Centrais eléctricas. Distrito de Setúbal

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centrais eléctricas. Distrito de Setúbal"

Transcrição

1 Centrais eléctricas no Distrito de Setúbal O distrito de Setúbal é aquele no qual mais energia eléctrica se produz em Portugal e que possui o maior número de MW instalados, encontrando-se inclusivamente à frente dos distritos de Lisboa e do Porto. Neste distrito existem actualmente 22 centrais eléctricas em funcionamento, que perfazem uma potência combinada de aproximadamente 2625,8 MW. A quase totalidade da potência instalada neste distrito é de origem térmica (99%), sendo os principais contribuidores para este valor as centrais convencionais de Sines (o maior centro electroprodutor do país) e de Setúbal, que funcionam respectivamente a carvão e a fuelóleo e que em conjunto perfazem 81,4% da potência instalada no distrito. A restante potência instalada de origem térmica vai quase integralmente para os aproveitamentos que funcionam em regime de cogeração, com 17,6% da potência instalada na região. A restante energia (cerca de 1% da potência instalada) divide-se entre centrais que geram electricidade com base em energias renováveis (hídrica, eólica e solar). Centrais Térmicas Convencionais Setúbal, central equipada com quatro grupos turboalternadores de fluxo axial que funcionam a fuelóleo. Pertence à EDP Produção. Iniciou a sua produção em 1979 e conta com 946,4 MW de potência instalada. Situa-se no lugar de Quinta da Cachofarra Praias de Sado, freguesia de Sado, concelho de Setúbal. Sines, central equipada com quatro grupos turboalternadores de fluxo axial que funcionam a carvão. Pertence à EDP Produção. Iniciou a sua produção em 1981 e conta com 1192 MW de potência instalada. É actualmente o maior centro electroprodutor em Portugal. Situa-se em Sines (junto à praia de São Torpes), freguesia e concelho de Sines.

2 Centrais Térmicas de Cogeração Central do Hospital Garcia da Horta, que funciona a gás natural e pertence à empresa SUCH-DALKIA Serviços Hospitalares ACE. Iniciou a sua produção em 2002 e conta com 2,9 MW de potência instalada. Situa-se na Rua Professor Torrado da Silva, freguesia do Pragal, concelho de Almada. Companhia Térmica TAGOL Lda., que funciona a gás natural e pertence à empresa com o mesmo nome. Iniciou a sua produção em 2002 e conta com 9,4 MW de potência instalada. Situa-se na Rua de Palença de Baixo, freguesia da Caparica, concelho de Almada. Companhia Térmica LUSOL ACE, que funciona a gás natural e pertence à empresa com o mesmo nome. Iniciou a sua produção em 1997 e conta com 8,4 MW de potência instalada. Situa-se no Parque Industrial Quimiparque, freguesia e concelho do Barreiro. Barreiro, central de cogeração com dois grupos turboalternadores de fluxo axial que funcionam a fuelóleo. O aproveitamento, pertencente à EDP Produção, produz electricidade e vapor, sendo este último vendido a indústrias locais. Iniciou a sua produção em 1978 e conta com 56 MW de potência instalada. Situa-se no lugar e freguesia de Lavradio, concelho do Barreiro. ENERCOR Produção de Energia ACE, que funciona a fuelóleo e pertence à empresa com o mesmo nome. Iniciou a sua produção em 1998 e conta com 4,5 MW de potência instalada. Situa-se Estrada do Pau Queimado, freguesia de Afonsoeiro, concelho do Montijo. Companhia Térmica Hectare ACE, que funciona a gás natural e pertence à empresa com o mesmo nome. Iniciou a sua produção em 1998 e conta com 5 MW de potência instalada. Situa-se no lugar de Cilha Queimada, freguesia de Alto Estanqueiro Jardia, concelho do Montijo. MALTIBÉRICA Sociedade Produtora de Malte SA, que funciona a gás natural e pertence à empresa com o mesmo nome. Iniciou a sua produção em 2007 e conta com 3,7 MW de potência instalada. Situa-se na Rua Alberto Valente Águas de Moura, freguesia de Quinta do Anjo, concelho de Palmela. ENERPULP (Setúbal), que queima biomassa e resíduos industriais (lixívias) e pertence à empresa ENERPULP Cogeração Energética de Pasta SA. Iniciou a sua produção em 1991 e conta com 115 MW de potência instalada. Situa-se nas instalações da PORTUCEL Parque Industrial da Mitrena, freguesia de Sado, concelho de Setúbal. SPCG Sociedade Portuguesa de Cogeração Eléctrica SA, que funciona a gás natural e pertence à empresa com o mesmo nome. Iniciou a sua produção em 1998 e conta com 40 MW de potência instalada. Situa-se nas instalações da PORTUCEL Parque Industrial da Mitrena, freguesia de Sado, concelho de Setúbal.

3 PETROGAL (Sines), que queima resíduos industriais (fuel-gás) e pertence à empresa Petróleos de Portugal PETROGAL SA. Iniciou a sua produção em 1993 e conta com 80 MW de potência instalada. Situa-se junto à Fabricação Rua da Refinaria, freguesia e concelho de Sines. REPSOL Produção de Electricidade e Calor ACE, que queima fuelóleo e resíduos industriais (fuel-gás e outros) e pertence à empresa com o mesmo nome. Iniciou a sua produção em 1999 e conta com 136 MW de potência instalada. Situa-se no lugar de Monte Feio, freguesia e concelho de Sines. EURORESINAS Indústrias Químicas SA, que queima resíduos industriais e pertence à empresa com o mesmo nome. Iniciou a sua produção em 2000 e conta com 1,7 MW de potência instalada. Situa-se na Plataforma Industrial de Sines, freguesia e concelho de Sines. Em projecto/construção A. Silva & Silva Cerâmica SA, que funcionará a gás natural e que pertence à empresa com o mesmo nome. O projecto está em apreciação desde 2006 e deverá contar com 1,6 MW de potência instalada. Situar-se-á no lugar de Alto do Estanqueiro, freguesia de Alto do Estanqueiro Jardia, concelho do Montijo. SPCG Sociedade Portuguesa de Cogeração Eléctrica SA, que funcionará a gás natural e que pertence à empresa com o mesmo nome. O projecto está em apreciação desde 2006 e deverá contar com 102 MW de potência instalada. Situar-se-á nas instalações da PORTUCEL Parque Industrial da Mitrena, freguesia de Sado, concelho de Setúbal. Centrais Térmicas de Biogás ANIMAGRO Agropecuária da Quinta dos Cebolinhos Lda., que funciona a biogás e pertence à empresa com o mesmo nome. Iniciou a sua produção em 1995 e conta com 0,04 MW de potência instalada. Situa-se na Avenida Visconde do Tojal Quinta do Anjo, freguesia de Quinta do Anjo, concelho de Palmela. Centro Integrado de Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos do Seixal, que funciona a biogás e pertence à empresa AMARSUL Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos SA. Iniciou a sua produção em 2001 e conta com 2,3 MW de potência instalada. Situa-se no lugar de Alto dos Carrascos Pinhal Conde da Cunha, freguesia da Amora, concelho do Seixal.

4 Em projecto/construção Nova UCAL Produtos Alimentares SA, que funcionará a biogás e pertence à empresa com o mesmo nome. O projecto está em apreciação desde 2000 e deverá contar com 0,02 MW de potência instalada. Situar-se-á nas instalações da UCAL, lugar e freguesia da Marateca, concelho de Palmela. ETAR de Portinho da Costa, que funcionará com dois grupos electrogéneos a biogás e que pertence aos SMAS de Almada. O projecto está em apreciação desde 2005 e deverá contar com 0,04 MW de potência instalada. Situar-se-á no lugar de Portinho da Costa, freguesia da Caparica, concelho de Almada. ETAR da Mutela, que funcionará a biogás e que pertence aos SMAS de Almada. O projecto está em apreciação desde 2005 e deverá contar com 0,08 MW de potência instalada. Situar-se-á na Rua Praia da Mutela Almada, freguesia de Cova da Piedade, concelho de Almada. ETAR da Palmela, que funcionará a biogás e que pertence à empresa AMARSUL Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos SA. O projecto está em apreciação desde 2007 e deverá contar com 3 MW de potência instalada. Situar-se-á no lugar de Bairro Alentejano Barra Cheia, freguesia de Alhos Vedros, concelho da Moita. ETAR de Setúbal, que funcionará a biogás e que pertence à Câmara Municipal de Setúbal. O projecto está em apreciação desde 2003 e deverá contar com 0,8 MW de potência instalada. Situar-se-á no lugar de Quinta da Cachofarra Praias do Sado, freguesia de Sado, concelho de Setúbal. Centrais Fotovoltaicas BP Portuguesa (Seixal), pertencente à empresa BP Portuguesa SA. Iniciou a sua produção em 2000 e conta com 0,02 MW de potência instalada. Situa-se na Estrada Nacional 10, lugar e freguesia de Corroios, concelho do Seixal. Parques Eólicos Chaminé, pertencente à empresa Ventos de Sines Energias Renováveis Lda. Iniciou a sua produção em 2004, contando actualmente com 3 aerogeradores que perfazem 6,9 MW de potência instalada. Destes aerogeradores, 2 só entrou ao serviço em 2005 (4,6 MW). Situa-se no lugar de Monte da Chaminé, freguesia de Porto Côvo, concelho de Sines.

5 Monte das Pias (Costa Vicentina), pertencente à empresa Parque Eólico da Costa Vicentina SA. Iniciou a sua produção em 2005, contando actualmente com 5 aerogeradores que perfazem 10 MW de potência instalada. Situa-se no lugar de Monte das Pias, freguesia de Porto Côvo, concelho de Sines. Sines (Monte dos Chãos), pertencente à empresa Aerogeradores de Portugal SA. Iniciou a sua produção em 1992, contando actualmente com 12 aerogeradores que perfazem 1,8 MW de potência instalada. Foi o primeiro parque eólico a ser construído em Portugal continental. Situa-se no lugar de Monte dos Chãos, freguesia e concelho de Sines.

Centrais eléctricas. Distrito de Castelo Branco

Centrais eléctricas. Distrito de Castelo Branco Centrais eléctricas no Distrito de Castelo Branco No distrito de Castelo Branco existem actualmente 24 centrais eléctricas em funcionamento, que perfazem uma potência combinada de aproximadamente 551,2

Leia mais

Centrais eléctricas. Região Autónoma dos Açores

Centrais eléctricas. Região Autónoma dos Açores Centrais eléctricas na 1 Região Autónoma dos Açores Na Região Autónoma dos Açores existem actualmente 28 centrais eléctricas em funcionamento, que perfazem uma potência combinada de aproximadamente 236

Leia mais

Reorganização Administrativa do Território das Freguesias - (RATF)

Reorganização Administrativa do Território das Freguesias - (RATF) Alcácer do Sal Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo) Agregação Alcácer do Sal Alcácer do Sal (Santiago) Agregação Alcácer do Sal Comporta Sem alteração Alcácer do Sal Santa Susana Agregação Alcácer do

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A rotulagem de energia eléctrica tem como principal objectivo informar os cidadãos sobre as fontes energéticas primárias utilizadas na produção

Leia mais

estatísticas rápidas Agosto/Setembro 2005

estatísticas rápidas Agosto/Setembro 2005 estatísticas rápidas Agosto/Setembro 25 Nº 6/7 1/21 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

O FUTURO DOS APROVEITAMENTOS

O FUTURO DOS APROVEITAMENTOS O FUTURO DOS APROVEITAMENTOS HIDROELÉTRICOS ANTÓNIO SÁ DA COSTA BARREIRO, 22 DE MARÇO DE 2017 ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL Consumo 1988 21 TWh Renovável 50 % Potência Renovável Instalada Grande Hídrica

Leia mais

Política Energética e Indústria. Cláudio Monteiro

Política Energética e Indústria. Cláudio Monteiro Política Energética e Indústria Cláudio Monteiro FEUP / INESC Porto Previsão, Eficiência Energética, Energética Energias Renováveis Energia, situação actual Produção Mensal (GWh) PRE Eólico Fio Água SEP

Leia mais

estatísticas rápidas Dezembro 2005

estatísticas rápidas Dezembro 2005 estatísticas rápidas Dezembro 25 Nº 1 1/21 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL

CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL CONTRIBUIÇÃO DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL PARA A DESCARBONIZAÇÃO DA ECONOMIA ANTÓNIO SÁ DA COSTA LISBOA, 17 DE MARÇO DE 2017 EVOLUÇÃO DO SETOR ELETROPRODUTOR PORTUGUÊS 2 EVOLUÇÃO DO MIX DE PRODUÇÃO ELÉTRICO

Leia mais

estatísticas rápidas Abril 2008

estatísticas rápidas Abril 2008 estatísticas rápidas Abril 28 Nº 38 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Prestação de serviços no âmbito de Projecto e de fornecimento de materiais para infra-estruturas e instalações eléctricas e de telecomunicações

Prestação de serviços no âmbito de Projecto e de fornecimento de materiais para infra-estruturas e instalações eléctricas e de telecomunicações Prestação de serviços no âmbito de Projecto e de fornecimento de materiais para infra-estruturas e instalações eléctricas e de telecomunicações Abastecidas por combustíveis fósseis (Diesel, Fuelóleo, Gás-Natural,

Leia mais

A APREN e as Universidades

A APREN e as Universidades A APREN e as Universidades A Importância da Biomassa no Contexto Energético Nacional Comemoração do Dia Internacional das Florestas 15:00 15:10 Abertura 5 de abril de 2016 Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

Energia. Fontes e formas de energia

Energia. Fontes e formas de energia Energia Fontes e formas de energia 2 Fontes de energia As fontes de energia podem classificar-se em: Fontes de energia primárias quando ocorrem livremente na Natureza. Ex.: Sol, água, vento, gás natural,

Leia mais

A I M P O R T Â N C I A D A B I O M A S S A. Dia Internacional das Florestas - A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional -

A I M P O R T Â N C I A D A B I O M A S S A. Dia Internacional das Florestas - A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional - A I M P O R T Â N C I A D A B I O M A S S A Dia Internacional das Florestas - A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional - 2018 A I M P O RTÂ N C I A DA B I O M A S S A A G E N D A 1 2 3 CONTEXTO

Leia mais

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS 5. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Novembro 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Novembro 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O outono de 2016 tem-se caracterizado por temperaturas ligeiramente acima da média e uma produtibilidade

Leia mais

Energias Renováveis:

Energias Renováveis: Energias Renováveis: o contributo da Investigação e Desenvolvimento. António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do

Leia mais

Micro-geração e Mini-geração Projectos e Ideias

Micro-geração e Mini-geração Projectos e Ideias Micro-geração e Mini-geração Projectos e Ideias Índice A S.energia Principais áreas de intervenção Projecto ECO-DESAFIO (CMB apoia microgeração) Ideias de projectos futuros para os municípios (minigeração)

Leia mais

Álvaro Rodrigues. Mai11 AR

Álvaro Rodrigues. Mai11 AR A Valorização do Território e as Energias Renováveis Guarda Maio de 2011 Energia Eólica Álvaro Rodrigues Energia e desenvolvimento (clima, território, etc.) Cultura energética dominante o petróleo e os

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL JULHO 2017

A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL JULHO 2017 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL JULHO 2017 A INDÚSTRIA DE PASTA E PAPEL E O SEU CONTRIBUTO PARA A BASE DO CONSUMO ELÉTRICO EM PORTUGAL A NAVIGATOR

Leia mais

Lista de Associadas da UDIPSS de Setúbal

Lista de Associadas da UDIPSS de Setúbal Lista de Associadas da UDIPSS de Setúbal Cáritas Diocesana Setúbal Congregação da Apresentação de Maria Casa Nossa Senhora Saúde Centro Social Paroquial São José Centro Paroquial Bem Estar Social Castelo

Leia mais

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: De Segunda a Sexta-feira das 8:00 às 12:30 h e das 14:00 às 20:00 h Sábado das 9:00 às 13:00 h

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO: De Segunda a Sexta-feira das 8:00 às 12:30 h e das 14:00 às 20:00 h Sábado das 9:00 às 13:00 h Direcção, Telefone e Informação: 707 236 333 Águas de Moura Brejo de Canes Aldeia dos Pinheiros Brejos Algeruz Cachofarra Alpertucho Figueirinha Alto da Guerra Galápos Amieira Gambia Arrábida Lau Marateca

Leia mais

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Agosto 2016

BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS. Agosto 2016 BOLETIM ENERGIAS RENOVÁVEIS Agosto 2016 ELETRICIDADE DE ORIGEM RENOVÁVEL EM PORTUGAL CONTINENTAL O mês de agosto caracterizou-se por produtibilidade hidroelétrica, que atingiu temperaturas extremamente

Leia mais

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA

O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA O FUTURO ENERGÉTICO EM PORTUGAL EÓLICA E BIOMASSA PROMOVIDO PELA: ORDEM DOS ENGENHEIROS ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO DA INDÚSTRIA PORTUGUESA CARLOS ALEGRIA

Leia mais

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA

ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA CASA DO POVO DE VALONGO DO VOUGA A Rotulagem de energia eléctrica pretende informar o consumidor sobre as fontes primárias utilizadas e emissões atmosféricas, associadas

Leia mais

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol 14:00 14:15 Nota de abertura A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol Universidade de Évora 4 de maio de 2015 Universidade de Évora 14:15 14:30 O Panorama

Leia mais

ACES ALMADA-SEIXAL UCSP Amora e Corroios

ACES ALMADA-SEIXAL UCSP Amora e Corroios ACES ALMADA-SEIXAL UCSP e Planeamento do ACES de -Seixal ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento 0-0 ACES ALMADA - SEIXAL 0 Índice. Introdução.... ACES 9 - Seixal..... Direção de ACES..... Locais de prestação

Leia mais

Relatório do Grupo de Trabalho das Bibliotecas

Relatório do Grupo de Trabalho das Bibliotecas Relatório do Grupo de Trabalho das Bibliotecas Alcácer cer do Sal Alcochete Almada Barreiro Grândola Moita Montijo Palmela Santiago do Cacém Seixal Sesimbra Setúbal Sines Biblioteca Municipal de Alcácer

Leia mais

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM A Formação Específica

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM A Formação Específica ANATOMIA PATOLÓGICA ANATOMIA PATOLÓGICA Hospital Garcia de Orta, GENETICA MEDICA Centro Hospitalar Lisboa Central, HEMATOLOGIA CLINICA Hospital Divino Espírito Santo de Ponta Delgada, Hospital Divino Espírito

Leia mais

ENERGIA EM PORTUGAL. Principais Números

ENERGIA EM PORTUGAL. Principais Números ENERGIA EM PORTUGAL Principais Números Fevereiro de 217 CONSUMO DE ENERGIA PRIMÁRIA (ktep) 3 25 2 15 1 5 Carvão Petróleo GN Saldo Imp. En. Elétrica Renováveis 26 27 28 29 2 1 2 11 2 12 2 13 2 14 2 15 3

Leia mais

Subestação de Vila Pouca de Aguiar INFORMAÇÃO MENSAL

Subestação de Vila Pouca de Aguiar INFORMAÇÃO MENSAL Subestação de Vila Pouca de Aguiar INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELECTROPRODUTOR Setembro 21 PRINCIPAIS INDICADORES DO SISTEMA ELECTROPRODUTOR 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO E POTÊNCIA 2 CONSUMO / REPARTIÇÃO DA PRODUÇÃO

Leia mais

POTENCIAR AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL RENOVÁVEIS EM MERCADO: REALIDADE OU UTOPIA? LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017

POTENCIAR AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL RENOVÁVEIS EM MERCADO: REALIDADE OU UTOPIA? LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017 POTENCIAR AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL RENOVÁVEIS EM MERCADO: REALIDADE OU UTOPIA? LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 217 GWh EVOLUÇÃO DO MIX DE PRODUÇÃO ELÉTRICO EM PORTUGAL 5 4 3 2 1 Hídrica Eólica Bioenergia Solar

Leia mais

Ccent. n.º 38/2013 Sonae Capital, SGPS, SA / Ativos de cogeração da Enel Green Power. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. n.º 38/2013 Sonae Capital, SGPS, SA / Ativos de cogeração da Enel Green Power. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. n.º 38/2013 Sonae Capital, SGPS, SA / Ativos de cogeração da Enel Green Power Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 50.º da Lei n.º 19/2012, de 8 de

Leia mais

Composição dos Preços de Electricidade, incluindo os Custos de Interesse Económico Geral ESTRUTURA DOS PREÇOS DE ELECTRICIDADE FIXADOS PARA 2011

Composição dos Preços de Electricidade, incluindo os Custos de Interesse Económico Geral ESTRUTURA DOS PREÇOS DE ELECTRICIDADE FIXADOS PARA 2011 Composição dos Preços de Electricidade, incluindo os Custos de Interesse Económico Geral ESTRUTURA DOS PREÇOS DE ELECTRICIDADE FIXADOS PARA 2011 Índice 1. Componentes que Integram os Preços de Electricidade

Leia mais

estatísticas rápidas novembro 2011

estatísticas rápidas novembro 2011 estatísticas rápidas novembro 211 Nº 81 1/22 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Sumário POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE... 2 PRODUTORES DE ENERGIA... 3 TARIFAS DE ENERGIA EM VIGOR... 5 ELECTRICIDADE ENTREGUE À REDE...

Sumário POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE... 2 PRODUTORES DE ENERGIA... 3 TARIFAS DE ENERGIA EM VIGOR... 5 ELECTRICIDADE ENTREGUE À REDE... Sumário POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE... 2 PRODUTORES DE ENERGIA... 3 TARIFAS DE ENERGIA EM VIGOR... 5 ELECTRICIDADE ENTREGUE À REDE... 6 1 1. POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE A política energética

Leia mais

O FUTURO DO SETOR EÓLICO EXTENSÃO DE VIDA E REPOWERING DAS CENTRAIS EÓLICAS. Lisboa 7 de Dezembro Lisboa

O FUTURO DO SETOR EÓLICO EXTENSÃO DE VIDA E REPOWERING DAS CENTRAIS EÓLICAS. Lisboa 7 de Dezembro Lisboa O FUTURO DO SETOR EÓLICO EXTENSÃO DE VIDA E REPOWERING DAS CENTRAIS EÓLICAS Lisboa 7 de Dezembro Lisboa CARATERIZAÇÃO SETOR DA ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DEENERGIAS RENOVÁVEIS

Leia mais

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo

1 Segurança energética e redução da dependência das importações; 4 Eficiência no fornecimento, distribuição e consumo 1- POLÍTICA ENERGÉTICA DE CABO VERDE A política energética de Cabo Verde tem por objetivo construir um setor energético seguro, eficiente, sustentável e sem dependência de combustível fóssil. E está assente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA BIOMASSA NA THE NAVIGATOR COMPANY

A IMPORTÂNCIA DA BIOMASSA NA THE NAVIGATOR COMPANY A IMPORTÂNCIA DA BIOMASSA NA THE NAVIGATOR COMPANY A Importância da Biomassa no Mix Enegético Nacional Comemoração do Dia Internacional das Florestas 24 de março de 2017 FREDERICO PISCO AGENDA 1. THE NAVIGATOR

Leia mais

Redes de Frio e Calor: Cogeração e Energias Renováveis

Redes de Frio e Calor: Cogeração e Energias Renováveis Redes de Frio e Calor: Cogeração e Energias Renováveis veis Conferência Eficiência Energética em Edifícios Lisboa, 13 de Maio de 2010 João Castanheira 1 O CONCEITO Central de Produção Rede de Distribuição

Leia mais

Utilização Racional de Energia em Autarquias: A Experiência de Almada

Utilização Racional de Energia em Autarquias: A Experiência de Almada Utilização Racional de Energia em Autarquias: A Experiência de Almada Carlos Sousa Novas Oportunidades para o Mercado da Energia Lisboa, 30 de Setembro de 2004 Concelho de Almada: Descrição de Almada

Leia mais

ACES ALMADA - SEIXAL. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento

ACES ALMADA - SEIXAL. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento ACES ALMADA - SEIXAL Caracterização e Propostas de Reestruturação Núcleo de Estudos e Planeamento 20-07-205 Índice. Introdução... 2 2. ACES 9 Almada - Seixal... 2 2.. População Residente... 2 2.2. Indicadores

Leia mais

Resumo Não Técnico. Estudo de Impacte Ambiental da. Central de Cogeração no Carriço

Resumo Não Técnico. Estudo de Impacte Ambiental da. Central de Cogeração no Carriço Estudo de Impacte Ambiental da Central de Cogeração no Carriço Dezembro de 2000 1. O que é o Projecto da Central de Cogeração? A Central de Cogeração que irá ser instalada no Carriço produzirá, conjuntamente,

Leia mais

Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Mário Guedes 14 de Fevereiro de 2018

Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade. Mário Guedes 14 de Fevereiro de 2018 Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade Mário Guedes 14 de Fevereiro de 2018 Evolução de preços de eletricidade (consumidores domésticos) Portugal,

Leia mais

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM

Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia. Resíduos do Nordeste, EIM Sessão Pública Apresentação da Agenda Regional para a Energia Resíduos do Nordeste, EIM 17.03.2010 Resíduos do Nordeste, EIM A actividade da empresa engloba a recolha e deposição de resíduos indiferenciados

Leia mais

A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional

A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional A Importância da Biomassa no Mix Energético Nacional 24 de Março de 2017 Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 10:00 10:10 10:10 10:30 10:30 10:50 Abertura Prof. Dr. Luís Neves,

Leia mais

Subestação de Vila Pouca de Aguiar INFORMAÇÃO MENSAL

Subestação de Vila Pouca de Aguiar INFORMAÇÃO MENSAL Subestação de Vila Pouca de Aguiar INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELECTROPRODUTOR PRINCIPAIS INDICADORES DO SISTEMA ELECTROPRODUTOR 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO E POTÊNCIA 2 CONSUMO / REPARTIÇÃO DA PRODUÇÃO 3 PRODUÇÃO

Leia mais

ELECTRICIDADE RENOVÁVEL Um protagonismo crescente. António Sá da Costa

ELECTRICIDADE RENOVÁVEL Um protagonismo crescente. António Sá da Costa ELECTRICIDADE RENOVÁVEL Um protagonismo crescente António Sá da Costa 2 EVOLUÇÃO 2000-2012 6.000 Evolução da potência renovável instalada em Portugal 5.000 4.000 MW 3.000 2.000 1.000 0 2000 2001 2002 2003

Leia mais

PROTOCOLO DE QUIOTO, UM DESAFIO NA UTILIZAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROTOCOLO DE QUIOTO, UM DESAFIO NA UTILIZAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS PROTOCOLO DE QUIOTO, UM DESAFIO NA UTILIZAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Índice Compromissos ambientais Compromissos ambientais Protocolo de Quioto Objectivos da Directiva FER 2001/77 CE Metas Indicativas

Leia mais

JOGOS A REALIZAR ENTRE 29/09/2017 E 05/10/2017

JOGOS A REALIZAR ENTRE 29/09/2017 E 05/10/2017 CAMPEONATO DISTRITAL DE INICIADOS DA 3ª DIVISÃO SÉRIE "A" 123. 01. 005. 0 123. 01. 006. 0 AD ALMADA 2015 "A" GALITOS FUT. CLUBE GINASIO C.CORROIOS 384 349 CAMPO CASSAPO- CAMPO PEPITA-TRAFARIA 123. 01.

Leia mais

Setembro 2008 INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELECTROPRODUTOR

Setembro 2008 INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELECTROPRODUTOR Setembro 28 INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELECTROPRODUTOR PRINCIPAIS INDICADORES DO SISTEMA ELECTROPRODUTOR 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO E POTÊNCIA 2 CONSUMO / REPARTIÇÃO DA PRODUÇÃO 3 PRODUÇÃO HIDRÁULICA, TÉRMICA

Leia mais

Ganhe eficiência nas soluções de energia.

Ganhe eficiência nas soluções de energia. CRIE VANTAGENS: Ganhe eficiência nas soluções de energia. ON SUN! ENERGY SOLUTIONS. Invista em soluções pensadas, testadas, certificadas e asseguradas por especialistas. _Quem Somos? Com presença nacional

Leia mais

Energia Incentivada Geração Distribuída de Energia Mini e Micro Geração de Energia Conceitos Básicos

Energia Incentivada Geração Distribuída de Energia Mini e Micro Geração de Energia Conceitos Básicos Energia Incentivada Geração Distribuída de Energia Mini e Micro Geração de Energia Conceitos Básicos José Henrique Diniz Consultor ADENOR, SEBRAE e FUNDAÇÃO DOM CABRAL Sócio-Consultor: CONEXÃO Energia

Leia mais

Recursos energéticos. Recursos renováveis e não renováveis

Recursos energéticos. Recursos renováveis e não renováveis Departamento de Engenharia Civil, Arquitetura e Georrecursos Recursos energéticos Energias fósseis e energias renováveis 1º Ano Eng.ª Ambiente - 2017/2018 Recursos renováveis e não renováveis Energias

Leia mais

Plano de Acção de Energia no Concelho de Almada: o Contributo da AGENEAL

Plano de Acção de Energia no Concelho de Almada: o Contributo da AGENEAL Plano de Acção de Energia no Concelho de Almada: o Contributo da AGENEAL Carlos Sousa Encontro Nacional das Agências de Energia e Ambiente Coimbra, 27 de Maio de 2004 Concelho de Almada: Descrição de

Leia mais

AcquaLiveExpo Inovação e Oportunidades no Sector Hidroeléctrico

AcquaLiveExpo Inovação e Oportunidades no Sector Hidroeléctrico AcquaLiveExpo Inovação e Oportunidades no Sector Hidroeléctrico António Sá da Costa APREN Associação Portuguesa de Energias Renováveis 22-03-2012 Desafio geracional Aproveitamento da energia hídrica desde

Leia mais

pcp» PARTiDO COMUNISTA PORTLJGUS Projeto de Lei n /XII Reorganização Administrativa Territorial Autárquica Proposta de eliminação «ANEXO 1

pcp» PARTiDO COMUNISTA PORTLJGUS Projeto de Lei n /XII Reorganização Administrativa Territorial Autárquica Proposta de eliminação «ANEXO 1 Reorganização Administrativa Territorial Autárquica 2 320/XII PARTiDO COMUNISTA PORTLJGUS Assembleia da República, 6 de dezembro de 2012 existentes e identificadas na Coluna A como Freguesias a agregar».

Leia mais

A NOSSA PRESENÇA MÉDIO ORIENTE - BRASIL - PENÍNSULA IBÉRICA

A NOSSA PRESENÇA MÉDIO ORIENTE - BRASIL - PENÍNSULA IBÉRICA A NOSSA PRESENÇA MÉDIO ORIENTE - BRASIL - PENÍNSULA IBÉRICA A NOSSA ATIVIDADE Prestação de serviços nas seguintes actividades: > Projecto, construção e manutenção de redes de distribuição de energia de

Leia mais

JOGOS A REALIZAR ENTRE 06/10/2017 E 12/10/2017

JOGOS A REALIZAR ENTRE 06/10/2017 E 12/10/2017 CAMPEONATO DISTRITAL DA 1ªDIVISÃO 111. 00. 001. 0 PALMELENSE F.CLUBE VASCO GAMA A.C. 111. 00. 002. 0 U.F.C.MOITENSE CHARNECA DA 376 JUNCAL DESPORTOS-MOITA 111. 00. 003. 0 ALMADA ATL. CLUBE BEIRA MAR ALMADA

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora

Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Combate ao Desperdício de Energia Elétrica Laboratório de Eficiência Energética Universidade Federal de Juiz de Fora Energia - É a capacidade de realizar trabalho. aquilo que permite a mudança a na configuração

Leia mais

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues As Energias do Presente e do Futuro Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA EÓLICA E EM PORTUGAL Situação, objectivo e desafios Álvaro Rodrigues Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Instituto

Leia mais

Os desafios da produção renovável no Inverno 2013/2014

Os desafios da produção renovável no Inverno 2013/2014 Os desafios da produção renovável no Inverno 2013/2014 22 de Maio de 2014 Rui Pestana Tópicos Evolução da potência instalada Evolução do consumo Índices de produtibilidade Produção renovável em 2013 e

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE FONTES

PRODUÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE FONTES PRODUÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS A produção de energia, a partir de fontes renováveis, tem múltiplas vantagens, existindo fortes incentivos para a construção dessas Centrais de Micro Geração

Leia mais

Educação Pré-Escolar 2 Delegados. 1º Ciclo do Ensino Básico - 4 Delegados

Educação Pré-Escolar 2 Delegados. 1º Ciclo do Ensino Básico - 4 Delegados S P G L S i n d i c a t o d o s P r o f e s s o r e s d a G r a n d e L i s b o a Educação Pré-Escolar 2 Delegados Núcleo 55 públicos dos concelhos de: Almada e Seixal Núcleo 56 públicos dos concelhos

Leia mais

RIBEIRINHO. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento

RIBEIRINHO. Caracterização e Propostas de Reestruturação. Núcleo de Estudos e Planeamento ACES ARCO RIBEIRINHO Caracterização e Propostas de Reestruturação Núcleo de Estudos e Planeamento 09-10-2015 Índice 1. Introdução... 3 2. ACES 10 Arco Ribeirinho... 3 2.1. População Residente... 3 2.2.

Leia mais

Commitment, Transparency, Proximity, Profitability, Trust, Sustainable energy, Commitment, Transparency, Proximity, Profitability, Trust, Sustainable

Commitment, Transparency, Proximity, Profitability, Trust, Sustainable energy, Commitment, Transparency, Proximity, Profitability, Trust, Sustainable Commitment, Transparency, Proximity, Profitability, Trust, Sustainable energy, Commitment, Transparency, Proximity, Profitability, Trust, Sustainable energy, Commitment, Transparency, Proximity, Profitability,

Leia mais

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM A Formação Específica

Consulta de Vagas disponíveis para o concurso IM A Formação Específica ANATOMIA PATOLÓGICA ANATOMIA PATOLÓGICA Hospital Garcia de Orta, ESTOMATOLOGIA GENETICA MEDICA Centro Hospitalar de Lisboa Norte, GENETICA MEDICA Centro Hospitalar Lisboa Central, HEMATOLOGIA CLINICA Hospital

Leia mais

ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017

ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017 ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL LISBOA, 26 DE SETEMBRO DE 2017 ELETRICIDADE NO MUNDO - 2016 Fonte: REN 21 - Renewables 2017 Global Status Report 2 POTÊNCIA RENOVÁVEL INSTALADA NO MUNDO - 2016 (EXCLUINDO

Leia mais

Resumo intervenção Jan-Dez 2015 Rastreios

Resumo intervenção Jan-Dez 2015 Rastreios Resumo intervenção Jan-Dez 2015 Rastreios Objectivos do Projecto Realizar testes rápidos para infeção VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana), VHB (Vírus da Hepatite B), VHC (Vírus de Hepatite C) e Sífilis

Leia mais

JOGOS A REALIZAR ENTRE 09/02/2018 E 15/02/2018

JOGOS A REALIZAR ENTRE 09/02/2018 E 15/02/2018 CAMPEONATO DISTRITAL DA 1ªDIVISÃO 111. 00. 113. 0 326 ESTÁDIO VILA AMÁLIA-SESIMBRA 111. 00. 114. 0 111. 00. 115. 0 UNIÃO D.C. BANHEIRENSE AMORA FUTEBOL CLUB G. D. ALCOCHETENSE FC SETUBAL FUTEBOL CLUBE

Leia mais

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto

Jornadas de Investigação e Inovação LNEC. Energias renováveis. Potencial de integração da indústria da construção. Armando Pinto Jornadas de Investigação e Inovação LNEC Energias renováveis Potencial de integração da indústria da construção apinto@lnec.pt LNEC 26 de março de 2012 Objetivos para energia renovável > Diretiva 2009/28/CE

Leia mais

Julho 2008 INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELECTROPRODUTOR

Julho 2008 INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELECTROPRODUTOR Julho 8 INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELECTROPRODUTOR PRINCIPAIS INDICADORES DO SISTEMA ELECTROPRODUTOR 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO E POTÊNCIA CONSUMO / REPARTIÇÃO DA PRODUÇÃO 3 PRODUÇÃO HIDRÁULICA, TÉRMICA 4 PRODUÇÃO

Leia mais

IMAGINE AQUI O SEU NEGÓCIO

IMAGINE AQUI O SEU NEGÓCIO IMAGINE AQUI O SEU NEGÓCIO MAIS DE 160 IMÓVEIS EM DE IMÓVEIS COMERCIAIS PARA EMPREENDEDORISMO 2 DE MAIO A 31 DE JULHO MILLENNIUM. É PARA AVANÇAR. 5% DE DESCONTO SOBRE O PREÇO DE CATÁLOGO NOS IMÓVEIS ESCRITURADOS

Leia mais

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde

Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Alberto Mendes Ministério do Turismo, Indústria e Energia Cabo Verde Rendimento per capita de 2008 foi de US$3.130, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização: 83,8% para adultos e 97% para

Leia mais

A biomassa como fonte energética uma realidade? Paulo Preto dos Santos, Secretário Geral - Associação dos Produtores de Energia e Biomassa Julho 2010

A biomassa como fonte energética uma realidade? Paulo Preto dos Santos, Secretário Geral - Associação dos Produtores de Energia e Biomassa Julho 2010 A biomassa como fonte energética uma realidade? Paulo Preto dos Santos, Secretário Geral - Associação dos Produtores de Energia e Biomassa Julho 2010 Na realidade, a produção de energia eléctrica com biomassa

Leia mais

Composição dos Preços de Eletricidade, incluindo os Custos de Interesse Económico Geral ESTRUTURA DOS PREÇOS DE ELETRICIDADE FIXADOS PARA 2013

Composição dos Preços de Eletricidade, incluindo os Custos de Interesse Económico Geral ESTRUTURA DOS PREÇOS DE ELETRICIDADE FIXADOS PARA 2013 Composição dos Preços de Eletricidade, incluindo os Custos de Interesse Económico Geral ESTRUTURA DOS PREÇOS DE ELETRICIDADE FIXADOS PARA 2013 Índice 1. Componentes que Integram os Preços de Eletricidade

Leia mais

Ccent. 15/2017 Capwatt / Lusobrisa*Ventos da Serra. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 15/2017 Capwatt / Lusobrisa*Ventos da Serra. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 15/2017 Capwatt / Lusobrisa*Ventos da Serra Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 50.º da Lei n.º 19/2012, de 8 de maio] 01/06/2017 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO

Leia mais

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Wildson W de Aragão Físico Professor de Física de Escolas de Ensino Médio e Cursos Pré Vestibular da rede particular de Ensino

Leia mais

Experiências de Portugal na Geração de Energia a partir de Resíduos

Experiências de Portugal na Geração de Energia a partir de Resíduos PAINEL 2 - Geração de Energia a partir de Lodo e Biomassa Experiências de Portugal na Geração de Energia a partir de Resíduos Mário Russo Prof. Coordenador Instituto Politécnico de Viana do Castelo Vice-Presidente

Leia mais

Direção Regional de Setúbal

Direção Regional de Setúbal SPGL Sindicato dos Professores da Grande Lisboa Direção Regional de Setúbal CALENDÁRIO DAS REUNIÕES Educação Pré Escolar Núcleo LXX nos estabelecimentos públicos dos Almada e Seixal Núcleo LXXI nos estabelecimentos

Leia mais

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh.

Hidrelétrica. Itaipu: MW (potência de geração) * 16,99% da energia consumida no Brasil * Em 2011: MWh. Hidrelétrica Funcionamento: * Pressão causa um aumento da velocidade da água rgh=rv 2 /2 portanto: E a h * Quanto mais alta a represa, maior a velocidade da água e, portanto, maior a energia produzida.

Leia mais

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos Renováveis- Grande e Pequena Hídrica Carlos Matias Ramos Lisboa, 3 de Março de 2009 Ilusão da Abundância Existe o sentimento de que os bens essenciais - água e energia eléctrica -são recursos disponíveis

Leia mais

ALGARVE 2030 Desafiar o Futuro

ALGARVE 2030 Desafiar o Futuro ALGARVE 2030 Desafiar o Futuro Francisco Serra Presidente da CCDR Algarve PNI 2030 Sessão de Auscultação Regional Faro 19 de setembro de 2018 Algarve Macroeconomia PIB per capita (milhares de ) 2015 2016

Leia mais

PIDDAC Distrito de Setúbal PROPOSTAS

PIDDAC Distrito de Setúbal PROPOSTAS PIDDAC Distrito de Setúbal PROPOSTAS Acessibilidades e transportes Estudos para a extensão do Metro Sul do Tejo: 2ª Fase Corroios/Fogueteiro; 3ª Fase Fogueteiro/Seixal/Barreiro; Prolongamento até à Moita;

Leia mais

urbanas das cidades do Sul da Europa no contexto do projecto EURMET

urbanas das cidades do Sul da Europa no contexto do projecto EURMET Detecção remota das áreas morfológicas urbanas das cidades do Sul da Europa no contexto do projecto EURMET José António nio Tenedório rio,, Sara Encarnação, Patrícia Abrantes e-geo Centro de Estudos de

Leia mais

ACES ARRÁBIDA UCSP PINHAL NOVO

ACES ARRÁBIDA UCSP PINHAL NOVO ACES ARRÁBIDA UCSP PINHAL NOVO Planeamento do ACES da Arrábida ARSLVT Núcleo de Estudos e Planeamento 03-2013 Índice 1. Introdução... 3 2. ACES 11 Arrábida... 4 2.1. Direção de ACES... 4 2.2. Locais de

Leia mais

A história das pequenas centrais hídricas em Portugal e o seu potencial futuro

A história das pequenas centrais hídricas em Portugal e o seu potencial futuro A história das pequenas centrais hídricas em Portugal e o seu potencial futuro Breve nota histórica sobre a electricidade em Portugal Virtualidades e desenvolvimento das energias renováveis Água, a matéria-prima

Leia mais

Plano de Ação para a Energia Sustentável

Plano de Ação para a Energia Sustentável Plano de Ação para a Energia Sustentável Pacto de Autarcas Desafios e oportunidades Auditório da Biblioteca Municipal de Palmela, 28 de novembro de 2013 Plano de Ação para a Energia Sustentável de Palmela

Leia mais

PDM de Manteigas. Revisão. Estudos de Base. Volume V Infraestruturas. Tomo III Energia e Telecomunicações

PDM de Manteigas. Revisão. Estudos de Base. Volume V Infraestruturas. Tomo III Energia e Telecomunicações PDM de Manteigas Revisão Estudos de Base Volume V Infraestruturas Tomo III Energia e Telecomunicações Junho 2009 REVISÃO DO PDM DE MANTEIGAS ESTUDOS DE BASE VOLUME V Infraestruturas TOMO III ENERGIA E

Leia mais

FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA

FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA FONTES DE ENERGIA PROFESSOR : DANIEL DE PAULA MATRIZ ENERGÉTICA : É O BALANÇO DOS RECURSOS ENERGÉTICOS QUE UM PAÍS TEM OU COMPRA PARA UTILIZAR NO PROCESSO PRODUTIVO. FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS NÃO-RENOVÁVEIS

Leia mais

INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELETROPRODUTOR. dezembro Linha Armamar - Bodiosa 400 kv

INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELETROPRODUTOR. dezembro Linha Armamar - Bodiosa 400 kv INFORMAÇÃO MENSAL SISTEMA ELETROPRODUTOR Linha Armamar - Bodiosa 4 kv PRINCIPAIS INDICADORES DO SISTEMA ELETROPRODUTOR 1 EVOLUÇÃO DO CONSUMO E POTÊNCIA 2 CONSUMO / REPARTIÇÃO DA PRODUÇÃO 3 PRODUÇÃO HIDRÁULICA,

Leia mais

PEA 2200 ENERGIA, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

PEA 2200 ENERGIA, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE PEA 2200 ENERGIA, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE 1ª Prova 12.04.2013 - Prof a. Eliane e Prof. Alberto Instruções: Responda as questões nos espaços reservados para as respostas, caso necessário, utilize

Leia mais

HASTA PÚBLICA DGTF 16 DE DEZEMBRO 2014

HASTA PÚBLICA DGTF 16 DE DEZEMBRO 2014 HASTA PÚBLICA DGTF 16 DE DEZEMBRO 2014 PRÉDIO SANTA MARIA MAIOR LISBOA Rua de Santa Cruz ao Castelo nº 62, Lisboa Prédio urbano com RC e 2 andares superiores 87 m 2 Classe C 122 Santa Maria Maior HASTA

Leia mais

PLANEAMENTO URBANO SOLAR

PLANEAMENTO URBANO SOLAR Miguel Águas Lisboa E-Nova Maria João Rodrigues Wee Solutions INDICE ENQUADRAMENTO ESTRATÉGICO PROJECTO POLIS PLANO SOLAR DE ACÇÃO PARA LISBOA PORTUGAL O PAIS MAIS RICO Entre 2800 e 3000 horas de Sol por

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS

ENERGIAS ALTERNATIVAS ENERGIAS ALTERNATIVAS ABINEE TEC SUL 2006 Seminário Geração, Transmissão e Distribuição de Energia 30 de março o de 2006 O Que são? Panorama atual? Oportunidades? Atuação da ENGEVIX neste mercado Fontes

Leia mais

ENERGIA movimentando a vida

ENERGIA movimentando a vida ENERGIA movimentando a vida Renováveis: é a energia que vem de recursos naturais como sol, vento, chuva e biomassa. Não-renováveis: é a energia que vem de recursos naturais, que, quando utilizados não

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: FEELT31507 COMPONENTE CURRICULAR: FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA I UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA: FACULDADE DE ENGENHARIA

Leia mais

FONTES DE ENERGIA COMBUSTÍVEL FÓSSIL

FONTES DE ENERGIA COMBUSTÍVEL FÓSSIL FONTES DE ENERGIA COMBUSTÍVEL FÓSSIL PETRÓLEO Betume líquido (C+H) 7 irmãs: controlaram o mercado do petróleo de 1928 a 1960, até a criação da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) Crises

Leia mais