Árvores - Introdução (1)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Árvores - Introdução (1)"

Transcrição

1 AED Algoritmos e Estruturas de Dados LEEC /2005 Árvores Árvores - Introdução (1) As árvores são estruturas de dados usadas em diversas aplicações na vida comum: Bases de dados de grande dimensão. Reconhecimento de frases geradas por linguagens (ex: programas, expressões aritméticas,...). Modelação de sistemas organizacionais (ex: famílias, directórios de um computador, hierarquia de comando de uma empresa,...). Determinação do caminho mais curto entre dois computadores de uma rede. AED (IST/DEEC) 2

2 Árvores - Introdução (2) Def: Uma árvore é um caso especial de um grafo, i.e., um par (V,E) de dois conjuntos não vazios V-nós (vertex) e Ε V arestas (edges) que satisfazem duas condições: Entre dois nós existe um único caminho (um caminho (path) é uma sequência de arestas entre dois nós), Um único nó, denominado raiz (root), só existe como primeiro elemento nos pares de E: os restantes nós são um segundo elemento dos pares de E (podendo também ser primeiro elemento de alguns pares). AED (IST/DEEC) 3 Árvores - Introdução (3) Def: se (v 1,v 2 ) E, v 1 é nó ascendente (parent) e v 2 é nó filho (child). A raiz é o único nó sem ascendente. Nós sem filhos são designados por folhas (leaves). Nós com filhos são designados não-terminais. Nós não-terminais, distintos da raiz, são designados intermédios. Def: A árvore é de tipo K, sse todos os nós intermédios tiverem K filhos. Quando K=2, a árvore diz-se binária. Def: O nível (level) de um nó é o número de arestas entre a raiz e o nó (raiz tem nível 0). A altura (heigh) de uma árvore é o máximo número de nós encontrados nos caminhos até às folhas (uma árvore só com a raiz tem altura 1). AED (IST/DEEC) 4

3 Árvores - Introdução (4) Representação gráfica das árvores adopta a convenção: raiz no topo, nós representados por círculos, arestas representadas por linhas (ou setas no sentido da raiz para a folha). Exemplo A1: directórios do sistema operativo Linux / bin dev etc home usr var cfb lmv rgc AED (IST/DEEC) 5 Árvores - Introdução (5) Exemplo A2: expressões aritméticas 2+3*5 + n 1 2 * n 2 n 3 (2+3)*5 + * raiz 5 folha 3 5 n 4 n V={n 1,n 2,n 3,n 4,n 5 } E={(n 1, n 2 ),(n 1,n 3 ),(n 3,n 4 ),(n 3,n 5 )} A árvore é avaliada de forma ascendente (bottom-up): 2+3*5 = 2+15 = 17 Parêntesis, usados nas expressões aritméticas para ultrapassar as prioridades dos operadores, são indicados na árvore através da posição dos nós. AED (IST/DEEC) 6

4 Árvores - Introdução (6) Exemplo A3: árvore de pesquisa binária 1 12 n <n >n Subárvore direita (esquerda) armazena números maiores (menores) que o nó. Se os dados forem cadeias de caracteres, usa-se a ordem lexicográfica (cf>cb e cf>az ). Vantagens: pesquisa mais rápida-o(log N) Inconvenientes: pode degenerar lista com pesquisa-o(n), a resolução deste problema torna inserção mais complicada 1 BST - Binary Search Tree AED (IST/DEEC) 7 Árvores - Introdução (7) Uma árvore de ordem K pode ser transformada numa árvore binária, com referências esquerdas contêm sucessivamente as sub-árvores da árvore K referências direitas contém referência para a parte restante da árvore K Exemplo A4: transformação de uma árvore ternária numa árvore binária a b c a b AED (IST/DEEC) 8 c

5 Árvores - Introdução (8) As árvores BB possuem, em cada nó, uma tabela para as subárvores. São usadas em Bases de Dados. a b c A B C D A < a < B < b < C < c < D Todos os caminhos da raiz para as folhas possuem o mesmo comprimento AED (IST/DEEC) 9 Árvores - Introdução (9) Em AED/LEEC são estudadas apenas árvores BST(binary search tree): Representação de uma árvore binária em C Propriedades Operações: Inserção de um elemento numa árvore Directa Balanceada AVL RB Combinação de duas árvores Retirada de um elemento Percurso de uma árvore AED (IST/DEEC) 10

6 Árvores - Representação em C Seja a definição em C de uma árvore binária, contendo cada nó um dado de tipo data. typedef data; typedef struct _s1 { data item; /* dados */ struct _s1 *left, *right; /* referência filhos */ } node; node *root = NULL; /* raiz (árvore inicial é vazia) */ AED (IST/DEEC) 11 Árvores - Propriedades (1) Teorema A1: Uma árvore binária com N nós não-terminais possui N+1 folhas. Estratégia de prova: indução, com base na construção da árvore a partir de duas subárvores. Se N=0, a árvore possui um único nó (que é raiz e folha em simultâneo). Seja N>0 o número de nós não-terminais: a subárvore esquerda tem k nós, a subárvore direita tem N-k-1 nós (0<k<N+1). Por hipótese, a subárvore esquerda tem k+1 folhas e a subárvore direita tem N-k folhas. Somando, a árvore tem (k+1)+(n-k)=n+1 folhas. QED k N-k-1 AED (IST/DEEC) 12

7 Árvores - Propriedades (2) Teorema A2: Uma árvore binária com N nós não-terminais possui 2*N arestas (N-1 para os nós não-terminais e N+1 para as folhas). Estratégia de prova: contar o número de arestas para cada nó. Exceptuando a raiz, cada nó possui um único ascendente, pelo que só há uma aresta entre um nó e o seu ascendente. Pelo teorema A1 e observação anterior, há N+1 arestas para as folhas. Pelas duas observações anteriores, há N-1 arestas para os nós intermédios. No total, a árvore com N nós não-terminais possui (N+1)+(N-1)=2*N arestas. QED AED (IST/DEEC) 13 Árvores - Propriedades (3) Teorema A3: Numa árvore binária com N nós, o nível das folhas h l varia entre log 2 N e N-1. Estratégia de prova: identificar níveis máximo e mínimo. QED O nível máximo é o da árvore degenerada numa lista. Neste caso, h l =N-1 arestas. O nível mínimo é o da árvore balanceada, cada nível i com 2 i nós. Por A1 há N+1 folhas, logo 2 h l-1 <N+1 2 h l. Assim, h l é o maior inteiro igual ou inferior a log 2 N (ex: log 2 7 = 2, log 2 8 = 3) AED (IST/DEEC) 14

8 Síntese da Aula 1 de Árvores Introdução às árvores Representação em C Propriedades básicas de árvores AED (IST/DEEC) 15 Árvores - Inserção (1) Sendo as árvores recursivas, as funções de manipulação podem ser recursivas: a instrução recursiva é aplicada nos nós intermédios e a instrução terminal nas folhas. As árvores são, usualmente, construídas de forma descendente (top-down). Nos algoritmos de inserção consideramos o item um inteiro (typedef int data;) e uma árvore BST. Se a informação a armazenar for uma estrutura, um dos campos designado chave (key) tem de ser tipo ordenado. Ex: no bilhete de identidade, a chave é o número do BI. AED (IST/DEEC) 16

9 Árvores - Inserção (2) Inserção directa A inserção efectuada em dois casos, conforme situação da árvore: vazia: insere directamente novo dado não vazia: procura, em primeiro lugar, o nó onde inserir o novo dado node *insert(int i, node *tree) { node *upper = tree, *child = tree, *leaf; if (tree == NULL) { /* árvore vazia */ tree = (node *) malloc(sizeof(node)); } tree->item = i; /* insere dado */ tree->left = tree->right = NULL; /* sub-árvores vazias */ return tree; AED (IST/DEEC) 17 Árvores - Inserção (3) } while (child!= NULL){/* procura nó onde inserir dado */ upper = child; if (child->item == i) return tree; /* já existe! */ child = child->item>i? child->left : child->right;} /* criada e inicializada nova folha */ leaf = (node *) malloc(sizeof(node)); leaf->item = i; leaf->left = leaf->right = NULL; /* upper passa a nó intermédio e aponta para nova folha */ if (upper->item > i) upper->left = leaf; else upper->right = leaf; return tree; /* rotina insert retorna nova árvore, porque a inicial foi alterada */ AED (IST/DEEC) 18

10 Árvores - Inserção (4) Exemplo A5: inserção de 7 na árvore do exemplo A3 12 i) 7 < 12: insere na sub-árvore esquerda. ii) 7 > 5: insere na sub-árvore direita. iii) 8 é folha: cria nova folha. 7 < 8: a nova folha é sub-árvore esquerda i ii 8 iii O algoritmo degenera numa lista, se os dados inseridos forem sucessivamente crescentes (ou sucessivamente decrescentes). AED (IST/DEEC) 19 Árvores - Inserção (5) A complexidade da inserção depende do tipo de árvore: Árvore degenerada (lista): O(N) Árvore perfeitamente balanceada: complexidade determinada pela pesquisa do local de inserção log 2 N, ou seja, O(log N) Árvore de inserção aleatória: considerando que a altura de cada subárvore possui uma distribuição uniforme 1..N, tem-se que a pesquisa do local de inserção custa ln N, ou seja, O(log N) AED (IST/DEEC) 20

11 Árvores - Inserção (6) Estratégia de prova: simplesmente, efectuar os cálculos! O custo é 1 (visita à raiz) somado ao custo da visita à sub-árvore: esta pode ter entre 0 e N-1 nós, com distribuição uniforme C N = 1 + 1/N * ΣC k-1 1 k N, para N 2 C 1 = 1 Para eliminar Σ, multiplica-se ambos os lados por N, e subtrai-se a fórmula para N-1 (nota: k varia até N nos dois Σ) NC N - (N-1)C N-1 = N + ΣC k-1 (N-1 + ΣC k-2 ) = 1 + C N-1 NC N = NC N-1 +1 C N = C N-1 + 1/N AED (IST/DEEC) 21 Árvores - Inserção (7) por substituição telescópica C = C N 1 + 1/N + 1/(N-1) /2 Trata-se da série harmónica, pelo que C N ln N + γ + 1/12N QED Conclusão: o custo da inserção é mínimo se a árvore for balanceada O problema reside na maior dificuldade em manter a árvore balanceada (como se vai ver nos acetatos seguintes) AED (IST/DEEC) 22

12 Árvores balanceadas AVL (1) Def: Uma árvore diz-se balanceada AVL 2, sse em todos os nós a diferença entre as alturas das subárvores for igual ou inferior a 1. Exemplo A6: árvore A3 é balanceada, A4 já não é (subárvore esquerda tem altura 2 e direita tem altura 4). Para manter a árvore balanceada, respeitando a ordem, depois da inserção pode ser necessário rodar a configuração de nós (rotação simples e rotação dupla) 2 Adel son-vel skii e Landis AED (IST/DEEC) 23 Árvores balanceadas AVL (2) Operações de rotação são classificadas de acordo com o sentido (à direita e à esquerda). y Rotação à direita x α x β γ Rotação à esquerda Quando a diferença de alturas for igual a 2, a operação de rotação diminui o nível da folha mais afastada da raiz, mantendo a ordenação da árvore. α β y γ AED (IST/DEEC) 24

13 Árvores balanceadas AVL (3) A função de rotação apenas actualiza ponteiros (β é a única subárvore a mudar de ascendente). Assim, a rotação tem complexidade O(1). node *rotate_right(node * tree) { } node *x, *y, *beta; /* inalterada se árvore vazia, ou subárvore esquerda vazia */ if (tree == NULL) return tree; else if (tree->left == NULL) return tree; /* salva ponteiros */ y = tree; x = tree->left; beta = x->right; /* actualiza ligações */ x->right = y; y->left = beta; return x; AED (IST/DEEC) 25 Árvores balanceadas AVL (4) Há dois pares de casos em que se torna necessário rodar subárvores: 1: Rotação simples (à direita) x y h+1 A1 y h A2 A3 h h+1 A1 A2 x A3 h AED (IST/DEEC) 26

14 Árvores balanceadas AVL (5) 2: Rotação dupla (à direita) x z h A1 y z A4 h A1 y A2 A3 x A4 h A2 A3 A2 ou A3 de altura h AED (IST/DEEC) 27 Árvores balanceadas AVL (6) Código de inserção AVL int height(node *tree) { int hl, hr; if (tree == NULL) return 0; if (tree->left == NULL && tree->right == NULL) return 1; hl = height(tree->left); hr = height(tree->right); return hl>hr? 1+hl : 1+hr; } AED (IST/DEEC) 28

15 Árvores balanceadas AVL (7) node *insert(int i, node *tree) { /* tree é ponteiro para árvore: a alteração é feita directamente na árvore que é dada como parâmetro */ int h1, h2, h3; if (tree == NULL) { /* árvore vazia */ tree = (node*) malloc(sizeof(node)); } tree->item = i; tree->left = tree->right = NULL; return tree; AED (IST/DEEC) 29 Árvores balanceadas AVL (8) if (i == tree->item) return tree; /* já instalado */ if (i < tree->item){ /* insere na sub-árvore esquerda */ insert(i, tree->left); h1 = height(tree->left->left); h2 = height(tree->left->right); h3 = height(tree->right); if (h1 > h3) /* Caso 1, rotação simples à direita */ tree = rotate_right(tree); if (h2 > h3) { /* Caso 2, rotação dupla à direita */ tree->left = rotate_left(tree->left); tree = rotate_right(tree); } } AED (IST/DEEC) 30

16 Árvores balanceadas AVL (9) else {/* insere na sub-árvore direita */ insert(i, tree->right); h1 = height(tree->right->right); h2 = height(tree->right->left); h3 = height(tree->left); if (h1 > h3) /* Caso 1, rotação simples à esquerda */ tree = rotate_left(tree); if (h2 > h3) {/* Caso 2, rotação dupla à esquerda */ tree->right = rotate_right(tree->right); tree = rotate_left(tree); } } } retun tree; AED (IST/DEEC) 31 Árvores balanceadas AVL (10) O algoritmo AVL não garante distribuição total pelos níveis intermédios (por exemplo, na série S 0 +(-1) n n, a sub-árvore esquerda só deriva à esquerda e a sub-árvore direita só deriva à direita). O algoritmo de inserção listado é pesado devido à determinação das alturas. Uma versão mais eficiente (embora mais complexa e ocupando mais memória), guarda em cada nó o balanceamento das sub-árvores (maior à esquerda, iguais ou maior à direita). AED (IST/DEEC) 32

17 Síntese da Aula 2 de Árvores Inserção de elementos Árvores balanceadas AVL AED (IST/DEEC) 33 Árvores balanceadas RB (1) Def: Uma árvore balanceada RB 3 é uma BST, em que: Todos os nós possuem uma cor: Vermelha, Negra. A raiz e todas as folhas são negras. Filhos dos nós vermelhos são negros. Todos os caminhos, da raiz às folhas, possuem o mesmo número de nós negros (diferenças do número de nós vermelhos inferior a 2) Nota: nos grafos, ponteiros nulos considerados como folhas negras 3 Red Black AED (IST/DEEC) 34

18 Árvores balanceadas RB (2) Código de inserção RB 1 Inserir directamente, como nó vermelho. 2 Há 3 alterações possíveis. Se a alteração quebrar as regras das árvores RB, então rodar e recolorir em direcção à raiz. A inserção custa O(log N). AED (IST/DEEC) 35 Árvores balanceadas RB (3) A Se inserir como raiz, passar nó a negro. B Se o nó ascendente for negro, terminar. novo nó AED (IST/DEEC) 36

19 Árvores balanceadas RB (4) C Se o nó ascendente for vermelho, rodar duplamente e actualizar cores do pai/mãe, avô/avó e tio/tia x y novo nó y z w α β γ x w α y β x Pode ter de recolorir em cima z γ y z w x novo nó w α β γ α β z γ AED (IST/DEEC) 37 Árvores balanceadas RB (5) x w α β y w γ z y α β γ x z novo nó Codificação pode ser feita de 2 formas: Cada nó possuir ponteiro para o nó pai/mãe Recursivamente (muito complicado!) AED (IST/DEEC) 38

20 Árvores - Combinação (1) Combinação permite juntar, numa única árvore, duas árvores (cada uma com dados parciais) Se uma das árvores é nula, a combinação é apenas a outra árvore. Senão, insere-se os elementos da primeira na segunda. node *join(node *a, node *b) { if (a == NULL) return b; if (b == NULL) return a; b = insert(a->item, b); b = join(a->left, b); /* Sedgewick tem join(a->left,b->left); */ b = join(a->right, b);/* Sedgewick tem join(a->right,b->right); */ free(a); return b;} AED (IST/DEEC) 39 Árvores - Combinação (2) Solução proposta por Sedgewick (Prog 12.16) incorrecta! Fazer join, logo nas sub-árvores esquerda e direita, impede verificar o mesmo dado em nós de alturas distintas! Errado!!! 0 AED (IST/DEEC) 40

21 Árvores - Retirada Um dado é eliminado da árvore, executando os passos Procurar o nó de residência Se existir, executar: Combinar sub-árvores esquerda e direita Substituir nó pelo resultado da combinação node *delete(int i, node *tree) { node *aux = tree; if (tree == NULL) return NULL; if(i < tree->item) tree->left = delete(i, tree->left); if(i > tree->item) tree->right = delete(i, tree->right); if(i == tree->item ) { tree = join(tree->left, tree->right); free(aux); } return tree;} AED (IST/DEEC) 41 Árvores - Varrimento (1) Existem diversas estratégias de percurso/varrimento (transverse) de árvores: 1 De acordo com o operador, existente em todos os nós que não sejam folhas (percurso também designado por dump) Pré-fixado: antes do varrimento das sub-árvores. In-fixado: varrer primeiro sub-árvore esquerda, imprimir operador e varrer depois a sub-árvore direita. Pós-fixado 4 : depois do varrimento das sub-árvores. 2 De acordo com o nível Profundidade (depth-first) Largura (breadth-first) 4 também conhecido por notação polaca invertida AED (IST/DEEC) 42

22 Árvores - Varrimento (2) 1: De acordo com o operador As subárvores são varridas de forma ordenada e o operador é listado de forma pré-determinada (pré-fixado, in-fixado ou pósfixado) Exemplo A7: percurso pós-fixado da árvore aritmética A2 typedef struct { enum {nod, leaf} node_type; union { enum {plus, times} oper; } data; int value; } info; AED (IST/DEEC) 43 Árvores - Varrimento (3) void postfix (node *tree){ if (tree == NULL) return; switch(tree->item.node_type) { case leaf: /* imprime o valor */ printf( %d, tree->item.info.value); break; case nod: /* imprime sub-árvores esquerda e direita */ postfix(tree->left); postfix(tree->right); switch(tree->item.info.oper) { /* imprime oper */ case plus: printf( + ); break; case times: printf( * ); break; }}} AED (IST/DEEC) 44

23 + n 1 2 * n 2 n n 4 n 5 Árvores - Varrimento (4) n 1 n 2 n n 4 3 n 5 5 * o resultado final é: * + AED (IST/DEEC) 45 Árvores - Varrimento (5) 2: De acordo com o nível Profundidade: idêntico ao varrimento pré-fixado void depth_first (node *tree){ if (tree ==NULL) return; printf( %d, tree->item); depth_first(tree->left); depth_first(tree->right); } Exemplo A8: O varrimento em profundidade da árvore A3 executa a seguinte sequência de passos: (a) elemento da raiz: 12 (b) visita em profundidade sub-árvore esquerda: (c) visita em profundidade sub-árvore direita: O resultado é AED (IST/DEEC) 46

24 Árvores - Varrimento (6) Largura: O varrimento é feito por nível. As sub-árvores são colocadas no fim de uma lista. typedef struct _s2 { node *this; struct _s2 *next; } link; link *New(); /* cria lista vazia */ void InsertLast(link *, node *);/* insere no fim da lista */ link *GetFirst(link *);/* obtém primeiro elemento da lista */ AED (IST/DEEC) 47 Árvores - Varrimento (7) void breadht_first (link *list){ if (list == NULL) return; } else { link * aux = GetFirst(list); printf( %d, aux->this->item); InsertLast(list, aux->this->left); InsertLast(list, aux->this->right); breadht_first(list); } Rotina deve ser chamada com a raiz inserida na lista. breadht_first(insertlast(new(), root)); AED (IST/DEEC) 48

25 Árvores - Varrimento (8) Exemplo A9: varrimento em largura da árvore A L ista A cção S a ída [12] R ecolhe 1º elem e nto Im prim e valor 12 [5, 17] Inse re subárvores esq e dir [17] R ecolhe 1º elem e nto Im prim e valor 5 [17,2,8] Inse re subárvores esq e dir [2,8] R ecolhe 1º elem e nto Im prim e valor 17 [2,8,31] Inse re subárvores esq e dir [8,31] R ecolhe 1º elem e nto Im prim e valor 2 Inse re subárvores esq e dir [31] R ecolhe 1º elem e nto Im prim e valor 8 Inse re subárvores esq e dir [] R ecolhe 1º elem e nto Im prim e valor 31 Inse re subárvores esq e dir AED (IST/DEEC) 49 Síntese da Aula 3 de Árvores Árvores balanceadas RB Combinação de árvores Retirada de elementos Varrimento de árvores AED (IST/DEEC) 50

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

Métodos Computacionais. Árvores

Métodos Computacionais. Árvores Métodos Computacionais Árvores Árvores Vetores e Listas são ótimos para representar estrutura de dados lineares, mas não para modelar dados hierárquicos Exemplos de dados hierárquicos: sistema de arquivos

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Definição Uma Árvore Binária de Busca possui as mesmas propriedades de uma AB, acrescida da seguinte propriedade: Para todo nó da árvore, se seu valor é X, então: Os nós pertencentes

Leia mais

EAD Árvore árvore binária

EAD Árvore árvore binária EAD Árvore árvore binária - Uma árvore binária é um conjunto finito de elementos (nodos) que pode ser vazio ou particionado em três subconjuntos: - raiz da árvore (elemento inicial, que é único); - subárvore

Leia mais

Linguagem C: Árvores Binarias

Linguagem C: Árvores Binarias Instituto de C Linguagem C: Árvores Binarias Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Implementação

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 14 Árvores Binárias Edirlei Soares de Lima Árvores Uma estrutura de dados do tipo árvore permite que dados sejam organizados de maneira hierárquica.

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Binárias Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Estruturas de Dados Árvores

Estruturas de Dados Árvores Estruturas de Dados Árvores Prof. Eduardo Alchieri Árvores (introdução) Importância de estruturas unidimensionais ou lineares (vetores e listas) é inegável Porém, estas estruturas não são adequadas para

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Laboratório I Prof. Osório Balanceamento de Árvores Binárias Pag.: - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática LABORATÓRIO II AULA : Balanceamento

Leia mais

Árvore Binária de Busca

Árvore Binária de Busca Árvore Binária de Busca 319 Árvore Binária de Busca! construída de tal forma que, para cada nó:! nós com chaves menores estão na sub-árvore esquerda! nós com chaves maiores (ou iguais) estão na subárvore

Leia mais

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Representação em C Ordens de percurso em árvores binárias Altura de uma árvore

Leia mais

Estruturas de Dados I

Estruturas de Dados I UFES - Curso de verão 2011 Estruturas de Dados I Profa. Juliana Pinheiro Campos jupcampos@gmail.com Árvores binárias de busca (ou São árvores projetadas para dar suporte a operações de busca de forma eficiente.

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11 ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac IECE - ITA Uma árvore binária é: uma árvore vazia; ou uma árvore onde qualquer

Leia mais

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 Índice i Índice Capítulo 4 Estrutura de Dados não sequencial com armazenamento não sequencial ( Árvore ) 1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 2. Árvores binárias... 2

Leia mais

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 1. Um número racional é expresso por dois inteiros: um numerador e um denominador (este último diferente de zero!). Implemente um TAD para representar números

Leia mais

CT-234. Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches

CT-234. Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 Estruturas de Dados, Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 4) Árvores balanceadas AVL, Rubro-Negras, B-Trees Operações em árvores binárias de busca

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira

ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira ÁRVORES ED2: MSc. Daniele Oliveira 2 Introdução Filas, pilhas» Estruturas Lineares Um dos exemplos mais significativos de estruturas não-lineares são

Leia mais

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo Árvores Binárias e Busca Jeane Melo Roteiro Parte 1 Árvores Relação hierárquica Definição Formal Terminologia Caminhamento em Árvores Binárias Exemplos Parte 2 Busca seqüencial Busca Binária Grafos Conjunto

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

Árvores binárias de pesquisa com balanceamento. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Árvores binárias de pesquisa com balanceamento. Algoritmos e Estruturas de Dados II Árvores binárias de pesquisa com balanceamento Algoritmos e Estruturas de Dados II Árvores binárias de pesquisa Pior caso para uma busca é O(n) 1 3 Ordem de inserção: 1 3 2 4 5 6 2 4 5 6 2 Árvore completamente

Leia mais

Árvores Balanceadas. Árvore binária completamente balanceada. Ocorre quando a árvore está cheia ou quase cheia com o nível n-1 completo

Árvores Balanceadas. Árvore binária completamente balanceada. Ocorre quando a árvore está cheia ou quase cheia com o nível n-1 completo Árvores Balanceadas As árvores binárias de pesquisa são, em alguns casos, pouco recomendáveis para as operações básicas (inserção, remoção e busca) Árvores binárias de pesquisa degeneradas tornam as operações

Leia mais

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I. Aula 16: Árvores (introdução) Prof. Jesús P. Mena-Chalco. jesus.mena@ufabc.edu.br

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I. Aula 16: Árvores (introdução) Prof. Jesús P. Mena-Chalco. jesus.mena@ufabc.edu.br BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 16: Árvores (introdução) Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2015 1 2 Árvores Uma árvore é uma estrutura de dados mais geral que uma lista

Leia mais

AED 2002/2003 p.1/21. Estrutura de dados elementar Métodos de travessia de árvores Procura em árvores binárias. Exemplos de clientes

AED 2002/2003 p.1/21. Estrutura de dados elementar Métodos de travessia de árvores Procura em árvores binárias. Exemplos de clientes AED 2002/2003 p.1/21 Árvores Binárias Estrutura de dados elementar Métodos de travessia de árvores Procura em árvores binárias Manipulação eficiente Exemplos de clientes AED 2002/2003 p.2/21 Árvores de

Leia mais

Pesquisa Sequencial e Binária

Pesquisa Sequencial e Binária Pesquisa Sequencial e Binária Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 20 Algoritmos e Estruturas de Dados I Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS. prof. Alexandre César Muniz de Oliveira. 1. Introdução 2. Pilhas 3. Filas 4. Listas 5. Árvores 6. Ordenação 7. Busca 8.

ESTRUTURAS DE DADOS. prof. Alexandre César Muniz de Oliveira. 1. Introdução 2. Pilhas 3. Filas 4. Listas 5. Árvores 6. Ordenação 7. Busca 8. ESTRUTURAS DE DADOS prof. Alexandre César Muniz de Oliveira 1. Introdução 2. Pilhas 3. Filas 4. Listas 5. Árvores 6. Ordenação 7. Busca 8. Grafos Sugestão bibliográfica: ESTRUTURAS DE DADOS USANDO C Aaron

Leia mais

Árvores Binárias - continuação

Árvores Binárias - continuação Tópicos Avançados em Estrutura de Dados 6º Período Ciência da Computação Uma Aplicação de Árvores Binárias Árvores Binárias - continuação As árvore binárias são estruturas importantes toda vez que uma

Leia mais

Aula T20 BCC202 Pesquisa (Parte 2) Árvores de Pesquisa. Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo

Aula T20 BCC202 Pesquisa (Parte 2) Árvores de Pesquisa. Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo Aula T20 BCC202 Pesquisa (Parte 2) Árvores de Pesquisa Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo Árvore AVL n Árvore binária de busca tal que, para qualquer nó interno v, a diferença das alturas dos filhos

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados

Algoritmos e Estruturas de Dados Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2 o Teste - A Ano lectivo: 2010/2011 2 o Semestre RESOLUÇÃO DO 2 o TESTE Grupo I (2.0 + 2.5 + 2.0 = 6.5 val.) I.a) Considere os tipos enum ocasiao e Presente

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

Filas com prioridade - Introdução (1)

Filas com prioridade - Introdução (1) AED Algoritmos e Estruturas de Dados LEEC - 2004/2005 Filas com Prioridade Filas com prioridade - Introdução (1) Filas com prioridade (Priority Queues) usadas em diversas aplicações: Despacho (scheduler)

Leia mais

Árvores e Árvores Binárias

Árvores e Árvores Binárias MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Referência bibliográfica Os slides sobre este assunto são parcialmente baseados nas seções sobre árvores do capítulo 4 do livro N. Wirth. Algorithms + Data Structures

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária de Busca

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária de Busca Busca pelo nodo 72 Árvore Binária de Busca Introdução 2/21 Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária de Busca 44 Raiz Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC romulo@das.ufsc.br

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Prof. Eduardo Alchieri Estruturas de Dados Pilhas Pilhas Lista LIFO (Last In, First Out) Os elementos são colocados na estrutura (pilha) e retirados em ordem

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

EAD Árvore - representação usando listas ligadas

EAD Árvore - representação usando listas ligadas 4.1. Definição É uma árvore binária em que os seus nodos têm associado uma chave, que - determina a sua posição de colocação na árvore e - obedece às seguintes regras: a chave de um nodo é - maior do que

Leia mais

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Conjunto de nós e conjunto de arestas que ligam pares de nós Um nó é a raiz Com excepção da raiz, todo o nó está ligado por uma aresta a 1 e 1

Leia mais

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas Listas de Prioridades e Heaps 1 Listas de Prioridades Em muitas aplicações, dados de uma coleção são acessados por ordem de prioridade A prioridade associada a um

Leia mais

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES ALGORITMOS DE BUSCA EM LISTAS COM ALOCAÇÃO SEQÜENCIAL Busca em Listas Lineares A operação de busca é

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Procedimento para Inserir na Árvore Binária Critérios: Atingir um ponteiro nulo em um processo de pesquisa significa uma pesquisa sem sucesso. O ponteiro

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Exemplo de árvore binária e são os filhos de Altura desta árvore é 4 é a raiz da sub-árvore esquerda de Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor.

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor. PUC-Rio Departamento de Informática Período: 2015.1 Horário: 2as-feiras e 4as-feiras de 17-19 30 de março de 2015 ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) 1 a Lista de Exercícios 1. Lista (a) Seja um TAD

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Pesquisa: Recuperação de informação em um grande volume de dados Informação é dividida em registros e cada

Leia mais

Mo:vação. Árvore AVL. Caracterís:cas. Origem. Exemplo. Exercício 1 Qual é a altura dos nodos 50 e 44?

Mo:vação. Árvore AVL. Caracterís:cas. Origem. Exemplo. Exercício 1 Qual é a altura dos nodos 50 e 44? Mo:vação Árvore AVL Árvores binárias de Pesquisa possuem uma tendência natural de desbalancear 1 2 Rohit Gheyi rohit@dsc.ufcg.edu.br 6 8 1 2 Origem Adelson Velskii, G.; E. M. Landis (1962). "An algorithm

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores Algoritmos e Estrutura de Dados III Árvores Uma das mais importantes classes de estruturas de dados em computação são as árvores. Aproveitando-se de sua organização hierárquica, muitas aplicações são realizadas

Leia mais

Árvores Binárias Balanceadas

Árvores Binárias Balanceadas Árvores Binárias Balanceadas Elisa Maria Pivetta Cantarelli Árvores Balanceadas Uma árvore é dita balanceada quando as suas subárvores à esquerda e à direita possuem a mesma altura. Todos os links vazios

Leia mais

Estruturas de Dados. Árvores AVL. Cesar Tadeu Pozzer. pozzer3@gmail.com, pozzer@inf.ufsm.br. Curso de Ciência da Computação UFSM (12/12/2007)

Estruturas de Dados. Árvores AVL. Cesar Tadeu Pozzer. pozzer3@gmail.com, pozzer@inf.ufsm.br. Curso de Ciência da Computação UFSM (12/12/2007) struturas de ados Árvores VL esar Tadeu Pozzer pozzer3@gmail.com, pozzer@inf.ufsm.br.b urso de iência da omputação UFSM (12/12/2007) Árvore VL Uma árvore binária é denominada VL quando a diferença de altura

Leia mais

struct arv { char info; struct arv* esq; struct arv* dir; };

struct arv { char info; struct arv* esq; struct arv* dir; }; Estruturas Árvores 05/05/2008 Aula de (parte 16: Informação 2) ÁrvoreBinária Umaárvoreemquecadanótem Umaárvorebináriaé: umaárvorevazia; a nóraizcom subárvoredadireita(sad) subárvoredaesquerda(sae) duassub-árvores:

Leia mais

Pesquisa digital. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Pesquisa digital. Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa digital Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa digital A pesquisa digital usa a representação das chaves para estruturar os dados na memória Por exemplo, a representação de um número em

Leia mais

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais:

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: Estruturas de Dados Pilhas Prof. Ricardo J. G. B. Campello Créditos Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: disponíveis em http://ww3.datastructures.net/ cedidos

Leia mais

Pedro Vasconcelos DCC/FCUP. Programação Funcional 15 a Aula Árvores de pesquisa

Pedro Vasconcelos DCC/FCUP. Programação Funcional 15 a Aula Árvores de pesquisa Programação Funcional 15 a Aula Árvores de pesquisa Pedro Vasconcelos DCC/FCUP 2014 Árvores binárias Um árvore binária é um grafo dirigido, conexo e acíclico em que cada vértice é de um de dois tipos:

Leia mais

Árvores AVL. Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados

Árvores AVL. Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados Árvores AVL Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados Roteiro (/2) Árvore Binária de Pesquisa - Pior Tempo ABP Balanceada e Não Balanceada Balanceamento de Árvores Balanceamento de ABP Balanceamento

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 13 Estrutura de Dados: Árvores de Pesquisa Binária Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 13 Estrutura de Dados: Árvores de Pesquisa Binária Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 13 Estrutura de Dados: Árvores de Pesquisa Binária Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Uma árvore de pesquisa binária são estruturas de dados que admitem operações

Leia mais

Listas Duplamente Encadeadas

Listas Duplamente Encadeadas Listas Duplamente Encadeadas! quando for preciso seguir a seqüência de elementos em ambos os sentidos! cada nó possui dois ponteiros: ant e prox ant prox a b c d Início Fim 1 Listas Duplamente Encadeadas

Leia mais

Classificação e Pesquisa de Dados

Classificação e Pesquisa de Dados Classificação e Pesquisa de Dados Aula 20 Árvores B e B+ B-Trees (Árvores B) [Bayer & McCreight 1970] UFRGS INF01124 B-Trees (Árvores B) Árvores de pesquisa balanceadas, projetadas para minimizar o tempo

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Genéricas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Árvores. Thiago Martins, Fabio Gagliardi Cozman. PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Árvores. Thiago Martins, Fabio Gagliardi Cozman. PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Árvore: estrutura composta por nós e arestas entre nós. As arestas são direcionadas ( setas ) e: um nó (e apenas um) é a raiz; todo nó

Leia mais

Árvore Binária de Busca. Algoritmos e Estrutura de Dados II. Operações Busca e Sucessor. Árvore Binária de Busca. Árvores Rubro-Negras

Árvore Binária de Busca. Algoritmos e Estrutura de Dados II. Operações Busca e Sucessor. Árvore Binária de Busca. Árvores Rubro-Negras Árvore Binária de Busca Algoritmos e Estrutura de Dados II Árvores Rubro-Negras Prof. Marco Aurélio Stefanes marco em dct.ufms.br Propriedades Se está na subárvore esquerda de então chave() chave() Se

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados II

Algoritmos e Estrutura de Dados II Universidade Federal do Vale do São Francisco Algoritmos e Estrutura de Dados II Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Ementa Árvores B, grafos e tabelas de hash: alocação

Leia mais

Métodos Computacionais. Fila

Métodos Computacionais. Fila Métodos Computacionais Fila Definição de Fila Fila é uma estrutura de dados dinâmica onde: Inserção de elementos se dá no final e a remoção no início O primeiro elemento que entra é o primeiro que sai

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 7 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais

Árvore - Introdução. Teoria dos Grafos. Árvore Livre. Árvore Enraizada. Algumas Definições. Algumas Definições

Árvore - Introdução. Teoria dos Grafos. Árvore Livre. Árvore Enraizada. Algumas Definições. Algumas Definições Árvore - Introdução Árvores Em nosso dia-a-dia nos deparamos com muitos exemplos de árvores: Árvore genealógica. Organograma de uma empresa. Tabela de um torneio esportivo. Na computação: Organização da

Leia mais

ÁRVORES BINÁRIAS DE PESQUISA

ÁRVORES BINÁRIAS DE PESQUISA ÁRVORES BINÁRIAS DE PESQUISA Árvores binárias de pesquisa são uma estrutura alternativa do tipo árvore binária, para guardar valores de tal forma que a recuperação dos mesmos pode ser efectuada de forma

Leia mais

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial Índice i Índice Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial 1. A Estrutura Abstrata de Dados Lista... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Implementação de Listas utilizando armazenamento

Leia mais

Estruturas de Dados. Listas Dinâmicas Duplamente Encadeadas & Variantes. Listas Duplamente Encadeadas

Estruturas de Dados. Listas Dinâmicas Duplamente Encadeadas & Variantes. Listas Duplamente Encadeadas Estruturas de Dados Listas Dinâmicas Duplamente Encadeadas & Variantes Prof. Ricardo J. G. B. Campello Listas Duplamente Encadeadas Listas simplesmente encadeadas são ineficientes para realizar certas

Leia mais

Árvores AVL e Árvores B. Jeane Melo

Árvores AVL e Árvores B. Jeane Melo Árvores AVL e Árvores B Jeane Melo Roteiro Árvores Binárias Árvores AVL Definição Motivação Balanceamento Operações de rebalanceamento Árvores B Introdução Árvores Binárias Árvores binárias Cada nó tem

Leia mais

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões

Programação: Tipos, Variáveis e Expressões Programação de Computadores I Aula 05 Programação: Tipos, Variáveis e Expressões José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/56 Valores Valor é uma entidade

Leia mais

Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado.

Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado. Estrutura de Dados Introdução Extraído de : Estruturas de Dados Homero L. Pícollo Na resolução de um problema por meio de um programa, a primeira providência é conceber um algoritmo adequado. A eficiência

Leia mais

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º Pesquisa Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) Ficheiro (ou tabela) Campos Nome Endereço Telefone Antunes, João A. R. P. António Viera, 23 720456

Leia mais

Árvores Binárias de Busca (ABB) 18/11

Árvores Binárias de Busca (ABB) 18/11 Árvores Binárias de Busca (ABB) 18/11 Definição Uma Árvore Binária de Busca possui as mesmas propriedades de uma AB, acrescida da seguintes propriedade: Para todo nó da árvore, se seu valor é X, então:

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Computação ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas Luiz Henrique Santos

Leia mais

ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA TDA-ABB

ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA TDA-ABB ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA TDA-ABB Conceitos Gerais sobre Árvores Uma árvore é uma estrutura hierárquica dividida em níveis, que ou está vazia, ou contém elementos chamados nós; Diferentemente da árvore natural,

Leia mais

Tipo de Dados em Linguagem C

Tipo de Dados em Linguagem C Tipo de Dados em Linguagem C Principais tipos de dados em C int : tipo de dados inteiros (exemplo: 1, -3, 100, -9, 18, etc.) float : tipo de dados reais (exemplo: 1.33, 3.14, 2.00, -9.0, 1.8, etc.) Ocupa

Leia mais

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento

Leia mais

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária

Sumário. 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Pesquisa em Memória Primária 5COP096 Teoria da Computação Aula 8 Prof. Dr. Sylvio Barbon Junior Sylvio Barbon Jr barbon@uel.br 1 Sumário 1) Introdução à Pesquisa em Memória Primária 2) Pesquisa Sequencial 3) Pesquisa Binária 4) Árvore

Leia mais

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TERMINOLOGIA BÁSICA ALGORITMO Um algoritmo pode ser visto como uma seqüência de ações expressas em termos

Leia mais

Enunciados de exercícios seleccionados de testes e exames P2 / EDa

Enunciados de exercícios seleccionados de testes e exames P2 / EDa Enunciados de exercícios seleccionados de testes e exames P2 / EDa 1. Qual o resultado apresentado pelo seguinte troço de código. Justifique. double d[] = { 5.4, 3.2, 1.0 ; double *pd = d[1]; ++pd; printf(

Leia mais

Arvores, Percursos não recursivos, Arvores heterogêneas. Aula 19

Arvores, Percursos não recursivos, Arvores heterogêneas. Aula 19 Arvores, Percursos não recursivos, Arvores heterogêneas Aula 19 Arvores binárias encadeadas Percorrer uma árvore é uma operação muito comum e seria útil encontrar um método mais eficiente para implementar

Leia mais

Árvores & Árvores Binárias

Árvores & Árvores Binárias Árvores & Árvores Binárias Problema Implementações do TAD Lista Linear Lista encadeada eficiente para inserção e remoção dinâmica de elementos, mas ineficiente para busca Lista seqüencial (ordenada) Eficiente

Leia mais

10. Listas Encadeadas

10. Listas Encadeadas 10. Listas Encadeadas W. Celes e J. L. Rangel Para representarmos um grupo de dados, já vimos que podemos usar um vetor em C. O vetor é a forma mais primitiva de representar diversos elementos agrupados.

Leia mais

Análise de complexidade

Análise de complexidade Introdução Algoritmo: sequência de instruções necessárias para a resolução de um problema bem formulado (passíveis de implementação em computador) Estratégia: especificar (definir propriedades) arquitectura

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS DCC013

ESTRUTURA DE DADOS DCC013 ESTRUTURA DE DADOS DCC013 Árvores Pesquisa sequencial Preliminares Elementos pesquisados sucessivamente Comparação determina se o elemento foi encontrado ou não Exemplo: buscar 4 (Arrays e lista encadeada)

Leia mais

Árvores Binárias. Observação: Material elaborado a partir do material do Professor Marcos Costa.

Árvores Binárias. Observação: Material elaborado a partir do material do Professor Marcos Costa. Árvores Binárias Observação: Material elaborado a partir do material do Professor Marcos Costa. Árvores Binárias Árvore binária é definida como um conjunto finito de nós que Ou está vazio Ou consiste de

Leia mais

Árvores AVL IAED, 2014/2015

Árvores AVL IAED, 2014/2015 Árvores AVL IAED, 24/25 Resumo da aula de hoje Recapitular algumas ideias da última aula Pesquisa, inserção, remoção & travessias em árvores binárias de pesquisa. Árvores binárias equilibradas Exemplo:

Leia mais

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS Listas Lineares Como visto anteriormente, as operações básicas para o nosso TAD Lista Linear são: FLVazia Vazia Retira Insere Imprime A implementação através de arrays

Leia mais

Árvores Binárias de Pesquisa. Programação II Prof. Mateus Raeder. Árvores Binárias de Pesquisa. Árvores Binárias de Pesquisa. Classe Nodo Binário

Árvores Binárias de Pesquisa. Programação II Prof. Mateus Raeder. Árvores Binárias de Pesquisa. Árvores Binárias de Pesquisa. Classe Nodo Binário Programação II Conhecida também como: Árvore binária ordenada Árvore binária de busca Aresenta relação de ordem entre os nodos Ordem definida através do camo chamado chave CHAVE Prof. Mateus Raeder Chaves

Leia mais

DAINF - Departamento de Informática

DAINF - Departamento de Informática DAINF - Departamento de Informática Algoritmos 2 - Árvore binária de busca Prof. Alex Kutzke ( http://alex.kutzke.com.br/courses ) 30 de Novembro de 2015 Slides adaptados do material produzido pelo Prof.

Leia mais

INF1010 Lista de Exercícios 2

INF1010 Lista de Exercícios 2 INF00 Lista de Exercícios 2 Árvores. Construir algoritmo para dada uma árvore n-ária, transformá-la em uma árvore binária. 2. Qual a maior e menor quantidade de nós que podem existir em uma árvore binária

Leia mais

Árvores binárias de busca

Árvores binárias de busca Árvores binárias de busca Introdução à Ciência de Computação II Diego R. Amancio Baseado no material do Prof. Thiago A. S. Pardo Árvore binárias n Árvores de grau 2, isto é, cada nó tem dois filhos, no

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados 2

Algoritmos e Estruturas de Dados 2 Algoritmos e Estruturas de Dados 2 Unidade 1: Árvores binárias Rafael Beserra Gomes Universidade Federal do Rio Grande do Norte Material compilado em 21 de fevereiro de 201. Licença desta apresentação:

Leia mais

Programação II. Árvores Binárias (Binary Trees) Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio

Programação II. Árvores Binárias (Binary Trees) Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio Programação II Árvores Binárias (Binary Trees) Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio Árvores Dados organizados de maneira hierárquica Exemplos: arquivos em diretórios, subdivisão de espaço 2D em um

Leia mais

Filas: conceitos e implementações

Filas: conceitos e implementações Estrutura de Dados I Filas: conceitos e implementações Cesar Rocha cesar@pontoweb.com.br 1 Objetivos Explorar os conceitos fundamentais acerca do uso de filas utilizando a linguagem C Organização e implementação,

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Árvores Existe uma ampla variedade de dados que são comumente organizados sob a forma de árvores hierárquicas utilizadas recorrentemente em nosso dia a dia. Exemplos são a organização administrativa de

Leia mais