INFLUÊNCIA DE ÉPOCAS DE PODA E MÉTODOS DE POLINIZAÇÃO NA CULTURA DA PINHA (Annona squamosa L.) NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DE ÉPOCAS DE PODA E MÉTODOS DE POLINIZAÇÃO NA CULTURA DA PINHA (Annona squamosa L.) NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DE ÉPOCAS DE PODA E MÉTODOS DE POLINIZAÇÃO NA CULTURA DA PINHA (Annona squamosa L.) NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ABDON SANTOS NOGUEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE DARCY RIBEIRO CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ JUNHO 2002

2 INFLUÊNCIA DE ÉPOCAS DE PODA E MÉTODOS DE POLINIZAÇÃO NA CULTURA DA PINHA (Annona squamosa L.) NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ABDON SANTOS NOGUEIRA Tese apresentada ao Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias da Universidade Estadual do Norte Fluminense, como parte das exigências para obtenção do título de Mestre em Produção Vegetal Orientador: Prof. Almy Junior Cordeiro de Carvalho CAMPOS DOS GOYTACAZES RJ JUNHO 2002 ii

3 FICHA CATALOGRÁFICA Preparada pela Biblioteca do CCTA / UENF 0027/2002 Nogueira, Abdon Santos Influência de épocas de poda e métodos de polinização na cultura da pinha (Annona squamosa L.) no Norte do Estado do Rio de Janeiro / Abdon Santos Nogueira f. : il. Orientador: Almy Junior Cordeiro de Carvalho Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) Universidade Estadual do Norte Fluminense, Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias. Campos dos Goytacazes, RJ, Bibliografia: f Fruta do conde 2. Pinha 3. Fenologia 4. Polinização 5. Anonáceas I. Universidade Estadual do Norte Fluminense. Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias. II. Título. CDD iii

4 INFLUÊNCIA DE ÉPOCAS DE PODA E MÉTODOS DE POLINIZAÇÃO NA CULTURA DA PINHA (Annona squamosa L.) NO NORTE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ABDON SANTOS NOGUEIRA Tese apresentada ao Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias da Universidade Estadual do Norte Fluminense, como parte das exigências para obtenção do título de Mestre em Produção Vegetal Aprovada em 11 de junho de 2002 Comissão Examinadora: Pesq. Alcílio Vieira (D.Sc., Fruticultura Tropical) Pesagro-Rio Profª Janie Jasmim Corabi Adell (D.Sc., Plantas Ornamentais) UENF Profª Cláudia Sales Marinho (D.Sc., Fruticultura Subtropical) UENF Prof. Almy Junior Cordeiro de Carvalho (D.Sc., Fruticultura Tropical) UENF Orientador

5 Toda vez que criticamos a experiência dos outros, estamos apontando em nós mesmos os pontos fracos que precisamos emendar em nossas próprias experiências Agradeço de todo o meu coração a DEUS, que sempre esteve ao meu lado, nas horas de alegria e tristeza, me dando força e coragem para seguir sempre em frente e confiante. OFEREÇO ii

6 Aos meus pais, Justo González Nogueira e Maria Lúcia dos Santos Nogueira, pela constante dedicação e amor, que sempre me deram tudo que possuem de melhor, contribuindo para o meu crescimento como ser humano. Ao meu irmão Guto, pelo carinho e incentivo. DEDICO iii

7 AGRADECIMENTOS À Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF, pela oportunidade e apoio para a realização do curso. À Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro FAPERJ, pelo financiamento do projeto. À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, pela concessão da bolsa de estudos. Ao orientador, Prof. Almy Junior Cordeiro de Carvalho, pela orientação e ensinamentos na realização do presente trabalho. Aos membros da banca, Professora Cláudia Sales Marinho, à Professora Janie Jasmim Corabi Adell e ao Pesquisador Dr. Alcílio Vieira, pelas sugestões para o enriquecimento do trabalho e apoio. Ao Eng. Agrônomo Laerte Werneck, pela concessão da área. Ao Italvane, pela grande ajuda nos trabalhos de campo. Ao meu grande amigo e compadre Asdrubal Viana dos Santos, pelo incentivo e apoio para a realização deste trabalho. Ao Eng. Agrônomo João Carlos Gomes do Nascimento, pelo companheirismo e apoio nas horas difíceis. A todos os professores que até o momento tiveram grande contribuição para a minha formação profissional. Ao Sr. José Accácio, pelo auxílio constante e contribuição nas análises de laboratório. iv

8 Aos todos os funcionários do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias CCTA, pela colaboração. Aos estudantes de graduação do curso de agronomia Patrícia Gomes Pessanha e Bruno Cereja, pela ajuda durante a realização do trabalho. Aos amigos e colegas, Alessandro, Kátia, Nádia, Susana, Dadu, Anselmo, Juarez, Selma, Maria Elvira, Jolimar, Marta Simone, Mário, Daniel, Marcos, Júnior, Romário, Romero, Patrícia, Alexandre. A todos colegas de curso e contemporâneos com os quais tive a oportunidade de conviver. E a todos que, direta ou indiretamente, colaboraram, torceram e incentivaram para a concretização do presente trabalho. v

9 SUMÁRIO RESUMO viii ABSTRACT x 1. INTRODUÇÃO 1 2. REVISÃO DE LITERATURA Aspectos gerais da cultura Taxonomia e caracterização botânica da espécie Morfologia floral, florescimento e frutificação Poda Princípios fisiológicos e fundamentos da poda Indução floral através da poda Polinização e reprodução Nutrição da pinha MATERIAL E MÉTODOS Local do experimento e caracterização climática Delineamento experimental e tratamentos Podas Tratos culturais 21 vi

10 3.5 Preparo dos grãos de pólen Polinização Amostragens foliares e análises dos nutrientes foliares Características avaliadas Crescimento e desenvolvimento das plantas Florescimento e frutificação Nutrientes foliares Análise estatística RESULTADOS E DISCUSSÃO Desenvolvimento de ramos Período de florescimento após a poda Fecundação de flores e frutificação Nutrientes foliares RESUMO E CONCLUSÕES 42 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 45 APÊNDICE 53 vii

11 RESUMO NOGUEIRA, Abdon Santos; Eng. Agrônomo, M.Sc.; Universidade Estadual do Norte Fluminense; Junho de 2002; Influência de épocas de poda e métodos de polinização na cultura da pinha (Annona squamosa L.) no Norte do Estado do Rio de Janeiro; Prof. Orientador: Almy Junior Cordeiro de Carvalho O experimento foi conduzido no município de São Francisco do Itabapoana-RJ, no período compreendido entre abril de 2001 a fevereiro de 2002, com o objetivo de avaliar os efeitos das épocas de poda (maio, junho, julho, agosto e setembro) e dos métodos de polinização (polinização aberta ou natural, polinização com bomba polinizadora e polinização com pincel). O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados com quatro repetições e três plantas úteis por parcela. Para as condições de São Francisco do Itabapoana, o período entre a poda e o florescimento foi de 37 dias, para poda realizada em maio, de 23 dias, para poda realizada em junho, de 18 dias para podas realizadas em julho e agosto e de 15 dias para poda realizada em setembro. O desenvolvimento das brotações após a poda apresentou-se diferenciado, pois para a primeira época o início da brotação foi retardado, além de ter ocorrido morte e ausência das mesmas; talvez as condições climáticas no período tenham sido responsáveis por isso. A utilização da polinização artificial elevou a fecundação das flores, tendo sido obtido média de 94 e 87% de fecundação quando se utilizou a bomba polinizadora e o pincel, respectivamente, e 7% para flores polinizadas naturalmente. O crescimento dos frutos, até 60 dias após a polinização, variou em função do método de polinização, tendo sido observados maiores valores quando viii

12 se utilizou a polinização artificial. A polinização artificial promoveu, ainda, uniformidade de fecundação dos carpelos, originando um fruto de formato bem mais uniforme. Avaliou-se, ainda, os teores dos nutrientes N, P, K, Ca, Mg, Fe, Zn, Mn, Cu e B na matéria seca foliar da pinha. Verificou-se variação, para os nutrientes analisados, entre as diferentes épocas de amostragem. Observou-se que os teores de N e P variaram em função da época de poda. Os métodos de polinização não afetaram os teores de nutrientes nas folhas da pinha. Os teores de K decresceram quando os de Ca e Mg cresceram nas folhas. ix

13 ABSTRACT NOGUEIRA, Abdon Santos; Agronomist Engineer, M.Sc.; Universidade Estadual do Norte Fluminense; June 2002; Influence of pruning timing and pollination methods on the sugar apple (Annona squamosa L.) in the North of Rio de Janeiro State, Brazil; Adviser: Professor Almy Junior Cordeiro de Carvalho. The experiment was carried out in the city of São Francisco do Itabapoana, Northern Rio de Janeiro State, between April 2001 and February 2002, aiming to evaluate the effects of different pruning times (May, June, July, August and September) and pollination methods (open pollination or natural, pollination with hand pump and pollination with brush). The experiment was in a complete randomized block design, with five pruning times and four replications, three plants per plot being sampled. For the conditions of São Francisco do Itabapoana, the period between pruning and blooming was of 37 days, for pruning carried out in May, 23 days for pruning carried out in June, 18 days for pruning carried out in July and August and 15 days for pruning carried out in September. The development of shoots after the pruning was a very specific once being delayed after the first pruning time, maybe due to prevailing climatic conditions. The use of artificial pollination increased the fecundation levels. Fecundation averages of 94 and 87% were obtained, respectively, for the hand pump and the brush methods, and 7% for flowers pollinated naturally. The fruit growth, until 60 days after pollination, varied as function of the pollination method with higher values observed when artificial pollination was used. The artificial pollination enhanced x

14 uniformity in fecundation of carpels generating a most uniform fruit shape. Leaf nutrient contents were evaluated considering N, P, K, Ca, Mg, Fe, Zn, Mn, Cu and B; leaf nutrient content variations were observed for different treatments. Leaf contents of N and P varied as function of pruning time. The K levels decreased while Ca and Mg increased. The pollination methods did not affect nutrient concentrations in the sugar apple leaves. xi

15 1. INTRODUÇÃO Dentre as anonáceas mais cultivadas no mundo, pode-se destacar a pinha ou fruta-do-conde (Annona squamosa L.), como normalmente é conhecida. È originária da América Tropical, mais precisamente, nas terras baixas da América Central. Apresenta boas perspectivas econômicas de cultivo para diversas regiões do Brasil, devido a sua fácil adaptação edafoclimática, inclusive às condições existentes no Estado do Rio de Janeiro. Por apresentar boa qualidade de frutos, além de satisfatória rentabilidade, esta espécie, vem despertando o interesse dos fruticultores, de várias partes do país, para o seu cultivo, pois além das propriedades alimentares, as anonáceas apresentam valor medicinal e, ainda, propriedades inseticidas. Segundo dados do IBGE (2002), a área de pinha no Brasil, em 1996, era de ha, sendo cultivada, principalmente nos estados de Pernambuco, Alagoas, Bahia e São Paulo. No Nordeste, produziu-se 87% deste total, dos quais, 18% em Pernambuco, estado em que há grande potencial produtivo, para o cultivo desta anonácea. O estado do Rio de Janeiro, apesar do potencial existente para o cultivo de fruteiras, ainda não é um grande produtor de frutas, com destaque apenas para o maracujazeiro e o abacaxizeiro, sendo que existia em 1996 uma área cultivada com pinha de, aproximadamente, 35 ha. O Brasil possui uma posição diferenciada e positiva em relação aos demais países por apresentar uma grande diversidade de clima e solos, tornando possível a exploração de diversas espécies frutíferas de clima tropical. De um

16 modo geral, a pinheira é uma planta pouco produtiva. No Estado de São Paulo, produções de 8 t ha -1 são consideradas excelentes, sendo a produtividade média de 3,2 t ha -1 (Kavati,1997). Segundo Donadio et al. (1998), a utilização de técnicas de cultivo recomendadas para a cultura da pinheira, a produtividade pode alcançar até 13 t ha -1 ano -1 em plantios acima de seis anos de idade. A comercialização dos frutos de pinha, ainda é pouco eficiente, pois a qualidade das frutas depende de um sistema adequado de infra-estrutura, que atenda à demanda do mercado. Portanto, para um maior aumento de áreas de plantio comercial, torna-se necessário um aprimoramento do processo de comercialização, aliado à geração de tecnologias, que possibilitem a conservação dos frutos por um período maior, buscando-se com isso uma maior qualidade, não só visando o mercado interno, como o externo. A pinha vem sendo cultivada, comercialmente, há vários anos, em diversos estados do Brasil, com pomares formados basicamente por mudas oriundas de sementes (pé franco), adaptando-se melhor em regiões de clima mais quente. Estudos de mercado, realizados nos principais centros consumidores, mostraram que, de janeiro a março, os preços são os menores do ano, pois devido a uma maior oferta do produto, com tendência de elevação de preços a partir do mês de abril. No segundo semestre do ano, existe uma baixa oferta do produto e, como conseqüência, os preços se elevam ainda mais. A caixa de 3,3 kg de pinha tem sido comercializada a R$ 2,20 em março chegando a R$ 10,00 em abril e R$ 25,00 em setembro (Embrapa, 1998). Atualmente, os produtores do estado do Rio de Janeiro, mais especificamente das Regiões Norte e Noroeste, vêm recebendo incentivos para a diversificação da produção agrícola, já que a economia dessas regiões é baseada, quase que exclusivamente, na monocultura da cana-de-açúcar. Portanto, é nessa linha que a fruticultura, vem surgindo como uma alternativa viável e rentável, visando o desenvolvimento de pequenas e médias propriedades rurais, além da fixação dos trabalhadores no campo, devido à maior demanda de mão-de-obra. Apesar de não dispor de dados estatísticos mais concretos, sobre a cultura da pinha, é notório o crescimento da demanda na comercialização dos frutos. Dentro da região metropolitana do Rio de Janeiro, por exemplo, a 2

17 comercialização dos frutos da pinheira vem aumentando, significativamente, nas centrais de abastecimento do estado do Rio de Janeiro (CEASA-RJ, 1999). Entre os anos de 1998 e 1999, o incremento foi de 747 t para t de frutos comercializados, respectivamente. Quase a totalidade de frutos comercializados nos mercados do Estado do Rio de Janeiro, são provenientes do Nordeste Brasileiro. Contudo, o desconhecimento de tecnologias, que permitam melhorias no manejo da cultura, principalmente, no que concerne a épocas de produção, métodos de polinização, qualidade e conservação pós-colheita de frutos, irrigação, adubação e controle de pragas e doenças, vem limitando o crescimento da área plantada no Brasil, apesar do interesse dos produtores, atraídos pelos preços de mercado da fruta. Os objetivos deste trabalho foram determinar: a) A influência da época de poda no florescimento e na frutificação da pinheira na região Norte do Estado do Rio de Janeiro; b) A viabilidade do uso da polinização artificial na frutificação da cultura da pinha; c) Os teores foliares dos nutrientes N, P, K, Ca, Mg, B, Cu, Fe, Mn, e Zn em função das épocas de poda e de amostragem foliar e de métodos de polinização. 3

18 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1. Aspectos gerais da cultura De acordo com o International Board for Plant Genetic Resources (IBPGR, 1986), as quatro anonáceas mais cultivadas no mundo são: a graviola (Annona muricata L.); a pinha (Annona squamosa L.); a condessa (Annona reticulata L.); e a cherimólia (Annona cherimola Mill.). O IBPGR relaciona outras espécies que, ocasionalmente, são cultivadas como frutas comestíveis. Ao todo, aproximadamente 13 espécies de anonáceas têm frutos comestíveis. O Brasil tem-se destacado mundialmente como grande produtor de frutas, especialmente, tropicais e subtropicais. O cultivo das anonáceas tem sido feito, no país, por longo tempo e têm aumentado nos últimos anos, devido aos elevados preços que seus frutos alcançam no mercado. Entre aquelas de maior interesse comercial a pinha, também conhecida como fruta do conde, vem se destacando comercialmente. A produção desta fruta no Brasil a coloca, no momento, como a principal espécie de anonácea cultivada em praticamente todos os estados da região Nordeste e Sudeste do Brasil (Donadio et al., 1998). Das espécies destinadas ao consumo in natura, a mais importante é a pinha. (Freitas e Couto, 1997, Silva e Silva, 1997). A fruta-do-conde é pouco utilizada para indústria de sucos e polpa de fruta, devido ao escurecimento da polpa, após o processamento.

19 A pinheira é uma anonácea de clima tropical e subtropical, tendo boa produção em locais sem excesso de chuvas e altitude até 800 m, com estação seca bem definida e invernos amenos, não tolerando temperaturas muito baixas (principalmente geadas). Temperaturas baixas no período de florescimento e na maturação dos frutos causam grandes prejuízos à cultura pela redução no número de flores vingadas, diminuição no tamanho e qualidade dos frutos. Excesso de chuvas nestas fases também provoca o abortamento de flores e frutos e favorece maior incidência de antracnose, acarretando queda de produção. Para obtenção de safras comerciais, a planta exige condições de clima quente e alta umidade, porém, é fundamental que durante o ano ocorra um período de estresse climático, que dependendo da região pode ser frio ou seco, capaz de promover um repouso vegetativo necessário a um melhor florescimento (Kavati e Piza Jr., 1997). A pinheira adapta-se bem a quase todos os tipos de solo, de preferência bem drenados, (Donadio et al., 1998), preferindo os areno-argilosos, ricos em matéria orgânica, férteis e próximos à neutralidade. As características físicas são mais importantes que os aspectos químicos, uma vez que as anonáceas geralmente não se desenvolvem bem em solos com textura argilosa, que favorecem a ocorrência de podridões de raízes e do colo, causada por fungos (Fleichtenberger et al., 1988). Ramos e Valente (1992) explicaram que a baixa produtividade obtida com a planta, nos estados nordestinos, está relacionada com a instalação de pomares em solos pobres (areias quartzosas) e tratos culturais insuficientes, entre outros pontos parâmetros. Nestas condições, existem pomares com mais de 50 anos, ainda em produção comercial. O baixo nível tecnológico, ainda empregado nessas áreas, induz a exploração dessa fruteira, a ser quase extrativista. Lederman e Bezerra (1997), ressaltaram que o cultivo dessa fruteira, no estado de Pernambuco, ainda está um tanto incipiente, devido a pouca incorporação, ao longo dos anos, de tecnologias apropriadas para os produtores, acarretando baixa produtividade no cultivo. Outro grande problema, que foi observado por Silva e Silva (1997), no estado da Paraíba, diz respeito, à implantação de pomares, ainda por meio de 5

20 sementes, o que causa grande heterogeneidade de plantas no pomar, além dessas sementes provirem de frutos de procedência desconhecida. Pesquisas realizadas por Freitas e Couto (1997), relataram que a maior parte da pinha comercializada no Estado de Minas Gerais, é proveniente do Nordeste, destacando-se a comercialização de frutos dos estados de Alagoas e Pernambuco. Esses mesmos autores observaram ausência de oferta de pinha nos meses de outubro, novembro e dezembro, entre os anos de 1991 a 1995, em Minas Gerais. Martelleto (1997) cita o cultivo da pinheira como sendo promissor para a região Norte e Noroeste do Estado do Rio de Janeiro, porém, poucos são os produtores que adotam técnicas como irrigação, adubação, poda, entre outras, que trariam um incremento de produtividade, além da melhoria da qualidade Taxonomia e caracterização botânica da espécie A pinheira, fruta-do-conde ou ata, pertence ao Reino Vegetal; Divisão: Angiospermae; Classe: Dicotyledoneae; Ordem: Magnoliales; Família: Annonaceae; Subfamília: Annonoideae e Gênero: Annona (Brandão, 1979, Manica, 1997). No gênero Annona encontram-se a ata, fruta-do-conde ou pinha (Annona squamosa L.), a cherimólia (Annona cherimola Mill.), a condessa (Annona reticulata L.), a graviola (Annona muricata L.), a atemóia (híbrido de Annona cherimola x Annona squamosa), o araticum-do-campo (Annona dioica), o araticum-do-brejo (Annona paludosa), o cabeça de negro (Annona coriácea), a ilama (Annona diversifolia) (Manica, 1997). A família Annonaceae possui mais de 40 gêneros e 620 espécies. O gênero Annona é o mais importante, com mais de 50 espécies. Popenoe (1920) e Hoehne (1946) relataram a descrição botânica das Anonáceas. Segundo Martius (1841), a pinha é originária das Antilhas, na América Tropical, provavelmente, das Ilhas Trinidad. É encontrada hoje, bastante disseminada, em toda faixa tropical do mundo, onde suas frutas são muito apreciadas (Cañizares-Zayas, 1966). Segundo Léon (1987), esta planta tem grande importância na Índia, onde as populações espontâneas existem em grande número e crescem com 6

21 abundância, o que leva a acreditar que seria nativa deste país. No Brasil foi introduzida na Bahia no ano de 1926, por Diogo Luiz de Oliveira, o conde de Miranda. Daí a origem de um dos seus nomes populares, fruta-do-conde, sendo cultivada em diversos estados brasileiros (Donadio et al., 1998). Gomes (1972), Pinto e Genu (1984) e Simão (1998) também consideram o Caribe como berço das Annonaceaes. Para Braga (1960) e Gomes (1975), a ateira é uma árvore de 3 a 5 metros de altura, podendo atingir tamanhos maiores em condições favoráveis ao seu desenvolvimento. A pinheira é considerada uma árvore baixa, com 4 a 6 metros de altura e muito ramificada, de coloração geral verde acinzentada (Piza Júnior, 1982). A raiz principal é do tipo pivotante e tem um crescimento proporcional muito maior que a parte aérea. Os ramos inicialmente são de coloração verde quando tenros e, à medida que amadurecem, tornam-se amarronzados e, por fim, acinzentados na sua maturidade. As folhas são decíduas, medindo cerca de 5 a 15 cm de comprimento por 2 a 6 cm de largura. As lâminas foliares possuem formato oblongo-elíptico, de ápice obtuso e acuminado e apresentam uma coloração verde brilhante na parte superior (adaxial) e cor verde azulada na parte inferior (abaxial) (Simão, 1971, Gomes, 1972, Manica, 1994). As folhas, quando novas, são pubescentes, mas glabras na maturidade, cobertas por uma camada de cera mais visível na face inferior, enquanto que na face superior é bem reduzida (Lemos e Cavalcanti, 1989, Kavati, 1997). A disposição das folhas nos ramos é alterna e sobre um único plano (dísticas). O pecíolo mede cerca de 1,5 cm de comprimento, apresenta-se mais espesso junto a inserção dos ramos, protegendo as gemas. Estas gemas são compostas, formadas de várias gemas individualizadas e invisíveis quando os ramos estão enfolhados, podendo ser vegetativas ou floríferas. Em sua maioria, para que elas se desenvolvam, torna-se necessária a completa desfolha dos ramos (Kavati, 1997) Morfologia floral, florescimento e frutificação As flores de Annona squamosa L. são hermafroditas, isoladas ou em grupos de duas a quatro, pendentes e surgem, na sua maioria, sobre os ramos de 7

22 crescimento anual. Elas são laterais, opostas às folhas ou terminais e surgem sucessivamente durante o período da floração (Kavati, 1997). As flores são formadas por três sépalas triangulares que medem de 2 a 3 cm de comprimento e três pétalas externas, carnosas e lanceoladas de corte triangular, com 1,5 cm de comprimento formando uma câmara floral definida. Na base da flor existem numerosos estames amarelados e na parte superior muitos carpelos purpúreos. O botão floral eclode de uma gema subpeciolar após a queda do pecíolo foliar, 15 a 20 dias antes da antese. A região basal do carpelo permanece fundido a um sincarpo, enquanto a parte apical é destinada à fixação do estigma e estilo, permanecendo livre durante todo o desenvolvimento da flor (Manica, 1997). A antese das flores é crepuscular, ocorrendo por volta das 17 horas, e a duração das flores é de aproximadamente dois dias. Todo esse processo, que vai da separação das pétalas até a abertura da flor, tem duração variada, podendo ser de algumas horas até um dia. As pétalas caem entre um período de 2 a 3 dias (Lederman e Bezerra, 1997). As novas flores continuam a aparecer em direção ao ápice dos ramos enquanto as flores da porção basal desses ramos se desenvolvem completamente (Kumar et al., 1977). Esses mesmos autores, trabalhando com flores de pinha na Índia, determinaram um período que leva, aproximadamente, 35 dias para o completo desenvolvimento do botão floral, com o florescimento ocorrendo entre os meses de março a agosto, com o máximo entre aos meses de abril e maio. Já Kshirsagar et al. (1975), trabalhando com atemóia na Índia, concluíram que o período correspondente ao início da diferenciação floral até o estágio de floração completa variou entre 27 e 31 dias, e que o período mais longo observado ocorreu quando houve condição de baixa temperatura durante a floração. O tempo entre o início do aparecimento da gema floral até o momento antes da antese, no qual o botão alcança diâmetro de 25 a 33 mm, varia em torno de 60 a 82 dias (Escobar et al., 1986). Segundo Nalawadi et al. (1975), o período de floração leva, em média, de 29 a 34 dias do início visual do botão floral até o completo florescimento. No 8

23 entanto, o tempo médio que os botões florais levaram até o completo florescimento foi de 30,8 dias. Kumar et al. (1977), trabalhando com pinha na Índia, visualizaram a máxima antese entre 17 horas e 30 minutos e 5 horas e 30 minutos e a deiscência foi máxima entre 11 horas e 30 minutos e 14 horas e 30 minutos. Kshirsagar et al. (1975), também na Índia, citaram que a máxima antese ocorreu entre as 6 e 8 horas e deiscência entre 12 e 14 horas. Durante este processo as pétalas, que inicialmente estavam compactamente unidas, passam a ficar ligeiramente abertas, definindo o início da fase feminina. Já a fase masculina começa quando as anteras se encontram deiscentes, o que ocorre após as pétalas estarem totalmente abertas. O período de abertura das flores de pinha varia muito em função do local, das condições climáticas e da variedade (Lederman e Bezerra, 1997). Embora sejam hermafroditas, as flores de pinha apresentam-se com o gineceu receptivo nas primeiras 20 horas após a antese, e na fase deiscente das anteras nas 20 horas seguintes, caracterizando assim a dicogamia protogínica, antecipação da maturação do gineceu em relação ao androceu. Este fenômeno fisiológico dificulta a polinização natural e, consequentemente, a frutificação. Testes de viabilidade realizados por Kumar et al. (1977), na Índia, com flores coletadas em diferentes épocas, mostram que o mês de agosto foi o mais apropriado para obtenção de grãos de pólen mais viáveis, obtendo uma taxa de 73,3% de pólens férteis. Neste caso a alta umidade foi determinante para essa taxa de fertilidade. Kill e Costa (2000), estudando o sistema floral e reprodutivo da flor de pinha na região de Petrolina - PE, observaram que esta espécie apresenta características florais que permite classifica-la como cantarófila, que se constitui na polinização por coleópteros. Com relação ao seu sistema reprodutivo os mesmos autores concluem ser esta espécie autocompatível, produzindo frutos e sementes por auto-polinização quanto por polinização cruzada. A pinheira possui um fruto classificado como sincarpo, arredondado, ovóide, esférico ou cordiforme, com 5 a 10 cm, originado de uma única flor e formado pela fusão de vários carpelos simples, bastante salientes e bem individualizados, podendo sua superfície ser lisa ou rugosa. O número de carpelos varia muito, sendo frutas maiores possuidoras de um maior número de 9

24 carpelos (Kavati, 1997, Manica, 1997). O fruto pesa até 800 g (Ferreira 1997), possui a superfície de coloração verde escura, coberta no início do desenvolvimento do fruto por um pó esbranquiçado e, ao amadurecer, passa de verde escuro ao verde-pardo-cinzento (Manica, 1997). Nesta fase, as saliências se afastam tornando-se mais visíveis e são separadas por linhas claras e fundas. O desenvolvimento do fruto da pinheira, segundo Pal e Kumar (1965), é do tipo sigmoidal, com o crescimento apresentando dois picos, o primeiro dos quais entre 45 e 60 dias após a antese e outro entre 90 e 105 dias. A polpa é branca, perfumada, doce, muito saborosa, encerrando considerável número de sementes de 51 a 75 grandes e pretas que variam, em função do tamanho das frutas (Cañizares-Zayas, 1966). O sabor extremamente doce dos frutos de pinha é dado pelo elevado teor de frutose, que supera o teor de sacarose, uma vez que o poder adoçante da frutose é de 1,7 vez superior ao da sacarose (Lehninger, 1976) Poda A poda é uma técnica de eliminação de partes vegetais vivas ou mortas, com a finalidade de regularizar a produção, aumentar e melhorar a qualidade dos frutos através do estabelecimento do equilíbrio entre o desenvolvimento vegetativo e a frutificação. Trata-se de uma prática cultural indispensável na exploração da cultura da pinha e requer conhecimento e habilidade para a sua correta execução. Fatores como a produtividade, precocidade, formas de condução e fase vegetativa da árvore podem ser seriamente afetados se não houver uma poda correta. Chaikiattiyos, citado por Kavati (1998), afirma que o florescimento em plantas tropicais é geralmente induzido por uma parada no seu desenvolvimento vegetativo. Em anonáceas esta observação é extremamente importante, pois a maioria das espécies cultivada comercialmente é de clima tropical, com exceção da cherimolia, que exige clima subtropical ou tropical de altitude para boas produções. No entanto, para todas as espécies, sem exceção, o principal pico de florescimento surge a partir de um período desfavorável ao desenvolvimento vegetativo que, no caso das espécies do Grupo Attae, no descobrimento das gemas subpeciolares pela queda das folhas. Portanto, no florescimento, as flores 10

25 podem surgir diretamente dos ramos de um ano de idade e, também, dos brotos em início de desenvolvimento, que emergem a partir destes mesmos ramos outonados. Em uma mesma gema pode surgir flores e novos ramos. Este hábito de florescimento também em ramos em desenvolvimento permite supor que qualquer manejo que favoreça a emissão de novas brotações poderá provocar um novo florescimento na planta, desde que outros fatores não afetem o desenvolvimento da flor, o pegamento e o desenvolvimento da fruta, possa propiciar, assim, uma safra adicional. As podas, tanto de inverno quanto de verão, consistem no encurtamento de todos os ramos de um ano cuja base se insira até 160 cm do solo, reduzindoos para 10 a 12 gemas na poda de inverno e 6 a 8 gemas na poda de verão. Apesar de diversos fatores interferirem na produção, as podas realizadas no verão produzem safras temporãs, indicando que esta operação estimula o aumento da produtividade em atemóia (Kavati, 1998). A poda pode ser longa, com um maior número de gemas por ramo, ou curta, sendo que ambas estimulam novo fluxo vegetativo. Segundo Ferrari et al., (1998) os melhores resultados são obtidos quando se utiliza a poda longa. Cavalcante et al. (1998) observaram, em experimento realizado com graviola (Annona muricata L.), a ocorrência de maior concentração dos frutos no terço médio da planta, tanto no caule como nos ramos, sendo a frutificação nos ramos bastante superior à do caule, ramos com diâmetro entre 11 e 15 mm apresentaram maior freqüência de frutificação. Segundo Pinto e Ramos (1998), as podas longa e curta reduziram significativamente a altura, porém, não afetaram o diâmetro da copa das plantas. A produção não foi influenciada por nenhuma das podas, no entanto, a polinização manual, influenciou no aumento da produção, resultando em 64% do desenvolvimento de frutos, contra apenas 23% proveniente da polinização natural. A poda de verão na pinha é empregada para uniformizar uma segunda safra natural, em pomares adequadamente nutridos. Para isso, ramos com mais de 3 meses de idade, quando apresentam pelo menos 2/3 de seu comprimento já maduro, com a casca lignificada, são encurtados, deixando-se cerca de 8 a 12 11

26 gemas, que devem ser estimuladas pela desfolha pela ocasião do desponte (Kavati e Piza Jr, 1997). Segundo Garcia et al. (2000), a poda, quando bem executada, promove um novo fluxo de crescimento vegetativo, permitindo a obtenção de uma nova safra na mesma estação. No entanto, os mesmos autores alertam que as respostas ao estímulo para obtenção do novo ciclo são muito influenciadas pelas condições climáticas. Portanto, existe a necessidade de regionalização dos estudos para que se possa determinar a possibilidade de desenvolvimento dos ramos, a partir da poda, em função das condições climáticas da região onde está sendo realizado o estudo Princípios fisiológicos e fundamentos da poda Segundo Simão (1998), os princípios fisiológicos da poda são os seguintes: O vigor e a fertilidade de uma planta dependem, em grande parte, das condições edafoclimáticas; o vigor de uma planta depende da eficiência na condução dos fotoassimilados; existe uma estreita relação entre o desenvolvimento da copa e o sistema radicular esse equilíbrio afeta o vigor e a longevidade das plantas; a produção e translocação de fotoassimilados ocorrem com maior intensidade em ramos bem iluminados; folhas são órgãos fotossintetizantes, sua redução ou exclusão afeta diretamente a planta; existem espécies que frutificam apenas nos ramos formados no ano e outras produzem durante vários anos nos mesmos ramos; o aumento do diâmetro do tronco está em relação inversa com a intensidade da poda; o vigor das gemas depende da sua posição e do seu número nos ramos; a poda drástica retarda a frutificação. As funções reprodutivas e vegetativas são antagônicas. Os principais objetivos da poda citados por Leão e Maia (1998) são: impulsionar a produção precoce das plantas; uniformizar a produção, evitando que o excesso de carga prejudique a próxima safra; melhorar a qualidade dos frutos; distribuir os fotoassimilados de forma mais uniforme pelos órgãos vegetais; proporcionar uma forma adequada e determinada à planta. Dependendo da fase do ciclo vegetativo, podem ser realizados dois tipos de poda: A seca ou de inverno, quando a planta encontra-se em fase de repouso 12

27 e a poda verde ou de verão, que é um complemento da anterior realizada durante o crescimento vegetativo da planta. A poda de verão ou verde é realizada durante o período de vegetação, florescimento, frutificação e maturação dos frutos e tem por finalidade melhorar a sua qualidade e manter a forma da copa, pela supressão de partes da planta. Melhora o desenvolvimento dos ramos inferiores, elimina os brotos laterais improdutivos que se desenvolvem a custa das reservas, em detrimento do florescimento e da frutificação (Simão, 1998) Indução floral através da poda Apesar de ser fundamental a utilização da técnica da poda para as anonáceas, bem como os métodos de polinização artificial, esses ainda são pouco utilizados pelos produtores de pinheira como um processo de indução floral e produção em épocas mais oportunas de mercado. Isso se deve principalmente ao fato de que, no Brasil, poucas são as pesquisas nessa linha. Pizza Júnior e Kavati (1997) mencionam que, na prática da poda de produção para a atemóia, em Mirandópolis e Lins, os ramos são podados como manejo de época de produção da segunda safra, concentrando a produção em apenas um mês. Martelleto (1997) recomendou o desponte e desfolha dos ramos terminais para forçar o desenvolvimento de gemas e, conseqüente, a emissão de novas brotações para as condições verificadas no estado do Rio de Janeiro. Com o uso da poda de produção associada ao suprimento hídrico através da irrigação, têmse, concentrado parte da produção, nos meses de fevereiro e março e em junho e julho. Ferrari et al. (1998), estudando vários tipos de poda para a fruta-doconde, verificaram que a poda longa com apenas duas gemas apicais descobertas, além de estimular um novo fluxo vegetativo, proporcionou também bons resultados com relação ao florescimento. Torna-se necessário que a prática de indução floral através da poda de produção, juntamente com outras técnicas, como a desfolha e a polinização artificial podem ser utilizadas pelos produtores para que se possa ter uma resposta mais uniforme em relação à produção, além de um produto de melhor 13

28 qualidade, esperando-se com isso, uma maior regularidade de produção durante o ano, o que representa uma remuneração maior ao produtor Polinização e reprodução O cultivo racional da pinha requer o conhecimento do sistema reprodutivo da planta. A polinização ineficiente é o principal fator que limita a produção da espécie (Ledermam e Bezerra, 1997). Apesar das anonáceas apresentarem flores hermafroditas, a autofecundação se torna difícil devido ao processo fisiológico conhecido como dicogamia protogínica. A taxa de polinização se reduz bastante na pinha, podendo ser nula em determinadas condições de clima. Além disso, a ocorrência de altas temperaturas e baixa umidade relativa do ar, que ressecam o estigma, as chuvas que impedem o transporte do pólen e baixas temperaturas, diminui a ação de insetos polinizadores, justificando, assim, o baixo índice de polinização natural da pinha (Kavati e Pizza Jr., 1997). Algumas variedades de Anonáceas podem frutificar naturalmente melhor que outras, no entanto, para assegurar uma produção satisfatória de frutos bem formados, a polinização artificial é necessária (Shroeder, 1971). Segundo Englehart (1974), em cherimólia pode haver frutificação natural, porém a maior parte dos frutos serão pequenos e mal formados. Ahmed (1936), nas condições do Egito, realizou dois experimentos de polinização, com pinha, onde no primeiro experimento, quando foi realizada polinização artificial, obteve-se um índice de pegamento de fruto de 92,2%, em contraste às flores que foram polinizadas naturalmente, no mesmo experimento, alcançando um percentual de 8,6% de pegamento. Já no segundo experimento, obteve-se um índice de pegamento de frutos de 90,8% para as flores polinizadas artificialmente e, para a polinização natural, este índice de pegamento foi de 9,6%. A ocorrência de uma boa polinização natural em plantas do gênero Annona depende de uma alta densidade de flores, da coincidência dos estádios florais masculinos e feminino na mesma árvore, da presença de um alto número de insetos polinizadores visitando as flores e das condições climáticas favoráveis durante o período da floração (Fioravanço e Paiva, 1994). 14

29 O controle químico de pragas, como a broca-dos-frutos (Cerconata anonella) ou a vespa da semente (Bephratelloides spp.), quando feito com muita freqüência, prejudica a população natural de insetos polinizadores (Kavati e Piza Jr., 1997). Na Índia, foi constatado que a maioria das flores de pinha abrem-se durante a noite, entre as 17 horas e 5h 30 minutos (Kumar et al., 1977). A polinização artificial é uma técnica essencial na maior parte das espécies cultivadas de anonáceas, pois o fruto necessita de sementes viáveis para frutificar e se desenvolver e, sendo assim, quanto maior o número de sementes, maior é o peso ou tamanho do fruto. No gênero Annona, existe uma relação direta entre o número de sementes e o peso do fruto. Na pinha, por exemplo, para cada 100 g de fruto existem aproximadamente 30 sementes (Lederman e Bezerra, 1997). Quando ocorre uma boa polinização, os frutos da pinha se desenvolvem normalmente e têm uma forma arredondada, enquanto a presença de frutos deformados pode indicar uma polinização irregular (Oppenheimer, 1980). A polinização artificial dirigida é uma prática que pode ser realizada com o objetivo de uniformizar a polinização, aumentar o vingamento dos frutos e, consequentemente, a produtividade (Fioravanço e Paiva, 1994). É possível polinizar de 100 a 150 flores por hora, e são necessários de 50 a 100 dias de trabalho para todas as atividades relacionadas com a polinização artificial. Em experimentos realizados em Israel, com a atemóia, alcançou-se até 90% de frutificação e, na prática, pode-se obter de 100 a 200 kg de frutas em um dia de trabalho com polinização (Oppenheimer, 1980). Vale lembrar, também, que para ocorrer uma polinização efetiva, a flor deve estar nos seus estágios mais receptivos, que são o pré-feminino e o feminino, o período entre o início e o final da fase receptiva do estigma é variável em função das condições climáticas, altas temperaturas e baixa umidade do ar, o que faz com que esse período seja bastante breve, ocorrendo o ressecamento na superfície do estigma da substância açucarada, que é exudada pelas papilas estigmáticas, que têm a função de fixação dos grãos de pólen. Kavati et al. (2000), estudando a ocorrência de auto-incompatibilidade em material clonal de pinha, concluíram que não ocorre auto-incompatibilidade no 15

30 material estudado e que polinização artificial promove aumento de produtividade e qualidade de frutos. Savazaki et al. (2000), trabalhando com polinização artificial em pinha usando a bomba polinizadora, concluíram que, pode-se trabalhar na proporção de uma flor colhida para cada quatro flores polinizadas e que um operador bem treinado consegue polinizar cerca de 1800 flores em 3 horas de trabalho. O aumento da frutificação por meio da polinização artificial tem sido divulgado em trabalhos científicos como uma prática viável. No entanto, tornamse necessários mais estudos regionalizados para que se possa otimizar e adaptar esta prática à realidade dos agricultores Nutrição da pinha Segundo Silva e Silva (1997), as anonáceas, como as demais frutíferas, retiram do solo grande quantidade de elementos minerais, sendo que a pinha absorve quase que o dobro das quantidades absorvidas pela gravioleira. De acordo com Recomendações...(1993), no Ceará deve-se aplicar, parceladamente, durante o período chuvoso, a partir do 4º ano, 180 g de N, e, de acordo com análise de solo, de 40 a 120 g de P 2 O 5 e de 60 a 180 g de K 2 O. Este boletim recomenda, ainda, de 15 a 20 L de esterco curtido por planta por ano. Rego (1992), estudando o efeito da matéria orgânica fornecida como esterco bovino curtido, nas dosagens 0, 5, 10, 15 e 20% em mudas de graviola durante quatro meses, após analisar vários parâmetros de crescimento concluiu que o nível de 15% foi o mais eficiente. Vale salientar que as informações adequadas das quantidades de fertilizantes a serem aplicados em cada condição de plantio permitem otimizar seu cultivo, gerando melhor renda ao produtor, porém no caso da pinha, poucos estudos foram realizados em relação à nutrição mineral e as recomendações de adubações são muito diversas. Couceiro (1973) ressaltou que a adubação em cobertura para o desenvolvimento da pinha é importante e, quando estas entram em frutificação, ele recomenda-se empregar 90 g de N, 120 g de P 2 O 5 e 100 g de K 2 O, por planta e por vez, em 2 a 3 aplicações em cobertura, durante o período de desenvolvimento vegetativo. 16

31 Costa (2001), trabalhando com a cultura da pinha no Norte do Estado do Rio de Janeiro, verificou que a composição mineral nos tratamentos que proporcionaram maior produtividade apresentou variação para os diversos elementos analisados, sendo que os teores dos elementos na matéria seca foliar, relacionados com a máxima produtividade de frutos variaram de 26,5 a 39,4 g kg -1 de N, 1,43 a 2,49 kg -1 de P, 10,7 a 20,5 g kg -1 de K, 9,52 a 13,8 g kg -1 de Ca, 3,27 a 4,18 g kg -1 de Mg, 1,87 a 2,63 g kg -1 de S, 7,24 a 9,05 g kg -1 de Cl, 60,4 a 133 mg kg -1 de Fe, 13,5 a 22,8 mg kg -1 de Zn, 148 a 190 mg kg -1 de Mn, 8,07 a 15,6 mg kg -1 de Cu e 32,1 a 46,6 mg kg -1 de B. Ainda, segundo Costa (2001), a adubação nitrogenada influenciou no aumento no número de flores e de frutos e na percentagem de frutos formados, a adubação nitrogenada e as aplicações de boro não influenciaram no comprimento e no diâmetro dos frutos, porém aumentaram o número de frutos e a produtividade das plantas. A aplicação de boro foliar elevou o vingamento dos frutos. Sadhu e Ghosh (1976) citaram que pinheiras deficientes em potássio têm o seu crescimento reduzido, as folhas superiores tornam-se de coloração verdeclaro e as folhas inferiores mostram secamento do ápice com a lâmina foliar parcialmente amarelada. Algumas florescem, porém não frutificam. Estes mesmos autores, estudando deficiência do fósforo em pinheira, constataram que houve baixo florescimento e frutificação, além de retardar o florescimento em 15 dias, quando existia pequena disponibilidade este elemento. 17

32 3. MATERIAL E MÉTODOS O experimento foi conduzido em um pomar localizado no distrito de Praça João Pessoa, no município de São Francisco de Itabapoana/RJ, no período compreendido entre maio de 2001 e fevereiro de O pomar possui uma área de cultivo de um hectare de pinha, com cinco anos de idade e cultivadas num solo tipo Argissolo Amarelo distrófico, desenvolvido a partir de sedimentos terciários Local e Caracterização climática do experimento O experimento a de latitude sul e de longitude oeste e altitude média de 11 metros (Cide, 2002). A região é classificada, segundo Köeppen (Ometto, 1981) como tropical chuvosa, clima de bosque (Am). As características climáticas observadas na região estão apresentadas no Quadro 1. Os resultados da análise de solo da área experimental no início da implantação do experimento estão descritos no Quadro 2.

33 Quadro 1. Características climáticas observadas na região de implantação do experimento com a cultura da pinha Mês Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. Temp. média (ºC) 27,1 27,6 26,2 24,2 22,4 21,3 21,4 22,2 22,9 24,0 25,1 25,5 Precipitação (mm mês -1 ) Umid. Relativa (%) ETo 3 (mm dia -1 ) A 1 B 2 A 1 B 2 A 1 B 2 A 1 B 2 26, ,3 76,5 75,7 5,10 4,70 28, ,7 74,3 73,6 5,35 5,76 27, ,9 76,3 75,4 5,50 4,86 26, ,3 77,7 76,4 3,70 4,25 23, ,1 77,2 77,0 3,10 2,95 22, ,8 77,3 78,2 2,60 2,57 21,7 34 4,9 74,8 76,5 2,80 2,77 21,7 29 0,2 76,4 76,9 3,40 3,18 22, ,4 78,0 75,8 3,70 3,40 22, ,2 78,1 78,5 4,00 3,99 24, ,3 78,8 83,1 4,50 4,15 25, ,8 76,3 78,6 4,70 4,83 Luz (horas dia -1 ) 13,3 12,8 12,2 11,6 11,2 10,8 10,9 11,3 12,0 12,6 13,2 13,4 MÉDIA 24,2 24, ,7 76,8 77,2 4,03 3,95 12,1 1 A = média de 21 anos ( ) 2 B = média em ETo obtida a partir da Evaporação do Tanque Classe A (ETo = Kt*EV) e (Penman Monteith) Fonte: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Campus Leonel Miranda e Estação Evapotranspirométrica Convênio UENF/Pesagro-Rio Quadro 2. Características químicas de amostras de solo da área de instalação do experimento ph em P K Ca Mg Al H+Al Na C MO H 2 O mg dm -3 cmol c dm -3 g dm -3 g dm -3 6,30 62,00 0,55 1,91 0,32 0,00 1,70 0,17 7,20 12,44 SB T t m V Fe Cu Zn Mn B cmol c dm -3 % mg dm -3 2,96 4,66 2,96 0,00 64,00 24,58 0,63 10,45 52,76 0,88 Extratores: P e K= Carolina do Norte Laboratório de Análises de Solo da UFRRJ, Campos dos Goytacazes - RJ. 19

34 3.2. Delineamento experimental e tratamentos Para o presente trabalho de pesquisa, o delineamento experimental adotado foi o delineamento em blocos casualizados com parcelas subdivididas, em esquema fatorial 5x3, sendo 5 épocas de poda e 3 métodos de polinização, com quatro repetições. As parcelas foram constituídas por 15 plantas, sendo as 3 centrais consideradas úteis. O espaçamento entre plantas foi de 4 x 4 metros. As cinco épocas de poda foram: maio, junho, julho, agosto e setembro de Os três métodos de polinização foram os seguintes: Tro - Polinização aberta ou natural (Figura 1); Tr1 - Polinização com pincel macio, realizada diretamente na flor (Figura 2); Tr2 - Polinização realizada com bomba polinizadora e com pólen colhido no dia anterior (Figura 3); O pólen foi recolhido de flores em estádio feminino e acondicionado de maneira eficiente (sob refrigeração) para manter-se viável até o dia seguinte no momento da polinização. O horário de coleta das flores foi ao final da tarde por volta das 18 horas, pois neste horário as condições climáticas, principalmente a baixa umidade, favorecia o não ressecamento do pólen Podas As plantas foram submetidas, em março de 2001, a uma poda de limpeza, onde se teve o cuidado de retirar ramos secos, praguejados e doentes. Após está etapa, ocorreram às podas de produção, efetuadas mensalmente a partir do mês de maio de 2001 até setembro do mesmo ano, onde os ramos foram encurtados a um comprimento médio de 25 cm. Além da poda, houve ainda uma desfolha dos ramos, realizada manualmente, iniciando-se da extremidade para sua base, para estimular o desenvolvimento vegetativo das gemas localizadas nas axilas das folhas. Após a poda dos ramos, eram marcados 12 ramos por planta, perfazendo um total de 36 ramos por parcela, para posterior avaliação. 20

35 A B Figura 1. Flor de pinha em estádio feminino (A), período adequado para a realização de polinização artificial, e em estádio masculino (B), período em que ocorre a separação total dos estames e a liberação do pólen. Figura 2. Processo de polinização artificial da pinha utilizando pincel. Figura 3. Processo de polinização utilizando a bomba polinizadora na cultura da pinha. 21

36 3.4. Tratos culturais Antes do início do experimento, todas as plantas receberam uma aplicação de 750 g por planta de calcário e adubação de cobertura de acordo com análise de solo. Após a poda das plantas, em suas respectivas épocas, foi realizada uma adubação com 40 g de nitrogênio. A partir do segundo mês, após a poda, cada planta foi adubada com 40 g de N e 30 g de P 2 O 5 e durante o período da frutificação cada planta foi adubada com 100 g de K 2 O por mês, pois durante esse período ocorre uma maior demanda dos frutos, que funcionam como fortes drenos, por esse nutriente. Cada planta, na época da poda, foi adubada com 10 g de ácido bórico e, a cada mês, foram pulverizadas com uma solução de 2,5 g de ácido bórico por 100 L de água. Além disso, em todas as plantas podadas houve uma pulverização preventiva com calda bordalesa na concentração de 1 ml para 100 L de água, para proteção dos ramos contra ataque de patógenos e pincelamento do tronco com pasta bordalesa. Foram realizados, ainda, tratos culturais tais como controle de plantas daninhas e tratamentos fitossanitários para controle da broca do fruto (Cerconota anonella), broca do tronco (Cratosomus bombinus bombinus) e antracnose (Colletotrichum gloesporioides), além do controle de formigas. Todo o experimento foi irrigado por sistema de microaspersão, com um microaspersor por planta Preparo dos grãos de pólen Para a realização da polinização com o polinizador manual ou bombinha, foram utilizados grãos de pólen coletados de flores, em estádio feminino, de tamanho médio no horário entre 17 horas e 30 minutos e 18 horas no dia anterior ao processo. Após esta coleta, as flores foram acondicionadas em bandejas plásticas, cobertas com papel toalha umedecido para que não ocorresse o ressecamento das mesmas e armazenadas sob refrigeração (20 C) até a manhã seguinte. 22

37 Passado este período de armazenamento, as flores foram retiradas da geladeira, colocadas em peneira de malha de 1 mm, para separação de pétalas e outros vestígios florais, e sobre uma cartolina preta, funcionando como contraste, houve o recolhimento dos grãos de pólen que foram colocados dentro do polinizador para realização da polinização das flores que se encontravam receptivas em estádio feminino no campo. O período estabelecido para a realização da polinização nas condições da região foi de 6 horas até no máximo 9 horas e 30 minutos, pois, a partir desse horário as flores já se encontravam pouco receptivas, com queda dos grãos de pólen em decorrência de ventos, além do ressecamento do estigma Polinização Após o preparo dos grãos de pólen das flores coletadas no dia anterior em estádio feminino e a observação da ocorrência da antese dos botões florais, realizava-se a polinização das flores. Os grãos de pólen eram colocados dentro da câmara de pólen da bomba de polinização artificial e, logo em seguida, fazia-se a polinização referente ao tratamento 2. O bico do tubo polinizador era, então, direcionado para o estigma floral, recoberto com uma camada mucilaginosa e brilhante, a uma distância aproximada de 1,5 cm, e a câmara de ar pressionada duas vezes para saída do pólen. Para a polinização referente ao tratamento 1, foram igualmente observados os horários de 6 a 9 horas e 30 minutos da manhã, para que não existisse ressecamento do estigma. Neste tratamento, foi utilizado um pincel com pêlos de seda e superfície plana, através de movimentos circulares leves, realizou-se a polinização, diretamente em flores no estádio feminino, com pólen recolhido de flores no estádio masculino, também no dia anterior. A polinização artificial foi realizada em 15 flores por planta, perfazendo-se um total de 45 flores por tratamento em cada bloco. As flores foram devidamente marcadas, registrando-se, ainda, a data da polinização. Este processo foi distribuído pelos quatro pontos cardeais da planta. Para a polinização aberta marcou-se o mesmo número de flores. 23

38 3.7. Amostragens foliares e análises dos nutrientes foliares A análise foliar foi feita através de amostras coletadas em períodos mensais de novembro de 2001 a fevereiro de Coletaram-se, para análise, folhas recém-maduras, com pecíolo, sem ataque de pragas ou doenças, sendo, normalmente, o 3º ou 4º par de folhas, na altura do peito, a partir do ápice do ramo. Foram coletadas oito folhas por planta, num total de 24 folhas por parcela. As coletas foram sempre efetuadas pela manhã e nas mesmas datas para todos os períodos. Nos períodos chuvosos esperava-se, para coleta de folhas, no mínimo 48 horas após a última chuva. Após a coleta, as folhas foram acondicionadas em sacos de papel e levadas para o laboratório onde foram limpas com algodão embebido em água deionizada. Após esse procedimento, as folhas foram secas em estufa com circulação forçada de ar à temperatura de 70 C, durante 48 horas. Terminado esse tempo de secagem, o material foi triturado em moinho (tipo Wiley) com peneira de 20 mesh e armazenado em frascos fechados. Foram analisados os seguintes elementos: nitrogênio (N), fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca), magnésio (Mg), ferro (Fe), zinco (Zn), cobre (Cu) e manganês (Mn). As análises foram realizadas de acordo com metodologias descritas por Malavolta et al. (1989) e Jones Jr. et al. (1991). O N foi determinado pelo método de Nessler (Jackson, 1965), após submeter o material vegetal à oxidação pela digestão sulfúrica (H 2 SO 4 e H 2 O 2 ). O P foi determinado colorimetricamente pelo método azul de molibdato, e os K, por espectrofotometria de emissão de chama, ambos determinados no extrato obtidos a partir da digestão sulfúrica. Os elementos Ca, Mg, Fe, Zn, Cu, e Mn foram quantificados em extratos obtidos após oxidação do material vegetal pela digestão nitro-perclórica (HNO 3 e HCLO 4 ). O Ca, Mg, Fe, Zn, Cu e Mn foram determinados por espectrofotometria de absorção atômica Zeiss AAS4. O Boro (B) foi determinado, colorimetricamente, pela azometina-h, após incineração em mufla. 24

39 3.8. Avaliações realizadas Crescimento e desenvolvimento das plantas Comprimento dos ramos - medido quinzenalmente, em 12 ramos/planta, até 90 dias após a realização da poda. Diâmetro dos ramos - medido quinzenalmente, em 12 ramos/planta, até 90 dias após a realização da poda, na porção mediana, utilizando um paquímetro digital. Número de dias entre a poda e o início do florescimento - definido a partir da emissão da primeira flor Florescimento e frutificação Número de flores por ramo - a partir do florescimento, a cada 15 dias. O número de flores/ramo foi obtido a partir da média de flores de 12 ramos previamente marcados; Números de frutinhos por ramo - 15 dias após a polinização, para determinar a fecundação de flores e o desenvolvimento dos frutos; Diâmetro e comprimento dos frutos até 60 dias após a polinização - medidos a cada 15 dias depois de ocorrida a polinização Nutrientes foliares Teores dos nutrientes N, P, K, Ca, Mg, Mn, Fe, Zn, Cu e B na matéria seca foliar da pinha em função das épocas de poda, métodos de polinização e épocas de amostragem Análises estatísticas Foram realizadas análises de variância das características avaliadas. Utilizou-se para os fatores Dias após a poda e Dias após a polinização a análise de regressão polinomial, após o teste de F. Para os fatores Época de amostragem foliar e Métodos de polinização, utilizou-se o Teste de Tukey a 5% de probabilidade. 25

40 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. Desenvolvimento de ramos Com relação ao comprimento e diâmetro de ramos, observou-se que, para a primeira época de poda houve uma brotação tardia, além de morte ou falta de brotação, o que pode ser explicado pelas condições climáticas reinantes no período (Quadro 1), com redução no desenvolvimento vegetativo. Além disso, estas brotações proporcionaram um fluxo de florescimento pequeno, entretanto ocorreu frutificação. Os resultados apresentados na Figura 4, mostram crescimento diferenciado, em relação ao comprimento, para cada época de poda, sendo que as podas realizadas em agosto e setembro, proporcionaram maior crescimento de ramo. Estes resultados indicam, que a planta não promove novas brotações, em condições de temperaturas baixas, mesmo que estas ocorram durante períodos curtos do dia, pois, como se observa no Quadro 1, as temperaturas médias foram elevadas e havia disponibilidade de água, com o uso do sistema de irrigação. Constata-se, na Figura 4, a grande variação no crescimento dos ramos, entre as épocas de poda de maio e setembro, o que pode estar relacionado, tanto com as condições climáticas, no período da poda, (Quadro 1) quanto com as reservas acumuladas por aquelas plantas podadas na última época. O desenvolvimento do diâmetro dos ramos foi semelhante àquele observado para o comprimento (Figura 5). 26

41 Comprimento (mm) Maio Junho Julho Agosto Setembro Y = -17,4 + 0,7377x R 2 = 0,91** Y = 4,2-0,637x + 0,0193x 2 R 2 = 0,99** Y = -39, x R 2 = 0,99** Y = -58,6 + 4,49x - 0,0148x 2 R 2 = 0,99** Y = 5,33 + 3,16x - 0,0077x 2 R 2 = 0,99** Dias após poda Figura 4. Comprimento do ramo de pinha em função da época de poda e de dias após a poda em São Francisco do Itabapoana-RJ. Diâmetro (mm) Setembro Agosto Julho Junho Maio Y = 2,32 + 0,061x - 0,0003x 2 R 2 = 0,99** Y = -2, ,192x - 0,0012x 2 R 2 = 0,94** Y = -2,07 + 0,1618x - 0,0012x 2 R 2 = 0,99** Y = -0, ,0335x + 0,0003x 2 R 2 = 0,97** Y = -0, ,0354x + 0,0001x 2 R 2 = 0,95** Dias após poda Figura 5. Diâmetro do ramo de pinha em função da época de poda e de dias após a poda em São Francisco do Itabapoana-RJ. 27

42 4.2. Período de florescimento após a poda Para as condições edafoclimáticas do Município de São Francisco do Itabapoana, verificou-se que a pinha pode florescer praticamente durante o ano todo, porém, há uma variação na intensidade de florescimento ao longo dos meses no ano. Pode-se observar essa variação, para as diferentes épocas de poda, com relação ao período compreendido entre a poda e o florescimento (Figura 6). Observou-se que a partir de maio, grande parte das folhas das plantas perderam a coloração verde-intensa, passando a verde-claro (verde-amarelada), ocorrendo nos meses seguintes (junho e julho), queda parcial destas folhas. Em agosto, a planta começou a emissão de novas folhas, e, até final do mês de outubro elas se encontravam em pleno vigor vegetativo. Durante o período de queda de folhas senescentes e formação de novas folhas, as plantas produziram um reduzido número de flores, com exceção ao mês de setembro, onde ocorreu o máximo de floração, 15 dias após a poda de produção (Figura 6 e Quadro 3). Para a primeira época de poda (maio), o florescimento foi praticamente nulo, até 31 dias após a poda de produção, tendo-se um incremento crescente, no número de flores por ramo, a partir desta data (Figura 6). Na segunda época de poda (junho), o pico máximo de florescimento, com 21 flores por ramo, ocorreu aos 86 dias após a poda de produção (Figura 6). Nas podas realizadas nos meses de julho e agosto o de máximo florescimento foi verificado aos 51 e 45 dias, respectivamente, com um total de 25 flores por ramo para os dois períodos de poda de produção. O número de flores na última época de poda (setembro), foi significativamente maior, quando comparado com as demais. Este fato pode ser explicado pelas condições climáticas reinantes, o máximo de florescimento em setembro foi aos 15 dias e depois houve um decréscimo (Figura 6 e Quadro 3). O pequeno número de flores observado para a primeira época de poda de produção, pode ser explicado pelo pequeno número de brotações e, principalmente, pelo menor crescimento dos ramos, após a poda. Isto permite concluir que as plantas tendem a um crescimento vegetativo em detrimento da produção, fato este já observado por George e Nissen (1986). 28

43 Nº Flores/ramo Maio Y = 7,17-0,5674x + 0,0091x 2 R 2 = 0,98** Junho Y = -14,4 + 0,8254x - 0,0048x 2 R 2 = 0,81** Julho Y = -23,0 + 1,91x - 0,0188x 2 R 2 = 0,82** Agosto Y = -8,34 + 1,478x - 0,0163x 2 R 2 = 0,55** Setembro Y = 90,3-2,10x + 0,0121x 2 R 2 = 0,93** Dias após poda Figura 6. Número de flores por ramo em plantas de pinheira, em função dos dias decorridos após as diferentes épocas de poda em São Francisco do Itabapoana-RJ. Quadro 3. Número de flores por ramo em função da época de poda, avaliados até os 90 dias após a poda de produção em São Francisco do Itabapoana- RJ Época de Dias Após a Poda Poda Média Maio 0 b 0 d 0,2 c 3,4 c 18,3 a 29,6 a 8,6 Junho 0 b 0 d 15,3 b 15,3 a 26,3 a 17,5 b 12,4 Julho 0 b 15,6 c 33,2 a 21,2 a 6,9 b 0,7 c 13,0 Agosto 0 b 38,6 b 27,7 a 13,1 ab 3,3 b 0 c 13,4 Setembro 56,1 a 50,2 a 14,6 b 5,0 bc 0,1 b 0 c 21,0 Média 11,2 20,9 18,2 11,6 11,0 9,6 13,7 CV (%) 55,01 Médias seguidas pela mesma letra minúscula na linha e na coluna, não diferem entre si, a 5% de probabilidade, pelo teste de Tukey. Observações feitas por Kavati (1997) indicaram que em plantas bem nutridas, ocorreu um florescimento tardio, e que frutas originadas desse florescimento, necessitaram de 150 a 180 dias para atingirem a maturação. Provavelmente esse aumento no número de dias foi devido às reduções das temperaturas no período do florescimento, até o completo desenvolvimento do fruto, o que pode ser explicado pela redução do metabolismo da planta, como 29

44 ocorre em outras fruteiras sob temperaturas baixas. Este mesmo autor afirmou ainda, que do ponto de vista fenológico, brotações de ramos outonados, são iniciados em setembro, com o surgimento de um grande número de botões florais e novos ramos. Quando existe um grande número de gemas, as excedentes, não brotarão nesta primeira etapa, porém, mais tardiamente, entre novembro e janeiro. Freitas (1997), trabalhando com graviola em Viçosa-MG, afirmou que nem todas as flores chegam a ser fecundadas, pois há uma taxa de abortamento natural em torno de 48,2%, além disso, se há ocorrência de chuvas, no momento máximo de florescimento, esse abortamento se acentua, reduzindo bastante a quantidade de flores. Durante o monitoramento do desenvolvimento das flores fecundadas e dos frutos desenvolvidos, observou-se a identificação de três fases distintas, sendo a primeira fase caracterizada pelo crescimento lento do botão floral, porém as pétalas permanecem semi-abertas. Antes da completa abertura das flores, tanto as pétalas exteriores como as interiores, caiam ao solo e nesse momento, iniciou-se o desprendimento dos estames junto ao receptáculo, com abertura das anteras e liberação dos grãos de pólen. Em alguns casos, a receptividade estigmática (presença de secreção brilhante e viscosa sobre o estigma), permaneceu durante a fase de desprendimento dos estames, com a liberação dos grãos de pólen, favorecendo com isso a autopolinização das flores. Resultados semelhantes foram obtidos por Escobar et al. (1986), segundo os quais, existe um período de 36 a 48 horas, durante o qual, os órgãos reprodutivos permitem a autopolinização Fecundação de flores e frutificação As avaliações da eficiência dos métodos de polinização foram feitas duas vezes, nos meses de novembro de 2001 e janeiro de A média de fecundação de flores foi de 63,4%, não foram observadas diferenças significativas entre as épocas testadas e, também, entre as épocas de poda. Verificou-se, que o método que proporcionou maior fecundação de flores foi aquele onde se utilizou à bomba polinizadora (Figura 7). Savazaki et al. (2000), trabalhando com polinização artificial na cultura da pinha, usando o polinizador, encontraram 30

45 índice de pegamento de frutos superior a 95% para os diferentes tratamentos. Observando-se a Figura 7, verifica-se que o método de polinização natural ou aberta induziu o menor índice de pegamento de fruto, 7,59%. Estas observações estão de acordo com o trabalho desenvolvido por Kumar et al. (1977), que em condições ótimas de clima, obteve um índice de 8% para o pegamento de frutos. Alguns resultados de pesquisa com polinização em flores de pinha, citados por Kavati (1997), realizados com avaliação de desenvolvimento de fruto mostraram que o baixo índice de fecundação para a polinização aberta ou natural pode estar relacionado com alguns fatores, tais como: as fases diferenciadas de amadurecimento das estruturas reprodutivas (dicogamia protogínica), chegando até ser nula em algumas condições climáticas desfavoráveis, como altas temperaturas e baixa umidade, que ressecam o estigma, a ocorrência de chuvas impede o transporte dos grãos de pólen, e baixas temperaturas, diminuem ação dos insetos polinizadores. Além disso, os frutos resultantes de polinizações artificiais, apresentaram-se bem mais uniformes em relação ao seu formato, pois ocorre, uma maior fecundação dos carpelos proporcionados por este processo, em contrapartida, os frutos polinizados naturalmente, eram bem desuniformes e de formato irregular. Vingamento de flores (%) c b a Aberta Pincel Bomba polinizadora Método de Polinização Figura 7. Porcentagem de fecundação de flores em função do método de polinização utilizado. Médias seguidas pela mesma letra não diferem entre si pelo Teste de Tukey a 5%. CV = 4,68% 31

46 Os resultados obtidos quanto à polinização, estão de acordo com os obtidos Kumar et al. (1977), que observaram um índice de pegamento de frutos em torno de 8%, em condições ótimas de clima, para a polinização natural. Já Ahmed (1936), nas condições do Egito, observando a polinização natural de 200 flores de pinha, relatou que desse total, 19 formaram frutos, ou seja, um percentual de 9,6%. Silva (2000) observou em seu trabalho com polinização em pinha, que os melhores índices de pegamento, aconteceram quando houve polinização artificial, usando o pincel e a bomba polinizadora, estes índices ficaram em torno de 93,30% e 81,11%, respectivamente diferindo significativamente entre si. O menor pegamento, de 3,33%, ocorreu quando as flores foram polinizadas naturalmente. No Quadro 4 e na Figura 8 estão descritos os diâmetros, dos frutos avaliados, até os 60 dias após a polinização e, observa-se que os frutos polinizados, nas diferentes épocas de poda, apresentaram um desenvolvimento diferenciado entre os métodos de polinização. O menor diâmetro foi obtido quando a poda foi realizada em maio, com 16,8 mm, através da polinização natural, seguido do maior diâmetro, com 56,7 mm, na poda realizada em junho, também, por meio da polinização natural, diferindo dos demais métodos de polinização. Quadro 4. Diâmetro de frutos de pinheira avaliados aos 60 dias após a polinização em São Francisco do Itabapoana-RJ Época de Métodos de Polinização Poda Natural ou Pincel Bomba Aberta polinizadora Média CV (%) Maio 16,8 b C 43,0 a C 51,0 a A 36,9 Junho 56,7 a A 51,5 a AB 47,7 a A 52,9 Julho 17,8 b C 48,0 a BC 52,9 a A 39,5 15,87 Agosto 20,1 b C 55,2 a A 48,9 a A 41,4 Setembro 38,3 a B 52,6 a AB 50,9 a A 47,3 Média 29,9 50,0 50,3 43,6 CV (%) 5,94 Médias seguidas pela mesma letra, minúscula na linha e maiúscula na coluna, não diferem entre si, a 5% de probabilidade, pelo teste de Tukey. Lima et al., (2000), trabalhando com polinização artificial em pinha, concluíram, nas condições da baixada fluminense, que ocorreram aumento no 32

47 comprimento, número médio e produtividade de frutos, além da redução da taxa de frutos mal formados. O crescimento do fruto em relação ao comprimento e ao diâmetro, no caso apresentado, diz respeito, ao primeiro pico de crescimento do fruto, e mostrou-se com o mesmo comportamento, ou seja, foi bastante, uniforme para as diferentes épocas de avaliação (Figuras 8 e 9). Considerando-se as épocas de poda, e o período após a polinização das flores, pode dizer que os frutos atingiram o maior diâmetro aos 55 dias após a polinização para o mês de agosto, 51 dias para setembro, 54 dias para julho, 52 dias para junho e 54 dias para maio (Figura 8). Em relação ao seu comprimento, observou-se que, para a época de poda referente ao mês de maio, o fruto levou 58 dias após a polinização, para atingir o seu comprimento máximo, por outro lado, quando consideramos o último mês de poda (setembro), os mesmos levaram 51, dias após a polinização, para atingir seu máximo desenvolvimento (Figura 9) Maio Junho Y = -32,0 +3,12x -0,0284x 2 Y = -46,3 +4,62x -0,0444x 2 R 2 = 0,99** R 2 = 0,99** julho Y = -35,6 + 3,40x -0,0311x 2 R 2 = 0,99** Agosto Y = -36,1 + 3,51x -0,0321x 2 R 2 = 0,99** Setembro Y = -43,7 + 4,30x - 0,0416x 2 R 2 = 0,99** Diâmetro (mm) Dias após polinização Figura 8. Diâmetro do fruto de pinha em função da época de poda e do número de dias após a polinização em São Francisco do Itabapoana-RJ. 33

48 Comprimento (mm) Maio Junho Julho Agosto Setembro Y = -27,1 + 2,71x - 0,0231x 2 R 2 = 0,98** Y = -40,6 + 4,05x - 0,0379x 2 R 2 = 0,99** Y = 33,9 + 3,29x - 0,0303x 2 R 2 = 0,98** Y = -33,4 + 3,34x - 0,0312x 2 R 2 = 0,99** Y = -42,9 + 4,21x - 0,0413x 2 R 2 = 0,99** Dias após polinização Figura 9. Comprimento do fruto de pinha em função da época de poda e do número de dias após a polinização em São Francisco do Itabapoana- RJ. Com relação ao comprimento dos frutos, pode-se observar, que o maior comprimento ocorreu entre a primeira época de poda (maio) e a segunda (junho), tendo atingido o menor comprimento, na primeira época com 15,73 mm para a polinização aberta ou natural e o maior, na segunda época também com o mesmo método de polinização. No entanto, os outros dois métodos de polinização artificial (pincel e bomba polinizadora), apresentaram aumento significativo para o comprimento dos frutos nas diferentes épocas de poda, quando comparado com a polinização aberta, não diferindo significativamente entre si. Todas as avaliações foram feitas, até 60 dias após polinização (Quadro 5). Dentro das diferentes épocas de poda, os métodos de polinização artificial influenciaram para o aumento do diâmetro médio dos frutos, sendo a polinização natural a que apresentou os menores valores, diferindo estatisticamente dos outros dois métodos artificiais, que não diferiram entre si (Quadro 5). 34

49 Quadro 5. Comprimento de frutos de pinheira avaliados aos 60 dias após a polinização em São Francisco do Itabapoana-RJ Época de Métodos de Polinização poda Natural ou Pincel Bomba Média CV (%) aberta Polinizadora Maio 15,7 b C 44,3 a A 46,1 a A 35,4 Junho 53,0 a A 45,1 a A 44,6 a A 47,6 Julho 19,9 b C 45,7 a A 48,9 a A 38,2 4,30 Agosto 20,8 b C 49,1 a A 47,8 a A 39,2 Setembro 34,4 b B 51,3 a A 50,5 a A 45,4 Média 28,8 47,1 47,6 41,1 CV (%) 19,8 Médias seguidas pela mesma letra, minúscula na linha e maiúscula na coluna, não diferem entre si, a 5% de probabilidade, pelo teste de Tukey. Os métodos de polinização artificial proporcionaram maior desenvolvimento dos frutos do que os obtidos com a polinização aberta (Figuras 10 e 11). No período avaliado, até 60 dias após a polinização, o máximo comprimento do fruto foi obtido aos 51, 55 e 54 dias após a polinização aberta. Quando se utilizou o pincel e a bomba polinizadora, respectivamente, foram obtido os comprimentos de 40,7, 68,9 e 67,7 mm (Figura 10). Resultados semelhantes foram encontrados para o diâmetro dos frutos (Figura 11) Aberta Pincel Bomba polinizadora Y = -25,5 + 2,575x - 0,02505x 2 R 2 = 0,97** Y = -37,6 + 3,813x - 0,0345x 2 R 2 = 0,99** Y = -43,6 + 4,174x - 0,0387x 2 R 2 = 0,99** Comprimento (mm) Dias após polinização Figura 10. Comprimento dos frutos de pinha em função do método de polinização e do Nº de dias após a polinização em São Francisco do Itabapoana-RJ. 35

50 Aberta Pincel Bomba polinizadora Y = ,577x - 0,0241x 2 R 2 = 0,99** Y = -43,6 + 4,367x - 0,0415x 2 R 2 = 0,99** Y = -46,7 + 4,424x - 0,0408x 2 R 2 = 0,99** Diâmetro (mm) Dias após polinização Figura 11. Diâmetro dos frutos de pinha em função do método de polinização e do número de dias após a polinização em São Francisco do Itabapoana- RJ Nutrientes foliares Observa-se na Figura 12, que os teores de N, P, K, Ca e Mg, variaram muito em função da época de amostragem. Verifica-se, ainda, um comportamento oposto na variação entre os teores de K, Ca e Mg. É provável, que o desenvolvimento dos frutos (drenos fortes) provoquem decréscimos nos teores do K nas folhas da cultura, o que pode promover aumentos na concentração de Ca e Mg, já que existe competição entre eles, na absorção pela planta. Resultados semelhantes foram obtidos por Costa (2001). Assim como o K, também o N e o P decresceram em função das épocas de amostragem (Figura 12). Os teores de N, na matéria seca foliar da pinha, variaram de 40,1 a 28,8 g kg -1, para o P a variação foi de 2,1 a 1,76 g kg -1, para o K os teores variaram de 19,1 a 11,8 g kg -1, para o Ca a variação foi de 8,1 a 12,2 g kg -1 e para o Mg de 2,5 a 3,8 g kg -1. Os resultados encontrados se assemelham a aqueles obtidos por Costa (2001), em tratamentos com elevada produtividade. 36

51 45 2,5 20 4,0 N (g kg -1 na matéria seca) N P nov/01 dez/01 jan/02 fev/02 Épocas de Coleta 2,2 1,9 1,6 1,3 1,0 P (g kg -1 na matéria seca) K e Ca (g kg -1 na matéria seca) nov/01 dez/01 jan/02 fev/02 Épocas de Coleta K Ca Mg 3,2 2,4 1,6 0,8 0,0 Mg (g kg -1 na matéria seca) Figura 12. Teores de macronutrientes na matéria seca foliar da cultura da pinha, em função das épocas de coleta de folhas. Costa (2001), trabalhando com adubação em pinha, observou que ocorre variação nos teores dos nutrientes, dependendo das fases fenológicas em que a planta se encontra, acredita-se que, a variação ocorrida para os teores de N e P, verificada neste trabalho, também esteja sendo influenciada por este fato. Com relação as época de poda, pode se observar na Figura 13, que os teores de N e P também sofreram variação, sendo a última época de poda (setembro) aquela que apresentou, em média, a maior variação, com 31,12 g mg -1 e 1,93 g mg -1 respectivamente. Possivelmente, para este caso, também a fase fenológica em que a planta se encontra, esteja influenciando para essa variação nos teores de nutrientes. Observa-se, também, que de acordo com Silva et al. (1984) que os teores citados acima se encontram dentro da faixa estabelecidas por esses autores. 37

52 N (g kg -1 na matéria seca) N P 2,5 2,3 2,1 1,9 1,7 P (g kg -1 na matéria seca) K e Ca (g kg -1 na matéria seca) K Ca Mg Mg (g kg -1 na matéria seca) 20 mai/01jun/01 jul/01 ago/01set/01 Épocas de Poda 1,5 10 mai/01 jun/01 jul/01 ago/01 set/01 Épocas de Poda 0 Figura 13. Teores de macronutrientes, na matéria seca foliar da cultura da pinha, em função das épocas de poda. Gonzalez e Esteban (1973) verificaram que, durante o período de floração e início de frutificação, em plantas de cherimólia, houve um decréscimo nos teores de N na matéria seca foliar, com maior intensidade nos ramos reprodutivos do que nos vegetativos. Segundo esses autores, tal comportamento, pode ter origem na translocação do nutriente para os frutos em formação e por um efeito de diluição devido ao crescimento das folhas recém-formadas. O comportamento do P é contrário ao do N, devido ao sinergismo metabólico entre os dois nutrientes, onde uma deficiência de N, pode levar ao acúmulo de P, por este não ser utilizado. As médias para os teores de K, Ca e Mg, na matéria seca foliar, dentro das épocas de coleta de folhas foram, respectivamente, 18,8, 12,6 e 3,66 g kg -1 sendo que todos esses teores ficaram dentro das faixas estabelecidas por Silva et al. (1984) e Costa (2001) obtidos na cultura da pinha, estabelecendo para K, Ca e Mg a faixa para maior produtividade entre 8,27 13,4; 10,9 20,6; e 2,63 6,08 g kg -1, respectivamente. Já em relação as diferentes épocas de poda, observou-se no presente trabalho, que não houve diferenças estatísticas significativas entre os teores dos nutrientes Mg, K e Ca na matéria seca foliar. Os teores de Mn variaram de acordo com as épocas de amostragem foliar e não diferiram em função da época de poda (Quadro 6). Os teores de Mn, tanto 38

53 para as épocas de amostragem, como para as épocas de poda segundo Silva et al., (1984) estão abaixo da faixa estabelecida por esses autores. Costa (2001), trabalhando com adubação em pinha, observou que os teores para Mn relacionados com a maior produtividade estavam entre mg kg -1 na matéria seca foliar de pinha, e as plantas não apresentavam sintomas de deficiência deste micronutriente. Portanto, de acordo com esse autor, os teores encontrados estão dentro dessa faixa estabelecida (Quadro 6). Quadro 6. Variação nos teores de Mn, em mg kg -1, na matéria seca foliar de pinha, nas diferentes épocas de amostragem e poda Épocas de Épocas de Coleta Poda Nov/01 Dez/01 Jan/02 Fev/02 Média CV (%) Maio 30, A Junho 29, A Julho 32, A 25,02 Agosto 24, A Setembro 27, A Média 28,9 c 145 a 104 b 119 ab 100 A CV (%) 23,29 Médias seguidas pela mesma letra, minúscula na linha e maiúscula na coluna, não diferem entre si, a 5% de probabilidade, pelo teste de Tukey. Os teores de Zn, Fe, Cu, em mg kg -1, na matéria seca foliar de pinha, também apresentaram uma redução para as diferentes épocas de amostragem (Silva et al., 1984), porém de acordo com Costa (2001) todos os teores encontram-se dentro da faixa adequada para alta produtividade. Segundo Silva et al., (1984) os teores de Cu, tanto para as épocas de amostragem, como para as épocas de poda, encontram-se elevados. O Zn, Fe, Mn estão abaixo da faixa por eles estabelecida, em mg kg -1, na matéria seca foliar de pinha (Quadros 7, 8, 9). Observou-se uma interação entre os fatores época de amostragem x época de poda, para os teores de Zn na matéria seca foliar da pinha (Quadro 7). Os teores médios observados para este nutriente, variaram de 12 a 29,1 mg kg -1, e verificou-se que, os teores decresceram com a evolução no desenvolvimento das plantas. Resultados semelhantes foram obtidos por Costa (2001). 39

54 Quadro 7. Variação nos teores de Zn, em mg kg -1, na matéria seca foliar de pinha, nas diferentes épocas de amostragem e poda Épocas de Épocas de Coleta Poda Nov/01 Dez/01 Jan/02 Fev/02 Média CV (%) Maio 17,7 a C 14,5 b A 13,6 b A 12,5 b A 14,6 Junho 17,7 a C 13,0 b A 12,7 b A 12,3 b A 13,9 Julho 19,1 a C 13,5 b A 13,4 b A 12,0 b A 14,5 6,73 Agosto 23,8 a B 15,1 b A 12,7 c A 12,0 c A 15,8 Setembro 29,1 a A 16,0 b A 13,5 c A 12,1 c A 17,6 Média 21,5 14,4 13,2 12,2 15,3 CV (%) 12,96 Médias seguidas pela mesma letra, minúscula na linha e maiúscula na coluna, não diferem entre si, a 5% de probabilidade, pelo teste de Tukey. Os teores de Fe diferiram para todas as épocas de amostragem, mas com relação às épocas de poda não houve diferenças entre eles (Quadro 8). Essas variações, para as épocas de amostragem, nos teores de Fe também foram encontradas por Costa (2001), quando relacionou em seu trabalho as diferentes fases de desenvolvimento (crescimento vegetativo, florescimento, frutificação, desenvolvimento de frutos e colheita), em que se encontravam as plantas. Comportamento semelhante foi observado para o nutriente cobre (Quadro 9). Os resultados obtidos para o nutriente boro, variaram entre 44,6 e 87,6 mg kg -1 (Quadro 10). Estes resultados estão abaixo dos que Silva et al. (1984) consideraram como adequados para o B na cultura da pinha, entretanto, Costa (2001) encontrou, para produtividade superior a obtida por Silva et al. (1984), teores do B, que variaram de 32,1 a 46,6 mg kg -1. Quadro 8. Variação nos teores de Fe, em mg kg -1, na matéria seca foliar de pinha, nas diferentes épocas de amostragem e de poda Épocas de Épocas de Coleta Poda Nov/01 Dez/01 Jan/02 Fev/02 Média CV (%) Maio 92,1 93,8 57,3 46,9 72,6 A Junho ,8 58,2 43,2 73,2 A Julho 94,4 82,9 60,8 46,4 71,1 A 9,38 Agosto ,5 62,7 46,3 74,1 A Setembro 94,1 81,7 59,4 51,7 71,7 A Média 97,6 a 85,9 b 59,7 c 46,9 d 72,5 CV (%) 13,30 Médias seguidas pela mesma letra, minúscula na linha e maiúscula na coluna, não diferem entre si, a 5% de probabilidade, pelo teste de Tukey. 40

55 Quadro 9. Variação nos teores de Cu, em mg kg -1, na matéria seca foliar de pinha, nas diferentes épocas de amostragem e de poda Épocas de Épocas de Coleta Poda Nov/01 Dez/01 Jan/02 Fev/02 Média CV (%) Maio 15,4 a B 8,28 c A 9,98 b A 7,97 c A 10,42 Junho 14,8 a B 7,22 c A 9,83 b A 7,71 c A 9,89 Julho 15,6 a B 7,58 c A 9,96 b A 8,22 c A 10,34 5,06 Agosto 15,8 a B 7,59 c A 9,40 b A 7,79 c A 10,23 Setembro 18,3 a A 8,43 bc A 9,37 b A 7,80 c A 10,97 Média 15,9 7,89 9,71 7,90 10,37 CV (%) 10,11 Médias seguidas pela mesma letra, minúscula na linha e maiúscula na coluna, não diferem entre si, a 5% de probabilidade, pelo teste de Tukey. Quadro 10. Variação nos teores de B, em mg kg -1, na matéria seca foliar de pinha, nas diferentes épocas de amostragem e de poda Épocas de Épocas de Coleta Poda Nov/01 Dez/01 Jan/02 Fev/02 Média CV (%) Maio 66,6 56,4 46,4 64,2 58,4 b Junho 87,6 60,6 51,1 70,1 67,3 ab Julho 87,3 64,6 53,8 71,3 69,2 a 14,29 Agosto 75,5 52,4 52,3 65,5 61,4 ab Setembro 73,3 55,6 44,6 68,8 60,5 ab Média 78,1 a 57,9 b 49,6 c 67,9 d 63,4 CV (%) 20,32 Médias seguidas pela mesma letra, minúscula na linha e maiúscula na coluna, não diferem entre si, a 5% de probabilidade, pelo teste de Tukey. 41

56 5. RESUMO E CONCLUSÕES O presente trabalho foi desenvolvido em Praça João Pessoa, no município de São Francisco do Itabapoana RJ, localizado a 21º19 22 de latitude sul e 41º07 42 de longitude oeste e altitude média de 11 metros, no período compreendido entre os meses de abril de 2001 a fevereiro de 2002, em uma área de 1 ha, onde as plantas, provenientes de propagação sexuada, se encontravam com 5 anos de idade. Os objetivos principais foram avaliar o emprego de diferentes épocas de poda e de métodos de polinização, no desenvolvimento de plantas e de frutos da cultura da pinha. Avaliaram-se, ainda, os teores de nutrientes foliares em diferentes épocas de amostragem. Durante a condução do experimento, foram efetuadas as medidas de controle para a broca dos frutos e antracnose, com aplicação de inseticida e fungicida, além da catação e queima dos frutos brocados, para um controle mais efetivo. No decorrer do experimento, foi estudado o efeito dos tratamentos, sobre o período de florescimento (em dias) após a poda das plantas, o diâmetro e comprimento de frutos, o diâmetro e comprimento de ramos e a composição mineral das folhas. Para a avaliação do diâmetro e comprimento de ramos foram marcados nos quadrantes das plantas 3 brotações por ramo, perfazendo-se um total de 12 42

57 por planta e 36 por parcela. Para está avaliação, estabeleceu-se o período de 90 dias a partir da poda. Em relação aos frutos, foram marcadas 15 flores por planta, num total de 45 flores por parcela. Nos tratamentos com polinização artificial, estas flores eram polinizadas, e 15 dias após, foi quantificado o índice de fecundação de flores. A avaliação do desenvolvimento dos frutos foi feita de 15 em 15, dias a partir da polinização, até 60 dias após este procedimento. As parcelas foram constituídas por três plantas úteis, com 4 repetições, em espaçamento de 4 x 4 metros. As folhas para a análise foram coletadas mensalmente no estágio de recém maduras (com pecíolo), sendo, normalmente, escolhido o 3º ou 4º par de folhas, a partir do ápice do ramo. A coleta foi realizada nos quatro quadrantes da planta, perfazendo um total de 24 folhas por parcela. Os elementos analisados foram: nitrogênio orgânico (N), fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca), magnésio (Mg), ferro (Fe), zinco (Zn), cobre (Cu), manganês (Mn) e boro (B). As principais conclusões foram: O comprimento e o diâmetro dos ramos foram influenciados pela época de poda; Os dois métodos de polinização artificial aumentaram a porcentagem de fecundação de frutos, em relação a polinização natural ou aberta; O florescimento foi influenciado pela época de poda, sendo que o número de dias entre a poda e o aparecimento de flores foi maior em maio e menor em setembro; Em média, o pico de desenvolvimento dos frutos foi verificado com, aproximadamente, 50 dias após a polinização e foi superior quando se utilizou a polinização artificial; Os teores de N, P, K, Zn e Fe, decresceram com a evolução no desenvolvimento dos ramos; Observou-se variação nos teores dos nutrientes analisados para as diferentes épocas de amostragem; Os teores de N e P variaram em função da época de poda; Os teores de Ca e Mg aumentaram ao longo do desenvolvimento das plantas de pinha enquanto os teores de N, P e K diminuíram; 43

58 Os teores de macronutrientes, na matéria seca foliar da pinha, variaram de 40,1 a 28,8 g kg -1 para o N, de 2,1 a 1,76 g kg -1 para o P, de 19,1 a 11,8 g kg -1 para o K, de 12,2 a 8,1 g kg -1 para o Ca, de 3,8 a 2,5 g kg -1 para o Mg; Os teores de micronutrientes, na matéria seca foliar da pinha, variaram de 24,5 a 166 mg kg -1 para o Mn, de 12 a 29,1 mg kg -1 para o Zn, de 43,2 a 106 mg kg -1 para o Fe, de 7,22 a 18,3 mg kg -1 para o Cu e 44,6 a 87,6 g kg -1 para o B. 44

59 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Ahmed, M.S. (1936) Pollination and selection in Annona squamosa and Annona cherimolia. Egypt: Ministry of Agriculture, 29p. Braga, R. (1960) Plantas do nordeste, especialmente Ceará. 2.ed. Fortaleza: Imprensa oficial. 274p. Brandão, A.J. (1979) Botânica: Introdução à taxonomia vegetal. São Paulo: Nacional, 777p. Cañizares-Zayas, J. (1966) Las frutas anonáceas. La habana, Cuba, 63p. Cavalcante, T.R.M., Freitas, G.B. de, Ribeiro Jr., J.I., Skowronski, L. (1998) Frutificação da gravioleira (Annona muricata L.) em diferentes estratos da planta. XV Congresso Brasileiro de Fruticultura, Poços de Caldas, MG. SBF, p.406. CEASA RJ. (1999) Análise de comercialização. Secretária de Estado de Agricultura, Abastecimento, Pesca e Desenvolvimento do Interior. Rio de Janeiro/RJ. CIDE (2000) Altitude e coordenadas geográficas das sedes municipais, segundo as Regiões de Governo e municípios Estado do Rio de Janeiro. http//www.cide.rj.gov.br, Consulta feita no dia 5/03/2002.

60 Costa, S.L. (2001) Adubação com boro e nitrogênio na cultura da pinha (Annona squamosa L.) no Norte do estado do Rio de Janeiro. (Mestrado em Produção Vegetal), Campos dos Goytacazes RJ, Universidade Estadual do Norte Fluminense UENF, 57p. Couceiro, E.M. (1973) Pinha. Fruta do conde ou ata, sua cultura e origem. CEASA: Recife, 73p. Donadio, L.C., Nachtigal, J.C., Sacramento, C.K. (1998) Frutas Exóticas. Jaboticabal: Funep, 279p. Englehart, O.H. (1974) Pruning and pollinating the cherimoya (A. cherimola). California rare fruit growers yearbook, 6: Escobar, W.T., Zarate, R.D., Bastidas, A. (1986) Biología floral y polinización artificial del guanábana, Annona muricata L. Em condiciones del valle del cauca, Colombia. Acta Agronomico, 36(1):7-20. Ferrari, E.J., Kavati, R. Pelinson, G.J.B. (1998) Influência de diferentes métodos de poda de verão para produção tardia da fruta-do-conde (Annona squamosa L.). XV Congresso Brasileiro de Fruticultura, Poços de Caldas, MG. SBF, p.358. Ferreira, F. R. (1997). Germoplasma de Anonáceas. In: São José, A.R., Souza, I. V.B., Morais, O.M., Rebouças, T.N.H. Anonáceas, produção e mercado (Pinha, graviola, atemóia e cherimólia). Vitória da Conquista (BA): DFZ/UESB, p Filho, G.C.A, de, Andrade, O,M.S., Castro, F.A. de., Sá, F.T. de. (Eds.) (1998) Instruções técnicas para o cultivo da ateira. Brasília: Embrapa SPI: Fortaleza: Embrapa CNPAT,. p.1-9. (Instruções Técnicas, 01). Fioravanço, J.C., Paiva, M.C. (1994). Cultivares e melhoramento. In: Manica, I. Fruticultura - Cultivo das Anonáceas (ata, cherimólia e graviola). Porto Alegre: EVANGRAF, p

61 Fleichtemberger, E., Piza Jr., C.T., Ribeiro, I.J.A. (1988) Podridão de frutas e raízes em fruta-do-conde (Annona squamosa L.) por Phythium sp e Phytophthora nicotianae var. parasitica. Summa Phytopathologica, Jaguariuna, 14(1:2) 30p. Freitas, G.B. de (1997) Propagação, florescimento, frutificação e produção da gravioleira (Annona muricata L.). (Doutorado em Fitotecnia), Viçosa MG, Universidade Federal de Viçosa UFV, 87p. Freitas, G.B., Couto, F.A.A. (1997) Situação e perspectivas do cultivo de Anonáceas no Estado de Minas Gerais. In: São José, A. R., Souza, I. V. B., Morais, O. M., Rebouças, T. N. H. Anonáceas, produção e mercado (Pinha, graviola, atemóia e cherimólia). Vitória da Conquista (BA). DFZ/UESB, p Garcia, O.V.R., Pelinson, G.J.B., Nogueira, N.A.M., Pigari, S.A.A. Kavati, R. (2000) Efeito de épocas de poda de verão na produção da fruta-do-conde (Annona squamosa L.). Fruticultura: agronegócio do 3º milênio resumos. Fortaleza-CE: Embrapa Agroindústria Tropical/SBF, p.561 (CD Rom do Congresso Brasileiro de Fruticultura). George, A.P., Nissen, R.J. (1986) Effects of pruning and defoliation on precosity of bearing of custard apple (Annona atemóia Hort.) var. African Pride. Maroochy Horticultural Research Station report nº 4, Brisbane, p Gomes, R. P. (1972) Fruticultura Brasileira. 2ª ed. São Paulo: Nobel. 445p. Gomes, R. P. (1975) Fruticultura Brasileira. 10ª ed. São Paulo: Nobel. 426p. Gonzalez, C., Esteban, E. (1973) Nutricion del cherimoyo: ciclo anual. Anales de edafoligía e Agrobiología, p Hoehne, F.C. (1946) Frutas indígenas. São Paulo: Secretária da Indústria e Comércio, Instituto Botânico, 72p. 47

62 IBGE (2002) Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Brasília, IBGE. Arquivo capturado em 29/05/2002. IBPGR (1986) Genetic Resources of Tropical and Sub-tropical Fruits and Nuts (Excluding Musa). International Board for plant genetics Resources, Rome. 162p. Jackson, M.L. (1965) Soil chemical analysis. New Jersey; Prentice hall, 498p. Jones Jr., J.B., Wolf, B., Mills, H.A. (1991) Plant analysis handbook: a practical sampling, preparations, analysis, and interpretations guide. Athens (USA): Micro-Macro publishing, 213p. Kavati, R. (1997) Melhoramento em Fruta-do-conde. In: São José, A. R., Souza, I.V.B., Morais, O.M., Rebouças, T.N.H. Anonáceas, produção e mercado (Pinha, graviola, atemóia e cherimólia). Vitória da Conquista (BA). DFZ/UESB, p Kavati, R. (1998) Efeito de épocas de poda na produção tardia e fenologia de atemóia (Annona cherimola Mill x Annona squamosa L.), CV. Gefner. Tese (Mestrado em ciências Agronomia) Jaboticabal SP, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias FCAV, 120p. Kavati, R., Piza Jr., C.T. (1997) Formação e manejo do pomar de fruta-do-conde, atemóia e cherimólia. In: São José, A.R., Souza, I.V.B., Morais, O.M., Rebouças, T.N.H. Anonáceas, produção e mercado (Pinha, graviola, atemóia e cherimólia). Vitória da Conquista (BA): DFZ/UESB, p Kavati, R., Savazaki, E.T., Kageyama, C. (2000) Estudos sobre a ocorrência de auto-incompatibilidade em material clonal de fruta-do-conde (Annona squamosa L.) Fruticultura: agronegócio do 3º milênio resumos. Fortaleza-CE: Embrapa Agroindústria Tropical/SBF, p.562 (CD Rom do Congresso Brasileiro de Fruticultura). 48

63 Kill, L.H.P., Costa, J.G. da. (2000) Biologia floral e sistema de reprodução de Annona squamosa (ANNONACEAE) na região de Petrolina PE. Fruticultura: agronegócio do 3º milênio resumos. Fortaleza-CE: Embrapa Agroindústria Tropical/SBF, p.566 (CD Rom do Congresso Brasileiro de Fruticultura). Kshirsagar, S.V., Shinde, N.N., Rane, D.A., Borikar, S.T. (1975) Studies on the floral biology in atemoya (Annona atemóia). Indian Horticulturae, v.23, p Kumar, R., Hoda, M.N., Singh, D.K. (1977) Studies on the floral biology of custard apple (Annona squamosa Linn), Indian journal of horticulture, Indian, v.34, n.3, p Leão, P.C. de S., Maia, J.D.G. (1998) Aspectos culturais em viticultura tropical Uvas de mesa. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, 19(194): Ledermam, I. E., Bezerra, J. E. F. (1997) Indução e Polinização de Anonáceas. In: São José, A.R., Souza, I.V.B., Morais, O.M., Rebouças, T.N.H. Anonáceas, produção e mercado (Pinha, graviola, atemóia e cherimólia). Vitória da Conquista (BA): DFZ/UESB, p Lehninger, A.L. (1976) Bioquímica: componentes moleculares das células. São Paulo: Edgard Blücher, v.1, 262p. Lemos, E.E.P., Cavalcante, R.C.R.R. (1989) Mecanismos para resistência ao estresse hídrico em pinheira (Annona squamosa L.). X Congresso Brasileiro de Fruticultura, Fortaleza(CE), SBF: p León, J. (1987) Botânica de los cultivos tropicales. São José, Costa Rica: II CA, 445p. Lima, E.A. de, Perin, A., Guerra, J.G.M., Almeida, D.L. de, Texeira, M.G., Busquet, R.N.B., Ribeiro, R.L.D. de. (2000) Efeito da polinização artificial e das coberturas vivas permanentes com leguminosas e gramínea na qualidade e produtividade da pinha sob manejo orgânico. Anais da X jornada de iniciação científica da UFRRJ, v.10. p

64 Malavolta, E., Vitti, G.C., Oliveira, S.A. de. (1989). Avaliação do estado nutricional das plantas: princípios e aplicações. Piracicaba: POTAFOS, 201p. Manica, I. (1994) Taxonomia ou sistemática, morfologia e anatomia. In: Fruticultura cultivo das anonáceas: ata cherimoia graviola. Porto Alegre: Evangraf, p Manica, I. (1997).Taxonomia, morfologia e anatomia. In: São José, A. R., Souza, I. V. B., Morais, O. M., Rebouças, T. N. H. Anonáceas, produção e mercado (Pinha, graviola, atemóia e cherimólia). Vitória da Conquista (BA). DFZ/UESB, p Martelleto, L. A. P. (1997) Situação Atual e Perspectivas de Anonáceas no Estado do Rio de Janeiro. In: São José, A.R., Souza, I.V.B., Morais, O.M., Rebouças, T.N.H. Anonáceas, produção e mercado (Pinha, graviola, atemóia e cherimólia). Vitória da Conquista (BA). DFZ/UESB, p Martius, C.F.P. Annonaceae. (1841) In: Martii, C.F.P. Flora Brasiliesis, v.12. p Nalawadi, U.G.; Sulikeri, G.S. and Singh, C.D. (1975) Floral biology studies of Annona squamosa (L.) under dharwar conditions, Progresive Horticulturae, 7(1): Ometto, J.C. (1981) Bioclimatologia Tropical. São Paulo: Ceres, p Oppenheimer, C. (1980) Subtropical fruit trees and their cultivation. Tel Aviv: Israel. 447p. Pal, D.K., Kumar, R.S. (1965) Changs in the physico - chemical and biochemical compositions of custard apple (Annona squamosa L.) fruits during growth, development and pipening. Journal of horticulturae science. Indian. V.70, n.4, p Pinto, A. C.Q., Genu, P.J.C. (1984) Contribuição ao estudo técnico-científico da graviola (Annona muricata L.). Anais do VII Congresso Brasileiro de Fruticultura, Florianópolis(SC): SBF, v.2, p

65 Pinto, A.C.Q. de, Ramos,V.H.V. (1998) Efeitos da poda e da polinização no crescimento e produção da graviola Morada nos cerrados. In: Congresso Brasileiro de Fruticultura, 15, 1998, Poços de Caldas, MG. Resumos... Poços de Caldas, MG: SBF,. P p. Piza Junior, C. de T. (1982) A cultura da fruta do conde. CATI. Campinas, 7p. Piza Junior, C.T., Kavati, R. (1997) Situação Atual e Perspectivas de Anonáceas no Estado de São Paulo. In: São José, A.R., Souza, I.V.B., Morais, O.M., Rebouças, T.N.H. Anonáceas, produção e mercado (Pinha, graviola, atemóia e cherimólia). Vitória da Conquista (BA). DFZ/UESB, p Popenoe, W. (1920) Manual of tropical and subtropical fruits. Macmillan, New York. 474p. Ramos, V.H.V., Valente, J.P. (1992) Fruticultura tropical. Jaboticabal: Funep, FCAV/UNESP, p Recomendações de adubação e calagem para o estado do Ceará (1993). Fortaleza: Banco do nordeste do Brasil, p.136 e 194. Sadhu, M.K., Ghosh, S.K. (1976) Effects of different level of nitrogen, phosphorus and potassium on growth, flowering, fruiting and tissue composition, of custard apple (Annona squamosa). Indian Agricultural, 20(4): Savazaki, E.T., Kavati, R., Kageyama, C. (2000) Avaliação do número de flores a ser coletadas para a polinização artificial em fruta-do-conde (Annona squamosa L.) Fruticultura: agronegócio do 3º milênio resumos. Fortaleza-CE: Embrapa Agroindústria Tropical/SBF, p.560 (CD Rom do Congresso Brasileiro de Fruticultura). Schroeder, C.A. (1971) Pollination of cherimoya. California Avocado Societ, Yearbook , 54: Silva, A.C., da. (2000) Épocas de poda e métodos de polinização na produção da pinheira (Annona squamosa L.). (Mestrado em Ciências Agrárias), Cruz das Almas BA, Escola de Agronomia, Universidade Federal da Bahia UFBA, 101p. 51

66 Silva, A.Q., Silva, H. (1997) Nutrição e adubação de Anonáceas. In: São José, A. R., Souza, I.V.B., Morais, O.M., Rebouças, T.N.H. Anonáceas, produção e mercado (Pinha, graviola, atemóia e cherimólia). Vitória da Conquista (BA). DFZ/UESB, p Silva, H., Silva, A.Q. da, Cavalcante, A.T., Malavolta, E. (1984) Composição mineral de algumas fruteiras do Nordeste. Anais do VIII Congresso Brasileiro de Fruticultura(SC),SBF:(1) p Simão, S. (1971) Manual de fruticultura. 7ª. Ed. São Paulo: editora Agronômica Ceres, 530p. Simão, S. (1998) Tratado de Fruticultura. Piracicaba: FEALQ, p Sulikeri, G.S., Nalawadi, U.G., Singh, C.D. (1975) Pollen viability studies in Annona squamosa (L.). Current Research, v.4, n.2, p

67 APÊNDICE

68 Figura 1A. Vista geral da cultura da pinha na área experimental em São Francisco do Itabapoana RJ. A B B B Figura 2A. Frutos provenientes de polinização natural (A) e artificial (B)

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS Profª Fernanda Basso FATORES CLIMÁTICOS IMPORTANTES Temperatura Precipitação Luminosidade Crescimento e

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br.

PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. a2es@cav.udesc.br. Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUTIVIDADE DE MILHO SILAGEM SOB ADUBAÇÃO COM DEJETO LIQUIDO DE BOVINOS E MINERAL COM PARCELAMENTO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA¹. Mauricio Vicente Alves², Luiz Armando

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 486 Página 486 COMPONENTES DE PRODUÇÃO DA BRS NORDESTINA CULTIVADA EM DIFERENTES FONTES DE ADUBAÇÃO 1 Josely Dantas Fernandes 1, Lucia Helena Garófalo Chaves 2, José Pires Dantas 3, José Rodrigues Pacífico

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

Comunicado Técnico. Manejo e Práticas Culturais e Fitossanitário em Gravioleira no Cerrado. ISSN 1517-1469 Planaltina, DF

Comunicado Técnico. Manejo e Práticas Culturais e Fitossanitário em Gravioleira no Cerrado. ISSN 1517-1469 Planaltina, DF Comunicado Técnico Outubro, 81 ISSN 1517-1469 Planaltina, DF 2002 Manejo e Práticas Culturais e Fitossanitário em Gravioleira no Cerrado Víctor Hugo Vargas Ramos 1 Maria Alice S. Oliveira 2 Alberto Carlos

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas.

Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. Biologia Floral do Meloeiro no Ceará: Emissão, Duração e Relação Flores Masculinas / Hermafroditas. João R. Crisóstomo 1 ; Lorna F. Falcão 2 ; Fernando A. S. de Aragão 3 ; Jalmi G. Freitas 4 ; Jefté F.

Leia mais

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Toona ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Toona ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Toona ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG CARVALHO e MATIELLO Objetivos O cafeeiro (Coffea arabica L.) é uma planta originária da Etiópia, onde se

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Poda: uma técnica a ser explorada

Poda: uma técnica a ser explorada Google: Banco de imagens Google: Banco de imagens Eng. Agr. MSc. Décio Joaquim Campo Consultoria Imagens do Banco Google A poda nas plantas cítricas adultas NÃO é uma prática usual no Brasil. Comum nos

Leia mais

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba

Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Sistema Baseado em Regras Fuzzy para Avaliação do Efeito de Lâminas de Irrigação na Produtividade e Diâmetro da Raiz de Cultivares de Beterraba Alexsandro O. da Silva, Paulo R. Isler, Joselina S. Correia

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

DÉBORA SAMARA CRUZ ROCHA FARIAS 1, JOSÉ DANTAS NETO 2

DÉBORA SAMARA CRUZ ROCHA FARIAS 1, JOSÉ DANTAS NETO 2 IRRIGAÇÃO COM DIFERENTES LÂMINAS DE ÁGUA SUPERFICIAL POLUÍDA E DIFERENTES DOSES DE ADUBAÇÃO FOSFATADA NA INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE INFLORESCÊNCIA DO PINHÃO MANSO DÉBORA SAMARA CRUZ ROCHA FARIAS 1, JOSÉ DANTAS

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução

Comunicado Técnico. Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu. Introdução Comunicado Técnico Novembro, 76 ISSN 1981-206X São Carlos, SP 2007 Foto capa: Patricia Perondi A. de Oliveira Guia de identificação de deficiências nutricionais em Brachiaria brizantha cv. marandu Patricia

Leia mais

Fruticultura. A Cultura do Abacate. Nome Cultura do Abacate Produto Informação Tecnológica Data Abril -2001 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. A Cultura do Abacate. Nome Cultura do Abacate Produto Informação Tecnológica Data Abril -2001 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 9 10/16/aaaa 11:29 Fruticultura A Cultura do Abacate Nome Cultura do Abacate Produto Informação Tecnológica Data Abril -2001 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações resumidas sobre a Cultura

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO A Estatística Experimental tem por objetivo o estudo dos experimentos, incluindo o planejamento, execução, análise dos dados e interpretação

Leia mais

Cultivando o Saber. Resposta de rúcula Folha Larga à aplicação de potássio sob diferentes parcelamentos

Cultivando o Saber. Resposta de rúcula Folha Larga à aplicação de potássio sob diferentes parcelamentos 96 Resposta de rúcula Folha Larga à aplicação de potássio sob diferentes parcelamentos Paulo Afonso Pires 1, Franciele Moreira Gonçalves 2 Jessica da Silva Santos 2 e Rerison Catarino da Hora 2 1 Faculdade

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PRODUÇÃO DE PEPINO TIPO CONSERVA EM FUNÇÃO DE DOSES DE FÓSFORO ELONHA RODRIGUES DOS SANTOS 1 ; ANTONIA PINTO DE CERQUEIRA 2 ; PAULO ROGÉRIO SIRIANO BORGES 3 ; PAULO ROBERTO PEREIRA 4 ; ARISTÓTELES CAPONE

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Área: Genética e Melhoramento RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Sonia Maria Botelho 1 ; João Elias Lopes Rodrigues 2 ; Raimundo Nonato Teixeira

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar?

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar? Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS FERAS O que é poda? Piracicaba - SP Agosto - 2011 Conceito de Poda O que podar? Ramos Poda

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B

PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Página 770 PRODUÇÃO DO ALGODÃO COLORIDO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO FOLIAR DE N E B Tancredo Augusto Feitosa de Souza 1 ; Roberto Wagner Cavalcanti Raposo 2 ; Aylson Jackson de Araújo Dantas 2 ; Carolline Vargas

Leia mais

Importância dos critérios de amostragem de folhas

Importância dos critérios de amostragem de folhas Importância dos critérios de amostragem de folhas Marcos Antonio Camacho da Silva UEMS/Aquidauana NÍVEL CRÍTICO FAIXA DE SUFICIÊNCIA DRIS PASS CND Porque fazer amostragem? Estabelecer relações entre o

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA

COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA COMPORTAMENTO DE HÍBRIDOS EXPERIMENTAIS DE MILHO EM CONDIÇÕES DE ESTRESSES DE SECA Marco Antônio Ferreira Varanda 1 ; Aurélio Vaz de Melo 2 ; Rubens Ribeiro da Silva³ 1 Aluno do Curso de Agronomia; Campus

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max)

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) Autor(es): Apresentador: Rodrigo Ciotti Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: MOTTA, Marcelo;

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA

PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas PRODUÇÃO DE PORTA-ENXERTO DE MANGUEIRA EM SUBSTRATO COMPOSTO POR RESÍDUOS DA AGROINDÚSTRIA CANAVIEIRA Luiz Augusto Lopes Serrano 1 ; André Guarçoni M. 2 ; Cesar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INICIAL DO UMBUZEIRO (Spondias tuberosa ARRUDA) NO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO

DESENVOLVIMENTO INICIAL DO UMBUZEIRO (Spondias tuberosa ARRUDA) NO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO DESENVOLVIMENTO INICIAL DO UMBUZEIRO (Spondias tuberosa ARRUDA) NO SEMI-ÁRIDO PERNAMBUCANO Marcos Antônio Drumond, Clóvis Eduardo S. Nascimento, Luiz Balbino Morgado, Embrapa Embrapa Semi-Árido, CP 23,

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO Valter de Oliveira Neves Júnior1; Zélio de Lima Vieira 1; Leandro Martins Prudente1; Rafael Benetti1; Sebastião Pedro da Silva Neto 2 1 Acadêmico PVIC/UEG

Leia mais

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi realizar um estudo

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS CULTURAIS DE MILHO E SOJA SOBRE DIFERENTES COBERTURAS DE SOLO NUMA ÁREA SOB SEMEADURA NO CERRADO

DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS CULTURAIS DE MILHO E SOJA SOBRE DIFERENTES COBERTURAS DE SOLO NUMA ÁREA SOB SEMEADURA NO CERRADO DECOMPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS CULTURAIS DE MILHO E SOJA SOBRE DIFERENTES COBERTURAS DE SOLO NUMA ÁREA SOB SEMEADURA NO CERRADO FERNANDEZ 1, A.T.; TORRES 2, J.L.R.; PEREIRA 3, M.G.; FABIAN 4 ; A.J. 1 Graduando

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea)

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Fertilidade di Solo e Nutrição de Plantas UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DO AÇAÍ (Euterpe oleracea) Aureliano Nogueira da Costa 1, Adelaide de Fátima Santana da Costa

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE MELOEIRO CANTALOUPE ORGÂNICO SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO J. R. G. de Paiva 1 ; L. F. de Figueredo 2 ; T. H. da Silva 3 ; R. Andrade 4 ; J. G. R. dos Santos 4 RESUMO: O manejo

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum)

Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Doses de adubo para produção de mudas de tomate (Solanum lycopersicum) Dinael Henrique Rocha 1 ; Vinicius Samuel Martins 1 ; Rafael Antônio Cavalcante Carvalho 1 ; Jakeline Aparecida Greiver Ribeiro Ferreira

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade

DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI. III Simpósio Brasileiro sobre Nutrição de Plantas Aplicada em Sistemas de Alta Produtividade DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DO CAJU E CAQUI PROF. DR. MÁRCIO CLEBER DE MEDEIROS CORRÊA Departamento de Fitotecnia Centro de Ciências Agrárias Universidade Federal do Ceará Fortaleza - CE III Simpósio

Leia mais

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS

CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS TÉCNICOS COM GRAMADOS CUIDADOS PRÉ-PLANTIO ERRADICAÇÃO DE ERVAS DANINHAS Você deve erradicar as ervas daninhas da área a ser gramada. Esta operação pode ser feita através da capina mecânica ou

Leia mais

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia

Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia Fertilização nitrogenada do cafeeiro com base na ecofisiologia ESALQ - USP Produção Vegetal agosto - 2013 Prof. José Laércio Favarin Composição química Importância do nitrogênio Composição cafeeiro Kg

Leia mais

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO

DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 DESEMPENHO DE MUDAS CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (VETIVER) EM SUBSTRATO DE ESTÉRIL E DE REJEITO DA MINERAÇÃO DE MINÉRIO DE FERRO Igor Fernandes de Abreu (*), Giovane César

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA

UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA UTILIZAÇÃO DO LODO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA ADUBAÇÃO DA GOIABEIRA Luiz Carlos S. Caetano¹; Aureliano Nogueira da Costa²; Adelaide de F. Santana da Costa 2 1 Eng o Agrônomo, D.Sc, Pesquisador

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Aplicação de Adubo em Milho Verde Orgânico Irrigado Leandro Barradas Pereira 1, Lauro Kenji Komuro 1, Neli Cristina

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE

MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE MAMÃOZINHO-DE-VEADO (Jacaratia corumbensis O. kuntze): CULTIVO ALTERNATIVO PARA ALIMENTAÇÃO ANIMAL NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA DO NORDESTE Nilton de Brito Cavalcanti, Gherman Garcia Leal de Araújo, Geraldo Milanez

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Época de Aplicação de N em Cobertura no Milho em Sucessão ao Consórcio Ervilhaca/Aveia Preta Laís Corrêa Miozzo 1,

Leia mais

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI

RESPONSE FUNCTION OF MELON TO APPLICATION OF WATER DEPTHS FOR SOIL AND CLIMATIC CONDITIONS OF TERESINA-PI FUNÇÃO DE RESPOSTA DO MELOEIRO À APLICAÇÃO DE LÂMINAS DE ÁGUA PARA AS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DE TERESINA-PI E. R. GOMES 1 ; A. F. ROCHA JÚNIOR 2 ; C. A. SOARES 3 ; F. E. P. MOUSINHO 4 ; A. A. C. SALVIANO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM POMAR FRUTÍCOLA NO MUNICÍPIO DE URUPEMA, SC

QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM POMAR FRUTÍCOLA NO MUNICÍPIO DE URUPEMA, SC QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL EM POMAR FRUTÍCOLA NO MUNICÍPIO DE URUPEMA, SC Área Temática: Tecnologia e Produção Roberto Akitoshi Komatsu (Coordenador da ação de extensão) Roberto Akitoshi Komatsu 1, Pedro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

13759 - Influência do Ciclo Lunar no Desenvolvimento e Rendimento de Coentro Coriandrum sativum L. Porto Alegre, RS, 2013.

13759 - Influência do Ciclo Lunar no Desenvolvimento e Rendimento de Coentro Coriandrum sativum L. Porto Alegre, RS, 2013. 13759 - Influência do Ciclo Lunar no Desenvolvimento e Rendimento de Coentro Coriandrum sativum L. Porto Alegre, RS, 2013. Influence of the lunar cycle of the moon in the development and yield of coriander

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA PRODUÇÃO DE MELANCIA E CENOURA COM FINANCIAMENTO EM ANAPOLIS GO Fernanda Martins Dias 1 ; Simone Janaína da Silva Morais 1 ; Ricardo Caetano Rezende 2 1 Licenciada

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

Circular. Técnica COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA BRANCA E AVEIA PRETA EM ARAXÁ, MG.

Circular. Técnica COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE AVEIA BRANCA E AVEIA PRETA EM ARAXÁ, MG. 12 Circular Técnica Arejacy Antônio Sobral Silva 1 Paulo de Tarso Veloso Menezes Brando 2 Nayara Aparecida da Silva 2 Emanuely Torres Melo 2 1 Professor do Uniaraxá arejacysilva@uniaraxa.edu.br 2 Graduando

Leia mais

COMPRIMENTO DO PRIMEIRO RAMO PLAGOTRÓPICO DE COFFEA ARABICA EM DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS E FERTIRRIGAÇÃO

COMPRIMENTO DO PRIMEIRO RAMO PLAGOTRÓPICO DE COFFEA ARABICA EM DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS E FERTIRRIGAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 COMPRIMENTO DO PRIMEIRO RAMO PLAGOTRÓPICO DE COFFEA ARABICA EM DIFERENTES REGIMES HÍDRICOS E FERTIRRIGAÇÃO André Maller 1, Roberto Rezende 2, André Ribeiro

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE

PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE PRODUÇÃO DE MUDAS DE PIMENTÃO AMARELO UTILIZANDO FERTIRRIGAÇÃO POR CAPILARIDADE J. P. B. M. COSTA, 1, R. L. SILVA 1, R. A. A. GUEDES 1, F. M. S. BEZERRA 1, R. C. CUNHA, M. W. L. SOUZA 1, F. A. OLIVEIRA

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/ervilha.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura da Ervilha Nome Cultura da Ervilha Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura da Ervilha

Leia mais

Como surgiu o feijão de terceira safra ou feijão de inverno? Um pouco de história Tomás de Aquino Portes

Como surgiu o feijão de terceira safra ou feijão de inverno? Um pouco de história Tomás de Aquino Portes Como surgiu o feijão de terceira safra ou feijão de inverno? Um pouco de história Tomás de Aquino Portes A 3 a safra, ou feijão irrigado ou de inverno, surgiu no início da década de 1980, como pode ser

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

Besouros produzem GRAVIOLAS

Besouros produzem GRAVIOLAS Besouros produzem GRAVIOLAS Reisla Oliveira, Artur Campos Dália Maia, Fernando Zanella, Celso Feitosa Martins e Clemens Schlindwein Editor: Fundo Brasileiro para Biodiversidade - FUNBIO Este material

Leia mais

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013

2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 2015 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InFover Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VIII Nº 76 Junho de 2015 Universidade Federal de

Leia mais

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins.

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Luciano Marcelo Fallé Saboya 1 ; Rita de Cassia Cunha Saboya 2 ; Valdeci Pinheiro Júnior 3 ; Jacinto Pereira da Silva

Leia mais

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES

DIVERSIDADE DE CLIMAS = DIVERSIDADE DE VEGETAÇÕES FORMAÇÕES VEGETAIS - Os elementos da natureza mantém estreita relação entre si. - A essa relação, entendida como a combinação e coexistência de seres vivos (bióticos) e não vivos (abióticos) dá-se o nome

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro*

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* *não dispensa aconselhamento técnico 1 Avaliação da aptidão do solo, água e clima Fertilidade do

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais