AUTORIZAÇÃO DE TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTORIZAÇÃO DE TRABALHO"

Transcrição

1 INFORMAÇÕES SOBRE OBTENÇÃO DE VISTO BRASILEIRO Primeiramente, para que se possa ser compreendido os procedimentos e a política adotada pelo Governo Brasileiro no que concerne a situação jurídica do estrangeiro no Brasil, é importante compreender o princípio do Estatuto do Estrangeiro, em vigor, que está pautada pela lei 6815 de 19 de agosto de Na aplicação desta Lei, está previsto que, os agentes públicos devem atender primeiramente à segurança nacional, à organização institucional, aos interesses políticos, sócio-econômicos e culturais do Brasil, bem assim à defesa do trabalhador nacional, sendo que a concessão do visto, a sua prorrogação ou transformação ficarão sempre condicionadas aos interesses nacionais. Frente a esta norma, pode se entender que, os agentes públicos poderão atuar de forma discricionária nas decisões de seus atos administrativos, ou seja, a praticar com certa margem de liberdade de decisão, visto que o legislador, não podendo antecipar qual o melhor caminho a ser tomado, confere ao administrador a possibilidade de escolha, dentro da lei. Por esta razão, poderá ocorrer que mesmo que os processos de autorização de trabalho ou de vistos estejam instruídos com todos os documentos necessários para a instrução do processo, o mesmo poderá ser negado, por não atender aos interesses nacionais. Tendo em conta, o extensivo e complexo conteúdo sobre essa matéria da questão imigratória no Brasil, neste relatório, tomo a liberdade de abordar os principais vistos requeridos pelas empresas multinacionais japonesas, de uma maneira geral, para que possam transferir os seus colaboradores ao Brasil. Seguem em arquivos separados, gráfico (Anexo 1) referente a relação de documentos para a instrução dos processos, (Anexo 2) prazo para a tramitação dos procedimentos e (Anexo 3) Casos cabíveis de Prorrogação do Prazo de Estada e Transformação do visto Temporário em Permanente. Vale esclarecer que, o presente relatório foi finalizado em 14 de março de 2013, constando assim, todas as informações atualizadas até a presente data, podendo, entretanto, após esta data, haver alteração em qualquer conteúdo, com a publicação de uma nova norma jurídica, alteração nos procedimentos administrativos, tão bem como, nos prazos informados. VISTO O visto é um ato administrativo discricionário, que por meio dela, permite aos estrangeiros entrar e permanecer no País, após satisfazerem as condições previstas na legislação de imigração. Este ato é de competência do Ministério das Relações Exteriores, que por meio da Repartição Consular no exterior, registra no passaporte do estrangeiro, um carimbo ou selo consular, que permite ao estrangeiro ingressar e permanecer no Brasil. Como regra geral, todos os vistos temporários (exceto no caso de visto temporário item III - artistas e desportistas ou item VI - correspondentes de imprensa) e permanente deverão ser requeridos na Repartição Consular que tenha jurisdição sobre o local onde o interessado tenha mantido residência por um período mínimo 1 (um) ano imediatamente anterior ao pedido. Após a emissão do visto, o estrangeiro de nacionalidade japonesa tem 90 dias para utilizar o visto, sendo possível a sua prorrogação por mais 90 dias, com o pagamento de nova taxa consular, antes do vencimento do período inicial. O visto concedido pela autoridade consular configura mera expectativa de direito, podendo a entrada, a estada ou o registro do estrangeiro ser obstado ocorrendo qualquer dos casos previsto em lei, ou se houver a inconveniência de sua presença no território nacional, a critério do Ministério da Justiça e Departamento de Polícia Federal. A concessão de visto poderá estender-se a dependente legal do estrangeiro desde que comprovada a sua dependência. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 1

2 AUTORIZAÇÃO DE TRABALHO Autorização de trabalho a estrangeiros é o ato administrativo discricionário de competência do Ministério do Trabalho e Emprego, exigido previamente pelas autoridades consulares brasileiras, para a concessão de vistos para estrangeiros que pretendam trabalhar no Brasil. Uma vez concedida a autorização de trabalho, pelo Ministério do Trabalho e Emprego é encaminhado um ofício ao Ministério das Relações Exteriores, que por sua vez, após análise, encaminha para a Repartição Consular do Exterior, a autorização para que o estrangeiro possa requerer o visto consular. Recebido o ofício para a autorização do visto pelo Consulado Brasileiro do exterior, para que o estrangeiro possa requerer o visto consular, o estrangeiro terá 180 dias para requerer o visto consular, sob a pena de ser cancelada a autorização de trabalho, devendo neste caso, ser requerido um novo pedido ao Ministério do trabalho e Emprego. A Coordenação Geral de Imigração é Departamento competente, para decidir sobre as solicitações de Autorização de Trabalho a Estrangeiros. PRINCIPAIS VISTOS: VISTO TEMPORÁRIO É a autorização concedida pelo Ministério das Relações Exteriores, através dos consulados brasileiros no exterior, aos estrangeiros que pretendam vir ao Brasil em caráter temporário ao Brasil. 1) VISTO TEMPORÁRIO II (Negócios) 1.1. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 13, inciso II, da Lei 6815/ REQUISITOS O visto de negócios é concedido aos estrangeiros em viagem de curto prazo, com a finalidade de participar de encontros de negócios, reuniões e seminários. Poderá ser concedido àqueles que pretendem viajar ao Brasil a negócios, sem exercício de atividade remunerada por fonte em território nacional ou como tripulantes de navios ou aeronaves, quando não possuírem carteira internacional de tripulantes. Entretanto, jamais deverá ser utilizada para a prestação de serviços técnicos, incluindo instalação, manutenção ou reparo de máquinas ou equipamentos, mesmo que não receba nenhuma remuneração no Brasil, pois nestes casos, deverá ser requerido o visto específico para esta finalidade, mediante prévia autorização de trabalho. Recentemente, mediante acordo entre o Brasil e o Japão, o visto temporário II passou a ser emitida com validade de 3 anos, com múltiplas entradas no País, com prazo de estada não excedente a 90 dias, prorrogáveis por igual período, totalizando, no máximo 180 dias por ano. Importante observar que, anteriormente, com a validade do visto de negócios de 90 dias, o prazo de sua validade contava-se a partir da data de seu ingresso no Brasil, mas após alteração para 3 anos, a sua validade passou a ser contada a partir da data de sua emissão PROCEDIMENTOS O visto de negócios poderá ser requerido diretamente no Consulado Brasileiro do Exterior, com a apresentação das documentações necessárias. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 2

3 1.4. CUIDADOS PERTINENTES Não pode ser exercida nenhuma atividade profissional no Brasil, nem tampouco prestação de serviços técnicos, mesmo que não se mantenha nenhum vínculo empregatício com a empresa brasileira. Se constatado que um estrangeiro está trabalhando com visto de negócios no Brasil, a empresa brasileira será autuada, com o pagamento de multa e o estrangeiro convidado a sair do país PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE ESTADA Poderá ser requerida no Departamento de Polícia Federal, antes do vencimento dos 90 dias do prazo de estada inicial, podendo ser prorrogado por igual período no Brasil, totalizando o prazo máximo de 180 (cento e oitenta) dias por ano, ou seja, um período de 365 dias. 2) VISTO TEMPORÁRIO IV (ESTUDANTE) 2.1. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 13, inciso IV, da Lei 6815/ REQUISITOS: O visto de estudante é concedido aos estrangeiros que pretendam estudar no Brasil e que já esteja matriculado em escola, faculdade ou universidade registrada no Ministério da Educação no Brasil. De meados do ano passado (2012), os Consulados Brasileiros do Japão passaram a exigir aos cursos de língua portuguesa, a carga horária superior a 15 horas semanais, como um dos requisitos para a concessão do visto consular PROCEDIMENTOS O visto de estudante poderá ser requerido diretamente no Consulado Brasileiro do Exterior, com a apresentação das documentações necessárias CUIDADOS PERTINENTES A finalidade do visto de estudantes é para estudos, não podendo exercer qualquer atividade profissional no Brasil, sob a pena da empresa brasileira ser autuada, com o pagamento de multa e o estrangeiro convidado a sair do país RENOVAÇÃO O prazo de estada será de até 1 ano, prorrogável, mediante a comprovação da prova do aproveitamento escolar e a matrícula para o novo período. O estrangeiro registrado como temporário, que se ausentar do Brasil, poderá regressar independente de novo visto, se o fizer dentro do prazo de validade de sua estada no território nacional. Após o vencimento do visto, em caso de viagem ao exterior, deverá requerer ao Consulado Brasileiro do exterior, um visto em caráter excepcional, para ingressar no Brasil, mediante a apresentação do protocolo do processo de prorrogação do prazo de estada. 3) VISTO TEMPORÁRIO V O visto temporário V é concedido aos profissionais, que ingressam no Brasil com contrato de Trabalho em empresa situada no Brasil, prestação de serviços de Assistência Técnica e Treinamento Profissional. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 3

4 3.1. VISTO TEMPORÁRIO V COM CONTRATO DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 13, inciso V, da Lei 6815/80 e Resolução Normativa nº 99/ REQUISITOS O visto temporário com contrato de trabalho objetiva a concessão do estrangeiro para exercer atividade remunerada com vínculo empregatício com entidade estabelecida no Brasil. Por se tratar de contratação com contrato de trabalho com a empresa brasileira, a empresa contratante deverá pagar todas as obrigações sociais e trabalhistas estipuladas pela legislação trabalhista nos termos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Para que o estrangeiro possa obter a autorização de trabalho, a empresa brasileira e o estrangeiro deverão cumprir os requisitos abaixo: Compatibilização entre as atividades a serem desempenhadas pelo estrangeiro e o objeto social da contratante; Que seja justificada a necessidade da mão-de-obra estrangeira em relação a não contratação de um profissional brasileiro; A empresa brasileira deverá ter a proporcionalidade de 2/3 de empregados brasileiros contratados pela CLT, em relação ao empregado estrangeiro, no que tange ao número de empregados e a folha de salários. Equiparam-se a brasileiros, para este fim, o estrangeiro que reside no Brasil há mais de 10 anos no Brasil e que tenha cônjuge ou filho brasileiro; A remuneração a ser paga ao estrangeiro pela empresa brasileira não poderá ser inferior à maior remuneração percebida por brasileiro, para o exercício da mesma função/atividade; Quando se tratar de transferência para o mesmo Grupo Econômico, a remuneração que o estrangeiro receberá após a sua chegada ao Brasil (somando se a remuneração da empresa brasileira e do exterior) não poderá ser inferior a sua atual remuneração percebida no exterior. Será exigida do candidato experiência profissional mínima compatível com a atividade a ser exercida no Brasil, como segue: I - escolaridade mínima de nove anos e experiência de dois anos em ocupação que não exija nível superior; ou II - experiência de um ano no exercício de profissão de nível superior, contando esse prazo da conclusão do curso de graduação que o habilitou a esse exercício; ou III - conclusão de curso de pós-graduação, com no mínimo 360 horas, ou de mestrado ou grau superior compatível com a atividade que irá desempenhar; ou IV - experiência de três anos no exercício de profissão, cuja atividade artística ou cultural independa de formação escolar. A escolaridade profissional será comprovada por meio de diplomas e certificados escolares, devidamente legalizados pelo Consulado Brasileiro no Exterior. A empresa brasileira deverá ser responsável por todas as despesas médicas e hospitalares do estrangeiro e de seus dependentes, tão bem como a repatriação ao país de origem; Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 4

5 PROCEDIMENTOS Deverá ser requerida previamente a autorização de trabalho temporário, na Coordenação Geral de Imigração, do Ministério do Trabalho e Emprego, para a concessão do visto temporário V, no Consulado Brasileiro do Exterior CUIDADOS PERTINENTES Registrar na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) do estrangeiro, todas as informações de acordo com o Contrato de Trabalho apresentado na ocasião da autorização de trabalho (cargo, salário, etc.), respeitando inclusive a cláusula referente ao registro de estrangeiro na data de seu ingresso ao Brasil. O estrangeiro portador do visto temporário não poderá estabelecer-se com firma individual, ou exercer cargo ou função de administrador, gerente ou função de administrador, gerente, diretor de sociedade comercial ou civil PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE ESTADA TRANSFORMAÇÃO DO VISTO TEMPORÁRIO V PARA PERMANENTE O prazo do visto temporário é de até 02 anos, permitida a prorrogação na mesma função, por igual período inicial (por até mais 02 anos) ou a transformação do visto temporário V para permanente, também na mesma função, conforme alteração, com o advento da Resolução Normativa nº 99, de 12 de dezembro de 2012, em vigor, revogando as Resoluções Normativas nº 80, de 16 de outubro de 2008 e nº 96, de 23 de novembro de Frente a esta alteração legal, será importante que a empresa brasileira verifique a necessidade da estada do estrangeiro no Brasil, pois se houver a necessidade da continuidade do trabalho do estrangeiro no Brasil, por até 2 anos, deve se requerer a prorrogação do prazo de estada, entretanto, se houver a necessidade do estrangeiro fixar-se permanentemente, por período superior a 2 anos, deve ser optar, pela transformação do visto temporário V para permanente. Entretanto, nada impedirá que no primeiro momento se requeira a prorrogação do prazo de estada por mais 2 anos e antes de seu vencimento se protocole o pedido de transformação do visto temporário V para permanente, como tem sido adotado até a presente data. Vale esclarecer que, antes mesmo da publicação da Resolução Normativa nº 99/2012, o Ministério da Justiça já tinha adotado na prática, a transformação do visto temporário V para permanente para todos os estrangeiros que protocolavam o pedido de prorrogação do prazo de estada V, emitindo uma Carta dirigida a todos os interessados para que fosse juntado o pedido de aditamento, para alterar todos os processos para transformação do visto temporário V para permanente sob pena de ter o processo arquivado. Desta forma, até o presente momento, o Ministério da Justiça tem deferido os processos de transformação de visto temporário V para permanente, com base no art. 37 da lei 6815/80, cujo permanente concedido é do art. 16, da mesma Lei, mas em sua decisão do deferimento do processo, tem condicionado o estrangeiro a mesma função por um determinado período. Na prática, apesar do condicionamento do Ministério da Justiça, o Departamento de Polícia Federal, ao analisar a emissão da cédula de identidade para estrangeiro, tem entendido que por se tratar do art. 37, o estrangeiro não está vinculado a qualquer condicionamento, logo, a sua cédula tem sido emitida por 9 anos, sem qualquer vinculação. Diante dessa nova Resolução Normativa nº 99/2012, talvez possa haver qualquer alteração quanto a validade da nova RNE, assim como, novos procedimentos para a troca do RNE, mas que até a presente data, o Departamento de Polícia Federal não emitiu nenhum comunicado, nem publicou qualquer normativa referente a esta nova determinação. Todavia, vale ressaltar que, se durante a estada do estrangeiro, a empresa desejar indicar o estrangeiro para ocupar um cargo estatutário, poderá ser requerida a transformação do visto para Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 5

6 permanente a qualquer momento, da estada do estrangeiro no Brasil, por meio de um ato de indicação a um cargo estatutário e o investimento estrangeiro de R$ ,00 para cada administrador estrangeiro indicado. Em todos os procedimentos, as autoridades imigratórias avaliarão não somente a necessidade de permanência do estrangeiro no Brasil, mas também se os termos do contrato de trabalho e as obrigações tributárias e trabalhistas foram cumpridos, tanto pelo estrangeiro, quanto pela empresa contratante. Para que possa solicitar a prorrogação do prazo de estada ou a transformação do visto temporário V em permanente, o estrangeiro deverá estar em território nacional na ocasião de seu pedido e durante a tramitação do processo, poderá se ausentar do país por prazo não superior a 90 dias, sob a pena de indeferimento do pedido. O protocolo do processo de prorrogação ou transformação garante a estada do estrangeiro no Brasil, mas não garante o seu ingresso no país sem um visto consular, caso deixe o país, após o vencimento do seu prazo de estada, mas se o estrangeiro registrado como temporário ausentar do Brasil, poderá regressar independente de novo visto, se o fizer dentro do prazo de validade de sua estada no território nacional. Entretanto, nacionais dos países que mantém o acordo que isenção do visto, por curto prazo, poderá ingressar no Brasil sem a obtenção de um novo visto consular. Na prática, segundo orientação do Departamento de Polícia Federal, apesar da lei exigir o visto consular para o ingresso no Brasil, após o vencimento do prazo de estada inicial e com o processo de prorrogação ou transformação em trâmite, eles afirmam que não estão impedindo o ingresso do estrangeiro no Brasil, nesta condição, mas aconselham verificar antecipadamente nas Companhias aéreas, se o estrangeiro não terá dificuldade para embarcar no avião, com o protocolo do processo de prorrogação ou da transformação. Porém, tendo em conta que, a legislação ainda exige o visto consular aos estrangeiros, mesmo com processo de prorrogação ou transformação em trâmite, costumamos orientar para que a lei seja cumprida, pois em caso de um problema com a imigração não temos nenhum argumento legal para auxiliá-los, mas na prática, por falta de tempo de requerer o visto consular muitos estrangeiros de nacionalidade japonesa tem se arriscado e ingressado sem nenhum problema, portando o protocolo dos referidos processos em trâmite e a Certidão de Trâmite Processual, para comprovar que o processo está em andamento, com a sua respectiva tradução juramentada na língua inglesa. O processo de prorrogação do prazo de estada item V com contrato de trabalho pode ser protocolizado no Departamento de Polícia Federal na jurisdição do estrangeiro ou no Ministério da Justiça (Brasília/DF), mas orientamos que seja protocolado diretamente em Brasília, para garantir uma maior celeridade no processo. Se protocolado no Departamento de Polícia Federal local, da jurisdição do estrangeiro, o processo será encaminhado ao Departamento de Polícia de Brasília/DF e somente após esta tramitação será encaminhada ao Ministério da Justiça em Brasília/DF, para ser cadastrado e iniciado a análise do processo, cuja tramitação poderá levar em torno de 2 à 4 meses, dependendo do período. Entretanto, se protocolado diretamente no Ministério da Justiça, em Brasília/DF, não haverá o prazo da tramitação acima descrito, pois o próximo passo será o cadastro e início da análise do processo. Após cadastro e análise do processo pelo Ministério da Justiça, os autos são enviados para o Ministério do Trabalho e Emprego para dar o seu parecer. Analisado pela Coordenação Geral de Imigração, do Ministério do Trabalho e Emprego, o processo retorna ao Ministério da Justiça para o deferimento do processo. Por sua vez, o processo de transformação do visto temporário V para permanente deve ser obrigatoriamente protocolizado no Departamento de Polícia Federal da jurisdição do interessado, com no mínimo 30 dias antes do vencimento do prazo de estada e seguirá a mesma tramitação acima Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 6

7 descrita para o processo de prorrogação do prazo de estada que foi protocolado no Departamento de Polícia Federal local. Os principais requisitos para a análise e o deferimento dos processos, de acordo com a Resolução Normativa nº 99/2012, são as que seguem: Na avaliação do pedido de prorrogação do prazo de estada será considerado: os benefícios prestados pelo estrangeiro em seu período inicial; justificativa da necessidade de continuidade do trabalho do estrangeiro no Brasil, respeitado o interesse do trabalhador brasileiro; cumprimento dos condicionantes estabelecidos quando da concessão da autorização de trabalho ao profissional estrangeiro, evolução do quadro de empregados, brasileiros e estrangeiros, da empresa requerente. Na avaliação do pedido de transformação do visto temporário V em permanente será considerado: os benefícios prestados pelo estrangeiro em seu período inicial; justificativa sobre sua pretensão em fixar-se definitivamente no Brasil; continuidade da necessidade do trabalho do estrangeiro no Brasil, respeitado o interesse do trabalhador brasileiro; a evolução do quadro de empregados, brasileiros e estrangeiros, da empresa requerente. Os processos de prorrogação do prazo de estada item V e transformação do visto temporário V para permanente têm sido deferidos em torno de 10 à 12 meses. Com referência aos processos de prorrogação do prazo de estada item V, acreditamos que, como a divergência de opiniões entre o Ministério da Justiça e o Conselho Nacional de Imigração foi sanada com a publicação da Resolução Normativa 99/2012, acreditamos que talvez aos poucos a tramitação se torne um pouco mais célere, até a normalização em sua tramitação MUDANÇA DE EMPRESA Considerando que, o profissional estrangeiro obteve o visto para trabalhar em determinada empresa brasileira, ele somente poderá exercer atividade junto a empresa que o contratou inicialmente, sendo que mudança para outra empresa, que não a do mesmo conglomerado, dependerá de prévia autorização do Ministério da Justiça, ouvido o Ministério do Trabalho e Emprego, não podendo, em hipótese alguma rescindir o contrato de trabalho inicial antes de obtida tal autorização, sob pena de cancelamento do visto de trabalho e do indeferimento da mudança de empregador. Por sua vez, no caso de transferência do estrangeiro para outra empresa do mesmo conglomerado econômico, a pessoa jurídica contratante deverá comunicar e justificar o ato ao Ministério do Trabalho e Emprego, no prazo máximo de quinze dias após a sua ocorrência. Importante esclarecer que, esta comunicação ou autorização é apenas obrigatória, durante o período de condicionamento do estrangeiro ao cargo, e que após este período não há necessidade de qualquer comunicação ao Ministério do Trabalho e Emprego MUDANÇA DE FUNÇÃO Na hipótese de mudança de função e/ou agregamento de outras atividades àquelas originalmente desempenhadas pelo estrangeiro, deverá a requerente apresentar justificativa, bem como aditivo ao contrato de trabalho, ao Ministério do Trabalho Emprego, no prazo máximo de quinze dias, após a ocorrência do fato. Importante esclarecer que, esta comunicação também é apenas obrigatória, durante o período de condicionamento do estrangeiro ao cargo, e que após este período não há necessidade de qualquer comunicação ao Ministério do Trabalho e Emprego. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 7

8 3.2. VISTO TEMPORÁRIO V PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA NO BRASIL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 13, inciso V, da Lei 6815/80 e Resolução Normativa nº 61/ REQUISITOS O visto temporário para prestação de serviços de assistência técnica objetiva a concessão do estrangeiro para executar atividades profissionais no Brasil sem o vínculo empregatício com a pessoa jurídica estabelecida no Brasil, mantendo o seu vínculo empregatício com a empresa estrangeira, não se destinando à substituição de mão-de-obra nacional. Possibilita a prestação de serviços de assistência técnica e/ou transferência de tecnologia de empresa estrangeira a empresa estabelecida em território nacional. O estrangeiro que virá prestar serviços técnicos no Brasil deverá ter no mínimo 03 (três) anos na atividade relacionada com a prestação do serviço contratado no Brasil. Não se aplica aos estrangeiros que venham desempenhar funções meramente administrativas, financeiras ou gerenciais em relação à empresa estabelecida no Brasil. Estão previstas três modalidades de assistência técnica: MODALIDADES NORMAL PRAZO DE ESTADA ATÉ 01 ANO Refere-se a prestação de serviço de assistência técnica envolvendo contratos de prestação de serviços de assistência técnica e/ou transferência de tecnologia PROCEDIMENTOS Para a sua obtenção no Consulado Brasileiro do exterior a empresa brasileira deverá requerer previamente uma autorização de trabalho ao Ministério do Trabalho e Emprego. CUIDADOS PERTINENTES Na ocasião do pedido da autorização de trabalho deverá ser comunicado todos os locais em que o estrangeiro prestará os serviços técnicos no Brasil, tendo em conta que, uma vez que, não comunicado todos os endereços e houver uma fiscalização do trabalho no local que o estrangeiro estiver trabalhando, a empresa poderá ser autuada com o pagamento de uma multa e o estrangeiro convidado a deixar o país. RENOVAÇÃO Poderá ser prorrogado pelo período de até mais um ano, devendo ser protocolado o pedido, antes do vencimento da estada inicial. Não se transforma em visto permanente. O processo de prorrogação do prazo de estada item V assistência técnica pode ser protocolizado no Departamento de Polícia Federal na jurisdição do estrangeiro ou no Ministério da Justiça (Brasília/DF), mas orientamos que seja protocolado diretamente em Brasília/DF, para garantir uma maior celeridade no processo. Se protocolado no Departamento de Polícia Federal local, da jurisdição do estrangeiro, o processo será encaminhado ao Departamento de Polícia de Brasília/DF e somente após esta tramitação será encaminhada ao Ministério da Justiça em Brasília/DF, para ser cadastrado e iniciado a análise do processo, cuja tramitação poderá levar em torno de 2 à 4 meses, dependendo do período. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 8

9 Entretanto, se protocolado diretamente no Ministério da Justiça, em Brasília/DF, não haverá o prazo da tramitação acima descrito, pois o próximo passo será o cadastro e início da análise do processo. Após cadastro e análise do processo pelo Ministério da Justiça, os autos são enviados para o Ministério do Trabalho e Emprego para dar o seu parecer. Analisado pela Coordenação Geral de Imigração, do Ministério do Trabalho e Emprego, o processo retorna ao Ministério da Justiça para o deferimento do processo. O principal requisito para o deferimento deste tipo de processo está em apresentar a comprovação da prestação de serviços técnicos e treinamento a brasileiros que foi proposto na ocasião da autorização de trabalho inicial e a justificativa da necessidade da prorrogação do prazo de estada no Brasil. O protocolo do processo de prorrogação garante a estada do estrangeiro no Brasil, mas não garante o seu ingresso no país sem um visto consular, caso deixe o país, após o vencimento do seu prazo de estada, mas se o estrangeiro registrado como temporário ausentar do Brasil, poderá regressar independente de novo visto, se o fizer dentro do prazo de validade de sua estada no território nacional. Entretanto, nacionais dos países que mantém o acordo que isenção do visto, por curto prazo, poderá ingressar no Brasil sem a obtenção de um novo visto consular. Na prática, segundo orientação do Departamento de Polícia Federal, apesar da lei exigir o visto consular para o ingresso no Brasil, após o vencimento do prazo de estada inicial e com o processo de prorrogação ou transformação em trâmite, eles afirmam que não estão impedindo o ingresso do estrangeiro no Brasil, nesta condição, mas aconselham verificar antecipadamente nas Companhias aéreas, se o estrangeiro não terá dificuldade para embarcar no avião, com o protocolo do processo de prorrogação ou da transformação. Porém, tendo em conta que, a legislação ainda exige o visto consular aos estrangeiros, mesmo com processo de prorrogação ou transformação em trâmite, costumamos orientar para que a lei seja cumprida, pois em caso de um problema com a imigração não temos nenhum argumento legal para auxiliá-los, mas na prática, por falta de tempo de requerer o visto consular muitos estrangeiros de nacionalidade japonesa tem se arriscado e ingressado sem nenhum problema, portando o protocolo dos referidos processos em trâmite e a Certidão de Trâmite Processual, para comprovar que o processo está em andamento com sua respectiva tradução juramentada na língua inglesa EXPRESSA prazo de estada até 90 dias Expressa Refere-se a prestação de serviço de assistência técnica por prazos determinados curtos, de até noventa dias, havendo exigências documentais reduzidas. PROCEDIMENTOS Para a sua obtenção no Consulado Brasileiro do exterior a empresa brasileira deverá requerer previamente uma autorização de trabalho ao Ministério do Trabalho e Emprego. CUIDADOS PERTINENTES Apesar do curto prazo de estada no Brasil, considerando que o estrangeiro ingressará no Brasil com visto temporário V, ele deverá efetuar o registro no Departamento de Polícia Federal dentro de 30 dias da data de seu ingresso no Brasil. Entretanto, se o estrangeiro permanecer no Brasil por prazo inferior a 30 dias, não há a necessidade de se efetuar o registro de estrangeiros no Departamento de Polícia Federal, mas deve ser observar que, como este visto é de 90 dias, com múltiplas entradas, se houver a possibilidade do estrangeiro retornar ao exterior e ingressar novamente no Brasil utilizando-se do mesmo visto, deve ser efetuado o registro de estrangeiros, pois caso contrário, na ocasião de seu retorno ao Brasil ele será autuado por não efetuar o registro dentro do prazo legal. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 9

10 PRORROGAÇÃO Não cabe prorrogação do prazo de estada para esta modalidade SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA PRAZO DE ESTADA DE ATÉ 30 DIAS Refere-se a situação fortuita que coloque em risco iminente a vida, o meio- ambiente, o patrimônio ou que tenha gerado interrupção da produção ou da prestação de serviço. Neste caso, há dispensa das formalidades legais, devendo o visto ser solicitado diretamente à autoridade consular no exterior. PROCEDIMENTOS A sua obtenção poderá ser requerida diretamente no Consulado Brasileiro do exterior, não havendo necessidade de requerer previamente uma autorização de trabalho ao Ministério do Trabalho e Emprego. CUIDADOS PERTINENTES Na carta convite deverá constar claramente a situação de emergência para a sua concessão. PRORROGAÇÃO Não cabe prorrogação do prazo de estada para esta modalidade TREINAMENTO PROFISSIONAL FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 13 da Lei 6815 e Resolução Normativa nº 87/ REQUISITOS Destina-se a estrangeiro que desejam vir ao Brasil para treinamento profissional, em empresa do mesmo grupo ou conglomerado econômico, sem vínculo empregatício com a empresa brasileira, vedado assim, a atividade que seja remunerada no Brasil. Deverão ser cumpridos os requisitos abaixo: 1) o estrangeiro deverá ser empregado de uma empresa estrangeira do mesmo grupo econômico; 2) o estrangeiro não poderá ter vínculo empregatício com a empresa brasileira; 3) a remuneração do estrangeiro deverá ser proveniente do exterior; 4) o treinamento se refere a uma atividade que visa desenvolver aptidões e conhecimentos por meio de trabalho prático, não podendo se caracterizar substituição de mão de obra nacional PROCEDIMENTOS Como trata-se de uma atividade profissional, para que o estrangeiro possa ingressar no Brasil para realizar treinamento, a empresa brasileira deverá requerer previamente uma autorização de trabalho em caráter temporário V ao Ministério do Trabalho e Emprego e após a sua aprovação obter o visto consular CUIDADOS PERTINENTES O estrangeiro não deverá ser registrado, em hipótese alguma, como empregado trainee pela empresa brasileira. Não poderá haver nenhum vínculo empregatício RENOVAÇÃO Improrrogável Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 10

11 4. CORRESPONDENTES - TEMPORÁRIO VI 4.1. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 13, inciso VI, da Lei 6815/ REQUISITOS Destina-se aos correspondentes de órgãos de imprensa (correspondente de jornal, revista, rádio, televisão ou agencia noticiosa) estrangeira que pretendem vir ao Brasil. Principais requisitos: 1) o estrangeiro deverá ser empregado de um órgão de imprensa estrangeira; 2) A empresa estrangeira deverá ser Responsável por todos os custos de permanência no Brasil, inclusive pela despesa de repatriação ao Japão. 3) O estrangeiro somente poderá trabalhar exclusivamente como correspondente da empresa estrangeira no Brasil e não poderá auferir nenhuma importância em dinheiro no Brasil PROCEDIMENTOS O visto de correspondente poderá ser requerido diretamente no Consulado Brasileiro do Exterior, com a apresentação das documentações necessárias CUIDADOS PERTINENTES Não poderá ter poderes de gestão da empresa brasileira. VISTO PERMANENTE É a autorização concedida pelo Ministério das Relações Exteriores ao estrangeiro que pretenda estabelecer-se definitivamente no Brasil. A concessão deste tipo de visto também requer prévia Autorização de Trabalho emitida pelo Ministério do Trabalho nos casos de investidor (pessoa física) ou ocupante de cargo de administrador, gerente ou diretor de sociedade comercial ou civil Visto Permanente - concessão de autorização de trabalho a estrangeiro, Administrador, Gerente, Diretor, Executivo FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 3º, inciso I e inciso II, Resolução Normativa nº 62/ REQUISITOS Permite a concessão de autorização de trabalho e de visto permanente ao estrangeiro, Administrador, Gerente, Diretor ou Executivo com poderes de gestão, que venha ao Brasil representar Sociedade Civil ou Comercial, Grupo ou Conglomerado econômico e para a sua obtenção no Consulado Brasileiro do exterior a empresa brasileira deverá requerer previamente uma autorização de trabalho ao Ministério do Trabalho e Emprego. Este visto possibilita que as empresas estabelecidas no Brasil possam contar com estrangeiros em cargos com poderes de gestão, indicados por investidores, pessoas jurídicas estrangeiras, desde que tenham investido no mínimo R$ ,00 por cada estrangeiro designado ou R$ ,00, mais o compromisso de geração de dez novos empregos, nos dois anos posteriores, por cada estrangeiro designado, tendo que o referido investimento deverá estar totalmente integralizado no capital social da empresa brasileira. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 11

12 O visto permanente, dos administradores indicados por investidores estrangeiros que investiram R$ ,00 fica condicionado ao exercício da função para a qual foi solicitada autorização de trabalho no Ministério do Trabalho e Emprego pelo prazo de duração do contrato social ou da indicação feita em ata, entretanto, tal condicionamento não poderá ultrapassar a 5 anos. Por sua vez, para os administradores que ingressaram no Brasil, com a condição de geração de novos empregos no período de 2 anos, o visto é concedido por este período. Uma vez, ultrapassado o período de condicionamento do estrangeiro, o visto permanente passa a ser do estrangeiro, podendo ser mantido a sua validade, desde que o estrangeiro ingresse no Brasil a cada 2 (dois) anos PROCEDIMENTOS Para a sua obtenção no Consulado Brasileiro do exterior a empresa brasileira deverá requerer previamente uma autorização de trabalho ao Ministério do Trabalho e Emprego CUIDADOS PERTINENTES A empresa requerente deverá se comprometer a comunicar ao Ministério do Trabalho e Emprego o afastamento do Administrador, Gerente, Diretor ou Executivo, condicionando-se a concessão de novas autorizações de trabalho ao cumprimento desta exigência RENOVAÇÃO O Departamento de Polícia Federal substituirá a cédula de identidade quando do seu vencimento, mediante comprovação de que o estrangeiro continua na função de Administrador, Gerente, Diretor ou Executivo e o investimento estrangeiro também continua no capital social da empresa CONCOMITÂNCIA Caso tenha se a perspectiva de nomear / eleger um estrangeiro para 2 (duas) ou mais empresas brasileiras do mesmo Grupo ou Conglomerado Econômico, poderá ser requerido juntamente com a autorização de trabalho inicial, o pedido de exercício de cargos concomitantes, nas demais empresas do Grupo. Este procedimento garante que, o estrangeiro ao ingressar no Brasil, poderá ser nomeado/eleito em várias empresas do Grupo, logo após a sua regularização no Brasil. Na hipótese de requerimento de concomitância posterior ao processo de visto inicial, para exercício de função de dirigente em empresas do mesmo grupo ou conglomerado econômico, será admitido o exercício, desde que haja anuência prévia do Ministério do Trabalho e Emprego MUDANÇA DE EMPRESA Considerando que, o profissional estrangeiro obteve o visto para ocupar cargo estatutário em determinada empresa brasileira, ele somente poderá exercer atividade junto a empresa que o contratou inicialmente, sendo que mudança para outra empresa, que não a do mesmo conglomerado, dependerá de prévia autorização do Ministério da Justiça, ouvido o Ministério do Trabalho e Emprego, não podendo, em hipótese alguma sair do Contrato Social ou Estatuto Social da autorização de trabalho inicial, antes de obtida tal autorização, sob pena de cancelamento do visto de trabalho e do indeferimento da mudança de empregador. No caso de transferência do estrangeiro para outra empresa do mesmo conglomerado econômico, bastará que a pessoa jurídica contratante comunique e justificar o ato ao Ministério do Trabalho e Emprego, no prazo máximo de quinze dias após a sua ocorrência MUDANÇA DE FUNÇÃO Na hipótese de mudança de função e/ou agregamento de outras atividades àquelas originalmente desempenhadas pelo estrangeiro, deverá a requerente apresentar justificativa, ao Ministério do Trabalho Emprego, no prazo máximo de quinze dias, após a ocorrência do fato. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 12

13 5.2. INVESTIDOR PESSOA FÍSICA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução Normativa nº 84/ REQUISITOS Permite a concessão de autorização de trabalho e de visto permanente ao estrangeiro que pretende fixar-se no Brasil com a finalidade de investir recursos próprios. O investimento da pessoa física estrangeira deve ser no mínimo de R$ ,00 totalmente integralizado no capital social da empresa brasileira ou valor inferior, excepcionalmente, autorizado pelo Conselho Nacional de Imigração. Deverá ser demonstrado o interesse social do empreendimento caracterizado pela geração de empregos e renda no Brasil, pelo aumento de produtividade, pela assimilação de tecnologia e pela captação de recursos para setores específicos PROCEDIMENTOS Para a sua obtenção no Consulado Brasileiro do exterior a empresa brasileira deverá requerer previamente uma autorização de trabalho ao Ministério do Trabalho e Emprego, para os processos instruídos com investimento de R$ ,00 e os processos de valor inferior, deverá ser previamente autorizado pelo Conselho Nacional de Imigração CUIDADOS PERTINENTES A legislação anterior previa apenas a obrigatoriedade do investimento, mas de acordo com a normativa atual, o Departamento de Polícia Federal poderá efetuar diligências na empresa brasileira, para constatar a existência física da empresa e as atividades que vem exercendo RENOVAÇÃO O Departamento de Polícia Federal substituirá a cédula de identidade quando do seu vencimento, mediante comprovação de que o estrangeiro continua como investidor na empresa brasileira e cumpriu o plano de treinamento proposto inicialmente, tendo sido recentemente instituída a diligência na empresa brasileira, para constatar a existência física da empresa e as atividades que vem exercendo. 6. DOCUMENTAÇÕES NO BRASIL 6.1. Do Registro O estrangeiro admitido na condição de permanente e temporário (salvo temporário II negócios) é obrigado a registrar-se no Departamento de Polícia Federal, dentro dos trinta dias seguintes à entrada e a identificar-se pelo sistema datiloscópico. O estrangeiro registrado é obrigado a comunicar ao Departamento de Polícia Federal a mudança do seu domicílio ou residência, devendo fazê-lo nos 30 (trinta) dias imediatamente seguintes à sua efetivação Restabelecimento de Registro O restabelecimento do registro deve ser providenciado no Departamento de Polícia Federal da jurisdição da residência ou domicílio do estrangeiro, após a publicação do deferimento do processo de Transformação de Visto Temporário para Permanente, ou quando o estrangeiro retorne ao Brasil com outro visto consular. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 13

14 6.3. Troca da Cédula de Identidade de Estrangeiro Temporário A troca da cédula de identidade, para o estrangeiro com visto temporário V deve ser providenciada no Departamento de Polícia Federal da jurisdição da residência ou domicílio do estrangeiro, após a publicação do deferimento do processo de Prorrogação do Prazo de Estada Permanente O estrangeiro com visto permanente deve efetuar a troca da cédula de identidade no Departamento de Polícia Federal da jurisdição da residência ou domicílio do estrangeiro, antes do vencimento de sua cédula de identidade, sob a pena de multa. Na ocasião da substituição da Cédula de Identidade, do estrangeiro condicionado a sua função, o Departamento de Polícia Federal substituirá a cédula de identidade quando de seu vencimento, mediante comprovação de que o estrangeiro continua no cargo e o investimento estrangeiro continua na empresa brasileira.. Para o permanente, investidor pessoa física, o Departamento de Polícia Federal substituirá a cédula de identidade quando do seu vencimento, mediante comprovação de que o estrangeiro continua como investidor na empresa brasileira e cumpriu o plano de treinamento proposto inicialmente, tendo sido recentemente instituída a diligência na empresa brasileira, para constatar a existência física da empresa e as atividades que vem exercendo. Os estrangeiros com visto permanente que já não se encontram vinculados a empresa brasileira, por sua vez, também deverão efetuar a substituição da Cédula de Identidade no Departamento de Polícia Federal, antes do vencimento de sua cédula de identidade, sob pena de multa, mas terão o seu registro válido por tempo indeterminado, desde que o seu titular não fique ausente do Brasil, por prazo igual ou superior a 02 anos Cadastro de Pessoas Físicas CPF/MF ( Tributação) Os estrangeiros portadores de visto permanente e visto temporário com contrato de trabalho passarão a ter a residência fiscal no Brasil a partir do primeiro dia de estada no Brasil. Os demais estrangeiros portadores de visto temporário passarão a ter residência fiscal no Brasil na data em que complete 184 (cento e oitenta e quatro) dias, consecutivos ou não, de estada no Brasil, no período de 12 (doze) meses, a partir da primeira entrada Carteira de Trabalho e Previdência Social CTPS Todos os estrangeiros com visto temporário com contrato de trabalho deverão providenciar a CTPS, para que sejam registrados nos termos do Contrato de Trabalho apresentado ao Ministério do Trabalho e Emprego, na ocasião do seu pedido de autorização de trabalho. Deverão constar na CTPS com exatidão: nome do empregador, data de admissão, a função e o valor da remuneração (salário + benefícios). O estrangeiro deverá ser registrado como empregado na empresa brasileira na data de seu ingresso no Brasil, independente de ser dia útil ou não Carteira Nacional de Habilitação (CNH) Estrangeiros de nacionalidade japonesa poderão obter a CNH brasileira, utilizando se da CNH japonesa traduzida por tradutor juramentado, após o exame médico e psicotécnico e exame de direção. O DETRAN na prática está emitindo a CNH de acordo com o prazo de estada no Brasil, fato este que tem causado grandes transtornos aos estrangeiros de nacionalidade japonesa, que ingressaram no Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 14

15 Brasil com visto temporário V com contrato de trabalho 2 anos, pois após o vencimento do visto inicial, o DETRAN somente aceita a renovação da CNH após o estrangeiro obter o protocolo do RNE da nova estada no Brasil, mas diante da morosidade dos processos de prorrogação do prazo de estada item V e transformação de visto temporário V para permanente, o estrangeiro tem ficado meses sem a CNH por não ter os referidos processos deferidos e consequentemente, sem a emissão da nova cédula de identidade. Foram feitas muitas tratativas com o DETRAN infrutíferas, tendo em conta que, legalmente, não existe nenhuma norma que restrinja a validade da CNH de estrangeiro pelo prazo de estada, não havendo nenhuma distinção entre um estrangeiro e brasileiro, no que concerne a validade da CNH, assim, a única alternativa até o momento que encontramos foi a medida judicial, por meio do Mandado de Segurança, na qual já obtivemos sentença favorável para que o DETRAN emita CNH pelo prazo de 5 anos, mas infelizmente a sentença judicial foi individual e não abrangente a todos, assim é necessário que cada estrangeiro requeira individualmente no judiciário. 7. PERGUNTAS E RESPOSTAS 7.1. Posso ingressar com visto de negócios no Brasil enquanto aguardo a tramitação da autorização de trabalho? Sim, desde que ingresse no Brasil somente com a finalidade de participar de reuniões e não trabalhe, nem tampouco, receba remuneração da empresa brasileira O que o estrangeiro deverá fazer se ele permaneceu no Brasil, após o prazo de sua estada legal no Brasil? O estrangeiro deverá comparecer ao Departamento de Polícia Federal para que possa ser autuado, pagar a multa definida e sair do país até a data determinada. É importante que se pague a multa antes de sua saída do Brasil, pois recentemente, o Consulado Brasileiro do Exterior não está concedendo visto para os estrangeiros que não pagaram a multa. Entretanto, uma vez paga a multa e o estrangeiro sair do país na data prevista, ele não sofrerá nenhuma sanção adicional Assim que a autorização de trabalho for deferida, é necessário requerer imediatamente o visto? O interessado tem 180 dias para requerer o visto, após a chegada ao Consulado Brasileiro do exterior, da comunicação da autorização para a emissão do visto A família precisa requerer o visto com o estrangeiro titular no Consulado? A família também terá o prazo de 180 dias para requerer o visto, após a chegada ao Consulado Brasileiro do exterior, da comunicação da autorização para a emissão do visto. Contudo, se for requerido o visto separadamente, deverá ser encaminhado ao Consulado Brasileiro, além das documentações regulares do visto, as documentações do titular, comprovando o seu registro no Departamento de Polícia Federal O estrangeiro administrador, com visto permanente, constará no Contrato Social da empresa brasileira, mas ele virá periodicamente ao Brasil, assim, não receberá nenhuma remuneração pela empresa brasileira, é possível? Nos casos de autorização de trabalho em caráter permanente, para o cargo de administrador da empresa brasileira, que não está regido pela legislação da CLT (Consolidações das Leis do Trabalho), o Ministério do Trabalho e Emprego não impõem nenhuma restrição salarial, somente em casos de empregados regidos pela CLT. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 15

16 7.6. O estrangeiro é de nacionalidade japonesa, mas está trabalhando em outro país, ele terá retornar ao país de origem, para obter o visto consular? Desde que o estrangeiro tenha mantido residência na jurisdição consular do visto, por um período mínimo 1 (um) ano imediatamente anterior ao pedido do visto, pode ser requerido em outro país, que não seja o seu de origem. Exceto nos casos de vistos temporários item III - artistas e desportistas ou item VI - correspondentes de imprensa, não haverá necessidade do cumprimento desta exigência Na lei anterior, para obtenção de visto permanente para administrador era necessário ter um investimento estrangeiro de US$ ,00. Se a empresa for substituir o administrador, ela tem a necessidade de ter o investimento de R$ ,00, mesmo que for em substituição ao atual administrador? Sim, deverá ser cumprido o requisito legal atual, de investimento estrangeiro de R$ ,00 por cada administrador estrangeiro Se um estrangeiro, obteve a autorização de trabalho com investimento de US$ ,00 e desejar trazer um novo administrador, basta acrescentar os R$ ,00, para o novo administrador, ou será necessário ter o investimento de R$ ,00 para os dois administradores estrangeiros? Neste caso também, deverá ser cumprido a legislação atual, de investimento estrangeiro de R$ ,00 por cada administrador estrangeiro Se o visto do estrangeiro é permanente, por que ele pode perder o visto, caso deixar de trabalhar na empresa brasileira? Apesar do visto ser permanente, a legislação brasileira permite a vinculação a um condicionamento do visto permanente por um período de até 5 anos, razão pela qual, dependendo da modalidade do visto permanente, o visto está condicionado até a este prazo O estrangeiro é portador do visto permanente sem nenhum condicionamento e está retornado antes de 2 anos para validar a permanência, mas está com o RNE vencido. Ele conseguirá ingressar no Brasil? Se o estrangeiro ingressou ao Brasil a cada 2 anos, o visto permanente está válido, assim ele não será impedido de ingressar no Brasil. Entretanto, na ocasião do ingresso no Brasil, o agente de imigração poderá autuar o estrangeiro por portar documento vencido e reter a cédula de identidade vencida. Neste caso, deverá solicitar uma via da autuação e termo de retenção, para apresentar no Departamento de Polícia Federal, na ocasião da troca do RNE A empresa traz muitos estrangeiros ao Brasil, e toda vez, tem que os processos são protocolados, são juntados vários documentos da empresa. Existe uma forma de facilitar os procedimentos? Sim. Existe um sistema de digitalização de documentos que, a partir do momento que a empresa brasileira tenha solicitado mais de 100 pedidos de autorização de trabalho no ano anterior, ou existe a previsão da vinda de solicitação de mais de 100 pedidos para o próximo período, desde que justificado, poderá ser solicitada a inclusão no CERTE (Cadastro Eletrônico de Entidades Requerentes de Autorização para Trabalho Estrangeiro). O CERTE permite que, uma vez, cadastrados os documentos no sistema CERTE, não precisam ser apresentados para cada um dos pedidos de autorização de trabalho. Relatório JETRO (atualizado 14/03/2013) página 16

Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas. Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013

Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas. Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013 Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013 A CPFL Energias Renováveis S.A é a maior empresa de

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO ORGANOGRAMA GM / CGIg / CNIg GM Gabinete do Ministro CGIg Coordenação Geral de Imigração CNIg Conselho

Leia mais

I. Visto Temporário II (Visto de negócios)

I. Visto Temporário II (Visto de negócios) CARTILHA PARA CONTRATAÇÃO REGULAR DE ESTRANGEIROS NO BRASIL Em se tratando de mão de obra estrangeira, são inúmeras as dúvidas que pairam nos empregadores e tomadores de serviços sobre as responsabilidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre os registros definitivos e temporários de profissionais no Conselho de Arquitetura e Urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura e

Leia mais

Legislação Trabalho Estrangeiro

Legislação Trabalho Estrangeiro MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE Legislação Trabalho Estrangeiro Brasília - DF MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE CONSELHO NACIONAL DE IMIGRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO ORGANOGRAMA GM

Leia mais

Perguntas importantes: Que tipo de trabalho desempenhará para empresa brasileira? * Definição do tipo de visto e documentos necessários

Perguntas importantes: Que tipo de trabalho desempenhará para empresa brasileira? * Definição do tipo de visto e documentos necessários Mercado de Imigração no Brasil - Tipos de vistos e correta aplicação nas diversas modalidades de contratação de estrangeiros por empresas sediadas no Brasil. Maio 2015 Vou receber um estrangeiro em minha

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99

RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99 RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99 DISPÕE SOBRE A INSCRIÇÃO DE PESSOAS FÍSICAS NOS CONSELHOS REGIONAIS DE NUTRICIONISTAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Conselho Federal de Nutricionistas, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 6. VISTOS CONSULARES vistos consulares. No presente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003.

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre o registro de profissionais, aprova os modelos e os critérios para expedição de Carteira de Identidade Profissional e dá outras providências.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte Verifique a documentação necessária. Atenção: Não há renovação nem prorrogação de passaporte, se o seu está

Leia mais

PORTARIA N 1840/CGJ/2011

PORTARIA N 1840/CGJ/2011 DJe de 25/11/2011 (cópia sem assinatura digital) PORTARIA N 1840/CGJ/2011 Dispõe sobre a concessão, no âmbito do Estado de Minas Gerais, de autorização de viagem para o exterior de crianças e adolescentes

Leia mais

Reinaldo Velloso dos Santos Florianópolis, 10 de outubro de 2007

Reinaldo Velloso dos Santos Florianópolis, 10 de outubro de 2007 Identificação de Estrangeiros no Registro Civil Reinaldo Velloso dos Santos Florianópolis, 10 de outubro de 2007 Identificação das Partes Lei 6.015/1973 Dever de Identificar? Ausência de Regra Clara na

Leia mais

A harmonia de procedimentos que deve existir entre os diversos Conselhos Regionais de Nutricionistas; CAPÍTULO I DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO

A harmonia de procedimentos que deve existir entre os diversos Conselhos Regionais de Nutricionistas; CAPÍTULO I DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO Página 1 de 1 RESOLUÇÃO CFN Nº 466/2010 Dispõe sobre a inscrição de Nutricionistas nos Conselhos Regionais de Nutricionistas, e dá outras providências O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), no uso

Leia mais

* V. art. 4º, I a VII, Lei 6.815/1980 (Estatuto do Estrangeiro).

* V. art. 4º, I a VII, Lei 6.815/1980 (Estatuto do Estrangeiro). DECRETO 86.715, DE 10 DE DEZEMBRO DE 1981 Regulamenta a Lei 6.815, de 19 de agosto de 1980, que define a situação jurídica do estrangeiro no Brasil, cria o Conselho Nacional de Imigração e dá outras providências.

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

Sumário 1. INTRODUÇÃO

Sumário 1. INTRODUÇÃO Registro profissional dos contabilistas Em face da publicação da Resolução CFC nº 1.461/2014 - DOU 1 de 17.02.2014, este procedimento foi atualizado. Tópico atualizado: 1.1 Sujeição e aprovação em exame

Leia mais

ANEXO I DOCUMENTAÇÃO PARA A OBTENÇÃO DE VISTO CONSULAR, NO CONSULADO BRASILEIRO DO JAPÃO

ANEXO I DOCUMENTAÇÃO PARA A OBTENÇÃO DE VISTO CONSULAR, NO CONSULADO BRASILEIRO DO JAPÃO ANEXO I DOCUMENTAÇÃO PARA A OBTENÇÃO DE VISTO CONSULAR, NO CONSULADO BRASILEIRO DO JAPÃO Documentos base para obtenção de visto consular Passaporte original com validade mínima 6 meses e ao menos 2 páginas

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E EXTERIOR

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E EXTERIOR VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO E EXTERIOR Orientador Empresarial Estrangeiros-Permanência Definitiva e Registro por Reunião Familiar, Prole, Casamento

Leia mais

RECONHECIMENTO DE DIPLOMA DE PÓS-GRADUAÇAO DE MESTRADO E DOUTORADO OBTIDO EM INSTITUIÇÃO ESTRANGEIRA

RECONHECIMENTO DE DIPLOMA DE PÓS-GRADUAÇAO DE MESTRADO E DOUTORADO OBTIDO EM INSTITUIÇÃO ESTRANGEIRA RECONHECIMENTO DE DIPLOMA DE PÓS-GRADUAÇAO DE MESTRADO E DOUTORADO OBTIDO EM INSTITUIÇÃO ESTRANGEIRA De acordo com a Resolução Complementar nº01/2007, de 8/11/2007, Art.1º, a Universidade Federal de Minas

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES

A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES A PROBLEMÁTICA DA MÃO-DE-OBRA ESTRANGEIRA NO BRASIL E SUAS IMPLICAÇÕES Maria Carolina Matias Morales Toda a regulamentação existente em torno da contratação de mão de obra estrangeira para trabalho em

Leia mais

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008)

DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) DÚVIDAS FREQÜENTES SOBRE A NOVA LEI DE ESTÁGIO (LEI 11.788/2008) 1. O que é o estágio? Resposta: Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação

Leia mais

Portaria nº 147/2011/GP/DETRAN-MT

Portaria nº 147/2011/GP/DETRAN-MT Portaria nº 147/2011/GP/DETRAN-MT Disciplina a tramitação dos processos de habilitação, a ordem de apresentação dos documentos obrigatórios e da outras providencias. O PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO ESTADUAL

Leia mais

Cartilha do Estagiário das FaFEM

Cartilha do Estagiário das FaFEM Cartilha do Estagiário das FaFEM Apresentação Dúvidas Freqüentes Resumo dos principais pontos da lei 11.788 Legislação reguladora dos estágios: Lei Federal 11.788 de 25/09/2008 Apresentação As FaFEM, no

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE TRABALHADOR ESTRANGEIRO

CONTRATAÇÃO DE TRABALHADOR ESTRANGEIRO Matéria - Trabalhista SUMÁRIO 1. Introdução 2. Conceitos 3. Visto 3.1. Visto temporário 3.2. Visto permanente CONTRATAÇÃO DE TRABALHADOR ESTRANGEIRO 4. Procedimentos para a Autorização de Trabalho 4.1.

Leia mais

Manual de Apoio ao Aluno Estrangeiro

Manual de Apoio ao Aluno Estrangeiro Centro de Pesquisas René Rachou Av. Augusto de Lima, 1715, Barro Preto - Belo Horizonte/Minas Gerais Manual de Apoio ao Aluno Estrangeiro CPqRR - Fiocruz Minas FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ Centro de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS Revisão: setembro/2012 Escola SENAI Santos Dumont CFP 3.02 Rua Pedro Rachid, 304 Santana São José dos Campos - SP Fone: (12) 3519-4850 Fax: (12) 3922-9060 ELABORAÇÃO

Leia mais

Renovação de Vistos. Estudantes Estrangeiros

Renovação de Vistos. Estudantes Estrangeiros Renovação de Vistos Estudantes Estrangeiros Prorrogação do visto temporário IV (estudante) Requisitos exigidos aos interessados, para solicitação de prorrogação do prazo de estada no Brasil: possuir capacidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.978 DE 4 DE DEZEMBRO DE 2006. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (Alterada pelas Resoluções nºs 52, de 11 de maio de 2010 e 62, de 31 de agosto de 2010) Dispõe sobre a concessão de estágio

Leia mais

A MODERNIZAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

A MODERNIZAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Seminário: Mão de Obra Estrangeira no Brasil e Brasileira no Exterior A MODERNIZAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ESTRANGEIROS DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 12 de maio de 2011 - Rio de Janeiro/RJ EMIGRAÇÃO Atualmente

Leia mais

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO DE 04 DE JUNHO DE 2011.

DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO DE 04 DE JUNHO DE 2011. DIÁRIO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO DE 04 DE JUNHO DE 2011. DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO Portaria Detran-754, de 3-6-2011 Estabelece as rotinas dos serviços prestados pelo Departamento Estadual

Leia mais

ACORDO PARA A CRIAÇÃO DO VISTO MERCOSUL

ACORDO PARA A CRIAÇÃO DO VISTO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N 16/03 ACORDO PARA A CRIAÇÃO DO VISTO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Montevidéu sobre o Comércio de Serviços, a Decisão do

Leia mais

REGULAMENTO DE MATRÍCULA

REGULAMENTO DE MATRÍCULA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS REGULAMENTO DE MATRÍCULA Versão atualizada pela RN PUC n o 011/13, de 31/10/2013 DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E SEQUENCIAL DA PUC-CAMPINAS Título I DA MATRÍCULA

Leia mais

EDITAL DE CADASTRAMENTO FINANCEIRA BRB 2008/001

EDITAL DE CADASTRAMENTO FINANCEIRA BRB 2008/001 OBJETO: CADASTRAMENTO DE EMPRESAS OBJETIVANDO FUTURAS CONTRATAÇÕES DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE CORRESPONDENTES. 1 PREÂMBULO 1.1 A BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S/A ( FINANCEIRA BRB ) torna

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC Edital nº02/2008 DO PROCESSO SELETIVO 02/2008 CRF/RO-AC DE 07 DE NOVEMBRO DE 2008 ABERTURA. A Presidente do Conselho Regional de Farmácia dos Estados de Rondônia e Acre, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 25 DE MARÇO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 25 DE MARÇO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 25 DE MARÇO DE 2015 Disciplina os procedimentos relativos ao reconhecimento de não-incidência, de isenção e de dispensa de pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos

Leia mais

Documentação PASSAPORTE

Documentação PASSAPORTE Documentação PASSAPORTE Para emissão de passaporte é necessário entrar no site da Polícia Federal, www.dpf.gov.br e seguir as instruções abaixo: Verifique a documentação necessária. Atenção: Não há renovação

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA Resolução CFFa Nº 408, de 3 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o registro profissional, principal e secundário, transferência por alteração de endereço profissional, baixa, reintegração e revalidação da

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA COORDENADORIA DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO CATP E INSPETORIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA COORDENADORIA DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO CATP E INSPETORIAS 1 de 129 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA COORDENADORIA DE ATENDIMENTO AO PÚBLICO CATP E INSPETORIAS 2 de 129 SUMARIO 1. OBJETIVO... 4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3. DOCUMENTOS REFERENCIADOS... 4 4. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

Serviço Público Federal Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa NOTA INFORMATIVA n.º 01/2015 COORDENADORIA DE PROJETOS E PROGRAMAS INTERNACIONAIS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA UNIFESP A da UNIFESP, por sua Coordenadoria de Projetos e Programas Internacionais,

Leia mais

COORDENAÇÃO-GERAL DE ASSUNTOS DE REFUGIADOS COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 30 DE ABRIL DE 2014

COORDENAÇÃO-GERAL DE ASSUNTOS DE REFUGIADOS COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 30 DE ABRIL DE 2014 COORDENAÇÃO-GERAL DE ASSUNTOS DE REFUGIADOS COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 30 DE ABRIL DE 2014 Estabelece os procedimentos aplicáveis ao pedido e tramitação da solicitação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

DAS OBRIGAÇÕES DO CONVENENTE

DAS OBRIGAÇÕES DO CONVENENTE ACORDO DE COOPERAÇÃO INSTITUCIONAL QUE ENTRE SI CELEBRAM A SECARGO SOCIEDADE EDUCACIONAL CARVALHO GOMES LTDA, MANTENEDORA DA FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU, E A ASSEJUF/RN - ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG Estabelece procedimento para o reconhecimento e o registro de diploma de conclusão de curso de Pós-Graduação expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras.

Leia mais

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011

Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 Edital Processo Seletivo - 2º semestre de 2011 O Instituto de Ensino Superior João Alfredo de Andrade, por sua Comissão Organizadora do Processo Seletivo, instituída em caráter permanente pela Portaria

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL REGULAMENTO GERAL PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO PARA

Leia mais

Legislação Trabalhista

Legislação Trabalhista SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Legislação Trabalhista Aplicada Ao Cidadão Estrangeiro no Brasil 23 de Outubro de 2014 A presente consulta jurídica, que não visa esgotar o tema

Leia mais

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG).

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG). 1 O Programa de Pós-Graduação do Observatório Nacional foi credenciado pelo parecer do Conselho Federal de Educação CFE, 05/73 de 22/01/73. Foi recredenciado pelo CFE, através do Parecer 755/93 de 06/12/93,

Leia mais

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário.

Art. 2º Este Ato Administrativo entra em vigor na data de sua assinatura, revogadas as disposições em contrário. ATO ADMINISTRATIVO REITORIA Nº 63/2015 Reedita, com alterações, o Edital do Processo Seletivo dos Cursos Superiores na modalidade a Distância Vestibular 1º Semestre de 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE METODISTA

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ANDIRÁ

ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ANDIRÁ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ANDIRÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL Nº. 01/2014 - S Dispõe sobre a abertura de Processo Simplificado de Seleção para oferecimento de vagas de estágio

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

3 DAS CONDIÇÕES DA MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA

3 DAS CONDIÇÕES DA MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA EDITAL DE MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA PARA 2015.2 Edital de 01 de junho de 2015 O Instituto Mantenedor de Ensino Superior - IMES, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

Leia mais

1- IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE

1- IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE TRANSFORMAÇÃO DE VISTO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE ESTRANGEIROS REQUERIMENTO PERMANÊNCIA DEFINITIVA- REUNIÃO FAMILIAR PROTOCOLO PERMANÊNCIA DEFINITIVA- INEXPULSÁVEL PRORROGAÇÃO

Leia mais

Deverá, então, dirigir-se a um dos locais de entrega munido dos seguintes documentos:

Deverá, então, dirigir-se a um dos locais de entrega munido dos seguintes documentos: SEGURO-DESEMPREGO BREVE HISTÓRICO. O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º dos Direitos Sociais da Constituição Federal e tem por finalidade prover assistência

Leia mais

ESTAGIO: Aspectos Legais. Dra. Sandra Marangoni

ESTAGIO: Aspectos Legais. Dra. Sandra Marangoni ESTAGIO: Aspectos Legais Dra. Sandra Marangoni LEGISLACAO REGULAMENTADORA: Lei n. 6.494, de 7 de dezembro de 1977 Decreto Nº 87.497, de 18 de AGOSTO de 1982 Medida Provisória n. 2.164-41 de 24 de agosto

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO TÍTULO I DOS ASSOCIADOS Art.1º. Os associados distribuem-se pelas seguintes categorias: I - fundadores:

Leia mais

Sebastião Rildo Fernandes Diniz Presidente do Conselho Diretor

Sebastião Rildo Fernandes Diniz Presidente do Conselho Diretor SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13 DO CONSELHO DIRETOR DE 05 DE OUTUBRO DE 2005. O Presidente do Conselho Diretor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Petrolina, no

Leia mais

EDITAL Nº 092/2015 PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO - MODALIDADE PRESENCIAL

EDITAL Nº 092/2015 PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO - MODALIDADE PRESENCIAL EDITAL Nº 092/2015 PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA PARA CURSOS DE GRADUAÇÃO - MODALIDADE PRESENCIAL A Diretoria de Relacionamento e Serviços ao Aluno do Centro Universitário Senac torna pública

Leia mais

MÓDULO ATIVIDADES ESPECIAIS 8.8 ESTRANGEIROS

MÓDULO ATIVIDADES ESPECIAIS 8.8 ESTRANGEIROS MÓDULO 8 ATIVIDADES ESPECIAIS 8.8 ESTRANGEIROS DEPARTAMENTO DE PESSOAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS SUMÁRIO ASSUNTO PÁGINA 8.8. ESTRANGEIROS... 3 8.8.1. INTRODUÇÃO... 3 8.8.2. PROPORCIONALIDADE DE EMPREGADOS

Leia mais

MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MJ DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Núcleo de Registro de Estrangeiros OBJETIVOS a) Atribuição constitucional da Polícia Federal no atuar como Polícia de Imigração. b) A função de ImmigrationAgent. c) A obrigação legal

Leia mais

SERVIÇOS OFERECIDOS PELA AGÊNCIA DO SINE-UERJ

SERVIÇOS OFERECIDOS PELA AGÊNCIA DO SINE-UERJ SERVIÇOS OFERECIDOS PELA AGÊNCIA DO SINE-UERJ Cadastramento de trabalhadores em geral, inclusive para primeiro emprego e deficientes. Cadastramento de empregadores e vagas. Emissão de carteira de trabalho

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

Consulado Geral de Angola em Caracas/Venezuela

Consulado Geral de Angola em Caracas/Venezuela REPÚBLICA DE ANGOLA Consulado Geral de Angola em Caracas/Venezuela PEDIDO DE VISTO DE ENTRADA Tratamento Médico Trabalho Ordinário Fixação de Residência Trânsito Privilegiado Permanência Temporária Turismo

Leia mais

Portaria MEC 2.235 de 19/12/1997 DOU: 22/12/1997 Resolução CNE/CES n o 1, de 8 de junho de 2007 EDITAL 01/2015 - FACULDADE FUCAPI PÓS-GRADUAÇÃO

Portaria MEC 2.235 de 19/12/1997 DOU: 22/12/1997 Resolução CNE/CES n o 1, de 8 de junho de 2007 EDITAL 01/2015 - FACULDADE FUCAPI PÓS-GRADUAÇÃO A Faculdade FUCAPI, representada pelo seu Programa de Pós-Graduação, faz conhecer aos interessados que, no período de 09 a 20 de março de 2015, estarão abertas as inscrições para o Curso de Especialização

Leia mais

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário?

1. O que o Auditor-Fiscal do Trabalho deverá entender por trabalho temporário? Trabalho temporário Fonte: Fecomercio Em acréscimo ao Mix Legal Express, nº 168, de 2014, que trata de algumas peculiaridades do trabalho temporário, a que se refere à Lei nº 6.019 de 1974 e Portaria do

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

REGULAMENTO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS DE CURSOS TÉCNICOS EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÃO DE ENSINO ESTRANGEIRA SEÇÃO I

REGULAMENTO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS DE CURSOS TÉCNICOS EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÃO DE ENSINO ESTRANGEIRA SEÇÃO I REGULAMENTO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS DE CURSOS TÉCNICOS EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÃO DE ENSINO ESTRANGEIRA SEÇÃO I DA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS Art. 1º O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1. O POSMEC - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica da UFSC, em nível de Mestrado e Doutorado,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2015 Coordenador: Prof. Dr. Antônio Corrêa de Lacerda Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Regina Maria d Aquino Fonseca Gadelha Estarão abertas, no período de 01/04/2015 a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 32/2013 Dispõe sobre Revalidação de Diplomas e Certificados

Leia mais

Tratamento Alfandegário nop Brasil de Bens Adquiridos no Exterior

Tratamento Alfandegário nop Brasil de Bens Adquiridos no Exterior Tratamento Alfandegário nop Brasil de Bens Adquiridos no Exterior Disposições gerais I-Viajantes Com Permanência No Exterior Superior A Um Ano Que Retornam Definitivamente Ao Brasil Ii - Viajantes Com

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL 1. Organizações estrangeiras destinadas a fins de interesse coletivo 1 No direito brasileiro,

Leia mais

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO TÉCNICO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO TÉCNICO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO TÉCNICO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - IFMS,

Leia mais

Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010

Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010 Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010 LEI N. 12.101/2009 DECRETO N. 7237/2010 O principal objetivo da presente Lei é dispor sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social. Tem

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 82 DE 31 /10 /1997 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL - SRF PUBLICADO NO DOU NA PAG. 24919 EM 04 /11 /1997

INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 82 DE 31 /10 /1997 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL - SRF PUBLICADO NO DOU NA PAG. 24919 EM 04 /11 /1997 Página 1 de 8 INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 82 DE 31 /10 /1997 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL - SRF PUBLICADO NO DOU NA PAG. 24919 EM 04 /11 /1997 Dispõe sobre os procedimentos relativos ao Cadastro Geral de

Leia mais

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 *****

Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Programas de pós-graduação do médico estrangeiro - Resolução: 1669 de 13/6//2003 ***** Dispõe sobre o exercício profissional e os programas de pós-graduação no Brasil do médico estrangeiro e do médico

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2011

RESOLUÇÃO Nº 01/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Aprova as Normas Complementares para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS SUPERIORES SUMÁRIO Apresentação...03 Regulamentação de estágio Estágio...04 Matrícula de estágio...05 Carga Horária e prazo para conclusão...05

Leia mais

EDITAL n 02/2011 GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR - SWG PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE SÃO LUCAS/CNPq

EDITAL n 02/2011 GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR - SWG PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE SÃO LUCAS/CNPq EDITAL n 02/2011 GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR - SWG PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE SÃO LUCAS/CNPq Edital para seleção dos alunos de graduação para participação no Programa Ciência sem Fronteiras

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 15 14-4-2003 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 405 澳 門 特 別 行 政 區 第 5/2003 號 行 政 法 規 入 境 逗 留 及 居 留 許 可 規 章 行 政 長 官 根 據 澳 門 特 別 行 政 區 基 本 法 第 五 十 條 ( 五 ) 項, 經 徵 詢 行 政

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2014 Coordenador: Prof. Dr. Eugênio Rondini Trivinho Vice-Coordenador: Prof. Dr. José Luiz Aidar Prado Estarão abertas, no período de U14/04/2014U a U05/05/2014U, as

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

2012 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório.

2012 Bichara, Barata & Costa Advogados. É proibida duplicação ou reprodução sem a permissão expressa do Escritório. APRESENTAÇÃO Fundado em 2001. Mais de 200 advogados e 500 colaboradores. Alianc as operacionais com renomadas bancas de advocacia no Brasil e no exterior. Rio de Janeiro ESCRITÓRIOS São Paulo Brasília

Leia mais

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula

Título I Das Disposições Preliminares. TÍTULO II Do Processo Seletivo. TÍTULO III Da matrícula Regulamento do Processo Seletivo para ingresso nos cursos de Graduação Bacharelado e Licenciatura e Graduação Tecnológica da Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação. Missão Institucional Promover

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Título I / Das Finalidades Artigo 1 o O Instituto de Química da UFRJ oferece Programas de Pós-Graduação

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA UNESP CAMPUS DE BOTUCATU FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA EDITAL-56/2011-DDTA A Diretoria da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia UNESP Campus de Botucatu, torna público que estarão

Leia mais