os colegas e Director de Turma são Os alunos do 7º ano de escolaridade são aqueles Não se verificaram diferenças de resultados os aspectos acerca dos que têm uma opinião mais consoante o contexto quais os alunos mantêm positiva da escola que sócio-cultural das escolas. uma opinião mais positiva; frequentam e os alunos do actividades e 11º ano os que manifestam classificações são os uma opinião menos aspectos que menos positiva. A opinião sobre a opiniões positivas escola vai registando recolhem dos alunos. A impressões cada vez satisfação com a escola menos positivas à medida em geral é elevada. que se avança na escolaridade, em particular entre 7º e o 9º ano de escolaridade. Do 9º para o 11º ano de escolaridade, a opinião tende a estabilizar. Opinião sobre a escola encarregados de educação Comunicação com professores/directores de turma e ordem e disciplina são os aspectos A opinião dos encarregados de educação é progressivamente menos positiva à medida que se Não se verificaram diferenças de resultados consoante o contexto sócio-cultural das escolas acerca dos quais os avança na escolaridade, encarregados de educação com uma variação mais têm uma opinião mais sensível entre o 7º e o 9º positiva. O aspecto que ano de escolaridade, recolhe uma opinião permanecendo depois menos positiva é mais estável entre o 9º e o actividades extra- 11º ano de escolaridade. curriculares

14 Tendo novamente presente o objectivo de conhecer os processos educativos de cada escola, de acordo com as características da escola e o nível académico dos alunos, é possível equacionar a hipótese de estarmos perante um conjunto de resultados que nos oferecem uma imagem global das escolas envolvidas no Programa AVES apresentando duas facetas completamente distintas: - por um lado, os alunos e respectivos encarregados de educação estão satisfeitos com a escola que frequentam, contribuindo para essa apreciação positiva um conjunto de aspectos relacionais (relação com os colegas e director de turma) e de organização da escola (comunicação com professores/directores de turma, ordem e disciplina), os quais fazem apelo a uma faceta afectiva da relação aluno-escola satisfatoriamente alcançada nestes estabelecimentos de ensino; - por outro lado, os indicadores disponíveis sobre estratégias de aprendizagem e competências de raciocínio dão-nos sinais de estarmos perante um conjunto de escolas cuja faceta cognitiva da relação aluno-escola revela fragilidades, sendo difícil de compreender tanto a ausência de evolução dos resultados relativos às competências de raciocínio face há duas décadas atrás, como a ausência de evolução das estratégias de aprendizagem a que se recorre ao longo da escolaridade ( estudase e aprende-se sempre da mesma forma, com recurso substancial à memorização). Aliás, verifica-se que os alunos mais satisfeitos com a escola (os do 7º ano de escolaridade) são aqueles que apresentam resultados mais baixos ao nível das competências de raciocínio, aproximando-se depois estes resultados, no 9º e 11º anos de escolaridade, das médias de aferição para Portugal, mas com uma espécie de custo : os alunos passam a ter uma opinião menos favorável da escola (ainda que não seja negativa). Tal poderá significar a existência de uma incompatibilidade (que importa investigar) entre as duas facetas atrás realçadas, como se o trabalho escolar no domínio da faceta cognitiva, fazendo os alunos crescerem sob este ponto de vista, seja susceptível de comprometer o envolvimento afectivo dos alunos em termos da frequência escolar. Assim, o período que decorre entre o 7º e o 9º ano de escolaridade parece ser um período de progressivo desencanto com a escola sob o ponto de vista afectivo mas de progressivo incremento sob o ponto de vista cognitivo, observando-se depois uma estabilidade entre o 9º e o 11º ano que, nomeadamente em termos das competências de raciocínio e das estratégias de aprendizagem, poderá ser explicada por duas vias: - ou porque a escola concentra-se na transmissão de conhecimento e descura o desenvolvimento do aluno no seu papel de sujeito cognitivo e aprendente, - ou porque o próprio aluno se acomoda à realidade escolar, cumprindo o que lhe é solicitado e resistindo à valorização de si mesmo em domínios não directamente relacionados com o currículo.

15 De resto, estamos perante escolas acerca das quais existe uma percepção generalizada de valorizarem pouco o papel das actividades para além do currículo. Este ponto de vista é partilhado por alunos e encarregados de educação, sendo particularmente salientado pelos alunos mais avançados na escolaridade, o que poderá ajudar a sustentar as hipóteses anteriormente avançadas. A diferença de resultados entre os três anos de escolaridade avaliados é notória também ao nível dos valores e atitudes. Se é certo que o factor saúde e bem-estar surge sempre bem destacado é uma evidência desenvolvimental que os aspectos relativos à saúde pessoal são fortemente valorizados pelos adolescentes e uma evidência sociológica que a promoção do bem-estar individual encaixa numa orientação individualista do viver contemporâneo, observa-se um aumento progressivo da tolerância e igualdade de oportunidades no quadro de valores e atitudes dos alunos. Este fenómeno explica-se naturalmente pela maior abertura ao outro, pelo reconhecimento dos seus direitos, opiniões e necessidades, não sendo de menosprezar o papel que eventualmente a escola possa desempenhar nesse sentido, aperfeiçoando o pensamento cívico dos alunos. A perda de importância dos valores e atitudes relativos à saúde e bem-estar, à medida que a escolaridade (e a idade) progride(m), justificase dado ser esperado um aumento da adopção de comportamentos de risco para a saúde pessoal, logo, ser esta menos valorizada pelos adolescentes que frequentam o 11º ano de escolaridade quando comparados com os que frequentam o 9º e sobretudo o 7º ano de escolaridade. Finalmente, quanto à importância do contexto socio-cultural, a sua influência faz-se sentir de forma significativa em termos das capacidades de raciocínio, penalizando os alunos provenientes de um nível socio-cultural mais baixo e evidenciando o papel que a estimulação derivada da pertença a um contexto socio-cultural mais elevado exerce no plano cognitivo. Ou seja, ser proveniente de um meio social mais alto ou mais baixo não é indiferente quanto às possibilidades de obtenção de performances mais elevadas em tarefas nas quais estejam implicadas capacidades de raciocínio (como são a generalidade das tarefas de natureza curricular). Já o mesmo não se pode dizer relativamente às variáveis que se prendem com valores e opiniões, onde o papel do contexto socio-cultural parece não exercer influência de relevo, demonstrando a existência de alguma homogeneidade trans-nacional quanto aos valores e atitudes aqui avaliados e à opinião sobre a escola.

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 Direção Regional de Educação do Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 11º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES

RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES RELATÓRIO-SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES ANO LECTIVO 2011/2012 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Avaliação do Funcionamento das Unidades Curriculares... 4 1º Semestre - Resultados

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade 2011 Resumo. Enquadramento. Vice-Presidência

Barómetro Regional da Qualidade 2011 Resumo. Enquadramento. Vice-Presidência Barómetro Regional da Qualidade 2011 Resumo Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Resumo do Barómetro 2011 Barómetro Regional da Qualidade O Barómetro Regional da Qualidade

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15

Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 Agrupamento de Escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira Linhas Orientadoras de Cidadania do Agrupamento de Escolas Engenheiro Fernando Pinto de Oliveira 2014/15 A prática da cidadania constitui um processo

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário aos Pais Encarregados de Educação Reconhece-se a importância da família e da sua colaboração no processo educativo. Com este questionário

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário RELATÓRIO Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Projecto de investigação/acção No âmbito da Portaria nº 350/2008,

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Psicologia da Educação

Psicologia da Educação Psicologia da Educação A dimensão pessoal do ensinar PROFESSOR COMO PESSOA ATITUDES FACE AO ENSINO E APRENDIZAGEM ATITUDES FACE AOS ALUNOS ATITUDES FACE A SI PRÓPRIO Copyright, 2006 José Farinha, Prof.

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

Prémio Excelência no Trabalho 2015

Prémio Excelência no Trabalho 2015 FAQ Frequently Asked Questions Índice Prémio Excelência no Trabalho 2015 INSCRIÇÃO... 2 COMUNICAÇÃO INTERNA... 4 QUESTIONÁRIO DIRIGIDO AOS COLABORADORES... 5 INQUÉRITO À GESTÃO DE TOPO... 7 TRATAMENTO

Leia mais

Programa Educativo Individual

Programa Educativo Individual Programa Educativo Individual Ano Lectivo / Estabelecimento de Ensino: Agrupamento de Escolas: Nome: Data de Nascimento: Morada: Telefone: Nível de Educação ou Ensino: Pré-Escolar 1ºCEB 2º CEB 3ºCEB E.

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 1 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 2006/2011 2 3 INTRODUÇÃO 4 SUMÁRIO 5 A EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12º ANO MÉDIAS POR ESCOLA 11 ANÁLISE

Leia mais

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC

A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC A EDUCAÇAO PARA A CIDADANIA NOS CURRÍCULOS Ana Roque, Isabel Carvalho, Rosa Afonso, Teresa Fonseca DGIDC 1 Antecedentes das questões de cidadania na política educativa e nos currículos escolares Os valores

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos

Escola E.B. 2,3 de Lousada. Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Escola E.B. 2,3 de Lousada Opinião dos Directores de Turma sobre os documentos propostos para a avaliação dos alunos Maria do Céu Belarmino ceubelarmino@sapo.pt Rui Mesquita rui.jv.mesquita@sapo.pt Dezembro

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

INGLÊS PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Nível de Iniciação. Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.03.11/2005. 12.º Ano de Escolaridade

INGLÊS PROVA DE EXAME FINAL DE ÂMBITO NACIONAL DE. Nível de Iniciação. Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.03.11/2005. 12.º Ano de Escolaridade gabinete de avaliação educacional INFORMAÇÃO N.º 11/05 Data: 18.01.05 Número do Processo: SE.03.11/2005 Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Inspecção Geral de Educação Direcções

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO

EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO Standard Eurobarometer European Commission EUROBARÓMETRO 68 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA OUTONO 2007 RELATÓRIO NACIONAL Standard Eurobarometer 68 / Autumn 2007 TNS Opinion & Social SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes 1 II Avaliação de desempenho 1. Introdução A adopção de um modelo de avaliação de desempenho de docentes pressupõe, para a FNE, a consideração

Leia mais

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009 Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água Ano de 2008/2009 Comissão Coordenadora Maria da Natividade Ribeiro Vieira Directora de Curso Vítor Manuel Oliveira Vasconcelos Luís Filipe

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia Gaianima, E. M., Equipamentos Municipais Departamento do Desporto Escolar Escola Profissional de Gaia Academia de Xadrez de

Leia mais

Maio de 2012. Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II. Ano Letivo 2011/2012

Maio de 2012. Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II. Ano Letivo 2011/2012 Maio de 2012 Relatório de Avaliação da Aula Comunicação Oral de Escrita da Unidade Curricular Competências Transversais II Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução... 3 2.

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web

Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web Curso Técnico Superior Profissional em Desenvolvimento Web PROVA DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE REFERENCIAL DE CONHECIMENTOS E APTIDÕES Áreas relevantes para o curso de acordo com o n.º 4 do art.º 11.º do

Leia mais

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito -

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito - Visitas às Eco-Escolas Auditorias de Qualidade do Programa - Guião de preenchimento do inquérito - NOTAS PRÉVIAS O presente documento serve de guião à aplicação da ficha de visita às Eco-Escolas fornecendo

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas.

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas. PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre ASPECTOS GERAIS TEORIA DE APRENDIZAGEM DE ROBERT GAGNÉ: 1.Informação verbal; 2.Competências intelectuais; 3.Estratégias

Leia mais

[Diapositivo 2] Porquê a escolha desta população?

[Diapositivo 2] Porquê a escolha desta população? 1 De que falamos quando falamos de preconceito contra a homoparentalidade: Atitudes face à competência parental e ao desenvolvimento psicossocial das crianças. Jorge Gato [Diapositivo 1] Gostava de partilhar

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade e Inovação 2014

Barómetro Regional da Qualidade e Inovação 2014 Barómetro Regional da 2014 RESUMO EXECUTIVO O constitui um mecanismo de avaliação periódica dos níveis de na Região Autónoma da Madeira (RAM). Para o efeito baseia-se no paradigma e lógica subjacente aos

Leia mais

ANEXO L Documento de apresentação do estudo. Programa de promoção da saúde no idoso

ANEXO L Documento de apresentação do estudo. Programa de promoção da saúde no idoso ANEXO L Documento de apresentação do estudo Programa de promoção da saúde no idoso Fundamentação teórica O envelhecimento Com o avançar da idade, o organismo desgasta-se. A esse processo chamamos envelhecimento.

Leia mais

Conhecer melhor os números

Conhecer melhor os números A partir do Currículo Nacional de Matemática do 7º ano de escolaridade desenvolvem-se actividades com recurso ao computador utilizando essencialmente Excel e Geogebra Conhecer melhor os números Esta unidade

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA TRABALHO LABORATORIAL NO ENSINO DAS CIÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE AS PRÁTICAS DE FUTUROS PROFESSORES DE BIOLOGIA E GEOLOGIA DOURADO, LUÍS Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho. Palavras

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Turistas Avaliação da Satisfação dos Turistas Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Turistas Índice RESUMO EXECUTIVO... 03 1. INTRODUÇÃO... 06 2. METODOLOGIA... 07

Leia mais