Rede de Reabilitação Lucy Montoro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rede de Reabilitação Lucy Montoro"

Transcrição

1 Rede de Reabilitação Lucy Montoro

2 Rede de Reabilitação Lucy Montoro Implantar, Padronizar e Sistematizar uma rede hierarquizada e descentralizada, dentro dos parâmetros do SUS, de atendimento em reabilitação e dispensação de órteses, próteses e meios auxiliares da locomoção e comunicação no Estado de São Paulo com vistas a inclusão da Pessoa com Deficiência.

3 Rede de Reabilitação Lucy Montoro Diretrizes da Política Nacional de Saúde da PcD Portaria GM/MS 1060 de 05/06/2002 promoção da qualidade de vida das PcD; prevenção de deficiências; assistência integral à saúde da PcD; organização e funcionamento dos serviços de saúde; ampliação e fortalecimento dos mecanismos de informação; capacitação de recursos humanos. Atendendo a Convenção da ONU

4 Rede de Reabilitação Lucy Montoro Missão Servir às pessoas com deficiência transitória ou definitiva, necessitadas de receber atendimento de reabilitação, desenvolvendo seu potencial físico, psicológico, social, educacional e profissional.

5 Rede de Reabilitação Lucy Montoro Visão Ser de referência e excelência em reabilitação, desenvolvendo pesquisas e participando de políticas públicas para a promoção da inclusão social da pessoa com deficiência.

6 Rede de Reabilitação Lucy Montoro Valores Ética Humanismo Responsabilidade Social Pluralismo Pioneirismo Compromisso Institucional... são alicerces importantes e reconhecidos em todas as unidades da Rede

7 Público Alvo _ Clientes Pacientes do SUS com: Lesões Medulares Amputações e Má Formação Lesões Encefálicas Adquiridas (LEA) Paralisia Cerebral Dor Incapacitante Síndrome de Down Deficiência Auditiva/Visual/Intelectual Envelhecimento (Idosos)

8 Conceitos da Rede Sistema de Arquitetura e Ambientação Desenvolvimento de Modelo de Gestão: INDG Estudo/Análise/Composição para Custeio: FIPE Sistema de Informação: TASY para gestão e comparação das informações. Programa de Capacitação Interna e Externa Criação de programas de formação para médicos e equipes de saúde: residência/aprimoramento (FUNDAP). Padrões de Atendimento Desenvolvimento Científico

9 Rede de Reabilitação Lucy Montoro Níveis de Complexidade: 01 unidade móvel 18 unidades fixas (04) Institutos de Reabilitação (com leitos de internação) (08) Centros de Reabilitação (03) Serviços de Reabilitação (03) Unidades de Reabilitação (manutenção funcional)

10 Distribuição Geográfica Rede de Reabilitação Lucy Montoro Departamentos Regionais de Saúde do Estado de São Paulo, 2007 DRS II/V/XV Araçatuba/Barretos/São José do Rio Preto População: 2,581 milhões/hab 371 DRS XI - Presidente Prudente População: 683 mil/hab DRS III/VIII/XIII Araraquara/Franca/Ribeirão Preto População: 2,513 milhões/hab DRS X/XIV Piracicaba/São João da Boa Vista População: 2 milhões/hab 242 DRS VII - Campinas População: 3,3 milhões/hab Morumbi * 2. Vila Mariana * 3. Ribeirão Preto 4. São José do Rio Preto 5. Lapa * 6. Umarizal * 7. Clínicas * 8. Campinas 9. São José dos Campos 10. Marília 11. Santos 12. Jaú 13. Botucatu 14. Presidente Prudente 15. Sorocaba 16. Fernandópolis 17. Pariquera-Açu 18. Mogi Mirim DRS IX Marília População: 994 mil/hab 443 DRS VI - Bauru População: 1,5 milhões/hab 1331 DRS XVI - Sorocaba População: 2 milhões/hab 255 DRS XII - Registro População: 271 mil/hab * 11 9 DRS XVII Taubaté População: 2 milhões/hab 504 DRS I - Grande São Paulo População: 18 milhões/hab Área: 7815,9 Km ² 519 DRS IV - Baixada Santista População: 1,4 milhões/hab 344 Área do Estado de São Paulo: ,426 Km ²

11 UNIDADE MÓVEL DA REDE LUCY MONTORO: ACESSO À ÓRTESES E PRÓTESES Investimento: $1,2 milhões Lançada em janeiro de Criada para atender as demandas mais urgentes de fornecimento de órteses, próteses, cadeiras de rodas e meios auxiliares de locomoção em todo o Estado. Uma carreta de 15m de comprimento x 2,60m de largura, com peso de 20 toneladas.

12 UNIDADE MÓVEL DA REDE DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO Elevador hidráulico para atender a pessoa em cadeira de rodas ou em maca. Banheiro adaptado. Consultório médico e sala de espera. Oficina de órteses e próteses, composta por salas de prova, de máquinas e de gesso. Atendimento realizado por: Médico Fisiatra, Técnico de Órteses e Próteses, Fisioterapeuta, Terapeuta Ocupacional e Enfermeiros.

13 02 na Capital 4 INSTITUTOS DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO 02 no Interior

14 INSTITUTOS DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO Tratamento ambulatorial e internação Programa de Trabalho Diagnóstico Serviços de OPM Tratamento Espasticidade Tratamento de Úlcera de Pressão Tratamento Clinico Reabilitacional LESÃO ENCEFÁLICA ADQUIRIDA PARALISIA CEREBRAL LESÃO MEDULAR DOR INCAPACITANTE AMPUTAÇÕES E MÁ FORMAÇÕES Serviços Oferecidos Serv. Médico Especializado Serv. Social Fisioterapia Fonoaudiologia Enfermagem Nutrição Serv. Odontológico Terapia Ocupacional Psicologia Condicionamento Físico Reabilitação Vocacional e Pré Profissionalizante

15 03 na Capital 04 no Interior 01 no Litoral 8 CENTROS DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO

16 8 CENTROS DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO 04 no Interior 01 no Litoral Sorocaba Santos Marília

17 CENTROS DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO Tratamento ambulatorial Programa de Trabalho Diagnóstico Serviços de OPM Tratamento Espasticidade Tratamento de Úlcera de Pressão Tratamento Clinico Reabilitacional LESÃO ENCEFÁLICA ADQUIRIDA PARALISIA CEREBRAL LESÃO MEDULAR DOR INCAPACITANTE AMPUTAÇÕES E MÁ FORMAÇÕES Serviços Oferecidos Serv. Médico Especializado Serv. Social Fisioterapia Fonoaudiologia Enfermagem Nutrição Serv. Odontológico Terapia Ocupacional Psicologia Condicionamento Físico Reabilitação Vocacional e Pré Profissionalizante

18 3 SERVIÇOS DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO Jaú Presidente Prudente 03 Interior

19 SERVIÇOS DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO Programa de Trabalho Diagnóstico Clinico Serviços de OPM Tratamento de Úlcera de Pressão Tratamento Clinico Reabilitacional LESÃO ENCEFÁLICA ADQUIRIDA PARALISIA CEREBRAL LESÃO MEDULAR DOR INCAPACITANTE AMPUTAÇÕES E MÁ FORMAÇÕES Serviços Oferecidos Serv. Médico Especializado Serv. Social Fisioterapia Fonoaudiologia Enfermagem Terapia Ocupacional Psicologia Atividade Física Reabilitação Vocacional e Pré Profissionalizante SÍNDROME DE DOWM DEF. AUDITIVA, VISUAL, INTELECTUAL ENVELHECIMENTO

20 UNIDADES DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO Botucatu Fernandópolis Pariquera-Açu 03 Interior

21 UNIDADES DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO Programa de Trabalho Tratamento de Úlcera de Pressão Tratamento Clinico Reabilitacional LESÃO ENCEFÁLICA ADQUIRIDA PARALISIA CEREBRAL LESÃO MEDULAR DOR INCAPACITANTE AMPUTAÇÕES E MÁ FORMAÇÕES DEF. AUDITIVA, VISUAL, INTELECTUAL SÍNDROME DE DOWN Serviços Oferecidos Serv. Médico Serv. Social Fisioterapia Fonoaudiologia Enfermagem Terapia Ocupacional Psicologia Atividade Física Reabilitação Vocacional e Pré Profissionalizante ENVELHECIMENTO

22 Como Ter Acesso Rede de Reabilitação Lucy Montoro?

23 Fluxograma Assistência Clinica Hospitais Gerais AMEs Comunidade Coordenadoria Regionall Lesão Medular Lesão Encefálica Amputação e Má Formação Paralisia Cerebral Doenças degenerativas e músculo esqueléticas de maior gravidade Outros TRIAGEM MULTIPROFISSIONAL Médico + Psicologia + Serviço Social AVALIAÇÃO MÉDICA INICIAL BLOQUEIO NEUROQUÍMICO PROGRAMAS DE REABILITAÇÃO (ambulatório ou internação) GRUPOS DE ORIENTAÇÃO AMBULATÓRIO DE OPM

24 REDE DE REABILITAÇÃO LUCY MONTORO MATERIALIZANDO DIREITOS HUMANOS

25 Equipe Multiprofissional Qualificada Médicos Fisiatras Assistentes Sociais Fisioterapeutas Fonoaudiólogos Enfermeiros Nutricionistas Odontólogos Terapeutas Ocupacionais Psicólogos Educadores Físicos Arte-terapeutas Médicos Consultores nas áreas de Cardiologia, Ortopedia, Urologia e Psiquiatria

26 É divertido fazer o impossível! Walt Disney

27

28

Políticas Públicas em Ajudas Técnicas

Políticas Públicas em Ajudas Técnicas Políticas Públicas em Ajudas Técnicas Políticas Públicas em Ajudas Técnicas Marcos e Avanços 1. Criação da Secretaria do Direito da Pessoa com Deficiência (2008) : Diretriz Políticas Públicas MISSÃO Garantir

Leia mais

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Percentual de pessoas com deficiência no Brasil..segundo Censo 2000: 14,5% Deficientes 85,5% Não Deficientes

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Érika Pisaneschi

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Senado Federal Comissão de Assuntos Sociais (CAS) Subcomissão Permanente de Promoção, Acompanhamento, e Defesa da Saúde (CASSAUDE)

Senado Federal Comissão de Assuntos Sociais (CAS) Subcomissão Permanente de Promoção, Acompanhamento, e Defesa da Saúde (CASSAUDE) Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Senado Federal Comissão de Assuntos Sociais (CAS) Subcomissão Permanente de Promoção, Acompanhamento,

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS 937 ESPELHO DE AUTOR DA William Woo 25460001 Adquirir e instalar sistemas de geração de energia elétrica a partir de fonte solar fotovoltáica em unidades

Leia mais

CICLO 2014 PRONAS RELAÇÃO DOS PROJETOS APROVADOS ATÉ 27.11.14

CICLO 2014 PRONAS RELAÇÃO DOS PROJETOS APROVADOS ATÉ 27.11.14 CICLO 2014 PRONAS RELAÇÃO DOS PROJETOS APROVADOS ATÉ 27.11.14 Associação Hospitalar de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro - Hospital Pequeno Príncipe 25000.161.705/2014-37 Deficiência Intelectual e

Leia mais

Cidade de Prova - 01 ARAÇATUBA. Cidade de Prova - 02 ARARAQUARA. Cidade de Prova - 03 ASSIS

Cidade de Prova - 01 ARAÇATUBA. Cidade de Prova - 02 ARARAQUARA. Cidade de Prova - 03 ASSIS Cidade de Prova - 01 ARAÇATUBA 001 - Aux. de Enfermagem ARAÇATUBA 542 018 - Enfermeiro ARAÇATUBA 203 036 - Médico - Cardiologia ARAÇATUBA 5 050 - Médico - Clínica Médica ARAÇATUBA 13 064 - Médico - Dermatologia

Leia mais

Papel do Hospital das Clínicas

Papel do Hospital das Clínicas Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto Papel do Hospital das Clínicas Milton Roberto Laprega 22 de maio de 2010 Ensino Pesquisa Assistência à saúde satisfação do paciente 1

Leia mais

Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência no SUS

Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência no SUS XXVIII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO ABRIL 2014 UBATUBA/SP Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA 1.1 MÉDICO CLINICO GERAL Medicina. ATRIBUIÇÕES: Atendimento aos pacientes em área

Leia mais

Política Nacional de Saúde Pessoa com Deficiência: Avanços e Desafios

Política Nacional de Saúde Pessoa com Deficiência: Avanços e Desafios Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Política Nacional de Saúde Pessoa com Deficiência: Avanços e Desafios Érika Pisaneschi Coordenadora Área

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - COFFITO Nº 402 DE 03.08.2011 D.O.U: 24.11.2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - COFFITO Nº 402 DE 03.08.2011 D.O.U: 24.11.2011 RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - COFFITO Nº 402 DE 03.08.2011 D.O.U: 24.11.2011 Disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia em Terapia Intensiva e dá outras

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO MANIFESTO DOS TERAPEUTAS OCUPACIONAIS À REDE DE HOSPITAIS PÚBLICOS FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão editou a portaria n 292 no dia 4 de julho de 2012 que autoriza

Leia mais

Instituto de Reabilitação Lucy Montoro

Instituto de Reabilitação Lucy Montoro Instituto de Introdução O do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, criado em 2007 como CER - Centro de, conta com equipes multiprofissionais em mais de 20 setores de reabilitação,

Leia mais

Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência

Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência Rede de Cuidados à Saúde da Pessoa com Deficiência CER O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que assumiu o desafio de ter um sistema universal, público e gratuito de Saúde DADOS

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo

Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo Plano Municipal de Ações Articuladas para as pessoas com deficiência da Cidade de São Paulo DIREITOS HUMANOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS CONVENÇÃO SOBRE

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Atenção à Saúde das Pessoas com Deficiência Intelectual e

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre: PLANOS DE SAÚDE. Núcleo Especializado de. Defesa do Consumidor

Tire suas dúvidas sobre: PLANOS DE SAÚDE. Núcleo Especializado de. Defesa do Consumidor Tire suas dúvidas sobre: PLANOS DE SAÚDE Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor O que é Plano de Saúde? EXPEDIENTE Texto Núcleo Especializado de Defesa do Consumidor Revisão Coordenadoria de Comunicação

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1663, DE 02 DE JULHO DE 2012. Aprova o detalhamento das funções/especialidades dos cargos do Quadro Permanente da Função Saúde da Administração Pública

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS

TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPEUTA OCUPACIONAL E O SUS TERAPIA OCUPACIONAL UMA PROFISSÃO NATURALMENTE PARA A SAÚDE PUBLICA Senhor Gestor, gostaríamos de apresentar as possibilidades de cuidado que o terapeuta ocupacional oferece

Leia mais

Curriculum Vitae. Eliania Pereira da Silva Terapeuta Ocupacional CREFITO 12806-TO. Resumo. Formação Acadêmica. elianiasq@hotmail.

Curriculum Vitae. Eliania Pereira da Silva Terapeuta Ocupacional CREFITO 12806-TO. Resumo. Formação Acadêmica. elianiasq@hotmail. Curriculum Vitae Eliania Pereira da Silva Terapeuta Ocupacional CREFITO 12806-TO (98) 8850-2012 Resumo Formação Acadêmica Ensino superior MBA em Gestão da Saúde Fundação Getúlio Vargas, 2014 (previsão)

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

ACESSO A MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESPECIALIZADO DO SUS-SP

ACESSO A MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESPECIALIZADO DO SUS-SP XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO III MOSTRA DE EXPERIÊNCIAS REGIONAIS DESAFIOS DA GESTÃO MUNICIPAL DO SUS NA ARTICULAÇÃO COM ESTADO E UNIÃO ACESSO A MEDICAMENTOS

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO PLANO DE SALÁRIOS DOS EMPREGADOS DA AGIR

REGULAMENTAÇÃO DO PLANO DE SALÁRIOS DOS EMPREGADOS DA AGIR REGULAMENTAÇÃO DO PLANO DE SALÁRIOS DOS EMPREGADOS DA AGIR Lei Estadual de Acesso a Informação, nº 18.028/2013, regulamentada pelo Decreto nº 7.904/2013. A regulamentação dos salários dos empregados da

Leia mais

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e O Descompasso no Controle da Sífilis Congênita Porquê é um Desafio para a Saúde Pública? Agente etiológico conhecido História natural

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 Define diretriz para a política de atenção integral aos portadores da doença de Alzheimer no âmbito do Sistema Único de Saúde SUS

Leia mais

GABARITO CONCURSO SEPLAG NÍVEL MÉDIO

GABARITO CONCURSO SEPLAG NÍVEL MÉDIO GABARITO CONCURSO SEPLAG NÍVEL MÉDIO LÍNGUA PORTUGUESA 1 E 2 - C 3 - C 4 - C 5 - C 6 - B 7 - D 8 - D 9 - E 10 - D ATUALIDADES 11 - E 12 - B 13 - A 14 - D CONHECIMENTOS DE INFORMÁTICA 15 - C 16 - C 17 -

Leia mais

Média salarial - Brasil

Média salarial - Brasil Média salarial - Brasil Área geral Área específica Cargo Valor Administração Administração Diretor de Administração Gerente de Administração R$ 17.716 R$ 6.246 Administração Administrador R$ 6.001 Administração

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Média salarial - Brasil

Média salarial - Brasil Média salarial - Brasil Área geral Área específica Cargo Valor Diretor R$ 15.714 Gerente R$ 6.728 Administrador R$ 6.049 R$ 3.313 Analista Sênior R$ 2.416 Farmacêutico R$ 2.249 Analista Pleno R$ 1.858

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR EDITAL Nº 005/2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições, atendendo aos termos da Lei Complementar nº 108, de 18 de maio de 2005, com alteração dada pela Lei Complementar

Leia mais

98200003 50000446 RPG FISIOTERAPIA R$ 33,35. Avaliação Terapia Ocupacional 98400029 não possui Não possui TERAPIA OCUPACIONAL R$ 42,35 98200143

98200003 50000446 RPG FISIOTERAPIA R$ 33,35. Avaliação Terapia Ocupacional 98400029 não possui Não possui TERAPIA OCUPACIONAL R$ 42,35 98200143 DESCRIÇÃO ANTERIOR CÓDIGO ANTERIOR CÓD. TUSS NOMENCLATURA TUSS SERVIÇO VALOR REAJUSTADO EM 17,65% - (VIGENTE A PARTIR DE 01/04/2015) Avaliação Nutricionista 98800140 não possui não possui NUTRICIONISTA

Leia mais

Centro de Reabilitação Dra. Linamara R. Battistella

Centro de Reabilitação Dra. Linamara R. Battistella Centro de Reabilitação Dra. Linamara R. Battistella Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura Municipal de Centro de Reabilitação Até ano 2000: Casa de Saúde Stella Maris (05 fisios); Ano 2000: Clínica

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA CREAPP

CENTRO DE REFERÊNCIA EM TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA CREAPP CREAPP SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE CAISM PHILIPPE PINEL CENTRO DE REFERÊNCIA EM TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA CREAPP Coordenadora: Miriam Tornero Gerente: Valdete

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANAÃ DOS CARAJÁS

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANAÃ DOS CARAJÁS PREFEITURA DO MUNICÍPIO CANAÃ DOS CARAJÁS ESTRUTURA PRE REQUISITOS BÁSICOS E HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A INVESTIDURA DO CAR ESCOLARIDA NOMINAÇÃO DO CAR OPERACIONAL ELEMENTAR Ensino Fundamental Incompleto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARIACICA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARIACICA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARIACICA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ANEXO I DO EDITAL DE ABERTURA Nº 01/2010 TABELA DE CARGOS TAXA DE INSCRIÇÃO R$ 35,00 TABELA 1. RELAÇÃO DOS CARGOS

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO 2006 N.º Despacho PROJETO DE LEI N.º 903/2006 RECONHECE A PESSOA COM AUTISMO COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA, PARA FINS DA FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

GRUPO 43 - MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DO IDOSO / IMIP GRUPO 44 - MULTIPROFISSIONAL EM CUIDADOS PALIATIVOS / IMIP. 43 e 44 - EDUCAÇÃO FÍSICA

GRUPO 43 - MULTIPROFISSIONAL EM SAÚDE DO IDOSO / IMIP GRUPO 44 - MULTIPROFISSIONAL EM CUIDADOS PALIATIVOS / IMIP. 43 e 44 - EDUCAÇÃO FÍSICA 43 e 44 - EDUCAÇÃO FÍSICA 01 D 26 B 02 B 27 A 03 D 28 A 04 D 29 E 05 D 30 C 06 A 31 B 07 A 32 A 08 A 33 E 09 E 34 E 11 B 36 C 12 C 37 A 13 B 38 A 14 E 39 B 15 B 40 B 16 C 41 D 17 A 42 E 18 D 43 E 19 C

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

1.161 6.710 1.875. Posição em Março/2015

1.161 6.710 1.875. Posição em Março/2015 2014 7 1.161 249 55 9 6.710 1.875 Posição em Março/2015 791 mil Consultas 50,5 mil Internações 60 mil Proced. Cirúrgicos e Obstétricos 4,7 Milhões Diagnóstico e Tratamento 5.570.529 Total de procedimentos

Leia mais

REDES DE ATENDIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO

REDES DE ATENDIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO REDES DE ATENDIMENTO NO ESTADO DE SÃO PAULO SANTA CASA SUSTENTÁVEL wpollara@saude.sp.gov.br 3% 97% Km 2 21% Estado de São Paulo 79% BRASIL 33% 67% $ São Paulo 44% da Alta Complexidade Do Brasil + 8.514.876

Leia mais

VIDA BOA É TER APRESENTAÇÃO

VIDA BOA É TER APRESENTAÇÃO VIDA BOA É TER APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Doctor Clin, Operadora de Planos de Saúde registrada na Agência Nacional de Saúde sob o nº 34968-2. Há 20 anos no mercado, é responsável pela saúde de 60 mil funcionários

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001

LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 LEI Nº 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 593, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009.

DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 593, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009. DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 593, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009. Aprova a redefinição das normas de organização e normas de atendimento da Rede de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência Mental e Autismo do

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXERAMOBIM GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXERAMOBIM GABINETE DO PREFEITO ADITIVO nº 01 ADITIVO AO EDITAL nº 005/2014 Concurso Público para Provimento de Cargos Efetivos de Nível Superior para a Prefeitura Municipal de Quixeramobim O Prefeito Municipal de Quixeramobim, no uso

Leia mais

Prefeitura Municipal de Catas Altas MG Cidade Ótima para Viver, Visitar e Empreender Berço do Caraça

Prefeitura Municipal de Catas Altas MG Cidade Ótima para Viver, Visitar e Empreender Berço do Caraça LEI COMPLEMENTAR Nº 0329/2010 Altera a Lei Complementar n.º 223/2007 e dá outras providências. A Câmara Municipal de Catas Altas aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1º. Fica

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM REABILITAÇÃO

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ (ESP-CE) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DOS EMPREGOS PÚBLICOS DE POLICLÍNICAS

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ (ESP-CE) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DOS EMPREGOS PÚBLICOS DE POLICLÍNICAS 2024 003.507.983-54 80.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2019 004.798.133-45 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2143 600.324.453-42 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2322 884.313.043-91 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2027 631.747.313-72

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos

CONCEITO. Despertar a potencialidade de indivíduos CONCEITO Despertar a potencialidade de indivíduos Utilizar a Arte como meio de comunicação e expressão e a Cultura no resgate de histórias de vida e valores 17 anos de atuação 231 mil atendimentos ARTE

Leia mais

ANEXO I DEMONSTRATIVO DE CARGOS, QUALIFICAÇÃO, CARGA HORÁRIA, VAGAS E VENCIMENTOS ÁREA DE EDUCAÇÃO. Ensino médio completo com curso

ANEXO I DEMONSTRATIVO DE CARGOS, QUALIFICAÇÃO, CARGA HORÁRIA, VAGAS E VENCIMENTOS ÁREA DE EDUCAÇÃO. Ensino médio completo com curso DEMONSTRATIVO DE CARGOS, QUALIFICAÇÃO, CARGA, E VENCIMENTOS ÁREA DE EDUCAÇÃO NÍVEL MÉDIO CARGA curso Professor Docente I - com de formação de professores ou 100. especializações em Educação curso normal,

Leia mais

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 001 / 2015 ANEXO I. Vagas Gerais. para o cargo. Graduação de Nível Superior em qualquer área

EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 001 / 2015 ANEXO I. Vagas Gerais. para o cargo. Graduação de Nível Superior em qualquer área EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N o 001 / 2015 ANEXO I N O DE VAGAS PARA OS CARGOS DO CONCURSO PÚBLICO DEFINIÇÃO DOS GRUPOS GRUPO I Função Analista de Planejamento, Orçamento e Gestão Analista de Sista Arquiteto

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA EM REABILITAÇÃO AQUÁTICA

Leia mais

Hospital de Clínicas Gaspar Viana

Hospital de Clínicas Gaspar Viana Hospital de Clínicas Gaspar Viana Atendimento de Enfermagem na Clínica Psiquiátrica Enf. Sofia Vasconcelos Alves ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM OBJETIVO:Promover ações terapêuticas voltadas para identificar

Leia mais

CRONOGRAM A DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS

CRONOGRAM A DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS ANEXO VII CRONOGRAM A DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS DIA 30/01/2010 VESPERTINO Início 14 horas Orientador Pedagógico Professor Bilíngue com domínio de Libras Professor com domínio de Braile Professor de Ciências

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

CINQUENTA ANOS CONSTRUINDO SAÚDE

CINQUENTA ANOS CONSTRUINDO SAÚDE CINQUENTA ANOS CONSTRUINDO SAÚDE Gestão do SUS Desafios e Perspectivas Dr. Eduardo Ribeiro Adriano Coordenador de Gestão de Contratos de Serviços de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

Leia mais

INICIATIVA COM A PARCERIA:

INICIATIVA COM A PARCERIA: GIE de Responsabilidade Social: A empregabilidade de pessoas com deficiência: lei de cotas e inclusão INICIATIVA COM A PARCERIA: APOIO: LAR ESCOLA SÃO FRANCISCO Centro de Reabilitação Serviço de Orientação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 001/2007 O PREFEITO MUNICIPAL DE JUAZEIRO, ESTADO DA BAHIA,

Leia mais

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas

Linha de Cuidado da Obesidade. Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Linha de Cuidado da Obesidade Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas Evolução do excesso de peso e obesidade em adultos 0,8% (1.550.993) da população apresenta obesidade grave 1,14% das

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA USP À SAÚDE PÚBLICA DE RIBEIRÃO PRETO

CONTRIBUIÇÃO DA USP À SAÚDE PÚBLICA DE RIBEIRÃO PRETO CONTRIBUIÇÃO DA USP À SAÚDE PÚBLICA DE RIBEIRÃO PRETO Benedito Carlos Maciel Diretor Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Missão FMRP USP Oferecer educação superior de excelência,

Leia mais

MUNICÍPIO DE PIRAPORA - MG

MUNICÍPIO DE PIRAPORA - MG DISTRIBUIÇÃO DAS TOTAIS: Total das vagas oferecidas no Concurso Público. GERAIS: Vagas de ampla concorrência. RESERVA: Vaga destinada à pessoa com deficiência (subitem 3.2 do Edital). CRIAÇÃO DO 2.258/2015

Leia mais

ANEXO I 1 - SERVIÇO DE REABILITAÇÃO FÍSICA - PRIMEIRO NÍVEL DE REFERÊNCIA INTERMUNICIPAL

ANEXO I 1 - SERVIÇO DE REABILITAÇÃO FÍSICA - PRIMEIRO NÍVEL DE REFERÊNCIA INTERMUNICIPAL ANEXO I NORMAS PARA CADASTRAMENTO DOS SERVIÇOS DE REABILITAÇÃO FÍSICA - PRIMEIRO NÍVEL DE REFERÊNCIA INTERMUNICIPAL, DOS SERVIÇOS DE REABILITAÇÃO FÍSICA - NÍVEL INTERMEDIÁRIO, DOS SERVIÇOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Cruz Azul de São Paulo

Cruz Azul de São Paulo Cruz Azul de São Paulo RUZ AZUL DE SÃO PAULO GERENCIAMENTO DE RISCO Ações preventivas, corretivas, análises e gerenciamento! Patrícia Mara Molina Gerente da Qualidade Cruz Azul de São Paulo RUZ AZUL DE

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA FISIOTERAPIA EM GERIATRIA E GERONTOLOGIA Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisor: José Eduardo Pompeu Características: (duração 12 meses)

Leia mais

11. Estrutura da rede de atenção à saúde da pessoa idosa

11. Estrutura da rede de atenção à saúde da pessoa idosa Cuidados paliativos: cuidados ao fim da vida 11. Estrutura da rede de atenção à saúde da pessoa idosa Marco Polo Dias Freitas Edgar Nunes de Moraes Este módulo e o próximo Dinâmica da rede de atenção à

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO I SOLICITAÇÃO DE: INSCRIÇÃO REGISTRO CADASTRO ATUALIZAÇÃO DE DADOS: (a cargo do CRM) II 1 Razão Social IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE 2 Designação de Fantasia / Nome Usual 3 Endereço 4 Município

Leia mais

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas; CURSO: FISIOTERAPIA Missão O curso de Fisioterapia da Universidade Estácio de Sá, através de uma estrutura embasada em princípios contemporâneos, tem por missão a formação de um fisioterapeuta generalista,

Leia mais

Panorama da Saúde Mental no Estado de São Paulo: leitos psiquiátricos e assistência extra-hospitalar

Panorama da Saúde Mental no Estado de São Paulo: leitos psiquiátricos e assistência extra-hospitalar Panorama da Saúde Mental no Estado de São Paulo: leitos psiquiátricos e assistência extra-hospitalar Marcelo C. Zappitelli (1) Eliana C. Gonçalves (2) Ionira Mosca (3) Introdução O Estado de São Paulo

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte - CRI Norte (OSS/ACSC), tem a satisfação de apresentar-lhe o Manual de Parceria 2015.

APRESENTAÇÃO. O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte - CRI Norte (OSS/ACSC), tem a satisfação de apresentar-lhe o Manual de Parceria 2015. APRESENTAÇÃO O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte - CRI Norte (OSS/ACSC), tem a satisfação de apresentar-lhe o Manual de Parceria 2015. Seja parceiro de um serviço que é referência em geriatria

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1).

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1). TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA E INCLUSÃO SOCIAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ASSISTIDOS PELA APAE DE VIÇOSA, MG. AUTORES: André

Leia mais

2 PORTUGUES 10 B A D C C C B C B C 6 CONHECIMENTOS GERAIS 10 B D C C C C C C B C 24 ESPECÍFICA 10 A B B B A B C B A C

2 PORTUGUES 10 B A D C C C B C B C 6 CONHECIMENTOS GERAIS 10 B D C C C C C C B C 24 ESPECÍFICA 10 A B B B A B C B A C Cargo: 1 - ADVOGADO 24 ESPECÍFICA 10 A B B B A B C B A C Cargo: 2 - AGENTE DE SAÚDE 8 SAÚDE PÚBLICA 10 A X A A C C C C A D 22 ESPECÍFICA 10 C C C D B C D D A C Cargo: 3 - AGENTE FUNERÁRIO 13 ESPECÍFICA

Leia mais

Fórum. Desafio da Gestão das Organizações Não Governamentais

Fórum. Desafio da Gestão das Organizações Não Governamentais Fórum Desafio da Gestão das Organizações Não Governamentais Centro Infantil Boldrini Nov / 2013 José Alberto Vieira Saltini Importância do Terceiro Setor É inegável a crescente importância do Terceiro

Leia mais

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA

CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VILA FÁTIMA RELATÓRIO DE 2011 Em 2011, o Vila Fátima deu continuidade aos seus programas de ensino-serviço. Esta unidade acadêmica descentralizada é uma projeção da Universidade ao seu meio, e, como tal, oferece um

Leia mais

LER/DORT" 14:00 PALESTRA II - "CINESIOTERAPIA LABORAL NA

LER/DORT 14:00 PALESTRA II - CINESIOTERAPIA LABORAL NA Fisioterapia Preventiva: A busca da saúde e melhora na qualidade de vida A 5ª Semana de Fisioterapia, promove a prevenção em todos seus níveis e áreas e comemora os 05 anos de sucesso do curso de Fisioterapia

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Portaria GM 1.559 01/08/08

POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO Portaria GM 1.559 01/08/08 Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria das Regiões de Saúde SIMPÓSIO FAEPA Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO DE FLUXO DE PACIENTES PARA

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

Tabela 24 - Terminologia do código brasileiro de ocupação (CBO) Data de início de vigência. Código do Termo. Data de fim de implantação

Tabela 24 - Terminologia do código brasileiro de ocupação (CBO) Data de início de vigência. Código do Termo. Data de fim de implantação de 201115 Geneticista 26/09/2008 26/09/2008 203015 Pesquisador em biologia de microorganismos e parasitas 26/09/2008 26/09/2008 213150 Físico médico 26/09/2008 26/09/2008 221105 Biólogo 26/09/2008 26/09/2008

Leia mais

Boletim Eletrônico Casa Abrigo Betel

Boletim Eletrônico Casa Abrigo Betel Boletim Eletrônico Casa Abrigo Betel 1ª edição Abril de 2011 Nesta edição: Palavra da Presidente Casa Abrigo Betel uma historia de lutas e vitorias. O Serviço Social e a Educação 1 2 3 Palavra da Presidente

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

a pessoa com deficiência e o sistema único de saúde

a pessoa com deficiência e o sistema único de saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas a pessoa com deficiência e o sistema único de saúde Série F. Comunicação e Educação em Saúde 2.ª edição

Leia mais

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo

Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo Experiências Nacionais na Abordagem de Hipertensão e Diabetes na Rede de Atenção Primária A Experiência de São Bernardo do Campo VIII Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica Dra. Patrícia

Leia mais

23 anos UMA EXPERIÊNCIA A SER COMPARTILHADA

23 anos UMA EXPERIÊNCIA A SER COMPARTILHADA Hospital de Medicina Alternativa 23 anos UMA EXPERIÊNCIA A SER COMPARTILHADA 1986 - Projeto de Fitoterapia CONVÊNIO - Secretaria de Estado da Saúde - GO - Ministério da Saúde - Instituto Brasileiro de

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Uso de Dispositivos Móveis na Saúde Mental de Idosos

Uso de Dispositivos Móveis na Saúde Mental de Idosos Painel Aplicações móveis na área da saúde: m-health Uso de Dispositivos Móveis na Saúde Mental de Idosos Profa. Magdala de Araújo Novaes Núcleo de Telessaúde, Hospital das Clínicas, Departamento de Medicina

Leia mais