PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS"

Transcrição

1 4 PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS Cláudio Rafael de Faria 1 1- Introdução Na atualidade, cenário de concorrência e escassez de recursos, realizar um trabalho bem feito deixou de ser diferencial competitivo, tornando-se necessidade, sendo pressuposto inerente a todo tipo de organização. Assim, fundamental é, a toda empresa, ter políticas de marketing norteando os seus processos, e entender o comportamento de seus clientes, desde os processos de compra até a percepção de qualidade e satisfação de suas necessidades. Este trabalho buscou, assim, conhecer a opinião do cliente Dalma Pneus, a respeito do trabalho realizado pela empresa, e, a partir daí, servir como suporte a estratégias empresariais, que podem contribuir para aumentar ainda mais a participação da empresa no segmento a que pertence. Essas informações poderão estabelecer uma orientação e suporte às decisões gerenciais, seja a respeito de investimentos, estratégias, ou à necessidade de se agregar novos produtos ou serviços ao atual portfólio de negócios. A Dalma Pneus Comércio e Serviços Ltda, empresa que lidaria inicialmente com a venda de pneus, iniciou suas atividades no ano de 1992, com apenas 2 funcionários. Posteriormente, veio especializando-se também em venda de peças automotivas, serviços de alinhamento, balanceamento, borracharia, mecânica, suspensão e escapamento, com uma completa linha de ponteiras esportivas. Em 2001, a empresa passou a oferecer novos produtos, como rodas originais de ferro e linhas de rodas de liga leve, bem como respectivos pneus, também disponibilizadas em medidas especiais, como 1 Bacharel em Administração, turma de 2002 da Faculdade de Ciências Administrativas de Curvelo. 63

2 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO aros de 15, 16 e 17 polegadas, destinadas a garantir maior estabilidade do veículo em curvas, devido à maior superfície de contato dos pneus com o solo, favorecendo a aderência e oferecendo melhores resultados nas frenagens. Ao longo desses anos, a Dalma Pneus vem conseguindo oferecer a seus clientes um serviço individualizado, de qualidade notadamente crescente. Através de bons serviços prestados, da qualidade das peças e pneus comercializados e do ótimo atendimento prestado por seus atuais 12 funcionários, a empresa conta hoje com uma gama de mais de dois mil e quinhentos clientes cadastrados em Curvelo e região. Em seu ambiente específico, a Dalma Pneus tem grande concorrência, pela concentração de empresas do setor, onde incluem também as 3 concessionárias existentes na cidade: Fiat, Volkswagen e Chevrolet. E cada vez mais, o mix de serviços oferecido é maior. A qualidade dos serviços e a pontualidade são fatores primordiais na maioria das organizações. As empresas desse ramo investem também no atendimento e na aquisição de computadores para gerarem bancos de dados sobre clientes e veículos, agilizando o processo, pois uma simples consulta a esse banco de dados mostra um status do veículo, dando parâmetros para se chegar logo ao diagnóstico do defeito apresentado. Há variações nos preços praticados no portfólio produto/serviços oferecidos, embora não sejam variações significativas. 2. O Marketing e seus elementos Este capítulo se propõe a apresentar e a discutir diferentes concepções sobre o tema marketing, em visões confrontadas de diferentes autores e em diferentes épocas, bem como alguns elementos que constituem a essência do próprio tema como um todo, que são o produto, o serviço, mercado, necessidades e desejos. O marketing é a preparação dos meios necessários para permitir que a empresa aproxime, de acordo com ZILLER,(1969) citado por COBRA,(1997), as necessidades e os desejos do consumidor com as possibilidades de produção de bens ou serviços. No entanto, KOTLER (1992) relaciona marketing como processo onde a administração se baseia no princípio da tarefa primordial da empresa de determinar necessidades, desejos e valores de um mercado e adaptar-se, de forma efetiva e eficiente, para promover a satisfação de seu público-alvo. 64

3 PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS A essência do marketing, para CHURCHIL e PETER (2000), está ligada ao desenvolvimento de trocas, onde organização e cliente estejam voluntariamente envolvidos no processo de transações, onde o destino seja o benefício mútuo. Marketing consiste em todas as atividades pelas quais uma empresa se adapta a seu ambiente - criativa e rentavelmente. COREY apud KOTLER (1996, 21). Sendo uma das principais matérias constituintes do marketing, o produto é conceituado e discutido, a partir de agora, através de diferentes pontos de vista. Um produto é algo que possa satisfazer um desejo e isso ocorre dentro de um ciclo onde há um sentimento de carência, o que vem a configurar determinado desconforto. Para KOTLER (1992), esse desejo orienta a pessoa, fazendo-a perceber coisas exteriores a si, que possam satisfazer tais desejos, e essas passam a ter valor para os indivíduos. Já o próprio KOTLER (1996) discorre que a importância de um produto não reside exclusivamente em sua posse, mas também nos serviços que são oferecidos. Segundo a Associação Americana de Marketing, citada por LAS CASAS (1991), serviços são atividades, vantagens ou satisfações que são ofertadas à venda ou proporcionadas em conjunto com a venda de algum tipo de mercadoria. Outro aspecto fundamental no cerne do marketing, o serviço é discutido a seguir em relação a seu conceito, proporções no PIB de alguns países a título de exemplificações, importância e características. O serviço é parte do escopo do marketing, que, agregado ao produto, para COBRA (1997), se vê ampliado pela anexação desse serviço. Em países desenvolvidos, como os Estados Unidos, o setor de serviços é o responsável por 66% do PIB, e 68% no Canadá, enquanto no Brasil a proporção dos serviços é de 53%, de acordo com estudo de COBRA e ZWARG (1987), citado por LAS CASAS (1991). Há vários tipos de serviços, uns mais intangíveis que outros; e, independentemente disso, o serviço, em essência, é ação e desempenho 65

4 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO que se transfere. Essa transferência é feita em diferentes níveis, seja em duração ou intangibilidade. Assim, para LAS CASAS (1991), torna-se impossível considerar o marketing de forma única. Esse pensamento relaciona-se com o sentido de intangibilidade relacionado por SANDHUSEN (1998), o qual serviços são tidos como itens intangíveis, perecíveis, variáveis e atividades interativas que são oferecidas para venda, a fim de satisfazerem as necessidades dos mercados consumidores e organizacional. De nada adiantariam o marketing, o produto e o serviço sem a presença de um consumidor, que possa absorver o que lhe é ofertado. Dessa forma, o item mercado é agora discutido. Mercados são conjuntos de compradores reais e potenciais que têm formas e meios para comprar e demandar produtos, dentro da concepção de SANDHUSEN (1998). Para KOTLER (1992), o mercado é descrito como uma arena para trocas potenciais e, onde porventura exista potencial para o comércio, ele existirá. Ainda a respeito do que tange a mercado, no juízo de McCARTHY (1968), as muitas e variadas demandas que fluem dentro dos mercados necessitam de complexos equivalentes na estrutura do marketing. Como elos de causalidade e interligação entre produtos e serviços com o mercado consumidor, e a relação entre ambos para o marketing, esta etapa irá discorrer a respeito das necessidades e desejos. Necessidades e desejos não são pontos menos importantes para o marketing. Partindo do pressuposto de que necessidade seja um estágio onde o indivíduo se encontre em estado de privação de alguma satisfação básica, KOTLER (1996) estabelece que seres humanos exigem vestuário, alimentação, habitação, segurança, auto-estima, que são necessidades na textura biológica, inerentes à estrutura humana, e decorrentes uns dos outros, de acordo com a hierarquia das necessidades propostas por Abraham Maslow. De forma resumida, porém dotada de completa razão e lucidez, KOTLER (1996,25) estabelece que desejos são carências específicas para atender a estas necessidades mais profundas. Assim sendo, a gama dos desejos humanos é renovada e alterada constantemente por forças e instituições como igrejas, escolas e famílias. 66

5 PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS 3. Comportamento do Consumidor e Satisfação Para o sucesso ou mesmo sobrevivência de uma empresa, entender a forma como seu consumidor se porta, o que pensa e o que aspira é item primordial. E uma elocução alusiva a isso é agora iniciada. Na concepção de BENNETT e KASSARJIAN (1980), o pensamento para a escolha por parte do consumidor envolve duas decisões: comprar ou não certa mercadoria ou serviço; e de quem comprar, dentre os fornecedores existentes. Também para ENGELL (1999), o processo do comportamento do consumidor é rodeado por tomadas de decisões, influenciadas por fatores e determinantes, como diferenças individuais do comprador, influências ambientais e processos psicológicos. O comportamento do consumidor vem sendo estudado utilizando-se conceitos extraídos da Economia, Psicologia e Antropologia Cultural, como estabelecem BOYD JR. e MASSY (1978), a fim de tentar explicar o como e o porquê do consumidor demandar algo. Cobrem-se de verossimilhança ao relatarem o resultado de sua elucubração HOWARD e SHETH, (1969), citados por BENNETT e KASSARJIAN, (1980, 53): Se os resultados reais (da compra) forem julgados pelo comprador como pelo menos iguais aos esperados, o comprador ficará satisfeito, isto é, as conseqüências reais serão iguais ou maiores do que as conseqüências esperadas. Se, por outro lado, ele julgar os resultados reais menores do que ele esperava, o comprador se sentirá insatisfeito, isto é, as conseqüências serão menos do que o esperado... Se a marca demonstrar ser mais satisfatória do que o esperado, o comprador terá a tendência de salientar os atrativos da marca. Se demonstrar ser menos satisfatória do que o esperado, ele provavelmente diminuirá seus atrativos. A respeito de julgamento dos resultados da compra, GRÖNROOS (1995) cita que a boa qualidade percebida é obtida através da qualidade experimentada pelo cliente ao atender às suas expectativas, ou seja, à então chamada qualidade esperada. 67

6 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO 4. Pesquisa de Mercado Propomo-nos a vender algo ou prestar algum serviço a determinado mercado a fim de satisfazer suas necessidades. Usamo-nos dos conhecimentos sobre comportamento do consumidor e procuramos identificar seu nível de satisfação. Mas como isso deve ser feito? A resposta para essa pergunta é dada através de uma pesquisa de mercado. 68 O estudo de mercado é o estudo dos problemas relativos à transferência e à venda de bens e serviços do produtor ao consumidor, e compreende as conexões e relações entre produção e o consumo, a fabricação de produtos, sua distribuição e venda no atacado e no varejo, juntamente com os seus aspectos financeiros. (Comissão de Distribuição da Câmara de Comércio Internacional de Paris, 1948 apud TAGLIACARNE, 1976, p. 34). Ainda o pensamento de CHURCHIL e PETER (2000) discorre sobre pesquisa como forma de disponibilizar aos profissionais de marketing as informações sobre clientes atuais e potenciais, para que possam se antecipar ou responder às necessidades dos clientes, através de produtos/serviços demandados ou ainda estejam latentes na hierarquia de necessidades de seu público-alvo. Para a realização deste trabalho, foi feito um estudo descritivo, também chamado de pesquisa ad-hoc, onde foram descritas situações de mercado a partir de dados coletados. Esses estudos descritivos podem ser qualitativos e quantitativos. Para se atingir os objetivos propostos, foram utilizados os dois tipos de pesquisa. Na pesquisa qualitativa, também conhecida como estudo descritivo de caso, a característica fundamental é compreender relações de consumo, buscando-se identificar fatores de motivação em aspectos realistas. É uma pesquisa que reflete tendências não-mensuráveis e não-quantificáveis; ou seja, seus resultados não podem ser generalizados para a população. Assim sendo, torna-se possível o conhecimento da opinião dos consumidores sobre o produto ou serviço prestado, seus hábitos de compra e consumo. A etapa de pesquisa qualitativa teve um caráter

7 PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS exploratório, ao passo que levantou parâmetros para a construção do questionário da etapa quantitativa. Os dados para isso foram coletados por meio de entrevista pessoal com uma pequena amostra da população (cinco pessoas). Nessa etapa, foi utilizado um questionário não estruturado, chamado roteiro, em que ocorreram mudanças e inclusões de novas questões durante o andamento da pesquisa, a fim de se obter um maior contato com o assunto pesquisado. As vantagens dessa etapa foram o controle da amostragem, possibilidades de se instruir o entrevistado, incluir observações do mesmo e obter uma abordagem bem aprofundada do tema, favorecendo, ao fim, uma análise de conteúdo bastante elaborada. No entanto, na pesquisa quantitativa, ou estudo descritivo estatístico, busca-se a mensuração das relações de consumo pela análise estatística dos dados. Surge a necessidade desse tipo de estudo ser realizado a partir da elaboração de amostras da população. Os resultados serão analisados e interpretados a partir de médias percentuais das respostas obtidas, o que dará consistência ao estudo. A etapa de pesquisa quantitativa foi desenvolvida utilizando-se um questionário estruturado, de conteúdo não-disfarçado, com questões fechadas e duas abertas, uma relacionada à resposta da questão anterior, que determinaria se tal questão deveria ser respondida. O processo de entrevista deu-se por contato telefônico. Há desvantagens nesse tipo de pesquisa, como o desinteresse dos entrevistados em responder e possibilidade de se efetuar número limitado de perguntas. Esse método, porém, configura-se como meio rápido e econômico para obtenção dos dados. O objeto de pesquisa foram os clientes (pessoa física), residentes em Curvelo, cujos veículos foram submetidos a serviços da empresa Dalma Pneus, entre 18/03/2001 e 18/03/2002. Essa população é de 682 clientes. A amostra foi extraída pelo método de amostragem probabilística simples, com escolha aleatória dos elementos, na qual todos tiveram probabilidades iguais e diferentes de zero para serem selecionados. É a técnica mais perfeita no que tange a obter-se amostras representativas em populações não tão grandes. Dados: População (N) = 682 clientes; Erro (e) = 11,105%; Z = 1,96; p = 0,5 (50%); q = 0,5 (50%) 69

8 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Assim: n = Z² p q N = (1,96) ² 0, = 654,993 (N-1) e² + Z² (p q) 681 (0,11105) ² + (1,96) ² 0,25 8, ,96 n = 654,993 n = 69,989 clientes 9,359 Para cada tentativa de entrevista não concretizada, outro cliente era escolhido e a etapa reiniciada. Assim sendo, para que 70 entrevistas fossem realizadas, houve a necessidade de se realizar 106 tentativas. Como esse processo de escolha foi por amostragem probabilística aleatória simples, não houve nenhum tipo de quota pré-determinada para cada sexo. A todos os entrevistados, foi exposto o fato de a pesquisa ser realizada por estagiário do 4º ano da Faculdade de Ciências Administrativas de Curvelo, sem vínculo empregatício com a empresa, e que as identidades dos respondentes, e suas respostas, em nenhuma hipótese seriam informados à Dalma Pneus. Esta receberia apenas o número de clientes entrevistados, tabulação dos dados, resultados e sugestões decorrentes. Com isso, os entrevistados tiveram maior liberdade para responder. O tempo médio para as entrevistas, quando o próprio entrevistado atendeu o telefone, incluindo a identificação e explicações sobre a pesquisa, sigilo com relação ao entrevistado, agradecimentos e considerações foi de 2 minutos e 28 segundos. Quando outra pessoa atendia o telefone e interceptava o entrevistado, o tempo médio foi de 3 minutos e 14 segundos. As entrevistas foram realizadas em dias úteis e horários entre as 14 e 18 horas. Houve certa dificuldade, em alguns casos, devido ao fato de a ficha cadastral no banco de dados da Dalma Pneus conter apenas telefone residencial e, na listagem de todos os clientes cadastrados na ocasião (2.503 clientes), em 18/03/2002, 532 foram cadastrados sem que o endereço fosse preenchido, e 429 continham campos/telefone branco. 5. Análise A respeito da participação de homens e mulheres no total de entrevistados, 56 homens e 14 mulheres constituíram a amostra. Nas 36 tentativas de entrevistas que não se concretizaram, os motivos que 70

9 PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS levaram ao insucesso das mesmas foram: 23 não estavam em casa, 7 com número de telefone desatualizado, 5 se mudaram da cidade e 1 se recusou a responder. Dos clientes entrevistados que levaram seus veículos para serviços na Dalma Pneus, 64 já foram à empresa mais de uma vez. Já a freqüência com que esses 70 entrevistados costumam levar veículos para serviços na empresa, estabelecidos períodos de tempo determinados foi: 2 deles mensalmente, 8 trimestralmente, 8 semestralmente, 9 anualmente e 43, apenas em caso de defeito no veículo. Como proposto pelo questionário, nas questões 3 a 9 e 11 a 14, o entrevistado deveria atribuir notas a conceitos que demonstrariam seu índice de satisfação, sendo 1 para fraco, 2 para regular, 3 para bom e 4 para ótimo. A tabela a seguir mostra a opinião dos entrevistados, relacionando o atributo pesquisado, as notas e a média final obtida. Atributo Pesquisado Fraco Regular Bom Ótimo Média Conhec. técnico do atendente ,39 Simpatia do atendente ,53 Rapidez no atendimento ,23 Localização e acesso ,41 Horário de funcionamento ,23 Qualidade do serviço prestado ,53 Pontualidade na entrega ,66 Na questão 10, sobre uso de peças, dos 70 clientes, em 59 veículos estas foram necessárias. E desses, a respeito da disponibilidade de peças, o resultado foi o seguinte: Clientes entrevistados: Fraco Regular Bom Ótimo Média ,87 De volta à pesquisa dos demais atributos, o resultado foi: 71

10 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Atributo Pesquisado Fraco Regular Bom Ótimo Média Preço ,76 Condições de pagamento ,31 Limpeza e Espaço Físico ,61 Desses 70 clientes entrevistados, 68 deles recomendariam a empresa a outras pessoas. Do universo dos entrevistados, 62 deles compraram pneus. Desses, 55 julgam suficientes as marcas oferecidas e 7 julgam-nas insuficientes (dentre esses, 5 sugeriram anexação de marcas mais baratas, 1 de marcas importadas e 1 de pneus para caminhões). A última questão do questionário de pesquisa utilizado era justamente um espaço aberto ao cliente para que ele pudesse dar suas sugestões. E estas foram: Melhoria de prazos (5 clientes), Sala de espera (3), Plantão em fins de semana (1), Plantão 24 horas (3), Melhores preços e juros (3), Ducha e troca de óleo (16), Ducha (13), Troca de óleo (7), Recuperação de rodas (5) e Serviços elétricos (2). Os 12 restantes não deram sugestões. É importante citar que ducha, troca de óleo e ambas, simultaneamente, atingiram 51,43% das sugestões. Uma escala com base no somatório de todas as notas obtidas foi feita da seguinte forma: * Em 10 questões do questionário de pesquisa, 70 clientes atribuíram notas de 1 a 4 para os conceitos estabelecidos de fraco a ótimo. * Em 1 questão (a 11ª, relacionada a outra questão imediatamente anterior), 59 clientes atribuíram notas para os mesmos conceitos. Assim sendo: (10 x 70) + (1 x 59) = 759 eventos realizados de atribuição de notas E, desses 759 eventos, duas possibilidades distintas foram estabelecidas como base, na qual: Hipótese 1: O MÍNIMO: Se TODOS os clientes entrevistados atribuíssem a nota mínima aos atributos, teríamos assim: 759 eventos x 1 ponto = 759 pontos 72

11 PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS Hipótese 2: O MÁXIMO: Se TODOS os clientes em todos os eventos atribuíssem a nota máxima aos atributos, teríamos 759 eventos x 4 pontos = 3036 pontos O valor decorrente de tal somatório das notas dadas em cada um dos 759 eventos de respostas, totalizou 2557 pontos. Neste momento, tomando esse valor obtido, temos: 2557 pontos =,3689 ou 3,37 como média de resposta para cada questão. 759 eventos 6- Conclusões, Propostas e Sugestões A percepção do cliente Dalma Pneus mostrou-se relacionada aos atributos pesquisados. A isso se somou a amplitude dada ao respondente, no que tange a abordar desde localização e facilidades de acesso até questões como preço e qualidade dos produtos e serviços. A percepção se deu, então, através do entrelaçamento entre esses atributos, ou seja, nasceu de uma análise global de diferentes pontos, encadeados num processo cíclico. O atributo pontualidade foi o tópico de melhor aceitação entre os clientes entrevistados, atingindo 68,5% de opiniões como ótima e 28,57% como boa. A política adotada pela empresa para isso é atender ao cliente marcando um horário em que o veículo estará pronto e fazer com que o mesmo seja entregue antes desse horário. Esse fato é, em certo ponto, motivador para o cliente, pois notadamente, a empresa busca não simplesmente atender à expectativa criada, mas sim superá-la. Para isso, a Dalma Pneus tem um conhecimento prévio do tempo demandado em cada serviço, seja por meio de estudos de tempo, seja por meio empírico, através da experiência adquirida ao longo dos anos. E dentro desse tempo para se realizar o serviço, uma cota especial é adicionada, dedicada a uma margem de segurança, ou seja, um tempo extra que possa cobrir eventuais ajustes adicionais no veículo ou possível atraso da chegada de uma peça inexistente em estoque naquele dado momento. Por outro lado, o atributo preço teve o menor índice, ou seja, foi aquele no qual os clientes demonstraram um grau de satisfação bem menor em comparação aos demais. Como já é um ponto que merece atenção redobrada, é fundamental para a empresa trabalhar estrategicamente em torno deste cerne. Mas esse trabalho estratégico logicamente não implica apenas a redução de preços. Se a empresa já trabalha com um preço previamente calculado, envolvendo convenientemente custos, 73

12 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO margem de contribuição, despesas variáveis e impostos, o ponto tocante passa a ser trabalhar-se a equação de valor do marketing: Dessa maneira, é importante buscar ressaltar para o cliente os benefícios do trabalho realizado no veículo, como a qualidade das peças de reposição, precisão dos equipamentos, treinamento e capacitação de funcionários, segurança no veículo, pontualidade na entrega e principalmente a confiabilidade e solidez da empresa. O aumento dessa partícula Benefícios Percebidos, em contrapartida aos Custos Percebidos, faz com que o Valor Percebido (VP) pelo cliente se torne maior, e que a equação de valor passe a ser vista de uma forma satisfatória, ou seja, faz com que o cliente não pense que está pagando mais por um serviço, e sim pagando uma quantia compatível ou até mesmo inferior a respeito da qualidade e confiabilidade do serviço. O importante é essa comunicação ao cliente da grande quantidade de atributos tangíveis e intangíveis que a empresa detém e é ofertada a ele, que é algo bem maior do que a concorrência da Dalma Pneus oferece. Um índice de expressiva percentagem (61,43%), levantado pela pesquisa, diz respeito ao número de clientes que costumam levar seus veículos à Dalma Pneus para serviços apenas em caso de defeito aparente. Uma proposta para afrontar esse índice é uma estratégia que conscientize os clientes das vantagens de manutenção preventiva, ou seja, a troca de peças em certo grau de desgaste, pois uma peça defeituosa, além de diminuir a segurança projetada do veículo, pode vir a desgastar prematuramente outras peças e serviços como o alinhamento, que promovem um perfeito desgaste dos pneus, diminuindo a vida útil dos mesmos. A essa idéia, pode ser convenientemente agregada a de manutenção programada, que nada mais é do que, após a realização de serviços, uma forma de se interceptar o cliente, informando-o sobre o período em que o alinhamento e balanceamento permanecem válidos, agendando uma data possível para que esse cliente volte a realizar os serviços no veículo. Outras vantagens da manutenção preventiva e periódica são a possibilidade de se monitorar os retornos do cliente à empresa, poder definir mecanismos e facilidades para se criar um maior grau de fidelidade desse cliente, além do mais importante, que se refere a serem também periódicos e programados os fluxos de caixa positivos, na forma dos pagamentos. 74 VP = BP - CP, ou seja: Valor Percebido = Benefícios Percebidos - Custos Percebidos

13 PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS Houve também uma sugestão, com percentagem não tão expressiva (4,29%), mas que passa a ser um atributo de conveniência para o cliente: a criação de uma sala de espera para serviços rápidos, como troca de pneus. O espaço físico da empresa comporta essa sala de espera. No entanto, o fundamental é que, estando nesta sala à espera do veículo, o cliente está vulnerável a propagandas e propostas de produtos para seu veículo, tais como rodas esportivas ou ponteiras esportivas de escapamento. Com índice de 7,14%, foi citado o serviço de recuperação de rodas. O índice para essa sugestão ainda é relativamente baixo; contudo, com o estado atual das vias públicas e rodovias federais e estaduais, a tendência é que esse índice venha a crescer. A Dalma Pneus pode terceirizar esse serviço (empresas de recuperação de rodas são muito comuns em cidades como Belo Horizonte). Porém a principal sugestão dada pelos clientes diz respeito ao fato de a empresa agregar serviços de troca de óleo e ducha (entrega do veículo limpo). O serviço de ducha aparece com 18,57%, a troca de óleo com exatos 10% e ducha e troca de óleo, simultaneamente, com 22,86% das opiniões. Dessa forma, num somatório das três sugestões, a expressiva percentagem alcançada foi de 51,43%. Dessa maneira, a empresa cria maior comodidade para o cliente ao se fazer uma maior gama de serviços. O cliente passa a não ter a necessidade de buscar o veículo na Dalma Pneus e ainda levá-lo a alguma oficina ou posto para se efetuar a troca de óleo. À empresa caberia a comunicação adequada do mix completo de serviços, bem como criar pacotes promocionais para o conjunto dos mesmos. Pode acontecer até mesmo de o cliente levar seu veículo à empresa para um tipo de serviço e acabar por trocar o óleo e o filtro por extrema comodidade, até mesmo sem que o prazo médio para a troca tenha vencido. A entrega do veículo já limpo, após a realização dos serviços, já é feita por algumas oficinas mecânicas da cidade e transmite uma idéia de cuidado por parte da empresa para com o veículo. Além disso, o ponto crucial é que o terreno da Dalma Pneus pode convenientemente comportar uma rampa para troca de óleo, bem como uma área para o lavajato. Se cada uma dessas pequenas edificações comportasse um veículo por vez, 75

14 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO não sendo comunicáveis entre si, e esse último fosse posicionado de forma estratégica, justamente sobre o depósito de água da empresa, o problema seria resolvido de forma admirável. E o investimento para edificação e aquisição de equipamentos para esses serviços não carecerá de grandes desembolsos por parte da empresa. O retorno financeiro desse investimento é líquido e certo, a curto ou, no máximo, a médio prazo. No que tange à melhoria de prazos (com 7,14% de participação nas opiniões), cujo estudo de viabilidade foge aos propósitos dessa pesquisa de Marketing, essa opinião é encaminhada à empresa para análise de sua possível viabilidade. Já as demais sugestões, como plantão 24 horas e fins de semana, ou agregar serviços elétricos, pelo índice de requisição denotado na amostra, e estatisticamente representativo para a população, ter sido muito baixo, a empresa deve monitorar e observar o possível crescimento em futuras investigações. O presente trabalho configurou-se como uma grande oportunidade para a empresa, dado ao fato de pesquisas de marketing a respeito de satisfação de clientes até hoje não terem sido realizadas na Dalma Pneus. Através da etapa qualitativa de pesquisa, foram levantados os principais atributos que os clientes buscam ao irem à empresa, enquanto a etapa quantitativa analisou os dados a respeito desses atributos, de forma estatística, apresentando resultados concretos baseados em médias aritméticas. E sobre estas médias, o melhor e o pior índices obtidos foram devidamente comentados. Os objetivos primordiais, através do processo de pesquisa, foram estabelecer orientações e suportes úteis às decisões gerenciais a respeito de investimentos ou estratégias, bem como buscar conhecer como é e através de quais atributos se dá a percepção do cliente de Dalma Pneus a respeito da qualidade dos produtos e serviços. É fato comprovado que quão mais satisfeito um cliente se encontra após a realização de um serviço ou aquisição de um produto, maiores são as chances de que esse cliente retorne à empresa quando novamente reconhecer tais necessidades. Assim, essa venda ou serviço, sendo bem feitos, é algo preponderante para o processo de busca por parte do indivíduo, ao passo que a primeira etapa dessa modalidade é a busca de informações baseada na memória e nas experiências passadas. 76

15 PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS Como autor deste trabalho, torço para que todas as informações obtidas sejam de extrema valia para a empresa Dalma Pneus, e espero que nada obste para que as propostas apresentadas possam ser implementadas, bem como essa implementação traga o máximo de benefícios à empresa. Que ela aproveite convenientemente este pequeno estudo para que possa entender, de uma melhor forma, os processos e comportamentos de seus consumidores, oferecendo-lhes cada vez mais um serviço de qualidade e que vá ao encontro de seus anseios. Convido a todos que se interessarem por esta elucubração a lerem-na na íntegra, visto que a mesma se encontra à sua inteira disposição na Biblioteca da Faculdade de Ciências Administrativas de Curvelo, dentre as demais dos formandos do ano de Anexos Consta aqui o questionário de pesquisa utilizado para toda a amostra. 1. Você já levou seu veículo à Dalma Pneus mais de uma vez? 2. Qual a freqüência aproximada com que você leva seu veículo à Dalma Pneus para serviços? Mensalmente / Trimestralmente / Semestralmente / Anualmente / Somente em caso de defeito aparente Nas questões 3 a 9 e 11 a 14, favor atribuir nota 1 (fraco), 2 (regular), 3 (bom) ou 4 (ótimo) a respeito dos seguintes atributos: 3. Sobre o conhecimento técnico do atendente. 4. Sobre a simpatia do atendente. 5. Sobre a rapidez no atendimento. 6. Sobre a localização e acesso à loja. 7. Sobre o horário de funcionamento. 8. Sobre a qualidade do serviço prestado. 9. Sobre a pontualidade na entrega do veículo. 10. Durante o serviço, foi necessário o uso de alguma peça? 11. Sobre a disponibilidade de peças em estoque. 12. Sobre o preço dos serviços e peças. 13. Sobre as condições de pagamento oferecidas. 14. Sobre a limpeza e espaço físico da loja. 15. Você recomendaria a Dalma Pneus a algum amigo ou pessoa de seu convívio? 16. Você já comprou pneus na Dalma Pneus? 17. Se SIM, as marcas oferecidas foram suficientes? 18. Se NÃO, por favor, dê sugestão de outras marcas para também serem comercializadas. 19. Você gostaria de dar alguma sugestão de serviços e melhorias para que a Dalma Pneus possa atendê-lo de uma melhor forma? 77

16 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO 8. Bibliografia BENNETT, Peter D.; KASSARJIAN, Harold H. O Comportamento do Consumidor. 1ª ed. São Paulo: Ed. Atlas, BOYD JR., Harper W. ; MASSY, Willian F. Administração de Marketing. 1ª ed. São Paulo: Ed. Saraiva, BREEN, George Edward; BLANKENSHIP, Albert B. Faça você mesmo: Pesquisa de Mercado, 1ª ed. São Paulo: Makron, McGraw Hill Ltda, CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 3ª ed. São Paulo: Ed. McGraw-Hill, CHURCHIL JR., Gilbert A.; PETER, J. Paul. Marketing: Criando valor para os clientes. 2ª ed. São Paulo: Ed. Saraiva, COBRA, Marcos. Marketing Básico, uma abordagem brasileira. 4ª ed. São Paulo: Ed. Atlas,1997. COBRA, Marcos; ZWARG, Flávio A. Marketing de Serviços: Conceitos e estratégias. 1ª ed. São Paulo: Ed. McGraw-Hill, ENGELL, James F.; BLACKWELL, Roger D.; MINIARD, Paul W. Comportamento do Consumidor. 8ª ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Ed., GIANESI, Irineu G. N. ; CORRÊA, Henrique Luiz. Administração Estratégica de Serviços: operações para a satisfação do cliente. 1ª ed. São Paulo: Ed. Atlas, GRÖNROOS, Christian. Marketing: Gerenciamento e serviços: a competição por serviços na hora da verdade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Campus, KOTLER, Philip. Administração de Marketing: Análise, planejamento, implementação e controle. 4ª ed. São Paulo: Ed. Atlas, KOTLER, Philip. Marketing Edição Compacta. 1ª ed. São Paulo: Ed. Atlas,

17 PESQUISA DE MERCADO SOBRE A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE DALMA PNEUS LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing de Serviços. 1ª ed. São Paulo: Ed. Atlas, LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing: Conceitos, exercícios e casos. 4ª ed. São Paulo: Ed. Atlas, LORIE, James H. ; ROBERTS, Harry V. Basic Methods of Marketing Research. 1ª ed. New York: Mc Graw-Hill Book Company, 1951 LOVELOCK, Christopher; WRIGHT, Lauren. Serviços, Marketing e Gestão. 1ª ed. São Paulo: Ed. Saraiva, MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de Marketing: metodologia, planejamento. 3ª ed. São Paulo: Ed Atlas, McCARTHY, E. Jerome. Basic Marketing: A managerial approach. 3ª ed. Illinois: Richard D. Irwin Inc., 1968 NORMANN, Richard. Administração de Serviços: estratégia e liderança na empresa de serviços. 1ª ed. São Paulo: Ed Atlas, ROCHA, Angela da; CHRISTENSEN, Carl. Marketing: teoria e prática no Brasil. 1ª ed. São Paulo: Ed. Atlas, 1992 SAMARA, Beatriz Santos; BARROS, José Carlos de. Pesquisa de Marketing - Conceitos e metodologia. 2ª ed. São Paulo: Makron Books, SANDHUSEN, Richard L. Marketing Básico. 1ª ed. São Paulo: Ed. Saraiva, TAGLIACARNE, Guglielmo. Pesquisa de mercado: técnica e prática. 2ª ed. São Paulo: Atlas, ZOBER, Martin. Administração Mercadológica. 1ª ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Ltda, Consultas: IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. PIB. pas/analisepas99.shtm [acesso em 28 de maio de 2002] 79

18 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Dalma Pneus Comércio e Serviços Ltda. Alinhamento computadorizado. [acesso em 28 de maio de 2002] Secretaria da Receita Federal. Tabela progressiva para cálculo do Imposto de Renda. [acesso em 29 de maio de 2002] Paulo Angelim. Consultoria de Marketing. [acesso em 30 de maio de 2002] 80

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING PREÇO PSICOLÓGICO COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING César Augusto de Albuquerque ARAÚJO (1) (1) Instituto Federal do Maranhão (IFMA/Campus-Buriticupu), Rua Dep.Gastão Vieira, 1000-Vila Mansueto; Buriticupu-MA;

Leia mais

16/2/2011. Introdução à pesquisa de marketing. Relembrando. Planejando ações de marketing

16/2/2011. Introdução à pesquisa de marketing. Relembrando. Planejando ações de marketing Introdução à pesquisa de Disciplina: Pesquisa de Prof. Ms. Marco A. Arbex Relembrando Marketing é um processo social e de gestão, através do qual os indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e querem

Leia mais

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA.

SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. 93 SCHOOL CHEF S: ESCOLA DE CULINÁRIA DE PRATOS TÍPICOS LTDA. ¹Camila Silveira, ¹Giseli Lima ¹Silvana Massoni ²Amilto Müller RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar os estudos realizados

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Tema Nº 7 Gestão Comercial

Tema Nº 7 Gestão Comercial Tema Nº 7 Gestão Comercial Habilidades a Desenvolver: Identificar as diferenças entre marketing e vendas. Definir as ações de marketing a serem adotadas pela empresa. Estruturar os procedimentos comerciais

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO

1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO 1 O PROBLEMA 1.1 INTRODUÇÃO Ao analisar-se o mercado imobiliário de apartamentos novos, em particular os lançamentos voltados para a classe média no Município do Rio de Janeiro, observa-se que a indústria

Leia mais

O comportamento do comprador de automóveis novos II

O comportamento do comprador de automóveis novos II O comportamento do comprador de automóveis novos II Fauze Najib Mattar I - INTRODUÇÃO Quais variáveis são levadas em conta na escolha da loja na hora de adquirir ou trocar automóveis novos? Quantas lojas

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Amostragem. Prof. Joel Oliveira Gomes. Capítulo 9. Desenvolvimento

Amostragem. Prof. Joel Oliveira Gomes. Capítulo 9. Desenvolvimento Capítulo 9 Amostragem Desenvolvimento 9.1 Introdução 9.2 Censo versus Amostra 9.3 Processo de planejamento de uma amostragem 9.4 Técnicas Amostrais 9.5 Amostragem Não-probabilística 9.6 Amostragem Probabilística

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO I FICHA DE INSCRIÇÃO CATEGORIAS TÉCNICO TECNÓLOGO TEMAS LIVRE INCLUSÃO SOCIAL COOPERATIVISMO 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Nome da Instituição 1.2 Nome do Reitor(a)/Diretor(a)-Geral/Diretor(a) 1.3

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

08 a 11 de outubro de 2014

08 a 11 de outubro de 2014 COMO ELABORAR UMA PESQUISA DE MERCADO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 O QUE É??? A coleta sistemática e o registro, classificação, análise e apresentação objetiva de dados sobre hábitos,

Leia mais

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso.

Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. 1 Nível de Satisfação dos Clientes da Empresa Visual Mídia Formação Profissional: Um Estudo de Caso. Daiane Maria ALONGE 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 Resumo Com a atual concorrência, entender os desejos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

Marketing de Relacionamento e Fidelização na Empresa Via Sul Automóveis

Marketing de Relacionamento e Fidelização na Empresa Via Sul Automóveis Marketing de Relacionamento e Fidelização na Empresa Via Sul Automóveis Danielle Cajueiro de Oliveira, Especialista em Comunicação Social pela ESURP, MBA de Gestão de Marketing e Vendas do CEDEPE, prestando

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Estudo do Mercado de Clínicas Veterinárias. Sebrae/DF - UAM

Estudo do Mercado de Clínicas Veterinárias. Sebrae/DF - UAM Estudo do Mercado de Clínicas Veterinárias Sebrae/DF - UAM Sumário Introdução... 03 Objetivos... 04 Metodologia... 05 Análise Perfil... 08 Análise Avaliação da Imagem...16 Análise Avaliação do Consumo...

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS - GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS - GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS - GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MICHELA APARECIDA SCHUTZ ESTUDO DO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NA TOMADA DE DECISÃO DE COMPRA DO CLIENTE

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG

MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG MOTIVAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DE BAMBUÍ-MG Wemerton Luis EVANGELISTA()*; Franciele Ribeiro DA COSTA (2). () Professor do Curso Superior de Tecnologia em Administração: Pequenas e

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios Modelo de Plano de Negócios COLEÇÃO DEBATES EM ADMINISTRAÇÃO Empreendedorismo Modelo de Plano de Negócios Elaboração Marcelo Marinho Aidar Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP) F U N

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO

EMPREENDIMENTO COMERCIAL: QUAL O MELHOR CAMINHO A SEGUIR EM SEUS MOMENTOS INICIAIS? RESUMO FÁBIO RODRIGO DE ARAÚJO VALOIS Discente do Curso de Ciências Contábeis - UFPA RESUMO Não é de uma hora pra outra que um comerciante abre as portas de seu empreendimento. Se fizer deste modo, com certeza

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO TÉCNICO ATENDENTES CALL CENTER

MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO TÉCNICO ATENDENTES CALL CENTER Manual Técnico MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO TÉCNICO ATENDENTES CALL CENTER Versão 1.0 Agosto de 2011 ÍNDICE MEMORIAL DESCRITIVO TREINAMENTO TÉCNICO ATENDENTES CALL CENTER 2 1 INTRODUÇÃO 4 1.1 HISTÓRICO

Leia mais

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados

Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Operações de Merchandising estratégias competitivas para o aumento da vendas em supermercados do pequeno varejo de secos e molhados Fabiano Akiyoshi Nagamatsu Everton Lansoni Astolfi Eduardo Eufrasio De

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO

A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO A IMPORTÂNCIA DO MARKETING DE RELACIONAMENTO PARA AS ORGANIZAÇÕES: FOCO NO CLIENTE EXTERNO 1 GOLVEIA, Francielli José Primo. 2 DA ROSA, MsC. Wanderlan Barreto. RESUMO Nesta pesquisa, será abordada a importância

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO Números Reais; Expressões Algébricas; Equação do 1º grau; Equação do 2º grau; Logaritmos; Conjuntos; Funções;

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO

PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO PÓS-GRADUAÇÃO SIMONSEN PLANO DE NEGÓCIO RESUMO DO EMPREENDIMENTO 01 EMPREENDIMENTO 02 NEGÓCIO E MERCADO: DESCRIÇÃO 2.1 ANÁLISE MERCADOLÓGICA 2.2 MISSÃO DA EMPRESA 03 CONCORRÊNCIA 04 FORNECEDORES 05 PLANO

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo,

Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, Toda estratégia que visa melhorar vendas tem como objetivo final a retenção e fidelização de clientes. Por isso, conhecer em detalhes o público-alvo, suas necessidades e preferências, é o primeiro passo

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

A intangibilidade dos serviços

A intangibilidade dos serviços A intangibilidade dos serviços Rosaly Machado (UTFPR)rosalymachado@uol.com.br Prof. Dr. Dalcio Roberto dos Reis (UTFPR) dalcioreis@terra.com.br Prof. Dr. Luiz Alberto Pillati (UTFPR) lapilatti@pg.cefetpr.br

Leia mais

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo

Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo Professor Severino Domingos Júnior Disciplina: Gestão de Compras e Estoques no Varejo 1) Definições de Previsão de Demanda 2) Mercados 3) Modelo de Previsão 4) Gestão da Demanda 5) Previsão como Processo

Leia mais

Satisfação do Consumidor com os Serviços Oferecidos em uma Academia de Ginástica e Musculação

Satisfação do Consumidor com os Serviços Oferecidos em uma Academia de Ginástica e Musculação Satisfação do Consumidor com os Serviços Oferecidos em uma Academia de Ginástica e Musculação Diana Stachetti Gomes da Silva claudia.cobero@terra.com.br FAQ Claudia Cobêro diana_stachetti@hotmail.com FAQ

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa Tópicos Abordados Pesquisa de Mercado Aula 2 Prof. Me. Ricieri Garbelini 1. Diferença entre qualitativa e quantitativa 2. Dados X informação 3. Tipos de coleta 4. Classificação dos dados 5. Amostragem

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

DIFERENCIAL PROPORCIONADO POR SERVIÇOS OFERECIDOS EM UMA LOJA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

DIFERENCIAL PROPORCIONADO POR SERVIÇOS OFERECIDOS EM UMA LOJA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ISSN 1984-9354 DIFERENCIAL PROPORCIONADO POR SERVIÇOS OFERECIDOS EM UMA LOJA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Jessica Nayara Linhares de Araújo (Universidade Potiguar - UnP) Silvio Roberto Araújo de Medeiros

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

1 - O Produto. 1 Aula Conceito de Produto

1 - O Produto. 1 Aula Conceito de Produto 1 1 - O Produto O Empreendedor enxerga um produto ou uma oportunidade de negócio onde o não- Empreendedor nada enxerga além da simples matéria ou do vazio. Segundo Philip Kotler (2000), a base de qualquer

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade

O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e Sustentabilidade Acadêmico Autor: Horácio Braga LALT - Laboratório de Aprendizagem em Logística e Transportes Faculdade de Engenharia Civil - UNICAMP O Marketing no Setor de Transporte de Cargas: Serviços Intangíveis e

Leia mais

SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA SERCOMTEL CELULAR

SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA SERCOMTEL CELULAR 1 V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M A R K E T I N G SATISFAÇÃO DO CLIENTE NOS SERVIÇOS PRESTADOS PELA SERCOMTEL CELULAR Autores: Silvio Roberto Stefano Professor orientador. Mestre em Administração.

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

Logística e Distribuição

Logística e Distribuição Logística e Distribuição 02 Disciplina: LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Plano de curso PLANO DE CURSO Objetivos Proporcionar aos alunos os conhecimentos básicos sobre logística e distribuição como elemento essencial

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo

Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo AVISO DE SESSÃO PÚBLICA Nº 001/2015 Processo Administrativo nº 5199/2014 Recebimento de Propostas e Orçamentos para Produção de Pesquisa decorrente da Concorrência Pública nº 001/2012 Serviços de Publicidade

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

GESTÃO DE FILAS: UM ESTUDO DE CASO EM TORNO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS NUMA AGÊNCIA BANCÁRIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE

GESTÃO DE FILAS: UM ESTUDO DE CASO EM TORNO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS NUMA AGÊNCIA BANCÁRIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE GESTÃO DE FILAS: UM ESTUDO DE CASO EM TORNO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS NUMA AGÊNCIA BANCÁRIA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE - PE Debora Barbosa Guedes (UEPB ) deborabguedes@yahoo.com.br Anna Cristina

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

O estágio do serviços de atendimento ao consumidor na indústria de bens de consumo de massa

O estágio do serviços de atendimento ao consumidor na indústria de bens de consumo de massa O estágio do serviços de atendimento ao consumidor na indústria de bens de consumo de massa Aprovado para o CLADEA 1998 Fauze Najib Mattar INTRODUÇÃO Toda e qualquer empresa deve prestar um adequado e

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução.

O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Pesquisa de Mercado O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto decorre um modelo genérico de decisão,

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE

MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 118 MARKETING: UMA FERRAMENTA DA ADMINISTRAÇÃO APLICADA EM UMA ESCOLA DE INFORMÁTICA DE PEQUENO PORTE Diogo Xavier

Leia mais

Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1

Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1 Lavanderia Primavera: um estudo de caso de uma marca de sucesso 1 Diego Pereira de MELO 2 Flávio Mendes FEITOSA 3 Gustavo dos Santos FERNANDES 4 Faculdade de Ciências Educacionais e Empresariais de Natal

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES

Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: GUIA EXAME 2010-150 MELHORES Fonte: 100 MELHORES REVISTA ÉPOCA GREAT PLACE TO WORK 2006 É uma ferramenta de diagnóstico que mensura a percepção dos colaboradores sobre o relacionamento com a organização,

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: JUST - IN - TIME NO SISTEMA DE PRODUÇÃO FAST - FOOD CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES): FLÁVIO

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DANUBIA SANTANA NATALIA TEIXEIRA GUIMARÃES

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DANUBIA SANTANA NATALIA TEIXEIRA GUIMARÃES UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ DANUBIA SANTANA NATALIA TEIXEIRA GUIMARÃES INSTRUMENTO DE PESQUISA PARA SALÕES DE BELEZA: uma perspectiva teórica Balneário Camboriú 2008. DANUBIA SANTANA NATALIA TEIXEIRA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA A QUALIDADE CURITIBA ABRIL - 2000 ODILIO SEPULCRI TRABALHO DE AVALIAÇÃO MARKETING PARA

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3.

TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1. Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. TREINAMENTO SOBRE PRODUTOS PARA VENDEDORES DO VAREJO COMO ESTRATÉGIA PARA MAXIMIZAR AS VENDAS 1 Liane Beatriz Rotili 2, Adriane Fabrício 3. 1 Pesquisa realizada no curso de Administração da Unijuí 2 Aluna

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

MECÂNICA PRASS: REPARADORA VEICULAR 24HORAS.

MECÂNICA PRASS: REPARADORA VEICULAR 24HORAS. MECÂNICA PRASS: REPARADORA VEICULAR 24HORAS. Estela Rögelin Prass 1 Evandro Boneberg Prass 2 Amilto Müller 3 RESUMO: O presente artigo tem como objetivo, apresentar um plano de negócio, os estudos e análise

Leia mais

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA

TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA 1 TÉCNICA DE VENDAS: UMA ABORDAGEM DIRETA Alan Nogueira de Carvalho 1 Sônia Sousa Almeida Rodrigues 2 Resumo Diversas entidades possuem necessidades e interesses de negociações em vendas, e através desses

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios

Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito de Bebidas no Município de Benevides sob a ótica do plano de negócios UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Diego Begot da Silva Dantas Francisco Mateus da Costa Mota Estudo da viabilidade econômico-financeira de um Depósito

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011

Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo. Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 Análise de Fluxos de Caixa em ambientes de incerteza e sua aplicação no Controle Externo Valéria Cristina Gonzaga - TCEMG ENAOP 2011 ANÁLISE DE FLUXOS DE CAIXA EM AMBIENTES DE NCERTEZA E SUA APLICAÇÃO

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais