A MICROECONOMIA DA FIRMA E A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LUCRATIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A MICROECONOMIA DA FIRMA E A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LUCRATIVA"

Transcrição

1 A MICROECONOMIA DA FIRMA E A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO LUCRATIVA 1

2 LUIZ HENRIQUE PANTALEÃO. Consultor Associado da Produttare; Doutor em Administração pela UNISINOS; Graduação em Administração pela ULBRA; Administrador Postal da ECT; Professor de diversas instituições de ensino em cursos de Graduação e Pós-Graduação; Profissional com larga experiência em projetos de TI (Implantação, pós-implantação e suporte a usuários de ERP SAP R/3 e DataSul; Especialista em Engenharia de Processos de Produção, Logística e Inovação. Negócio, 2

3 PLANO DE VÔO OS FATORES DE O ESPÍRITO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO PRODUÇÃO E O CONCEITO DE TECNOLOGIA VISÃO MICRO-ECONÔMICA DA EMPRESA E ESTRATÉGIA DE UNIDADES DE NEGÓCIO MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA EXCELÊNCIA OPERACIONAL METODOLOGIA E TECNOLOGIAS DE GESTÃO 3

4 O ESPÍRITO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO 5

5 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GERADORA DE LUCRO QUAL A DIFERENÇA ENTRE A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO TRADICIONAL E O SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO? A NÃO SER QUE A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO RESULTE EM REDUÇÃO DE CUSTOS OU AUMENTO DE GANHOS, ELA NÃO TEM SENTIDO TAIICHI OHNO 6

6 FORD TOYOTA P = C + L L = P C C = P L PH = PRODUTIVIDADE HORÁRIA Q = QUANTIDADES PRODUZIDAS T = TEMPO PE = PRODUTIVIDADE ECONÔMICA MCT = MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO TOTAL CT = CUSTO TOTAL 7

7 O ESPÍRITO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO OS FATORES DE PRODUÇÃO E O CONCEITO DE TECNOLOGIA 8

8 O CASO DA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA: CUSTOS DE AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA A MONTAGEM DE UMA CÉLULA DE MANUFATURA (BASE: 2010) BRASIL EUA/JAPÃO Tornos CNC $ 100, $ 65, Tempera Indução $ 350, $ 228, Brochadeira $ 500, $ 325, Balanceadora $ 80, $ 52, Fresadora $ 120, $ 78, Furadeira/rosqueadeira $ 60, $ 38, Retifica CNC $ 450, $ 293, CUSTO TOTAL $ 1,660, $ 1,079,

9 CUSTOS DA MÃO-DE-OBRA (BASE: 2010) PAÍS $/HORA Brasil 3.31 EUA Japão FONTES: I) BRASIL: SINDICATO DO ABC PAULISTA E FONTES INTERNAS DO SETOR METAL- MECÂNICO DE SÃO PAULO II) EXTERIOR: PESQUISAS INTERNAS EM UMA EMPRESA TRANSNACIONAL COM MATRIZ NOS EUA E SUBSIDIÁRIA EM VÁRIOS LOCAIS DO MUNDO, INCLUINDO O JAPÃO 10

10 ANÁLISE COMPARATIVA DOS CUSTOS DE UMA CÉLULA DE MANUFATURA PAÍS BRASIL EUA JAPÃO Mão de obra/mês $ ,28 $ ,44 $ ,00 Equipamentos/mês $ 15, $ 10, $ 10, Custo/mês $ , 28 $ ,44 $ ,00 A QUESTÃO DOS JUROS TAXAS DE JUROS NO BRASIL X TAXAS DE JUROS NOS EUA, EUROPA E JAPÃO 11

11 AMBIENTE COMPETITIVO E OS FATORES DE PRODUÇÃO MERCADO BRASILEIRO: ESCALA DE PRODUÇÃO MENOR EM COMPARAÇÃO A OUTROS PAÍSES; ALTO CUSTO DO CAPITAL (JUROS ALTOS, ELEVADOS INVESTIMENTOS EM EQUIPAMENTOS EM RELAÇÃO AOS PAÍSES DO PRIMEIRO MUNDO); DIVERSIFICAÇÃO CRESCENTE/ALTA VARIEDADE; GLOBALIZAÇÃO/INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA ; MÃO-DE-OBRA BARATA RELATIVAMENTE AOS PAÍSES DESENVOLVIDOS E CARA EM RELAÇÃO A CHINA. ACIRRAMENTO DA COMPETIÇÃO 12

12 O QUE É TECNOLOGIA? TECNOLOGIA É A MAXIMIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS ABUNDANTES (PORQUE SÃO PROPORCIONALMENTE MAIS BARATOS) E A MINIMIZAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS ESCASSOS (PORQUE SÃO PROPORCIONALMENTE MAIS ONEROSOS). BAUTISTA VIDAL 13

13 O QUE É TECNOLOGIA? EXEMPLO: TERIA SENTIDO A UTILIZAÇÃO DO CONCEITO PROPOSTO POR OHNO DE MINIMIZAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO (MFT) COMO EIXO DA ESTRATÉGIA NO CONTEXTO DA REALIDADE ECONÔMICA BRASILEIRA? 14

14 ATIVO DE CAPITAL: É DIRECIONADO PELO MERCADO ATRAVÉS DE INVESTIMENTOS DIRETOS (ACIONISTAS). ESTÁ RELACIONADO COM A CAPACIDADE DE ADQUIRIR MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. ATIVO DE CONHECIMENTO: É CONSTRUÍDO NOS QUADROS DA EMPRESA. ESTÁ RELACIONADO COM AS PESSOAS E COM A CAPACIDADE DESTAS DE ADQUIRIR E DESENVOLVER CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE TREINAMENTOS E METODOLOGIAS. ENVOLVE: MÉTODO (EX: STP, TOC, TQC, 6 SIGMA) CAPACITAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 15

15 MELHORIAS NO ATIVO DE CONHECIMENTO IMPLICAM EM MELHORIAS NA AQUISIÇÃO DE ATIVOS DE CAPITAL EXEMPLOS: MELHORIAS CONTÍNUAS NOS EQUIPAMENTOS (AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS ESPECÍFICAS ADAPTADAS À REALIDADE DA FÁBRICA); MELHORIAS CONTÍNUAS NOS FLUXOS (DESENHO DE LEIAUTE ENXUTO COM REDUÇÃO DOS INVESTIMENTOS GERAIS). 16

16 TEORIA CICLO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO TREINAMENTO - CAPACITAÇÃO CONHECIMENTO/ MÉTODO NOVOS CONCEITOS PRÁTICA APLICAÇÃO RESULTADOS RESPOSTA 17

17 O ESPÍRITO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO OS FATORES DE PRODUÇÃO E O CONCEITO DE TECNOLOGIA VISÃO MICRO-ECONÔMICA DA EMPRESA E ESTRATÉGIA DE UNIDADES DE NEGÓCIO 18

18 SE A FÓRMULA DA PRODUTIVIDADE ECONÔMICA É : E A FÓRMULA DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO TOTAL É ENTÃO, PODE-SE DEDUZIR QUE A PRODUTIVIDADE ECONÔMICA É : PE = PRODUTIVIDADE ECONÔMICA PV = PREÇO DE VENDA CV = CUSTO VARIÁVEL Q = QUANTIDADE CT = CUSTO TOTAL 19

19 P V (R$) C V (R$) MC (R$) Q 1 MCT 1 (R$) Q 2 MCT 2 (R$) P P P P n R$ ,00 20

20 SISTEMA REAL SISTEMA IDEAL 21

21 ORIGEM DO CONCEITO DE UNIDADES ESTRATÉGICAS DE NEGÓCIOS ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES: OBJETIVO DE UMA EMPRESA DEVE SER O DE GERAR UM DESEMPENHO SUPERIOR ÀS EMPRESAS RIVAIS; DESTACAR-SE EM RELAÇÃO ÀS OUTRAS E CONQUISTAR A LIDERANÇA EM UM SEGMENTO OU SETOR; DESENVOLVER DIFERENCIAIS COMPETITIVOS RELACIONADOS COM A PERSPECTIVA DO MERCADO; 22 22

22 ORIGEM DO CONCEITO DE UNIDADES ESTRATÉGICAS DE NEGÓCIOS DIMENSÕES COMPETITIVAS: OS CLIENTES CONSIDERAM DIVERSOS FATORES AO DECIDIREM SOBRE UM FORNECEDOR; A AVALIAÇÃO DESSES FATORES SÃO PREPONDERANTES PARA DECISÃO DE COMPRA, CADA UM DELES POSSUINDO UMA RELEVÂNCIA DIFERENTE NA DECISÃO DO CONSUMIDOR; ESSES FATORES SÃO CHAMADOS DE CRITÉRIOS COMPETITIVOS. CUSTO ATENDIMENTO VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE INOVAÇÃO 23

23 ORIGEM DO CONCEITO DE UNIDADES ESTRATÉGICAS DE NEGÓCIOS ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES X DIMENSÕES COMPETITIVAS: AS ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO DEVEM SER DESENVOLVIDAS LEVANDO EM CONTA OS CHAMADOS CRITÉRIOS COMPETITIVOS; ISSO POSSIBILITA UMA MELHOR ANÁLISE ACERCA DO POSICIONAMENTO DOS PRODUTOS E BENS FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DO MERCADO/CLIENTES. MODELO DE TRADE-OFFS: UMA FÁBRICA NÃO PODE DESEMPENHAR DE FORMA EXCELENTE EM TODOS OS PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO; 24

24 ORIGEM DO CONCEITO DE UNIDADES ESTRATÉGICAS DE NEGÓCIOS MERCADOS UNIDADE DE NEGÓCIOS 2 UNIDADE DE NEGÓCIOS 3 UNIDADE DE NEGÓCIOS 4 UNIDADE DE NEGÓCIOS 1 UNIDADE DE MANUFATURA 1 UNIDADE DE MANUFATURA 2 FORNECEDORES 25

25 DIVISÃO DA EMPRESA EM UNIDADES DE NEGÓCIOS UNIDADES DE NEGÓCIO: DIFERENTES FAMÍLIAS DE PRODUTOS QUE POSSUEM RELAÇÃO DIRETA COM O MERCADO, OU SEJA, QUE APRESENTAM PREÇOS REAIS NO MERCADO UNIDADES DE MANUFATURA: CARACTERIZAM-SE PELA ENTREGA DE PEÇAS FÍSICAS PARA OUTRAS UNIDADES PRODUTIVAS DA FÁBRICA; 26

26 MAS COMO MENSURAR O RESULTADO EM UMA EMPRESA ORGANIZADA EM UENS? 27

27 A VISÃO GERAL DE UMA EMPRESA GENÉRICA Fornecedores Entradas Insumos Transformação Saídas Vendas Mercado Custos Variáveis Operação Produtiva Custos Fixos Preços de Venda 28

28 DRE (VISÃO GERAL) UNIDADES ESTRATEGICAS DE NEGOCIO EMPRESA UNIDADES A ESTRATEGICAS DE NEGOCIO EMPRESA A UEN 1 UEN 2 UEN 3 TOTAL UEN 1 % UEN 2 UEN 3 TOTAL ,85 R$ 1. FATURAMENTO ,78 BRUTO R$ ,00 R$ ,62 R$ ,85 R$ ,78 R$ ,00 R$ ,62 0,01% % 55,62% 14,37% 100,00% 30,01% 55,62% 14,37% 100,00% ,79 R$ 2. DEDUÇÕES ,70 R$ ,00 R$ ,49 R$ ,79 R$ ,70 R$ ,00 R$ , ,06 R$ 3. FATURAMENTO ,08 LÍQUIDO R$ ,00 R$ R$ , ,06100,00% R$ ,08 R$ ,00 R$ ,13 7,46% % 79,54% 81,67% 81,81% 77,46% 79,54% 81,67% 81,81% ,28 R$ 4. CUSTO ,28 VARIÁVEL R$ DE ,00 PRODUÇÃO R$ R$ , ,28 73,21% R$ ,28 R$ ,00 ÁREA DE R$ , ,78 4.1R$ Matéria-prima ,88 R$ ,00 R$ ,67 R$ ,78 52,39% R$ ,88 R$ ,00 R$ , ,54 4.2R$ Serviços ,95 de terceiros R$ ,00 R$ ,49 R$ ,54 17,02% R$ ,95 R$ ,00 R$ , , Comissao R$ ,45 de Vendas R$ ,00 R$ R$ , ,96 3,79% R$ ,45 IMPACTO R$ ,00 DA R$ , ,77 5R$ MARGEM ,79 DE CONTRIBUICAO R$ ,00 TOTAL R$ R$ , ,77 26,79% R$ ,79 R$ ,00 R$ ,57 6,35% % 17,48% 6,95% 26,79% 46,35% 17,48% EXCELÊNCIA 6,95% 26,79% ,60 6. R$ CUSTO ,92 FIXO DIRETO R$ ,27 R$ R$ , ,60 4,51% R$ ,92 R$ ,27 R$ , , Fábrica 1R$ 0,00 R$ 0,00 R$ R$ ,33 1,20% R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,33 R$ 0, Fábrica R$ ,52 2 R$ 0,00 R$ ,52 R$ 0,00 1,70% R$ ,52 OPERACIONAL R$ 0,00 R$ ,52 R$ 0, Fábrica 3R$ 0,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ 0,00 1,52% R$ 0,00 R$ ,00 R$ ,00 R$ , Programação R$ ,40 da Produção R$ e Materiais ,27 R$ R$ , ,27 0,10% R$ ,40 R$ ,27 R$ , ,18 7R$ MARGEM ,87 FABRICA DIRETA (R$ ,27) R$ R$ , ,18 22,27% R$ ,87 (R$ ,27) R$ ,77 2,04% % 14,26% -3,86% 21,91% 42,04% 14,26% -3,86% 21,91% 8 CUSTO FIXO INDIRETO R$ ,01 5,71% R$ ,01 9. MARGEM FABRICA TOTAL R$ ,76 16,56% R$ , DESPESAS COM ESTRUTURA R$ ,90 8,12% R$ , RESULTADO OPERACIONAL R$ ,86 8,44% R$ ,86 29

29 CLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS GRAU DE ALOCAÇÃO: DIRETO; INDIRETO. VARIABILIDADE: VARIÁVEL; FIXO. 30

30 GRAU DE ALOCAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DOS ITENS DE CUSTO Diretos Fixos Conceito: Fazem parte da estrutura fixa e são facilmente identificados com determinado família de produtos. Exemplo: Custo referente a mãode-obra e maquinário de uma Unidade de Negócio específica da empresa. VARIABILIDADE Variáveis Conceito: Sofrem variações de forma proporcional ao volume produzido e são facilmente identificados com determinada família de produtos. Exemplo: Custo referente a matéria-prima de um produto. Indiretos Conceito: Fazem parte da estrutura fixa e não possuem relação direta com nenhuma família de produtos. Exemplo: Custo referente a mãode-obra e maquinário de uma Unidade de Manufatura da empresa. Conceito: Sofrem variações de forma proporcional ao volume produzido, mas não possuem relação nenhuma família de produtos. Exemplo: Custo referente a fretes, quando esses são feitos de forma agrupada para todos os produtos da empresa. 31

31 CUSTEIO DIRETO UTILIZA O PRINCÍPIO DO CUSTEIO DIRETO PARA ALOCAR OS CUSTOS AOS PRODUTOS/FAMÍLIA DE PRODUTOS: APENAS OS CUSTOS VARIÁVEIS E FIXOS DIRETOS SÃO ALOCADOS A FAMÍLIA DE PRODUTOS; OS CUSTOS FIXOS INDIRETOS PODEM (OU NÃO) SEREM ALOCADOS ÀS UNIDADES DE NEGÓCIOS. SE FOREM ALOCADOS É NECESSÁRIO A UTILIZAÇÃO DE BASES DE RATEIO PARA REALIZAR A OPERAÇÃO 32

32 CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS FIXOS UEN 1 UEN 2 UEN 3 UEN 4 UEN N DE DESPESAS COM ESTRUTURA Ex.: Diretoria, Administrativo,Financeiro, Comercial, etc... CFI CFD CUSTOS FÁBRICA INDIRETOS (ÁREAS DE APOIO DA FÁBRICA) Ex.: Manutenção, PPCPM, Gerente Industrial, Engenharia, etc... CUSTOS FÁBRICA DIRETO (FÁBRICA AGREGAÇÃO DE VALOR) Ex.: Mão de obra, depreciação de máquinas, etc... 33

33 A VISÃO DE UNIDADES ESTRATÉGICAS DE NEGÓCIO TRANSFORMAÇÃO EMPRESA SETORES DA INDÚSTRIA ENTRADAS INSUMOS UEN - 1 CUSTOS DIRETOS 1 UEN - 2 CUSTOS DIRETOS 2 UEN - 3 CUSTOS DIRETOS 3 UEN - 4 CUSTOS DIRETOS 4 UEN - N CUSTOS DIRETOS N SAÍDAS VENDAS MERCADO 1 MERCADO 2 MERCADO N CUSTOS INDIRETOS DESPESAS COM ESTRUTURA EX.: DIRETORIA, ADMINISTRATIVO,FINANCEIRO, COMERCIAL, ETC... CUSTOS FÁBRICA INDIRETOS (ÁREAS DE APOIO DA FÁBRICA) EX.: MANUTENÇÃO, PPCPM, GERENTE INDUSTRIAL, ENGENHARIA, ETC... CUSTOS VARIÁVEIS CAPACIDADE PRODUTIVA PREÇO DE VENDA 34

34 DRE (VISÃO POR UNIDADE ESTRATÉGICA DE NEGÓCIO) UNIDADES ESTRATEGICAS DE NEGOCIO EMPRESA A UEN 1 UEN 2 UEN 3 TOTAL % 1. FATURAMENTO BRUTO R$ ,85 R$ ,78 R$ ,00 R$ ,62 % 30,01% 55,62% 14,37% 100,00% 2. DEDUÇÕES R$ ,79 R$ ,70 R$ ,00 R$ ,49 3. FATURAMENTO LÍQUIDO R$ ,06 R$ ,08 R$ ,00 R$ ,13 100,00% % 77,46% 79,54% 81,67% 81,81% 4. CUSTO VARIÁVEL DE PRODUÇÃO R$ ,28 R$ ,28 R$ ,00 R$ ,57 73,21% 4.1 Matéria-prima R$ ,78 R$ ,88 R$ ,00 R$ ,67 52,39% 4.2 Serviços de terceiros R$ ,54 R$ ,95 R$ ,00 R$ ,49 17,02% 4.3 Comissao de Vendas R$ ,96 R$ ,45 R$ ,00 R$ ,41 3,79% 5 MARGEM DE CONTRIBUICAO TOTAL R$ ,77 R$ ,79 R$ ,00 R$ ,57 26,79% % 46,35% 17,48% 6,95% 26,79% 6. CUSTO FIXO DIRETO R$ ,60 R$ ,92 R$ ,27 R$ ,79 4,51% 6.1 Fábrica 1 R$ ,33 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,33 1,20% 6.2 Fábrica 2 R$ 0,00 R$ ,52 R$ 0,00 R$ ,52 1,70% 6.3 Fábrica 3 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ ,00 R$ ,00 1,52% 6.4 Programação da Produção e Materiais R$ ,27 R$ ,40 R$ ,27 R$ ,94 0,10% 7 MARGEM FABRICA DIRETA R$ ,18 R$ ,87 (R$ ,27) R$ ,77 22,27% % 42,04% 14,26% -3,86% 21,91% 8 CUSTO FIXO INDIRETO R$ ,01 5,71% 9. MARGEM FABRICA TOTAL R$ ,76 16,56% 10. DESPESAS COM ESTRUTURA R$ ,90 8,12% 11. RESULTADO OPERACIONAL R$ ,86 8,44% 35

35 RESUMINDO CADA UNIDADE ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS PODE TER SEU PERFIL OPERACIONAL E DE RESULTADOS GERENCIADO COM CUSTEIO DIRETO GANHO OPERACIONAL + RESULTADO OPERACIONAL - Preço MatériaPrima Quantidade - COMO GERENCIAR A VANTAGEM COMPETITIVA A PARTIR DE ANÁLISES DA MICROECONOMIA DA EMPRESA? DESPESA OPERACIONAL CustosDire tos CustosIndiretos 36

36 MAS COMO UTILIZAR ESSAS INFORMAÇÕES PARA AUXILIAREM NA CONCEPÇÃO DA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO? 37

37 MELHORANDO O GANHO DA EMPRESA GANHO = F (PREÇO DE VENDA, MATÉRIAS-PRIMAS, QUANTIDADES VENDIDAS) COMO MELHORAR O PREÇO DE VENDA? COMO MELHORAR AS QUANTIDADES VENDIDAS? COMO REDUZIR OS CUSTOS DAS MATÉRIAS-PRIMAS? COMO MELHORAR AS MARGENS DE CONTRIBUIÇÃO? 38

38 BASES CONCEITUAIS : PARADIGMA DA MELHORIA NOS PROCESSOS EMPRESA UEN - 1 UEN - 2 UEN - 3 UEN - 4 UEN - N CUSTOS DIRETOS 1 CUSTOS DIRETOS 2 CUSTOS DIRETOS 3 CUSTOS DIRETOS 4 CUSTOS DIRETOS N CUSTOS INDIRETOS DESPESAS COM ESTRUTURA EX.: DIRETORIA, ADMINISTRATIVO,FINANCEIRO, COMERCIAL, ETC... CUSTOS FÁBRICA INDIRETOS (ÁREAS DE APOIO DA FÁBRICA) EX.: MANUTENÇÃO, PPCPM, GERENTE INDUSTRIAL, ENGENHARIA, ETC... 39

39 Sistema Toyota de Produção Autonomação Just-in-time TOYODA SAKICHI Os pilares do STP por Taiichi Ohno TOYODA KIICHIRO 40

40 QUAL A META DE UMA EMPRESA? 41

41 ANALOGIA DA EMPRESA COM UMA CORRENTE MATERIAIS P&D COMPRAS PRODUÇÃO MANUTENÇÃO 42

42 INDICADORES 43

43 COMO SE RELACIONAM OS INDICADORES LOCAIS E GLOBAIS? LUCRO LÍQUIDO (LL) RETORNO/ INVESTIMENTO (RSI) CAIXA OPERACIONAIS LOCAIS GLOBAIS GANHO INVENTÁRIO DESPESAS OPERACIONAIS IROG no Gargalo % Refugo / Retrabalho Tempo Médio de Setup Lead Time Médio Índice de Multifuncionalidade Redução de Horas Extras 44

44 OS FATORES DE O ESPÍRITO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO PRODUÇÃO E O CONCEITO DE TECNOLOGIA VISÃO MICRO-ECONÔMICA DA EMPRESA E ESTRATÉGIA DE UNIDADES DE NEGÓCIO MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA EXCELÊNCIA OPERACIONAL METODOLOGIA E TECNOLOGIAS DE GESTÃO 45

45 SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA PRODUÇÃO 46

46 GPT 8S S ANDON C x D TPM PFP MDE MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR LAYOUT 8D MASP 5 PORQUÊS PAPP GERENCIAMENTO VISUAL CCQ ANÁLISE DE VALOR PARETTO FMEA OPERAÇÃO STANDARD ARA 5W2H CEP TEORIA DAS RESTRIÇÕES POKA - YOKE IROG TRF ISHIKAWA APQP KAIZEN MES GERENCIAMENTO DE NÃO- CONFORMIDADES MSA 47

47 VISÃO DE MELHORIA CONTÍNUA NA ORGANIZAÇÃO TEORIA DAS OPERAÇÃO MAPEAMENTO C x D ARA PFP RESTRIÇÕES STANDARD DO FLUXO DE 8S S VALOR AUMENTO DE LUCRATIVIDADE CCQ 5W2H APQP MELHORIA CONTÍNUA 8D PARETTO PAPP TPM POKA - 5 PORQUÊS YOKE ANÁLISE DE ISHIKAWA MDE LAYOUT AUMENTO ORGANIZACIONAL VALOR KAIZEN EFICIÊNCIA TRF MES OPERACIONAL IROG MSA MASP ANDON GERENCIAMENTO VISUAL REDUZIR DESPERDÍCIOS CEP GERENCIAMENTO DE NÃO- CONFORMIDADES FAZER MAIS COM FMEA MENOS GPT 48

48 DIFERENTES EMPRESAS DIFERENTES SISTEMAS SISTEMA DE PRODUÇÃO SPP I EMPRESAS DE PRODUTOS PADRONIZADOS SISTEMA DE PRODUÇÃO SPP II EMPRESAS DE PROJETOS SISTEMA DE PRODUÇÃO SPP III EMPRESAS DE SERVIÇOS 49

49 SPE Sistema de Produção Enxuta Custo Prazo Velocidade Flexibilidade Qualidade Tecnologia Gestão da Competitividade da Produção A P C D Sistema de Indicadores Circuito Quantidades Circuito Atendimento Circuito Lead Time Circuito Flexibilidade Circuito Qualidade Inovação Industrial Melhoria Contínua Inovação O SPE operacionaliza a Gestão da Melhoria Contínua e é integrado ao Sistema de Indicadores da Empresa Unidades Estratégicas de Negócio / Custeio Direto Sistema Toyota de Produção / Teoria das Restrições 50

50 SPE Sistema de Produção Enxuta Custo Prazo Velocidade Flexibilidade Qualidade Tecnologia Gestão da Competitividade da Produção A P C D Sistema de Indicadores Circuito Quantidades Circuito Atendimento Circuito Lead Time Circuito Flexibilidade Circuito Qualidade Inovação Industrial Melhoria Contínua Inovação Ferramentas/Técnicas/Práticas/Processos/Capacitação/Comunicação Saúde, Segurança e Ergonomia Unidades Estratégicas de Negócio/Custeio Direto Produção Enxuta/Teoria das Restrições 51

51 Sistema de Excelência na Produção Perspectiva Financeira + Ganho Operacional Resultado Operacional por Unidade de Negócio Despesa Operacional [ (Preços Matérias Primas) x Quantidades ] - (Custos Diretos + Custos Indiretos) - Perspectiva Mercados Custo Prazo Velocidade Flexibilidade Qualidade Tecnologia Gestão da Competitividade Operacional Perspectiva Processos de Melhoria Circuito Produtividade Sistema de Indicadores Operacionais Gestão de Performance Operacional Circuito Atendimento Circuito Lead Time Circuito Flexibilidade Circuito Qualidade Inovação Industrial Gestão da Inovação Industrial (Melhoria Contínua ou Incremental, Semi-radical e Radical) Perspectiva Aprendizado e Desenvolvimento Segurança, saúde e ergonomia Meio Ambiente Capacitação Trabalho em Times Comunicação e Reconhecimento 52

52 Processos de Melhoria Contínua Financeira Etapa Gerencial FMEA MSA Pokayoke CEP Inspeções Período: Fevereiro/2009 R$ Mil %/RL R$ Mil %/RL R$ Mil %/RL R$ Mil %/RL RECEITA LÍQUIDA (RL) R$ 2.511,00 100,0% R$ 2.197,00 100,0% R$ 3.453,00 100,0% R$ 8.161,00 100,0% % sobre Receita Líquida Total 30,77% 26,92% 42,31% 100,00% CUSTO DIRETO da UN R$ 1.946,03 77,5% R$ 1.850,97 84,3% R$ 2.013,10 58,3% R$ 5.810,10 71,2% Matéria-prima (padrão) R$ 1.330,83 53,0% R$ 1.450,02 66,0% R$ 1.381,20 40,0% R$ 4.162,05 51,0% % da Contribuição sobre MP total 29,51% 18,68% 51,81% 100,00% Refugos R$ 80,35 3,2% R$ 2,20 0,1% R$ 72,51 2,1% R$ 155,06 1,9% Mão de Obra Fabricação (normal) R$ 105,46 4,2% R$ 70,30 3,2% R$ 107,04 3,1% R$ 282,81 3,5% Mão de Obra Apoio/Gestão (normal) R$ 52,73 2,1% R$ 48,33 2,2% R$ 34,53 1,0% R$ 135,60 1,7% Mão de Obra Fabricação (extra) R$ 12,56 0,5% R$ - 0,0% R$ - 0,0% R$ 12,56 0,2% Mão de Obra Apoio/Gestão (extra) R$ 7,53 0,3% R$ - 0,0% R$ - 0,0% R$ 7,53 0,1% Terceiros R$ 37,67 1,5% R$ 21,97 1,0% R$ - 0,0% R$ 59,64 0,7% Fretes extras da UN R$ 37,67 1,5% R$ - 0,0% R$ - 0,0% R$ 37,67 0,5% Depreciação da UN R$ 180,79 7,2% R$ 149,40 6,8% R$ 138,12 4,0% R$ 468,31 5,7% Manutenção da UN R$ 35,15 1,4% R$ 61,52 2,8% R$ 89,78 2,6% R$ 186,45 2,3% Engenharia de Produto da UM R$ 12,56 0,5% R$ - 0,0% R$ 110,50 3,2% R$ 123,05 1,5% Energia Elétrica da UN R$ 12,56 0,5% R$ 9,89 0,5% R$ 20,72 0,6% R$ 43,16 0,5% Materiais de Consumo da UN R$ 10,04 0,4% R$ 10,99 0,5% R$ 13,81 0,4% R$ 34,84 0,4% Outras despesas diretas da UN R$ 30,13 1,2% R$ 26,36 1,2% R$ 44,89 1,3% R$ 101,39 1,2% % da Margem Direta Total* 24,03% 14,72% 61,25% 100,00% CUSTOS INDIRETOS DA UM RATEADOS R$ 100,00 4,0% R$ 10,00 0,5% R$ 490,00 14,2% R$ 600,00 7,4% Unidade de Manufatura Estamparia Unidade de Manufatura Forjaria % sobre a Margem Direta Total** CUSTOS INDIRETOS DA UN COMPARTILHADOS CUSTOS INDIRETOS DA ESTRUTURA RESULTADO OPERACIONAL DA EMPRESA UNIDADE 1 UNIDADE 2 UNIDADE 3 TOTAL R$ 100,00 4,0% R$ - 0,0% R$ 400,00 11,6% R$ 500,00 6,1% 20,00% 0,00% 80,00% 100,00% R$ - 0,0% R$ 10,00 0,5% R$ 90,00 2,6% R$ 100,00 1,2% 0,00% 10,00% 90,00% 100,00% 26,56% 19,19% 54,25% 100,00% Informar Desenvolver / capacitar Conquistar adesão Tornar advogados R$ 579,43 7,1% R$ 530,47 6,5% R$ 641,01 7,9% RESPONSÁVEIS RESPONSÁVEIS CIRCUITOS CIRCUITOS IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR IMPLEMENTADOR 5. Agenda do SPS Multiplicadores; Grupos de Melhoria; Grupos de Capacitação; Facilitadores de KAIZEN APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO APOIO 1.Indicadores/resultados 2. Conhecimento teórico e metodológico 3. Status dos subprojetos do SPS (indicadores) 4. Lições apreendidas internamente 6. Estratégia / Objetivos / Metas do SPS 7. Habilidades interpessoais e intrapessoais (liderança, time, motivação, segurança) 8. Benchmarking (melhores práticas externas) 9. Cenários de mercado 10. Reunião de P.O. Gestão à Vista UN e Posto Trabalho A. Revista Suspensys News B. Boletim Interno (Lean, etc) C. Janela Suspensys (Mural) D. Material Impresso E. Intranet F. Painel de Gestão (eletrônico) G. (liderança online, etc) H. Desktop I. Fórum SPS J. Encontro com a Direção K. Reuniões Circuitos/Projetos L. Reuniões Coord. UNs/Implem. M. Reuniões Comitês N. Reuniões Time Gerenciar O. Preleções P. Capacitação / treinamento Q. Integração funcionários R. Gestão à vista S. Bunner T. Manual do SPS U. Matriz de Responsabilidades V. Matriz de Acompanhamento W. Ata de Reunião Comitê de Direção e Implantação Time de Comunicação e Melhoria Contínua SÍNTESE DOS PRINCIPAIS ELEMENTOS DO SISTEMA DE EXCELÊNCIA NA PRODUÇÃO MERCADOS UNIDADE DE NEGÓCIOS 2 UNIDADE DE NEGÓCIOS 3 UNIDADE DE NEGÓCIOS 4 UNIDADE DE NEGÓCIOS 1 UNIDADE DE MANUFATURA 1 UNIDADE DE MANUFATURA 2 Demonstrativo de Resultado Econômico por Unidade de Negócio MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO SOBRE MP R$ 1.180,17 47,0% R$ 746,98 34,0% R$ 2.071,80 60,0% R$ 3.998,95 49,0% FORNECEDORES MARGEM DIRETA DA UN * R$ 564,98 22,5% R$ 346,03 15,8% R$ 1.439,90 41,7% R$ 2.350,90 28,8% Preço + Resultado Operacional + - Ganho Operacional Despesa Operacional MatériaPrima Quantidade - + CustosDire tos - Circuito Circuito Circuito Circuito Produtividade Atendimento Lead Time Flexibilidade Sistema de Produção Enxuta CustosIndiretos - Circuito Circuito Qualidade P&D&I Ferramentas da Qualidade Custo Prazo Velocidade Flexibilidade Qualidade Tecnologia Gestão da Competitividade da Produção Sistema de Indicadores (Gestão de performance) Circuito Circuito Circuito Circuito Circuito Inovação Produtividade Atendimento Lead Time Flexibilidade Qualidade Industrial Gestão da Inovação (Radical, Semi-radical e Incremental Melhoria Contínua) Segurança, saúde Capacitação Comunicação Recompensas e ergonomia Indicadores e Metas das UNs x Mercados Metodologia e Tecnologia de Gestão Estratégia de Unidades de Negócio Sistema de Produttare Excelência na de Produção Capacitação, Multiplicadores e Times Estrutura Comunicação e Reconhecimento MARGEM DIRETA DA UN ** R$ 464,98 18,5% R$ 336,03 15,3% R$ 949,90 27,5% R$ 1.750,90 21,5% Públicos Comitê de Direção Comitê de Implantação Unidades de Negócio e de Manufatura Áreas de Apoio (Melhoria Contínua, Holding, e Alta Gestão Comitê de Direção Coord., Resp. Circuitos, Facilitadores, Implement. Pessoal da Produção (UN e Posto de Trabalho) PCP, Suprimentos, Engenharia RH, Custos,...) Objetivo de Comunicação C O O R D E N A D O R E S MATRIZ DE RESPONSABILIDADES SPE Circuito Quantidades Tipo de Informação Circuito Atendimento Ferramentas Circuito Lead time Circuito Flexibilidade Respons. Circuito Qualidade Ações Circuito Inovação Industrial Pessoal 4 Administrativo PCP Alternativas (Curto Prazo) EXECUÇÃO Tpi Banco de Dados T ; qi C x D Existe Gargalo? Hora Extra sim (T) sim Alternativas Curto Prazo? Outro Recurso (qi) D µ não Monitoramento OEE nos CCR s G R U P O S S E M I - A U T Ô N O M O S INOVAÇÃO LOGÍSTICA GESTÃO EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - GESTÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO - BÁSICA FORMAÇÃO DE MULTIPLICADORES SISTEMA DE PRODUÇÃO MASSIFICAÇÃO DO CONHECIMENTO E N G E N A R I A I N T R Í N S E C A 53 não Tpi ; µ Lista de recursos críticos Coleta de dados nos

53 QUESTÕES 54

54 MUITO OBRIGADO! LUIZ HENRIQUE PANTALEÃO (51)

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

José Antonio Valle Antunes Júnior (UNISINOS) junico@produttare.com.br Marcelo Klippel (UNISINOS) marcelo@klippel.com.br

José Antonio Valle Antunes Júnior (UNISINOS) junico@produttare.com.br Marcelo Klippel (UNISINOS) marcelo@klippel.com.br Montagem Sistêmica dos Indicadores de Desempenho nas Empresas Industriais Uma Abordagem a partir da Teoria das Restrições TOC e do Sistema Toyota de Produção STP José Antonio Valle Antunes Júnior (UNISINOS)

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

A Microeconomia da Firma e a Engenharia de Produção Geradora de Lucro. Prof. Dr. Eng. Junico Antunes

A Microeconomia da Firma e a Engenharia de Produção Geradora de Lucro. Prof. Dr. Eng. Junico Antunes A Microeconomia da Firma e a Engenharia de Produção Geradora de Lucro Prof. Dr. Eng. Junico Antunes 1 Plano de vôo: O espírito do Sistema Toyota de Produção Os fatores de produção e o conceito de tecnologia

Leia mais

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente!

Toyota Way. FDEABrandão. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! (Fonte de Força Competitiva da Toyota) Antes de você dizer que não consegue fazer alguma coisa, experimente! Sakichi Toyoda - Fundador do grupo TOYOTA. (Fonte de Força Competitiva da Toyota) O é um Ideal,

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 4º Encontro - 27/02/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? - ABERTURA - ATIVIDADES DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

Lean Six Sigma Uma estratégia de sucesso para enfrentar crises, falta de competitividade e aumentar a lucratividade das empresas e organizações.

Lean Six Sigma Uma estratégia de sucesso para enfrentar crises, falta de competitividade e aumentar a lucratividade das empresas e organizações. Lean Six Sigma Uma estratégia de sucesso para enfrentar crises, falta de competitividade e aumentar a lucratividade das empresas e organizações. O atual cenário econômico no Brasil não é dos melhores e

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção - Era mercantilista: Receita (-) Custo das mercadorias vendidas (comprada de artesãos) = Lucro Bruto (-) Despesas = Lucro Líquido - Empresas

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011

ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 O Papel da Cultura Lean no Contexto Actual António Abreu ajfa@dem.isel.ipl.pt Seminário - Manutenção e Gestão Lean Auditório da Sede da Ordem dos Engenheiros, Lisboa 9 de Novembro de 2011 Sumário i. O

Leia mais

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação.

Conversa Inicial. Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Conversa Inicial Olá! Seja bem-vindo à quarta aula de Fundamentos de Sistemas de Informação. Hoje iremos abordar os seguintes assuntos: a origem dos sistemas integrados (ERPs), os módulos e fornecedores

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

Sistemas para Gestão e Inovação

Sistemas para Gestão e Inovação Sistemas para Gestão e Inovação empresa A ACCION é uma empresa de software, inovação, relacionamento e suporte à gestão. O nome ACCION, tem origem na vocação de nossa empresa: AÇÃO! Nos segmentos que atuamos,

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Informações gerenciais com valor agregado

Informações gerenciais com valor agregado Informações gerenciais com valor agregado, Dr. 1/31 Agregação de Valor Matéria Prima Estoque de MP Movimentação Movimentação Cliente Estoque de Produto Movimentação Transformação 2/31 Contabilidade Financeira

Leia mais

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL

PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL PROJETO SABER CONTÁBIL EXAME DE SUFICIÊNCIA DICAS PARA RESOLUÇÕES DAS QUESTÕES CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL Braulino José dos Santos TERMINOLOGIAS Terminologia em custos Gasto Investimento Custo

Leia mais

Aplicação de Sistema Eletrônico para Planejamento das Etapas de Desenvolvimento de Produtos na Suspensys

Aplicação de Sistema Eletrônico para Planejamento das Etapas de Desenvolvimento de Produtos na Suspensys Aplicação de Sistema Eletrônico para Planejamento das Etapas de Desenvolvimento de Produtos na Suspensys Autor: Esequiel Berra de Mello, Suspensys, Grupo Randon Apresentador: Tomas L. Rech Ebis Soluções

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3 3 Indicadores de Resultados da gestão comercial Série Indicadores Essenciais Volume 3 Gestão Comercial de Alta Performance Clique abaixo e saiba como podemos colaborar com o desenvolvimento de sua equipe.

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO

ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO ORÇAMENTO ESTÁTICO x ORÇAMENTO FLEXÍVEL ORÇAMENTO É a etapa do processo do planejamento estratégico em que se estima (projeta) e determina a melhor relação entre resultados e despesas para atender às necessidades

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Engenharia Simultânea

Engenharia Simultânea Engenharia Simultânea Fluxo da Engenharia Seqüencial Fluxo da Engenharia Seqüencial Engenharia Simultânea Definição: Abordagem sistemática para o desenvolvimento integrado e paralelo do projeto de um produto

Leia mais

FMEA, PDCA, TQM, PPAP

FMEA, PDCA, TQM, PPAP Ementários Fundamentos do Pensamento Lean e Toyota Production System TPS 20 horas Introdução ao Pensamento Lean six Sigma e ao TPS Histórico Evolutivo do TPS Pilares do TPS Princípios Lean Fundamentos

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 GESTÃO DAS INFORMAÇÕES DAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. Importância do ERP para as organizações...3 2. ERP como fonte de vantagem competitiva...4 3. Desenvolvimento e implantação de sistema de informação...5

Leia mais

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas

CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO. Atividades Práticas CUSTO FIXO, LUCRO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO 1 Assinalar Falso (F) ou Verdadeiro (V): Atividades Práticas ( ) Os custos fixos são totalmente dependentes dos produtos e volumes de produção executados no período.

Leia mais

6. Resultados obtidos

6. Resultados obtidos 6. Resultados obtidos 6.1 O Balanced corecard final Utilizando a metodologia descrita no capítulo 5, foi desenvolvido o Balanced corecard da Calçados yrabel Ltda. Para facilitar o entendimento deste trabalho,

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

PAEX Parceiros para a Excelência

PAEX Parceiros para a Excelência PAEX Parceiros para a Excelência Estabelecer parcerias por melhores resultados: uma prática comum na natureza e nas empresas que querem se desenvolver. CONHECA A FDC Alianças Internacionais: Uma Escola

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Fundamentos de Modelo de Gestão Orientado para Resultados

Fundamentos de Modelo de Gestão Orientado para Resultados Árvores do Cerrado, muitas e únicas, assim como as organizações. Planejamento Estratégico Fundamentos de Modelo de Gestão Orientado para Resultados Prof. Gilmar Mendes 2011 O CONTEXTO da sociedade industrial

Leia mais

Tecnologia de Comando Numérico 164399

Tecnologia de Comando Numérico 164399 164399 Aula 2 Introdução à Automação da Manufatura Mecatrônica; Automação; Níveis de Automação; Tipos de Automação; Justificativas para automatizar; Justificativas para não automatizar; Prof. Edson Paulo

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

Caso Fábrica de Silos Janes Gausmann

Caso Fábrica de Silos Janes Gausmann Manufatura Digital no Processo de Especialização de Plantas Caso Fábrica de Silos Janes Gausmann Sumário 1. A HISTÓRIA POR TRÁS DA KW 2. ATUAÇÃO 3. ESPECIALIZAÇÃO PLANTAS 4. SIMULAÇÃO DAS LINHAS DE PERFILAMENTO

Leia mais

Gestão de Carreira Perfil do profissional de Excelência Operacional. ALBERTO PEZEIRO Sócio-Fundador e CEO pezeiro@setadg.com.

Gestão de Carreira Perfil do profissional de Excelência Operacional. ALBERTO PEZEIRO Sócio-Fundador e CEO pezeiro@setadg.com. Gestão de Carreira Perfil do profissional de Excelência Operacional ALBERTO PEZEIRO Sócio-Fundador e CEO pezeiro@setadg.com.br 11 98110-0026 1 Profissional de Excelência Operacional Requisitos obrigatórios

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

Sistemas de Indicadores de Desempenho

Sistemas de Indicadores de Desempenho Sistemas de Indicadores de Desempenho Aula 11 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Indicadores Indicadores são formas de representação quantificáveis das características de produtos

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO CONSIDERAÇOES SOBRE FORMAÇÃO DE PREÇOS E SISTEMAS DE CONTABILIDADE DE CUSTOS EM EMPRESAS DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Lisberto Cavalcanti Diretor Administrativo- financeiro da Solumax Soluções e Tecnologia,

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Rogério João Lunkes Contabilidade Gerencial Um Enfoque na Tomada de Decisão Visual Books Sumário Prefácio 1 1 Aspectos Fundamentais da Contabilidade Gerencial 3 1 1 A Evolução da Contabilidade Gerencial

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

A e1.conceito é um compromisso com você e com sua empresa para atingirem seus objetivos.

A e1.conceito é um compromisso com você e com sua empresa para atingirem seus objetivos. A e1.conceito é um compromisso com você e com sua empresa para atingirem seus objetivos. Nossa missão Promover o desenvolvimento e fortalecimento empresarial com projetos que tragam, sempre, resultados

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV)

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV) OBJETIVO: Capacitar profissionais, de qualquer área de atuação, para a carreira executiva, desenvolvendo as principais habilidades gerenciais, tais como: liderança, comunicação interpessoal e visão estratégica,

Leia mais

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira

Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira XXIII SEMINÁRIO INTERNACIONAL DO CILEA Sistema de Custos do Setor Público: a experiência brasileira Nelson Machado Camboriu, julho 2011 Ambiente e Desafios Democratização e ampliação da participação social

Leia mais

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS

GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS GESTÃO DE PROCESSOS E MELHORIA OPERACIONAL O CASO DA ELETROBRAS Alberto Wajzenberg Gerente de Desenvolvimento Organizacional alberto.wajzenberg@eletrobras.com Brasilia 7 de novembro de 2013 GESTÃO DE PROCESSOS

Leia mais

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos

Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Uma nova visão de custos para empresas de fabricação sob encomenda/projetos Apresentação Valdecir de Oliveira Pereira Diretorde Desenvolvimento valdecir@grvsoftware.com.br www.grvsoftware.com.br GRV Software

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

Maurus Joenk Diretor / Consultor Técnico QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE

Maurus Joenk Diretor / Consultor Técnico QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE Maurus Joenk Diretor / Consultor Técnico QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE QUALIDADE COM PRODUTIVIDADE A ARTPOL Assessoria, Consultoria e Treinamento Empresarial Ltda, atua em empresas transformadoras de plásticos

Leia mais

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios

Módulo 5. Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Módulo 5 Implementação do BSC para um negócio específico, definição de objetivos, apresentação de casos reais e exercícios Implementando BSC para um negócio específico O BSC é uma estrutura para desenvolvimento

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

DANTE RAMACCIOTTI ABREU Consultor Associado a Luis Borges Assessoria em Gestão Ltda. FORMAÇÃO ACADÊMICA

DANTE RAMACCIOTTI ABREU Consultor Associado a Luis Borges Assessoria em Gestão Ltda. FORMAÇÃO ACADÊMICA DANTE RAMACCIOTTI ABREU Consultor Associado a Luis Borges Assessoria em Gestão Ltda. FORMAÇÃO ACADÊMICA Graduação Engenharia Industrial Mecânica CEFET MG 1992. PRINCIPAIS ÁREAS DE ATUAÇÃO NA GESTÃO DE

Leia mais

Orçamentos e outras ferramentas

Orçamentos e outras ferramentas Finanças na Advocacia Orçamentos e outras ferramentas AXIS Consult Gestão Jurídica Luiz Machado ESG CORP 26º COMITÊ DE DEPARTAMENTOS JURÍDICOS E ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA MERCADO Atividade > Advocacia Mercantilismo

Leia mais

Seta Desenvolvimento Gerencial. www.setadg.com.br

Seta Desenvolvimento Gerencial. www.setadg.com.br Seta Desenvolvimento Gerencial www.setadg.com.br 1 Evidenciando os ganhos dos projetos no Balanço da Empresa Rio de Janeiro 25 de Abril de 2013 Alberto Pezeiro Sócio-Fundador & CEO pezeiro@setadg.com.br

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

CS&OP-P Certified S&OP Professional

CS&OP-P Certified S&OP Professional A achain é uma empresa especializada nas áreas de Supply Chain, Value Chain e Demand Chain Management, com atuação nas modalidades de serviços de treinamento e apoio administrativo. Missão achain: Proporcionar

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais