Os principais equipamentos utilizados nas empresas de beneficiamento de mármore e granito, suas funções e importância no processo.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os principais equipamentos utilizados nas empresas de beneficiamento de mármore e granito, suas funções e importância no processo."

Transcrição

1 Os principais equipamentos utilizados nas empresas de beneficiamento de mármore e granito, suas funções e importância no processo. Armando Marques (UTFPR / CEFET-ES) Rui Francisco Martins Marçal (UTFPR) Aurélio Azevedo Barreto Neto (CEFET-ES) Luiz Alberto Pilatti (UTFPR) Resumo Este trabalho apresenta um estudo dos principais equipamentos que são utilizados em uma empresa de beneficiamento do mármore e granito, localizada na cidade de Rio Novo do Sul, Região Sul do Estado do Espírito Santo, com o objetivo de definir sua importância no processo produtivo (a sua criticidade), visando desta forma elaborar um Planejamento e Controle da Manutenção (PCM). Utiliza-se um algoritmo de determinação de criticidade pelo qual se verifica que o pórtico e a ponte rolante 01 necessitam de manutenção preventiva para que o processo produtivo não seja interrompido. Palavras-chave: Planejamento e Controle da Manutenção, criticidade de equipamentos. 1. Introdução A exportação de rochas ornamentais no país tem crescido muito nos últimos anos, e para suprir esta demanda e tornar os seus processos mais eficientes as Indústrias de Beneficiamento do Mármore e Granito no Estado do Espírito Santo, que é o principal produtor do país, têm passado por grandes transformações tecnológicas, investindo em equipamentos mais modernos e com uma maior capacidade de produção. Porém com a introdução destes novos equipamentos surgiu à demanda por profissionais qualificados para operação e manutenção. Nos últimos anos as empresas descobriram que a manutenção quando bem planejada e executada de forma a não interromper o processo produtivo, tem colaborado positivamente no crescimento da produtividade, qualidade e da lucratividade das organizações. E com isso, a manutenção que era visto como um setor de geração de despesas vem ganhando papel fundamental nos resultados das empresas. Com o advento da globalização as organizações preocupadas com a competitividade têm a cada dia mais se conscientizado que a manutenção pode ser o diferencial para a sobrevivência e permanência da empresa no mercado. Portanto, o setor de manutenção tem influência direta no aumento da produtividade e consequentemente na lucratividade das empresas. Portanto, não basta que os equipamentos produzam com qualidade e alta produtividade, é fundamental que se tenha disponibilidade e confiabilidade das instalações. Esta é a missão dos profissionais de manutenção, manter os equipamentos disponíveis e confiáveis para que possam produzir sem interrupções no processo produtivo. Para se fazer um Planejamento e Controle da Manutenção (PCM) é necessário que se conheça todos os equipamentos que estão envolvidos no processo produtivo bem como a sua criticidade. Dentro deste contesto, o objetivo deste trabalho é definir dentro de uma determinada empresa de beneficiamento de mármore e granito, dentre os vários equipamentos que são utilizados na linha de produção o equipamento crítico, na qual deve ser dado um enfoque principal para um futuro PCM. 2. Gestão de manutenção

2 2.1. Manutenção A manutenção nos últimos anos passou a ser vista de forma diferente nos processos produtivos, com a demanda produtiva cada vez maior e com a acirrada competitividade pelo mercado, não é admissível que os equipamentos parem de produzir ou até mesmo produzam com uma capacidade inferior do que a projetada. A manutenção assume uma função de suma importante não só no processo produtivo mais para a garantia de serviços essenciais ao conforto e ao bem estar da humanidade. Segundo Tavares (1999, p.37), manutenção são todas as ações necessárias para que um item seja conservado ou restaurado de modo a poder permanecer de acordo com uma condição especificada. Então pode-se dizer que manutenção nada mais é do que um conjunto de técnicas destinadas a manter equipamentos, instalações e edificações com um maior tempo de utilização, rendimento e redução de custos. Para Kardec, Nascif e Baroni (2002, p.22) a missão da manutenção é: garantir a disponibilidade da função dos equipamentos e instalações de modo a atender a um processo de produção ou de serviço, com confiabilidade, segurança, preservação do meio ambiente e custos adequados. De acordo com Kardec e Nascif (1999, p.4), A evolução da manutenção pode ser dividida em três gerações, a saber: primeira geração - abrange o período antes da Segunda Guerra Mundial, quando a indústria era pouco mecanizada, os equipamentos eram simples e, na sua grande maioria, superdimencionados. Nessa geração, apenas serviços de limpeza, lubrificação e reparo após a quebra eram executados, ou seja, a manutenção era fundamentalmente, corretiva; segunda geração - esta geração vai desde a Segunda Guerra Mundial até os anos 60. Nessa geração, houve forte aumento da mecanização, maior complexidade das instalações industriais, necessidade de maior disponibilidade e confiabilidade, tudo isto na busca da maior produtividade; a indústria estava bastante dependente do bom funcionamento das máquinas. Isto levou à idéia de que falhas dos equipamentos poderiam e deveriam ser evitadas, o que resultou no conceito de manutenção preventiva; terceira geração - reforçou-se o conceito de uma manutenção preditiva. Maior automação significa que falhas cada vez mais freqüentes afetam a capacidade de manter padrões de qualidade estabelecidos. Sendo assim, a interação entre as fases de implantação de um sistema (projeto, fabricação, instalação) e a disponibilidade/confiabilidade torna-se mais evidente nessa geração. Para Kardec, Nascif & Baroni (2002), atualmente são definidos seis tipos de manutenção, que são: manutenção corretiva não planejada; manutenção corretiva planejada; manutenção preventiva; manutenção preditiva, manutenção detectiva e engenharia de manutenção. Dentre as quais esta-se definindo apenas quatro delas Manutenção corretiva Pode-se definir manutenção corretiva como àquela que tem o objetivo de reparar as anomalias após a quebra do equipamento ou quando este estiver trabalhando abaixo de uma condição aceitável quando em operação. Pode-se dividir a manutenção corretiva em: manutenção corretiva não planejada e manutenção corretiva planejada a) Manutenção corretiva não planejada: é aquela em que a correção da falha é feita de maneira aleatória, ou seja, corrige a falha ou o baixo desempenho após a ocorrência do fato. Este tipo de manutenção implica e altos custos, perdas de produção e aumento dos danos nos equipamentos. b) Manutenção corretiva planejada: é a correção que se faz em função de um acompanhamento preditivo ou pela opção de se operar até a quebra. O trabalho planejado é

3 sempre mais barato, mais rápido e mais seguro do que o trabalho não planejado. KARDEC e NASCIF (1999, p.32), Manutenção preventiva Na manutenção preventiva as interferências são feitas de maneira programada e em intervalos pré-estabelecidos de forma a evitar falhas e baixo desempenho nos equipamentos. A manutenção preventiva quando bem realizada é altamente eficaz. Para Kardec e Nascif (1999, p.35), a manutenção preventiva é a atuação realizada de forma a reduzir ou evitar a falha ou queda no desempenho, obedecendo a um plano previamente elaborado, baseado em intervalos definidos de tempo Manutenção preditiva Manutenção preditiva é aquela que indica as condições reais de funcionamento das máquinas com base em dados que informam o seu desgaste ou processo de degradação. Trata-se da manutenção que prediz o tempo de vida útil dos componentes das máquinas e equipamentos e as condições para que esse tempo de vida seja bem aproveitado. Segundo Kardec, Nascif e Baroni (2002, p.43) é mais adequado definir manutenção preditiva como qualquer atividade de monitoramento que seja capaz de fornecer dados suficientes para uma análise de tendências, emissão de diagnóstico e tomada de decisão Engenharia de manutenção É a segunda quebra de paradigma na Manutenção, praticar a Engenharia de Manutenção significa uma mudança cultural. É deixar de ficar consertando continuadamente, para procurar as causas básicas, modificar situações permanentes de mau desempenho, deixar de conviver com problemas crônicos, melhorar padrões e sistemáticas, desenvolver a manutenibilidade, dar feedback ao projeto, interferir tecnicamente nas compras, (SOUZA, 2003), conforme demonstrado na fig. 1. A Engenharia de manutenção reúne um conjunto de ações para corrigir as deficiências anteriormente apresentadas e, também como uma fonte de informações importantes, que subsidia a tomada de decisão para se atingir o objetivo da manutenção (FERNANDES, 2003). Fig. 1 Ciclo de Gerenciamento da manutenção Fonte: Revista Máquinas e Metais, (2003).

4 As ações da engenharia de manutenção estão diretamente vinculadas ao ciclo mostrado na figura 1. Os setores de manutenção e operação respondem pela origem das necessidades de manutenção, a operação identifica as anomalias e informa panes nos equipamentos e durante a manutenção os inspetores identificam precocemente a existência de falhas. Na etapa de planejamento e programação, as necessidades de melhorias sugeridas pelos inspetores são analisadas em conjunto com os supervisores e definido como deve ser feito, relacionar profissionais e estimar tempo de execução, relacionar materiais e ferramentas e se necessário contratar serviços. Na etapa de execução, os serviços são executados e são coletadas informações como horas trabalhadas, peças utilizadas, tempo de atendimento, etc. Na etapa de controle, as informações são coletadas e lançadas em um sistema informatizado de gerenciamento, onde são encerradas as ordens de serviço, atualizando os planos de manutenção e formando um histórico técnico e estruturado dos equipamentos. E por fim, a etapa de análises, o sucesso da política de manutenção é medido, onde são geradas as recomendações para a equipe de manutenção a partir da: avaliação dos custos de manutenção, classificação, análises das paradas dos equipamentos e detecção de avarias repetitivas (FERNANDES, 2003). 3. Metodologia Para determinar os objetivos do trabalho, foi realizado um estudo de caso em uma empresa de beneficiamento de mármore e granito, localizada na cidade de Rio Novo do Sul, região Sul do Estado do Espírito Santo. O estudo de caso é segundo Yin (2005), utilizado para descrever uma intervenção e o contexto na vida real em que o fato ocorre. Foram realizadas entrevistas com os funcionários tanto de manutenção quanto de produção. A entrevista,... é uma conversação efetuada face a face, de maneira metódica, proporciona ao entrevistador, verbalmente, a informação necessária. (MARCONI; LAKATOS, 2001). Durante as visitas foram feitas observações de todo processo e de acordo com Marconi e Lakatos, A observação utiliza os sentidos na obtenção de determinados aspectos da realidade. Não consiste apenas em ver e ouvir, mas também em examinar fatos ou fenômenos que se deseja estudar. (MARCONI; LAKATOS, 2001, p. 107). E por fim, utilizou-se um algoritmo de determinação de criticidade para definir dentre os vários equipamentos quais são aqueles que devemos ter uma preocupação maior durante a elaboração de um plano de manutenção. 4. Equipamentos utilizados no beneficiamento O beneficiamento de rochas ornamentais é feito em duas etapas que são chamadas de beneficiamento primário e beneficiamento final. No beneficiamento primário são utilizados teares para o desdobramento dos blocos em chapa e no beneficiamento final as politrizes são utilizadas para fazer o polimento das chapas. Fazem parte do processo também outros equipamentos como as pontes rolantes, pórtico rolante e forno. O pórtico rolante é um equipamento de elevação e transporte e desenvolve um papel importante no processo, pois o mesmo é utilizado na descarga de caminhões, separação e organização dos blocos no pátio de estocagem e também para carga e descarga dos teares. Nos processos de beneficiamento das rochas ornamentais os teares são utilizados para serragem ou desdobramento de blocos em chapas. Existem basicamente três métodos para beneficiamento primário, ou seja, para o corte do bloco, o tear de lâminas, o corte com talha blocos de discos diamantados e o corte com fio diamantado. Na empresa em questão, são utilizados teares de lâminas. O processo de corte se dá pela ação de um elemento abrasivo conduzido por um conjunto de lâminas movimentado pelo tear. O tear é um equipamento constituído de uma estrutura de sustentação formada por quatro colunas, que suportam um

5 quadro porta-lâminas. Este quadro é acionado por um motor elétrico, com o auxílio de um volante através de um mecanismo biela-manivela, imprimindo-lhe um movimento alternado, responsável pelo atrito entre as lâminas, o elemento abrasivo e o bloco a ser cortado. Simultaneamente, o conjunto quadro-lâminas é pressionado contra o bloco em um movimento de descida, provocando o avanço do corte do material. As pontes rolantes são equipamentos de elevação e transporte, e nos processos de beneficiamento são utilizadas para carregamento e descarregamento de chapas das politrizes, fornos, movimentação de chapas no depósito e para carregamento dos caminhões. Após o processo de corte nos teares as chapas são polidas e para isso são utilizadas as politrizes, que iram dar um acabamento final ao produto. Os fornos são utilizados para secagem das chapas, para que posteriormente possa ser aplicada a resina. Para melhor entendimento, será mostrado a seguir na figura 2, a qual traz um fluxograma do processo produtivo de uma empresa de beneficiamento de mármore e granito. Fig. 2 Fluxograma do processo de beneficiamento Fonte: Autor (2006) 5. Definições de criticidade Do ponto de vista da manutenção, a máquina crítica é aquela que apresenta um maior grau de complexidade na solução dos defeitos ou aquela que fisicamente impõem dificuldades de acesso para uma eventual ação corretiva. Nos setores de beneficiamento de mármore e granito algumas máquinas estão dispostas de tal forma a facilitar o processo. Mais de certa forma este tipo de organização torna o processo suscetível a paradas repentinas se alguma destas máquinas entrarem em falha. Outras máquinas trabalham em paralelo ou não fazem parte diretamente do processo e por isso se ocorrer alguma falha não irá paralisar o sequenciamento produtivo. Sendo assim não precisam de uma atenção especial. Fica fácil verificar, do ponto de vista da produção, quais são as máquinas mais críticas, ou seja, aquelas que paralisam a produção caso sofram uma quebra.

6 A escolha do tipo de manutenção a ser aplicada em um equipamento ou máquina crítica depende de uma série de fatores técnicos ou pode ser puramente gerencial. Para Kardec, Nascif e Baroni (2002, p. 46), para a seleção das máquinas que serão monitoradas devemos considerar no mínimo os seguintes aspectos: - Importância da máquina no processo produtivo: qualidade e produtividade; - Custo ou dificuldade de aquisição de sobressalentes; - Não existência de máquinas stand-by (reserva); - Custo da própria máquina; - Custo e/ou dificuldade de intervenção; - Segurança pessoal e operacional. 6. Seleção de máquinas criticas Para determinarmos qual a máquina crítica no processo em questão, foram realizadas entrevistas com os funcionários tanto de manutenção quanto de produção e utilizou-se um algoritmo de determinação da criticidade do equipamento (fig. 3). Este algoritmo leva em consideração segurança e meio ambiente, qualidade e produtividade, oportunidade de produção, taxa de ocupação, freqüência de quebra e mantenabilidade do equipamento que está sendo analisado. Segundo os aspectos citados a cima para escolha de máquinas críticas (gargalo), podemos eliminar algumas máquinas tais como, teares e politrizes por apresentarem outras em paralelo, o forno e as pontes rolantes número 02, 03 e 04 também ficaram fora deste estudo, por não causarem parada na produção caso entrem em falha. Somente será aplicado o algoritmo de determinação da criticidade do equipamento no pórtico e na ponte rolante número 01. Fig. 3 Algoritmo de determinação da criticidade do equipamento

7 Para definir a importância do equipamento no processo (a sua criticidade), utilizou-se a tabela 1 conforme mostrada abaixo. Tabela 1 Definição de criticidade Item Pórtico Ponte Rolante 01 SA Segurança e Meio Ambiente Média (B) Média (B) QP Qualidade e Produtividade Média (B) Média (B) OP Oportunidade de Produção Média (B) Alta (A) TO Taxa de Ocupação Média (B) Média (B) FQ Freqüência de Quebra Média (B) Alta (A) MT Mantenabilidade Média (B) Média (B) Fonte: Autor (2006) Conforme demonstrado na tabela a cima e de acordo com o algoritmo de determinação de criticidade, podemos verificar que tanto o pórtico quanto a ponte rolante 01 se enquadram dentro da manutenção preventiva. 7. Considerações finais Dentro de uma nova visão a manutenção deve ser organizada de forma que os equipamentos ou sistemas parem de produzir somente de forma planejada. Pois quando os equipamentos param de produzir sem um planejamento prévio, todo o processo é prejudicado e os custos de manutenção são mais elevados visto que as peças de reposição têm que ser adquiridas em caráter de urgência e a equipe de manutenção tem que ser mobilizada de forma emergencial deixando de executar outras tarefas. Neste contexto o planejamento e controle da manutenção (PCM) tem que ser feito de forma criteriosa para evitar estes contratempos. Para isso que a definição das máquinas gargalos (críticas) necessitam ser conhecidas, evitando assim uma parada do processo produtivo o que traz como conseqüência uma diminuição da produtividade e competitividade da empresa. Diante do exposto pode-se concluir que para a empresa em questão, os equipamentos que merecem um cuidado especial (críticos) devido a sua importância no processo produtivo são o pórtico e a ponte rolante 01. Devido a sua importância no processo estes dois equipamentos deveram ser enquadrados no mínimo na modalidade de manutenção preventiva, para os demais equipamentos por não apresentarem risco de interromperem o processo poderão ser enquadrados na modalidade de manutenção corretiva. 8. Referências Bibliográficas FERNANDES, M.A. Como Aumentar a Disponibilidade das Máquinas e Reduzir Custos de Manutenção. Revista Máquinas e Metais, p.316 à 329, Abril de KARDEK, A. & NASCIF, J. Manutenção: Função Estratégica. Ed. Qualitymark: Rio de Janeiro KARDEK, A., NASCIF, J. & BARONI, T. Gestão da Manutenção e Técnicas Preditivas. Rio de Janeiro: Ed. Qualitymark: ABRAMAN, MARCONI, M. A. & LAKATOS, E. M. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Atlas SOUZA, A. C. Gerenciamento da Manutenção Eletrônica de Máquinas Críticas em uma Indústria Automobilística f. Monografia (Especialização em MBA Gerência de Produção) Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretariado, Universidade de Taubaté, Taubaté. TAVARES, L. A. Administração Moderna da Manutenção. Rio de Janeiro: Novo Pólo YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e método. Porto Alegre: Bookman

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO

EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO 1.1. INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Estas alterações são conseqüências de: a) aumento, bastante rápido,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Metodologia de manutenção

Metodologia de manutenção Metodologia de manutenção Prof. Manoel Henrique Ementa Elementos de manutenção (definições sobre manutenção, tipos e políticas) Introdução à confiabilidade (conceitos, taxa de falhas, e confiabilidade

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

Com a globalização da economia, a busca da

Com a globalização da economia, a busca da A U A UL LA Introdução à manutenção Com a globalização da economia, a busca da qualidade total em serviços, produtos e gerenciamento ambiental passou a ser a meta de todas as empresas. O que a manutenção

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO Mudanças sofridas nos últimos 20 anos Nas Organizações Aumento e diversificação das instalações e equipamentos; projetos mais complexos; surgimento de novas

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518

Monitoramento Online de Máquinas e Equipamentos www.preditivaonline.com.br marceloterra@preditivaonline.com.br Tel. 15-997741518 Principais Conceitos Definição de manutenção : ato ou efeito de manter; cuidar de algum objeto ou bem. Conservação. Podemos entender manutenção como o conjunto de tratativas e cuidados técnicos, indispensáveis

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais

Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Gestão da Manutenção: Um estudo de caso em um laticínio no Centro-Oeste de Minas Gerais Maria Helena da Silva Miranda 1 ; Marina Ferreira Mendes Bernardes 1 ; Pedro Henrique Silva 1 ; Lucas Pimenta Silva

Leia mais

Gestão da Manutenção em um ambiente Metal-Mecânico compartilhada com a Gestão do Conhecimento

Gestão da Manutenção em um ambiente Metal-Mecânico compartilhada com a Gestão do Conhecimento Gestão da Manutenção em um ambiente Metal-Mecânico compartilhada com a Gestão do Conhecimento José Barrozo de Souza (CEFETES) jbarrozo@terra.com.br Rui Francisco Martins Marçal (UTFPR) marcal@pg.cefetpr.br

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO?

Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO? MANUTENÇÃO Introdução à Manutenção O QUE VOCÊ ENTENDE POR MANUTENÇÃO? Conceito de Manutenção segundo o dicionário Michaelis UOL 1. Ato ou efeito de manter (-se). 2. Sustento. 3. Dispêndio com a conservação

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO

DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO DESAFIOS NA GESTÃO DE ATIVOS EM PROJETOS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE: EXEMPLO PRÁTICO Rodrigo O. Sabino, Richardson V. Agra, Giorgio De Tomi Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo Escola Politécnica

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes

Gestão Laboratorial GESTÃO DE. Prof. Archangelo P. Fernandes Gestão Laboratorial GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Prof. Archangelo P. Fernandes GESTÃO DE EQUIPAMENTOS II Manutenção: conjunto de medidas necessárias, que permitam manter ou restabelecer um sistema no estado

Leia mais

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões

Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões Aplicação dos princípios de gestão da manutenção em uma fábrica de colchões 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Débora Cristina de Souza RODRIGUES; 1 Warley Alves Coutinho CHAVES; 1 Caroline Passos de

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 2 4 - ATRIBUIÇÕES DO PCM Luiz Carlos Dorigo As quatro funções fundamentais do PCM, quais sejam, Planejamento, Programação, Coordenação e Controle devem

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

ASPECTOS ERGONÔMICOS ENVOLVIDOS NA MANUTENÇÃO EM UMA EMPRESA DE BENEFICIAMENTO DE MÁRMORE E GRANITO

ASPECTOS ERGONÔMICOS ENVOLVIDOS NA MANUTENÇÃO EM UMA EMPRESA DE BENEFICIAMENTO DE MÁRMORE E GRANITO ASPECTOS ERGONÔMICOS ENVOLVIDOS NA MANUTENÇÃO EM UMA EMPRESA DE BENEFICIAMENTO DE MÁRMORE E GRANITO ERGONOMIC ASPECTS IN THE MAINTENANCE OF A COMPANY OF MARBLE AND GRANITE IMPROVEMENT Armando Marques 1,2,

Leia mais

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP)

Lançado em Junho 2013. Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) Lançado em Junho 2013 Lançamento Oficial em 12/09/2013 (SP) A Falha não é uma Opção Quem não conhece a história corre o risco de repetí-la JWB Engenharia e Consultoria S/C Ltda JWB Engenharia Empresa nacional

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Manutenção SGM Cia. Vale do Rio Doce CVRD

Sistema de Gerenciamento da Manutenção SGM Cia. Vale do Rio Doce CVRD Sistema de Gerenciamento da Manutenção SGM Cia. Vale do Rio Doce CVRD VISÃO DA MANUTENÇÃO DA CVRD Ser considerada referência pelos resultados da gestão de manutenção, reconhecida pela excelência de suas

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave: equipamentos; processo; competitividade; plano de manutenção.

Palavras-chave: equipamentos; processo; competitividade; plano de manutenção. Elaboração de um plano de manutenção em uma padaria localizada na região Centro-Oeste de Minas Gerais Valdevan da Silva MORAIS 1 ; Fádua Maria do Amaral SAMPAIO 1 ; Luciana MENDONÇA 1 ; Natália Daniele

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO CLIENTES ESPECIAIS FROTISTAS

PLANO DE MANUTENÇÃO CLIENTES ESPECIAIS FROTISTAS PLANO DE MANUTENÇÃO CLIENTES ESPECIAIS FROTISTAS Campos dos Goytacazes -Versão 2.1-2014 MÓDULO DE MANUTENÇÃO 1 Histórico - A 28 anos, no mercado a Dragão Elétro Diesel, com objetivo de atender a uma carência

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Lia Lorena Pimentel Professor Doutor, Fac. Engenharia Civil Puc- Campinas CEATEC lialp@puc-campinas.edu.br

Lia Lorena Pimentel Professor Doutor, Fac. Engenharia Civil Puc- Campinas CEATEC lialp@puc-campinas.edu.br VIABILIDADE DE APROVEITAMENTO DE RESÍDUO GRAÚDO (CACOS) DE EMPRESA BENEFICIADORA DE ROCHAS ORNAMENTAIS Agatha dos Santos Engenharia Ambiental CEATEC Agatha.s@puccampinas.edu.br Lia Lorena Pimentel Professor

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

Manutenção preventiva: Estudo de caso em um comércio varejista de automóveis seminovos

Manutenção preventiva: Estudo de caso em um comércio varejista de automóveis seminovos Manutenção preventiva: Estudo de caso em um comércio varejista de automóveis seminovos Cristian Fin Schneider (FAHOR) cs001180@fahor.com.br Renan Vinicyus Perinazzo (FAHOR) rp001116@fahor.com.br Alex Storck

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Capítulo II. Considerações sobre manutenção Aspectos relacionados à manutenção de equipamentos e de instalações. Manutenção de transformadores

Capítulo II. Considerações sobre manutenção Aspectos relacionados à manutenção de equipamentos e de instalações. Manutenção de transformadores 46 Capítulo II Considerações sobre manutenção Aspectos relacionados à manutenção de equipamentos e de instalações Por Marcelo Paulino* No estabelecimento de um sistema de manutenção para um determinado

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro.

Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Gestão de projetos aplicado a paradas de manutenção em concentradores de minério de ferro. Edmar de Souza Borges Resumo: O presente artigo tem a intenção de descrever e demonstrar que as paradas de manutenção

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke

MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção. Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Prof. Sérgio Augusto Lucke MBA em Engenharia e Gestão de Manufatura e Manutenção Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção 1 Práticas e Procedimentos Básicos de Manutenção Ementa 1. Manutenção Corretiva: características básicas,

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Paraná - Rio Grande do Sul

Paraná - Rio Grande do Sul COMPROMETIMENTO E SATISFAÇÃO DO CLIENTE Paraná - Rio Grande do Sul Missão Oferecer as melhores soluções em serviços e produtos, visando se adequar aos altos padrões de satisfação de nossos clientes e parceiros

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Relatórios

Sistema de Gerenciamento de Relatórios Sistema de Gerenciamento de Relatórios Eng. Mec. Paulo Fernando Resende Lima (Preditiva Sul) - paulo@preditivasul.com.br Prof. Dr. Jorge Nei Brito (UFSJ) - brito@ufsj.edu.br Resumo. A missão da manutenção

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO CF(EN) Marcus Vinicius de Noronha Chefe do Departamento de Planejamento e Controle Industrial

Leia mais

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar.

Serviços Scania. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. Serviços Scania Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS SCANIA Serviços Scania. Máxima disponibilidade do seu veículo para o melhor desempenho

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 2 INTRODUÇÃO A cada dia que passa, cresce a pressão pela liberação para uso de novas tecnologias disponibilizadas pela área de TI, sob o argumento

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha)

FMEA. FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) FMEA FMEA - Failure Mode and Effects Analysis (Análise dos Modos e Efeitos de Falha) Técnica auxiliar no projeto de sistemas, produtos, processos ou serviços. Flávio Fogliatto Confiabilidade 1 FMEA - Definição

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1 1 INTRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1 Luiz Carlos Dorigo Até a Segunda Guerra Mundial as atividades de Manutenção Industrial eram fundamentalmente atividades de Manutenção Corretiva.

Leia mais

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES?

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 3 O QUE É PLANEJAMENTO DE VENDAS E OPERAÇÕES? Índice 1. O que é planejamento de...3 1.1. Resultados do planejamento de vendas e operações (PVO)...

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados.

Com o objetivo de manter um alto nível de qualidade, nossos colaboradores são rigorosamente selecionados e treinados. A MBS SERVIÇOS possui o conhecimento necessário e indispensável para oferecer qualidade e agilidade nas realizações dos serviços prestados. Possuímos sede própria com toda infraestrutura necessária para

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar:

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar: 1. INTRODUÇÃO: O nível da organização da manutenção reflete as particularidades do estágio de desenvolvimento industrial de um país. A partir do momento em que começa a ocorrer o envelhecimento dos equipamentos

Leia mais

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Paulo Deus de Souza Técnico do Sistema Elétrico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Perfil de Resultados Proficiência Clínica

Perfil de Resultados Proficiência Clínica Tema Elaboradora MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DE EQUIPAMENTOS Shélica Colonhezi Castro. Biomédica do Hospital São Paulo Unifesp e Pós-Graduada em Gestão em Saúde. Análise das respostas e comentários

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814 ANÁLISE TERMOGRÁFICA VALINHOS Valinhos DAEV 1. OBJETIVO Apresentar ao DAEV a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Valinhos 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Manutenção DSPTI II. Porque fazer Manutenção. Manutenção. Porque fazer Manutenção. Porque fazer Manutenção

Manutenção DSPTI II. Porque fazer Manutenção. Manutenção. Porque fazer Manutenção. Porque fazer Manutenção Manutenção DSPTI II Manutenção Preventiva e Corretiva Prof. Alexandre Beletti Utilizada em todo tipo de empresa, procurando evitar falhas e quebras em um determinado maquinário Prolongar a vida útil de

Leia mais

Pós-venda Mercedes-Benz preparado para os novos produtos e tecnologias

Pós-venda Mercedes-Benz preparado para os novos produtos e tecnologias Pós-venda Informação à Imprensa Pós-venda Mercedes-Benz preparado para os novos produtos e tecnologias Data: 23 de outubro de 2011 Todos os itens necessários para a nova linha de veículos já estão disponíveis

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociedade da informação 30 h. Módulo II Teoria das organizações 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMAÇÃO PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociedade da informação 30 h Módulo II Teoria das organizações 30 h Módulo III Redes sociais

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais