A conscientização patrimonial por meio das Estações Ferroviárias.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A conscientização patrimonial por meio das Estações Ferroviárias."

Transcrição

1 1 A conscientização patrimonial por meio das Estações Ferroviárias. Tamires Sacardo Lico 1 Centro Universitário Claretiano de Batatais Resumo O Patrimônio deve ser visto como formador de memórias individuais e coletivas, provocador do sentimento de pertencimento. O processo de identificação patrimonial deve ser adequado à realidade local, útil à sociedade. A fim de valorizar a comunidade, deve-se buscar uma maior interação dos turistas com a vida cotidiana das comunidades, aumentando os pontos positivos do turismo. A preservação de um Patrimônio é uma promoção da cidadania, uma vez que ela envolve a conscientização de uma população sobre seu passado e a importância que estes indivíduos têm sobre a história de determinado local. O patrimônio não deve ser visto a partir do passado, mas como ação do presente sobre o presente. A educação patrimonial traz enriquecimento individual e coletivo, instrumento de alfabetização cultural, levando o indivíduo à compreensão do universo sociocultural e da trajetória histórico-temporal em que está inserido. Com a desativação das linhas ferroviárias, vemos então a inicialização do uso das mesmas através do turismo. O turismo passou a ser visto como estratégia para recuperar o patrimônio ferroviário, aumentando o desenvolvimento de regiões que um dia dependeram deste transporte. Devemos ainda nos atentar que em momento algum o turismo deve ser feito de forma desordenada de modo que vá depredar o patrimônio com uso excessivo e sem controle por meio do órgão responsável. Recuperar uma estação ferroviária significa recuperar a imagem de um passado perdido, onde podemos trazer de volta uma memória, valorizando assim uma região e utilizando-a de modo turístico. Palavras chave: Patrimônio, Memória, Ferrovias. A Importância da valorização de uma população com seu espaço. Entendemos que identidade é uma construção cultural advinda de hábitos que os seres humanos, viventes em grupos adquirem uns com os outros. Como uma sociedade é algo complexo não pensemos apenas em uma cultura e sim em culturas advindas dos diversos costumes humanos. O Patrimônio, seja ele material ou imaterial dá-se então no resgate da 1 Licenciatura em História pela Universidade Federal de Ouro Preto em 2010 e Pós-Graduação Latu Sensu em História Cultural pelo Centro Universitário Claretiano de Batatais em Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

2 2 memória local, elevando uma cultura perdida do tempo passado, ou desvalorizada pelo esquecimento ou falta de conscientização populacional. Consideremos o patrimônio cultural como tudo o que constitui um bem apropriado do homem, suas características e particularidades. O patrimônio é percebido então como aquilo que faz parte do engenho humano e não apenas as grandes construções. Percebemos que La cultura, entendida como todo aquello que és creación humana desde un sistema de parentesco hasta uma inovación tecnológica, cambia y se transforma inevitablemente a lo largo del tiempo. (PINEAU, 2010:90) O grande problema do chamado presentismo apresentado por Hartog está no ritmo de vida acelerado que as cidades proporcionam, fazendo com que haja falta de espaço e tempo para promover a memória. Se pensarmos que a memória só funciona quando há transmissão de valores, vemos que a desconsideração pelo passado faz com que a sociedade perca sua identidade cultural. Cuidar e valorizar o patrimônio faz com que o processo de memorização esteja presente no cotidiano dos cidadãos, fazendo com que nosso passado continue a ter vida. Preservar o patrimônio local nos permite conservar as raízes plurais dos povos, suas tradições e culturas, implicando na manutenção das identidades. O que ocorre então com prédios que ao longo dos anos perderam seu valor frente à população esquecida é chamado de pastiche: O pastiche não é percebido como tal, ele é a forma visual dominante contemporânea, é estilo social, corporal, político e material. Tanto expressa vistosamente às pessoas ou os grupos poderosos quanto, frivolamente, o comércio leve, burlescamente bares, boates, restaurantes; a seriedade de escolas e bancos; a assepsia das farmácias e hospitais. (PIMENTA E ALMEIDA, 2010: 505) A memória estabelece um vínculo entre presente e passado, onde as gerações veem-se como agentes históricas uma vez que se compreendem com a própria paisagem onde vivem, daí a importância do reconhecimento da localidade como elementos próprios de sua história, do espaço geográfico, das paisagens, das construções. O Patrimônio constitui uma representação do passado e cultura de uma sociedade. Segundo COSTA (2012:96) Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

3 3 Assim sendo, o ser humano, dotado de memória é capaz de rememorar, de religar, de fazer uso da tradição e de construir um processo permanente de criação, adaptação, assimilação e resignificação de valores em uma dada sociedade, é um ser capaz de produzir cultura, portanto, é em si mesmo o patrimônio. Dessa forma, cultura vem a ser a memória que procuramos ter enquanto agente sociais. O Patrimônio deve ser visto como formador de memórias individuais e coletivas, provocador do sentimento de pertencimento. O processo de identificação patrimonial deve ser adequado à realidade local, útil à sociedade. Um grande problema que encontramos é o do aburguesamento, onde as pessoas pobres acabam por ser afastadas do local patrimonial, que passa a ter aluguéis caros, o que gera prejuízos em relação ao tempo passado e a perda de laços com a própria história. Ao buscarmos pelo resgate de um bem material podemos também nos voltar à memória local, de personagens que vivenciaram o objeto de estudo ativo e que ainda guardam em suas memórias o tempo em que a sociedade passava pelas mudanças que nos trazem ao presente, uma vez que devemos pensar que ao analisarmos um patrimônio não estamos nos referindo somente ao passado, mas também ao presente. Daí que ao analisarmos um objeto recente podemos constantemente utilizar de diálogo com a comunidade envolvida, o que faz com que esta população possa se ver como parte da histórica e valorizar seu passado. A preservação de um Patrimônio é uma promoção da cidadania, uma vez que ela envolve a conscientização de uma população sobre seu passado e a importância que estas têm sobre a história de determinado local. É necessário o entendimento de que o Patrimônio Cultural não pertence a um indivíduo em particular, mas a toda sociedade. Consciente do Patrimônio, a população tende a se apropriar dele de maneira mais fecunda. A geração de regionalismos deve ser conservada como parte ativa da memória cultural de um país. Como afirma Marly Rodrigues, até 1980 víamos uma grande distância entre o patrimônio cultural e a maioria da população, uma vez que o passado colonial juntamente com a memória escravista fez com que esta classe não fosse uma criadora de valores culturais para nossa sociedade. Cabia aos negros e brancos pobres a função de trabalhadores, enquanto os brancos e proprietários com acesso as faculdades seriam os formadores da cultura. É então na década de 1980 que o Brasil passou a adotar a visão de patrimônio como um lugar de memória social integrando a história operária aos fatos nacionais. Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

4 4 A valorização de determinado bem patrimonial pode enriquecer um local de duas maneiras, isso se utilizado de forma responsável e consciente: como educação, que faz com que as pessoas, se vendo como parte da história, tenham sensação de pertencimento e valorizem os bens históricos, fazendo com que haja conservação consciente e diminuição da depredação e também como turismo, gerando empregos e rendas as famílias. Esse segundo item tem suas complicações, uma vez que devemos nos atentar que em momento algum o turismo deve ser feito de forma desordenada de modo que vá depredar o patrimônio com uso excessivo e sem controle. Com o turismo cabe melhorar da qualidade de vida da população local, reativar a economia, gerar rendas complementares, novas oportunidades de emprego, conservar o meio físico e natural com controle de frequência turística. A carência em infra-estrutura, em serviços públicos e em pessoas capacitadas colocam em risco a visitação de um local. Outro problema que percebemos a respeito do cuidado patrimonial falho é a teatralização que se adquire aos bens tombados sem a devida conscientização. Patrimônio Cultural como herança sociocultural dos cidadãos de determinada nação, tem como finalidade a criação de uma identidade nacional. O que se viu durante muito tempo foram bens preservados das classes mais favorecidas, o que acabava por gerar um poder simbólico. Via-se então a história e sua herança voltada a uma elite branca, portuguesa e católica, o que excluía os demais segmentos da população. Após a década de 80, sentimos uma ruptura paradigmática, onde passou-se a valorizar os excluídos da sociedade. É importante levar aos habitantes a valorização e reconhecimento do local patrimonial, a fim de que haja participação populacional no cuidado, manutenção e conservação do patrimônio. É necessário então, um trabalho educativo para que o patrimônio não seja considerado um acervo de uma minoria. Os valores patrimoniais locais é que distinguem cada comunidade e agregam a elas um perfil próprio. Não só vemos a importância em valorar o bem patrimonial pela sua função no passado, mas sim a representatividade que ele possui também no presente. O que gera a depredação patrimonial é a problemática da falta de sentimento de pertencimento da população, que desconhece aquele bem como parte de sua história, gerando despreocupação com o cuidado e manutenção do patrimônio. Segundo Goméz(2008:167) Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

5 5 El total desconocimiento que existe sobre la proteción que las leyes específicas confieren a estos tipos de construciones es outro de lós problemas, pues habría evitado las numerosas transformaciones y modificaciones que han sufrido gran parte de lós inmuebles. O Patrimônio deve ser protegido pelo que representa, ele é constituído de testemunhos e cabe a nós reconhecê-los. O patrimônio não deve ser visto a partir do passado, mas como ação do presente sobre o presente, uma vez que a busca pela memória faz com que o turismo se desenvolva sobre o determinado objeto, havendo aí a necessidade de investimentos econômicos importantes. Passando para o lado da memória, ele se torna memória da história e como tal símbolo de identidade. Memória, patrimônio, história, identidade, nação se encontram reunidos na evidência do estilo direto do legislador. (HARTOG, 2006: 266) É fundamental ações educativas que garantam proteção dos bens patrimoniais e estimulem novos projetos que atingem demais setores da sociedade. Vemos a ação educacional como instrumento de cidadania e inclusão social. A educação patrimonial traz enriquecimento individual e coletivo, instrumento de alfabetização cultural, levando o indivíduo à compreensão do universo sociocultural e da trajetória histórico-temporal em que está inserido. Patrimônios Industriais Vemos as paisagens industriais como micro-histórias de homens e mulheres no tempo passado e atual. Buscar o passado nos permite conhecer como era o desenvolvimento econômico de determinada região, dando valores aos bens sobreviventes no nosso tempo. Podemos perceber então a vida social dos trabalhadores com seus costumes e tradições, as transformações geográficas e as estruturas urbanas. As cidades são tidas como um dos fenômenos mais importantes da história dos homens, antes espaço de convívio, transformouse em luta e competição acirrada pela sobrevivência. As singularidades relacionais entre as culturas e o meio ambiente definem, conforme os fundamentos da geografia cultural, os traços da própria paisagem e a distinguem de outros espaços, determinando o seu geni us loci, ou seja, a alma do lugar. (PELEGRINI, 2009:119) O patrimônio aparece quase sempre em tensão com o presente e os símbolos que ele nos dá. A dificuldade que vemos em relação à conservação está nas diferentes compreensões Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

6 6 existentes sobre o patrimônio. Enquanto uma parcela da população vê o bem com importância no resgate do passado e na conservação da memória, outra parcela vê o patrimônio como um impasse para o desenvolvimento da sociedade. El lugar constituye entonces una única identidad; debe ser analizado como la consecuencia de uma multiplicidad de intersecciones de flujos generalizados, de estructuras de poder, de discursos y de subjetividades. (VAN DER HAMMEN, 2009: 66) Em relação às ferrovias percebemos um quadro de descaso patrimonial grande, uma vez que ao buscarmos suas conservações e manutenções turísticas vemos resultados positivos em cidades históricas como a linha Ouro Preto/Mariana em Minas Gerais. Porém, ao olharmos para as cidades que não são consideradas patrimônios históricos, vemos um abandono ou mesmo destruição desses monumentos. A população, sem trabalho de conscientização patrimonial torna-se apática a destruição de sua história local, e mesmo quem se preocupa com os bens esquecidos já aparenta cansaço ao reivindicar por preservação patrimonial. Percebamos em específico o caso de duas cidades do interior de São Paulo: Ituverava, onde ainda se mantém o prédio da Estação Ferroviária, mesmo que depredado e abandonado e Ribeirão Preto, que já não possui mais a Estação Ferroviária, porém como forma de preservação mantém um trem da Alta Mogiana exposto em uma praça central da cidade. Tal monumento encontra-se sem referência alguma ou projeto de valorização desta parte da história da cidade. Podemos constatar então que os bens expostos não possuem valor sem a conscientização popular e o trabalho patrimonial. Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

7 7 Foto: Tamires Sacardo Lico Foto: Tamires Sacardo Lico Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

8 8 Foto: Tamires Sacardo Lico Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

9 9 Foto: Tamires Sacardo Lico Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

10 10 Foto: Tamires Sacardo Lico. Imagens acima de uma Locomotiva em exposição em Ribeirão Preto. O sistema ferroviário contribuiu com a internacionalização do Sistema Capitalista e foi considerado o conjunto de obras públicas de engenharia mais conhecido até então. As ferrovias durante o século XIX podem ser consideradas um monopólio das empresas inglesas na América Latina. Linhas ferroviárias ocasionaram o surgimento de grandes cidades, dinamizando o comércio, o turismo, a cultura e a integração entre as cidades. No Brasil, a maioria das estradas de ferro foram instaladas para atender a produção de café, tendo transportado também açúcar, algodão, cacau, gado, dentre outros. De 1855 a 1920 houve o aparecimento e o desenvolvimento acelerado das estradas de ferro. Na década de 20 a extensão ferroviária chegou a km. Foi após a segunda Guerra Mundial que as ferrovias passaram por dificuldades em nível mundial, com o surto do desenvolvimento do transporte rodoviário e aéreo. De 1940 até 1945 vimos ainda à construção de pouco mais de 7.000km das ferrovias e após 1945 o sistema ferroviário entrou em uma crise aguda. Na história das ferrovias brasileiras durante o século XIX notamos então a dificuldade que existiam na construção e manutenção das estradas de ferro, uma vez que como nos expõe Ribeiro, havia a necessidade de a empresa prover, por sua conta nos vários trechos da linha, as fontes de energia para a fonte de energia motriz que utiliza, contrariamente ao que se passa na rodovia, exige um investimento complementar, além de um permanente gasto em despesas Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

11 11 de custeio, especialmente oneroso nos casos de combustíveis sólidos, quando grande parte de seu material rodante é desviado para atender à distribuição do combustível ao longo da linha. (RIBEIRO, 1956) Ribeiro ao longo de seu livro publicado no ano de 1956 expõe as dificuldades impostas às ferrovias em relação à construção e manutenção das rodovias, uma vez que na primeira, eram as empresas responsáveis por gerir as estradas de ferro, enquanto que na segunda, o governo arcava com todos os custos. Já então ao longo do século XIX as ferrovias brasileiras perderam importância visto que não houve apoio governamental para mantê-las como principal meio de transporte em terra. Como consequência, hoje vemos grandes monumentos ferroviários abandonados, e vagões que servem apenas de dormitório a andarilhos, como se este meio de transporte pertencesse apenas ao passado. Ribeiro expunha ainda o problema dos altos custos que se tinha ao optar pelas ferrovias, uma vez que outros meios de transporte saíam mais baratos, sem encargos com construções e consertos. Com tantas taxas as tarifas acabavam por sair caras aos passageiros. Com a desativação das linhas de modo comercial, vemos então a inicialização do uso das linhas ferroviárias através do turismo, tal ideia tem uso na Inglaterra na década de 1970, com a criação da SAVE, criando praças, oficinas, gerando espaços sociais e educativos, melhorando a qualidade de vida de moradores das regiões dando início o surgimento de um produto turístico que trouxe de volta a importância e memória das ferrovias. O turismo passou a ser visto então como estratégia para recuperar o patrimônio ferroviário, aumentando o desenvolvimento de regiões que um dia dependeram deste transporte. Com um plano turístico pode-se transformar o local escolhido num potencial de atração cultural, possibilitando empregos com o turismo. Segundo Rufino (2006:70) la recuperación del patrimônio ferroviário propicia un escenario de cambio en la localidad, ya que estas áreas se habian vuelto obsoletas después del proceso de desindustrialización y re-estruturación econômica. La transformación de esos espacios recalifica el entorno y valoriza la memoria de los actores sociales que construyeron su historia alli. Em um artigo feito por Maia e Dias sobre a estação de Mariana e Ouro Preto Minas Gerais, o que levaram os turistas a visitar a estação foi a nostalgia, a paisagem, a preservação Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

12 12 do patrimônio, a integração com os passageiros e uma opção turística a mais. Como nos expôs Maia e Dias, no Brasil foi criado o instituto CEPTA, que define políticas públicas sobre turismo e ferrovias que pensam em resultados a curto, médio e longo prazo sobre a patrimonialização de um local. Outra instituição criada foi a ABOTTC Associação Brasileira de Operadores de Trens Turísticos Culturais, onde em 2008 registrou-se que cerca de 3 milhões de pessoas viajaram em trens turísticos brasileiros com crescimento anual de 8%. A estação ferroviária que se encontra abandonada na cidade de Ituverava nos instiga a pensar no quanto a população seria favorecida com o resgate desta memória, levando conscientização do valor da história brasileira juntamente com a história local. Foto retirada do Livro: Subsídios para a História de Ituverava VI de Moacir França Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

13 13 Foto: Tamires Sacardo Lico. Estado atual da estação de Ituverava. Recuperar uma estação ferroviária significa recuperar a imagem de um passado perdido, seja com patrimônios industriais, arquitetônicos ou ferroviários, podemos trazer de volta uma memória que como nos mostra Hartog já vem apresentando amnésia, valorizando assim uma região e utilizando-a de modo turístico. Segundo Um prédio antigo guarda muitos segredos, pedaços de história perdidos em cada corredor, cada escada, cada objeto preservado ao longo de tantas reformas, e que hoje nos parecem sem qualquer função utilitária. (PIMENTA E ALMEIDA, 2010:514) Bibliografia ALMEIDA, Milton José de; PIMENTA, Alan Victor. Alguma memória do futuro.educ. Soc. Campinas, v. 31, n 111, p , abr. jun BRAC, Marcela. Patrimonio cultural y turismo emergente: Villa Guillermina, de pueblo obrero a nuevo destino turístico. Un estudio de caso. Cuad. antropol. soc. 2011, n.33, pp COSTA, Heloisa Helena Fernandes Gonçalves da. Museologia e patrimônio nas cidades contemporâneas: uma tese sobre gestão de cidades sob a ótica da preservação da cultura e da memória. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. hum. 2012, vol.7, n.1, pp DINIZ CARVALHO, Karoliny y DA SILVA BLOS, Wladimir. Performance y experiencia turística del Tambor de Crioula en São Luís de Maranhão - Brasil. Estud. perspect. tur. 2011, vol.20, n.3, pp FRANÇA, Mário. Subsídios para a História de Ituverava VI. Ituverava, Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

14 14 GÓMEZ, ORESTES SARDINAS. El Patrimonio em la periferia de los grandes centros urbanos: Una aproximación a la problemárica de la localidad de Cojímar, Ciudad de la Habana. Investig. Desarro. 2008, vol.16, n.1, pp HARTOG, François. Tempo e patrimônio. Varia hist. 2006, vol.22, n.36, pp MACHADO, Neli T. Galarce; LOPES, Sérgio Nunes; GHENO, Diego Anrtônio. Arqueologia Histórica e a Problemática do Patrimônio: discussões acerca da preservação, turismo e educação patrimonial no Vale do Taquari Rio Grande do Sul. História.vol. 28 n. 1, p Franca MAIA, Lourdes Regina Galvão; DIAS, Reinaldo. A Recuperação do Patrimônio Industrial Ferroviário e as Percepções da Comunidade: Um Estudo sobre o Trem da Vale x Moradores de Ouro Preto (MG) Patrimônio: Lazer & Turismo, v. 76, n. 9, jan- fev mar/2010, p PELEGRINI, Sandra C. A.. Cultura e natureza: os desafios das práticas preservacionistas na esfera do patrimônio cultural e ambiental. Rev. Bras. Hist. 2006, vol.26, n.51, pp PINEAU, Virgínia. La Educación Superior como um espacio de construcción del Patrimonio Cultural: Uma forma de entender la diversidad. Centro de Estudios em Diseño y COmunicación. Cuaderno 34. Cidade Autónoma de Buenos Aires, Pp RIBEIRO, Paulo de Assis. Estrutura, Economia e Política dos Transportes. Ministério da Educação e Cultura. Instituto Nacional do Livro. Rio de Janeiro, RODRIGUES, Marly. Preservar e Consumir: o patrimônio histórico e o turismo. In: FUNARI, Pedro Paulo; PINSKY, Jaime (Org.)Turismo e Patrimônio Cultural. São Paulo: Contexto, RUFINO, Silvana. Os dois lados da linha do trem: história urbana e intervenções contemporâneas em Campinas (SP). In: FRÚGOLI Jr., Heitor; ANDRADE, Luciana Teixeira de; PEIXOTO, Fernanda Áreas (Org.). As cidades e seus agentes: práticas e representações. p Belo Horizonte: PUC Minas/Edusp, p. SEGRERA, Yaumara López. La Conservación del patrimonio cafetalero en el sudeste de Cuba: El Plan de Manejo Integral de un Paisaje Arqueológico. Apuntes vol.22 n. 2 Bogotá jul- dec P TEIXEIRA, Simonne. Educación Patrimonial: Alfabelización Cultural para la ciudadanía. Estud. Pedagóg. 2006, vol 32, pp VAN DER HAMMEN, María Clara; LULLE, Thierry and PALACIO, Dolly Cristina. La Construcción Del Patrimonio como Lugar: Un estudio de caso en Bogotá. Antipod. Rev. Antropol. Arqueol 2009, n.8, pp CARLAN, Claudio Umpierre. Os museus e o patrimônio histórico: uma relação complexa. História. 2008, vol.27, n.2, pp ZANIRATO, Silvia Helena. São Paulo: exercícios de esquecimento do passado. Estud. av. 2011, vol.25, n.71, pp Anais I Semana de Arqueologia.. Campinas: LAP/NEPAM

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias

Trens turísticos e o patrimônio cultural. Roberta Abalen Dias Trens turísticos e o patrimônio cultural Roberta Abalen Dias Atualmente o Turismo é considerado uma atividade de grande importância econômica, responsável por geração de emprego e renda. Tal atividade

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR.

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR. 25 a 27 de maio de 2010 Facom-UFBa Salvador-Bahia-Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL: UMA POSSIBILIDADE PARA REFLETIR, INFORMAR, EDUCAR E PRESERVAR. Ana Maria Garcia Moura 1 Cristiane Batista dos Santos 2 Resumo:

Leia mais

itabira diagnóstico e propostas

itabira diagnóstico e propostas itabira diagnóstico e propostas A CVRD foi constituída, em 1942, a partir de ativos minerários existentes, sobretudo as minas de Itabira. Cauê foi a maior mina de minério de ferro do Brasil As operações

Leia mais

MEMÓRIA VISUAL DO VELHO OESTE PAULISTA: REGISTRO HISTÓRICO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA VANGUARDA CAFEEIRA

MEMÓRIA VISUAL DO VELHO OESTE PAULISTA: REGISTRO HISTÓRICO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA VANGUARDA CAFEEIRA MEMÓRIA VISUAL DO VELHO OESTE PAULISTA: REGISTRO HISTÓRICO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA VANGUARDA CAFEEIRA MEMORIA VISUAL DEL VIEJO OESTE PAULISTA: HISTÓRICO Y PRESERVACIÓN DE ACCIONISTAS DE VANGUARDIA

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS

Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS Estudo do Meio PARANAPIACABA SANTOS Profa. Wanda Pivetta Prof. Ms. Alan Victor Pimenta Esse texto não se pretende uma reprodução de todas as atividades desenvolvidas no Estudo do Meio realizado pelo Colégio,

Leia mais

Educação patrimonial: museu cultural da humanidade

Educação patrimonial: museu cultural da humanidade Artigo Educação patrimonial: museu cultural da humanidade Juliana Machado do Couto e Melo* 1 Introdução No atual contexto de avanços tecnológicos, a facilidade de comunicação e de deslocamento de pessoas,

Leia mais

1. Introdução. Página 1 de 7

1. Introdução. Página 1 de 7 O ESPAÇO DOS HOMENS PLENOS: FERNANDO SALINAS, A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ARQUITETURA DO ISPJAE / CUBA E A PERSPECTIVA DE FORMAÇÃO OMNILATERAL Fábio Fernandes Villela, Doutor em Sociologia

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E ENSINO DE HISTÓRIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. Palavras chave: Educação Patrimonial Ensino de História - Identidade

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E ENSINO DE HISTÓRIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. Palavras chave: Educação Patrimonial Ensino de História - Identidade EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E ENSINO DE HISTÓRIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS NETA, Rosa Lina de Jesus (UFG) 1 NOVAIS, Sandra Nara da Silva (UFG) 2 Resumo: Ensinar História tendo como instrumento apenas o livro

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

Introdução. OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.5, n.15, p. 133-139, dez. 2013.

Introdução. OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.5, n.15, p. 133-139, dez. 2013. REPRESENTAÇÕES ESPACIAIS POR MEIO DE FOTOGRAFIAS: práticas realizadas por Acadêmico do Curso de Geografia da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal/Universidade Federal de Uberlândia freitasbrunode@gmail.com

Leia mais

MEIO AMBIENTE, JOGOS E COM-VIVÊNCIA: PRINCÍPIOS PARA UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO LAZER

MEIO AMBIENTE, JOGOS E COM-VIVÊNCIA: PRINCÍPIOS PARA UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO LAZER MEIO AMBIENTE, JOGOS E COM-VIVÊNCIA: PRINCÍPIOS PARA UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PELO LAZER Cae Rodrigues 1 Ricardo Peixoto Stevaux 2 RESUMO A principal motivação para o desenvolvimento desse trabalho fundamenta-se

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ATRAVÉS DAS OFICINAS DE ARTE. EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ATRAVÉS DAS OFICINAS DE ARTE. EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula EDUCAÇÃO PATRIMONIAL ATRAVÉS DAS OFICINAS DE ARTE Maria Cristina Pastore 1 EIXO TEMÁTICO: Relatos de experiências em oficinas e salas de aula Palavras chaves: patrimônio, oficinas, arte. PATRIMÔNIO CULTURAL

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO CULTURAL

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO CULTURAL A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO CULTURAL Claudiana Y Castro RESUMO: O presente artigo propõe uma reflexão sobre a importância da Educação Patrimonial para o desenvolvimento

Leia mais

WORKSHOP INTERNACIONAL TURISMO E GESTÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO WORKSHOP ON INTERNATIONAL TOURISM AND ARCHAEOLOGICAL HERITAGE MANAGEMENT

WORKSHOP INTERNACIONAL TURISMO E GESTÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO WORKSHOP ON INTERNATIONAL TOURISM AND ARCHAEOLOGICAL HERITAGE MANAGEMENT WORKSHOP INTERNACIONAL TURISMO E GESTÃO DO PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO WORKSHOP ON INTERNATIONAL TOURISM AND ARCHAEOLOGICAL HERITAGE MANAGEMENT TALLER SOBRE TURISMO INTERNACIONAL Y GESTIÓN DEL PATRIMONIO ARQUEOLÓGICO

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

O COMPLEXO FERROVIÁRIO DE PONTA GROSSA COMO ESPAÇO CULTURAL, E POSSÍVEL ESPAÇO TURÍSTICO

O COMPLEXO FERROVIÁRIO DE PONTA GROSSA COMO ESPAÇO CULTURAL, E POSSÍVEL ESPAÇO TURÍSTICO O COMPLEXO FERROVIÁRIO DE PONTA GROSSA COMO ESPAÇO CULTURAL, E POSSÍVEL ESPAÇO TURÍSTICO Hayssa Kattiaviana 1 Andressa Stefany Teles 2 Márcia Maria Dropa 3 RESUMO A preservação do patrimônio cultural envolve

Leia mais

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 Anexo 1.50 Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: acesso pela rodovia SP 122 Ribeirão Pires Paranapiacaba, Santo André SP, Brasil. Autoria: a vila foi construída pela

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE TURISMO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE TURISMO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE TURISMO MODELO PARA REALIZAÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE TURISMO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA JUIZ DE FORA MG 2009

Leia mais

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014

BOLETIM MUSEU DA IMIGRAÇÃO Março Abril 2014 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima nona edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação do

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL URBANO E RURAL ROBERTO CORRÊA DA SILVA

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL URBANO E RURAL ROBERTO CORRÊA DA SILVA UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CURSO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL URBANO E RURAL ROBERTO CORRÊA DA SILVA Plano Diretor como Indicador de Políticas Públicas para o Desenvolvimento do Município de São Bento

Leia mais

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras

Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras nº 342 outubro 2014 Odebrecht TransPort traça novas rotas brasileiras Odebrecht 70 anos: projetos que contribuem para melhorar as opções de mobilidade urbana das comunidades Odebrecht Infraestrutura Brasil

Leia mais

PATRIMONIO CULTURAL GOIANIENSE: A CONSTRUÇÃO DE UMA MEMÓRIA. Helena Cristina dos Reis Braga¹; Marisa Dorive Antonio²; Kátia Cilene do Couto³

PATRIMONIO CULTURAL GOIANIENSE: A CONSTRUÇÃO DE UMA MEMÓRIA. Helena Cristina dos Reis Braga¹; Marisa Dorive Antonio²; Kátia Cilene do Couto³ PATRIMONIO CULTURAL GOIANIENSE: A CONSTRUÇÃO DE UMA MEMÓRIA Helena Cristina dos Reis Braga¹; Marisa Dorive Antonio²; Kátia Cilene do Couto³ ¹ Bolsista PIBIC/IFG, graduanda do curso de Planejamento Turístico

Leia mais

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro

História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente. Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro História Oral: panorama histórico e reflexões para o presente Profa. Dra. Suzana Lopes Salgado Ribeiro O que é História Oral? Processo de trabalho que privilegia o diálogo e a colaboração de sujeitos considerando

Leia mais

Estações de Campinas/SP: estudo sobre os usos sociais do patrimônio ferroviário

Estações de Campinas/SP: estudo sobre os usos sociais do patrimônio ferroviário Estações de Campinas/SP: estudo sobre os usos sociais do patrimônio ferroviário Priscila Kamilynn Araujo dos Santos 1 Eduardo Romero de Oliveira 2 Resumo: Tendo como tema principal os usos sociais do patrimônio

Leia mais

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX

MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MEMÓRIA SOCIAL - UM REGISTRO DE COSTUMES DA SOCIEDADE DE JOÃO PESSOA NO SÉCULO XX MOURA FILHA 1, Maria Berthilde CAVALCANTI FILHO 2, Ivan QUEIROZ 3, Louise Costa GONDIM 4, Polyanna Galvão RESUMO Nos últimos

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Tassiana Quintanilha de Souza (G CLCA UENP/CJ) Denise da Silva de Oliveira (Orientadora CLCA UENP/CJ) RESUMO: Este artigo visa discorrer sobre a formatação

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Pesquisadores: Jason Gomes Rodrigues Santos e Natally Ribeiro Orientadora: Profa. Dra. Maria Lucia Hage Masini

Pesquisadores: Jason Gomes Rodrigues Santos e Natally Ribeiro Orientadora: Profa. Dra. Maria Lucia Hage Masini Rede de ações sociais e o impacto no índice de letramento em duas comunidades da zona sul de São Paulo: estudo para ações fonoaudiológicas prospectivas Pesquisadores: Jason Gomes Rodrigues Santos e Natally

Leia mais

ESTRADA DE FERRO MADEIRA MAMORÉ: ABANDONO E DESTRUIÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL

ESTRADA DE FERRO MADEIRA MAMORÉ: ABANDONO E DESTRUIÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL ESTRADA DE FERRO MADEIRA MAMORÉ: ABANDONO E DESTRUIÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL José do Amparo Pinheiro¹, Prof. Dr. José Luis Gomes da Silva 2 1 Unversidade de Taubaté/Programa de Mestrado em

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

ASSUNÇÃO: A CAPITAL GUARANI E SEUS ENCANTOS. Carnaval 2012 4 dias e 3 noites 18 a 21/Fev

ASSUNÇÃO: A CAPITAL GUARANI E SEUS ENCANTOS. Carnaval 2012 4 dias e 3 noites 18 a 21/Fev ASSUNÇÃO: A CAPITAL GUARANI E SEUS ENCANTOS Carnaval 2012 4 dias e 3 noites 18 a 21/Fev VIAJANDO Dourados/Ponta Porã - Assunção 1º DIA Sábado- 18/Fev-2012 SAÍDA DE DOURADOS Viagem em carro adaptado ao

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). HISTÓRIAS DE VIDA: A PERCEPÇÃO SOBRE A INFÂNCIA EM GRUPOS DE IDOSOS Dayane Couto, Eduarda Rezende Freitas, Aline Francine Corrêa Vaz, Hortênsia Isabela Santos Vieira, Laíse Navarro Jardim Universidade

Leia mais

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/26

Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/26 Curso de Capacitação para Museus Módulo IV Ação Educativa 1/26 Função social do Museu 2/26 O museu é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta

Leia mais

O POTENCIAL DA ENTREVISTA NARRATIVA COM FOTOGRAFIAS

O POTENCIAL DA ENTREVISTA NARRATIVA COM FOTOGRAFIAS 1 O POTENCIAL DA ENTREVISTA NARRATIVA COM FOTOGRAFIAS Marta Batista de Souza i Andrea Cristina Versuti ii Eixo Temático: Arte, Educação e Contemporaneidade. Resumo: Este artigo analisa a compreensão da

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

O FILME COMO UMA VISÃO DO ESPAÇO E DO LUGAR: A CIDADE DE QUEIMADOS NA VISÃO DOS EDUCANDOS

O FILME COMO UMA VISÃO DO ESPAÇO E DO LUGAR: A CIDADE DE QUEIMADOS NA VISÃO DOS EDUCANDOS O FILME COMO UMA VISÃO DO ESPAÇO E DO LUGAR: A CIDADE DE QUEIMADOS NA VISÃO DOS EDUCANDOS Luciana Cristina Araújo da Silva/Universidade Federal Fluminense alteridadeounao@yahoo.com.br Walison Boy dos Santos/Universidade

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

/// apresentação. /// principais projetos e consultorias (2011-2015) planejamento e gestão

/// apresentação. /// principais projetos e consultorias (2011-2015) planejamento e gestão portfólio /// apresentação Empresa sediada em Belo Horizonte (MG), atua, desde 2011, nas áreas cultural, educacional e social. Presta consultoria no desenvolvimento de planejamento e de gestão para instituições

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA 3. O tema: Capacitação e formação continuada como ingredientes indispensáveis ao sucesso do profissional da educação. A exposição e a defesa das ideias do autor do texto

Leia mais

PALÁCIO DA BOLSA OFICIAL DE CAFÉ DE SANTOS/MUSEU DO CAFÉ VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A SIGNIFICAÇÃO HISTÓRICA

PALÁCIO DA BOLSA OFICIAL DE CAFÉ DE SANTOS/MUSEU DO CAFÉ VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A SIGNIFICAÇÃO HISTÓRICA PALÁCIO DA BOLSA OFICIAL DE CAFÉ DE SANTOS/MUSEU DO CAFÉ VALORIZAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL E A SIGNIFICAÇÃO HISTÓRICA Marjorie C.F. Medeiros Museu do Café de Santos Resumo Nos últimos anos o setor turístico

Leia mais

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje.

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 1. TEMA: Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 2. SÉRIE: 1º Ciclo 2ª série. 3. BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS: História: História Local e do Cotidiano. Geografia: O lugar e a Paisagem 4. AUTOR / EMAIL Evelin

Leia mais

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão Palestra: Apresentação de experiências e práticas exemplares

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade PROJETO ESPAÇO SAGRADO: UMA PROPOSTA DE TURISMO EDUCACIONAL E UMA ESTRATÉGIA PARA CONHECER E

Leia mais

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 CRISTIANE REGINA MIYASAKA 2 Ainda que a historiografia a respeito das reformas urbanas empreendidas no Rio de Janeiro no início do século XX seja

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1

Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1 Descubra as Missões: Um Guia Digital de Incentivo ao Conhecimento e Fomento da Cultura nas Regiões das Missões 1 Damaris I. SILVA 2 Anelice BELMONTE 3 Marcia Gabrielle Guimarães LOPES 4 Marcela Guimarães

Leia mais

Evolução do congestionamento

Evolução do congestionamento Evolução do congestionamento Crescimento populacional estável Taxa de motorização crescente 2025 2005 Surgimento de novos pólos de atração de viagens Deslocamentos na cidade Rede de transporte para 2016

Leia mais

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio

Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio Uso da Lousa Digital em Aulas de Matemática: um estudo com professores do Ensino Médio João Victor Maceno Lacerda 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância Resumo: Neste

Leia mais

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS Francisco de Assis CARVALHO 1 Desde que o homem existe é que ele nomeia os lugares e os espaços.

Leia mais

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi

Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Museu dos Povos Indígenas do Oiapoque - Kuahi Lux Vidal Apresentação Os povos indígenas do extremo Norte do Amapá, habitantes da bacia do rio Uaçá e do baixo curso do rio Oiapoque - Karipuna, Palikur,

Leia mais

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como?

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Patrícia Moura Pinho 1 Resumo: O presente texto trata da questão da alfabetização e as discussões teóricas e didáticas acerca da mesma, principalmente

Leia mais

CARTA DE NIZHNY TAGIL SOBRE O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH) Julho 2003

CARTA DE NIZHNY TAGIL SOBRE O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH) Julho 2003 PORTUGUÊS (Obrigado APPI) CARTA DE NIZHNY TAGIL SOBRE O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH) Julho 2003 O TICCIH The International

Leia mais

A Estrada de Ferro Santos a Jundiaí: memórias e registros de uma Inglesa

A Estrada de Ferro Santos a Jundiaí: memórias e registros de uma Inglesa A Estrada de Ferro Santos a Jundiaí: memórias e registros de uma Inglesa TAMIRES FREIRE SILVA* O trem passa. Rasgando as serras e os tempos. Perpassando a história e as tantas histórias nela contidas.

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Aprendizagem é mais do que aquisição ou apreensão da rede de determinados corpos de conhecimentos conceituais, selecionados socialmente como relevantes e organizados

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Título: CONHECENDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Título: CONHECENDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Título: CONHECENDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ Área Temática: Cultura Coordenadora da Ação de Extensão: Yara Aparecida Garcia Tavares Autores:

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

As crianças no planejamento do espaço urbano, Santiago, Chile

As crianças no planejamento do espaço urbano, Santiago, Chile As crianças no planejamento do espaço urbano, Santiago, Chile Alejandra Elgueta Felipe Morales Um problema transversal a todos os conflitos vivenciados na cidade de Santiago é a falta de participação popular,

Leia mais

O Patrimônio Cultural Imaterial sob a Perspectiva da Gastronomia 1

O Patrimônio Cultural Imaterial sob a Perspectiva da Gastronomia 1 O Patrimônio Cultural Imaterial sob a Perspectiva da Gastronomia 1 Dolores Martín Rodríguez Corner Elis Regina Barbosa Angelo 2 Resumo O patrimônio cultural intangível ou imaterial pode ser visualizado

Leia mais

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG

A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG A INSERÇÃO DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO DA UFCG Andréa Augusta de Morais Ramos 1 /UFCG-CDSA - andreaedu.15@gmail.com Fabiano Custódio de Oliveira 2 /UFCG-CDSA

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

O ESPAÇO DOS HISTORIADORES NAS INSTITUIÇÕES DE PRESERVAÇÃO E SALVAGUARDA DE PATRIMÔNIOS CULTURAIS: O CASO DO CONDEPHAAT

O ESPAÇO DOS HISTORIADORES NAS INSTITUIÇÕES DE PRESERVAÇÃO E SALVAGUARDA DE PATRIMÔNIOS CULTURAIS: O CASO DO CONDEPHAAT 1073 O ESPAÇO DOS HISTORIADORES NAS INSTITUIÇÕES DE PRESERVAÇÃO E SALVAGUARDA DE PATRIMÔNIOS CULTURAIS: O CASO DO CONDEPHAAT Talita dos Santos Molina. Mestranda pela PUC/SP, Bolsista Cnpq. E-mail: talitadsm@yahoo.com.br

Leia mais

A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO

A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO (2009) Taís Evangelho Zavareze Psicóloga - CRP 12/07644 - Brasil. Especialista em Avaliação Psicológica.

Leia mais

Introducción a Museos y Arquitectura

Introducción a Museos y Arquitectura Versión digital en : http://www.uam.es/mikel.asensio Introducción a Museos y Arquitectura Paulo Roberto Sabino Universidade Federal de Minas Gerais Editor invitado del Volumen 8 O tema da arquitetura de

Leia mais

Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA SEMENTE DIGITAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE RELAÇÕES PÚBLICAS PARA PROJETO DE EDUCAÇÃO PATRIMONIAL NA CIDADE DE SÃO LUÍS-MA COM A UTILIZAÇÃO DE NOVAS TECNOLOGIAS DO AUDIOVISUAL 1 Larissa de Jesus dos Santos

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Possibilidades de formação da identidade profissional a partir da atuação em um projeto de extensão em lazer (PELC/UFSM).

Possibilidades de formação da identidade profissional a partir da atuação em um projeto de extensão em lazer (PELC/UFSM). 10mo Congreso Argentino de Educación Física y Ciencias. Universidad Nacional de La Plata. Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación. Departamento de Educación Física, La Plata, 2013. Possibilidades

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

ÁGUA: REFRESQUE SUAS IDEIAS

ÁGUA: REFRESQUE SUAS IDEIAS Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 Vol. 02, Nº 01, Maio - 2014 ÁGUA: REFRESQUE SUAS IDEIAS Luiz Carlos Neto MADEIRO 1 Agda Isabele Gonsalves HONORATO² Resumo Uma das maiores

Leia mais

Projetos compartilhados

Projetos compartilhados espaço ibero-americano espacio iberoamericano Projetos compartilhados OEI inicia o Programa Arte-educação, Cultura e Cidadania e o Projeto Ibero-americano de Teatro Infantojuvenil A aprendizagem da arte

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural

Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Arte como conhecimento, patrimônio e identidade cultural Rita de Cássia Demarchi Ao abraçar o campo de ensino e aprendizagem de arte é tomado como ponto de partida o princípio de que a arte é uma rica

Leia mais

Antonio Parreiras: pinturas e desenhos (2012) estudo de caso 4. Curso de Capacitação para Museus Sisem Módulo Curadoria

Antonio Parreiras: pinturas e desenhos (2012) estudo de caso 4. Curso de Capacitação para Museus Sisem Módulo Curadoria ANTONIO PARREIRAS - PINTURAS E DESENHOS Arte rasil nob uma história na Pinacoteca de São Paulo imagem da capa Manhã de inverno, 1894 óleo sobre tela 102 x 152 cm Pinacoteca do Estado de São Paulo Transferência

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS SOB O OLHAR DE FORMANDAS EM PEDAGOGIA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS SOB O OLHAR DE FORMANDAS EM PEDAGOGIA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS SOB O OLHAR DE FORMANDAS EM PEDAGOGIA Aleciane Carmagos Nunes Ana Cláudia dos Santos Lima Nayara de Oliveira Souza Adriana A. Martins Faculdade Católica de Uberlândia Quando

Leia mais

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística.

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OS IMPACTOS SOCIOCULTURAIS VERSUS PRÁTICA TURÍSTICA META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula,

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de 1 1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de Museologia da Universidade Federal de Sergipe; Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Memória

Leia mais

IQUIQUE, NO SECULO PASSADO, FOI UM DOS PORTOS MAIS IMPORTANTES DO PACIFICO SUL, ISSO DEU-SE AO SURGIMENTO A INDUSTRIA DO SALITRE (NITRATO DE SODIO).

IQUIQUE, NO SECULO PASSADO, FOI UM DOS PORTOS MAIS IMPORTANTES DO PACIFICO SUL, ISSO DEU-SE AO SURGIMENTO A INDUSTRIA DO SALITRE (NITRATO DE SODIO). IQUIQUE, NO SECULO PASSADO, FOI UM DOS PORTOS MAIS IMPORTANTES DO PACIFICO SUL, ISSO DEU-SE AO SURGIMENTO A INDUSTRIA DO SALITRE (NITRATO DE SODIO). O PRODUTO ERA EXTRAIDO EM SUA FORMA NATURAL NO DESERTO

Leia mais

Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG

Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG Instituição líder e Coordenação geral - Universidade Federal

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES

OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES OS DIREITOS HUMANOS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES Gisllayne Rufino Souza* UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

JÚLIO GUERRA Lembranças de São Paulo

JÚLIO GUERRA Lembranças de São Paulo JÚLIO GUERRA Lembranças de São Paulo JÚLIO GUERRA Lembranças de São Paulo Universidade Presbiteriana Mackenzie Reitor Prof. Dr.-Ing. Benedito Guimarães Aguiar Neto Vice-Reitor Prof. Dr. Marcel Mendes Chanceler

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais