PR OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6"

Transcrição

1 Página: 1 de OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO 7 8. AVALIAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO 8 9. PUBLICIDADE DO ORGANISMO DE TREINAMENTO VARIAÇÕES CURSOS PARA A INDÚSTRIA OU PARA SETORES ESPECÍFICOS 12

2 Página: 2 de OBJETIVO 1.1 Este procedimento especifica os requisitos mínimos que o Organismo de Treinamento deve atender para ter o seu curso de Formação de Auditor Interno reconhecido pelo Registro de Auditores Certificados - RAC. 1.2 Esses requisitos são utilizados pelo RAC para avaliação da adequação do curso de Formação de Auditor Interno. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA NBR ISO/IEC Guia 2 Termos gerais e suas definições relativas a normalização e atividades correlatas NBR ISO Diretrizes para auditorias em sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 3.1 Siglas ABENDI RAC OT OTR Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção Registro de Auditores Certificados Organismo de Treinamento Organismo de Treinamento Reconhecido 3.2 Definições Auditor Interno: Profissional que satisfaz os critérios e demonstra habilidade para executar toda ou qualquer parte de uma auditoria interna, sozinho ou como membro de uma equipe auditora. Organismo de Treinamento: Organismo que conduz programas de treinamento para auditores. Acordo de Cooperação: Acordo entre o Organismo de Treinamento reconhecido pelo RAC e um organismo externo, ou organização, para ministrar conjuntamente o curso reconhecido. Estudante: Candidato ao curso de formação de auditor. Não-Conformidade: Não atendimento a um requisito. Não-conformidade Maior: Não-conformidade que cause grande impacto negativo na qualidade do curso ou ausência de algum elemento de gestão imprescindível. Não-conformidade Menor: Não-conformidade que não cause grande impacto negativo na qualidade do curso Ação Corretiva: Ação para eliminar a causa de uma não-conformidade identificada ou outra situação indesejável. 4. PRÉ-REQUISITOS 4.1 Geral Os estudantes devem ter conhecimento prévio da norma referente ao curso O curso de formação de auditor interno pode ser montado de três formas diferentes, a escolha do OT: Curso com duração de trinta e duas horas (quatro dias), no caso do OT que optar por montar um curso de interpretação da norma (16 horas) juntamente com o curso de formação de auditor interno (16 horas);

3 Página: 3 de 12 Curso com duração de dezesseis horas (dois dias) no caso do OT que optar por exigir do aluno, como prérequisito de inscrição no curso, o certificado de participação em curso de interpretação das normas a serem abordadas no curso; Curso de dezesseis horas (dois dias) no caso do OT que optar como pré-requisito para inscrição no curso, a aplicação de prova de avaliação de nível de conhecimento do aluno sobre a norma, prova esta a ser desenvolvida pelo RAC, aplicada e corrigida pelo próprio OT e em seguida arquivada para confirmação nas futuras auditorias de supervisão O OT deve garantir que os estudantes sejam avisados desses pré-requisitos e que estes sejam cumpridos. 4.2 Duração do curso O curso deve ser ministrado num período mínimo de 2 (dois) dias, para os cursos de 16 (dezesseis) horas totais ou em 4 (quatro) dias, para os cursos de 32 (trinta e duas) horas totais. Caso o curso contemple um exercício de simulação prática, a duração mínima deve ser de 24 (vinte e quatro) ou 40 (quarenta) horas, conforme a carga horária total escolhida para o curso (item 4.1.1) A duração total do curso dedicada à instrução direta, às atividades em grupo e às atividades individuais deve ser de, pelo menos, 12 (doze) horas para os cursos de 16 (dezesseis) horas totais ou de 24 (vinte e quatro) horas para os cursos de 32 (trinta e duas) horas totais. Caso o curso contemple um exercício de simulação prática, essa duração deve ser de 20 (vinte) ou 40 (quarenta) horas, conforme a carga horária total escolhida para o curso (item 4.2.1) O tempo dedicado às refeições, pausas ou outros tempos livres não está incluído no cálculo da duração do curso. 4.3 Número de instrutores O curso pode ser ministrado por apenas um instrutor, que deve estar ativamente envolvido na instrução e na avaliação durante toda a duração do curso. Outras pessoas, ou instrutores em treinamento, podem ser usados em atividades específicas; no entanto, o instrutor permanece responsável por todo o curso oferecido Quando as atividades não envolverem instrução direta ou avaliação, o instrutor deve estar disponível a todos os estudantes O instrutor deve estar presente durante todo o exame, de modo a assegurar o bom andamento do exame. 4.4 Tamanho das turmas e freqüência O número de estudantes em uma turma não deve ser inferior a 4 (quatro) e nem superior a 25 (vinte e cinco) Somente em circunstâncias excepcionais, um curso oferecido para menos do que 4 (quatro) ou mais do que 25 (vinte e cinco) estudantes pode ser aceito pelo RAC Os estudantes devem frequentar todo o curso. O não atendimento desta frequência pode refletir em sua avaliação. Esta política deve ser comunicada aos estudantes antes do início do curso. 4.5 Materiais do curso Cada estudante deve receber um kit completo com as apostilas, comentários extras sobre o curso e um exemplar da(s) norma(s) na(s) qual(is) os auditores formados irão se basear, para complementar o programa de treinamento Os documentos incluídos no kit devem demonstrar boa organização, apresentação e práticas de gerenciamento da documentação.

4 Página: 4 de Instalações O curso deve ocorrer em instalações adequadas para interação com os estudantes, incluindo salas de aula e técnicas áudio visuais, além de instalações para as atividades de equipe Os estudantes devem ser notificados previamente sobre o plano de treinamento, incluindo pausas, refeições e hospedagem (se aplicável). 4.7 Prova RAC de avaliação de conhecimento de norma É responsabilidade do RAC elaborar as provas de avaliação de conhecimento de norma As provas da norma referente ao curso que o OT irá organizar devem ser requeridas por escrito para o RAC com antecedência mínima de 1 mês da realização do curso. As provas são enviadas pelo RAC por correio assim que solicitadas Caso o OT, por falta de coro ou por qualquer outro motivo, não realize o curso, deve devolver as mesmas provas lacradas para o RAC imediatamente As provas enviadas pelo RAC são numeradas e devem ser aplicadas e corrigidas pelo OT nas primeiras duas (02) horas do curso ou em data anterior ao início do curso. O resultado da avaliação deve ser divulgado para o aluno imediatamente. Os alunos que não passarem na prova não podem continuar o curso As provas devem ser corrigidas pelo(s) instrutor(es) do curso de acordo com gabarito fornecido pelo RAC. A graduação mínima para aprovação na prova de avaliação do conhecimento de norma é de 70% de acerto As provas de avaliação do conhecimento de normas devem ser arquivadas pelo OT no período mínimo de 3 anos. 5. CONTEÚDO DO CURSO O conteúdo do curso deve considerar, no mínimo, os itens apresentados abaixo. 5.1 Conteúdo mínimo para o OT que optar por montar um curso de interpretação da norma juntamente com o curso de Formação de Auditor Interno Interpretação da norma na qual os alunos irão se formar como auditores Como avaliar os procedimentos de uma organização e os métodos de implementação no que diz respeito a todos os elementos da(s) Norma(s), para determinar a conformidade da organização em relação à esta(s) Requisitos para a certificação de auditor no RAC Como funciona o Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade, dando ênfase ao programa brasileiro de certificação de empresas e de pessoas Processo de auditoria Uma comparação entre os tipos de auditorias e seus objetivos, incluindo: Auditorias de sistemas; Auditorias testemunho; Auditorias no local; Auditorias de processo; Auditorias internas.

5 Página: 5 de Princípios e práticas de auditoria relacionadas às normas nas quais os formados irão se basear, incluindo as especialidades da auditoria (Exemplo: NBR ISO para auditores de SGQ e SGA, NBR para auditores SGRS). O treinamento em auditorias deve ser baseado na versão mais recente dessas normas e deve incluir: Freqüência de auditoria; Plano de auditoria; Seleção da equipe auditora; Desenvolvimento dos protocolos e da lista de verificação da auditoria; Reunião de abertura; Entrevistas com especialistas; Revisão da documentação; Documentação da auditoria; Comunicação dos resultados da auditoria; Reunião de encerramento; Preenchimento e emissão do relatório de auditoria Processo de avaliação das ações corretivas de auditorias anteriores, constatadas pela auditoria Revisão da legislação pertinente e dos processos regulatórios, incluindo o relacionamento com as agências federais, estaduais e locais Exemplos de escopos de auditorias A utilização de estudos de caso, contendo as seguintes atividades: Plano de auditoria; Desenvolvimento dos protocolos e da lista de verificação da auditoria; Reunião de abertura; Entrevistas com especialistas; Utilização de evidências (auditoria, observações, colaborações e outros tipos de evidências); Documentação da auditoria (não-conformidades: relatório por escrito); Reunião de encerramento; Ações corretivas dos resultados da auditoria Atividades com a participação dos estudantes Os cursos podem incluir um exercício de simulação prática de uma auditoria ou o estudo de casos relacionados à porção operacional de uma auditoria O propósito do exercício de simulação de auditoria deve ser dar aos estudantes uma perspectiva prática da auditoria. Qualquer atividade prática deve envolver atividades de solução de problemas e deve simular as condições reais de uma auditoria O estudo de casos deve prover uma variedade de problemas e tarefas para os estudantes As atividades com participação dos estudantes devem incluir, no mínimo, as seguintes atividades de auditoria: Desenvolvimento da lista de verificação; Entrevistas / entrevistas técnicas; Comunicação com o pessoal em todos os níveis da organização; Análise e avaliação da documentação; Primeira versão das não-conformidades; Apresentação dos resultados da auditoria; Relatório, por escrito, da auditoria.

6 Página: 6 de As atividades com participação dos estudantes devem ser conduzidas de uma maneira interativa, com cada membro da equipe contribuindo de forma igual para o trabalho. Este trabalho deve ser acompanhado por um instrutor. 5.2 Conteúdo mínimo para o OT que optar por exigir do aluno certificado de participação em curso de interpretação da norma referida no curso ou aplicação de prova RAC de nível de conhecimento da norma Mesmos conteúdos do item 5.1, exceto o item AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6.1 Geral A avaliação dos estudantes deve ser documentada e deve avaliar o aprendizado, a freqüência e a pontualidade de cada estudante durante o curso. 6.2 Avaliação escrita A avaliação escrita do aprendizado deve avaliar a compreensão do estudante acerca do processo de auditoria, da aplicação da(s) norma(s) e a sua habilidade de fornecer justificativas escritas para as suas avaliações A avaliação escrita deve ser preparada de tal forma que um estudante, com entendimento adequado do conteúdo do curso, possa preencher o exame em, no máximo, em 1 (uma) hora O instrutor pode permitir ao estudante com uma determinada limitação que afete sua capacidade de completar o exame no tempo estipulado, até 30 (trinta) minutos adicionais para finalizar o exame. Esta permissão deve estar indicada nos registros do curso ou do exame, junto com as justificativas As perguntas devem contemplar a totalidade dos materiais e atividades relevantes do curso O estudante deve preencher o exame somente com os elementos da(s) Norma(s) disponíveis para consulta O OT deve preparar pelo menos 3 (três) exames diferentes, os quais usa de forma rotativa para os cursos sucessivos. Deve ser mantida a confidencialidade do princípio da rotatividade. Este sistema deve ser alterado periodicamente, à medida que o OT constate a necessidade O OT deve assegurar a segurança dos exames (antes e depois de estarem completos) e deve garantir que eles sejam conduzidos adequadamente. 6.3 Graduação Ao final do curso, o instrutor deve dar uma nota a cada estudante, que irá representar a sua avaliação global A avaliação escrita deve ser corrigida pelo instrutor, que deve dar uma nota. Esta nota deve representar no mínimo 70% da avaliação Para ser aprovado no curso, o estudante deve receber uma nota mínima equivalente a 70%, incluindo todos os aspectos da avaliação Uma graduação final de aprovado(a) / reprovado(a) deve ser emitida e registrada O OT deve ter procedimentos para resolver quaisquer diferenças na graduação e na emissão da graduação final.

7 Página: 7 de Re-avaliação Um estudante que não tenha passado na avaliação deve completar satisfatoriamente um outro curso antes de estar apto a receber o certificado de conclusão do Curso de Formação de Auditor Interno Ao estudante que for reprovado na avaliação escrita, mas for aprovado nos outros aspectos da avaliação, deve ser permitida a realização de uma re-avaliação. Esta re-avaliação deve ser conduzida pelo mesmo OT no qual o estudante realizou o curso e foi reprovado na avaliação escrita O OT deve aplicar um exame diferente daquele no qual o estudante ficou reprovado (exame inicial) O novo exame deve estar sujeito aos mesmos requisitos que o exame inicial. Alternativamente, um procurador, independente e imparcial, contratado pelo OT, pode ministrar o novo exame O novo exame deve ser ministrado dentro de 12 (doze) meses, contados a partir da data do exame inicial Se o estudante for reprovado no novo exame, ele(a) terá que realizar o curso novamente. 6.5 Certificados do curso Um certificado de Aprovação deve ser fornecido a cada estudante que tenha sido aprovado tanto na avaliação contínua quanto na escrita O certificado deve: identificar o curso pelo título e pelas datas em que foi ministrado; incluir um único número de identificação; incluir o nome completo do estudante; incluir o conteúdo programático e carga horária do curso no verso do certificado Os certificados de Aprovação devem ter os logotipos da ABENDI e RAC e um espaço reservado para a assinatura do Diretor Executivo da ABENDI. Os logotipos devem estar alinhados horizontalmente e posicionados no canto superior direito do certificado. O espaço para a assinatura do Diretor Executivo da ABENDI deve estar no canto direto inferior Um certificado de Participação deve ser fornecido ao estudante que não tenha sido aprovado na avaliação escrita. Neste certificado deve estar claro que o estudante apenas participou do curso e que esta participação não implica na sua aprovação. 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO 7.1 Procedimentos administrativos As políticas e os procedimentos que o OT segue não devem ser discriminatórios e devem ser administrados de uma maneira não discriminatória. 7.2 Registros Os registros devem estar identificados, gerenciados e dispostos de forma tal para assegurar a integridade do processo e a confidencialidade da informação Os registros devem ser mantidos durante um período definido de tempo para que os estudantes, ou outros, possam referenciar-se às informações associadas aos materiais do curso, exames finalizados, notas finais e quaisquer certificados concedidos aos estudantes. O período mínimo é de 3 (três) anos.

8 Página: 8 de Confidencialidade As informações sobre um estudante não devem ser reveladas a uma terceira parte (por exemplo, ao empregador do estudante) sem o consentimento, por escrito, do estudante. 7.4 Instrutores do curso O OT deve definir, e estar apto a demonstrar, a competência dos instrutores em transmitir o conteúdo do curso e como esta competência é avaliada Cada instrutor deve ter competência em métodos de treinamento e gerenciamento de curso, conhecimento das técnicas de auditoria e dos requisitos da(s) Norma(s) e deve ser capaz de avaliar os atributos e as habilidades dos estudantes na condução de auditorias Os instrutores devem demonstrar no mínimo três (03) anos de experiência profissional nas matérias que irão ministrar O OT deve possuir e manter registros atualizados de cada instrutor, incluindo: nome e endereço; qualificações como auditor, incluindo os certificados obtidos; formação acadêmica e experiência profissional; experiência como instrutor de cursos de Formação de Auditor; data da última atualização dos registros; mais recente avaliação de desempenho. 8. AVALIAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO 8.1 Processo de solicitação Qualquer organização, que solicitar o reconhecimento pelo RAC do curso de formação de auditor interno irá receber uma cópia de todos os documentos necessários a sua solicitação O OT deve assinar uma proposta comercial da avaliação para reconhecimento de curso de Organismo de Treinamento e efetuar o pagamento do processo de avaliação. 8.2 Avaliação inicial O Organismo de Treinamento deve implementar um Sistema da Qualidade, descrito em um Manual da Qualidade (MQ), estruturado conforme os requisitos da Norma ABNT NBR ISO O RAC deve avaliar os procedimentos administrativos e os materiais do curso ministrado pelo OT incluindo, mas não se limitando: o conteúdo do curso, incluindo os assuntos a serem abordados, a tabela de horários para as diferentes atividades e todos os materiais do estudante e do instrutor; o formato do exame, o tempo alocado, o procedimento para a graduação, os requisitos para a aprovação/reprovação, as políticas e os procedimentos para um novo exame, a técnica para a avaliação contínua e os procedimentos usados para assegurar a qualidade das medições; os critérios para selecionar e treinar os instrutores, os procedimentos para avaliar seus desempenhos e uma lista atualizada dos instrutores, informando se são, ou não, certificados como auditor; os documentos de administração do OT, incluindo a política para a admissão dos estudantes, o processo para o registro dos estudantes, os certificados do curso, os anúncios típicos e o procedimento para as apelações Caso o RAC considerar que os procedimentos administrativos e os materiais do curso estejam de acordo com os requisitos, deve comunicar ao OT, por escrito.

9 Página: 9 de O RAC pode determinar que ações corretivas são necessárias e se elas são ou não impeditivas para a continuidade do processo de avaliação. A decisão deve ser comunicada ao OT, por escrito O RAC deve comunicar ao OT por escrito a conclusão das ações corretivas necessárias para resolver as não-conformidades maiores, as quais são impeditivas para a continuidade da avaliação Após a aprovação da documentação, o avaliador indicado pelo RAC deve iniciar a avaliação das rotinas administrativas do OT para verificar conformidade com os procedimentos apresentados Em uma reunião fechada ao final da verificação, o avaliador deve informar ao OT as suas observações. O avaliador deve, em seguida, enviar ao RAC um relatório e a recomendação Se o RAC concluir que a administração do OT está de acordo com os requisitos, ele deve comunicar ao OT, por escrito O avaliador pode determinar quais ações corretivas são necessárias. Entretanto é o Gerente Executivo do RAC quem define se elas são ou não impeditivas para continuidade do processo de avaliação. A decisão deve ser comunicada ao OT, por escrito Estando aprovada a continuidade do processo de avaliação, o avaliador deve acompanhar de 40% a 50% do total de carga horária do curso oferecido pelo OT. O avaliador deve avaliar, dentro das aulas acompanhadas, todos os aspectos do curso e todas as atividades dos estudantes e do(s) instrutor(es) para verificar a conformidade com este procedimento Em uma reunião fechada ao final do curso, o avaliador deve emitir o relatório de avaliação e informar ao(s) instrutor(es) e ao representante do OT sobre suas observações e não-conformidades apontadas. O avaliador deve enviar ao RAC este relatório com as assinaturas dos participantes e com a sua recomendação final O avaliador deve determinar se ações corretivas são necessárias, porém é o Gerente Executivo do RAC quem define se elas são ou não impeditivas para concessão do reconhecimento. A decisão deve ser comunicada ao OT, por escrito Se o RAC determinar que ações corretivas são necessárias, o OT terá 30 dias para aplicar as ações corretivas necessárias e elas serem consideradas eficazes pelo RAC, sob pena de ter que recomeçar todo o processo de avaliação Quando o Gerente Executivo do RAC concluir que o reconhecimento do curso pode ser concedido pelo RAC, este emite o certificado de reconhecimento, que possui validade de 3 anos. Neste momento o RAC deve ceder logotipo e marca da ABENDI/RAC para o OTR O reconhecimento do curso tem validade de três anos e a não ser que o OT informe ao RAC, com antecedência, a sua intenção de renovar o reconhecimento, este será automaticamente cancelado. 8.3 Manutenção do reconhecimento O RAC deve conduzir anualmente a manutenção do reconhecimento do OTR através de execução de auditoria na administração deste. Para tal, o OTR deve solicitar ao RAC, com 30 (trinta) dias de antecedência da data de vencimento da manutenção, a execução desta auditoria, providenciando, ainda, o pagamento da taxa de manutenção O OTR deve informar ao RAC sobre quaisquer alterações realizadas no material do curso, sua estrutura, ou nos procedimentos administrativos. Alterações em um curso reconhecido ou nos procedimentos administrativos do OTR que forem consideradas significativas pelo RAC, podem, a critério do Gerente Executivo do RAC, gerar nova avaliação do material, das aulas ou dos procedimentos administrativos Se, após a realização da auditoria de manutenção, for(em) detectada(s) não-conformidade(s) maior(es), o reconhecimento do curso será suspenso até que o OTR realize as devidas ações corretivas e que as mesmas sejam consideradas eficazes pelo RAC, nunca excedendo o prazo de 30 (trinta) dias.

10 Página: 10 de Se o RAC decidir que a(s) não-conformidade(s) maior(es) foram adequadamente tratadas, informará ao OTR, cancelando assim a suspensão e mantendo a continuidade do reconhecimento Se o RAC decidir que a(s) não-conformidade(s) maior(es) não foram adequadamente tratadas, informará ao OTR e o reconhecimento continuará suspenso Não-conformidades menores que tenham sido detectadas na auditoria de manutenção não implicarão na suspensão do reconhecimento, a não ser que o Gerente Executivo do RAC julgue o contrário Se o RAC decidir que as ações corretivas apresentadas não são eficazes, informará isto ao OTR, que deverá buscar outra solução para o problema detectado, nunca excedendo o prazo máximo de 30 (trinta) dias. Ultrapassando este prazo o reconhecimento do curso será cancelado Mediante resultados satisfatórios da avaliação anual, o curso continuará reconhecido. 8.4 Suspensão ou cancelamento do reconhecimento O reconhecimento de um OTR pode ser suspenso, ou cancelado, pelos motivos listados a seguir (não se limitando a eles): não-conformidade com os requisitos para o reconhecimento de curso pelo RAC; ações corretivas ineficazes e re-incidentes ou ações corretivas não implementadas dentro do período de 30 (trinta) dias; referência imprópria ao seu estágio de reconhecimento, incluindo uso impróprio do Certificado de Reconhecimento ou da logomarca do RAC; não corresponder às obrigações financeiras com o RAC; existência de uma séria reclamação, ou de um número de reclamações de segunda parte, que não tenha sido resolvida pelo OTR; falsificação de qualquer natureza; falha ao sujeitar-se às alterações dos requisitos para o Reconhecimento de curso pelo RAC; falha ao relatar as alterações no curso reconhecido, nos materiais aprovados, e outras alterações significativas, como requerido, ou ao submeter as apelações, reclamações e contestações; outras condições consideradas apropriadas pelo RAC Se o reconhecimento for suspenso, um OTR não deve emitir qualquer novo certificado reconhecido pelo RAC O período de suspensão não deve exceder 90 (noventa) dias, a menos que tenha sido negociado entre as partes O cancelamento requer que o OTR devolva o certificado de reconhecimento ao RAC, pare de usar a logomarca do RAC e de fazer publicidade se referindo ao reconhecimento pelo RAC Quando o período de suspensão exceder 90 (noventa) dias o reconhecimento somente pode ser concedido novamente após o OTR ter concluído satisfatoriamente um novo processo de reconhecimento. 8.5 Apelações Apelações em relação a decisões de reconhecimento adversas e/ou cancelamento do reconhecimento devem ser submetidas por escrito e serão investigadas e resolvidas pelo RAC Para isso, o Gerente Executivo do RAC poderá constituir comissão específica e suas conclusões serão levadas ao Conselho de Certificação do RAC.

11 Página: 11 de Reconhecimento retroativo Se o reconhecimento pelo RAC for concedido após o curso já ter sido oferecido, o OTR recentemente reconhecido pode requisitar, por escrito, o reconhecimento retroativo do curso. Neste caso, os estudantes receberão todo o crédito por ter completado, com sucesso, este curso O reconhecimento retroativo depende da natureza e severidade de qualquer não-conformidade identificada pelo avaliador O RAC irá notificar o OTR, por escrito, a data exata na qual o reconhecimento retroativo pode ser aplicado. 8.7 Alterações O OTR deve notificar ao RAC qualquer importante alteração que deseje realizar em seu curso reconhecido ou nos materiais aprovados Importantes alterações em um curso reconhecido podem originar a revisão nos materiais aprovados, auditoria e um novo reconhecimento, tendo como base a natureza e a extensão das alterações O OTR deve ter procedimento para garantir e verificar que os instrutores realizam ajustes, se necessário, no curso e nos materiais do curso, em tempo hábil, após a decisão e a publicação das alterações O OTR também deve notificar ao RAC sobre qualquer alteração de endereço ou quaisquer alterações significativas na operação, no gerenciamento ou nos serviços fornecidos de acordo com os requisitos aplicáveis deste Procedimento. 8.8 Apelações, reclamações e contestações ao organismo de treinamento reconhecido O OTR deve garantir para que apelações, reclamações e contestações encaminhadas ao OTR pelos estudantes, ou outras partes envolvidas, sejam submetidas ao RAC caso não sejam resolvidas O OTR deve: manter um registro de todas as apelações, reclamações e contestações e das ações mediatórias relativas ao curso; tomar ações corretivas e preventivas apropriadas; documentar as ações tomadas e verificar sua eficácia. 8.9 Acordos de cooperação Quando o OTR decide firmar um acordo de cooperação com um organismo externo, relacionado ao curso de Formação de Auditor Interno reconhecido, este deve ser adequadamente documentado, cobrindo as organizações e incluindo a confidencialidade e os conflitos de interesses. Entretanto, o certificado será emitido somente em nome do OTR. solicitante do reconhecimento O OTR deve: assumir toda a responsabilidade por esse organismo externo, incluindo todas as atividades desenvolvidas pela outra parte interessada e que estão relacionadas ao curso de Formação de Auditor Interno reconhecido; assegurar que esse organismo externo é competente e concorda com as disposições aplicáveis deste procedimento; manter registros de todas as atividades desenvolvidas pelo organismo externo para demonstrar conformidade com as disposições aplicáveis deste procedimento Todos os organismos externos atuando em nome do OTR devem atender aos requisitos do OTR.

12 Página: 12 de Todos os materiais de divulgação devem identificar somente o nome do OTR. Os materiais de divulgação e certificados devem estar o suficientemente claros para não implicar que o curso reconhecido está sendo conduzido por qualquer outro organismo que não o OTR A sub-contratação de curso reconhecido de um outro organismo externo, fora da supervisão do OTR, é proibida. 9. PUBLICIDADE DO ORGANISMO DE TREINAMENTO 9.1 Cursos aguardando reconhecimento Um OT que tenha submetido seu curso para o reconhecimento pelo RAC, e que tenha recebido autorização, pode usar as seguintes palavras em seus anúncios: Em avaliação pelo RAC O RAC se reserva ao direito de revogar este privilégio caso comecem a haver abusos. Em todos os casos, este privilégio expira seis meses após a data de submissão do curso à avaliação pelo RAC. 9.2 Uso e abuso de certificados e marcas O OTR deve controlar o uso e a exposição da marca de reconhecimento do RAC O OTR deve tomar ações adequadas para lidar com referências incorretas ao seu reconhecimento/status de reconhecimento ou com o uso abusivo da marca de reconhecimento do RAC em anúncios, catálogos, certificados e outros O OTR não deve fazer declarações em anúncios, catálogos, certificados e outros que possam servir para abalar a reputação do reconhecimento do RAC. Toda e qualquer violação deve ser submetida a ações adequadas. Ações adequadas podem incluir, não estando limitadas a: ações corretivas, suspensão ou cancelamento do reconhecimento pelo RAC e, ainda, se necessário, ações legais. 10. VARIAÇÕES 10.1 Variações em algum dos requisitos deste procedimento devem ser consideradas para aprovação mediante solicitação, por escrito, ao RAC. Qualquer solicitação deve ser realizada tão logo apareça a razão para a solicitação. O RAC deve responder à solicitação do OTR por escrito. 11. CURSOS PARA A INDÚSTRIA OU PARA SETORES ESPECÍFICOS 11.1 Se um curso de Formação de Auditor Interno for ministrado especificamente para uma indústria, ou setores específicos, os estudos de caso utilizados devem estar relacionados a essa indústria, ou setor específico Se um OTR decidir por incluir requisitos específicos para a indústria, ou setores específicos, e existam requisitos adicionais ao Sistema de Gestão, o curso deve aumentar sua carga horária de modo a incluir esses requisitos adicionais Qualquer referência ao curso de Formação de Auditor Interno contendo requisitos para a indústria, ou setores específicos, deve ser submetida ao RAC para aprovação antes da implementação.

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 14 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 15 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Revisão da documentação SAS conforme ABNT NBR ISO/IEC 17021:2011

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO... 4 2 SIGLAS... 4 3 DEFINIÇÕES... 4 4 GENERALIDADES... 4 REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE...

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO.GRH.01 01 1/9 1. OBJETIVO Descrever e fornecer informações quanto às atribuições, responsabilidades e pré-requisitos que constituem as funções da organização, e o levantamento da necessidade e realização

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO Pagina 1 de 16 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar a Regra de Certificação Geral utilizada pela A ENOR Serviços de Certificação Brasil Ltda., ( AENOR Brasil), para realizar a prestação

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE ESTRUTURA DESTE DOCUMENTO: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Nº da Revisão Histórico das Alterações 0 Emissão inicial aprovada.

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 387, de 23 de outubro de

Leia mais

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Administração Empresarial Ltda. Caso tenha necessidade de orientações

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

Certificação de Revenda de Gás GLP

Certificação de Revenda de Gás GLP Pág.: 1/14 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Priscilla Marques Representante da Direção Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 15/06/2015 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO Versão 04/02/2011 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO Página: 1 de 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. AUDITORIA DA ORGANIZAÇÃO 5. AÇÕES CORRETIVAS IDENTIFICADAS DURANTE AS AUDITORIAS 6. CERTIFICAÇÃO E USO DO LOGOTIPO

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO Página: 1 de 17 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO REQUERIDA PARA ANÁLISE CRÍTICA 5. AUDITORIA

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 159, de 29 de junho de 2006.

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1 de 21 6 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO MACROPROCESSO GESTÃO DE PESSOAS PROCESSO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES:

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES: OBJETIVO DA AUDITORIA PROCEDIMENTOS VERIFICAR, ATESTAR SE AS ATIVIDADES E OS RESULTADOS A ELA RELACIONADOS, DE UM SISTEMA DE GESTÃO FORMAL, ESTÃO IMPLEMENTADOS EFICAZMENTE. DEFINIÇÕES: AUDITORIA: UM EXAME,

Leia mais

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 341, de 24 de setembro de

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 2/08/203 Recursos. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras,

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO. Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência

GUIA DO CANDIDATO. Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência GUIA DO CANDIDATO Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência Norma ABNT NBR 15843 Ocupação Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência - Básico Instalador de Piso Laminados

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº. 01/2008 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Tarcísio

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

Broward County Public Schools Educação de Estudantes Excepcionais Programa para Superdotados (Exceptional Student Education - Gifted Program)

Broward County Public Schools Educação de Estudantes Excepcionais Programa para Superdotados (Exceptional Student Education - Gifted Program) Salvaguardas Processuais para Estudantes Excepcionais que São Superdotados 6A-6.03313 Salvaguardas Processuais para Estudantes Excepcionais que São Superdotados. Informar os pais sobre os seus direitos

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA.

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA COORDENAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62.

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. Página: 1 de 14 HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Emissão 09/07/96 Várias Revisão Geral 06/10/99 ACO 3 Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. 24/11/99 ACO

Leia mais

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO. PROCEDIMENTO GERAL PG - 03 Rev. 01 Data: 15/07/2014 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÍNDICE

SISTEMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO. PROCEDIMENTO GERAL PG - 03 Rev. 01 Data: 15/07/2014 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÍNDICE SISTEMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO PROCEDIMENTO GERAL PG - 03 Rev. 01 Data: 15/07/2014 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2 OBJETIVO 4 3 SIGLAS 4 4 REFERÊNCIAS NORMATIVAS 4 5 DEFINIÇÕES

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO,

REGISTRO DO PRODUTO, SELO DE IDENTIFICAÇÃO, INTERFACE PROCESSO NÚMERO REVISÃO 02 TÍTULO : CERTIFICAÇÃO E USO DE LICENÇA, CERTIFICAÇÃO/MARCAS DE CONFORMIDADE. DATA DE APROVAÇÃO INICIAL 08/04/2013 REVISÃO ATUAL 09/12/2013 APROVAÇÃO FÁBIO CAMPOS FATALLA

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-3 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por meio da Pró-Reitoria de Sustentabilidade e Integração Social (PROSIS) torna público o presente EDITAL

Leia mais

EDITAL 05/2015 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL PACI SUBPROGRAMA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

EDITAL 05/2015 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL PACI SUBPROGRAMA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL EDITAL 05/2015 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL PACI SUBPROGRAMA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL A Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação (PROPESP) e a Fundação de Amparo e

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO O presente Regulamento institui a normatização adotada pelo Conselho

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO Fevereiro de 2012 1 SUMÁRIO 1. Dos Princípios e Objetivos 2. Dos Fundamentos do Programa 3. Da Estrutura do Programa 4. Da Documentação de Referência

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

1 - Objetivo...1. 2 - Concessão do Certificado do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC...

1 - Objetivo...1. 2 - Concessão do Certificado do Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC... Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo - Diretor de Certificação * Revisão do item 1 (referência à Portaria e Regulamentos obsoletos

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Procedimento Geral da Marca ABNT Qualidade Ambiental

Procedimento Geral da Marca ABNT Qualidade Ambiental Pág. Nº 1/20 SUMÁRIO Histórico das revisões 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Siglas 5 Solicitação de serviços 6 Fornecimento dos serviços 7 Transferência de Certificação

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA

PROC. 07 AUDITORIA INTERNA 1 de 12 AUDITORIA INTERNA MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO AUDITORIA INTERNA AUDITORIA INTERNA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 4.1 PLANEJAMENTO

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE Campus I Joinville 2008 SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS... 03 CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS EM ESTANQUEIDADE NA-019 1. OBJETIVO 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS EM ESTANQUEIDADE NA-019 1. OBJETIVO 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 Página: 1 de 10 1. OBJETIVO 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. MODALIDADES DE COMPETÊNCIA 4 5. SISTEMÁTICA PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 4 5.1 Geral 4 5.2 Centros de Exames de

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM COMUNICAÇÃO CORPORATIVA INTEGRADA 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIO PARA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL

NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIO PARA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NORMAS DE CONCESSÃO DE SUBSÍDIO PARA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL A Diretoria Executiva da Unimed Vale do Aço, no uso de suas atribuições contidas no Estatuto Social da Cooperativa, vem regulamentar o subsídio

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE 1. DO PROGRAMA 1.1 Os cursos gratuitos do Programa Senac de Gratuidade (PSG) destinam-se a pessoas de baixa renda, na condição de alunos

Leia mais