UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL"

Transcrição

1 UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PERFIL DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS HORTIFRUTIGRANJEIROS ORGÂNICOS EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE FOZ DO IGUAÇU/PR MARIANNA DE CAMPOS FERREIRA E SILVA Foz do Iguaçu - PR 2009

2 MARIANNA DE CAMPOS FERREIRA E SILVA PERFIL DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS HORTIFRUTIGRANJEIROS ORGÂNICOS EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE FOZ DO IGUAÇU/PR Trabalho Final de Graduação apresentado à disciplina de TFG II da Faculdade Dinâmica de Cataratas UDC, como requisito parcial para obtenção do título de Engenheiro Ambiental. Prof. Orientador: Dr. Elisandro Pires Frigo. Foz do Iguaçu PR 2009

3 A258o Silva, Marianna de Campos Ferreira Perfil dos consumidores de produtos hortifrutigranjeiros orgânicos em supermercados da cidade de Foz do Iguaçu, Pr / Marianna de Campos Ferreira e Silva - Foz do Iguaçu: UDC / Orientador: Elisandro Pires Frigo Trabalho de Conclusão de Curso- (TCC) União Dinâmica de Faculdades Cataratas 1. Agricultura alternativa. 2. Equipamentos de varejo. 3 Marketing ambiental. CDU:77.03

4 TERMO DE APROVAÇÃO UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS PERFIL DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS HORTIFRUTIGRANJEIROS ORGÂNICOS EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE FOZ DO IGUAÇU/PR TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE GRAU DE ENGENHEIRO AMBIENTAL Aluna: MARIANNA DE CAMPOS FERREIRA E SILVA Orientador: PROF. DR. ELISANDRO PIRES FRIGO Nota Final Banca Examinadora: Prof(ª). Prof(ª). Foz do Iguaçu, 18 de junho de 2009.

5 AGRADECIMENTO À Deus, pelo fôlego de vida. Aos meus pais, pela dedicação na formação do meu caráter. Ao meu amado esposo Osiel, pela compreensão, apoio e por ficar ao meu lado nas madrugadas no término do meu trabalho. Aos professores, em especial à Professora Michelle Sato Frigo e meu orientador Professor Elisandro Pires Frigo pela direção do trabalho, paciência e profissionalismo. E aos meus colegas pelos estudos e aprendizados adquiridos juntos.

6 Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento. Provérbio 3:13 Porque o Senhor Deus dá a sabedoria; e da sua boca é que vem o conhecimento e o entendimento. Provérbios 2:6

7 FERREIRA, Marianna de Campos. Perfil dos consumidores de produtos hortifrutigranjeiros orgânicos em supermercados da cidade de Foz do Iguaçu/PR. Foz do Iguaçu, Trabalho Final de Graduação (Graduação em Engenharia Ambiental) União Dinâmica de Faculdades Cataratas. RESUMO Na década de oitenta já eram visíveis as conseqüências da transformação da agricultura e, com o crescimento da crítica à agricultura convencional, aumentou-se o interesse pelas práticas agrícolas consideradas alternativas. Com base neste cenário, o presente estudo teve por objetivo traçar o perfil dos consumidores de produtos hortifrutigranjeiros orgânicos em supermercados da cidade de Foz do Iguaçu/PR, devido à cidade se destacar dentre os municípios lindeiros, onde se concentram os produtores orgânicos da região. Os locais das pesquisas foram os supermercados Muffato e BIG, totalizando 59 pessoas entrevistadas de Janeiro a Março de 2009, através de questionário semi-aberto. Tal pesquisa não foi encaminhada à nenhuma Comissão de Ética em função da instituição onde esta foi desenvolvida ainda não fazer parte de nenhuma destas. Os questionários foram aplicados aleatoriamente com a prévia autorização dos supermercados, assim como dos consumidores, mediante Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Constatou-se que a maioria dos entrevistados era do sexo feminino; a faixa etária predominante era de jovens e as profissões em grande parte voltadas para a área administrativa. A maioria possui o ensino médio e uma renda de até 2 salário mínimos. Do total de entrevistados 61% consomem produtos orgânicos; 35,6% consumiam regularmente, tendo como propósito de compra, por não apresentarem agrotóxicos (47%); e o fator preço foi uma dificuldade no consumo para 47,5% do total de entrevistados, assim como 56% não sabiam sobre certificação orgânica e rotulagem ambiental. Conclui-se que o pouco conhecimento sobre o modo de produção e a certificação dos orgânicos, associada ao alto preço do produto em relação ao produto convencional tem causado um atraso no crescimento de consumidores fiéis, fazendo-se necessário elaborar planos estratégicos de marketing, atraindo novos consumidores e aumentando conseqüentemente a demanda por tais produtos, que a médio-longo prazo terão sua produção aumentada, diminuindo seu custo ao consumidor. Palavras-chaves: agricultura alternativa, equipamentos de varejo, marketing ambiental.

8 Ferreira, Marianna de Campos. Profile of consumers of organic products hortifrutigranjeiros of supermarkets in the city Foz do Iguaçu / PR. Foz do Iguaçu, Completion of course work (Bachelor of Environmental Engineering) - Faculdade Dinâmica de Cataratas. ABSTRACT In the eighties were visible the consequences of the transformation of agriculture, and with the growth of criticism of conventional agriculture, the interest of alternatives agricultural practices has increased. Based on this scenario, the present study aimed to delineate the profile of consumers of hortifruitgranger organics in supermarkets in Foz do Iguaçu / PR, based on the fact that the city stand out among counties nearby, where organic food producers are concentrated. The research locals were the supermarket Muffato and BIG, totaling 59 persons interviewed from January to March 2009, through semi-open questionnaire. This research was not referred to any Ethics Committee (EC), according that the institution where it was developed do not take part of any EC yet. The questionnaires were administered randomly with the prior permission of the supermarkets and consumers, by End of Free and Informed Consent. It was found that the majority of respondents were females; the predominant age group was young and the profession in large part devoted to the administrative area. The most of interviewed people had finished high school and has an income of up to 2 minimum wages. Of the total, 61% of respondents consume organic products; 35,6% consumed regularly, having the purpose of purchase because they did not have pesticides (47%); And so, the price was a difficulty in consumption for 47,5% of total respondents, and 56% did not know about organic certification and environmental labeling. States that little knowledge about the way of production and certification of organic food allied with the high prices of the products in relation of conventional product has caused a delay in the growth of loyal consumers, making it necessary to draw up strategic plans for marketing, attracting new consumers and consequently increasing the demand and in medium-long terms the production for such products, reducing their cost to the consumer. Keywords: farming equipment, alternative retail, marketing environment.

9 LISTA DE FIGURAS Página Figura 1: Localização do município de Foz do Iguaçu/PR Figura 2: Localização dos supermercados pesquisados em Foz do Iguaçu/PR Figura 3: Fachada do supermercado Muffato do bairro Boicy (à direita) e Muffato da Avenida JK (à esquerda) Figura 4: Seção de hortifrutigranjeiros do supermercado Muffato do bairro Boicy Figura 5: Seção de hortifrutigranjeiros do supermercado Muffato da Avenida JK Figura 6: Fachada do hipermercado Big Figura 7: Seção de hortifrutigranjeiros orgânicos do hipermercado Big Figura 8: Sexo dos entrevistados Figura 9: Faixa etária Figura 10: Grau de escolaridade Figura 11: Renda familiar Figura 12: Consumo de alimentos orgânicos Figura 13: Regularidade no consumo de produtos orgânicos Figura 14: Propósito na compra de produtos orgânicos Figura 15: Fatores que dificultam o consumo de produtos orgânicos... 56

10 SUMÁRIO Página RESUMO...17 ABSTRACT...18 LISTA DE FIGURAS...19 PÁGINA...19 SUMÁRIO...20 PÁGINA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...XXVI APÊNDICES...XXXII

11 1 INTRODUÇÃO O movimento da agricultura alternativa começou a se manifestar no Brasil durante a década de 70, quando se disseminava no país um processo de modernização da agricultura. No discurso governamental pretendia-se aumentar a produção e a produtividade da agricultura no país através da substituição das práticas agrícolas tradicionais por um conjunto de práticas tecnológicas, que incluíam a utilização de sementes geneticamente melhoradas, fertilizantes industrializados, agrotóxicos e mecanização agrícola, a chamada Revolução Verde. E, ao mesmo tempo em que alguns pesquisadores passavam a questionar no meio acadêmico os impactos ambientais produzidos pela intensificação do uso da tecnologia na agricultura, experiências agrícolas de produção de alimentos sem agrotóxicos eram bem sucedidas no interior de São Paulo, incrementando o interesse por um sistema de produção

12 sustentável, capaz de satisfazer as próprias necessidades sem reduzir as oportunidades das próximas gerações, com manejo e proteção dos recursos naturais. Na década de 80 já eram visíveis as conseqüências da transformação da agricultura com a Revolução Verde e, com o crescimento da crítica a esta agricultura, agora convencional, aumentou-se o interesse pelas práticas agrícolas consideradas alternativas. A partir desta época, a produção e o consumo de alimentos orgânicos vêm apresentando um crescimento considerável no país (ARCHANJO, BRITO e SAUERBECK, 2001). Este mercado é de consumidores específicos que buscam não somente uma vida mais saudável ao consumir alimentos produzidos sem o uso de insumos industrializados, mas com consciência dos problemas ambientais gerados pela produção e industrialização de alimentos convencionais. Como em diversos países, o crescimento do mercado de produtos alimentares orgânicos é uma evidência também no Brasil. Dessa forma, como um mercado em crescente expansão gera oportunidades, limitações também são evidenciadas, e o mercado de alimentos orgânicos não foge à regra, demandando pesquisas para sua melhor compreensão (BOAS, 2005). Com base neste cenário, o presente estudo teve por objetivo identificar o perfil dos consumidores de produtos hortifrutigranjeiros orgânicos em supermercados da cidade de Foz do Iguaçu/PR, no intuito de a partir dessas informações, os gestores dos equipamentos varejistas e produtores de hortifrutigranjeiros orgânicos da região possam planejar quanto à forma, variedade e sortimento de seus produtos e serviços de acordo com as necessidades dos seus clientes, aumentando assim seu consumo e disseminando sua importância na sociedade.

13 Tal estudo se justifica devido à cidade de Foz do Iguaçu/PR ser um potencial pólo consumidor, por se destacar dentre os municípios lindeiros, local onde se concentram os produtores orgânicos da região. O Estado do Paraná em relação a produção orgânica é um dos principais pólos do país, conforme dados da Federação das Indústrias do Paraná (FIEP), são cerca de agricultores diretamente envolvidos na atividade, com produção de 75 mil toneladas de produtos alimentícios por ano. No Paraná, cerca de 100 indústrias produzem produtos orgânicos industrializados. De acordo com dados do Ministério da Agricultura, a produção orgânica brasileira ocupa cerca de 6,5 milhões de hectares e envolve aproximadamente 20 mil produtores, dos quais 80% são pequenos (VOSS, 2006).

14 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Tipos de agricultura alternativa A Terra já foi vista como se seus recursos fossem infinitos, porém hoje se percebe sua limitação, exigindo usos eficientes e renováveis buscando o desenvolvimento sustentável em longo prazo. A agricultura industrial, apesar de suas vantagens, traz consigo impactos ambientais negativos significativos. Não se pode conceber a agricultura moderna sem suas variedades super produtivas e adaptadas a um ambiente totalmente controlado com adubos solúveis e agroquímicos para manter esta artificialidade. Os impactos ambientais desses produtos geralmente não são incorporados nos custos privados de produção, distorcendo os preços de mercado de produtos por ela gerados. A agricultura que se utiliza de agrotóxicos gera problemas

15 ambientais pela sociedade como um todo, não apenas pelos produtores privados (MAZZOLENI e NOGUEIRA, 2006). Os principais sintomas de intoxicação causados pelos agrotóxicos para a saúde humana são confundidos pela semelhança com várias doenças: depressão nervosa, problemas nos rins e fígado, cansaço, fraqueza, tonturas, náuseas, etc. Já para o meio ambiente, o uso freqüente de agrotóxicos provoca erosão, perda de fertilidade dos solos, riscos de contaminação dos solos agrícolas, águas superficiais, águas subterrâneas, entre outros (MONQUERO, INÁCIO e SILVA, 2009). O consumo de agrotóxicos cresceu bastante no Brasil nas últimas décadas, transformando-o em um dos líderes mundiais no consumo de agrotóxicos. Entre 1972 e 1998, a quantidade de ingrediente ativo vendido cresceu 4,3 vezes, passando de toneladas para toneladas/ano 6. Em relação às classes de uso, em 2004, 40% dos produtos vendidos eram herbicidas, 31% fungicidas, 24% inseticidas e 5% outros (FARIA, FASSA e FACCHINI, 2007). De acordo com a EMBRAPA (2006), a agricultura orgânica busca a preservação ambiental utilizando o sistema de manejo sustentável, mantendo a biodiversidade, os ciclos naturais e a qualidade de vida. Esse tipo de agricultura põe em prática os conhecimentos da ecologia, integrando a fauna e a flora no sistema, onde os animais produzem matéria orgânica para o solo e plantas, e o solo acaba contendo mais nutriente para a alimentação animal. A agricultura biodinâmica, permacultura, orgânica e natural são correntes que integram o movimento orgânico, e o objetivo chave é encontrar um sistema de produção que seja sustentável através do manejo e proteção dos recursos naturais, sem a utilização de produtos agroquímicos, o que prejudica a saúde humana e

16 o meio ambiente, mantendo a diversidade biológica e respeitando a integridade cultural dos agricultores (SANTOS e MONTEIRO, 2004). A agricultura biodinâmica busca a harmonia do manejo agrícola com os ritmos naturais, sanar as chagas ambientais provocadas pela revolução tecnológica e a produção de alimentos saudáveis, buscando compreender as forças da terra e do céu (cosmos) sobre os cultivos e a criação animal para harmonizá-las na produção de alimentos saudáveis, a agricultura biodinâmica surgiu na Europa em Os conhecimentos deste sistema de produção foram difundidos em todo o mundo com o crescente interesse em sistemas agrícolas voltados para a preservação do ambiente e recursos naturais (SARMENTO e BRANDÃO, 2007). A agricultura natural teve início em 1931 e tem o objetivo de fazer com que o solo desenvolva seus frutos por si só, pois para este tipo de agricultura com um solo saudável, onde há presença de matéria orgânica em abundância e variedade de nutrientes, não existe a necessidade de interferência humana, pois, quanto mais puro é o solo maior é sua força para o desenvolvimento da vida (MACHADO et al., 2002). Outra agricultura alternativa, a permacultura, constitui-se na elaboração, implantação e manutenção de ecossistemas produtivos que mantenham a diversidade, a capacidade do indivíduo de se adaptar às mudanças e a estabilidade dos ecossistemas naturais, promovendo energia, moradia e alimentação humana de forma harmoniosa com o ambiente. É uma união do conhecimento ancestral com a ciência moderna (CASTAGNA, 2008).

17 2.2 Conceitos sobre agricultura orgânica Durante quarenta anos, no início do século XX, o inglês engenheiro agrônomo, Albert Howard, propôs o sistema de produção orgânica, enquanto realizava uma pesquisa na Índia (MARCHIORI, 2006). Este sistema de produção ficou conhecido como agricultura orgânica, na qual se exclui o uso de fertilizantes, agrotóxicos, reguladores de crescimento e aditivos do sistema de produção e não se altera a alimentação animal. Baseia-se no uso de estercos, rotação de culturas, adubação verde, compostagem e controle biológico de pragas e doenças. Busca manter a estrutura e produtividade do solo, trabalhando em harmonia com a natureza (AAO, 2008). De acordo com a Instrução Normativa 07/99 do Ministério da Agricultura e do Abastecimento, Brasil (1999) considera-se sistema orgânico de produção agropecuária e industrial: todo aquele em que se adotam tecnologias que otimizem o uso de recursos naturais e socioeconômicos, respeitando a integridade cultural e tendo por objetivo a auto-sustentação no tempo e no espaço, a maximização dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energias não renováveis e a eliminação do emprego de agrotóxicos e outros insumos artificiais tóxicos, organismos geneticamente modificados (OGM/transgênicos), ou radiações ionizantes em qualquer fase do processo de produção, armazenamento e de consumo, e entre os mesmos, privilegiando a preservação da saúde ambiental e humana, assegurando a transparência em todos os estágios da produção e transformação. Já de acordo com a chamada Lei dos Orgânicos (Lei n.º ), (anexo 1) aprovada em 23 de dezembro de 2003, o sistema orgânico de produção

18 agropecuária é aquele em que se otimiza o uso dos recursos naturais e socioeconômicos disponíveis, em que há o respeito à integridade cultural das comunidades rurais, tendo por objetivo a sustentabilidade econômica e ecológica, a maximização dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energia não renovável, e que prefere métodos culturais, biológicos e mecânicos a materiais sintéticos, com a eliminação do uso de organismos geneticamente modificados e radiações ionizastes (PARDINI, 2006). O alimento orgânico é resultado de um sistema de produção agrícola que busca manejar de forma equilibrada o solo e demais recursos naturais (água, plantas, animais, insetos, etc), conservando-os em longo prazo e mantendo a harmonia desses elementos entre si e com os seres humanos (MARCHIORI, 2006). Segundo Barbosa (2007) é de suma importância achar mecanismos que mantenham o agricultor e sua família no campo, porém dando condições para que eles possam reproduzir-se socialmente sem a constante assistência dos governos, propiciando um ambiente favorável para a melhora da qualidade de vida. Percebe-se que o sistema orgânico, pelo fato de estar inserido em um movimento voltado à uma produção sustentável, tem por objetivo resolver as questões ligadas à preservação ambiental; melhoria das condições sócio-econômicas dos agricultores familiares e produzirem produtos de qualidade e seguros ao consumo humano. Esses itens podem se constituir em uma estratégia importante para se conquistar uma sustentabilidade agrícola para qualquer país (seja ele desenvolvido ou subdesenvolvido).

19 2.3 Manejo em sistemas de produção orgânica Para Santos e Monteiro (2004), o modelo de agricultura orgânico se baseia no princípio e prática de utilizar os ciclos biológicos para aumentar a fertilidade do solo, a diversificação das nutrientes, das espécies, sem o uso de fertilizantes, agrotóxicos, minimizando a poluição, se preocupando com o amplo impacto social e ecológico do sistema de produção de alimentos, e produzir alimentos de boa qualidade em quantidade suficiente. Segundo Carvalho (2000) a preocupação com a qualidade do produto, com a saúde e qualidade de vida dos agricultores, trabalhadores, consumidores e a preservação do meio ambiente, são em geral vistos como resultados certos da expansão da produção orgânica. Economizar água e não usar fertilizantes químicos ou agrotóxicos nas plantações é uma realidade na produção orgânica. O uso intensivo da terra causa problemas e conseqüências indesejáveis ao ambiente e à produção agrícola se práticas conservacionistas não forem adotadas. A redução na quantidade de matéria orgânica do solo significa emissão de gases para a atmosfera e aumento do aquecimento global. A sustentabilidade do solo é também afetada, uma vez que a qualidade da matéria orgânica remanescente muda. Alterações podem ser verificadas, por exemplo, pela desagregação do solo e mudança na sua estrutura. As conseqüências são erosão, redução na disponibilidade de nutrientes para as plantas e baixa capacidade de retenção de água no solo. Estes e outros fatores refletem negativamente na produtividade das culturas e sustentabilidade do sistema solo, planta e atmosfera. Ao contrário, a adoção de boas práticas de manejo, tal como o sistema de plantio direto pode parcialmente reverter o processo, uma vez que objetiva o

20 aumento das entradas de material orgânico no solo e/ou diminuição das taxas de decomposição da matéria orgânica do solo (CERRI et al., 2007). O manejo orgânico privilegia o uso eficiente dos recursos naturais não renováveis, aliado ao melhor aproveitamento dos recursos naturais renováveis e dos processos biológicos, à manutenção da biodiversidade, à preservação ambiental, ao desenvolvimento econômico, bem como, à qualidade de vida humana. A agricultura orgânica, conforme a EMBRAPA (2006), fundamenta-se em princípios agroecológicos e de conservação de recursos naturais, tais como: Respeito à natureza: o agricultor deve ter em mente que a dependência de recursos não renováveis e as próprias limitações da natureza devem ser reconhecidas, sendo a ciclagem de resíduos orgânicos de grande importância no processo; Diversificação de culturas: propicia uma maior abundância e diversidade de inimigos naturais. A diversificação espacial, por sua vez, permite estabelecer barreiras físicas que dificultam a migração de insetos e alteram seus mecanismos de orientação, como no caso de espécies vegetais aromáticas e de porte elevado à biodiversidade. E, por conseguinte, um elemento-chave da tão desejada sustentabilidade; Solo como organismo vivo: desse modo o manejo do solo privilegia práticas que garantam um fornecimento constante de matéria orgânica, através do uso de adubos verdes, cobertura morta e aplicação de composto orgânico, práticas indispensáveis para estimular os componentes vivos e favorecer os processos biológicos fundamentais para a construção da fertilidade do solo no sentido mais amplo;

21 Independência dos sistemas de produção em relação a insumos agroindustriais adquiridos, altamente dependentes de energia fóssil, que oneram os custos e comprometem a sustentabilidade. O processo de mudança do manejo convencional para o orgânico tem sido chamado de conversão. Normalmente, esse processo requer um período de dois anos para que ocorra a re-situação do produtor e do ambiente e, quando se dá em uma área onde havia intensa produção convencional, geralmente, há queda na produtividade até que se consiga equilibrar o ambiente com o objetivo de alcançar a sustentabilidade. Outra forma de se conseguir a qualificação para o uso do selo orgânico, sem necessitar do período de quarentena, é o plantio em áreas que estiveram em repouso ou utilizadas como pastagens onde não se tenha feito o uso de agrotóxicos e fertilizantes de alta solubilidade durante dois anos ou mais. Muitos produtores optam por iniciar a atividade nesse tipo de situação. Geralmente, essas áreas possuem baixa fertilidade do solo e necessitam ser trabalhadas até atingirem o equilíbrio que proporcione uma produtividade satisfatória (CARVALHO e WANDERLEY, 2006). Para se tornar um agricultor orgânico, é necessário que o candidato seja submetido a um rigoroso processo de investigação das condições ambientais do estabelecimento agrícola e de potencialidade para a produção. São considerados aspectos como o não uso de adubos químicos industrializados e agrotóxicos nos últimos dois anos, a existência de barreiras vegetais quando há vizinhos que praticam a agricultura convencional, a qualidade da água a ser utilizada na irrigação e na lavagem dos produtos, as condições de trabalho e de vida dos trabalhadores, o cumprimento da legislação sanitária e a inexistência de lixo espalhado pelo estabelecimento. O produtor deve respeitar as normas durante todas as etapas de produção, desde a preparação do

22 solo à embalagem do alimento, sempre preservando os recursos naturais. O agricultor assina um contrato com uma certificadora que prevê a fiscalização da sua produção, de modo a garantir a rastreabilidade e a qualidade do produto a ser disponibilizado para o consumidor (SANTOS e MONTEIRO, 2004). A agricultura orgânica, em áreas já certificadas, é formada predominantemente por pequenas e médias propriedades e, em grande parte delas, caracteriza-se o cultivo de hortaliças com pouca diversidade de culturas em uma mesma unidade produtiva. O cultivo continuado das mesmas espécies vegetais normalmente aumenta a incidência de doenças e pragas quando os agentes transmissores permanecem nos restos culturais. Uma seqüência de culturas pode cortar esse ciclo, evitando, assim, sua expansão (CARVALHO e WANDERLEY, 2006). O principal entrave da produção de alimentos orgânicos é a baixa escala de produção, o que implica maiores custos (mão-de-obra, insumos) por unidade de produto, seguida da falta de recursos dos produtores e de treinamento, da desorganização do sistema de produção (falta de planejamento) e do processo de comercialização, além da embalagem que pode encarecer o produto em cerca de R$ 0,15/unidade. Diferentemente do sistema convencional, o agricultor tem que pagar para ser certificado, fiscalizado e também pela assistência técnica, que é quase toda particular e exercida por consultores credenciados pelas certificadoras (SANTOS e MONTEIRO, 2004).

23 2.4 Evolução histórica da agricultura orgânica Segundo Wachsner (2005) apesar de um suposto "efeito de moda", a agricultura orgânica continua representando uma pequeníssima parcela da produção agrícola brasileira. Antes, ela foi encarada fundamentalmente como uma estratégia de resistência e de permanência de agricultores familiares no campo - no período em que as idéias da modernização conservadora e dolorosa seguiam um pensamento único - e foi defendida e implantada quase que exclusivamente por organizações nãogovernamentais de assessoria e apoio. O movimento de agricultura orgânica surgiu do envolvimento de especialistas em agricultura, com formação formal ou informal, em reação às transformações do modelo tecnológico baseado no uso de produtos químicos. Isto levou à visão de que a transformação da realidade dependeria fundamentalmente da transformação gradativa do padrão tecnológico, sem considerar os limites e as potencialidades impostas pelo sistema econômico dominante. Os ideais do movimento - a preocupação com a qualidade do produto, com a saúde e qualidade de vida de agricultores/trabalhadores e consumidores, a justiça social e a preservação do ambiente - são em geral vistos como resultados certos da expansão da produção orgânica, ou seja, acompanhariam automaticamente a expansão do mercado. Todos aqueles que vivem hoje a realidade do movimento orgânico sabem a dificuldade prática de conciliar a expansão do mercado com a manutenção dos ideais do movimento (CARVALHO, 2000).

24 2.5 Situação atual da produção de alimentos orgânicos Os países em desenvolvimento estão começando a se beneficiar das oportunidades do mercado mundial de produtos orgânicos. Eles contam hoje com cerca de 60% do número dos estabelecimentos certificados no mundo e 29% do volume total da área orgânica certificada. Entretanto, há muito ainda a ser feito para aumentar a competitividade destes países. Um passo importante seria estabelecer normas e regulamentos para produtos orgânicos. Um sistema de credenciamento de organismos certificadores de produtos, confiável e independente, se faz necessário, bem como o controle para que essas regras sejam cumpridas. Custos adicionais de certificação poderiam ser evitados se as regras internas de produção orgânica de um país exportador fossem reconhecidas como equivalentes às regras de produção orgânicas do país para o qual as exportações são realizadas. A competitividade da cadeia produtiva de produtos orgânicos fundamenta-se em estratégias de diferenciação de produtos (MAPA, 2007). Segundo a Federação Internacional dos Movimentos de Agricultura Orgânica (IFOAM), o sistema orgânico já é praticado em mais de uma centena de países ao redor do mundo sendo observado uma rápida expansão, sobretudo na Europa, EUA, Japão, Austrália e América do Sul. Esta expansão está associada, em grande parte, ao aumento de custos da agricultura convencional, à degradação do meio ambiente e à crescente exigência dos consumidores por produtos limpos ou livre de agrotóxicos. Desde o início da década de 1990, o sistema de agricultura orgânica tem se desenvolvido muito rapidamente na Europa. Entre 1998/99, existiam aproximadamente 80 mil propriedades orgânicas nos principais países da União

25 Européia, cobrindo uma área em torno de 2 milhões de hectares. Estes valores representam apenas 1,1 % do total de propriedades existentes e, aproximadamente, 1,4 % da área agrícola cultivada (DAROLT, 2000). Em 2008, a Europa chegou a abranger uma área de 7,4 milhões de hectares para a produção de alimentos orgânicos (DAROLT, 2008). Existem aproximadamente 130 organizações que certificam produtos orgânicos credenciados pela Comissão Européia, e para serem comercializados é necessário obter a certificação. O primeiro país a criar um certificado oficial foi a França e tem por objetivo estimular a produção e distribuição de orgânicos, elevando sua participação de 1% para 6% a 10% do total do consumo de alimentos (ORMOND et al., 2002). Conforme descrito por Zakabi (2005), os EUA já movimentaram em 2004 aproximadamente 12 bilhões de dólares, o que representa 3% da indústria de alimentos em faturamento, e no Brasil de 2000 a 2005 passou de a toneladas a produção de alimentos orgânicos, tendo neste período um faturamento de 300 milhões de dólares Situação atual da produção de alimentos orgânicos no Brasil O Brasil ocupa atualmente o trigésimo quarto lugar no ranking dos países exportadores de produtos orgânicos. Nos últimos anos o crescimento das vendas chegou a 50% ao ano. Estima-se que já estão sendo cultivados perto de 100 mil hectares em cerca de unidades de produção orgânica. Aproximadamente 70% da

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ.

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. Amanda

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. ORGÂNICOS SÃO CAROS. POR QUÊ? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br Quem nunca ouviu ou falou

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos

Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Sobre a incompetência do sistema de registro de agrotóxicos Reginaldo Minaré A produção agrícola ocupa posição de destaque na comunidade brasileira, produz, de fato, os alimentos necessários à população

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br CICLO DOS ALIMENTOS Ter uma alimentação saudável é fundamental para a saúde. Na feira, padaria ou no supermercado, devemos escolher os melhores legumes e frutas, pães frescos, leite e outros produtos de

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 AGRICULTURA ORGÂNICA Engenheiro Agrônomo Carlos Alberto Salvador

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007

DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 6.323, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 Regulamenta a Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003, que dispõe sobre a agricultura orgânica, e dá

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

As Estratégias Metodológicas de Conversão de Sistemas de Produção Convencional para Sistemas Orgânicos

As Estratégias Metodológicas de Conversão de Sistemas de Produção Convencional para Sistemas Orgânicos As Estratégias Metodológicas de Conversão de Sistemas de Produção Convencional para Sistemas Orgânicos Metodological Strategies For Conversion Of Conventional Production Systems Into Organic Systems AYUKAWA,

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil

A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CITROS - PIC Brasil Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico José Antonio Alberto da Silva Pesquisador Científico APTA-Colina Coordenador da PIC no Estado de

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 10 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

Oportunidades e Desafios Sylvia Wachsner

Oportunidades e Desafios Sylvia Wachsner Orgânicos: Oportunidades e Desafios Sylvia Wachsner O que são produtos orgânicos Os princípios agroecológicos contemplam o uso responsável do solo, da água, do ar e demais recursos naturais. Solos são

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados.

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados. Comercialização de Produtos Agroindustriais -Professora: Graci Acadrolli Tozzo -Formação: Engª Agrônoma -Especialização: Qualidade Total na Agricultura Empresarial -Mestrado : Tecnologia em Produção de

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR DE IOGURTE NA CIDADE DE ITABUNA NO ESTADO DA BAHIA Antônio Carlos de Araújo Lúcia Maria Ramos Silva Ahmad Saeed Khan RESUMO: Estudou-se o comportamento do consumidor de iogurte

Leia mais

Dia Mundial da Alimentação 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crônica

Dia Mundial da Alimentação 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crônica 1 Dia Mundial da Alimentação 870 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crônica 2 MISSÃO O IICA é instituição do Sistema Interamericano que provê cooperação técnica, inovação e conhecimento especializado

Leia mais

Logística, Competitividade e Sustentabilidade

Logística, Competitividade e Sustentabilidade Logística, Competitividade e Sustentabilidade Porque a Surya é diferente? A Surya fabrica cosméticos naturais e orgânicos pensando na saúde e no bem estar das pessoas e natureza. Sobre a Surya Brasil Empresa

Leia mais

A participação dos produtos orgânicos no mercado varejista na cidade de Horizontina

A participação dos produtos orgânicos no mercado varejista na cidade de Horizontina A participação dos produtos orgânicos no mercado varejista na cidade de Horizontina David Becker da Silva (FAHOR) ds001226@fahor.com.br Natana Chitolina (FAHOR) nc001234@fahor.com.br Joel Antonio Tauchen

Leia mais

Alimentos Orgânicos: desafios para o domínio público de um conceito

Alimentos Orgânicos: desafios para o domínio público de um conceito Titulo do Artigo: Alimentos Orgânicos: desafios para o domínio público de um conceito Autores: Prof. Msc. Aroldo Dias Casemiro e Prof. Dr. Salvador D. P. Trevizan 1 1. INTRODUÇÃO: O Programa das Nações

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

433 - A AGROECOLOGIA EM SANTA CATARINA: COMO A PESQUISA E A EXTENSÃO SE INSEREM

433 - A AGROECOLOGIA EM SANTA CATARINA: COMO A PESQUISA E A EXTENSÃO SE INSEREM Desenvolvimento Rural Monferrer 433 - A AGROECOLOGIA EM SANTA CATARINA: COMO A PESQUISA E A EXTENSÃO SE INSEREM Paulo Sergio Tagliari 1 RESUMO O trabalho inicia por um breve histórico da agroecologia no

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

Grupo Santa Horta fortalecendo a comunidade através de hortas comunitárias

Grupo Santa Horta fortalecendo a comunidade através de hortas comunitárias Grupo Santa Horta fortalecendo a comunidade através de hortas comunitárias Relatório 2010 Introdução Este relatório conta a historia do Grupo Santa Horta, um grupo de residentes locais que tomou a iniciativa

Leia mais

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS

Programa RAMA RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE AGROTÓXICOS RAMA 1 O QUE É O RAMA? Página 3 Sumário 2 PARA QUE SERVE O RAMA? 3 Página 4 COMO FUNCIONA O RAMA? Página 5 4 POR QUE PARTICIPAR Página 9 DO RAMA? 5 COMO PARTICIPAR DO RAMA? Página 9 6 QUAIS OS BENEFÍCIOS

Leia mais

RESERVA LEGAL. Código Florestal: A urgente necessidade de revisão, antes da exigência de sua aplicação. Autora: Mônica Bilibio

RESERVA LEGAL. Código Florestal: A urgente necessidade de revisão, antes da exigência de sua aplicação. Autora: Mônica Bilibio RESERVA LEGAL Código Florestal: A urgente necessidade de revisão, antes da exigência de sua aplicação Autora: Mônica Bilibio INTRODUÇÃO Como acadêmica de Tecnologia em Agronegócios e sabedora da importância

Leia mais

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba

agroecológica Transição na região metropolitana de Curitiba Fotos: Aopa Dia de campo sobre sistemas agroflorestais na comunidade São Sebastião, Cerro Azul-PR Transição agroecológica na região metropolitana de Curitiba Paulo Henrique Mayer* A região metropolitana

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Normas para Produção Orgânica Agropecuária. Organicos-mt@agricultura.gov.br Jean Keile Bif / CPOrg-MT SEPDAG/SFA/MT

Normas para Produção Orgânica Agropecuária. Organicos-mt@agricultura.gov.br Jean Keile Bif / CPOrg-MT SEPDAG/SFA/MT Normas para Produção Orgânica Agropecuária Organicos-mt@agricultura.gov.br Jean Keile Bif / CPOrg-MT SEPDAG/SFA/MT Sistema orgânico de produção agropecuária Todo aquele em que se adotam técnicas específicas,

Leia mais

PERFIL DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS ORGÂNICOS DA CIDADE DE SÃO CARLOS SP

PERFIL DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS ORGÂNICOS DA CIDADE DE SÃO CARLOS SP PERFIL DOS CONSUMIDORES DE PRODUTOS ORGÂNICOS DA CIDADE DE SÃO CARLOS SP Fernando A. Bataghin 1 1, Luciana B. P. Spinola 2 2, Marcela A. Costa 3 1 Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências

Leia mais

The Contribution of the NGOs, Associations and Foundations to Promote Production and Consumption of Green Products

The Contribution of the NGOs, Associations and Foundations to Promote Production and Consumption of Green Products The Contribution of the NGOs, Associations and Foundations to Promote Production and Consumption of Green Products Ágata Ritter Miriam Borchardt Giancarlo Pereira Introdução ONGs, Associações e Fundações

Leia mais

Alimentos biológicos:

Alimentos biológicos: Alimentos biológicos: bons para si, bons para a natureza Em toda a UE, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a proveniência dos alimentos que consomem e com o modo como foram produzidos. Dão importância

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade

Mentira: O homem não precisa plantar transgênicos Mentira: As plantas transgênicas não trarão benefícios a sociedade Como toda nova ciência ou tecnologia, ela gera dúvidas e receios de mudanças. Isto acontece desde os tempos em que Galileo afirmou que era a Terra que girava em torno do Sol ou quando Oswaldo Cruz iniciou

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante.

Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. 32 Em alguns países como o Estados Unidos, não existe regulamentação específica para o controle do uso da tecnologia de DNA/RNA recombinante. Os OGMs liberados no meio ambiente são regulados pelas agências

Leia mais

Marcelo Braga Faculdade Sumaré E-mail: tiello.braga@ig.com.br

Marcelo Braga Faculdade Sumaré E-mail: tiello.braga@ig.com.br O COMPORTAMENTO DE COMPRA DE PRODUTOS ORGÂNICOS: UMA REFLEXÃO SOBRE O PERFIL DOS CONSUMIDORES ATRAVÉS DA COMPARAÇÃO ENTRE FAIXAS ETÁRIAS E NÍVEIS DE RENDA FAMILIAR UMA ABORDAGEM ESTATÍSTICA Marcelo Braga

Leia mais

Certificação da Produção de Orgânicos. Seminário Agrotóxicos: Perigo à mesa Rastreabilidade dos alimentos no RS

Certificação da Produção de Orgânicos. Seminário Agrotóxicos: Perigo à mesa Rastreabilidade dos alimentos no RS Certificação da Produção de Orgânicos Seminário Agrotóxicos: Perigo à mesa Rastreabilidade dos alimentos no RS Mas afinal, o que são produtos orgânicos? São aqueles produzidos de forma orgânica ou extrativista

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

AULA 7 - AUDITORIA ORGÂNICA E PROCEDIMENTOS PARA A CERTIFICAÇÃO DE UMA PROPRIEDADE RURAL

AULA 7 - AUDITORIA ORGÂNICA E PROCEDIMENTOS PARA A CERTIFICAÇÃO DE UMA PROPRIEDADE RURAL AULA 7 - AUDITORIA ORGÂNICA E PROCEDIMENTOS PARA A CERTIFICAÇÃO DE UMA PROPRIEDADE RURAL NESTA AULA SERÁ ABORDADO Procedimentos para a certificação orgânica Os passos para a certificação Plano de Manejo

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

RASTREABILIDADE PARA A SUSTENTABILIDADE. um case de sucesso para a batata

RASTREABILIDADE PARA A SUSTENTABILIDADE. um case de sucesso para a batata RASTREABILIDADE PARA A SUSTENTABILIDADE um case de sucesso para a batata A LONGA E COMPLEXA VIAGEM DA BATATA VISÃO GERAL PEPSICO 19 MARCAS + $1B 64 FATURAMENTO LÍQUIDO OUTRAS GLOBAL MARCAS [EXEMPLOS] PEPSICO

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

PRODUTO ORGÂNICO. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTO ORGÂNICO. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTO ORGÂNICO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2009 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Sumário. 3. Sistema orgânico de produção animal. 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial de produção

Sumário. 3. Sistema orgânico de produção animal. 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial de produção Angela Escosteguy Fiscal Federal Agropecuário, Méd. Veterinária Presidente do Instituto do Bem-Estar Porto Alegre,RS, Brasil E-mail: angela@ibembrasil.org Sumário 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial

Leia mais

Resumo do Estudo de Viabilidade. Os Critérios Basel para a Produção Responsável de Soja. e sua Interpretação Brasileira

Resumo do Estudo de Viabilidade. Os Critérios Basel para a Produção Responsável de Soja. e sua Interpretação Brasileira Resumo do Estudo de Viabilidade sobre Os Critérios Basel para a Produção Responsável de Soja e sua Interpretação Brasileira Estudo de Viabilidade realizado por Genetic ID (Europa) AG Augsburg, Alemanha

Leia mais

I. INOVAÇÃO E NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DE SANTA CLARA: PROFESSORA TERRI GRIFFITH TIPOS DE INOVAÇÃO: 3 TIPOS DE INOVAÇÃO

I. INOVAÇÃO E NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DE SANTA CLARA: PROFESSORA TERRI GRIFFITH TIPOS DE INOVAÇÃO: 3 TIPOS DE INOVAÇÃO I. INOVAÇÃO E NEGÓCIOS UNIVERSIDADE DE SANTA CLARA: PROFESSORA TERRI GRIFFITH TIPOS DE INOVAÇÃO: 3 TIPOS DE INOVAÇÃO o DE PRODUTO o DE PROCESSO o DE ESTRATÉGIA CARACTERÍSTICAS DA INOVAÇÃO o INOVAÇÃO É

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR

PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR PROJETO 2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ALIMENTAR COM A HORTA ESCOLAR JUSTIFICATIVA Uma vez que a sobrevivência da sociedade dependerá da alfabetização cultural, social e ecológica e, sendo a Terra nossa casa maior,

Leia mais

Circular. Técnica. Legislação e os Mecanismos de Controle e Informação da Qualidade Orgânica no Brasil. Legislação ISSN 1415-3033.

Circular. Técnica. Legislação e os Mecanismos de Controle e Informação da Qualidade Orgânica no Brasil. Legislação ISSN 1415-3033. ISSN 1415-3033 66 Legislação e os Mecanismos de Controle e Informação da Qualidade Orgânica no Brasil Circular Técnica Julho, 2008 Autores Tereza Cristina O.Saminêz Eng. Agr., MSc em Agronomia Embrapa

Leia mais

AGRICULTURA BIOLÓGICA, AUTO- SUFICIÊNCIA E SEGURANÇA ALIMENTAR POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR

AGRICULTURA BIOLÓGICA, AUTO- SUFICIÊNCIA E SEGURANÇA ALIMENTAR POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR AGRICULTURA BIOLÓGICA, AUTO- SUFICIÊNCIA E SEGURANÇA ALIMENTAR POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR Ana Paula Bico Out, 2011 POLITICAS DE APOIO À SEGURANÇA ALIMENTAR 2 perspectivas: Redução da dependência

Leia mais

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS

POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS POSICIONAMENTO DO INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA ACERCA DOS AGROTÓXICOS O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), órgão do Ministério da Saúde, tem como

Leia mais

Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento

Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento Nadia Regina Rodrigues Universidade Estadual de Campinas Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA) Divisão de Análises

Leia mais

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton 1 Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton www.bettercotton.org Orientação O documento a seguir proporciona uma visão geral do Sistema Better Cotton. Este sistema é formado por componentes interdependentes.

Leia mais

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura.

Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. FUNDAÇÃO MOKITI OKADA Mokiti Okada - CPMO Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para modelos sustentáveis de agricultura. Leandro de Almeida Amado Engenheiro Agrônomo, MSc Assistente Técnico Outubro

Leia mais

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto Módulo 6. O Produto Para os consumidores a existência de uma multiplicidade de produtos expostos no mercado, cheio de características e adicionais, é de encher os olhos. A livre concorrência possibilita

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial. Recife, 04 de dezembro de 2008

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial. Recife, 04 de dezembro de 2008 Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial Recife, 04 de dezembro de 2008 Lei 7.802/1989 artigo 3º Agrotóxicos só poderão ser produzidos, importados, exportados, manipulados comercializados

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS EDITAL Nº 05/2009/BRA/06/032 CÓDIGO DEFESA AGROPECUÁRIA O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para assessorar

Leia mais

Atos do Congresso Nacional

Atos do Congresso Nacional 2 ISSN 677-7042.632, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2007 Altera o inciso I do caput do art. 44, da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro de 996. Art. o

Leia mais

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS

PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS PED - PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA CIDADE DE SANTOS MARÇO-2007 OBJETIVO Os principais objetivos desta pesquisa são: Conhecer e divulgar a situação do emprego e desemprego na cidade de Santos, de

Leia mais

Carta Projeto MDA N 001/2014 IPD Curitiba, 22 de abril de 2014. IPD - INSTITUTO DE PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO

Carta Projeto MDA N 001/2014 IPD Curitiba, 22 de abril de 2014. IPD - INSTITUTO DE PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO Carta Projeto MDA N 001/2014 IPD Curitiba, 22 de abril de 2014. IPD - INSTITUTO DE PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO CARTA DE SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARA EMPREENDIMENTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR

Leia mais

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS

Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS oportunidades de negócio para a Agricultura Familiar Pesquisa de diagnóstico brasil central de agronegócios - MS CAMPO GRANDE - AGOSTO/2014 SEBRAE/MS Conselho Deliberativo Associação das Microempresas

Leia mais

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR

BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO CEAGESP DO PRODUTOR BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CIRCULAR TÉCNICA CEAGESP - CQH Nº 14 - JUNHO 2006 EU SEI PRODUZIR SÓ NÃO SEI COMERCIALIZAR!

Leia mais

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL

MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL MARKETING VERDE E-BOOK GRATUITO DESENVOLVIDO PELA SITE SUSTENTÁVEL Introdução: O marketing verde já não é tendência. Ele se tornou uma realidade e as empresas o enxergam como uma oportunidade para atrair

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Segundo o regulamento NOP do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) Este guia não substitui o regulamento em vigor. Para conhecer as exigências

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

TECPAR INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Divisão de Certificação. Eng. Agrônomo Danilo Grapiuna Pereira grapiuna@tecpar.

TECPAR INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Divisão de Certificação. Eng. Agrônomo Danilo Grapiuna Pereira grapiuna@tecpar. NORMAS E CERTIFICAÇÃO DE OLERICULTURA ORGÂNCA TECPAR INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Divisão de Certificação Eng Agrônomo Danilo Grapiuna Pereira grapiuna@tecparbr 3316 3070 Palestra apresentada no 48

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação ATUAÇÃO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS NA ÁREA DE CONSULTORIA

8º Simposio de Ensino de Graduação ATUAÇÃO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS NA ÁREA DE CONSULTORIA 8º Simposio de Ensino de Graduação ATUAÇÃO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS NA ÁREA DE CONSULTORIA Autor(es) SIMONE RODRIGUES DOS SANTOS Orientador(es) ÂNGELA DE FÁTIMA KANESAKI CORREIA 1. Introdução O estágio

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

CARTA DE SANTO ANDRÉ SOBRE AGROTÓXICOS

CARTA DE SANTO ANDRÉ SOBRE AGROTÓXICOS 1 1 1 1 1 0 1 0 1 CARTA DE SANTO ANDRÉ SOBRE AGROTÓXICOS Os participantes da Audiência Pública Contaminação por agrotóxicos nos alimentos em Santo André, promovida pela Defensoria Pública do Estado de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE Suse Alves Ribeiro¹, Jildemar Oliveira dos Santos Júnior¹, Adriano da Silva Almeida² ¹ Alunos do Curso de Agronomia da UESPI de Corrente.

Leia mais

Alimentos Orgânicos em Curitiba: consumo e significado Léa Resende Archanjo 1 ; Karla Francine W. de Brito 2 ; Sally Sauerbeck 3

Alimentos Orgânicos em Curitiba: consumo e significado Léa Resende Archanjo 1 ; Karla Francine W. de Brito 2 ; Sally Sauerbeck 3 Cadernos de Debate, Vol. VIII, 2001 1 Artigo publicado no Vol. VIII / 2001 da Revista Cadernos de Debate, uma publicação do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação da UNICAMP, páginas 1-6. Resumo

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR

APRESENTAÇÃO PARTE 1 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E O MDA-SAF PARTE 3 EXEMPLOS DE INICIATIVAS DE AGREGAÇÃO DE VALOR NA AGRICULTURA FAMILIAR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA E REGIÃO AMAZÔNICA: GERAÇÃO DE RENDA E AGREGAÇÃO DE VALOR NA PRODUÇÃO ORGÂNICA, AGROECOLÓGICA E EXTRATIVISTA DA AGRICULTURA FAMILIAR Manaus, 28.10.2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais