Problemas. .-. o número de pontos indica o nível de dificuldade. Medindo Temperatura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Problemas. .-. o número de pontos indica o nível de dificuldade. Medindo Temperatura"

Transcrição

1 Prblems.-. númer de nts indic nível de dificuldde Seçã 18-4 Medind Temertur d rblem. 1 Dis termômetrs de gás vlume cnstnte sã cnstruíds, um cm nitrgêni e utr cm hidrgêni. Ambs cntêm gás suficiente r que P3 = 80 kp. () Qul é diferenç de ressã entre s dis termômetrs se s dis bulbs estiverem em águ n nt de ebuliçã? (Sugestã: Vej Fig ) Que gás está num ressã mis lt? 2 Sunh que temertur de um gás sej 373,15 K qund ele está n nt de ebuliçã d águ. Qul é, entã, vlr limite d rzã entre ressã d gás n nt de ebuliçã e su ressã n nt tril d águ? (Sunh que vlume d gás é mesm em mbs s temerturs.) 3 Um termômetr cnsiste em dis bulbs cm gás, cd um em um bnh térmic de águ, cm mstrd n Fig A diferenç de ressã entre s dis bulbs é medid r um mnômetr de mercúri, cm mstrd. Reservtóris rrids, nã mstrds n figur, mntêm s vlumes ns dis bulbs cnstntes. Nã há diferenç de ressã qund s dis bnhs estã n nt tril d águ. A diferenç de ressã é 120 trr qund um bnh Fig Prblem 3. está n nt tril e utr está n nt de ebuliçã d águ. El é 90,0 trr qund um bnh está n nt tril d águ e utr está em um temertur descnhecid ser medid. Qul é temertur descnhecid? Seçã 18-5 As Escls Celsius e Fhrenheit 4 Em que temertur leitur d escl Fhrenheit é igul () dus vezes d escl Celsius e metde dquel n escl Celsius? 5 () Em 1964, temertur d vil de Oymykn n Sibéri tingiu -71 C. Que temertur é est n escl Fhrenheit? A mis lt temertur ficilmente registrd ns Estds Unids fi de 134 F n Vle d Mrte, Clifórni. Que temertur é est n escl Celsius? 0 6 Em um escl liner de temertur X, águ cngel -125,OX e evr 375,OX. Em um escl de temertur Y liner, águ cngel -70,00y e evr - 30,00 y' Um temertur de 50,00y crresnde que temertur n escl X? 0 7 Sunh que em um escl liner de temertur X águ evr - 53,5 X e cngel -170 X. Qunt vle um temertur de 340 K n escl X? (Arxime nt de ebuliçã d águ cm 373 K.) Seçã 18-6 Exnsã Térmic \s Um hste de um lig de lumíni tem um cmriment de 10,000 em 20,000 C e um cmriment de 10,015 em n nt de ebuliçã d águ. () Qul é cmriment d hste n nt de cngelment d águ? Qul é temertur se cmriment d hste é de 10,009 em? 9 Um fur circulr em um lc de lumíni tem um diâmetr de 2,725 cm O,OOO C.Qul é diâmetr d fur qund temertur d lc é umentd r 100,0 C? 10 Um mstr de lumíni tem 33 m de ltur. De qunt seu cmriment ument qund temertur ument de 15 CO? 11 Determine vriçã n vlume de um esfer de lumíni c um ri inicil de 10 em qund esfer é quecid de O,O Crz 100 C. 12 Qul é vlume de um bl de chumb 30,00 C se s _ vlume é 50,00 em' 60,00 C? 13 A 20 C, um cub de brnze tem um ld de 30 em, Qul é ument n áre d fce d cub qund ele é quecid de 20 C 75 C? 001\ A 20 C, um hste tem extmente 20,05 em de cmrimen linhd cm um régu de ç. Tnt hste cm régu sã clcds em um fm 270 C, nde hste mede gr 20,11 c n mesm régu. Qul é ceficiente de exnsã liner d mterl d qul hste é feit? 0 15 Um xícr de lumíni de 100 em' de ccidde está cmletmente chei cm glicerin 22 C. Qunt glicerin, se lgem, será derrmd se temertur d glicerin e d xícr su. r 28 C? (O ceficiente de exnsã vlumétric d glicerin _ 5,1 X 1O- 4 /C.) Qund temertur de um cilindr de metl é umentd O,O Cr 100 C, seu cmriment ument de 0,23%. () Determine ument ercentul n densidde. Qul é metl? Use Tbel i7 Um hste de ç tem um diâmetr de 3,000 cm 25,00 C. c- nel de brnze tem um diâmetr intern de 2,992 em 25,00 C. E=: que temertur cmum nel se justrá à hste? OlS Qund temertur de um med de cbre é umentd r, 100 C", seu diâmetr ument em 0,18%. Cm recisã de dis - grisms significtivs, determine ument ercentul () n ' d fce, n esessur, (c) n vlume e (d) n densidde d med. (e) Clcule ceficiente de exnsã liner d med. 00''9 Um tub de vidr verticl de 1,28 m de cmriment e - semireenchid cm um líquid 20 e. De qunt ltur d lun d líquid irá vrir qund tub fr quecid r 30 C Cnsidere vidr = 1,0 X 1O- 5 /K e {3líquid = 4,0 X 1O- 5 /K Em um cert exeriment, um equen fnte rditi _ deve se mver cm velciddes selecinds extremmente b - xs. Este mviment é cnseg - d rendend-se fnte num e - tremidde de um hste de iuneni e quecend-se regiã ce - trl d hste de frm cntrl Se seçã quecid efetiv Fig Prblem 20. hste n Fig tem cm - ment d = 2,00 em, que tx, cnstnte temertur d hs: deve mudr r que fnte se mv cm um velcidde c - tnte de 100 nrnls? Cm resultd de um ument de temertur de 32 C", L---- um brr cm um rchdur n seu centr dbr r cim (Fig ). Se distânci fix L fr 3,77 m e ceficiente de exnsã liner d brr fr 25 X 1O- 6 /C, encntre ltur x que centr tinge. Fig Prblem 21.

2 Seçã 18-8 A Absrçã de Clr r Sólids e Líquids 22 Qunt águ ermnece n estd líquid ós 50,2 kj serem trnsferids sb frm de clr rtir de 260 g de águ inicilmente em seu nt de cngelment? 23 Um cert substânci tem um mss r ml de 50,0 g/ml. Qund 314 J sã dicinds sb frm de clr um mstr de 30,0 g, temertur d mstr sbe de 25,0 C r 45,0 C. Quis sã () clr esecífic e clr esecífic mlr d substânci? (c) Qunts mles estã resentes n mstr? 24 Um cert nutricinist encrj s esss fzerem um diet bebend águ cm gel. Su teri é de que cr deve queimr grdur suficiente r umentr temertur d águ de O,OO C r temertur d cr de 37,0 C. Qunts litrs de águ cm gel vcê deve beber r queimr 454 g (cerc de 11b) de grdur, sund que r queimr este tnt de grdur 3500 Cl devem ser trnsferids sb frm de clr r águ cm gel? Pr que nã é recmendável que se sig est diet? (Um litr = 10 3 em'. A densidde d águ é 1,00 g/cm") 25 Clcule menr quntidde de energi, em jules, necessári r fundir 130 g de rt inicilmente 15,0 C. 02 Que mss de mnteig, qul tem um energi útil de 6,0 Cl/ g (= 6000 cl/g), seri equivlente um vriçã de energi tencil grvitcinl de um hmem de 73,0 kg que sbe d nível d mr r t d Mnte Everest, num ltur de 8,84 km? Sunh que vlr médi de g n subid é de 9,80 m/s2. h Um equen quecedr elétric de imersã é usd r quecer 100 g de águ r um xícr de cfé instntâne. O quecedr tem esecificçã de "200 wtts" (ele cnverte energi elétric em energi térmic cm est tx). Clcule tem necessári r levr td est águ de 23,0 C r 100 C, ignrnd quisquer erds de clr. 28 Um mneir de se evitr que interir de um grgem cngele em um nite cm temertur bix d nt de cngelment d águ é clcr um tnel cm águ n grgem. Se mss d águ fr de 125 kg e su temertur inicil fr de 20 C, () que energi águ deve trnsferir r su circunvizinhnç r se cngelr cmletmente e qul é menr temertur ssível d águ e d seu mbiente té que iss crr? 0 29 Versã nã-métric: Qunt tem lev um quecedr de águ de 2,0 X 10 5 Btu/h r elevr temertur de 40 gl de águ de 70 F r 100 F? Versã métric: Qunt tem lev um quecedr de águ de 59 kw r elevr temertur de 150 L de águ de 21 C r 38 C? j Um vs de cbre de 150 g cntém 220 g de águ e estã mbs 20,0 C. Um cilindr de cbre de 300 g muit quente é jgd dentr d águ, fzend águ ferver e trnsfrmnd 5,0 g del em vr. A temertur finl d sistem é de 100 C. Desreze trnsferênci de energi r mbiente. () Qunt energi (em clris) é trnsferid r águ sb frm de clr? Qunt energi é trnsferid r vs? (c) Qul é temertur riginl d cilindr? Que mss de vr 100 C deve ser misturd cm 150 g de gel n nt de fusã, em um reciiente termicmente isld, r rduzir águ 50 C? 0 3'2 Um mstr de 0,400 kg é clcd em um rt de resfriment que remve energi sb frm de clr cm um tx cnstnte. A Fig frnece temertur T d mstr em funçã d tem t; mstr cngel durnte tem de remçã de energi. O clr esecífic d mstr em seu estd líquid inicil é 3000 J/kg. K. Quis sã () clr de fusã d mstr e seu clr esecífic n fse cngeld? 300 g 270 f < " -, 1'\ 1'\ 4Q 80 t(min) Fig Prblem 32. 3Em um quecedr slr de águ, energi d Sl é bsrvid el águ que circul trvés de tubs em um cletr de tet. A rdiçã slr enetr n cletr trvés de um cbertur trnsrente e quece águ ns tubs; ess águ é entã bmbed r um tnque de rmzenment. Sunh que eficiênci de td sistem sej de 20% (u sej, 80% d energi slr incidente é erdid). Que áre d cletr é necessári r umentr temertur de 200 L de águ n tnque de 20 C r 40 C em 1,0 h qund intensidde de luz slr incidente é de 700 W/m 2? 34 Dus mstrs A e B estã em diferentes temerturs iniciis qund sã clcds em cntt em um reciiente termicmente isld té que tinjm equilíbri térmic. A Fig frnece sus temerturs T em funçã d tem t. A mstr A tem um mss de 5,0 kg; mstr B tem um mss de 1,5 kg. A Fig b é um gráfic gerl r mteril d mstr B. Ele mstr vriçã de temertur 1T que mteril sfre qund r mesm é trnsferid energi cm clr Q. A vriçã 1T é mstrd em funçã d energi Q r unidde de mss d mteril. Qul é clr esecífic d mstr A? ,.----,--. \ Y '-....-,". B 6e S2f l f... <l 10 t (min) () Q/m (kl /kg) Fig Prblem O álcl etílic tem um nt de ebuliçã de 78,0 C, um nt de cngelment de -114 C, um clr de vrizçã de 879 kj/ kg, um clr de fusã de 109 kj/kg e um clr esecífic de 2,43 kj/ kg. K. Qunt energi deve ser remvid de 0,510 kg de álcl etílic que está inicilmente n frm de gás 78,O C r que ele se tme um sólid -114 C? 36 Um mstr de 0,530 kg de águ e um mstr de gel sã clcds em um reciiente termicmente isld. O reciiente tmbém cntém um dissitiv que trnsfere clr d águ r gel num tx cnstnte P, té que equilíbri térmic sej estbelecid. As temerturs T d águ e d gel sã dds n Fig cm funções d tem t. () Qul é tx P? Qul é mss inicil de gel n reciiente? (c) Qund equilíbri térruic é tingid, qul é mss de gel rduzid neste rcess?

3 40 <,r-,<, ,. r-, (rnin) Fig Prblem Um ess fz um quntidde de chá cm gel misturnd 500 g de chá quente (essencilmente águ) cm um mss igul de gel em seu nt de fusã. Sunh que trc de energi entre mistur e seu mbiente sej desrezível. Se temertur inicil d chá é Ti = 90 C, qund equilíbri térmic é tingid quis sã () temertur d mistur TJe mss mjd gel restnte? Se Ti = 70 C, qund equilíbri térmic é tingid, quis sã (c) TJe (d) m/ 0 38 \'01 c r esec ífid lco e um substâ stnci.. vn cm temertur de crd cm c = 0,20 + 0,14T + 0,023:f2, cm Tem C e c em cl/g. K. Determine energi necessári r umentr temertur de 2,0 g dest substânci de 5,0 C r 15 C () Dis cubs de gel de 50 g sã jgds em 200 g de águ em um reciiente termicmente isld. Se águ está inicilmente 25 C e gel vem diret de um freezer -15 C, qul é temertur finl n equilíbri térmic? Qul é temertur finl se fr usd ens um cub de gel? l Um grrf térmic isld cntém l30 em' de cfé quente 80,0 C. Vcê dicin um cub de gel de 12,0 g em seu nt de fusã r esfrir cfé. De qunts grus seu cfé esfriu ós gel ter derretid? Trte cfé cm se ele fsse águ ur e desreze trcs de energi cm mbiente Um nel de cbre de 20,0 g O,OOO Ctem um diâmetr intern D = 2,54000 em. Um esfer de lumíni 100,0 C tem um diâmetr d = 2,54508 em. A esfer é clcd n t d nel (Fig ) té que s dis tinjm equilíbri térmic, sem erd de clr r mbiente. A esfer se just extmente nel n temertur d equilíbri. Qul é mss d esfer? Fig Prblem 41. Seçã Alguns Css Eseciis d Primeir Lei d Termdinâmic 42 Um sistem terrndinâmic é levd de um estd A r um estd B, de B r um estd C e entã de vlt r A, cm mstrd n digrm-v d Fig ()-(g) Cmlete tbel n Fig b inserind um sinl sitiv, um sinl negtiv u zer em cd célul indicd. (h) Qul é trblh líquid relizd el sistem qund ele cmlet um cicl ABCA? ee 30.'" c. () 10 i 1/ V 1,0 2,0 3,0 4,0 Vlume (m 3 ) Fig Prblem Um mstr de gás se exnde de 1,0 m 3 4,0 m 3 enqunt su ressã decresce de 40 P r 10 P. Que trblh é relizd el gás se su ressã vri cm vlume trvés () d trjetóri A, d trjetóri B e (c) d trjetóri C n Fig ? 44 Sunh que um trblh de 200 J é relizd sbre um sistem e que um quntidde de 70,0 cl é retird d sistem cm clr. De crd cm rimeir lei d termdinâmic, quis sã s vlres (incluind s sinis) de () W, Q e (c) Min'? 45 Um gás em um câmr fechd ss el cicl mstrd n digrm-v d Fig Clcule energi líquid dicind sistem sb frm de clr durnte um cicl cmlet. 46 Um mstr de gás é levd trvés d cicl bc mstrd n digrm-v d Fig O trblh líquid relizd é + 1,2 J. A lng d trjetóri b, vriçã n energi intern é + 3,0 J e módul d trblh relizd é 5,0 J. A lng d trjetóri c, energi trnsferid r gás cm clr é +2,5 J. Que clr é trnsferid lng () d trjetóri b e d trjetóri bc? 47 A Fig mstr um cicl fechd r um gás ( figur nã fi feit em escl). A vriçã n energi intern d gás qund ele se mve de r c lng d trjetóri bc é -200 J. Qund ele se mve de c r d; 180 J recism ser trnsferids r ele cm clr. É necessári um trnsferênci de clr dicinl de 80 J qund ele se mve de d r. Que trblh é relizd sbre gás qund ele se mve de c r d? Q W ÃEint -,--- A-8 () + B-C + (c) (d) 40 í? 30 'ljl '" "- C A.'" 1,0 2,0 3,0 4,0 Vlume (m 3 ) Fig Prblem <N E 30.g C 1 V "'"... v l 1,0 2,0 3,0 4,0 Vlume (m 3 ) Fig Prblem 45. /, c ' v Fig Prblem 46. :él v Fig Prblem 47. 1

4 48 Um gás em um câmr ss el cicl mstrd n Fig Determine energi trnsferid el sistem cm clr durnte rcess CA se energi dicind cm clr QAB durnte rcess AB fr de 20,0 J, nenhum energi fr trnsferid cm clr durnte rcess BC, e trblh líquid relizd durnte cicl fr de 15,0 J. 49 Qund um sistem é levd d estd i r estd! lng d trjetóri i! n Fig , Q = 50 cl e W = 20 cl. A lng d trjetóri ibf, Q = 36 cl. () Qunt vle W lng d trjetóri ibf? Se W = - 13 cl r trjetóri de vltfi, qunt vle Q r est trjetóri? (c) Se Einl,i= 10 cl, qunt vle Eint/?Se Eint. b = 22 cl, qunt vle Q r (d) trjetóri ib e (e) trjetóri bf? "".., -ct; Seçã Mecnisms de Trnsferênci B Vlume Fig Prblem 48. J P:'1. b Vlume Fig Prblem 49. de Clr 50 O tet d residênci de um fmíli em um clim fri deve ter um resistênci térmic R de 30. Pr frnecer tl islment, qul deveri ser esessur de um revestiment de () esum de liuretn e de rt? 51 Cnsidere lc mstrd n Fig Sunh que L = 25,0 em, A = 90,0 em' e que mteril é cbre. Se T Q = 125 C, T F = 1O,0 Ce um estd estcinári é tingid, encntre tx de cnduçã térmic trvés d lc. 52 Se vcê ssesse brevemente n esç lnge d Sl sem um ru dequd (cm fez um strnut n filme Um Odisséi n Esç), vcê sentiri fri d esç - enqunt irrdisse energi, vcê bsrveri quse nd de seu mbiente. () A que tx vcê erderi energi? Qunt energi vcê erderi em 30 s? Sunh que su emissividde é 0,90 e estime utrs dds necessáris r s cálculs. 53 Um hste cilíndric de cbre de 1,2 m de cmriment e áre de seçã trnsversl 4,8 em? é isld e nã erde energi trvés de su suerfície. As extremiddes sã mntids n diferenç de temertur de 100 COr estr um dels num mistur de águ e gel e utr em um mistur de águ e vr n nt de ebuliçã. () A que tx energi é cnduzid trvés d hste? A que tx gel derrete n extremidde livre? 54 Um esfer de ri 0,500 m, temertur 27,0 C e emissividde 0,85 está lclizd em um mbiente de temertur 77,O e. A que tx esfer () emite e bsrve rdiçã térmic? (c) Qul é tx líquid de trc de energi d esfer? "55 N Fig , dus lcs retngulres de metl idêntics estã slddsextremidde cm extremidde,cm um temertur T = O C n ld esquerd e um temertur T 2 = 100 C n ld direit. Em 2,0 min, 10 J iili sã cnduzids um tx cnstnte d ld direit r ld esquerd. Que tem seri necessári r cnduçã ds 10 J se s lcs estivessem sldds fce fce cm n Fig b? 56 Um cilindr sólid de ri ri = 2,5 em, cmriment h, = 5,0 em, emissi- T 1) () Fig Prblem 55. vidde 0,850 e temertur 30 C está susens em um mbiente de temertur 50 e. () Qul é tx líquid P de trnsferênci de rdiçã térmic d cilindr? Se cilindr fr esticd té que seu ri sej r 2 = 0,50 em, su tx líquid de trnsferênci de rdiçã térmic tm-se P 2. Qul é rzã P/P? 57 () Qul é tx de erd de energi em wtts r metr qudrd trvés de um jnel de vidr de 3,0 mm de esessur se temertur extern é - 20 F e temertur intern é +nof? Um jnel r temestde é rerd cm um vidr de mesm esessur instld rlel rimeir cm um esçment de r entre eles de 7,5 cm. Qul é gr tx de erd de energi se cnduçã fr únic mecnism de erd de energi? "58 A Fig mstr seçã trnsversl de um rede feit de três cmds. As esessurs ds cmds sã L' Lz = 0,700L, e L; = 0,350L,. As cndutividdes térmics sã k, kz = 0,900k, e k:, = 0,800k,. As temerturs ns lds esquerd e direit d rede sã 30,0 C e -15,0 C, resectivmente. A cnduçã térmic trvés d rede tingiu estd estciná- 30 C -15 C ri. () Qul é diferenç de temertur 6.T 2 trvés d cmd 2 (entre s lds esquerd e direit d cmd)? Se, em vez diss, kz Fig Prblem 58. fsse igul 1,lk), tx de cnduçã de energi trvés d rede seri mir, menr u mesm d item nterir e (c) qul seri vlr de 6.T 2? 59 A Fig mstr (em seçã trnsversl) um rede cmst de qutr cmds, cm cndutividdes térmics k, = 0,060 W/m. K, k:, = 0,040 W/m. K e k, = 0,12 W/m. K (kz nã é cnhecid). As esessurs ds cmds sã L = 1,5em, = 2,8 em e L4 = 3,5 em (Lz nã é cnhecid). A trnsferênci de energi trvés d rede é estcinári. Qul é temertur d interfce entre s cmds 3 e 4? Fig Prblem Frmu-se gel em um tnque rs e um estd estcinári fi tingid, cm r cim d gel -5,0 C e fund d tnque 4,0 C. Se rfundidde ttl d gel + águ é 1,4 m, qul esessur d gel? (Sunh que s cndutividdes térmics d gel e d águ sã 0,40 e 0,12 cl/m. CO. s, resectivmente.) 61 Um reservtóri de águ r livre em um di fri tem um cmd de gel de 5,0 em de esessur frmd n suerfície (Fig ). O r cim d gel está -10 C. Clcule tx de frmçã de gel (em centímetrs r hr) dess cmd. Tme cndutividde térmic d gel cm 0,0040 cl/em- CO. s e su densidde cm 0,92 g/ em", Sunh que nã há trns- Fig Prblem 61.

5 ferênci de energi nem trvés ds redes nem trvés d fund d tnque. Prblems Adicinis 62 N extrçã de chclte fri de um tub, um êmbl que emurr chclte trvés d tub reliz trblh. O trblh r unidde de mss de chclte extríd é igul /, nde é diferenç entre ressã licd e ressã nde chclte emerge d tub e é densidde d chclte. Em vez de umentr temertur, este trblh derrete s grdurs d ccu n chclte. Esss grdurs têm um clr de fusã de 150 kjlkg. Sunh que td trblh é utilizd r derreter s grdurs que cnstituem 30% d mss d chclte. Que ercentgem ds grdurs derretem durnte extrçã se = 5,5 MP e = 1200 kg/m"? 63 O digrm - V n Fig mstr dus trjetóris lng ds quis um mstr de gás de ser levd d estd r estd b. A trjetóri 1 requer que um energi igul 5,O, V sej trnsferid rtir d gás cm clr. A trjetóri 2 requer que um energi igul 5,5, V sej trnsferid r gás cm clr. Qul é rzãl,? 64Um cub sólid de lumíni de 20 Fig Prblem 63. em de ld flutu em mercúri cm um fce rlel à suerfície. Qul será ltur d nível de mercúri n ld d cub qund temertur ument de K? (O ceficiente de exnsã vlumétric r mercúri é 1,8 X 1O-4/K.) 65 A Eq (M = l: 1T,cm L send interretd cm cmriment inicil em qulquer rcess dd) é ens um rximçã r um vriçã n cmriment devid um vriçã de temertur. Vms vlir rximçã. Sunh que 20, kj sã trnsferids cm clr um hste de cbre de 0, kg cm um cmriment inicil L = 3, m. Sunh que = 17 X 1O-6/Cé vlr ext d ceficiente de exnsã liner d cbre e 386 Jlkg. K é vlr ext d clr esecífic d cbre. De crd cm Eq. 18-9, quis sã () ument n cmriment d hste e nv cmriment? A seguir, mesm quntidde de energi é trnsferid cm clr rtir d hste (de md que hste retm seu estd inicil). De crd cm Eq. 18-9, quis sã (c) decréscim n cmriment d hste e (d) nv cmriment? (e) Qul é diferenç entre cmriment inicil e resst de (d)? 66Em um série de exeriments, um blc B deve ser clcd em um reciiente termicmente isld em cntt cm um blc A, qul tem mesm mss d blc B. Em cd exeriment, blc B está inicilmente um cert temertur T B, ms temertur d blc A vri de exeriment r exeriment. Sunh que T, reresent temertur [ml ds dis blcs qund eles tingem equilíbri térmic em qulquer ds exeriments. A Fig g 200 h ,,-,,-- P2 P TA (K) Fig Prblem 66. '----'-----' b V frnece temertur T,em funçã d temertur TA r um cert intervl de vlres ssíveis r TA' Quis sã () temertur T B e rzã cjc A entre s clres esecífics ds blcs? 67 Um recrut de entrr r clube "300 F" semi-secret n Estçã Plr Amundsen-Sctt n Pól Sul ens qund temertur exterir ficr bix de -70 C. Em um di cm este, recrut inicilmente é exst um sun quente e deis crre r livre usnd ens sts. (st, evidentemente, é muit erigs, ms rit é efetivmente um rtest cntr erig cnstnte d fri durnte invern n Pól Sul.) Sunh que, sir d sun, temertur d ele d recrut sej 102 F e que s redes, tet e is d sun tenhm um temertur de 30 C. Estime áre d suerfície d recrut e tme emissividde de su ele cm 0,80. () Qul é rximdmente tx líquid P fq cm qul recrut erde energi r mei d trc de rdiçã térmic cm mbiente? Em seguid, sunh que. r livre, metde d áre d suerfície d recrut trc energi térmic cm céu n temertur de -25 C e utr metde trc rdiçã térmic cm neve e chã n temertur de - 80 C. Qul é rximdmente tx líquid cm qul recrut erde energi r mei d trc de rdiçã térmic cm céu e (c) neve e chã? 68Um mstr de 0,300 kg é clcd em um dissitiv de resfriment que remve energi sb frm de clr um tx cnstnte de 2,81 W. G' A Fig frnece temertur T d mstr em funçã d tem t. Qul h 10f l é clr esecífic d mstr? 10 t(min) Fig Prblem () A temertur d suerfície d Sl é cerc de 6000 K. Exresse est temertur n escl Fhrenheit. Exresse temertur nrml d cr humn, 98,6 F, n escl Celsius. (c) Ns Estds Unids, temertur mis bix ficilmente registrd fi de -70 F em Rgers Ps. Mntn. Exresse est temertur n escl Celsius. (d) Exresse nt de ebuliçã nrml d xigêni, -183 C, n escl Fhrenheit. 70 De qunt vlume de um cub de lumíni cm 5,00 em de ld ument qund cub é quecid de 1O,0 C té 60,0 C? 71 Clcule clr esecífic de um metl rtir ds dds seguir. Um reciiente feit d metl tem um mss de 3,6 kg e cntém 14 kg de águ. Um edç de 1,8 kg d metl, inicilmente n temertur de 180 C é jgd n águ. O reciiente e águ têm inicilmente um temertur de 16,0 C e temertur finl de td sistem é 18,0 C. A Um mstr de gás se exnde de 1,0 m 3 r 4,0 m 3 lng d trjetóri B d digrm - V d Fig Ele é, entã, cmrimid de vlt r 1,0 m" lng u d trjetóri A u d trjetóri C. Clcule trblh líquid relizd el gás r cicl cmlet lng () d trjetóri BA e d trjetóri BC e, Um tlet recis erder es e Fig Prblem 72. decide fzer iss "levntnd ferr". () Qunts vezes um es cm mss de 80,0 kg deve ser erguid de 1,0 m r queimr 1,00 lb de grdur, sund que est quntidde de grdur é equivlente 3500 Cl? Se es fr erguid um vez cd 2,00 s, qunt irá durr est tref?., C -,j 1 1,0 2,0 3,0 4,0 Vlume (m 3 )

6 74 Um hste de cbre, um hste de lumíni e um hste de brnze, cd um de 6,00 m de cmriment e 1,00 em de diâmetr, sã sts em cntt extremidde cm extremidde, cm hste de lumíni entre s utrs dus. A extremidde livre d hste de cbre é mntid n nt de ebuliçã d águ e extremidde livre d hste de brnze é mntid n nt de cngelment d águ. Qul é temertur de estd estcinári () d junçã cbre-lumíni e d junçã lumíni-brnze? 75 Lg ós Terr ter se frmd, clr liberd el deciment de elements rditivs umentu temertur intern médi de 300 r 3000 K, em trn d qul el ermnece ind hje. Sund que ceficiente de exnsã vlumétric médi é de 3,0 X 10-5 K-', de qunt ri d lnet umentu desde que fi frmd? 76 cebergs n Atlântic Nrte reresentm um meç r nvis, umentnd ercurs ds rts em trn de 30% durnte temrd de icebergs. As tenttivs de se destruir icebergs incluem imlntçã de exlsivs, bmbrdei, tredement, rtilhri, bte-estcs e recbriment cm fuligem. Sunh que fusã diret de um iceberg, trvés d instlçã de fntes de clr, sej tentd. Que quntidde de energi sb frm de clr seri necessári r derreter 10% de um iceberg que tem um mss de tnelds cúbics? (Use 1 tn métric = 1000 kg.) 77 Um mstr de gás sfre um trnsiçã de um estd inicil r um estd fml b r três diferentes trjetóris (rcesss), cm mstr digrm - V d Fig A energi trnsferid r gás cm clr n rcess 1 é loy;. Em terms de y;, quis sã () energi trnsferid r gás cm clr n rcess 2 e vriçã n energi intern que gás sfre n rcess 3? 3;l 'if---1 ;l2 1--f""!' f---1f---1 Vi 5V; Vlume Fig Prblem A tx médi cm qul energi é liberd r fr trvés d suerfície d sl n Améric d Nrte é 54,0 mw/m 2, e cndutividde térmic médi ds rchs róxims d suerfície é 2,50 W 1m. K. Sund que temertur d suerfície é de 10,0 C, encntre temertur em um rfundidde de 35,0 km (róxim d bse d crst). gnre clr gerd el resenç de elements rditivs. 79 A temertur de um disc de Pyrex vri de 1O,O C r 60,0 C. Seu ri inicil é 8,00 em; su esessur inicil é 0,500 cm. Tme esses dds cm exts. Qul é vriçã n vlume d disc? (Vej Tbel 18-2.) 80 Em cert cs slr, energi rveniente d Sl é rmzend em brris reenchids cm águ. Em um seqüênci rticulr de cinc dis nublds durnte invern, 1,00 X 10 6 kcl sã necessáris r mnter interir d cs 22,0 C. Sund que águ ns brris está 50,0 C e que águ tem um densidde de 1,00 X 10 3 kg/m", que vlume de águ é necessári? 81 Um mstr de gás se exnde de um ressã inicil de 10 P e um vlume inicil de 1,0 m 3 r um vlume finl de 2,0 m'. Durnte exnsã, ressã e vlume estã relcinds el equçã = V2,nde = 10 Nzm", Determine trblh relizd el gás durnte est exnsã. 82 A Fig mstr um cicl fechd r um gás. De c r b, 40 J sã trnsferids rtir d gás cm clr. De b r, 130 J sã trnsferids rtir d gás cm clr e módul d trblh relizd el gás é 80 J. De r c, 400 J sã trnsferids r gás cm clr. Qul é trblh relizd el gás de r c? ' v Fig Prblem 82. (Sugestã: Vcê deve levr em cnsiderçã s sinis sitiv e negtiv r s dds frnecids.) 83 A Fig mstr um cicl fechd r um gás. A vriçã n energi intern lng d trjetóri c é -160 J. A energi trnsferid r gás cm clr é 200 J lng d trjetóri b e 40 J lng d trjetóri bc. Que trblh é relizd el gás lng () d trjetóri bc e d trjetóri b? 84 Um hste de ç tem um cmriment ext de 20 em 30 C. O quã mis cmrid Fig Prblem 83. el fic 50 C? 85 Um bjet de mss 6,0 kg ci de um ltur de 50,0 m e, trvés de um engenh mecânic, fz girr um rd d' águ que mve 0,600 kg de águ. Sunh que energi tencil grvitcinl inicil d bjet sej cmletmente trnsferid r energi térmic d águ, qul está inicilmente 15,0 C. Qul é ument de temertur d águ? 86 () Determine tx cm qul clr d cr é cnduzid trvés d ru de um esquidr em um rcess de estd estcinári, rtir ds seguintes dds: áre d suerfície d cr é 1,8 m 2 e ru tem 1,0 em de esessur; temertur d suerfície d ele é 33 C e suerfície extern d ru está 1,0 C; cndutividde térmic d ru é 0,040 W/m. K. Se, ós um qued, ru ficr enchrcd cm águ de cndutividde térmic 0,60 W/m. K, r qunt tx de cnduçã é multilicd? 87 Um cub de ld 6,0 X 10-6 m, emissividde 0,75 e temertur -100 C flutu em um mbiente -150 C. Qul é tx líquid de trnsferênci de rdiçã térmic d cub? 88 Um vidrç tem extmente 20 em r 30 em 10 C. De qunt ument su áre qund su temertur ss ser 40 C, sund que el de se exndir livremente? 89 Um mstr de lumíni de 2,50 kg é quecid té 92,O C e entã mergulhd em 8,00 kg de águ 5,00 C. Sund que sistem mstr-águ está termicmente isld, qul é temertur de equilíbri d sistem? 90 A Fig mstr um cilindr cntend gás, fechd r um istm móvel. O cilindr é mntid submers em um mistur de () Fig Prblem 90. ' b ' v V2 Vlume níci

7 gel cm águ. O istm é emurrd r bix ridmente d siçã 1 r siçã 2 e entã mntid n siçã 2 té que gás estej nvmente n temertur d mistur gel-águ; em seguid, ele é erguid lentmente de vlt r siçã 1. A Fig b é um digrm - V r rcess. Se 100 g de gel sã derretids durnte cicl, que trblh fi relizd sbre gás? 91 Um grnde tnque de águ cilíndric cm diâmetr d bse de 1,7 m é feit de ferr cm esessur de 5,2 mm. A águ n tnque é quecid rtir d fund r um quecedr cz de mnter um diferenç de temertur de 2,3 C entre s suerfícies de cim e de bix d lc de ferr d fund d tnque. Que energi 6 trnsmitid trvés dest lc em 5,0 min? 92 Um hste de ç 25 C é rfusd ns dus extremiddes e entã resfrid. Em que temertur el irá se rmer? Use Tbel 12-l. 93 A temertur de um cub de gel de 0,700 kg é reduzid té -150 e. Entã, energi é trnsferid r cub sb frm de clr enqunt ele está termicmente isld de seu mbiente. A trnsferênci ttl é de 0,6993 MJ. Sunh que vlr de c ge10 frnecid n Tbel 18-3 é válid r temerturs de -150 C O e. Qul é temertur finl d águ? 94 Sunh que vcê intercete 5,0 X 10-3 d energi irrdid r um esfer quente que tem um ri de 0,020 m, um emissividde de 0,80 e um temertur de suerfície de 500 K. Qunt energi vcê intercet em 2,0 min? 95 () Qul é ceficiente de exnsã liner d lumíni r gru Fhrenheit? Use su resst em () r clculr vriçã n cmriment de um hste de lunúni de 6,0 m se el fr quecid de 40 F r 95 F. 96 A cndutividde térmic d vidr Pyrex n temertur de O C é 2,9 X 10-3 cl/em. CO. s. Exresse est quntidde em () W/m. K e Btu/é. FO. h. (c) Usnd seu resultd em (), encntre vlr d resistênci térmic R r um lâmin de Pyrex de 6,4 mm de esessur. 97 Um lc retngulr de vidr tem inicilmente s dimensões 0,200 m r 0,300 m. O ceficiente de exnsã liner r vidr é 9,00 X 1O- 6 /K. Qul é vriçã n áre d lc se su temertur ument em 20,0 K? 98 Um termômetr de mss 0,0550 kg e clr esecífic de 0,837 kl/kg Kindic 15,0 e. Ele entã é cmletmente imers em 0,300 kg de águ e tinge mesm temertur finl d águ. Se termômetr entã indic 44,4 C, qul er temertur d águ ntes d inserçã d termômetr? 99 Um reresentçã idelizd d temertur d r cm funçã d distânci rtir de um vidrç em um di clm está mstrd n Fig As dimensões d jnel sã 60 em X 60 em X 0,5 em, Sunh que energi é cnduzid lng de um cminh erendiculr à j nel, r nts 8,0 em em cd ld d jnel.. () A que tx energi é cnduzid trvés d jnel? (Sugestã: A qued de temertur trvés d jnel é muit equen.) (b Estime diferenç de temertur entre s suerfícies intern e extern d vidr l----.:'--l Q) c, -10L-L ,0 4,0 O 4,0 8,0 Distânci (em) Fig Prblem Três hstes retilines de mesm cmriment, de lumíni, nv e ç, tds 20,0 C, frmm um triângul equiláter cm ins de dbrdiç ns vértices. Em que temertur ângul st ::. hste de nvr será de 59,95? Vej Aêndice E r fórmuls trignmétrics necessáris e Tbel 18-2 r s dds necessáris. 101 É ssível fundir um blc de gel esfregnd- em utr blc de gel. Que trblh, em jules, vcê teri que relizr r derreter 1,00 g de gel? 102 Um clrímetr de escment é um dissitiv usd r medir clr esecífic de um líquid. A energi é dicind cm clr um tx cnhecid r um crrente d líquid qund el ss trvés d clrímetr cm um vzã cnhecid. Um medid d diferenç de temertur resultnte entre s nts de entrd e de síd d escment ermite determinçã d clr esecífic d líquid. Sunh que um líquid de densidde 0,8'= g/cm' esc trvés de um clrímetr cm um vzã de 8,0 cm 3! Qund energi é dicind um tx de 250 W r mei de um quecedr elétric, um diferenç de temertur de 15C é estbelecid em cndições de estd estcinári entre s nts de entrd e de síd d escment. Qul é clr esecífic d líquid?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras:

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras: Resolução ds tiiddes copleentres Físic F4 Vetores: conceitos e definições p. 8 1 Obsere os etores ds figurs: 45 c 45 b d Se 5 10 c, b 5 9 c, c 5 1 c e d 5 8 c, clcule o ódulo do etor R e cd cso: ) R 5

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins. Estud de impct ds mudnçs climátics sbre s recurss hídrics superficiis e sbre s níveis ds qüífers n Bci d Ri Tcntins. Jvier Tmsell, Dniel Andrés Rdrigue, Lu Adrin Curts, Mônic Ferreir, Juli Cér Ferreir

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Caderno de Prova ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS. Vestibular Vocacionado 2010.2. 2ª FASE 2ª Etapa. Nome do Candidato:

Caderno de Prova ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS. Vestibular Vocacionado 2010.2. 2ª FASE 2ª Etapa. Nome do Candidato: Universidade d Estad de Santa Catarina Vestibular Vcacinad. Cadern de Prva ª FASE ª Etaa ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS Nme d Candidat: INSTRUÇÕES GERAIS Cnfira Cadern de Prva, as Flhas de Resstas e

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Definição e Criação de Molduras

Definição e Criação de Molduras TQS - Mldur Escrit pr Eng. Cmil Ferreir Seg, 20 Mi 2013 09:47 - Ness mensg rei lg dic crir nv mldur pltg n TQS. Ain nesse mesm text, lbrrei ts sbre recurs interessnte p uxiliá-ls criçã crimbs (u sels)

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

2 em 1. código 1005. Ensina, protege e diverte Célula musical e regulagem de altura

2 em 1. código 1005. Ensina, protege e diverte Célula musical e regulagem de altura ê. b e b u e s m c d e c Cres 2 em 1 Ecômic, segur e versátil Nscid há cerc de 18 s, teve iíci cm frecimet r grdes mrcs d mercd. Há 11 s cm mrcs, rduts e sluções róris, Filler rgulh-se de td su trjetóri,

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira:

MATRIZES. Em uma matriz M de m linhas e n colunas podemos representar seus elementos da seguinte maneira: MATRIZES Definiçã Chm-se mtriz d tip m x n (m IN* e n IN*) td tel M frmd pr númers reis distriuíds em m linhs e n cluns. Em um mtriz M de m linhs e n cluns pdems representr seus elements d seguinte mneir:

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍI UNIERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE MTEMÁTI E FÍSI Prfessres: Edsn az e Renat Medeirs EXERÍIOS NOT DE UL II Giânia - 014 E X E R Í I OS: NOTS DE UL 1. Na figura abaix, quand um elétrn se deslca

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

PLANTADEIRAS ASM SÉRIE 1200

PLANTADEIRAS ASM SÉRIE 1200 PLANTADEIRAS ASM SÉRIE 1200 Plntdeirs sm série 1200. Plnti vnçd, plnti Cse ih. Os nvs cnceits d gricultur exigem máquins de grnde rendiment, perfrmnce e fcilidde de mnutençã. A plntdeir Cse IH, cm seu

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M.

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 Eercícios Introdutórios Eercício 10. Três ilhs

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

ircuit ennte de ª Ordem O md nturi, u pól, ã independente d frm de excitçã dede que incluã de excitçã nã ltere etrutur nturl d circuit. N ( X ( H ( Pól D( 0 > etrutur D( X i ( nturl crrepnde X i ( 0 Plinómi

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Um fluido é considerado estático quando as partículas não se deformam, isto é, estão em repouso ou em movimento de corpo rígido.

Um fluido é considerado estático quando as partículas não se deformam, isto é, estão em repouso ou em movimento de corpo rígido. Estátic de Fluidos Um fluido é considerdo estático qundo s rtículs não se deformm, isto é, estão em reouso ou em movimento de coro ríido. Como um fluido não suort tensões cislhntes sem se deformr, em um

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

FÍSICA. d B. (km) = 3,0. 10 5. 64,8. 10 3. = 194,4. 10 2 km

FÍSICA. d B. (km) = 3,0. 10 5. 64,8. 10 3. = 194,4. 10 2 km FÍSICA 1 O Sistem GPS (Globl Positioning System) permite loclizr um receptor especil, em qulquer lugr d Terr, por meio de sinis emitidos por stélites. Num situção prticulr, dois stélites, A e B, estão

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples

Lista de Exercícios 01 Algoritmos Sequência Simples Uiversidde Federl do Prá UFPR Setor de Ciêcis Exts / Deprtmeto de Iformátic DIf Discipli: Algoritmos e Estrutur de Ddos I CI055 Professor: Dvid Meotti (meottid@gmil.com) List de Exercícios 0 Algoritmos

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores

FUNDAMENTOS DE ROBÓTICA. Modelo Cinemático de Robôs Manipuladores FUNDMENTO DE ROBÓTI Mde iemátic de Rbôs Miudres Eem Obter s râmetrs de Devit - Hrteberg r miudr bi. Jut θ d α Pr. is d mr - UDE θ L L B 8 θ L d θ L D Eem Obter s râmetrs de Devit - Hrteberg r miudr bi.

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

PSICROMETRIA. Domingos P. F. Almeida

PSICROMETRIA. Domingos P. F. Almeida APONTAMENTOS DE APOIO ÀS AULAS DE TECNOLOGIA PÓS-COLHEITA (MESTRADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PÓS-COLHEITA) Domingos P. F. Almeid A sicrometri é o estudo ds rorieddes termodinâmics de misturs de r seco e

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C

Questão 48. Questão 46. Questão 47. Questão 49. alternativa A. alternativa B. alternativa C Questã 46 O ceficiente de atrit e índice de refraçã sã grandezas adimensinais, u seja, sã valres numérics sem unidade. Iss acntece prque a) sã definids pela razã entre grandezas de mesma dimensã. b) nã

Leia mais

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão?

1 a) O que é a pressão atmosférica? No S.I. em que unidades é expressa a pressão? Escol Secundái Anselmo de Andde Ciêncis Físico - Químics 8º Ano Ano Lectivo 07/08 ACTIVIDADES: Execícios de plicção Pof. Dulce Godinho 1 ) O que é pessão tmosféic? No S.I. em que uniddes é expess pessão?

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana.

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana. INTEGRAL DEFINIDO O oneito de integrl definido está reliondo om um prolem geométrio: o álulo d áre de um figur pln. Vmos omeçr por determinr áre de um figur delimitd por dus rets vertiis, o semi-eio positivo

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVET VETIBULAR 00 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. Q-7 Um utomóvel, modelo flex, consome litros de gsolin pr percorrer 7km. Qundo se opt pelo uso do álcool, o utomóvel consome 7 litros

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

O atrito de rolamento.

O atrito de rolamento. engengens. Obseve-se que s foçs de tito de olmento epesentds n figu (F e f ) têm sentidos opostos. (Sugeimos que voê, ntes de possegui, poue i um modelo que pemit expli s foçs de tito de olmento). "Rffiniet

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

Estudo dos Logaritmos

Estudo dos Logaritmos Instituto Municipl de Ensino Superior de Ctnduv SP Curso de Licencitur em Mtemátic 3º no Prátic de Ensino d Mtemátic III Prof. M.Sc. Fbricio Edurdo Ferreir fbricio@ffic.br Situção inicil Estudo dos Logritmos

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 2 TRIGONOMETRIA ESFÉRICA E POSIÇÃO DO SOL Definições gerais. Triângul de Psiçã. Relações entre distância zenital ( Z ), azimute ( A ), ângul hrári ( H ), declinaçã (δ ). Efeit da precessã ds equinócis

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

o que se entende por lente.

o que se entende por lente. 1062.0041 As lentes esféricas e suas principais características. 1. Habilidades e cmpetências. 3. Mntagem. B ::; A términ desta atividade alun deverá ter Cas necessári cnsulte a instruçã ]992.021. cmpetência

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente,

Questão 46. Questão 47 Questão 48. alternativa A. alternativa B. partem do repouso, no ponto A, e chegam, simultaneamente, Questã 46 Um pequen crp é abandnad d repus, n pnt, situad a uma altura h, e atinge sl cm uma velcidade de módul v. Em seguida, mesm crp é disparad verticalmente para cima, a lng da mesma trajetória descrita

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa D. alternativa C Questã 46 N instante t = 0 s, um móvel A parte d repus cm aceleraçã escalar cnstante e descreve uma trajetória retilínea. Nesse mesm instante, utr móvel B passa pr A, cm velcidade escalar cnstante, descrevend

Leia mais

FÍSICA. (R m γ ), para os corpos 1 e 2, temos: mg N 1 2 ma (I) mg + N 1 2. 2mg N 2 3 2ma N 2 3 2m(g a) a) 0,8 kg. d) 20 kg. i Q f 0 Q + sonda Q gases

FÍSICA. (R m γ ), para os corpos 1 e 2, temos: mg N 1 2 ma (I) mg + N 1 2. 2mg N 2 3 2ma N 2 3 2m(g a) a) 0,8 kg. d) 20 kg. i Q f 0 Q + sonda Q gases FÍSCA Cso necessário, utilize os seguintes ddos bixo: Constnte grvitcionl 6,67 x 0 m 3 s kg Acelerção d grvidde 9,8 m/s Mss d Terr 6,0 x 0 kg Velocidde d luz 3,0 x 0 8 m/s As questões de 0 5 não devem

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais