35ANOS É UMA VIDA. Incentivos à contratação de trabalhadores p.3 Novos direitos a prestações de desemprego p.5. Regime de IVA em caixa p.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "35ANOS É UMA VIDA. Incentivos à contratação de trabalhadores p.3 Novos direitos a prestações de desemprego p.5. Regime de IVA em caixa p."

Transcrição

1 nº 48 / SETEMBRO / OUT / NOV / DEZ / 2013 Incentivos à contratação de trabalhadores p.3 Novos direitos a prestações de desemprego p.5 Regime de IVA em caixa p.5 EDITORIAL 35ANOS É UMA VIDA p.2 EVENTOS p.3 INCENTIVOS À CONTRATAÇÃO DE TRABALHADORES p.4 NOVOS DIREITOS A PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO p.5 REGIME DE IVA EM CAIXA p.6 NUCASE COMEMORA 35 ANOS E PREPARA O FUTURO p.7 GRANDE ENTREVISTA. PRIVATEBANK p NÓS E OS CLIENTES p.11 O SOFTWARE DE GESTÃO NUMA ORGANIZAÇÃO p.12 CALENDÁRIO FISCAL > p.6 NUCASE COMEMORA 35 ANOS E PREPARA O FUTURO 35 anos é uma vida. É muito tempo, muito caminho percorrido, muitas vivências, muitas histórias, numa perceção de que tudo passou muito depressa. Fazendo um breve balanço, facilmente concluímos que o melhor resultado conseguido neste longo e exigente percurso, foram, e são, as pessoas; os nossos clientes, a nossa equipa de colaboradores que se renova e perdura, os valores pelos quais sempre nos regemos. Orgulhamo-nos do nosso percurso, que nem sempre foi fácil; valeu a determinação, a visão e a estratégia de construir algo que fosse inovador e útil para as organizações. Historicamente vivemos uma geração dinâmica e de grandes mudanças culturais, organizacionais e tecnológicas. Começámos com a velha prancheta, seguindo-se a máquina de contabilidade Ascota, o computador Philips de tarja magnética, até aos atuais e sofisticados sistemas de informação que revolucionaram o mundo moderno, na forma de fazer, informar e comunicar. Assistimos às várias e importantes reformas fiscais, contabilísticas e outras, relacionadas com as obrigações legais exigidas às empresas. Simultaneamente, acompanhámos as necessidades cada vez mais exigentes das empresas de possuírem sistemas de informação contabilística e financeira, atempada, credível e fiável, para apoio à gestão, tomada de decisão, e informação aos diversos interlocutores do negócio. Vivemos vários ciclos constituídos por crises económicas e financeiras, e até na captação de recursos especializados, que conseguimos superar graças à nossa determinação e capacidade de reinventar o nosso posicionamento e espírito inovador, tendo sempre presente as tendências, as necessidades dos nossos clientes e a prestação de serviços de valor acrescentado, ajustadas às suas reais necessidades e expetativas do mercado. Eu próprio muitas vezes faço a pergunta. Onde está a virtude no nosso sucesso? A resposta poderá ter várias vertentes, mas resume-se essencialmente à nossa missão como empresa, aos valores que constituem a nossa cultura empresarial, dos quais destacamos o respeito pelas pessoas, o saber ouvir e encontrar soluções, o cumprimento das responsabilidades, a competência, o profissionalismo, a disponibilidade e simpatia, e sobretudo, a satisfação de bem servir. Somos obcecados pela qualidade e melhoria contínua, visamos atingir a excelência que procuramos seja sustentável para responder às exigências do mercado na criação de valor e na ajuda para superar as dificuldades e obstáculos do nosso quotidiano. A todos os nossos clientes, colaboradores, fornecedores, parceiros e amigos, brindo nesta etapa festiva que espero que perdure por mais 35 anos. > p.8 PRIVATEBANK O nosso muito obrigado a todos. António Nunes administrador

2 >Para mais informações sobre os eventos descritos, consulte o site ou solicite mais informação para o

3 Com a economia a querer dar os primeiros sinais de recuperação, o reforço dos quadros de pessoal das empresas para fazer face ao acréscimo de atividade espectável tornar-se-á uma necessidade. Diminuir a carga fiscal associada à contratação é uma vantagem que as empresas podem beneficiar acedendo aos incentivos disponíveis para a contratação de novos trabalhadores. Nas linhas seguintes apresentamos um resumo dos principais e mais vantajosos incentivos em vigor que devem ser tomados em consideração na decisão de contratação de novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir, ramificam-se em apoios financeiros ou isenções temporárias das suas contribuições para a Segurança Social. Condição comum à concessão dos incentivos é a entidade candidata possuir a sua situação contributiva regularizada perante a administração fiscal e Segurança Social e em alguns apoios, na criação líquida de emprego. Podem candidatar-se aos incentivos as pessoas singulares ou coletivas, incluindo-se nestas as empresas que iniciaram o processo especial de revitalização previstos no Código de Insolvência e da Recuperação de Empresa (CIRE) ou processo no sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial. A - APOIOS FINANCEIROS Apoio à contratação via reembolso da TSU Esta medida consiste no apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho, sem termo ou a termo, a tempo completo ou parcial, com desempregados inscritos nos centros de emprego, através do reembolso de uma percentagem da Taxa Social Única (TSU) a cargo do empregador. O incentivo abrange jovens entre os 18 e os 30 anos inclusive, e adultos com idade igual ou superior a 45 anos. São ainda abrangidos, desempregados com idade entre os 31 e 44 anos desde que não tenham concluído o ensino básico, sejam responsáveis por famílias monoparentais ou os respetivos cônjuges se encontrem em igual situação de desemprego. A atribuição do apoio é concedido na condição de ser celebrado contrato de trabalho sem termo ou a termo certo, a tempo parcial ou a tempo completo pelo período mínimo de 6 meses, desde que se verifique criação líquida de emprego e o mesmo seja mantido durante a duração do apoio financeiro. O apoio é concedido pelo período máximo de 18 meses e é equivalente ao reembolso do valor da TSU suportado pelo empregador em 100% no caso de celebração de contrato sem termo e 75% no caso de celebração de contrato a termo certo. O apoio tem o limite máximo de 200 euros/mês, exceto para entidades com regime especial de projetos de interesse estratégico às quais não se aplica o limite. A contratação de pessoas com deficiência / incapacidade o apoio é atribuído sempre a 100% e sem limite de valor da TSU independentemente do tipo de contrato celebrado. Medida Estímulo 2013 Consiste no apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho sem termo ou a termo certo, a tempo completo ou parcial por prazo igual ou superior a 6 meses, com desempregados inscritos nos centros de emprego, com a obrigação de aumentar e manter o nível de emprego durante a duração do apoio e simultaneamente proporcionarem formação profissional aos trabalhadores contratados. A medida abrange desempregados inscritos há pelo menos 3 meses desde que não tenham concluído o ensino básico ou tenham mais de 44 anos ou, ainda, sejam responsáveis por famílias monoparentais ou os respetivos cônjuges se encontrem em igual situação de desemprego. Os desempregados inscritos há pelo menos 6 meses são abrangidos sem limitações. São ainda abrangidos os desempregados inscritos desde que não tenham registos de remunerações na Segurança Social como trabalhadores por conta de outrem ou independentes nos últimos 12 meses, nem tenham estado a estudar durante o mesmo período. A formação obrigatória, ajustada às competências do posto de trabalho, deve ser ministrada em contexto de trabalho, pelo período de duração do apoio mediante acompanhamento de um tutor designado pelo empregador ou, caso possua menos de 5 trabalhadores, por entidade certificada, com uma carga horária mínima de 50 horas. O apoio financeiro é o equivalente a 50% da retribuição mensal do trabalhador por um período máximo de 6 ou de 18 meses caso o contrato seja celebrado a termo ou sem termo respetivamente. O apoio tem o limite máximo de euros (1xIAS), se contrato a termo ou euros (1x1.3 IAS) se contrato sem termo, por contratação. Este apoio tem ainda uma majoração de 10% dos valores indicados no caso do desempregado se encontrar numa das seguintes situações: Inscrito à 12 ou mais meses consecutivos; seja beneficiário do RSI; possua incapacidade ou deficiência; tenha idade igual ou inferior a 25 anos ou igual ou superior a 50 anos; seja mulher detentora de nível de habilitações inferior ao 3º ciclo do ensino básico ou seja do sexo menos representado no setor de atividade. Prémio Conversão Contrato - A conversão do contrato a termo certo celebrado ao abrigo da presente Medida ou Medida Estímulo 2012, em contrato sem termo, é concedido um prémio de conversão no valor correspondente a 9 meses de apoio não podendo o mesmo ultrapassar euros mensais (1xIAS) Outros Apoios No caso de contratos sem termo a medida pode ser conjugada com o incentivo correspondente à isenção temporária de pagamento de contribuições para a Segurança Social durante 36 meses, caso se trate de trabalhador desempregado de longa duração ou trabalhador em situação de primeiro emprego. Ver apoio específico - -Isenção temporária de pagamento de contribuições. NOTA: Leia a versão integral deste artigo no site da NUCASE e conheça a Medida Estágio Emprego e os apoios no que respeita à Isenção e Redução de Pagamentos de Contribuições (TSU)

4 LEGISLAÇÃO LABORAL Os trabalhadores independentes, sócios gerentes e administradores de empresas, adquiriram o direito a receber prestações de desemprego em caso de perda de rendimentos por encerramento ou cessação da actividade de forma involuntária. texto///antónio MESTRE supervisor do departamento de GARH De forma a integrar o custo associado a esta eventualidade, o Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, estabelece a partir de Janeiro de 2013, uma taxa contributiva para os membros dos órgãos estatutários das pessoas colectivas (MOE), que exerçam as funções de gerência, distinta para os restantes membros dos órgãos estatutários. De acordo com as novas regras, a taxa contributiva relativa aos MOE com funções de gerência / administração passou a ser de 34,75%, (23,75% da entidade empregadora e 11% do trabalhador) ou seja, mais 5.15%. Assim, estes profissionais ficam com uma taxa contributiva idêntica à aplicável à generalidade dos trabalhadores por conta de outrem. Aos restantes MOE continua a ser aplicada a taxa de 29,60%, (20,30 % da entidade empregadora e 9.30% do trabalhador). A alteração desta taxa, conjugada com as normas estabelecidas no Dec.Lei nº 12/2013 de 25 de Janeiro Regime Jurídico de Protecção no Desemprego dos Trabalhadores Independentes, com Actividade Empresarial e dos Membros dos Órgãos Estatutários das Pessoas Colectivas, veio permitir a estes profissionais a obtenção do direito a receber prestações de desemprego em caso de perda de rendimentos por encerramento ou cessação da actividade da empresa de forma involuntária. Incluem-se no âmbito da aplicação deste novo regime os cônjuges dos trabalhadores independentes com actividade comercial e industrial que com eles trabalhem, exercendo efectivamente actividade profissional com carácter de regularidade e permanência. Excluem-se os produtores agrícolas e respectivos cônjuges dado disporem de regime de segurança social próprio. DEFINIÇÃO DE DESEMPREGO Considera-se desemprego a situação de perda de rendimentos decorrente de encerramento da empresa ou de cessação de actividade profissional, ainda que parcial, de forma justificada e involuntária que decorram de: a) Redução significativa do volume de negócios (redução da facturação em percentagem igual ou superior a 60% no ano relevante e nos 2 anos anteriores; resultados negativos contabilísticos e fiscais no ano relevante e no anterior) que determine o encerramento da empresa ou a cessação da actividade para efeitos de IVA; b) Sentença de declaração de insolvência (qualificada como não culposa) que determine a cessação da actividade dos gerentes /administradores ou culmine com o encerramento total e definitivo da empresa; d) Ocorrência de motivos económicos, técnicos, produtivos ou organizativos que inviabilizem a continuação da actividade económica ou profissional; e) Motivos de força maior determinantes da cessação da actividade económica ou profissional; f) Perda de licença administrativa necessária ao exercício da actividade que não seja motivada por incumprimentos contratuais, prática de infracção administrativa ou delito imputável ao próprio. Para atribuição do subsídio é ainda condição: o cumprimento do prazo de garantia de 720 dias de exercício de actividade e registo de remunerações nos 48 meses anteriores à data da cessação da actividade; o beneficiário e empresa terem a situação regularizada perante a segurança social; o beneficiário estar inscrito no centro de emprego, ter capacidade e disponibilidade para o trabalho. Em função do prazo de garantia estabelecido (2 anos) o direito a estes subsídios só se verificará a partir de O valor diário do subsídio é igual a 65% da remuneração de referência, calculado na base de 30 dias por mês. A remuneração de referência é apurada pela fórmula R/360, em que R representa o total das remunerações registadas nos 12 meses civis que precedem o 2º mês anterior ao da data de cessação da actividade. REGRAS PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS E TRABALHADORES INDEPENDENTES Aos trabalhadores independentes, prestadores de serviços ( recibos verdes ) considerados economicamente dependentes de uma entidade contratante, à data da cessação do contrato de prestação de serviços, é garantido também o direito a subsídio de desemprego, caso se enquadrem na situação decorrente da cessação involuntária do contrato. Para o efeito e nos termos do Decreto-Lei nº 65/2012, de 15 Março, considera-se economicamente dependente o trabalhador que obtenha de uma entidade contratante, 80% ou mais do valor total dos seus rendimentos anuais em pelo menos dois anos civis, sendo um deles, no ano imediatamente anterior ao da cessação do contrato. A atribuição do subsídio parcial é aplicável sempre que o trabalhador mantenha a actividade profissional correspondente aos restantes 20% ou menos do valor total anual dos seus rendimento de trabalho e resida em território nacional. O prazo de garantia para atribuição dos subsídios é igual ao do regime acima mencionado. O valor diário do subsídio corresponde 65% do escalão de base de incidência contributiva do beneficiário á data da cessação do contrato de prestação de serviços, vezes a percentagem correspondente á dependência económica do beneficiário relativamente á entidade contratante. Em ambos os regimes e ao contrário do que acontece com os trabalhadores por conta de outrem, estes trabalhadores não beneficiam do regime de flexibilização da idade de acesso à pensão por velhice. Os valores ( a euros) e períodos de atribuição (330 a 780 dias) são os mesmos do regime estabelecido para os trabalhadores por conta de outrem.

5 Foi publicado no passado dia 30 de maio em diário da república, o DL n.º 71/2013 que aprovou o regime de IVA de caixa. Este regime é facultativo, podendo optar até 31 de outubro de cada ano, para ficar abrangido no ano seguinte ao da comunicação, os sujeitos passivos registados para efeitos deste imposto há, pelo menos, doze meses, cuja situação tributária se encontre regularizada, nos termos do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT), sem obrigações declarativas em falta e que, não tendo atingido no ano civil anterior um volume de negócios, para efeitos de IVA, superior a ,00, não sejam exclusivamente isentos nem se encontrem abrangidos pelo regime dos pequenos retalhistas. Quem exercer esta opção terá de ficar no regime durante dois anos civis consecutivos. texto///drªmaria MANUELA VIEIRA REINOLDS DE MELO REGIME DE IVA EM CAIXA O presente regime aplica-se a todas as transmissões de bens e prestações de serviços efetuadas pelos sujeitos passivos de IVA que tenham feito a opção, sempre que as mesmas tenham por destinatários outros sujeitos passivos de IVA, com exceção das seguintes: a) Importação, exportação e atividades conexas; b) Operações intracomunitárias (aquisições, transmissões ou serviços); c) Operações em que o adquirente seja o devedor do imposto; d) Operações em que os sujeitos passivos tenham relações especiais. O IVA devido quer nas operações ativas quer nas operações passivas, é exigível para liquidação/disponível para a dedução, nas seguintes situações, a que acontecer primeiro: a)no momento do recebimento/pagamento total ou parcial do preço, pelo montante recebido/pago; incluindo os recebimentos/pagamentos concretizados antes da realização das operações tributáveis (adiantamentos); deduz-se o IVA através de fatura-recibo ou recibo comprovativo emitido de acordo com os requisitos previstos no presente diploma; b)relativamente às faturas em que ainda não ocorreu o recebimento/pagamento total ou parcial do preço: a.no 12.º mês posterior à data de emissão da fatura, no período de imposto correspondente ao fim do prazo; b.no período seguinte à comunicação de cessação da inscrição no regime de caixa de IVA; c.no período correspondente à entrega da declaração de cessação da atividade para efeitos de IVA. Os sujeitos passivos enquadrados no regime devem criar sistemas de controlo contabilístico de modo a ser possível a identificação em qualquer momento, dos montantes deduzidos/liquidados e os montantes não disponíveis para a dedução/ não exigíveis para a liquidação, assim como dos montantes e datas dos pagamentos/recebimentos. As faturas, incluindo as faturas simplificadas, relativas às operações abrangidas pelo regime de caixa devem ter uma série especial, e conter a menção «IVA regime de caixa», a presente menção também deverá constar nos recibos ou nas faturas-recibos emitidos. Esclarecimentos do regime de IVA de caixa: a) Os contribuintes abrangidos pelo regime geral, que sejam adquirentes de bens e serviços fornecidos ao abrigo do regime de IVA de caixa, podem exercer o direito a dedução com base na fatura, ainda que esta não se encontre paga (Of.Circulado n.º 30150/2013); b)é favorável para as entidades que paguem a horas aos seus fornecedores e simultaneamente tenham problemas em receber dos clientes; c)não é favorável para as entidades que consigam obter crédito dos seus fornecedores e simultaneamente consigam que os seus clientes paguem a pronto; d)não é passível de aplicação nas operações entre o franchisador e o franchisado.

6 É unânime pensar na NUCASE enquanto empresa familiar. O balanço dos 35 anos que agora comemora é muito positivo para o seu administrador e fundador. António Nunes considera que todo o percurso valeu a pena e que o sucesso se deve à confiança dos clientes e desempenho da sua equipa de colaboradores. O objetivo presente e para os próximos anos é o de passar o testemunho aos seus filhos, Sónia Nunes e Tiago Nunes. Ambos a trabalharem na NUCASE há 8 e 4 anos, respetivamente, estão a ser preparados para dar continuidade a uma empresa que os viu nascer. E garantem que é fácil trabalhar em família sem qualquer tipo de discussão ou conflitos. >>Como caracteriza neste momento a empresa NUCASE? A.Nunes A dimensão, as competências e a responsabilidade social são fatores muito importantes que caracterizam a NUCASE de hoje. Por sua vez, a complexidade e responsabilidade dos serviços que prestamos obriga-nos a manter uma dinâmica empresarial muito atenta às tendências e exigências do mercado, pelo que considero a NUCASE uma empresa moderna e preparada técnica e tecnologicamente para corresponder aos desafios atuais da gestão empresarial. A dimensão dá-nos a vantagem de criar as condições para fazer face aos diversos investimentos em tecnologia e recursos humanos qualificados, incluindo a sua permanente formação. >>Desde pequenos que se habituaram a ver o pai nesta empresa mas em algum momento sentiram que gostariam de enveredar por outra área? Sónia Nunes Nunca senti imposição do meu pai para trabalhar na NUCASE. Pelo contrário, sempre foi uma vontade minha. Sempre gostei da área da gestão, principalmente na vertente da gestão de pessoas e processos de trabalho. Por essa razão, acabei por fazer formação académica em psicologia social e das organizações e especializar-me na área de recursos humanos. Fiz também alguma formação em gestão de empresas e formação específica na área da qualidade. Numa empresa já com esta dimensão, para gerirmos eficazmente, um dos critérios de competitividade é a compreensão e gestão das relações humanas. O Tiago sempre gostou de números Tiago Nunes Sempre houve uma ligação muito forte com a empresa desde muito pequenos. Passámos muito tempo aqui e temos muitas das nossas vivências da infância ligadas à NUCASE. O facto de estarmos sempre muito ligados à empresa acabou por nos tornar mais interessados nesta área acabando por ser natural o nosso ingresso. Mesmo na escola, as outras áreas não eram o meu forte e a minha preferência para tudo o que estivesse relacionado com os números, acabou por me levar para a Universidade Católica onde concluí a Licenciatura em Administração de gestão de empresas. >>Qual o balanço que faz destes 35 anos de atividade? A.Nunes O balanço é bastante positivo e está à vista. Olhando para trás, muitas coisas aconteceram; etapas estratégicas, ciclos económicos, reformas estruturais, contabilísticas, fiscais e outras, sobretudo, desafios constantes que foram sendo superados com mais ou menos dificuldades e sempre com muita determinação. A comemoração de 35 anos de história numa organização é marcante sobretudo por termos chegado onde chegámos, sentir o reconhecimento e confiança dos nossos clientes, parceiros e colaboradores. A NUCASE continua hoje na vanguarda da inovação e evolução técnica e tecnológica para responder a dinâmica do mercado cada vez mais exigente, mantendo sempre um conjunto de valores com que iniciou e que eu prezo e tento transmitir aos meus filhos. Acima de tudo, o respeito pelas pessoas tem de ser valorizado continuamente, pois trabalhamos com pessoas e para pessoas, e é isso que nos distingue enquanto organização. Construímos ao longo do tempo um património fantástico que é constituído pela nossa equipa de colaboradores, com competências multidisciplinares e com a disponibilidade, simpatia e humildade para ouvir e servir os nossos clientes. >>Como avalia a passagem de testemunho aos seus filhos? A.Nunes Começo por dizer que tenho uma enorme satisfação e orgulho em tê-los comigo e lhes estar a passar o testemunho. Estou convencido que eles serão a continuidade da NUCASE e terão presentes os valores que considero fundamentais para manter a confiança e fidelidade dos nossos clientes e equipa de colaboradores. Vou investir todo o tempo e experiência adquirida, para nos próximos anos lhes passar o testemunho. A Sónia já cá está há 8 anos e o Tiago há 4. A NUCASE faz este ano 35 anos, a mesma idade da minha filha e julgo que é uma data interessante para se iniciar mais a sério esta etapa que passa também por reforçar a atual equipa de gestão com o objetivo da sua profissionalização. Esta é uma atividade com características muito específicas e complexas, o que obriga a uma atenção e cuidado redobrado pelo que sou o primeiro a reconhecer que não vai ser tarefa fácil. >>Quais os projetos para o futuro? A.Nunes As áreas que dominamos são bastante diversificadas e abrangentes e há que melhorar muitas delas. Em termos de internacionalização, estamos em Angola há quase 8 anos e já fizemos uma investida no mercado de Moçambique no decorrer deste ano. É provável que em 2014 iniciemos a atividade neste país. Com o contínuo investimento na automatização e simplificação dos processos operacionais, vamos disponibilizar mais recursos técnicos especializados para prestar serviços de maior valor acrescentado na assessoria aos nossos clientes para a interpenetração e utilização da informação contabilística e financeira para a gestão das suas empresas e negócios. >>Como veem este desafio da continuidade da empresa? Tiago Nunes - É um grande desafio sobretudo pela especificidade da atividade. Esta é uma área que está sempre a mudar e há uma enorme responsabilidade perante os clientes e perante o Estado. Torna-se então fundamental perceber o negócio e acho que é aqui que temos mesmo que investir. Eu e a minha irmã temos de conhecer muito bem o que a NUCASE faz, perceber o negócio, as dimensões dos clientes e as suas necessidades efetivas. Sónia Nunes Quando entrei na NUCASE, a perspetiva já seria esta, mas ao longo do tempo fui-me apercebendo de quais eram as necessidades reais, no terreno, das competências que necessitaria ter para alcançar o objetivo de passagem do testemunho pelo meu pai. Há que perceber o negócio globalmente e algumas especificidades técnicas, mas acima de tudo ter competências humanas, perceber os traços comportamentais, perceber necessidades e expetativas de cada colaborador, assim como as competências que têm e as que precisam de ter para responder o melhor possível ao cliente. Há que pegar no exemplo do meu pai, na realidade de hoje, nas necessidades das pessoas de hoje, não só dos clientes como dos colaboradores, para que a empresa continue em crescente evolução e não fique estagnada ou decresça. Vamos fazer por isso. Gerir uma empresa com esta dimensão e especifidade e desenvolvê-la tão bem ou melhor é um grande desafio para a segunda geração. >>É fácil trabalhar em família? Sónia Nunes A nossa comunicação é muito fácil embora tenhamos personalidades diferentes. No que respeita à administração da empresa, damos a nossa opinião mas a última decisão será do nosso pai e temos a certeza que será a melhor. Nunca houve uma discussão familiar que interferisse com o trabalho. Nunca levámos trabalho para casa e, nem todas as famílias o conseguem fazer, mas essa postura foi muito estimulada pelo nosso pai. Da mesma forma, não falamos das questões familiares no trabalho. A.Nunes Só assim é que as coisas funcionam de uma forma saudável. Vamos também constituir um protocolo familiar, onde iremos ajustar um conjunto de regras e condutas que estão relacionados com o envolvimento da família no futuro da empresa. Dentro dos vários cenários, permitirá uma continuidade da gestão da empresa sem conflitos, com o acordo consensual entre todos e o mais benéfico para a família e para a empresa. Leia a entrevista na íntegra no site da NUCASE em

7 Estabelecido em 1992, o AS PrivatBank é um dos mais antigos bancos da Letónia. A sua atividade em Portugal iniciou-se em 2007 e desde então o sucesso e o crescimento sustentável têm sido uma realidade. Apostado na inovação e na simplificação dos serviços através das novas tecnologias de informação, este banco está disponível para receber novos clientes e para garantir simplicidade em todas as transações realizadas. Conheça a diretora da Sucursal em Portugal, Kristine Mota, em entrevista à NUCASE NEWS. ENTREVISTA A KRISTINE MOTA / diretora da sucursal AS PRIVATBANK EM PORTUGAL O SUCESSO DE UM BANCO depende principalmente da comodidade e da rapidez de suas tecnologias Como apresenta o AS PrivatBank aos leitores da NUCASE? A Sucursal do PrivatBank em Portugal é uma filial de um dos bancos mais antigos da Letónia. Este banco é bem conhecido pela comunidade empresarial letã e é membro do grupo financeiro internacional PrivatBank cujos serviços ascendem mais de 20 milhões de clientes em 12 países de todo o mundo. A Sucursal em Portugal está em funcionamento desde 2007 e tem construído a sua reputação e imagem como um banco estável e de confiança para os seus clientes. O Grupo PrivatBank é um grupo internacional que é representado por vários países europeus e asiáticos e está na lista dos 10 maiores bancos da Europa Central e Oriental de acordo com a classificação TOP 100 da revista The Banker, altamente valorizada no mundo financeiro. O banco gerou duas vezes mais lucro no ano passado do que os outros 167 bancos localizados na Ucrãnia. No entanto, não é apenas o trabalho sustentável e o rápido crescimento que permite distinguir o banco da sua concorrência. A principal diferença do PrivatBank no mercado é a inovação. A última edição da revista The Banker, dedicada a premiar as inovações, destacou o portfólio do PrivatBank na capa como sendo o banco mais inovador da Europa. uma distinção que nos deixa orgulhosos. O nosso portfólio inclui, pelo menos, dez serviços bancários que são bem conhecidos, entre eles: o SMS banking em 1999 e as senhas dinâmicas que se tornaram a base da tecnologia 3 D em 2001 para transferências imediatas de cartão para cartão, lançada em colaboração com o VISA em Quais os principais serviços prestados aos clientes? Os principais serviços que o AS PrivatBank oferece aos seus clientes em Portugal são os depósitos em condições vantajosas e as taxas de juros de cartões Visa e de pagamento internacionais. Os serviços bancários são geralmente todos semelhantes mas do ponto de vista do cliente, o banco que fornecer uma experiência mais conveniente de atendimento, será o escolhido. Portanto, começámos a desenvolver o nosso sistema de Internet Banking desde cedo e hoje oferecemo-lo aos nossos clientes em todos os países onde estamos presentes, incluindo Portugal. Pagamentos online, gestão intuitiva e simples de contas permitem que os nossos clientes não percam tempo em visitar os balcões. Há um ano, o AS PrivatBank tomou uma importante decisão no mercado concentrando-se totalmente no serviço de Internet. Uma conta pode ser aberta nas agências do banco em Lisboa ou no Porto, alternativamente, e os documentos exigidos podem ser apresentados em qualquer estação dos CTT de Portugal. Esta abertura de conta é muito simples. Da mesma forma, fazer um depósito ou uma transferência bancária é fácil e rápido através da Internet. O nosso escritório em Lisboa trabalha com serviços exclusivos que exigem soluções fora do padrão. Quais têm sido as principais dificuldades e oportunidades do PrivatBank no setor em que se insere? Acreditamos que, hoje em dia, a tarefa fundamental de qualquer banco no mercado é ter uma política razoável de risco, gestão de liquidez e alta eficiência, além dos seus serviços básicos, bem como a construção de um novo tipo de relacionamento com seus clientes baseado na qualidade, confiança e nos princípios de lealdade mútua e serviço justo. Como avalia a evolução da empresa e a sua sustentabilidade ao longo dos anos? O banco tem vindo a crescer de forma sustentável em todos os países onde opera. muito importante para nós, que o crescimento seja assegurado, não por meio de amplo desenvolvimento de rede, mas através de serviços exclusivos que os clientes gostam. Acreditamos que esta é uma estratégia de futuro. O sucesso de um banco depende principalmente da comodidade e da rapidez das suas tecnologias, da qualidade estável dos seus serviços e dos honorários justos pelos seus serviços. Quais os desafios atuais em Portugal comparando com outros países onde têm atividade? Os desafios atuais do AS PrivatBank em Portugal são a criação de serviço remoto ao cliente para o nível tecnológico de alto nível e a introdução de novas tecnologias de informação, a fim de corresponder plenamente e até mesmo superar o nível dos seus concorrentes. O cumprimento dessa tarefa permitir-nos-á jogar em igualdade de circunstâncias com outros bancos em Portugal e atrair novos clientes. Existe algum projeto que gostasse de destacar para o futuro? Os clientes do banco escolhem cada vez mais os serviços bancários disponibilizados pela Internet através dos seus computadores ou smartphones. O AS PrivatBank incentiva-os a mudar os seus hábitos e a motivar as transações online através do recurso a tecnologias inovadoras e ao desenvolvimento de novos produtos para os seus clientes. Até ao final do presente ano os nossos clientes serão capazes de aceder a todos os serviços sem ter de visitar presencialmente as agências, o que diminuirá imenso o stress nestes dias agitados que todos vivemos. Convidamos os clientes da NUCASE a serem também nossos clientes. Há quanto tempo é que o AS PrivatBank é cliente da NUCASE e quais os critérios que valoriza no relacionamento entre ambas as empresas? Somos clientes da NUCASE desde Na relação entre ambas as empresas, agradecemos e privilegiamos os seguintes critérios: competência, profissionalismo, interesse em resolver os problemas e as questões dos clientes, capacidade de oferecer várias opções para resolução desses mesmos problemas, honestidade e confiança nos nossos parceiros... O nosso contabilista Francisco Duarte está sempre disponível e já é considerado por nós como um membro da família PrivatBank. Gostaria de acrescentar alguma informação pertinente? Torne-se um cliente da Sucursal AS PrivatBank em Portugal e desfrute de todos os benefícios das nossas ofertas. Esperamos por si em

8 DOMINGOS FOLGADO A formação tem de ser constante para que possamos a dar as respostas mais adequadas às necessidades dos nossos clientes Nestes tempos difíceis é que se vê a fibra das pessoas, começa por dizer Domingos Folgado à NUCASE NEWS. E neste seguimento, diz-nos que atualmente a contabilidade já não é vista como um serviço só para dar resposta às obrigações fiscais das empresas e empresários, daí que haja necessidade de haver uma permanente atualização. A formação tem de ser constante para que possamos a dar as respostas mais adequadas às necessidades dos nossos clientes. Domingos Folgado trabalha na NUCASE desde 9 de setembro de 1991 e conta-nos um pouco o seu percurso. Numa ida a Lisboa para umas entrevistas de emprego comprei o Diário de Notícias (DN). Na seção de anúncios tinha um que pedia um escriturário para gabinete de contabilidade. Redigi um currículo e deixei a resposta na sede do DN, no Rossio. Curioso que nesse dia na caixa que servia para o efeito não havia ainda nenhum outro envelope Passados dois dias fui contactado para ir ao escritório do Rossio para a entrevista, sendo recebido pelo Sr. Nunes, revela. Começou como escriturário na Parede sendo depois transferido para o escritório em Sintra entre 1992/1993 onde trabalhou durante 10 anos. Entretanto, fiz um dos exames da DGCI para Técnico Oficial de Contas e passei a ser responsável por uma lista de clientes. Em 2001, a NUCASE comprou a carteira de clientes da Calcom e as novas instalações em Ouressa. Atualmente é Técnico Oficial de Contas e responsável por uma equipa do escritório de Sintra. Ao longo de todos estes anos tem assistido ao crescimento da NUCASE tanto em número de clientes como de funcionários e sempre de forma sustentada. Considera que a organização e os métodos de trabalho acompanharam esse crescimento e a NUCASE é hoje uma das maiores e mais conceituadas empresas a nível nacional. Como mensagem aos clientes, diz-lhes que podem contar com a empresa enquanto parceiro fiável para apoiar a gestão e organização dos seus negócios considerando que esta é a organização ideal para ajudar nos mais diversos aspetos das suas atividades. ALINEA PREMIUM ORAL CARE Uma clínica dentária voltada para a excelência dos tratamentos Com 15 anos de experiência em Medicina Dentária, o sonho do Dr. César Pimentel, diretor clínico da Alinea Premium Oral Care era criar uma clínica com atendimento de excelência através de uma equipa multidisciplinar, com especialização internacional, voltada para as novas tecnologias, oferecendo soluções de saúde, estética e bem estar, adaptada às reais necessidades e expetativas dos clientes, explica à NUCASE NEWS. Criada em finais de 2011, fruto de um projeto antigo e amadurecido, o objetivo é ser play líder no mercado local da saúde dentária com elevada notoriedade e visibilidade de forma a tornar a clínica uma referência no setor, quer pela qualidade dos serviços prestados, quer pelo atendimento personalizado e otimizado, acrescenta. O crescimento tem sido notório desde o começo. De forma sustentada, o nosso nome tem-se tornado conhecido através de pacientes que estão connosco, quer no decorrer de um tratamento mais longo ou já na fase de acompanhamento semestral, acrescenta César Pimentel. Este referenciamento enche de orgulho todos aqueles que contribuem para que este atendimento seja de excelência. Sentimos que cada paciente se sente tranquilo e confiante com os médicos que o acompanham e temos casos de famílias inteiras a serem tratadas connosco, sublinha. No decorrer do mês de outubro, a Clínica conta com um novo gabinete cirúrgico totalmente equipado para cirurgias mais complexas e sedação consciente, técnica muito utilizada nos Estados Unidos e em vários países da Europa. A Alinea Premium Oral Care e a NUCASE partilham dos mesmos valores. Mesmo antes da criação da empresa, e confrontado com as dificuldades inerentes a esta fase apercebi-me imediatamente da mais valia que representa a NUCASE como parceiro. Passados mais de dois anos dou-me cada vez mais conta da importância de um serviço sério, rigoroso e preocupado com o cliente.

9 ANA FILIPA LUCAS DOS SANTOS O Grupo NUCASE tem evoluído significativamente ao longo dos anos Foi há 11 anos que ingressou no Grupo NUCASE através de um estágio profissional no curso de contabilidade e gestão. Atualmente é assistente de gestão de tesouraria e tem como funções dar apoio aos clientes de forma a poderem gerir a sua tesouraria diariamente tendo sempre esta informação atualizada e emitir faturas dos clientes, salienta. Como responsabilidades, no dia a dia tem de garantir que a resposta de todos os pedidos de emissão de faturas sejam feitos atempadamente consoante as normas da Pronucase e certificar que o envio dos ficheiros SAFT é feito atempada e corretamente. Desde a fase do estágio até aos dias de hoje já passou por várias áreas e tarefas que considera importantes para o crescimento profissional destacando o arquivo, o lançamento de documentos, o apoio assistencial à contabilidade e até mesmo a função de rececionista no escritório de Lisboa. Passar por estas diversas áreas foi essencial para perceber todo o funcionamento que uma empresa de contabilidade deve ter, diznos. Em 2009 candidatou-se à vaga de Gestão de Tesouraria na Pronucase onde permanece até hoje. Na sua opinião, o Grupo NUCASE tem evoluído significativamente ao longo dos anos sendo notável uma crescente preocupação na personalização e diversificação dos serviços prestados, indo sempre ao encontro das necessidades e especificidades de cada cliente. Tais características têm permitido que a qualidade dos serviços distinga a NUCASE da concorrência. Considera que os clientes podem esperar serviços personalizados ás suas necessidades, rigor e profissionalismo sempre acompanhado com um sorriso e deixa um convite a todos aqueles que ainda não conhecem esta empresa: Venha à nossa organização para perceber o nível de estruturação e a diversificação de todos os serviços que o Grupo NUCASE presta. Como principal desafio da empresa nos dias de hoje, Ana Filipa Lucas dos Santos considera que passa por conseguir acompanhar os preços do mercado mantendo a qualidade dos seus serviços. No que diz respeito á sua área propriamente dita, a principal dificuldade está na interação com o cliente, dado que se torna complicado gerir este objetivo quando a grande maioria das empresas se encontra permanentemente com dificuldades de liquidez, conclui. ZODIAC POOL CARE PORTUGAL A NUCASE foi quem nos ofereceu a melhor oferta com uma enorme variedade de profissionais por área de negócio Criada em novembro de 2010 com um objetivo bem definido de incrementar o volume de mercado de acessórios de piscinas em Portugal, a Zodiac vende produtos de limpeza, manutenção e calefação de água de piscinas privadas. O propósito da nossa empresa é ajudar os seus clientes e distribuidores a alcançarem êxito nos seus negócios. A Zodiac procura que os seus clientes profissionais permitam que os consumidores tenham uma experiência divertida e feliz nas suas piscinas, explica Ignacio González, diretor da empresa. A principal dificuldade com que a empresa se tem deparado tem sido, sem sombra de dúvidas, a atual conjuntura económica que Portugal atravessa. No entanto, temos encontrado um mercado com uma quota de penetração dos nossos produtos em comparação com Espanha onde consideramos que tem sido baixa. Isto demonstra que existe um grande potencial neste mercado que deve ser abarcado junto dos nossos clientes e distribuidores, sublinha o diretor. A evolução da Zodiac dentro desta conjuntura económica está a ser consistente. Acreditamos que os próximos anos junto dos nossos parceiros, clientes e distribuidores ajudar-nos-ão a superar a difícil situação que vivemos. Isto requer um trabalho conjunto entre fabricantes, distribuidores e profissionais na abordagem do utilizador português através da promoção das soluções que oferecemos e que alguns infelizmente ainda desconhecem, adianta Ignacio González. Como principal desafio, o diretor considera que é o mesmo objetivo para o qual a empresa foi criada: aumentar o volume de negócio de acessórios de piscina através da comunicação dos benefícios que oferecem os produtos Zodiac. No que respeita à parceria com a NUCASE, Ignacio González garante que quando foi tomada a decisão de ter uma filial em Portugal, havia a perfeita noção de que era essencial ter um parceiro externo e um prestador de serviços que tratasse de todos os aspetos contabilísticos e fiscais da empresa. Nesse sentido, a NUCASE foi quem nos ofereceu a melhor oferta com uma enorme variedade de profissionais por área de negócio. Desde o primeiro minuto que foi estabelecida uma relação profissional que nos permitiu delegar, não só a parte da contabilidade, como todos os assuntos relacionados com a administração portuguesa. Esperamos que a NUCASE acompanhe o crescimento da Zodiac nos próximos anos com a mesma seriedade e profissionalismo que tem demonstrado até à data, conclui.

10 MARTA FARIA Os clientes podem contar com uma equipa especializada e disponível Entrou na empresa em fevereiro de 2010 após concorrer a uma oferta de emprego publicada num jornal. Achei que era uma oportunidade de crescimento profissional bastante aliciante, começa por dizer. Atualmente faz parte do Departamento de Processos e as suas funções passam por apoiar a implementação de sistemas de qualidade, ambiente e segurança. O seu trabalho tem-se focado também na área de segurança e saúde no trabalho pois além do curso de Engenharia do Ambiente, Marta tem o Certificado Aptidão Profissional de Técnico de SST nível V. Somos responsáveis por identificar e propor soluções no âmbito da melhoria de processos e implementação de sistemas de qualidade, ambiente e segurança, garantindo o cumprimento do preconizado em normas internacionais, afirma. Inicialmente foi contratada para um projeto onde assumiu funções de técnica de higiene e segurança no trabalho. Posteriormente participei em novos projetos, onde tive a oportunidade de aprender e fazer outro tipo de atividades, nomeadamente, auditorias internas, avaliação da conformidade legal e elaboração de medidas de autoproteção. No momento, começo cada vez mais a assumir funções na implementação de sistemas de Gestão da Qualidade, acrescenta. Apesar da conjuntura atual, considera que o Grupo NUCASE tem conseguido manter-se no mercado com uma imagem notória e credível devido à competência das suas equipas. Na sua opinião será este o caminho a apostar para continuar a crescer e fidelizar os clientes. Considera que os clientes podem contar com uma equipa especializada e disponível, preparada para responder às suas necessidades. Como principais dificuldades das suas funções e da própria empresa assinala a alteração de rotinas e a mudança de mentalidades e como desafio aponta a necessidade de atualização permanente de forma a manter-se a competência técnica para que o cliente sinta que tem um parceiro para o seu negócio. Por esse motivo, considera fundamental que os clientes conheçam a metodologia de trabalho do Grupo NUCASE, de forma a terem a real perceção da forma como trabalhamos sempre focalizados nas suas necessidades, conclui. PRIME YIELD, LDA. Da consultoria à avaliação imobiliária Duas valências apreciadas pelos clientes A Prime Yield foi fundada em fevereiro de 2005 como empresa de Consultoria e Avaliação Imobiliária, registada na CMVM e tem como clientes diversas instituições financeiras e fundos de investimento imobiliário, que centram, respetivamente, as suas operações na concessão de crédito hipotecário e aquisição de imóveis para rendimento e/ou promoção imobiliária. Estas empresas recorrem à Prime Yield para a realização de estudos de avaliação/consultoria que servem de suporte e apoio à decisão nos projetos analisados, explica José Manuel Velez, diretor executivo da empresa. Ao longo dos anos, a Prime Yeld tem vindo a apostar num processo de internacionalização que tem conduzido à abertura de escritórios em países como Angola, Moçambique, Brasil e Cabo Verde, explica o responsável. Este processo de internacionalização decorre a par com a dinâmica de consolidação da estrutura em Portugal através da aposta em métodos de controlo e produção centrados na atenção e satisfação ao cliente. O setor de avaliação imobiliária não está imune as circunstâncias de atualidade económico-financeira e nesse sentido tem notado alguma diferença na forma e conteúdo de abordagem por parte dos clientes a este setor em particular, o que nos tem levado a uma aposta interna para nos adaptarmos a novas circunstâncias e novas dinâmicas de trabalhos que nos têm vindo a ser solicitados, nomeadamente a avaliação de portfólios e avaliações particulares, estando neste momento a empresa a fazer uma adaptação e criação de mecanismos que permitem acolher este tipo de solicitações de forma mais eficiente com vista a uma melhor e mais célere resposta ao cliente, adianta José Manuel Velez. Os principais desafios para o próximo ano passam pela consolidação da estratégia de internacionalização e o incremento da posição de referência no mercado imobiliário nacional no setor de avaliações e consultadoria imobiliária. A Prime-Yield, como primeira empresa no setor com certificação em Qualidade e Ambiente tem vindo a notar um reconhecimento efetivo por parte dos seus clientes pelo facto de a empresa se apresentar no mercado com estas duas valências. Efetivamente tem-se vindo a notar ao longo dos últimos tempos que são fatores preponderantes na dinâmica de escolha e decisão o facto de a nossa empresa apresentar estes requisitos que inclusivamente, em alguns dos casos são até fatores que ultrapassam a opção preferencial para se tornarem como requisitos obrigatórios no âmbito da apresentação de propostas o que coloca a nossa empresa em patamares de vantagem competitiva comparativamente com algumas outras empresas do setor. A esse facto tem que ser feito um reconhecimento ao nível do esforço e aposta interna nessa opção e também no acompanhamento efetivo e apoio que nos tem sido dado pela empresa Pronucase, adianta José Manuel Velez. A Prime Yield é cliente do Grupo NUCASE desde Quanto aos aspetos que valorizamos destacamos sobretudo o profissionalismo e a rapidez da intervenção da empresa e dos seus colaboradores, destaca.

11 A partir desta número iremos dar início a alguns artigos relacionados com software de gestão, também conhecidos por ERP (Enterprise Resource Planning) ou SIG (Sistemas Integrados de Gestão). Podemos definir, genericamente, um ERP como uma arquitetura de software que facilita o fluxo de informações entre todas as atividades de uma organização, desde a fabricação, passando pela logística, finanças e recursos humanos. Deverá ser um sistema amplo de soluções e informações, uma base de dados única, operando numa plataforma comum que interage com um conjunto integrado de aplicações, consolidando todas as operações do negócio num simples ambiente computacional. texto///jorge ESTEVES/Diretor de informação da pronucase O SOFTWARE DE GESTÃO NUMA ORGANIZAÇÃO Um ERP deverá ser a espinha dorsal da gestão da informação do negócio de uma organização. Como resultado, a organização passa a ter um fluxo de informação consistente nas diferentes interfaces do negócio. Na sua essência, o ERP propicia a informação oportuna, para a pessoa certa, no momento ideal. Lançamento pelo utilizador O simples lançamento de uma encomenda pode, de uma forma simples, gerar um fluxo de informação que alimenta os vários módulos do ERP. Existe no mercado várias soluções de ERP s, a Pronucase como Premium Partner da Primavera Software, comercializa soluções de software de gestão Primavera que dão resposta às necessidades específicas de cada organização. Desde as micro empresas, com as soluções Express ou Starter, até às grandes empresas com a versão Executive, passando pelas PME com a versão Profissional, o ERP Primavera dá resposta as necessidades de gestão de uma organização. Iremos, mostrar as várias soluções de software de gestão Primavera existentes no mercado, todas elas certificadas, podendo qualquer uma adaptar-se á realidade da maioria das organizações. PRIMAVERA EXPRESS Software de faturação que executa as funcionalidades básicas de gestão de uma empresa, nomeadamente no que respeita às Vendas/POS, Stocks e Contas Correntes de Clientes. Solução gratuita para uma empresa em modo monoposto com um limite de vendas de PRIMAVERA STARTER ESAY Software de faturação que executa as funcionalidades básicas de gestão de uma empresa, nomeadamente no que respeita às Vendas/POS, Stocks e Contas Correntes de Clientes. Solução paga através de subscrição anual ou bianual em modo monoposto, para uma empresa. PRIMAVERA STARTER / STARTER PLUS Software de faturação que executa as funcionalidades básicas de gestão de uma empresa, nomeadamente no que respeita às Vendas/POS, Stocks, Contas Correntes de Clientes, Compras e Contas Correntes de Fornecedores (Estas ultimas duas na versão Starter Plus). Solução paga através de licenciamento perpétuo para 2 postos de trabalho com um número ilimitado de empresas. PRIMAVERA PROFISSIONAL ERP profissional composto por vários módulos que se adapta as necessidades de qualquer PME. A versão Profissional contempla os módulos da Logística, Financeira, CRM, Recursos Humanos, Ativos e Projetos e Serviços. Solução pode ser adquirida através de licenciamento perpétuo ou através de subscrição. Não tem limite de empresas e pode ser configurada até 16 postos por módulo. PRIMAVERA EXECUTIVE ERP de topo vocacionado para grandes empresas ou grupo de empresas A versão Executive além de contemplar os módulos da versão Profissional também tem disponível ferramentas de BI, consolidação de contas e extensibilidade em quase todos os módulos do ERP Não tem limite de empresas nem postos de trabalho. Todas as soluções Primavera também estão disponíveis em regime SaaS (Software as a Service) Poderá consultar está e outra informação em Iremos nos próximos números falar mais detalhadamente dos vários módulos do ERP Primavera JÁ OUVIU FALAR DE PHISHING? Podemos começar por dizer que o phishing não é um vírus, apesar que muitas vezes este tipo de cibercrime tenha associado um vírus. O Phishing é uma modalidade de fraude em que o utilizador recebe um falso que o reencaminha para um site, supostamente fidedigno, com por exemplo o do seu banco, para dessa forma solicitar informação sigilosa. Em alguns casos e no próprio solicitando preenchimento de formulários com essa informação. Geralmente são sites com aspeto muito idêntico aos sites oficiais com inclusão dos mesmos logotipos e imagem institucional, criando no utilizador a sensação que está no site do seu banco, sendo solicitado que confirme os seus dados de acesso e respetivas passwords. Com os dados introduzidos, os criminosos, ficam com acesso aos seus dados, podendo dessa forma aceder ao seu homebanking com a possibilidade de alterar informação, requisitar cheques, solicitar cartões de crédito, etc. Este tipo de prática começou por ser apenas um isco para os utilizadores mais desprevenidos, no entanto a nova geração de phishing já inclui vírus que conseguem registar toda a interação entre o utilizador e o computador (as teclas pressionadas, os sites visitados, gravar imagens do ecrã, etc.) Segundo a Kaspersky Lab., no 2º trimestre de 2013 o volume de trafego das mensagem de spam ( s enviados em massa sem destinatário certo) chegou aos 70%. Desse trafego, mais de 40% são mensagens de phishing. Medidas para minimizar este tipo de ataque Nunca forneça os seus dados pessoais ou bancários num ou num site. Caso seja solicitada informação que ache suspeita contate o seu banco. Não carregue em links que venham contidos numa mensagem de correio, se quiser aceder a um site digite o endereço no seu browser. Tenha sempre um antivírus instalado e atualizado no seu computador. Para mais informação consulte o nosso site em: www. nucase.pt

12 CALENDÁRIO FISCAL / SETEMBRO / OUTUBRO / NOVEMBRO / DEZEMBRO / Para mais informações úteis, visite o nosso novo site PUBLICAÇÃO INTERNA Coordenador >Miguel Nogueira Editor >Cláudia Pinto Colaboradores >Maria Mestra / Maria Manuela Melo / Miguel Nogueira / Graça Penha Gonçalves / António Mestre Design >Filipe Jorge Fotografia>Fernando Colaço Impressão >Grafilinha Sede / CARCAVELOS Avª General Eduardo Galhardo, nº115 Edifício Nucase Carcavelos tel: fax:

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05)

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013. Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 22/2013 Regime de caixa de IVA (DL 71/2013, 30.05) Índice 1.Âmbito... 1 2.Opção pelo regime - permanência e saída por opção do mesmo... 1 2.1.Opção pelo regime em 2013... 1 2.2.

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Lei n.º 53/2011, de 14 de outubro, que procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, estabelecendo

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes NEWSLETTER FISCAL Junho 2013 Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes 1. Introdução No dia 31 de Maio de 2013, foi submetida à Assembleia

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Este documento respeita as regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

Estímulo Emprego. Promotores

Estímulo Emprego. Promotores Estímulo Emprego Apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho a termo certo por prazo igual ou superior a 6 meses ou contratos de trabalho sem termo, a tempo completo ou a tempo

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014

Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027. Portaria n.º 151/2014 Diário da República, 1.ª série N.º 145 30 de julho de 2014 4027 Portaria n.º 151/2014 de 30 de julho O Governo tem vindo a desenvolver uma estratégia nacional de combate ao desemprego jovem assente numa

Leia mais

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade

Início > Cidadãos > Entregar > Declarações > Atividade > Início de Atividade O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Conteúdo do Guia Enquadramento Estágios Emprego Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Apoio à Contratação

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA Nuno Albuquerque Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA VERBO jurídico TAX NEWS Junho 2013 O Novo Regime de IVA de caixa O DL n.º 71/2013, de 30 de Maio, aprovou, com efeitos a partir de 1.10.13,

Leia mais

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca

www.pwc.pt/tax FCT e FGCT Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca www.pwc.pt/tax Aspetos contabilísticos Carla Massa Aspetos fiscais Rodrigo Rabeca Enquadramento da Lei nº. 70/2013 no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Remunerações no âmbito da IAS 19 / NCRF 28 Benefícios aos

Leia mais

Novo Regime de IVA de Caixa

Novo Regime de IVA de Caixa QA#005 / Junho.2014 Mónica Veloso * Área Jurídica da Unidade Empreendedorismo ANJE Novo Regime de IVA de Caixa Na Quinta edição da QuickAid Notas Informativas Jurídicas da Unidade de Empreendedorismo ANJE,

Leia mais

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto LEGISLAÇÃO: - Decreto-Lei n.º 197/2012, 24 de agosto - Decreto-Lei n.º 198/1990, 19 de junho -

Leia mais

Incentivos à contratação 2013

Incentivos à contratação 2013 Incentivos à contratação 2013 Conheça os principais apoios à contratação em vigor em 2013 Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem consistir em apoios

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO

INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO DOSSIER INFORMATIVO 4 INCENTIVOS DE APOIO À CONTRATAÇÃO EMPRESAS 2015 ÍNDICE 1 - Medida Estágio Emprego...4 2 - Medida Estímulo Emprego...10 3 - Medida REATIVAR...16 4 - Dispensa de pagamento de contribuições

Leia mais

Regime de IVA de caixa DL n.º 71/2013, de 30 de maio. Teoria / Aplicações práticas. Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013

Regime de IVA de caixa DL n.º 71/2013, de 30 de maio. Teoria / Aplicações práticas. Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013 DL n.º 71/2013, de 30 de maio Teoria / Aplicações práticas Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel.

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

N E W S L E T T E R A P A O M A

N E W S L E T T E R A P A O M A A P A O M A E D I Ç Ã O 4 F I S C A L I D A D E N E W S L E T T E R A P A O M A O U T U B R O 2 0 1 0 A G R A D E C I M E N TO N E S T A E D I Ç Ã O : A G R A D E C I M E N T O F I S C A L I D A D E P

Leia mais

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D Condições de Enquadramento Portaria nº 57-A/2015 de 27 de Fevereiro de 2015 0 VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO,

Leia mais

Certificação facturação

Certificação facturação NOVAS REGRAS DE FACTURAÇÃO Formador: Maria Mestra Carcavelos, Janeiro de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel. 214 585 700 fax. 214 585 799 www.nucase.pt

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DOCUMENTOS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com 1987-2013 CentralGest - Produção de Software S.A. T: (+351) 231 209 530 Todos os

Leia mais

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer Soluções PRIMAVERA Para empresas que vão crescer 02 Soluções PRIMAVERA Soluções Para empresas que vão crescer A legislação relativa à utilização de programas informáticos de faturação certificados tem

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

Regime de Iva de Caixa

Regime de Iva de Caixa Regime de Iva de Caixa XD Rest/Pos 2014 1 Alterações Fiscais O Decreto Lei nº71/2013, que aprovou o regime de contabilidade de caixa em sede do Imposto Sobre o Valor Acrescentado (regime de IVA de caixa)

Leia mais

Alguns aspetos do regime de IVA de caixa

Alguns aspetos do regime de IVA de caixa Alguns aspetos do regime de IVA de caixa O Decreto-Lei n.º 71/2013, de 30 de maio, aprovou o regime de IVA de caixa, concretizando assim a autorização legislativa constante do Orçamento do Estado para

Leia mais

FAQ'S - Perguntas frequentes

FAQ'S - Perguntas frequentes 1 de 5 SOBRE O E-FATURA FAQS CONTACTOS FAQ'S - Perguntas frequentes CLIENTE / CONSUMIDOR FINAL Em que consiste o novo regime de faturação eletrónica? O novo regime de faturação eletrónica consiste na obrigatoriedade

Leia mais

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO

QUADRO RESUMO INCENTIVOS Á CRIAÇÃO DE POSTOS DE TRABALHO Medida Contratação via Reembolso TSU Portaria nº 204-A/2013 de 18 de Junho Estágio Emprego Portaria nº 204-B/2013 de 18 de Junho Jovens idades 18-30 anos Adultos idade = ou > 45 anos Adultos idades 31

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto DATA: Quarta-feira, 30 de julho de 2014 NÚMERO: 145 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 151/2014 SUMÁRIO: Cria o Programa Investe Jovem Artigo

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

Regime de IVA de Caixa

Regime de IVA de Caixa Regime de IVA de Caixa Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Joana Maldonado Reis 5 de Junho 2014 ÍNDICE 1. Enquadramento / Contexto 2. Características

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2014

Volta de Apoio ao Emprego 2014 Volta de Apoio ao Emprego 2014 Apoios ao Empreendedorismo 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3.O Ninho de Empresas de Loulé 2014-10-23

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 378/XII/2.ª INTRODUZ O REGIME FACULTATIVO DE CONTABILIDADE DE CAIXA DO IVA PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Exposição de motivos As micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS AO EMPREGO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Índice EMPREGO INTEGRA... 2 PROGRAMA DE INCENTIVO À INSERÇÃO DO ESTAGIAR L E T... 4 ESTAGIAR... 6 PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE RECONVERSÃO

Leia mais

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto)

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) 1 Novas regras de faturação (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) Este diploma introduz alterações às regras de faturação em matéria de imposto sobre o valor acrescentado, em vigor a partir de 1 de janeiro

Leia mais

Ao longo do nosso percurso

Ao longo do nosso percurso A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA P o r E l s a M a r v a n e j o d a C o s t a A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA possui algumas características que, muitas vezes, não são

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de outubro de 2015. Série. Número 158 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 14 de outubro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 191/2015 Regulamenta o Programa

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Qualificação e Internacionalização das PME PSZ CONSULTING Mar 2015 Índice 1 O que é?... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Objetivos Específicos...

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013. Certificação de Programas de Faturação INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 41/2013 Certificação de Programas de Faturação A presente informação técnica substitui a informação n.º 6/2012 e a n.º 22/2010, introduzindolhe as atualizações resultantes da Portaria

Leia mais

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos 0 Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto, introduz alterações às regras de faturação em matéria

Leia mais

de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO

de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego REGULAMENTO ESPECÍFICO Incentivo à aceitação de Ofertas de Emprego Regulamento Específico Página 1 de 20 Incentivo à aceitação de Ofertas de Emprego Regulamento

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo.

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo. Imposto do Selo O imposto do selo incide sobre determinados atos e contratos, sendo cobrado um valor fixo ou aplicada uma taxa ao valor do ato ou contrato. O campo de aplicação deste imposto tem vindo

Leia mais

Vantagens da solução Starter Easy

Vantagens da solução Starter Easy Vantagens da solução Starter Easy Software certificado A solução Starter Easy obedece às regras de certificação dos programas informáticos de faturação definidos pela Autoridade Tributária, conforme o

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISCALIDADE - REGULAMENTO -

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISCALIDADE - REGULAMENTO - CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISCALIDADE - REGULAMENTO - Artigo 1.º Objecto O presente regulamento enquadra e estabelece as regras de funcionamento do curso de pós-graduação em fiscalidade, organizado pelo

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho

07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho 07 de Fevereiro 2013 Direito do Trabalho Estágios Profissionais A matéria relativa aos estágios profissionais encontra-se regulada pelo Decreto-Lei n.º 66/2011, de 1 de Junho («Estágios Profissionais»)

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS

Rendimentos profissionais. Tributação em sede de IVA e de IRS Rendimentos profissionais Tributação em sede de IVA e de IRS Alterações em 2013 Novas regras de faturação Regime de contabilidade de caixa de iva (RCIVA) 2 Projeto fiscal das faturas Combate à informalidade

Leia mais

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS.

As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS. Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. As novas regras de facturação para 2013 Novidades no Software PHC CS Principais alterações em todas as gamas da versão 2013 do PHC CS. Índice 1. Documentos que deixam de ser utilizados... 3 2. Factura

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço

ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço ADVOCACIA - Enquadramento fiscal das prestações de serviço 1. Processo de pagamento de honorários no âmbito do acesso ao Direito e aos Tribunais 2. Facto gerador e exigibilidade do Imposto 3. Emissão de

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014

Medidas Ativas de Emprego. Fevereiro 2014 Medidas Ativas de Emprego Fevereiro 2014 Medidas ativas de emprego Medidas 1. Estágios Emprego 2. Estímulo 2013 3. Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Estágios Emprego Portaria n.º 204-B/2013, de

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 I SÉRIE NÚMERO 60 QUARTA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2014 ÍNDICE: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução n.º 89/2014: Cria um prémio destinado à integração de ativos no setor primário, designado por AGRICULTURA +.

Leia mais

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO)

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) Março 2015 V A L E INO V A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2. Objetivo Específico... 3 3. Tipologia de Projetos...

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Sistema de Incentivos. Internacionalização das PME

Sistema de Incentivos. Internacionalização das PME SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Tipologia de investimento: Qualificação e Internacionalização das PME Área de investimento Internacionalização das PME O sistema de incentivos tem como objetivo reforçar

Leia mais

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME

Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Sistema de Incentivos Internacionalização das PME Objetivos e prioridades: Conceder apoios financeiros a projetos que reforcem a capacitação empresarial das PME para a internacionalização, com vista a

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Albufeira, 24 de Maio de 2012

Albufeira, 24 de Maio de 2012 Albufeira, 24 de Maio de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando

Leia mais

DAMOS FORÇA AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS

DAMOS FORÇA AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS AGOSTO 2015 LINHA PME CRESCIMENTO 2015 (TAE 2,876%) DAMOS FORÇA AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS Vai efetuar uma candidatura ao Programa Portugal 2020? Procura uma opção de financiamento para agilizar a gestão

Leia mais

REMESSAS E CRÉDITOS DOCUMENTÁRIOS

REMESSAS E CRÉDITOS DOCUMENTÁRIOS MARÇO 2013 - nº 87 CONSULTA Operações Vivas, Pendentes, Encerradas e em Análise; Créditos Documentários de Importação e Exportação; Remessas Documentárias de Importação e Exportação. TEMPLATES DE OPERAÇÕES

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESAS DE CONTABILIDADE

GESTÃO DE EMPRESAS DE CONTABILIDADE GESTÃO DE EMPRESAS DE CONTABILIDADE AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS GESTÃO DE EMPRESAS DE CONTABILIDADE Pensada especificamente para as Empresas de Contabilidade, esta solução ARTSOFT permite-lhe o controlo

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014;

A Portaria 151/2014, de 30 de Julho, que cria o PROGRAMA INVESTE JOVEM Entrada em vigor: 29 de Setembro de 2014; 7 de Agosto 2014 Direito do Trabalho Em 24 e 30 de Julho de 2014 foram publicadas quatro Portarias com o objectivo de combater o desemprego, e sobretudo o desemprego jovem, a saber: A Portaria 149-A/2014,

Leia mais

PARCEIROS Modelo de Negócio

PARCEIROS Modelo de Negócio PARCEIROS Modelo de Negócio YouBIZ Telecom O YouBIZ Telecom é um negócio da empresa YouBIZ, parceira da. Somos uma empresa líder no canal de Marketing de Rede, com uma quota de mercado superior a 85%.

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO

REGULAMENTO FINANCEIRO REGULAMENTO FINANCEIRO Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento aplica-se a todos os cursos ministrados pelo Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. Artigo 2.º (Regimes de Pagamento

Leia mais

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO

NOTA INFORMATIVA: PORTARIAS 84, 85 E 86/2015 DE 20 DE MARÇO PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO 9 de Abril 2015 Direito do Trabalho PORTARIA N.º 84/2015, DE 20 DE MARÇO Esta Portaria, publicada em 20 de Março passado, vem criar e regulamentar a Medida de Promoção de Igualdade de Género no Mercado

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Vale Inovação PSZ CONSULTING Maio 2015 Índice 1 O que é?... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Objetivos Específicos... 2 1.3 Âmbito Setorial... 2 1.4

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no

# Confiança Planeamento e Gestão de Investimentos. segurança do seu património. Para isso contamos com o nosso trabalho, no Caritas Dioces ana de Coim bra Condições válidas para Caritas Diocesana de Coimbra Oferta de Cooperação Barclays at Work Saiba mais em www.barclays.pt/compromissopremier # Confiança Planeamento e Gestão

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente:

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente: Parceiro Certificado DEFIR RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 I SÉRIE Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 22-A/2012: Altera a Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, que regulamenta a certificação prévia

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1 ÂMBITO 1. O presente Regulamento, submetido à aprovação da Fundação

Leia mais

Recibo-veRde eletrónico versus. uma ALteRAção meramente

Recibo-veRde eletrónico versus. uma ALteRAção meramente Recibo-veRde eletrónico versus fatura-recibo: breves notas SobRe uma ALteRAção meramente psicológica Pelo dr. João t. c. batista pereira( 1 ) sumário: 1. Regime aplicável aos devedores acessórios dos prestadores

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimento para associações 1 2 Ofício n.º 30141 de 4 de Janeiro de 2013 da Direção de Serviços do IVA Novas Regras de Faturação Instruções complementares ao Ofício-Circulado

Leia mais

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho.

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho. A Resolução do Conselho de Ministros n.º 51-A/2012, de 14 de junho, veio criar o Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção de Empregabilidade Jovem e Apoio às PME s («Impulso Jovem»), que assenta em

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.12)

Leia mais

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO

INFORMAÇÃO PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO INFORMAÇÃO N.º 60 P E R Í O D O DE 20 A 26 DE J A N E I R O D E 20 12 PRI NCI PAL LE GISL AÇÃO D O PE RÍ ODO Portaria n.º 17-A/2012, de 19 de Janeiro Aprova o modelo de declaração de regularização tributária

Leia mais

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES

FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR PRINCIPAIS ALTERAÇÕES Classificação: 000.01.09 Seg.: P ú b l i c a Proc.: 1 6 / 2 0 1 2 GABINETE DO SUBDIRETOR-GERAL DA INSPEÇÃO TRIBUTÁRIA FAQ s PORTARIA DE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE ÓTICA DO UTILIZADOR (Em vigor após 1 de

Leia mais

Regime de IVA de Caixa

Regime de IVA de Caixa Regime de IVA de Caixa Versão 1.4 maio de 2014 (Última atualização a 05.05.2014) Índice Índice... 2 Introdução... 3 Notas prévias... 4 Configurações Gerais... 4 Administrador...4 ERP PRIMAVERA...8 Perfis

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS - GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DOS ASSUNTOS FISCAIS. Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Legislação Diploma Despacho normativo n.º 17/2014, de 26 de dezembro Estado: vigente Resumo: Despacho Normativo que altera o Despacho Normativo nº 18-A/2010, de 1 de julho. Publicação: Diário da República

Leia mais