OBSERVAÇÃO E ENTREVISTA EM PESQUISA QUALITATIVA. Almir Almeida de Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBSERVAÇÃO E ENTREVISTA EM PESQUISA QUALITATIVA. Almir Almeida de Oliveira"

Transcrição

1 22 OBSERVAÇÃO E ENTREVISTA EM PESQUISA QUALITATIVA Almir Almeida de Oliveira Universidade Federal de Alagoas Resumo: A Pesquisa Qualitativa é analítica e interpretativa, busca refletir e explorar os dados, que podem apresentar regularidades para criar um profundo e rico entendimento do contexto pesquisado. Pesquisar requer profunda habilidade na coleta de dados e uma escolha metodológica que proporciona uma estrutura para o processo de pesquisa. A observação bem como a entrevista são dois dos instrumentos de pesquisa mais utilizados em pesquisa qualitativa, o primeiro possibilitando uma análise descritiva de determinado objeto de estudo e o segundo possibilitando uma visão subjetiva dos participantes da pesquisa, o que pode fornecer material, em ambos os instrumentos para variadas abordagens metodológicas. Palavras-chave: Pesquisa qualitativa; Linguística Aplicada; Entrevista; Observação. Introdução Fazer pesquisa qualitativa é analisar e interpretar os dados, refletir e explorar o que eles podem propiciar buscando regularidades para criar um profundo e rico entendimento do contexto pesquisado. Pesquisar requer profunda habilidade na coleta de dados e uma escolha metodológica que proporciona uma estrutura para o processo de pesquisa. It should be driven by some kind of theory, and have a clear research purpose (CROKER, 2009, p. 4). Assim deve ser encaminhada uma pesquisa qualitativa. Há dois sobrepostos comuns a todas as pesquisas, sejam elas quantitativas ou não: entrada em campo e presságio dos problemas. Na pesquisa qualitativa, a forma como o campo de estudo e os problemas são encarados é diferente, o que pode ser ratificado por Croker In very broad terms, quantitative research involves collecting primarly numerical data and analyzing it using statistical methods, whereas qualitative research entails colleting primarily textual data and examining it interpretative analyses (2009, p. 5: grifos do autor). A Linguística Aplicada, que se utiliza de um modelo qualitativo, é um vasto e excitante campo interdisciplinar de estudo. Ela foca o uso da linguagem em uso, conectando nosso conhecimento sobre línguas com o entendimento de como são usadas no mundo real. A Linguística Aplicada trabalha com diversas áreas de pesquisa incluindo aquisição de segunda língua, comunicação, língua polida e identidade linguística. Em pesquisa qualitativa, o pesquisador faz parte da pesquisa, e é o primeiro instrumento da pesquisa. Quando o pesquisador entra em campo para pesquisar ele traz consigo toda uma bagagem intelectual e experiência de vida. Inevitavelmente, sua idade, etnia, cultura, orientação sexual, política e religiosa são lentes através das quais ele vê a pesquisa. Na verdade essa é uma das críticas que a pesquisa qualitativa recebe. Por outro lado, ela tem como vantagem, possibilitar essa aproximação do

2 23 investigador com objeto investigado, o que não é possível nas pesquisas quantitativas. Observação A observação é o instrumento que mais fornece detalhes ao pesquisador, por basear-se na descrição e para tanto utilizar-se de todos os cinco sentidos humanos. Sendo observação e a entrevista os instrumentos mais utilizados em pesquisa qualitativa, bem como o questionário. Segundo Gold, citado por Cowie, há quatro tipos de observador: participante completo, participante observador, observador participante e observador completo (2009, p. 167). O participante observador é mais comum deles. É o caso do investigador que faz parte do grupo a ser estudado. Predomina na etnografia, por estudar a cultura de um povo, geralmente da qual o pesquisador está inserido. The participant observation is perhaps of greatest importance because it is crucial to develop an understanding of the culture. Richards (2003) lists four main components that observers should make a conscious effort to note: setting (space and objects), systems (procedures), people and behavior. At first, it will probably be difficult to know what to focus on your observation. (HEIGHAM; SAKUI, 2009, p. 96) Nessa citação fica clara a importância do observador quanto ao espaço, objetos, procedimentos, pessoas e comportamentos e as descrições e narrações que deverá fazer. Por outro lado, o Estudo de caso e a Pesquisa ação são distinguidos. O primeiro mais usado em grupos (escolas e universidades). A etnografia também faz parte desse tipo. E o segundo, melhor utiliza a observação em casos individuais. Propondo interferência no problema. A observação é uma ferramenta utilizada por essas três abordagens de pesquisa. Três razões para a observação: 1. Possibilitar-nos ver o comportamento dos participantes em uma nova luz e descobrir novos aspectos do contexto; 2. Utilização em conjunto com outros métodos de coleta de dados, providenciando evidencias adicionais para triangulação e estudo da pesquisa; 3. É um método particular apropriado para pesquisa em sala de aula. Vários tipos de dados podem ser coletados: anotações, listas, vídeos, gravações de áudio, mapas, fotografias e carta organizacional. Neil Cowie dá dicas a uma pessoa inexperiente de como se tornar um observador: sentar em um banco de parque e observar tudo que está em volta utilizando todos os sentidos, as pessoas, os barulhos, os cheiros, a temperatura, tudo que for possível o analista observar. Duas grandes considerações ao observador: utilizar-se de uma densa descrição o leitor tem que imaginar perfeitamente o contexto pesquisado através dos detalhes fornecidos pelo pesquisador. E a segunda, o pesquisador deve tentar se comportar como um estranho para evitar (apesar de ser impossível em sua totalidade) às suas interferências pessoais. Como uma pessoa que viaja para um

3 lugar estranho e observa tudo, pergunta a todos até conhecer o lugar. Um curioso que tem que observar e perguntar para então conhecer. Em pesquisa qualitativa deve-se buscar ser esse estranho. Isso melhora a qualidade das descrições. We always need to try to act as a stranger in a new situation would questioning what is going on in a context and trying to explain the unquestioned. (COWIE, 2009, p. 171) Não contradizendo o que já foi dito antes acerca do pesquisador como primeiro instrumento de pesquisa. O que se argumenta aqui é fuga dos preconceitos e verdades pré-concebidas que o pesquisador pode ter. Como geralmente este faz parte do grupo a ser pesquisado é necessário que ele tenta evitar que suas crenças interfiram (em excesso) no objeto e na análise da pesquisa. A organização deve ser o lema chave para o pesquisador. Devido à grande quantidade de informações a que ele tem acesso, e a necessidade de triangular esses dados, a organização é crucial para o bom desempenho de seu trabalho. Na prática de anotações, sugere-se que se façam três colunas em uma folha. Na primeira, se coloque os detalhes descritivos, na segunda as observações individuais e na última os comentários analíticos sobre as observações. A qualquer momento, novos dados podem ser acrescidos ao corpus. Em pesquisa qualitativa, a coleta de dados não é estanque, ela é construída em conjunto com a análise. Para guiar os elementos a serem observados, Cowie (2009, p. 172) sugere um quadro chave que pode ser posto na borda do caderno de anotações para orientar no preenchimento das colunas. 24 O uso desse esquema facilitará na escolha da coleta de dados e na análise. Organizar e analisar os dados da observação é um cansativo trabalho. Inclui gravar os detalhes das anotações, transferir as análises para um diário, e tudo isso começa em longo processo de sumarização, reflexão e teoricização. O processo interpretativo passa por três estágios: o descrever, o dar sentido ao dado e argumentar. Isso faz com que complexas histórias emerjam sínteses de evidências, argumento e teoria. Here reseachers must clearly lay out their commentary and demosntrate connections between the ideas that they ara proposing (idem, p. 174). Quanto à apresentação dos dados:

4 Etnografia - levanta uma mais genérica e artificial explicação dos aspectos de identidade e experiência de seus participantes. Pesquisa-ação - é um projeto que pode envolver a escrita e a resposta a um supervisor ou grupo de professores para ser considerado para mudanças. Estudo de caso - pode resultar em artigo de jornal ou seminários. Em pesquisa qualitativa, dois passos devem ser seguidos: a separação entre a descrição e o processo de interpretação; e escolher momentos vívidos e pungentes da observação para explicar em detalhes. Seria um recorte nos corpus. É importante também observar os aspectos éticos e a relação entre objeto e observador. Deve-se dar voz ao participante para que ele veja os dados e opine. O pesquisador não deve utilizar os sujeitos apenas como instrumentos de sua pesquisa, principalmente quando se fará interpretações de ações e reações. É aconselhável que o participante possa acompanhar o processo de interpretação dos dados, que possa saber o que e como está sendo feito. O próprio Cowie reclama sobre esse comportamento de alguns pesquisadores: They continue teaching or studying, but the observer leaves with data to use a master s thesis ou publication. You should always try to ensure that participants benefit from your involvement (2009, p. 176). 25 Entrevista A entrevista também é uma grande ferramenta de coleta de dados e geralmente acompanha a observação seja no estudo de caso, na pesquisa ação, ou mesmo na etnografia. Perhaps the most commonly used method of data elicitation in qualitative educational research, interviews may yield a wealth of valuable data (HOOD, 2009, p. 77). A entrevista é classificada em três tipos: Entrevista estruturada - coleta de dados mais controlada. São questões precisamente formuladas. São longas listas de questões exatas. Entrevista aberta - quando as questões não são pré-determinadas. Assemelha-se mais a uma conversa. Nem sempre reflete a realidade, mas uma visão dele. As vantagens é que permite coletar algo sem a devida intenção do entrevistado, seus deslizes. As dificuldades estão em não possuírem uma imagem fiel e dificultar a comparação com outros dados. Entrevista semi-estruturada - são apresentados tópicos, ao invés de questões fechadas e permitem respostas subjetivas, sem perder o quantitativo. É considerada a melhor forma por se utilizar das duas anteriores. O entrevistador segue um guia de questões, mas deve estar preparado para caso a entrevista mude de caminho. Os três passos para a entrevista: 1. O primeiro é decidir-se sobre o modelo de entrevista, e estar claro dos objetivos da pesquisa

5 para saber nortear-la. Para isso, deve-se levar em consideração o tempo, as relações e reações com e do participante e as questões que devem seguir a perspectiva de explicação ou explanação; 2. Realizando a entrevista - e entrevista deve permitir planejamento e reflexão. Questões básicas devem orientar a entrevista: o que, quem, onde, quanto e em que condições; 3. Encontrar a interação correta - aqui entra o desempenho do pesquisador. Ele precisa manter o controle e mostrar genuíno interesse no que faz. Para isso, deve estar sempre: a) Checando e refletindo: o entrevistador deve ter certeza do que está falando ao entrevistado e questionar sempre que haja dúvida. Assim, o falante pode sempre expandir o que falou; b) Continuando: a capacidade do entrevistador de pedir um pouco mais sobre o assunto ao entrevistado, para ele continuar a falar; c) Provando: é uma forma de evitar os exageros do falante, convidando-o a dar mais detalhes. Como os relatos são de memória, pode-se utilizar um objeto ou fotografia, por exemplo, para ratificar ou não sua lembrança; d) Depois da entrevista nessa etapa devem-se gravar os detalhes práticos da entrevista (quem, onde, quando, tópicos, etc.) e sumarizar os pontos importantes que forneçam questões para as próximas entrevistas. Como toda pesquisa, os dados qualitativos exigem escolhas e interpretações. O sucesso da análise depende de como os códigos e temas são identificados e desenvolvidos. Na transcrição deve-se ficar atento a aspectos essenciais como sobreposições, ênfases, tom de voz, corte de palavras e pausas. As entrevistas não são simples reflexos das crenças ou conhecimentos interiores, mas construções que dependem da identificação de categorias e processo de explicação. Ou seja if a respondent is speaking on the topic of self-discipline as student to me as teacher, they will develop their accounts in a way that reflects their membership of the category student and terms of the relationship between student and teacher (idem, p. 192). O analista precisará, dessa forma, ver como a fala do entrevistado está desenhada e que impactos isto pode acarretar na natureza das respostas. O caminho mais fácil de iniciar esse processo de análise é refletir sobre o que se quer investigar. Podese gravar e transcrever em ordem todos os dados para examiná-los em mais detalhes. Tentar identificar aspectos que são típicos da interação entre indivíduos e ver que efeitos estes tem no desenvolvimento da entrevista. Ou mesmo pedir a uma terceira pessoa que veja os dados e comente-os. Isto é necessário porque conforme já foi dito anteriormente, a análise e os resultados surgem simultaneamente com a coleta de dados. E a qualquer momento pode-se perceber através da reflexão a necessidade de mudar os objetivos, por exemplo, ou a abordagem, ou mesmo os instrumentos da pesquisa. Todavia, isso não é um aspecto negativo da entrevista nem da pesquisa qualitativa. Conforme podemos ver mais uma vez em Cowie: All data collection method have their drawbacks interviews are no exception. The most obvious challenge of becoming an effective interviewer demands considerable sensitivity, self-critical awareness, and openness to change (2009, p. 195). 26

6 A entrevista pode ser considerada o coração da pesquisa qualitativa e vem geralmente acompanhada de outros instrumentos de pesquisa, como a observação ou questionários completando uma coleta de dados e possibilitando ao pesquisador uma diversidade de dados passíveis de triangulação, podendo resultar em uma satisfatória análise, seja no estudo de caso, na etnografia ou na pesquisa ação. 27 Conclusão Buscou-se com este trabalho mostrar a utilização das estratégias de pesquisa, observação e entrevista, como ferramentas para diversas abordagens mitologias, como Estudo de Caso, Etnografia e Pesquisa ação, caracterizado a essência das pesquisas qualitativas, bem como mostrar alguns conceitos teóricos a respeito. Referências: COWIE, Neil. Observation. In: HEIGHAM, Juanita & CROKER, Robert A. Qualitative research in Applied Linguistics: a pratical introduction. Great Britain: Palgrave Macmilian, CROKER, Robert A. An Introdution to qualitative research. In: HEIGHAM, Juanita; CROKER, Robert A. Qualitative research in Applied Linguistics: a pratical introduction. Great Britain: Palgrave Macmilian, HEIGHAM, Juanita; SAKUI, Keiko. Ethnography. In: HEIGHAM, Juanita; CROKER, Robert A. Qualitative research in Applied Linguistics: a pratical introduction. Great Britain: Palgrave Macmilian, HOOD, Michael. Case Study. In: HEIGHAM, Juanita; CROKER, Robert A. Qualitative research in Applied Linguistics: a pratical introduction. Great Britain: Palgrave Macmilian, RICHARDS, Keith. Interviews. In: HEIGHAM, Juanita; CROKER, Robert A. Qualitative research in Applied Linguistics: a pratical introduction. Great Britain: Palgrave Macmilian, Abstract: Qualitative research is analytical and interpretive, reflect and explore the data, which may submit regularity to create a deep and rich understanding of the context search. Search requires deep skill in data collection and methodological choice that provides a structure for the search process. Note as well as the interview are both two of the research tools used anymore in qualitative, the first enabling a descriptive analysis of particular object of study and the second enabling a subjective view of the participants of the survey, which can provide material, in both instruments for various methodological approaches.

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development?

Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Cowboys, Ankle Sprains, and Keepers of Quality: How Is Video Game Development Different from Software Development? Emerson Murphy-Hill Thomas Zimmermann and Nachiappan Nagappan Guilherme H. Assis Abstract

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person?

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person? Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014 GUIÃO A Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho 1.º Momento Intervenientes e Tempos

Leia mais

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE)

Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) Descrição de um projeto de pesquisa voltado para a formação pré-serviço do professor de Língua Estrangeira (LE) 1 Resumo: Este trabalho refere-se a um projeto de pesquisa na área de Linguística Aplicada

Leia mais

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO CENTRO UNIVERSITÁRIO FIEO Osasco 2009 MARLI DA COSTA RAMOS

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Relatório completo de proficiência da língua inglesa

Relatório completo de proficiência da língua inglesa Relatório completo de proficiência da língua inglesa 1 2 Entenda a avaliação Nesta avaliação de proficiência de inglês como língua estrangeira, quantificamos e identificamos o nível e perfil atual do candidato,

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Aula 10. Pesquisa e prática quantitativa

Aula 10. Pesquisa e prática quantitativa Aula 10 Pesquisa e prática quantitativa Autores BLACKSTONE, A. Principles of Sociological Inquiry: Qualitative and Quantitative Methods. Online. BONNEVILLE, L.; GROSJEAN, S.; LAGACÉ, M. Introduction aux

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA 2º Forum Internacional de Resíduos Sólidos julho2009 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA Autores: Letícia de Oliveira Silveira, Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana

Leia mais

Apresentação V.B.M.P.S.

Apresentação V.B.M.P.S. ISSN 0102-7077 the ESP São Paulo Vol. 25 nº 1 p. 1-106 2004 The Especialist/Centro de Pesquisas, Recursos e Informação em Leitura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo CEPRIL. V. 1, n. 1 (1980)-.

Leia mais

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking Agradecimentos A dissertação do Mestrado que adiante se apresenta resulta na concretização de um projecto que me parecia difícil mas não impossível de alcançar. Foram meses seguidos de trabalho de investigação,

Leia mais

Métodos para Coleta de Dados. Observação. Como descobrir necessidades dos usuários Preece Cap. 7: Coleta de dados. Necessidade: chegar na USP

Métodos para Coleta de Dados. Observação. Como descobrir necessidades dos usuários Preece Cap. 7: Coleta de dados. Necessidade: chegar na USP Métodos para Coleta de Dados 1 - Observação 2 - Entrevistas 3 - Questionários http://search.dilbert.com/comic/user%20requirements Interação Humano Computador Departamento de Ciência da Computação - IME/USP

Leia mais

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO

TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO TEMAS ABORDADOS NA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO (BOARDED SUBJECTS IN THE PHYSICAL EDUCATION FOR HIGH SCHOOL) Andreia Cristina Metzner 1 ; Juliana da Silva 2 1 Bebedouro SP acmetzner@hotmail.com

Leia mais

Um estudo sobre os fatores fundamentais da ação de entrevista

Um estudo sobre os fatores fundamentais da ação de entrevista RESUMO Um estudo sobre os fatores fundamentais da ação de entrevista Antônia Maria Gimenes¹, Renato Nogueira Perez Avila²,Jordana Scarabelli da Silva³, Maura de Jesus M.Q.Chaves 4,,Maurício Cristovão de

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Entrevistas. Pesquisa Qualitativa em Engenharia de Software. Fabio Queda Bueno da Silva, 2010.

Entrevistas. Pesquisa Qualitativa em Engenharia de Software. Fabio Queda Bueno da Silva, 2010. Entrevistas Pesquisa Qualitativa em Engenharia de Software O que é? Uma conversa direcionada por questões associadas a problema de pesquisa. Uma conversa com um propósito. Entrevistas são usadas para obter

Leia mais

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS O findar desta dissertação é o momento indicado para agradecer ao Professor Doutor João Carlos de Matos Paiva pela sua grande ajuda, pela disponibilidade sempre manifestada, pelo seu empenho

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

Preconceito em relação ao Curso de Design de Moda no Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE

Preconceito em relação ao Curso de Design de Moda no Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Preconceito em relação ao Curso de Design de Moda no Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Prejudice in relation to Fashion Design Course at the University Center of Brusque - UNIFEBE Wisbeck, Bruna;

Leia mais

CULTURA MATERIAL: escolhas metodológicas para o estudo de saias estampadas do século XIX

CULTURA MATERIAL: escolhas metodológicas para o estudo de saias estampadas do século XIX CULTURA MATERIAL: escolhas metodológicas para o estudo de saias estampadas do século XIX Rita Andrade (FAV/UFG) Aline O. T. Monteiro (FAV/UFG) RESUMO Esse artigo apresenta três autores que escreveram sobre

Leia mais

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Instituto Superior Miguel Torga Escola Superior de Altos Estudos Cláudia Sofia da Costa Duarte As Novas Tecnologias como componente da Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Dissertação de Mestrado em

Leia mais

! Tipos de Entrevistas e Tipos de Questões. ! Técnicas de Entrevista! Aspectos Práticos! Avaliações. ! Primeiro Trabalho!

! Tipos de Entrevistas e Tipos de Questões. ! Técnicas de Entrevista! Aspectos Práticos! Avaliações. ! Primeiro Trabalho! Agenda! Tipos de Entrevistas e Tipos de Questões Entrevistas Cleidson de Souza Departamento de Informática Universidade Federal do Pará! Técnicas de Entrevista! Aspectos Práticos! Avaliações! Primeiro

Leia mais

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO

DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO DISPOSITIVO TECNOLÓGICO COMO FERRAMENTA DE ENSINO-APRENDIZAGEM NO CURSO DE AGROECOLOGIA: ESTUDO DE CASO Mércia Cardoso da Costa Guimarães 1, Henrique Oliveira da Silva 2 1 Instituto Federal de Pernambuco

Leia mais

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Unidade curricular História do Direito Português I (Doutoramento - 1º semestre) Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

Relatório completo de proficiência da língua inglesa

Relatório completo de proficiência da língua inglesa Relatório completo de proficiência da língua inglesa 1 2 Entenda a avaliação Nesta avaliação de proficiência de inglês como língua estrangeira, quantificamos e identificamos o nível e perfil atual do candidato,

Leia mais

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2.

Aqui pode escolher o Sistema operativo, e o software. Para falar, faça download do Cliente 2. TeamSpeak PORTUGUES ENGLISH Tutorial de registo num servidor de TeamSpeak Registration tutorial for a TeamSpeak server Feito por [WB ].::B*A*C*O::. membro de [WB ] War*Brothers - Non Dvcor Dvco Made by:

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Como fazer Pesquisa de Campo em Design de Interação. Frederick van Amstel designer de interação usabilidoido.com.br

Como fazer Pesquisa de Campo em Design de Interação. Frederick van Amstel designer de interação usabilidoido.com.br Como fazer Pesquisa de Campo em Design de Interação Frederick van Amstel designer de interação usabilidoido.com.br Importância da pesquisa Perceber e compreender a diferença entre as pessoas Descobrir

Leia mais

rio,gramática e funções a partir de textos em inglês DISAL Editora / Mark G. Nash & Willians R. Ferreira (2010) Sejam bem-vindos!

rio,gramática e funções a partir de textos em inglês DISAL Editora / Mark G. Nash & Willians R. Ferreira (2010) Sejam bem-vindos! Sejam bem-vindos!.:: DISAL / São Paulo, 18 de junho, 2010 ::. Estrutura da apresentação: 1) Contexto de produção de Real English 2) Apresentação do livro 3) Destaques 4) Sugestões de como melhor explorar

Leia mais

A PESQUISA QUALITATIVA. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior guanis@gmail.com

A PESQUISA QUALITATIVA. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior guanis@gmail.com A PESQUISA QUALITATIVA Dr. Guanis de Barros Vilela Junior guanis@gmail.com O que é Pesquisa Qualitativa? A pesquisa qualitativa tem como objetivo principal interpretar o fenômeno que observa. Seus objetivos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR Jose Lucas dos Santos Oliveira Universidade Federal de Campina Grade UFCG - Patos, Paraíba. e-mail: lucasoliveira.ufcg@gmail.com

Leia mais

para que Software www.aker.com.br Produto: Página: 6.0 Introdução O Aker Firewall não vem com Configuração do PPPoE Solução

para que Software www.aker.com.br Produto: Página: 6.0 Introdução O Aker Firewall não vem com Configuração do PPPoE Solução 1 de 6 Introdução O não vem com a opção de configuração através do Control Center, para a utilização de discagem/autenticação via PPPoE. Este documento visa demonstrar como é feita a configuração do PPPoE

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

RECURSOS COMPUTACIONAIS NAS AULAS DE MATEMÁTICA

RECURSOS COMPUTACIONAIS NAS AULAS DE MATEMÁTICA RECURSOS COMPUTACIONAIS NAS AULAS DE MATEMÁTICA Maria Madalena Dullius - Centro Universitário UNIVATES Giane Maria Eidelwein - Centro Universitário UNIVATES Graziela Maria Fick - Centro Universitário UNIVATES

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FATORES DETERMINANTES E INFLUENCIADORES DE COMPRA DA MÚSICA GOSPEL VITÓRIA 2013 2 GEORGE PINHEIRO RAMOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Serviços: API REST. URL - Recurso

Serviços: API REST. URL - Recurso Serviços: API REST URL - Recurso URLs reflectem recursos Cada entidade principal deve corresponder a um recurso Cada recurso deve ter um único URL Os URLs referem em geral substantivos URLs podem reflectir

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA.

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE- GESTÃO HOSPITALAR KARLA MICHELLINE OLIVEIRA BOAVENTURA FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO

Leia mais

A Elaboração de Apostilas para a Aula de Leitura em Inglês: Um Estudo de Caso

A Elaboração de Apostilas para a Aula de Leitura em Inglês: Um Estudo de Caso Jacqueline Gomes Vicente A Elaboração de Apostilas para a Aula de Leitura em Inglês: Um Estudo de Caso Dissertação de Mestrado Dissertação de Mestrado apresentada como requisito parcial para obtenção do

Leia mais

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges

3 o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges 3 o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Christiane Mourão Prof. a Cláudia Borges Unidade IV Jobs The perfect job for you 2 Aula 10.1 Conteúdos Vocabulary: Jobs; Reading Comprehension 3 Habilidade Dizer o nome das

Leia mais

PAPILOMA VÍRUS HUMANO HPV REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

PAPILOMA VÍRUS HUMANO HPV REVISÃO BIBLIOGRÁFICA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ASSOCIAÇÃO ARTÍSTICA E CULTURAL ATUALIZA CITOLOGIA CLÍNICA JOSUÉ GONCALVES LINS SANTOS PAPILOMA VÍRUS HUMANO HPV REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SALVADOR 2011 JOSUÉ GONCALVES LINS SANTOS

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais?

Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Patrícia Freitas de Sá Carreiras e a Nova Geração Produtiva: Quais as Expectativas de Carreira de Jovens Profissionais? Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Educação Ambiental no Ensino Fundamental: Perfil e Diagnóstico em Escolas do Semi-Árido Alagoano Um Estudo de Caso.

Educação Ambiental no Ensino Fundamental: Perfil e Diagnóstico em Escolas do Semi-Árido Alagoano Um Estudo de Caso. Educação Ambiental no Ensino Fundamental: Perfil e Diagnóstico em Escolas do Semi-Árido Alagoano Um Estudo de Caso. Valéria da Silva Araújo (Universidade Estadual de Alagoas-UNEAL) valeria.cnpq@gmail.com

Leia mais

Práticas de Ensino Supervisionadas em Educação Pré-Escolar com enfoque investigativo em jogos, brincadeiras e parcerias sociais em creche

Práticas de Ensino Supervisionadas em Educação Pré-Escolar com enfoque investigativo em jogos, brincadeiras e parcerias sociais em creche Práticas de Ensino Supervisionadas em Educação Pré-Escolar com enfoque investigativo em jogos, brincadeiras e parcerias sociais em creche Sara Sofia Silva Parreira Mestrado em Educação Pré-Escolar Práticas

Leia mais

Este documento faz parte do acervo do Centro de Referência Paulo Freire. acervo.paulofreire.org

Este documento faz parte do acervo do Centro de Referência Paulo Freire. acervo.paulofreire.org Este documento faz parte do acervo do Centro de Referência Paulo Freire acervo.paulofreire.org RENATA GHELLERE PAULO FREIRE E A EDUCAÇÃO NA SALA DE AULA DO CCBEU CURITIBA Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Tutorial para Configurar um site de Blog para o Facilitador do Curso Essencial On-line do Intel Educar

Tutorial para Configurar um site de Blog para o Facilitador do Curso Essencial On-line do Intel Educar Tutorial para Configurar um site de Blog para o Facilitador do do Intel Educar Este documento inclui os passos e sugestões para configurar um site de blog para o Curso Essencial On-line do Intel Educar

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ

PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ I PROJETO DE PESQUISA: O QUE É E COMO SE FAZ O projeto de pesquisa é elaborado para informar sobre e explicar a pesquisa que se pretende realizar, constituindo-se no mapeamento do caminho que será percorrido

Leia mais

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Maria Angela da Silva INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Dissertação de Mestrado apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Letras

Leia mais

A Percepção de uma Equipe sobre o Processo de Gerência de Configuração em Relação ao MPS.BR Nível F: Um Estudo de Caso

A Percepção de uma Equipe sobre o Processo de Gerência de Configuração em Relação ao MPS.BR Nível F: Um Estudo de Caso A Percepção de uma Equipe sobre o Processo de Gerência de Configuração em Relação ao MPS.BR Nível F: Um Estudo de Caso Relato de Experiência José Jorge L. Dias Jr., Arkjoaquitonyo E. da Silva, Fernanda

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL

A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL A ESCOLA COMO TRANSFORMADOR SOCIAL MORAIS, Rafael Oliveira Lima Discente do curso de Pedagogia na Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva RESUMO O profissional que entender que é importante

Leia mais

TU ou VOCÊ?: uma questão de identidade cultural

TU ou VOCÊ?: uma questão de identidade cultural Jane Cristina Duarte dos Santos TU ou VOCÊ?: uma questão de identidade cultural Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de

Leia mais

Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br A Importância Estratégica do Software Livre Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br O que é o GNU/Linux? Richard Stallman Free Software Foundation Linus Torvalds Kernel Linux Linux é uma implementação

Leia mais

Este seminário destina-se a:

Este seminário destina-se a: Seminário Educacional Lisboa 14 de Abril de 2012 Porto 21 de Abril de 2012 Inscrições: até 10 de Fevereiro 60 a partir de 11 de Fevereiro 75 Este seminário destina-se a: Professores e educadores de ensino

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. Especialização em Língua Inglesa. Trabalho de Conclusão de Curso

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. Especialização em Língua Inglesa. Trabalho de Conclusão de Curso 1 PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Língua Inglesa Trabalho de Conclusão de Curso INCORPORANDO MÚSICA NO LOCUS ESCOLARDE LÍNGUA INGLESA NO

Leia mais

Danielle R. D. da Silva drds@cin.ufpe.br. Tópicos Avançados em Engenharia de Software III Workshop de Processos Agosto-2003

Danielle R. D. da Silva drds@cin.ufpe.br. Tópicos Avançados em Engenharia de Software III Workshop de Processos Agosto-2003 Danielle R. D. da Silva drds@cin.ufpe.br Tópicos Avançados em Engenharia de Software III Workshop de Processos Agosto-2003 + If you do not deal with the people issues successfully, process improvement

Leia mais

IDEB E ENSINO DE CIÊNCIAS: PERSPECTIVAS, AÇÕES E GESTÃO EDUCACIONAL

IDEB E ENSINO DE CIÊNCIAS: PERSPECTIVAS, AÇÕES E GESTÃO EDUCACIONAL IDEB E ENSINO DE CIÊNCIAS: PERSPECTIVAS, AÇÕES E GESTÃO EDUCACIONAL Marcelo Bruno ARAÚJO-QUEIROZ 1 Graduando em Ciências Biológicas, Universidade Federal do Piauí/Campus Professora Cinobelina Elvas (UFPI/CPCE)

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Planejamento de Comunicação Organizacional: uma releitura da estrutura, enriquecida pelos modelos de análise de marketing.

Planejamento de Comunicação Organizacional: uma releitura da estrutura, enriquecida pelos modelos de análise de marketing. Universidade de São Paulo Escola de Comunicações e Artes - ECA Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação Planejamento de Comunicação Organizacional:

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer?

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer? MONEY CHANGER Câmbio I d like to exchange some money. Where can I find a money changer? Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Onde posso encontrar um câmbio? I d like to exchange (I would) Where can

Leia mais

Luiza de Almeida Oliveira

Luiza de Almeida Oliveira Luiza de Almeida Oliveira Prática Exploratória, estratégias de evidencialidade e posicionamentos de selves em narrativas de experiência profissional no contexto de sala de aula de língua inglesa no Ensino

Leia mais

ANÁLISE POR TRIANGULAÇÃO DE MÉTODOS: UM REFERENCIAL PARA PESQUISAS QUALITATIVAS

ANÁLISE POR TRIANGULAÇÃO DE MÉTODOS: UM REFERENCIAL PARA PESQUISAS QUALITATIVAS 201 Recebido em 12/2013. Aceito para publicação em 03/2014. ANÁLISE POR TRIANGULAÇÃO DE MÉTODOS: UM REFERENCIAL PARA PESQUISAS QUALITATIVAS ANALYSIS BY TRIANGULATION OF METHODS: A REFERENCE TO QUALITATIVE

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM CONSTRUTORAS DAS CIDADES DE SÃO CARLOS E SÃO PAULO - SP

DIAGNÓSTICO DA APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM CONSTRUTORAS DAS CIDADES DE SÃO CARLOS E SÃO PAULO - SP DIAGNÓSTICO DA APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM CONSTRUTORAS DAS CIDADES DE SÃO CARLOS E SÃO PAULO - SP Henrique de Albuquerque Francisco (1) ; Sheyla Mara Baptista Serra (2) ; Itamar Aparecido Lorenzon

Leia mais

A química forense como motivadora do ensino de química.

A química forense como motivadora do ensino de química. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado de Educação e Cultura SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN Faculdade de Ciências Exatas e Naturais FANAT DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Inglês Técnico Instrumental

Inglês Técnico Instrumental Inglês Técnico Instrumental Aula 5 Inglês Técnico Instrumental - Aula 5 1 Objectives Empregar os verbos no passado de modo a exercitar exemplos práticos do cotidiano do técnico em informática; Elaborar

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

GRUPNOR A ENGENHARIA AO SERVIÇO DOS TRANSPORTES VERTICAIS. Design and Quality

GRUPNOR A ENGENHARIA AO SERVIÇO DOS TRANSPORTES VERTICAIS. Design and Quality GRUPNOR A ENGENHARIA AO SERVIÇO DOS TRANSPORTES VERTICAIS Design and Quality G A GRUPNOR é uma empresa Portuguesa com mais de três décadas de existência. É uma marca de referência no mercado dos elevadores,

Leia mais

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1.

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1. weaker people. This definition includes three important components:1. Bullying is aggressive behavior that involves unwanted, negative actions. 2. Bullying involves a pattern of behavior repeated over

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes.

Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes. Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes. Palavras-chave : Análise Redes Sociais, Criança com Diabetes, Cuidados Continuados,

Leia mais

AVALIAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR: MODALIDADES, FUNÇÕES E INSTRUMENTOS AVALIATIVOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

AVALIAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR: MODALIDADES, FUNÇÕES E INSTRUMENTOS AVALIATIVOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM AVALIAÇÃO NO ENSINO SUPERIOR: MODALIDADES, FUNÇÕES E INSTRUMENTOS AVALIATIVOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Juliana Damasceno de Oliveira; Priscilla Campiolo Manesco Paixão RESUMO: Esta pesquisa

Leia mais

REDUZIR, REUTILAR E RECICLAR PAPEL

REDUZIR, REUTILAR E RECICLAR PAPEL 1 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG FÁBIO PROVIN - 200711664 REDUZIR, REUTILAR E RECICLAR PAPEL CASCAVEL - FAG 2009 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG FÁBIO PROVIN - 200711664 2 REDUZIR, REUTILAR E RECICLAR PAPEL

Leia mais

Desafios tecnológicos para o Projeto Observatório Logístico de Transporte

Desafios tecnológicos para o Projeto Observatório Logístico de Transporte Desafios tecnológicos para o Projeto Observatório Logístico de Transporte If we have data, let s look at data. If all we have are opinions, let s go with mine. Jim Barksdale, ex-ceo AT&T e Netscape Se

Leia mais

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado

Andrew is an engineer and he works in a big company. Sujeito Predicado (e) Suj. Predicado Inglês Aula 01 Título - Frases básicas em Inglês As orações em Inglês também se dividem em Sujeito e Predicado. Ao montarmos uma oração com um sujeito e um predicado, montamos um período simples. Estas

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE

O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE O ENSINO DE COMPREENSÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA: IMPLICAÇÕES PARA A FORMAÇÃO DOCENTE MEIRELES, Mirelly Karolinny de Melo/UNIDERC 1 mirellyk@yahoo.com.br NASCIMENTO, Kaline Brasil Pereira/UEPB 2 k.aline.brasil@hotmail.com

Leia mais

SATA 3.5. hd:basic. hdd enclosure caixa externa para disco rígido

SATA 3.5. hd:basic. hdd enclosure caixa externa para disco rígido SATA 3.5 hd:basic hdd enclosure caixa externa para disco rígido hd:basic USER S GUIDE SPECIFICATIONS HDD support: SATA 3.5 Material: Aluminium Input connections: SATA HDD Output connections: USB 2.0

Leia mais

Vânia Finholdt Ângelo Leite

Vânia Finholdt Ângelo Leite Vânia Finholdt Ângelo Leite A atuação da coordenação pedagógica em conjunto com os professores no processo de recontextualização da política oficial no 1º ano do Ensino Fundamental no Município do Rio

Leia mais

Para que o aluno aprenda uma nova língua e a utilize ele deve se comunicar na mesma, o que segundo Roque (2008, p. 26), acontece quando o aprendiz

Para que o aluno aprenda uma nova língua e a utilize ele deve se comunicar na mesma, o que segundo Roque (2008, p. 26), acontece quando o aprendiz O PÓS-MÉTODO E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA Augusto Francisco TEIXEIRA 1 RESUMO: Este artigo apresenta o pós-método no ensino de Língua Inglesa e qual o caminho que os professores podem utilizar em sala

Leia mais

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação

4 Metodologia. 4.1.Metodologia de observação 56 4 Metodologia O objetivo desse trabalho é observar o uso de textos de multimodais na sala de aula de língua inglesa, assim como a escolha do professor no uso de este ou aquele texto multimodal, de modo

Leia mais

1. Lingüística Periódicos. 2. Língua Inglesa Periódicos

1. Lingüística Periódicos. 2. Língua Inglesa Periódicos ISSN 0102-7077 the ESP São Paulo Vol. 25 nº especial p. 1-114 2004 The Especialist/Centro de Pesquisas, Recursos e Informação em Leitura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo CEPRIL. V. 1, n.

Leia mais

Entrevistas J. Valente de Oliveira. Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos)

Entrevistas J. Valente de Oliveira. Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos) Entrevistas Preliminares (Algumas técnicas para recolha de factos) Observações: - identificar as tarefas efectuadas; - identificar as ferramenta utilizadas; - identificar as interacções entre as pessoas

Leia mais