ANDREA GURGEL DE FREITAS NÃO VER E SER VISTO: UMA EXPERIÊNCIA ENTRE PONTOS DE CULTURA MEDIADA PELA FOTOGRAFIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANDREA GURGEL DE FREITAS NÃO VER E SER VISTO: UMA EXPERIÊNCIA ENTRE PONTOS DE CULTURA MEDIADA PELA FOTOGRAFIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE TERAPIA OCUPACIONAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ACESSIBILIDADE CULTURAL ANDREA GURGEL DE FREITAS NÃO VER E SER VISTO: UMA EXPERIÊNCIA ENTRE PONTOS DE CULTURA MEDIADA PELA FOTOGRAFIA RIO DE JANEIRO ABRIL 2014

2 2 ANDREA GURGEL DE FREITAS NÃO VER E SER VISTO: UMA EXPERIÊNCIA ENTRE PONTOS DE CULTURA MEDIADA PELA FOTOGRAFIA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Centro de Ciências da Saúde, Faculdade de Medicina, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), como parte dos requisitos necessários à obtenção do título de Especialista em Acessibilidade Cultural. Orientadora: Profa. Dra. Patricia Silva Dorneles [UFRJ]. Co-orientador: Prof. Dr. Jefferson Alves Fernandes [UFRN]. RIO DE JANEIRO ABRIL 2014

3 3 COMISSÃO JULGADORA Profa. Dra. Patricia Silva Dorneles Orientadora Profa. Ms. Vera Vieira de Souza Convidada

4 4 À memória de Miguel Godeiro e Terezinha Gurgel, meus pais. A Gabriel Gurgel - meu filho - e a Teotônio Roque - meu companheiro - meu amor, carinho e gratidão pela paciência e cumplicidade. Ao Instituto de Educação e Reabilitação de Cegos, seu Ponto de Cultura Evidência Cultural e aos participantes da Oficina de Fotografia para Pessoas Cegas. A todos e todas que lutam pela igualdade de direitos.

5 5 AGRADECIMENTOS À minha família, em especial, a tia Amélia Gurgel e Manoel Mafra pelo apoio de longa data. Às minhas irmãs, Andrezza Gurgel e Amanda Gurgel, pelos sorrisos e lembranças compartilhadas, mesmo à distância. Ao Ministério da Cultura, à Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural, à Universidade Federal do Rio de Janeiro, à Fundação Universitária José Bonifácio e ao povo brasileiro, por tornar possível minha participação no primeiro curso de especialização em Acessibilidade Cultural do país. À Profa. Patricia Dorneles, por sua ousadia e coragem em coordenar o referido curso; por sua persistência em viabilizar e garantir a participação das discentes, representantes de Pontos de Cultura, das regiões Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste; e por disponibilizar-se em ser minha orientadora. A Glácio Menezes, Geordeci Souza, Rosângela Valim e Dominique Pastore pela disponibilidade em ajudar, cada um à sua maneira, na aquisição de passagens no período em que eu ainda não era bolsista. Aos professores, professoras, bolsistas e colegas de curso de todos os cantos do Brasil especialmente à capixaba Lilian Menenguci e a amapaense Monick França, pelo aprendizado, convivência e gargalhadas na cidade maravilhosa; Lúcia Santos, pelo carinho; Dilma Negreiros e Renata Macedo, queridas representantes de Pontos de Cultura das regiões Sudeste e Centro-Oeste. Ao Prof. Jefferson Fernandes, meu professor na graduação e co-orientador neste trabalho, pelo convite à experiência/vivência da fotografia relacionada à Deficiência Visual. A Célio Turino, meu amigo, idealizador dos Pontos de Cultura/Programa Cultura Viva, pelo exemplo encantador de pensar o bem comum. À Comissão Nacional dos Pontos de Cultura pela luta constante para a continuidade do Programa Cultura Viva. A Cláudia Damasceno e Gerardo Damasceno, do Pontão de Cultura Polo de Produção Audiovisual do Ceará, da Academia de Ciências e Artes ACARTES, de Fortaleza/CE; a Elizama Cardoso e Raimundo Melo, do Pontão de Cultura e

6 6 Comunicação, do Centro de Documentação e Comunicação Popular CECOP, de Natal/RN, pela indicação do meu nome à vaga destinada à região Nordeste. A Marcos Silva e Katiene Symone, do Ponto de Cultura Evidência Cultural, do Instituto de Educação e Reabilitação de Cegos IERC, em Natal/RN, pela confiança e pelo espaço aberto a investigações. A Bruno Lima, pela preciosa contribuição de realizar a consultoria das imagens contidas nesse trabalho. A Henrique José, do Ponto de Cultura Fotografia e Identidade, da ZooN, pela oportunidade de aprendizado no auxílio às oficinas do Projeto. Ao Ponto de Cultura Lumiar, da Olhares entidade que participo e atuo como educadora, fotógrafa e coordenadora de projetos, pela construçãodo caminhar...

7 E como não se pode nunca ver com os próprios olhos, somos todos um pouco cegos. Nós nos olhamos sempre com o olhar do outro, mesmo que seja aquele do espelho. (BAVCAR, 2003, p.12) 7

8 8 RESUMO FREITAS, Andrea Gurgel de. Não Ver e Ser Visto: uma experiência entre Pontos de Cultura mediada pela Fotografia. Rio de Janeiro: UFRJ: Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Acessibilidade Cultural). O presente trabalho Não ver e ser visto: uma experiência entre Pontos de Cultura mediada pela Fotografia trata do relato de uma Oficina Básica de Fotografia para pessoas cegas, realizada na cidade de Natal, capital do Rio Grande do Norte. Tal Oficina, com carga horária de 45h, foi resultado da ação do Ponto de Cultura Evidência Cultural, do Instituto de Educação e Reabilitação de Cegos e o Ponto de Cultura Lumiar, da Olhares, e contou com a participação de nove pessoas cegas [congênita ou adquirida]. O trabalho se orienta metodologicamente como uma pesquisa exploratória sobre a experiência e apresenta uma revisão da literatura sobre a acessibilidade da fruição da fotografia e a deficiência visual. Palavras-chave: Fotografia. Cegueira. Prática Inclusiva. Acessibilidade Cultural.

9 9 ABSTRACT FREITAS, Andrea Gurgel de. Não Ver e Ser Visto: uma experiência entre Pontos de Cultura mediada pela Fotografia. Rio de Janeiro: UFRJ: Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Acessibilidade Cultural). This job "Not to See and be Seen: an experiment between Culture Points mediated Photography" is the story of a Basic Photography Workshop for blind people, held in the city of Natal, capital of Rio Grande do Norte. This workshop, with a schedule of 45h, was the result of the action of the Culture "Cultural Evidence, the Institute for Education and Rehabilitation of the Blind and the Culture Point "Lumiar", the looks and with the participation of nine blind [congenital or acquired]. The work is guided methodologically as an exploratory research about the experience and presents a literature review on the accessibility of the enjoyment of photography and visual impairment. Keywords: Photography. Blindness. Inclusive practice. Cultural accessibility.

10 10 SUMÁRIO INTRODUÇÃO A TROCA DE SABERES ENTRE OS PONTOS DE CULTURA LUMIAR E EVIDÊNCIA CULTURAL Não Ver e Ser Visto: a Oficina de Fotografia para Pessoas Cegas DIÁLOGOS ENTRE AS REFLEXÕES TEÓRICAS E A PRÁTICA A ACESSIBILIDADE DA EXPOSIÇÃO FOTOGRAFANDO COM OS SENTIDOS O roteiro de audioguia com audiodescrição para a Exposição CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS... 49

11 11 INTRODUÇÃO Já faz algum tempo que a fotografia está presente em minha trajetória. E foi, através dela, que tive experiências fantásticas de, até mesmo, encontrar um amor. No final da década de 1990 e início do ano 2000, na capital potiguar, trabalhei numa loja de fotografia, que atendia o público profissional da cidade e não demorou muito tempo para que eu, à época uma jovem mulher de vinte e poucos anos, me encantasse com o instantâneo escrito com luz. De lá para cá, participei de alguns trabalhos educacionais e há cinco anos, atuo na Olhares - uma organização não-governamental constituída por um grupo de artistas que desenvolvem trabalhos nas artes visuais, sendo a fotografia a protagonista, e audiovisual - que tem como objetivo difundir as artes visuais, destacando seus aspectos pedagógicos, sociais, econômicos e ambientais. Em 2008 a Olhares passou a ser Ponto de Cultura 1 com o projeto Lumiar, conveniado com a Fundação José Augusto/Governo do RN e Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural/Ministério da Cultura. A partir de 2009, através do convite do Ponto de Cultura Evidência Cultural, do Instituto de Educação e Reabilitação de Cegos IERC 2 iniciamos, eu e Teotônio Roque 3, nossa experiência de realizar Oficinas de Fotografia para o público com deficiência visual. Entre os anos 2009 e 2012, realizamos três Oficinas sendo que a primeira, despertou-me uma paixão maior. Essa paixão se deu pelo fato de ter sido a mais desafiadora, uma vez que nunca havia tido experiência com esse público. 1 Ponto de Cultura é uma das ações do Programa Cultura Viva, do Governo Federal, instituídopelomincem 06 de julho de 2004 (Portaria nº 156) (DORNELES, 2011, p. 208), que pressupõe autonomia e protagonismo sociocultural, potencializados pela articulação em rede e se expressa como reconhecimento e legitimação do fazer cultural das comunidades, gerando empoderamento social (TURINO, 2009, p. 85) 2 O Instituto de Educação e Reabilitação de Cegos do Rio Grande do Norte (IERC), situado à rua Fonseca e Silva, 1113, no bairro do Alecrim - Natal tem como principal finalidade, promover a habilitação, reabilitação e educação das pessoas cegas ou com deficiências visuais graves, proporcionando oportunidades para o seu pleno desenvolvimento, bem como a sua integração ou reintegração à sociedade, permitindo maior independência e autonomia. 3 Fotógrafo, arte-educador e presidente da Olhares.

12 12 Pelo motivo acima, escolhi a Oficina realizada em 2009, como campo de investigação teórica para o desenvolvimento deste Trabalho de Conclusão de Curso, caracterizando-a como pesquisa exploratória, pois, segundo Gil (2007), a pesquisa exploratória, tem como objetivo principal, o aprimoramento de ideias ou a descoberta de intuições. Seu planejamento é, portanto, bastante flexível, de modo que possibilite a consideração dos mais variados aspectos relativos ao fato estudado. Retomar os dados oriundos desse processo e analisá-los a partir das políticas públicas no campo da cultura, cumpre três grandes objetivos iniciais: destacar o trabalho integrado entre os Pontos Cultura Lumiar e Evidência Cultural na construção de práticas de acessibilidade cultural; contribuir com a formação de atores e profissionais no campo da cultura, acentuando a acessibilidade cultural como questão de direito; contribuir para a produção de conhecimento na área, a partir desta experiência. Ainda, além disso, reafirma o papel da sociedade civil como um ente importante para a legitimação de políticas públicas, neste caso de cultura, e para a implementação de práticas inclusivas como regra e não como exceção. Para realizar tal estudo, utilizei-me de anotações de diário de campo, acervo fotográfico e videográfico que registra a metodologia e o resultado final desta Oficina, e minha memória como narrativa de um processo e de uma experiência inovadora entre a ação integrada entre Pontos de Cultura, a técnica fotográfica, a experiência pedagógica e o público alvo de pessoas cegas. Desta forma, os métodos de pesquisa deste trabalho se caracterizam como qualitativos, incluindo um memorial e diálogos com referências bibliográficas. Nesse sentido, este trabalho está estruturado em três capítulos: o primeiro, intitulado, A troca de saberes entre os Pontos de Cultura Lumiar e Evidência Cultural no qual falarei da parceria entre os esses dois Pontos de Cultura, característica do Programa Cultura Viva, bem como, abordarei a metodologia utilizada na Oficina de Fotografia para Pessoas Cegas. O segundo, intitulado Diálogos entre as reflexões teóricas e a prática no qual apresento alguns depoimentos dos participantes da Oficina. É importante registrar, que tais depoimentos não foram para a realização deste Trabalho. Eles foram feitos durante a realização da Oficina que, como mediadora e pesquisadora da referida Oficina, utilizo-

13 13 os para exemplificar alguns resultados do processo criativo, assim como também, utilizo o diário de campo e análises documentais dos dois Projetos. E, finalmente, o terceiro capitulo, intitulado A acessibilidade da exposição Fotografando com os Sentidos, no qual apresento minha proposta de acessibilidade para a referida exposição, resultado da Oficina de Fotografia, como democratização e fruição estética de outras pessoas cegas que não participaram da atividade mas que, através da audiodescrição, terão acesso aos registros fotográficos. Para o público vidente, considero que a acessibilidade, tanto do processo quanto do produto final, servirá para compreender e perceber a contribuição para a produção imagética e cultural dessas pessoas cegas.

14 14 1 A TROCA DE SABERES ENTRE OS PONTOS DE CULTURA LUMIAR E EVIDÊNCIA CULTURAL A Olhares, proponente do Ponto de Cultura Lumiar, conveniada com o Governo do Estado do Rio Grande do Norte 4, através da Fundação José Augusto, tem como objetivo disseminar as artes visuais, sobretudo a fotografia, e nesse sentido vem, a anos, desenvolvendo as oficinas Retratada Cidadania 5, cujo produto final é a publicação de cartões postais. Apenas no estado do Rio Grande do Norte, já foram mais de vinte e quatro mil cartões postais de várias cidades por onde passamos. Como reconhecimento de nossa atuação na área, já fomos convidados a apresentar nossas produções, não só no campo da arte educação, como também com nosso trabalho autoral, num evento internacional, em Portugal, nos anos de 2007, com a exposição de cartões postais de várias cidades do RN; 2008, com a exposição fotográfica Por Ser de Lá 6 e a realização de uma oficina de fotografia para um público de jovens, cuja maioria era de etnia cigana; e 2012, com a exposição coletiva de fotografia Territórios EmCantados: Músicas e Danças do Mundo 7. Nossas ações apresentadas no projeto Ponto de Cultura Lumiar, são voltadas para a produção audiovisual. Elas têm como objetivo valorizar o fazer artístico, registrando e incentivando as mais diversas manifestações culturais do Rio Grande do Norte, a partir de produções de vídeos dos Pontos de Cultura do estado. Nosso entendimento é de que a arte, a cultura e a educação são ferramentas de transformação e conscientização. Acreditamos que uma das formas mais eficazes da 4 A descentralização dos convênios por parte do Ministério da Cultura para ampliação da rede em âmbito nacional, busca parceria com governos e prefeituras. 5 Através das atividades desenvolvidas ao longo dos anos por esse projeto, concorremos e fomos selecionados pelo Prêmio Ponto de Memória, do Instituto Brasileiro de Museus IBRAM, cujo objetivo é apoiar ações e iniciativas de reconhecimento e valorização da memória social. Com metodologia participativa e dialógica, os Pontos trabalham a memória de forma viva e dinâmica, como resultado de interações sociais e processos comunicacionais, os quais elegem aspectos do passado de acordo com as identidades e interesses dos componentes do grupo. Fonte: acessado em 08 de março de Com imagens produzidas por mim e Teotônio Roque. 7 Cinco fotógrafos: dois do Rio Grande do Norte [eu e Teotônio Roque]; dois de Minas Gerais; e um de Portugal.

15 15 cidadania é o acesso às manifestações artísticas e culturais, não sendo o sujeito apenas um expectador, mas, principalmente, protagonista no processo criativo dessas manifestações. É importante destacar, que fazemos questão de utilizar o selo Ponto de Cultura em nossas atividades, mesmo aquelas que não estão previstas no Plano de Trabalho do projeto, porque temos a compreensão de que tal posicionamento fortalece e mantém viva a nossa rede. Por isso e por muito mais além, seremos, sempre, Ponto de Cultura. Sobre o IERC, o Sr. Marcos Silva, presidente da instituição, em entrevista para a realização deste Trabalho, informou que o Instituto de Educação e Reabilitação de Cegos foi fundado em 16 de julho de No inicio, tinha a preocupação social das pessoas com deficiência, mas, passados vinte e seis anos, uma assistente social assumiu a presidência e começou a pensar e visualizar uma nova perspectiva, que seria investir na educação e reabilitação das pessoas cegas. A partir de 1978, o Instituto começou a trabalhar com a escola fundamental, do 1º ao 5º ano e também começou a investir na reabilitação. Ao invés de proteger e dar apoio social ao aluno, ela passou a orienta-lo para que ele (o aluno cego) pudesse buscar sua própria ajuda dentro da sociedade e com isso ia se tornando uma pessoa integrada e participativa na sociedade. (SILVA. Entrevista, 06/03/2014) O IERC tem uma área de metros quadrados, sendo 958 metros quadrados de área construída, com capacidade para atender 200 alunos 8. Em 2014, o Instituto está atendendo 168 pessoas com deficiência visual, com faixa etária diversificada, de bebês a idosos. No que diz respeito ao Ponto de Cultura Evidência Cultural 9, apontou que o objetivo do projeto foi inserir as pessoas cegas num contexto cultural e, para isso, foi pensado a realização de algumas oficinas, como a de fotografia, a de vídeo, a de canto coral, para que o cego pudesse estar em contato com elementos que todas as pessoas, ditas normais, utilizam. [...] Oportunizar a inserção da pessoa cega no mundo cultural, para que tivesse uma participação, não apenas como figurante, mas como ator protagonista no processo (SILVA. Entrevista, 06/03/2014). 8 Oferece: atendimento Psicológico, Assistente Social, aulas de Orientação e Mobilidade, Ensino do Sistema Braille, Educação Física, Esportes [Karatê, GoalBall], Música, Oficina de Artes etc. 9 Aprovado em 2008 e atualmente está inativo. Foi conveniado com Ministério da Cultura.

16 16 O Programa Cultura Viva Pontos de Cultura tem como proposta fortalecer a solidariedade popular, por meio de intercâmbios de experiências e trocas de tecnologia social, formando, assim, a Rede Cultura Viva. Esta deve ser entendida, segundo a proposta do Programa, como algo maleável, menos impositiva na sua forma de interagir com a realidade, e por isso, ágil e tolerante como um organismo vivo. Seu objetivo [...] é fazer uma integração dos Pontos em uma rede global que aconteça a partir das necessidades e ações locais e desenvolver uma ação proximal dos Pontos, onde a troca, a instigação e o questionamento, elementos essenciais para o desenvolvimento da cultura aconteçam num contato horizontal, sem relação de hierarquia ou superioridade entre culturas (TURINO, 2004, p.15 apud DORNELES, 2011, p. 217). Portanto, é função dos Pontos de Cultura, atuarem com metodologias emancipatórias que se identificam com os princípios do referido Programa. Nesse sentido, a parceria realizada entre os Pontos de Cultura Evidência Cultural, do Instituto de Educação e Reabilitação de Cegos e Lumiar, da Olhares, para a realização da Oficina de Fotografia para Pessoas Cegas, exemplifica a relação de Rede, de troca de saberes, expertises e economia solidária. 1.1 Não Ver e Ser Visto: A Oficina de Fotografia para Pessoas Cegas Com o propósito de propiciar o acesso de pessoas cegas à linguagem fotográfica como meio de expressividade, na perspectiva da inclusão visual, a Oficina buscou desenvolver uma metodologia que articulasse a cegueira e a fotografia, garantindo a ação autoral dos cegos que se expressam por meio das imagens. A Oficina, com carga horária de 45h, foi realizada no auditório do IERC e os participantes eram usuários e/ou estudantes da instituição. Os quatorze encontros realizados aconteceram no período de 13 de Abril a 26 de Maio de 2009, e contou com a participação de 09 pessoas, das quais eram sete homens e duas mulheres, com faixa etária entre 29 a 55 anos, todos cegos. No auditório, deixávamos uma parte com espaço maior para formar um semicírculo com as carteiras disponibilizadas. As carteiras eram de estrutura metálica, com assento e encosto de madeira e uma superfície plana e retangular, na horizontal.

17 17 As máquinas 10 eram enumeradas e cada participante utilizava o mesmo equipamento até o final da Oficina para facilitar a identificação da autoria das imagens produzidas. No primeiro encontro, conversamos sobre o quadro clinico, a idade, a experiência com imagens e a expectativa da Oficina. Em seguida, distribuímos uma máquina fotográfica para cada participante. A partir da exploração tátil e da curiosidade, foram surgindo perguntas. Formamos duplas, onde um fotografou o outro, sem a interferência dos mediadores. Em seguida, selecionamos três imagens de cada para serem discutidas. No segundo encontro,conversamos sobre as sensações que tiveram ao se lembrarem da participação na Oficina e então iniciamos o conceito de enquadramento. Para tanto, distribuímos molduras de cartolina, que mediam, aproximadamente, 20x30 cm. Como exercício, pedimos que enquadrassem uma das mãos e, com a outra, percebessem o que está dentro e o que está fora do quadro. Em seguida, utilizando a mesma orientação, pedimos que o enquadramento fosse feito no rosto. A partir desse exercício, conversamos sobre alguns planos da linguagem fotográfica e dividimos a turma em duplas. A pauta foi um fotografar o outro, fora do auditório, mas ainda nas dependências do IERC. As imagens deveriam ser centralizadas e descentralizadas. Pedimos para que prestassem atenção à comunicação da máquina com quem está fotografando, como por exemplo, o sinal sonoro do foco e ao barulhinho produzido durante o click. Ao término da pauta, todos voltaram para o auditório para análise das imagens. As máquinas eram conectadas a uma TV de 29, disponibilizada no auditório, para que pudéssemos enxergar as imagens com maiores detalhes, para descrevê-las e depois comentá-las. Enquanto as fotografias produzidas durante a pauta eram descritas, eles as construíam sobre a superfície plana da carteira com três elementos 11 de E.V.A 12 que representavam partes do corpo do colega: cabeça; tronco e membros superiores; e membros inferiores. 10 O Ponto de Cultura Evidência Cultural adquiriu dez máquinas digitais amadoras. 11 Formas geométricas, de um jogo infantil, que estavam no auditório. A ideia de utilizá-las surgiu na necessidade de ter algo que representasse as partes do corpo. 12 Abreviação de Etil Vinil Acetato, também conhecido como material emborrachado.

18 18 Figura1. Exercício de enquadramento utilizando moldura de cartolina. Natal, RN Foto: Teotônio Roque Descrição da figura 1. Fotografia horizontal e colorida, do exercício de enquadramento utilizando moldura de cartolina. Apoiada sobre a superfície plana e retangular de uma carteira escolar, encontrase a mão esquerda e fechada, de uma mulher. A moldura que é de cor cinza e azul, está colocada sobre essa mão, fazendo um enquadramento até o seu pulso. Com a mão direita ela toca a mão esquerda que está emoldurada. [Fim da descrição]

19 19 Figura 2. Exercício de enquadramento utilizando moldura de cartolina. Natal, RN Foto: Teotônio Roque Descrição da Figura 2. Fotografia colorida e horizontal, em close, de um participante da Oficina utilizando uma moldura de cartolina azul. Ele está de frente para o fotógrafo e com as duas mãos segura a moldura em posição horizontal, à altura do seu rosto, fazendo um enquadramento da testa até abaixo da boca. Na moldura, seu rosto está levemente descentralizado para a direita. [Fim da descrição] No terceiro encontro, antes de os participantes chegarem, montei a regra dos terços 13, na superfície plana e retangular de suas carteiras, com barbante e fita adesiva. Ao chegarem, perguntei se tinham alguma dúvida sobre o que já havíamos 13 Regra dos terços é a divisão do quadro da fotografia com duas linhas verticais e duas horizontais, deixando-o com nove quadros menores. O cruzamento entre essas linhas é chamado de pontos de ouro.

20 20 experimentado até então e se não tinham curiosidade em saber para que serviam todos os botões das câmeras. A partir dos questionamentos, ia explicando as funções.turma dividida em duplas. Delimitei a quantidade de cinco fotografias para cada participante e um tempo de quinze minutos. Essa delimitação funciona para a preocupação de buscar mais a qualidade da imagem produzida que a quantidade. Após a pauta ser realizada, optei em descrever uma foto por cada participante, mas antes, perguntava qual foto, feita por ele, gostaria de ser descrita. Essa solicitação servia para saber da coerência da construção da imagem mental elaborada antes do momento do click com a imagem produzida após o click. Figura 3. Exercício prático de fotografar colegas. Natal, RN Foto: Andrea Gurgel Descrição da Figura 3. Fotografia horizontal e colorida. À direita, uma participante da Oficina, de costas para a fotógrafa, aparece em Plano Médio, da cintura para cima, com o corpo levemente voltado para a direita. Ela é branca, tem cabelos longos, ondulados e

21 21 castanhos, e veste uma blusa branca. Seu braço esquerdo está esticado para frente à altura do ombro, em direção a dois rapazes. No seu rosto, na altura dos olhos, há uma câmera fotográfica em posição horizontal. Os rapazes estão à esquerda da imagem, um ao lado do outro, e aparecem em Plano Americano, do joelho para cima. Eles são pardos, têm cabelos curtos e escuros, vestem calça jeans e blusa. Cada um segura, com a mão direita, uma câmera fotográfica. Por trás deles, há uma janela e porta marrons que estão fechadas. [Fim da descrição] Figura 4. Regra dos terços adaptada com barbante na superfície plana de uma carteira e elementos de E.V.A. Natal, RN Foto: Andrea Gurgel Descrição da Figura 4. Fotografia horizontal e colorida. Sobre a superfície plana e retangular de uma carteira escolar, estão fixados quatro fios de barbante, dois em posição vertical e dois em posição horizontal, formado nove retângulos. À direita, por cima do barbante

22 22 vertical, estão distribuídos três elementos de E.V.A. De baixo para cima, eles são: um triângulo azul, um quadrado roxo e, por último, um coração vermelho que é tocado por mãos masculina e feminina. [Fim da descrição] Figura 5. Regra dos terços adaptada com barbante na superfície plana de uma carteira e elementos de E.V.A. Natal, RN Foto: Andrea Gurgel Descrição da Figura 5. Fotografia horizontal e colorida da superfície plana da carteira com a regra dos terços montada com fios de barbante. Os braços de um participante da Oficina estão apoiados sobre a carteira nas laterais esquerda e direita. No espaço entre os braços, estão uma máquina fotográfica, cuja alça está presa ao punho direito, e os três elementos de E.V.A., coração, quadrado e triângulo. [Fim da descrição].

23 23 No quarto encontro, a pauta foi fotografar o colega, em corpo inteiro, com a máquina em posição horizontal. Eles poderiam escolher qualquer lugar do IERC como cenário. A maioria escolheu a quadra de esportes. Ao retornarem, utilizávamos sempre a sequência de fotografar, conectar a câmera na TV e discutir a comparação da fotografia imaginada com a fotografia produzida. No quinto encontro, iniciamos nossa atividade pedindo para que cada participante imaginasse uma fotografia qualquer e a descrevesse oralmente para as pessoas presentes. Nesse encontro, tivemos dois momentos práticos: o primeiro era fazer três fotografias de uma pessoa que estivesse no IERC. Só não poderia ser algum colega participante da Oficina. Ao retornarem, cada participante falou do recurso que utilizou para chegar até à pessoa escolhida e que tipo de diálogo tiveram para construírem a imagem mental antes de registrarem a fotografia. No segundo momento, a turma foi dividida em duplas e a pauta foi fotografar o IERC. Para isso, o dividimos em três temas: Parque; Fachada; e Salas de Aula. Ao retornarem, fizemos, como de costume, a comparação da fotografia imaginada para a fotografia produzida. No sexto encontro, conversamos sobre a metodologia da Oficina e o que eles sugeriam que fosse modificado. Um dos participantes falou da dificuldade em fotografar descentralizado porque, ao descentralizar, deixa de ter referência àquilo que está sendo fotografado. Essa preocupação surgiu devido à nossa orientação de evitar centralizar o assunto fotografado, devendo, então, explorar as linhas esquerda e direita, da regra dos terços, bem como os seus pontos de ouro. Nesse dia, utilizamos a música Tocando em Frente, de Almir Sater e Renato Teixeira como exercício para imaginar fotografias. A tarefa era sintetizar a música, em apenas uma imagem, e cada um deveria descrever a imagem elaborada mentalmente. Uma dessas imagens foi bastante elogiada pelos participantes. Ela era horizontal e mostrava um entardecer com uma árvore à direita, em primeiro plano 14, meio em contraluz, pássaros voando e uma casa branca com alpendre 15 ao seu redor. Foi um momento relaxante e descontraído entre o grupo. No sétimo encontro, conversamos sobre a História da Fotografia e Linguagem Fotográfica. Para isso, elaboramos uma apostila, que foi impressa em Braille no próprio 14 O assunto fotografado que está mais próximo do expectador. 15 Espaço coberto, reentrante e aberto, na fachada de uma casa (FERREIRA, 2004, p. 112)

24 24 Instituto. A leitura da apostila era em voz alta, sendo um parágrafo por cada participante (minha apostila era impressa em tinta). As curiosidades e dúvidas eram discutidas no momento em que surgiam. Eles ficaram admirados com a evolução da tecnologia que fez com que as câmeras fotográficas e o tempo de exposição à luz para se fazer uma imagem fosse bastante reduzido. Levamos um rolo de filme de 36 poses e três modelos de cartões de memória, além de uma máquina mecânica e outra digital semiprofissional, que foram passando por todos os participantes, que ficaram impressionados com o tamanho e o peso desta última. Dessa vez, passamos uma atividade para casa, que foi a leitura da apostila principalmente o conteúdo referente à Linguagem Fotográfica 16. No oitavo encontro, fizemos uma revisão teórica do conteúdo da apostila e realizamos, no próprio espaço do auditório, alguns exercícios práticos sobre composição, sem a utilização da câmera fotográfica. No nono e décimo encontros, a turma foi dividida em duplas e as máquinas fotográficas foram entregues a seus respectivos usuários. Fomos para a quadra de esportes. O exercício era trabalhar os planos Close, Médio, Americano e Inteiro, utilizando a distância de quem está fotografando com o assunto a ser fotografado, ou seja, não era utilizado o zoom da câmera. O instrumento de referência para medir a distância entre um participante e outro era o próprio corpo. A dupla escolhia quem ia fotografar primeiro e o outro seria o modelo. Definido fotógrafo e fotografado, pedi para quem ia fotografar, tocar o rosto do colega e depois alongar o braço para ter uma distancia razoável. Feito isso, o exercício era fazer duas fotografias: uma em posição horizontal e outra em posição vertical. Nessa distância de um braço, aproximadamente 60cm 17, pode-se fazer um Close. Fase seguinte foi fotografar a uma distância de aproximadamente 1,10m (distância do braço mais a distância UM passo para trás). Nessa espaço, encontramos o Plano Médio tanto com a máquina em posição horizontal 16 Na ocasião trabalhamos composição e alguns planos e ângulos: close [do busto para cima], médio [da cintura para cima], americano [do joelho para cima], inteiro; frontal, perfil, plongée [ângulo de cima para baixo], contra-plongée [ângulo de baixo para cima]. 17 As fotografias nessa distância, com as máquinas utilizadas no curso, deixavam o rosto de quem foi fotografado meio distorcido, arredondado, pelo fato de a lente estar numa grande angular. Não utilizamos o zoom em nenhuma atividade.

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO AS TECNOLOGIAS FAZENDO A DIFERENÇA NO DESEMPENHO ESCOLAR DOS ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS NA ESCOLA INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ISABEL DE ESPANHA 28ª CRE FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine

Leia mais

SocialDB Social Digital Library

SocialDB Social Digital Library Social Digital Library Laboratório L3P NARRATIVA DO PROJETO SOCIALDB 06/2015 Gestor de uma coleção "Sou produtor cultural (ou fotógrafo) e quero criar um lugar na internet com uma seleção de obras artísticas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL HILDA TEIXEIRA GOMES VILMA GOMES SAMPAIO ctbiha@rioeduca.net INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF 1 INTRODUÇÃO Pensando em uma escola

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille Rodrigo Cardoso dos Santos 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo do trabalho. Por

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo.

Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo. Temática(s): Acessibilidade em Bibliotecas Tipo de Trabalho: Relato de Experiência Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo.

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

ESPAÇO URBANO: inclusão, oportunidade e acessibilidade a todos, relato de uma oficina sobre mobilidade urbana

ESPAÇO URBANO: inclusão, oportunidade e acessibilidade a todos, relato de uma oficina sobre mobilidade urbana ESPAÇO URBANO: inclusão, oportunidade e acessibilidade a todos, relato de Bolsista PET Geografia - Instituto de Geografia wesleygeoufu@gmail.com Com o intuito de conhecer mais sobre as políticas públicas

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

Quem faz a diferença? E.E.E.I. Olímpio Catão Sala 10 - Sessão 1

Quem faz a diferença? E.E.E.I. Olímpio Catão Sala 10 - Sessão 1 Quem faz a diferença? E.E.E.I. Olímpio Catão Sala 10 - Sessão 1 Professor(es) Apresentador(es): responsável: Simone da Silva de Paula corresponsável: Lucilene Fernandes Realização: Foco O Projeto Quem

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

DIFERENTES PERCEPÇÕES

DIFERENTES PERCEPÇÕES 1 RESUMO DO TRABALHO DIFERENTES PERCEPÇÕES Colégio Londrinense Alunas: Isadora Ferreira Pelisson Raquel Maria de Barros Orientadora: Wiviane Knott Sá Oliveira Silva Os olhos são considerados uns dos principais

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia E.E. Frontino Guimarães Sala 5 2ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Meire Pereira de França Roseli Fernandes Euquério Lima Realização: Foco Desenvolvimento da

Leia mais

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Luciana Vieira Professora efetiva rede estadual de ensino de Santa Catarina e doutoranda em Ensino de Geografia/UFRGS lucianageografia1996@gmail.com

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL

O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL O DIÁLOGO COM AS CRIANÇAS PEQUENAS - REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO INFANTIL Viviane Cardoso¹ Resumo: O objetivo desse artigo é refletir como os ideais da pedagogia freireana tem contribuído para as práticas

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

SEMEART: A ARTE DA DANÇA COMO ATIVIDADE FÍSICA E EDUCATIVA PARA A COMUNIDADE JATAIENSE. Palavras-chave: Dança; Expressão Corporal; Cultura; Educação.

SEMEART: A ARTE DA DANÇA COMO ATIVIDADE FÍSICA E EDUCATIVA PARA A COMUNIDADE JATAIENSE. Palavras-chave: Dança; Expressão Corporal; Cultura; Educação. SEMEART: A ARTE DA DANÇA COMO ATIVIDADE FÍSICA E EDUCATIVA PARA A COMUNIDADE JATAIENSE REZENDE, Cláudia Moraes. SANTOS, Silvânia Silva. BRAIT, Lilian Ferreira Rodrigues. MACÊDO, Keila Márcia Ferreira.

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento e Critérios de Avaliação de Trabalho de Conclusão de Curso Especialização em Acessibilidade Cultural Departamento de Terapia Ocupacional da UFRJ. Rio de Janeiro, 2013 Responsáveis pela elaboração

Leia mais

esta escola é o bicho!

esta escola é o bicho! esta escola é o bicho! PROJETO ESTA ESCOLA É O BICHO! Porto Alegre, Março de 2015. Marina Favarini Tathiana Jaeger apresentação Com este escrito, Gerência de Programas Educacionais da Secretaria Especial

Leia mais

ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL

ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL SILVEIRA, Tatiana dos Santos da FURB - Universidade Regional de Blumenau silsa@terra.com.br

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema

7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema 7º Prêmio VIVALEITURA Edição Lúcia Jurema TÍTULO JUSTIFICATIVA Pontes da Leitura por Ravel Andrade de Sousa As atividades descritas neste projeto foram por mim realizadas na Sala de Leitura, a partir do

Leia mais

O problema das drogas e suas conseqüências na família, na escola e na

O problema das drogas e suas conseqüências na família, na escola e na NÍVEL DE CONHECIMENTO SOBRE AS DROGAS DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DA UNIDADE ESCOLAR SOLANGE SINIMBU VIANA AREA LEÃO/ CONJUNTO PROMORAR -TERESINA/PI Lúcia Gomes Pereira dos Santos (Secretaria Estadual

Leia mais

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO

O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO O ALUNO CEGO NO CONTEXTO DA INCLUSÃO ESCOLAR: OS DESAFIOS NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA RESUMO Edinéia Terezinha de Jesus Miranda PPGEC - UNESP/Bauru Neia.terezinha@gmail.com Nesse

Leia mais

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos...

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Gilberto Gil file:///c:/documents and Settings/normapaula/Meus documentos/norma

Leia mais

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil

Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Educação a Distância oportunizando a melhoria da Gestão da Saúde no Brasil Natal- RN- Maio de 2015 Thais Paulo Teixeira Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte - thais.paulo@hotmail.com Nathalia

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL AS CONTRIBUIÇÕES DO CURRÍCULO E DE MATERIAS MANIPULATIVOS NA FORMAÇÃO CONTINUADA EM MATEMÁTICA DE PROFESSORES DOS ANOS INICIAS DO ENSINO FUNDAMENTAL Sheila Valéria Pereira da Silva (UFPB Campus-IV) sheilavaleria88@yahoo.com.br

Leia mais

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES

OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES OFICINA DE FOTOGRAFIA E VÍDEO COM CELULARES RELATÓRIO Oficina de fotografia e vídeo com celulares como ferramenta de inclusão visual através de tecnologias acessíveis, percepção do território, construção

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023

MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 MINISTÉRIO DA CULTURA Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural - SID Telefone: 3316-2102 Fax: (61) 3316-2023 Nota Técnica nº /2009/SID/MinC Em, de abril de 2009 Ao Sr. Chefe de Gabinete CG/SE/MinC

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015

Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha. Planejamento para 2015 Polo Universitário Santo Antônio Núcleo de Tecnologia Educacional Santo Antônio da Patrulha Planejamento para 2015 Formação Aprender faz parte da vida, sendo um processo permanente de desenvolvimento humano

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA

MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA MERCADO MUNICIPAL PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE UBERLÂNDIA Soraia Cristina Cardoso Lelis soraia@aromata.com.br Escola de Educação Básica da UFU Relato de Experiência Palavras-chave: Patrimônio Histórico, Artes

Leia mais

Meu olhar sobre o lazer

Meu olhar sobre o lazer I Concurso e Mostra Fotográfica Cultural do IFRS Campus Restinga Meu olhar sobre o lazer 1 Apresentação A fotografia artística pode ser considerada como uma manifestação de arte não convencional. Simplesmente

Leia mais

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Projetos educacionais transformadores realizados por instituições de ensino particular do Paraná ganharam reconhecimento

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia

A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia A contribuição da Psicanálise na atenção ao jovem no Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil e na formação do estudante de Psicologia Susane Vasconcelos Zanotti e Adélia Augusta Souto de Oliveira

Leia mais

Prêmio Sinepe. 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural. Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo.

Prêmio Sinepe. 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural. Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo. Prêmio Sinepe 10 Prêmio Responsabilidade Social Categoria: Desenvolvimento Cultural Literarte 2015 Artes Visuais no Distrito Criativo tempo Apresentação do Projeto Um pouco de História do Colégio Batista

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

:: NOVA ESCOLA ON-LINE ::

:: NOVA ESCOLA ON-LINE :: Page 1 of 7 Planos de aula Educação Infantil Conhecimento de Mundo Natureza e Sociedade Seres Vivos Plano de trabalho O ovo vira pinto Introdução Muito freqüentemente, o trabalho com as ciências naturais,

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014

Uma enorme rodinha. Juntando Pedacinhos. Semana de Treinamento. Projeto de Formação Continuada. Carnaval 2014 Semana de Treinamento Carnaval 2014 Projeto de Formação Continuada Uma enorme rodinha Juntando Pedacinhos Neste momento essa junção de cacos que são muitas de nossas experiências dos anos anteriores, nossas

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Brincar de ler e escrever

Brincar de ler e escrever I Edital FNA 2015 Brincar de ler e escrever A Fundação Negro Amor - FNA foi criada em 2008 e, desde então, desenvolve ações na área socioeducativa e cultural, com foco na promoção da educação infantil

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes

Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes Financiamento e apoio técnico Inscrições abertas para edital com foco em crianças e adolescentes A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) e o Conselho Nacional dos Direitos

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Relacionamento professor-aluno Professor:

Leia mais

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIOS DAS OFICINAS: CUIDANDO DO CUIDADOR: CPPT CUNIÃ Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO E REPRESENTAÇÕES LTDA 4ª Oficina Data: 31/07/2012

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

Roteiro. 1.O Projeto. 2.Plano de trabalho previsto. 3.Atividades realizadas e evidências. 4.Atividades extras. 5.Resultados

Roteiro. 1.O Projeto. 2.Plano de trabalho previsto. 3.Atividades realizadas e evidências. 4.Atividades extras. 5.Resultados oteiro 1.O Projeto 2.Plano de trabalho previsto 3.Atividades realizadas e evidências 4.Atividades extras 5.esultados O Projeto: FILMA NOIS EDUCOMINICANDO FUTEBOL E DESENVOLVIMENTO O Projeto A expressão

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I SÉRIE: EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL

Leia mais