Aprovação CAD: Data: 25/03/2012 Aprovação CRA: Data: 03/06/2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aprovação CAD: Data: 25/03/2012 Aprovação CRA: Data: 03/06/2012"

Transcrição

1 Aprovação CAD: Data: 25/03/2012 Aprovação CRA: Data: 03/06/ FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar a atividade do Atendimento Fraterno do Grupo da Fraternidade Espírita Irmã Scheilla Grupo Scheilla. 2. FINALIDADE DA ATIVIDADE Prestar atendimento preferencialmente individualizado à pessoa que busca o Atendimento Fraterno, oferecendo-lhe atenção, consolo, estímulo e a orientação necessária, apoiando-se nos princípios da Doutrina Espírita. 3. ÁREA EM QUE SE APLICA ESTE REGIMENTO INTERNO Tarefa do Atendimento Fraterno do Grupo Scheilla 4. OUTROS DOCUMENTOS RELACIONADOS COM A ATIVIDADE Estatuto Social do Grupo Scheilla 5. DEFINIÇÃO DE TERMOS E SIGLAS AGF Assembleia Geral de Fraternistas CRA Conselho de Representação da Assembleia CAD Conselho de Administração MED Coordenação de Ação Mediúnica CAF/MED Coordenação do Atendimento Fraterno CAF/ASE Coordenação de Apoio à Família ASE Assistência Social Espírita CCE/EDU Coordenação do Ciclo de Estudos EDU Coordenação de Educação Espírita CEAL Casa Espírita André Luiz CELAR Coordenação do Evangelho no Lar ROE Reunião de Orientação Espiritual OE Orientação Espiritual ATENDENTE tarefeiro que faz o atendimento fraterno no âmbito do Grupo Scheilla RECEPCIONISTA tarefeiro que recebe e faz o encaminhamento das pessoas que buscam o Atendimento Fraterno Atendido pessoa que busca o recurso do Atendimento Fraterno FRATERNISTA - Trabalhador do Grupo Scheilla devidamente cadastrado nos termos do Estatuto Social RI Regimento Interno 1/10

2 6. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES E COMPETÊNCIAS O Atendimento Fraterno é a assistência preferencialmente individualizada aos que sofrem, através do diálogo espontâneo, confidencial e privativo Da Coordenação do Atendimento Fraterno CAF/MED: Constituída de dois fraternistas indicados pela Coordenação da Ação Mediúnica - MED ao Conselho de Administração - CAD, com a função de coordenador titular e coordenador suplente, por período coincidente com o mandato dos coordenadores do CAD O Coordenador suplente exercerá a função em conjunto com o Coordenador titular, visando o pleno êxito das atividades Da competência da Coordenação do Atendimento Fraterno CAF/MED Cumprir e fazer cumprir este Regimento Reportar-se, em qualquer assunto do Atendimento Fraterno, preliminarmente, à Coordenação da MED Coordenar as atividades do setor e indicar membros para compor as equipes de Atendimento Fraterno. Organizar o quadro do Atendimento Fraterno atendendo a demanda do Grupo Scheilla Manter atualizado o cadastro dos tarefeiros do Atendimento Fraterno Promover, em parceria com a CCE/EDU formação e capacitação de tarefeiros Solicitar à ROE, anualmente avaliação espiritual dos tarefeiros Promover reunião do colegiado do Atendimento Fraterno semestralmente, para avaliação da tarefa e troca de experiências Enviar para a MED relatório anual de atividades desenvolvidas pelo Atendimento Fraterno até a segunda quinzena de janeiro Zelar pela conservação do espaço físico, mobiliário e materiais utilizados na tarefa do Atendimento Fraterno, solicitando à Administração do Grupo Scheilla substituição em caso de avarias Atender à convocação da MED para participar de reuniões e/ou eventos relacionados à atividade Divulgar este RI, de forma que todos os envolvidos na tarefa o conheçam integralmente e realizem sua tarefa de acordo com o mesmo Da composição das equipes Cada equipe do Atendimento Fraterno será composta de Coordenadores: titular e suplente, Atendentes e Recepcionistas, previamente preparados para a tarefa e nomeados pela equipe. 2/10

3 Função Mínimo Máximo Coordenador* Coord. Suplente Recepcionistas 01* 02 Atendentes *O coordenador poderá exercer também a função de recepcionista ou atendente, em caso de necessidade É desejável que estejam à disposição da tarefa, em cada horário: 01(um) coordenador titular, 01 (um) coordenador suplente, que poderá atuar como atendente, 04 (quatro) atendentes e 02 (dois) recepcionistas ou no mínimo 01 (um) coordenador, que também atenderá como recepcionista, e 01 (um) atendente A coordenação de cada equipe será constituída de 02 (dois) trabalhadores, com experiência mínima de 02 (dois) anos de atuação como atendente, exercendo a função de coordenador titular e coordenador suplente O Coordenador suplente e o Coordenador titular exercerão as atividades em conjunto, alternando a direção da tarefa, difundindo-se o espírito de equipe, além de propiciar a preparação de irmãos para desempenharem, com êxito, essa tarefa Do tempo e horários da atividade Cada período do Atendimento Fraterno terá a duração de 02 (duas) horas, conforme horários e dias definidos pela CAF/MED, constituindo-se das fases abaixo. ATIVIDADE Preparação e Prece inicial Desenvolvimento das atividades Encerramento e prece final TEMPO 10 minutos 01 hora e 40 minutos 10 minutos 6.4. Dos requisitos para atuar no Atendimento Fraterno Ser atuante no Grupo Scheilla por período não inferior a 03(três) anos Ter concluído o Ciclo de Estudos do Grupo Scheilla ou ESDE e o Curso de Atendimento Fraterno, sendo recomendável que tenha feito também o Curso de Passes Submeter-se à avaliação da Espiritualidade, via Orientação Espiritual solicitada em reunião específica/roe Ter superado o vício do fumo, do álcool e de outras drogas Ser pontual, assíduo e comunicar ao coordenador da tarefa, com antecedência mínima de 24 (vinte e quatro) horas eventual impossibilidade de comparecer Atualizar e ampliar seus conhecimentos doutrinários e evangélicos. 3/10

4 Ter conhecimento prévio e se comprometer a zelar pelo atendimento deste Regimento Interno Durante a tarefa, o tarefeiro deverá usar crachá com o seu nome, com identificação da tarefa do Atendimento Fraterno e logomarca do Grupo Scheilla Quando submetido a tratamento desobsessivo, o tarefeiro deverá afastar-se da tarefa, até que seja liberado por meio de OE Será passível de desligamento da tarefa, o tarefeiro que se ausentar por 03 (três) vezes consecutivas ou 06 (seis) alternadas, em um mesmo semestre, sem justificativa plausível. O Coordenador diligenciará para que haja entendimentos, em particular, com o tarefeiro. Nos casos de licença prolongada, superior a 60 dias, o tarefeiro poderá ser substituído e o retorno se dará após avaliação da Espiritualidade, via ROE Da competência das Coordenações das equipes do Atendimento Fraterno Coordenar sua equipe de acordo com as diretrizes deste RI Supervisionar a atividade de sua equipe, quanto aos recursos humanos e materiais indispensáveis ao seu desenvolvimento, abrindo as atividades diárias com prece e leitura de harmonização, com a presença dos demais membros da equipe Supervisionar o comportamento de frequentadores, não permitindo comportamentos inadequados para o ambiente Encerrar os trabalhos do dia, providenciando a guarda de todos os materiais, deixando o ambiente devidamente arrumado, com luzes e aparelhos desligados Na admissão de novo tarefeiro observar se o mesmo atende os requisitos constantes neste Regimento, preenchendo sua ficha de cadastro da tarefa (anexo 2) e providenciando crachá de identificação Orientar o novo tarefeiro sobre a tarefa, acompanhando-o durante estágio de no máximo de um mês Manter atualizado o cadastro de tarefeiros de sua equipe Zelar pela frequência, assiduidade e pontualidade dos tarefeiros, em clima fraterno de atenção e carinho Realizar com sua equipe reunião de avaliação da tarefa pelo menos duas vezes ao ano, sendo desejável a realização trimestral, enviando relatório da avaliação para a Coordenação do Atendimento Fraterno Incentivar sua equipe a participar de cursos e seminários e a manter-se sempre atualizada nos estudos doutrinários Participar das reuniões periódicas do Colegiado das Coordenações do Atendimento Fraterno e de outros eventos nos quais seu comparecimento se fizer necessário. 4/10

5 Observar as comunicações afixadas no quadro de avisos das salas do Atendimento Fraterno para atender as solicitações Organizar o arquivo de orientação espiritual, dando destinação adequada às OE que não forem procuradas pelos solicitantes. Esta organização se dará mensalmente A OE que não for procurada pelo solicitante após um mês de expedida, será retirada do arquivo e descartada pela Coordenação do Atendimento Fraterno Proceder ao rodízio trimestral na coordenação da tarefa entre titular e suplente Da competência do Recepcionista do Atendimento Fraterno Receber fraternalmente aqueles que buscam o Atendimento Fraterno, convidando-os ao silêncio e à reflexão Manter o ambiente em harmonia, evitando conversas, aglomerações, barulhos, mas sempre se dirigindo ao público de forma gentil, amável, recorrendo ao Coordenador da equipe quando necessário Registrar em livro próprio os nomes dos atendidos pela ordem de chegada, priorizando os idosos, gestantes e portadores de necessidades especiais Organizar o atendimento pela ordem de registro no livro Esclarecer aos atendidos que todos os atendentes estão preparados para atendê-los, considerando que estão amparados pela equipe espiritual responsável pela tarefa Permanecer no ambiente da recepção até o final da tarefa, atuando como vibracionais na sustentação do trabalho Nos casos de transe mediúnico, encaminhar o atendido, de imediato, para a sala de Atendimento Fraterno, onde será atendido pelos tarefeiros da equipe Acionar o SAMU em caso de emergência médica Da competência do Atendente Fraterno Prestar acolhida fraterna, amorosa e sincera, inspirando confiança ao irmão que será atendido Oferecer atendimento de forma preferencialmente individualizada, garantindo privacidade ao atendido Quando necessário, realizar o atendimento acompanhado de outro atendente ou de um recepcionista, sendo que este não poderá interferir no atendimento, adotando postura de vibracional Ouvir com atenção o atendido a fim de pesquisar o sentido íntimo da dor que o aflige Pedir educadamente ao atendido que repita, caso haja alguma dúvida sobre algo que foi colocado, demonstrando interesse real sobre o assunto 5/10

6 trazido, sem pressa de responder, esforçando-se para alcançar a verdadeira necessidade do atendido Após ouvir com atenção, buscar a intuição necessária para orientar com segurança o atendido, confiando no auxílio da equipe espiritual Ater-se às necessidades do atendido e simplificar os comentários sobre a doutrina espírita, evitando atordoar a mente em desalinho Conceder ao irmão o consolo, o estímulo e a orientação que o faça compreender a dificuldade do momento, com base nos princípios do Evangelho e da Doutrina Espírita, tendo sempre Jesus como guia e modelo Cultivar o tato psicológico, evitando atitudes ou palavras agressivas, mas fugindo da doçura sistemática que anestesia a mente sem renová-la. (André Luiz, no livro Desobsessão Psicografia de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira - cap. 24). Coloquei a citação se quiserem colocar de outra forma a citação Não fazer promessas de curas ou de resolução dos problemas. O Atendimento Fraterno não se propõe a resolver os desafios nem as dificuldades, eliminar as doenças nem os sofrimentos, mas propor ao atendido os meios hábeis para a própria recuperação, apoiando-se nos postulados espíritas Manter sigilo quanto aos assuntos tratados nos atendimentos Não se esquecer que os dependentes químicos são vítimas passíveis de recaídas. Convém acolhê-los fraternalmente, calando a condenação e elevando a autoestima imprescindível ao soerguimento da criatura decaída moralmente Nos casos de necessidade de solicitação de Orientação Espiritual, em virtude da complexidade do caso, encaminhar o atendido ao Setor de OE, informando-lhe dias e horários desse atendimento Nos casos de transes mediúnicos, conclamar o atendido ao despertamento, com comando oral e estímulos fraternos, chamando-o pelo nome e aplicando-lhe passe. Este procedimento deverá ser realizado dentro da sala do Atendimento Fraterno e o atendido orientado a solicitar OE Evitar a narrativa para o atendido de quadros espirituais captados ou intuídos do plano espiritual, atendo-se a palavras de fortalecimento e estímulo para o atendido É recomendado o tempo médio de atendimento de 20 (vinte minutos) por atendido Usar a ficha de encaminhamento (anexo 1), se necessário, indicando ao atendido outras atividades do Grupo Scheilla: - Frequência às Reuniões Públicas - Evangelização Infantil ou Mocidade - Orientação para implantação do Culto do Evangelho no Lar - Visitação Fraterna no lar 6/10

7 - Solicitação de Orientação Espiritual no setor próprio/roe - Assistência da Coordenação de Apoio à Família, CAF/ASE. - Inscrição nos Ciclos de Estudos da casa 7. DISPOSIÇÕES GERAIS 7.1. Somente os tarefeiros do quadro do Atendimento Fraterno, devidamente cadastrados e portando crachá, poderão prestar esse atendimento, sendo vedada a prática desta tarefa a pessoas que não estejam habilitadas para a mesma As equipes de Atendimento Fraterno que atendem na CEAL, havendo necessidade, poderão solicitar OE para o atendido que não tenha meios de se deslocar para o Centro Espírita Oriente, preenchendo o formulário próprio e encaminhando-o ao setor de OE. A OE será guardada em pasta própria, na sala do Atendimento Fraterno, até a efetiva entrega pelo atendente da CEAL Excepcionalmente, para os atendidos sem condições de vir ao Grupo Scheilla durante a semana, as equipes de Atendimento Fraterno poderão solicitar a OE Os TAREFEIROS DO GRUPO SCHEILLA que buscarem o Atendimento Fraterno serão, como os demais, acolhidos fraternalmente, porém, deverão ser orientados a solicitarem OE ao coordenador da sua tarefa As orientações espirituais solicitadas pelo Atendimento Fraterno serão entregues aos solicitantes pelo próprio atendente As atividades do Atendimento Fraterno deverão funcionar em todos os dias do ano. Somente em casos excepcionais, previstos com antecedência, as atividades serão suspensas, ouvida a Coordenação da MED, estabelecendo-se, mesmo nesses casos, um plantão especial, visando a atender pessoas que eventualmente possam comparecer, além de avisos que serão dados nas reuniões públicas. 8. DISPOSIÇÃO FINAL Este Regimento entra em vigor a partir da data de sua aprovação pelo CRA, revogando- se as disposições anteriores. 7/10

8 9. REGISTROS GERADOS Nome Quem Gera Quem arquiva Cadastro O tarefeiro e O de o coordenador tarefeiro coordenador da equipe da equipe Onde arquiva Tempo de arquivo Armário do Enquanto o Atendimento tarefeiro Fraterno permanecer em pasta na tarefa própria Indexação Disposição Nome Rasgar Ata de reunião de avaliação da equipe Ata de reunião do Colegiado A equipe O Colegiado O Coordenador da equipe O Coordenador da tarefa do Atendimento Fraterno Armário do Atendimento Fraterno em pasta própria Armário do Atendimento Fraterno em pasta própria 02 anos Data Rasgar 05 anos Data Rasgar 10. ANEXOS Nº Título 01 Formulário recomendações sugeridas pelo Atendimento Fraterno 02 Formulário cadastro de tarefeiro do Atendimento Fraterno 11. REVISÕES Revisão Aprov. CRA Aprov. AGF Descrição 8/10

9 Grupo Scheilla Anexo 1. GRUPO DA FRATERNIDADE ESPIRITA IRMÃ SCHEILLA RECOMENDAÇÕES SUGERIDAS PELO ATENDIMENTO FRATERNO: ( ) Frequência à Reunião Pública ( ) Frequência à Mocidade ( ) Frequência à Evangelização Infantil ( ) Inscrever-se no Ciclo de Estudos ( ) Solicitar Visita Fraterna no Lar ( ) Implantar Culto do Evangelho no Lar (assistir aula do CELAR) ( ) Solicitar Orientação Espiritual, no setor próprio/roe ( ) Solicitar Assistência Social Espírita - Coordenação de Apoio à Família CAF/ASE, na CEAL. 9/10

10 Grupo Scheilla Anexo 2. CADASTRO DE TAREFEIRO DO ATENDIMENTO FRATERNO NOME: ENDEREÇO: TELEFONES: LOCAL EM QUE REALIZA A TAREFA: ( ) CENTRO ESPÍRITA ORIENTE ( ) CASA ESPÍRITA ANDRÉ LUIZ DIA: HORÁRIO: FUNÇÃO: ( ) COORDENADOR ( ) ATENDENTE ( ) RECEPCIONISTA DATA DE INÍCIO NA TAREFA DO ATENDIMENTO FRATERNO: MÊS: ANO: CURSOS REALIZADOS: ( ) CICLO DE ESTUDOS Módulos I, II, III e IV ( ) ESDE ( ) ATENDIMENTO FRATERNO ( ) RECEPÇÃO FRATERNA ( ) CURSO DE PASSE Assinatura: Data: 10/10

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: DESPENSA IRMÃO VICENTE Revisão: 1

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: DESPENSA IRMÃO VICENTE Revisão: 1 1/5 Aprovação CAD: Data: 14-01-07 Aprovação CRA: Data: 11-03-2007 1. FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar o funcionamento dos trabalhos da Despensa Irmão Vicente do Grupo da Fraternidade Espírita

Leia mais

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Aprovação CAD: Data: 23/07/2011 Aprovação CRA: Data: 04/09/2011 1 - FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar e unificar os procedimentos adotados nas Reuniões de Educação Mediúnica do Grupo da Fraternidade

Leia mais

Aprovação CAD: - Data: - Aprovação CRA: Data: 04/03/2012 Aprovação AGF: Data: 31/03/2012

Aprovação CAD: - Data: - Aprovação CRA: Data: 04/03/2012 Aprovação AGF: Data: 31/03/2012 Aprovação CAD: - Data: - Aprovação CRA: Data: 04/03/2012 Aprovação AGF: Data: 31/03/2012 1. FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar o funcionamento do Atendimento à Gestante Irmã Daniela e da Sala

Leia mais

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: Conselho de Administração - CAD Revisão: 0

GRUPO SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título: Conselho de Administração - CAD Revisão: 0 Aprovação CAD: Data: 29-11-08 Aprovação CRA: Data: 11-01-09 1. FINALIDADE DO REGIMENTO INTERNO Regulamentar o funcionamento do Conselho de Administração (CAD), previsto no Artigo 20 do Estatuto Social.

Leia mais

4. OUTROS DOCUMENTOS RELACIONADOS COM A ATIVIDADE Estatuto Social Art 22, parágrafo 1º, alínea b.

4. OUTROS DOCUMENTOS RELACIONADOS COM A ATIVIDADE Estatuto Social Art 22, parágrafo 1º, alínea b. GRUPO DA FRATERNIDADE ESPIRITA IRMÃ SCHEILLA REGIMENTO INTERNO Título Reuniões Públicas COD GS03 Aprovação CAD: Data: 16/04/2014 Aprovação CRA: Data: 03/08/2014 Aprovação da Assembléia Data: não é necessário

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA CÉLIA XAVIER DEPARTAMENTO DE MEDIUNIDADE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I MISSÃO Art. 1º - Em consonância com o Regimento Interno da AECX, e sob a premissa de que a mediunidade é coisa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO SOCIEDADE ESPÍRITA CAMINHO DE DAMASCO (SECAD) Capítulo I Da Denominação e Fins

REGIMENTO INTERNO SOCIEDADE ESPÍRITA CAMINHO DE DAMASCO (SECAD) Capítulo I Da Denominação e Fins REGIMENTO INTERNO SOCIEDADE ESPÍRITA CAMINHO DE DAMASCO (SECAD) Capítulo I Da Denominação e Fins Art. 1º - O presente Regimento Interno tem por finalidade normatizar as disposições que constam no Estatuto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO SOCIEDADE ESPÍRITA DE AUXÍLIO FRATERNIDADE Capítulo I Da Denominação e Fins

REGIMENTO INTERNO SOCIEDADE ESPÍRITA DE AUXÍLIO FRATERNIDADE Capítulo I Da Denominação e Fins 1 REGIMENTO INTERNO SOCIEDADE ESPÍRITA DE AUXÍLIO FRATERNIDADE Capítulo I Da Denominação e Fins Art. 1º O presente Regimento Interno tem por finalidade normatizar as disposições que constam no Estatuto

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE REGIMENTO INTERNO DA CLINICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE - Capítulo I Caracterização do Serviço Clínica-Escola de Psicologia Art. 1º - O SEPsi - Serviço Escola de Psicologia

Leia mais

Centro Espírita Ildefonso Correia

Centro Espírita Ildefonso Correia Centro Espírita Ildefonso Correia REGULAMENTO INTERNO PARA GRUPOS MEDIÚNICOS CAPÍTULO I - DOS GRUPOS MEDIÚNICOS Art. 1º - Os grupos mediúnicos podem ser criados: a) pela reunião de novos trabalhadores

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Nº 010/88 COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPÍRITA - CAD / EDU CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - CAD GRUPO DA FRATERNIDADE IRMÃ SCHEILLA - GFEIS

REGIMENTO INTERNO Nº 010/88 COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPÍRITA - CAD / EDU CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - CAD GRUPO DA FRATERNIDADE IRMÃ SCHEILLA - GFEIS REGIMENTO INTERNO Nº 010/88 COORDENAÇÃO DA MOCIDADE ESPÍRITA MARIA JOÃO DE DEUS - EDU / CME COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO ESPÍRITA - CAD / EDU CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - CAD GRUPO DA FRATERNIDADE IRMÃ SCHEILLA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo

Leia mais

RE.NPJ.001.11.00 REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Responsável Etapas Autorização Nome Cargo Assinatura MEMBRO DO CONSUPE MEMBRO DO CONSUPE

RE.NPJ.001.11.00 REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA. Responsável Etapas Autorização Nome Cargo Assinatura MEMBRO DO CONSUPE MEMBRO DO CONSUPE - CÍNZIA BARRETO DO Responsável Etapas Autorização Nome Cargo Assinatura Proposição CÍNZIA BARRETO COORDENADORA DO Análise Crítica DRAUZ FILHO EDINALDO NEVES GABRIELLE GARCIA MARIA EUNICE BORJA MIDIAN

Leia mais

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA DA UFCSPA CAPÍTULO I DA NATUREZA DOS OBJETIVOS Art. 1º. A formação dos alunos do Curso de Medicina da UFCSPA incluirá como etapa integrante da graduação, estágio

Leia mais

A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL PARTE 02 DE 02

A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL PARTE 02 DE 02 ALIANÇA ESPÍRITA EVANGÉLICA REGIONAL ABC A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL PARTE 02 DE 02 COORDENADORIA DE ESTUDOS 01/11/2008 VERSÃO 05/02/2012 O ENCAMINHAMENTO A ENTREVISTA A DOCUMENTAÇÃO (PREENCHIMENTO DA FICHA

Leia mais

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO

REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM TURISMO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO NITERÓI 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) O Colegiado do curso de

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA FRATERNAL DEPARTAMENTO DE DOUTRINA REGIMENTO INTERNO DE ESTUDO E EDUCAÇÃO MEDIÚNICA E IRRADIAÇÃO

ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA FRATERNAL DEPARTAMENTO DE DOUTRINA REGIMENTO INTERNO DE ESTUDO E EDUCAÇÃO MEDIÚNICA E IRRADIAÇÃO ASSOCIAÇÃO ESPÍRITA FRATERNAL DEPARTAMENTO DE DOUTRINA REGIMENTO INTERNO DE ESTUDO E EDUCAÇÃO MEDIÚNICA E IRRADIAÇÃO I Conceito É uma reunião privativa, na qual se realiza a assistência aos espíritos necessitados

Leia mais

NORMA INTERNA DA ESCOLA DE MÉDIUNS

NORMA INTERNA DA ESCOLA DE MÉDIUNS NORMA INTERNA DA ESCOLA DE MÉDIUNS I DOS OBJETIVOS Artigo 1º - A presente Norma Interna - NI - regula as relações de ensino-aprendizagem, os conteúdos programáticos, a composição do quadro de docentes,

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Faculdade de Ciências Contábeis e Administrativas de Avaré AVARÉ NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Considerações preliminares O Regulamento do Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

Regimento Interno do Encontro Estadual da Família Espírita - ENEFE. Capitulo I Do ENEFE e das Normas Regimentais

Regimento Interno do Encontro Estadual da Família Espírita - ENEFE. Capitulo I Do ENEFE e das Normas Regimentais Regimento Interno do Encontro Estadual da Família Espírita - ENEFE Capitulo I Do ENEFE e das Normas Regimentais Art. 1º - O ENCONTRO ESTADUAL DA FAMÍLIA ESPÍRITA (ENEFE) é coordenado pela Área de Educação

Leia mais

Título I. Da Monitoria

Título I. Da Monitoria MONITORIA O programa de monitoria tem como objetivo dar oportunidade de aprimoramento na formação do aluno e ainda despertar a valorização do ensino aprendizado de sua prática bem como estimular a seguir

Leia mais

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia

Instituto de Economia. Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais. Regulamento para Monografia CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento visa normatizar as atividades relacionadas a Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) de Graduação - Bacharelado em Relações Internacionais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA DE FARMÁCIA E ODONTOLOGIA DE ALFENAS CENTRO UNIVERSITÁRIO FEDERAL REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE QUÍMICA DA Efoa/Ceufe Resolução Nº 007/2005 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) O presente regulamento foi elaborado tendo

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

Natureza / Características / Etapas / Organização / Funcionamento. Marlene Valéria - Emerson

Natureza / Características / Etapas / Organização / Funcionamento. Marlene Valéria - Emerson Natureza / Características / Etapas / Organização / Funcionamento Marlene Valéria - Emerson Entender o que é uma reunião mediúnica. Saber identificar uma reunião mediúnica pela sua natureza e característica.

Leia mais

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antônio Carlos - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés REGULAMENTO DO NUCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE AIMORÉS Este Regulamento se aplica ao curso de Direito da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés TÍTULO I DOS

Leia mais

Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga

Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga MANUAL DO VOLUNTÁRIO SUMÁRIO 1. Ser voluntário 3 2. Normas internas dos voluntários 4 3. Lei nº 9608, de fevereiro de 1998 5 4. Procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO

PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO PRODUÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIREITO Dispõe sobre a forma de operacionalização do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Direito. CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente regulamento rege as atividades de elaboração

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METROLOGIA E QUALIDADE REGULAMENTO 1ª Versão Abril/2014 FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Metrologia e Qualidade, doravante denominado PPGMQ, destina-se a

Leia mais

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando:

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando: RESOLUÇÃO CD 28/2009 - DEFINE O REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO CLÍNICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SERCEPS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015

Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Instituição Beneficente A Luz Divina Grupo da Fraternidade CONDUTA DOS MÉDIUNS 07 / 08 / 2015 Durante os meus estudos, fiquei me perguntando, o que trazer de muito especial para compartilhar com os irmãos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

Profª PEDRA SANTANA ALVES Reitora

Profª PEDRA SANTANA ALVES Reitora 0 PORTARIA Nº 11/11 APROVA AD REFERENDUM O REGULAMENTO PARA PROJETO FINAL DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UNERJ. A Reitora do Centro Universitário de Jaraguá do Sul UNERJ, e Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

FAPAC Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Acre

FAPAC Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Acre PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO ICJ EDITAL COMPLEMENTAR 002/2012 A Fundação de Tecnologia do Estado do Acre FUNTAC, através do Fundo de Desenvolvimento Científico

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 094/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 16/12/2010. Éder Rodrigo Gimenes Secretário Aprova Regulamento do componente

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Multiplicação de Células

Multiplicação de Células Multiplicação de Células O objetivo principal da Célula Sub-metas: 1. Definir uma Data 2. Aumentar a presença de Deus 3. Levantar um novo Líder 4. Firmar novos membros 5. Encontrar um novo Anfitrião Multiplicar

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 014/2009-CEP O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO:

R E S O L U Ç Ã O Nº 014/2009-CEP O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO: R E S O L U Ç Ã O Nº 014/2009-CEP CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 9/11/2009. Aprova novo Regulamento do Programa Monitoria para os Cursos

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 44/2014, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 44/2014, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE:

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE: CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº. 48, de 15 de fevereiro de 2013. Revoga a Resolução nº 6, de 05 de dezembro de 2007 que implantou a Monitoria na Faculdade e aprova o Regulamento da Monitoria na Faculdade

Leia mais

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Regulamento do Programa de Capacitação Técnica em Ciências

Leia mais

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Regulamentação para Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Material elaborado pelo corpo docente da EBRAMEC / CIEFATO Para os cursos da Escola Brasileira de Medicina Chinesa Direção Geral: Reginaldo de Carvalho

Leia mais

O TRABALHADOR ESPÍRITA EM AÇÃO

O TRABALHADOR ESPÍRITA EM AÇÃO Grupo da Fraternidade Espírita Irmã Scheilla EDU/CCE Coordenação de Educação Espírita CICLO DE ESTUDOS MÓDULO IV O TRABALHADOR ESPÍRITA EM AÇÃO Cursos: Tarefeiros de Reunião Pública (EDU)) Coord. De Evangelização

Leia mais

R E G U L A M E N T O da M O N O G R A F I A

R E G U L A M E N T O da M O N O G R A F I A COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA - C E C - R E G U L A M E N T O da M O N O G R A F I A Pró-Reitoria de Educação Superior e Educação Continuada 2013 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA UNIVAP PRÓ-REITORIA

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Curso (TCC)

Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) CURSO DE ENFERMAGEM Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) O Trabalho de Conclusão de Curso ou Monografia constitui um instrumento que possibilita ao acadêmico a oportunidade de demonstrar o grau de habilidade

Leia mais

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Anexo Res. CONSU Nº 40/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS E MULTIDISCIPLINAR CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre a estruturação, utilização e

Leia mais

SOCIEDADE ESPÍRITA MARIA NUNES SEMAN DIVISÃO DE ORIENTAÇÃO ESPIRITUAL E DOUTRINÁRIA - DOED REGIMENTO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

SOCIEDADE ESPÍRITA MARIA NUNES SEMAN DIVISÃO DE ORIENTAÇÃO ESPIRITUAL E DOUTRINÁRIA - DOED REGIMENTO CAPÍTULO I DA FINALIDADE SOCIEDADE ESPÍRITA MARIA NUNES SEMAN 1 DIVISÃO DE ORIENTAÇÃO ESPIRITUAL E DOUTRINÁRIA - DOED REGIMENTO CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º- A fim de cumprir suas finalidades, a Sociedade Espírita Maria Nunes

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES

NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES Artigo 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa no Uso Científico de Animais,

Leia mais

RESOLUÇÃO PRÓ-REITORIA EPE Nº 04 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO PRÓ-REITORIA EPE Nº 04 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO PRÓ-REITORIA EPE Nº 04 DE 09 DE OUTUBRO DE 2014 Ratifica as disposições da Resolução DAC nº 01 de 01/02/2014, que estabelece as disposições sobre a Frequência nos cursos de graduação do CENTRO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO

DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PROJETO ALUNO EMPREENDEDOR DOCUMENTO NORTEADOR PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO São Paulo 2015 PROJETO ALUNO EMPREENDEDOR DOCUMENTO NORTEADOR

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética no Uso de Animais, da MercoLab Laboratórios Ltda. O conselho de pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Art. 1. Este Regulamento normatiza as atividades relacionadas com o Trabalho de Conclusão de Curso do Curso

Leia mais

B) Preparação do Médium nos dias de Reuniões

B) Preparação do Médium nos dias de Reuniões REGIMENTO INTERNO A) Em casa 1-Leitura do Evangelho e Meditação no mínimo de 15 minutos diariamente,principalmente nos dias de reuniões; 2- Leituras educativas sobre a Doutrina Espírita; 3-A prática da

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE HUMANIDADES, ARTES E CIÊNCIAS PROFESSOR MILTON SANTOS Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Objetivos. Fundado em 17 / 03 / 2002, tem como objetivos e características o seguinte:

REGIMENTO INTERNO. Objetivos. Fundado em 17 / 03 / 2002, tem como objetivos e características o seguinte: NÚCLEO ESPÍRITA ALAN DE MELLO REGIMENTO INTERNO Objetivos Fundado em 17 / 03 / 2002, tem como objetivos e características o seguinte: O estudo, prática e divulgação da Doutrina Espírita codificada por

Leia mais

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A

F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A F A C U L D A D E N A Z A R E N A D O B R A S I L REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO B A C H A R E L A D O E M T E O L O G I A 2 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1. Respaldado pelo disposto nos termos do parágrafo único do Artigo 77 do Regimento

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR ` REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES FAR Rio Verde, Goiás 2010/2 Regimento do Núcleo de Prática Jurídica da FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES - FAR A Administração Geral da

Leia mais

A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL PARTE 01 DE 02

A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL PARTE 01 DE 02 ALIANÇA ESPÍRITA EVANGÉLICA REGIONAL ABC A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL PARTE 01 DE 02 COORDENADORIA DE ESTUDOS 01/11/2008 VERSÃO 05/02/2012 A ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL É um conjunto de atividades organizadas

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa

FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa Terezinha, Itu/SP FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa Terezinha, Itu/SP FACULDADE DE TECNOLOGIA CÉSAR LATTES Rua Marco Aurélio Gatti, nº 59 Vila Santa Manual

Leia mais

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Artigo 1º - O Programa de Iniciação Científica - PIC tem por finalidade despertar o interesse e incentivar vocações

Leia mais

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência:

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência: SUMÁRIO Apresentação... 5 O Locus da Prática Profissional...6 Fundamentação Legal... 7 Objetivos... 8 Planejamento... 9 Competência: Da Coordenação Geral de Estágios do Curso... 10 Do Supervisor/Preceptor

Leia mais

AMEEES DEPARTAMENTO ASSISTENCIAL PROJETO DE CAPELANIA ESPÍRITA

AMEEES DEPARTAMENTO ASSISTENCIAL PROJETO DE CAPELANIA ESPÍRITA AMEEES DEPARTAMENTO ASSISTENCIAL PROJETO DE CAPELANIA ESPÍRITA 1- Definição A Capelania Espírita é a prestação de apoio religioso espírita, oferecido a pacientes internados em hospitais e/ou a seus familiares,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 027/2014, DE 01 DE SETEMBRO DE 2013. Aprova o Regulamento do Trabalho de

Leia mais

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO

ANEXO II DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO ANEXO II NORMAS ESPECÍFICAS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - MODALIDADE BACHARELADO DA DEFINIÇÃO E OBJETIVO DO ESTÁGIO Art.

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS

MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS SNPTEE Documento Permanente SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E Abril de 2010 TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE OPERAÇÃO DAS SESSÕES TÉCNICAS 1.0 INTRODUÇÃO Este Manual de Operação das Sessões Técnicas

Leia mais