NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO. JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO. JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento"

Transcrição

1 NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento

2 QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com início de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de desenvolvimento econômico e social para o Estado, financiando projetos produtivos Recursos próprios (capital de R$ 1 bilhão) e repasses de outras entidades multilaterais, principalmente BNDES, para investimentos fixos, projetos de expansão e capital de giro Não possui agências bancárias e opera somente com PJ 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 2

3 PÚBLICO ALVO Pessoas Jurídicas de direito privado, instaladas no Estado de São Paulo, com faturamento anual de R$ 240 mil até R$ 100 milhões (ou até R$ 300 milhões quando BNDES) Aprox. 36 mil empresas no Estado (SEBRAE) Critério de concessão conforme resolução nº 2.682/99 do CMN capacidade de pagamento e garantias adequadas Administração direta e indireta dos municípios paulistas, suas autarquias e fundações 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 3

4 RESULTADOS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS LIBERADAS VALORES EM R$ MILHÕES A NCD JÁ SOMA MAIS DE R$ 399 MILHÕES INVESTIDOS NO DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO 249,3 328,9 399,0 113,7 28, º SEM º SEM º SEM APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 4

5 LINHAS DE FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 5

6 PARA EMPRESAS FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP PROJETOS: ampliação, modernização e adequação de empresas, incluindo obras civis e capital de giro associado ao investimento FIP SIMPLIFICADO: aquisição de máquinas e equipamentos novos fabricados e adquiridos no Estado de São Paulo FIP TECNOLOGIA: desenvolvimento e transferência de tecnologia, criação de produtos, processos ou serviços FIP ENERGIA: racionalização do consumo de energia e utilização de energias alternativas FIP MEIO AMBIENTE: reduzir impactos no meio ambiente e atender a legislação ambiental 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 6

7 FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP PROJETOS: ampliação, modernização e adequação de empresas, incluindo obras civis e capital de giro associado ao investimento FIP SIMPLIFICADO: aquisição de máquinas e equipamentos novos fabricados e adquiridos no Estado de São Paulo FIP TECNOLOGIA: desenvolvimento e transferência de tecnologia, criação de produtos, processos ou serviços FIP ENERGIA: racionalização do consumo de energia e utilização de energias alternativas FIP MEIO AMBIENTE: reduzir impactos no meio ambiente e atender a legislação ambiental 7

8 FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP ENERGIA: racionalização do consumo de energia e utilização de energias alternativas Apoio às empresas com projetos que comprovadamente contribuam para a economia de energia, aumentem a eficiência global do sistema energético ou promovam a substituição de combustíveis de origem fóssil por fontes renováveis. 8

9 FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP ENERGIA: racionalização do consumo de energia e utilização de energias alternativas PRIORIDADES: Iluminação; Motores; Otimização de processos; Ar comprimido; Bombeamento; Ar condicionado e ventilação; Produção e distribuição de vapor; Aquecimento; 9

10 FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP ENERGIA: racionalização do consumo de energia e utilização de energias alternativas PRIORIDADES (continuação): Automação e controle; Geração, transmissão e distribuição de energia; Gerenciamento energético; Melhoria da qualidade da energia, inclusive correção do fator de potência e redução da demanda no horário de ponta do consumo do sistema elétrico, desde que não ocorram prejuízos ambientais; Outras atividades e empreendimentos à critério da NCD. 10

11 FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP MEIO AMBIENTE: reduzir impactos no meio ambiente e atender a legislação ambiental Apoio às empresas que necessitem realizar melhorias em seu processo de produção e na sua condição de prestadora de serviços de modo a atender a legislação ambiental, garantindo maior sustentabilidade, com a redução dos impactos no meio-ambiente de seus empreendimentos e projetos. 11

12 FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP MEIO AMBIENTE: reduzir impactos no meio ambiente e atender a legislação ambiental PRIORIDADES: Indústrias e serviços; Aterros Sanitários; Bases de Armazenamento; Cogeração de energia; Depósito ou comércio atacadista de produtos químicos; Dutos e linhas; Estações de tratamento de água; Extração Mineral; Fabricação de bio-combustível (exceto álcool); 12

13 FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP MEIO AMBIENTE: reduzir impactos no meio ambiente e atender a legislação ambiental PRIORIDADES (continuação): Recebimento de embalagens vazias de agrotóxicos; Incineradores de resíduos de serviços de saúde; Crematórios; Sistemas de tratamento de resíduos de serviço de saúde; Sistemas de tratamento de esgotos sanitários; Termoelétricas; Transbordos e Usinas de reciclagem de resíduos; Outras atividades e empreendimentos à critério da NCD 13

14 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE 14

15 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões 15

16 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Substituição ou adaptação de equipamentos movidos a diesel por biodiesel, gasolina por etanol, óleo por gás natural, GLP por biogás; Realocação de unidades de processamento para áreas próximas à produção; Instalação de biodigestores para tratamento de resíduos que realizem o aproveitamento energético. 16

17 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Tratamento e Aproveitamento de Resíduos Geração de energia elétrica ou térmica com biogás de aterro; Adaptação de sistemas de tratamento de esgoto para processos anaeróbios com recuperação e queima do metano; Instalação de centrais de reciclagem de resíduos. 17

18 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Compra e instalação de equipamentos para produção de energia renovável: placas solares; aerogeradores; caldeiras a biomassa; equipamentos para pequena central hidrelétrica; biogás de aterro; e outros. 18

19 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Substituição de fontes de energia não renováveis por fontes renováveis; Substituição dos combustíveis: carvão por gás natural; carvão por óleo; carvão por eletricidade; óleo por gás natural; lenha por gás natural. 19

20 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Redução de perdas na produção e transmissão de energia elétrica; Isolamento de tubulações; Sistemas de recuperação de calor; Instalação de equipamentos que reduzam o consumo energético; Melhoria de sistema de iluminação e refrigeração. 20

21 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Queima de biogás em aterros; Geração de energia a partir de resíduos; Combustão de resíduos orgânicos; Gaseificação de resíduos; Aeração de aterros; Redução de geração de resíduos na fonte; Tratamento de esgoto doméstico, industrial e de resíduos rurais; Compostagem para produção de adubo; Reciclagem. 21

22 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Troca de combustível fóssil por combustível mais limpo para transportes públicos e privados: gás natural, biodiesel, etanol e eletricidade, entre outros; Renovação de frota de caminhões; Troca de combustível de frota de ônibus de diesel para biodiesel, etanol ou elétrico. 22

23 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Edificações com parâmetros de construção civil sustentável : reúso de água, eficiência energética; Retrofit de edifícios existentes. Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões 23

24 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Equipamentos e modos de produção que reduzam o uso e a geração de CFCs, HFCs, HCFCs, PFCs e SF6; Retrofit de equipamentos de refrigeração; Substituição de gases na produção; Redução de perdas. 24

25 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Em áreas urbanas e rurais Criação e recuperação de áreas verdes por aflorestamento ou reflorestamento com espécies nativas; Recomposição de matas ciliares e nascentes com espécies nativas; Reflorestamento para compensação de emissões. Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões 25

26 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Comércio de créditos de carbono baseado em projetos de sequestro ou mitigação. 26

27 Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Contabilização das emissões de gases de efeito estufa. 27

28 PARA EMPRESAS P&G Linha Petróleo e Gás Natural Para empresas ligadas ao setor de P&G para implantação de novas unidades, modernização ou expansão; aquisição de máquinas e equipamentos; aquisição de componentes e insumos para a produção de bens de capital; e, para contratação de prestação de serviços técnicos especializados, preferencialmente de inovação tecnológica. LEF Linha Especial a Franquias Abertura de uma nova franquia ou ampliação e modernização de uma franquia já existente 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 28

29 PARA EMPRESAS LEI Linha Especial de Investimento com Fundo de Aval Aquisição de máquinas e equipamentos, veículos utilitários e abertura de franquia, com garantia do Fundo de Aval do Estado, para pequenas empresas. LEP Capital de Giro Parcelado Recursos para capital de giro das empresas com carência e com pagamento parcelado. PAR Programa de Apoio Regional Linha Vale do Ribeira Crédito para aquisição de máquinas, equipamentos e implementos agrícolas; obras civis e instalações; veículos utilitários novos; e outros investimento, sem juros e possibilidade de uso do Fundo de Aval APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 29

30 PARA EMPRESAS Linhas com REPASSES do BNDES BNDES FINAME BNDES FINAME PSI BNDES AUTOMÁTICO BNDES PROGEREN BNDES EXIM PRÉ-EMBARQUE 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 30

31 PARA EMPRESAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES FINANCIAMENTO Até R$ 30 milhões PARTICIPAÇÃO DO FINANCIAMENTO Até 100% do valor dos itens financiáveis PRAZOS MÁXIMOS Até 120 meses (Projetos de Investimento), com até 24 meses de carência Até 84 meses (P&G), com até 24 meses de carência Até 60 meses (FIP, LEV e LEF), com até 12 meses de carência Até 36 meses (LEI), com até 6 meses de carência Até 24 meses (LEP), com até 12 de carência ENCARGOS 0,65% ao mês + IPC/FIPE (FIP, P&G e LEF) 0,49% ao mês + IPC/FIPE (Economia Verde) 0,00% ao mês + IPC/FIPE (Vale do Ribeira) 1,15% ao mês (LEI e LEP) 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 31

32 LINHAS DE FINANCIAMENTO PARA MUNICÍPIOS 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 32

33 PARA MUNICÍPIOS VIA SP Infraestrutura Asfáltica Financiamento para melhorias da pavimentação asfáltica, incluindo projetos, obras, serviços e aquisição de máquinas e equipamentos. LVM Linha Economia Verde - Municípios Financiamento para melhorias ambiental, como adequação de prédios e frota de veículos, aproveitamento energético, usinas de reciclagem, recuperação de áreas, ciclovias e inventários. LDI Linha Distrito Industrial Financiamento da infraestrutura básica destinada a adequação ou instalação de distritos industriais APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 33

34 PARA MUNICÍPIOS LDA Linha Distribuição e Abastecimento Financiamento de infraestrutura básica e edificação destinados a construção ou adequação de centros de distribuição e abastecimento para a plena capacidade de comercialização. LAM Linha Arena Multi-Uso Financiamento para construção ou adequação de Arenas Multi-Uso destinadas a eventos econômicos, exposições, seminários e convivência social, esportiva e cultural APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 34

35 PARA MUNICÍPIOS PMAT Programa de Modernização da Administração Tributária e de Gestão dos Setores Sociais Básicos Financiamento para maior eficiência da administração municipal com melhor arrecadação e racionalização dos gastos, entre eles: - gestão de recursos humanos, licitações e compras, gestão de contratos; - central de atendimento ao cidadão, arrecadação, cobranças, fiscalização, estudos, orçamento, execução financeira, contabilidade e dívida pública, auditoria e controles, gestão e segurança patrimonial; - para saúde e educação: organização, gerência, sistemas e TI. BNDES-PROVIAS Programa de Intervenções Viárias* Financiamento de máquinas e equipamentos destinados a obras viárias. * Suspenso pelo BNDES, revendo limites já comprometidos APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 35

36 PARA MUNICÍPIOS PRINCIPAIS CONDIÇÕES FINANCIAMENTO Limite conforme projeto Participação de até 100% do valor do projeto PRAZOS MÁXIMOS Até 96 meses (PMAT) com até 24 meses de carência Até 72 meses (LDI, LDA e LAM) com até 12 meses de carência Até 60 meses (LVM) com até 12 meses de carência Até 60 meses (Via SP) com até 6 meses de carência Até 54 meses (BNDES-Provias) com até 6 meses de carência ENCARGOS 0,65% ao mês + IPC/FIPE (LVM, LAM, LDI, LDA e VIA SP) 4 % a.a. (BNDES-Provias) + TJLP 4,4% a.a. (BNDES-PMAT) + TJLP GARANTIAS DA OPERAÇÃO ICMS e/ou FPM; 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 36

37 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO ENTIDADES DE CLASSE 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 37

38 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PAN - PLATAFORMA DE ATENDIMENTO E NEGÓCIOS 2011 APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 38

39 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO WebSite APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 39

40 A Agência de Fomento Paulista está preparada para incentivar o desenvolvimento das pequenas e médias empresas de toda a cadeia produtiva da indústria, serviços, comércio e agroindústria com Linhas de Financiamento Especiais com taxas baixas e longos prazos para que as empresas possam crescer e gerar trabalho e renda. Porque se sua empresa cresce todo mundo cresce APRESENTAÇÃO NCD-AFESP 40

41 JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento GRATO PELA ATENÇÃO

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

APRESENTAÇÃO 21.07.2011

APRESENTAÇÃO 21.07.2011 APRESENTAÇÃO 21.07.2011 QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio à execução de políticas

Leia mais

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 QUEM SOMOS Legal Instituição Financeira do Estado de São Paulo, vinculada a Secretaria

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor 03.06.2014

JULIO THEMES NETO Diretor 03.06.2014 JULIO THEMES NETO Diretor 03.06.2014 OBJETIVOS INSTITUCIONAIS Parceiro estratégico do Governo Estadual em seus planos de desenvolvimento; Redução das diferenças regionais no Estado de São Paulo; Contribuição

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito 16.04.2013 QUEM SOMOS Opera como um Banco de Desenvolvimento Atuação de forma integrada com as entidades do Governo Estadual Operações com recursos próprios

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito 21.10.2013 OBJETIVOS INSTITUCIONAIS Ser parceiro estratégico do Governo Estadual em seus planos de desenvolvimento; Contribuir para a redução das diferenças

Leia mais

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009.

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Presidência 1 Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de

Leia mais

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 QUEM SOMOS NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÉUMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CONTROLADA PELO ESTADO DE SÃO PAULO E ATUA COMO BANCO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Agência de Fomento Paulista

Agência de Fomento Paulista Financiamento ao Desenvolvimento Regional Crédito para as Pequenas e Médias Empresas 2011 Agência de Fomento Paulista A Agência de Fomento Paulista - Nossa Caixa Desenvolvimento é uma instituição financeira

Leia mais

BILLY ROD GUIMARÃES MATIAS Consultor de Negócios

BILLY ROD GUIMARÃES MATIAS Consultor de Negócios BILLY ROD GUIMARÃES MATIAS Consultor de Negócios 10.09.2014 QUEM SOMOS Opera como um Banco de Desenvolvimento Atuação de forma integrada com as entidades do Governo Estadual Operações com recursos próprios

Leia mais

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo que promove o crescimento sustentável das pequenas e médias empresas e municípios paulistas. Nosso objetivo é colaborar para

Leia mais

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

PEDRO LEITÃO MAGYAR Superintendente

PEDRO LEITÃO MAGYAR Superintendente PEDRO LEITÃO MAGYAR Superintendente OBJETIVOS INSTITUCIONAIS Parceiro estratégico do Governo Estadual em seus planos de desenvolvimento; Redução das diferenças regionais no Estado de São Paulo; ContribuiçãoparageraçãodeempregoerendaemSP.

Leia mais

Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos

Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos Maio de 2014 Raphael Stein Raphael.stein@bndes.gov.br Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo. Atua como banco de desenvolvimento apoiando financeiramente às iniciativas que estimulam o crescimento da economia

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo. Atua como banco de desenvolvimento apoiando financeiramente às iniciativas que estimulam o crescimento da economia

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS Apresentação Criada em 2002 e autorizada a funcionar pelo Banco Central em 2003, entrou em operação em 2004. É uma sociedade anônima de economia mista vinculada à. Atualmente conta com um patrimônio líquido

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

O que é o PMAT e qual o seu objetivo

O que é o PMAT e qual o seu objetivo BNDES PMAT O que é o PMAT e qual o seu objetivo É uma modalidade de financiamento do BNDES, que tem como objetivo auxiliar na modernização da administração tributária e a melhoria da qualidade do gasto

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

QUEM SOMOS MISSÃO EMPRESAS BENEFICIÁRIAS QUEM SOMOS A Agência de Fomento Paulista Nossa Caixa Desenvolvimento é uma nova instituição financeira controlada pelo Estado de São Paulo, que atua como banco de desenvolvimento. MISSÃO Promover o desenvolvimento

Leia mais

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009

Linhas de financiamento BB para o Turismo. Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Linhas de financiamento BB para o Turismo Superintendência Estadual do Banco do Brasil MT Agosto/2009 Atualizada em 03/08/2009 Crédito / Financiamentos de Investimentos / Proger Turismo Investimento Características

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas Seminário Internacional sobre Finanças Climáticas São Paulo, 26 de fevereiro de 2015 Estrutura da Apresentação 1 O Fundo Clima 2 Ferramenta

Leia mais

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Novas Políticas Operacionais BNDES Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Preparação do Banco para as novas Políticas Operacionais Aumento da eficiência e agilização dos procedimentos do banco, através

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Natal, 03 de Outubro de 2015 Área Básica de Atuação Missão Atuar na promoção do desenvolvimento regional sustentável como banco público competitivo e rentável.

Leia mais

Fevereiro de 2014. * Taxas de Juros em 01.02.2014

Fevereiro de 2014. * Taxas de Juros em 01.02.2014 Fevereiro de 2014 * Taxas de Juros em 01.02.2014 Apresentação Agência Badesc: Nossa Missão: Fomentar o desenvolvimento econômico e social de Santa Catarina, de forma sustentável, através de financiamentos

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Tópicos 1. Sobre o Banco do Nordeste 2. Histórico do crédito para energias renováveis 3. Financiamento para a mini e microgeração

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

AS/DEURB. 2 Seminário de Trólebus. Instituto de Engenharia SP. 14 de maio de 2013

AS/DEURB. 2 Seminário de Trólebus. Instituto de Engenharia SP. 14 de maio de 2013 AS/DEURB 2 Seminário de Trólebus Instituto de Engenharia SP 14 de maio de 2013 Carlos Malburg Gerente Setorial de Mobilidade Urbana cmalburg@bndes.gov.br Transporte (recentes) Principais Contratações Metro

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades

Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades Eduardo Bandeira de Mello Chefe do Departamento de Meio Ambiente Cuiabá, 21 de agosto de 2007 SUMÁRIO 1. Desenvolvimento

Leia mais

Legislação Municipal e Mudanças Climáticas

Legislação Municipal e Mudanças Climáticas Legislação Municipal e Mudanças Climáticas Ronaldo Vasconcellos Vice-Prefeito de Belo Horizonte Coordenador do Comitê Municipal sobre Mudanças Climáticas e Ecoeficiência Legislação Municipal e Mudanças

Leia mais

Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA)

Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA) Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (FUNDO CLIMA) Conteúdo A Política Nacional sobre Mudança do Clima O Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima) Aplicações Não-Reembolsáveis Aplicações Reembolsáveis

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. www.bndes. 2º Seminário Internacional Cana & Energia. Ribeirão Preto, agosto de 2002

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. www.bndes. 2º Seminário Internacional Cana & Energia. Ribeirão Preto, agosto de 2002 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES 2º Seminário Internacional Cana & Energia Ribeirão Preto, agosto de 2002 www.bndes bndes.gov.br http://www.bndes.gov.br.br Evolução dos desembolsos

Leia mais

CAIXA ao Setor Elétrico. Case: Energia Fotovoltaica

CAIXA ao Setor Elétrico. Case: Energia Fotovoltaica 5º Congresso Ecoenergy Julho 2015 Opções de Financiamento da CAIXA ao Setor Elétrico Case: Energia Fotovoltaica FERNANDO CIOTTI Gerente Regional Superintendência de Grandes Empresas Infraestrutura, Energia

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída

Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída Fórum de Eficiência Energética e Geração Distribuída ANEEL 2015 Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Sustentabilidade

Leia mais

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Seminário: Oportunidade de Investimento no Pará Palestra: Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Palestrante: Valmir Pedro Rossi - Presidente São Paulo, 02 de dezembro de 2013 Pauta da

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento 1 Paulo Sérgio Sodré Departamento de Credenciamento e Financiamento Máquinas áqu as e equipamentos equ pa e tos 2 BNDES Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira,

Leia mais

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos BNDES PMAT Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos Encontro Nacional de Tecnologia da Informação para os Municípios e do Software Público Brasileiro

Leia mais

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA

O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA O BANCO QUE FAZ MAIS PELA AMAZÔNIA CRÉDITO COMO SOLUÇÃO PARA PRODUZIR COM SUSTENTABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL BNDES PRODUSA Objetivos Disseminar o conceito de agronegócio responsável e sustentável, agregando

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Companhia Energética de São Paulo - CESP 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira

Leia mais

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010

BNDES - AUTOMÁTICO. Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES - AUTOMÁTICO n Grupo: Aline Pereira Fracalossi Andrea Abreu Carlos Adriano Elika Capucho Janete Pontes Victor Henrique Vitória - 22 de abril de 2010 BNDES Automático n Finalidade Financiar projetos

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012 O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário dezembro de 2012 Apoio ao setor rural Ministério da Agricultura Pecuária e Abatecimento - MAPA Programas Agropecuários do Governo Federal Operacionalizados pelo

Leia mais

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão

Leia mais

Apoio do BNDES às Empresas de Comércio e Serviços. São Paulo - SP 24.jun.2015

Apoio do BNDES às Empresas de Comércio e Serviços. São Paulo - SP 24.jun.2015 Apoio do BNDES às Empresas de Comércio e Serviços São Paulo - SP 24.jun.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil Maisa de Souza Ribeiro Objetivos do Protocolo de Quioto Desenvolvimento Social, Ambiental e Econômico Países Poluidores PROTOCOLO

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Jean Rodrigues Benevides

Jean Rodrigues Benevides AÇÕES DE INCENTIVO E FINANCIAMENTO A PROJETOS DE SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA Jean Rodrigues Benevides Gerente Nacional Gerência Nacional de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental 153 67 mil

Leia mais

Financiamento à implementação da PNRS. 7 de maio de 2013

Financiamento à implementação da PNRS. 7 de maio de 2013 Financiamento à implementação da PNRS 7 de maio de 2013 Atratividade financeira Instrumentos financeiros FINEM Capacidade Produtiva linha de base Linhas de Meio Ambiente Fundo Clima BNDES Inovação PSI

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

II) FAT INFRA-ESTRUTURA INSUMOS BÁSICOS E BENS DE CAPITAL SOB ENCOMENDA.

II) FAT INFRA-ESTRUTURA INSUMOS BÁSICOS E BENS DE CAPITAL SOB ENCOMENDA. RESOLUÇÃO Nº 438, DE 2 DE JUNHO DE 2005 Institui o Programa de Apoio a Projetos de Infra-Estrutura - FAT INFRA-ESTRUTURA, cujos recursos serão destinados a financiamentos de projetos de infra-estrutura

Leia mais

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios Soluçõ ções BB para a Economia dos Municípios Presença Nacional Presença Nacional Presença Exclusiva 4.388 Municípios * 874 Municípios * *Municípios com agências BB - dados de janeiro/2009 - Fonte: Bacen

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

LINHAS ATIVAS FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO

LINHAS ATIVAS FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO FINANCIAMENTOS 2014 LINHAS ATIVAS FINAME BK PSI (taxa fixa) FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME EVENTOS FINAME AGRÍCOLA BNDES INOVAGRO PADRÃO (taxa pós fixada-tjlp) FINAME BK FINAME ÔNIBUS E CAMINHÕES FINAME

Leia mais

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010

Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais. Janeiro / 2010 Fundos, Programas e Linhas de Crédito do BNDES para investimentos ambientais Janeiro / 2010 BNDES e o Meio Ambiente Década de 70 A variável ambiental é incorporada, formalmente, ao processo de análise

Leia mais

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS SOLUÇÕES SÓCIO AMBIENTAIS TRATAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AGENDA GESTÃO INTEGRAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO EXPERIÊNCIA INTERNACIONAL COM SOLUÇÃO INTEGRADA BENEFÍCIOS

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

XII Congresso Catarinense de Municípios

XII Congresso Catarinense de Municípios XII Congresso Catarinense de Municípios Linha de Financiamento para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT Automático O que é o PMAT?

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Balanço dos cinco anos da Política Municipal de Mudança do Clima de São Paulo Rede Nossa São Paulo 20/05/2014 Plano de Metas da PMSP

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

A experiência de Belo Horizonte:

A experiência de Belo Horizonte: A experiência de Belo Horizonte: a construção de uma capital sustentável Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Junho 2012 Belo Horizonte e RMBH (34

Leia mais

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP

1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP 1º Seminário de Saneamento Básico da FIESP Painel III Investimentos em infraestrutura de saneamento básico O papel do setor privado Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

Linhas de Crédito RSA. Característica RSA

Linhas de Crédito RSA. Característica RSA Linhas de RSA Linha de Característica RSA FCO Pronatureza incentivar projetos que visem à conservação e à proteção do meio ambiente, à recuperação de áreas degradadas ou alteradas e ao desenvolvimento

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

O que pode ser financiado?

O que pode ser financiado? BNDES Automático Projetos de Investimento BNDES Automático Obras civis, montagem e instalações Móveis e Utensílios Estudos e projetos de engenharia associados ao investimento Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais