Entre o dito e o visto: a narrativa de Vergílio Ferreira e a pintura de Claude Monet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entre o dito e o visto: a narrativa de Vergílio Ferreira e a pintura de Claude Monet"

Transcrição

1 Entre o dito e o visto: a narrativa de Vergílio Ferreira e a pintura de Claude Monet WOLFF, Ana Cristina Fernandes Pereira (UTFPR/UEM-PG) RESUMO: Inúmeras são as correlações que as artes têm mantido entre si durante toda a história do homem. As relações entre o texto verbal e a imagem, por exemplo, remontam ao mundo grego, e atualmente são mais evidentes e enfáticas as conexões intrínsecas entre ambos. A esse respeito, Mangel (2001) argumenta que a palavra e a imagem são indissociáveis. Ao retomar antigos pensadores, ele lembra que todas as nossas experiências são imagéticas e configuram uma linguagem cujas imagens se traduzem em palavras e cujas palavras se traduzem em imagens, num movimento para compreender nossa existência. Nesse sentido, guardadas as devidas particularidades, podemos dizer que existem pontos em comum entre literatura e pintura: a leitura de um quadro não acontece instantaneamente, e sim por meio de uma sucessão de percepções; a de um texto literário, ainda que temporal, exige, ao final, uma síntese em que coexistem, simultaneamente, seus elementos constitutivos (AGUIAR E SILVA, 1990). A partir dessas considerações, neste trabalho nosso intuito é observar as aproximações entre o texto literário e a pintura. Especificamente, propomos a leitura de um fragmento do romance Aparição (1959), do escritor português Vergílio Ferreira, e da pintura A Carroça: Estrada sob a Neve (1865), do francês Claude Monet, a fim de investigar como os dois textos um verbal e um pictórico, ainda que produzidos em momentos distintos, guardam relações entre si. Dito de outro modo, nossa leitura pretende explorar as correspondências entre a palavra vergiliana e a imagem monetiana. PALAVRAS-CHAVE: literatura; pintura; correspondências; Vergílio Ferreira; Claude Monet. ABSTRACT: Countless are the connections that the arts have remained together throughout the history of man. The relationship between the verbal text and image, for example, date back to the Greek world, and currently are more obvious and emphatic intrinsic connections between them. In this regard, Mangel (2001) argues that the word and image are inseparable. When returning to ancient thinkers, he reminds us that all our experiences are imagistic and configure a language whose images are reflected in words and whose words are translated into images, a movement to understand our existence. In this sense, there are commonalities between literature and painting, reading a picture does not happen instantly, but through a succession of perceptions, that of a literary text, even if temporary, requires in the end, a synthesis in which there are both constituent elements (AGUIAR; SILVA, 1990). From these considerations, the present study proposes an analysis of the similarities between the literary text and the painting. Specifically, the propose is an investigation of relations between a novel fragment of Aparição (1959), the Portuguese writer Vergílio Ferreira, and the paint The Cart: Road under Snow (1865), the French Claude Monet. In other words, the propose is to observe the correspondences between Vergílio Ferreira s word and Monet s image. KEY WORDS: literature; painting; Vergílio Ferreira; Claude Monet. Os caminhos traçados pelo homem caracterizam-se, sobretudo na contemporaneidade, pelo desejo de consumo. Na frenética sociedade em que vivemos, diariamente nos deparamos com uma infinidade de novos produtos, cada vez mais

2 competitivos e dotados de características capazes de seduzir-nos, levar-nos a consumir. Praticamente tudo adquire caráter de mercadoria e, neste contexto, até a arte acaba atrelada ao contínuo processo de comercialização de bens simbólicos. Ao mesmo tempo, como parte deste processo, assistimos à disseminação da imagem em todas as áreas: ela invade espaços privados e públicos, vinculando-se, na maioria das vezes, aos textos verbais. Sua mensagem é rápida, instantânea, atrai a atenção de todos. É impossível ignorá-la como geradora de sentido. Em sua Introdução à análise da imagem, Martine Joly (1996) chama a atenção para dois aspectos interessantes ligados à civilização atual: 1) a leitura da imagem, dada sua difusão, por vezes parece natural, sem necessidade de qualquer aprendizado; 2) tal naturalização pode revelar certa ingenuidade do espectador/leitor, submetendo-o à manipulação. Porém, adverte a estudiosa, nenhum desses aspectos é inteiramente justificável. Contra tal ingenuidade e manipulação, argumenta que a imagem nos é muito familiar exatamente porque temos a mesma massa que ela. Ainda que pareça natural, portanto, a leitura da imagem desperta em nós convenções, história e aspectos culturais interiorizados. Qualquer imagem envolve características particulares e uma natureza complexa que demanda o esforço do leitor/espectador: a atividade de leitura. Em meio a um mundo de imagens, todavia, questionamo-nos se nosso olhar está apto a lê-la, pois, de maneira geral, há preocupação maior com a leitura do texto verbal em detrimento do imagético. Particularmente, interessa-nos, no momento, uma imagem específica: a artística. Neste ponto, destacamos duas questões fundamentais. Primeiro, ainda que inserido em uma sociedade de consumo, que o absorve mais e mais, o homem não pode negar uma característica básica de toda sua história: a natureza e as funções da arte, a qual tem representado, desde a Pré-História, uma atividade fundamental do ser humano. A arte é uma necessidade essencial de cada um de nós, indissociável de nossa condição humana, é um modo específico de os homens entrarem em relação com o universo e consigo mesmos (BOSI, 1985, p. 8). Enquanto produção, supõe trabalho. Movimento que arranca o ser do não ser, a forma do amorfo, o ato da potência, o cosmos do caos (BOSI, 1985, p. 13). Qualquer obra de arte demanda o ato criativo, o trabalho árduo do artista, o esforço para transformar algo aparentemente comum, automatizado, em um objeto artístico, que desperta o prazer estético. Por outro lado, implica também o trabalho do leitor, do apreciador, do espectador. Nesse sentido retomamos Sartre: O esforço unido de autor e leitor produz o

3 objeto concreto e imaginário que é a obra do espírito. A arte existe unicamente para o outro e através do outro. (SARTRE apud ISER, 1999, p. 11). Ao apontar os fundamentos para a leitura do texto ficcional, Iser destaca a convergência de dois polos: a obra literária tem dois pólos que podem ser chamados pólos artístico e estético. O pólo artístico designa o texto criado pelo autor e o estético a concretização produzida pelo leitor (ISER, 1996, p. 50). Como notamos, o texto não é uma estrutura dotada de sentido, mas só existe a partir da interação com um outro, na leitura. É do encontro do texto com o leitor que nasce o significado, pois o texto é um ato criativo inacabado e depende da mediação do outro. Desse modo, é só na leitura que a obra enquanto processo adquire seu caráter próprio. [...] A obra é o ser constituído do texto na consciência do leitor (ISER, 1996, p. 51). Ainda que Sartre e Iser refiram-se ao texto literário, as condições por eles apontadas são válidas também para a imagem, visto que também se trata de um texto, um produto artístico, uma reação de um autor ao mundo que ganha caráter de acontecimento, pois apresenta uma nova perspectiva para esse mundo. Toda obra artística, quer literária ou não, excede a realidade e desestabiliza as referências, provocando diferentes efeitos no leitor e permitindo novos sentidos e novos significados. Ademais há de se destacar as inúmeras relações que as artes têm mantido entre si durante toda a história do homem. Enfatizamos, neste caso, as relações da imagem tão evidente em nossos dias com a palavra. Com efeito, a imagem sempre esteve associada à escrita na história humana, o que nos leva a indagar quais seriam os pontos comuns entre o texto literário e a pintura. A esse respeito, lembramos as afirmações de Manguel. Retomando antigos pensadores, como Platão e Francis Bacon, os quais defendiam que nossa memória contém inúmeras imagens e, desse modo, todo conhecimento é recordação, o teórico argumenta que estamos todos refletidos de algum modo nas numerosas e distintas imagens que nos rodeiam, uma vez que elas já são parte daquilo que somos [...], somos essencialmente criaturas de imagens, de figuras (MANGUEL, 2001, p ). Todas nossas experiências, segundo Manguel, são imagéticas, configurando uma linguagem feita de imagens traduzidas em palavras e de palavras traduzidas em imagens, por meio das quais tentamos abarcar e compreender nossa própria existência (MANGUEL, 2001,

4 p. 21). Esse argumento sustenta aquilo que afirmamos anteriormente: a imagem e a palavra guardam intrínsecas relações. Com base nessas considerações iniciais, propomos, neste trabalho, a leitura de um fragmento do romance Aparição (1959), do escritor português Vergílio Ferreira, e do quadro A Carroça: Estrada sob a Neve (1865), do pintor francês Claude Monet. Nosso objetivo é mostrar como os dois textos um verbal e um pictórico, ainda que produzidos em momentos distintos, guardam relações entre si. Dito de outro modo, nossa leitura pretende explorar as correspondências entre a palavra vergiliana e a imagem de Monet. DAS RELAÇÕES ENTRE LITERATURA E PINTURA Parece-nos bastante pertinente retomar a argumentação de Eunice Ribeiro (2000). Para a estudiosa, a própria escrita tem um caráter pictórico, é um gesto plástico com características figurativas. Se desprovida de normas, a escrita é mais visível que legível, o que evidencia suas relações com a imagem. A arte caligráfica na Idade Média gozava de certo status, era vista como algo sagrado e superior, implicando o controle da mão e da pena. Séculos mais tarde, Saussure reafirma o visualismo da escrita: são marcas distintivas, aspectos gráficos que diferenciam um signo de outro. Ainda na Idade Média, como necessidade de comunicação da época, foram frequentes as iluminuras como complemento à escrita no período. Desse modo, os livros eram escritos à mão e decorados com pinturas e diferentes ornamentos. O texto verbal impedia interpretações indesejáveis da imagem, tinha um caráter disciplinador. No período do Renascimento, os mais diversos textos eram ilustrados, mantendo a tradição da Idade Média. O auge da relação entre as artes plásticas e a literatura se deu nos séculos XV e XVI. Textos poéticos e retóricos serviam de estímulo à produção pictórica. O mundo greco-romano serviu como fomento, como material a ser imitado. Por isso o reaparecimento de clássicos poemas pastoris, elegíacos, odes, éclogas, epopeias e hinos homéricos (CORTEZ, 2003). Os pintores e artistas do tempo passaram do dito o texto clássico ao visto o texto não-verbal, à representação do dito. Os escritores desse período foram, como os pintores, grandes criadores. O texto tinha uma característica básica: a visualidade, a plasticidade, unindo o dito ao visto.

5 O poeta, que especulava como um filósofo, pretendeu desenvolver, igualmente a sua capacidade sensorial de pintar, numa crescente preocupação de atribuir aos textos escritos um caráter pictórico, produzindo imagens a partir de representações plásticas (CORTEZ, 2003, p. 284). A relação texto e imagem, no entanto, tem raízes mais profundas e remotas, no mundo grego. À época havia inúmeros casos de literatura visual, como technopaignia, carmita figurata, proto-escrita caligramática, alinhamento de ícones e símbolos verbais (RIBEIRO, 2000). Eram comuns os poemas de figuras, que demonstravam erudição, aliando plasticidade ao grafema. A literatura visual iniciou uma tradição que se estendeu pelo mundo latino e perdurou até o século XVIII, sendo revivida no século XX com a poesia experimental e visual, com o concretismo. O valor literário de tais produções, no entanto, era exíguo. No mundo clássico, as relações entre pintura e literatura basearam-se na metáfora. Haja vista não existir qualquer investigação teórica a respeito do texto pictórico, este estava sujeito às poéticas clássicas e à natureza mimética das artes. Eram comuns as poesias destinadas à descrição e à narração de figuras e cenas da mitologia, as quais se caracterizavam pelo pictorialismo. Entre elas, destacou-se a poesia ecfrástica, ou seja, um gênero de poesia que se caracteriza por descrever uma obra de arte (pintura, escultura, etc.) (AGUIAR E SILVA, 1990, p. 163). Nesse período (entre os séculos VI e V a. C.) viveu Simónides de Céos, autor da máxima segundo a qual a pintura é poesia muda e a poesia é pintura que fala : ut pictura poesis. Tal máxima, posteriormente, foi retomada e atualizada por Horácio em sua Arte Poética (AGUIAR E SILVA, 1990). O paralelo entre pintura e poesia foi formulado por vários autores durante a Idade Média. A fórmula de Simónides e de Horácio, no entanto, ganhou relevância no período da Renascença tanto em termos artísticos quanto teóricos, estendendo-se até o século XVIII. Apesar da importância, tal relação acarretou interpretações por vezes abusivas ou distorcidas, apontando semelhanças estruturais entre poesia e pintura. A mimese mantinha-se como a origem das duas artes, as quais gozavam de igual prestígio, ao contrário do que acontecia no mundo helênico. Do Renascimento ao Neoclassicismo, o paralelo entre pintura e poesia contribuiu para a realização de uma poesia descritiva nas literaturas europeias. Frequentemente, pintores escolhiam figuras e cenas de obras poéticas como temática de seus quadros, a exemplo da poesia ecfrástica. Ainda no Renascimento e depois no Barroco ganhou destaque o emblema,

6 composição em que coexistem o texto pictórico uma gravura e uma epigrama o texto verbal comentando a gravura. A partir de meados do século XVIII, a relação interartística começou a ser questionada por pensadores como Edmund Burke e Gotthold Efraim Lessing. Para o primeiro, a poesia e a retórica jamais descreveriam de forma tão exata as coisas quanto a pintura. O sublime, diverso da beleza, por outro lado, exige obscuridade, sofrimento, terror, grandeza, paixões em efusão. Por isso, apenas a poesia e a retórica poderiam despertá-lo. A pintura é admirada e amada com frieza, em contraste com o calor e a força arrebatadora das paixões que a poesia desencadeia (AGUIAR E SILVA, 1990, p. 167). Lessing, por sua vez, defendia diferenças profundas entre as duas artes. A pintura é uma arte espacial, capaz de apresentar objetos simultaneamente no espaço. Seus símbolos (figuras e cores) são naturais. Do outro lado, a poesia é uma arte temporal, de movimento e ação. Sua simbologia é arbitrária e incorpora sons articulados no tempo. É capaz de representar a sucessão de objetos no tempo, mas não sua simultaneidade. A pintura, acrescenta ele, não conta histórias nem articula ideias universais, como faz a poesia. Os dois teóricos, apesar das diferenças, tinham algo em comum: a arte superior, para ambos, era a poesia, contrariando aquilo que fora comum desde o Renascimento. Já o Romantismo negou a imitação como princípio constitutivo da arte, exaltando a subjetividade, a criação. Com isso, privilegiou a música como arte irmã da poesia. Para os românticos, a arte por excelência era a poesia, a única capaz de reunir todas as demais. No período, no entanto, as relações entre pintura e poesia não foram completamente esquecidas, a exemplo dos escritos de Victor Cousin, filósofo francês, ou dos versos de Baudelaire cujos temas foram traduzidos da pintura de Goya ou Delacroix. Com o Realismo e o Parnasianismo aproximaram-se mais a literatura e a pintura, haja vista o valor dado à representação das coisas exteriores, a atenção às cores, às formas, ao volume, às descrições detalhadas e coloridas. A plasticidade do discurso literário foi valorizada pelos parnasianos, muitos dos quais exploraram os efeitos espaciais e formais do poema. A partir do Modernismo e das vanguardas históricas se estreitaram as relações entre pintura e literatura. O texto poético aproximou-se do pictórico graças à exploração de seus aspectos visuais, materiais, espaciais. Houve a recusa artística dos modelos realistas e racionalistas de representação e a valorização da novidade, seja em relação à forma, ao estilo ou ao tema. A vida cotidiana é incorporada à obra de arte, que se torna conceitual.

7 Fragmentação, colagem, espacialização, paródia são marcas distintivas de um novo fazer artístico, reinterpretando o princípio do ut pictura poesis. Além de lido, o poema deve ser também visto. As estéticas modernas e os ismos de vanguarda conduziram a um novo conceito de representação: a arte não é reflexo do real, mas sim uma realidade paralela. A linearidade da escrita é rompida. A poesia incorpora o sensorial, o trans-racional, o não dizível, explorando novas dimensões espaciais e temporais para lá da palavra e da imagem (RIBEIRO, 2000, p. 107) e incorporando inúmeras novidades: sentidos, materiais e objetos. Entre as práticas artísticas contemporâneas criam-se teias interdisciplinares, fundindo passado e presente, questionando a estabilidade do significado. Tudo é invenção e a pósmodernidade é marcada pela translação de formas [...], hibridização de códigos (RIBEIRO, 2000, p. 108). As fronteiras entre as artes tornam-se mais tênues e menos evidentes, pois uma incorpora a outra, o que coloca o leitor/espectador em contato com novas formas de expressão e de interação. Isso tudo comprova que, embora alguns dos fundamentos de Lessing sejam indiscutíveis, há alguns aspectos um tanto rígidos. Afinal, guardadas as devidas diferenças, existem pontos em comum entre poesia/literatura e pintura: a leitura de um quadro não acontece instantaneamente, e sim por meio de uma sucessão de percepções; a de um texto poético, ainda que temporal, exige uma síntese final em que os seus elementos constitutivos de certo modo coexistem simultaneamente (AGUIAR E SILVA, 1990, p. 172). São tais semelhanças que intentamos explorar a seguir. CLAUDE MONET E VERGÍLIO FERREIRA: O TEXTO PICTÓRICO E A VISUALIDADE DA PALAVRA O impressionismo foi o movimento que marcou a primeira revolução artística total desde a Renascença (STRICKLAND, 2004, p. 96). Surgiu na França no início dos anos de 1860 e, ainda que sua expressão mais pura não tenha durado um longo período (até 1886), foi determinante para a arte posterior. O movimento impressionista rompeu definitivamente com a tradição. Rejeitando a perspectiva, o equilíbrio na composição, a idealização figurativa e o claro/escuro da Renascença, voltou-se para as sensações visuais imediatas provocadas pelas cores e, principalmente, pela luz. Seu objetivo principal era apresentar uma impressão ou as

8 percepções sensoriais iniciais registradas por um artista num breve vislumbre (STRICKLAND, 2004, p. 96). Isto porque descobriram que a cor é volátil, consoante os efeitos da luz sobre a superfície do objeto observado. Preferiam ver o mundo em movimento: e tudo mudava pela ação prodigiosa da luz (RIBEIRO, 1965, p. 183). Daí advém o interesse dos impressionistas pela pintura da natureza ao ar livre, o que permitia observar as mudanças de luz e cor. Ademais, os trabalhos impressionistas não se preocupavam com um conteúdo narrativo, em refazer a história. Contrariamente retratavam um fragmento da vida contemporânea ou uma fotografia momentânea da natureza. Abandona-se, assim, a figuração do permanente e busca-se apreender o fugidio, fixar o efêmero. Claude Monet ( ), o mestre de Giverny, situa-se como o maior evento do Impressionismo, e talvez de maior complexidade na pintura francesa do século XIX (RIBEIRO, 1965, p. 200). O nome do movimento impressionista baseou-se em um de seus quadros. Sua intenção era pintar o registro transitório daquilo que via, a partir da luz. Trabalhava com enormes telas, nas quais pintava a mesma cena repetidas vezes: o pincel percorria cada vez mais fluente seus constantes caminhos, até os quadros se converterem numa evocação livre e maravilhosamente lírica da cena, em vez de ser uma descrição conscienciosa (LYNTON, 1978, p. 45). No outro polo de nossa leitura está o texto de Vergílio Ferreira, ficcionista português contemporâneo. Ensaísta, contista e romancista, iniciou sua produção literária em 1939, com a publicação de seu primeiro romance Onde tudo foi morrendo. À época, os desdobramentos da II Guerra Mundial instalaram no homem uma profunda experiência do fracasso. As forças sociais convergiam para uma literatura engajada, de denúncia das condições de exploração a que estavam submetidos alguns grupos sociais. Por isso as produções literárias foram marcadas, na década de 1940, quer pelo niilismo, quer pelo reformismo. Estávamos em pleno período neorrealista. A obra vergiliana passou, depois, por um processo evolutivo. Deixando de enfocar grupos sociais, a realidade exterior, volta-se para a realidade interior, particular do homem. Seu objeto de interesse centra-se na condição humana. Adquire, desse modo, uma dimensão existencial. O que mais nos interessa neste trabalho, porém, não é a temática que subjaz ao texto vergiliano. Um aspecto extremamente importante de sua produção literária é o lirismo. A prosa poética de Vergílio Ferreira é, segundo Goulart (1998), o paradigma do romance lírico

9 contemporâneo em Portugal. Ao lado disso, observamos a visualidade de seu texto, a poeticidade que permeia as descrições, sobretudo do espaço. Aliás, o espaço amplia-se, é plasmado e reelaborado pela subjetividade do narrador vergiliano, comprovando que o texto literário também é imagem. Um primeiro aspecto que devemos enfatizar em relação aos textos é o modo de ler: a leitura do texto vergiliano, como de todo texto verbal, processa-se temporalmente, determinada por certas regras: da esquerda para a direita, de cima para baixo, seguindo a demarcação de princípio, meio e fim. A do texto pictórico permite maior liberdade, pois o olhar do espectador move-se livremente pela tela. Ainda assim, como no texto literário, a pintura não é apreendida instantaneamente. A visão do todo se mostra ao espectador imediatamente, mas a percepção da imagem exige um processo temporal. No fragmento selecionado do texto vergiliano, há a narração do retorno de Alberto (o eu-narrador) à casa da família pela primeira vez após a morte do pai. Do comboio, percorrendo os caminhos, evidencia-se a linguagem visualista e lírica de Vergílio Ferreira, carregada de imagens. A minha memória está cheia. Da janela do comboio olho a montanha ao longe, branca de espaço, olho as matas de pinheiros, o chão trágico de pedras. Tento reconhecer aí o que é vivo e relembra, o que dura e aparece nos instante de alarme. Fecho os olhos, raivoso, e busco a verdade inicial, a que sabe a minha presença no mundo, o que eu sou, a música irredutível que às vezes me visita (FERREIRA, 1983, p. 117). O narrador empreende uma tentativa de reconhecimento no espaço exterior, plasmando-o com sua subjetividade. O olhar é o modo de unir-se à realidade externa e há um esforço para captar algo efêmero, mas cujo efeito transcende o tempo: o que é vivo e relembra, o que dura e aparece nos instantes de alarme. O leitor partilha um sentimento de solidão com o eu-poético: há apenas ele e o entorno. Nenhuma presença humana aparece ou é mencionada. Além disso, destaca-se a presença da montanha, branca de espaço. O olhar capta esse elemento simbólico, a montanha, coberto de neve, todo branco, cor da luz e da pureza, como uma resposta a tudo o que procura, como um indício de sua verdade original. O branco começa a delinear-se por todo o espaço circundante, em especial pela neve que tudo cobre. A respeito disso, lembramos que, simbolicamente, a neve significa vida e morte: sepulta tudo, mas ao derreter, permite que nova vida renasça. A vida também está presente na mata, no verde, enquanto as pedras do chão relembram a morte, sempre acompanhando o

10 homem daí chão trágico. A partir de todos esses elementos simbólicos é que o narrador procura a sua evidência, aquilo que permanece, tal como a montanha, que transcende o tempo. Já na aldeia, a imagem que descreve o caminho da estação até a casa é também impressionante e de fato a que mais de perto nos interessa. Sozinho na carroça com Antônio, um empregado da família, além da viagem propriamente dita, do deslocamento físico, o narrador experimenta outra por trás dessa primeira: a viagem pela memória, determinada pela observação da realidade circundante, paisagens de tempos passados quanto de tempos presentes que é preciso respirar interiormente, em grandes golfadas, acentuam Azinheira e Coelho (1999, p. 57). Certamente essa segunda viagem é a mais relevante para Alberto, que reflete e, nesse impulso de olhar o espaço, acaba integrando-o, reenviado ao passado, às suas origens, a um tempo primordial. Pela estrada fora, aberta entre a neve, os guizos do cavalo retinem alegremente. Uma claridade baça desce do céu imóvel com a promessa de mais neve. E para um olival distante gente escura canta. Fecho os olhos ainda, e escuto. É uma música antiga, da idade da terra, da idade do destino dos homens. Da amargura funda como os séculos, dos biliões de sonhos consumidos pelas eras, ela vem até mim, essa canção de nada, abrindo no ar sobre a solidão do Inverno, com a mensagem de uma noite perene. Caminhamos agora por uma recta extensa. Passam à nossa beira camponeses escuros, um ou outro pedinte de viagem com a face das misérias bíblicas. Ao fundo, barrando o horizonte, ergue-se a montanha, que recua, vagarosa, diante de nós, como para nos atrair à sua verdade de génese. E, suspenso sobre ela, unido ao cântico dos homens, que já não ouço, eis que se me abre um coral longínquo, eco de que paz triunfal numa manhã solene, esperança sem fim, esperança eterna? (FERREIRA, 1983, p. 118). Alberto fecha-se em si mesmo, entrega-se ao espaço que seus olhos captam e pensa [ -Velho António! Deixa-me pensar (FERREIRA, 1983, p. 118)]. Comprova-se, assim, a necessidade da atitude reflexiva na obra em detrimento dos fatos, a entrega ao mundo interior. O ser é o centro de tudo, nada tem mais importância que ele. Além dos olhos, os ouvidos também se integram a tudo o que cerca a personagem ( escuto ). A neve, o frio, os guizos alegres dos cavalos, a claridade opaca, o céu imóvel, a música antiga, tudo se funde ao olhar do narrador, criando um efeito sinestésico, um mundo particular, em que a montanha reina como metáfora de permanência, contrastando com o percurso existencial do homem (AZINHEIRA E COELHO, 1999, p. 58). A montanha é símbolo da solidez ansiada pelo eu, de uma ligação a algo que transcende os próprios limites humanos, de busca de um horizonte inalcançável, grandioso e equilibrado. Imponente, ganha

11 movimento aos olhos do narrador-personagem, exercendo sobre ele profunda atração, um efeito comunicador. Ao mesmo tempo, o inverno é espaço de solidão porque conduz ao abandono dos homens nas suas teias da existência. Eles são também da cor do Inverno, baços como a luz difusa dessa estação do ano (AZINHEIRA E COELHO, 1999, p. 58). Às pessoas que ocupam esse espaço falta vida, força; gente escura, pedinte de viagens com a face das misérias bíblicas, têm os sonhos desfeitos, tão amarguradas quanto a música que cantam; gente antiga, fruto de longas eras, em que a revelação do homem ainda não se fez e a quem resta somente uma noite perene. Absorvido pela presença da montanha, pelo canto, todavia, Alberto é ofuscado e transfigura essa música: o que ele ouve agora é um sinal de esperança, uma música longínqua, acalentadora, um eco de paz, como aquela música irredutível mencionada logo atrás, um fulgor de alegria, um eco transcendente que nele vibra como o som de uma harmonia que não sabe (FERREIRA, 1983, p. 117). Eco de lamentos de gente <<escura>>, esta música que vem de todos os tempos e vai para todos os tempos assume-se como posicionamento social de um eu que o metaforiza. Filtrada pelo seu pensamento e ligada a um coral longínquo, esta converter-se-á na música da esperança de uma humanidade com direito a existir através de um acto redentor (AZINHEIRA E COELHO, 1999, p. 59). Assim, não é por acaso que a música que permanece é o Messias de Haendel. Porque o Messias será toda a arte capaz de redimir, de perdoar, de sublimar, de devolver ao homem a esperança que faz da vida um percurso que vale a pensa ser vivido (AZINHEIRA E COELHO, 1999, p. 59). A música ecoa e o homem se liga intrinsecamente ao universo. Perdido na paisagem rança e solitária, o eu-narrador experimenta a união com o irredutível, uma espécie de comunhão com o espaço circundante e, diante de si, vê surgir, da solidão, um sinal de esperança, de transcendência. Do branco, da neve que sepulta, surge a esperança, a própria vida. Para dialogar com o texto vergiliano, escolhemos uma pintura de Claude Monet. Ainda que Monet tenha pintado muitas paisagens ensolaradas, com cores intensas e variadas, também gostava do inverno, que o desafiava pela limitação de cores. É exatamente o inverno que predomina na pintura selecionada. Trata-se de A carroça: Estrada sob a Neve, de 1865 (64,7 x 92 cm), exposta no Museu do Louvre, em Paris.

12 Fonte: Nova Cultural, Contra aqueles que argumentam que a análise da imagem mata o prazer estético, bloqueia a espontaneidade da recepção da obra, Joly afirma que sua prática, que exige tempo, pode aumentar o prazer estético e comunicativo das obras, pois aguça o sentido da observação e o olhar, aumenta os conhecimentos e, desse modo, permite captar mais informações [...] na recepção espontânea das obras (JOLY, 2001, p. 47). Na leitura do quadro chama a atenção, em um primeiro momento, a ausência do colorido: o branco e o cinza-azulado-amarelado são as cores predominantes, em contraste com o tom escuro da carroça, do córrego congelado, das árvores ao fundo, da casa. No centro do quadro, ganha densidade a carroça e seus ocupantes, os quais não têm contornos nítidos. A moldura corta a paisagem à direita e à esquerda, sugerindo ao espectador que a complete. À direta parece elevar-se o terreno, sugerindo a presença de uma montanha, altamente simbólica, como já apontamos no texto anterior. A distância provoca certo efeito de profundidade, com um espaço real tridimensional. Esse distanciamento é muito caro aos impressionistas no sentido de permitir captar as flutuações da luz e seus efeitos. A paisagem, a ausência de cores, a predominância do branco, tudo sugere a introspecção, o homem entregue a sua intimidade e pensamentos. Assim como no texto vergiliano, a impressão é de extrema solidão: há apenas os passageiros da carroça, em uma paisagem silenciosa, onde apenas o ranger do veículo (sugestivamente) se faz ouvir. O efeito produzido é este: os pequenos ocupantes da carroça perdidos contra a imensidão de neve, recolhidos a si mesmos, a sua intimidade, isolados no espaço circundante.

13 No primeiro plano, uma grande porção de neve ganha destaque, com cores frias que misturam o branco predominante, o amarelo e o cinza azulado, como a mostrar o efeito da luz incidindo sobre a neve. As pinceladas dão volume à neve, em especial no caminho percorrido pela carroça. É como se o pincel e as cores, ao mesmo tempo, revelassem a neve pisada, percorrida na estrada. Daí a mistura de cores revelada pela intensidade da luz. Ao contrário, a neve em torno do córrego, na massa que se mostra à direita e sobre a casa, ainda que volumosa, parece mais firme. A pintura congela um momento específico. A estrada e a carroça sugerem a viagem, o deslocamento físico dos dois ocupantes o que se intensifica pela neve mais volumosa, sugerindo o próprio ir e vir da vida; levam o leitor a preencher a imagem com um antes e um depois, como a refazer uma narrativa, imaginando de onde vêm e aonde vão, o que sentem, o que pensam... É interessante notar que as sombras, bem ao gosto do impressionismo, não são negras. São escuras, mas dotadas de alguma cor, algo entre o cinza e um marrom esverdeado, sobretudo nas árvores que, como no texto anterior, sugerem a vida. O céu baço tal qual o de Vergílio Ferreira, com a promessa de mais chuva, ocupa a porção superior do quadro, praticamente metade dele. A luz é trêmula, errática, sugerindo a paisagem e o devaneio dela. Como no fragmento textual anterior, o branco e a neve predominam, pontilhados de algumas sombras, o que também pode sugerir a antítese morte e vida. Ao mesmo tempo, a imagem é extremamente melancólica, e o espectador parece ouvir a música anunciada no texto vergiliano, como se no fim da estrada houvesse a promessa de alegria, de renascimento, de esperança. Notamos que ambos os textos o verbal e o pictórico guardam semelhanças entre si. O lirismo que advém da contemplação de ambos é visível, mas nem sempre dizível. As cores e os elementos da paisagem evidenciam como os dois de períodos distintos; um verbal e um imagético dialogam entre si e há correspondências neles. Ferreira e Monet, cada um a seu modo, liricamente captaram um momento efêmero, transitório, mas altamente sugestivo. Tal momento, nos textos, sugerem a ut pictura poesis, ou seja, o texto verbal é pintura que fala, altamente visual e imagético; a pintura é poesia muda.

14 CONSIDERAÇÕES FINAIS Mesmo em uma sociedade de consumo, mesmo que a arte, muitas vezes, esteja atrelada a valores econômicos, jamais perderá sua capacidade de envolver-nos, enlevar-nos e provocar o efeito estético. Desde os mais remotos tempos, as grandes obras artísticas permanecem como provas cabais de que a beleza, ainda que possa mostrar-se grotesca muitas vezes, é uma marca indistinta da vida humana. Como afirmou Leonardo Da Vinci, tudo o que é belo morre no homem, mas não morre na arte. A arte continua a engrandecer-se com novas obras, as quais por vezes guardam relações interartísticas, como vimos em Vergílio Ferreira e Claude Monet. De nós, leitores, exigem-se apenas um olhar atento, capacidades imaginativas e a entrega ao efeito estético. Se, como afirmou Bandeira algures, a morte é o fim de todos os milagres, a arte é a afirmação maior do milagre de existir, da incrível capacidade humana de superar-se e revelar-se. A leitura aqui empreendida confirma as relações entre o texto literário e a pintura. Por um lado, tal qual um pintor com suas cores e pinceladas Vergílio Ferreira, com as palavras, compõe quadros belíssimos, plasmando o real com sua sensibilidade, rumo à palavra-imagem. De outro, seria impossível pensarmos a obra de Claude Monet sem as palavras: cada traço de seu quadro nos conduz a um esforço de linguagem, como se fôssemos compor a narrativa por detrás da imagem. Em ambos os casos, buscamos o apoio da palavra, ainda que, ao experimentarmos o efeito estético, muitas vezes ela se torne insuficiente. Afinal, lembrando Iser, ele é indizível. REFERÊNCIAS: AGUIAR E SILVA, V. M. Teoria e metodologia literárias. Lisboa: Universidade Aberta, BOSI, A. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, CORTEZ, C. Z. Literatura e pintura. In: BONNICI, T. & ZOLIN, L. O. Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas (org.). Maringá: Eduem, 2003, p FERREIRA, V. Aparição. Difel: São Paulo: HAUSER, A. História social da arte e da literatura. Tradução: Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, ISER, W. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Vol. I. Tradução: Johannes Kretschmer. São Paulo: Editora 34, 1996.

15 . O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Vol. II. Tradução: Johannes Kretschmer. São Paulo: Editora 34, JOLY, M. Introdução à análise da imagem. Tradução: Marina Appenzeller. 4. ed. Campinas: Papirus, LYNTON, N. Arte Moderna. Tradução: Álvaro Cabral et all. s/l: Expressão e Cultura, MANGUEL, A. Lendo imagens: uma história de amor e ódio. Tradução: Rubens Figueiredo, Rosana Eichemberg, Cláudia Strauch. São Paulo: Companhia das Letras, OS GRANDES ARTISTAS. Romantismo e Impressionismo. Vol. I. São Paulo: Nova Cultural, RIBEIRO, E. Ver. Escrever José Régio, o texto iluminado. Braga: Universidade do Minho, RIBEIRO, F. História Crítica da Arte. Rio de Janeiro, São Paulo, Lisboa: Fundo de Cultura, STRICKLAND, C. Arte comentada: da pré-história ao pós-moderno. Tradução: Angela Lobo de Andrade. 13. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, SYPHER, W. A experimentação impressionista. In: Do Rococó ao Cubismo na arte e na literatura. Tradução: Maria Helena Pires Martins. São Paulo: Perspectiva, 1980.

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo

CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA INTERATIVIDADE FINAL AULA ARTES. Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo Aula 4.2 Conteúdo: Romantismo Realismo Impressionismo 1 Habilidades: Reconhecer diferentes funções da arte, do trabalho de produção dos artistas em seus meios culturais. 2 Romantismo Designa uma tendência

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque?

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque? Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Elias Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE ARTE 1) Após analisar a obra a seguir, responda o que se pede. Os fuzilamentos de 3 de Maio de 1808.

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS TEXTO DE APOIO AULA 2.2 - A SIGNIFICAÇÃO NA ARTE TEXTO DE APOIO 1. A especificidade da informação estética Teixeira Coelho Netto, ao discutir a informação estética, comparando-a à semântica, levanta aspectos muito interessantes.

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte

Habilidades Específicas em Artes Visuais. Prova de História da Arte Habilidades Específicas em Artes Visuais Prova de História da Arte I. Analise as duas obras cujas reproduções foram fornecidas, comentando suas similaridades e diferenças no que se refere aos aspectos

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml

4.1.1) ATUALIZAÇÃO. (1) www.nuevamirada.cl/la_pedagogiahtml Figura 96 - Trecho do desenho da paisagem local, formado por desenhos individuais colados justapostos um no outro, constituindo uma só peça, um extenso rolo A localização da escola, no tocante a sua topografia,

Leia mais

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da 1 Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da Unicamp, algumas de suas obras. Aproveita o caro momento

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO

TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O HOMEM E A ARQUITETURA: TRANSIÇÃO DO MODERNO AO PÓS-MODERNO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão A Crítica do Discurso Poético na República de Platão Adriana Natrielli * Na República Platão descreve o diálogo no qual Sócrates pesquisa a natureza da justiça e da injustiça. Para isso, transferindo a

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA

PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Renato Dias PROSA DO MAR: BREVÍSSIMA LEITURA ICONOLÓGICA Escrever não é olhar para a superfície, mas para dentro. Não me interessa descrever se o personagem

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa

EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA. Comunicação: Relato de Pesquisa EFEMÉRIDES: A CONSTRUÇÃO DE UM PROCESSO DE DESCONSTRUÇÃO POR MEIO DE RESÍDUOS DE MEMÓRIA Amanda Cristina de Sousa 1 Alexandre França 2 Comunicação: Relato de Pesquisa Resumo: O seguinte trabalho trata

Leia mais

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética

O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética O CANTO DO ASSUM PRETO: Uma análise estética Ibrantina Guedes Lopes Licenciada em Letras e Música. Pós-graduanda do Curso de Especialização em Cultura Pernambucana da FAFIRE Membro da Associação Brasileira

Leia mais

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol.

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol. Apresentação: A pintura escolhida para a leitura analítica intitula-se Casamento da Virgem, de Matias de Arteaga (1633-1703), pintor pertencente ao barroco espanhol. Entre suas obras estão Uma aparição

Leia mais

Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX

Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX Manoel Pastana na Amazônia do início do século XX Maryclea Carmona Maués Neves 1 Quando, onde e quem No início do século XX, a região Amazônica ainda vivia um relativo isolamento do restante do país, reflexo

Leia mais

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar

EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar EMMANUEL NASSAR Figura 1 Foto de Emmanuel Nassar. Acervo pessoal de Emmanuel Nassar Acho que criatividade não é uma qualidade exclusiva dos artistas. Viver é um exercício de criatividade. Por Marialba

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE Aninha Duarte 2004 CRÍTICA Arte ou faculdade de examinar e/ou julgar as obras do espírito, em particular as de caráter literário ou artístico. Apreciação minuciosa. (AURÉLIO,

Leia mais

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART SÃO PAULO 2011 OPTICAL ART Movimento da arte abstrata que se desenvolveu na década de 1960. A OP ART (abreviatura de óptical

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO

MATERIAL COMPLEMENTAR PARA ESTUDOS HISTÓRIA DA ARTE- 2ª SÉRIE ENSINO MÉDIO Arte Moderna Expressionismo A busca por expressar os problemas da sociedade da época e os sentimentos e emoções do homem no inicio do século xx Foi uma reação ao impressionismo, já que o movimento preocupou-se

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo

O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo 1 O Surrealismo foi um movimento artístico e literário surgido primeiramente em Paris (1924) com a publicação do Manifesto Surrealista, feito pelo poeta e psiquiatra francês André Breton em 1924. Inserido

Leia mais

DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS

DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS GIOVANA CAIRES MOTTA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA). Resumo A transposição do texto impresso para o meio digital coloca

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde Emil Nolde O Expressionismo de Die Brücke não se restringiu à pintura e à gravura, tendo tido expressão, igualmente na literatura, na música e arquitectura.

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES REVISÃO. Aula 6.1 Conteúdo: Revisão da Unidade II

CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES REVISÃO. Aula 6.1 Conteúdo: Revisão da Unidade II Aula 6.1 Conteúdo: Revisão da Unidade II 1 Habilidades: Revisar os Conteúdos da Unidade II para realizar avaliação II. 2 Revisão 1 Barroco: expressão, do português homônimo, tem o sentido pérola imperfeita,

Leia mais

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter-

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- Algumas definições Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- relações. O sentido de um termo

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

Teve como base os ideais do Iluminismo, iniciando-se na França e na Inglaterra, expandindo-se por toda Europa.

Teve como base os ideais do Iluminismo, iniciando-se na França e na Inglaterra, expandindo-se por toda Europa. Arte no século XIX Neoclassicismo O Neoclassicismo foi um movimento cultural nascido na Europa em meados do século XVIII, que teve larga influência na arte e na cultura de todo o ocidente até meados do

Leia mais

A INFÂNCIA DE REBRANDT: DIÁLOGO ENTRE OBRAS MÁRCIA CAMPOS DOS SANTOS 1

A INFÂNCIA DE REBRANDT: DIÁLOGO ENTRE OBRAS MÁRCIA CAMPOS DOS SANTOS 1 Revista Ceciliana. Maio de 2012. Número Especial: Patrimônio Cultural Memória e Preservação. - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana Relato de experiência

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

ARTE E REVOLUÇÃO: AS IMAGENS DA LIBERTAÇÃO EM HERBERT MARCUSE

ARTE E REVOLUÇÃO: AS IMAGENS DA LIBERTAÇÃO EM HERBERT MARCUSE Renata Gonçalves (PIIC/UFSJ) Orientadora: Ms. Maria José Netto Andrade (DFIME - UFSJ) Resumo: O artigo tem como objetivo investigar a crítica de Herbert Marcuse (1898-1979) à ortodoxia da estética marxista

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA

VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA VANGUARDA DISCIPLINA: ARTES PROFESSORA: ANA PRISCILA Em seu sentido literal, vanguarda (vem do francês Avant Garde, guarda avante ) faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto DOSSIER DE IMPRENSA ICAL, 25 anos em imagens Museu dos Transportes e Comunicações do Porto De 1 ao 22 de Dezembro de 2014 DOSSIER DE IMPRENSA Índice 1. Apresentação da exposição 2. Ical, 25 anos contando

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de História da Cultura e das Artes 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 724/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos.

Impressionismo. a) Apenas o item IV está correto. b) Apenas os itens II, III e V são corretos. c) Apenas os itens II, III e V estão incorretos. Impressionismo Questão 01 - Como os artistas realistas, que com a ciência haviam aprendido a utilizar determinados conhecimentos, os impressionistas se viram na necessidade de interpretar com maior vivacidade

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

Contexto do Dadaísmo

Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá Contexto do Dadaísmo O Movimento Dadá O movimento Dadá ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique, em 1916, no chamado Cabaret Voltaire, por um grupo de escritores e artistas

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS...

SOBRE ESTE LIVRO > SIGAM AS PISTAS... As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Renascimento. Prof. Adriano Portela

Renascimento. Prof. Adriano Portela Renascimento Prof. Adriano Portela O que é o Renascimento? Dados Início: século 14 Local: Península Itálica Se estendeu até o século 17 por toda Europa. Artistas, escritores e pensadores exprimiam em suas

Leia mais

artigos . Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG

artigos . Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG artigos PAULO FOGAÇA nas Artes Plásticas em Goiás: Indícios de Contextualização. Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG A aparição da arte moderna em Goiás, sua formulação

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

O ser humano é comunicação

O ser humano é comunicação O ser humano é comunicação Sem. Andrey Nicioli anicioli@hotmail.com Catequese Arqudiocesana Pouso Alegre 14/11/2015 Primeira certeza O termo comunicação é abrangente e não se restringe aos meios midiáticos.

Leia mais