EDITAL n.º 001/2011-PMR/SEMEC CADERNO DE PROVAS. Nome do Candidato

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDITAL n.º 001/2011-PMR/SEMEC CADERNO DE PROVAS. Nome do Candidato"

Transcrição

1 EDITAL n.º 001/2011-PMR/SEMEC CADERNO DE PROVAS Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato

2 Instruções LEIA COM ATENÇÃO 1. Este Caderno de Provas, com páginas numeradas de 1 a 17, é constituído de uma Prova de Redação e de uma Prova Objetiva com 40 (quarenta) questões de múltipla escolha, cada uma com quatro alternativas, assim distribuídas: 01 a 10 Língua Portuguesa 11 a 20 Fundamentos de Educação e Legislação 21 a 40 Conhecimentos Específicos 2. Caso o Caderno de Provas esteja incompleto ou tenha qualquer defeito de impressão, solicite ao fiscal que o substitua. 3. Sobre a Marcação da Folha de Respostas As respostas das questões da Prova Objetiva devem ser, obrigatoriamente, transcritas com caneta esferográfica de tinta preta não porosa para a Folha de Respostas, que será o único documento válido para correção. Não haverá substituição da Folha de Respostas por erro do candidato Para cada questão existe apenas uma alternativa que a responde acertadamente. Para a marcação da alternativa escolhida na FOLHA DE RESPOSTAS, pinte completamente o círculo correspondente. Exemplo: Suponha que para determinada questão a alternativa C seja a escolhida. N.º da Questão A B C D 3.2. Será invalidada a questão em que houver mais de uma marcação, marcação rasurada ou emendada, ou não houver marcação Não rasure nem amasse a FOLHA DE RESPOSTAS. 4. Na elaboração da Redação, poderá ser usada para rascunho a página 2 deste Caderno, mas o texto definitivo deverá ser transcrito na Folha de Redação. Use caneta esferográfica de tinta preta não porosa. 5. Na Folha de Redação, NÃO faça qualquer marca que o identifique fora do espaço destinado para tal fim. 6. Todos os espaços em branco, neste caderno, podem ser utilizados para rascunho. 7. A duração das provas é 5 (cinco) horas, já incluído o tempo destinado ao preenchimento da FOLHA DE RESPOSTAS e à transcrição da Redação para a Folha de Redação. 8. Será permitida a saída de candidatos da sala de prova somente após decorridas 2:30 h (duas horas e trinta minutos) do início das provas. 9. O candidato que insistir em sair da sala de prova antes de transcorridas 2:30 h (duas horas e trinta minutos) do início das provas deverá assinar Termo de Ocorrência declarando desistência do Concurso. 10. Antes de se retirar da sala de prova, o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar ao fiscal este Caderno, a Folha de Respostas e a Folha de Redação. Este Caderno de Provas poderá ser levado pelo candidato somente na última meia hora de prova. 11. É vedado ao candidato copiar as marcações feitas na Folha de Respostas.

3 Prova de Redação Instrução: Leia atentamente o texto de apoio abaixo, escrito por Lya Luft, uma das mais consagradas escritoras da atualidade. O sentido da educação Um povo desinformado não sabe o que acontece, assina o que não leu, submete-se ao que não compreendeu, barateia sua vida e sua força de trabalho, não tem horizontes e não se integra em seu próprio país, quanto mais no grande mundo globalizado mas não para ele. Porém educar não é apenas instruir, ensinar a ler, escrever, calcular. Não é nem mesmo instruir em todos os anos dos Ensinos Fundamental e Médio. Educar é, deveria ser, antes de mais nada, ensinar a pensar. Ensinar a questionar. Abrir cabeças e preparar para enfrentar a vida não apenas ganhando um ou dois ou mil salários, mas sentindo-se capaz, e consciente, para fazer suas escolhas e viver sua vida. Educar deve ser estimular para que desabrochem todas as capacidades de uma criança, e depois, de um jovem. [...] Sou a favor de uma escola amorosa e alegre, mas onde haja autoridade e hierarquia, e também para os pequenos a professora não seja uma tia, mas uma professora, pois a escola não é, nem deve ser, a família. Pode ser um complemento magnífico, mas jamais retirar da família a responsabilidade inicial da decência, da compostura, do respeito: ao contrário, prosseguir e incutir isso ainda mais. [...] PROPOSTA Segundo Lya Luft, prestigiada autora da literatura contemporânea, a escola e a família compõem o universo da criança. A partir de sua reflexão, suscitada pelo texto acima, produza um texto dissertativo-argumentativo discutindo o papel da família numa ação conjunta com a escola. Não se esqueça de que seu texto deve ter um título, ser coeso e coerente e ser escrito segundo as normas da escrita padrão. (Observação: Não assine seu texto.) 1/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

4 Página de Rascunho /17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

5 Prova Objetiva Língua Portuguesa Instrução: Leia atentamente o anúncio abaixo e responda às questões de 01 a 03. Questão 01 (CEREJA, W. R. Gramática Reflexiva. 3.ed. reform. São Paulo: Atual, 2009.) Sobre os sentidos do texto, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) No início, o sonho de toda mulher parece ser encontrar o homem ideal com as características anunciadas. ( ) Um novo sentido ocorre com o acréscimo da imagem: saborear um sorvete com as qualidades dadas. ( ) Tomando o sentido inicial, a expressão com recheio poderia indicar uma pessoa bonita, exuberante, com presença física marcante. ( ) A ambiguidade do enunciado O sonho de toda mulher: bonito, gostoso e com recheio é calcada na imagem de que toda mulher prefere homens com tais características. Assinale a sequência correta. [A] V, F, F, V [B] V, V, F, V [C] F, V, F, F [D] F, V, V, F Questão 02 O sentido da palavra incrível (aquilo em que não se pode crer) tem sido modificado pelo uso constante em situações linguísticas variadas. Assinale o sentido que, no texto, NÃO se aplica. [A] maravilhosa [B] saborosa [C] prazerosa [D] insossa 3/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

6 Questão 03 Sobre os usos linguísticos no texto, analise as afirmativas. I - Os adjetivos empregados no anúncio relacionam-se unicamente à percepção sensorial do paladar e do tato. II - Considerando a intencionalidade do texto, os adjetivos foram empregados para promover o produto, realçar suas qualidades. III - O grau superlativo relativo, a exemplo de A mais tenra tentação, é muito usado em textos de propaganda para destacar o produto como o melhor entre todos. IV - A primeira frase do texto é exemplo de frase nominal, ao contrário das outras que são verbais. Estão corretas as afirmativas [A] II, III e IV, apenas. [B] I e IV, apenas. [C] II e III, apenas. [D] I, II, III e IV. Instrução: Leia o texto de uma campanha publicitária publicada no jornal O Estado de São Paulo, em 25 de março de 2006, e responda às questões de 04 a 07. Questão 04 (SARMENTO, L. L. Oficina de Redação. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2006.) Assinale a alternativa que apresenta corretamente os interlocutores do texto. [A] Produtor: cidadãos brasileiros apartidários / Destinatário: povo brasileiro [B] Produtor: o jornal O Estado de São Paulo / Destinatário: povo brasileiro [C] Produtor: associação de profissionais liberais / Destinatário: leitores de jornal [D] Produtor: governantes brasileiros / Destinatário: sindicalistas 4/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

7 Questão 05 Esse texto pertence ao gênero campanha publicitária. Sobre sua construção textual, analise as afirmativas. I - A campanha denominada Quero mais Brasil trata da relação injusta entre a cobrança de muitos impostos e a ausência de retorno significativo. II - O contraste de ideias e o uso de preto e de cinza, além de marcar diferentes posicionamentos, dividem o texto em duas partes ou dois momentos. III - O Sim, na primeira parte, destaca uma atitude positiva a ser seguida pelos brasileiros; o Não, na segunda, revela atitude de passividade. IV - Na primeira parte, os argumentos fundamentam a ideia de insatisfação desenvolvida fortemente na segunda parte. Estão corretas as afirmativas [A] II e III, apenas. [B] I e IV, apenas. [C] I, II e IV, apenas. [D] II, III e IV, apenas. Questão 06 O final do texto traz informações sobre a campanha que sustentam um valor implícito. Qual é esse valor? [A] Destino assegurado [B] Garantia de sucesso [C] Explicação da campanha [D] Credibilidade à campanha Questão 07 Sobre aspectos linguísticos e textuais, assinale a afirmativa INCORRETA. [A] No trecho Além disso, tem imposto escondido, o uso do verbo ter, em lugar do haver, revela o caráter informal dado ao texto. [B] No trecho Eu pago, sem receber. Eu pago, sem reclamar. Eu calo, sem me mexer., a gradação da passividade é enfatizada pelo uso de frases curtas e repetição da preposição sem. [C] O conector até, em até argentino, inclui os argentinos no mesmo patamar de desenvolvimento dos chilenos e mexicanos. [D] As formas verbais deveria e devia, na primeira parte, mostram oscilação entre registro formal e informal comum nesse gênero textual. Instrução: Leia o texto de humor abaixo, veiculado na internet, e responda às questões de 08 a 10. Assaltante nordestino Ei, bichim...isso é um assalto... Arriba os braços e num se bula nem faça muganga... Arrebola o dinheiro no mato e não faça pantim se não enfio a peixeira no teu bucho e boto teu fato pra fora! Perdão, meu Padim Ciço, mas é que eu tô com uma fome da moléstia... Assaltante mineiro Ô, sô, prestenção...isso é um assarto, uai... Levanta os braço e fica quetim quesse trem na minha mão tá cheio de bala... Mió passá logo os trocado que eu num tô bão hoje. Vai andando, uai! Tá esperando o quê, uai!! Assaltante baiano Ó, meu rei... Isso é um assalto... (longa pausa). Levanta os braços, mas não se avexe não... (pausa). Se num quiser, nem precisa levantar, pra num fica cansado... Vai passando a grana, bem devagarinho... (longa pausa). Num repara se o berro está sem bala, mas é pra num ficá muito pesado... Não esquenta, meu irmãozinho (longa pausa). Vou deixar teus documentos na encruzilhada... Assaltante paulista Orra, meu... Isso é um assalto, meu... Alevanta os braços e passa a grana logo, meu... Mais rápido, meu, que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra comprar o ingresso do jogo, meu... Pô, se manda, meu... 5/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

8 Questão 08 O texto retrata várias cenas de assalto. Sobre ele, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Cada cena descreve um diferente tipo de assalto e é construída com diferentes variedades linguísticas. ( ) O produtor inicia as falas dos assaltantes por pretensas formas de chamamento de cada região, a exemplo de Ô, sô, do mineiro. ( ) As apresentações do assalto calcam-se em estereótipos, imagens que não raras vezes não correspondem à realidade. ( ) Na construção do humor, levou-se em conta comportamentos que supostamente caracterizam o povo da região, a exemplo da lentidão do baiano e da pressa do paulista. Assinale a sequência correta. [A] F, V, F, V [B] F, V, V, V [C] V, V, F, F [D] V, F, V, F Questão 09 A análise da linguagem das cenas permite afirmar: [A] Em Assaltante nordestino, o uso adequado de verbos no imperativo caracteriza a linguagem padrão, assim como bichim, num, tô e pra marcam registro oral. [B] Em Assaltante mineiro, o uso das expressões os braço e os trocado está de acordo com a norma padrão; os vocábulos sô, trem e uai exemplificam a linguagem do mineiro. [C] Em Assaltante baiano, a sintaxe utilizada com períodos longos é recurso para delinear o ritmo acelerado da vida baiana. [D] Em Assaltante paulista, a repetição do pronome meu pretende mostrar o apego do paulista ao dinheiro e ao futebol. Questão 10 A partir da leitura do texto e da concepção de linguagem que o fundamenta, analise as afirmativas sobre linguagem. I - Todas as variedades linguísticas regionais são perfeitamente adequadas à realidade em que se inserem. II - É compromisso da escola ensinar a variedade padrão, mas não denegrir ou eliminar a língua que o aluno traz de casa. III - Para dominar uma língua, basta conhecer as palavras, seus sentidos e as leis que regem a combinação dessas palavras. Está correto o que se afirma em [A] I e II, apenas. [B] I, II e III. [C] II e III, apenas. [D] I, apenas. Fundamentos de Educação e Legislação Questão 11 No campo da Psicologia da Educação, entre os postulados teórico-epistemológicos desenvolvidos por David Ausubel, o conceito principal é o de aprendizagem significativa. De acordo com o autor, para aprender significativamente [A] basta ao indivíduo adquirir um novo conhecimento mediante memorização, incorporando-o à estrutura de conhecimento, sem interagir com o que já lá existe. [B] pressupõe-se que o indivíduo relacione os novos conhecimentos com as proposições e os conceitos que já conhece, expandindo assim o universo da própria experiência. [C] é preciso que o indivíduo recorra exclusivamente à aprendizagem memorística, incorporando o novo conhecimento à estrutura cognitiva já existente. [D] é necessário que o indivíduo acredite que a aprendizagem é automática e isenta de esforço, dando-se de modo cumulativo ao longo da vida. 6/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

9 Questão 12 Vigotsky apresentou, em sua teoria, um aspecto inovador ao estabelecer relação entre os fatores sociais e a formação de conceitos por parte das crianças. Sobre o processo de formação de conceitos na ótica de Vigotsky, analise as afirmativas. I - A formação de conceitos é um processo que pressupõe a superação da fase de classificação de objetos, a interação verbal com os adultos e só se concretiza, de fato, na adolescência. II - A elaboração de conceitos até a adolescência é precedida pela classificação de objetos que evolui desde uma fase inicial, caracterizada por agrupamentos desorganizados, até uma fase anterior à fase de formação de conceitos, caracterizada por pseudoconceitos. III - O pseudoconceito serve de elo entre o pensamento por complexos e o pensamento por conceitos, de modo que a comunicação verbal com os adultos torna-se um fator significativo no desenvolvimento de conceitos. Está correto o que se afirma em [A] II e III, apenas. [B] I e III, apenas. [C] I, apenas. [D] I, II e III. Questão 13 Na Educação, diferentes correntes filosóficas e sociológicas configuram concepções diversas de conhecimento. A coluna da esquerda apresenta algumas dessas correntes e a da direita, suas concepções. Numere a coluna da direita de acordo com a da esquerda. 1 Apriorismo 2 Empirismo 3 Dialética materialista Assinale a sequência correta. [A] 1, 2, 3 [B] 1, 3, 2 [C] 3, 1, 2 [D] 3, 2, 1 ( ) Apoia-se na ideia de que o conhecimento resulta da interação entre os homens, mediatizados pelos processos de produção. ( ) Atribui a obtenção de conhecimentos ao exercício da razão humana, independente da experiência. ( ) Apoia-se no fundamento de que o exercício da experiência sensorial é a fonte para obtenção de conhecimentos. Questão 14 No Brasil, desde o final do século XX, por força da pressão da sociedade civil organizada e de comprometimento da sociedade política, vêm se desenvolvendo políticas públicas de inclusão. Sobre as características dessas políticas, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Para além de políticas universais, dirigidas a todos sem requisitos de seleção, sustentam políticas reparadoras que venham assegurar maior apoio aos diferentes grupos sociais e culturais em desvantagem. ( ) No que diz respeito às condições materiais, sustentam a defesa da oferta de mais recursos e melhores condições às escolas que apresentam maior índice de produtividade nas avaliações do sistema regular de ensino. ( ) Para além de políticas universais, defendem a garantia de acesso e permanência na escola aos indígenas, pessoas do campo e quilombolas, enquanto grupos sociais em desvantagem. ( ) No que diz respeito ao processo de inclusão dos portadores de deficiências ou de distúrbios de aprendizagem, deve ocorrer no sistema regular de ensino em todos os seus níveis. Assinale a sequência correta. [A] V, F, V, F [B] F, V, V, F [C] V, F, V, V [D] F, V, F, V 7/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

10 Questão 15 A Resolução n.º 7, de 14 de dezembro de 2010, reúne fundamentos orientadores de políticas públicas educacionais e de elaborações curriculares. Entre seus fundamentos encontra-se o comprometimento com uma educação com qualidade social. Tendo em vista a compreensão de que essa educação deva ser relevante, pertinente e equitativa, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) A equidade requer um tratamento homogêneo ao que se apresenta como desigual no ponto de partida com vista a assegurar a todos igualdade de direitos à educação. ( ) A relevância diz respeito à promoção de aprendizagens significativas com vista às exigências sociais e ao desenvolvimento pessoal. ( ) A pertinência está relacionada à possibilidade de atendimento de necessidades e características relativas aos contextos sociais e culturais dos estudantes, considerando-se suas diferentes capacidades e interesses. Assinale a sequência correta. [A] F, V, V [B] V, F, V [C] F, V, F [D] V, V, V Questão 16 O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB), criado em 2007, realiza a distribuição de recursos com base no número de [A] professores concursados. [B] alunos da Educação Básica. [C] alunos do Ensino Fundamental. [D] alunos matriculados na EJA. Questão 17 Em uma perspectiva crítica de educação, Libâneo divide as abordagens pedagógicas em Pedagogia Liberal e Pedagogia Progressista. Quais as vertentes da Pedagogia Progressista? [A] Libertadora, Libertária e Crítico-Social dos Conteúdos. [B] Tradicional, Tecnicista e Renovada. [C] Libertária, Tradicional e Não Diretiva. [D] Crítico-Social dos Conteúdos, Tecnicista e Renovada. Questão 18 Os debates sobre o Multiculturalismo no Brasil tomaram corpo ao final do século XX. Sobre práticas escolares, assinale a afirmativa que corresponde a uma orientação concernente ao Multiculturalismo. [A] Uma ação pedagógica voltada para a legitimação de discursos atinentes à supremacia racial. [B] Uma prática docente voltada para a homogeneização ideológica, identitária e linguística. [C] Uma prática educativa voltada para a reafirmação das ideias e valores de grupos hegemônicos. [D] Uma prática pedagógica voltada para a diversidade étnica, cultural e linguística. Questão 19 Uma professora que trabalha em uma escola de Ensino Fundamental de tempo integral foi eleita diretora e objetiva desenvolver uma gestão democrática, participativa e dentro dos preceitos legais. Tendo em vista esse objetivo, assinale o que ela NÃO poderia fazer. [A] Na organização do tempo curricular, apoiar a opção por ciclos, compreendendo-os como tempo e espaços interdependentes e articulados entre si ao longo dos nove anos do Ensino Fundamental. [B] Ao elaborar a proposta de currículo, apoiar a organização disciplinar do conhecimento e uma avaliação classificatória, afinal, a escola de tempo integral precisa ter um maior número de disciplinas e prezar pelo mérito. [C] Na elaboração participativa do Projeto Político Pedagógico junto com a comunidade escolar, colocar os estudantes, sujeitos de direito, no centro das decisões curriculares. [D] Ao elaborar o regimento escolar, conferir espaço e tempo para que os professores possam participar de reuniões, planejar e executar suas ações educativas e tomar parte de ações de formação continuada. 8/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

11 Questão 20 Nas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos, considera-se como de período integral: [A] O ano letivo que se organiza com carga horária mínima de 800 (oitocentas) horas relógio, distribuídas em, pelo menos, 200 (duzentos) dias de efetivo trabalho escolar. [B] A jornada escolar que se organiza em 8 (oito) horas diárias, no máximo, perfazendo uma carga horária anual de, pelo menos, (mil e seiscentas) horas. [C] O tempo mínimo de 8 (oito) horas diárias de efetivo trabalho escolar, perfazendo uma carga horária anual de, pelo menos, (mil e seiscentas) horas. [D] A jornada escolar que se organiza em 7 (sete) horas diárias, no mínimo, perfazendo uma carga horária anual de, pelo menos, (mil e quatrocentas) horas. Questão 21 Conhecimentos Específicos De acordo com a psicogênese da língua escrita, em uma turma heterogênea de alfabetização, para que ocorram avanços na aquisição do conhecimento, é fundamental: [A] Adotar como procedimento metodológico padrão o uso de palavras-chave, a partir das quais exercita-se a decodificação. [B] Agrupar os alunos deixando sempre juntos aqueles que estejam no mesmo nível para que não atrapalhem uns aos outros. [C] Trabalhar somente com atividades individuais para realmente atender às diferenças. [D] Organizar grupos em que crianças que estejam em níveis de alfabetização próximos possam interagir. Questão 22 Analise duas propostas de trabalho para o assunto escravidão no 5.º ano do Ensino Fundamental. PROPOSTA 1 A professora leu um texto sobre os negros no Brasil e passou no quadro para ser copiado, depois propôs as seguintes perguntas: De onde vieram os negros? Como viviam? Quem aboliu a escravidão no Brasil? Quando aconteceu a abolição? PROPOSTA 2 A professora começou situando a tentativa de escravizar os índios, depois a introdução dos negros como mão-de-obra escrava, suas lutas e rebeliões, suas condições de trabalho, a relação escravidão/economia da época, os diferentes documentos que, aos poucos, garantiram a liberdade. Passou então a analisar a situação dos negros após a abolição, buscando situar o tema escravidão nos dias atuais. Todas as discussões foram realizadas usando músicas, análise de documentos da época, imagens antigas e atuais, entrevistas, e, ao final, os alunos montaram uma linha do tempo mostrando o percurso da escravidão desde a dos indígenas até a dos dias atuais. Sobre as duas propostas, com base nos PCN: História, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) Na proposta 1, o fato histórico é apresentado de modo isolado do contexto em que viveram os personagens e dos movimentos de que participaram. ( ) A proposta 2 apresenta o fato histórico entendido como ações humanas significativas em determinados momentos históricos, podendo ser eventos do passado mais próximo ou mais distante. ( ) Apesar de apresentar bom encadeamento das discussões, a proposta 2 traz análises muito complexas e, nesse ponto, a proposta 1, sendo mais simples, atende melhor o objetivo principal do ensino de História no 5.º ano do Ensino Fundamental conhecer fatos e datas de maneira objetiva. ( ) Na proposta 2, o trabalho desenvolvido mostra, a partir do tema escravidão, as relações de trabalho que atravessam os séculos e introduz uma visão de tempo histórico que utiliza o tempo cronológico como referência, mas também a ideia de diferentes ritmos de duração temporal. Assinale a sequência correta. [A] V, V, F, F [B] F, F, V, F [C] V, V, F, V [D] F, F, V, V 9/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

12 Questão 23 Com base nos estudos de Emília Ferreiro e nas orientações para as didáticas de cada nível, uma professora do 1.º ano do Ensino Fundamental propôs o trabalho com a seguinte ficha: (GROSSI, Esther Pillar. Didática do nível pré-silábico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.) Considerando que o professor alfabetizador deve propor atividades de intervenção que permitam analisar o sistema de escrita, que tipo de análise a ficha didática proposta prioriza? [A] Análise de reconhecimento do som das letras. [B] Análise de palavras quanto à ordem das letras. [C] Análise do significado das palavras. [D] Análise da linguagem oral. Questão 24 Na Escola Sementinha, os alunos do 3.º ano do Ensino Fundamental, durante a execução do projeto Brincar e aprender, trouxeram para a sala e analisaram textos que ensinavam a confeccionar diferentes brinquedos. Posteriormente, também trabalharam com outros textos instrucionais envolvendo regras de jogo, receitas culinárias, manual de aparelho eletrônico, experimentos. Para finalizar o projeto, confeccionaram brinquedos e jogos com manual de regras para doar a uma creche. Sobre a atividade desenvolvida, analise as afirmativas. I - Com alunos dessa faixa etária, já é possível analisar a estrutura gramatical dos textos instrucionais, percebendo o uso dos verbos no infinitivo ou imperativo. II - Antes de começar a aprender a ler e a escrever, as crianças têm contato com textos instrucionais, que estarão presentes durante toda a sua vida. III - Descrever etapas a serem seguidas, incentivar a dramatização, propor a pesquisa e desenvolver habilidades cognitivas são todos objetivos do trabalho com texto instrucional. Está correto o que se afirma em [A] I e II, apenas. [B] I, II e III. [C] II e III, apenas. [D] III, apenas. 10/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

13 Questão 25 A partir do conto O casamento da Dona Baratinha, uma professora do 2.º ano do Ensino Fundamental propôs a seguinte sequência didática: leitura pela professora, releitura pelos alunos, dramatização, desenho, produção escrita pelos alunos confeccionando o próprio livro da Dona Baratinha. Sobre a prática descrita, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) As atividades propostas fazem com que a criança reflita sobre a linguagem, uma vez que recontar por escrito algo lido e ainda criar ilustrações coerentes com o texto escrito exigem aprofundamento na compreensão da história e apropriação da estrutura textual. ( ) A reprodução da história a partir do trabalho com literatura infantil não é atividade adequada para ensinar a ler e a escrever porque apresenta enredos muito ingênuos e fora da realidade atual da criança. ( ) Apesar das atividades propostas levarem o aluno a refletir a respeito do conteúdo e da forma do texto, elas são inadequadas, porque textos literários são apenas para criar situações de prazer de leitura, não devendo ser usados para atividades didáticas. ( ) As atividades desenvolvidas atendem as características de uma sequência didática coerente, propondo a escrita a partir de um contexto significativo de produção, com começo, meio e fim, em que a criança explora suas hipóteses e libera sua criatividade. Assinale a sequência correta. [A] V, F, F, V [B] V, V, V, F [C] F, V, F, V [D] F, F, V, V Questão 26 No final do 1.º bimestre, a professora do 1.º ano do Ensino Fundamental aplicou a avaliação abaixo contendo quatro tipos de atividades de acordo com o que pretendia avaliar. 1. COMECE DESENHANDO O SEU RETRATO. 2. AGORA ESCREVA SEU NOME. 3. PINTE UMA PARA CADA LETRA DO SEU NOME. 4. PINTE O NÚMERO QUE INDICA A SUA IDADE A coluna da esquerda apresenta os números das atividades propostas e a da direita, conceitos e/ou habilidades avaliadas. Numere a coluna da direita de acordo com a da esquerda. 1 Atividade 1 ( ) O aluno estabelece relação entre símbolo e quantidade. 2 Atividade 2 ( ) O aluno representa graficamente palavras significativas. 3 Atividade 3 ( ) O aluno utiliza linguagem não verbal como forma de expressão. 4 Atividade 4 ( ) O aluno estabelece relação um a um entre quantidades iguais. Marque a sequência correta. [A] 3, 4, 2, 1 [B] 4, 2, 1, 3 [C] 2, 1, 3, 4 [D] 1, 3, 4, 2 11/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

14 Questão 27 Os Parâmetros Curriculares de Matemática organizam as situações-problema envolvendo multiplicação e divisão, indicando a necessidade do trabalho com base em um campo mais amplo de significados e valorizando, para efeito de análise, quatro grupos relacionados a diferentes ideias de raciocínio. A coluna da esquerda apresenta as ideias de raciocínio e a da direita, situações-problema. Numere a coluna da direita de acordo com a da esquerda. 1 Ideia de comparação 2 Ideia de proporcionalidade 3 Ideia de configuração retangular 4 Ideia de combinação Marque a sequência correta. [A] 3, 1, 4, 2 [B] 2, 4, 1, 3 [C] 1, 2, 3, 4 [D] 3, 4, 1, 2 Questão 28 ( ) Quantos alunos há ao todo em uma sala organizada em 4 fileiras com 7 alunos em cada? ( ) A boneca de Camila tem 2 blusas, uma amarela e outra branca, e 3 saias, uma preta, uma azul e outra rosa. De quantas maneiras diferentes Camila pode vestir sua boneca? ( ) Eu tenho R$ 50,00. Meu irmão tem o dobro da minha quantia. Qual quantia meu irmão tem? ( ) Um chocolate custa R$ 0,50. Quanto gastarei para comprar 7 chocolates? Antes das pesquisas realizadas por Emília Ferreiro, era muito difícil entender o que realmente acontecia com a criança enquanto ela se apropriava do código linguístico. Atualmente, tais estudos permitem ao professor alfabetizador identificar as hipóteses de escrita de seus alunos. Analise a escrita produzida por aluno de 1.º ano com a devida identificação pelo professor.. (CÓCCO, Maria Fernandes. Didática de alfabetização: decifrar o mundo alfabetização e socioconstrutivismo. São Paulo: FTD, 1996.) Em qual nível conceitual linguístico encontra-se a escrita desse aluno? [A] Pré-silábico [B] Alfabético [C] Silábico [D] Silábico-alfabético Questão 29 Em uma situação de produção de escrita, um aluno do 1.º ano do Ensino Fundamental, ao realizar suas tentativas, apresentou as seguintes escritas: TOMAT, CNOURA, FORMIH, GLADO para as palavras, respectivamente: tomate, cenoura, formiga, gelado. Sobre os erros cometidos por esse aluno, é correto afirmar que [A] são todos de mesma natureza, produzidos a partir do uso do chamado princípio acrofônico como referência para escrever. [B] são erros reveladores do predomínio das hipóteses do nível silábico-alfabético na escrita da criança. [C] são resultado da recitação do alfabeto, indicando que o trabalho com o reconhecimento das letras e seus respectivos nomes interfere negativamente no processo de escrita. [D] são consequência da falta de um trabalho sistematizado de treino da ortografia desde o início do processo de alfabetização. 12/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

15 Questão 30 Analise as propostas de duas professoras para o trabalho com letramento. PROFESSORA A Para trabalhar com leitura e propiciar contato com a estrutura da escrita, seleciona e permite aos alunos também indicarem textos interessantes que têm relação com a realidade vivenciada. Leva para a sala de aula e aproveita todo e qualquer material escrito que está entulhando os armários de casa e da escola, como jornais velhos, embalagens, caixas de produtos, sacolas e panfletos de supermercado, propagandas para que as crianças possam perceber a função social da escrita em vários suportes. Conversa com as crianças, escreve no quadro coisas que elas viram escritas nas ruas ou nos corredores e murais da escola e as convida a brincar de ler e escrever, deixando-as realizar tentativas de escrita mesmo que estas tenham erros de traçado, de grafia ou mesmo de organização das letras nas palavras. Além de tudo isso, conta muitas histórias, criando momentos prazerosos de leitura. Em relação à oralidade, permite o uso dos diferentes dialetos e aproveita a diversidade para oportunizar discussões sobre o uso da linguagem oral e escrita em variados contextos sociais. PROFESSORA B Nas primeiras semanas, trabalha com o alfabeto, as vogais, o nome da criança. Traz para a sala de aula jornais velhos, embalagens, caixas de produtos, sacolas e panfletos de supermercado, propagandas para que as crianças possam recortar palavras que comecem com as sílabas já trabalhadas, iniciando com as mais simples para depois introduzir as mais complexas. Conta histórias e faz atividades lúdicas envolvendo as sílabas trabalhadas e a ortografia correta. Escreve frases simples para treino da cópia e da leitura, pedindo que os alunos também as produzam exigindo sempre grafia e ortografia corretas, primando pelo uso exclusivo da norma culta da escrita no ambiente escolar, bem como corrigindo as pronúncias regionais e/ou dialetais garantindo a apropriação da norma culta também na oralidade. Considerando as orientações para o trabalho adequado à perspectiva do letramento, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas. ( ) A professora A trabalha com a linguagem na perspectiva do letramento, pois sua prática evidencia que não basta apenas aprender a ler e a escrever, mas também adquirir competência para usar a leitura e a escrita, envolvendose com práticas sociais de escrita e sabendo adequar a linguagem às diferentes situações de uso. ( ) A professora B desenvolve um trabalho na perspectiva do letramento, uma vez que propõe atividades de oralidade, leitura e escrita permitindo o uso exclusivo da norma culta, formando assim indivíduos letrados, ou seja, versados em letras, eruditos. ( ) A professora A demonstra preocupação maior com o processo de alfabetização e até se aproxima da perspectiva de letramento ao trabalhar com variados suportes textuais, porém não dá exclusividade à norma culta o que prejudicará a formação de indivíduos verdadeiramente letrados. ( ) A professora B revela compreender alfabetizar e letrar como duas ações distintas, mas não inseparáveis, mostrando que o ideal é alfabetizar letrando, ou seja, ensinar a ler e a escrever, possibilitando o contato com variados materiais escritos, mas tomando como referência exclusiva, desde as primeiras tentativas, a norma culta da língua, na oralidade e na escrita. Assinale a sequência correta. [A] F, V, F, V [B] F, V, V, F [C] V, F, F, F [D] V, F, F, V Questão 31 Ao realizar a leitura de um texto na aula de História em uma turma de 4.º ano do Ensino Fundamental, a professora destacou, juntamente com os alunos, todas as palavras e expressões que tivessem relação com tempo. Assim, ao terminar a leitura, tinham em destaque: nas primeiras décadas do século XVII, nos séculos seguintes, durante dois séculos ou mais, até o século XVIII, no dia 7 de setembro. Considerando as orientações atuais para o trabalho com História, é correto afirmar: [A] O principal objetivo dessa atividade é garantir a rápida memorização das datas em que os fatos históricos ocorreram. [B] A atividade desenvolvida caracteriza um trabalho com marcas temporais que auxilia na ampliação da noção e conceito de tempo como sucessão, ordenação, permanência, passado e presente. [C] Tal atividade não se justifica no 4.º ano, pois nessa faixa etária os alunos já possuem noção de tempo muito bem desenvolvida. [D] A atividade pretende somente atender a necessidade de integração dos conteúdos de História com outras áreas de conhecimento, como a Língua Portuguesa, a partir da análise linguística das expressões destacadas. 13/17 Docente: Professor do Ensino Fundamental anos iniciais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas.

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA. Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Período: Três semanas. ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática I Era uma vez um gato xadrez... Autora: Bia Villela. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto.

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato.

RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA RELATO DE EXPERIÊNCIA: Sequência Didática Poesia: O Pato. Professoras: Maria Cristina Santos de Campos e Silvana Bento de Melo Couto. Escola: E. M. José

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 358. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 358 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Formação Específica Anual 12.º Ano (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM

CURRÍCULO 1º ANO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM CURRÍCULO do ENSINO UNDAMENTAL LINGUAGEM ORALIDADE Formar frases com seqüência e sentido. Relacionar palavras que iniciam com vogais. Associar primeira letra/som em palavras iniciadas por vogal. Falar

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 1 ano Levar o estudante a realizar a escrita do próprio nome e outros nomes. Promover a escrita das letras do alfabeto. Utilizar a linguagem oral para conversar,

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática Pedagogia Profa. Luciana Miyuki Sado Utsumi Comunicação matemática e resolução de problemas PCNs, RCNEI e a resolução de problemas Consideram aspectos fundamentais, como: As preocupações acerca do ensino

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES.

PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. PRÁTICAS DE INCLUSÃO SÓCIO EDUCATIVAS, CULTURAIS E RECREATIVAS COMO FORMA DE REDUZIR DESIGUALDADES. TÍTULO: INSERÇÃO DO LÚDICO (BRINCAR) AO PROCESSO DA INCLUSÃO PRODUTIVA. INTRODUÇÃO Verifiquei a importância

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: PROFESSOR CLASSE SL (MATEMÁTICA) DATA: 20/01/2013 HORÁRIO: 9h às 12h (horário do Piauí)

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO. PROVA ESCRITA OBJETIVA CARGO: PROFESSOR CLASSE SL (MATEMÁTICA) DATA: 20/01/2013 HORÁRIO: 9h às 12h (horário do Piauí) NÚCLEO DE CONCURSOS E PROMOÇÃO DE EVENTOS NUCEPE PROCESSO SELETIVO SEDUC/PI - 2012 FOLHA DE ANOTAÇÃO DO GABARITO - ATENÇÃO: Esta parte somente deverá ser destacada pelo fiscal da sala, após o término da

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014

Atividades Pedagógicas. Agosto 2014 Atividades Pedagógicas Agosto 2014 EM DESTAQUE Acompanhe aqui um pouco do dia-a-dia de nossos alunos em busca de novos aprendizados. ATIVIDADES DE SALA DE AULA GRUPO II A GRUPO II B GRUPO II C GRUPO II

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO

USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO USANDO O ALFABETO MÓVEL COMO RECUSO DE RECUPERAÇÃO Vera Lucia de Souza 1 ; Monique de Campos Ribeiro 2 ; Maria Rosa Leite da Silva 3; Kátia Nakamura 4; Maria de Lourdes dos Santos 5 1Bolsista/PIBID/PEDAGOGIA/UFGD.

Leia mais

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA?

Projeto. Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? Projeto Pedagógico QUEM MEXEU NA MINHA FLORESTA? 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro tem como tema o meio ambiente em que mostra o homem e a destruição da natureza,

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GONÇALO DOS CAMPOS EDITAL DE RETIFICAÇÃO- II O Prefeito do Município de São Gonçalo dos Campos, Estado da Bahia, no uso de suas atribuições legais, retifica o Edital 001/2014

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300

CETEB. A adolescência e o ensino da língua inglesa 60. A aprendizagem criativa e o prazer de aprender 45. A comunicação em sala de aula 300 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição CETEB A adolescência e o ensino da

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO JOGO NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

A INFLUÊNCIA DO JOGO NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA A INFLUÊNCIA DO JOGO NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA Maria de Lourdes Meinerz da Silva Escola Municipal de Ensino Fundamental Nossa Senhora de Fátima- Santa Rosa RS jaimar_sr@yahoo.com.br Daiani Finatto

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO

1. INTRODUÇÃO 2. OBJETO DE AVALIAÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6-A/2015 de 5 de março Disciplina: INGLÊS Código: 06 Tipo de Prova: ESCRITA E ORAL (Língua Estrangeira I, Nível

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I OBJETIVOS GERAIS: Promover o hábito da leitura entre os alunos; Proporcionar ao aluno o prazer

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas Prezado(a) Professor(a) Este manual de orientações tem a finalidade de sugerir um

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR

ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR ENSINAR E APRENDER GEOMETRIA PLANA COM E A PARTIR DO USO DO SOFTWARE GEOGEBRA UMA VIVÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR Por: André Forlin Dosciati - UNIJUÍ Vanessa Faoro - UNIJUÍ Isabel Koltermann Battisti UNIJUÍ

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO: 2014/2015 1 ª /

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

O Ensino de Matemática na Educação Infantil

O Ensino de Matemática na Educação Infantil Débora de Oliveira O Ensino de Matemática na Educação Infantil No Brasil, desde 1996, a Educação Infantil é considerada a primeira etapa da educação básica e tem como guia de reflexão de cunho educacional

Leia mais

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO?

DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? DA CALIGRAFIA À ESCRITA: EXPERIÊNCIAS DE SALA DE AULA. COMO MELHORAR A ESCRITA NO CADERNO? Fábia da Silva de Oliveira Educadora do Ensino Fundamental I na Escola La Salle, Águas Claras/DF, Pedagoga com

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases

PROVA 367. (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases PROVA 367 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS- continuação 10.º e 11.º Anos (Dec.- Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 2014/2015 1.ª e 2.ª Fases Provas Escrita e Oral Cursos Científico-

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula

SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula OFICINA SEMIPRESENCIAL O(S) USO(S) DE DOCUMENTO(S) DE ARQUIVO NA SALA DE AULA ALUNA: Alcinéia Emmerick de Almeida / Núcleo de Ação Educativa - APESP SEQUÊNCIA DIDÁTICA: A Publicidade na Sala de Aula TEMA:

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Prova de Equivalência à Frequência de Língua Estrangeira I Inglês Escrita e Oral Prova 06/ 2013 Despacho normativo nº 5/ 2013, de

Leia mais