[COM(2003) 650 final] (2004/C 110/08)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[COM(2003) 650 final] (2004/C 110/08)"

Transcrição

1 Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Proposta da Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Igualdade de oportunidades para as pessoas com dificiência: Plano Europeu» [COM(2003) 650 final] (2004/C 110/08) Em 30 de Outubro de 2003, a Comissão Europeia adoptou uma comunicação dirigida ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões sobre a proposta supramencionada. Incumbida da preparação dos correspondentes trabalhos, a Secção Especializada de Emprego, Assuntos Sociais e Cidadania emitiu parecer em 4 de Fevereiro de 2004, sendo relator Miguel CABRA de LUNA. Na 406.ª reunião plenária de 25 e 26 de Fevereiro de 2004 (sessão de 25 de Fevereiro), o Comité Económico e Social Europeu adoptou, por 116 votos a favor, sem votos contra e 1 abstenção, o presente parecer. 1. Introdução 1.1 O CESE acolheu com grande interesse a comunicação da Comissão Europeia «Igualdade de oportunidades para as pessoas com deficiência: Plano de Acção Europeu». Em diversos pareceres, o CESE afirmou que o êxito do Ano Europeu das Pessoas com Deficiência deveria ser avaliado em função dos resultados concretos que produzirá. A comunicação constitui um bom enquadramento para dar continuação ao Ano Europeu das Pessoas com Deficiência. 1.2 As pessoas com deficiência (1) constituem 10 % da população, uma percentagem que tende a aumentar com o envelhecimento das sociedades, elevando-se a cerca de 50 milhões de pessoas na União Europeia alargada. Se a este número somarmos os parentes das pessoas com deficiência, é óbvio que não estamos a falar de uma pequena minoria da população. 1.3 Durante o ano de 2003, o CESE continuou a abordar de forma crescente o problema da deficiência. Alguns exemplos de acções neste domínio são: a elaboração de parecer sobre a Convenção das Nações Unidas sobre os direitos das pessoas com deficiência (2), a organização de dois seminários sobre o emprego das pessoas com deficiência e a avaliação do Ano Europeu, a preparação de uma nota de orientação sobre a integração da dimensão da deficiência nos serviços do CESE e a realização na sua sede de uma exposição de quadros pintados por artistas com deficiência. A cooperação entre o CESE e o Fórum Europeu das Pessoas com Deficiência, em conjunto com outras organizações, continuou a revelar-se muito útil. 1.4 O CESE considera que o Ano Europeu das Pessoas com Deficiência contribuiu para uma maior sensibilização da sociedade para as pessoas com deficiência. Um dos principais objectivos do Ano Europeu consistiu em sensibilizar para o facto de a deficiência ser uma questão de direitos. Contudo, é de referir que as diferentes iniciativas nacionais para aprofundar a legislação em matéria de protecção contra a discriminação das pessoas com deficiência estão a contribuir para um aumento das discrepâncias entre os Estados-Membros, o que não só prejudica o conceito de uma Europa social, mas cria também mais obstáculos a um verdadeiro mercado interno. 1.5 A iniciativa das Nações Unidas de promover uma Convenção dedicada exclusivamente à questão dos direitos das pessoas com deficiência contribuiu para o reconhecimento da deficiência como uma questão de direitos humanos. 1.6 A nova constituição europeia será mais incisiva em relação à deficiência e incluirá uma cláusula que determina a integração da luta contra a discriminação em todas as áreas políticas. O potencial desta nova cláusula tem ainda de ser examinado. (1) Tendo em conta a nova perspectiva da deficiência fomentada durante o Ano Europeu das Pessoas com Deficiência, é talvez chegado o momento de rever a terminologia usada para definir as pessoas deficientes e a deficiência, terminologia esta que em muitos países nunca evoluiu, reflectindo ainda uma abordagem ultrapassada. (2) JO C 133 de

2 1.7 Acolhe-se com grande entusiasmo a inclusão da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia no Tratado da UE, em particular porque o artigo 21.º, que proíbe a discriminação, nomeadamente das pessoas com deficiência, e o artigo 26.º sobre a integração das pessoas com deficiência reconhecem a necessidade de medidas destinadas a assegurar-lhes a sua autonomia, a sua integração social e profissional e a sua participação na vida da comunidade. 1.8 Os novos dados do Eurostat sobre o emprego revelam que 78 % das pessoas com deficiência grave em idade activa não têm trabalho, comparado com uma percentagem de 27 % nas pessoas sem deficiência. Assim, na população activa, a taxa de desemprego é quase duas vezes superior nas pessoas com deficiência grave em relação às pessoas sem deficiência. Apenas 16 % dos indivíduos que enfrentam obstáculos no trabalho beneficia de algum tipo de assistência para trabalhar (3). Analisadas à luz das diferenças entre os sexos, estas estatísticas revelam que a situação é ainda pior para as mulheres portadoras de deficiência. 2. Observações à proposta da Comissão e sugestões 2.1 O CESE congratula-se com o facto de o Ano Europeu das Pessoas com Deficiência ter culminado na apresentação de um plano de acção concreto para o período de Contudo, sente-se na obrigação de realçar que o plano de acção padece de alguma falta de ambição, pelo que gostaria de propor alguns elementos adicionais para serem tidos em conta, se possível, já na primeira fase do plano de acção, caso contrário, no período após Em parecer anterior (4), o CESE propusera o lançamento de um método aberto de coordenação das políticas em matéria de deficiência, pelo que saúda a proposta da Comissão de apresentar relatórios bienais sobre este tema. O CESE considera que estes relatórios deveriam basear-se em orientações comuns para permitir uma aferição de desempenhos entre os países. Apesar de o emprego ser naturalmente uma prioridade para as pessoas com deficiência, os relatórios deveriam focar igualmente outros domínios políticos. A inclusão social e a plena participação das pessoas com deficiência na sociedade deveriam ser princípios orientadores e objectivos globais. O CESE propusera que os resultados destes relatórios bienais fossem apresentados ao Conselho «Emprego e Política Social». Neste processo, é fundamental a participação de organizações representativas das pessoas com deficiência a nível nacional e comunitário. 2.3 O CESE saúda a menção feita na comunicação da Comissão ao projecto de reforço das capacidades levado a cabo pelo Fórum Europeu das Pessoas com Deficiência nos dez países em vias de adesão. Por forma a tirar partido do trabalho realizado por este projecto, o CESE gostaria que fosse dada especial atenção às organizações representantes das pessoas com deficiência nos dez países aderentes durante um período transitório. A adopção de medidas específicas possibilitaria a estas organizações aumentar o seu nível de conhecimento, tornando-se assim realmente activas na execução das políticas comunitárias em benefício dos portadores de deficiências. Há que aumentar o apoio às organizações que representam as pessoas com deficiência dos países candidatos que não vão aderir à UE em Maio de O CESE saúda a proposta da Comissão de preparar um documento de trabalho sobre como integrar a deficiência em todas as Orientações para a Política de Emprego e propõe que se complemente este documento com a criação de um mecanismo de acompanhamento específico que permita a elaboração de recomendações específicas a cada Estado- Membro sobre a integração das questões de deficiência. A este respeito haveria que dar prioridade ao emprego das pessoas com deficiência no mercado de trabalho aberto, incluindo o emprego por entidades e órgãos públicos, bem como a medidas especiais para abordar a questão do emprego das pessoas com deficiência nas zonas rurais. O papel dos parceiros sociais neste processo é vital. Tendo em conta a evolução demográfica das nossas sociedades, o aumento da taxa de emprego das pessoas com deficiência poderá ter, de um ponto de vista económico, um impacto positivo enorme. (3) «Employment of disabled people in Europe in 2002, Population and Social Conditions THEME 3 26/2003 Population and Living Conditions, Eurostat, 25/11/2003». EN&mode=download. N.T.: Não existe versão portuguesa. (4) «A integração das pessoas com deficiência na sociedade», JO C 241 de

3 2.5 O CESE saúda a proposta da Comissão de recorrer aos fundos estruturais para promover a inclusão social das pessoas com deficiência, o que deverá ser feito com base numa abordagem dupla. Por um lado, há que financiar projectos específicos de apoio às pessoas deficientes e, por outro lado, todos os projectos financiados pelos fundos estruturais terão de respeitar critérios obrigatórios de acessibilidade. Esta abordagem dupla deve constar da nova regulamentação comunitária dos fundos estruturais, cuja apresentação pela Comissão Europeia está prevista para Maio de Um dos resultados do actual processo de revisão dos fundos estruturais terá de ser forçosamente o reconhecimento da deficiência e das pessoas deficientes como uma área chave e um grupo alvo a ter em conta a nível comunitário e nacional, independentemente das novas perspectivas financeiras. 2.6 O CESE tem acompanhado de perto o processo de adopção de novas directivas comunitárias sobre contratos públicos (5). A contratação pública tem um potencial enorme para fomentar o emprego das pessoas com deficiência e a acessibilidade dos transportes públicos e das áreas edificadas, bem como para produzir bens e serviços mais acessíveis. O CESE acolhe, por conseguinte, favoravelmente o compromisso de se criar um conjunto de instrumentos que facilitem a inclusão de critérios de acessibilidade nas tecnologias da informação e da comunicação para os contratos públicos e propõe que se alargue esta prática a outros produtos e serviços. 2.7 O CESE chama a atenção para as repercussões negativas da não transposição pela maioria dos Estados-Membros da Directiva comunitária 2000/78 sobre a igualdade de tratamento no local de trabalho. O CESE incita a Comissão Europeia a recorrer aos instrumentos que tem ao seu dispor para sancionar os Estados-Membros que ainda não transpuseram a directiva ou que a transpuseram de forma incorrecta. Além disso, há que tomar medidas que aumentem a capacidade das organizações representantes das pessoas com deficiência, dos parceiros sociais e do sistema judicial, por forma a assegurar uma aplicação eficaz da directiva. 2.8 Por diversas vezes, o CESE solicitou em pareceres precedentes (6) que fosse adoptada uma directiva específica, fundamentada no artigo 13.º do Tratado UE, para lutar contra a discriminação de que sofrem as pessoas com deficiência em todos os domínios da vida social. O CESE lamenta, portanto, profundamente que a Comissão não faça qualquer referência a esta iniciativa na sua comunicação. Apesar de consciente das dificuldades que o lançamento de uma tal iniciativa acarreta actualmente, o CESE aguardava, no mínimo, o reconhecimento da sua necessidade, bem como uma série de acções que abririam caminho para o seu lançamento. 2.9 O CESE considera que uma directiva deste tipo iria assegurar um nível mínimo de protecção contra a discriminação em todos os domínios da vida social na União Europeia. Dado que abrangeria o acesso a bens e serviços, contribuiria igualmente para um mercado único mais eficiente O CESE considera que os meios de comunicação social têm um importante contributo a dar para melhorar a imagem das pessoas com deficiência na sociedade. Muito aprazaria ao CESE ver a criação de uma rede europeia sobre os meios de comunicação e a deficiência, a qual continuaria a envidar esforços no sentido de melhorar a imagem das pessoas com deficiência nos meios de comunicação, promovendo, entre outros, o intercâmbio de boas práticas entre os meios de comunicação. A UK Broadcasting and Creative Industries Disability Network (Rede das indústrias criativas e de transmissão do Reino Unido sobre deficiência) é um exemplo a seguir O CESE congratula-se com o facto de o plano de acção da Comissão se centrar na acessibilidade. Contudo, considera que as propostas aventadas não vão prosseguir o objectivo de forma adequada. Há que criar um enquadramento político correcto com incentivos financeiros para as empresas que tornem as suas instalações e os seus serviços acessíveis. A esta iniciativa juntar-se-iam campanhas de sensibilização orientadas para as empresas, realçando o importante papel das pessoas com deficiência enquanto consumidores. Se necessário, podia-se adoptar legislação que tornasse obrigatória a observância de determinadas regras de acessibilidade. (5) Parecer sobre a proposta de directiva do Parlamento Europeu e do Conselho relativa à coordenação dos processos de adjudicação de fornecimentos públicos, de prestação de serviços públicos e de empreitadas de obras públicas, JO C 193 de (6) «A integração das pessoas com deficiência na sociedade», JO C 241 de e proposta de decisão do Conselho «2003, Ano Europeu das Pessoas com Deficiência» COM(2001) 271 final 2001/0116 (CNS), JO C 36 de

4 2.12 O CESE saúda o relatório elaborado pelo grupo de peritos sobre a questão da acessibilidade às áreas edificadas e roga à Comissão Europeia que ponha em prática todas as suas recomendações, em particular as que dizem respeito à Directiva 89/106/CEE sobre produtos de construção. O CESE apoia igualmente a ideia de se adoptarem iniciativas de acompanhamento do estudo sobre os critérios harmonizados para uma boa acessibilidade das pessoas com deficiência aos sítios turísticos (7). O CESE recorda que uma legislação adequada e uma utilização correcta dos fundos públicos serão os elementos chave para o êxito do objectivo de acessibilidade dos sítios turísticos O CESE regozija-se também com o relatório sobre tecnologias de apoio recentemente apresentado pela Comissão Europeia e aguarda com interesse a aplicação das suas recomendações, em particular tendo em conta o mercado único, bem como a necessidade de os Estados-Membros aumentarem a transparência em matéria de produtos e regimes de reembolso. 3. Recomendações e compromissos adicionais 3.1 O CESE já realçou em relatórios precedentes que é necessário integrar a deficiência em todos os domínios políticos. Saúda, por conseguinte, a nova rubrica orçamental que financiará um projecto-piloto para integração de acções em matéria de deficiência como iniciativa de seguimento do Ano Europeu das Pessoas com Deficiência. O CESE considera que este projecto-piloto representa um primeiro passo para a adopção de um programa de acção específico em matéria de deficiência que terá por objectivo integrar a questão da deficiência em todos os domínios políticos importantes. 3.2 O CESE gostaria de propor algumas acções que poderiam ser encetadas ao abrigo deste projecto-piloto: preparação de um documento de orientação, a que teriam acesso os legisladores da Comissão Europeia, sobre como integrar a deficiência em todos os domínios políticos relacionado com a metodologia de avaliação do impacto; financiamento de acções que aumentem a capacidade das organizações nacionais que representam as pessoas com deficiência para que possam participar activamente na preparação dos Planos de Acção Nacionais sobre Emprego e Inclusão Social; determinação de indicadores estatísticos para medir o impacto real da integração; financiamento de acções de intercâmbio de informação sobre as melhores práticas de integração da deficiência no nível nacional; todas as medidas financiadas ao abrigo deste projecto-piloto deveriam dar especial atenção às pessoas com deficiência nos países em vias de adesão; financiamento da rede europeia sobre os meios de comunicação e a deficiência. 3.3 O CESE aguarda com ansiedade o futuro livro verde sobre a não discriminação e sublinha a necessidade um empenho claro numa directiva específica sobre a questão da deficiência. 3.4 O CESE regista com satisfação a participação de grandes empresas europeias no Ano Europeu das Pessoas com Deficiência. Não se deve negligenciar o seu papel enquanto catalisador de outras empresas. Como referido em documento anterior, o CESE gostaria que um dos resultados concretos do Ano Europeu fosse a criação de uma rede europeia sobre empresas e deficiência, a qual poderia contribuir para melhorar o quadro legislativo, aumentar a taxa de emprego das pessoas com deficiência e a produção de bens e serviços acessíveis, aumentando assim os argumentos económicos a favor da integração das pessoas com deficiência. A rede poderia igualmente aconselhar as novas empresas interessadas em tornar-se mais activas em questões de deficiência, desenvolvendo esforços específicos no âmbito das PME. 3.5 O CESE saúda a campanha levada a cabo pelos membros da Confederação Europeia de Sindicatos e realça o importante papel que estes podem desempenhar, incentivando-os a continuar a dar maior atenção às questões de deficiência. (7) Ver igualmente relatório do CESE INT/173 «Para um turismo acessível a todas as pessoas e socialmente sustentável», JO C 32 de

5 3.6 Em todos os seus pareceres precedentes, o CESE realçou a importância da participação das organizações de representantes das pessoas com deficiência em todos os níveis de decisão política. Todas as instituições comunitárias aceitam o carácter representativo do Fórum Europeu das Pessoas com Deficiência, pelo que o seu estatuto especial tem de ser reconhecido. Um fórum europeu forte e independente, que actue como guardião do respeito das questões da deficiência, é uma das melhores garantias para assegurar a continuação do respeito dos direitos das pessoas com deficiência em todas as iniciativas comunitárias. 3.7 O Fórum Europeu não poderá desempenhar o seu papel sem os seus membros nacionais e europeus. Assim, o apoio financeiro prestado pela Comissão Europeia a organizações representantes de incapacidades específicas, as quais são membro do Fórum Europeu das Pessoas com Deficiência, é de importância fundamental, pelo que deve ser mantido. A diversidade do movimento sobre a deficiência só poderá ser respeitada caso se preste apoio financeiro às diferentes organizações representantes de incapacidades específicas. 3.8 O CESE é a favor da criação de uma estrutura de acompanhamento do plano de acção da Comissão Europeia, sendo fundamental a participação de todos os parceiros pertinentes, incluindo o Fórum Europeu das Pessoas com Deficiência, para que o seu êxito seja garantido. O CESE gostaria de ser associado a esta estrutura de acompanhamento. 3.9 O CESE congratula-se com o impacto que o Ano Europeu das Pessoas com Deficiência teve ao trazer a questão da deficiência para novas agendas políticas como a juventude e a cultura. Um bom exemplo é a resolução do Conselho sobre o acesso das pessoas com deficiência às infra-estruturas e actividades culturais (8). O CESE sublinha a importância de assegurar que todos os projectos financiados com fundos comunitários nas áreas da cultura, juventude e educação obedeçam a critérios de acessibilidade Do novo programa de trabalho da Comissão Europeia para 2004 constam várias iniciativas interessantes para as pessoas com deficiência, bem como o compromisso de integrar a deficiência em todas as políticas, o que contribuirá para uma boa representação das pessoas com deficiência nestas iniciativas, que são nomeadamente: a revisão intercalar do e-europa e o plano de acção e-europa revisto para uma Europa alargada; a estratégia de desenvolvimento sustentável, a nova proposta da Comissão sobre serviços de mercado interno e as propostas futuras sobre os serviços de interesse geral; a proposta para uma nova geração de programas no domínio da educação e cultura pós 2006; a comunicação da Comissão sobre os direitos dos passageiros no sector dos transportes aéreos; a comunicação da Comissão sobre as estratégias de inclusão social nos países candidatos; a proposta da Comissão sobre a revisão da agenda da política social europeia a partir de O CESE acolhe favoravelmente as referências ao Grupo de Alto Nível para a Deficiência e considera que o papel deste grupo deve ser reforçado. A participação do Fórum Europeu das Pessoas com Deficiência nas reuniões deste grupo tem de ser contínua, em linha com o funcionamento do comité consultivo para a igualdade de oportunidades entre mulheres e homens. Os parceiros sociais a nível comunitário devem participar nos trabalhos do grupo de alto nível O CESE exige que nos trabalhos futuros em matéria de direitos humanos se refiram concretamente os direitos das pessoas com deficiência. O CESE aguarda com expectativa os resultados do estudo actualmente em curso sobre a situação das pessoas com deficiência nos estabelecimentos de acolhimento, o qual deverá fornecer não só uma visão global da situação, mas também avançar com propostas concretas de medidas alternativas comunitárias para este largo grupo de pessoas com deficiência. (8) Resolução do Conselho sobre o ACESSO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA ÀS INFRA-ESTRUTURAS E ACTIVIDADES CULTURAIS, 5-6.V.2003, 8430/03 (Imprensa 114) 23.

6 3.13 O CESE acolhe favoravelmente o documento de orientação sobre a cooperação para o desenvolvimento e a deficiência apresentado em Março de 2003 e elaborado em colaboração com o Fórum Europeu das Pessoas com Deficiência e o Consórcio Internacional para a Cooperação e a Deficiência. O CESE insta com a Comissão Europeia para que aplique este documento de forma a assegurar que as pessoas com deficiência beneficiem dos fundos de cooperação para o desenvolvimento, incluindo em situações de emergência e de ajuda humanitária O CESE compromete-se a continuar a abordar de forma crescente o problema da deficiência. Os esforços do CESE para assegurar uma total acessibilidade das suas novas instalações e serviços revelam o empenho real do Comité que pretende ser considerado como um exemplo a seguir em matéria de protecção e promoção dos direitos das pessoas com deficiência e das suas famílias. Bruxelas, 25 de Fevereiro de O Presidente do Comité Económico e Social Europeu Roger BRIESCH

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

18.4.2002 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias (2002/C 94/04)

18.4.2002 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias (2002/C 94/04) C 94/9 Parecer do Comité Económico e Social sobre a «Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social e ao Comité das Regiões sobre eeurope 2002: acessibilidade

Leia mais

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência

Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Desenvolvimentos da Estratégia Europeia para a Deficiência Sofia Lourenço Unidade "Direitos das pessoas com deficiência" Comissão Europeia 2 Dezembro 2014 Palácio da Cidadela de Cascais Políticas Europeias

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão dos Transportes e do Turismo PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão dos Transportes e do Turismo 2008/2136(INI) 1.12.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o desenvolvimento de um Espaço de Aviação Comum com Israel (2008/2136(INI)) Comissão

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa

Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Estratégia Europeia para o Emprego Promover a melhoria do emprego na Europa Comissão Europeia O que é a Estratégia Europeia para o Emprego? Toda a gente precisa de um emprego. Todos temos necessidade de

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2014/2255(INI) 5.5.2015 PROJETO DE RELATÓRIO relativo ao Relatório sobre a implementação, os resultados e a avaliação global do Ano

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

Orientações para as políticas de emprego

Orientações para as políticas de emprego C 87 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 1.4.2010 23. Considera que, com a liderança da UE no provimento de apoio financeiro e técnico aos países em desenvolvimento, as probabilidades de sucesso nas

Leia mais

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress

de 24 de Outubro de 2006 que estabelece um Programa Comunitário para o Emprego e a Solidariedade Social Progress 15.11.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 315/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) DECISÃO N. o 1672/2006/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 24 de Outubro de 2006

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

2011 O Ano Europeu do Voluntariado

2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 O Ano Europeu do Voluntariado Mais de 100 milhões de Europeus e Europeias estão envolvidos(as) em actividades voluntárias, são solidários(as) e, assim fazem a diferença na nossa sociedade. Uma pesquisa

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Assegurar que o Progress produz resultados

Assegurar que o Progress produz resultados Assegurar que o Progress produz resultados Quadro estratégico para a execução do Progress, programa comunitário para o emprego e a solidariedade social (2007 2013) Comissão Europeia Assegurar que o Progress

Leia mais

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010»

Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» C 161 E/8 Jornal Oficial da União Europeia 31.5.2011 Competências essenciais para um mundo em evolução: aplicação do Programa de Trabalho «Educação e Formação para 2010» P7_TA(2010)0164 Resolução do Parlamento

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.

GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. GRUPO DE TRABALHO SOBRE A PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29. 00065/2010/PT WP 174 Parecer 4/2010 sobre o código de conduta europeu da FEDMA relativo ao uso de dados pessoais no marketing directo Adoptado

Leia mais

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa

Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa C 212 E/94 Jornal Oficial da União Europeia 5.8.2010 Desenvolvimento das relações entre o Parlamento Europeu e os parlamentos nacionais no quadro do Tratado de Lisboa P6_TA(2009)0388 Resolução do Parlamento

Leia mais

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa.

em nada nem constitui um aviso de qualquer posição da Comissão sobre as questões em causa. DOCUMENTO DE CONSULTA: COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EUROPEIA SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA (2011-2014) 1 Direitos da Criança Em conformidade com o artigo 3.º do Tratado da União Europeia, a União promoverá os

Leia mais

Situação das mulheres que se aproximam da idade da reforma

Situação das mulheres que se aproximam da idade da reforma 22.2.2013 Jornal Oficial da União Europeia C 51 E/9 Situação das mulheres que se aproximam da idade da reforma P7_TA(2011)0360 Resolução do Parlamento Europeu, de 13 de Setembro de 2011, sobre a situação

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2012/0340(COD) 14.6.2013. da Comissão da Cultura e da Educação

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2012/0340(COD) 14.6.2013. da Comissão da Cultura e da Educação PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Cultura e da Educação 14.6.2013 2012/0340(COD) PROJETO DE PARECER da Comissão da Cultura e da Educação dirigido à Comissão do Mercado Interno e da Proteção dos

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

XI Confer6ncla dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas Reunião - Saint-Denis - 01 a 04 de Setembro de 2005

XI Confer6ncla dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas Reunião - Saint-Denis - 01 a 04 de Setembro de 2005 XI Confer6ncla dos Presidentes das Regiões Ultraperiféricas Reunião - Saint-Denis - 01 a 04 de Setembro de 2005 INSTRUMENTO DE GRANDE VIZINHANÇA: A Conferência congratula-se com o facto da Comissão ter

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 2007/2189(INI) 19.12.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a estratégia da UE para a política de consumidores 2007-2013

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão do Desenvolvimento Regional 2014/2247(INI) 18.6.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a política de coesão e as comunidades marginalizadas (2014/2247(INI)) Comissão do Desenvolvimento

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE

Progressos registados nos domínios da igualdade de oportunidades e da não discriminação na UE 19.11.2009 PT C 279 E/23 41. Solicita à Comissão que consulte o Parlamento e os Estados-Membros no que respeita à avaliação desses estudos; * * * 42. Encarrega o seu Presidente de transmitir a presente

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

(2005/C 71/13) TENDO EM CONTA o seu parecer sobre a Avaliação do programa IDA e uma segunda fase do programa IDA (CdR 44/98 fin) (4);

(2005/C 71/13) TENDO EM CONTA o seu parecer sobre a Avaliação do programa IDA e uma segunda fase do programa IDA (CdR 44/98 fin) (4); Parecer do Comité das Regiões sobre a «Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Ligar a Europa em alta velocidade: Estratégias

Leia mais

DECLARAÇÃO DE BILBAU CONSTRUIR EM SEGURANÇA

DECLARAÇÃO DE BILBAU CONSTRUIR EM SEGURANÇA DECLARAÇÃO DE BILBAU (Tradução a partir de original inglês) CONSTRUIR EM SEGURANÇA Cimeira Europeia da Segurança na Construção Introdução A construção é um dos maiores sectores industriais da Europa. Infelizmente,

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 22 de Julho de 2004 (08.11) (OR. en) 11636/04 Dossier interinstitucional: 2004/0165 COD FSTR 17 SOC 367 CADREFIN 22 PROPOSTA Origem: Comissão Europeia Data: 16 de Julho

Leia mais

Comissão dos Orçamentos. dirigido à Comissão da Cultura e da Educação

Comissão dos Orçamentos. dirigido à Comissão da Cultura e da Educação PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Orçamentos 17.11.2009 2009/0072(CNS) PARECER da Comissão dos Orçamentos dirigido à Comissão da Cultura e da Educação sobre a proposta de decisão do Conselho relativa

Leia mais

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM

CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM CENTRO DE INFORMAÇÃO EUROPE DIRECT DE SANTARÉM Assembleia de Parceiros 17 de Janeiro 2014 Prioridades de Comunicação 2014 Eleições para o Parlamento Europeu 2014 Recuperação económica e financeira - Estratégia

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

Tendo em conta a Proposta de regulamento do Conselho, de 8 de fevereiro de 2012, relativo ao Estatuto da Fundação Europeia (FE) (COM(2012)0035),

Tendo em conta a Proposta de regulamento do Conselho, de 8 de fevereiro de 2012, relativo ao Estatuto da Fundação Europeia (FE) (COM(2012)0035), P7_TA-PROV(2012)0429 Iniciativa de Empreendedorismo Social Resolução do Parlamento Europeu, de 20 de novembro de 2012, sobre a Iniciativa de Empreendedorismo Social - Construir um ecossistema para promover

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

COM(2004) 412 final (2005/C 157/15)

COM(2004) 412 final (2005/C 157/15) Parecer do Comité Económico e Social Europeu sobre a «Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões Estudo sobre as relações entre

Leia mais

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção

Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção IP/03/716 Bruxelas, 21 de Maio de 2003 Direito das sociedades e governo das sociedades: a Comissão apresenta um Plano de Acção O reforço dos direitos dos accionistas e da protecção dos trabalhadores e

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 17.3.2006 COM(2006) 134 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Uma política de turismo europeia renovada: Rumo a uma parceria reforçada para o turismo na Europa PT PT

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 21 de Outubro de 2010 relativa às orientações para as políticas de emprego dos Estados-Membros (2010/707/UE)

DECISÕES. DECISÃO DO CONSELHO de 21 de Outubro de 2010 relativa às orientações para as políticas de emprego dos Estados-Membros (2010/707/UE) L 308/46 Jornal Oficial da União Europeia 24.11.2010 DECISÕES DECISÃO DO CONSELHO de 21 de Outubro de 2010 relativa às orientações para as políticas de emprego dos Estados-Membros (2010/707/UE) O CONSELHO

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009 2014 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 2009/2205(INI) 1.6.2010 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o papel das mulheres numa sociedade em envelhecimento (2009/2205(INI))

Leia mais

Programa de trabalho anual em matéria de subvenções 2006 - DG ELARG

Programa de trabalho anual em matéria de subvenções 2006 - DG ELARG Bósnia e Herzegovina, Croácia, Sérvia e Montenegro Regulamento (CE) n 2666/2000 do Conselho de 5 de Dezembro de 2000, com a última redacção que lhe foi dada pelo Regulamento (CE) n 2112/2005 do Conselho

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Orçamentos 15.9.2010 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre o mandato externo do BEI Comissão dos Orçamentos Relator: Ivailo Kalfin DT\830408.doc PE448.826v01-00 Unida na

Leia mais

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO

REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório do Director Regional RESUMO 15 de Junho de 2006 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: FRANCÊS Quinquagésima-sexta sessão Addis Abeba, Etiópia, 28 de Agosto - 1 de Setembro de 2006 REGULAMENTO SANITÁRIO INTERNACIONAL (2005) Relatório

Leia mais

As mulheres e a liderança empresarial

As mulheres e a liderança empresarial C 33 E/134 Jornal Oficial da União Europeia 5.2.2013 Relações internacionais 54. Solicita à Comissão e aos Estados-Membros que trabalhem juntamente com a Organização da Aviação Civil Internacional (OACI)

Leia mais

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02)

CONCLUSÕES DO CONSELHO. de 27 de Novembro de 2003. sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) CONCLUSÕES DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 sobre o contributo da política industrial para a competitividade Europeia (2003/C 317/02) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA I. EM RELAÇÃO A QUESTÕES HORIZONTAIS:

Leia mais

Instituições europeias

Instituições europeias Envelhecer com Prazer Rua Mariana Coelho, nº 7, 1º E 2900-486 Setúbal Portugal Tel: +351 265 548 128 Tlm: 96 938 3068 E-mail: envelhecimentos@gmail.com www.envelhecer.org Instituições europeias Inês Luz

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 11.2.2008 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a melhoria da educação financeira dos consumidores e da sua sensibilização

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 2011/2284(INI) 7.2.2012 PROJETO DE RELATÓRIO sobre a proteção das infraestruturas críticas da informação Realizações e próximas

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 26 de Novembro de 2010 (OR. en) 16864/10 ESPACE 19 COMPET 390 RECH 392 IND 161 TRANS 349 ENER 343 REGIO 95 ECOFIN 759 CODUN 47 ENV 804 EDUC 213 RESULTADO DOS TRABALHOS

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA

DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA DECLARAÇÃO CONJUNTA DA COESS E DA UNI-EUROPA SOBRE A HARMONIZAÇÃO EUROPEIA DAS LEGISLAÇÕES QUE REGULAM O SECTOR DA SEGURANÇA PRIVADA INTRODUÇÃO O sector da segurança privada, na União Europeia, está em

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999),

Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta a comunicação da Comissão (COM(1999) 317 C5-0206/1999), Tendo em conta o nº 1 do artigo 47º do seu Regimento, Tendo em conta o relatório da Comissão da Política Regional, dos Transportes

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997R2027 PT 30.05.2002 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 REGULAMENTO (CE) N. o 2027/97 DO CONSELHO de 9 de Outubro de 1997 relativo à

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO,

O CONSELHO DA UE E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, REUNIDOS NO CONSELHO, C 172/8 PT Jornal Oficial da União Europeia 27.5.2015 Conclusões do Conselho sobre a maximização do papel do desporto de base no desenvolvimento de competências transversais, especialmente entre os jovens

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança,

Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000. O Conselho de Segurança, Resolução 1325(2000) Aprovada pelo Conselho de Segurança na sua 4213 a reunião, em 31 de Outubro de 2000 O Conselho de Segurança, Tendo presentes as suas resoluções 1261(1999) de 25 de Agosto de 1999,

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Recomendação de Bruxelas, 16.10.2009 COM(2009) 570 final 2009/0158 (CNB) DECISÃO DO CONSELHO sobre o parecer a adoptar pela Comunidade Europeia relativamente

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

Resolução do Parlamento Europeu, de 19 de Fevereiro de 2009, sobre a economia social (2008/2250(INI)) O Parlamento Europeu,

Resolução do Parlamento Europeu, de 19 de Fevereiro de 2009, sobre a economia social (2008/2250(INI)) O Parlamento Europeu, Resolução do Parlamento Europeu, de 19 de Fevereiro de 2009, sobre a economia social (2008/2250(INI)) O Parlamento Europeu, Tendo em conta os artigos 3.º, 48.º, 125.º a 130.º e 136.º do Tratado CE, Tendo

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

Parecer do Comité das Regiões Desenvolver a dimensão europeia do desporto (2012/C 9/14)

Parecer do Comité das Regiões Desenvolver a dimensão europeia do desporto (2012/C 9/14) C 9/74 Jornal Oficial da União Europeia 11.1.2012 Parecer do Comité das Regiões Desenvolver a dimensão europeia do desporto (2012/C 9/14) O COMITÉ DAS REGIÕES sublinha que os órgãos de poder local e regional

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000

Actualização da. Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU Actualização da Preparada pela Comissão Europeia para o Conselho Europeu de Nice 7 e 8 de Dezembro de 2000 1 1. Introdução Em Dezembro de 1999,

Leia mais

Análise de Anúncios de Oferta de Emprego. (Regime Legal)

Análise de Anúncios de Oferta de Emprego. (Regime Legal) Análise de Anúncios de Oferta de Emprego (Regime Legal) Serviço de Igualdade 2011 Enquadramento Jurídico O reconhecimento e o tratamento do direito à igualdade de oportunidades e não discriminação, e de

Leia mais

'(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72

'(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72 & Bruxelas, 26 de Março de 2001 7362/01 (Presse 120) (OR. en) '(&,6 (6$3529$'$6325352&(',0(172(6&5,72 O Conselho aprovou em 23 de Março de 2001, por procedimento escrito, as suas posições comuns tendo

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais