UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MESTRADO PROFISSIONAL EM SISTEMA DE GESTÃO LICÍNIO DOS SANTOS MACIEL JÚNIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MESTRADO PROFISSIONAL EM SISTEMA DE GESTÃO LICÍNIO DOS SANTOS MACIEL JÚNIOR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE MESTRADO PROFISSIONAL EM SISTEMA DE GESTÃO LICÍNIO DOS SANTOS MACIEL JÚNIOR UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR (SAC): ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TELEATENDIMENTO. NITERÓI, 2008

2 LICÍNIO DOS SANTOS MACIEL JÚNIOR UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR (SAC): ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TELEATENDIMENTO. Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado Profissional em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre. Orientador: Prof. Dr. Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas. NITERÓI, 2008

3 Ficha Catalográfica elaborada pela Biblioteca da UFF - Universidade Federal Fluminense

4 LICÍNIO DOS SANTOS MACIEL JÚNIOR UMA CONTRIBUIÇÃO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR (SAC): ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DE TELEATENDIMENTO. Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado Profissional em Sistemas de Gestão da Universidade Federal Fluminense como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre. Aprovada em / Prof. Dr. Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas - Orientador Universidade Federal Fluminense Prof. Universidade Federal Fluminense Prof. Universidade Federal Fluminense.

5 DEDICATÓRIA Ao meu Orientador; Aos Professores; Aos colegas de curso; A Deus, pela força e a dádiva do aprendizado. LICÍNIO DOS SANTOS MACIEL JÚNIOR

6 AGRADECIMENTOS Ao meu Deus onde sempre pude encontrar força e refúgio mediante as dificuldades nesta caminhada. Às minhas tias, mãe e pai, as pessoas mais importantes da minha vida, referências para formação do meu caráter e fonte da minha determinação. Aos professores Osvaldo Quelhas e Marcius Hollanda Pereira da Rocha que me apoiaram no desenvolvimento deste trabalho. Aos meus chefes, amigos e tantas pessoas queridas que entenderam os momentos de ausência para dedicação e elaboração deste trabalho. LICÍNIO DOS SANTOS MACIEL JÚNIOR

7 Combati o bom combate, cheguei ao fim do caminho e mantive a minha fé... (Cap. IV, v.7, apóstolo Paulo, 1ª epístola a Timóteo).

8 RESUMO Este trabalho faz análise da metodologia utilizada pelo Inmetro para avaliação dos Serviços de Atendimento ao Consumidor. O estudo apresenta resultado de pesquisa para responder à questão: A metodologia utilizada pelo Inmetro incrementa a gestão da qualidade nos SACs terceirizados de telefonia? São testadas as hipóteses: A metodologia utilizada pelo Inmetro é discutível já que não apresenta diferenças significativas da monitoração do atendimento utilizada pela empresa pesquisada; Tanto a metodologia do Inmetro quanto a monitoração do atendimento utilizada pela empresa pesquisada são discutíveis no âmbito da Gestão da Qualidade, pois não contemplam, no seu design a filosofia TQM. É utilizada estratégia de pesquisa exploratória, através de uma revisão bibliográfica de métodos de avaliação da qualidade em Teleatendimento, seguido de um estudo de caso em uma empresa deste setor. Concluiu-se que a metodologia usada pelo Inmetro e a monitoração do atendimento realizada pela empresa não contemplam a filosofia TQM por não consultarem as expectativas e necessidades de consumidores finais. Contudo a metodologia usada pelo Inmetro incrementa a gestão da qualidade na medida em que os SACs podem utilizá-la para avaliar o conhecimento da operação em relação a assuntos específicos, identificando oportunidades para treinamentos futuros, contribuindo assim para a melhoria contínua dos atendimentos. Palavras Chave: Engenharia da Qualidade; Planejamento, Projeto e Controle de Sistemas de Gestão da Qualidade; Planejamento e Controle da Qualidade; Normatização, Auditoria e Certificação para a Qualidade.

9 ABSTRACT This work makes an analysis the Inmetro s methodology used for the evaluation of the Services of Attendance to the Consumer telephony s call center in the Program of Evaluation of Products. The work intends to answer the problem: The Inmetro s methodology used in the Program of Evaluation of Products can develop the Quality Management of the telephony s call center? The hypotheses are tested: The Inmetro s methodology is arguable since it does not present significant differences of the attendance s monitor used for the searched company; As much the Inmetro s methodology how much the attendance s monitor used for the searched company is arguable in the scope of the Quality Management, therefore does not contemplate, in its design philosophy TQM. One concluded that the used methodology for the Inmetro and the attendance monitor does not contemplate philosophy TQM for not consulting the expectations and necessities of real consumers. However the used the Inmetro s methodology for the develops the quality management in the measure where the call center the specific subjects can use it to evaluate the knowledge of the operation in relation, identifying chances for future training, thus contributing for the continuous improvement of the attendance. Keywords: Services, Management System, Quality in Service.

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Progressão dos conceitos e finalidades da Qualidade Tabela 2 Aspectos de Monitoramento da Qualidade Tabela 3 - Indicadores quantitativos e de desempenho. Tabela 4- Etapa I da metodologia Tabela 5 Etapa III da Metodologia Tabela 6 Tabela de Monitoração da Empresa Y Tabela 7 Comparação entre os itens da etapa III da Metodologia do Inmetro e da ficha de monitoração da Empresa Y

11 LISTA DE ABREVIATURAS SGQ Sistema de Gestão da Qualidade QT Qualidade Total CAS Centro de Atendimento e Serviços JFA Sede da Empresa Y em Juiz de Fora GNA Sede da Empresa Y em Goiânia RPO Sede da Empresa Y em Ribeirão Preto, VVA Sede da Empresa Y em Vila Velha MCE Sede da Empresa Y em Macaé RD Representante da Direção

12 12 SUMÁRIO 1. Introdução CONSIDERAÇÕES INICIAIS FORMULAÇÃO DA SITUAÇÃO PROBLEMA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos HIPÓTESES ABRANGÊNCIA DO ESTUDO CONTRIBUIÇÃO DO ESTUDO: RELEVÂNCIA JUSTIFICATIVA ESCOLHA DO TEMA ESTRUTURA DO TRABALHO Revisão de Literatura CONCEITO DE QUALIDADE Progressão do Conceito Qualidade na História ISO 9000 e Garantia da Qualidade As Normas ISO Total Quality Management IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA QUALIDADE TOTAL O Benchmarking O TELEMARKETING A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Implementação da Gestão de Qualidade em Telemarketing sob enfoque do planejamento estratégico O Planejamento Estratégico versus Eficácia Operacional O Planejamento Estratégico versus Desenvolvimento Tecnológico O planejamento estratégico versus transformações no mercado tecnológico O Planejamento Estratégico versus Novas Tecnologias Revolucionárias BREVE HISTÓRICO SOBRE CALL CENTERS Formas de atendimento QUALIDADE EM CALL CENTER METODOLOGIA DE ANÁLISE DE SAC S DO INMETRO Estratégia de pesquisa... 56

13 ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA Pesquisa Bibliográfica Pesquisa Exploratória Pesquisa Descritiva Estudo de Caso Ex Post Facto Estudo de caso: a monitoração do atendimento na Empresa Y A EMPRESA PESQUISADA Cobrança Televendas Ativo e Receptivo Telemarketing Receptivo Projetos Especiais Terceirização HISTÓRICO DA QUALIDADE NA EMPRESA Y COMUNICAÇÕES LTDA Medição e Monitoramento O CENTRO DE ATENDIMENTO E SERVIÇOS MACAÉ A MONITORAÇÃO DO ATENDIMENTO NO CAS MCE CONCLUSÃO DO ESTUDO DE CASO Conclusão e Sugestões de novas pesquisas Referências Anexos... 85

14 14 1 Introdução 1.1 Considerações Iniciais Pode-se dizer que a economia mundial vem passando por constantes mudanças que a tem tornado mais dinâmica e competitiva. Isso se deve a forças como a globalização, a qual encurtou as distâncias geográficas e culturais, fazendo com que o mercado se tornasse mais complexo, tanto para as empresas, quanto para os consumidores. Nesse sentido, Kotler (2003) aponta que esse fenômeno tem duas conseqüências diretas para o mercado: no lado da demanda, um aumento do número de estilos de vida globais e maiores expectativas a respeito de qualidade, serviço e valor; no lado da oferta, um acirramento da concorrência em quase todos os mercados. Nesse ambiente altamente competitivo, qualidade do produto e bom serviço são fatores-chave para o sucesso, no entanto, esses são quase commodities, ou seja, já não são diferenciais aos olhos dos consumidores. Na prática, a competitividade da empresa pode ser avaliada pelo seu desempenho superior nos fatores críticos de sucesso, segundo a avaliação dos clientes e em relação aos concorrentes. Sendo possível se dizer que a competitividade decorre da oferta, não só de uma utilidade atributos do produto/ serviço que atendam uma necessidade mas de um valor que seja percebido pelos clientes como superior ao ofertado pelos concorrentes. De acordo com a NBR ISO 9000:2005, sistemas de gestão da qualidade podem ajudar as organizações a aumentar a satisfação do cliente. Kotler (2002) afirma que os clientes exigem produtos com características que satisfaçam as suas necessidades e expectativas. Essas são expressas nas especificações do produto ou do serviço e são, geralmente, designadas como requisitos do cliente, que podem ser especificados contratualmente por ele ou determinados pela organização que fornece o produto ou o serviço. Na maioria dos casos, será sempre o cliente que, em última análise, determinará a aceitabilidade do produto ou serviço.

15 15 A Qualidade Total 1, de inspiração japonesa, apresenta-se como filosofia/técnica imprescindível ao bom desempenho dos empreendimentos. Filosofia porque, segundo Campos (1999), a QT se propõe, antes de qualquer coisa, à mudança da abordagem do negócio, dos fornecedores, dos clientes, dos acionistas, dos vizinhos e dos trabalhadores. O mercado de terceirização de serviços de atendimento é relativamente novo no Brasil. Em 1988, quando houve a privatização das antigas operadoras estatais de telefonia, era quase zero. Em 2001, já movimentava em torno de 700 milhões de dólares. E o número de posições de atendimento em funcionamento ultrapassou a casa dos 35 mil. O principal indicador da pujança do setor foi o surgimento, quase que da noite para o dia, de operadoras relativamente grandes para a realidade do mercado brasileiro. A maior empresa do setor, a Atento, que não existia quatro anos atrás, fechou 2001 com mais de R$500 milhões (US$230 milhões) em receitas. Hoje, mais que excelência técnica, as prestadoras de serviços têm buscado um maior envolvimento com o negócio e as metas dos clientes. Por isso, o atendimento está se tornando ainda mais sofisticado. O custo de um serviço de atendimento terceirizado é, na maioria dos casos, muito atraente. O prestador de serviços arca com toda a estrutura tecnológica da operação: (hardware, software, CTI, URA etc). Além disso, banca os custos administrativos, que também são altos 2. Nesse contexto, a Empresa Y (nome fictício), empresa prestadora de serviços de Call Center busca o envolvimento com o negócio e as metas dos clientes, ou seja, as empresas que contratam seus serviços. Em Agosto de 2006 a Rede Globo de televisão tornou público, no programa Fantástico, os resultados obtidos nos ensaios realizados nos Serviços de Atendimento ao Consumidor ( SACs ) que consiste em uma das etapas do Programa de Análise de Produtos, coordenado pela Divisão de Orientação e Incentivo à Qualidade do INMETRO. Conforme o relatório, em virtude da ausência de Regulamentos ou Normas Técnicas que deliberem os critérios para analisar os SACs, o INMETRO definiu, em parceria com as entidades que representam os setores envolvidos na análise e com entidades associativas e representativas do mercado de atendimento/relacionamento com o cliente como: Associação Brasileira de Anunciante ABA, Associação Brasileira de Marketing Direto ABEMD, 1 Deste ponto em diante o termo Qualidade Total será mencionado com a sigla QT.

16 16 Associação Brasileira de Telemarketing ABT, e Associação Brasileira das Relações Empresa Cliente ABRAREC, uma metodologia específica para a realização da análise. A metodologia inicial foi realizada com participação ativa de todas essas entidades e sofreu um alto grau de aprimoramento passando por cinco versões diferentes antes da obtenção da metodologia final. Até então as empresas que possuem serviços de atendimento aos consumidores monitoravam a qualidade dos serviços oferecidos através de outras metodologias. 1.2 Formulação da Situação Problema Este estudo pretende responder o seguinte questionamento: A metodologia utilizada pelo INMETRO no Programa de Avaliação de Produtos pode incrementar a gestão da qualidade dos SACs terceirizados de telefonia? 1.3 Objetivos Objetivo Geral O presente trabalho tem como objetivo geral discutir os critérios para analisar os Serviços de Atendimento aos Consumidores SACs Objetivos Específicos Discutir os critérios que devem ser utilizados por empresas terceiras para a monitoração e gestão da qualidade dos serviços de Call Center oferecidos às empresas clientes de Telefonia Móvel. 2 Revista Série Estudos 28/11/07

17 Hipóteses São estudas as hipóteses: A metodologia utilizada pelo INMETRO é discutível na medida em que não apresenta diferenças significativas da monitoração do atendimento utilizada pela empresa pesquisada; Tanto a metodologia do INMETRO quanto a monitoração do atendimento utilizadas pela empresa pesquisada são discutíveis no âmbito da Gestão da Qualidade pois não contemplam, no seu design, a filosofia TQM. 1.5 Abrangência do estudo O presente estudo faz uma análise das contribuições trazidas pela metodologia utilizada pelo INMETRO nos ensaios realizados nos SACs pelo Programa de Análise de Produtos, coordenado pela Divisão de Orientação e Incentivo à Qualidade do INMETRO; em relação a gestão da qualidade dos prestadores de serviço de atendimento receptivo da indústria de Telefonia Móvel. 1.6 Contribuição do estudo: relevância e justificativa da escolha do tema Drucker (1997) constata que o sucesso de uma empresa está ligado à capacidade que ela tem de inventar o futuro, rompendo com os paradigmas do passado. Dando ao cliente o que ele deseja, mas de uma forma mais ampla, antecipando-se à evolução das necessidades do próprio cliente. O autor ainda destaca que é preciso conhecer tanto os clientes quanto os não-clientes, pois ao buscar entender o que os concorrentes estão oferecendo aos seus não-clientes que os fazem não ser seus clientes mantém-se a empresa dinâmica e aberta para o mercado.

18 18 De acordo com este conceito, Toledo e Amigo (1999) sugerem que para alcançar seus objetivos, o primeiro passo que a empresa terá que tomar é identificar os aspectos que definem a opção de compra dos consumidores do mercado em que se atua, os quais são geralmente identificados como fatores críticos. Se a organização conseguir saber quais são as áreas que no seu setor efetivamente detêm as chaves para o êxito e nelas aplicar o conjunto correto de recursos, será então capaz de colocar-se em real superioridade competitiva. (...) Nem sempre é fácil dizer quais fatores são básicos para o êxito. Fundamentalmente, o estrategista dispõe de dois caminhos para sabê-lo. O primeiro é dissecar o mercado da maneira mais imaginosa possível, em busca de identificar os segmentos que lhe sejam básicos; o segundo é descobrir o que distingue as empresas vencedoras das perdedoras, analisando a seguir as diferenças entre elas (OHMAE, 1985, p. 41). Dessa forma, o presente trabalho se justifica uma vez que a busca da competitividade assume tamanha centralidade no discurso empresarial que se apresenta como uma característica da atual etapa de desenvolvimento capitalista, ou seja, como uma necessidade real (ALBRECHT, 1999; CAMPOS, 1990). Segundo Campos (1999), a Qualidade Total se impõe no contexto das organizações como uma concepção gerencial que se pode adequar perfeitamente àquelas exigências concorrenciais, dessa forma a manutenção da qualidade através de constantes monitoramentos garantirá o bom desempenho da empresa. Pressupõe a existência de características da força de trabalho e um tipo de relações capital/trabalho que não são dados de antemão - o que não impede que o programa tenha curso. Portanto, a estrutura do trabalho nos parece bastante propícia, já que pretendemos mostrar ao mesmo tempo argumentos teóricos que embasem nossas opções práticas, ou seja, um estudo de caso com análises teóricas que viabilizem a abordagem de uma situação de monitoramento da gestão da qualidade e a retirada de conclusões em relação a ela.

19 Estrutura do trabalho Para viabilizar o nosso processo de elaboração deste trabalho dividimos os capítulos da seguinte maneira: O primeiro capítulo proporciona uma visão geral do trabalho acadêmico, nele discorremos sobre o nosso problema e o investigamos de forma minuciosa. O segundo capítulo tem como conteúdo a revisão de literatura dos aspectos correlatos ao estudo de caso. O terceiro capítulo apresenta a metodologia que direcionou o estudo de caso, ou seja, uma explicação detalhada de toda ação desenvolvida no método do trabalho de pesquisa. O quarto capítulo proporciona o estudo de caso em si, apresentação, histórico da qualidade na empresa pesquisada e o detalhamento da monitoração do atendimento. O quinto e último capítulo oferece as conclusões finais e recomendações para que se realizem outras pesquisas no futuro.

20 20 2. Revisão de Literatura Cobra (2004) entende que o cliente é o ponto chave para qualquer instituição; sem ele, não haveria uma razão de ser para os negócios. Segundo o autor (COBRA, 2004), conhecer a fundo as necessidades do cliente, cada vez mais sofisticadas e especializadas, bem como encontrar a melhor maneira de satisfazê-las com estratégias adequadas, numa época de mercados mutantes, é um assunto vital para a sobrevivência e prosperidade das organizações. É essa a base da qualidade no atendimento: prestação de serviço ao cliente, adequada às estratégias para organizações de qualquer tamanho. Para Bateson & Hoffman (2003) os produtos ou serviços devem chegar de forma adequada a seus clientes, permitindo o intercâmbio destes, bem como a informação entre as organizações e os clientes. Nesse sentido, o marketing sempre existiu como um processo social a partir do momento que se põe um produto ou serviço no mercado para satisfazer as necessidades do cliente (KOTLER, 1999). O serviço ao consumidor deve nascer de uma abordagem voltada para a qualidade, através do entendimento com o cliente. A empresa deve estar sempre voltada primordialmente a satisfazer suas necessidades, tendo como fim último o aumento na lucratividade do empreendimento (KOTLER, 1999). É com este entendimento que os Call Centers passaram a fazer esta intermediação, tendo como um de seus objetivos fazer com que expectativas ou necessidades dos clientes sejam não só supridas, mas superadas. 2.1 Conceito de qualidade Segundo a NBR ISO 9000 a gestão da qualidade é um conjunto de atividades coordenadas para dirigir e controlar uma organização no que diz respeito à qualidade. Mas na verdade, a qualidade é um conceito que variou muito com o passar dos anos, existindo uma gama de formas de concebê-la nas

21 21 empresas. Por isso, iremos mostrar e comparar algumas das definições que são comumente utilizadas. Sendo assim, qualidade é: Satisfazer plenamente as necessidades do cliente (KOTLER, 2002); Cumprir as expectativas do cliente e algumas mais (COBRA, 2004); Descobrir novas necessidades do cliente (KOTLER, 2002); Conseguir produtos e serviços com zero defeito (DEMING, 1990); Fazer bem as coisas desde a primeira vez (ISHIKAWA, 1993); Desenhar, produzir e entregar um produto de satisfação total (KARSAKLIAN, 2004); Produzir um artigo ou um serviço de acordo com as normas estabelecidas (DEMING, 1990); Dar resposta imediata às solicitações dos clientes (ISHIKAWA, 1993); O conceito de qualidade cunhado por Porter ressalta que "a qualidade não é outra coisa mais do que uma série de questionamentos para uma melhora contínua" (1989, p. 72): Já Kotler afirma que a qualidade é "a adequação para o uso satisfazendo as necessidades do cliente" (2002, p. 41). Karsaklian por sua vez, define a qualidade como: "Desenvolver, desenhar, produzir e manter um produto de qualidade que seja o mais econômico, útil e sempre satisfatório para o consumidor" (2004, p. 104). Apesar de tantos conceitos diferentes, fica claro o entendimento de que a qualidade não é um conceito isolado e descansa em fortes valores que se apresentam na visão do cliente, assim como em outros adquiridos com disciplina e método no processo produtivo ou de prestação de serviços. Trata-se de um processo de melhoramento contínuo, onde todas as áreas da empresa participam ativamente no desenvolvimento de produtos e serviços que satisfaçam as necessidades do cliente, conseguindo com isso maior produtividade (Karsaklian 2004).

22 Progressão do Conceito Qualidade na História A história da humanidade está diretamente ligada à qualidade desde os tempos mais remotos: o homem, ao construir suas armas, elaborar seus alimentos e fabricar seu vestuário, observam as características do produto e em seguida tentam melhorá-lo (CERQUEIRA NETO, 1990). A prática da verificação da qualidade se remonta a épocas anteriores ao nascimento de Cristo. No ano 2150 a.c. a qualidade na construção de casas era regida pelo Código de Hamurábi, cuja regra nº. 229 estabelece que "se um construtor constrói uma casa e não o faz com boa resistência e a casa se derruba e mata aos ocupantes, o construtor deve ser executado" (CERQUEIRA NETO, 1990). Os fenícios também utilizavam um programa de ação corretiva para assegurar a qualidade, com o objetivo de eliminar a repetição de erros. Os inspetores simplesmente cortavam a mão da pessoa responsável pela qualidade insatisfatória. Nos vestígios das antigas culturas também se faz presente a qualidade, exemplo disso são as pirâmides egípcias, os frisos dos templos gregos e etc (NICKELS, 2003). Durante a idade média surgiram mercados com base no prestígio da qualidade dos produtos, popularizou-se o costume de pôr-lhes marca e com esta prática se desenvolveu o interesse de manter uma boa reputação (as sedas de Damasco, a porcelana chinesa, etc.). Dado ao sistema artesanal do processo, a inspeção do produto final é responsabilidade do produtor, sendo ele o próprio artesão. Com a chegada da era industrial esta situação mudou, o ateliê cedeu lugar à fábrica de produção em massa, na qual as pessoas ficaram responsáveis por fazer o objeto a ser fabricado em partes, e os produtos finais eram compostos pelas peças realizadas separadamente, sendo elas encaixadas na última etapa de produção (DEMING, 1990). A era da revolução industrial, trouxe consigo o sistema de fábricas, a produção em série e a especialização do trabalho. Como conseqüência da alta demanda associada ao espírito de melhoria na qualidade dos processos, a função

23 23 de inspeção chega a fazer parte vital do processo produtivo e é realizada pelo próprio funcionário. O objetivo da inspeção era simplesmente assinalar os produtos que não se ajustavam aos padrões desejados (CERQUEIRA NETO, 1990). No final do século XIX e durante as três primeiras décadas do século XX o objetivo é a produção. Com as contribuições de Taylor, a função de inspeção se separa da produção; os produtos se caracterizam por suas partes ou componentes intercambiáveis, o mercado se volta mais exigente e tudo converge para a produção em massa (NICKELS, 2003). A mudança no processo de produção trouxe consigo mudanças na organização da empresa. Como já não era possível que um funcionário se dedicasse à elaboração de um artigo, foi necessário introduzir nas fábricas procedimentos específicos para atender a qualidade dos produtos fabricados em massa (CERQUEIRA NETO, 1990). Durante a primeira Guerra Mundial, os sistemas de fabricação ficaram mais sofisticados, implicando no controle de grande número de trabalhadores por um dos chefes de produção. Como resultado apareceram os primeiros inspetores em tempo integral, sistema que foi denominado de controle de qualidade por inspeção (DEMING, 1990). As necessidades da enorme produção em massa requerida pela segunda Guerra Mundial originaram o controle estatístico de qualidade. Esta foi uma fase de extensão da inspeção e de ganho de uma maior eficiência nas organizações de inspeção. Aos inspetores foram dadas ferramentas com implementos estatísticos, tais como amostragens e gráficos de controle (CERQUEIRA NETO, 1990). Esta foi a contribuição mais significativa desse período, no entanto este trabalho permaneceu restrito às áreas de produção e seu crescimento foi relativamente lento. As recomendações resultantes das técnicas estatísticas com freqüência não podiam ser manejadas nas estruturas de tomada de decisões, e não abarcavam problemas de qualidade verdadeiramente grandes que fossem realmente úteis à gerência do negócio (NICKELS, 2003).

24 24 Esta necessidade levou ao Controle de Qualidade Total. Só quando as empresas começaram a estabelecer uma estrutura operacional e de tomada de decisões para a qualidade do produto, que fosse suficientemente eficaz para realizar ações adequadas baseadas nas avaliações do controle de qualidade, é que puderam obter resultados tangíveis, como melhor qualidade e menores custos (CERQUEIRA NETO, 1990). Este foi um modelo em sistemas de qualidade que tornou possível revisar as decisões tomadas de forma regular, em vez de revisar apenas ocasionalmente. Foi possível, também, analisar resultados durante o processo e controlar a fonte de produção ou de fornecimento de insumos, e, finalmente, interromper a produção quando fosse necessário (CERQUEIRA NETO, 1990). Além disso, proporcionou a estrutura para que as primeiras ferramentas do controle estatístico de qualidade pudessem ser unidas às outras técnicas adicionais como: medição, confiabilidade, equipe de informação da qualidade, motivação para a qualidade, e outras numerosas técnicas relacionadas atualmente com o campo do controle moderno de qualidade e com o padrão funcional de qualidade de um negócio (NICKELS, 2003). Ao longo da história o termo qualidade sofreu numerosas mudanças que pedem uma reflexão quanto a sua evolução. Para isso, descrevemos na Tabela 1 cada uma das etapas, o conceito que se tinha da qualidade e quais eram os objetivos a perseguir.

25 25 Tabela 1 - Progressão dos conceitos e finalidades da Qualidade FASE CONCEITO FINALIDADE Artesanal Fazer as coisas bem feitas independentemente do custo ou esforço necessário para isso. - Satisfazer o cliente. - Satisfazer o artesão. - Criar um produto único. Fazer muito, não importando a qualidade Revolução Industrial (Se identifica quantidade de produção com qualidade). -Satisfazer uma grande demanda de bens. -Obter benefícios. Segunda Guerra Mundial -Garantir a disponibilidade de Assegurar a eficácia do armamento sem um armamento eficaz na importar o custo, com a maior e mais rápida quantidade e no momento produção (Eficácia + Prazo = Qualidade). preciso. Pós-guerra (Japão) Fazer as coisas certas na primeira vez - Minimizar custos mediante a qualidade - Satisfazer o cliente - Ser competitivo Pós-guerra (Restante do mundo) Produzir, quanto mais, melhor. - Satisfazer a grande demanda de bens causada pelo fim da guerra Controle de Qualidade Técnicas de inspeção em Produção para evitar a saída de bens defeituosos. - Satisfazer as necessidades técnicas do produto. Garantia da Qualidade Sistemas e Procedimentos da organização para evitar que se produzam bens defeituosos. - Satisfazer o cliente. - Prevenir erros. - Reduzir custos. - Ser competitivo. Teoria da administração empresarial Qualidade Total centrada na permanente satisfação das expectativas do cliente. Fonte: adaptação a partir de CERQUEIRA NETO, Satisfazer tanto o cliente externo como o interno. - Ser altamente competitivo. - Melhora Contínua.

26 26 Esta evolução nos ajuda a compreender de onde vem a necessidade de oferecer uma maior qualidade do produto ou serviço que se proporciona ao cliente e, em definitivo, à sociedade. Mostra como pouco a pouco foi evoluindo toda a organização na consecução deste fim. Como corrobora Kotler (2002), a qualidade não se converteu unicamente em um dos requisitos essenciais do produto, atualmente é um fator estratégico chave do qual dependem a maior parte das organizações, não só para manter sua posição no mercado, mas inclusive para assegurar sua sobrevivência ISO 9000 e Garantia da Qualidade Num primeiro momento foi estabelecido o Controle de Qualidade, primeira etapa na Gestão da Qualidade que se baseia em técnicas de inspeção aplicadas à Produção. Posteriormente nasce a Garantia da Qualidade, fase que pretende garantir um nível contínuo da qualidade do produto ou serviço proporcionado. A Garantia da Qualidade nasce como uma evolução natural do Controle de Qualidade, que, anteriormente, era limitado e pouco eficaz para prevenir a aparição de defeitos (BERGAMO FILHO, 1999). Para isso, fez-se necessário criar sistemas de qualidade que incorporassem a prevenção como forma de comportamento e que, em todo caso, servissem para antecipar os erros antes que estes acontecessem. Um Sistema de Qualidade se baseia em garantir que o produto/serviço oferecido a uma organização, cumpre com as especificações estabelecidas previamente pela empresa ao o cliente. Isso assegura uma qualidade contínua ao longo do tempo Garantia da Qualidade Conjunto de ações planificadas e sistemáticas implementadas no Sistema de Qualidade, que são necessárias para proporcionar a confiança adequada de que um produto satisfará os requisitos dados sobre a qualidade.

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL Fabiana Neves Jussara Rodrigues Menezes Faculdade Paulo Setúbal Prof. Engo. Helder Boccaletti Faculdade Paulo Setúbal, Tatuí-SP/ Fatec Itapetininga Revista Perspectiva em Educação, Gestão

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Gestão da Qualidade. O que é Modelo de Gestão? 10/11/2008

Gestão da Qualidade. O que é Modelo de Gestão? 10/11/2008 Gestão da Qualidade O que é Modelo de Gestão Todas as organizações tem seu modelo de gestão, normalmente derivado dos conhecimentos e experiências de sua equipe dirigente. Dificilmente esses modelos de

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Unidade I Conceito de Qualidade Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com UNIDADE I : Conceito de Qualidade 1.1 Qualidade de processo de software 1.2 Qualidade de produto de software UNIDADE

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

1. Conceitos e princípios da qualidade: nichos da qualidade; erros da qualidade.

1. Conceitos e princípios da qualidade: nichos da qualidade; erros da qualidade. 1/6 1. Conceitos e princípios da qualidade: nichos da qualidade; erros da qualidade. Nichos da Qualidade É a partir destas avaliações que, por exemplo, duas empresas do mesmo ramo podem atuar em nichos

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia

Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia Os fatores de fracasso no desenvolvimento de produtos: um estudo de caso em uma pequena empresa de alta tecnologia Antonio Gil da Costa Júnior (UNIFEI) agc@itajuba.com.br Carlos Eduardo Sanches da Silva

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA COIMBRA & FILHOS LTDA. Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS PARA MANTER A COMPETITIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS PARA MANTER A COMPETITIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS PARA MANTER A COMPETITIVIDADE DAS ORGANIZAÇÕES ROMUALDO DA SILVA, Paulo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais de Garça/ACEG E-mail: paulo_romualdo@itelefonica.com.br

Leia mais

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são:

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são: Senhores Acionistas, A Administração da Contax Participações S.A. ( Contax Participações ) submete, em conjunto com as demonstrações financeiras e o parecer dos auditores independentes, o Relatório da

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme Gestão de Qualidade Alunos: Bruna Bastos Bruno Avelar Giacomini

Leia mais

COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000

COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000 COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000 The Informed Outlook Quando se trata de satisfazer os requisitos da ISO 9001:2000, Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos, o Seis Sigma tem potencial para

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Mais um passo. Indicadores de desempenho e seu uso no benchmarking. nº 16 janeiro / 2006. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1

Mais um passo. Indicadores de desempenho e seu uso no benchmarking. nº 16 janeiro / 2006. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1 nº 16 janeiro / 2006 Mais um passo Indicadores de desempenho e seu uso no benchmarking Estudos mostram que as organizações que se mantêm na liderança em seus setores durante períodos prolongados medem

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

Consultoria Empresarial

Consultoria Empresarial Consultoria Empresarial Referência : OLIVEIRA, Djalma CROCCO, Luciano; GUTIMANNN, Erick Prof- Daciane de O.Silva SURGIMENTO- Desde os tempos imemoriais COMO ISSO ACONTECIA? Os rabinos aconselhavam os fieis,

Leia mais

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares

GOVERNANÇA EM TI. Prof. Acrisio Tavares GESTÃO ESTRATÉGICA DO SUPRIMENTO E O IMPACTO NO DESEMPENHO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS SÉRIE ESPECIAL PCSS A GOVERNANÇA EM TI, SEU DIFERENCIAL E APOIO AO CRESCIMENTO Prof. Acrisio Tavares G GOVERNANÇA EM

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Administração das Operações Produtivas

Administração das Operações Produtivas UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Administração das Operações Produtivas Prof. Rodolpho Antonio Mendonça WILMERS São Paulo 2011 Administração das Operações Produtivas Introdução Nada

Leia mais

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica

Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica Capítulo 5 Sistemas de Informação para Vantagem Estratégica SEÇÃO I: Fundamentos da Vantagem Estratégica Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que

Leia mais

As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000

As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000 As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000 Leonardo Rospi (UNIP Universidade Paulista) lrospi@terra.com.br Oduvaldo Vendrametto (UNIP Universidade Paulista)

Leia mais

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE

5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5 ADMINISTRAÇÃO DA QUALIDADE 5.1 INTRODUÇÃO Todas as pessoas convivem sob a sombra da palavra qualidade. Não é para menos, a qualidade tornou-se alicerce fundamental para as organizações, onde ganhou destaque

Leia mais

17/10/2011. Construindo Planos de Negócios. Capítulo 1: Aspectos gerais do plano de negócios

17/10/2011. Construindo Planos de Negócios. Capítulo 1: Aspectos gerais do plano de negócios do plano Construindo Planos de Negócios 2011.2 Tipos Empresa de prestação de serviços Empresa de venda a varejo Empresa de vendas por atacado Distribuidora Empresa Industrial Empresa Mista do plano do

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior A disciplina Nossa disciplina se divide em 4 unidades de aprendizagem: 1. Conceitos e contexto empresarial

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico.

A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Resumo A ti alinhada as estratégias empresariais e como insumo básico. Edwin Aldrin Januário da Silva (UFRN) aldrin@sebraern.com.br Neste trabalho, iremos descrever sinteticamente o modelo de Porte sobre

Leia mais

Gestão da Qualidade. Engenharia da Qualidade. Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho. Engenharia da Qualidade

Gestão da Qualidade. Engenharia da Qualidade. Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho. Engenharia da Qualidade Gestão da Qualidade Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho APRESENTAÇÃO Prof. Dr. José Luiz Moreira de Carvalho * Graduação em Engenharia Química / Universidade Federal da Bahia * Mestrado em Engenharia

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Uma Abordagem por Processos Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto A Evolução Histórica da Qualidade A Evolução Histórica da Qualidade ARTESANATO Qualidade

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA Andréia Pereira da Fonseca, Unisalesiano de Lins, e-mail: andreia.fonseca@bertin.com.br Ariane de Carvalho Naya, Unisalesiano de Lins, e-mail:

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ALESSANDRA TEDORO BARBARA LIMA GABRIELA SPOLAVORI LEANDRO MARTINIANO MARCUS LOURENÇO RICARDO HISTÓRICO 1990 Mudanças no Pais e no Setor da Construção Civil - Abertura do

Leia mais

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING

LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING LIFE - CYCLE, TARGET AND KAIZEN COSTING NOVAS TENDÊNCIAS DE CONTABILIDADE DE GESTÃO MESTRADO CONTABILIDADE E FINANÇAS 2009/2010 1 Introdução Actualmente, com a transformação de uma economia localizada

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 7CCSADFCMT01 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Marília Caroline Freire Cunha (1) ; Maria Sueli Arnoud Fernandes (3). Centro de Ciências Sociais Aplicadas/Departamento

Leia mais

1 CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC)

1 CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC) 1 CONTROLE DA QUALIDADE TOTAL (TQC)...ciência, em lugar de empirismo; harmonia, em vez de discórdia; cooperação, não individualismo; rendimento máximo em lugar de produção reduzida; desenvolvimento de

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são:

Senhores Acionistas, Os principais serviços da TNL Contax são: Senhores Acionistas, A Administração da Contax Participações S.A. ( Contax Participações ) submete, em conjunto com as demonstrações financeiras e o parecer dos auditores independentes, o Relatório da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais