JULIO THEMES NETO Diretor

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JULIO THEMES NETO Diretor 03.06.2014"

Transcrição

1 JULIO THEMES NETO Diretor

2 OBJETIVOS INSTITUCIONAIS Parceiro estratégico do Governo Estadual em seus planos de desenvolvimento; Redução das diferenças regionais no Estado de São Paulo; Contribuição para geração de emprego e renda em SP. 2

3 QUEM SOMOS Instituição financeira de Desenvolvimento Atuação integrada com as entidades do Governo Estadual Recursos próprios, do BNDES, da FINEP e outras entidades multilaterais Sem agências ou contas bancárias Parcerias com órgãos de classe e entidades representativas. Administrador dos Fundos de Desenvolvimento de SP Aplicação em Fundos de Investimento em Empresas 3

4 PÚBLICO ALVO Empresas - Instaladas no Estado de São Paulo - Faturamento anual de R$ 360 mil até R$ 300 milhões Municípios Administração direta e indireta dos municípios paulistas, suas autarquias e fundações 4

5 Linhas de Financiamentos Programas de Governo ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO Parceiros Fundos de Desenvolvimento Fundos de Investimentos 5

6 OPERAÇÕES DE CRÉDITO LIBERADAS VALORES DE DESEMBOLSO (R$ Milhões) ACUMULADO TOTAL: R$ MILHÕES Referência: Relatório de Desembolso Setorial do mês de Abril de

7 LINHAS DE FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS 7

8 LINHAS PARA EMPRESAS O QUE FINANCIAR: PROJETOS DE INVESTIMENTO Ampliação, nova unidade, modernização e adequação de empresas, incluindo obras civis e capital de giro associado ao investimento INOVAÇÃO MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS CAPITAL DE GIRO 8

9 LINHAS PARA EMPRESAS FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP PROJETOS FIP SIMPLIFICADO FIP MEIO AMBIENTE FIP ENERGIA 9

10 LINHAS PARA EMPRESAS FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP ENERGIA: racionalização do consumo de energia e utilização de energias alternativas Apoio às empresas com projetos que comprovadamente contribuam para a economia de energia, aumentem a eficiência global do sistema energético ou promovam a substituição de combustíveis de origem fóssil por fontes renováveis. 10

11 LINHAS PARA EMPRESAS FIP Financiamento ao Investimento Paulista FIP ENERGIA: racionalização do consumo de energia e utilização de energias alternativas PRIORIDADES: Iluminação; Motores; Otimização de processos; Ar comprimido; Bombeamento; Ar condicionado e ventilação; Produção e distribuição de vapor; Aquecimento; Automação e controle; Geração, transmissão e distribuição de energia; Gerenciamento energético; Melhoria da qualidade da energia, inclusive correção do fator de potência e redução da demanda no horário de ponta do consumo do sistema elétrico, sem prejuízos ambientais; Outras à critério da Desenvolve SP. 11

12 LINHAS PARA EMPRESAS Financiamento para Inovação Tecnológica FUNCET Fundo de Ciência e Tecnologia Linha Incentivo à Inovação Linha Incentivo à Tecnologia FINEP / INOVACRED 12

13 LINHAS PARA EMPRESAS Linha Economia Verde Redução da emissão dos GEE Agroindústria Saneamento Energias Renováveis Combustíveis Eficiência Energética Manejo de Resíduos Transporte Construção Civil Processos Industriais Recuperação Florestal Elaboração de Projetos de MDL [Mecanismo de Desenvolvimento Limpo] Elaboração de Inventários de Emissões Gases de Efeito Estufa Financiamento de projetos com aderência à Política Estadual de Mudanças Climáticas, visando a redução dos gases de efeito estufa. 13

14 LINHAS PARA EMPRESAS P&G Linha Petróleo e Gás Natural LEF Linha Especial a Franquias LEP Capital de Giro Parcelado 14

15 LINHAS PARA EMPRESAS PROGRAMAS DE GOVERNO RENOVA SP Renovação da Frota de Caminhões LVR Linha de Financiamento para o Vale do Ribeira LRE Linha Emergencial para Recuperação de Empresas Financiamento à Indústria de Panificação e Confeitaria 15

16 LINHAS PARA EMPRESAS Linhas com REPASSES do BNDES BNDES FINAME BNDES FINAME PSI BNDES AUTOMÁTICO BNDES FINEM BNDES PROGEREN BNDES PRO-CAMINHONEIRO BNDES SAÚDE 16

17 LINHAS PARA EMPRESAS PRINCIPAIS CONDIÇÕES FINANCIAMENTO De R$ 30 mil até R$ 30 milhões PARTICIPAÇÃO DO FINANCIAMENTO Até 100% do valor dos itens financiáveis PRAZOS MÁXIMOS Até 120 meses (Projetos de Investimento), com até 24 meses de carência Até 96 meses (Renovação de Frota), com até 6 meses de carência Até 84 meses (P&G), com até 24 meses de carência Até 60 meses (FIP, LEV e LEF), com até 12 meses de carência Até 24 meses (LEP), com até 1 mês de carência ENCARGOS 0,57% ao mês + IPC-FIPE (FIP, P&G e LEF) 0,41% ao mês + IPC-FIPE (Economia Verde) 1,12% ao mês (LEP) 0,00% (Renovação de Frota, Inovação Tecnológica) 17

18 LINHAS DE FINANCIAMENTO PARA MUNICÍPIOS 18

19 LINHAS PARA MUNICÍPIOS VIA SP Infraestrutura Viária LVM Linha Economia Verde Municípios LDI Linha Distrito Industrial LDA Linha Distribuição e Abastecimento LAM Linha Arena Multi-Uso LAU Linha de Acessibilidade Urbana LIP Linha Iluminação Pública 19

20 LINHAS PARA MUNICÍPIOS LIP Linha Iluminação Pública Financiamento para projetos de implantação, ampliação ou adequação do sistema de iluminação, visando a assunção efetiva, pelo município, da gestão do sistema de iluminação pública. 20

21 LINHAS PARA MUNICÍPIOS LIP Linha Iluminação Pública Resolução Normativa nº 587, de 10 de dezembro de /08/2014 encaminhamento à ANEEL do relatório de acompanhamento da transferência de ativos; 31/12/ Prazo limite para transferência dos ativos; 01/03/2015 encaminhamento à ANEEL do relatório final de transferência dos ativos. 21

22 LINHAS PARA MUNICÍPIOS LIP Linha Iluminação Pública Itens financiáveis: Equipamentos: Conjuntos Luminotécnicos (luminária, lâmpada, soquete, suporte para fixação, braço, reator, relé fotoelétrico, chave de comando e conexão elétrica). Não são financiadas lâmpadas de vapor de mercúrio. Rede exclusiva de IP (postes, condutores, transformadores e acessórios). Call Center: Equipamentos/Estrutura (URA, rádio/comunicador, telefones, microcomputador e impressora). Gestão: Equipamentos (software, microcomputadores e impressora). 22

23 LINHAS PARA MUNICÍPIOS LIP Linha Iluminação Pública Itens financiáveis: Atendimento: Veículo de carga (equipamento para execução dos serviços de manutenção da IP e rádio/comunicador). EPI - equipamento de proteção individual (capacete, óculos, uniforme, luva de raspa, luva de borracha, luva de pelica, manga isolada, cinto de segurança e bota isolada). EPC equipamento de proteção coletiva (fita, cones, calço para veículo, bandeirola e sinalização). Capacitação/treinamento: Equipe técnicos eletricistas. Equipe administrativa. 23

24 LINHAS PARA MUNICÍPIOS LIP Linha Iluminação Pública Itens financiáveis: Projetos: Levantamento e verificação do cadastro dos ativos de iluminação; Inventário de arborização interna. Os itens financiáveis deverão ser avaliados pela Secretaria de Energia do Estado de São Paulo. 24

25 LINHAS PARA MUNICÍPIOS LIP Linha Iluminação Pública Limite do financiamento: até 100% do projeto. Garantias: Cotas do ICMS e/ou do FPM. Taxa de juros: 8% ao ano + IPC FIPE. Prazo de até 72 meses, incluída a carência de até 12 meses. 25

26 LINHAS PARA MUNICÍPIOS BNDES PMAT Programa de Modernização da Administração Tributária e de Gestão dos Setores Sociais Básicos BNDES PROVIAS Programa de Intervenções Viárias * Suspenso pelo BNDES em revisão orçamentária 26

27 LINHAS PARA MUNICÍPIOS PRINCIPAIS CONDIÇÕES FINANCIAMENTO Limite conforme projeto Participação de até 100% do valor do projeto PRAZOS MÁXIMOS ENCARGOS Até 96 meses (PMAT) com até 24 meses de carência Até 72 meses (LVM, VIA SP, LDI, LDA, LAM, LAU E LIP) com até 12 meses de carência Até 54 meses (BNDES-Provias) com até 6 meses de carência 0,65% ao mês + IPC/FIPE (LAM, LDI, LDA, LIP e VIA SP) 0,49% ao mês + IPC/FIPE (LVM) 0,00% ao mês + IPC/FIPE (LAU) 4% a.a. (BNDES-Provias) + TJLP 4,4% a.a. (BNDES-PMAT) + TJLP GARANTIAS DA OPERAÇÃO ICMS e/ou FPM; 27

28 Solicitações Setor Público

29 Fluxo Básico para o Setor Público Carta Consulta; Dossiê de documentos, inclusive a Lei Municipal; Análise pela Desenvolve SP; Aprovação pela STN; Contratação com a Desenvolve SP; Liberação de Recursos; Pagamento do financiamento.

30 Solicitações Setor Privado

31 Fluxo Básico para o Setor Privado Ingresso de informações por meio eletrônico; Apresentação de Balanços e Demonstrativos; Análise preliminar da Desenvolve SP; Apresentação do Projeto de Viabilidade Econômico-Financeira; Análise do projeto pela Desenvolve SP; Aprovação do Crédito; Contratação; Liberação dos Recursos; Pagamento do Financiamento.

32 PLATAFORMA DE ATENDIMENTO E NEGÓCIOS Rua da Consolação, 371 Centro São Paulo 32

33 JULIO THEMES NETO Diretor GRATO PELA ATENÇÃO

BILLY ROD GUIMARÃES MATIAS Consultor de Negócios

BILLY ROD GUIMARÃES MATIAS Consultor de Negócios BILLY ROD GUIMARÃES MATIAS Consultor de Negócios 10.09.2014 QUEM SOMOS Opera como um Banco de Desenvolvimento Atuação de forma integrada com as entidades do Governo Estadual Operações com recursos próprios

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito 16.04.2013 QUEM SOMOS Opera como um Banco de Desenvolvimento Atuação de forma integrada com as entidades do Governo Estadual Operações com recursos próprios

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e de Crédito 21.10.2013 OBJETIVOS INSTITUCIONAIS Ser parceiro estratégico do Governo Estadual em seus planos de desenvolvimento; Contribuir para a redução das diferenças

Leia mais

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 QUEM SOMOS Legal Instituição Financeira do Estado de São Paulo, vinculada a Secretaria

Leia mais

APRESENTAÇÃO 21.07.2011

APRESENTAÇÃO 21.07.2011 APRESENTAÇÃO 21.07.2011 QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio à execução de políticas

Leia mais

NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO. JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento

NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO. JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento 21.10.2011 QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com início de atividades em Março/2009

Leia mais

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009.

Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Presidência 1 Instituição Financeira do Governo do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009. Instrumento institucional de apoio à execução de políticas de

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011

APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 APRESENTAÇÃO ABRIL 2011 QUEM SOMOS NOSSA CAIXA DESENVOLVIMENTO AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÉUMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA CONTROLADA PELO ESTADO DE SÃO PAULO E ATUA COMO BANCO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

Agência de Fomento Paulista

Agência de Fomento Paulista Financiamento ao Desenvolvimento Regional Crédito para as Pequenas e Médias Empresas 2011 Agência de Fomento Paulista A Agência de Fomento Paulista - Nossa Caixa Desenvolvimento é uma instituição financeira

Leia mais

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo. Atua como banco de desenvolvimento apoiando financeiramente às iniciativas que estimulam o crescimento da economia

Leia mais

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado

A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo. Atua como banco de desenvolvimento apoiando financeiramente às iniciativas que estimulam o crescimento da economia

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

O que é o PMAT e qual o seu objetivo

O que é o PMAT e qual o seu objetivo BNDES PMAT O que é o PMAT e qual o seu objetivo É uma modalidade de financiamento do BNDES, que tem como objetivo auxiliar na modernização da administração tributária e a melhoria da qualidade do gasto

Leia mais

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão

Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo que promove o crescimento sustentável das pequenas e médias empresas e municípios paulistas. Nosso objetivo é colaborar para

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

PEDRO LEITÃO MAGYAR Superintendente

PEDRO LEITÃO MAGYAR Superintendente PEDRO LEITÃO MAGYAR Superintendente OBJETIVOS INSTITUCIONAIS Parceiro estratégico do Governo Estadual em seus planos de desenvolvimento; Redução das diferenças regionais no Estado de São Paulo; ContribuiçãoparageraçãodeempregoerendaemSP.

Leia mais

AS/DEURB. 2 Seminário de Trólebus. Instituto de Engenharia SP. 14 de maio de 2013

AS/DEURB. 2 Seminário de Trólebus. Instituto de Engenharia SP. 14 de maio de 2013 AS/DEURB 2 Seminário de Trólebus Instituto de Engenharia SP 14 de maio de 2013 Carlos Malburg Gerente Setorial de Mobilidade Urbana cmalburg@bndes.gov.br Transporte (recentes) Principais Contratações Metro

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. www.bndes. 2º Seminário Internacional Cana & Energia. Ribeirão Preto, agosto de 2002

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES. www.bndes. 2º Seminário Internacional Cana & Energia. Ribeirão Preto, agosto de 2002 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES 2º Seminário Internacional Cana & Energia Ribeirão Preto, agosto de 2002 www.bndes bndes.gov.br http://www.bndes.gov.br.br Evolução dos desembolsos

Leia mais

QUEM SOMOS. Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão

QUEM SOMOS. Fundada em março de 2009 com capital integralizado de R$ 1 bilhão QUEM SOMOS A DESENVOLVE SP é a instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo que promove o crescimento sustentável das pequenas e médias empresas e municípios paulistas. Nosso objetivo é colaborar

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento 1 Paulo Sérgio Sodré Departamento de Credenciamento e Financiamento Máquinas áqu as e equipamentos equ pa e tos 2 BNDES Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira,

Leia mais

Crédito para o Desenvolvimento

Crédito para o Desenvolvimento Crédito para o Desenvolvimento O BADESUL Agência de Fomento, controlada pelo Governo Estadual, integra o Sistema de Desenvolvimento do Estado coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do

Leia mais

O BRDE E O FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE ENERGIA. JULIANA SOUZA DALLASTRA Gerente de Planejamento Agência do Paraná

O BRDE E O FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE ENERGIA. JULIANA SOUZA DALLASTRA Gerente de Planejamento Agência do Paraná O BRDE E O FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE ENERGIA JULIANA SOUZA DALLASTRA Gerente de Planejamento Agência do Paraná O BRDE Região de atuação: MS - PR - SC - RS ü Criado em 1961 pelos governos do PR, SC e

Leia mais

Fevereiro de 2014. * Taxas de Juros em 01.02.2014

Fevereiro de 2014. * Taxas de Juros em 01.02.2014 Fevereiro de 2014 * Taxas de Juros em 01.02.2014 Apresentação Agência Badesc: Nossa Missão: Fomentar o desenvolvimento econômico e social de Santa Catarina, de forma sustentável, através de financiamentos

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios

Soluçõ. ções BB. para a Economia dos Municípios Soluçõ ções BB para a Economia dos Municípios Presença Nacional Presença Nacional Presença Exclusiva 4.388 Municípios * 874 Municípios * *Municípios com agências BB - dados de janeiro/2009 - Fonte: Bacen

Leia mais

CAIXA ao Setor Elétrico. Case: Energia Fotovoltaica

CAIXA ao Setor Elétrico. Case: Energia Fotovoltaica 5º Congresso Ecoenergy Julho 2015 Opções de Financiamento da CAIXA ao Setor Elétrico Case: Energia Fotovoltaica FERNANDO CIOTTI Gerente Regional Superintendência de Grandes Empresas Infraestrutura, Energia

Leia mais

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009

CAFÉ COM CRÉDITO. Santo André - SP. 06 de outubro de 2009 CAFÉ COM CRÉDITO Santo André - SP 06 de outubro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Bens de

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos BNDES PMAT Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos Encontro Nacional de Tecnologia da Informação para os Municípios e do Software Público Brasileiro

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Natal, 03 de Outubro de 2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Natal, 03 de Outubro de 2015 Área Básica de Atuação Missão Atuar na promoção do desenvolvimento regional sustentável como banco público competitivo e rentável.

Leia mais

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO

CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO CONDIÇÕES BÁSICAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO 1. ORIGEM DOS RECURSOS: BANCO FINANCIADOR: Banco do Nordeste do Brasil S/A LINHA DE CRÉDITO: Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste FNE PROGRAMA:

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS

Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços SEDEIS Apresentação Criada em 2002 e autorizada a funcionar pelo Banco Central em 2003, entrou em operação em 2004. É uma sociedade anônima de economia mista vinculada à. Atualmente conta com um patrimônio líquido

Leia mais

MILTON LUIZ DE MELO SANTOS Diretor Presidente

MILTON LUIZ DE MELO SANTOS Diretor Presidente MILTON LUIZ DE MELO SANTOS Diretor Presidente Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015

Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis. Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Ação do BNB no Crédito para Energias Renováveis Fortaleza(CE), 10 a 12/06/2015 Tópicos 1. Sobre o Banco do Nordeste 2. Histórico do crédito para energias renováveis 3. Financiamento para a mini e microgeração

Leia mais

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003)

Financiamento no Âmbito do Programa de Incentivo à Implementação de Projetos de Interesse Social - PIPS (Lei nº 10.735, de 2003) Programa 0902 Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Justificativa Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Público Alvo Operações Especiais: Financiamentos com Retorno Ações Orçamentárias

Leia mais

InovaCamp. Dezembro / 2014

InovaCamp. Dezembro / 2014 InovaCamp Dezembro / 2014 O Programa São Paulo Inova é uma iniciativa do Estado de São Paulo para apoiar empresas paulistas de base tecnológica e de perfil inovador em estágio inicial ou em processo. O

Leia mais

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011

Apoio às MPMEs. Sorocaba/SP. 30 de novembro de 2011 Apoio às MPMEs Sorocaba/SP 30 de novembro de 2011 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das desigualdades sociais e regionais Áreas de atuação Inovação Infra-estrutura

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL

CIRCULAR Nº 64/2009. Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009. Ref.: BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL CIRCULAR Nº 64/2009 Rio de Janeiro, 15 de junho de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa BNDES CONSTRUÇÃO CIVIL O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução do BNDES, COMUNICA

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA FORUM DO IMPACTO DA CRISE NA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA LINHAS DE FINANCIAMENTO E ACESSO AO CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO 13 / 4 / 09 ACESSO AO CRÉDITO PARA AS MICROS E

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão

Leia mais

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA

FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA FUNDO DE AVAL FDA E ME COMPETITIVA OBJETIVOS FDA Prover recursos para garantir riscos de crédito e viabilizar o acesso de micro e pequenas empresas a linhas de financiamento. ME COMPETITIVA Apoiar financeiramente

Leia mais

I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM

I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM I SEMINÁRIO ESTADUAL DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS - AM Grupo de Trabalho Permanente / GTP-APL Rede de Distribuição 3.407 Agências 6.015 Agências 36 Milhões de Clientes Agências Bradesco Expresso Banco

Leia mais

O que pode ser financiado?

O que pode ser financiado? BNDES Automático Projetos de Investimento BNDES Automático Obras civis, montagem e instalações Móveis e Utensílios Estudos e projetos de engenharia associados ao investimento Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME

FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME FIESP Sustentabilidade Financiamentos para PME Junho/2013 Diretoria de Sustentabilidade Linda Murasawa Brasil SANTANDER NO MUNDO 102 milhões DE CLIENTES 14.392 AGÊNCIAS 186.763 FUNCIONÁRIOS Dezembro de

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Sebastião Macedo Pereira

Sebastião Macedo Pereira BNDES e o Segmento Editorial e Livrarias Sebastião Macedo Pereira Procult - Objetivos Objetivos específicos Promover o fortalecimento e a consolidação da cadeia produtiva editorial no País, o desenvolvimento

Leia mais

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Seminário: Oportunidade de Investimento no Pará Palestra: Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Palestrante: Valmir Pedro Rossi - Presidente São Paulo, 02 de dezembro de 2013 Pauta da

Leia mais

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE

Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Energia e Tecnologias Limpas DENE A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG

ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro. Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG ASSESSORIA AO CRÉDITO E INOVAÇÃO Incentivando o Desenvolvimento Mineiro Departamento de Economia Posto de Informações do BNDES Posto Avançado do BDMG www.bndes.gov.br LINHAS DE CRÉDITO BNDES Automático

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha

Recursos subsidiados disponíveis hoje. empresas. para investimentos, giro e inovação nas. Palestrante: Antônio Carlos Rocha Competitividade para Gerar Negócios Recursos subsidiados disponíveis hoje para investimentos, giro e inovação nas empresas Palestrante: Antônio Carlos Rocha Coordenação: Nicolás Honorato SINAIS DA RECUPERAÇÃO

Leia mais

Apoio à Inovação. Junho de 2013

Apoio à Inovação. Junho de 2013 Apoio à Inovação Junho de 2013 Inovação: Conceito (...) implementação de um produto (bem ou serviço) novo ou significativamente aprimorado, ou um processo, ou um novo método de marketing, ou um novo método

Leia mais

O PAPEL DOS AGENTES FINANCIADORES NO APOIO AOS PROJETOS DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

O PAPEL DOS AGENTES FINANCIADORES NO APOIO AOS PROJETOS DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS O PAPEL DOS AGENTES FINANCIADORES NO APOIO AOS PROJETOS DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS AGENDA 1. PERFIL OPERACIONAL DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL 2. PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS NO BNB Principais Atividades

Leia mais

Palestra MPME. 30 de junho de 2011

Palestra MPME. 30 de junho de 2011 Palestra MPME 30 de junho de 2011 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Empresário Informação e Relacionamento

Leia mais

EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética. Alvaro Silveira

EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética. Alvaro Silveira EEGM Mecanismo de Garantia de Eficiência Energética Alvaro Silveira Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão da Organização das Nações Unidas (ONU)

Leia mais

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação.

Missão. Visão. Transformar o Brasil por meio da Inovação. A Finep -A FINEP Agência Brasileira da Inovação -é uma empresa pública vinculada ao MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) criada em 24 de julho de 1967. -Seu objetivo é atuar em toda a cadeia

Leia mais

PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento

PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento PMAT Gestão Municipal e Simplificação dos Procedimentos de Licenciamento PMAT Ambiente de Negócios PMAT Ambiente de negócios Implantação da Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Capacitação de Servidores

Leia mais

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013

Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC. São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Reunião de Trabalho da cadeia produtiva de Defesa e Segurança do Grande ABC São Bernardo do Campo - SP 18 de abril de 2013 Agenda 1. Informações Institucionais 2. Apoio às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

Linhas e Programas de Financiamento às MPMEs Inovadoras. Florianópolis, 09 de abril de 2010

Linhas e Programas de Financiamento às MPMEs Inovadoras. Florianópolis, 09 de abril de 2010 Linhas e Programas de Financiamento às MPMEs Inovadoras Florianópolis, 09 de abril de 2010 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal

Leia mais

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos

Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Desafios para o financiamento de projetos de hidrovias e portos Edson Dalto Departamento de Transporte e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura Brasília, 15/10/2015 (o conteúdo da apresentação é de responsabilidade

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas - SP 17.mar.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações 2014*

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital ABIMAQ Fevereiro de 2015 Os indicadores demonstram as dificuldades que as empresas de BK vêm encontrando... 2 3 Em um cenário adverso no

Leia mais

Financiamento à implementação da PNRS. 7 de maio de 2013

Financiamento à implementação da PNRS. 7 de maio de 2013 Financiamento à implementação da PNRS 7 de maio de 2013 Atratividade financeira Instrumentos financeiros FINEM Capacidade Produtiva linha de base Linhas de Meio Ambiente Fundo Clima BNDES Inovação PSI

Leia mais

XVII Fórum BNB de Desenvolvimento XVI Encontro Regional de Economia

XVII Fórum BNB de Desenvolvimento XVI Encontro Regional de Economia XVII Fórum BNB de Desenvolvimento XVI Encontro Regional de Economia Financiamento aos pequenos negócios como Estratégia de Desenvolvimento Formas de Operação Operações Diretas Contratadas diretamente com

Leia mais

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS

23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS 23ª Abertura Oficial da COLHEITA DO ARROZ. Restinga Seca - RS Carteira de Crédito Sicredi Fevereiro/2013 Saldo da Carteira de Crédito do Sicredi Carteira de Crédito Sicredi R$ 10.310,12 56,13% R$ 4.563,96

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006

Novas Políticas Operacionais BNDES. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Novas Políticas Operacionais BNDES Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2006 Preparação do Banco para as novas Políticas Operacionais Aumento da eficiência e agilização dos procedimentos do banco, através

Leia mais

II) FAT INFRA-ESTRUTURA INSUMOS BÁSICOS E BENS DE CAPITAL SOB ENCOMENDA.

II) FAT INFRA-ESTRUTURA INSUMOS BÁSICOS E BENS DE CAPITAL SOB ENCOMENDA. RESOLUÇÃO Nº 438, DE 2 DE JUNHO DE 2005 Institui o Programa de Apoio a Projetos de Infra-Estrutura - FAT INFRA-ESTRUTURA, cujos recursos serão destinados a financiamentos de projetos de infra-estrutura

Leia mais

Serviços em Energia Agregando Valor

Serviços em Energia Agregando Valor Agregando Valor Antonio Carlos Messora Energia Como usar de forma racional e eficiente? Como diminuir custos? Mercado livre ou cativo? Curto Prazo, Longo Prazo ou Que Prazo? O preço vai subir ou descer?

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Penna) Dispõe sobre a criação do Plano de Desenvolvimento Energético Integrado e do Fundo de Energia Alternativa. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Ficam instituídos

Leia mais

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012

O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário. dezembro de 2012 O BNDES e o Apoio ao Setor Agropecuário dezembro de 2012 Apoio ao setor rural Ministério da Agricultura Pecuária e Abatecimento - MAPA Programas Agropecuários do Governo Federal Operacionalizados pelo

Leia mais

Apoio do BNDES à Inovação

Apoio do BNDES à Inovação Atribuição-Sem Derivações-Sem Derivados CC BY-NC-SA Apoio do BNDES à Inovação 28 de Abril de 2015 Missão e Visão Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira, com

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS ILUMEXPO 2014 3ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada Junho 2014 IBAM, MUNICÍPIO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga. São Paulo - SP 16.abr.2015 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Transportadoras de Carga São Paulo - SP 16.abr.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

Atuação CAIXA em Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento e Mercado de Carbono

Atuação CAIXA em Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento e Mercado de Carbono Atuação CAIXA em Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento e Mercado de Carbono Brasília, 07 de Maio de 2013 Denise Mª Lara de Souza Seabra Gerente de Clientes e Negócios Gerência Nacional Financiamento

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

www.aguiais.com.br ou (62) 4101 9339

www.aguiais.com.br ou (62) 4101 9339 Economista, Goiânia, Projetos FCO, Projetos BNDES, Projetos PRODUZIR, Projetos FOMENTAR, Dinheiro FCO, Financiamento FCO, Carta Consulta FCO, PROGER, PROGEREN, Capital de Giro, Finanças Empresariais, Plano

Leia mais

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009

CAIXA e o NORDESTE. NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 CAIXA e o NORDESTE NELSON ANTÔNIO DE SOUZA SUPERINTENDENTE NACIONAL DA ÁREA B - NORDESTE Novembro de 2009 ATENDIMENTOS CAIXA Total de Transações 921 milhões em terminais de Auto- Atendimento 131 milhões

Leia mais

Linhas de Financiamento para a Construção Civil

Linhas de Financiamento para a Construção Civil Linhas de Financiamento para a Construção Civil Câmara Brasileira da Indústria de Construção 16 de dezembro de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO NORDESTE ORGANOGRAMA SFRI INSTRUMENTOS

Leia mais

ABIFER. (julho/2010)

ABIFER. (julho/2010) ABIFER (julho/2010) QUADRO COMPARATIVO Em US$ bilhões BNDES BID BIRD CAF Data de Apuração 31/12/2009 31/12/2009 30/06/2009 31/12/2009 Ativos Totais 222 84 275,4 15,8 Patrimônio Líquido 15,8 20,6 40 5,3

Leia mais

Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos

Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos Linhas de Financiamento para Projetos Resíduos Sólidos Urbanos Maio de 2014 Raphael Stein Raphael.stein@bndes.gov.br Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da

Leia mais