ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PEÇAS E QUESTÕES ENTENDER O PROBLEMA APRESENTADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PEÇAS E QUESTÕES ENTENDER O PROBLEMA APRESENTADO"

Transcrição

1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PEÇAS E QUESTÕES ENTENDER O PROBLEMA APRESENTADO O candidato deverá, antes de partir para a redação da peça, extrair todos os dados necessários para a sua elaboração. Para tanto, deverá destacar do problema os seguintes pontos: a) o crime narrado: b) o procedimento: c) a ação penal: d) situação do cliente: I) se é autor II) se é réu III) se está preso IV) se está solto e) datas: I) do fato; II) do recebimento da denúncia; III) da pronúncia; IV) da sentença; V) data de nascimento do réu f) último ato processual praticado Destacados esses pontos, deverá extrair os dados que interessam diretamente à elaboração da peça profissional. São eles: 1 A FASE PROCESSUAL E A PEÇA PROCESSUAL PERTINENTE 2 O FUNDAMENTO LEGAL DA PEÇA 3 A COMPETÊNCIA/ENDEREÇAMENTO 4 A TESE (FUNDAMENTAÇÃO JURÍDICA) 5 O PEDIDO 6 A DATA 1 A FASE PROCESSUAL E A PEÇA PROCESSUAL PERTINENTE Os atos processuais realizar-se-ão em quatro fases, a saber: 1ª fase, quando não tem ação penal; 2ª fase, quando tem ação penal, mas não tem sentença; 3ª fase, quando tem sentença, mas ainda não transitou em julgado; 4ª fase, depois do trânsito em julgado da sentença ou acórdão. Há peças que só são cabíveis em determinada fase processual, como a queixa-crime, que só é admitida na primeira fase; defesa inicial, que só é cabível na segunda fase; a apelação, que ocorre na 3ª fase e a revisão criminal, cabível na 4ª fase, após o trânsito em julgado da sentença condenatória. Interessante observar que o último ato praticado, dentro de uma das fases processuais, irá indicar qual a próxima medida cabível. Ex: o MP ofereceu denúncia; o juiz a recebeu; houve a citação do réu para 1

2 responder a acusação. O próximo ato será o oferecimento de resposta à acusação, nos termos do art. 396 e 396-A, do CPP. 2 O FUNDAMENTO LEGAL O fundamento legal da peça nada mais é do que a previsão na lei processual para a medida cabível. Ex. recurso em sentido estrito, art. 581 e incisos; apelação: art. 593 e incisos; defesa inicial: art. 396-A etc. 3 A COMPETÊNCIA/ENDEREÇAMENTO A verificação da competência serve tanto para a realização de endereçamento correto como para eventual arguição de incompetência do Juízo. 4 A TESE Maior atenção deverá ocorrer na descoberta da tese, visto ser onde se concentra toda a argumentação, isto é, a linha de defesa do aluno/candidato. Entende-se por tese aquilo que o candidato irá argumentar, defender, alegar, etc. De acordo com o ponto de vista ou com o direito a ser defendido, as teses se dividem em: a) falta de justa causa; b) extinção de punibilidade; c) nulidade processual; d) abuso de autoridade e e) demonstração do preenchimento de determinado direito. Veremos cada uma delas: 4.1 Falta de Justa Causa A tese consistente na falta de justa causa tem a ver com o próprio mérito da questão/problema apresentado. Em outras palavras, a falta de justa causa é a tese em que o aluno deverá demonstrar que, à luz do ordenamento jurídico penal, não há razões para a persecução penal, isto é, não há uma causa justa e legítima que justifique a atuação do Estado no sentido de instaurar o processo crime ou punir o réu. Assim, com a tese falta de justa causa o candidato tece argumentos consistentes em demonstrar a inexistência do crime, da ilicitude, da culpabilidade ou da participação do seu cliente no fato narrado pela acusação. Dessa forma deverá extrair do problema os dados que irão indicar em que consiste a falta de justa causa. Várias hipóteses podem configurar a tese de falta de justa causa. 2

3 São elas: Inexistência do crime: aqui o candidato deverá demonstrar que o crime não ocorreu. É bom lembrar que a banca examinadora da OAB é implacável em quesitar este tópico, de forma que deverá o candidato demonstra o seguinte: ausência de fato típico: é sabido que o fato típico é composto de quatro elementos, quais sejam, conduta, resultado, nexo causal e tipicidade. Ora, faltando um desses elementos, não há que se falar em crime, uma vez que não haverá fato típico, logo, não se pode falar em justa causa. Ex. Tício, dirigindo em velocidade superior à legalmente permitida, acaba envolvendo-se em acidente, do qual não houve danos à integridade física da vítima, mas causou sérios danos materiais a outro veículo; pergunta-se: Tício poderá ser condenado pelo crime de dano (art. 163, CP)? Evidentemente que não, uma vez que faltou um elemento do fato típico, qual seja, conduta dolosa, e não há ressalva no dispositivo de que a forma culposa também será punida. Em resumo, a tese consistente em falta de justa causa, por ausência de fato típico, dar-ser-á quando faltar conduta (dolosa ou culposa), resultado ou o nexo entre a conduta e o resultado, bem como quando o fato não constituir crime (ausência de tipicidade) Excludente de ilicitude: para que um fato constitua crime, além de típico, deverá ser antijurídico. Assim, se o agente praticou a conduta mediante algumas das hipóteses previstas no art. 23, CP, configura falta de justa causa para a persecução penal. Igualmente, configura falta de justa causa as descriminantes putativas, isto é, quando o agente, mediante falsa interpretação da realidade, acha estar agindo sob o manto de uma das hipóteses de excludente de ilicitude. Finalmente, também afasta a ilicitude o consentimento da vítima (causa supra legal de excludente de ilicitude) Ausência de culpabilidade. Para que a atuação do Estado repressor seja legítima, não basta que o fato constitua crime, isto é, que seja típico e antijurídico. Exige-se, além desses dois elementos, que o agente tenha capacidade de entender o caráter ilícito do seu ato, seja em relação a capacidade psicológica (imputabilidade), seja em relação a capacidade intelectual (potencial conhecimento da ilicitude), seja pela possibilidade de agir conforme o direito (exigibilidade de conduta diversa). É certo que o agente só poderá receber uma pena se presentes os seguintes elementos: imputabilidade, potencial consciência da ilicitude e exigibilidade de conduta diversa. 3

4 Assim, as causas que excluem a culpabilidade, denominadas dirimentes, são: a) Ausência de imputabilidade: menoridade, doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado; embriaguez completa acidental; b) ausência de potencial conhecimento da ilicitude: erro de proibição escusável ou inevitável; c) ausência de exigibilidade de conduta diversa: coação moral irresistível e obediência hierárquica. Ocorrendo uma dessas dirimentes, há falta de justa causa para a condenação Escusas absolutórias: existem hipóteses em que, não obstante o fato ser típico, antijurídico e o agente ser culpável, a pena poderá deixar de ser aplicada em razão de circunstâncias pessoais definidas em lei. Caso o agente se encaixe em uma dessas circunstâncias, não há justa causa para a condenação, uma vez que a lei o isenta de pena. São as causas absolutórias. No Código Penal, as escusas absolutórias estão previstas no art. 181, o qual isenta de pena quem pratica, sem violência ou grave ameaça, algum crime contra o patrimônio contra cônjuge, durante a sociedade conjugal, ascendente ou descendente. Outra hipótese está prevista no crime de favorecimento pessoal (art. 348, 2º, CP), quando quem presta auxílio ao autor do delito é ascendente, descendente, cônjuge ou irmão daquele. Observação: Quando estiver patrocinando interesse da vítima (assistente da acusação), a argumentação do candidato será diferente de quando estiver patrocinando o réu. Naquela hipótese, todo empenho é para demonstrar a justa causa para a persecução penal, porquanto o objetivo é uma sentença condenatória. 4.2 Extinção de Punibilidade Extinção de punibilidade é a perda do direito de punir do Estado. Encontra-se prevista no art. 107, do Código Penal. Lembre-se que esse rol não é taxativo, podendo ser encontrado outras hipóteses de extinção de punibilidade. Ex. pagamento do tributo em crime contra a ordem tributária ( 2º do art. 9º da Lei /03). Interessante observar que, quando no problema aparecem duas teses, isto é, falta de justa causa e extinção de punibilidade, no momento de elaborar o tópico DO PEDIDO, pede-se em primeiro lugar esta última, ou seja, para o juiz declarar a extinção da punibilidade. Em seguida, como o pedido é alternativo, pede-se o reconhecimento da falta de justa causa a fim de julgar o mérito da ação em benefício do autor do fato. A justificativa de pedir primeiro a extinção da punibilidade consiste no fato de o Estado ter perdido o direito de punir, sendo que a perda de tal direito retira do Estado a possibilidade de analisar o mérito da ação, seja para absolver ou para 4

5 condenar. Igualmente, é o que se oberva do art. 249, 2º, do Código de Processo Civil. 4.3 Nulidades Os atos processuais devem ser praticados dentro das formalidades previstas na lei processual. Se algum ato for praticado sem a observação de uma formalidade prevista no Código, a tese de defesa será NULIDADE. As nulidades estão previstas no art. 564, do CPP. São classificadas como nulidades absolutas e nulidades relativas. Aquelas atingem o interesse público ou violam princípios constitucionais ou infraconstitucionais ligados ao interesse público. As nulidades relativas, por sua vez, não atingem interesse público, mas sim interesse apenas das partes, bem como violam dispositivos legais, não ligados ao interesse público. As nulidades absolutas podem ser arguidas a qualquer tempo, já que não precluem, bem como podem ser declaradas de ofício pelo magistrado e não depende da comprovação de prejuízo, porquanto este é presumido. Por outro lado, as nulidades relativas devem ser argüidas nos momentos indicados no art. 571, CPP. Também deverá ser demonstrado o prejuízo. Cuidado apenas com as normas de competência relativa (exemplo competência territorial), que quando não observadas, dão causa a uma nulidade relativa, mas podem ser conhecidas de ofício pelo juiz (em processo penal, tanto a incompetência absoluta quanto a relativa podem ser conhecidas ex officio pelo juiz). 4.4 Abuso de Autoridade A tese consistente em abuso de autoridade é aquela em que o juiz, promotor, delegado, ou qualquer outra autoridade, agem de maneira a infringir um direito subjetivo ou uma garantia do investigado, do réu ou do reeducando. Também haverá abuso quando o ato da autoridade subsumir-se em uma das hipóteses previstas na lei que define o crime de abuso de autoridade Lei nº 4898/ Demonstração do Preenchimento de Certo Direito Há casos em que a tese não será nenhuma dessas apontadas acima. Isso ocorre quando o problema apenas indicar que o cliente apresenta todos os requisitos legais para determinado benefício. Ex. preenchimento dos requisitos legais para obtenção de fiança; etc. 5 O PEDIDO 5

6 A peça processual termina com o pedido. Aqui o candidato deverá fazer uma correlação com os pontos das teses. Em regra, todo o pedido deverá apresentar um fundamento jurídico, isto é, o pedido tem que fazer relação com algum ponto defendido na tese. Assim, se foi sustentada a tese de nulidade, deverá pedir para que o processo seja anulado a partir da fase processual em que ocorreu a nulidade ou ab initio. Se a tese foi uma prescrição, o pedido deverá ser para que o juiz ou o tribunal declare a extinção da punibilidade. O CESPE ou a FGV ultimamente vem colocando vários pontos ou várias teses. Dessa forma, o candidato deverá redobrar a atenção para que, no pedido, sejam contempladas todas as teses. Ex. se em um problema, cuja peça seja MEMORIAIS, o enunciado aborda uma hipótese de extinção de punibilidade e uma tese de falta de justa causa para a condenação, o candidato deverá pedir para que o juiz reconheça a extinção de punibilidade ou, caso não seja esse o entendimento do juiz, que seja o réu absolvido da imputação constante na denúncia. 6 DATA O último quesito ultimamente cobrado em provas de concursos e OAB é a oposição da data na peça. Para isso, o problema vai informar a data e o dia da semana em que o réu foi citado ou intimado. Nos exercícios que serão resolvidos durante o curso, treinaremos esse ponto da peça, exaustivamente. ESTRUTURA DE UMA PEÇA PROCESSUAL A peça prático-profissional nada mais é do que uma petição, ou qualquer outro pedido feito ao órgão do Poder Judiciário, ao Ministério Público ou ao Delegado (nestes dois últimos casos quando se tratar de representação). Uma peça prático-profissional, seja em concurso público ou OAB, é analisada através de quesitos, isto é, distribui-se a pontuação ao longo da peça, que vai da determinação da competência, passando pela fundamentação jurídica até a colocação correta da data na peça. A fundamentação jurídica analisa se o candidato adequou a resposta ao problema, de forma a demonstrar técnica profissional, bem como avalia a capacidade de interpretação e exposição. 6

7 Assim, não basta fazer uma peça com a resposta pura e simples. Deverá, sim, fazer uma construção persuasiva, com fundamento no direito pátrio. No final, é aconselhável, para reforçar o raciocínio, que o aluno colacione ensinamentos doutrinários e jurisprudenciais sobre a tese defendida. Na OAB não é mais permitida consulta doutrinária, razão pela qual não é necessário embasar o posicionamento em ensinamento doutrinário ou jurisprudencial (exceto súmulas). 1 ENDEREÇAMENTO O endereçamento é a indicação do órgão do poder judiciário competente para prestar o serviço jurisdicional tratado no problema. É, então, a indicação da competência. Deve o candidato extrair dos dados do problema se a matéria é de competência da Justiça Federal ou da Justiça Estadual, ou se a competência é do juízo de primeiro grau ou de algum Tribunal. Não se deve abreviar nada. Ex. Exmo. Dr. Juiz de Dto da 4ª Vara Criminal. O correto é: Excelentíssimo Doutor Juiz de Direito da 4ª Vara Criminal... 2 INDICAÇÃO DO NÚMERO DO PROCESSO. Feito o endereçamento, existindo processo em andamento, deverá o candidato indicar o nº do processo. Caso o problema não forneça o número, basta que coloque processo nº QUALIFICAÇÃO DAS PARTES Após o endereçamento, vem a qualificação das partes, isto é, o nome dos sujeitos do processo. Observe-se que se é a primeira vez que o cliente está indo em juízo, a qualificação deverá ser completa. Entende-se por qualificação completa, o nome, nacionalidade, profissão, estado civil, RG, CPF e endereço. 4 DOS FATOS Neste tópico, o aluno/candidato deverá fazer um resumo dos fatos narrados no problema. Esse resumo deve ser feito com as palavras do aluno, ou seja, não é aconselhável copiar o problema, pois um dos itens avalados está relacionado com a capacidade de exposição dos fatos. 5 DA FUNDAMENTAÇÃO JURÍDICA OU DO DIREITO 7

8 É aqui que o candidato irá expor todos os seus argumentos, isto é, suas teses. Antes de desenvolver a tese, o candidato deve ter o cuidado no sentido de identificar todos os pontos do problema possíveis de serem atacados. Ex. verificar se tem extinção de punibilidade, nulidade, escusa absolutória e por fim o mérito (falta de justa causa para a ação penal ou para a condenação, ou até mesmo demonstrar a ocorrência do delito e a prova da autoria, caso esteja patrocinando interesses da vítima)... O candidato deve ter sempre em mente que é este o tópico com maior número de itens ser avaliado, o que faz com que a maior pontuação recaia aqui. Daí a importância de uma boa análise do problema, antes de começar a escrever a peça. Tudo isso será exaustivamente treinado durante o curso. 6 O PEDIDO A peça processual termina com o pedido. Aqui o candidato deverá fazer uma correlação com os pontos das teses. Em regra, todo o pedido deverá apresentar um fundamento jurídico, isto é, o pedido tem que fazer relação com algum ponto defendido na tese. Assim, se foi sustentada a tese de nulidade, deverá pedir para que o processo seja anulado a partir da fase processual em que ocorreu a nulidade ou ab initio. Se a tese foi uma prescrição, o pedido deverá ser para que o juiz ou o tribunal declare a extinção da punibilidade. O CESPE ou a FGV ultimamente vêm colocando vários pontos ou várias teses. Dessa forma, o candidato deverá redobrar a atenção para que, no pedido, sejam contempladas todas as teses. Ex. se em um problema, cuja peça seja MEMORIAIS, o enunciado aborda uma hipótese de extinção de punibilidade e uma tese de falta de justa causa para a condenação, o candidato deverá pedir para que o juiz reconheça a extinção de punibilidade ou, caso não seja esse o entendimento do juiz, que seja o réu absolvido da imputação constante na denúncia. 7 DATA O último quesito ultimamente cobrado em provas de concursos e OAB é a oposição da data na peça. Para isso, o problema vai informar a data e o dia da semana em que o réu foi citado ou intimado. Nos exercícios que serão resolvidos durante o curso, treinaremos esse ponto da peça, exaustivamente. QUESTÕES A prova prático-profissional, como se sabe, é composta de uma peça e 4 questões. Assim, o aluno não poderá preocupar-se apenas com a 8

9 peça prática 1. O enunciado da questão, na maioria das vezes, traz uma situação hipotética da qual o aluno deverá responder os pontos avaliados. Ressalte-se que, ainda que a pergunta seja direta, o examinando deverá demonstrar domínio do raciocínio jurídico (capacidade de interpretação e de exposição do problema, bem como adequar a resposta aos pontos questionados). Durante o curso, os alunos, além da peça profissional, serão treinados a resolver questões, já que compõe 50% da prova. I) COMO DESCOBRIR A RESPOSTA ESPERADA PELO EXAMINADOR? Pois bem. Se a situação hipotética apresentada na questão consistir na narrativa de um fato, e ao final pedir para o candidato tipificar a conduta, este deverá seguir os seguintes passos: a) Procurar na questão uma palavra chave. Encontrada a palavra, deverá buscar no índice alfabético-remissivo o artigo que tipifica a conduta. Ex. José de Oliveira, conhecido Lobista, procurou a pessoa de Ítalo Cabral, o qual possuía uma ação de indenizações no Tribunal de Justiça do Distrito Federal, e ofereceu auxílio no sentido de acelerar o trâmite da referida ação. Para tanto, José de Oliveira solicitou o equivalente a 10% do valor da causa. Alegou que parte desse valor seria entregue ao magistrado condutor do processo. José de Oliveira não registra antecedentes criminais, tampouco está respondendo a processo. Diante da situação hipotética, redija um texto respondendo os seguintes quesitos: 1) qual o crime praticado por José de Oliveira e qual o procedimento a ser observado. 2) é possível a suspensão condicional do processo? 2 : No presente exercício a palavra chave é tráfico de influencia. O candidato será remetido para o art. 332, do CP. Em seguida deverá verificar se não há pegadinha, ou seja, se o problema não traz alguma peculiaridade. No caso, a conduta do agente não se amolda ao art. 332, uma vez que o servidor público referido na questão é 1 Tenho feito vários recursos em que o aluno foi reprovado porque, não obstante ter-se saído bem na peça, não conseguiu resolver as questões como a banca esperava. E o que é pior: muitos deles sabiam a resposta, porém, não responderam conforme solicitado. 2 RESPOSTA: 1) Crime praticado: exploração de prestígio art. 357, CP 2) Procedimento: ordinário pena privativa de liberdade superior a 4 anos. 3) não é possível a suspensão condicional do processo, uma vez que tem causa de aumento de pena (1/3), art. 357, parágrafo único. 9

10 Magistrado. Assim, a conduta do agente se amolda ao tipo penal descrito no art. 357, isto é, exploração de prestígio. Para que o candidato não venha a incorrer em erro, tipificando a conduta incorretamente, aconselha-se a fazer uso das anotações/remissões localizadas logo abaixo dos artigos correspondentes, ou, quando estiver usando o Código Penal comentado, basta procurar a parte onde o doutrinador faz a devida diferenciação. b) inexistência de palavra chave: neste caso, deverá o candidato verificar em que categoria de crime a conduta está inserida, isto é, crime contra o patrimônio, contra a administração pública, contra a liberdade sexual etc. Exemplo: (OAB/MT 02/2008) José, policial militar responsável pelo controle do trânsito, abordou Gonçalo, pedindo-lhe que retirasse o veículo da via por este estar mal estacionado, oportunidade em que Gonçalo retrucou-lhe: Quero ver o militarzinho borra-botas que é homem para me fazer tirar o carro!. José conduziu Gonçalo até a delegacia mais próxima, onde a autoridade efetuou os procedimentos cabíveis e encaminhou as partes para o juízo criminal competente. Na audiência preliminar, Gonçalo confirmou as ofensas proferidas e pediu desculpas a José, que as aceitou, ocorrendo a conciliação nos termos previstos em lei. Em face da situação hipotética apresentada e considerando que Gonçalo não tenha antecedentes criminais, responda, de forma fundamentada, às perguntas a seguir. - Que crime Gonçalo praticou? - Em face do crime praticado, o representante do Ministério Público tem legitimidade para tomar alguma providência legal? No referido exercício, extrai-se houve a prática de um ato contra um servidor que se encontrava no exercício da profissão. Ou seja, houve um crime contra a administração pública. Ao ler os dispositivos penais, a partir do art. 312, chegar-se-á no art. 331 Desacato. Encontrado o artigo, o candidato já poderá redigir a sua resposta. II) COMO REDIGIR A QUESTÃO? As bancas examinadoras observam na redação da questão, para fins de pontuação, os seguintes itens, denominados de quesitos: a) Apresentação e estrutura textual (legibilidade, respeito às margens, paragrafação); correção gramatical (acentuação, grafia, morfossintaxe); 10

11 b) Domínio do raciocínio jurídico (adequação da resposta ao problema; técnica profissional demonstrada; capacidade de interpretação e exposição). É claro para que só terá domínio do raciocínio jurídico, se a resposta do aluno for completa, isto é, se abordar todos os pontos questionados. Assim, ainda que a pergunta seja direta, o aluno deverá, em sua resposta, responder da seguinte forma: primeiro deverá fazer um breve relato da questão, que nada mais é do que uma apresentação ou exposição dos fatos; em seguida deverá apontar o que o examinador está pedindo, ou seja, deverá indicar quais os questionamentos; finalmente, vem a resposta aos questionamentos, isto é, a argumentação do aluno no sentido de responder a questão. Exemplo: OAB/MT 02/2008. José, policial militar responsável pelo controle do trânsito, abordou Gonçalo, pedindo-lhe que retirasse o veículo da via por este estar mal estacionado, oportunidade em que Gonçalo retrucou-lhe: Quero ver o militarzinho borra-botas que é homem para me fazer tirar o carro!. José conduziu Gonçalo até a delegacia mais próxima, onde a autoridade efetuou os procedimentos cabíveis e encaminhou as partes para o juízo criminal competente. Na audiência preliminar, Gonçalo confirmou as ofensas proferidas e pediu desculpas a José, que as aceitou, ocorrendo a conciliação nos termos previstos em lei. Em face da situação hipotética apresentada e considerando que Gonçalo não tenha antecedentes criminais, responda, de forma fundamentada, às perguntas a seguir. - Que crime Gonçalo praticou? - Em face do crime praticado, o representante do Ministério Público tem legitimidade para tomar alguma providência legal? Narra a questão que Gonçalo, diante da determinação do policial militar José, para que retirasse o seu veículo da via pública, por estar mal estacionado, dirigiu-se ao policial com os seguintes dizeres: Quero ver o militarzinho borra-botas que é homem para me fazer tirar o carro!. Diante da ofensa, Gonçalo foi encaminhado para a delegacia, onde foram tomadas as providências legais, tendo sido o ofensor encaminhado para o juízo criminal competente. Narra ainda que o ofensor, na audiência de conciliação, pediu desculpas ao policial pelas ofensas, ocasião em que o militar as aceitou. Indaga, ao final, sobre o crime praticado por Gonçalo, bem como se o representante do MP tem legitimidade para tomar alguma providencia legal. 11

12 Extrai-se de questão que Gonçalo praticou o crime descrito no art. 331, do Código Penal, isto é, Desacato. Neste particular, convém salientar que o sujeito passivo é a administração pública, uma vez que a ofensa foi dirigente contra uma pessoa em razão do exercício da sua profissão. Assim, não há que se falar em crime contra a honra do militar, mas sim, crime contra a administração pública. Finalmente, não obstante a conciliação efetivada entre o ofensor e o policial militar, o Ministério Público continua legítimo a atuar no feito, oferecendo proposta de transação penal ou aplicação imediata de pena restritiva de direitos ou multa, nos termos do art. 76, da Lei nº 9.099/95. A legitimidade do Parquet justifica-se pelo fato de o crime praticado por Gonçalo ser de ação penal pública incondicionada. Em outras palavras, a conciliação não retira a legitimidade do MP, porquanto não caracteriza extinção de punibilidade. Isso só ocorreria se o crime fosse de ação penal pública condicionada, consoante se extrai do parágrafo único, do art. 74, da Lei nº 9.099/

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS

PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS PROVA SIMULADA OAB - DIREITO PENAL PADRÃO DE RESPOSTA DA PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL MEMORIAIS/MEMORIAIS DEFENSÓRIOS/MEMORIAIS FINAIS Peça - MEMORIAIS, com fundamento no art. 403, 3o, do Código de Processo

Leia mais

1. RECURSO DE APELAÇÃO

1. RECURSO DE APELAÇÃO 1. RECURSO DE APELAÇÃO 1. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO - Sentença condenatória. - Sentença absolutória. - Sentença de absolvição sumária no âmbito do Tribunal do Júri, nos termos do art. 415 do CPP. - Decisão

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ PARA ESTUDANTES DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7

SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ PARA ESTUDANTES DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ PARA ESTUDANTES DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 A FACULDADE 7 DE SETEMBRO, através do NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA,

Leia mais

GABARITO SIMULADO WEB 1

GABARITO SIMULADO WEB 1 GABARITO SIMULADO WEB 1 PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL No dia 10 de outubro de 2014, Caio, na condução de um ônibus, que fazia a linha Centro Capão Redondo, agindo com imprudência, realizou manobra

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004

COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 COMENTÁRIOS DA PROVA DE DIREITO PENAL ANALISTA PROCESUAL MPU 2004 01- Podemos afirmar que a culpabilidade é excluída quando a) o crime é praticado em obediência à ordem, manifestamente legal, de superior

Leia mais

Proposta de Razão Recursal

Proposta de Razão Recursal Concurso: Banca examinadora: Proposta de Razão Recursal Oficial Escrevente FAURGS Questões recorríveis: 46, 47, 48, 49 e 52 Professor: Davi André Costa Silva Objeto de recurso Questão Motivo 46 Objeto

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de Renata, mediante

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Jerusa, atrasada para importante compromisso profissional, dirige seu carro bastante preocupada, mas respeitando os limites de velocidade. Em uma via de mão dupla,

Leia mais

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2

DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 2 DFMS1401 CRITÉRIOS E GRADE DE CORREÇÃO QUESTÃO 1 O candidato deverá discorrer sobre os conceitos dos elementos do tipo penal (objetivos, normativos e subjetivos), dando os exemplos constantes no Código

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL ENUNCIADO Gilberto, quando primário, apesar de portador de maus antecedentes, praticou um crime de roubo simples, pois, quando tinha 20 anos de idade, subtraiu de

Leia mais

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME

EXERCÍCIO MODELO QUEIXA-CRIME 2ª Fase OAB/FGV Direito Processual Penal Monitoria Penal Karina Velasco EXERCÍCIO 1 O juiz, ao proferir sentença condenando João por furto qualificado, admitiu, expressamente, na fundamentação, que se

Leia mais

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO

Professor Márcio Widal Direito Penal PRESCRIÇÃO PRESCRIÇÃO Professor Márcio Widal 1. Introdução. A perseguição do crime pelo Estado não pode ser ilimitada no tempo, por força, inclusive, da garantia da presunção de inocência. Além disso, o Estado deve

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 3 Rosivaldo Russo 1) AÇÃO PENAL: 2. INÍCIO DA AÇÃO PENAL AÇÃO PENAL PÚBLICA tem início através de uma peça que se chama denúncia. Essa é a petição inicial dos crimes

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Durante o carnaval do ano de 2015, no mês de fevereiro, a família de Joana resolveu viajar para comemorar o feriado, enquanto Joana, de 19 anos, decidiu ficar em

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO PENAL

DISCIPLINA: DIREITO PENAL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO PENAL QUESTÃO Nº 109 Protocolo: 11913003657-0 Não existe qualquer erro material na questão. Nada a ser alterado. O recorrente

Leia mais

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos

Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Roteiro de Teses Defensivas OAB 2ª Fase Penal Vega Cursos Jurídicos Prof. Sandro Caldeira Prezado(a) aluno(a), Na nossa primeira aula abordamos um roteiro de teses defensivas que iremos treinar durante

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga

PLANO DE ENSINO. Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015. Carga 1 PLANO DE ENSINO Disciplina Carga Horária Semestre Ano Teoria Geral do Direito Penal I 80 2º 2015 Unidade Carga Horária Sub-unidade Introdução ao estudo do Direito Penal 04 hs/a - Introdução. Conceito

Leia mais

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL

ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL ALTERAÇÃO NO CÓDIGO PENAL: O DELITO DE FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO OU DE OUTRA FORMA DE EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇA OU ADOLESCENTE OU DE VULNERÁVEL. Nomen juris: a Lei nº 12.978/2014 alterou o nome

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0

IV - APELACAO CIVEL 374161 2000.50.01.011194-0 RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : UNIAO FEDERAL APELADO : JOSÉ RODRIGUES PINHEIRO ADVOGADO : SONIA REGINA DALCOMO PINHEIRO ORIGEM : QUARTA VARA FEDERAL DE VITÓRIA (200050010111940)

Leia mais

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal

O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal O alcance do princípio da culpabilidade e a exclusão da responsabilidade penal Pedro Melo Pouchain Ribeiro Procurador da Fazenda Nacional. Especialista em Direito Tributário. Pósgraduando em Ciências Penais

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA QUESTIONAMENTO: Solicito pesquisa acerca do enquadramento típico de indivíduo que fora abordado pela Brigada Militar, conduzindo veículo embriagado (306 dp CTB) e com a CNH vencida, sendo que foi reprovado

Leia mais

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas.

Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. CONCURSO DE PESSOAS Crime Unisubjetivo: quando o crime pode ser cometido por uma única pessoa. Crime Plurisubjetivo: quando o crime exige uma quantidade de pessoas. Nos crimes unisubjetivos o concurso

Leia mais

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões

LFG MAPS. Teoria Geral do Delito 05 questões Teoria Geral do Delito 05 questões 1 - ( Prova: CESPE - 2009 - Polícia Federal - Agente Federal da Polícia Federal / Direito Penal / Tipicidade; Teoria Geral do Delito; Conceito de crime; Crime impossível;

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 11 Capítulo I PROVAS... 13 1. Introdução... 13 2. Das provas aspectos gerais (arts. 155 a 157 do CPP)... 13 3. Ônus da prova, provas antecipadas e provas de ofício... 14 4. Prova

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial

Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial Tribunal de Justiça do Piauí TJ/PI Área Judiciária Carreira de Escrivão Judicial ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema)

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema) Disciplina Processo Penal Aula 10 Professora Beatriz Abraão MODELO DE PETIÇÃO DE INTERPOSIÇÃO E RAZÕES DE APELAÇÃO EM CASO DE CONDENAÇÃO POR CRIME COMUM Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da...

Leia mais

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990

Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 Sumário Prefácio... 11 Apresentação dos autores... 13 Capítulo 1 Crimes Hediondos Lei 8.072/1990 1. Para entender a lei... 26 2. Aspectos gerais... 28 2.1 Fundamento constitucional... 28 2.2 A Lei dos

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Daniel, nascido em 02 de abril de 1990, é filho de Rita, empregada doméstica que trabalha na residência da família Souza. Ao tomar conhecimento, por meio de sua mãe,

Leia mais

Manual de Prática Penal

Manual de Prática Penal Felipe Novaes Rodrigo Bello Manual de Prática Penal 2. a edição revista, atualizada e ampliada Coordenação Vauledir Ribeiro Santos *** ~ SÃO PAULO ~ A EDITORA MÉTODO se responsabiliza pelos vícios do produto

Leia mais

DIREITO PENAL DO TRABALHO

DIREITO PENAL DO TRABALHO DIREITO PENAL DO TRABALHO ÍNDICE Prefácio à 1º Edição Nota à 4º Edição Nota à 3º Edição Nota à 2º Edição 1. CONCEITOS PENAIS APLICÁVEIS AO DIREITO DO TRABALHO 1.1. DoIo 1.1.1. Conceito de dolo 1.1.2. Teorias

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

Prescrição da pretensão punitiva

Prescrição da pretensão punitiva PRESCRIÇÃO PENAL 1 CONCEITO É o instituto jurídico mediante o qual o Estado, por não fazer valer o seu direito de punir em determinado tempo, perde o mesmo, ocasionando a extinção da punibilidade. É um

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE PROMOTOR DE JUSTIÇA ASSESSOR DO CENTRO DE APOIO OPERACIONAL CRIMINAL DO MINISTÉRIO PUBLICO

Leia mais

Capítulo I INQUÉRITO POLICIAL E AÇÃO PENAL Seção I REQUERIMENTO DE INSTAURAÇÃO DE INQUÉRITO POLICIAL (OU NOTITIA CRIMINIS )

Capítulo I INQUÉRITO POLICIAL E AÇÃO PENAL Seção I REQUERIMENTO DE INSTAURAÇÃO DE INQUÉRITO POLICIAL (OU NOTITIA CRIMINIS ) Manual de Prática Penal Sumário Manual de Prática Penal Capítulo I INQUÉRITO POLICIAL E AÇÃO PENAL Seção I REQUERIMENTO DE INSTAURAÇÃO DE INQUÉRITO POLICIAL (OU NOTITIA CRIMINIS ) Fundamento Legal... 33

Leia mais

DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL

DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL DIREITO PENAL APLICAÇÃO DA LEI PENAL Súmula 711: A Lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente, se a sua vigência é anterior à cessação da continuidade ou da permanência.

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL PROFª KAREM FERREIRA PRINCIPAIS INFORMAÇÕES RELACIONADAS AO EDITAL

DIREITO PROCESSUAL PENAL PROFª KAREM FERREIRA PRINCIPAIS INFORMAÇÕES RELACIONADAS AO EDITAL 3. PROVAS 3.1.2. A prova prático-profissional terá a duração de 5 (cinco) horas e será aplicada na data provável de 16 de junho de 2013, das 13h às 18h, no horário oficial de Brasília/DF. 3.5. DA PROVA

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Mariano Pereira, brasileiro, solteiro, nascido em 20/1/1987, foi denunciado pela prática de infração prevista no art. 157, 2.º, incisos I e II,

Leia mais

Capítulo 1 Notas Preliminares...1

Capítulo 1 Notas Preliminares...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Preliminares...1 1. Introdução... 1 2. Finalidade do Direito Penal... 2 3. A Seleção dos Bens Jurídico-Penais... 4 4. Códigos Penais do Brasil... 5 5. Direito Penal Objetivo

Leia mais

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença

Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Doutrina - Omissão de Notificação da Doença Omissão de Notificação da Doença DIREITO PENAL - Omissão de Notificação de Doença CP. Art. 269. Deixar o médico de denunciar à autoridade pública doença cuja

Leia mais

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas.

Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. Programa de DIREITO PENAL I 2º período: 80 h/a Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito penal. Aplicação da lei penal. Fato típico. Antijuridicidade. Culpabilidade. Concurso de pessoas. OBJETIVOS Habilitar

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO

TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO TESTE RÁPIDO DIREITO PENAL CARGO TÉCNICO LEGISLATIVO COMENTADO DIREITO PENAL Título II Do Crime 1. (CESPE / Defensor DPU / 2010) A responsabilidade penal do agente nos casos de excesso doloso ou culposo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira

GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira GABARITO DIREITO Processual Penal e Penal Professor Emílio Oliveira QUESTÕES PROCESSO PENAL 1- É possível a incomunicabilidade do indiciado na atual conjuntura constitucional brasileira? Segundo o art.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Gisele foi denunciada, com recebimento ocorrido em 31/10/2010, pela prática do delito de lesão corporal leve, com a presença da circunstância agravante, de ter o

Leia mais

Questões relevantes Parte Especial CP

Questões relevantes Parte Especial CP Direito Penal 2ª Fase OAB/FGV Aula 07 Professor Sandro Caldeira Questões relevantes Parte Especial CP Crimes contra a vida; ; Homicídio simples Art. 121 CP. Matar alguém: Pena - reclusão, de seis a vinte

Leia mais

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1

PROVA ORAL PONTO II DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 1 Discorra sobre a utilização da usucapião como instrumento de defesa em ações petitórias e possessórias. DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO 2 Considere que um indivíduo,

Leia mais

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS COMO É HOJE VERSÃO DO PL ANTERIOR SUBSTITUTIVO APRESENTADO em 22 de setembro de 2015 Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes

Leia mais

ARTHUR TRIGUEIROS e WANDER GARCIA. Edição 2013. Coordenadores CONCURSOS POLICIAIS. 2 a Edição 2013 2.000 QUESTÕES COMENTADAS

ARTHUR TRIGUEIROS e WANDER GARCIA. Edição 2013. Coordenadores CONCURSOS POLICIAIS. 2 a Edição 2013 2.000 QUESTÕES COMENTADAS Edição 2013 ARTHUR TRIGUEIROS e WANDER GARCIA Coordenadores CONCURSOS POLICIAIS 2 a Edição 2013 2.000 QUESTÕES COMENTADAS SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Direito Constitucional 13 1. PODER CONSTITUINTE... 13 2. TEORIA

Leia mais

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas

CONDUTA TEO E R O I R AS A a) c ausal b) c ausal valora r tiva (neoclássica) c) finalista d) s ocial e) f uncionalistas DIREITO PENAL Prof. Marcelo André de Azevedo TEORIA GERAL DO CRIME INTRODUÇÃO TEORIA GERAL DO CRIME FATO TÍPICO CONDUTA RESULTADO NEXO DE CAUSALIDADE CONDUTA TEORIAS a) causal b) causal valorativa (neoclássica)

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO PODE O JUIZ OFERECÊ-LA DE OFÍCIO?

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO PODE O JUIZ OFERECÊ-LA DE OFÍCIO? SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO PODE O JUIZ OFERECÊ-LA DE OFÍCIO? ALFREDO JOSÉ MARINHO NETO Juiz de Direito da 2ª Vara Criminal da Comarca de Belford Roxo, do Juizado Especial Criminal e da Violência

Leia mais

C0NTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO TROPA DE ELITE POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL

C0NTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO TROPA DE ELITE POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL C0NTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSO TROPA DE ELITE POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL 1. CONHECIMENTOS GERAIS 1.1. LÍNGUA PORTUGUESA: 1. Compreensão e intelecção de textos. 2. Tipologia textual. 3. Ortografia

Leia mais

RECURSOS NO PROCESSO PENAL

RECURSOS NO PROCESSO PENAL ESTUDO RECURSOS NO PROCESSO PENAL RECURSOSRE Ribamar Soares Consultor Legislativo da Área II Direito Civil e Processual Civil, Direito Penal e Processual Penal, de Família, do Autor, de Sucessões, Internacional

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO Enunciado: Leia com atenção o caso concreto a seguir: PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Grávida de nove meses, Ana entra em trabalho de parto, vindo dar à luz um menino saudável, o qual é imediatamente

Leia mais

Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13. Delimitação do tema.

Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13. Delimitação do tema. Espelho da 2ª Redação_ Simulado Policia Federal_30.11.13 Um policial federal, ao executar a fiscalização em um ônibus interestadual procedente da fronteira do Paraguai, visando coibir o contrabando de

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará Cacildo Baptista Palhares Júnior: advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de Direito Penal da prova objetiva do concurso de 2009 para Defensor do Pará 21. Para formação do nexo de causalidade, no

Leia mais

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo

PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo PROCESSO PENAL RESUMO DE PROCESSO PENAL 1 Rosivaldo Russo ESPÉCIES DE PRISÃO: 1. P. Penal sentença condenatória transitada em julgado 2. P. Processuais, cautelares ou provisórias antes da formação da culpa

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco

MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco MPE Direito Penal Aplicação da Lei Penal no Tempo e no Espaço Emerson Castelo Branco 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. APLICAÇÃO DA LEI PENAL NO TEMPO E NO

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

DEFENSOR - AM - 2011 c) Cabe revisão criminal das sentenças absolutórias impróprias, mas não cabe da sentença de pronúncia do réu.

DEFENSOR - AM - 2011 c) Cabe revisão criminal das sentenças absolutórias impróprias, mas não cabe da sentença de pronúncia do réu. DEFENSOR - AM - 2011 Julgue as alternativas sobre revisão criminal e assinale a correta. a) Poderá ser requerida em qualquer tempo, desde que antes da extinção da pena. b) A absolvição em sede de revisão

Leia mais

PARTE I O DIREITO DA VÍTIMA OU OFENDIDO EM FASE A CONSEQUÊNCIA DA PRÁTICA DO DELITO CAPÍTULO I DOS DIREITOS HUMANOS

PARTE I O DIREITO DA VÍTIMA OU OFENDIDO EM FASE A CONSEQUÊNCIA DA PRÁTICA DO DELITO CAPÍTULO I DOS DIREITOS HUMANOS PARTE I O DIREITO DA VÍTIMA OU OFENDIDO EM FASE A CONSEQUÊNCIA DA PRÁTICA DO DELITO CAPÍTULO I DOS DIREITOS HUMANOS 1, Os Direitos Humanos...,...,...,... 01 2. Comentários sobre Alguns Artigos da Declaração

Leia mais

Responsabilidade em saúde

Responsabilidade em saúde Responsabilidade em saúde Cível:obrigação de indenização indene de prejuízo Constituição Federal/Código civil/cdc Elementos de responsabilidade Autor Ato Culpa Dano Nexo causal CÓDIGO CIVIL Art. 186 Aquele

Leia mais

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação

Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação Prática Forense Penal Capítulo X Ações de Impugnação 12) Revisão criminal contra sentença condenatória que for contrária ao texto expresso de lei penal T foi condenado por apropriação indébita previdenciária,

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial.

Petição Inicial. OBS: todas as petições iniciais obedecem aos mesmos requisitos, seja ela de rito ordinário, sumário, cautelar procedimento especial. Petição Inicial A Petição inicial é a peça por meio da qual o autor provoca a atuação jurisdicional do Estado. A sua redação deverá obedecer a determinados requisitos estabelecidos no artigo 282 do CPC.

Leia mais

Direito Processual Civil III

Direito Processual Civil III Direito Processual Civil III»Aula 7 Petição Inicial Pedido parte 1 Petição Inicial Pedido VI Petição inicial Pedido 1 Petição inicial - sem a petição inicial não se estabelece a relação processual tem

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA EXERCÍCIO E PROVA PRÁTICO PROFISSIONAL

ORIENTAÇÕES PARA EXERCÍCIO E PROVA PRÁTICO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES PARA EXERCÍCIO E PROVA PRÁTICO PROFISSIONAL Considerando que uma das primeiras provas que exige do aluno conhecimento prático profissional é a segunda fase da prova da OAB, o CEPRAJUR com a

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal)

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 236, de 2012 (projeto do novo Código Penal) Decreto-Lei nº 2.848, de 7.12.1940 (Código Penal) Reforma o Código Penal Brasileiro. Código Penal. O CONGRESSO

Leia mais

Prática da Advocacia Criminal Júri Parte 2. Legale

Prática da Advocacia Criminal Júri Parte 2. Legale Prática da Advocacia Criminal Júri Parte 2 Legale CONTINUAÇÃO DOS CRIMES DE COMPETÊNCIA DO JÚRI crimes contra a pessoa - Vida Infanticídio crimes contra a pessoa - Vida Ocorrerá o infanticídio quando a

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador RENATO CASAGRANDE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 37, de 2010, da Senadora Lúcia Vânia, que altera o art. 10 do Código de

Leia mais

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS

CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS CARTILHA DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS Os Juizados Especiais foram criados para atender; de uma forma rápida e simples, problemas cujas soluções podem ser buscadas por qualquer cidadão. Antes deles,

Leia mais

1.2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO (artigos 581 a 592 do CPP)

1.2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO (artigos 581 a 592 do CPP) 1.2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO (artigos 581 a 592 do CPP) 1.2.1. Conceito O Recurso em Sentido Estrito para Espínola Filho se constitui (por ato da parte interessada ou em virtude de determinação legal)

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO Introdução. - O Estado é o sujeito responsável. - Na responsabilidade civil do Estado os princípios próprios são mais rigorosos (atuação Estatal é uma imposição, devendo o Estado ser responsabilizado de

Leia mais

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1 EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR Por Cid Sabelli 1 INTRODUÇÃO Fato tormentoso na vida do cidadão diz respeito às informações lançadas em sua folha de antecedentes

Leia mais

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM?

Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? Crimes praticados por militares estaduais contra civis Procedimentos a serem adotados, CPP ou CPPM? A Justiça Militar Estadual por força de expressa vedação contida no art. 125, 4º, da CF/88, não tem competência

Leia mais

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal

VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal VI Exame OAB 2ª FASE Padrão de correção Direito Penal Peça O examinando deverá redigir uma petição de relaxamento de prisão, fundamentado no art. 5º, LXV, da CRFB/88, ou art. 310, I, do CPP (embora os

Leia mais

COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII 1. NOÇÕES GERAIS

COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII 1. NOÇÕES GERAIS COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII COMPETÊNCIA SUMÁRIO 1. Noções gerais; 2. Competência territorial (ratione loci); 2.1. O lugar da infração penal como regra geral (art. 70 CPP); 2.2. O domicílio ou residência

Leia mais

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PEÇA D E S P A C H O 1. Autue-se o Auto de Prisão em Flagrante; 2. Dê-se o recibo de preso ao condutor; 3. Autue-se o Auto de Apresentação

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE JAÚ CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ROTEIRO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA REAL E SIMULADA.

FACULDADES INTEGRADAS DE JAÚ CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ROTEIRO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA REAL E SIMULADA. FACULDADES INTEGRADAS DE JAÚ CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA ROTEIRO DE ATIVIDADES DE PRÁTICA REAL E SIMULADA 5º SEMESTRE Os alunos matriculados no 5º semestre do Curso de Direito terão que

Leia mais

A peça cabível será uma petição inicial direcionada para o Juízo Cível.

A peça cabível será uma petição inicial direcionada para o Juízo Cível. OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE CIVIL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL A peça cabível será uma petição inicial direcionada para o Juízo Cível. Trata-se de uma ação indenizatória proposta por José,

Leia mais

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE

1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO ENTRE SEQUESTRO E ARRESTO:... 2. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS EM ESPÉCIE 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Medidas Assecuratórias PONTO 2: Medidas Assecuratórias em Espécie PONTO 3: Sequestro PONTO 4: Arresto 1. MEDIDAS ASSECURATÓRIAS NATUREZA DAS MEDIDAS ASSECURATÓRIAS:... DIFERENCIAÇÃO

Leia mais

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS.

1. PRINCÍPIOS. 2. NORMAS PENAIS. 1. PRINCÍPIOS. Princípio da Legalidade: os tipos penais só podem ser criados através de lei em sentido estrito. Princípio da Anterioridade: a lei penal só pode ser aplicada quando tem origem ANTES da conduta

Leia mais

2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO

2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO 2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO 2. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO - Decisão que rejeitar a denúncia ou queixa - Decisão que concluir pela incompetência do juízo - Decisão que julga procedente alguma das exceções,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL ENUNCIADO Enrico, engenheiro de uma renomada empresa da construção civil, possui um perfil em uma das redes sociais existentes na Internet e o utiliza diariamente

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal

O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal 202 O Novo Regime das Medidas Cautelares no Processo Penal Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras, enfatizando a importância das alterações

Leia mais

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal

Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Direito Penal Dr. Caio Paiva Aprovado no Concurso para Defensor Público Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Direito Penal Parte Especial do

Leia mais