O PAPEL DO SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO NA FISIOPATOLOGIA DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DO SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO NA FISIOPATOLOGIA DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR"

Transcrição

1 UNIDADE DE SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO O PAPEL DO SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO NA FISIOPATOLOGIA DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR Mário Oliveira Laboratório de Electrofisiologia Serviço de Cardiologia H. Sta Marta XXXII Congresso Português de Cardiologia

2 Fibrilhação Auricular - epidemiologia a arritmia mais comum na prática clínica... a prevalência aumenta com a idade (>65 anos»»»» 5%; >75 anos»»10%) Em 2050, 37% da população europeia terá >65 anos! Fuster, Go et al, JAMA JACC »» população global 1%»» risco de FA > 40 anos 1:4

3 Fibrilhação Auricular - classificação Qual é o substrato funcional que promove a progressão para FA persistente? (<7 dias, conversão espontânea) (>7 dias, < 1ano, cardioversão) persistente de longa-duração (>1ano, referenciado para ablação) >30% >50% em jovens com FA 50% idiopática Nieuwlaat et al, EHJ 2005 Fuster et al, Europace 2006 Calkins et al, Heart Rhythm 2007

4 Fibrilhação Auricular mecanismos e substrato electrofisiológico - múltiplos circuitos de reentrada - rotores (microcircuitos) com condução fibrilhatória Moe, 1964; Alessie, 1985; Konings, 1994; Jalife aplicação focal de aconitina»» FA - focos ectópicos Scherf, 1947; Haissaguerre, 1998; Chen 2001

5 VAGAL Paroxysmal AF: a disorder of autonomic tone? Fibrilhação Auricular APÓS REFEIÇÃO NOCTURNA DIURNA na patogéneseda FA paroxística, mas os mecanismos que ligam ANOS a actividade > 50 ANOS autonómica à SEM RELAÇÃO COM STRESS FISIOLÓGICO & PSICOLÓGICO SEM CARDIOPATIA Coumel, 1994 RELAÇÃO COM STRESS FISIOLÓGICO & PSICOLÓGICO COM CARDIOPATIA ADRENÉRGICA 6% vagal, 15% adrenergic, and 12% mixed vagal adrenergic adrenergic patterns Euro Heart Survey, 2008 O SNA tem sido reconhecido como um modulador FA não estão completamente esclarecidos. (Tai, 2001; Olshansky, 2005; Chen& Tan, 2007; Benjamin, 2009) Coumel P, 1994 Murat Y, 1999 Fuster V, 2001 Anjan S, 2004

6 Quando o cérebro tem razões que a fibrilhação auricular conhece SR SR AF 17h:50 mn»»» sudden bad news

7 Fibrilhação Auricular remodelagem Atrial fibrillation begets atrial fibrillation Eléctrica heterogénea dos PRE velocidade de condução duração do P. Acção sobrecarga de Ca ++ intracelular Molecular alterações nos canais iónicos alterações nas conexinas Celular e Estrutural Autonómica > heterogeneidade da inervação inervação simpática auricular contractilidade (stunning) Dilatação, stretching apoptose, fibrose, anisotropia once initiated, AF alters atrial electrical and structural properties in a way that promotes its own maintenance and recurrences. Yang, Heart Rhythm 2006 Chen, Heart Rhythm 2007 Nattel, Circulation 2008 Lu, Circulation 2008

8 Fibrilhação Auricular: Fisiopatologia, Remodelagem Auricular e Sistema Nervoso Autónomo substrato trigger actividade ectópica remodelagem reentrada SNA Fibrilhação Auricular A compreensão dos mecanismos que associam o SNA ao substrato electrofisiológico da FA paroxística representa um importante desafio para a investigação actual

9 O PAPEL DO SISTEMA NERVOSO AUTÓNOMO NA FISIOPATOLOGIA DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR qual a importância das propriedades electrofisiológicas auriculares na indução e manutenção de FA e sua relação com a modulação da actividade do SNA? será que os doentes com FA paroxística têm um comportamento autonómico diferente? Serão mais susceptíveis à activação de mecanismos responsáveis por síncope neurocardiogénica reflexa? haverá interacção entre o tónus autonómico e os fenómenos relacionados com a remodelagem auricular? O SNA tem influência directa nos fenómenos electrofisiológicos, na vulnerabilidade para FA e na expressão genética de canais iónicos e conexinas do tecido auricular?

10 Dispersão da refractariedade auricular como substrato da vulnerabilidade para FA 36 doentes (53±13 anos); 55% sem cardiopatia subjacente, > 1ano de FA paroxística Dispersão da refractariedade auricular e indução de FA auto-limitada ou mantida 47 doentes (56±14 anos); 62% sem cardiopatia subjacente, > 1 ano de FA paroxística * períodos refractários efectivos * pacing auricular incremental * estimulação auricular programada * actividade focal n=47 grupo A (n=13) grupo B (n=18) grupo C (n=16) - não indutível - - FA <60s - - FA mantida - ESTUDO ELECTROFISIOLÓGICO Idade 56±14 57±13 54±15 57±14 Sexo masculino 47% 47% 50% 44% FA idiopática 52% 50% 50% 55% Nº de AA prévios 1.7± ± ± ±0.5 Duração da FA (anos) 2.3± ± ± ±2.2 FLA/TA 11.1% 15.4% 15.6% 12.5% AE 22 mm/m2 36% 38.5% 38.9% 31% Hipertrofia VE Fej VE 40-50% REFRACTARIEDADE 12.7% AURICULAR 15.3% 11.1% 12.5% VULNERABILIDADE 11.1% AURICULAR 15.3% 11.1% 6.3% Oliveira et al, RPC 2007

11 RESULTADOS períodos refractários efectivos auriculares 300 p=ns Dispersão da Refractariedade Auricular 250 p=0, ±18 ms 216±24ms p=ns 208±20 ms 218±24 ms PRE_HRA PRE_HRA 0 PRE_LRA PRE_LRA p=ns 228±31 ms 231±39 ms p=ns 50 0 PRE_SIA PRE_SIA não indutível indutível,<60s indutível, mantida regressão 300 logística para determinar a associação com indução de FA 266±35 ms * ±35 ms * ±90 ms * duração da FAP / documentação FLA/TA / dispersão 100 dos PRE 50 0 PRE_SCP p=ns idade / sexo / HTA / AE (modo-m) / Fej VE / HVE / nº prévio de AA PRE_SCP 600 p=ns 0 factor predizente PRE_SCDindependente 242±34 ms * Oliveira et al, IJC2008 Prémio Astra-Zeneca 2009

12 ATRIAL REFRACTORINESS CHANGES EVOKED BY STIMULATION AND BLOCKADE OF THE AUTONOMIC ACTIVITY IN LONE PAROXYSMAL AF Oliveira M, et al. Lisbon Arrhythmia Meeting Award 2008 Hilbert Huang transform 140 ERP (ms) Baseline HG CSM ANS_blockade RAA 208±15 206±34 206±16 213± carotide sinus massage hand-grip propranol atropine RA low-lateral 212±22 213±23 188±21* 212±15 80 high IAS 252±43 234±40 232±48 241± proximal CS 256±37 238±28 243±28 240±20 20 distal CS 246±31 242±32 247±43 264±35* 0 70±39 ms 71±34 ms 74±46 ms 54±37 ms baseline HG CSM ANSB *

13 Efeitos da modulação aguda do SNA na condução, refractariedade e electrogramas auriculares na FAP grupo FA»» n=16 - >1 ano de episódios recorrentes de FA - sem documentação de outras arritmias grupo controlo»» n=15 - taquicardia de reentrada nodal - sem documentação ou indução de FA condução intra-auricular condução inter-auricular tempo de activação AE RS, pacing, S2 (basal, HG, MSC, bloqueio SNA) Indutibilidade de FA...os doentes com FAP tiveram tempos de condução intra e interauricular mais longos Induziu-se FA em 56% dos doentes em condições basais, em 69% durante estimulação autonómica e em 50% após bloqueio farmacológico do SNA....os doentes com FAP tiveram maior prolongamento dos electrogramas no AAD e SC distal O tempo de activação AE e a condução interauricular aumentaram significativamente durante a massagem do seio carotídeo no grupo com indução de FA mantida. actividade auricular fragmentada em 43,8% do grupo FAP e em 6.7% do grupo controlo (p=0.03)

14 Duração dos Electrogramas Auriculares na FA paroxística efeito da modulação aguda do SNA basal * 50±12 80 ms bloqueio SNA 43±12 37±9 39±10 46±11 44±8 41±6 40±9 40 p=ns 0 RAA His CSprox CSdistal RAA His CSprox CSdistal Hand-grip 80 ms MSC 44±10 46±13 * * 34±7 34±6 54±13 53±9 * 40±10 * 40± RAA His CSprox CSdistal RAA His CSprox CSdistal Oliveira, et al, IJC 2010

15 ANS - Atrial Fibrillation are there autonomic disturbances in patients with paroxysmal AF? fluctuations in sympathovagal tone before the onset of AF have been demonstrated in several studies Chen, Wasmund, Hamdan, 2006

16 Alterações da actividade autonómica em doentes com FA paroxística doentes com FA paroxística (50% homens; 55±17 anos), sem síncope, EAM, ICC ou DM voluntários saudáveis (50% homens; 54±10 anos) Ortostatismo Passivo Exercício Isométrico Manual Teste Pressor do Frio Respiração Profunda

17 RESULTADOS Variabilidade da FC basal báscula 1º mn tilt 2º mn tilt Oliveira et al, HRS 2007 Annual Investigator Award, EFAS 2008

18 Autonomic outflow during provocative maneuvers in paroxysmal atrial fibrillation Exercício Isométrico Manual Teste Pressor do Frio Respiração Profunda Oliveira, et al (CAR, submetido) - a elevação da PAs foi mais tardia no grupo da FA - na variabilidade da PAd os valores de LF e LF/HF aumentaram desde o 1º mn no grupo FA (nos N o LF aumentou no 3º mn) Nos doentes com FA paroxística: estão presentes alterações do controlo da FC ou da PA durante testes - a elevação da PAs e da PAd foi mais tardia no grupo da FA - apenas os N tiveram uma variação significativa da banda LF (PAs) mas sem diferenças significativas comparando com o grupo FA que estimulam a actividade autonómica, sugerindo um comportamento anormal do SNA na regulação cardiovascular. - os intervalos RR médio e RR máximo foram maiores no grupo N, sem diferenças nos valores da PA - não se registaram diferenças entre os grupos na VFC (LF, HF, LF/HF) N FAP

19 Nos doentes com FA paroxística isolada também estão presentes alterações do comportamento do baroreflexo durante o teste de ortostatismo? Sensibilidade do Baroreflexo - método sequencial Di Rienzo, Am J Physiol 2001

20 Baroreflex sensitivity during orthostatic stress in patients with lone paroxysmal AF Oliveira et al, EFAS 2010 N PAF N PAF N PAF Quando comparados com indivíduos saudáveis, os doentes com FA paroxística apresentam alterações da função do baroreflexo durante o stress ortostático, o que reforça a interacção entre mecanismos reflexos de regulação cardiovascular e a FA.

21 Incidência de falsos-positivos em idosos com FA paroxística submetidos a teste de inclinação Haverá maior susceptibilidade para a activação de mecanismos indutores de síncope neurocardiogénica reflexa em doentes com FA paroxística? POPULAÇÃO E MÉTODOS 34 doentes com FA paroxística (1-5 anos de sintomas intermitentes) 72±7 anos (62% ) 56% sem doença cardíaca associada sem história clínica de síncope, EAM, ICC ou D. Mellitus excluídos casos de FA com características clínicas de predomínio vagal 34 doentes consecutivos da mesma faixa etária (grupo controlo) 74±6 anos (53% ) 62% sem doença cardíaca associada estudo etiológico de síncopes recorrentes. sem história clínica (ou documentação) de FA head head-up tilting emrs RS(70 70º, º,40 40min), min),sem punção venosaesem sem agentes provocativos teste»»respostas cardioinibitória, vasodepressora ou mista

22 grupo FAP grupo Síncope Teste - resposta vasodepressora - resposta mista n=6 n=5 n=1 Teste - resposta vasodepressora - resposta mista n=8 n=7 n=1 p=ns 35 time to syncope 15,8±8 mn vs. 16±9 mn ,6% 21% 23,5% 33% 0 all patients idiopathic PAF all patients no heart disease Oliveira et al, EFAS 2008

23 Incidência de falsos-positivos em idosos com fibrilhação auricular paroxística submetidos a teste de inclinação Oliveira, et al, RPC 2008 syncope syncope CA,, 60 years recurrent syncopes MCP,, 67 years Lone PAF SR AF SR SR AF SR Oliveira et al, EFAS 2008

24 Acute vagal modulation of atrial and pulmonary veins electrophysiology increases vulnerability to atrial fibrillation Quais os efeitos da estimulação aguda autonómica na condução e refractariedade das População e Métodos coelhos New Zealand (ambos os sexos; Kg) anestesiados com pentobarbital sódico (60 mg/kg) BP entubação endotraqueal bloqueio neuro-muscular (vecurónio) ventilação artificial ECG preparação com toráx-aberto abordagem epicárdica Oliveira et al, Exp Physiol 2010 aurículas e VP, e na vulnerabilidade para indução e manutenção de FA Sympathetic-parasympathetic interactions on acute electrophysiological modulation and atrial fibrillation inducibility Oliveira et al, Auton Neuroscience (submetido) Monitorização contínua da FC e PA RA1 RA2 RA3 LA1 PV

25 MÉTODOS estimulação do vago cervical (20 Hz - FC 50%) estimulação do tronco simpático torácico (coluna intermédio-lateral no nível T1; 3 Hz - FC e PA) Vagal (HF; Hz) Simpática (LF; Hz) baseline CONDIÇÕES vagal BASAIS %_ E SOB sympathetic ESTIMULAÇÃO AUTONÓMICA %_ vagal + sympathetic %_ condução eléctrica auricular RA (ms) 69±16 48±17** ± ±20* 26.1 período refractário efectivo LA (ms) 83±16 53±21*** ±23** ±23*** 37.8 vulnerabilidade para a indução de FA PV (ms) 59±16 41±17** ψ ± ±18** 32.2

26 Sympathetic-parasympathetic interactions on acute electrophysiological modulation and atrial fibrillation inducibility Oliveira et al, Auton Neuroscience (submetido) * * * *

27 baseline RAA LAA PV AF induction AF duration 41% 35% 53% 1.8± ± ±0.7 sympathetic vagal vagal + sympathetic RAA LAA PV RAA LAA PV RAA LAA PV 71% 65% 76% 76% * 65% 76% 87,5% * 100% * 75% 1.8± ± ±3.7* 5.8±2.5* 3.3± ±1.6* 3.5±1.4* 6.0±1.4 * 3.7±1.1* A FA teve duração >10s em 46% dos animais (somente com vagal) e terminou de modo reprodutível em >70% dos Indução casos imediatamente de Taquicardia das após Veias suspensão Pulmonares da vagal. 80 ms Oliveira et al, Auton Neuroscience (submetido) Oliveira et al, Exp Physiol 2010 Oliveira et al, RPC 2010

28 quais as alterações dos níveis de expressão do RNAm de canais iónicos e conexinas no tecido auricular induzidas pela remodelagem e pela estimulação autonómica? Expressão Genética de Canais Iónicos Auriculares e Conexinas - Conexina43 (Cx43/[Cx40+Cx43])»» marcador de velocidade de propagação - Conexina40 pacing bipolar contínuo com 50 Hz (3000 bpm) estimulação vagal e/ou simpática - subunidades dos canais Kv4.2 and Kv4.3»» corrente rápida de efluxo de K + (fase 1) Duração Pacing AAD Controlo 30 min basal 2h 4h Controlo (n=15) Vagal (n=15) horas - canal Kv1.5 15»» influencia 15corrente I kur da repolarização (fase 3) 4 horas canal do Ca 2+ tipo L (fase 2) ratos Wistar - corrente de sódio (I Na )»» despolarização rápida do potencial de acção (fase 0) Simpática (n=15) Simpático-Vagal (n=15) canais rectificadores de influxo de K +, incluíndo o canal muscarínico I KACh (fase 3,4) - colheita separada da AD e AE (congelação em RNA later ) - canal do cloro -(fase transcrição 1) reversa e Real-Time PCR

29 Time course of ionic and gap junctional remodeling induced by short-term rapid pacing in rat atria Oliveira et al, Lisbon Arrhytthmia Award 2009 Cx43 * Cx40 AD AE AD AE AD AE ** Cx43/[Cx43+Cx40] - na AD aos 30 mn e 4 horas - na AE aos 30 mn e 4 horas AD AE AD AE AD AE

30 0,9 0,6 0,3 0-0,3-0,6-0,9-1,2 0,9 0,6 0,3 0-0,3-0,6-0,9-1,2 alterações (heterogéneas) das propriedades electrofisiológicas auriculares

31 Alterations in atrial ion channel and connexin expression induced by autonomic stimulation: a potential substrate for AF Oliveira et al, ESC 2010 alterações dos níveis de RNAm para Cx43 induzidas pela estimulação autonómica AD AE Oliveira et al, Heart Rhythm (submetido)

32 Pacing Rápido Simpática Vagal Simpático-Vagal REMODELAGEM VAGAL/SIMPÁTICO-VAGAL Cx43 Cx Kcnd2 * * * Kcnd3 * * Kcna5 Kcnj3 * * * * Kcnj Scn5a * * Cacna1 * * Cftr

33 INFLUÊNCIA DA ACTIVIDADE AUTONÓMICA NA GÉNESE E MANUTENÇÃO DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR CONCLUSÕES Em doentes com FA paroxística: aestãopresentesalteraçõesdocontroloautonómicodafcedapaem dispersão da refractariedade é um marcador de vulnerabilidade para FA. atestes manutenção de avaliação da arritmia funcional parecedo sersna influenciada e do baroreflexo por factores durante adicionais a fase além inicial do do grau stress de heterogeneidade ortostático. dos períodos refractários auriculares. as alterações da condução auricular têm um papel no substrato ocorrem um número significativo reacções reflexas neurocardiogénicas electrofisiológico da FA. durante o teste de inclinação, podendo associar-se a episódios autolimitados de FA. a modulação autonómica aguda influencia a condução, a refractariedade e a heterogeneidade da duração dos electrogramas auriculares.

34 INFLUÊNCIA DA ACTIVIDADE AUTONÓMICA NA GÉNESE E MANUTENÇÃO DA FIBRILHAÇÃO AURICULAR CONCLUSÕES No modelo experimental do coração de coelho rato in vivo: in vivo: Ocorrem A estimulação alterações vagalprolonga precoces, a condução extensas interauriculare e heterogéneasencurta na expressão os PRE das de genes aurículas quee codificam VP, enquanto conexinas a estimulação e canais simpática iónicosaumenta auriculares, a velocidade em resultado de da condução interauricular e entre as aurículas e VP, diminuíndo os PRE no AAE. remodelagem auricular ou da estimulação autonómica, sendo o padrão induzido A estimulação pela estimulação autonómica aguda simpático-vagal potencia a sobreponível indutibilidadee aoduração verificado de FA, na remodelagem sendo maior o associada impacto resultante à actividade combinação auricular desimpático-vagal. alta-frequência. ESTES RESULTADOS REFORÇAM A IMPORTÂNCIA DA INTERACÇÃO ENTRE O SNA E OS MECANISMOS MOLECULARES E ELECTROFISIOLÓGICOS SUBJACENTES À FA PAROXÍSTICA E AOS PROCESSOS DE REMODELAGEM AURICULAR

35 OBRIGADO! O impacto epidemiológico e os riscos clínicos inerentes à FA constituem um problema de saúde pública e um desafio relativamente à compreensão dos mecanismos subjacentes à génese e manutenção da arritmia, aos factores predisponentes e às estratégias de prevenção e terapêutica mais adequadas.

LISBON ARRHYTHMIA MEETING, 2009 Hotel Mirage, Cascais, 20 e 21 de Fevereiro de 2009

LISBON ARRHYTHMIA MEETING, 2009 Hotel Mirage, Cascais, 20 e 21 de Fevereiro de 2009 Programa Preliminar LISBON ARRHYTHMIA MEETING, 2009 Hotel Mirage, Cascais, 20 e 21 de Fevereiro de 2009 6ª FEIRA 20 de Fevereiro SALA 1 6ª FEIRA 20 de Fevereiro SALA 2 09.15 09.30 Introdução à Reunião

Leia mais

SÍNCOPE VAGAL. SERVIÇO DE ARRITMIA, ELETROFISIOLOGIA E ESTIMULAÇÃO CARDÍACA Rede D Or Dr. Leonardo Siqueira

SÍNCOPE VAGAL. SERVIÇO DE ARRITMIA, ELETROFISIOLOGIA E ESTIMULAÇÃO CARDÍACA Rede D Or Dr. Leonardo Siqueira SÍNCOPE VAGAL SERVIÇO DE ARRITMIA, ELETROFISIOLOGIA E ESTIMULAÇÃO CARDÍACA Rede D Or Dr. Leonardo Siqueira Sincope: Epidemiologia 40% da população 1-6% das admissões hospitalares 1% dos atendimentos de

Leia mais

Artigo. Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito

Artigo. Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito rtigo Revista da SOCIEDDE DE CRDIOLOGI DO ESTDO DO RIO GRNDE DO SUL Diagnóstico diferencial de taquicardia de QRS estreito *Eduardo Bartholomay **Rafael Moraes ***Guilherme Gazzoni ****Renata Etchepare

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Dr. José Carlos Moura Jorge Laboratório de Eletrofisiologia de Curitiba Bradicardia Sinusal. Doença

Leia mais

Síncope Neuromediada FISIOPATOLOGIA. que. Aqueles. sofrem. de entes e severos morrem mais subitamente.

Síncope Neuromediada FISIOPATOLOGIA. que. Aqueles. sofrem. de entes e severos morrem mais subitamente. TRATAMENTO FÍSICO F NAS SÍNCOPES S NEUROMEDIADAS Aqueles que sofrem de desmaios freqüentes entes e severos morrem mais subitamente. Prof. Giulliano Gardenghi, Ph.D Aforisma de Hipócrates crates,, 1000

Leia mais

Isolation of the pulmonary veins with radiofrequency

Isolation of the pulmonary veins with radiofrequency IMAGENS EM CARDIOLOGIA Valor do Isolamento das Veias Pulmonares no Tratamento da Fibrilhação Auricular Ritmo Sinusal após Isolamento de Veia Pulmonar que se Mantém em Fibrilhação. Caso Clínico [18] PEDRO

Leia mais

OS DOENTES COM FA PERSISTENTE DE LONGA DURAÇÃO DEVEM SER CANDIDATOS A ABLAÇÃO POR CATETER? NÃO!

OS DOENTES COM FA PERSISTENTE DE LONGA DURAÇÃO DEVEM SER CANDIDATOS A ABLAÇÃO POR CATETER? NÃO! OS DOENTES COM FA PERSISTENTE DE LONGA DURAÇÃO DEVEM SER CANDIDATOS A ABLAÇÃO POR CATETER? NÃO! Mário Oliveira Laboratório de Electrofisiologia Serviço de Cardiologia - Hospital de Santa Marta Ericeira

Leia mais

Incidência de Falsos-positivos em Idosos com Fibrilhação Auricular Paroxística Submetidos a Teste de Inclinação [97]

Incidência de Falsos-positivos em Idosos com Fibrilhação Auricular Paroxística Submetidos a Teste de Inclinação [97] Incidência de Falsos-positivos em Idosos com Fibrilhação Auricular Paroxística Submetidos a Teste de Inclinação [97] MÁRIO MARTINS OLIVEIRA, JOANA FELICIANO, ANA TERESA TIMÓTEO, NOGUEIRA DA SILVA, EDUARDO

Leia mais

No jovem com FA paroxística e sem cardiopatia estrutural a ablação deve ser a terapêutica inicial? DIOGO CAVACO

No jovem com FA paroxística e sem cardiopatia estrutural a ablação deve ser a terapêutica inicial? DIOGO CAVACO No jovem com FA paroxística e sem cardiopatia estrutural a ablação deve ser a terapêutica inicial? DIOGO CAVACO EPIDEMIOLOGIA Prevalência aumenta com a idade 1% na população geral 80 anos

Leia mais

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo

Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA (ECG) Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo Eletrocardiograma ELETROCARDIOGRAMA () Registro gráfico das correntes elétricas do coração que se propagam até a superfície do corpo FLUXO DE CORRENTE NO TÓRAX Traçado típico de um normal 1 mv 0,20 s DERIVAÇÕES

Leia mais

VIII. Fibrilação Atrial 2 FIBRILAÇÃO ATRIAL Voce já ouviu falar de Huang Ti? Que era imperador chinês?... Pois sim meus amigos, conta a lenda que este senhor preocupado com a longevidade de seu povo, lá

Leia mais

SOBRE ECG EM 10 MINUTOS

SOBRE ECG EM 10 MINUTOS TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE ECG EM 10 MINUTOS Luis Lima Lobo (MV, PhD) Hospital Veterinário do Porto FMV-ULHT Congresso OMV 2013 O electrocardiográfo O sistema de condução O sistema de condução

Leia mais

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro

Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso. Sammylle Gomes de Castro Estimulação Cardíaca Artificial Marcapasso Sammylle Gomes de Castro Catharina Serafin e Hugo von Ziemssen 1950 primeiros marcapassos móveis com fonte de energia elétrica Auxilio dos experimentos com hipotermia

Leia mais

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino

REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino REDE D Or de Hospitais Instituto D Or de Pesquisa e Ensino Serviço de Arritmia, Eletrofisiologia e Estimulação Cardíaca Artificial CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM ARRITMIA CLÍNICA E MÉTODOS DIAGNÓSTICOS NÃO

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PACIENTES PORTADORES DA SÍNDROME DE GUILLAIN BARRÉ - ESTUDO DE CASO Alexandra Gomes Jesus Prestes, Marcelo Ricardo de Souza de Oliveira, Rodrigo Alexis

Leia mais

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html

A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html A Atividade Elétrica do Coração http://www.geocities.ws/equipecv/fisiologia/ativeletrica.html 1. A contração das células musculares cardíacas é acionada por um potencial de ação elétrico Conforme o músculo

Leia mais

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença

Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda. Dois Espectros da Mesma Doença Insuficiência Cardíaca Aguda e Síndrome Coronária Aguda Dois Espectros da Mesma Doença Carlos Aguiar Reunião Conjunta dos Grupos de Estudo de Insuficiência Cardíaca e Cuidados Intensivos Cardíacos Lisboa,

Leia mais

Batendo Papo sobre Holter. Bradiarritmias. Editor. Dr. José Luiz B. Cassiolato. Colaboradores

Batendo Papo sobre Holter. Bradiarritmias. Editor. Dr. José Luiz B. Cassiolato. Colaboradores Bradiarritmias Editor Dr. José Luiz B. Cassiolato Colaboradores Dr. Ivan G. Maia Dra. Fátima Dumas Cintra Dr. João Pimenta Norman Holter, pai da eletrocardiografia dinâmica, não poderia imaginar a fantástica

Leia mais

São Paulo, São José do Rio Preto, Rio de Janeiro, Porto Alegre

São Paulo, São José do Rio Preto, Rio de Janeiro, Porto Alegre 579 Recomendações do Departamento de Arritmias e Eletrofisiologia Clínica (DAEC) da Sociedade Brasileira de Cardiologia para Indicações de Implante de Marcapasso Definitivo, Escolha do Modo de Estimulação

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA

[297] 136. MONITORIZAÇÃO CARDÍACA Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [297] Avançar o guia através da agulha. Monitorizar o ECG, devido a risco de produção de arritmias. Remover a agulha deixando o fio guia. Empregar

Leia mais

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o ANEXOS INDÍCE DE ANEXOS ANEXOS Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o código diagnóstico do ICD-9...pág.3 Anexo 2: Questionário aplicado aos doentes com MCH..pág.3 Anexo

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

Resultados dos Algoritmos dos Estudos de Fibrilação Atrial

Resultados dos Algoritmos dos Estudos de Fibrilação Atrial Resultados dos Algoritmos dos Estudos de Fibrilação Atrial David Hayes, MD Mayo Clinic Rochester, MN CP1201473-1 Análises dos cenários de início Prévios de FA Reação Pós- FA Tardio (

Leia mais

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY

ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES MARCO AURÉLIO NEROSKY ARRITMIAS SUPRAVENTRICULARES Definição: Arritmias que necessitam das estruturas localizadas acima da bifurcação do feixe de His para sua manutenção ão.

Leia mais

Síndrome de Wolff-Parkinson-White André d Avila

Síndrome de Wolff-Parkinson-White André d Avila Síndrome de Wolff-Parkinson-White André d Avila andredavila@mac.com Serviço de Arritmia e Marcapasso Centro de Fibrilação Atrial RF 1 seg Ativação Ventricular na Síndrome de Wolff-Parkinson-White I II

Leia mais

:: Taquicardia ventricular catecolaminérgica

:: Taquicardia ventricular catecolaminérgica :: Taquicardia ventricular catecolaminérgica Formas específicas: Síndrome de Andersen (forma específica da síndrome de QT longo congénito com taquicardia ventricular bidireccional) Definição: A taquicardia

Leia mais

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA

RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA 1 RESUMO - ARTIGO ORIGINAL - 42º CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA FREQUÊNCIA DE ARRITMIAS E ANÁLISE DE VARIABILIDADE DE FREQUÊNCIA CARDÍACA EM CÃES COM EHRLIQUIOSE MONOCÍTICA CRÔNICA FREQUENCY

Leia mais

ARRITMIAS CARDÍACAS ACAS 2006. Arritmias Cardíacas. acas. O Sistema de Condução aco. aco

ARRITMIAS CARDÍACAS ACAS 2006. Arritmias Cardíacas. acas. O Sistema de Condução aco. aco DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Arritmias Cardíacas acas ARRITMIAS CARDÍACAS ACAS 2006 Murilo Guérios Bittencourt Uma arritmia cardíaca é uma anormalidade na freqüência, regularidade

Leia mais

Dr. Ivan Paredes. Mal Súbito. 11º Congresso Paranaense de Clínica Médica - 2013

Dr. Ivan Paredes. Mal Súbito. 11º Congresso Paranaense de Clínica Médica - 2013 Dr. Ivan Paredes Mal Súbito 11º Congresso Paranaense de Clínica Médica - 2013 Mal Súbito Mal Súbito Mal Súbito? Mal Súbito? PCR? Hipóxia? Drop attack? Hipoglicemia? Vertigem? Epilepsia? AVC? Mal Súbito

Leia mais

INTOLERÂNCIA ORTOSTÁTICA EM PACIENTES COM FIBRILAÇÃO ATRIAL ISOLADA PAROXÍSTICA OU PERSISTENTE

INTOLERÂNCIA ORTOSTÁTICA EM PACIENTES COM FIBRILAÇÃO ATRIAL ISOLADA PAROXÍSTICA OU PERSISTENTE DÉBORA LEE SMITH INTOLERÂNCIA ORTOSTÁTICA EM PACIENTES COM FIBRILAÇÃO ATRIAL ISOLADA PAROXÍSTICA OU PERSISTENTE Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau acadêmico de Mestre, ao

Leia mais

Coração do Atleta é Anormal? ABORDANDO O TEMA... ABORDANDO O TEMA... Conceito de normalidade. Clássica Alternativa e talvez possa contribuir mais

Coração do Atleta é Anormal? ABORDANDO O TEMA... ABORDANDO O TEMA... Conceito de normalidade. Clássica Alternativa e talvez possa contribuir mais Coração do Atleta: o que há de novo para interpretarmos o fisiológico e o patológico? Dr. Claudio Gil Araújo ABORDANDO O TEMA... Clássica Alternativa e talvez possa contribuir mais Congresso do DERC Rio

Leia mais

III. Princípios de Farmacologia Cardiovascular

III. Princípios de Farmacologia Cardiovascular III Princípios de Farmacologia Cardiovascular 18 Farmacologia do Ritmo Cardíaco April W. Armstrong e David E. Clapham Introdução Caso Fisiologia Elétrica do Coração Células Marcapasso e Não-Marcapasso

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO DURANTE O TESTE DE CAMINHADA DE SEIS MINUTOS EM INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS Silva FRS, Oliveira MRS, Lazo-Osorio RA, Fagundes, AA, Goulart DGB Universidade

Leia mais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais

Arritmias Cardíacas para Enfermagem. Elaine Morais Arritmias Cardíacas para Enfermagem Elaine Morais Elementos do ECG normal Onda P Onda T Espaço PR Complexo QRS Ponto J Segmento ST Intervalo QT Onda U Percurso Elétrico Plano Frontal Plano Horizontal ECG

Leia mais

Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real. Arritmia. Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche

Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real. Arritmia. Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche Dúvidas do dia-a-dia em casos do mundo real Arritmia Raquel Landeiro Dra. Teresa Vale USF Vale do Sorraia- Coruche IDENTIFICAÇÃO F.M.C.N.B Sexo feminino 43 anos Caucasiana 9ºano Casada Fajarda Empregada

Leia mais

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Imagem da Semana: Eletrocardiograma e Radiografia de tórax Figura 1: Primeiro eletrocardiograma realizado. Figura 2: Segundo eletrocardiograma realizado. Figura 3: Radiografia de tórax nas incidências

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO

AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A AR E A DM TIPO II. Agenda: 1. INTRODUÇÃO 2. OBJECTIVOS 3. METODOLOGIA 4. PLANIFICAÇÃO DO PROJECTO AVALIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE A ARTRITE REUMATÓIDE E A DIABETES MELLITUS TIPO 2 Análise da Base de Dados de Doenças Reumáticas Norte-Americana National Data Bank for Rheumatic Diseases PROJECTO DE TESE

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

Miniaturização no Pacing permanente

Miniaturização no Pacing permanente Miniaturização no Pacing permanente Para onde vamos? Dr. Luis Alves Carpinteiro CHLN / HSM Miniaturização no pacing permanente A miniaturização de sistemas implantáveis para terapia de ritmo cardíaco designa

Leia mais

Aminoácidos-neurotransmissores

Aminoácidos-neurotransmissores Aminoácidos-neurotransmissores Síntese e metabolismo de aminoácidos no SNC Receptores dos aminoácidos excitatórios Ketamina Memantina Dizolcilpina (MK801) Fenciclidina Receptores NMDA e GABA A Potenciação

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Revista Portuguesa de. Cardiologia. Portuguese Journal of Cardiology. www.revportcardiol.org

Revista Portuguesa de. Cardiologia. Portuguese Journal of Cardiology. www.revportcardiol.org Rev Port Cardiol. 2012;31(7-8):469-476 Revista Portuguesa de Cardiologia Portuguese Journal of Cardiology www.revportcardiol.org ARTIGO ORIGINAL O treino de ortostatismo (tilt training) aumenta a reserva

Leia mais

Dissociação atrioventricular

Dissociação atrioventricular ELETROCARDIOGRAMA Antonio Américo Friedmann I Clínica Geral do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Professor Milton de Arruda Martins) não é um diagnóstico de arritmia

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA O CONCURSO DE PROFICIÊNCIA NA ÁREA DE ARRITMIA CLÍNICA. Período de Inscrição: de 09 de agosto a 21 de setembro de 2010.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA O CONCURSO DE PROFICIÊNCIA NA ÁREA DE ARRITMIA CLÍNICA. Período de Inscrição: de 09 de agosto a 21 de setembro de 2010. 1 EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA O CONCURSO DE PROFICIÊNCIA NA ÁREA DE ARRITMIA CLÍNICA Local: Durante o XXVII Congresso Brasileiro de Arritmias Cardíacas no Centro de Convenções na Rua Constante Sodré, nº.

Leia mais

I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO:

I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO: I CURSO INTERNACIONAL DE ARRITMIAS BIOCOR INSTITUTO: Realidade e Tendencias Rua da Paisagem, bairro Vila da Serra, Nova Lima, 5 e 6 de novembro de 2010 DIRETOR DO CURSO DR EDUARDO BACK STERNICK BIOCOR

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Aula prática - ECG Aula prática Medida de PA Conceitos e funções do

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina do Cariri Liga de Medicina Intensiva e Emergências Médicas do Cariri Introdução ao Eletrocardiograma ACD: Damito Robson Xavier de Souza Enganoso é o

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS, AUTONÔMICAS E REFLEXAS EM RATOS EXPOSTOS CRONICAMENTE À FUMAÇA LATERAL DO CIGARRO

TÍTULO: AVALIAÇÃO DAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS, AUTONÔMICAS E REFLEXAS EM RATOS EXPOSTOS CRONICAMENTE À FUMAÇA LATERAL DO CIGARRO TÍTULO: AVALIAÇÃO DAS RESPOSTAS HEMODINÂMICAS, AUTONÔMICAS E REFLEXAS EM RATOS EXPOSTOS CRONICAMENTE À FUMAÇA LATERAL DO CIGARRO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA

Leia mais

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das

O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das 12 1 INTRODUÇÃO O sistema nervoso autônomo (SNA) é responsável pelo controle da maior parte das funções corporais involuntárias, entre elas, a freqüência cardíaca (FC). Os componentes simpático e parassimpático

Leia mais

ARRITMIAS CARDÍACAS FISIOLOGIA DO SISTEMA DE CONDUÇÃO CARDÍACO

ARRITMIAS CARDÍACAS FISIOLOGIA DO SISTEMA DE CONDUÇÃO CARDÍACO ARRITMIAS CARDÍACAS FISIOLOGIA DO SISTEMA DE CONDUÇÃO CARDÍACO Existe uma hierarquia de automatismo do tecido cardíaco, com diversas células com capacidade de despolarização. O nó sinoatrial (sinusal)

Leia mais

ARRITMIA: O QUE SIGNIFICA NA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA?

ARRITMIA: O QUE SIGNIFICA NA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA? ARRITMIA: O QUE SIGNIFICA NA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA? Dr. Gualberto Nogueira de Leles Campo Grande - MS UFMS Cardio Ritmo Arritmias e ICC Arritmias cardíacas acas podem causar, precipitar ou agravar a insuficiência

Leia mais

Ablação da Fibrilação Atrial Gatilhos Versus Substrato

Ablação da Fibrilação Atrial Gatilhos Versus Substrato Ablação da Fibrilação Atrial Gatilhos Versus Substrato Verma, Atul ÍNDICE 1. Introdução 2. Ablação baseada dos Gatilhos 3. Ablação baseada no Substrato (i) Eletrogramas fracionados complexos (ii) Frequência

Leia mais

IV Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia

IV Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia IV Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia Doroteia Silva Fev. 2014 BIOMARCADORES BIOMARCADORES Galectina-3 BNP ANP GALECTINA-3 o β-galactosidase encontrada no núcleo, citoplasma e membrana celular o

Leia mais

08h30-08h45 Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014. Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída

08h30-08h45 Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014. Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída PROGRAMA CIENTÍFICO Quinta-feira 13 de agosto de 2015 SALA A MESA REDONDA - DAC CRÔNICA Analise das novas diretrizes de CRM da ESC 2014 Indicaçao e procedimento na CRM em pacientes com FE diminuída Quando

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM SÍNCOPE

CENTRO DE REFERÊNCIA EM SÍNCOPE CENTRO DE REFERÊNCIA EM SÍNCOPE Prezado(a) Colega, O Lâmina Medicina Diagnóstica mais uma vez confirma o seu compromisso com a inovação e qualidade com o Centro de Referência em Síncope. O objetivo deste

Leia mais

das Doenças Cérebro Cardiovasculares

das Doenças Cérebro Cardiovasculares Programa Regional de Prevenção e Controlo das Doenças Cérebro Cardiovasculares Índice Siglas e Acrónimos... 2 1. Contextualização... 3 2. População Alvo... 3 3. Objectivos... 4 4. Indicadores para Avaliação

Leia mais

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Avaliação da dor torácica no serviço de urgência Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Introdução Dor torácica constitui a 2ª causa mais comum de admissão no serviço de urgência

Leia mais

Biofísica Mecânica e Eléctrica

Biofísica Mecânica e Eléctrica Biofísica Mecânica e Eléctrica Aula 9 Licenciatura em Engenharia Biomédica - RAMO II: Electrónica Médica Paulo Mendes http://dei-s1.dei.uminho.pt/pessoas/pmendes 2005/2006 1ºS. Biofísica mecânica e eléctrica

Leia mais

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica

Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Programa de Reabilitação Cardiovascular para Síncope Reflexa: Reabilitação Autonômica Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Dra. Fátima Dumas Cintra

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE

Posicionamento do (s) eletrodo (s) MSE e MIE ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma (ECG) é o registro das forças INTERPRETAÇÃO BÁSICA DO ELETROCARDIOGRAMA elétricas produzidas pelo coração. O corpo age como um condutor gigante de corrente elétricas.

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812.

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812. ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 08 /2014 - CESAU Salvador, 23 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA:xxxPromotoria da Justiça de xxx/dispensação

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA A CIA consiste num tipo de cardiopatia congénita do tipo não cianótica, em que há um defeito do septo inter-auricular originando uma comunicação anómala que proporciona a passagem

Leia mais

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO. Profa. Dra. Monica Akemi Sato PRESSÃO ARTERIAL E MECANISMOS DE REGULAÇÃO Profa. Dra. Monica Akemi Sato Pressão Arterial O que é? É a força exercida pelo sangue sobre as paredes do vaso, sofrendo mudanças contínuas durante todo o tempo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO REMODELAMENTO REVERSO DO ÁTRIO ESQUERDO APÓS ABLAÇÃO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL.

AVALIAÇÃO DO REMODELAMENTO REVERSO DO ÁTRIO ESQUERDO APÓS ABLAÇÃO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA Programa de Pós-Graduação em Ciências Cardiovasculares AVALIAÇÃO DO REMODELAMENTO REVERSO DO ÁTRIO ESQUERDO APÓS ABLAÇÃO

Leia mais

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias

Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias Lesão coronária tardia após cirurgia de switch arterial na transposição de grandes artérias F.X.Valente 1, C. Trigo 2, J.D.F. Martins 2, I. Freitas 2, F. Paramés 2, M. António 2, L. Bakero 3, J. Fragata

Leia mais

Terapêutica anticoagulante oral

Terapêutica anticoagulante oral Terapêutica anticoagulante oral Quando iniciar? Quando e como suspender? Quando parar definitivamente? Eugénia Cruz e Sara Morais Serviço de Hematologia Clínica, Hospital de Santo António 1º Encontro Proximidade

Leia mais

Arritmias. Taquiarritmias

Arritmias. Taquiarritmias Arritmias Taquiarritmias ECG Somente o coração possui células que deflagram seu potencial de ação automaticamente: seja NSA; NAV; seja o feixe de His... O NSA comanda o sistema de condução cardíaca. Na

Leia mais

Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia

Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia Congresso Novas Fronteiras em Cardiologia Detecção precoce de cardiotoxicidade em Oncologia Andreia Magalhães Fevereiro/2013 Cardiotoxicidade Lesão cardíaca induzida por fármacos utilizados no tratamento

Leia mais

Principais Arritmias Cardíacas

Principais Arritmias Cardíacas Principais Arritmias Cardíacas Arritmia É qualquer mudança na freqüência ou configuração das ondas individuais do eletrocardiograma. Chamamos de arritmias cardíacas toda alteração na condução elétrica

Leia mais

XI. Elaboração de Laudo NO POPULAR... COMO EU POSSO LAUDAR UM EXAME DE HOLTER? Noite de 6ª feira...curso de 24 h de Holter em São Paulo...discussão de exames...sala cheia (graças a Deus!)... Este que

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Cardiologia

Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Cardiologia Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Cardiologia Gustavo de Castro Lacerda PREVALÊNCIA E PREDITORES DA RESPOSTA CARDIOINIBITÓRIA

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

[129] 50. TAQUIARRITMIAS

[129] 50. TAQUIARRITMIAS [129] d. ALGORITMO DE BRADICARDIA Algoritmo de atendimento a pacientes com bradicardia. 50. TAQUIARRITMIAS a. CONSIDERAÇÕES GERAIS Frequentemente encontradas nas emergências. São definidas como ritmos

Leia mais

AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ. José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br

AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ. José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br AVALIAÇÃ ÇÃO ECOCARDIOGRAFICA DA FUNÇÃ ÇÃO O DIASTÓLICA DO VE José Flávio Sette de Souza jflavioss@uol.com.br Funçã ção o Diastólica Normal... A capacidade de enchimento ventricular esquerdo o suficiente

Leia mais

Como abordar doentes com intervalo PR prolongado e necessidade de pacemaker?

Como abordar doentes com intervalo PR prolongado e necessidade de pacemaker? XXXIV Congresso Português de Cardiologia PACING Como abordar doentes com intervalo PR prolongado e necessidade de pacemaker? Hipólito Reis UNIDADE DE ARRITMOLOGIA PACING E ELECTROFISIOLOGIA VILAMOURA,

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Farmacologia Geral dos Anestésicos Inalados II

Farmacologia Geral dos Anestésicos Inalados II Beneficência Portuguesa de São Paulo Serviços Médicos São Paulo Farmacologia Geral dos Anestésicos Inalados II David Ferez david.ferez@uol.com.br Disciplina de Anestesiologia, Dor e Terapia Intensiva http://www.davidferez.net.br

Leia mais

ABLAÇÃO POR CATETER DE RADIOFREQÜÊNCIA NO TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA:

ABLAÇÃO POR CATETER DE RADIOFREQÜÊNCIA NO TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA: TESE ABLAÇÃO POR CATETER DE RADIOFREQÜÊNCIA NO TRATAMENTO DA FIBRILAÇÃO ATRIAL PAROXÍSTICA: Abordagem Circunferencial Versus Isolamento Elétrico Segmentar das Veias Pulmonares. EDUARDO BARTHOLOMAY INSTITUTO

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos

TRAUMA RAQUIMEDULAR. Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m. Sexo : preferencialmente masculino. Faixa etária : entre 15 e 40 anos TRAUMA RAQUIMEDULAR Dr Antonio Eulalio TRAUMA RAQUIMEDULAR Epidemiologia: Incidência : de 32 a 52 casos/m Nº casos/ano : 8.000 Sexo : preferencialmente masculino Faixa etária : entre 15 e 40 anos Custo

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO i) DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Sevoflurano Baxter 100%, líquido para inalação por vaporização. ii) COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

30/07/2013. Ecocardiografia: PAPs = 64 mmhg VRT = 4,6 m/s Derrame pericárdico = ausente TAPSE = 2,8 cm

30/07/2013. Ecocardiografia: PAPs = 64 mmhg VRT = 4,6 m/s Derrame pericárdico = ausente TAPSE = 2,8 cm Hipertensão Arterial Pulmonar Idiopática (HAPI) Caso Clínico IV Curso Nacional de Circulação Pulmonar 28-2929 de Junho de 2013 - São Paulo SBPT Hugo Hyung Bok Yoo Pneumologia Jun/2010:, 39 anos, mecânico,

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

ARRITMIAS FETAIS EPIDEMIOLOGIA E FISIPATOLOGIA

ARRITMIAS FETAIS EPIDEMIOLOGIA E FISIPATOLOGIA ARRITMIAS FETAIS INTRODUÇÃO O coração humano pode desenvolver arritmias ou distúrbios de condução em resposta à isquemia, distúrbios hidroeletrolíticos, alterações de pós e pré-carga, defeitos estruturais,

Leia mais

CANALOPATIAS E RISCO DE MORTE SÚBITA

CANALOPATIAS E RISCO DE MORTE SÚBITA Mestrado Integrado em Medicina ICBAS-UP CANALOPATIAS E RISCO DE MORTE SÚBITA Artigo de revisão bibliográfica Ana Margarida Fernandes Ribeiro Orientador Dr. António Hipólito Reis Porto, Junho de 2011 Índice

Leia mais

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio

Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio Programa de Formação do Internato Complementar de Medicina Interna aprovado pelo Colégio 1 Duração do internato 60 meses. 2 Definição e âmbito: 2.1 A Medicina Interna ocupa-se da prevenção, diagnóstico

Leia mais

Costa, V. y Col. - O Impacto da Hipertensão Arterial...

Costa, V. y Col. - O Impacto da Hipertensão Arterial... QCVC Autoridades Atividade Científica Hall Central Informação Geral FAC Areas Temáticas Arritmias e Eletrofisiologia Bioengenharia e Informática Médica Cardiologia do Exercício Cardiologia Nuclear Cardiologia

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira. Arritmias cardíacas. Manual Merck Capítulo 16

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira. Arritmias cardíacas. Manual Merck Capítulo 16 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Arritmias cardíacas Manual Merck Capítulo 16 O coração é um órgão muscular com quatro cavidades desenhadas

Leia mais

Nº.11. Dr. Carlos Morais [CARDIOLOGISTA] REVISÃO CIENTÍFICA: fundação portuguesa de cardiologia COLABORAÇÃO E APOIO: AMIGOS do Coração

Nº.11. Dr. Carlos Morais [CARDIOLOGISTA] REVISÃO CIENTÍFICA: fundação portuguesa de cardiologia COLABORAÇÃO E APOIO: AMIGOS do Coração TUDO O QUE DEVE SABER SOBRE MAIO 2009 fundação portuguesa de cardiologia ARRITMIAS Uma arritmia é um problema relacionado com o ritmo dos batimentos cardíacos. Se o ritmo cardíaco for demasiado lento (inferior

Leia mais

Anestesia no paciente transplantado cardiaco

Anestesia no paciente transplantado cardiaco Anestesia no paciente transplantado cardiaco Dr João Henrique Silva joaohen@terra.com.br Insuficiência cardiaca refratária Miocardiopatia dilatada Defeitos congenitos Doença valvular Disfunção de transplante

Leia mais