A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI Este artigo tem como objetivo abordar a importância estratégica da Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo para a efetiva implementação da Hidrovia Brasil Uruguai e para a logística do transporte portuário em uma área transfronteiriça. O projeto da Hidrovia Brasil Uruguai tem como objetivo a viabilização do transporte das demandas da região sul do Rio Grande do Sul e da região de fronteira com a República do Uruguai para a região central do Rio Grande do sul. A rota da Hidrovia Brasil Uruguai que define o caráter transfronteiriço da hidrovia está na Lagoa Mirim, a qual está ligada a Lagoa dos Patos por meio do Canal São Gonçalo, no qual localiza-se a Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo. Esta infraestrutura é composta por uma barragem de contenção e um canal de eclusagem que permite a navegação de embarcações hidroviárias. A Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo viabiliza a navegação transfronteiriça ligando os diferentes portos da região e, ao mesmo tempo, garante a qualidade da água da Lagoa Mirim para a produção agrícola da região, que se destaca na orizicultura. Desta forma, conclui-se que para a efetiva implementação da Hidrovia Brasil Uruguai é fundamental que a Infraestrutura da Barragem-Eclusa possibilite uma operação dentro de uma disponibilidade e confiabilidade adequada de acordo com demanda de tráfego de embarcações previstas. 1

2 INTRODUÇÃO O transporte hidroviário é reconhecido como uma atividade historicamente relacionada com o desenvolvimento regional, mas que, apesar de seu potencial, apresenta-se tímida em relação aos outros modais de transporte. A implantação de um sistema de transporte hidroviário eficiente depende do fortalecimento das políticas setoriais, além de investimentos para promover melhoria nas condições de navegabilidade, eficiência portuária e nas frotas (LACERDA, 2004). A hidrovia que hoje recebe o nome de Hidrovia Brasil Uruguai foi, no passado, um importante canal de comunicação e transporte de pessoas e mercadorias. É possível, inclusive, afirmar que foi a principal responsável pela colonização e desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul e parte do Uruguai, em suas fases iniciais. Até a primeira metade do Século XX, a hidrovia ainda era um importante modal para transporte de cargas no Estado do Rio Grande do Sul. A partir da década de 1950, a navegação passa por sérias dificuldades, cuja causa pode ser resumida na concorrência com o crescente modal rodoviário, a consequente diminuição do preço do frete e a falta de margem para reinvestimento (PRIGIONI, 2015). A Hidrovia Brasil Uruguai está incluída no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do Governo Federal. A obra possibilitará o transporte de cargas entre Brasil e Uruguai, por meio do corredor Lagoa Mirim - Canal de São Gonçalo - Lagoa dos Patos. A construção da hidrovia é uma antiga demanda regional para a consolidação de uma importante alternativa logística ao desenvolvimento do Estado, além de consolidar um corredor multimodal de transporte de cargas de Montevideo a São Paulo, com um total Km. Assim, a Hidrovia Brasil Uruguai tem dois aspectos relevantes: (i) a capacidade de ligar regiões de importância na produção industrial e agrícola entre si e a um porto marítimo e (ii) promover a ligação entre os dois países, transformando-se em um canal de integração. O Estudo de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental (EVTEA) foi concluído e identificou diversas potencialidades. Além da Lagoa Mirim, Canal São Gonçalo e a Lagoa dos Patos, a hidrovia conta com o rio Jacuí e seu afluente rio Taquari e uma série de rios de menor porte. Além dos portos públicos, vários terminais privativos operam na Hidrovia do Jacuí Taquari, principalmente na movimentação de cereais com destino ao porto de Rio Grande (AHSUL, 2014). Atualmente a navegação é efetiva na Lagoa dos patos e comporta embarcações de até 5,1 metros de calado, numa extensão de 250 km, entre Rio Grande e Porto Alegre. Esta navegação acontece no segmento norte da hidrovia, sendo o segmento sul, a partir dos portos de Rio Grande/Pelotas e segue em direção ao sul através do Canal São Gonçalo e Lagoa Mirim até o porto de Santa Vitória do Palmar, conectando também com porto da república Uruguaia, tais como, Porto de Cebollati, Tacuari e Jaguarão. A Lagoa Mirim é a segunda massa hídrica com características lacustres do Brasil e com a especificidade de ser uma lagoa transfronteiriça, onde prevalece o regime de águas compartilhadas entre o Brasil e o Uruguai. Além dos 2

3 portos citados o EVTEA considerou a inserção de diferentes terminais de uso privado e públicos privados, para auxiliar na logística da hidrovia. No trajeto da Hidrovia Brasil Uruguai existe cinco estruturas de Barragem- Eclusas, onde três encontram-se no rio Jacuí e uma no rio Taquari, as quais foram construídas com barramentos de regularização, cuja função é evitar grandes variações do nível, controle de inundações e melhoria das condições de navegabilidade. A quinta é a Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo, construída para evitar a salinização do Canal São Gonçalo e da Lagoa Mirim. A BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO A hidrovia Brasil Uruguai em toda a sua extensão apresenta diferentes tipos de estruturas que tem suas funções específicas e que viabilizam a navegabilidade no trecho, entre essas estruturas se destacam as Barragens Eclusas. Somente no Rio Jacuí existem três barragens eclusas, a Barragem de Amarópolis, Barragem do Anel de Dom Marco e a Barragem do Fandango, no rio Taquari está implantada a Barragem de Bom Retiro e no Canal que liga as Lagoas Mirim e dos Patos encontra-se a Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo. Todas essas barragens supracitadas apresentam canal de eclusagem com uma dimensão de 120 m de comprimento e 17 m de largura, exceto a Barragem do Fandango que mede 85 m de comprimento e 15 m de largura, é a menor eclusa de toda a hidrovia, por ter sido construída em época anterior as demais. A Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo é administrada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) por meio da Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim (ALM), e está localizada na extremidade nordeste do Canal São Gonçalo, distante 3 Km da Cidade de Pelotas. Esta estrutura Eclusa foi construída com a finalidade de evitar a entrada de água salgada na Lagoa Mirim, assegurando assim a qualidade das águas e um melhor aproveitamento dos recursos naturais. Em operação desde março de 1977, a Barragem consta de estrutura transversal ao Canal São Gonçalo, com 245 m de comprimento, construída em paredes diafragma e superestrutura de concreto armado. Possui 18 comportas basculantes, com 12 m de largura e 3,20 m de altura, a Figura 1 mostra uma foto aérea da barragem Eclusa do Canal São Gonçalo. Na margem esquerda do Canal, foi construído um canal de eclusagem, com 120m de comprimento, 17m de largura e 5m de profundidade. Nas duas cabeceiras estão localizados os portões basculantes com 17m de largura e 8m de altura, bem como as comportas de by-pass que equalizam os níveis dentro do canal de eclusagem permitindo a passagem das embarcações, sem comprometer a qualidade de das águas da Lagoa Mirim (ALM, 2012). 3

4 O CORREDOR NAVEGÁVEL DA BACIA DA LAGOA MIRIM As Lagoas Mirim e dos Patos são interligadas por meio do Canal São Gonçalo, pelo mesmo escoam as águas drenadas pela Bacia Hidrográfica da Lagoa Mirim, a qual tem uma área total de Km², sendo Km² localizados em território brasileiro e Km² no território Uruguaio. Figura 1 - Foto aérea da Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo Como consequência de suas características, ligando duas massas liquidas de grande volume, o canal comporta-se como um grande vaso comunicante, entre as duas lagoas. Este canal apresenta um regime de escoamento extremamente complexo, invertendo periodicamente o sentido de sua corrente, dependendo dos níveis das lagoas, das condições dos ventos nordeste (NE) e Sudoeste (SO) característicos da região e do regime pluviométrico de alta irregularidade com períodos de inundações e de estiagens prolongadas. O baixo nível da Lagoa Mirim, que ocorre nos períodos de estiagem, somando-se aos efeitos da baixa contribuição dos seus afluentes, bem como a elevada taxa de evaporação da lagoa Mirim, que é da ordem de 3mm/dia, aliados ao regime de ventos, provoca periodicamente a inversão da corrente do Canal São Gonçalo, que passa a escoar no sentido Lagoa dos Patos para Lagoa Mirim. 4

5 INTRUSÃO DE ÁGUA SALGADA Em anos de baixa pluviosidade, quando a parte meridional da lagoa dos Patos já recebeu água salgada pela Barra do Porto de Rio Grande, o referido fenômeno de inversão de corrente do Canal São Gonçalo e reposição de água na Lagoa Mirim, por efeitos acima descritos, implica na intrusão de água salgada na mesma, através do Canal São Gonçalo. Vale ressaltar que no passado, década de 60 e 70, a intrusão de água salgada na Lagoa Mirim ocorria a cada três anos, tendo o seu maior ou menor volume condicionado à intensidade e duração dos ventos, além do nível de água da Lagoa Mirim. A Figura 2 mostra um gráfico da probabilidade mensal de salinização das águas da Lagoa Mirim. Nesta figura é possível identificar que os meses críticos de salinização estão entre fevereiro e junho, neste período a operação da Barragem Eclusa do Canal são Gonçalo é fundamental para garantir a qualidade da água doce na Lagoa Mirim. Figura 2 - Gráfico de Probabilidade de intrusão salina na Lagoa Mirim O estudo de probabilidade de salinização da lagoa Mirim apresentado no gráfico da Figura 2 fez parte do Estudo Preliminar de Viabilidade, para a construção da Barragem em 1970, neste também foram apresentados dados de situações extremas, como no verão de 1946, em que foi registrada a salinidade de 12 g/l de Cloreto de Sódio nas águas do Porto de Santa Vitória (MINISTÉRIO DE INTERIOR, 1970). Os dados registrados na época sugerem que 2/3 da área da Lagoa Mirim apresentavam 5

6 concentração significativa de sal. Monitoramentos realizados na década de 1970 registraram salinidades de 29 g/l no extremo Sul do Canal São Gonçalo (MINISTÉRIO DE INTERIOR, 1970). A Figura 3 apresenta um gráfico com os dados atuais de monitoramento da salinidade do Canal São Gonçalo na localidade da Barragem. Os dados mostrados no gráfico são os picos de salinidade apresentados em cada ano entre os anos de 2005 e Pode-se verificar que os meses de maior salinidade estão de acordo com o gráfico da Figura 2, onde as probabilidades de salinização desses meses estão acima de 25%. Percebe-se também que nos anos de 2010 e 2014 o fenômeno de salinização não atingiu o Canal São Gonçalo. As medidas de salinização apresentadas no gráfico foram realizadas nas camadas inferiores do Canal São Gonçalo á jusante da barragem. Figura 3 - Gráfico de monitoramento da salinidade á jusante da BECSG - Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo A INFLUÊNCIA DA BARRAGEM ECLUSA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL DA BACIA DA LAGOA MIRIM A importância da Lagoa Mirim e do Canal São Gonçalo como reserva de água doce, deve ser considerada não só em face do uso atual, bem como para o futuro desenvolvimento sustentável da região. Atualmente, o Canal São Gonçalo e a Lagoa Mirim possibilitam a irrigação de uma área total de ha de lavoura de arroz irrigado (IRGA, 2014). Outro uso importante é o atual abastecimento urbano do município de Rio Grande e o futuro abastecimento dos municípios de Pelotas, Capão do Leão e Santa Vitoria do Palmar, viabilizando assim o fornecimento de água potável para um total de habitantes da região. 6

7 A implementação da Hidrovia Brasil Uruguai que tem como objetivo viabilizar a navegação transfronteiriça e efetivar uma rede multimodal binacional. Essa logística de transporte visa atender o escoamento das demandas produtivas da região sul do Rio Grande do Sul e da República Federativa do Uruguai. Os investimentos previstos para este projeto da Hidrovia Brasil Uruguai giram em torno de R$ 700 milhões (AHSUL, 2014). A Primeira ação do processo de implementação da hidrovia é a realização da dragagem da Lagoa Mirim, que será iniciada pela dragagem do Canal do Sangradouro, que é a junção da Lagoa Mirim com o Canal São Gonçalo. Esse é o trecho mais crítico em termos de navegabilidade, principalmente em época de estiagem, a Figura 4 mostra o mapa de localização do corredor, Lagoa Mirim, Canal Sangradouro, Barragem Eclusa, Porto de Pelotas e Lagoa dos Patos. Figura 4 - Mapa do corredor entre a Lagoa Mirim e Lagoa dos Patos Considerando a questão hidrológica, de salinidade e de navegabilidade do corredor Lagoa Mirim, Canal São Gonçalo e Lagoa dos Patos, além das demandas regionais de escoamento da produção agrícola da região, percebe-se que a Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo é uma das infraestruturas mais estratégicas para viabilizar o desenvolvimento da região transfronteiriça Brasil Uruguai. A Figura 5 mostra que interligação dos portos e terminais que podem viabilizar o escoamento da produção da região do sul do Rio Grande do Sul e da Republica Uruguaia para o Porto de Rio Grande ou para a região metropolitana de Porto Alegre depende da viabilidade operacional da Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo, ou seja, que a operação da barragem contemple o tráfego dimensionado de acordo com a demanda, além de garantir a qualidade da água doce da Lagoa Mirim, deixando-a propícia para a irrigação das lavouras de arroz e para o abastecimento urbano. 7

8 O Figura 5 - Rede de portos transfronteiriços da Hidrovia Brasil Uruguai A operação da barragem eclusa está baseada em variáveis de acordo com as questões supracitadas, tais como níveis das lagoas, salinidade, condições de ventos e tráfego de embarcações. Para o controle da salinização a barragem conta com um sistema de barramento composto de dezoito comportas que são fechadas de acordo com a diferença de nível entre as lagoas e o teor de salinidade presente á jusante 1 da barragem, conforme pode ser observado na Figura 6. Figura 6 - Sistema de barramento da Barragem Eclusa do Canal são Gonçalo composta por 18 comportas A montante da barragem é considerada o lado da Lagoa Mirim e jusante o lado da lagoa dos patos 8

9 A Figura 7 mostra a quantidade de dias que as comportas foram mantidas totalmente fechadas entre os anos de 2005 e Além da diferença de nível e a salinidade, o fechamento total das comportas é dependente também das condições de ventos à jusante da barragem. Observa-se na Figura 7 que nos anos de 2010 e 2014 as comportas não foram fechadas na sua totalidade, essa decisão pode ser baseada na informação apresentada na Figura 3, na qual se observa que não houve salinização da água do Canal São Gonçalo nos referido anos. Figura 7 - Gráfico do intervalo de comportas totalmente fechadas Para permitir a navegação, o Canal de Eclusagem da Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo apresenta dois portões basculantes que durante a passagem da embarcação isolam a parte jusante da montante da barragem, evitando assim a intrusão salina á sua montante. A Figura 8 mostra a passagem de uma embarcação pelo canal de eclusagem da barragem. O sistema de eclusagem da Barragem-Eclusa do Canal São Gonçalo necessita de um controle contínuo para evitar maiores avarias no sistema, causados tanto por fatores hidrológicos, citados anteriormente, assim como possíveis riscos de acidentes de embarcações. 9

10 Figura 8 - Embarcação no Canal de Eclusagem Atualmente a operação de eclusagem é realizada diariamente, em quatro horários pré-estabelecidos obedecendo a uma normatização específica da Marinha Brasileira. Com a implementação da Hidrovia Brasil Uruguai, acredita-se as operações de eclusagem devem ser intensificadas, necessitando de um acompanhamento de modo ininterrupto. Desta forma as ações de operação deverão ser aprimoradas para garantir uma melhor a confiabilidade e maior disponibilidade da Barragem-Eclusa do Canal São Gonçalo. CONCLUSÃO As abordagens apresentadas neste trabalho procuraram destacar a importância estratégica da Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo para a efetivação de um transporte transfronteiriço, utilizando a Lagoa Mirim e a Lagoa dos Patos como canal de escoamento das demandas da região sul do Rio Grande do Sul e da República do Uruguai para a região central do Rio Grande do sul e do Brasil. Além disso, procura-se esclarecer a importância ambiental e de garantia da qualidade da água, para a produção agrícola da região, evitando a entrada de água salgada na Lagoa Mirim. Durante o desenvolvimento do estudo percebe-se que transporte hidroviário é fundamental para desenvolvimento da região da Bacia da Lagoa Mirim e que a implementação de um sistema multimodal binacional poderá desenvolver uma grande capacidade escoamento da produção industrial e agrícola, efetivando um canal de integração entre Brasil e Uruguai. 10

11 No entanto, percebe-se que, para viabilizar desenvolvimento dessa região transfronteiriça e manter a qualidade das águas da lagoa Mirim, considerando todas as especificidades do regime hidrológico do Canal São Gonçalo, a Barragem Eclusa do Canal São Gonçalo é a estruturas mais importante presente no corredor entre os portos presentes na Lagoa Mirim e na Lagoa dos Patos. Desta forma para conclui-se que para a efetiva implementação da Hidrovia Brasil Uruguai é fundamental que a Barragem-Eclusa do Canal São Gonçalo apresente um parâmetro de disponibilidade e confiabilidade de acordo com as demandas da região. REFERERENCIAS LACERDA, S. M. Evolução recente do transporte hidroviário In: BNDES Setorial. Rio de Janeiro, n. 20, p , set PRIGIONI, C. Ma.. Aportes para la Historia de la Navegacion em la Laguna Merin y sus Tibutarios Mayores, Apresentação de Slides, In: Reunião na Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim - ALM. Pelotas - RS ago INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ. Arroz irrigado: Recomendações técnicas da pesquisa para o sul do Brasil. Reunião Técnica da Cultura do Arroz Irrigado AHSUL Administradora das Hidrovias do Sul. Estudo de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental EVTEA da Hidrovia Brasil Uruguai, Folheto, Brasília, DF, nov. 2014, 44 p. ALM Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim. Manual de Operação da Barragem Eclusa, Pelotas, RS, 2012, 68p. MINISTÉRIO DO INTERIOR. Seção Brasileira da Comissão da Lagoa Mirim. Barragem do São Gonçalo: Estudo preliminar de Viabilidade. Brasília, DF, nov SANTANA, W. A., Proposta de diretrizes para planejamento e gestão ambiental do transporte hidroviário no Brasil f. Tese (Doutorado em Engenharia Naval e Oceânica) Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo,

Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim. Universidade Federal de Pelotas

Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim. Universidade Federal de Pelotas Universidade Federal de Pelotas Agência de Desenvolvimento da Bacia da Lagoa Mirim A IMPORTÂNCIA DA BARRAGEM ECLUSA DO CANAL SÃO GONÇALO PARA A REDE PORTUÁRIA TRANSFRONTEIRIÇA VIA HIDROVIA BRASIL URUGUAI

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL

HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL HIDROVIA DA LAGOA MIRIM: UM MARCO DE DESENVOLVIMENTO NOS CAMINHOS DO MERCOSUL Eng. José Luiz Fay de Azambuja azambuj@uol.com.br TREINTA Y TRES 04.10.2012 CARACTERIZAÇÃO Lagoa Mirim São Gonçalo Lagoa dos

Leia mais

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento

Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande. Portuária. TIPO: Eixo Estruturante. LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS. Categoria: Dragagem / Derrocamento Projeto 018 : Dragagem no porto de Rio Grande E9 Portuária TIPO: Eixo Estruturante LOCALIZAÇÃO: Rio Grande - RS Categoria: Dragagem / Derrocamento EXTENSÃO/QUANTIDADE/VOLUME: 2.000.000 m³ JUSTIFICATIVA:

Leia mais

UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas

UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO. Universidade Federal de Pelotas UNIVERSIDADE e INTEGRAÇÃO Universidade Federal de Pelotas Apresentação Breve Relato Sobre a UFPEL. O papel da Universidade de acordo com o Tratado Brasil-Uruguay da Lagoa Mirim. A criação de uma nova

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Resultados do Seminário de Portos e Hidrovias COSIPLAN Outubro - 2015 Objetivos do Seminário Identificar os marcos regulatórios dos portos (marítimos, fluviais e lacustres), com o objetivo de melhorar

Leia mais

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande

Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Diferenciais Competitivos do Porto do Rio Grande Fórum de Infraestrutura e Logística do RS Nov/2009 Eng. Darci Tartari Divisão de Planejamento Localização do Porto do Rio Grande no Conesul São Francisco

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL

A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL 04/05/2011 Senado Federal - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo O BRASIL EM NÚMEROS BASE PARA O CRESCIMENTO Os investimentos nas áreas

Leia mais

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil

Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Perspectivas e Desafios ao Desenvolvimento de Infra-estrutura de Transportes no Brasil Desafios Regulatórios: Visão dos Reguladores Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Brasília, 29 de novembro de 2006

Leia mais

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados

Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Navegação interior no Brasil e o avanço dos Investimentos públicos e privados Adalberto Tokarski Diretor CT Log Junho de 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS A ANTAQ Criada pela Lei nº10.233,

Leia mais

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL

REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL REDE ECONÔMICA HOLANDESA NO BRASIL O Papel da ANTAQ no desenvolvimento da navegação interior brasileira FERNANDO FIALHO Diretor Geral Brasília Embaixada da Holanda, 30 de agosto de 2007 A ANTAQ É - Autarquia

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins

DNIT Diretoria de Infraestrutura Aquaviária. Corredor do Rio Tocantins Corredor do Rio Tocantins DNIT Diretoria de ADMINISTRAÇÕES Infraestrutura Aquaviária HIDROVIÁRIAS Demandas de Infraestrutura CNA / BRASIL PAC INVESTIMENTOS INICIADOS AÇÕES INVESTIMENTOS PREVISTOS CORREDOR

Leia mais

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO

PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO PORTO DE PELOTAS PLANO DE DESENVOLVIMENTO E ZONEAMENTO PORTUÁRIO Í N D I C E Aprovações e Alterações Resolução nº. 011, de 11 de Fevereiro de 2010, do Conselho de Autoridade Portuária do Porto de Pelotas/RS

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL

4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL 94 4 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NA REGIÃO CENTRO-SUL Nos capítulos anteriores foi apresentado o produto a ser tratado, suas principais regiões produtoras, suas perspectivas de crescimento, sua logística

Leia mais

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES

CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DAS DEFINIÇÕES RESOLUÇÃO N o 143, DE 10 DE JULHO DE 2012. Estabelece critérios gerais de classificação de barragens por categoria de risco, dano potencial associado e pelo seu volume, em atendimento ao art. 7 da Lei

Leia mais

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes

Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Indicadores de Desempenho do Sistema Transportes Estratégia Unindo Ações OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Fortalecer a capacidade de planejamento buscando o alinhamento das esferas de governo e sociedade Incorporar

Leia mais

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA DERROCAMENTO DE PEDRAIS PARA DESOBSTRUÇÃO E ALARGAMENTO DA FAIXA NAVEGÁVEL DO RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE SOBRADINHO E JUAZEIRO-BA/PETROLINA-PE ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Parceria Público Privada

Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Parceria Público Privada Outubro 2014 Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) Parceria Público Privada Secretaria de Desenvolvimento Econômico Unidade Central PPP www.ppp.mg.gov.br 1 Aerotrópole de Belo Horizonte e o CTCA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO

PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO AGENDA PROGRAMA PRÓ CABOTAGEM POTENCIAL DA CABOTAGEM PARA O AGRONEGÓCIO O PROGRAMA PROGRAMA PARA DESENVOLVIMENTO DA CABOTAGEMNO BRASIL, COM A PARTICIPAÇÃO DOS ORGÃOS INTERVENIENTES, ATRAVÉS DE UM GRUPO

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes

O Papel do Governo no Transporte Ferroviário. Atuação do Ministério dos Transportes O Papel do Governo no Transporte Ferroviário Atuação do Ministério dos Transportes Brasília, 11 de agosto de 2010 Paulo Sérgio Passos Ministro dos Transportes Um momento especial 2010 tem sido um ano de

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA PLATAFORMAS LOGÍSTICAS E TERMINAIS HIDROVIÁRIOS 02.09.2015 SUMÁRIO 1 2 INTRODUÇÃO - Objetivos e Plano Estratégico

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS RELATÓRIO ANUAL SOBRE A SITUAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EDIÇÃO

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações.

Base Legal da Ação Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001, arts. 81 e 82; Lei nº 5.917, de 10 de Setembro de 1973, e suas alterações. Programa 2073 - Transporte Hidroviário Número de Ações 107 110S - Melhoramentos no Canal de Navegação da Hidrovia dos Rios Paraná e Paraguai Garantia da navegabilidade durante todo o ano na hidrovia, mediante

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais

Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais Plano Nacional de Gestão de Riscos e Resposta a Desastres Naturais 2012 2014 Novos Investimentos R$ 18,8 bilhões Socorro, assistência e reconstrução Prevenção Obras estruturantes Resposta Mapeamento Monitoramento

Leia mais

LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA

LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA LABORATÓRIO DE TRANSPORTES E LOGÍSTICA Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal de Santa Catarina Engenheiro André Ricardo Hadlich andre.labtrans@yahoo.com.br Maio de 2014 Engenharia Civil

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL SOBRE TRANSPORTE FLUVIAL E LACUSTRE NA HIDROVIA URUGUAI-BRASIL A República Oriental do Uruguai e A República Federativa do

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura Presidência da República Secretaria de Portos Audiência Pública Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Comissão de Serviços de Infraestrutura 29 de junho de 2010 Subsecretário de Planejamento

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária

Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária Visão da ANTAQ sobre a logística portuária e hidroviária FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Apresentação para o Grupo Votorantim Brasília, 05 de maio de 2009. Aspectos Institucionais Criada pela

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto:

TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto: TERMO DE REFERÊNCIA I.Título do Projeto: INTERLIGAÇÃO DAS HIDROVIAS TIETÊ-PARANÁ E PARANÁ-PRATA COM A TRANSPOSIÇÃO DA REPRESA DE ITAIPU, MEDIANTE A CONSTRUÇÃO DE PORTOS INTERMODAIS E ESTRUTURAS COMPLEMENTARES

Leia mais

DETALHAMENTO DO EVTEA PROJETO BINACIONAL BRASIL URUGUAI. TRANSPORTE MULTIMODAL NO SISTEMA LAGOA MIRIM e LAGOA DOS PATOS

DETALHAMENTO DO EVTEA PROJETO BINACIONAL BRASIL URUGUAI. TRANSPORTE MULTIMODAL NO SISTEMA LAGOA MIRIM e LAGOA DOS PATOS DETALHAMENTO DO EVTEA PROJETO BINACIONAL BRASIL URUGUAI TRANSPORTE MULTIMODAL NO SISTEMA LAGOA MIRIM e LAGOA DOS PATOS Contratar Estudos Ambientais Projetos de Manutenção + Licença Ambiental Consultoria

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes.

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. HIDROGRAFIA CONCEITOS Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. Rede hidrográfica: Conjunto de rios. A HIDROSFERA É a

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano

Comunicado Conjunto. Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano Comunicado Conjunto Reunião dos Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e José Alberto Mujica Cordano (Santana do Livramento/Rivera, 30 de julho de 2010) Os Presidentes da República Federativa do Brasil,

Leia mais

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL

PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL HIDROGRAFIA PERFIL LONGITUDINAL DE UM VALE FLUVIAL CRISTA OU INTERFLÚVIO CRISTA OU INTERFLÚVIO VERTENTE VERTENTE MARGEM RIO MARGEM LEITO TALVEGUE IMPORTÂNCIA DOS RIOS ABASTECIMENTO TRANSPORTE NAVEGAÇÃO

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza

MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária. Dr. Adalmir José de Souza MERCOSUL: Avanços e deficiências de uma Região Hidroviária Dr. Adalmir José de Souza Abril de 2007 A Hidropolítica já é um dos temas mais importantes no mundo, numa humanidade que se projeta, os cursos

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches

P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO. Título: Projeto de Portos no Amazonas. Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches P R O J E T O D E P E S Q U IS A IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título: Projeto de Portos no Amazonas Aluno Pesquisador:Ricardo Almeida Sanches Curso: Engenharia Civil Duração: fevereiro de 2008 a junho de 2008

Leia mais

AVALIAÇÃO E ESTRATÉGIAS PARA OS RECURSOS HÍDRICOS NO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO E ESTRATÉGIAS PARA OS RECURSOS HÍDRICOS NO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO E ESTRATÉGIAS PARA OS RECURSOS HÍDRICOS NO RIO GRANDE DO SUL Prof. Dr. Carlos Eduardo Morelli Tucci tucci@rhama.net e site www.rhama.net Setembro 2013 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 ANTECEDENTES...

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A HIDROGRAFIA BRASILEIRA O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014 Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Contexto da renovação da outorga em 2004 ATORES REGIONAIS 1. Comitê PCJ 2. Consórcio PCJ 3. Conselho

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

II Seminário Portos e vias navegáveis

II Seminário Portos e vias navegáveis II Seminário Portos e vias navegáveis Plano Nacional de Integração Hidroviária PNIH Adalberto Tokarski Superintendente da Navegação interior da ANTAQ Brasília, 22 de setembro de 2011 Parceiros Estratégicos

Leia mais

AEROPORTO DE PELOTAS

AEROPORTO DE PELOTAS AEROPORTO DE PELOTAS FONTE: ITEPA/UCPEL REGIÃOsul 25 % DE CRESCIMENTO POPULACIONAL ATÉ 2020 INTER MODALIDADE RODOVIAS / HIDROVIAS / FERROVIAS / AEROPORTOS 12 DE CRESCIMENTO ECONÔMICO AO ANO ATÉ 2020. %

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos

A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos A Logística Hidroviária: Planejamento Público e Investimentos Previstos FERNANDO ANTONIO BRITO FIALHO DIRETOR-GERAL Conselho Superior Temático de Meio Ambiente - COSEMA Brasília, 19 de maio de 2009. Aspectos

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio

Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação. Apoio Impactos dos investimentos previstos no PIL 2015 nos corredores logístico de exportação Apoio s previstos no PIL 2015 no Corredor Logístico Centro-Norte s estimados em R$ 29,5bilhões com o PIL 2015 Rodovias

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ BOLETIM DE MONITORAMENTO DOS RESERVATÓRIOS DO SISTEMA CANTAREIRA ANO 2012 BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água

hidrográficas estão separadas por uma linha que une pontos de maior altitude, o interflúvio ou divisor d água HIDROGRAFIA Águas Continentais Como vimos, a maior parte da água doce do planeta encontra-se congelada na forma de geleiras, nas regiões polares, nos aqüíferos ou nos cumes das altas montanhas. Resta,

Leia mais

PORTO DE SEPETIBA PORTAL DO ATLÂNTICO SUL

PORTO DE SEPETIBA PORTAL DO ATLÂNTICO SUL DIFICULDADES DE ACESSO AO PORTO DE SEPETIBA QUE AFASTAM CLIENTES POTENCIAIS SUPERPOSIÇÃO DO FLUXO DA CARGA COM O TRÁFEGO DA BR-101, TIPICAMENTE DE AUTOMÓVEIS, GERA CONFLITOS INDESEJÁVEIS O PORTO FOI CONCEBIDO

Leia mais

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br

Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Av. Padre Cacique, 320, 6º andar Cep 90810-240 Porto Alegre - RS Fone ++ 55 51 2103-1188 Fax 51 2103-1100 www.trevisa.com.br Histórico 1930 fundação da Luchsinger Madörin & Cia Ltda 1964 fundação da Trevo

Leia mais

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental Missão Rússia Seminário Portos Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 14/05/2010 Local: Hotel Ritz-Carlton Uma breve visão do Brasil Fatos

Leia mais

Ações Para Melhoria da Infra-estrutura de Navegação do São Francisco. FUNDESPA Fundação de Estudos e Pesquisas Aquáticas

Ações Para Melhoria da Infra-estrutura de Navegação do São Francisco. FUNDESPA Fundação de Estudos e Pesquisas Aquáticas Ações Para Melhoria da Infra-estrutura de Navegação do São Francisco Situação dos Projetos Embarcação Fluviográfica Velho Theo Rota de Navegação Carta Náutica Digital Construído pela Bahia encontra-se

Leia mais

HIDROVIA DO RIO GRANDE ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE USINAS HIDRELÉTRICAS

HIDROVIA DO RIO GRANDE ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE USINAS HIDRELÉTRICAS HIDROVIA DO RIO GRANDE ATRAVÉS DA INTEGRAÇÃO DE RESERVATÓRIOS DE USINAS HIDRELÉTRICAS Thiago Roberto Batista 1 & Afonso Henriques Moreira Santos 2 & Alexandre Augusto Moreira Santos 3 & Benedito Cláudio

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

As Hidrovias como fator de desenvolvimento brasileiro

As Hidrovias como fator de desenvolvimento brasileiro As Hidrovias como fator de desenvolvimento brasileiro Guilherme Almeida Diretor da Área de Revitalização das Bacias Hidrográficas 2 Forum sobre Hidrovias Congresso Nacional - 24 de agosto de 2011 CODEVASF

Leia mais

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho

Investimento no Transporte Hidroviário Interior. Fernando Antonio Brito Fialho Investimento no Transporte Hidroviário Interior Fernando Antonio Brito Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Rio de Janeiro, 8 de outubro de 2007 Estrutura do Estado UNIÃO Poder Executivo Secretaria de Portos

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.334, DE 20 DE SETEMBRO DE 2010. Estabelece a Política Nacional de Segurança de Barragens destinadas à acumulação de água

Leia mais

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho

Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu. Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Projeto PLADE (JICA) Foz do Rio Itajaí-Açu Por: Dr. João Luiz Baptista de Carvalho Para a região da foz do Itajaí-Açu Melhoramento fluvial ao longo do rio Itajaí; Canal extravasor; Melhoramento fluvial

Leia mais

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br

Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br Av. Mauá, nº 1.050 Centro Porto Alegre CEP 90010-110 Telefone: 3288-9200 e-mail: executiva@sph.rs.gov.br PORTO DE PORTO ALEGRE Histórico: Início da obra: 28 de outubro de 1911, pelo Governo Federal construído

Leia mais

Estudo da potencialidade da Lagoa Mirim através do transporte de arroz pelo modal hidroviário

Estudo da potencialidade da Lagoa Mirim através do transporte de arroz pelo modal hidroviário Estudo da potencialidade da Lagoa Mirim através do transporte de arroz pelo modal hidroviário Raquel da Fonseca Holz 1 João Carlos Strauch 2 & Milton Luiz Paiva de Lima 3 1 Mestrando do Curso de Engenharia

Leia mais

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002)

Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil, sob Cenários Sustentáveis (PCT BRA/IICA/08/002) Data do Início: 01/01/2008 Data do Término: 31/12/2011 Valor: R$ 21.000.000,00 Objetivo: Desenvolvimento

Leia mais

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina Apoio financeiro e técnico no setor água O CAF apoia os esforços que os países da região realizam para garantir que toda a população

Leia mais

A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA AMAZONAV LTDA

A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA AMAZONAV LTDA A NAVEGAÇÃO FLUVIAL NA AMAZÔNIA CARACTERÍSTICAS Área aproximada em km²: 3.900.000 23.000 Km de rios navegáveis. Estados Abrangidos: Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Pará, Amapá e norte do Mato Grosso

Leia mais

NAVEGAÇÃO NO RIO DOURO E TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO

NAVEGAÇÃO NO RIO DOURO E TRANSPORTE FLUVIAL DO MINÉRIO DE MONCORVO INTRODUÇÃO E PROGRAMA DA JORNADA MEIOS NECESSÁRIOS PARA A EXPANSÃO DA NAVEGAÇÃO VIABILIDADE DO TRANSPORTE DO MINÉRIO ALGUMAS CONCLUSÕES 1 RIO DOURO VIA NAVEGÁVEL 2 RIO DOURO APROVEITAMENTO HIDROELÉTRICO

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ ANTAQ PERSPECTIVAS DE AVANÇO DA INFRA-ESTRUTURA DO TIETÊ Oswaldo F. Rossetto Jr. Diretor Brasília DF 08 de agosto de 2007 SECRETARIA DOS TRANSPORTES HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

Leia mais