SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA: FATORES A SEREM CONSIDERADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA: FATORES A SEREM CONSIDERADOS"

Transcrição

1 ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA: FATORES A SEREM CONSIDERADOS MARCOS FAVA NEVES 1, LUCIANO THOMÉ E CASTRO 2 e CARLA CRISTINA MARTONI PEREIRA GOMES 3 RESUMO Marca própria é, atualmente, um dos aspectos mais discutidos e de maior impacto nas estratégias comerciais dos distribuidores. Trata-se de importante ferramenta para o distribuidor num setor cada vez mais competitivo, com diferentes papéis para a indústria de alimentos e de outros segmentos. Por tratar-se de um ativo de alta especificidade, esta estratégia altera a relação entre a indústria de alimentos e o distribuidor em vários aspectos. O objetivo deste artigo é discutir as principais decisões relativas a marcas e destacar elementos importantes no relacionamento dos fornecedores para o suprimento de suco de laranja de marca própria para varejistas. O artigo discute que o tema marcas próprias aumenta a competição entre as indústrias de alimentos e incrementa o poder de barganha dos varejistas. Marcas líderes de mercado também são ameaçadas pelo aumento de marcas próprias vendidas dentro dos segmentos premium, bem como a segunda ou terceira marca no mercado, que são ameaçadas pelo menor preço das marcas próprias. Termos de indexação: marcas próprias, varejo, indústria de suco de laranja. 1 Professor Doutor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, FEA/USP. Pesquisador do Programa de Agronegócio (PENSA). Av. dos Bandeirantes, 3900, Ribeirão Preto (SP). 2 Professor das Faculdades COC Ribeirão Preto (SP). Pesquisador do Programa de Agronegócio (PENSA). 3 Graduanda da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, FEA/USP. Programa de Agronegócio (PENSA). ARTIGO TÉCNICO

2 20 MARCOS FAVA NEVES et al. SUMMARY PRIVATE LABELS: WHAT FACTORS SHOULD BE CONSIDERED? The use of private labels is perhaps one of the most discussed issues with a major impact on retailers activities. It has been an important tool for the distributor in a very competitive sector and has played different roles for the food industry. For being a high specificity asset, private labels change the relationship between an orange juice supplier and its distributor. The article discusses private labels increased competition in the orange juice market and enhanced retail s bargaining power. Market leaders are threatened by the increasing private label sales even within premium segments, while cheaper private labels on the other side threaten the second or third brands in the market. Index terms: private labels, retail, orange juice industry. 1. INTRODUÇÃO Marca própria, atualmente, um dos aspectos mais discutidos nas atividades dos varejistas, é importante ferramenta para o distribuidor num setor cada vez mais competitivo. Ademais, tem diferentes papéis para a indústria de alimentos e de outros segmentos relevantes. As marcas próprias são desenvolvidas e gerenciadas por distribuidores (varejistas, atacadistas e setor de serviços) que colocam suas estampas nos produtos e as vendem aos consumidores finais (MACHADO FILHO et al., 1996; TOLEDO et al., 1997). A relação entre a indústria de alimentos, mais particularmente, entre a indústria de suco de laranja e o setor varejista, é discutida por PAVAN et al. (2001) que levantam os principais critérios de decisão e o comportamento dos varejistas. Entre as conclusões dos autores, destaca-se a não cooperação entre uma parte e outra (especialmente no compartilhamento de informações a respeito do comportamento de compra do consumidor final), mas uma barganha por preços e cobrança de taxas por parte das grandes redes varejistas.

3 SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA Essa disputa por preços e o não-desenvolvimento de mecanismos de cooperação podem ser vistos pelo enfoque da Economia dos Custos de Transação (ZYLBERSZTAJN, 1995). Tratando-se de um produto não diferenciado e que não motiva as partes a efetuarem investimentos de alta especificidade, não se desenvolvem interdependência e cooperação, mesmo sendo transações em sua maioria recorrentes (WILLIAMSON, 1985; AZEVEDO, 1996; FARINA et al., 1997). Além disso, existe o desequilíbrio de poder de barganha nessa relação, já que o poder das grandes redes é elevado, se comparado ao poder dos fornecedores de suco, mormente dos menores (El-ANSARY & STERN, 1972; STERN et al., 1996; NEVES, 1999). Um produto com marca própria possui alta especificidade (investimento na marca e imagem) (JOHANSON & BURT, 2001; COLLINS, 2002), que motiva a interdependência entre as partes no caso varejistas e indústria de suco de laranja (WILLIAMSON, 1985; LASSAR & KERR, 1996). Segundo COLLINS (2002), o valor e a integridade de uma marca própria são parcialmente determinados pelas atividades da indústria envolvida na produção desses produtos, estando, porém, previamente regulados por meio de contrato. Nos países europeus, por exemplo, produtos com marcas próprias faturaram 250 bilhões de dólares em 1997 e cerca de 305 bilhões de dólares em 2000, esboçando crescimento anual de 7% na região desde O mesmo acontece nos Estados Unidos, onde algumas cadeias varejistas possuem 30% do seu mix de produto composto de marcas próprias ( LAAKSONEN, 1994; STERNQUIST, 1998; LAZZARINI, 1999; WINNINGHAN, 1999). Em alguns países, como a Suíça, a participação das marcas próprias no varejo alcança mais de 50% do total das vendas, seguindo-se a Inglaterra, com 37%, Canadá, Holanda e Estados Unidos com 25, 23 e 15% respectivamente. Países latino-americanos têm, em média, 5% do total das vendas representados por produtos de marcas próprias, revelando o potencial para crescimento desse segmento (LAZZARINI, 1999). A porcentagem de vendas de marcas próprias por categoria de produtos é mais alta em alimentos e bebidas do que em outras categorias. Em relação ao total de venda de alimentos no mundo, as marcas próprias representam aproximadamente 16% (KIDERMAN & d ALMEIDA, 1997; GONZALIS, 1998; MORITA, 1998; STERNQUIST, 1998; MALTA, 1999; HÁFEZ, 2000).

4 22 MARCOS FAVA NEVES et al. 2. OBJETIVO O objetivo central deste artigo é levantar os principais aspectos que devem ser considerados pelos distribuidores e pela indústria de suco de laranja quando envolvidos num relacionamento para suprimento de um produto com marca própria. É importante analisar como uma estratégia de produção de marcas próprias pode mudar a relação entre uma determinada indústria de suco de laranja e o distribuidor. Também são mostradas as principais decisões genéricas referentes à marca. 3. MÉTODO Os métodos utilizados para o levantamento proposto foram workshops e entrevistas exploratórias e qualitativas com roteiro pré- -definido como recomendado por MALHOTRA (2001) para esse tipo de problema de pesquisa. O levantamento constituiu-se de trinta executivos da indústria de alimentos e bebidas e de grandes varejistas, feito em duas ocasiões em O exercício 4 deu-se com a formação de um total de cinco grupos de discussão com seis pessoas cada um (contando as duas ocasiões, sendo três grupos na primeira e mais dois na segunda), as quais deveriam preencher tabelas que pediam os principais pontos de vantagem para ambos os lados. Ao final, o material foi recolhido e as respostas mais freqüentes e de consenso, agrupadas na Tabela 1, que é matéria central deste artigo. Antes da finalização geral, alguns pontos foram aprofundados por intermédio de entrevistas individuais com quatro executivos que já haviam participado da primeira etapa. Além disso, efetuou-se pesquisa sobre o referencial teórico de marcas, economia dos custos de transação e canais de distribuição. 4 O exercício foi feito durante duas aulas do curso de Master in Business Administration (MBA) em Marketing da FUNDACE-USP, durante o tópico de Marcas e Canais de Distribuição com os executivos do setor, os quais julgaram essas estratégias confidenciais e pediram que não fossem relacionados seus nomes e empresas pelas quais responderam.

5 SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA Tabela 1. Principais decisões da marca Decisões referentes à marca O uso da marca Deve uma marca ser criada para o produto? Explicação Uma marca pode não existir e o produto seria genérico, geralmente mais barato. Ao contrário, criar uma marca significa investir em embalagem, na sua promoção, no registro, comunicação e também estar exposto a um risco de imagem. Contudo, as vantagens para a empresa são: facilidade de identificação do produto, proteção legal, oportunidade para fidelidade e lucros, possibilidade para segmentação de mercado e, finalmente, a oportunidade para uma boa imagem no mercado. Patrocínio da marca Quem deve patrocinar a marca? O nome utilizado Qual nome (marca) deve estar estampado no produto? Este é o principal objetivo deste artigo e será discutido no próximo tópico. Uma marca individual significa um produto independente sem risco de imagem, em caso de fracasso, mas, por outro lado, o produto não se beneficia de uma boa imagem corporativa da empresa, se ela existir. Uma marca global permite que os custos de desenvolvimento e de promoção sejam menores e deve ser usada, particularmente, quando a linha de produto não é muito diversificada. Uma marca família pode ser usada quando existem produtos com diferentes padrões de qualidade ou que estejam posicionados da mesma forma. Finalmente, a empresa pode associar sua marca a uma marca específica de um produto independente, explorando a boa imagem e criando um apelo significativo. Continua

6 24 MARCOS FAVA NEVES et al. Tabela 1. Conclusão A estratégia da marca Que estratégia deverá ser usada? Reposicionamento da marca Extensão de linha de produto: quando a empresa introduz diferentes versões (com novos atributos como gosto, cor, tamanho) dentro da mesma categoria com a mesma marca. Extensão da marca: isso significa usar a mesma marca para outra categoria de produto, explorando a imagem da marca adquirida com a categoria original do produto. Multimarcas: lançar novas marcas na mesma categoria para explorar diferentes segmentos e combater os concorrentes. Novas marcas: quando uma empresa quer entrar em um novo negócio e identifica que a atual marca não é apropriada para a nova. Combinação de marcas: duas ou mais marcas podem ser combinadas no mesmo produto numa oferta especial. Reposicionamento significa criar outros significados na mente do consumidor, o que diferencia o produto de um concorrente que tenha lançado um produto próximo da oferta da empresa. Fonte: Adaptado de KOTLER (2000). 4. PRINCIPAIS DECISÕES COM RESPEITO A MARCAS A idéia deste tópico é identificar a decisão sobre a produção com marca própria dentro das decisões relativas às estratégias dos negócios em geral e que podem ser tomadas por uma indústria de suco de laranja. Também são colocadas algumas definições, tentando mostrar o impacto que uma política referente a esse tópico pode ter na estratégia geral de marketing da indústria de suco de laranja e mesmo para o distribuidor. Deve-se compreender o papel e o poder da marca para que possa ser compreendido seu valor, quando se trata de uma marca própria (RAFIQ & KIRKUP, 1999).

7 SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA Uma marca, de acordo com a American Marketing Association, (AMA) (2003) é um nome, termo, símbolo/signo ou uma combinação de todos esses elementos, e que está associado a diferentes produtos ou serviços de uma empresa em particular. Essencialmente, uma marca significa a promessa de entrega de um produto ou um pacote particular de características, benefícios e serviços para os consumidores. Muitos autores de marketing podem ser referências para esse tema (BERMAN, 1996; ETZEL et al., 1997). A marca tem o papel de diminuir o custo de transação para o consumidor, facilitando o processo de identificar o produto e suas características, reduzindo incertezas (FARINA et al., 1997). Segundo KOTLER (2000), a marca é um símbolo complexo. Comunica os atributos e benefícios do produto, valores e cultura do fabricante e ainda pode estar completamente combinada com as características e personalidade de determinado segmento de consumidores, tornando possível a descrição do perfil dos clientes de determinada marca. O grande desafio para uma marca é desenvolver um arranjo de idéias associadas ao seu símbolo, não sendo apenas um nome, mas um conjunto de significados. As principais decisões de marca, de acordo com KOTLER (2000), são cinco, as quais estão resumidas na Tabela 1. A Tabela 1 demonstra a diversidade de opções estratégicas referentes ao tópico marcas. É interessante para compreender marcas não como simplesmente algo intrínseco a um produto, mas, sim, como uma ferramenta estratégica com diversas opções e implicações para os negócios. 5. MARCAS PRÓPRIAS: PONTOS DE POSSÍVEIS VANTAGENS PARA A INDÚSTRIA DE SUCO DE LARANJA E VAREJISTAS Um produto, para ser usado como marca própria de um varejista, pode representar vantagens para os lados envolvidos nesse relacionamento, que, conforme discutido na introdução, é alterado. A Tabela 2 é um resumo das discussões/workshops com executivos da indústria e varejistas, em que se procurou identificar as possíveis vantagens (aspectos a serem analisados) que as marcas próprias poderiam trazer para as empresas. Os autores também enriqueceram a tabela com considerações de literatura especializada referenciadas ao final do texto e também com projetos particulares desenvolvidos.

8 26 MARCOS FAVA NEVES et al. Tabela 2. Pontos de possíveis vantagens para a indústria de suco de laranja, e varejistas no relacionamento de marcas próprias Possíveis vantagens para a indústria de alimentos para estabelecer este relacionamento Possíveis vantagens para o varejista estabelecer este relacionamento Comunicação feita pelo varejista: menores custos de comunicação para a indústria (propaganda/ promoção do produto). Possibilidade de aumentar vendas e obter ganhos de escala: maior ocupação dos fatores de produção e maior eficiência no processo de compras, com aumento, mesmo, de poder de barganha com fornecedores, uma vez que os volumes comprados aumentam. Maior espaço ocupado nas prateleiras dos varejistas (isso acontece quando existem duas marcas da mesma fábrica a da empresa original e a marca própria). Possibilidade de vender produtos em consignação (um pedido usualmente feito pelos varejistas para a indústria de alimentos). Possibilidade de ser mais fácil obter crédito e financiamentos pelos bancos, visto que futuras vendas estão garantidas pelos contratos de fornecimento de marcas próprias. Mix de produto: possibilidade de linhas alternativas de produtos com diferentes preços e posicionamento. Ausência de inovação tecnológica dos produtos. Dificilmente novos produtos são lançados como marcas próprias. Necessidade de entender os vários formatos atuais: (1)marca com o nome da cadeia varejista; (2) marca do varejista, mas com nome diferente do nome da loja, e (3) marca do varejo em um produto com marca. Cada uma dessas formas mostrará vantagens e desvantagens, que não serão discutidas aqui. Aumento da coordenação vertical da cadeia produtiva o varejo passa a produzir sem possuir os ativos produtivos. Possibilidade de redução de estoques, visto que esses produtos serão gerenciados pela indústria. Poder maior de barganha para negociar com outros fornecedores obtida pela maior flexibilidade de posicionamento de preço das marcas próprias. Possibilidade para desenvolver lealdade ou fidelidade à loja (identificação na mente do consumidor, uma vez que ele estará sempre vendo a marca em casa ou outro lugar). Possibilidade de aumento nas margens de lucro. Possibilidade de um aumento na pressão pela disputa de espaços nas prateleiras, uma vez que uma parcela delas estará ocupada com marcas próprias que reduzem espaços para outros produtos (fornecedores). Continua

9 SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA Tabela 2. Conclusão Possíveis vantagens para a indústria de alimentos para estabelecer este relacionamento Possíveis vantagens para o varejista estabelecer este relacionamento Melhora possível na relação com o varejista, recebendo melhores espaços nas prateleiras, sem pagar diversas taxas normalmente exigidas. Reconhecimento em parte de consumidores e distribuidores da qualidade da empresa que recebe uma espécie de certificação do varejista que trabalha com programas de qualidade. Possível diminuição nos custos de distribuição física do produto. Dispensa dos agentes de venda nos pontos de venda. Possibilidade de diminuição da participação de mercado para a principal marca da empresa, mas um aumento na participação de mercado para o fabricante (visto que agora tem duas marcas nas prateleiras dos varejistas). Ganho de experiência pela indústria, e mais, probabilidade de fornecer para outros varejistas, e mesmo para outras indústrias. Oportunidade de se tornar o fornecedor para determinada categoria de produto, neste caso, suco de laranja, um vez que o varejo está cada vez mais global. Ocupação do espaço antes de um provável concorrente mediante estudo da proposta, pois, se uma indústria não ocupar esse espaço, um concorrente certamente o ocupará. Aumento de mix de produtos oferecidos pelo varejista. Cuidado no monitoramento de qualidade porque a imagem da marca (o nome do varejista) pode ser prejudicada em caso de problemas.

10 28 MARCOS FAVA NEVES et al. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Marca é um assunto fascinante em marketing. Criar uma marca poderosa é maneira de diferenciar um produto. Para o consumidor, a marca facilita o processo de decisão de compra, indicando a qualidade do produto e reduzindo incertezas. Visto que varejistas são reconhecidos e, em alguns casos, muito admirados pelos consumidores, por que não estender suas marcas para os produtos a serem vendidos nas lojas com marcas próprias? Como poderá a indústria de alimentos enfrentar essa ameaça? Marcas próprias aumentam a competição entre as indústrias de suco de laranja e melhoram o poder de barganha dos varejistas. Líderes de mercado também são ameaçados pelo aumento de marcas próprias vendidas dentro dos segmentos premium, bem como a segunda ou terceira marca no mercado, que são ameaçadas pelo preço mais barato das marcas próprias. Que sobra para a indústria de alimentos? Mais concentração? Talvez com uma segmentação de mercado muito bem feita, a indústria de alimentos possa explorar os benefícios da própria marca e também ganhar vantagens no fornecimento de marcas próprias aos varejistas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS American marketing association (AMA) Disponível em: <www.marketingpower.com>. Consulta em: 26 fev AZEVEDO, P.F. Integração vertical e barganha p. Tese de Doutorado em Economia, FEA/USP. BERMAN, B. Marketing channels. USA: John Wiley and Sons p. COLLINS A. The organization of retailer - manufacturer relationships. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON CHAIN AND NETWORK MANAGEMENT IN AGRIBUSINESS AND THE FOOD INDUSTRY, 5., Noordwijk, Holanda, 6 a 8 de junho International food and agribusiness management association/iama. p EL-ANSARY, A.I. & STERN, L.W. Power measurement in the distribution channel. Journal of Marketing Research, São Paulo, v.9, p.47-52, 1972.

11 SUCO DE LARANJA COM MARCA PRÓPRIA ETZEL, M.J.; WALKER, B. & STANTON, W.J. Marketing. São Paulo: Editora Makron Books, p. FARINA, E.M.M.Q.; AZEVEDO P.F. & SAES, M.S.M. Competitividade: mercado, estado e organizações. São Paulo: Editora Singular, 1997, 285p. GONZALIS, A.V. Marcas próprias o que está se passando com os produtos. Revista Super Hiper, São Paulo, Ano XX, p.64-66, HÁFEZ, A. Marca própria interfere na produção industrial. Gazeta Mercantil. São Paulo, 18 abr Caderno A, p.4. JOHANSON, U. & BURT, S Private brands vs Manufacturers brands in grocery retailing A comparative study of buying process in the UK, Italy and Sweden. In: EUROPEAN MARKETING ACADEMY CONFERENCE EMAC, 30., Norway, 8 a 11 de maio, KIDERMAN, J. & d ALMEIDA, P. Como ganhar mercado com as marcas próprias. Revista Super Hiper, São Paulo, Ano XXIII, p.70-76, KOTLER, P. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. São Paulo: Prentice Hall, p.725. LAAKSONEN, H. Own brands in food retailing across europe. Oxford: Oxford Institute of Retail Management p.153. LASSAR, W.M. & KERR, J.L. Strategy and control in supplier-distributor Relationships: An Agency Perspective. Strategic Management Journal, New York, v.17, p , LAZZARINI, J.C. Marcas próprias: panorama internacional e brasileiro. IV Estudo Acnielsen de Marcas Próprias. Rio de Janeiro, 27 out p. MACHADO FILHO, C.A.P.; SPERS, E.E.; CHADDAD, F.R. & NEVES, M.F. Agribusiness Europeu. São Paulo: Ed. Pioneira p. MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. São Paulo: Bookman, p. MALTA, C.B. Supermercados ampliam linhas de marcas próprias. Gazeta Mercantil. São Paulo, 30 ago Caderno C, p.7. MORITA, A. 15 mil novos produtos. Revista Supermercado Moderno, São Paulo ano XX, p.52-55, mar

12 30 MARCOS FAVA NEVES et al. NEVES, M.F. Um modelo para planejamento de canais de distribuição no setor de alimentos p. Tese de Doutorado em Administração, FEA/USP. PAVAN, T.A.; NEVES, M.F. & CARVALHO, D.T. O processo de compra de suco de laranja por varejistas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 39., Recife, Pernambuco, 5 a 8 de ago p.103. RAFIQ, M. & KIRKUP, M.H. Role of own brands in retailing branding strategies. In: EUROPEAN MARKETING ACADEMY CONFERENCE (EMAC), 28., Alemanha, 11 a 14 de maio, ROSEMBLOON, B. Marketing Channels. 6ed. New York: The Dryden Press, p. STERN, L.; EL ANSARY, A.I. & COUGHLAN. L.W. Marketing Channels. 5ed. New York: Prentice Hall, p. STERNQUIST, B. International retailing. New York: Fairchild Publications, p. TOLEDO, G.L.; NEVES, M.F. & MACHADO FILHO, C.A.P. Marketing estratégico e varejo: o caso europeu. Revista de Administração, São Paulo, v.32, p.47-57, WILLIAMSON, O.E. The economics institutions of capitalism. New York: The Free Press, p. WINNINGHAM, B. Private label grows up. Discount Merchandiser Magazine. New York, p , ZYLBERSZTAJN, D. Estruturas de governança e coordenação do agribusiness: uma aplicação da nova economia das instituições p. Tese de Livre- Docência em Administração, FEA/USP.

Marcas próprias no comércio internacional

Marcas próprias no comércio internacional Marcas próprias no comércio internacional Rodrigo Felipe Pires (1), Marcos Fava Neves (2) e Eduardo Eugênio Spers (3) Osetor supermercadista brasileiro é considerado um dos setores que mais cresceu na

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O VAREJO E A INDÚSTRIA DE ALIMENTOS: O PROCESSO DE COMPRA DO SUCO DE LARANJA

RELAÇÕES ENTRE O VAREJO E A INDÚSTRIA DE ALIMENTOS: O PROCESSO DE COMPRA DO SUCO DE LARANJA ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA RELAÇÕES ENTRE O VAREJO E A INDÚSTRIA DE ALIMENTOS: O PROCESSO DE COMPRA DO SUCO DE LARANJA TIAGO AGAPITO PAVAN 1, MARCOS FAVA NEVES 2 e DIRCEU TORNAVOI DE CARVALHO 3 RESUMO Esse

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

AUDITORIA EM CANAIS DE INSUMOS AGROPECUÁRIOS: DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

AUDITORIA EM CANAIS DE INSUMOS AGROPECUÁRIOS: DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING V I I S E M E A D T R A B A L H O C I E N T Í F I C O A G R O N E G Ó C I O S AUDITORIA EM CANAIS DE INSUMOS AGROPECUÁRIOS: DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING Lucas Teixeira Universidade

Leia mais

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016 2 Gestão de Mestre em Administração Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Master em International Business Universidad de Barcelona MBA em Estratégico Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Administrador Univ.

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica MARCAS PRÓPRIAS: UMA ANÁLISE DO PANORAMA BRASILEIRO

17º Congresso de Iniciação Científica MARCAS PRÓPRIAS: UMA ANÁLISE DO PANORAMA BRASILEIRO 17º Congresso de Iniciação Científica MARCAS PRÓPRIAS: UMA ANÁLISE DO PANORAMA BRASILEIRO Autor(es) MARIANE BERTAGNA Orientador(es) ANTÔNIO CARLOS GIULIANI Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ 1. Introdução O Brasil

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

IBMEC WORKING PAPER - WPE 21-2006. Marketing de relacionamento: conceitos e desafios para o sucesso do negócio Danny Pimentel Claro

IBMEC WORKING PAPER - WPE 21-2006. Marketing de relacionamento: conceitos e desafios para o sucesso do negócio Danny Pimentel Claro IBMEC WORKING PAPER - WPE 21-2006 Marketing de relacionamento: conceitos e desafios para o sucesso do negócio Danny Pimentel Claro Copyright Ibmec São Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a

Leia mais

Lançar produtos via Marcas Próprias: Quais fatores devem ser considerados?

Lançar produtos via Marcas Próprias: Quais fatores devem ser considerados? Lançar produtos via Marcas Próprias: Quais fatores devem ser considerados? Marcos Fava Neves Universidade de São Paulo FEA Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. PENSA Programa de Agronegócio

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Auditoria em canais de insumos agropecuários: desenvolvimento de um sistema de informações de marketing

Auditoria em canais de insumos agropecuários: desenvolvimento de um sistema de informações de marketing Auditoria em canais de insumos agropecuários: desenvolvimento de um sistema de informações de marketing Lucas Teixeira Marcos Fava Neves Resumo O presente artigo aborda o tema auditoria de varejo, tendo

Leia mais

Curso: Pecege. Gestão de. Marketing. no Agronegócio

Curso: Pecege. Gestão de. Marketing. no Agronegócio Curso: Pecege Gestão de Marketing no Agronegócio Gestão de Marketing no Agronegócio Objetivo do Programa de Gestão de Marketing no Agronegócio O curso tem por objetivo capacitar gestores de empresas do

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

SHOPPER MARKETING. Cap. 5: CRIANDO A ORGANIZAÇÃO CENTRADA NO SHOPPER

SHOPPER MARKETING. Cap. 5: CRIANDO A ORGANIZAÇÃO CENTRADA NO SHOPPER SHOPPER MARKETING Cap. 5: CRIANDO A ORGANIZAÇÃO CENTRADA NO SHOPPER Shopper Marketing: A nova Estratégia Integrada de Marketing para a Conquista do Cliente no Ponto de Venda. São Paulo: Atlas, 2011. Autores:

Leia mais

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing Plano de Marketing Para traçar o plano de marketing do plano de negócios, deve-se atentar à estratégia que será seguida pela empresa. A estratégia pode ser definida

Leia mais

ARTIGO EM REVISTA. Publicado em:

ARTIGO EM REVISTA. Publicado em: ARTIGO EM REVISTA Publicado em: CASTRO, Luciano Thomé e ; NEVES, Marcos Fava ; CONSOLI, M. A.. O Médico-Gestor de Vendas. Revista Venda Mais, Curitiba- PR, v. 12/135, p. 16-17, 11 jul. 2005. O Médico-Gestor

Leia mais

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS

MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS MARKETING: PRINCIPAL FERRAMENTA PARA A EFETIVAÇÃO DAS VENDAS CAUÊ SAMUEL SCHIMIDT 1 FERNANDO GRANADIER 1 Resumo O mercado atual está cada vez mais competitivo e para sobreviver nesse meio, é necessário

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

DEFINIÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA DE MARKETING

DEFINIÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA DE MARKETING TAREFAS ENVOLVIDAS - DISCUSSÕES COM O TOMADOR DE DECISÕES São estruturadas em torno da AUDITORIA DO PROBLEMA, que é uma investigação completa do problema de marketing, com o propósito de entender sua natureza.

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR

FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO DE VALOR FUSÕES E AQUISIÇÕES: SINERGIA E CRIAÇÃO Principais Vantagens Principais fontes de sinergia Principais cuidados Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

ARTIGO EM ANAIS DE CONGRESSOS. Publicado em;

ARTIGO EM ANAIS DE CONGRESSOS. Publicado em; ARTIGO EM ANAIS DE CONGRESSOS Publicado em; CONSOLI, M. A. ; LOPES, Frederico Fonseca ; NEVES, Marcos Fava ; MERLO, Edgard Monforte. Estratégias das Centrais de Negócios no Pequeno Varejo Alimentar. In:

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDE DE EMPRESAS: O ASSOCIATIVISMO NO PEQUENO VAREJO ALIMENTAR

ESTRATÉGIAS DE REDE DE EMPRESAS: O ASSOCIATIVISMO NO PEQUENO VAREJO ALIMENTAR V I I S E M E A D G E S T Ã O D E V A R E J O ESTRATÉGIAS DE REDE DE EMPRESAS: O ASSOCIATIVISMO NO PEQUENO VAREJO ALIMENTAR Frederico Fonseca Lopes FEARP - PENSA Universidade de São Paulo Av: dos Bandeirantes,

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Cartões private label: modelo de negócio e cadeia de valor

Cartões private label: modelo de negócio e cadeia de valor Cartões private label: modelo de negócio e cadeia de valor Gustavo Melo da Costa Marcio Rocha Gonçalves Marco Antonio da Silveira Santos Newton de Souza Lima Junior MBA Executivo Internacional Turma 34

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Suporte de Apoio à Decisão Aula 05 Database Marketing Agenda O que é Database Marketing? Estratégias e Sistemas Os dois usos do Database Marketing Case Referências 2

Leia mais

Palavras-Chave: Fusão e Aquisição, Comportamento do Consumidor, Produto, Satisfação, Lealdade.

Palavras-Chave: Fusão e Aquisição, Comportamento do Consumidor, Produto, Satisfação, Lealdade. Nome do Aluno: Clara Montagnoli Neves Nome do Orientador: Carla Ramos Tema: Estudo do impacto no comportamento do consumidor resultante de fusão ou aquisição de empresas. Palavras-Chave: Fusão e Aquisição,

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

Marcas Próprias: um Estudo Descritivo em Varejistas Ingleses e Brasileiros

Marcas Próprias: um Estudo Descritivo em Varejistas Ingleses e Brasileiros Resumo Marcas Próprias: um Estudo Descritivo em Varejistas Ingleses e Brasileiros Autoria: Verônica Angélica Freitas de Paula, Andrea Lago da Silva, Éderson Luiz Piato No cenário atual, é necessário que

Leia mais

Comércio Varejista de Alimentos. Profª Caroline P. Spanhol

Comércio Varejista de Alimentos. Profª Caroline P. Spanhol Comércio Varejista de Alimentos Profª Caroline P. Spanhol Panorama geral do varejo Conceito de varejo Varejo consiste em todas as atividades que englobam o processo de venda de bens e serviços para atender

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Melhores Práticas do Varejo em Precificação. e Promoção. José Roberto Resende. Shopping Brasil

Melhores Práticas do Varejo em Precificação. e Promoção. José Roberto Resende. Shopping Brasil Melhores Práticas do Varejo em Precificação e Promoção José Roberto Resende Shopping Brasil Julho - 2008 Estratégia de Crediário Participação dos anúncios por prazo de pagamento 100% * Todas as categorias

Leia mais

Marketing. - Fatos históricos.

Marketing. - Fatos históricos. Marketing - Fatos históricos. Escambo. Produção e consumo baixos. Crescimento do consumo. Crescimento da produção = paridade. Explosão da produção. Marketing é o desempenho das atividades de negócios que

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Introdução à pesquisa em Marketing. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Introdução à pesquisa em Marketing. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Introdução à pesquisa em Marketing Professor: Roberto César Pesquisa de marketing no Brasil e no mundo A pesquisa de marketing, apesar de ser um negócio crescente no Brasil,

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

O Desafio da Precificação. no B2B. Direitos reservado reprodução proibida. Direitos reservado reprodução proibida

O Desafio da Precificação. no B2B. Direitos reservado reprodução proibida. Direitos reservado reprodução proibida O Desafio da Precificação no B2B Comoditização x Diferenciação A nova abordagem da Estratégia Competitiva Em qualquer empresa o interesse de três públicos devem estar equilibrados COLABORADORES (Satisfação)

Leia mais

SISTEMA AGROINDUSTRIAL DA CANA-DE-AÇÚCAR: CARACTERIZAÇÃO DAS TRANSAÇÕES ENTRE USINAS E EMPRESAS DE ALIMENTOS 1

SISTEMA AGROINDUSTRIAL DA CANA-DE-AÇÚCAR: CARACTERIZAÇÃO DAS TRANSAÇÕES ENTRE USINAS E EMPRESAS DE ALIMENTOS 1 III SEMEAD SISTEMA AGROINDUSTRIAL DA CANA-DE-AÇÚCAR: CARACTERIZAÇÃO DAS TRANSAÇÕES ENTRE USINAS E EMPRESAS DE ALIMENTOS 1 Marcos Fava Neves (*) Roberto Silva Waack (**) Adriana Mamone (***) RESUMO Este

Leia mais

O Que é um Produto? Capítulo 8. Produtos, Serviços e Experiências. O Que é um Serviço? Estratégia de Produtos e Serviços

O Que é um Produto? Capítulo 8. Produtos, Serviços e Experiências. O Que é um Serviço? Estratégia de Produtos e Serviços Capítulo 8 Estratégia de Produtos e Serviços 1 O Que é um Produto? Um Produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para apreciação, aquisição, uso ou consumo e para satisfazer um desejo ou uma necessidade.

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Marketing Internacional. Introdução ao Marketing Internacional

Marketing Internacional. Introdução ao Marketing Internacional Introdução ao Desafio: 1 Formação Acadêmica: Doutorando pela USP com tema de Tese sobre Internacionalização de Operações pelo Franchising Mestre em Comunicação e Marketing na USP: Aspectos Estratégicos

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL

O PODER DE UMA MALHA GLOBAL O PODER DE UMA MALHA GLOBAL NOSSAS SOLUÇÕES INTEGRAM O melhor gerenciamento da cadeia de suprimentos e demanda impacta diretamente no que as empresas estão sempre buscando: Aumento de receita Aumento da

Leia mais

Núcleo de Estudos em Estratégia e Governança Corporativa, de Redes e das Organizações - NEEG

Núcleo de Estudos em Estratégia e Governança Corporativa, de Redes e das Organizações - NEEG Núcleo de Estudos em Estratégia e Governança Corporativa, de Redes e das Organizações - NEEG Coordenador(es): Joaquim Rubens Fontes Filho APRESENTAÇÃO Os estudos em administração apenas recentemente têm

Leia mais

CURITIBA, FEVEREIRO DE

CURITIBA, FEVEREIRO DE PLANO DE NEGÓCIO CURITIBA, FEVEREIRO DE 2004 2 PLANO DE NEGÓCIO Odilio Sepulcri 1. Introdução: Antes de implementar novas atividades ou alternativas econômicas no sistema de produção, seja para a sua mudança

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

Conflitos em Canais de Distribuição: O Caso dos Canais Múltiplos no Mercado de Insumos Agrícolas no Brasil 1

Conflitos em Canais de Distribuição: O Caso dos Canais Múltiplos no Mercado de Insumos Agrícolas no Brasil 1 Conflitos em Canais de Distribuição: O Caso dos Canais Múltiplos no Mercado de Insumos Agrícolas no Brasil 1 Luciano Thomé e Castro Marcos Fava Neves Roberto Fava Scare Resumo Este artigo explora o caso

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos.

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. 28 de Novembro de 2003 Dados do Projeto Colaboradores: Bancos ABN Amro Real Banco Ficsa Banco Itaú Banco Nossa Caixa Bradesco Caixa Econômica Federal HSBC Febraban

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

MBA em Gestão de Negócios de Varejo

MBA em Gestão de Negócios de Varejo MBA em Gestão de Negócios de Varejo Início em 28 de Abril de 2016 Aulas as terças e quintas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 23.760,00 À vista com desconto: R$ 21.859,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

ale MBA em Gestão do Varejo com Ênfase em Supermercados

ale MBA em Gestão do Varejo com Ênfase em Supermercados ale MBA em Gestão do Varejo com Ênfase em Supermercados MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Setembro 2016 1 MBA em Gestão do Varejo com Ênfase em Supermercados Objetivos do Curso O MBA em Gestão do Varejo com

Leia mais

Exploring Corporate Strategy 7 th Edition

Exploring Corporate Strategy 7 th Edition Exploring Corporate Strategy 7 th Edition Parte III Opções estratégicas Opções estratégicas Opções estratégicas Estratégia competitiva ou de negócio (Cap. 5) Bases da estratégia competitiva Sustentabilidade

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Mudanças no Ambiente de Vendas de Insumos Agropecuários

Mudanças no Ambiente de Vendas de Insumos Agropecuários TRABALHO PARA XXXIX CONGRESSO DA SOBER Mudanças no Ambiente de Vendas de Insumos Agropecuários Marcos Fava Neves Luciano Thomé e Castro Rodrigo Teixeira Bombig Karla Fazanaro Universidade de São Paulo

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico;

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; O escopo da precificação e os métodos mais comuns, incluindo as principais táticas; Uma sugestão: amplie seu nível de

Leia mais

A gestão o dos sistemas logísticos como diferencial competitivo

A gestão o dos sistemas logísticos como diferencial competitivo A gestão o dos sistemas logísticos como diferencial competitivo Organizaçã ção o Logística FEC-601 Atribuir na empresa as responsabilidades por atividades logísticas, promovendo a eficiência no suprimento

Leia mais

Balanço do Crédito do Comércio Varejista

Balanço do Crédito do Comércio Varejista Receitas de Vendas A vista (cartão de débito, dinheiro e cheque) Vendas a Prazo (cartão de crédito, cheque pré-datado, etc.) Total Formas de vendas a prazo que a empresa aceita Cheque Cartão de Crédito

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA PRODUÇÃO Administração SANTOS, Graziela. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail: grazzybella@hotmail.com JOSÉ BARBOSA, Reginaldo. Docente da Faculdade

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Marketing Global Plano de Marketing

Marketing Global Plano de Marketing Administração Prof. Eder Polizei Marketing Global Plano de Marketing Marketing Global Nike é Americano??? Made in Ganado Empresa Global é aquela que opera em mais de um país e obtém vantagem em pesquisa

Leia mais

Canais: A Criação e Gestão dos Canais de Suprimento e Distribuição

Canais: A Criação e Gestão dos Canais de Suprimento e Distribuição Canais: A Criação e Gestão dos Canais de Suprimento e Distribuição Starbucks vs. McDonalds A Starbucks tem lojas próprias As lojas do McDonalds geralmente são franqueadas As duas cadeias se preocupam com

Leia mais

Marketing. Marketing de Relacionamento. Marketing de Relacionamento. Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo. Bibliografia Sugerida

Marketing. Marketing de Relacionamento. Marketing de Relacionamento. Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo. Bibliografia Sugerida Marketing Prof. Marcelo Cruz Marketing de Relacionamento Marketing de Relacionamento Enriqueça seu conhecimento torne-se mais competitivo Bibliografia Sugerida AUMOND, C.W. Gestão de serviços e relacionamentos.

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais