Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência"

Transcrição

1 Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Proposta de Parceria BRASÍLIA, JUNHO DE 2011.

2 Nome do Projeto Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência. Entidade Proponente APAE do Distrito Federal CNPJ / Responsável pela Entidade Proponente Nome: Diva da Silva Marinho Telefone: (61) Fax: (61) Responsável pelo Projeto Nome: Raquel Farias Telefone: (61) Fax: (61) Considerações Gerais (pequeno histórico da entidade) A APAE/DF, embora fundada em 1964, iniciou seus atendimentos diretos à pessoa com deficiência intelectual e múltipla em A iniciativa partiu de um grupo de professoras que atuavam no ensino especial do DF e que perceberam a carência de programas e serviços voltados para a educação profissional e a colocação dessa clientela no mundo do trabalho. Deste modo, viabilizaram algumas parcerias para a criação de oficinas de profissionalização em algumas salas comerciais que se encontravam inutilizadas num prédio localizado na Asa Sul de Brasília. Um convênio com a Secretaria de Educação do Distrito Federal permitiu a cessão de alguns professores e, a partir daí, o trabalho da entidade só foi desenvolvendo-se mais e mais.

3 Em março de 1994, foi inaugurada a nova sede da Associação, agora na Asa Norte de Brasília. Em 1995, foi criado o núcleo cooperativo de Ceilândia. Em 1996, uma terceira unidade na cidade do Guará foi inaugurada. Em 1998, a Associação criou um serviço de telemarketing, para facilitar as doações da comunidade em favor da APAE/DF, que ficou concentrado nas antigas salas utilizadas pela Apae na Asa Sul. Em 2005, a Associação conseguiu inaugurar uma nova unidade, o Centro Vocacional e Tecnológico de Sobradinho. Em 22 anos de atendimento, a APAE/DF sempre focou seu trabalho principalmente na inclusão profissional de seus aprendizes, além de procurar desenvolver a autonomia e independência dos mesmos para atividades da vida diária e prática. Enfim, a Associação sempre defendeu a conquista da autogestão da pessoa com deficiência intelectual e múltipla em todas suas ações. Por isso, considera de fundamental importância criar condições para a manutenção de suas atividades e procura estabelecer as parcerias necessárias para isso. Justificativa Nos últimos anos, a APAE/DF tem enfrentado uma série de obstáculos e dificuldades que ameaçam a manutenção de suas ações no Distrito Federal, especialmente seus programas de Educação Profissional e Trabalho (EPT) e Atendimento Sócioocupacional, ambos focados na conquista da autogestão da pessoa com deficiência intelectual e múltipla. Essas dificuldades estão, também, relacionadas à falta de sistemas adequados de segurança e controle nas instalações da Associação, o que, muitas vezes, põe em risco os seus usuários e patrimônio. Viabilizar esses sistemas é, também, permitir que todos os programas da APAE/DF possam ser mantidos. Entre eles, a educação e inclusão profissional, o atendimento educacional especializado, atendimento multidisciplinar e os programas de atenção ao idoso e às famílias. Neste sentido, visando manter a segurança do público interno e garantir a continuidade do trabalho desenvolvido pela Associação em Brasília, apresentamos esse projeto que visa a aquisição de um sistema de vídeo-segurança da sede da Associação.

4 Com o projeto, cerca de 300 aprendizes serão beneficiados diretamente por ano, pois esse é o número médio de atendimentos oferecidos no núcleo de Brasília. No entanto, outros aprendizes e familiares de outras unidades da Associação também costumam receber atendimentos temporários na unidade sede, o que permite uma estimativa de mais de 500 pessoas também beneficiadas com o projeto. Objetivos: Geral Viabilizar os sistemas de segurança necessários para a manutenção do trabalho da APAE/DF em favor da autogestão da pessoa com deficiência intelectual e múltipla. Específicos: Ampliar a segurança dos aprendizes da associação durante o horário de atendimento; Reduzir os riscos invasões, roubos ou furtos ao patrimônio da APAE/DF, favorecendo a manutenção do trabalho em favor de pessoas com deficiência. Metas/ Produtos/ Resultados Esperados Meta 01 Aquisição de 01 sistema de vídeo-segurança a ser instalado na sede da APAE/DF em Brasília beneficiando o atendimento de 420 aprendizes com deficiências intelectual e múltipla; Detalhamentos Meta 01 - Aquisição e Instalação de Sistema de Vídeo-segurança (circuito fechado de TV Digital), compreendendo:

5 Cronograma de Execução N Especificação/ Ação Identificador físico Duração Ordem Unidade Quantidade Início Término 01 Sistema de vídeo-segurança Sistema 1 Mês 1 Mês 2 Plano de Aplicação Natureza da Despesa Total (R$) Concede Código Especificação nte (R$) Proponent e (R$) 01. Equipamentos Aquisição/instalaçã o de sistema de vídeo-segurança , ,00 0,00 Lembramos que a APAE/DF poderá ser beneficiada, também, com equipamentos usados e em bom estado de conservação que estejam em fase de troca pela organização parceira. Em contrapartida ao patrocínio deste projeto, divulgaremos a marca do parceiro no site da instituição (www.apaedf.org.br) como empresa parceira, assim como poderemos ceder nosso selo para utilização da empresa parceira como empresa empenhada com a responsabilidade social. Brasília, 01 de junho de 2011 Diva da Silva Marinho Presidente da APAE/DF

6 ANEXO 1 ATENDIMENTOS DA APAE/DF A APAE/DF é uma organização não governamental sem fins lucrativos que, desde 1989, promove o atendimento sócio-ocupacional, a educação profissional e a inclusão de pessoas com deficiências intelectual e múltipla no mundo do trabalho. Beneficiamos cerca de 620 pessoas, sendo 200 jovens acompanhados no mercado de trabalho e 420 aprendizes atendidos nas unidades da Associação em Brasília (Sede), Guará, Ceilândia e Sobradinho. O Programa de Educação Profissional e Trabalho da APAE/DF é desenvolvido em 03 etapas: 1ª) Iniciação para o Trabalho, 2ª) Qualificação Profissional e 3ª) Colocação no Trabalho. 1 - A Iniciação para o Trabalho caracteriza-se por contemplar ações voltadas para a identificação das potencialidades dos educandos e para o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias à atividade laboral. Esta etapa se inicia com uma avaliação dos candidatos por parte de uma equipe multiprofissional, que verifica o histórico e a realidade da pessoa com deficiência dos pontos de vista educacional, psicológico, social e biológico. Após esta avaliação, será definido o melhor atendimento a ser oferecido ao aprendiz dentro da instituição e em qual etapa da educação profissional o mesmo já poderá ser inserido. Ainda nesta primeira etapa, a maioria dos aprendizes matriculados segue para a pré-profissionalização, realizada em oficinas onde irão desenvolver ou aprimorar habilidades básicas necessárias a qualquer atividade profissional. Quando necessário, os aprendizes complementam o aprendizado na oficinas do Programa Acadêmico da APAE/DF, que tem a informática educativa como uma de suas ferramentas educacionais utilizadas. Como atividades

7 complementares, os aprendizes também participam de aulas de artes plásticas, artes cênicas, esporte, cultura e lazer. 2 - A Qualificação para o Trabalho é a etapa de capacitação do educando para ingressar no mundo do trabalho, considerando o nível de escolaridade do mesmo, suas habilidades desenvolvidas e aspirações pessoais. Realiza-se por meio de cursos que têm por objetivo preparar o aprendiz para a fase de habilitação profissional ou colocação no trabalho. Preferencialmente, a etapa deve ser desenvolvida fora do ambiente institucional, em empresas ou agências formadoras, mas também pode ocorrer na própria instituição. O ideal é desenvolver a qualificação em ambientes reais de trabalho, facilitando a adequação dos aprendizes às exigências do mercado profissional. 3 - A Colocação no Trabalho consiste na inserção do educando em algum tipo de atividade laborativa, considerando suas condições físicas, aspirações pessoais e potencial, assim como as possibilidades de colocação existentes no mundo do trabalho. As modalidades de colocação propostas pelo Programa são: Emprego Competitivo Aberto (quando o aprendiz é colocado como qualquer pessoa, sem a obrigatoriedade de apoios ou procedimentos especiais), Emprego Competitivo Apoiado (quando o aprendiz ou grupo de aprendizes passa a trabalhar com o apoio constante de um instrutor) e Trabalho Autônomo (quando o aprendiz ou grupo de aprendizes trabalha por conta própria, como é o caso das cooperativas). Projeto Especial Desde 2003, a APAE/DF oferece o Programa de Atendimento Sócio- Ocupacional como alternativa de atendimento para as pessoas com deficiência mais comprometidas intelectualmente e que precisam de apoio temporário antes de seguir na educação profissional. O Programa também atende os aprendizes em processo de envelhecimento e que têm menos chances de ingressar

8 no mercado de trabalho. Esses últimos são aprendizes que já passaram pelas oficinas de pré-profissionalização e atingiram seus níveis máximos de desenvolvimento, e que, devido a comprometimentos biopsicossociais, exigem um programa mais específico para suprir suas necessidades. O Programa segue o modelo das Oficinas Protegidas Terapêuticas, previstas no 5o do Artigo 35, do Decreto n 3.298/99, que tem por objetivo desenvolver, em uma casa modelo, a autonomia e a independência por meio da execução de atividades da vida diária e da vida prática, nas áreas de higiene e aparência pessoal, saúde, atitudes sociais, organização do lar, cozinha e trabalhos manuais. Telecentro Acessível Distrito Federal. O Telecentro Apae Acessível foi inaugurado no dia 22 de setembro de 2009 e conta com uma biblioteca e um laboratório de informática com equipamentos de última geração adaptados para pessoas com diversos tipos de deficiência. É o primeiro telecentro verdadeiramente acessível de Brasília e o único a estar em funcionamento no Além da oferta de cursos de informática básica para pessoas com deficiência, o espaço também pode ser usado para a simples consulta à internet ou à biblioteca. Entre os equipamentos estão: computadores com software para ampliação de tela (Zoom 9.1) e leitor de tela (Window-Eyes), teclados ampliados ou com contraste; impressora Braille, e leitor de documentos (Poet Compact) com voz sintetizada em português ou conversão de textos para linha Braille (Seika 40).

HORTOTERAPIA PARA A MELHOR IDADE

HORTOTERAPIA PARA A MELHOR IDADE Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais do Distrito Federal HORTOTERAPIA PARA A MELHOR IDADE PROPOSTA DE PARCERIA Brasília, junho de 2011 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO BENEFICIÁRIA Nome da instituição:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE ITU. CONSTRUÇÃO DA SEDE PRÓPRIA DA APAE DE ITU Sede Nova, Sonho Antigo.

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE ITU. CONSTRUÇÃO DA SEDE PRÓPRIA DA APAE DE ITU Sede Nova, Sonho Antigo. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE ITU CONSTRUÇÃO DA SEDE PRÓPRIA DA APAE DE ITU Sede Nova, Sonho Antigo. Projeto 2012 Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS

Leia mais

2º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional

2º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional Instituição: APAE - Belo Horizonte /MG Categoria: Escolas de Educação Profissional Trabalho Escola de Qualificação Profissional Básica: Dignidade, Autonomia e Renda A associação de pais e amigos dos excepcionais

Leia mais

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANO INDIVIDUAL DE TRANSIÇÃO (PIT) O Decreto-Lei nº3/ 2008, de 7 de janeiro

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Objetivo: Relatar a experiência do desenvolvimento do software Participar. Wilson Veneziano Professor Orientador do projeto CIC/UnB

Objetivo: Relatar a experiência do desenvolvimento do software Participar. Wilson Veneziano Professor Orientador do projeto CIC/UnB Transcrição do vídeo Projeto Participar Duração: 10 minutos e 43 segundos Objetivo: Relatar a experiência do desenvolvimento do software Participar Wilson Veneziano Professor Orientador do projeto CIC/UnB

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PLANO DE TRABALHO DADOS CADASTRAIS PLANO DE TRABALHO - ENTIDADE ÓRGÃO / ENTIDADE PROPONENTE: CNPJ: ENDEREÇO: ENDEREÇO ELETRÔNICO (E-MAIL): CIDADE: UF: CEP: (DDD) FONE: CONTA CORRENTE:

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

Art. 1º A presente Resolução dispõe sobre a educação especial na educação básica no Estado de Minas Gerais e dá outras providências.

Art. 1º A presente Resolução dispõe sobre a educação especial na educação básica no Estado de Minas Gerais e dá outras providências. RESOLUÇÃO CEE Nº 460, de 12 de dezembro de 2013 Consolida normas sobre a Educação Especial na Educação Básica, no Sistema Estadual de Ensino de Minas Gerais, e dá outras providências O Presidente do Conselho

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial A fundamentação dessa proposta teve como referência os seguintes documentos : A Apae Educadora: a escola

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003/99 RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL

RESOLUÇÃO Nº 003/99 RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL RESOLUÇÃO Nº 003/99 Fixa normas para a Educação Infantil no âmbito do Sistema Municipal de Educação de São José. O PRESIDENTE DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO JOSÉ no uso de suas atribuições, de

Leia mais

EXEMPLO DE PLANEJAMENTO PARA O PROCESSO DE CAPACITAÇÃO DE MONITORES DO PST

EXEMPLO DE PLANEJAMENTO PARA O PROCESSO DE CAPACITAÇÃO DE MONITORES DO PST EXEMPLO DE PLANEJAMENTO PARA O PROCESSO DE CAPACITAÇÃO DE MONITORES DO PST Apresentação Este exemplo de planejamento do processo de capacitação dos monitores do PST deve servir como uma proposta inicial

Leia mais

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF

Quadro 28: Percentual de matrículas inclusivas no Brasil e no DF META 4 Universalizar o atendimento educacional aos estudantes com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, independente da idade, garantindo a inclusão na

Leia mais

PROFISSIONAIS CURSOS. Oferta Formativa ANO LECTIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA

PROFISSIONAIS CURSOS. Oferta Formativa ANO LECTIVO 2011/2012 ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA CURSOS PROFISSIONAIS Oferta Formativa ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DOS REIS SILVEIRA CONTACTOS MORADA: AV. 25 DE ABRIL TORRE DA MARINHA 2840-400 SEIXAL TELEFONE: 21 227 63 60 FAX: 21 227 63 68 E-MAIL:ce@esars.pt

Leia mais

Os Desafios da Capacitação da População.

Os Desafios da Capacitação da População. Os Desafios da Capacitação da População. depariosto@terra.com.br LIDERANÇA PSB Câmara dos Deputados, 31 junho 2011 INDICADORES SOCIAIS A Educação, Ciência e Tecnologia são os melhores caminhos para diminuirmos

Leia mais

Dra. Cristina Maria Carvalho Delou Psicóloga Coordenadora do PAAAH/SD

Dra. Cristina Maria Carvalho Delou Psicóloga Coordenadora do PAAAH/SD Dra. Cristina Maria Carvalho Delou Psicóloga Coordenadora do PAAAH/SD 1992 PROJETO NÃO-FORMAL oferecia apenas orientação psicopedagógica gratuita para alunos com AH/SD, com base na Lei 4119/62, Art. 13

Leia mais

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira O mundo pertence àqueles que pensam em novos caminhos. Uwe Grahl - Arquiteto FACILITAÇÃO PELO USO DE TIC ATENDIMENTO ÀS ESPECIFICIDADES

Leia mais

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Gianna Perim. Ministério do Esporte. Abril/2007 Brasília/DF O PROGRAMA NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS ESPORTIVAS. Ministério do Esporte

Gianna Perim. Ministério do Esporte. Abril/2007 Brasília/DF O PROGRAMA NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS ESPORTIVAS. Ministério do Esporte Gianna Perim Abril/2007 Brasília/DF Ministério do Esporte O PROGRAMA NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS ESPORTIVAS Ministério do Esporte 1 Princípio Constitucional É dever do estado fomentar práticas desportivas

Leia mais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais

CARAVANA ESPORTIVA. Projetos Esportivos Educacionais CARAVANA ESPORTIVA Seleção Pública P de Projetos Esportivos Educacionais Programa Petrobras Esporte & Cidadania Fomentar o desenvolvimento do esporte olímpico brasileiro; Democratizar o acesso ao esporte

Leia mais

Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo.

Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo. Temática(s): Acessibilidade em Bibliotecas Tipo de Trabalho: Relato de Experiência Título do trabalho: O Setor de Acessibilidade das Fábricas de Cultura das Regiões Norte e Sul da Cidade de São Paulo.

Leia mais

Educação Infantil ESTRATÉGIAS:

Educação Infantil ESTRATÉGIAS: Educação Infantil META 1: Ampliar a oferta de educação infantil de forma a atender, em 100% da população de 4 e 5 anos até 2016 e, até o final da década, alcançar a meta de 50% das crianças de 0 a 3 anos,

Leia mais

DEGRAU Desenvolvimento e Geração de Redes

DEGRAU Desenvolvimento e Geração de Redes Programa Convivência e Aprendizado no Trabalho M O V I M E N T O DEGRAU Desenvolvimento e Geração de Redes Ficha de Cadastro da Entidade Certificadora Dados da Entidade A. IDENTIFICACÃO 1. Entidade 2.

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 005/CME/2003 APROVADA EM 18.12.2003

RESOLUÇÃO Nº. 005/CME/2003 APROVADA EM 18.12.2003 RESOLUÇÃO Nº. 005/CME/2003 APROVADA EM 18.12.2003 Dispõe sobre procedimentos e orientações a serem observados para oferta da Educação Especial no Sistema de Ensino Municipal a partir de 2003. O CONSELHO

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP

NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar. Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP NIAS/FESP - Núcleo Interdisciplinar de Ação Social da FESP Projeto Amar Camilla Silva Machado Graciano Coordenadora do NIAS/FESP Mestre em Serviço Social pela Faculdade de História, Direito e Serviço Social/UNESP

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS DEFICIENTES VISUAIS APADEVI

INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS DEFICIENTES VISUAIS APADEVI INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS DEFICIENTES VISUAIS APADEVI CANTERI, Larissa Caroline (estágio II), e-mail: larissa_c.canteri@hotmail.com ROSA, Regina Rosa

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial 8. EDUCAÇÃO ESPECIAL 8.1 Diagnóstico A Constituição Federal estabelece o direito de as pessoas com necessidades especiais receberem educação preferencialmente

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

FINS LUCRATIVOS? VOCÊ JÁ PAROU PARA PENSAR NOS GASTOS E RENDIMENTOS DE UMA ORGANIZAÇÃO SEM. A Casa de David

FINS LUCRATIVOS? VOCÊ JÁ PAROU PARA PENSAR NOS GASTOS E RENDIMENTOS DE UMA ORGANIZAÇÃO SEM. A Casa de David VOCÊ JÁ PAROU PARA PENSAR NOS GASTOS E RENDIMENTOS DE UMA ORGANIZAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS? A Casa de David apresenta os seus e justifica porque você deve ajudá-la com o projeto Para disponibilizar abrigamento

Leia mais

13. EDUCAÇÃO ESPECIAL

13. EDUCAÇÃO ESPECIAL 13. EDUCAÇÃO ESPECIAL 13.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL 13.1.1 Objetivos gerais. Política de integração da educação especial na educação infantil, no ensino fundamental e no ensino médio A educação

Leia mais

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL

POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL POLíTICA DE PATROCíNIOS E DOAÇÕES VOLVO DO BRASIL índice APRESENTAÇÃO...3 POLíTICA DE PATROCíNIOS DA VOLVO DO BRASIL...3 1. Objetivos dos Patrocínios...3 2. A Volvo como Patrocinadora...3 3. Foco de Atuação...4

Leia mais

CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO

CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CÂMPUS MORRINHOS CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE

Leia mais

Projeto Voz do Batuque

Projeto Voz do Batuque Mostra Local de: Maringá PR Projeto Voz do Batuque Categoria do projeto: I Projetos em Andamento Nome da Instituição/Empresa: Instituto Morena Rosa de Responsabilidade Sócio Ambiental, Cultural e Desenvolvimento

Leia mais

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR Emylaine Maria Graciano de Souza (PIBIC Jr/CNPq), Gyovana Persinato Inoue (PIBIC Jr/CNPq), Heloísa

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA.

A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA. A EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: A EXPERIÊNCIA DE CURITIBA. ANDREA MALMEGRIM ELIAS (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA), JORDANA DE SOUZA SEHNEM ALVES (PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA).

Leia mais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais

Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Organização do Atendimento Educacional Especializado nas Salas de Recursos Multifuncionais Fonte: MEC/SEE - Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva O que é a Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Disciplina a Especialidade Profissional Terapia Ocupacional nos Contextos Sociais e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Estadual de Ensino O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de atribuições que lhe confere os

Leia mais

10 anos de cotas. Decano de Ensino de Graduação Coordenação de Avaliação - DTG / DEG Centro de Seleção e de Promoção de Eventos

10 anos de cotas. Decano de Ensino de Graduação Coordenação de Avaliação - DTG / DEG Centro de Seleção e de Promoção de Eventos 10 anos de cotas Decano de Ensino de Graduação Coordenação de Avaliação - DTG / DEG Centro de Seleção e de Promoção de Eventos Quantidade de estudantes cotistas registrados e desligados nos períodos -

Leia mais

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO

DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO DECRETO Nº 1948 QUE REGULAMENTA A POLÍTICA NACIONAL DO IDOSO Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 1.948, DE 3 DE JULHO DE 1996. Regulamenta a Lei n 8.842, de 4 de janeiro

Leia mais

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil?

Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Que tal investir parte dos impostos da sua empresa em um dos mais importantes trabalhos sociais do Brasil? Conheça o Instituto Bola Pra Frente O Instituto Bola Pra Frente, iniciativa do tetracampeão mundial

Leia mais

PROJETO DE JARDINAGEM

PROJETO DE JARDINAGEM PROJETO DE JARDINAGEM ESCOLA ESPECIAL RENASCER APAE LUCAS DO RIO VERDE-MT JUSTIFICATIVA A escolha do tema jardinagem vem de acordo com a proposta pedagógica da Escola Especial Renascer que é proporcionar

Leia mais

Manual de Utilização do SALICWEB

Manual de Utilização do SALICWEB Manual de Utilização do SALICWEB Versão 1.0 TELA 1 Para apresentar uma proposta cultural, é necessário antes fazer o cadastro de usuário, clicando em Não sou cadastrado. Caso já tenha se cadastrado, deve-se

Leia mais

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira

Apresentação. SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho. COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Apresentação SUPERINTEDÊNCIA GERAL Magda Fonseca Coutinho COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Mércia Corrêa de Oliveira Descritivo: "A educação deve possibilitar ao corpo e à alma toda a perfeição e a beleza que podem

Leia mais

Declara de Utilidade Pública o Grupo Obreiros da Luz Divina, com sede no Município de Itanhaém.

Declara de Utilidade Pública o Grupo Obreiros da Luz Divina, com sede no Município de Itanhaém. PROJETO DE LEI No 541, DE 2013 Declara de Utilidade Pública o Grupo Obreiros da Luz Divina, com sede no Município de Itanhaém. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA: Artigo 1o - Fica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE ANEXO III-B TERMO DE REFERÊNCIA DO PROCESSO CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES EXECUTORAS DE AÇÕES DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E

Leia mais

1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS

1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS 1 - EDUCAÇÃO PROPOSTAS APROVADAS 01) Ampliar e implantar nas universidades públicas e privadas o curso de graduação Letras Libras/ Língua Portuguesa, Curso de Pedagogia Bilíngue na perspectiva da educação

Leia mais

Prefeitura Municipal de AJURICABA LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias - 2016 Anexo V - Meta Fiscal da Despesa - Rol de Programas

Prefeitura Municipal de AJURICABA LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias - 2016 Anexo V - Meta Fiscal da Despesa - Rol de Programas Página: 1 0000 OPERAÇÕES ESPECIAIS 101 Restituição de Recursos 4.000,00 5.000,00 6.000,00 201 Contribuição PASEP 290.000,00 300.000,00 310.000,00 301 Sentenças Judiciais e Precatórios 6.000,00 8.000,00

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

Ressocialização de jovens carentes Um sonho possível

Ressocialização de jovens carentes Um sonho possível Ressocialização de jovens carentes Um sonho possível A Microlins tem a convicção de que um mundo melhor depende de as empresas assumirem o papel de instrumento de transformações sociais. Essa postura é

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ACESSIBILIDADE AO COMPUTADOR POR PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES AUTORES: Silvia Sales de Oliveira; Maria da Piedade Resende da Costa; Nadja

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

PROJETOS DE DEMOCRATIZAÇÃO CULTURAL

PROJETOS DE DEMOCRATIZAÇÃO CULTURAL PROJETOS DE DEMOCRATIZAÇÃO CULTURAL Semana Cidades Catraca Livre: Cultura e Educação São Paulo, junho de 2010 AGENDA A B C PRODUÇÃO X ACESSO À CULTURA PROJETOS CULTURAIS ELABORAÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS

Leia mais

A CONSERVAÇÃO PREVENTIVA E A INCLUSÃO SOCIAL

A CONSERVAÇÃO PREVENTIVA E A INCLUSÃO SOCIAL A CONSERVAÇÃO PREVENTIVA E A INCLUSÃO SOCIAL Emiliana Brandão (*); Maria Marça Regina do N. Silva (*); Nadia Christina de Almeida Barbosa (*) (*) Arquivo Nacional Brasília DF Introdução O Arquivo Nacional,

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

Pronatec Aprendiz. Orientações para Implementação

Pronatec Aprendiz. Orientações para Implementação Pronatec Aprendiz Orientações para Implementação Edição de 2015 Apresentação O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) representa um passo importante para a consolidação da educação

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE INCLUSÃO DE META COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS E FISCALIZ S AO PLN 0002 / 2007 - LDO Página: 489 de 2393 ESPELHO DE S DE INCLUSÃO DE META AUTOR DA 24760001 0461 Promoção da Pesquisa e do Desenvolvimento Científico

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO TÉCNICA EM TESTES DE SOFTWARE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

CENSO SUAS 2015 Questionário Centros de Convivência

CENSO SUAS 2015 Questionário Centros de Convivência As informações declaradas pelo agente público neste questionário possuem Fé Pública e constituem registros administrativos do Sistema Único de Assistência Social. O fornecimento de informações inverídicas

Leia mais

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DADOS DA ORGANIZAÇÃO: Nome: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB, mantenedora da Casa Lar do Cego Idoso Endereço: Rua Braille

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 Palestras informativas Promover ações educativas para a promoção do voluntariado transformador. Mobilizar voluntários. Toda a comunidade de Curitiba e Região Metropolitana

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA

RELATO DE EXPERIÊNCIA DISCIPLINA LÍNGUA INGLESA Instituição/Escola: Centro Estadual de Educação Básica Para Jovens e Adultos de Toledo Nome do Autor: Jaqueline Bonetti Rubini Coautor: Nilton Sérgio Rech E-mail para contato: jaquelinebonetti@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013

FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FACULDADE GLOBAL DE UMUARAMA FGU / UNIESP RELATÓRIO FINAL 2012/2013 UMUARAMA, DEZEMBRO, 2012 RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO I DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome/

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL PLANO DE AÇÃO EIXO: GESTÂO Fortalecer a parceria entre e instituições parceiras para o desenvolvimento de ações educacionais Formalização de Termo de Cooperação Técnica entre e SEC do Estado para a efetivação de políticas

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADO DA SAFRATER 01 A 04/2009 - R$

DEMONSTRATIVO DE RESULTADO DA SAFRATER 01 A 04/2009 - R$ TIÃOZINHO PRESTANDO CONTAS E AGRADECENDO Caro(a) Associado(a): Segue abaixo o Demonstrativo do Resultado Operacional de nossas atividades em 2008. Quaisquer informações ou esclarecimentos adicionais poderão

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Bibliotecas FacSenac/DF Brasília 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECAS FAC SENAC-DF Brasília 2014 SUMÁRIO MISSÃO...6 SENAC-DF...6 FACULDADE SENAC-DF...6

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS 1 PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho Serviço Social da Indústria de Santa Catarina SOLUÇÕES SOCIAIS 2 Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA - ORÇAMENTO PROGRAMA 2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA - ORÇAMENTO PROGRAMA 2015 Adendo III - Portaria SOF nº 08 de 04 de fevereiro de 1985 Anexo 2 - DESPESA, da Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de 1964 ÓRGÃO: 1000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATUREZA DA DESPESA CÓDIGO FONTE

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO CME/THE N 003 de 15 de abril 2010 Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino de Teresina e revoga a Resolução CME/THE Nº 003, de 06 de abril de 2006.

Leia mais

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Audiência Pública As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância Dados globais

Leia mais

II Encontro Regional de Cultura/ Pontão Rede Fluminense de Cultura / COMCULTURA-RJ Araruama, RJ 1º de julho de 2009. Palestrante: Joana Corrêa

II Encontro Regional de Cultura/ Pontão Rede Fluminense de Cultura / COMCULTURA-RJ Araruama, RJ 1º de julho de 2009. Palestrante: Joana Corrêa Planejamento e Elaboração de Projetos Culturais... II Encontro Regional de Cultura/ Pontão Rede Fluminense de Cultura / COMCULTURA-RJ Araruama, RJ 1º de julho de 2009... Palestrante: Joana Corrêa... Especialista

Leia mais

ATIVIDADES ASSISTENCIAIS E COMUNITÁRIAS

ATIVIDADES ASSISTENCIAIS E COMUNITÁRIAS ATIVIDADES ASSISTENCIAIS E COMUNITÁRIAS O compromisso social da Universidade está presente na sua atuação assistencial junto à comunidade interna e externa visando a melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Ensino Médio e Profissional Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

EDITAL Nº 005/ 2010/FCEE - RETIFICAÇÃO (ALTERA o Edital nº 003/2010/FCEE)

EDITAL Nº 005/ 2010/FCEE - RETIFICAÇÃO (ALTERA o Edital nº 003/2010/FCEE) ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL EDITAL Nº 005/ 2010/FCEE - RETIFICAÇÃO (ALTERA o Edital nº 003/2010/FCEE) O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CATARINENSE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL -

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO Despacho 2007 Nº PROJETO DE LEI Nº 1099/2007 Considera de utilidade pública o Grupo de Formadores de Educadores Populares GEFEP. Autor: Vereador Eliomar Coelho. DECRETA: A Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

ERRATA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NO 01/2013 PROJOVEM URBANO

ERRATA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NO 01/2013 PROJOVEM URBANO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARABÁ SEMED SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ERRATA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO NO 01/2013 PROJOVEM URBANO 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. O processo seletivo simplificado

Leia mais

JANTAR APAE. Praia Grande PROPOSTA DE PATROCÍNIO

JANTAR APAE. Praia Grande PROPOSTA DE PATROCÍNIO PROPOSTA DE PATROCÍNIO DADOS DO EVENTO : Local - Palácio das Artes de Dia - 21 de novembro de Horário - 20h00 Para a realização do evento será montada uma estrutura que contará com os serviços dos seguintes

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ELEMENTOS PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO BÁSICA: EDUCAÇÃO BÁSICA: 1. Definir os padrões mínimos de qualidade estabelecidos pela LDB, considerando as especificidades

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO Cursos destinados a pessoas com escolaridade variável, que objetivam desenvolver competências necessárias

Leia mais

CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM PROL DA ECONOMIA SOLIDÁRIA

CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM PROL DA ECONOMIA SOLIDÁRIA ÁREA: ECONOMIA SOCIAL, DA SAÚDE, SOLIDÁRIA E DO TRABALHO Área 6. Economia Social, Economia da Saúde, Economia Solidária e Economia do Trabalho (Trabalho completo) CURSO ABERTO CIRANDAS.NET: ATUANDO EM

Leia mais

ANEXO I TABELA DE CARGOS, SALÁRIOS, JORNADA DE TRABALHO E PRÉ-REQUISITOS: CARGA PRÉ-REQUISITOS

ANEXO I TABELA DE CARGOS, SALÁRIOS, JORNADA DE TRABALHO E PRÉ-REQUISITOS: CARGA PRÉ-REQUISITOS CA RGOS Professor Língua Portuguesa Professor Língua Inglesa Prefeitura de Marabá Secretaria Municipal de Educação SEMED Comissão Especial de Seleção do PROJOVEM URBANO - PJU. ANEXO I TABELA DE CARGOS,

Leia mais