Carga Extra na Indústria Brasileira Parte 1 Custos do Sistema Tributário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carga Extra na Indústria Brasileira Parte 1 Custos do Sistema Tributário"

Transcrição

1 DECOMTEC Departamento de Competitividade e Tecnologia Carga Extra na Indústria Brasileira Parte 1 Custos do Sistema Tributário Equipe Técnica Setembro de 2011

2 PRESIDENTE Paulo Skaf Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC DIRETOR TITULAR José Ricardo Roriz Coelho DIRETOR TITULAR ADJUNTO Pierangelo Rossetti DIRETORES: Airton Caetano Almir Daier Abdalla André Luis Romi Carlos William de Macedo Ferreira Cássio Jordão Motta Vecchiatti Christina Veronika Stein Cláudio Grineberg Cláudio José de Góes Cláudio Sidnei Moura Cristiano Veneri Freitas Miano (Representante do CJE) Denis Perez Martins Dimas de Melo Pimenta III Donizete Duarte da Silva Eduardo Berkovitz Ferreira Eduardo Camillo Pachikoski Elias Miguel Haddad Eustáquio de Freitas Guimarães Fernando Bueno Francisco Florindo Sanz Esteban Francisco Xavier Lopes Zapata Jayme Marques Filho João Luiz Fedricci Jorge Eduardo Suplicy Funaro Lino Goss Neto Luiz Carlos Tripodo Manoel Canosa Miguez Marcelo Gebara Stephano (Representante do CJE) Marcelo José Medela Mario William Esper Nelson Luis de Carvalho Freire Newton Cyrano Scartezini Octaviano Raymundo Carmargo Silva Olívio Manuel de Souza Ávila Rafael Cervone Netto Robert William Velásquez Salvador (Representante do CJE) Roberto Musto Ronaldo da Rocha Stefano de Angelis Walter Bartels

3 EQUIPE TÉCNICA Departamento de Competitividade e Tecnologia GERENTE Renato Corona Fernandes EQUIPE TÉCNICA Adriano Giacomini Morais Albino Fernando Colantuono André Kalup Vasconcelos Célia Regina Murad Egídio Zardo Junior Fernando Momesso Pelai Guilherme Riccioppo Magacho Juliana de Souza Paulo César Morceiro Paulo Sergio Pereira da Rocha Pedro Guerra Duval Kobler Corrêa Roberta Cristina Possamai Silas Lozano Paz ESTAGIÁRIOS Gabriel Di Napoli Pastore Mazda Zarif APOIO Maria Cristina Bhering Monteiro Flores Maurício Oliveira Medeiros

4 Sumário Executivo Se não bastasse a elevada carga tributária que as empresas devem arcar para produzir no Brasil (que na indústria de transformação chega a 40,3% do preço dos produtos), elas arcam também com excessivos custos para pagar os tributos, conforme foi analisado neste relatório, que é a primeira parte do estudo Carga Extra na Indústria Brasileira, destacando-se: Os custos que as empresas industriais arcam para se manter em acordo com a legislação tributária representam 1,16% do seu faturamento, o que significa R$ 19,7 bilhões ao ano. Esse custo equivale a 10% do que as empresas desembolsam com a folha de pagamento anualmente e supera em 58% seu investimento em P&D. Considerando a cumulatividade na cadeia, esses custos chegam a 2,6% do preço dos produtos industriais, o que, somado à parcela que a carga tributária representa nos preços (40,3%), significa que o custo total da carga tributária (incluindo o custo para pagá-la) chega a 42,9% do preço. O custo com funcionários e gestores representa R$ 13,1 bilhões ao ano e é a maior parcela do custo do sistema tributário (66,5%). São importantes também os custos com obrigações acessórias, implementação de softwares e terceirização dos serviços, que representam conjuntamente, para as empresas, R$ 5,2 bilhões ao ano (26,4% do custo para pagar a carga). Além disso, as empresas têm custos judiciais (especialmente os custos com advogados), os quais representam R$ 1,4 bilhões (7,1% do custo da carga). As pequenas empresas são as que apresentam maiores custos para se manter em acordo com a legislação proporcionalmente às suas vendas: os custos do sistema tributário representam em média 3,13% do faturamento das pequenas, destacando-se o gasto com funcionários e gestores, os quais representam 2,0% do faturamento dessas empresas.

5 Sumário INTRODUÇÃO 1 1. Custos do Sistema Tributário Custos judiciais das empresas Custos de arrecadação para empresas 4 2. Custos do Sistema Tributário por porte Pequenas empresas Médias empresas Grandes empresas 8 3. Conclusões 10

6 Introdução Com o objetivo de avaliar a competitividade da economia brasileira, o Decomtec/FIESP está desenvolvendo uma série de estudos que avaliam o custo que as empresas industriais devem arcar quando decidem produzir internamente. Inicialmente, foi publicado o estudo A Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação, no qual se constatou que entre os anos de 2005 e 2008 a carga representou em média 59,8% do PIB da indústria de transformação, o que significa um acréscimo no preço de 40,3%, considerando toda a cadeia de produção à montante. Ocorre, entretanto, que ao contrário das indústrias dos poucos países que apresentam elevada carga tributária (similar à brasileira), a indústria nacional, além de arcar com esse custo, é obrigada a arcar com custos adicionais, que deveriam ser financiados pela carga, mas são financiados pelas empresas, dado o não provimento adequado por parte dos governos municipais, estaduais e federal. Para avaliar o custo adicional à carga que a indústria brasileira deve arcar, o Decomtec/FIESP fez uma pesquisa, em conjunto com a Toledo & Associados, sobre a Carga Extra na Indústria Brasileira. Essa pesquisa constatou que, além da carga tributária, as empresas devem arcar com custos sociais, como educação e saúde de seus funcionários, custos de segurança e logístico, além de custos para se pagar a carga tributária, ou seja, os custos do sistema tributário. Nesta primeira parte do estudo Carga Extra na Indústria Brasileira, pretende-se avaliar em que sentido a complexidade e a burocracia do sistema tributário brasileiro prejudicam a competitividade do produto nacional, tornando-o mais custoso de se produzir. De acordo com um estudo sobre burocracia realizado pelo Decomtec/FIESP, seu custo médio anual para a economia brasileira é R$ 46,3 bilhões superior ao custo que o país teria se o nível de burocracia (medido pelo Doing Business, do Banco Mundial) fosse igual ao dos países Selecionados 1, o que significa 1,47% do PIB. Em estudos específicos nas empresas, a elevada complexidade do sistema tributário brasileiro volta a se evidenciar: de acordo com pesquisa realizada na empresa Wickbold, entre a manutenção de uma equipe específica para lidar com as questões tributárias e a constante atualização de normas e legislação, a empresa gasta pelo menos 3% do seu faturamento. 1 Fazem parte deste grupo a Coreia do Sul, Costa Rica, Japão, Chile, Espanha, Irlanda, Estados Unidos, Alemanha, Austrália, Canadá, Cingapura e Finlândia. 1

7 A Gerdau, por sua vez, afirma que, enquanto nos Estados Unidos apenas duas pessoas são responsáveis pela área tributária, no Brasil são necessárias mais de duas centenas de pessoas. Por fim, a empresa Dow, subsidiária do setor químico, mantinha até 2007 um departamento de administração tributária com 25 pessoas, o que era o dobro de Argentina, México, Venezuela e Chile juntos. De fato, conforme estudo realizado pelo Instituo Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), uma empresa de médio porte no Brasil precisa atender normas tributárias e são editadas 46 normas tributárias por dia útil no Brasil. A partir de dados do Diário Oficial da União (DOU) verifica-se que a cada 26 minutos, a Receita Federal cria uma nova regra. Não por acaso, conforme estudo do Doing Business, do Banco Mundial, são necessárias horas por ano para uma empresa pagar tributos no Brasil, enquanto na média dos países da OCDE são necessárias 207 horas por ano. Assim, diante da importância que a simplificação do sistema tributário teria para a economia brasileira, torna-se necessário avaliar quais são os custos que, além da carga tributária, o sistema acarreta. Neste estudo, pretende-se analisar os custos judiciais que as empresas arcam, sejam elas passivas ou ativas do processo, assim como os custos para o pagamento de tributos, pagamento da folha salarial, custos fiscais, de contabilidade interna ou terceirização desses serviços. Para essa análise, o relatório será dividido em três partes além dessa introdução. Inicialmente serão avaliados os custos totais do sistema tributário para as empresas, posteriormente serão avaliados os custos por porte, dadas as diferenças estruturais existentes e, por fim, será apresentada uma conclusão e um conjunto de propostas para minimizar esses custos e ampliar a competitividade do produto nacional. 2

8 1. Custos do Sistema Tributário A excessiva complexidade do sistema tributário brasileiro, associado à burocracia, geram custos às empresas industriais, restringindo a competitividade dos produtos tanto no mercado interno como para exportação. Diante do elevado número de tributos e das suas distintas aplicações, as empresas brasileiras são obrigadas a contratar serviços adicionais (seja pela contratação de funcionários qualificados ou terceirizando) que não precisariam se estivessem operando em países cujo sistema é mais simples. Assim, custos que variam desde a contratação de advogados até a instalação de softwares e sistemas de contabilidade encarecem a produção nacional, o que, uma vez repassado no preço dos produtos, reduz o potencial de desenvolvimento e investimento das empresas nacionais Custos judiciais das empresas As empresas se defrontam com pelo menos dois problemas no que diz respeito aos custos judiciais do pagamento de tributos: quando são acionadas judicialmente por supostamente não terem pago devidamente suas dívidas com o fisco (passivo) ou quando acionam o fisco por supostamente terem sido cobrados por algo que não deveriam por lei (ativo). Em ambos os casos, as empresas têm custos com advogados, os quais decorrem da complexidade do sistema tributário brasileiro. Conforme foi verificado pela Pesquisa FIESP, 8,9% das empresas afirmaram ter algum processo judicial contra o fisco como ativo (ou seja: demandado) e 9,2%, como passivo (ou seja: contestado). No total, estão sendo demandados pelas empresas R$ 13,90 bilhões e foram contestados pelo fisco R$ 7,25 bilhões. Essa parcela do faturamento que está sendo julgada, por sua vez, repercute em outros custos, diante da complexidade do sistema tributário brasileiro: o custo com advogados, conforme tabela abaixo: Tabela 1. Custos judiciais das empresas Empresas c/ processos (%) Valor dos processos (R$) Custo com advogados (em R$) (% do fat.) Processos demandados (ativo) 8,9% 13,90 bi 554,5 mi 0,03% Processos contestados (passivo) 9,2% 7,25 bi 860,9 mi 0,05% Total 1,42 bi 0,08% Fonte: Pesquisa Toledo-FIESP; Elaboração: DECOMTEC/FIESP Conforme afirmaram as empresas entrevistadas em relação aos processos que já foram julgados, o custo com advogados totalizou R$ 554,5 milhões para os processos demandados (ativo) e R$ 860,9 milhões para os processos contestados (passivo), o 3

9 que totaliza um custo de R$ 1,41 bilhão. Esse custo significa 0,08% do faturamento anual das empresas da indústria de transformação. 1.2 Custos de arrecadação para as empresas Além dos custos que as empresas arcam com advogados, custos estes decorrentes da complexidade do sistema tributário, outro importante custo para as empresas é o de arrecadação. Comumente, as empresas alocam parte do tempo de seu pessoal para o cumprimento da legislação tributária, o que gera custos dada a necessidade de funcionários e gestores qualificados para realização dessas atividades. De acordo com a pesquisa, 95% das empresas têm pessoas envolvidas com as atividades de pagamento da folha, pagamento fiscal ou contabilidade, sendo que, em média, as empresas alocam 10 funcionários e gestores para a realização de pelo menos uma dessas três atividades. Considerando que, conforme demonstra a Pesquisa FIESP, tais funcionários estão em média 92% do seu tempo envolvidos nessas atividades, o custo anual com esses trabalhadores destinados à arrecadação tributária é de R$ 7,47 bilhões para as empresas (0,44% do faturamento da indústria de transformação). Esses funcionários, por sua vez, estão submetidos a gestores que, a despeito de estarem apenas 54% em média do seu tempo envolvidos com essas atividades, representam um custo de R$ 5,62 bilhões para as empresas (0,33% do faturamento), totalizando um custo de R$ 13,09 bilhões, o que equivale a 0,77% do faturamento da indústria de transformação. Adicionalmente, as empresas devem arcar com outros custos, tais como obrigações acessórias (livros, armazenamento físico, outros), implementação de softwares contábeis e fiscais ou ainda com serviços terceirizados de consultoria contábil e assessoria fiscal, contábil e para o pagamento da folha de salários. As obrigações acessórias (livros, armazenamento físico, outros) consomem R$ 585,9 milhões das empresas industriais (0,03% do seu faturamento), a implementação de softwares fiscais e contábeis (SPEd Fiscal e SPEd Contábil), por sua vez, consomem R$ 2,40 bilhões (0,14% do faturamento) e, por fim, a terceirização desses serviços consome R$ 2,22 bilhões das empresas industriais (0,13% do faturamento). Assim, diante do excessivo número de tributos e de legislações distintas (seja nos municípios, estados, ou mesmo entre os diversos setores da economia), a dificuldade que as empresas enfrentam para se manter em conformidade com a lei, pagando todos seus tributos, é excessivamente custosa e, uma vez repassada no preço, retira a competitividade do produto nacional. Considerando os custos com funcionários e gestores, os custos com obrigações acessórias, com implementação de softwares e com terceirização de serviços, além dos custos com advogados, seja quando são contestados (passivos) ou quando 4

10 demandam (ativo), as empresas da indústria de transformação têm um custo adicional à carga tributária de R$ 19,7 bilhões para pagar tributos, o que significa 1,16% do faturamento dessas empresas, reduzindo a competitividade do produto nacional, conforme gráfico: Figura 1. Custos do Sistema Tributário (R$ e % do Faturamento total da indústria) R$ 13,09 bi (0,77%) R$ 2,98 bi (0,18%) R$ 2,22 bi (0,13%) R$ 1,41 bi (0,08%) R$ 19,70 bi (1,16%) Custos com funcionários e gestores Obrigações Acessórias e Implementação de Softwares Tereirização de Serviços Custos Judicias (advogados) Custos Tributários (total) Fonte: Pesquisa Toledo-FIESP e PIA/IBGE; Elaboração: DECOMTEC/FIESP 5

11 2. Custos do Sistema Tributário por porte Um importante fator que explica a diferença do custo do sistema tributário entre as empresas é seu porte. Enquanto grandes empresas podem contratar funcionários especializados para realizar uma série de procedimentos, as pequenas e médias empresas, dependendo do regime a que são submetidas, acabam tendo as mesmas obrigações, o que exige que subcontratem esses serviços a elevados custos. Alternativamente, as pequenas e médias podem contratar esses funcionários especializados, assim como fazem as grandes, mas, no caso das empresas menores, seu custo em relação às vendas será bastante superior. Assim, pode-se considerar que a escala é um fator determinante para redução dos custos de se pagar tributos, pois o custo para pagá-los não é tão menor para as empresas de porte reduzido quanto são suas vendas, o que implica em um elevado custo como parcela do faturamento para as pequenas e médias empresas Pequenas empresas As pequenas empresas são as que apresentam maiores custos totais para pagarem seus tributos. De acordo com a Pesquisa Toledo-FIESP, 3,13% do faturamento das empresas desse porte são desembolsados para que as empresas se mantenham em acordo com a legislação tributária. Essas empresas gastam apenas uma parte reduzida de seu faturamento (0,012%) com pagamento de advogados, pois poucas empresas tiveram processos judiciais, seja como ativo ou passivo (2,9% e 2,4%, respectivamente). Porém, os principais custos para as pequenas empresas são com funcionários e gestores, os quais, apesar de dedicarem apenas uma parte de seu tempo à realização dessas atividades (79% e 36%, respectivamente), acabam por gerar um custo total de R$ 3,07 bilhões, o que representa 1,99% do faturamento. Outro custo importante para essas empresas é com a terceirização dos serviços, que consome R$ 1,17 bilhão e representa 0,75% do faturamento. Desta forma, por gastarem bastante tanto com funcionários e gestores, quanto por terem elevados custos para terceirização, as pequenas empresas são as principais prejudicadas pela complexidade do sistema tributário brasileiro, a despeito de muitas estarem inseridas em programas especiais, como o SIMPLES. 6

12 Tabela 2. Custos das pequenas empresas com o sistema tributário Empresas que têm custos (%) % do Fat. (do total das Pequenas) R$ bilhões Gasto com advogado (quando demandado ativo) 2,9% 0,005% 0,01 Gasto com advogado (quando contestado passivo) 2,4% 0,007% 0,01 Total gasto com custos judiciais 0,012% 0,02 Gasto com funcionários 77,4% 0,84% 1,30 Gasto com gestores 98,8% 1,15% 1,77 Total gasto com pessoal 1,99% 3,07 Gasto com obrigações acessórias 53,0% 0,11% 0,16 Gasto com implementação de software 42,1% 0,27% 0,42 Gasto com terceirização 100% 0,75% 1,17 Total de gastos adicionais 1,13% 1,75 Custos do Sistema Tributário 3,13% 4,83 Fonte: Pesquisa Toledo-FIESP; Elaboração: DECOMTEC/FIESP Médias empresas As empresas de médio porte apresentam importantes custos no pagamento de tributos, a despeito desses já serem significativamente menores do que os custos das pequenas empresas. No total, são consumidos R$ 4,01 bilhões no pagamento dos tributos, o que representa 1,64% do faturamento. Os custos com advogados, seja devido à contestação judicial (passivo), seja pela demanda judicial da própria empresa contra o fisco (ativo), são bastante elevados, atingindo 0,18% do faturamento. No entanto, predominam os custos dos processos demandados contra o fisco, os quais consomem 0,15% do faturamento dessas empresas. Os principais custos, assim como para as pequenas, por sua vez, são com pessoal (funcionários e gestores), os quais, apesar de trabalharem maior parte do tempo nesses procedimentos (90% e 46%, respectivamente), tem seu custo relativo diminuído em relação ao custo para às pequenas. São gastos, no total, R$ 2,35 bilhões com pessoal ligado ao pagamento da folha, pagamento fiscal e contabilidade, o que significa 0,96% do faturamento. Além desses gastos, a médias empresas têm custos também relevantes com obrigações acessórias (como livros, armazenamentos e outros), implementação de software e terceirização de serviços. Esse último é especialmente importante porque, segundo a pesquisa, 100% das empresas arcam com esse custo, que representa 0,25% do faturamento dessas empresas. Desta forma, as empresas de médio porte não têm escala suficiente para que os custos do sistema tributário se reduzam como parcela do faturamento total e, a despeito desse custo ser maior do que para as pequenas, representam parte 7

13 importante do seu faturamento, retirando competitividade tanto no mercado interno como para exportação dos produtores industriais. Tabela 3. Custos das médias empresas com o sistema tributário Empresas que têm custos (%) % do Fat. (do total das Médias) R$ bilhões Gasto com advogado (quando demandado ativo) 8,8% 0,15% 0,38 Gasto com advogado (quando contestado passivo) 4,9% 0,03% 0,06 Total gasto com custos judiciais 0,18% 0,44 Gasto com funcionários 91,6% 0,58% 1,42 Gasto com gestores 98,4% 0,38% 0,93 Total gasto com pessoal 0,96% 2,35 Gasto com obrigações acessórias 70,1% 0,05% 0,20 Gasto com implementação de software 64,7% 0,20% 0,49 Gasto com terceirização 100% 0,25% 0,62 Total de gastos adicionais 0,50% 1,22 Custos do Sistema Tributário 1,64% 4,01 Fonte: Pesquisa Toledo-FIESP; Elaboração: DECOMTEC/FIESP Grandes empresas As grandes empresas são as que menos apresentam custos para o pagamento de tributos como parcela do faturamento. No total, o custo é de R$ 10,86 bilhões, o que representa 0,83% do faturamento dessas empresas. O baixo custo se deve, conforme demonstra a pesquisa, ao restrito gasto com terceirização, especialmente se comparado aos outros portes: enquanto nas pequenas esse custo representa 0,75% do faturamento, nas médias representa 0,25% e nas grandes apenas 0,03% (totaliza R$ 0,44 bilhões). Além disso, os gastos com pessoal também são bastante menores como parcela do faturamento nas empresas de grande porte, apesar de funcionários e gestores ficarem quase que integralmente alocados especificamente nessa função. Os gastos com funcionários (considerando que destinam 94% do seu tempo) totalizam R$ 4,74 bilhões, o que representa 0,36% do faturamento, e os gastos com gestores (considerando que destinam 58% do seu tempo a essa função) totalizam R$ 2,93 bilhões, o que representa 0,23% do faturamento. Assim, é gasto com pessoal um total de R$ 7,67 bilhões ou o equivalente a 0,59% do faturamento das grandes empresas. Além dos gastos com funcionários e gestores destinados ao pagamento da folha, fiscal e à contabilidade e dos gastos com terceirização, as grandes empresas têm um custo de R$ 0,95 bilhões com advogados (devido à contestação judicial e demandas contra o fisco), o que significa 0,07% do seu faturamento e custos de R$ 0,30 bilhões com obrigações acessórias (0,02% do faturamento) e de R$ 1,49 bilhões com implementação de softwares (0,12% do faturamento). No total, portanto, as grandes 8

14 empresas, por terem escalas de produção maiores, acabam por serem as que menos gastam com a complexidade do sistema tributário brasileiro em termos relativos ao faturamento (0,83%). Tabela 4. Custos das grandes empresas com o sistema tributário Empresas que têm custos (%) % do Fat. (do total das Grandes) R$ bilhões Gasto com advogado (quando demandado ativo) 9,7% 0,01% 0,16 Gasto com advogado (quando contestado passivo) 10,8% 0,06% 0,79 Total gasto com custos judiciais 0,07% 0,95 Gasto com funcionários 97,8% 0,36% 4,74 Gasto com gestores 98,9% 0,23% 2,93 Total gasto com pessoal 0,59% 7,67 Gasto com obrigações acessórias 84,9% 0,02% 0,30 Gasto com implementação de software 87,1% 0,12% 1,49 Gasto com terceirização 100% 0,03% 0,44 Total de gastos adicionais 0,17% 2,23 Custos do Sistema Tributário 0,83% 10,86 Fonte: Pesquisa Toledo-FIESP; Elaboração: DECOMTEC/FIESP. 9

15 3. Conclusões Além da tributação excessiva que sofrem os produtos industriais no Brasil, a qual significa 40,3% do preço dos produtos manufaturados, segundo o estudo A Carga Tributária no Brasil: Repercussões na Indústria de Transformação, realizado pelo DECOMTEC/FIESP, a complexidade do sistema tributário brasileiro acaba por obrigar as empresas a arcar com um custo adicional à carga. O presente relatório, primeiro da série que analisará a Carga Extra da Indústria Brasileira, buscou avaliar os custos do sistema tributário brasileiro. Verificou-se que, devido à sua excessiva complexidade, 1,16% do faturamento da indústria de transformação se destina ao pagamento dos tributos, o que totaliza um custo de R$ 19,7 bilhões ao ano. Torna-se necessário, portanto, uma simplificação desse sistema, seja pela unificação de tributos sobre valor adicionado e renda, ou pela unificação da legislação tributária do ICMS das 27 Unidades da Federação. Dentre os principais custos destacaram-se os custos com funcionários e gestores, que consomem 0,77% do faturamento (R$ 13,1 bilhões) e o custo com a terceirização de serviços, que consome 0,13% do faturamento da indústria de transformação (R$ 2,22 bilhões), mas que incide principalmente sobre as MPEs. Se considerarmos ainda que nos insumos da indústria de transformação (que grande parte vem da própria indústria) já estão embutidos custos do pagamento de tributos na mesma proporção, constata-se, com base na Matriz de Insumo-Produto, do IBGE, que o custo total de pagamento de tributos das empresas é de 2,6% do preço. Ou seja, os custos diretos e indiretos do pagamento dos tributos representam 2,6% do preço final dos produtos industriais, o que, somado à carga, significa 42,9% do preço. O custo para se pagar tributos é especialmente elevado nas pequenas e médias empresas. Enquanto esse custo representa 0,83% do faturamento das grandes empresas, ele representa 1,64% do faturamento das médias empresas e 3,13% do faturamento das pequenas empresas. Isso se deve especialmente ao fato de que as empresas menores, além de terem que contratar alguns funcionários especializados para essas funções, terceirizam grande parte desses serviços, dada a falta de escala. Assim, a complexidade do sistema tributário brasileiro tem um elevado custo para a competitividade da indústria nacional, o qual é ainda maior para as pequenas e médias empresas, dificultando a concorrência com o produto importado e prejudicando os planos de exportação dessas empresas. A simplificação do sistema é, nesse sentido, condição essencial para a recuperação da competitividade do produto industrial brasileiro, seja para comercialização interna ou para exportação. 10

ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO - 2010

ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO - 2010 DECOMTEC Área de Competitividade ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO - 2010 Equipe Técnica Agosto de 2011 PRESIDENTE Paulo Skaf DECOMTEC DIRETOR TITULAR José Ricardo Roriz Coelho DIRETOR TITULAR ADJUNTO Pierangelo

Leia mais

Carga Extra na Indústria Brasileira Parte 2 Custos com Logística

Carga Extra na Indústria Brasileira Parte 2 Custos com Logística DECOMTEC 5.5.1.1.1.1.1.1 Departamento de Competitividade e Tecnologia Carga Extra na Indústria Brasileira Parte 2 Custos com Logística Equipe Técnica Janeiro de 2012 Federação das Indústrias do Estado

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro para Recolhimento de Tributos e o seu Custo Financeiro para a Indústria de Transformação.

Necessidade de Capital de Giro para Recolhimento de Tributos e o seu Custo Financeiro para a Indústria de Transformação. DECOMTEC 5.5.1.1.1.1.1.1 Departamento de Competitividade e Tecnologia Necessidade de Capital de Giro para Recolhimento de Tributos e o seu Custo Financeiro para a Indústria de Transformação Atualização

Leia mais

A NÃO INCIDÊNCIA DO IPI NA COMERCIALIZAÇÃO DA MERCADORIA IMPORTADA E SEU REFLEXO SOBRE A INDÚSTRIA NACIONAL

A NÃO INCIDÊNCIA DO IPI NA COMERCIALIZAÇÃO DA MERCADORIA IMPORTADA E SEU REFLEXO SOBRE A INDÚSTRIA NACIONAL DECOMTEC Departamento de Competitividade e Tecnologia A NÃO INCIDÊNCIA DO IPI NA COMERCIALIZAÇÃO DA MERCADORIA IMPORTADA E SEU REFLEXO SOBRE A INDÚSTRIA NACIONAL José Ricardo Roriz Coelho Vice-Presidente

Leia mais

Implicações do desempenho da Rentabilidade e da Margem de Lucro nos Investimentos da Indústria de Transformação

Implicações do desempenho da Rentabilidade e da Margem de Lucro nos Investimentos da Indústria de Transformação Departamento de Competitividade e Tecnologia Implicações do desempenho da Rentabilidade e da Margem de Lucro nos Investimentos da Indústria de Transformação José Ricardo Roriz Coelho Vice Presidente da

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS: AVALIAÇÃO DA MEDIDA E DAS ALTERAÇÕES DO PROJETO DE LEI Nº 863/2015 José Ricardo Roriz Coelho Vice-Presidente da FIESP Diretor Titular do

Leia mais

DECOMTEC 05 de novembro de 2011 Sistema Jurômetro

DECOMTEC 05 de novembro de 2011 Sistema Jurômetro Metodologia Sistema Jurômetro A metodologia caracteriza-se pelo rigor no tratamento dado às informações e pela transparência dos cálculos, o que garante a conferência e a avaliação de cálculos e estimativas

Leia mais

O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012

O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012 Departamento de Competitividade e Tecnologia O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012 Equipe Técnica Setembro de 2013 1 Sumário 1 Introdução 2 Custos do Sistema Tributário 3 Custos

Leia mais

DECOMTEC Departamento de Competitividade e Tecnologia. Nota Técnica: PAC Equipamentos. Equipe Técnica

DECOMTEC Departamento de Competitividade e Tecnologia. Nota Técnica: PAC Equipamentos. Equipe Técnica DECOMTEC 5.5.1.1.1.1.1.1 Departamento de Competitividade e Tecnologia Nota Técnica: PAC Equipamentos Equipe Técnica Junho de 2012 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP PRESIDENTE Paulo

Leia mais

Relatório FIESP sobre Custos Tributários do Investimento

Relatório FIESP sobre Custos Tributários do Investimento DECOMTEC Área de Competitividade Relatório FIESP sobre Custos Tributários do Investimento Equipe Técnica Outubro de 2010 PRESIDENTE Paulo Skaf DECOMTEC DIRETOR TITULAR José Ricardo Roriz Coelho DIRETOR

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia. Obstáculos à Inovação

Departamento de Competitividade e Tecnologia. Obstáculos à Inovação Departamento de Competitividade e Tecnologia Obstáculos à Inovação Janeiro de 2010 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP PRESIDENTE Paulo Skaf Departamento de Competitividade e Tecnologia

Leia mais

Encargos trabalhistas sobre folha de salários e seus impactos no Brasil e no mundo

Encargos trabalhistas sobre folha de salários e seus impactos no Brasil e no mundo DECOMTEC Área de Competitividade Encargos trabalhistas sobre folha de salários e seus impactos no Brasil e no mundo Equipe Técnica Julho de 2011 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP

Leia mais

Os incentivos fiscais à inovação no Brasil

Os incentivos fiscais à inovação no Brasil DECOMTEC 5.5.1.1.1.1.1.1 Departamento de Competitividade e Tecnologia Os incentivos fiscais à inovação no Brasil Avaliação do Relatório Anual de Utilização dos Incentivos Fiscais divulgado pelo Ministério

Leia mais

Pesquisa FIESP de Obstáculos ao Investimento

Pesquisa FIESP de Obstáculos ao Investimento DECOMTEC Área de Competitividade Pesquisa FIESP de Obstáculos ao Investimento Equipe Técnica Maio de 2010 PRESIDENTE Paulo Skaf DECOMTEC DIRETOR TITULAR José Ricardo Roriz Coelho DIRETOR TITULAR ADJUNTO

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia. Pesquisa FIESP sobre Impacto da PDP na Indústria Paulista

Departamento de Competitividade e Tecnologia. Pesquisa FIESP sobre Impacto da PDP na Indústria Paulista Departamento de Competitividade e Tecnologia Pesquisa FIESP sobre Impacto da PDP na Indústria Paulista Agosto de 2009 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP PRESIDENTE Paulo Skaf Departamento

Leia mais

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO TRIBUTAÇÃO, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL NO CONTEXTO SOCIAL RAZÕES DA CARGA TRIBUTÁRIA. DESENVOLVIMENTO E CONTROLE SOCIAL DO GASTO PÚBLICO

Leia mais

PESQUISA FIESP DE INTENÇÃO DE INVESTIMENTO 2015

PESQUISA FIESP DE INTENÇÃO DE INVESTIMENTO 2015 PESQUISA FIESP DE INTENÇÃO DE INVESTIMENTO 2015 Equipe Técnica Maio de 2015 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo FIESP PRESIDENTE Paulo Skaf Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC

Leia mais

O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012

O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012 DECOMTEC 5.5.1.1.1.1.1.1 Área de Competitividade O Peso da Burocracia Tributária na Indústria de Transformação 2012 Equipe Técnica Setembro de 2013 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP

Leia mais

DECOMTEC DECOMTEC. Departamento de Competitividade e Tecnologia

DECOMTEC DECOMTEC. Departamento de Competitividade e Tecnologia Departamento de Competitividade e Tecnologia Junho de 2014 1 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP PRESIDENTE EM EXERCÍCIO Benjamin Steinbruch Departamento de Competitividade e Tecnologia

Leia mais

Carga Extra na Indústria Brasileira Parte 3 Custos de serviços providos a funcionários devido a deficiências dos serviços públicos

Carga Extra na Indústria Brasileira Parte 3 Custos de serviços providos a funcionários devido a deficiências dos serviços públicos 77 DECOMTEC Departamento de Competitividade e Tecnologia Carga Extra na Indústria Brasileira Parte 3 Custos de serviços providos a funcionários devido a deficiências dos serviços públicos Equipe Técnica

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS: RESULTADOS E IMPACTOS DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS: RESULTADOS E IMPACTOS DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS D E C O M T E C Departamento de Competitividade e Tecnologia DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS: RESULTADOS E IMPACTOS DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS José Ricardo Roriz Coelho Vice-Presidente da FIESP Diretor

Leia mais

CUSTO BRASIL E TAXA DE CÂMBIO NA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

CUSTO BRASIL E TAXA DE CÂMBIO NA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA Departamento de Competitividade e Tecnologia CUSTO BRASIL E TAXA DE CÂMBIO NA COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA Março de 2013 1 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo -

Leia mais

Eficiência Tributária

Eficiência Tributária Eficiência Tributária Cenário Tributário Brasileiro Características negativas: Tributação excessiva Multiplicidade de tributos e de Obrigações Acessórias Tributação em cascata (tributo incide sobre outros

Leia mais

Influência do aumento do desemprego na Política Fiscal em 2015 e 2016

Influência do aumento do desemprego na Política Fiscal em 2015 e 2016 Influência do aumento do desemprego na Política Fiscal em 2015 e 2016 Abril de 2016 José Ricardo Roriz Coelho Vice Presidente da FIESP Diretor Titular do DECOMTEC Federação das Indústrias do Estado de

Leia mais

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Bernard Appy LCA Consultores TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Roteiro EFEITOS DO MODELO DE TRIBUTAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL A estrutura tributária

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Universidade de Coimbra Faculdade de Direito Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Eduardo Molan Gaban Sócio das áreas de Direito Antitruste e Comércio Internacional de Machado Associados

Leia mais

DECOMTEC Área de Competitividade

DECOMTEC Área de Competitividade DECOMTEC Área de Competitividade Plano Brasil Maior 2011/2014 Análise dos instrumentos Equipe Técnica Agosto de 2011 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP PRESIDENTE Paulo Skaf Departamento

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

A importância da indústria de transformação na ótica do emprego

A importância da indústria de transformação na ótica do emprego Departamento de Competitividade e Tecnologia A importância da indústria de transformação na ótica do emprego José Ricardo Roriz Coelho Janeiro de 2015 1 Federação das Indústrias do Estado de São Paulo

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes.

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Por Palmira Santinni No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um significativo aumento na criação de novas empresas e de optantes pelo

Leia mais

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Jorge Lins Freire Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia Congresso do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda Brasília, 14 de setembro

Leia mais

Relatório Corrupção: custos econômicos e propostas de combate

Relatório Corrupção: custos econômicos e propostas de combate DECOMTEC Área de Competitividade Relatório Corrupção: custos econômicos e propostas de combate Equipe Técnica Março de 2010 PRESIDENTE Paulo Skaf DECOMTEC DIRETOR TITULAR José Ricardo Roriz Coelho DIRETOR

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA IC-FIESP 2013. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA IC-FIESP 2013. José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E O EFEITO DO AMBIENTE COMPETITIVO NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA IC-FIESP 2013 José Ricardo Roriz Coelho

Leia mais

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo A grande janela de oportunidades (O Brasil decola) A grande janela de oportunidades Linha do tempo das conquistas

Leia mais

Planejamento Tributário: O desafio da Logística

Planejamento Tributário: O desafio da Logística Planejamento Tributário: O desafio da Logística Contextualização Tributos O Brasil é considerado o país mais oneroso no que diz respeito a impostos e tributos. Fonte: Receita Federal Contextualização Tributos

Leia mais

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária 1 XI CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária Osvaldo Santos de Carvalho

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

Manual de Atuação em Arranjos Produtivos Locais - APLs

Manual de Atuação em Arranjos Produtivos Locais - APLs Manual de Atuação em Arranjos Produtivos Locais - APLs Manual de Atuação em Arranjos Produtivos Locais - APLs Departamentode Competitividade etecnologia - DECOMTEC/FIESP Tel 55 11 3549 4514 www.fiesp.com.br

Leia mais

A Carga Tributária para a Indústria de Transformação

A Carga Tributária para a Indústria de Transformação nº 01 A A Indústria de Transformação brasileira deve encerrar 2014 com mais um resultado negativo para a produção, ratificando o quadro de baixa atividade fabril que caracterizou últimos quatro anos, período

Leia mais

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015)

Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro. Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno (2005-2015) Veja o que mudou no Brasil ao longo desses anos. #CadêoRetorno Estudo comemorativo 10 anos do Impostômetro (2005-2015) 1 Súmario 02 03 05 10 anos de Impostômetro trabalhados para pagar tributos Evolução

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

DECOMTEC. Análise Setorial de Mercado: Setor Cerâmico FIESP. Outubro de 2009. Área de Competitividade. Equipe Técnica FIESP

DECOMTEC. Análise Setorial de Mercado: Setor Cerâmico FIESP. Outubro de 2009. Área de Competitividade. Equipe Técnica FIESP DECOMTEC Área de Competitividade Análise Setorial de Mercado: Setor Cerâmico FIESP 2009 Equipe Técnica FIESP Outubro de 2009 PRESIDENTE Paulo Skaf DECOMTEC DIRETOR TITULAR José Ricardo Roriz Coelho DIRETOR

Leia mais

Custo Brasil 2002-2012. Agosto de 2013

Custo Brasil 2002-2012. Agosto de 2013 Custo Brasil 2002-2012 Agosto de 2013 Objetivo Este trabalho é a atualização, baseada em dados de 2012*, do Custo Brasil já medido pela ABIMAQ em março de 2010. Ele quantifica o diferencial de custo para

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica

A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Radar Inovação - Março de 2010 A evolução do uso dos incentivos fiscais à inovação tecnológica Bruna Soly, Carina Leão, Manuela Soares e Pollyana Souza A EVOLUÇÃO DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO

Leia mais

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões

Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Departamento Jurídico - DEJUR Workshop Reforma tributária: reflexos sobre empresas e regiões Painel - Reforma Tributária à luz do desenvolvimento regional Helcio Honda O que a Sociedade espera de uma Reforma

Leia mais

DEPARTAMENTO FISCAL: OUTRA FACE DOS GASTOS TRIBUTÁRIOS

DEPARTAMENTO FISCAL: OUTRA FACE DOS GASTOS TRIBUTÁRIOS IX CONVENÇÃO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 13 a 15 de agosto de 2003 Gramado RS DEPARTAMENTO FISCAL: OUTRA FACE DOS GASTOS TRIBUTÁRIOS LUCIMAR ANTÔNIO CABRAL DE ÁVILA Contador CRCMG 51.460 ADEÍLSON

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

Qualidade do Sistema Tributário é considerada muito ruim

Qualidade do Sistema Tributário é considerada muito ruim Qualidade do Sistema Tributário é considerada muito ruim O empresário industrial paraibano avalia como muito ruim quatro das sete variáveis investigadas quanto à qualidade do sistema tributário brasileiro.

Leia mais

Carga tributária sobe mais forte em 2014

Carga tributária sobe mais forte em 2014 Carga tributária sobe mais forte em 2014 Com fim de desonerações para carros e linha branca, peso dos tributos ante o PIB deve crescer até 0,5 ponto percentual Após arrecadação recorde da Receita Federal

Leia mais

O faturamento das respondentes equivale a cerca de 17% do PIB brasileiro.

O faturamento das respondentes equivale a cerca de 17% do PIB brasileiro. Autores Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo Alves Caetano André Felipe Dutra Martins Rocha Elias João Henrique Dutra Bueno Estudo realizado com 111 empresas. O

Leia mais

Propostas Governamentais

Propostas Governamentais Propostas Governamentais PRINCÍPIOS DEFENDIDOS PELO FÓRUM DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO SETOR EMPRESARIAL DE MINAS GERAIS Guilherme Velloso Leão Setembro/2014 Lógica do desenvolvimento O que os candidatos

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Portfólio de serviços - 1

Portfólio de serviços - 1 Portfólio de serviços - 1 www.valortributario.com.br { C om experiência de quem há mais de 12 anos oferece soluções empresariais para os mais diversos segmentos, a VALOR TRIBUTÁRIO destaca-se como uma

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP) PROJETO DE LEI Nº, DE 2010 (Do Sr. Guilherme Campos - DEM/SP) Estabelece o direito ao reembolso dos gastos efetuados por pessoas jurídicas para cumprimento de obrigações acessórias instituídas pela Secretaria

Leia mais

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança

Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Sistema tributário brasileiro: Distorções e necessidade de mudança Bernard Appy maio de 2015 Sistema tributário brasileiro Características desejáveis Características desejáveis de um sistema tributário

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped.

As informações foram coletadas por meio de uma pesquisa aplicada aos profissionais que estiveram presentes no 6º Fórum de Gestão Fiscal e Sped. Panorama da área fiscal e tributária A área fiscal no Brasil recebe constantemente mudanças e atualizações ligadas aos processos de fiscalização, tributação, contribuição, regulamentação entre outros.

Leia mais

Planilha Mensal de Ajuda de Custo (Res. 03/2011) Período de junho/2015

Planilha Mensal de Ajuda de Custo (Res. 03/2011) Período de junho/2015 Crédito no dia 30/07/15 Planilha Mensal de Ajuda de Custo (Res. 03/2011) Período de junho/2015 NOME Nº DE PROCESSO ALEXANDRE DA FONSECA MORETH 0012546-17.2012.8.19.0211 ALEXANDRE DA FONSECA MORETH 0007033-68.2012.8.19.0211

Leia mais

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT

Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Política de Inovação no Complexo Eletrônico: o papel da Portaria 950/06 MCT Publicado em BNDES Setorial 39 Ricardo Rivera Ingrid Teixeira Luis Otávio Reiff Carlos Eduardo Azen Diego da Silva Moreira Rio

Leia mais

GESTÃO TRIBUTÁRIA E PLANEJAMENTO FISCAL MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Julho 2012. ESPM Unidade Porto Alegre

GESTÃO TRIBUTÁRIA E PLANEJAMENTO FISCAL MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Julho 2012. ESPM Unidade Porto Alegre GESTÃO TRIBUTÁRIA E PLANEJAMENTO FISCAL MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Julho 2012 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51)

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13008 10 E Técnico de Instalações Elétricas Carlos Jorge Oliveira Rodrigues Escola Secundária de São Pedro do Sul 13791 10 E Técnico de Instalações Elétricas Daniel dos Santos Rodrigues Escola Secundária

Leia mais

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2

Análise Panorâmica. Sumário 1. Introdução... 2 Análise Panorâmica Análise Panorâmica Sumário 1. Introdução... 2 2. Indicadores de desempenho... 3 2.1 Carga Tributária da Empresa - Composição Anual... 3 2.2 Grau de Endividamento Tributário... 4 2.3

Leia mais

Elaborado por: João Batista Mezzomo - joaobm@sefaz.rs.gov.br

Elaborado por: João Batista Mezzomo - joaobm@sefaz.rs.gov.br CIDADANIA FISCAL UM PROJETO DA SEFAZ-RS Elaborado por: João Batista Mezzomo - joaobm@sefaz.rs.gov.br Entende-se por cidadania fiscal o pleno exercício da cidadania no que concerne ao financiamento da chamada

Leia mais

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX

Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Incentivos Fiscais à Inovação em Produtos e Processos TAX Planejamento Tributário O debate sobre a carga tributária brasileira é incessante desde os tempos em que esta não ultrapassava 25% do PIB nacional.

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS -

ESTUDO SOBRE OS TRABALHADOS PARA PAGAR TRIBUTOS - ESTUDO SOBRE OS PARA PAGAR TRIBUTOS - 2015 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL CRISTIANO LISBOA YAZBEK 05 de maio de 2015 NO ANO DE 2015 O BRASILEIRO TRABALHARÁ ATÉ

Leia mais

QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO. Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro

QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO. Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro SONDAGEM ESPECIAL Ano 9 Número 4 setembro de 2011 www.cni.org.br QUALIDADE DO SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Empresários reprovam o sistema tributário brasileiro 96% dos empresários criticam o elevado número

Leia mais

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Pesquisa 2013/2014 Existe uma percepção disseminada de que, além do peso de toda a carga tributária, as empresas

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de

TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de TERRAS COELHO ADVOGADOS é uma sociedade de advogados voltada para os mais variados ramos do direito, com atuação preventiva e contenciosa em todo o território nacional. Sociedade nascida da união de profissionais

Leia mais

ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Alessandro Dessimoni

ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES. Alessandro Dessimoni ARQUITETURA TRIBUTÁRIA DA LOGÍSTICA NO BRASIL DESAFIOS E OPORTUNIDADES Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. CENÁRIO ATUAL DA TRIBUTAÇÃO NO BRASIL; 2. ENTRAVES E PROBLEMAS DO SISTEMA TRIBUTÁRIO RELACIONADOS

Leia mais

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique:

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique: Prezados Leitores: A publicação Nota Tributária # Conselho Administrativo de Recursos Fiscais tem por objetivo atualizar nossos clientes e demais interessados sobre os principais assuntos que estão sendo

Leia mais

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas

Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas Sped altera realidade fiscal e contábil das empresas O governo brasileiro, por meio da Receita Federal do Brasil (RFB), está implantando mais um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes.

Leia mais

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS.

Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Software para distribuidoras de medicamentos SIMPLICIDADE E EFICIÊNCIA NA GESTÃO DAS DISTRIBUIDORAS DE MEDICAMENTOS. Sobre o MedOne GESTÃO SIMPLIFICADA, EFICIÊNCIA GARANTIDA. Gestão simplificada, segurança

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL A DÍVIDA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, 27 de março de 2012. CONDIÇÕES DE RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS ESTADUAIS 1997/98 1997 Lei 9.496/97 Os entes federados renegociaram suas dívidas contratuais

Leia mais

Legalização de Empresa (Plano Platinum) MEI (Micro Empreendedor Individual) Plano Platinum. Contabilidade (Plano Silver) Valor com desconto

Legalização de Empresa (Plano Platinum) MEI (Micro Empreendedor Individual) Plano Platinum. Contabilidade (Plano Silver) Valor com desconto Descrição Prazo Valor Integral Valor com desconto Legalização de Empresa (Plano Platinum) Até 30 dias corridos 1.200 850,00 Abertura Completa de sua empresa: Contrato Social, CNPJ, Alvará, Inscrição Estadual).

Leia mais

Custo das empresas para litigar judicialmente

Custo das empresas para litigar judicialmente Fevereiro 2014 Custo das empresas para litigar judicialmente COORDENAÇÃO Gilberto Luiz do Amaral Letícia Mary Fernandes do Amaral Cristiano Lisboa Yazbek ESTUDO: CUSTO DAS EMPRESAS PARA LITIGAR JUDICIALMENTE

Leia mais

.: Registro de Eventos Trabalhistas (RET): férias, aviso prévio, admissões, etc: análise e orientação sobre o preenchimento correto das informações;

.: Registro de Eventos Trabalhistas (RET): férias, aviso prévio, admissões, etc: análise e orientação sobre o preenchimento correto das informações; Gonzaga & Rocha Cursos e Treinamentos & FACEC - Faculdade de Ciência e Educação do Caparaó promovem: CURSO esocial.: Orientar os participantes sobre as principais regras e leiaute do esocial (Sistema de

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

2º Encontro de Contabilidade e Auditoria para Companhias Abertas e Sociedades de Grande Porte

2º Encontro de Contabilidade e Auditoria para Companhias Abertas e Sociedades de Grande Porte www.pwc.com º Encontro de Contabilidade e Auditoria para Companhias Abertas e Sociedades de Grande Porte Evoluções do SPED do ponto de vista de Custo de Conformidade Fiscal Agenda Pontos chave da Pesquisa

Leia mais