SAFIRA NEWS Rua Nova do Arquinho, Maia tel fax

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SAFIRA NEWS Rua Nova do Arquinho, 382 4475 365 Maia tel 22 9619530 fax 22 9619539 www.safira-fs.com"

Transcrição

1 NEWSLETTER 021 Abril 2010 Responsável de Redacção Joana Sousa Fotografia: Arquivo Safira Tiragem 5000 Exemplares SAFIRA NEWS Rua Nova do Arquinho, Maia tel fax EDITORIAL Caros colegas, Como é do conhecimento geral o ano de 2010 irá decorrer no país e no Mundo em geral sob a égide de uma profunda crise económica e financeira. Daí ser fundamental que cada um de nós se esforce em contribuir com todo o seu empenho de forma a vencermos mais rapidamente os desafios que nos colocam. E esses contributos, ao nível das empresas, e em particular da nossa, podem ser evidenciados através do maior esforço e dedicação possíveis para cumprirmos as funções que desempenhamos. Creio que todos estamos de acordo que, somente gerando mais riqueza será possível manter ou melhor termos uma Safira preparada para vencer a crise com menor dificuldade. É também nesse contexto de esforço que decidimos dar mais um passo na introdução de alguns novos serviços a oferecer ao mercado. Com o recente lançamento no mercado do projecto Serviços Especiais recuperação de tectos, tratamento de pavimentos e lavagem de superfícies em altura esperamos ter um efectivo reconhecimento da sua valia e, como tal, seja possível constatar um acréscimo do volume de negócios da Safira. Estou certo que com este desejável esforço conjunto trabalhadores e empresa venceremos com menos dificuldades este desafio dos próximos anos e, desse modo, confirmaremos a nossa empresa como um dos maiores empregadores do país, um ponto que não poderá deixar de ser registado como um significativo contributo social da Safira no indispensável desenvolvimento do país. Dr. António Vasconcelos EDITORIAL PG1 ESPAÇO DESTAQUES NOVOS ARRANQUES DOP NORTE POR INÊS REIS PG2 NOVOS ARRANQUES DOP SUL POR ESTEVES CARVALHO PG2 DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS POR MÁRIO FERREIRA PG3 EXTERNALIZAÇÃO DA LOGÍSTICA POR MÁRIO FERREIRA PG3 ESPAÇO QAS NOVA METODOLOGIA DE ARRANQUE DO SERVIÇO POR INÊS REIS PG4 CUMPRIMENTO DE REGRAS AMBIENTAIS E DE SEGURANÇA NOS CLIENTES POR JOANA SOUSA PG5 INCIDENTES DE TRABALHO POR SOFIA SOUSA PG5 CONSULTA AOS TRABALHADORES POR MÁRIO FERREIRA PG6 PLANO DE FORMAÇÃO 1.º SEMESTRE POR ANA PEREIRA PG6 AS NOSSAS PESSOAS FESTA DE NATAL PG7 NOVAS ADMISSÕES PG7 ESPAÇO DO LEITOR PG8 LIMPAR A RIR PG8

2 2 SAFIRA NEWS ESPAÇO DESTAQUES NOVOS ARRANQUES DOP NORTE POR INÊS REIS Desde o início do ano, no âmbito da responsabilidade da DOP Norte, fomos chamados a iniciar actividade em vários prestigiados clientes, tendo a oportunidade de aplicar em todos eles a nova metodologia de sistematização de planeamento de manutenção descrita no Espaço QAS, com, até à data, evidentes bons resultados. Dentro destes novos clientes, por ordem cronológica, podemos distinguir a cadeia de lojas Staples, muitos objectos da cadeia de agências de viagem Abreu, o IKEA de Matosinhos, o Leroy Merlin de Matosinhos e muito recentemente 3 Hipermercados da cadeia Jumbo. Para que estes arranques pudessem concretizar-se com serenidade e com resultados de curto prazo no que diz respeito à limpeza dos espaços e à satisfação dos clientes, tenho que realçar o mérito da minha diligente equipa operacional. Desde Coordenadores a Encarregados, passando claro está pelos Supervisores (pedra basilar destes processos), todos têm sido incansáveis. Sempre disponíveis, flexíveis e imbuídos de grande espírito de equipa e responsabilidade. Obrigada! Vamos continuar o bom trabalho com esta atitude de vencedores! NOVOS ARRANQUES DOP SUL POR ESTEVES CARVALHO Apesar das dificuldades que o país atravessa, de grande perturbação económica/ financeira, a Safira tem continuado a merecer a confiança dos seus clientes, e o mercado tem-nos como uma empresa de referência no sector, o que nos tem permitido continuar a crescer. Este crescimento está directamente associado à melhoria dos nossos processos e procedimentos em todos os segmentos em que actuamos, sustentada pela extensão do âmbito da nossa Certificação a toda a actividade da empresa. Na Direcção de Operações Sul este crescimento pode ser sintetizado da seguinte forma: Ganhámos o contrato nacional das AGENCIAS VIAGENS ABREU, representando para a direcção de operações sul a abertura de 35 lojas em 2009, totalizando nesta data um total de 50 lojas. Começámos o ano de 2010 com a abertura de 17 lojas da STAPLES OFFICE CENTER e do seu Entreposto na Azambuja. Nestes locais trabalhamos de 2ª feira a sábado com uma carga horária média diária de seis horas. Começámos a trabalhar numa unidade industrial de equipamentos e aparelhos médico-ciirúrgicos e de electromedicina, CODAN PORTUGAL, com uma equipa composta por oito trabalhadoras, com uma exigência de formação muito especializada, dadas as especificidades desta unidade fabril, nomeadamente com espaços destinados a operações diversas, com elevado controlo de contaminantes e poluentes ambientais. Após três anos de trabalho em parceria com os responsáveis dos Hospitais SANTA MARIA e PULIDO VALENTE, introdução de novos métodos de limpeza, reorganização da equipa local, conseguimos atingir níveis de desempenho e de qualidade que levaram o Centro Hospitalar Lisboa Norte a renovar o contrato com a Safira, por mais três anos, como reconhecimento de todo o empenho que dedicámos ao seu projecto. A 1 de Abril iniciámos a nossa parceria com o Grupo AUCHAN, tendo começado a trabalhar nos Hipermercados JUMBO de Almada e de Torres Vedras. Alargámos a nossa presença na SONAE SIERRA com a abertura do Centro Comercial LEIRIA SHOPPING, aonde trabalhamos com um efectivo Em todas estas situações, foi muito gratificante lidar com clientes muito interessantes, prestáveis, correctos e empenhados em criar relações de verdadeira parceria, que se mostraram abertos a novas metodologias, novos sistemas de trabalho e extremamente colaborantes na criação das condições de retaguarda que tanto auxiliam no desenvolvimento de um serviço que realmente crie valor. Ainda em 2009, o nosso portefólio de clientes passou a contar com o maior Centro Comercial de Portugal e um dos maiores da Europa, o DOLCE VITA TEJO do grupo Chamartin, com cerca de 300 lojas e 9000 lugares de estacionamento, aonde temos actualmente um efectivo de 110 pessoas. Na última semana da limpeza de obra trabalhámos com uma média de 200 pessoas divididas por três turnos. de cerca de 25 trabalhadores. A limpeza de obra obrigou a um grande recrutamento local de trabalhadores através do Centro de Emprego de Leiria e à colaboração de equipas internas tanto do Porto como de Lisboa, para conseguirmos ter nos últimos dias um efectivo a rondar os oitenta trabalhadores. Encontram-se em concurso outros contratos de grande dimensão e prestígio, cuja expectativa de que alguns fiquem sob a nossa responsabilidade, é grande.

3 SAFIRA NEWS 3 DESENVOLVIMENTO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS POR MÁRIO FERREIRA Face aos crescentes desafios que se colocam no âmbito dos Facility Services, a Safira tem procurado estar atenta a novas oportunidades de negócio que possam representar uma maisvalia para o mercado, em geral, e para os nossos parceiros de negócio, em particular. Sabemos que é importante para qualquer empresa proporcionar uma imagem cuidada, um ambiente de trabalho mais limpo, saudável e confortável, daí termos desenvolvido contactos que potenciam parcerias em áreas onde se tem vindo a notar uma crescente solicitação. A Safira disponibiliza assim aos seus clientes os seguintes serviços: 1. Recuperação de tectos: > Acrílicos; > Metálicos; > Vinílicos. Este serviço sustenta-se em tecnologia e materiais desenvolvidos e produzidos nos Estados Unidos da América, e assegura a regeneração dos tectos falsos, garantindo uma limpeza e higienização profunda dos tectos através de técnicas ecológicas, que recorrem a materiais que respeitam o ambiente e a saúde dos seus trabalhadores. Trata-se de um sistema inovador, caracterizado pela utilização de enzimas emulsionantes, oxidantes e desencrostantes que modificam as propriedades da sujidade, transformando-a em partículas, que caem em pó ou são removidas com tecidos apropriados (turcos). Na aplicação do método, todo o mobiliário é protegido, não sendo interrompido o decurso normal da actividade desse espaço e sem qualquer interferência na produtividade do seu negócio. antes >> depois 2. Tratamento de pavimentos: > Granitos; > Mármores; > Grés; > Cerâmicos. Com este tratamento, pretende-se atingir o duplo objectivo de aumentar a durabilidade do mesmo e, sobretudo, de melhorar as condições de limpeza e brilho da superfície, acrescentando valor ao investimento subjacente na sua aplicação. Muito embora para cada tipo e estado de pavimento exista um tratamento apropriado e diferenciado, é crítico manter as propriedades das superfícies, mas, sobretudo, evitar o seu desgaste prematuro. Com estes novos serviços, procura-se diversificar e aumentar a oferta de serviços aos clientes. Em ambos os casos, existem exemplos bem sucedidos de concretização destes trabalhos com boa aceitação por parte do cliente. 3. Lavagem de superfícies em altura: > Vidradas; > Acrílicas; > Metálicas. Com um alcance de cerca de 20m, a partir do solo, este sistema permite a lavagem de superfícies em condições de total segurança e de grande eficácia. É caracterizado pelo significativo aumento de produtividade face aos sistemas de lavagem tradicionais. EXTERNALIZAÇÃO DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO POR MÁRIO FERREIRA Os sistemas logísticos das empresas confrontamse diariamente com um conjunto de operações muito especializadas e perfeitamente inter-relacionadas, que podem ser abordadas de uma outra forma, a subcontratação. Embora ainda pouco desenvolvida no nosso sector, este tipo de abordagem pode constituir um salto qualitativo e diferenciador na prestação dos nossos serviços. As principais actividades logísticas a subcontratar são as seguintes: > Gestão de materiais; > Armazenagem; > Transporte; > Distribuição e entregas. Os objectivos que fundamentam a escolha pela subcontratação são basicamente: 1. Redução de Custos: Pode ser obtida pelo aproveitamento de economias de escala e ganhos de produtividade. A qualidade do serviço e a fiabilidade das operações é geralmente superior quando feita por empresas especializadas. O prestador de serviço conhece melhor os seus custos logísticos, o que facilita a definição de preços e de outras condições de satisfação da encomenda. 2. Melhoria da qualidade, produtividade e eficiência do serviço: O operador logístico tem altos níveis de eficiência e qualidade, em virtude do seu conhecimento e experiência específica; 3. Maior flexibilidade em função das flutuações do mercado: O operador logístico adapta-se operacionalmente, em função das flutuações do mercado; 4. Maior atenção ao negócio: Permite à Safira centrar-se no seu negócio, deixando as actividades complementares para especialistas, possibilitando às operações um acompanhamento contínuo e mais dedicado aos nossos clientes; 5. Diminuição do risco: Com um mercado e tecnologias que se mantêm em dinamismo permanente, a subcontratação logística reduz os riscos, pela diminuição de investimentos, sendo estes transferidos para o operador; 6. Impacte ambiental indirecto positivo: Com a gestão do operador logístico, reduzem-se os resíduos gerados e optimiza-se o tempo de vida das embalagens.

4 4 SAFIRA NEWS ESPAÇO QAS NOVA METODOLOGIA DE ARRANQUE DO SERVIÇO POR INÊS REIS Sempre que há uma nova adjudicação de um serviço, a Equipa Operacional com a responsabilidade pelo Objecto em questão, planeia e organiza a actividade, de forma a iniciar uma prestação de serviços de limpeza, que desde o seu arranque seja eficaz, produzindo bons resultados no curto prazo e sendo capaz, desde o seu início, de ir de encontro às expectativas do cliente. Como forma de suportar e sistematizar esse arranque é preparado o FORM 0129 PLA- NEAMENTO DA LIMPEZA DE MANUTENÇÃO. Este formato tem a configuração de uma capa e tem 2 objectivos principais. O primeiro é conter no seu interior toda a informação essencial, que a equipa operacional tem que conhecer, para iniciar a manter o serviço conforme o previamente acordado na fase de celebração do contrato. Esta informação, será suportado, no mínimo, pelos seguintes elementos: > Adjudicação formal contendo a identificação e morada do objecto alvo do serviço, data do arranque do serviço, nome do interlocutor por parte do cliente e respectivos meios de contacto e a identificação generalista do âmbito do serviço a prestar (se é apenas serviço de limpeza de manutenção, se inclui consumíveis e/ou healthcare, etc ) > Estrutura de carga horária adjudicada (meios humanos a afectar em que horários e em que dias da semana) > Plano geral de actividades (lista da actividades de limpeza a efectuar nas áreas funcionais abrangidas e sua respectiva periodicidade) > Quadro de equipamentos previsto consubstanciado na respectiva requisição (máquinas e equipamentos ligeiros, como carros de piquete, duo-mops, armários, cacifos, prateleiras, etc ) > Produtos e materiais necessários para o arranque - consubstanciados na respectiva requisição de produtos e materiais. > Outros elementos relevantes que enquadrem o serviço a ser prestado, nomeadamente o caderno de encargos do cliente (quando este exista) ou a nossa proposta, ou parte dela, quando esta mencione outros compromissos assumidos contratualmente, para além dos acima descritos. Para além da informação acima mencionada, essencialmente de enquadramento da operação propriamente dita, o dossier de PLANEAMENTO DA LIMPEZA DE MANUTENÇÃO contém também alguns elementos relacionados com salvaguarda das questões ambientais e de segurança, nomeadamente: > Lista de aspectos e impactes ambientais e de perigos e riscos aplicável ao segmento em que o Objecto em questão se enquadra: Isto para que a equipa do arranque seja capaz de verificar se para além do já identificado no universo da Safira, o Objecto em particular encerra quaisquer outras questões desta natureza que tenham que ser consideradas/analisadas. > Form 0126 Locais para separação selectiva de resíduos e despejo das águas residuais: Para que se possa definir desde o início, conjuntamente com o cliente, as regras relativas a esta questão. > Form 0120 Emergência e 1.os socorros Informações particulares de cada Objecto: Para que se possa definir desde o início, conjuntamente com o cliente, em situação de emergência, quais os contactos e meios de alarme, os sinais de alarme os responsáveis pela prestação dos 1.ºs socorros e a localização do material para prestação dos 1.ºs socorros. O segundo grande objectivo do formato de PLANEAMENTO DA LIMPEZA DE MANUTENÇÃO, é servir de check-list para garantir que todos os aspectos fundamentais são vistos em tempo útil. Estes aspectos organizam-se temporalmente em 3 etapas cruciais: > Fase 1 - A preparação do arranque > Fase 2 O arranque da operação de limpeza > Fase 3 Afinação do serviço e consolidação do controlo operacional A FASE 1 INICIA-SE SEMPRE COM UMA VISTA PRÉVIA AO LOCAL. Nesta vista prévia deve validar-se localmente o plano de actividade e o quadro de equipamentos e deve recolher-se a informação necessária para a correcção/elaboração de requisições de material e produtos. É também nesta altura que se devem verificar se existem aspectos ambientais ou perigos que a Safira ainda não tenha identificado para o segmento em que o Objecto se insira, bem como outros requisitos específicos como por exemplo os relacionados com segurança alimentar, higiene hospitalar, etc.. Nesta primeira visita deverá tentar-se iniciar com o cliente, uma relação que se pretende estreita e de confiança no futuro. Nesta primeira visita deverá em conjunto com o cliente ajustar-se todas as questões relativas a acessos, às instalações (arrecadações, vestiários, refeitórios), utilidades, apoios e regras internas. Logo nessa altura se deve tentar preencher com o cliente o FORM 120 e 126. Quando possível e apropriado deve aproveitar-se para contactar com os colaboradores do local e/ou seus encarregados para por essa via recolher informação para requisição do fardamento e para pedir toda a documentação necessária para elaborar os processos de admissão (Boletim de candidatura/informação). Se numa primeira visita isso não puder acontecer, deve logo que possível (se autorizado) combinar-se uma segunda visita especialmente para esse efeito. Esta altura deve também servir para identificar potenciais necessidades de recrutamento. No caso de um Objecto novo elas são evidentes, no caso de haver transferência de pessoal deverá tentar-se, logo nesta altura, identificar horários em aberto, potenciais desistências, etc. Potenciais excessos que tenham que conduzir a reduções, transferências ou demissões, devem também, se possível, ser identificados nesta fase. No final do que ainda é a Fase 1, deve preparar-se a logística do arranque, que pressupõe no mínimo a recepção e organização de máquinas, equipamentos, produtos e materiais, para o dia e hora do arranque. A FASE 2, CORRESPONDE AO ARRANQUE PROPRIAMENTE DITO E DIAS QUE IMEDIA- TAMENTE SE SEGUEM (CERCA DE UMA SEMANA EM OBJECTOS MAIORES). Comporta a distribuição inicial de fardamentos, EPIs e materiais de trabalho e o treino e formação inicial sumário dos trabalhadores de limpeza. Esta formação (correspondendo a fase inicial de formação de acolhimento) tem como objectivo garantir que os trabalhadores sabem utilizar os novos equipamentos, materiais e produtos e para garantir a execução das actividades de uma forma correcta.

5 SAFIRA NEWS 5 Quando aplicável, esta fase servirá também como uma fase de observação da organização e método de equipas pré-existentes, para identificar a necessidade de introduzir melhorias para potenciar a produtividade e o desempenho. A ÚLTIMA FASE, FASE 3, É COMO O SEU NOME INDICA UMA FASE DE AFINAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO. Antes de mais pressupõe a sedimentação do sistema de registo de assiduidade e o término dos processos dos funcionários a fim de se poder em seguida definir uma escala e um horário de trabalho adequado ao contratado. Eventuais alterações à estrutura de pessoal devem ser encetadas e terminadas logo nesta fase inicial. Depois do normal alvoroço inicial é a fase de organizar as equipas e as pessoas que as constituem, incorporando no método de distribuição do trabalho as eventuais melhorias que já se tenha detectado poderem ser introduzidas. Dentro do possível essa organização deverá ser vertida para as ferramentas de controlo operacional (planos de trabalho, ordens de serviço) e para a sistemática de registos que nesta altura se implementa. Esta também nesta fase posterior que se completa a formação de acolhimento dos colaboradores, incorporando a componente técnica e de Sistema de Gestão QAS. O FORM 0129 PLANEAMENTO DA LIMPE- ZA DE MANUTENÇÃO, deverá ser uma ferramenta para garantir que todos os passos acima descritos foram dados com precisão e em tempo útil. Este impresso deve ser preenchido para cada novo serviço de limpeza, sendo que a garantia da execução das etapas expressas no mesmo, fica a cargo de quem estiver identificado como Responsável (Pivot) - por defeito será o Coordenador do Objecto em causa. Depois de terminado o processo, o documento, é arquivado centralmente (na Direcção de Operações respectiva), assumindo-se nessa altura que a operação está em estado estacionário. Nas situações em que o planeamento do serviço exija pela sua dimensão ou complexidade uma equipa de arranque pluridisciplinar (envolvimento de outros departamentos) o Responsável (Pivot) passa a ser o Director de Operações correspondente. Todos os aspectos da check-list devem ter evidência de terem sido verificados. De acordo com o definido na Chek-list, na fase 3 - Afinação do serviço e consolidação do controlo operacional, o QAS com base nas informações fornecidas pelas operações, elabora e implementa o Dossier QAS afecto ao Objecto, dossier este que terá que estar disponível no prazo de cerca de 1 mês após o arranque da operação. CUMPRIMENTO DE REGRAS AMBIENTAIS E DE SEGURANÇA NOS CLIENTES POR JOANA SOUSA A Safira é uma empresa certificada pelas normas internacionais de Qualidade, Ambiente e Segurança. Preocupa-se com a satisfação dos seus clientes, mas também com os seus colaboradores e com a sociedade em geral. Foi neste contexto de responsabilidade social para com o ambiente que nos rodeia e para com os nossos colaboradores, que estabelecemos os seguintes compromissos: > Utilizar metodologias que visem a prevenção da poluição associada às nossas actividades e efectuar uma gestão adequada dos resíduos produzidos; > Considerar os impactes Ambientais e riscos de Segurança, nos métodos, materiais, equipamentos e produtos utilizados; > Formar os nossos colaboradores, de modo a conduzirem a sua actividade segundo as especificações do Serviço e os princípios e valores da Empresa, de forma ambientalmente responsável e a não se exporem a riscos desnecessários. > Seguir as metodologias e procedimentos instituídos pelo cliente. A Safira e o Ambiente: Queremos que a nossa actividade tenha o mínimo de impacto sobre o Ambiente! > Só trabalhamos com produtos e materiais amigos do Ambiente, com baixa carga poluente! > Há regras que temos implementar no terreno! Segregação dos resíduos dos nossos clientes; Segregação dos resíduos da nossa actividade; Despejo dos resíduos líquidos nos locais indicados. Como fazemos para estabelecer e garantir o cumprimento destas regras? Consultando o documento FORM com a descrição do tempo e locais para separação de resíduos e despejo das águas residuais Segurança nos Serviços de Limpeza: Os nossos serviços são prestados nas instalações do cliente, e como tal, devemos garantir o conhecimento de quais os procedimentos a seguir em caso de emergência nas instalações do cliente, tais como: > Como actuar em caso de detecção de um incêndio, quem alertar e quais os procedimentos de evacuação a seguir; > Quais os sinais de alarme dados pelo cliente, sonoros ou luminosos; > Quem contactar no caso de necessidade de 1.ºs socorros. Como fazemos para estabelecer e garantir o cumprimento destas regras? Consultanto o documento FORM com a descrição do modo de actuação nas várias situações de emergência e 1os Socorros. INCIDENTES DE TRABALHO POR SOFIA SOUSA Um incidente pode definir-se como facto não desejado que poderá causar perda humana ou material. Normalmente são considerados como alertas, que quando não tratados, podem resultar num acidente. Para que tal não aconteça devem ser comunicados ao Técnico Superior de Higiene e Segurança, através de um documento (Formulário 0073) no qual esteja descrito não só o incidente mas também o local e algumas sugestões de melhoria. O levantamento destas situações é considerado um dos procedimentos mais importantes para o sucesso de um Sistema de Gestão de Segurança uma vez que são relativamente frequentes. Este procedimento é necessário na medida em que permite reforçar a importância das boas práticas de Segurança no Trabalho e apontar as falhas do sistema de gestão que implicam um risco iminente de acidente. Para além disso, destaca o essencial envolvimento de todos os colaboradores, uma vez que, ninguém conhece melhor o local de que quem trabalha no mesmo. Assim, torna-se possível o aumento do número de perigos identificados e ao mesmo tempo sensibilização de todos envolvidos para os perigos e risco a que estão sujeitos.

6 6 SAFIRA NEWS CONSULTA AOS TRABALHADORES POR MÁRIO FERREIRA De acordo com a legislação aplicável (n.º3 do Art.º 275 da Lei 99/2003; Art.º 9 do DL 50/2005, Art.º 7 e 8 DL 330/93, Art.º 6, 9 e 10 DL 348/93), a Safira deve periodicamente consultar os trabalhadores sobre os aspectos relacionados com a higiene e segurança no trabalho. Desta forma, abaixo indicamos alguns dos aspectos para os quais agradecemos vosso retorno: > avaliação de riscos para segurança; > medidas de segurança, higiene e saúde > formas de acidente de trabalho; > equipamento de protecção individual disponibilizado no local de trabalho; > estado de conservação das máquinas e sua utilização; > outros assuntos que considere de interesse nesta matéria. Para enviarem a vossa opinião relativamente a estas matérias deverão endereça-las ao Técnico Superior de Higiene e Segurança no Trabalho da Safira. Telef: Fax: PLANO DE FORMAÇÃO 1.º SEMESTRE POR ANA PEREIRA De seguida, apresenta-se o Plano de Formação em sala para o 1.º Semestre de PLANO DE FORMAÇÃO 1º SEMESTRE CURSO DESTINATÁRIOS LOCAL JAN FEV MAR ABR MAI JUN TÉCNICAS PROFISSIONAIS DE LIMPEZA I TÉCNICAS PROFISSIONAIS DE LIMPEZA I TÉCNICAS PROFISSIONAIS DE LIMPEZA I TÉCNICAS PROFISSIONAIS DE LIMPEZA I TÉCNICAS PROFISSIONAIS DE LIMPEZA II TÉCNICAS PROFISSIONAIS DE LIMPEZA II TÉCNICAS PROFISSIONAIS DE LIMPEZA II TÉCNICAS PROF. LIMPEZA - CENT. COMERCIAIS TÉCNICAS PROF. LIMPEZA - CENT. COMERCIAIS TÉCNICAS PROF. LIMPEZA - CENT. COMERCIAIS TÉCNICAS PROFISSIONAIS DE LIMPEZA - ESCRITÓRIOS TÉCNICAS PROF. LIMPEZA - SECTOR ESCRITÓRIOS TÉCNICAS PROF. LIMPEZA - SECTOR ESCRITÓRIOS TÉCNICAS PROF. LIMPEZA - HIPERMERCADOS GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA PASSAPORTE DE SEGURANÇA PASSAPORTE DE SEGURANÇA CURSO PRÁTICO SEGURANÇA E AMBIENTE CURSO PRÁTICO SEGURANÇA E AMBIENTE HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO NOVOS PROC. PLAN., ARRANQUE E ACOMP. SERVIÇO NOVOS PROC. PLAN., ARRANQUE E ACOMP. SERVIÇO NOVOS PROC. PLAN., ARRANQUE E ACOMP. SERVIÇO GESTÃO AMBIENTAL ALTERAÇÕES SGI QAS E ESTRUTURA DOCUMENTAL GESTÃO DE EQUIPAS GESTÃO DE EQUIPAS MÓDULOS OPERACIONAIS DO ERP/SIG2000 EVOLUÇÃO DO SIB PARA ERP: MÓDULO RECURSOS HUMANOS ENCARREGADOS ENCARREGADOS ENCARREGADOS SUPERVISORES TLS E SUPERVISORES SUPERVISORES NORTE SUPERVISORES SUL ELEMENTOS DA ESTRUTURA CENTRAL COORD. E TÉCNICOS F&D SUPERVISORES NORTE SUPERVISORES SUL ELEMENTOS ESTRUTURA CENTRAL ELEMENTOS ESTRUTURA CENTRAL ELEMENTOS ESTRUTURA CENTRAL COORDENADORES DE OPERAÇÕES COORDENADORES DE OPERAÇÕES ELEMENTOS DRH COIMBRA S. JOÃO MADEIRA MATOSINHOS MATOSINHOS V.N. GAIA V.N. GAIA MILHEIRÓS MILHEIRÓS MATOSINHOS COIMBRA MILHEIRÓS MILHEIRÓS 20,21,22,26,27 18,19,20,21 5,6,7,8 11,12,13,14,15 11, ,28 12,20 18,19,23,24,25 1,2,3,4 8,9 5,10,11 3,9 22,24 3,4,5,23,24 18,19,20,21 22,23,24,25 23,24,25,26 8,10 9,25 7,8,14,15,16 4,5,6,25,26 20,26 5,12 12,19 7,8,9,23,24 22,23,24,28,29 22, 28 15,23

7 SAFIRA NEWS 7 AS NOSSAS PESSOAS 2 1 No dia 16 de Dezembro de 2009, realizou-se a Festa de Natal da Safira, na Batalha, tendo sido uma oportunidade de convívio e confraternização, neste período especial do ano. Foi óptimo contar com a boa-disposição e alegria de todos, o ingrediente mais importante da festa! 3 ADMISSÕES 1 SOFIA SOUSA Administrativa QAS 2 BEATRIZ MENDES Encarregada Geral 3 LEONOR SOUSA Supervisora de Operações

8 Este espaço continua a estar reservado para si, por isso envie-nos o seu contributo: Sugestões de formas inovadoras ou alternativas para executar as tarefas de limpeza por forma a, por exemplo, tornar a sua execução mais ergonómica e confortável, minimizar o impacto no ambiente, evitar riscos para a sua saúde e segurança e tornar as operações mais produtivas e eficientes. Conte-nos também as suas vivências pessoais enquanto nosso colaborador, as dificuldades sentidas na execução das suas tarefas, histórias e tudo mais que esteja relacionado com a sua actividade na Safira. Queremos ouvi-lo! CONTACTOS: Fax nº: (ao cuidado de Ana Pereira) Carta: Enviada para Rua Nova do Arquinho, 382, Milheirós Maia ou entregue em mão ao seu chefe directo. UTILIZAR O TELEMÓVEL EM SEGURANÇA Os telemóveis emitem radiações que, embora baixas, estão muito perto do corpo. Assim, ao usar o telemóvel com muita frequência opte por usar auriculares ou sistema de mãos livres, de forma a manter o telemóvel afastado da cabeça e do corpo enquanto fala. O TELEMÓVEL E AS CRIANÇAS Como as crianças têm uma massa craniana mais leve do que os adultos são mais sensíveis às radiações. Crianças com idade inferior a oito anos não devem utilizar o telemóvel. Os menores com idades entre os oito e os catorze anos devem fazer um uso bastante restrito, aconselhando-se sistemas de mãos livres ou o uso de mensagens de texto de forma a evitar que os telemóveis fiquem perto da cabeça. O TELEMÓVEL EMITE MAIS RADIAÇÕES: > Quando existe pouca rede evite telefonar situações; > Quando se marca um número e se faz uma ligação, enquanto esta se estabelece deve aguardar uns segundos antes de aproximar o telemóvel do ouvido. PROTEJA-SE: Não transporte o telemóvel nos bolsos da camisa ou calças (próximo do coração ou virilhas); Durante a noite ou quando não estiver à espera de chamadas, mantenha o telemóvel desligado. Apesar de em menor quantidade, mesmo sem falar emite radiações quando está ligado. LIMPAR A RIR O ACOLHIMENTO E FORMAÇÃO DE INTEGRAÇÃO... A formação tem de ser uma prioridade... Quero desenvolver um programa completo de integração, logo que termine a limpeza...

SAFIRA NEWS Rua Nova do Arquinho, 382 4475 365 Maia tel 22 9619530 fax 22 9619539 www.safira-fs.com

SAFIRA NEWS Rua Nova do Arquinho, 382 4475 365 Maia tel 22 9619530 fax 22 9619539 www.safira-fs.com NEWSLETTER 019 Abril 2009 Responsável de Redacção Ana Pereira Fotografia: Arquivo Safira Tiragem 4500 Exemplares SAFIRA NEWS Rua Nova do Arquinho, 382 4475 365 Maia tel 22 9619530 fax 22 9619539 www.safira-fs.com

Leia mais

Entrevista n.º 1. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 1. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 1 Empresa: Festa & Festa Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são os objectivos

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO Portaria n.º 1522-B/2002 de 20 de Dezembro Assistente de recinto desportivo...3 Definições...3 Funções...3 Deveres...4 Formação...4 Módulos de formação

Leia mais

O Nosso objectivo? O Vosso sucesso...

O Nosso objectivo? O Vosso sucesso... Apresentação À mais de 20 anos que a equipa de colaboradores da CONCIERGE SERVICES é especializada nas mais modernas técnicas de limpeza. Propomos soluções a situações particulares, oferecendo um serviço

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 03.10 Normas Nacionais de Desminagem Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

PHC Mensagens SMS CS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS CS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS CS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso:

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 5 Empresa: Aurélios Sobreiros Lda. Encarregado 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT PROJECTOS DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE COMPETÊNCIAS INTERNAS DE I&DT: NÚCLEOS DE I&DT AVISO N.º 08/SI/2009 REFERENCIAL DE ANÁLISE DO MÉRITO DO PROJECTO Regra geral, o indicador

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 7. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 7 Empresa: Alberto Rites Lda. Entidade patronal 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

1. Nota de Boas Vindas. 2. Quem somos. Conceito umbrella. Uma empresa Portuguesa, líder Ibérica, com mais de 16 anos de experiência

1. Nota de Boas Vindas. 2. Quem somos. Conceito umbrella. Uma empresa Portuguesa, líder Ibérica, com mais de 16 anos de experiência 2 Conteúdos 1 Nota de Boas Vindas... 2 Quem somos... 3 Onde estamos... 3.1 Moradas e Contactos... 4 Como funcionamos... 4.1 Serviço Comercial... 4.2 Serviço de Gestão da Relação com o Cliente - CRM...

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

a sua visão, a sua estratégia, a sua vontade, as nossas pessoas

a sua visão, a sua estratégia, a sua vontade, as nossas pessoas a sua visão, a sua estratégia, a sua vontade, as nossas pessoas trabalho temporário I search & selection I outsourcing I hr consulting I onsite serviços 360º Se o principal capital das empresas são as

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Projecto do PNUD financiado pela Cooperação Espanhola Ministério da Hotelaria e Turismo República de Angola Angola PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO PNUD / CNUCED "GESTÃO DE PROJECTOS

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03

Enquadramento 02. Justificação 02. Metodologia de implementação 02. Destinatários 02. Sessões formativas 03 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Enquadramento 02 Justificação 02 de implementação 02 Destinatários 02 Sessões formativas 03 Módulos 03 1 e instrumentos

Leia mais

E B I / J I d e T Á V O R A

E B I / J I d e T Á V O R A E B I / J I d e T Á V O R A R E G U L A M E N T O D E U T I L I Z A Ç Ã O D O S COMPUTA D O R E S PO R T Á T E I S O objectivo deste documento é regulamentar todas as actividades curriculares desenvolvidas,

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA -

- ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA - Plano de Contingência Gripe A Ano lectivo 2009/2010 Acções a organizar na preparação de um Plano de Contingência para uma eventual pandemia de gripe. Inquérito aos Estudantes

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Diário de Segurança Alimentar

Diário de Segurança Alimentar Diário de Segurança Alimentar Diário de Segurança Alimentar Todos os direitos reservados Copyright 2008 by Biostrument, S. A. 1ª Edição Um produto Biostrument - Segurança Alimentar Sede: Rua 5 de Outubro

Leia mais

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE XIX Serviços de Apoio ÍNDICE SECÇÃO I - ASPECTOS GERAIS... 2 1. Introdução... 2 SECÇÃO II - Especificações dos Serviços de Apoio... 4 2. Serviço de Limpeza... 4 3. Serviço de Alimentação... 5 4. Serviço

Leia mais

Limpeza e profissionalismo a toda a prova

Limpeza e profissionalismo a toda a prova Limpeza e profissionalismo a toda a prova A nossa missão Passa pela apresentação de uma oferta alargada de serviços de limpeza garantindo os mais altos padrões de qualidade, através de um sistema de melhoria

Leia mais

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM Manutenção e A MANUTENÇÃO O PILAR ESSENCIAL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS Não seria excelente se existisse um sistema de manutenção que reparasse o seu equipamento antes de ele avariar? Sim, pois quando os equipamentos

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias XIII Simpósio do ISMAI em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias Mestre Mariana Neto, DGS, 2008 De acordo com os conceitos mais actuais, a abordagem

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima

A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO. Dra. Paula Lima A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE NA CERCIMARCO Dra. Paula Lima Breve apresentação da CERCIMARCO MISSÃO Desenvolver respostas ajustadas às necessidades das pessoas com deficiência ou com problemas de inserção

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

Plano de Comunicação Reestruturação 2014. Comunicação e Marketing

Plano de Comunicação Reestruturação 2014. Comunicação e Marketing Plano de Comunicação Reestruturação 2014 Comunicação e Marketing Sumário Executivo 1. Conhecer a Macif Portugal Companhia de Seguros, S.A. A. Valores B. Missão C. Visão D. Posicionamento E. Públicos 2.

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho

27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Análise da Michael Page sobre Recursos Humanos 27% das empresas prevê aumento dos postos de trabalho Manter a motivação das equipas é o principal desafio das empresas portuguesas, sendo apontado por 42%

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Os Benefícios da ISO 9001

Os Benefícios da ISO 9001 Os Benefícios da ISO 9001 Aplicação prática no Grupo SERLIMA Funchal, 6 de Maio de 2009 Ana Leça Umbelino aumbelino@serlima.pt 1982 1993 1996 2000 2002 Início da actividade de limpeza na Madeira Início

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância

Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância Plano de Contingência Gripe A Creche do Povo Jardim de Infância 1. Enquadramento 1.1 Nota Introdutória Através da Organização Mundial de Saúde e das respectivas autoridades nacionais de Saúde, Ministério

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO Introdução No actual quadro legislativo (Lei 7/2009 Código do Trabalho) e (Lei 102/2009 Regime jurídico da promoção da segurança e saúde

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1

Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção. José M. Cardoso Teixeira 1 Coordenação de Segurança e Saúde da fase de construção José M. Cardoso Teixeira 1 Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarães, Portugal RESUMO De uma forma geral,

Leia mais

aware ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1

aware ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1 ANGOLAN DESK DIREITO DO TRABALHO Outubro 2010 N.1 Seminário: As Relações entre Portugal e Angola: O Investimento Angolano em Portugal 17 de Novembro de 2010, no Auditório da Abreu Advogados Reserve na

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais