TÓPICO 2 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÓPICO 2 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE"

Transcrição

1 TÓPICO 2 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE EMANUEL CARNEIRO 1. O operador de convolução Sejam f e g funções mensuráveis em. A convolução de f e g é a função f g definida por f g(x) = f(y) g(x y) dy. De modo geral, se f e g são funções mensuráveis não-negativas, temos f g mensurável (podendo naturalmente tomar o valor + ). Se quisermos garantir a finitude de f g, pelo menos q.t.p, deveremos ter algum decaimento em f e/ou g como veremos a seguir. Diretamente da definição podemos inferir as seguintes propriedades básicas: Proposição 1. Assumindo que as integrais em questão existam, temos: (i) O operador de convolução é bilinear e simétrico. (ii) (f g) h = f (g h). (iii) Para w temos τ w (f g) = (τ w f) g = f (τ w g), onde τ w f := f( w). (iv) Se A é o fecho do conjunto {x + y; x supp f, y supp g}, então supp(f g) A. Prova. Exercício. Talvez o fato mais interessante deste operador seja o seu caráter regularizante, e.g. se f C k c ( ) e g L 1 loc (Rn ), então f g C k ( ) e satisfaz α (f g) = ( α f) g, para todo multi-índice α com α k. Nesse caso a convolução de duas funções tem pelo menos a regularidade da função mais regular. Proposição 2. Sejam 1 p, q tais que 1/p + 1/q = 1. Se f L p ( ) e g L q ( ), então f g existe para todo x, f g é limitada e uniformemente contínua. Caso 1 < p, q <, temos f g C ( ) (funções que vão para zero no infinito). Prova. A existência de f g e sua limitação seguem diretamente da desigualdade de Hölder. A continuidade uniforme segue do fato que, se 1 p <, temos (τ y (f g) (f g) L = ((τ y f f) g) L (τ y f f) L p g L q. Caso p =, inverta os papéis de p e q acima. Finalmente, se 1 < p, q <, podemos escolher sequências {f n } e {g n } de funções com suporte compacto tais Date: 24 de março de Mathematics Subject Classification. XX-XXX. Key words and phrases. XXX-XXX. 1

2 2 EMANUEL CARNEIRO que f n f L p e g n g L q. Nesse caso temos f n g n C c ( ), e a estimativa f n g n f g L f n f L p g n L q + f L p g n g L q implica que f g C ( ). Finalizando esta breve introdução aos operadores de convolução, apresentamos a desigualdade de Young, batizada em homenagem ao matemático inglês William Henry Young ( ). A forma ótima desta desigualdade funcional foi descoberta por W. Beckner em [1]. Teorema 3 (Desigualdade de Young). Sejam 1 p, q, r tais que 1 + 1/r = 1/p + 1/q. Se f L p ( ) e g L q ( ), então f g existe q.t.p. e vale f g L r ( ) f L p ( ) g L q ( ). Prova. O caso (p, q, r) = (1, 1, 1) é consequência direta do Teorema de Fubini f g 1 = f g(x) dx f(x y) g(y) dy dx = f 1 g 1. Os casos (p, q, r) = (, 1, ) ou (1,, ) são claros. Podemos então utilizar a intepolação de Riesz-Thorin (a ser provada em um tópico adiante) para concluir o resultado. Alternativamente, daremos uma prova direta da desigualdade de Young. Como f g f g, podemos assumir sem perda de generalidade que f e g são nãonegativas. O caso (p, p, ) segue diretamente da desigualdade de Hölder. Para o caso (r, 1, r), usamos a desigualdade de Minkowski para integrais [2, 6.19] ( ( ) r 1/r f g r = f(x y) g(y) dy dx) ( ) 1/r f(x y) r dx g(y) dy = f r g 1. Nos demais casos, com 1 < p, q, r < escrevemos [ f g(x) = f(y) p/r g(x y) q/r ] f(y) p(1/p 1/r) g(x y) q(1/q 1/r) dy e aplicamos a desigualdade de Hölder para estas três funções, com expoentes r, p 1 e q 1, onde 1/p 1 = 1/p 1/r e 1/q 1 = 1/q 1/r. Daí ( ) 1/r f g(x) f(y) p g(x y) q dy f p/p1 p g q/q1 q, e portanto f g r f p/p1 p g q/q1 q ( f(y) p g(x y) q dy dx = f p p/p1+p/r g q q/q1+q/r = f p g q. ) 1/r

3 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE 3 2. Aproximações da identidade Seja Φ uma função em e ε >. Escrevemos Φ ε (x) := 1 ( x ) ε n Φ. ε Observe que se Φ L 1 ( ) temos Φ ε (x) dx = Φ(x) dx, para cada ε >. Quando ε, a massa de Φ ε torna-se mais concentrada na origem, de modo que, heuristicamente, Φ ε está convergindo para um múltiplo do delta de Dirac. Esse é essencialmente o contexto dos próximos dois resultados. Teorema 4 (Aproximações da identidade - convergência L p ). Seja Φ L 1 ( ) com Φ(x) dx = A. Então valem as seguintes propriedades: (i) Se f L p ( ) (1 p < ) então f Φ ε Af na norma L p, quando ε. (ii) Se f é limitada e uniformemente contínua, então f Φ ε Af uniformemente quando ε. (iii) Se f L ( ) e f é contínua em um aberto U, então f Φ ε Af uniformemente em subconjuntos compactos de U, quando ε. Prova. Fazendo y = εw, temos f Φ ε (x) Af(x) = {f(x y) f(x)} Φ ε (y) dy R n = {f(x εw) f(x)} Φ(w) dw = {τ εw f(x) f(x)} Φ(w) dw. Aplicando a desigualdade de Minkowski obtemos f Φ ε Af p τ εw f f p Φ(w) dw. (2.1) Note agora que τ εw f f p 2 f p e τ εw f f p quando ε para cada w. A parte (i) então segue do Teorema da Convergência Dominada. Passemos agora à parte (ii). Dado η >, como Φ L 1 ( ), existe um compacto E tal que Φ < η. Como f é uniformemente contínua, existe ε E c tal que se ε < ε então τ εw f(x) f(x) < η, para todo w E e todo x. Portanto, por (2.1) temos f Φε (x) Af(x) τ εw f(x) f(x) Φ(w) dw R n = τ εw f(x) f(x) Φ(w) dw + τ εw f(x) f(x) Φ(w) dw E E c η Φ 1 + 2η f, para ε < ε, uniformemente em x. (2.2) A parte (iii) é similar à parte (ii). Dado η >, mantenha a escolha do compacto E tal que E c Φ < η. Seja K um subconjunto compacto de U. Escolha um aberto V e um compacto K 1 tais que K V K 1 U. Para ε suficientemente

4 4 EMANUEL CARNEIRO pequeno temos x εw V para x K e w E. Como f é contínua em U, f é uniformemente contínua em K 1 e portanto sup f(x εw) f(x) < η x K,w E para ε < ε. A estimativa (2.2) agora vale uniformemente em x K. O próximo resultado nos dá um condição suficiente para garantir a convergência pontual das aproximações para a função original. De modo geral, esse resultado aparece na literatura com algumas pequenas variações. Apresentamos aqui a versão mais geral [7, Cap. 1, Teorema 1.25]. Teorema 5 (Aproximações da identidade - convergência pontual). Seja Φ L 1 ( ) com Φ(x) dx = A. Assuma que Φ possui um majorante radial não-crescente ψ L 1 ( ). Se f L p ( ) com 1 p, temos lim f Φ ε(x) = A f(x) ε para todo x no conjunto de Lebesgue de f (em particular para quase todo ponto). Prova. Fixe um ponto x no conjunto de Lebesgue de f e escolha δ >. Podemos então encontrar η > tal que r n f(x y) f(x) dy δ, (2.3) y <r quando r η. Para todo ε > temos f Φ ε (x) Af(x) = {f(x y) f(x)} Φ ε (y) dy {f(x y) f(x)} Φ ε (y) dy + {f(x y) f(x)} Φ ε (y) dy y <η := I 1 + I 2. y η Estimativa para I 1. Com um pequeno abuso de notação, escreveremos ψ(r) = ψ(x) se x = r. Note que ψ(x) dx ψ(r) dx = c ψ(r)r n. r/2 x r r/2 x r Desta forma, a hipótese de que ψ L 1 ( ) implica que ψ(r)r n quando r ou r. Em particular existe uma constante B tal que ψ(r)r n B para < r <. Escreva g(r) = f(x rw) f(x) dσ(w), onde dσ denota a ω S n 1 medida de superfície na esfera S n 1 (note que g(r) está bem definida para quase todo r [, ), veja por exemplo [8, Cap. 6, Teorema 3.4]). A condição (2.3) é equivalente a G(r) = r s n 1 g(s) ds δr n, (2.4) dado que r η. Usando (2.4) e integração por partes, uma vez que G é absolutamente contínua (com G (r) = g(r)r n 1 q.t.p.) e ψ tem variação limitada em qualquer intervalo [η, η], temos η I 1 f(x y) f(x) ε n ψ(y/ε) dy = r n 1 g(r) ε n ψ(r/ε) dr y <η

5 η APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE 5 = lim r n 1 g(r) ε n ψ(r/ε) dr η η { = lim G(r) ε n ψ(r/ε) η } η η η G(r) ε n dψ(r/ε) η { } lim δb + η { lim η δb + δ ( δ B + Porém note que η/ε η /ε η/ε η /ε G(εs) ε n d( ψ(s)) s n d( ψ(s)) ) s n d( ψ(s)). s n d( ψ(s)) = n } s n 1 ψ(s) ds = (n/ω n 1 ) ψ 1, onde ω n 1 denota a superfície da esfera S n 1. Concluímos portanto que I 1 δ (B + (n/ω n 1 ) ψ 1 ). (2.5) Estimativa para I 2. Escreva ψ ε (x) = ε n ψ(x/ε) e denote a função característica do conjunto {x ; x η} por χ η. Se 1/p + 1/p = 1, temos Como I 2 f p χ η ψ ε p + f(x) χ η ψ ε 1. (2.6) χ η ψ ε 1 = x η ψ ε (x) dx = x η/ε ψ(x) dx, a segunda parcela em (2.6) tende a zero quando ε. Mostremos que o mesmo ocorre com a primeira parcela. De fato, observe que podemos interpolar da seguinte maneira ( ) 1/p ( ) 1/p χ η ψ ε p = ψ ε (x) p dx x η χ η ψ ε 1/p χ η ψ ε 1/p 1 = ψ ε (x) ψ ε (x) p /p dx x η Como já observamos, χ η ψ ε = sup x η ψ ε (x) = η n (η/ε) n ψ(η/ε) quando ε. Portanto I 2 quando ε. Como δ > em (2.5) é arbitrário, a prova está completa. Referências [1] W. Beckner, Inequalities in Fourier Analysis, Ann. Math. 12 (1975), [2] G. B. Folland, Real Analysis: Modern Techniques and Their Applications, John Wiley and Sons Inc., [3] L. Grafakos, Classical and Modern Fourier Analysis, Pearson Education Inc., 24. [4] E. H. Lieb and M. Loss, Analysis, Graduate Studies in Mathematics, Volume 14, 2nd edition, American Mathematical Society, 21. [5] E. M. Stein, Singular Integrals and Differentiability Properties of Functions, Princeton University Press, 197. [6] E. M. Stein, Harmonic Analysis, Princeton University Press, 1993.

6 6 EMANUEL CARNEIRO [7] E. M. Stein and G. Weiss Introduction to Fourier Analysis on Euclidean spaces, Princeton University Press, [8] E. M. Stein and R. Shakarchi, Real Analysis: Measure theory, Integration and Hilbert Spaces, Princeton Lecture Series in Analysis III, Princeton University Press, 25. [9] R. L. Wheeden and A. Zygmund, Measure and Integral, Monographs and textbooks in pure and applied mathematics, Marcel Dekker, Inc., New York, [1] A. Zygmund, Trigonometric Series, Vol II, Cambridge University Press, IMPA - Estrada Dona Castorina, 11, Rio de Janeiro, RJ, Brazil address:

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2

Exp e Log. Roberto Imbuzeiro Oliveira. 21 de Fevereiro de 2014. 1 O que vamos ver 1. 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 Funções contínuas, equações diferenciais ordinárias, Exp e Log Roberto Imbuzeiro Oliveira 21 de Fevereiro de 214 Conteúdo 1 O que vamos ver 1 2 Fatos preliminares sobre espaços métricos 2 3 Existência

Leia mais

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita

O Teorema da Função Inversa e da Função Implícita Universidade Estadual de Maringá - Departamento de Matemática Cálculo Diferencial e Integral: um KIT de Sobrevivência c Publicação eletrônica do KIT http://www.dma.uem.br/kit O Teorema da Função Inversa

Leia mais

UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A EXISTÊNCIA DE SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA SEMILINEAR COM EXPOENTE CRÍTICO DE SOBOLEV

UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A EXISTÊNCIA DE SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA SEMILINEAR COM EXPOENTE CRÍTICO DE SOBOLEV UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A EXISTÊNCIA DE SOLUÇÃO PARA UM PROBLEMA SEMILINEAR COM EXPOENTE CRÍTICO DE SOBOLEV Alex Jenaro Becker, Mestrando, alexjenaro@gmail.com Bolsista CAPES/FAPERGS

Leia mais

1 Propriedades das Funções Contínuas 2

1 Propriedades das Funções Contínuas 2 Propriedades das Funções Contínuas Prof. Doherty Andrade 2005 Sumário 1 Propriedades das Funções Contínuas 2 2 Continuidade 2 3 Propriedades 3 4 Continuidade Uniforme 9 5 Exercício 10 1 1 PROPRIEDADES

Leia mais

Espaços não reversíveis

Espaços não reversíveis {Nome da seção} Notas de aula Espaços não reversíveis Fernando Lucatelli Nunes UnB-UC/UP 1 Se X e Y são espaços topológicos quaisquer, o gráfico de uma função f : X Y é o conjunto G( f )={(x, f (x)) :

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Equação do Calor com Potencial Singular

Equação do Calor com Potencial Singular Universidade Federal de Santa Catarina Curso de Pós-Graduação em Matemática e Computação Científica Equação do Calor com Potencial Singular Eleomar Cardoso Júnior Orientador: Prof. Dr. Gustavo Adolfo Torres

Leia mais

Análise Funcional. José Ferreira Alves. Março de 2002. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Matemática Pura

Análise Funcional. José Ferreira Alves. Março de 2002. Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Matemática Pura Análise Funcional José Ferreira Alves Março de 2002 Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Matemática Pura ii Introdução Estas notas foram elaboradas para a disciplina de Complementos

Leia mais

Passeios aleatórios: utuações no lançamento de moedas e ruína do jogador

Passeios aleatórios: utuações no lançamento de moedas e ruína do jogador Passeios aleatórios: utuações no lançamento de moedas e ruína do jogador Chen Yung Jen 1 e Elisabeti Kira (Orientadora 1 Universidade de São Paulo (IME-USP, Brazil chen.jen@usp.br Universidade de São Paulo

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

uma classe de sistemas elipticos envolvendo o operador p-laplaciano em dominio nao limitado

uma classe de sistemas elipticos envolvendo o operador p-laplaciano em dominio nao limitado Seminário Brasileiro de Análise - SBA Instituto de Matemática e Estatatística - USP Edição N 0 68 Novembro 2008 uma classe de sistemas elipticos envolvendo o operador p-laplaciano em dominio nao limitado

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000 - Fax: (35) 3299-1063 ANÁLISE FUNCIONAL E APLICAÇÕES

Leia mais

Aplicação de Gauss de Superfícies Completas de Curvatura Média Constante em R 3 e R 4

Aplicação de Gauss de Superfícies Completas de Curvatura Média Constante em R 3 e R 4 Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Aplicação de Gauss de Superfícies Completas de Curvatura Média Constante em R 3 e R 4 por Karise Gonçalves Oliveira Brasília

Leia mais

A integral também é conhecida como antiderivada. Uma definição também conhecida para integral indefinida é:

A integral também é conhecida como antiderivada. Uma definição também conhecida para integral indefinida é: Integral Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. No cálculo, a integral de uma função foi criada para originalmente determinar a área sob uma curva no plano cartesiano e também surge naturalmente em dezenas

Leia mais

Definição 1.1. Uma função φ real definida sobre um intervalo aberto ]a, b[ de R, diz-se convexa se x, y ]a, b[, e0 γ 1,

Definição 1.1. Uma função φ real definida sobre um intervalo aberto ]a, b[ de R, diz-se convexa se x, y ]a, b[, e0 γ 1, ESPAÇOSDEFUNÇÕES INTEGRÁVEIS-L p 1. Funções convexas e desigualdades Definição 1.1. Uma função φ real definida sobre um intervalo aberto ]a, b[ de R, diz-se convexa se x, y ]a, b[, e0 γ 1, φ((1 γ)x + γy)

Leia mais

Carlos Humberto Soares Júnior

Carlos Humberto Soares Júnior Boletín de la Asociación Matemática Venezolana, Vol. X, No. 1 (2003) 15 Funções de classe C k Carlos Humberto Soares Júnior Abstract When we study the functions of class C k in the graduate courses, in

Leia mais

para os Números de Fibonacci 1

para os Números de Fibonacci 1 TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 5, No. 2 (2004), 205-215. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Fórmula Explícita e Interpretação Combinatória para os Números de

Leia mais

ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 2013 Mário Jorge Dias Carneiro

ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 2013 Mário Jorge Dias Carneiro ENCONTRO RPM-UNIVERSIDADE DE MATO GROSSO DO SUL Roteiro de aulas do mini-curso: A Escavadeira de Cantor Novembro de 203 Mário Jorge Dias Carneiro Introdução O que é um número real? A resposta formal e

Leia mais

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Maria Angélica Araújo Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação

Leia mais

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012

NIVELAMENTO MATEMÁTICA 2012 NIVELAMENTO MATEMÁTICA 202 Monitor: Alexandre Rodrigues Loures Monitor: Alexandre Rodrigues Loures SUMÁRIO. LOGARITMOS... 3.. Mudança de base... 3.2. Propriedades dos logaritmos... 4 2. DERIVADAS... 4

Leia mais

ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}.

ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA. [x] := {y X t.q. x y}. ESPAÇOS QUOCIENTES DANIEL SMANIA 1. Relações de equivalência Seja uma relação de equivalência sobre um conjunto X, isto é, uma rel ção binária que satisfaz as seguintes propriedades i. (Prop. Reflexiva.)

Leia mais

1 Sistemas de Controle e Princípio do Máximo

1 Sistemas de Controle e Princípio do Máximo Sistemas de Controle & Controle Ótimo & Princípio do Máximo Lúcio Fassarella (215) 1 Sistemas de Controle e Princípio do Máximo Essencialmente, sistemas de controle são sistemas dinâmicos cuja evolução

Leia mais

2 Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (Q, R)

2 Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (Q, R) Modelo para o Sistema de Controle de Estoque (, ) Neste capítulo é apresentado um modelo para o sistema de controle de estoque (,). Considera-se que a revisão dos estoques é continua e uma encomenda de

Leia mais

MM805- Tópicos de Análise I. Blue Sky Catástrofe em Sistemas Dinâmicos Reversíveis e Hamiltonianos

MM805- Tópicos de Análise I. Blue Sky Catástrofe em Sistemas Dinâmicos Reversíveis e Hamiltonianos MM805- Tópicos de Análise I Blue Sky Catástrofe em Sistemas Dinâmicos Reversíveis e Hamiltonianos Luiz Fernando da Silva Gouveia-RA:153130 Prof. Dr. Ricardo Miranda Martins MM805A - 2s/2014 1. Introdução

Leia mais

CAPÍTULO 9. PROCESSAMENTO DOS DADOS 9.5. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS. =0.01 gcm 3 3.36 Logo o resultado experimental é: = 5.82 g 0.

CAPÍTULO 9. PROCESSAMENTO DOS DADOS 9.5. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS. =0.01 gcm 3 3.36 Logo o resultado experimental é: = 5.82 g 0. CAPÍTULO 9. PROCESSAMENTO DOS DADOS 9.5. ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Logo o resultado experimental é: =(1.732 ± 0.001) gcm 3 O erro relativo do volume (0.1%) é uma ordem de grandeza maior que o erro relativo

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Existência de Soluções Simétricas e Não-Simétricas para uma Classe de Equações de Schrödinger Semilineares

Existência de Soluções Simétricas e Não-Simétricas para uma Classe de Equações de Schrödinger Semilineares Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Programa de Pós-Graduação em Matemática Curso de Mestrado em Matemática Existência de Soluções Simétricas e Não-Simétricas para uma

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire

Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS JOINVILLE CENTRO DE ENGENHARIAS DA MOBILIDADE Cálculo Diferencial e Integral I Vinícius Martins Freire MARÇO / 2015 Sumário 1. Introdução... 5 2. Conjuntos...

Leia mais

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão

Integrais Duplas e Coordenadas Polares. 3.1 Coordenadas Polares: Revisão Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Integrais Duplas e Coordenadas Polares Nas primeiras aulas discutimos integrais duplas em algumas regiões bem adaptadas às coordenadas

Leia mais

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2)

Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Tópico 3. Limites e continuidade de uma função (Parte 2) Nessa aula continuaremos nosso estudo sobre limites de funções. Analisaremos o limite de funções quando o x ± (infinito). Utilizaremos o conceito

Leia mais

SOLVABILIDADE E DECAIMENTO EXPONENCIAL PARA UM SISTEMA DE EDP NÃO LINEAR COM ACOPLAMENTO NA FONTE

SOLVABILIDADE E DECAIMENTO EXPONENCIAL PARA UM SISTEMA DE EDP NÃO LINEAR COM ACOPLAMENTO NA FONTE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS PROGRAMA DE PÓS - GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA - PPGME SOLVABILIDADE E DECAIMENTO EXPONENCIAL PARA UM

Leia mais

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4

Teorema de Taylor. Prof. Doherty Andrade. 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange. 2 Exemplos 2. 3 Exercícios 3. 4 A Fórmula de Taylor 4 Teorema de Taylor Prof. Doherty Andrade Sumário 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange 1 2 Exemplos 2 3 Exercícios 3 4 A Fórmula de Taylor 4 5 Observação 5 1 Fórmula de Taylor com Resto de Lagrange

Leia mais

Estabilidade Linear e Exponencial de Semigrupos C 0 e

Estabilidade Linear e Exponencial de Semigrupos C 0 e ERMAC 2: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL - 3 de Novembro de 2, São João del-rei, MG; pg 232-236 232 Estabilidade Linear e Exponencial de Semigrupos C e Aplicações Francis F.

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. As Fronteiras de Shilov e de Bishop

Universidade Federal do Rio de Janeiro. As Fronteiras de Shilov e de Bishop Universidade Federal do Rio de Janeiro Rafael Monteiro dos Santos As Fronteiras de Shilov e de Bishop Rio de Janeiro 2008 Rafael Monteiro dos Santos As Fronteiras de Shilov e de Bishop Dissertação de Mestrado

Leia mais

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P

EQUIVALÊNCIA E A MATRIZ COMPANHEIRA P Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Campus Rio Pomba Coordenação de Cursos de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Um Teorema de Gromov Sobre Grupos de Crescimento Polinomial

Um Teorema de Gromov Sobre Grupos de Crescimento Polinomial Um Teorema de Gromov Sobre Grupos de Crescimento Polinomial Rafael Montezuma Pinheiro Cabral Orientador: Roberto Imbuzeiro 2 Seminário de Pesquisa Este trabalho foi escrito no período letivo Agosto/Novembro

Leia mais

Uma Introdução aos Sistemas Dinâmicos via Frações Contínuas

Uma Introdução aos Sistemas Dinâmicos via Frações Contínuas Uma Introdução aos Sistemas Dinâmicos via Frações Contínuas Publicações Matemáticas Uma Introdução aos Sistemas Dinâmicos via Frações Contínuas Lorenzo J. Díaz PUC-Rio Danielle de Rezende Jorge impa 26

Leia mais

Um modelo para evolução de HIV positivo para populações em doença plenamente manifesta com parâmetros fuzzy correlacionados.

Um modelo para evolução de HIV positivo para populações em doença plenamente manifesta com parâmetros fuzzy correlacionados. Biomatemática 22 (2012), 27 44 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Um modelo para evolução de HIV positivo para populações em doença plenamente manifesta com parâmetros

Leia mais

Miguel Abreu. Encontro Nacional do Programa Gulbenkian Novos Talentos em Matemática, Fundação Calouste Gulbenkian, 7-8.Setembro.

Miguel Abreu. Encontro Nacional do Programa Gulbenkian Novos Talentos em Matemática, Fundação Calouste Gulbenkian, 7-8.Setembro. Centro de Análise Matemática, Geometria e Sistemas Dinâmicos Instituto Superior Técnico Encontro Nacional do Programa Gulbenkian Novos Talentos em Matemática, Fundação Calouste Gulbenkian, 7-8.Setembro.27

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES

MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES MAT1154 ANÁLISE QUALITATIVA DE PONTOS DE EQUILÍBRIO DE SISTEMAS NÃO-LINEARES VERSÃO 1.0.2 Resumo. Este texto resume e complementa alguns assuntos dos Capítulo 9 do Boyce DiPrima. 1. Sistemas autônomos

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 1 Sexto Ano Prof. Angelo Papa Neto 1 Máximo divisor comum Nesta aula, definiremos e estudaremos métodos para calcular o máximo divisor comum

Leia mais

Aula 17 Continuidade Uniforme

Aula 17 Continuidade Uniforme Continuidade Uniforme Aula 17 Continuidade Uniforme MÓDULO 2 - AULA 17 Metas da aula: Discutir o conceito de função uniformemente contínua, estabelecer o Teorema da Continuidade Uniforme e o Teorema da

Leia mais

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas 2 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas Sumário 1 Transformação de Matrizes.............. 3 1.1

Leia mais

Aplicação do Método de Galerkin para Equações e Sistemas Elípticos

Aplicação do Método de Galerkin para Equações e Sistemas Elípticos Resumo Neste trabalho estudamos a eficiência do Método de Galerkin na resolução de problemas e sistemas Elípticos lineares, não-lineares, variacionias e não-variacionais. Abstract In this work we study

Leia mais

Seqüências, Limite e Continuidade

Seqüências, Limite e Continuidade Módulo Seqüências, Limite e Continuidade A partir deste momento, passaremos a estudar seqüência, ites e continuidade de uma função real. Leia com atenção, caso tenha dúvidas busque indicadas e também junto

Leia mais

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi

Funções e Aplicações. Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Funções e Aplicações Ministrado por Bruno Tenório da S Lopes Coordenado por Profa Dra Edna Maura Zuffi Maio de 2011 Índice 1 - Conjuntos Numéricos... 4 Intervalos... 5 Intervalos finitos... 5 Intervalos

Leia mais

Instituto de Matemática - UFRJ ESPAÇOS DE SOBOLEV. por. L. A. Medeiros M. Milla Miranda. Professor Emérito UFRJ Professor Titular UFRJ

Instituto de Matemática - UFRJ ESPAÇOS DE SOBOLEV. por. L. A. Medeiros M. Milla Miranda. Professor Emérito UFRJ Professor Titular UFRJ Instituto de Matemática - UFRJ ESPAÇOS DE SOBOLEV (Iniciação aos Problemas Elíticos não Homogêneos ) por L. A. Medeiros M. Milla Miranda Professor Emérito UFRJ Professor Titular UFRJ Rio de Janeiro, RJ

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 2. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade II. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 2. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade II. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula Divisibilidade II Definição 1. Dados dois inteiros a e b, com a 0, dizemos que a divide b ou que a é um divisor

Leia mais

Notas de aulas. André Arbex Hallack

Notas de aulas. André Arbex Hallack Cálculo I Notas de aulas André Arbex Hallack Julho/007 Índice 0 Preliminares 0. Números reais.................................... 0. Relação de ordem em IR.............................. 3 0.3 Valor absoluto....................................

Leia mais

ANÁLISE DE UM MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS COM INTERFACE ESTABILIZADA PARA A EQUAÇÃO DE ADVECÇÃO - REAÇÃO

ANÁLISE DE UM MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS COM INTERFACE ESTABILIZADA PARA A EQUAÇÃO DE ADVECÇÃO - REAÇÃO Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática ANÁLISE DE UM MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS COM INTERFACE ESTABILIZADA PARA A EQUAÇÃO DE ADVECÇÃO -

Leia mais

Guia de Estudo de Análise Real

Guia de Estudo de Análise Real Guia de Estudo de Análise Real Marco Cabral Baseado na V2.4 Dezembro de 2011 Introdução O objetivo deste texto é orientar o estudo da aluna(o) em análise real. Ele é baseado no livro Curso de Análise Real

Leia mais

CURSO DE CÁLCULO INTEGRAIS

CURSO DE CÁLCULO INTEGRAIS CURSO DE CÁLCULO MÓDULO 4 INTEGRAIS SUMÁRIO Unidade 1- Integrais 1.1- Introdução 1.2- Integral Indefinida 1.3- Propriedades da Integral Indefinida 1.4- Algumas Integrais Imediatas 1.5- Exercícios para

Leia mais

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y).

Definição. A expressão M(x,y) dx + N(x,y)dy é chamada de diferencial exata se existe uma função f(x,y) tal que f x (x,y)=m(x,y) e f y (x,y)=n(x,y). PUCRS FACULDADE DE ATEÁTICA EQUAÇÕES DIFERENCIAIS PROF. LUIZ EDUARDO OURIQUE EQUAÇÔES EXATAS E FATOR INTEGRANTE Definição. A diferencial de uma função de duas variáveis f(x,) é definida por df = f x (x,)dx

Leia mais

1. Extremos de uma função

1. Extremos de uma função Máximo e Mínimo de Funções de Várias Variáveis 1. Extremos de uma função Def: Máximo Absoluto, mínimo absoluto Seja f : D R R função (i) Dizemos que f assume um máximo absoluto (ou simplesmente um máximo)

Leia mais

Aula 13 Técnicas de Integração

Aula 13 Técnicas de Integração Aula 13 Técnicas de Integração Objetivos da Aula Estudar técnicas especiais de integração: integração por substituição e por partes, mostrando que estes processos são ferramentas poderosas para facilitar

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

através do reticulado hexagonal

através do reticulado hexagonal Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Construção de códigos esféricos através do reticulado hexagonal Carina Alves UFU - Faculdade de Matemática Campus Santa Mônica 38408-100, Uberlândia, MG E-mail: carina

Leia mais

Processamento dos dados

Processamento dos dados Capítulo 9 Processamento dos dados 9.1 Propagação não estatística de erros Suponhamos que é possível estabelecer uma relação de proporcionalidade directa (ver secção3.2) entre duas variáveis. Por exemplo,

Leia mais

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1)

Trabalho Computacional. A(h) = V h + 2 V π h, (1) Unidade de Ensino de Matemática Aplicada e Análise Numérica Departamento de Matemática/Instituto Superior Técnico Matemática Computacional (Mestrado em Engenharia Física Tecnológica) 2014/2015 Trabalho

Leia mais

CAMILA ISOTON CONDIÇÕES NECESSÁRIAS E SUFICIENTES DE OTIMALIDADE PARA PROBLEMAS COM UM E COM VÁRIOS OBJETIVOS

CAMILA ISOTON CONDIÇÕES NECESSÁRIAS E SUFICIENTES DE OTIMALIDADE PARA PROBLEMAS COM UM E COM VÁRIOS OBJETIVOS CAMILA ISOTON CONDIÇÕES NECESSÁRIAS E SUFICIENTES DE OTIMALIDADE PARA PROBLEMAS COM UM E COM VÁRIOS OBJETIVOS CAMILA ISOTON CONDIÇÕES NECESSÁRIAS E SUFICIENTES DE OTIMALIDADE PARA PROBLEMAS COM UM E COM

Leia mais

Histogramas. 12 de Fevereiro de 2015

Histogramas. 12 de Fevereiro de 2015 Apêndice B Histogramas Uma situação comum no laboratório e na vida real é a de se ter uma grande quantidade de dados e deles termos que extrair uma série de informações. Encontramos essa situação em pesquisas

Leia mais

1 Introdução. Problemas Elípticos Assintoticamente Lineares

1 Introdução. Problemas Elípticos Assintoticamente Lineares Problemas Elípticos Assintoticamente Lineares Caíke da Rocha DAMKE; Edcarlos Domingos da SILVA Instituto de Matemática e Estatística, Universidade Federal de Goiás, Campus II- Caixa Postal 131, CEP 74001-970

Leia mais

X.0 Sucessões de números reais 1

X.0 Sucessões de números reais 1 «Tal como a tecnologia requer as tøcnicas da matemætica aplicada, tambøm a matemætica aplicada requer as teorias do nœcleo central da matemætica pura. Da l gica matemætica topologia algøbrica, da teoria

Leia mais

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição

Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição Notas para um curso de Cálculo 1 Duilio T. da Conceição 1 2 Sumário 1 WOLFRAM ALPHA 5 1.1 Digitando Fórmulas e Expressões Matemáticas......... 6 1.1.1 Expoentes......................... 6 1.1.2 Multiplicação.......................

Leia mais

Monotonicidade, Simetria e Comportamento Global em EDPs Elípticas Semilineares

Monotonicidade, Simetria e Comportamento Global em EDPs Elípticas Semilineares Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Instituto de Ciências Exatas ICEx Departamento de Matemática DMat Monotonicidade, Simetria e Comportamento Global em EDPs Elípticas Semilineares Fabrício Goecking

Leia mais

Notas de Aula. Análise na Reta

Notas de Aula. Análise na Reta Notas de Aula (ainda em preparação!) Análise na Reta Higidio Portillo Oquendo http://www.ufpr.br/ higidio Última atualização: 22 de abril de 2015 1 Sumário 1 Preliminares 3 1.1 Conjuntos e Funções....................................

Leia mais

Seno de 30 é um meio?

Seno de 30 é um meio? Seno de 30 é um meio? Adaptado do artigo de Renate Watanabe Acontecem fatos estranhos quando se ensina Trigonometria: Observe as tabelas abaixo, contendo alguns valores de duas funções f e g. x f(x) x

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 Para determinarmos um valor aproximado das raízes de uma equação não linear, convém notar inicialmente

Leia mais

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição 90 1. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 1.1 FUNÇÕES INJETORAS Definição Dizemos que uma função f: A B é injetora quando para quaisquer elementos x 1 e x de A, f(x 1 ) = f(x ) implica x 1 = x. Em

Leia mais

SOFTWARE PARA ESTUDOS DE FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL COMPLEXA: FUNÇÕES ELEMENTARES

SOFTWARE PARA ESTUDOS DE FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL COMPLEXA: FUNÇÕES ELEMENTARES SOFTWARE PARA ESTUDOS DE FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL COMPLEXA: FUNÇÕES ELEMENTARES Edvaldo Lima da Silva 1 Faculdade de Ciências Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência Universidade Estadual Paulista

Leia mais

PP 301 Engenharia de Reservatórios I 11/05/2011

PP 301 Engenharia de Reservatórios I 11/05/2011 PP 301 Engenharia de Reservatórios I 11/05/2011 As informações abaixo têm como objetivo auxiliar o aluno quanto à organização dos tópicos principais abordados em sala e não excluem a necessidade de estudo

Leia mais

1 Imers~oes isometricas

1 Imers~oes isometricas 2 0 Lista de Exerccio de MAT5771 (1 0 semestre 2013) Esta lista cont^em problemas cuja soluc~ao podera ser cobrada em prova. Ela tambem cont^em proposic~oes e teoremas, alguns enunciados e outros demonstrados

Leia mais

22 SÉCULOS A MEDIR ÁREA

22 SÉCULOS A MEDIR ÁREA SÉCULOS A MEDIR ÁREA MIGUEL ABREU E ANA CANNAS DA SILVA. O teorema favorito de Arquimedes Das geniais descobertas e invenções de Arquimedes (87- AC), conta-se que a sua favorita terá sido a de que a superfície

Leia mais

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk

Notas Para um Curso de Cálculo. Daniel V. Tausk Notas Para um Curso de Cálculo Avançado Daniel V. Tausk Sumário Capítulo 1. Diferenciação... 1 1.1. Notação em Cálculo Diferencial... 1 1.2. Funções Diferenciáveis... 8 Exercícios para o Capítulo 1...

Leia mais

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante.

FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO. Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. FONTES DE CAMPO MAGNÉTICO META Aula 8 Caracterizar e mostrar o campo magnético produzido por uma carga a velocidade constante. Mostrar a lei da circulação de Ampère-Laplace e a lei de Biot-Savart. Estudar

Leia mais

Tipos de variáveis aleatórias

Tipos de variáveis aleatórias Tipos de variáveis aleatórias Variáveis aleatórias discretas se assumem um conjunto finito ou infinito numerável de valores. Exemplos: número de pintas que sai no lançamento de um dado; registo, a intervalos

Leia mais

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros

Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Teoria de Erros Métodos Numéricos e Estatísticos Parte I-Métodos Numéricos Lic. Eng. Biomédica e Bioengenharia-2009/2010 O que é a Análise Numérica? Ramo da Matemática dedicado ao estudo e desenvolvimento de métodos (métodos

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino da Matemática

Novas Tecnologias no Ensino da Matemática UFF Novas Tecnologias no Ensino da Matemática 1 Novas Tecnologias no Ensino da Matemática Humberto José Bortolossi http://www.professores.uff.br/hjbortol/ Lista 8 ATIVIDADE 1 Uma outra maneira de se poupar

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 A Nome: RG: Assinatura: Instruções A duração da prova é de duas horas. Assinale as alternativas corretas na folha de respostas que está

Leia mais

Sinopse da Teoria da Escolha

Sinopse da Teoria da Escolha 14.126 Teoria dos Jogos Sergei Izmalkov e Muhamet Yildiz Outono de 2001 Sinopse da Teoria da Escolha Esta nota resume os elementos da teoria da utilidade esperada. Para uma exposição em detalhes dos quatro

Leia mais

Terceira Lista. 1 Ainda sobre domínios com fatoração única

Terceira Lista. 1 Ainda sobre domínios com fatoração única Terceira Lista Corpo de frações e elementos inteiros 1 Ainda sobre domínios com fatoração única Vamos inicialmente deixar mais claro o que se entendo por fatoração única na denição da página 8 da lista

Leia mais

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1.

1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1. 2.1 Domínio e Imagem EXERCÍCIOS & COMPLEMENTOS 1.1 1. Dê o domínio e esboce o grá co de cada uma das funções abaixo. (a) f (x) = 3x (b) g (x) = x (c) h (x) = x + 1 (d) f (x) = 1 3 x + 5 1 3 (e) g (x) 2x

Leia mais

Medida de correlação entre padrões pontuais de origemdestino

Medida de correlação entre padrões pontuais de origemdestino Medida de correlação entre padrões pontuais de origemdestino Renato M. Assunção, Danilo L. Lopes Departamento de Estatística Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Caixa Postal 70 3170-901 Belo Horizonte

Leia mais

Sobre Domínios Euclidianos

Sobre Domínios Euclidianos Sobre Domínios Euclidianos Clarissa Bergo Bianca Fujita Lino Ramada João Schwarz Felipe Yukihide Setembro de 2011 Resumo Neste texto, apresentaremos formalmente o que vem a ser domínio euclidiano, alguns

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II ANÁLISE MATEMÁTICA II Acetatos de Ana Matos Noções Básicas de Funções em R n Topologia DMAT Noções Básicas sobre funções em n Introdução Vamos generalizar os conceitos de limite, continuidade e diferenciabilidade,

Leia mais

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0.

4.1 Em cada caso use a definição para calcular f 0 (x). (a) f (x) =x 3,x R (b) f (x) =1/x, x 6= 0 (c) f (x) =1/ x, x > 0. 4. Em cada caso use a definição para calcular f 0 (). (a) f () = 3, R (b) f () =/, 6= 0 (c) f () =/, > 0. 4.2 Mostre que a função f () = /3, R, não é diferenciável em =0. 4.3 Considere a função f : R R

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

Introdução à Topologia Resoluções de exercícios. Capítulo 1

Introdução à Topologia Resoluções de exercícios. Capítulo 1 Introdução à Topologia Resoluções de exercícios Exercício nº5 (alíneas 3. e 4.) Capítulo 1 É imediato, directamente a partir da definição, que, dados r, s Q, d p (r, s) e que d p (r, s) = se e só se r

Leia mais

O AXIOMA DA ESCOLHA, O LEMA DE ZORN E O TEOREMA DE ZERMELO

O AXIOMA DA ESCOLHA, O LEMA DE ZORN E O TEOREMA DE ZERMELO O AXIOMA DA ESCOLHA, O LEMA DE ZORN E O TEOREMA DE ZERMELO Resumo. Após uma breve discussão sobre as origens do Axioma da Escolha, discutiremos nessas notas a equivalência das três asserções do título

Leia mais

O Conceito de n-varifold e EDP

O Conceito de n-varifold e EDP UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA O Conceito de n-varifold e EDP Fernanda Gonçalves de Paula São Carlos - SP 2006 UNIVERSIDADE

Leia mais

Princípio das casas de pombo

Princípio das casas de pombo Princípio das casas de pombo Márcia R. Cerioli IM e COPPE, UFRJ Renata de Freitas IME, UFF Petrucio Viana IME, UFF Maio de 2014 1 Introdução Neste texto, apresentamos e exemplificamos o Princípio das Casas

Leia mais

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Resumo Marcos Henrique de Carvalho 1 Gabriel Alves da Costa Lima 2 Antonio Elias Junior 3 Sergio Rodrigues

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação Edital de Abertura n.º09/2016 PROPEP/UFAL P á gina 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria de Pós-Graduação EDITAL 09/2016-PROPEP/CPG-UFAL ABERTURA DE PROCESSO

Leia mais

Diferenciais inexatas e o fator integrante

Diferenciais inexatas e o fator integrante Métodos Matemáticos 202 Notas de Aula Equações Diferenciais Ordinárias III A C Tort 2 de outubro de 202 Diferenciais inexatas e o fator integrante imos que a EDO implícita: é exata se e apenas se: M(x,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral II

Cálculo Diferencial e Integral II 1 álculo Diferencial e Integral II Exercícios para as aulas práticas - 5 1. alcule o integral estendido a, ds, em que é o segmento de recta de x y extremos A(0, 2) e B(4, 0), percorrido de A para B. 2.

Leia mais