OLHAR E SER VISTO Casa Fiat de Cultura apresenta a arte do retrato com 40 obras do rico acervo do Masp

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OLHAR E SER VISTO Casa Fiat de Cultura apresenta a arte do retrato com 40 obras do rico acervo do Masp"

Transcrição

1 OLHAR E SER VISTO Casa Fiat de Cultura apresenta a arte do retrato com 40 obras do rico acervo do Masp Quem sou eu? Qual a minha imagem? Ao longo dos séculos, artistas de diversos estilos responderam de modo muito particular a tais questionamentos. Ao retratar homens e mulheres, grandes pintores não só saciavam as indagações existenciais das personalidades que representavam, como eram capazes de lhes imortalizar, na tela. Eis o motivo por que, diante de um retrato, o observador segue para muito além do que vê no quadro. Afinal, como se num jogo de espelhos, ele é delicadamente convidado a participar daquele íntimo e intenso diálogo de imagens e desejos. Entregar os olhos a tal fascinante exercício de percepção será a senha para que o público aprecie, de 3 de maio a 3 de julho de 2011, na Casa Fiat de Cultura, a exposição Olhar e ser visto a figura humana da Renascença ao contemporâneo. No ano em que a Casa Fiat de Cultura completa cinco anos de atuação nos 35 anos da Fiat no Brasil, a instituição apresenta ao público uma visão sobre a pintura de retrato de um dos mais respeitados acervos do mundo. A mostra é uma síntese do gênero mais consistente da coleção do Masp. Os visitantes terão acesso a 40 retratos, reunidos em seis núcleos temáticos, de um recorte que vai do final do século XVI aos dias de hoje. Sob responsabilidade do curador coordenador do Museu de Arte de São Paulo (Masp), professor Teixeira Coelho, a curadoria pretende fazer com que os visitantes compreendam o que o retrato representa nas artes plásticas. A mostra celebra, ainda, a parceria de cinco anos entre a Fiat e o Masp, iniciada com a exposição Arte Italiana do Masp na Casa Fiat de Cultura, que inaugurou as instalações da Casa Fiat. Ao enfrentar seu batismo de fogo, foi às portas do Masp que nossa Casa foi bater. Assim, em nosso quinto aniversário, nada mais justo que festejar a parceria com a apresentação desse extraordinário recorte do museu paulistano, conta o presidente da Casa Fiat de Cultura, José Eduardo de Lima Pereira. O curador Teixeira Coelho explica que o retrato permanece um gênero de primeira ordem no mundo das artes e, dentre vários motivos, devido a uma aspiração fundamental do ser humano: a de saber como ele é aos olhos do outro. A partir de tal afirmação, é possível compreender melhor a aura que reveste o retrato numa pintura ou escultura, seja com nítidos e impecáveis traços, como nos quadros de Almeida Júnior (Moça com livro) e Paris Bordon (Retrato de Alvise Contarini); seja por figuras abstratas, que mais falam da alma do que do visível, como em Flávio de Carvalho (Retrato de Assis Chateaubriand e Retrato da Pintora Tarsila) e Chemiakin (Retrato Duplo de Nijinski). Os 40 exemplares reunidos na mostra estão organizados em seis núcleos, que remontam a períodos e estilos diferenciados: O retrato da pompa (primeiros retratos autônomos, com início no século XII); O recurso à cena (em que os modelos principais são acompanhados por cenários, outras pessoas e objetos); Eu mesmo (era dos auto-retratos e da atração narcisista pela imagem); Retratos modernos (retomada dos modelos enquanto foco, mas com certa estranheza e técnicas diferenciadas); Retrato de ideias (menos parecidas com seus retratados e mais com ideias e emoções) e Desconstrução (a figura retrata sofre interferência de objetos, pinceladas, devaneios e outros que desfazem a identidade central). Dentre as obras da exposição, destacam-se os retratos de Toulouse-Lautrec (Bailarina Loïe Fuller vista dos bastidores A Roda), Modigliani (Lunia Czechowska), Picasso (Busto de homem O Atleta) e os autorretratos de Pancetti e Darcy Penteado. Núcleo O retrato da Pompa 5 obras Os primeiros retratos ditos autônomos que não são mais parte da arquitetura surgem no século XIII e ganham impulso com a invenção da portátil tela de pano como suporte (o mais antigo exemplo de pintura sobre tela é uma Madona de 1410). Os retratos deste grupo são ditos de aparato. A imagem construída pelo artista deve ser impressionante: o retratado é mostrado como alguém especial, subtraído quase aos acidentes do efêmero. Daí serem, de certo modo, atemporais. Não fosse pelas roupas que ajudam a configurar e situar os que as envergam, os retratados quase estariam fora de um lugar e época determinados. São exemplares, neste sentido, os retratos assinados por Goya,

2 pelas roupas que ajudam a configurar e situar os que as envergam, os retratados quase estariam fora de um lugar e época determinados. São exemplares, neste sentido, os retratos assinados por Goya, Van Dyck ou Hals: os retratados estão sobre fundo neutro (ou genérico, como na tela de Gainsborough) e se deixam ver em poses hieráticas, afirmativas, quer apareçam de corpo inteiro ou de meio corpo. São retratos de pessoas e, também, símbolos de alguma outra coisa, sobretudo do poder. Os primeiros retratos foram os da realeza, do alto clero e da aristocracia, donde serem naturalmente de aparato (no Renascimento, surgem os retratos das pessoas mais comuns ou, em todo caso, dos burgueses). Como toda pintura de gênero, o que primeiro se retrata aqui é o próprio código a que a obra pertence no caso, a própria pompa, a ideia de pompa; o retratado é meio para pintar-se a pompa em si mesma. O retratado existe porque a pompa existe. Núcleo Retratos modernos 9 obras Aqui, à primeira vista, os retratos são das pessoas elas mesmas, mais do que de alguma coisa que esteja por trás delas, que representem e na qual se amparem. O que se representa são elas mesmas e não o eventual poder que tenham ou o objeto ou o ser que as definam. Mas, por maior que seja a verossimilhança, em muitas destas telas, ou todas, predomina uma sensação de estranheza: mesmo que se ofereçam nuamente ao olhar, por imóveis que estejam (e, talvez, por isso mesmo), tampouco aqui elas se revelam de todo, se expõem. Tanto quanto a pessoa, o que se vê é a persona, a máscara que os retratados usam para se deixarem ver (quando não para se verem). De certo modo, essa é uma qualidade da maioria dos retratos, senão de todos; no modo deste grupo, porém, esse tom é mais acentuado porque nenhum objeto de contexto ou símbolo sugerido vem em socorro do retratado ou de quem o observa. As pessoas não são, porém, a única coisa que se retrata aqui. Cézanne pinta tanto sua mulher quanto a arte pré-renascentista e a nova arte (cada retrato seu, como vários de Picasso, é também um retrato da história da arte). E Van Gogh faz seu modelo, como o escolar, competir com o entorno (e praticamente perder para ele). Tanto quanto nos retratos de aparato, também nesses o fundo é quase sempre vago, neutro e indefinido. O sentido, no entanto, é diverso neste caso. Aqui, é como se o sentido da pessoa retratada fosse suficiente para encher o espaço definido pela tela, como se nada mais fosse preciso para apresentar e definir quem ela é. A semelhança entre o modelo e o Núcleo O recurso à cena 6 obras Os retratos deste grupo apresentam seus modelos junto a alguém mais, ou a alguma outra coisa, fazendo alguma coisa, representando alguma coisa: compõem, com as outras pessoas ou coisas representadas, uma cena que lhes empresta ou sugere uma qualidade específica. De algum modo, todo retrato compõe uma cena, em particular os retratos de aparato; aqui, porém, a cena é mais explícita e ampla e a narrativa que propõe é mais extensa, senão mais complexa. Várias das obras desse grupo relacionam-se àquelas exibidas entre os retratos da pompa, enquanto outras, em número não menor, remetem-se ao grupo dos retratos modernos, de que poderiam fazer parte com igual propriedade. Em certos casos, como nas obras de Nattier, a cena representada chega a compor uma alegoria, mas ela sempre será quase um teatro. É de 1310 a recomendação de Pietro d Abano de que o retrato deveria expressar a aparência e a psicologia, ou a alma, do retratado algo mais viável nos retratos desse grupo e do próximo do que naqueles de aparato. Daí não se deve concluir, porém, que a semelhança sempre tenha sido tudo, no retrato: antes da modernidade proposta pelo século XIX, conforme o princípio da dissimulatio (dissimulação), o realismo deveria submeter-se aos interesses contextuais da representação, razão pela qual, sobretudo nos retratos de pompa ou aparato, os eventuais defeitos físicos dos modelos eram diminuídos ou ocultados. Na contemporaneidade, o corpo humano em seu realismo mais cru, em suas falhas e sua decadência, será mostrado sem disfarces. Núcleo Eu Mesmo 6 obras Atração narcisista pela própria imagem; tentativa de sair de si mesmo para, enfim, ver-se melhor, verse de outro modo; a simples comodidade de ser o modelo mais disponível; no início de sua história, esforço do artista para que o vissem como aqueles que ele próprio retratava, isto é, como um membro das classes altas, das profissões liberais (intelectuais) e não das manuais, que dependiam do esforço físico: tudo isso se encontra na origem e na história do autorretrato. Rembrandt, com a retratação insistente de si mesmo, não raro impiedosa, foi um equivalente dos poetas que repetidamente mergulham em si para vislumbrar ao menos um pouco da natureza humana. Já Pancetti buscava ver não tanto e não só aquilo que de pessoal existia em si mesmo, como também o que de mais coletivo nele ecoava. E Max Beckmann atribui a seu próprio retrato uma dimensão que ultrapassa a alegoria, para tocar na metafísica. Em todos os casos, o espelho de que se serve o artista, por mais polido que seja, revela-se opaco ou tem um grau de refração que o torna inútil porque reflete tanto o retratado quanto quem o mira. A refração, como se sabe, modifica a velocidade da luz, matéria da pintura, e dá do objeto uma imagem ligeiramente fora de eixo, distorcendo-o no ambiente, ao mesmo tempo em que o mostra muito tal qual é: na tela de Darcy Penteado, a refração parece ter atingido o auge.

3 fundo é quase sempre vago, neutro e indefinido. O sentido, no entanto, é diverso neste caso. Aqui, é como se o sentido da pessoa retratada fosse suficiente para encher o espaço definido pela tela, como se nada mais fosse preciso para apresentar e definir quem ela é. A semelhança entre o modelo e o representado fez o sucesso do retrato e também, no início, foi motivo de crítica, pelo menos entre os intelectuais. Vasari, iniciador da História da Arte como disciplina no século XVI, considerava o retrato um gênero menor, por ser uma reprodução direta da realidade (um ritrarre) e não a representação do real conforme um conceito orientador (o imitare), próprio da grande arte imaginativa. (Um escrito central de Leonardo da Vinci propôs que a arte é, sempre, uma coisa mental.) Como em todas as exposições realizadas pela Casa Fiat de Cultura, Olhar e ser visto A figura humana da renascença ao contemporâneo conta com um Programa Educativo elaborado Núcleo Retrato de ideias 8 obras O retrato convencional é uma representação extraída diretamente da vida (ritrarre). Seu oposto, o retrato que se serve do imitare, é um acréscimo à vida, gera algo que não existia antes e, portanto, não é uma reapresentação, mas uma apresentação primeira, uma presentificação: só existe no presente da arte que o propõe. A pessoa real que serviu para a representação pode ou não aparecer tal qual na obra que, no entanto, não é seu retrato, uma vez que ela não é explicitamente identificada. O que a obra retrata, antes, são ideias (estéticas, sociais, psicológicas). Tais obras se servem das pessoas para por em cena as ideias (ideias do que seja uma família, um casal, uma profissão, uma atividade, uma situação, uma emoção). Em arte, de fato, nunca é diferente. Também O filho do carteiro, de Van Gogh, e o auto-retrato de Pancetti são, sobretudo, retratos das ideias estéticas dos artistas, antes de serem retratos de pessoas. Contudo, nas obras do presente grupo, O retrato de ideias, esse compromisso com as ideias e os ideais, por cima da pessoa representada, é ainda mais claro e destacado. Núcleo Desconstrução 6 obras Com a arte moderna do final do século XIX, a figura e, com ela, a identidade vai-se desfazendo e substituindo por outra coisa. Picasso apresenta uma evidência exemplar desse modo, decompondo a cabeça do personagem numa multiplicidade de fragmentos cuja soma é maior que o todo. Flávio de Carvalho e Chemiakin adotam procedimentos diferentes, que convergem, no entanto, para o mesmo fim: o retratado desaparece em favor da retratação da própria arte, da estética do artista, para quem o retratado é apenas um pretexto, e nem de longe o mais importante. A representação do que está fora da arte chegou a seu fim. O que contavam os retratos e o que contam hoje? Olhar e ser visto apresenta, a um público diversificado, imagens igualmente multi-facetadas. Estão expostas obras familiares, como as telas a óleo de Portinari e os rechonchudos corpos de Diego Rivera; ou mais estranhas, como a litogravura obscura do alemão Käthe Kollwitz. É nas diferenças técnicas, e em semelhanças como a forma de retratar os modelos e seu entorno, que o curador Teixeira Coelho aponta uma reflexão interessante: o que contavam os retratos e o que contam hoje? As primeiras telas da exposição, do núcleo O retrato da pompa mostram corpos inteiros, imponentes como os cargos que ocupavam eram quadros geralmente encomendados por reis, figuras públicas de cargos de poder e egos igualmente inflados. Aos poucos, as imagens realistas ganham decorações, fundos campestres, acessórios. Em oposição, a arte moderna privilegia o modo particular do artista de ver as coisas, aceitando sua perspectiva e recorrendo, muitas vezes, às distorções, como mostram as referências dos exemplares artísticos do núcleo Desconstrução. Ali está, por exemplo, a fotografia de Arthur Omar, intitulada A menina dos olhos, da série Antropologia da Face Gloriosa. Aliás, imagem que tem menos de glória e mais de deformação compondo sua estranha beleza. A exposição é uma realização da Casa Fiat de Cultura e do MASP, com patrocínio da Fiat Automóveis, parcerias da APPA e do Santander e apoio do Ministério da Cultura, através da Lei de Incentivo à Cultura. A produção executiva é da Base 7 Projetos Culturais. Programa Educativo

4 Como em todas as exposições realizadas pela Casa Fiat de Cultura, Olhar e ser visto A figura humana da renascença ao contemporâneo conta com um Programa Educativo elaborado especialmente para atender grupos, professores e alunos de escolas das redes pública e privada. As visitas orientadas são realizadas por uma equipe de educadores capacitados pela instituição. Concebido pelo coordenador do Serviço Educativo do Masp, Paulo Portella Filho, o Programa Educativo desta exposição pretende estabelecer diálogos, entre educador e visitante, a partir da observação das obras e questionamento dos integrantes do grupo, independente de idade, nível de ensino ou conhecimentos em arte. O princípio é o da Pedagogia da Pergunta, que valoriza os saberes dos participantes e estimula a observação e a crítica. O objetivo, além de educar e agregar informações, é estimular um olhar mais atento e curioso, com estado de atenção diferenciado. Outro serviço oferecido pelo Programa é a assessoria ao professor. Com o formato de workshop, esta assistência foi elaborada para dar suporte aos professores e profissionais interessados em desenvolver seu próprio roteiro de visita. Ao trabalhar em grupos pequenos, o participante terá a oportunidade de discutir, com supervisão do Programa Educativo, abordagens direcionadas para os seus interesses específicos. Nos fins de semana, o público visitante terá acesso ao programa educativo que, de terça a sextafeira, é direcionado para escolas e grupos agendados. O agendamento para grupos, escolas e assessoria ao professor poderá ser feito pelo telefone (31) ou pelo Programação paralela 11/05 Palestra O Retrato na História da Arte Palestrante: Rodrigo Vivas, Doutor em História da Arte - UNICAMP e professor de História da Arte - EBA/UFMG e PUC/MG. Data a definir Palestra Olhar e Ser Visto: a exposição Palestrante: Teixeira Coelho, curador da mostra e coordenador do Masp. 15/06 Palestra Retratos escritos com luz Palestrante: Arthur Omar, artista, fotógrafo e cineasta, compõe a mostra com imagem da série Antropologia da Face Gloriosa. Cinco anos de arte e discussão Desde 2006, mais de 250 mil pessoas visitaram a Casa Fiat de Cultura, que, desde sua fundação, destaca-se por abrigar grandes mostras internacionais de artes plásticas e apresentações inéditas de acervos brasileiros, com debates acadêmicos e programas educativos. Só em 2009, 124 mil visitantes apreciaram as exposições de Auguste Rodin e Marc Chagall, duas das mais importantes mostras do Ano da França no Brasil e que, após Belo Horizonte, seguiram para o Rio de Janeiro e São Paulo. Em 2010, a itinerância da mostra Guignard e o Oriente, realizada pela Casa Fiat de Cultura e o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo e Porto Alegre, contou com público de mais de 50 mil pessoas. Mantida pelas empresas do Grupo Fiat, a instituição é o primeiro espaço cultural criado por uma fabricante de automóveis no País. Sua programação destaca-se pelo alto valor histórico, artístico e educativo e tem entre seus objetivos o estímulo à circulação dos bens culturais, à difusão da cultura brasileira e mundial, à formação do público, à democratização do acesso às artes e à inclusão social. A Casa Fiat tem conseguido, ainda, superar o desafio de garantir experiências qualificadas e enriquecedoras para todos os públicos, que possibilitem gerar novas reflexões, conhecimentos e promover o desenvolvimento humano e social.

5 promover o desenvolvimento humano e social. Serviço: Exposição Olhar e Ser Visto a figura humana da Renascença ao Contemporâneo Período: 3 de maio a 3 de julho Local: Casa Fiat de Cultura R. Jornalista Djalma Andrade, 1250 Nova Lima MG Horário: Terças a sextas, de 10h às 21h Sábados, domingos e feriados, de 14h às 21h Entrada e transporte gratuitos Horários de saída de transporte da Praça da Liberdade: Informações: e Visitas orientadas para grupos e escolas: e Informações para a imprensa: Polliane Eliziário - (31) /(31)

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas O Programa Educativo da Bienal é responsável pela relação direta da Bienal com o público. Sob curadoria de Stela Barbieri, o programa tem

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Memorial do Imigrante

Memorial do Imigrante Memorial do Imigrante www.memorialdoimigrante.sp.gov.br Juca Martins/Olhar Imagem Localizado no edifício da antiga Hospedaria dos Imigrantes, construída entre 1886 e 1888 para receber os imigrantes recém-chegados

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

OBRAS-PRIMAS DE PICASSO E OUTROS GRANDES NOMES DO MODERNISMO ESPANHOL CHEGAM AO BRASIL EM MOSTRA INÉDITA NO CCBB

OBRAS-PRIMAS DE PICASSO E OUTROS GRANDES NOMES DO MODERNISMO ESPANHOL CHEGAM AO BRASIL EM MOSTRA INÉDITA NO CCBB OBRAS-PRIMAS DE PICASSO E OUTROS GRANDES NOMES DO MODERNISMO ESPANHOL CHEGAM AO BRASIL EM MOSTRA INÉDITA NO CCBB PEÇAS DO ACERVO DO REINA SOFÍA, DE MADRI, SERÃO EXPOSTAS EM SÃO PAULO E NO RIO DE JANEIRO

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO Artista paulistano inaugura Re-subtrações - Paulo Climachauska, no Oi Futuro no Flamengo dia 14 de janeiro e Fluxo de

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

NA CASA FIAT DE CULTURA

NA CASA FIAT DE CULTURA YARA TUPYNAMBÁ NA CASA FIAT DE CULTURA Artista mineira comemora 60 anos de carreira com inédita exposição de pinturas da natureza, dentro da programação dos 10 anos da Casa Fiat Uma das artistas plásticas

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo:

Biblioteca Escolar. Quem é quem? Nome: N.º: Ano/Turma: N.º Grupo: Quem é quem? Um investigador deve ter um conhecimento sólido não apenas das obras, mas também dos artistas. Lê as frases e identifica o pintor a quem se referem. 1. Foi ordenado cavaleiro da Ordem de Santiago.

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Lenivani S. Brandão RGM: 047438 Melissa F. Caramelo RGM: 049607 Sandra P.

Leia mais

Belo Horizonte 2013 EXPOSIÇÃO. Divulgação

Belo Horizonte 2013 EXPOSIÇÃO. Divulgação NOV Belo Horizonte 2013 Divulgação Amilcar de Castro 13 de novembro a 27 de janeiro de 2014 Divulgação Foto: Anna FERNANDO SABINO 90 ANOS 25 de setembro a 04 de novembro Mostra multimídia em homenagem

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela.

SÉRIE 1: retrato/ Autorretrato. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Vincent van Gogh. Autorretrato. 1889 Óleo sobre tela. 1 The Bridgeman Art Library SÉRIE 1: retrato/ Vincent van Gogh 1889 Óleo sobre tela. 4 Ministério da Cultura e Endesa Brasil apresentam: Arteteca:lendo imagens (PRONAC 09-7945). para olhar pensar, imaginar...

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

Surrealismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes Surrealismo Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O surrealismo foi o movimento artístico moderno da representação do irracional e do subconsciente. Suas origens devem ser buscadas

Leia mais

Paletas. Autorretratos Rembrandt Van Rijn

Paletas. Autorretratos Rembrandt Van Rijn Paletas Autorretratos Rembrandt Van Rijn Resumo A série Paletas traz nesse episódio Autorretratos, do artista Rembrandt Van Rijn (1606-1669), pintor holandês, um dos maiores representantes do estilo barroco:

Leia mais

Programa Educativo 22 de outubro a 18 de dezembro Local: Horários: Serviço:

Programa Educativo 22 de outubro a 18 de dezembro Local: Horários: Serviço: O OLHAR VIAJANTE Casa Fiat de Cultura apresenta, a partir de 22 de outubro, 184 obras de viajantes europeus que retrataram o Brasil ao longo do século XIX A chegada da corte portuguesa ao Brasil e a conseqüente

Leia mais

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ JOÃO MARIA CLAUDINO UFRN O mundo se faz de imagens. Imagens de representação, imagens além da representação, além da referência e além da estética.

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

CASA FIAT DE CULTURA PROMOVE DIÁLOGO ENTRE A ARTE E A CARTOGRAFIA De 12 de agosto a 5 de outubro, exposição apresenta mapas dos séculos XVI e XIX

CASA FIAT DE CULTURA PROMOVE DIÁLOGO ENTRE A ARTE E A CARTOGRAFIA De 12 de agosto a 5 de outubro, exposição apresenta mapas dos séculos XVI e XIX CASA FIAT DE CULTURA PROMOVE DIÁLOGO ENTRE A ARTE E A CARTOGRAFIA De 12 de agosto a 5 de outubro, exposição apresenta mapas dos séculos XVI e XIX Em meio a linhas traçadas com grande esmero técnico, uma

Leia mais

Museu e Memória: os objectos contam a sua história Os objectos que encontras nos museus contam diversas histórias, sobre quem os fez, onde foram

Museu e Memória: os objectos contam a sua história Os objectos que encontras nos museus contam diversas histórias, sobre quem os fez, onde foram 4 Museu e Memória: os objectos contam a sua história Os objectos que encontras nos museus contam diversas histórias, sobre quem os fez, onde foram feitos e quando foram feitos. Queres saber algumas das

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014 Outubro/2014 Período 1 a 31 de outubro de 2014 Museu da Energia de São Paulo promove curso gratuito sobre Educação Patrimonial Essencial para o desenvolvimento cultural, tema será apresentado em um evento

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Oi FUTURO APRESENTA TERCEIRO ENCONTRO DO CICLO DE ARTE DIGITAL INTER-AGIR

Oi FUTURO APRESENTA TERCEIRO ENCONTRO DO CICLO DE ARTE DIGITAL INTER-AGIR Oi FUTURO APRESENTA TERCEIRO ENCONTRO DO CICLO DE ARTE DIGITAL INTER-AGIR - Evento será no dia 13 de novembro, a partir das 19h, começando com apresentação do grupo Teatro Para Alguém com espetáculo que

Leia mais

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME:

1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / NOME: Quando os portugueses chegaram ao Brasil, em 1500, observaram que os índios expressavam-se através da pintura em seus corpos, em objetos e em paredes. A arte

Leia mais

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol.

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol. Apresentação: A pintura escolhida para a leitura analítica intitula-se Casamento da Virgem, de Matias de Arteaga (1633-1703), pintor pertencente ao barroco espanhol. Entre suas obras estão Uma aparição

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra

Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Obras desconhecidas de Miguelzinho Dutra Ruth Sprung Tarasantchi Depto de Artes Plásticas da ECA/USP Foi em 1981 que o Museu de Arte de São Paulo (MASP), juntamente com o Museu Paulista, mostraram uma

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Criança faz arte? ISTA. Gratuito! PROJETO EXPOSIÇÃO DE ARTE PALESTRAS VÍDEOS WEBSITE REDE SOCIAL MINISTÉRIO DA CULTURA APRESENTA

Criança faz arte? ISTA. Gratuito! PROJETO EXPOSIÇÃO DE ARTE PALESTRAS VÍDEOS WEBSITE REDE SOCIAL MINISTÉRIO DA CULTURA APRESENTA Criança faz arte? MINISTÉRIO DA CULTURA APRESENTA PROJETO ART EIRA ISTA EXPOSIÇÃO I - T - I - N - E - R - A - N - T - E 1 EXPOSIÇÃO DE ARTE PALESTRAS VÍDEOS WEBSITE REDE SOCIAL Gratuito! Elias Rodrigues

Leia mais

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914.

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. Expressionismo Expressionismo Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. A expressão, empregada pela primeira vez em 1.911 na revista Der Sturm [A Tempestade], marca oposição ao Impressionismo francês. Para

Leia mais

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte Habilidades Específicas em Artes Visuais Prova de História da Arte I. Analise as duas obras cujas reproduções foram fornecidas, comentando suas similaridades e diferenças no que se refere aos aspectos

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria

Leia mais

Impressão: nascer do sol

Impressão: nascer do sol IMPRESSIONISMO França 1860 a 1886. Os impressionistas representavam sensações visuais imediatas através da cor e da luz. Seu objetivo principal era apresentar uma impressão ou as percepções iniciais registradas

Leia mais

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA

MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA MUSEU DA CIDADE OCA RECEBE A MAIOR EXPOSIÇÃO JÁ REALIZADA SOBRE A CIVILIZAÇÃO MAIA Mayas: revelação de um tempo sem fim reúne pela primeira vez mais de 380 objetos e homenageia esta civilização em todo

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série:

COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Aluno (a): Série: COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO Aluno (a): Série: Nº. Data: / /2012 Professor(a): Rosilene Ardengui 7º Ano CALIGRAFIA TÉCNICA OU

Leia mais

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - f o? Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. Eu quero não parar coleção Conversas #7 - ABRIL 2014 - de consigo.o usar que eu drogas f o? aç e Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Fica o convite para mais um ano de experiências interativas e sensoriais num Museu que é de todos e para todos.

Fica o convite para mais um ano de experiências interativas e sensoriais num Museu que é de todos e para todos. Antigo espaço de encontro e de comunicação em torno do comércio e das mercadorias, a Alfândega é agora a casa do Museu dos Transportes e Comunicações, que tem vindo a construir e a solidificar uma relação

Leia mais

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera

Fauvismo. 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino. Fauve = Fera Fauvismo 9ºAno 2015 1º Bimestre Artes - Juventino Fauve = Fera Fauves (feras) foi a palavra utilizada pelo crítico de arte Louis Vauxcelles para caracterizar um grupo de jovens pintores que expuseram em

Leia mais

Quem Foi Pablo Picasso?

Quem Foi Pablo Picasso? FICHA Nº3 Pablo PICASSO Quem Foi Pablo Picasso? Você está para conhecer como surgiram os desenhos, pinturas e esculturas de Picasso. Quem foi esse homem? Picasso era um homem baixinho, gordo e muito inteligente.

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) MODERNISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) O século XX inicia-se no Brasil com muitos fatos que vão moldando a nova fisionomia do país. - progresso técnico - novas fábricas surgidas

Leia mais

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand

Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand Anos 90 década da informatização Início dos 90: Computadores, mais acessíveis e portáteis, invadem os locais de trabalho. Informatização dos arquivos dos

Leia mais

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a

Como ponto de partida para esse trabalho, considerem o texto a seguir. [ ] Mas a fotografia é arte? Claro que é! Pois o fotógrafo não se limita a A arte da fotografia Ao longo do tempo, novas formas de arte foram surgindo. Os antigos não conheceram o cinema e a fotografia, por exemplo, que hoje são manifestações artísticas importantes. A proposta

Leia mais

Território Modular ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL T +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS.

Território Modular ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL T +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS. Território Modular 1 Coletivo MUDA TERRITÓRIO MODULAR 23 de agosto a 04 de outubro de 2013 2 Em movimento Felipe Scovino Para essa primeira exposição do MUDA em uma galeria comercial, uma questão importante

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Banda de rock Pau com Arame

Banda de rock Pau com Arame Banda de rock Pau com Arame A banda de rock Pau com Arame, de Belo Horizonte, foi formada em 1997 e trouxe para o mundo o rock "elíptico", moderno e original enfocando temas atuais e retratando o cotidiano

Leia mais

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França

Os Impressionistas. Episódio: Vincent Van Gogh. Palavras-chave Pintura, biografia, Van Gogh, impressionismo, França Os Impressionistas Episódio: Vincent Van Gogh Resumo Este vídeo, da série Os impressionistas, aborda a vida e obra do artista holandês Vincent Van Gogh. Autodidata, Van Gogh é um dos mais aclamados e mitificados

Leia mais

INSTRUÇÕES NÃO AMASSE, NÃO DOBRE, NÃO SUJE, NÃO RASURE ESTE MATERIAL.

INSTRUÇÕES NÃO AMASSE, NÃO DOBRE, NÃO SUJE, NÃO RASURE ESTE MATERIAL. INSTRUÇÕES Para a realização destas provas, você recebeu este Caderno de Questões e duas Folhas de Respostas. NÃO AMASSE, NÃO DOBRE, NÃO SUJE, NÃO RASURE ESTE MATERIAL. 1. Caderno de Questões Verifique

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS

DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS GIOVANA CAIRES MOTTA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA). Resumo A transposição do texto impresso para o meio digital coloca

Leia mais

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008 Programa do Serviço Educativo Museu Municipal i de Óbidos 2.º Semestre 2008 Programa Semestral Mês Dias Título Público-alvo Agosto Quintas, Sextas, Sábado No Ateliê do Pintor um Tesouro Escondido Crianças

Leia mais

RELATÓRIO HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA 2010

RELATÓRIO HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA 2010 ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOHLER ENSINO FUNDAMENTAL Rua Ataulfo Alves, 910 Caixa Postal 81 Fone: (44) 3641-1321 CEP: 87240-000 Terra Boa Paraná RELATÓRIO HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E AFRICANA

Leia mais

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais Marcelo Jacques de Moraes Historicamente, os Programas de Pós-Graduação da Faculdade

Leia mais

universidade estadual de campinas

universidade estadual de campinas UNICAMP universidade estadual de campinas GALERIA DE ARTE» UNICAMP GALERIA DE ARTE < UNICAMP ODILLA MESTRINER AQUARELAS E DESENHOS SETEMBRO/85 APRESENTAÇÃO A primeira característica impressionante na personalidade

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte?

CAIXAS DE MEMÓRIAS. O que guarda o Centro de Arte Moderna? Quem pensa e faz obras de arte? escultor. Sobre o que nos fala uma obra de arte? CAIXAS DE MEMÓRIAS No CAM existem muitas obras de arte, cheias de ideias e histórias para nos contar, tantas que nem sempre nos conseguimos lembrar de todas... a não ser que elas se transformem em memórias!

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Gustavo KRELLING 2 Maria Zaclis Veiga FERREIRA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O produto artístico é uma releitura fotográfica

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas

Projeto Quem sou eu? Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Projeto Quem sou eu? Image URI: http://mrg.bz/q6vqo3 Tema: Identidade e Autonomia Público alvo: Educação Infantil Disciplina: Natureza e Sociedade Duração: Seis semanas Justificativa: Tendo em vista a

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO.

FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 1 FORMAÇÃO CONTINUADA EM SERVIÇO DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO EM ESCOLA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Autora: MERLI, Angélica de Almeida - UNINOVE - angel.almeida@uninove.edu.br

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Matemática na Vida Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Resumo Com uma câmera nas mãos, o nosso curioso personagem Euclides, procura compreender os mistérios da Matemática por de trás de situações

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL

ARTES 9 ANO PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL ARTES 9 ANO PROF.ª ARLENE CALIRI ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª GABRIELA DACIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC José Fernando Baldo Caneiro Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh São Paulo 2005 1 INTRODUÇÃO Van Gogh foi um artista como poucos. Influências de vários movimentos e

Leia mais

06. Explique o método de pintura impressionista. Neste texto, correlacione a escolha da cor com o formato da pincelada?

06. Explique o método de pintura impressionista. Neste texto, correlacione a escolha da cor com o formato da pincelada? Estudo dirigido para o segundo ano do ensino médio, Artes Milton Gomes Coelho A arte do Impressionismo 01. Liste fatos que modificaram o ritmo das cidades no século XIX. Resposta: pág. 223 02. Relacione,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG)

DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Museu Antropológico da Universidade Federal de Goiás (MA/UFG) DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA: e os museus com isso? Marisa Damas Vieira Comunicadora/ Produtora Cultural Rosani Moreira Leitão Antropóloga/ Coordenadora de Antropologia Museu Antropológico da Universidade

Leia mais