Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4"

Transcrição

1

2 Índice Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 População alvo...4 Unidade amostral...4 Dimensão da população...4 Metodologia...4 Caracterização da amostra...4 Inquérito... 5 Resultados Perspetivas e prioridades de negócio Internacionalização Níveis de utilização e grau de satisfação com o software de gestão empresarial Principais Conclusões

3 Contexto e objetivos do estudo Entendendo o conhecimento como o pilar que alicerça toda a sua atividade, quer seja através da sua aplicação prática nas soluções que auxiliam o tecido empresarial a agilizar a gestão diária dos processos de negócios, quer através da investigação contínua de novos paradigmas e tecnologias, a PRIMAVERA procurou perceber quais as principais motivações e receios das empresas portuguesas, num quadro económico-financeiro de elevada incerteza. Enquanto organização que atua no mercado business to business torna-se fundamental para a PRIMAVERA o conhecimento pormenorizado do perfil das empresas portuguesas com vista à estruturação de medidas de apoio ajustadas às suas reais necessidades e de uma oferta antecipadora dos desafios que se impõem, cumprindo o seu principal desígnio de impulsionar a competitividade empresarial através da disponibilização de soluções de gestão inovadoras. A presente reflexão, levada a cabo pela IDC, empresa líder mundial na área de "market intelligence", serviços de consultoria e organização de eventos para os mercados das Tecnologias de Informação, Telecomunicações e Eletrónica de Consumo, teve como objetivo auscultar estas organizações de forma a obter respostas a um conjunto de questões como perspetivas e prioridades de negócio, grau de confiança perante o atual contexto económico; presença internacional e intenções de internacionalização, intenção de investimento em software de gestão, níveis de satisfação e qualidade do suporte técnico prestado, entre outras questões que permitem traçar o retrato atual do tecido empresarial português. 3

4 Metodologia, definições e âmbito da análise O presente trabalho de caracterização e análise do quadro empresarial português foi sustentado numa metodologia de trabalho consagrada nesta área e atestada pelos múltiplos estudos realizados pela IDC. O estudo teve por base os seguintes requisitos técnicos: População alvo O estudo incidiu sobre as Sociedades Comerciais estabelecidas em Portugal com 1 ou mais colaboradores, não estando incluídas as Sociedades em Nome Individual e Unipessoais, assim como os organismos da Administração Pública. Unidade amostral Para efeitos de pesquisa, a sede e as respetivas filiais de uma Sociedade Comercial - quando aplicável - foram consideradas como uma única empresa. Dimensão da população A população alvo é composta por unidades que integram Bases de Dados externas, informação do Instituto Nacional de Estatística (INE) e da própria IDC. Metodologia Amostragem probabilística aleatória estratificada por dimensão de empresa e setor económico, baseada num procedimento em que todos os elementos da População Alvo têm uma probabilidade conhecida e superior a zero de integrar a Amostra. A Administração do inquérito decorreu através do método CAWI (Computer Assisted Web Interviewing) complementado por telemarketing. A recolha dos inquéritos decorreu entre os dias 15 de fevereiro e 23 de março de Caracterização da amostra A amostra obtida foi de 1150 empresas, representativa do universo das empresas descritas anteriormente. O perfil com maior representatividade é o segmento das micro e pequenas empresas, refletindo o quadro empresarial português. De acordo com o Barómetro Empresarial relativo ao tecido empresarial português em 2011, recentemente publicado pela consultora Informa D&B, as micro empresas têm uma predominância de 85,3%. Relativamente à distribuição da amostra por setores de atividade, o canal HORECA (Hotelaria, Restauração e Catering) é o mais representado com 22,6% do total da amostra, seguindo-se uma distribuição muito equitativa dos setores da Indústria, Distribuição e Retalho (D&R), Construção, Serviços, Gabinetes e Outros. A resposta aos Inquéritos foi na sua grande maioria da responsabilidade do Diretor Geral ou do Diretor de Sistemas de Informação, independentemente do setor de atividade ou da dimensão das empresas abordadas. A margem de erro máxima associada à amostra de 1150 empresas é de 2,9%, com um nível de confiança de 95%. 4

5 Inquérito A auscultação da população alvo abrangeu três áreas de estudo distintas: Perspetivas e prioridades de negócio Neste âmbito procurou-se saber junto dos inquiridos quais as perspetivas de crescimento do Volume de Negócios nos próximos 12 meses, as medidas adotadas para tornar a empresa mais competitiva num contexto de crise económica, assim como as perspetivas de investimento em Tecnologias de Informação. Internacionalização O estudo incidiu igualmente sobre a internacionalização, designadamente sobre a presença atual noutros mercados e perspetivas de internacionalização, o peso das exportações no Volume de Negócios e as razões que motivam a aposta exclusiva no mercado português. Níveis de utilização e de satisfação com o software de gestão empresarial Constituiu também objeto de estudo o nível de utilização de software de gestão empresarial e a longevidade dessa utilização, o grau de satisfação com o produto e com o suporte pós-venda, a capacidade de inovação reconhecida ao seu fornecedor, a recomendação da solução a outras organizações e, ainda, a intenção de mudar, ou não, de solução. Por software de gestão empresarial (SEG) entende-se a utilização de aplicações que têm por objetivo a automatização, integração e otimização da funcionalidade dos serviços de retaguarda de uma organização. Foi considerado que uma empresa utilizava um SEG caso possuísse pelo menos um dos seguintes módulos/aplicações: gestão de faturação, POS, cobranças, stokes, compras, salários, imobilizado, contabilidade e recursos humanos. 5

6 Resultados 1. Perspetivas e prioridades de negócio 1.1 A conjuntura económica alterou-se substancialmente nos últimos 12 meses. A assinatura do Memorando de entendimento com o FMI, BCE e CE e as consequentes medidas de ajustamento económico e financeiras previstas vieram agravar ainda mais as condições económicas no território nacional. Neste sentido, a maioria das organizações inquiridas mostra-se muito pouco confiante (67,7%) ou nada confiante (11,6%) na evolução do Volume de Negócios. Os sectores menos confiantes são a Construção e Horeca. No que respeita à dimensão, verifica-se que as pequenas empresas estão em geral menos confiantes do que as empresas de maior dimensão. 1.2 Confrontadas com uma conjuntura recessiva nos próximos dois anos, as organizações nacionais têm vindo a adotar estratégias com o objetivo de minorar e ultrapassar as condições negativas da economia nacional e de se manterem competitivas. Deste modo, as organizações inquiridas privilegiam programas de redução de custos (79,3%), e de melhoria da eficiência operacional (41,5%), seguindo-se a melhoria do serviço a clientes (40%) e a inovação de produtos e serviços (40%). É de realçar ainda que mais de um quarto das empresas aponta a internacionalização como a principal medida a adotar para contrariar o cenário económico português. 1.3 A expansão para novos mercados é a estratégia de crescimento do negócio delineada para os próximos 12 meses mencionada por 41% dos inquiridos, seguindo-se o desenvolvimento de novos produtos/serviços com uma margem de distanciamento reduzida (38%). A opção estratégica de enveredar por fusões e aquisições é mencionada por uma minoria de empresas, colhendo apenas a preferência de 6,3%. 1.4 A atual conjuntura económica não terá impacto negativo na despesa das organizações nacionais com Tecnologias de Informação. Esta é uma das conclusões que se pode retirar da análise dos dados compilados. O cenário relativo ao investimento em Tecnologias de Informação apresenta-se, de um modo geral, bastante favorável. A maioria das empresas (41,1%) tenciona manter o mesmo nível de investimento e uma percentagem significativa (16%) pretende aumentar o nível de investimento atual, particularmente nos setores dos Gabinetes de Contabilidade e empresas de Prestação de Serviços. No sentido inverso sobressai a área da Construção, como expectável, revelando a principal tendência para o desinvestimento em tecnologia. 6

7 Gráfico 1 Grau de confiança sobre crescimento do Volume de Negócios nos próximos 12 meses Gráfico 2 Qual dos fatores de crescimento assinalados corresponde à estratégia de crescimento do negócio da sua organização nos próximos 12 meses? 7

8 Gráfico 3 Medidas para aumentar a competitividade e contornar a crise económica Gráfico 4 Intenção de investimento em Tecnologias de Informação por setor 8

9 2. Internacionalização 2.1 No que concerne à presença internacional sobressai o facto de que atualmente cerca de 1/3 das empresas já está de alguma forma presente em mercados internacionais (2/3 diretamente e o restante através de parceiros), com particular incidência nos setores da Indústria, Construção e Serviços. O canal HORECA é aquele que demonstra maior resistência à internacionalização. A dimensão é um fator fundamental nesta questão, mostrando uma relação evidente entre a dimensão da empresa e a presença noutros mercados. Assim, quanto maior a empresa mais significativa é a presença internacional e intenção de internacionalização e vice-versa. Neste contexto, verifica-se que mais de metade das grandes empresas já estão presentes em mercados internacionais, existindo, porém, algum interesse das pequenas e médias em iniciarem este processo. 2.2 O estudo permitiu ainda concluir que existe pouco interesse em recorrer a programas e instituições nacionais de apoio à internacionalização. Apenas 13% das empresas inquiridas confirmam recorrer a este tipo de ajudas ou pretendem fazê-lo a curto prazo, sendo o QREN o programa mais referenciado, seguido da AICEP. É de notar que 40% não respondeu à questão ou indicou não ter conhecimento. Questionados sobre a possibilidade de alargamento da atividade empresarial a outros países/regiões para fazer face à crise económica em Portugal, a maioria dos inquiridos revelou não ter esses planos. A principal razão mencionada é a inadaptação dos produtos/ serviços a outros mercados (30%). Ainda assim, a internacionalização e exportação para os países da Europa continua a ser o principal destino das empresas portuguesas, havendo inclusive um elevado número de empresas que pretendem aumentar a sua presença nesta região. No entanto, é nos países africanos de expressão portuguesa onde se verifica o maior interesse de aumento ou início da presença- 29,8% demonstraram interesse em aumentar a presença e 13,2% planeiam a entrada nesses mercados ainda em 2012-, seguindo-se a América Latina. 2.3 No caso das empresas com presença internacional, para cerca de metade as exportações ainda representam menos de 10% do Volume de Negócios total. Porém, 31% das empresas afirmam que os negócios alémfronteiras têm um peso igual ou superior a 26%. 9

10 Gráfico 5 Presença internacional Gráfico 6 Planos para recorrer a programas e instituições nacionais de apoio à internacionalização 10

11 Gráfico 7 Peso das exportações no Volume de Negócios Gráfico 8 Motivos para não apostar na internacionalização da atividade 11

12 3. Níveis de utilização e grau de satisfação com o software de gestão empresarial 3.1 Assiste-se a um incremento nos níveis de utilização de Software de gestão empresarial (SEG), principalmente no segmento de empresas com menos de 5 funcionários, apesar de quase 20% ainda não recorrerem a estas ferramentas. Nos segmentos com mais de 50 funcionários a não utilização é marginal. Deste modo, o indicador de utilização de SEG é muito elevado na generalidade das empresas, independentemente da sua dimensão e setor de atividade, atingindo mesmo os 100% no segmento dos Gabinetes de Contabilidade e os 91% na Construção. O setor que revela uma utilização menos massiva, mas ainda assim bastante elevada, é o Canal HORECA, com 77% das empresas a recorrerem a software de gestão empresarial para agilizar os seus processos de negócio. Em termos de evolução do mercado, é de notar que quase 20% do software utilizado em 2012 foi implementado depois de Observa-se ainda que 25% do software em uso foi implementado antes do ano 2000, sendo os restantes 55% implementados entre os anos 2000 e Este dado revela uma certa maturidade das empresas nacionais, mesmo de pequena dimensão, que desde cedo perceberam a importância da adoção de ferramentas de gestão de apoio aos negócios. 3.2 Relativamente à utilização de soluções verticais especializadas para determinados setores de atividade, ainda não é comum a utilização de soluções verticais. Esta é uma realidade espelhada no setor industrial, no qual mais de metade dos responsáveis auscultados confirmou a não utilização de programas de gestão da produção. Igualmente no setor da Construção verificou-se a inexistência generalizada de software de gestão de obras, com apenas 14,7% a confirmar a sua utilização. 3.4 Em termos médios 77,9% do software de gestão empresarial em utilização está dentro ou superou as expetativas dos clientes (69,1% dentro das expectativas e 8,8% acima das expetativas). Notar que genericamente, e em função do atual contexto económico, os níveis de satisfação (dentro ou acima das expetativas) dos clientes com o seu software de gestão decresceram significativamente. Baixou de 92% em 2007, para 84% em 2009 e 78% agora em Em relação ao suporte, a totalidade das marcas utiliza a sua rede de parceiros para os serviços de suporte, sendo que na grande maioria os clientes das marcas analisadas estão satisfeitos com o serviço de suporte prestado pelos parceiros. Os elevados níveis de satisfação têm um reflexo muito positivo no grau de confiança nas marcas utilizadas e sua recomendação. Grande parte dos inquiridos (78,8%) recomendaria o software que utiliza atualmente. Daqui se pode concluir que os índices de satisfação e confiança detidos permitem que o empresário português assuma o importante papel de prescritor de produtos e serviços. Apenas uma minoria das empresas inquiridas se mostrou insatisfeita e revelou intenção de mudar de fornecedor (13,8%). Quanto às principais formas de conhecimento das marcas, a Internet é largamente o principal meio ao qual os utilizadores associam as marcas. 12

13 Gráfico 9 Utilização de software de gestão empresarial por setores Gráfico 10 Utilização de software de gestão empresarial de acordo com dimensão da empresa 13

14 Gráfico 11 Grau de satisfação com o software de gestão empresarial em utilização 14

15 Principais Conclusões A conjuntura económica alterou-se substancialmente nos últimos 12 meses. A assinatura do Memorando de Entendimento com o FMI, BCE e CE e as consequentes medidas de ajustamento económico e financeiras previstas vieram agravar ainda mais as condições económicas no território nacional. Neste sentido, a maioria das empresas (67,7%) revela muito pouca confiança relativamente ao crescimento do seu volume de negócios nos próximos 12 meses e 11,6% não está nada confiante. A Construção e a HORECA são os setores menos confiantes. No segmento das pequenas empresas o grau de confiança é geralmente menor. Neste contexto as organizações inquiridas privilegiam programas de redução de custos e de melhoria da eficiência operacional, seguindo-se a melhoria do serviço a clientes e inovação de produtos e serviços com o intuito de aumentar a competitividade. Relativamente às estratégias de crescimento delineadas para os próximos 12 meses são apontadas a expansão para outros mercados e o desenvolvimento de novos produtos/serviços. Destaque ainda para as intenções de investimento em TI no atual contexto económico, com a maioria das empresas a referir que pretende manter o mesmo nível de investimento atual. No que concerne à presença internacional e intenções de internacionalização a curto prazo conclui-se que 20,5% dos inquiridos têm uma presença internacional direta, sendo a Indústria o setor com uma participação mais forte noutros mercados (30%). As exportações representam, para cerca de metade das empresas, menos de 10% do Volume de Negócios total. Apesar das pequenas empresas ainda não estarem preparadas para a internacionalização, as médias e grandes estão a olhar para novos mercados e a expansão para novas geografias é a solução apontada por 26,4% das empresas como solução preferencial de combate à crise. A internacionalização e exportação para os países da Europa continua a ser o principal destino das empresas portuguesas, havendo inclusive um elevado número de empresas que pretendem aumentar a sua presença nesta região. No entanto é nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa onde se verifica o maior interesse de aumento ou início de presença já em 2012, seguindo-se a América Latina. De referir ainda que a maioria das empresas que não pondera a internacionalização apresenta como principal razão a inadaptação dos produtos/serviços a outros mercados. De realçar também que o recurso a programas e instituições nacionais de apoio à internacionalização é residual. Ainda assim, o QREN é o programa preferido pelas empresas que ponderam avançar para projetos internacionais. O estudo permite ainda verificar um incremento nos níveis de utilização de Software de Gestão Empresarial (SGE), principalmente no segmento de empresas com menos de 5 funcionários. Genericamente, e em função do atual contexto económico, os níveis de satisfação dos clientes com o seu software de gestão decresceram significativamente face a 2009, no entanto em termos médios 78% do software de gestão empresarial em utilização corresponde ou supera as expetativas. Em relação ao suporte, a totalidade das marcas utiliza a sua rede de parceiros para prestar serviços de suporte, sendo que na grande maioria os clientes estão satisfeitos com o serviço. E como existe uma correlação significativa entre a recomendação e a satisfação, isso reflete-se nos níveis de recomendação que atingem os 78,8%. Em relação a mudança de fornecedor, os níveis de churn são relativamente baixos. 15

16 16

E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l

E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l E S T U D O L O C A L O p o r t u n i d a d e s p a r a a s T I C n o N o v o C o n t e x t o E c o n ó m i c o e S o c i a l e m P o r t u g a l Novembro de 2011 S U M Á R I O E X E C U T I V O IDC Portugal:

Leia mais

S U M Á R I O E X E C U T I V O. Desenvolvido para a 12ª Edição do Forum TI Novembro 2013

S U M Á R I O E X E C U T I V O. Desenvolvido para a 12ª Edição do Forum TI Novembro 2013 IDC Portugal: Centro Empresarial Torres de Lisboa, Rua Tomas da Fonseca, Torre G, 1600-209 Lisboa www.idc.pt W H I T E P A P E R I D C A s P r i n c i p a i s T e n d ê n c i a s n o S e c t o r d a D

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Estudo Empresas Darwin em Portugal

Estudo Empresas Darwin em Portugal Estudo Empresas Darwin em Portugal Introdução Num mercado muito competitivo em que os mais pequenos pormenores fazem a diferença, as empresas procuram diariamente ferramentas que lhes permitam manter-se

Leia mais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais Patrocinado por: Microsoft Versão Preliminar - Março 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO IDC Portugal:

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 14 DE ABRIL 2014 BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS PRINCIPAIS RESULTADOS 1.1 - EVOLUÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS Volume de Negócios no 4º Trimestre de 2013 (t.v.h.) Aumentou em 42,5%

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS PELAS PME - 2014. Principais resultados

INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS PELAS PME - 2014. Principais resultados INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELETRÓNICAS PELAS PME - 2014 Principais resultados Fevereiro/2015 ÍNDICE Introdução... 4 1. Sumário... 4 2. Nível de utilização dos serviços de comunicações

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes A análise dos grupos profissionais da população activa portuguesa e estrangeira residente na Área Metropolitana do Porto, de acordo com o concelho é a seguinte: Figura 25. Repartição da população activa

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

Inquérito ao consumo da banda larga Dezembro de 2006 - Principais resultados -

Inquérito ao consumo da banda larga Dezembro de 2006 - Principais resultados - http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=231582 Data de publicação - 1.2.27 Inquérito ao consumo da banda larga Dezembro de 26 - Principais resultados - Ligação à Internet e tecnologia de acesso

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO. Intervenção do Presidente da FIPA

V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO. Intervenção do Presidente da FIPA V Congresso da Indústria Portuguesa Agro-Alimentar COMPETITIVIDADE E CRESCIMENTO Intervenção do Presidente da FIPA Exmo. Secretário de Estado Agricultura, Exmo. Senhor Presidente da CIP, Estimados associados

Leia mais

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas CEO Briefing Portugal 2015 The Economist A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas 92% dos executivos portugueses acreditam que as suas empresas dispõem de capacidades

Leia mais

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL

ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL ESTUDO SOBRE A IMPORTÂNCIA E EVOLUÇÃO DA CONSULTORIA RH EM PORTUGAL Duarte Albuquerque Carreira, Coordenador editorial da revista Pessoal (da.carreira@moonmedia.info) João d Orey, Diretor Executivo da

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Edição 2011 Uma iniciativa desenvolvida com o apoio da Caixa Geral de Depósitos, da Fidelidade Mundial e da Império

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2

C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 1 BENCHMARKING DO DESEMPENHO DE EMPRESAS CONSTRUTORAS SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DA PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 2 C O N V I T E 1. A PLATAFORMA ICBENCH NÍVEL 1 Com o apoio do InCI, a FEUP desenvolveu um projeto

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais

Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais Apresentação Junho de 2008 ADVISORY SERVICES No contexto da actividade que o ICP-ANACOM desenvolve enquanto agente regulador do sector postal surgiu

Leia mais

Gestão e tecnologia para PME s

Gestão e tecnologia para PME s www.sage.pt Gestão e tecnologia para PME s Sage Porto Sage Lisboa Sage Portugal A longa experiência que temos vindo a acumular no desenvolvimento de soluções integradas de software de gestão para as pequenas

Leia mais

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Agilidade organizacional e competitividade das empresas em Portugal www.quidgest.com quidgest@quidgest.com 1. Introdução Novo contexto económico e tecnológico Metodologia 2. Agilidade Organizacional das

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde

ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS. Departamento da Qualidade na Saúde ESTUDO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DO SISTEMA DE SAÚDE PORTUGUÊS Departamento da Qualidade na Saúde Maio 2015 Ficha Técnica Relatório elaborado pelo Departamento da Qualidade na Saúde Ano: 2015 Condução

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Estado da Nação das TIC em Angola

Estado da Nação das TIC em Angola Estado da Nação das TIC em Angola CIO AGENDA ANGOLA 2013 AS TI TI COMO ALAVANCA DE CRESCIMENTO DO NEGÓCIO 21 de Maio, Hotel Sana Epic, Luanda Gabriel Coimbra General Manager, IDC Angola gcoimbra@idc.com

Leia mais

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010)

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) METODOLOGIA DA PESQUISA PESQUISA QUANTITATIVA POR AMOSTRAGEM. PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DO SIGILO Dados para

Leia mais

MICROCRÉDITO UMA AVALIAÇÃO DE CASOS EM PORTUGAL

MICROCRÉDITO UMA AVALIAÇÃO DE CASOS EM PORTUGAL MICROCRÉDITO UMA AVALIAÇÃO DE CASOS EM PORTUGAL 1-INTRODUÇÃO 1.1- Este estudo teve por objectivo conhecer a situação actual dos negócios apoiados pela ANDC junto dos indivíduos que até 2012 inclusivé concluíram

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 55 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com A Utilização da Internet em Portugal OPINIÃO IDC Apesar das dificuldades que assolam

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 01 janeiro de 2014 www.cni.org.br Intenção de investimentos para 2014 é a menor desde 2010 Investimentos em 2013

Leia mais

Crescimento e eficiência

Crescimento e eficiência Crescimento e eficiência Escritórios de Contabilidade Sobre esta pesquisa O ato de comparar a performance de um negócio com o restante do mercado chama-se benchmark. Esta atividade ajuda muito os empresários

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 (canal internet) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Março 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2013 Autoridade Tributária e Aduaneira Ministério das Finanças Classificação: 010.10.01 Rua da Prata nº

Leia mais

Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à

Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Barómetro Anual Travelstore American Express 2012 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à 1. Amostra 2. Caracterização das viagens profissionais 3. Política de viagens

Leia mais

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer

Soluções PRIMAVERA Starter. Para empresas que vão crescer Soluções PRIMAVERA Para empresas que vão crescer 02 Soluções PRIMAVERA Soluções Para empresas que vão crescer A legislação relativa à utilização de programas informáticos de faturação certificados tem

Leia mais

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas!

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na OTIMIZAÇÃO DE COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Momento difícil da indústria se reflete nos investimentos Intenção de investimento para 2015 é a menor da pesquisa Em 2014, 71,8% das empresas investiram 7,9

Leia mais

Perspectivas e Prospectivas de evolução do Mercado no sector dos Media em Portugal (2008/2009)

Perspectivas e Prospectivas de evolução do Mercado no sector dos Media em Portugal (2008/2009) Perspectivas e Prospectivas de evolução do Mercado no sector dos Media em Portugal (2008/2009) Setembro 2009 0 Índice geral Nota Introdutória...página 3 Metodologia...página 4 Caracterização da amostra...páginas

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo

Tendências do Mercado de SST em Portugal. João Florindo Tendências do Mercado de SST João Florindo 1 O que nos preocupa na UE Para o universo de 217 milhões de trabalhadores da EU, registam-se: 4.000 mortes devido a acidentes de trabalho (EEAT 2011) 159.500

Leia mais

Análise do Questionário Expetativas de exportação 1

Análise do Questionário Expetativas de exportação 1 Análise do Questionário Expetativas de exportação 1 1. Introdução Da capital relevância da internacionalização das empresas portuguesas para o desenvolvimento da economia, decorre a premência de se conhecer

Leia mais

Oportunidades para as TIC no Novo Contexto Económico e Social

Oportunidades para as TIC no Novo Contexto Económico e Social Oportunidades para as TIC no Novo Contexto Económico e Social 10ª Edição Forum TI TechData 15 de Novembro Centro de Congressos de Lisboa 17 de Novembro Casa da Música, Porto Gabriel Coimbra Manging Director,

Leia mais

R E L ATÓRIO L O C AL I N T R O DUÇÃO

R E L ATÓRIO L O C AL I N T R O DUÇÃO R E L ATÓRIO L O C AL D e s p e s a T I C n a A d m i n i s t r a ç ã o P ú b l i c a, 2 0 1 1 : Q u a i s a s O p o r t u n i d a d e s n o A c t u a l A m b i e n t e d e C r i s e E c o n ó m i c a

Leia mais

Conclusões Fórum Portugal Sou Eu

Conclusões Fórum Portugal Sou Eu Conclusões Fórum Portugal Sou Eu Ministro da Economia lança desafio aos empresários para que façam do Portugal Sou Eu um catalisador da economia Lanço um apelo aos empresários e produtores aqui presentes,

Leia mais

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013 I NOTÍCIAS/INFORMAÇÕES Foi aprovado pelo Parlamento Europeu a revisão da legislação europeia sobre os contratos públicos de obras, bens e serviços e as concessões. Consulte aqui o comunicado de imprensa.

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento 29 de setembro de 2014 INQUÉRITOS DE CONJUNTURA ÀS EMPRESAS E AOS CONSUMIDORES Setembro de 2014 Indicador de confiança dos Consumidores aumenta e indicador de clima económico suspende trajetória de crescimento

Leia mais

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO SETEMBRO 2014 2 INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO BRANDSTORY, LDA SETEMBRO 2014 FICHA TÉCNICA Brandstory, Unipessoal Lda Coordenadora

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL

O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL O APOIO DAS EMPRESAS À COMUNIDADE RETRATO DOS DONATIVOS EM PORTUGAL 2012/2010 Estudo Sair Da Casca e Informa D&B Dezembro 2013 METODOLOGIA Universo do estudo TECIDO EMPRESARIAL: Todas as entidades (pessoas

Leia mais

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013

PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012. Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 PERFIL DAS EXPORTADORAS PORTUGUESAS EM 2012 Estudo elaborado por Informa D&B, Novembro 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Em Portugal, nos últimos 5 anos, o número de empresas exportadoras aumentou 12% O valor das

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

Cervejeiras líderes de mercado em Angola adotam ERP PRIMAVERA

Cervejeiras líderes de mercado em Angola adotam ERP PRIMAVERA Case Study Cuca Cervejeiras líderes de mercado em Angola adotam ERP PRIMAVERA Negócios do grupo Castel em Angola, um dos líderes mundiais no setor da produção de vinhos, cervejas e refrigerantes, são

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE CABO VERDE CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

Graphicsleader Packaging: Preparar o negócio para um mercado global

Graphicsleader Packaging: Preparar o negócio para um mercado global Graphicsleader Packaging: Preparar o negócio para um mercado global Parceiro de Graphicsleader Packaging Indústria Gráfica Produtos e Serviços Embalagem de cartão e rótulos para a indústria alimentar,

Leia mais

Barómetro Anual Travelstore American Express 2013 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à

Barómetro Anual Travelstore American Express 2013 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Barómetro Anual Travelstore American Express 2013 Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à Índice Amostra: Empresas organizadas por número de empregados 1. Amostra 2.

Leia mais

A locomotiva de concreto

A locomotiva de concreto A locomotiva de concreto 16 KPMG Business Magazine Construção civil supera período de estagnação, mas ainda há gargalos que podem comprometer o ritmo de investimentos A construção civil no Brasil não para

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 52 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com Serviços Móveis de Dados para Empresas OPINIÃO IDC Os níveis de adopção e utilização

Leia mais

SOCIAL BUSINESS: COMO CRIAR VALOR PARA O SEU NEGÓCIO? PORTUGAL TECH INSIGHTS 2020 Estudo sobre as principais tendências tecnológicas em Portugal

SOCIAL BUSINESS: COMO CRIAR VALOR PARA O SEU NEGÓCIO? PORTUGAL TECH INSIGHTS 2020 Estudo sobre as principais tendências tecnológicas em Portugal SOCIAL BUSINESS: COMO CRIAR VALOR PARA O SEU NEGÓCIO? PORTUGAL TECH INSIGHTS 2020 Estudo sobre as principais tendências tecnológicas em Portugal SUMÁRIO EXECUTIVO Este estudo, desenvolvido pela IDC com

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos 2ª JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO ENGENHARIA CIVIL OS NOVOS DESAFIOS O PAPEL DA CONSTRUÇÃO NO FUTURO Índice: Onde Estamos Europa 2020 e Crescimento da Construção em Portugal

Leia mais

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006

Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 22 de Dezembro de 2006 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2006 MAIS DE 6 EM CADA 10 EMPRESAS ACEDEM À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

Leia mais

Estudos de Imagem e Notoriedade

Estudos de Imagem e Notoriedade Estudos de Imagem e Notoriedade 1- Enquadramento O Serviço: Relatórios Avaliação da Imagem e Notoriedade das organizações, bem como da força de marca e posicionamento face à concorrência. Para que Serve:

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga

91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet de banda larga 06 de novembro de 2012 Sociedade da Informação Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas 2012 91% das empresas com 10 e mais pessoas ao serviço utilizam Internet

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

MARKETING NA INTERNET PARA PME A contribuição das ferramentas online para a performance empresarial. Raquel Melo 1

MARKETING NA INTERNET PARA PME A contribuição das ferramentas online para a performance empresarial. Raquel Melo 1 MARKETING NA INTERNET PARA PME A contribuição das ferramentas online para a performance empresarial Raquel Melo 1 Índice Objectivos do estudo Sociedade da Informação nas Empresas Definição, Objectivos

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias

Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Avaliação Económica e Financeira do Setor das Farmácias Análise económica e financeira realizada às Farmácias Comunitárias em Portugal, com base em informação histórica relativa a 2010 e informação prospetiva

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014

Barómetro de Conjuntura. Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos. verão 2014 verão 2014 Índice Sumário Executivo Perspetivas de evolução da procura para o verão 2014 NUTS II NUTS II por Mercados Perspetivas de evolução da procura para o inverno 2014/15 NUTS II 2 Sumário Executivo

Leia mais

Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 11 SÍNTESE... 13 1. A I&D EMPRESARIAL TORNOU -SE MAIORITÁRIA... 19 2. A RAZÃO DO DESFASAMENTO ENTRE O CRESCIMENTO

Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 11 SÍNTESE... 13 1. A I&D EMPRESARIAL TORNOU -SE MAIORITÁRIA... 19 2. A RAZÃO DO DESFASAMENTO ENTRE O CRESCIMENTO Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 11 SÍNTESE... 13 1. A I&D EMPRESARIAL TORNOU -SE MAIORITÁRIA... 19 2. A RAZÃO DO DESFASAMENTO ENTRE O CRESCIMENTO DA I&D E O FRACO CRESCIMENTO DO PIB... 26 2.1. O agravamento

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL Estudo Infosistema 4º trimestre de 2014 OBJECTIVO DO ESTUDO Objectivo: Analisar as tendências de projectos de IT em Portugal Período em análise: 4º Trimestre de

Leia mais