A LITERATURA BRASILEIRA E O SURGIMENTO DA PROPAGANDA*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A LITERATURA BRASILEIRA E O SURGIMENTO DA PROPAGANDA*"

Transcrição

1 A LITERATURA BRASILEIRA E O SURGIMENTO DA PROPAGANDA* Juliana Costa Nahool 1 Orientador: Adolfo Carlos F. Queiroz** RESUMO Este trabalho tem o objetivo de abordar a história da Publicidade no Brasil, tratando sobre a importância que escritores e poetas da Literatura tiveram na nossa propaganda e em seu desenvolvimento. Também será discutido sobre a contribuição que eles deram no estilo de nossa redação publicitária, refletindo sobre a modificação da mensagem seca de vendas por uma mensagem que tivesse envolvimento com a cultura brasileira. PALAVRAS-CHAVE Propaganda; Literatura; Redação Publicitária. 1 Graduando no curso de Bacharelado em Publicidade e Propaganda pela Faculdade Integrada Alcântara Machado, Faculdade Metropolitanas Unidas (FMU). * Trabalho elaborado a partir do Livro Redação Publicitária de João Anzanello Carrascoza. ** Professor do Curso de Publicidade e Propaganda na Matéria de História da Comunicação.

2 2 1. INTRODUÇÃO No século XIX, a redação publicitária foi feita por contribuição dos poetas e escritores brasileiros e foi algo fundamental e definitivo para transformar a nossa publicidade no que ela é hoje. Segundo João Anzanello Carrascoza, em seu livro Redação Publicitária: Estudos sobre a retórica de consumo (2003, p. 65), Não são poucos os escritores e poetas no Brasil que eventual ou regularmente colocaram seu talento a serviço da publicidade. Desde os primeiros versos criados para divulgar produtos e serviços nos meados do século XIX até os dias de hoje, é marcante a participação de nossos literatos na galeria daqueles que redigiram anúncios, folhetos, spots, jingles, comerciais e todo tipo de peças publicitárias." Os literatos contribuíram para a formação da nossa linguagem publicitária, empregando a Literatura para fins publicitários, produzindo peças literárias, dentre elas, inúmeros poemas, em uma relação em que a Literatura colocou-se a serviço da Publicidade. Cada trecho que um poeta escreveu para um anúncio representa muito na história de nossa Propaganda e acabou tornando-se peça fundamental para que ela evoluísse de maneira que conquistasse o mundo inteiro, através de peças premiadas nos principais festivais do setor. O termo Propaganda utilizado neste artigo vai exerce o papel de sinônimo de Publicidade, definido pelo Aurélio como técnica de exercer ação psicológica sobre o público com fins comerciais ou políticos; propaganda. Este artigo visa discutir e informar claramente a importância que escritores e poetas tiveram na história da Propaganda, refletindo sobre a atuação desses, e verificando a contribuição dos literatos na forma de escrever para redação publicitária no Brasil. A escolha desse tema se deve ao fato de que, apesar da enorme importância que os literatos tiveram na publicidade brasileira, este é um campo de estudos ainda a ser explorado e com um crescimento contínuo. Constam apenas rápidas passagens em capítulos de livros que narram à história da nossa Propaganda. Neste artigo será feito um trabalho de revisão, pesquisando bibliografias que falem a respeito da História da Propaganda Brasileira, redação publicitária e livros de Gramática e Literatura. Além de bibliografias que tragam a história de autores que foram marcantes para a publicidade como Monteiro Lobato, e o livreto Jeca Tatuzinho, Olavo Bilac, Bastos Tigre e outros.

3 3 2. COMEÇO DA CONSTRUÇÃO DA PROPAGANDA BRASILEIRA Com o avanço atualmente da profissionalização da Publicidade, temos redatores renomados na criação de uma peça, e já os literatos não são tão cogitados quanto antigamente. Mas torna-se indispensável saber trabalhar a linguagem assim como faziam os escritores e poetas que redigiram anúncios importantes da história da propaganda brasileira ao lado de artistas plásticos e pintores. Aviso a quem é fumante Tanto o Príncipe de Gales Como o Dr. Campos Salles Usam Fósforo Brilhante (CARRASCOZA, 2003, p. 67). Embora visando à venda de um produto este texto Fósforo Brilhante, não foi escrito por nenhum de nossos renomados redatores publicitários. Foi escrito por Olavo Bilac 2, um dos poetas mais requisitados na época pelos anunciantes. Apesar de quase sempre o tom daquela época ser exagerado, características marcantes de nossa Publicidade, como a rima, que pode ser observada facilmente na propaganda dos fósforos acima descrita, figuras de linguagem e o humor, foram dentre outras, contribuições nos dadas por nossos escritores e poetas. Nos séculos XIX e início do século XX, em comparação aos dias de hoje o contato das pessoas com a mídia era muito restrito, hoje as pessoas passam um tempo enorme, segundo Kellner (2001, p.11) ouvindo rádio, assistindo à televisão, freqüentando cinemas, convivendo com música, fazendo compras, lendo revistas e jornais, participando dessas e de outras formas de cultura veiculada pelos meios de comunicação. Já naquele tempo limitava-se, a anúncios em revistas, jornais e placas de bondes, além de merchandising nos teatros públicos. Porém, por parte das empresas já havia uma grande demanda para conquistar os clientes e mostrar seus produtos, e não havia pessoas específicas para tal fim. No Brasil a primeira agência a funcionar só foi surgir, por volta de 1913 ou 1914, em São Paulo, e era denominada Eclética. Ocorreu a implantação do escritório de propaganda da GM no Brasil em E somente em 1929 veio a N.W. Ayer, a primeira agência americana a se instalar no país. 2 Olavo Bilac ( ) nasceu no Rio de Janeiro, estudou Medicina e Direito, mas não concluiu nenhum dos cursos. Exerceu as atividades de jornalista e inspetor escolar, tendo devotado boa parte de seu trabalho e de seus escritos à educação. Foi defensor da instrução primária, da educação física e do serviço militar obrigatório. Patriota, escreveu a letra do Hino à Bandeira e dedicou-se a temas de caráter históriconacionalista. (CEREJA, 2000, p. 277)

4 4 Eram contratados escritores que tinham renome na literatura brasileira para compensar essa falta de profissionais na área. Segundo Maurício Silva em seu artigo Literatura e Publicidade no Pré-Modernismo Brasileiro: uma Introdução (2006), os poemas-reclame se espalhavam em periódicos e jornais da época invadindo os limites até então invioláveis da arte, como que profanando, aos olhos dos mais conservadores e puristas, a aura sagrada da literatura. O fato de que a propaganda envolveu-se em praticamente todos os gêneros também chama atenção, da poesia ao romance, do teatro à crônica, da novela ao conto reflete o autor. De acordo com Silva, os literatos eram vistos como detentores de um discurso portador de credibilidade e utilizavam dessa imagem para benefícios profissionais oferecidos pela publicidade, pois ela dava visibilidade ao autor, expandindo até mesmo a divulgação de seus livros. Para os escritores era muito vantajoso escreverem textos com fins publicitários. Sendo assim, ganhavam as empresas e ganhavam os poetas que, além de dinheiro, ganhavam mais visibilidade e prestígio. O clima de guerra é outro fato que é muito importante comentar - causado pela Primeira Guerra Mundial que durou de 1914 até instaurado no mundo, que pedia um tom nacionalista aos nossos anúncios, influenciou a publicidade brasileira. Então, era importante que fossem escritos por pessoas inseridas totalmente em nossa cultura. Entre a guerra e a publicidade brasileira, um exemplo da relação pode ser observado no Governo de Wenceslau Braz ( ), onde Olavo Bilac, filho de militar e plenamente aceito nos meios civis, dirigiu uma campanha aos locais de concentração de filhos das elites civis e às faculdades de direito e medicina, e pregou o fim do divórcio monstruoso entre Exército e povo. Argumentava O Exército seja o povo e o povo seja o Exército, de modo que cada brasileiro se ufane do título de cidadão-soldado. (CARVALHO, 2005, p. 23). Na seção seguinte sobre a História da Propaganda será articulado de que forma ela foi se firmando no mercado brasileiro, a fim de mostrar em que momento poetas como o Olavo Bilac começou a participar dessa história.

5 A HISTÓRIA A história da propaganda remonta a tempos antigos. Gilmar Santos em Princípios da Publicidade (2005) comenta a respeito da existência de formas promocionais desde a préhistória. Os trogloditas ao querer comunicar que dispunham de peles de animais para trocar por outros utensílios, colocavam as peles nas entradas das cavernas, o que era uma forma de chamar atenção dos que passavam. Já Everardo P. Guimarães Rocha, em Magia e Capitalismo: um estudo antropológico da publicidade (1995, p. 48) cita que existiam elementos de publicidade já no século XVI, ao criarem os símbolos das casas comerciais na Inglaterra, como a peruca para barbearia e cabeça de boi para um açougue. Rocha completa com informações a respeito de um papiro sobre a fuga de um escravo, que data do ano 1000 a.c que parece ter sido o primeiro escrito e que quem redigiu aquela mensagem parece ter sido o primeiro redator de publicidade no mundo. No Brasil essa história vem surgir há cerca de 200 anos. O primeiro anúncio surgiu em 1808, com o aparecimento da Gazeta do Rio de Janeiro: Quem quiser comprar uma morada de casas de sobrado com frente para Santa Rita, fale com Joaquina da Silva, que mora nas mesmas casas... (CARRASCOZA, 1999, p.65). Nas mídias impressas foi a partir de 1900 que ele se tornou algo constante. Importante ressaltar que na época, grande parte da população se encontrava com problemas de saúde, e o país tinha condições sanitárias extremamente precárias. Junto a isso o tipo de propaganda mais forte no Brasil, nesse começo de século, era sobre remédios para combater a sífilis e outras doenças. Daí a frase que diz: Brasil: um vasto hospital. 3 Se em outros países, como nos Estados Unidos, a redação começou com os vendedores, aqui os escritores já começaram por cima, se distanciando das mensagens secas de vendas, o que tornou os anúncios extremamente populares. Passamos por muitas etapas até chegarmos à definição de publicitários que Rocha cita como um grupo de homens com um conhecimento científico do que vão fazer e com capacidade artística para expressar as conclusões dos estudos e pesquisas parece ser a imagem que o mundo exterior deveria, idealmente, possuir do publicitário (1995, p. 51). 3 Referência disponível em: Acesso em: 02 Junho 2007.

6 A INFLUÊNCIA DA LITERATURA DOS POETAS NA HISTÓRIA DA PROPAGANDA BRASILEIRA Nos primeiros passos dessas etapas, no Brasil, os poetas foram o que chamamos hoje de free lancers 4 da redação publicitária. O poeta latino, Virgílio, sob a encomenda de um imperador de Roma, foi o primeiro escritor que se colocou a serviço da propaganda. O fim era convencer as pessoas a voltarem a trabalhar no campo, já que estava acontecendo uma superlotação nas cidades. Por volta de 1850, no Brasil, Casemiro de Abreu, foi quem deu início à utilização dos literatos pelos anunciantes, criando a publicidade para o Café Fama. Ah! Venham fregueses! E venham depressa! Que aqui não se prega Nem logro nem peça. 5 A ele se seguiram muitos outros como, Emílio de Menezes, Hermes Fontes, Guimarães Passos, Basílio Viana, Lopes Trovão. Até mesmo Augusto dos Anjos fez inúmeras propagandas em versinhos, com muita repercussão. Uma delas foi esta, para uma loja de roupas: Nesta cidade onde o atraso Lembra uma cara morfética Fez monopólio da estética A Loja do Rattacaso 6 Olavo Bilac foi o que de todos, mais participou dos textos publicitários de sua época, chegando a participar, dentre outros poetas, em 1908, de um concurso de cartazes publicitários, com a utilização de poesia para o xarope contra tosse, Bromil. O xarope, cujo slogan garantia a cura da tosse em 24 horas, lançou propagandas em versos redigidos. Além de Bilac, que através de testemunhos em jornais e revistas afirmava ter se curado de problemas no pulmão graças ao uso do xarope, encontra-se também Bastos Tigre, outra grande influência literária em nossa propaganda. Como poeta, Bastos Tigre criou há 85 anos, na Semana de Arte Moderna de 1922, um dos mais famosos slogans da propaganda brasileira, Se é Bayer, é bom, que é reconhecido pelo consumidor até os dias atuais. 4 Profissional autônomo, que se emprega em diferentes empresas, atuando de forma independente. 5 O FARINHA dagua Disponível em: <http://ofarinhadagua.blogspot.com/>. 6 O FARINHA dagua Disponível em: <http://ofarinhadagua.blogspot.com/>.

7 7 Em Campanhas Inesquecíveis: propaganda que fez história no Brasil (2007), da editora Meio e Mensagem, temos um retrato da história do slogan da Bayer no Brasil, onde cita que os primeiros registros de anúncios com o slogan são da década de 30, publicados em revistas como O Cruzeiro. Já a primeira produção audiovisual data de 1958 e foi transmitida no cinema colorido e em animação mostrando uma família na praia que era engolida por uma baleia e lançados de volta pelo jato d água característico do animal. Nesse momento toda a família começa a sofrer de fortes dores renais e entra a locução indicando o remédio Hermitol. O comercial era finalizado por vozes em coro citando o slogan Se é Bayer, é bom. Segundo Nelson Cadena, em seu artigo Uma epopéia na propaganda (2006), Bastos Tigre chegou a escrever, numa de suas campanhas, uma paródia do poema épico Os Lusíadas de Luís de Camões. A campanha foi intitulada de Bromilíadas e constava de 1102 estrofes contendo 8816 versos decassílabos, com estrofação sempre na oitava rima. Outra grande participação dos literatos no Brasil em 1934 foi o lançamento da cerveja em garrafa no Brasil, que fez com que Bastos Tigre e Ary Barroso, também marcassem presença na história da nossa propaganda através da cerveja Brahma em garrafa, já que antes, cerveja só era vendida em Barril. A propaganda, musicada por Ary Barroso e interpretada por Orlando Silva, tinha como refrão: O Brahma Chopp em garrafa, Querido em todo o Brasil, Corre longe, a banca abafa, Igualzinho ao de barril. 7 Os publicitários dessa época eram artistas, Segundo Santos, (2005, p. 36), escritores renomados e poetas, que criavam quadrinhas para os produtos, cheias de rimas e graças. Esse foi o início do tom irreverente que até hoje marca a publicidade brasileira. Esse tom irreverente pode ser notado no seguinte anúncio da época: Veja ilustre passageiro, O belo tipo faceiro Que o senhor tem ao seu lado. Entretanto, acredite, Quase morreu de bronquite. Salvou-o o Rhum Creosotado. 8 Esse anúncio, foi escrito por Ernesto de Souza em 1918, e veiculado nos bondes, para o Remédio Rhum Creosotado. 7 O FARINHA dagua Disponível em: <http://ofarinhadagua.blogspot.com/>. 8 O FARINHA dagua Disponível em: <http://ofarinhadagua.blogspot.com/>.

8 8 Monteiro Lobato 9, foi mais além, na década de 40, criou um livro inteiro, o Jeca Tatuzinho. Para Carrascoza (2003, p. 69) a peça é uma obra-prima de comunicação que mistura as técnicas narrativas e os expedientes persuasivos da propaganda: conta a vida de um caboclo no consagrado estilo do eu-era-assim-e-fiquei-assim, graças a um produto: o Biotônico Fontoura. O livreto, inspirado no personagem Jeca tatu, um típico caipira acomodado e miserável do interior paulista, que tinha uma doença conhecida como amarelão, foi um sucesso total de vendas, tendo concedido às marcas Biotônico Fontoura, Maleitosan e Ankilostomina, enorme retorno e credibilidade junto ao consumidor. O livreto chegou aos 10 milhões de exemplares e em 1924, foi criado o personagem radiofônico Jeca Tatuzinho, que ensinava noções de higiene e saneamento básico para as crianças. Além do livreto para o Biotônico Fontoura, Monteiro Lobato também deu outra importante contribuição para a história da comunicação no Brasil. Sem recursos para custear a publicação de seu livro O sacy Pererê, o escritor recorre a patrocinadores, e a obra passa a ter na sua abertura quatro anúncios ilustrados por Voltolino que vendem mercadorias máquinas de escrever Remimgton, chocolates Lacta, cigarros Castelões, Caza Stolze, de artigos fotográficos e mais três no fechamento Casa Freire, louças e objetos de arte, Chocolate Falchi e Bráulio & Cia, drogaria e perfumaria -, num dos primeiros merchandising da nossa publicidade, pois em todos eles os produtos são oferecidos pelo Sacy, que surge em situações irreverentes e assustadoras, como nos próprios relatos do livro. (CARRASCOZA, 1999, p. 65). Segundo Renato Castelo Branco em História da Propaganda no Brasil (1990, p.51), Monteiro Lobato abriu caminho para que outros escritores de envergadura e com a mesma representatividade nos meios literários viessem para a propaganda sem medo de ver comprometido ou diminuído seu prestígio como escritores ou poetas. Com a inserção no meio publicitário, esses escritores inseriram nos anúncios formas de expressão comumente vistas na Literatura. 9 Monteiro Lobato ( ), paulista de Taubaté, foi um dos escritores brasileiros de maior prestígio, em conseqüência de sua atuação como intelectual polêmico e autor de histórias infantis. (CEREJA, 2000, p. 328).

9 9 3. A CONTRIBUIÇÃO Afim de que a mensagem passada seja interpretada de forma favorável ao produto ou a empresa, tudo isso é feito cuidadosamente. A Publicidade constrói imagens em torno de seus produtos, cria utilidades e desejos, procura induzir à ação. Rocha (1995, p. 25) diz que a publicidade é um: (...) mundo onde produtos são sentimentos e a morte não existe. Que é parecido com a vida e, no entanto, completamente diferente, posto que sempre bem sucedido. Onde o cotidiano se forma em pequenos quadros de felicidade absoluta e impossível. Onde não habitam a dor, a miséria, a angústia, a questão. Mundo onde existem seres vivos e, paradoxalmente, dele se ausenta a fragilidade humana. Lá, no mundo do anúncio, a criança é sempre sorriso, a mulher desejo, o homem plenitude, a velhice beatificação. Sempre a mesa farta, a sagrada família, a sedução. Mundo nem enganoso nem verdadeiro, simplesmente porque seu registro é o da mágica. Percebemos através desse trecho de Rocha que a publicidade tem características próprias. Bem se sabe que os escritores e poetas foram os precursores do texto publicitário no Brasil, mas em que isso modificou a forma de escrever anúncios do resto do mundo? Os escritores, que ele chama de primeiros free lancers da publicidade brasileira, Segundo Ramos (1985, p. 25), inseriam nos anúncios figuras retóricas que facilitava a memorização do público, na maioria semi-alfabetizado ou analfabeto. O público (...) encontrava nas rimas a indispensável ajuda mnemônica para guardar temas e anúncios (era o que os anunciantes desejavam, por isso buscavam os poetas). Enfim, eles dessacralizaram o produto. Inteligentes, descontraídos, de certo modo anteciparam o ângulo do consumidor. Casemiro de Abreu fez graça, Lopes Trovão fez paródia, Olavo Bilac fez sátira. Batendo na tecla alegre, divertida, lançaram a semente do que talvez mais distinga a propaganda brasileira: o seu tom irreverente. (BRANCO, 1990, p. 3). Por esse motivo, o anúncio em formato de verso era tão utilizado nessa época da propaganda brasileira. (...) esse tipo de procedimento aciona o repertório lingüístico do consumidor, Segundo Cereja (2000, p. 12), fazendo-o participar mais ativamente da construção dos sentidos do texto. Conseqüentemente, há maior probabilidade de o consumidor lembrar-se daquela marca no momento em que for comprar aquele tipo de produto. Todo anúncio tem a finalidade de persuadir o interlocutor seja para consumir determinado produto, seja para motivá-lo a participar de uma campanha ou alertá-lo. Utilizando esses recursos, o anunciante torna sua mensagem mais atraente aos olhos do consumidor, por inúmeras vezes divertida e inteligente.

10 10 Observando a linguagem publicitária atual, notamos com freqüência o emprego de recursos da linguagem própria da literatura, como a função poética 10 ; a conotação 11, utilizada, por exemplo, em Você não ouve. Você sente, da Rádio Globo ou em Fala por você, da Nokia; a ambigüidade 12, como em A gente se vê por aqui da Rede Globo ou O mundo todo só fala nele também da Nokia; a aliteração 13, como no caso Pick up FORD, raça FORTE, e principalmente a rima, como pode ser vista nos seguintes slogans da Rede Globo: Globo 2000, no coração do Brasil e Globo e você, tudo a ver" e até mesmo no conhecido slogan Dura lex, sed lex, nos cabelos só Gumex". Chegamos a notar até mesmo o uso de onomatopéias como em Você imagina, clic, a Arno faz. Além do uso de recursos da linguagem, notamos falas menos, ou nada, formais com o uso da conhecida licença poética e emprego de gírias, como em É bacana, slogan do Gradiente e Manda bala nesse beijo das balas Ice Kiss. Segundo Campanhas Inesquecíveis: propaganda que fez história no Brasil (2007, p. 171), foi realizada uma pesquisa, pelo Grupo Bayer do Brasil, para avaliar a opinião do público sobre o uso de uma nova assinatura. Na pesquisa, 89% das pessoas escolheram pela continuação do slogan Se é Bayer, é bom. Isso mostra que o slogan continua forte na cabeça do consumidor, e talvez até mesmo atual, há mais de oito décadas de uso. 10 Função Poética, centralizada na mensagem, revelando recursos imaginativos criados pelo emissor. Afetiva, sugestiva, conotativa, ela é metafórica. Valorizam-se as palavras, suas combinações. É a linguagem figurada apresentada em obras literárias, letras de música, em algumas propagandas, etc. 11 Quando acrescentamos aspectos subjetivos, se envolvemos a palavra de emocionalidade, temos conotação ou palavra conotativa: grande homem, bonita casa. (SANDMANN, 1999, p.77) 12 Ambigüidade é a falta de clareza que acarreta duplo sentido na frase. Luciana e Carlos foram à festa e levaram sua irmã (Irmã de Luciana ou Carlos?) (SARMENTO, p.562) 13 Quando o Aurélio define a rima, ele fala em repetição de sons, e quando define a aliteração, ele fala em repetição de fonemas no início meio e fim de vocábulos próximos.

11 11 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A importância dos escritores na propaganda brasileira é totalmente relevante para se entender o estilo de nossa comunicação. Eles plantaram a sementinha, que fez dar grandes frutos para a nossa história. O tom irreverente, o humor e a utilização de figuras da linguagem foram algumas das várias contribuições que eles nos deram e fizeram com que a Publicidade brasileira fosse e seja, hoje, respeitada e aplaudida no mundo inteiro. Foram eles que fugiram do molde americano e das mensagens secas de vendas e transformaram a propaganda brasileira em algo que tivesse a cara do povo brasileiro. Adaptando as mensagens para seduzir melhor o consumidor, uma vez que a Publicidade entendia as dificuldades e desejos do brasileiro. O motivo para tanto sucesso dos literatos no meio publicitário, segundo Carrascoza, (2003, p. 65), se deve ao fato de que: quem sabe escrever pode, com facilidade, redigir, embora a recíproca não seja verdadeira. A utilização de versos sempre foi uma das características de nossa propaganda, e coube àqueles que conheciam as técnicas poéticas criar as primeiras mensagens publicitárias. Através desse artigo, espera-se que possamos contribuir para esclarecer a atuação dos literatos nos séculos XIX e XX no Brasil e o quanto eles contribuíram. Se observar as propagandas atuais que circulam no nosso mercado, e livros que ensinem redação publicitária, nota-se o quanto ainda são utilizados e valorizados muitos dos elementos plantados por eles.

12 12 BRAZILIAN LITERATURE AND THE RISE OF PROPAGANDA ABSTRACT This work aims to address the history of advertising in Brazil, dealing about the importance of writers and poets have in our advertising literature and its development. It will also be discussed on the contribution that they made in the style of our copywriting, reflecting on the change of dry sales message for a message that had involvement with the Brazilian culture. KEYWORDS Propaganda, Literature, Writing Advertising.

13 13 REFERÊNCIAS Artigos SILVA, Maurício. Literatura e Publicidade no Pré-Modernismo Brasileiro: uma Introdução. Revista Crítica Cultural, Vol. 1, nº. 1, Disponível em: Acesso em 05 de abril de CADENA, Nelson. Uma epopéia na propaganda. Revista Propaganda. Disponível em: Acesso em 05 de abril de Dicionários FERREIRA, Aurélio B. de Hollanda. Minidicionário da Língua Portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Livros BRANCO, Renato Castelo; MARTENSEN, Rodolfo Lima; REIS, Fernando Vídeo clipe das nossas raízes, In: Ricardo Ramos. História da Propaganda no Brasil. São Paulo: T. A. Queiroz, v.21. p1 6. BRANCO, Renato Castelo; MARTENSEN, Rodolfo Lima; REIS, Fernando. Os intelectuais e a propaganda, In: Jorge Medauar. História da Propaganda no Brasil. São Paulo: T. A. Queiroz, v.21. p7-20. Campanhas inesquecíveis: propaganda que fez história no Brasil. São Paulo: Meio e Mensagem, CARRASCOZA, João Anzanello. A evolução do texto publicitário como elemento de sedução na publicidade. São Paulo: Futura, CARRASCOZA, João Anzanello. Redação Publicitária: Estudos sobre a retórica de consumo. São Paulo: Futura, ed.. CARRASCOZA, João Anzanello. Razão e sensibilidade no texto publicitário. São Paulo: Futura, 2004.

14 14 CARVALHO, José Murilo de. As forças armadas na Primeira República: o poder desestabilizados. In: CARVALHO, José Murilo de. Forças Armadas e politica no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, Cap. 1, p CEREJA, William Roberto. MAGALHÃES, Thereza Cochar. Literatura Brasileira. São Paulo: Atual, ed. KELLNER, Douglas. A Cultura da Mídia. Estudos Sociais: identidade e política entre o moderno e pós-moderno. Bauru: EDUSC, MARCONDES, Pyr. Uma História da propaganda brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, MOTA, Carlos Guilherme. Viagem Incompleta: a experiência brasileira ( ): a grande transação. São Paulo: Editora SENAC, NICOLA, José de. Literatura Brasileira: das origens aos nossos dias. São Paulo: Scipione, RAMOS, Ricardo. Do reclame à comunicação. Pequena historia da propaganda no Brasil. São Paulo: Global, ROCHA, Everardo P. Guimarães. Magia e Capitalismo: um estudo antropológico da publicidade. São Paulo: Brasiliense, ed. SANDMANN, Antônio José. A linguagem da propaganda. São Paulo: Contexto SANT ANNA, Armando. Propaganda: Teoria, Técnica e Prática. São Paulo: Pioneira, SANTOS, Gilmar. Como tudo começou, In:. Princípios da Publicidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, p SARMENTO, Leila Lauar. Gramática em Textos. São Paulo: Moderna SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

15 15 Sites Acontecendo aqui. Disponível em: BRASIL Cultura. Disponível em: <http://www.brasilcultura.com.br/conteudo.php? menu=95&id=452&sub=490. O farinha d água. Disponível em: <www.ofarinhadagua.blogspot.com. WIKIPÉDIA: Lista de slogans publicitários. Disponível em: sta_de_slogans_publicit%c3%a1rios.

RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE. FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1

RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE. FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1 RECURSOS DA FUNÇÃO POÉTICO-ESTÉTICA NA PUBLICIDADE FEDRIZZI, Giulia; VASCONCELLOS, Nathália e CASTRO, Renata 1 Resumo: O artigo constrói um paralelo entre a renovação da publicidade realizada pelos literatos,

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem

História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem História da propaganda brasileira: dos fatos à linguagem A trajetória A cada período da trajetória, em cada contexto social em que se inseriu, a publicidade encontrou a sua maneira de dizer, dialogando

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1

Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1 Jingle Sabores do Brasil para a marca Chocolates Brasil Cacau 1 Simone MARIANO 2 Sheilla REIS 3 Mariana BRASIL 4 Mariane FREITAS 5 Amanda CARVALHO 6 Jéssica SANTOS 7 Suelen VALENTE 8 Universidade Católica

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1

Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Projeto Integrado de Comunicação Do Bem Sucos Integrais: Peça de Mídia Impressa Recado do Bem 1 Amanda DIAS 2 Ana Carolina SACCOMANN 3 Beatriz REBELO 4 Bruna CLARA 5 Isabela SANTOS 6 Nathalia COBRA 7 Antonio

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE

Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra. Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE Agrupamento de Escolas do Búzio Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra Português 11ºano Ficha Informativa sobre PUBLICIDADE A. PUBLICIDADE A publicidade é o ato de divulgar um produto ou uma ideia com o

Leia mais

UMA ANÁLISE DOS RECURSOS PERSUASIVOS DO COMERCIAL: O PRIMEIRO SUTIÃ DA EMPRESA VALISÈRE.

UMA ANÁLISE DOS RECURSOS PERSUASIVOS DO COMERCIAL: O PRIMEIRO SUTIÃ DA EMPRESA VALISÈRE. UMA ANÁLISE DOS RECURSOS PERSUASIVOS DO COMERCIAL: O PRIMEIRO SUTIÃ DA EMPRESA VALISÈRE. CINTI, Paulo; FONTANEZZI, Renata Munhoz Mamede; VIEIRA, Lucas Modesto. Resumo O primeiro Valisère a gente nunca

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS

O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS O USO DA METÁFORA NOS SLOGANS CARNEIRO, Carla Maria Bessa e STANCATO, Francine Teles 1 RESUMO: Este estudo tem como objetivo mostrar a eficácia da metáfora nos slogans para a construção de um anúncio.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE COLÉGIO ESTADUAL CRISTO REI ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua das Ameixeiras, 119 Núcleo Cristo Rei Fone/Fax: 0xx42 3624 3095 CEP 85060-160 Guarapuava Paraná grpcristorei@seed.pr.gov.br PLANO DE TRABALHO

Leia mais

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO

ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS CHOCANTES : QUANDO O DESVIO LEXICAL CAUSA O EFEITO CONTRÁRIO 1 INTRODUÇÃO Dulcinéia de Castro Viana Fernando da Silva Negreiros Lays Cristina Fragate Natalia Lamino Camilo Ulisses

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

1. De que modo a imagem coopera na. 2. O texto Pruébala durante um mês. Si

1. De que modo a imagem coopera na. 2. O texto Pruébala durante um mês. Si o 6 o e 7 a n os n o ve mb r o/ 20 4 desenvolva... pense... pratique... 10 Observe a imagem e recorra a seus estudos de espanhol para responder às questões 1 e 2. Pruébala durante um mês Si no te convence,

Leia mais

A soma será feita da seguinte forma:

A soma será feita da seguinte forma: TESTE VOCACIONAL Teste sua vocação Testes vocacionais não fazem milagres, não têm poder de apontar uma única profissão a ser seguida, mas são um bom norte acerca de aptidões e interesses. O questionário

Leia mais

4. Palavras-chave: Converse, pop arte, campanha promocional, criatividade.

4. Palavras-chave: Converse, pop arte, campanha promocional, criatividade. 1 1. Portfólio Co.De 2. Autoria: Júlian Luise Toffoli Professor Orientador: Rodrigo Valente e Cátia Schuh Instituição de Ensino Superior: ESPM RS 3. Resumo: Este trabalho faz uma defesa criativa da campanha

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

O QUE FOI A POESIA MARGINAL

O QUE FOI A POESIA MARGINAL O QUE FOI A POESIA MARGINAL A poesia marginal ou a geração Mimeógrafo surgiu na década de 70 no Brasil, de forma a representar o movimento sociocultural que atingiu as artes e principalmente a literatura.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa.

Planejamento de Campanha de Propaganda. Aula 5. Contextualização. Instrumentalização. Meios e Veículos. Mídia Conceito. Profa. Planejamento de Campanha de Propaganda Aula 5 Contextualização Profa. Karin Villatore Esta aula tem como objetivo mostrar quais são as principais mídias que podem ser usadas em campanhas de publicidade

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br

FUNÇÕES DA LINGUAGEM. Professor Jailton www.professorjailton.com.br FUNÇÕES DA LINGUAGEM Professor Jailton www.professorjailton.com.br Comunicação e Intencionalidade discursiva / Funções Intrínsecas do Texto Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção

Leia mais

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem

Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Teoria da Comunicação Funções da Linguagem Professor Rafael Cardoso Ferreira O que é linguagem? A linguagem é o instrumento graças ao qual o homem modela seu pensamento, seus sentimentos, suas emoções,

Leia mais

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02

Edição: Rodrigo Amorim DESENHOS: Lavínya Vieira CORDEL: 1º ANO A 02 O Cordel, Paixão e Poesia: Castro Alves o poeta da Bahia foi feito pelos alunos do 1º ano A (IF Baiano campus Itapetinga). O cordel é uma grande homenagem ao grande poeta baiano Castro Alves, conhecido

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Histórico da Mídia no Brasil

Histórico da Mídia no Brasil Prof. Edmundo W. Lobassi Início do século XX Anúncios vendem escravos, remédios e trabalhos de artesões. (Edmundo W. Lobassi) 01 Início do século XX Anúncios vendem escravos, remédios e trabalhos de artesões.

Leia mais

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho # Tantas # Edição 01 # Ano 01 Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho Editorial Missão e Valores

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

GUIA PARA ESCREVER MELHOR. Saiba que erros evitar para ter um bom desempenho na prova de redação

GUIA PARA ESCREVER MELHOR. Saiba que erros evitar para ter um bom desempenho na prova de redação GUIA PARA ESCREVER MELHOR Saiba que erros evitar para ter um bom desempenho na prova de redação Í N D I C E Capítulo 1 Não exagere nos adjetivos Capítulo 2 Evite o queísmo Capítulo 3 Não seja intrometido(a)

Leia mais

Guindastes Constâncio: Outdoor Triplo 1

Guindastes Constâncio: Outdoor Triplo 1 Guindastes Constâncio: Outdoor Triplo 1 Valério ALVES 2 Deivi Eduardo OLIARI 3 Márcia Regina ANNUSECK 4 Centro Universitário Leonardo da Vinci, UNIASSELVI - Indaial, SC RESUMO O Outdoor é uma mídia de

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Jingle Viva o Espetáculo Edisca 1

Jingle Viva o Espetáculo Edisca 1 Jingle Viva o Espetáculo Edisca 1 Alahin de Abreu Brito FEITOSA 2 Felipe Moraes COSTA 3 Gabriel Bessa Silva MENEZES 4 Marina Lima VIANA 5 Alessandra Oliveira ARAÚJO 6 Universidade de Fortaleza, Fortaleza,

Leia mais

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore

Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Affonso Romano: A glória do autor é virar folclore Com mais de 50 livros publicados, Affonso Romano de Sant Anna é uma das referências da literatura brasileira contemporânea. Agora mesmo, ele está saindo

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século

*Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século *Não foi propriamente um movimento ou escola literária; * Trata-se de uma fase de transição para o Modernismo, nas duas primeiras décadas do século XX; * É quando surge uma literatura social, através de

Leia mais

Características da publicidade

Características da publicidade Nível B1 B2 B3 X Secundário Área de competência chave Cultura, Língua e Comunicação UFCD CLC-5 Cultura, Comunicação e Média Conteúdo O texto publicitário Tema A publicidade Breve história da publicidade

Leia mais

Colégio Monteiro Lobato

Colégio Monteiro Lobato Colégio Monteiro Lobato Disciplina: Anual 2013 Redação Professor (a): Barbara Venturoso Série: 6º ano Turma: A PLANEJAMENTO ANUAL 2013 Plano de curso Conteúdos Procedimentos Objetivos Avaliações 1º Trimestre

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

INSTITUCIONAL ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO

INSTITUCIONAL ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO APRESENTA INSTITUCIONAL ZEZÉ DI CAMARGO & LUCIANO ASSISTA O VÍDEO RELEASE! The image cannot be displayed. The ima ge UMA HISTÓRIA DE TALENTO E SUCESSO DE UMA CARREIRA QUE POSSUI NÚMEROS MAIS QUE EXPRESSIVOS

Leia mais

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro.

A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. A obra de Joaquim Manuel de Macedo através de anúncios do Jornal do Comércio do Rio de Janeiro. Resumo: Doutoranda Juliana Maia de Queiroz 1 (UNICAMP). Em 1868, Joaquim Manuel de Macedo publicou o romance

Leia mais

Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1

Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1 Cartaz Desenvolvido para a Campanha Leuceminas: Você Faz A Diferença Na Cura Do Câncer. 1 Marleyde Alves dos SANTOS 2 Daniel Cardoso Pinto COELHO 3 Cláudia CONDÉ 4 Raísa moysés GENTA 5 Bruno César de SOUZA

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: American Airlines; Anúncio Impresso; Institucional; História.

PALAVRAS-CHAVE: American Airlines; Anúncio Impresso; Institucional; História. Institucional American Airlines 1 Arthur Colaço FERRARI 2 Gisele Nepomuceno CHAVES 3 Letícia Maria Morgado RODRIGUES 4 André TEZZA 5 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O presente trabalho foi desenvolvido

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome:

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: A literatura infantil surgiu no século XVII, no intuito de educar as crianças moralmente. Em homenagem ao escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, foi criado

Leia mais

TEM SEMPRE UM FILME EM SUA VIDA 1

TEM SEMPRE UM FILME EM SUA VIDA 1 TEM SEMPRE UM FILME EM SUA VIDA 1 Fernando LOUZADA 2 Juliana GIRALDI 3 Tatiana MICHAUD 4 Vinicius CARVALHO 5 Christiane Monteiro MACHADO 6 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O tempo de vida das

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

O escritor Paulo Coelho, hoje um dos imortais da Academia Brasileira de Letras, relata em

O escritor Paulo Coelho, hoje um dos imortais da Academia Brasileira de Letras, relata em O escritor Paulo Coelho, hoje um dos imortais da Academia Brasileira de Letras, relata em artigo do jornal Folha de São Paulo, como se tornou escritor de sucesso. A narrativa de Paulo Coelho fez parte

Leia mais

Disciplinas Optativas Jornalismo

Disciplinas Optativas Jornalismo Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Jornalismo Disciplinas Optativas Jornalismo Carga horária total de optativas: 930

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Colégio Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para as questões de 1 a 3. Material: 1 xícara quase cheia de farinha

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA

A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA A INTERATIVIDADE: ALGO MAIS NA SEDUÇÃO PUBLICITÁRIA Vera Maria Ramos Pinto (PG - UEL / GP Leitura e Ensino- CLCA- UENP/CJ) Anúncios interativos são aqueles criados com a finalidade de levar o leitor a

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Homofobia, Intolerância Absurda. 1. George Gustavo Moura de FREITAS 2 Sávio Wesley Moura GOMES 3 Renata Campos MOREIRA 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5

Homofobia, Intolerância Absurda. 1. George Gustavo Moura de FREITAS 2 Sávio Wesley Moura GOMES 3 Renata Campos MOREIRA 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Homofobia, Intolerância Absurda. 1 George Gustavo Moura de FREITAS 2 Sávio Wesley Moura GOMES 3 Renata Campos MOREIRA 4 Talita Garcez GUIMARÃES 5 Faculdade Sete de Setembro, Fortaleza, CE RESUMO Este artigo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO E EDUCAÇÃO-SEED COLÉGIO ESTADUAL MARCELINO CHAMPAGNAT-ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROGRAMA DE

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO E EDUCAÇÃO-SEED COLÉGIO ESTADUAL MARCELINO CHAMPAGNAT-ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROGRAMA DE GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO E EDUCAÇÃO-SEED COLÉGIO ESTADUAL MARCELINO CHAMPAGNAT-ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL-PDE PROJETO DE INTERVENÇÃO NA ESCOLA-PDE

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos

SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL. 1. Artigos científicos e técnicos SEQUÊNCIA N.º 1 TEXTOS DOS DOMÍNIOS TRANSACIONAL E EDUCATIVO O ESSENCIAL 1. Artigos científicos e técnicos Textos que tratam áreas específicas do saber, sendo normalmente escritos por especialistas, o

Leia mais

Qual o papel das palavras na propaganda de medicamentos?

Qual o papel das palavras na propaganda de medicamentos? São Bern@rdo.com.br Revista Acadêmica do Grupo Comunicacional de São Bernardo www.metodista.br/unesco/gcsb/index.htm Ano 1 - nº 2 - (julho/dezembro de 2004) Textos originais, revisados pelos membros do

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio O desenvolvimento do rádio como MCM faz parte da expansão capitalista. Apesar do senso comum atribuir a invenção do rádio ao italiano

Leia mais

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) MODERNISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) O século XX inicia-se no Brasil com muitos fatos que vão moldando a nova fisionomia do país. - progresso técnico - novas fábricas surgidas

Leia mais

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA Coordenador do Curso: Prof. Dirceu Tavares de Carvalho Lima Filho IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.

Leia mais

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5

Faça viver! 1. Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2. Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Faça viver! 1 Johnny William Mendonça de OLIVEIRA 2 Rodrigo Mendonça de OLIVEIRA 3 Ramon Moisés de SOUSA 4 Gustavo Henrique Ferreira BITTENCOURT 5 Universidade Potiguar - UnP, Natal, RN RESUMO O outdoor

Leia mais

ICBA: Campanha Publicitária Vem falar com a gente 1

ICBA: Campanha Publicitária Vem falar com a gente 1 ICBA: Campanha Publicitária Vem falar com a gente 1 Alexandra Teixeira de ROSSO 2 Janildo TAVARES 3 Daniele VARGAS 4 Luciele Beatriz KESSLER 5 Danielle Aline CORRÊA 6 Lorena das Chagas CORREA 7 Fabrícia

Leia mais

3 A13 DE SETEMBRO RIOCENTRO

3 A13 DE SETEMBRO RIOCENTRO 3 A13 DE SETEMBRO RIOCENTRO A Bienal do Livro Rio é o maior evento literário do país, um grande encontro que tem o livro como astro principal. Para o leitor, é a oportunidade de aproximação com seus autores

Leia mais

Spot: Acessibilidade - Conscientização e Prática 1

Spot: Acessibilidade - Conscientização e Prática 1 Spot: Acessibilidade - Conscientização e Prática 1 Felipe Marinho da Silva 2 Waldemar Moreira Ramos 3 Rodolfo Nunes Freire Ribeiro 4 José Zilmar Alves da Costa 5 Universidade Federal do Rio Grande do Norte,

Leia mais

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação

Leia mais

12. JORNAL DE ONTEM. 5 a e 8 a SÉRIES. A vida no Egito e México antigos. Guia do Professor

12. JORNAL DE ONTEM. 5 a e 8 a SÉRIES. A vida no Egito e México antigos. Guia do Professor 5 a e 8 a SÉRIES 12. JORNAL DE ONTEM A vida no Egito e México antigos Áreas: H, LP, G, PC SOFTWARES NECESSÁRIOS: ENCICLOPÉDIA MICROSOFT ENCARTA 2000 MICROSOFT WORD 2000 MICROSOFT EXCEL 2000 MICROSOFT PUBLISHER

Leia mais

pratique... desenvolva... pense... 1. Primeira tira. Em inglês, no campo semântico da aviação, non-stop significa sem escalas.

pratique... desenvolva... pense... 1. Primeira tira. Em inglês, no campo semântico da aviação, non-stop significa sem escalas. o 6 o e 7 a n os s et e mb r o/ 20 3 desenvolva... pense... pratique... 11 Multiplicidade de sentido ou o sentido das palavras Observe as tiras a seguir para responder às questões 1 e 2 Disponível em O

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. INSTRUÇÃO: Responder às questões 21 a 26 com base no texto 1. TEXTO 1

LÍNGUA PORTUGUESA. INSTRUÇÃO: Responder às questões 21 a 26 com base no texto 1. TEXTO 1 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 LÍNGUA PORTUGUESA INSTRUÇÃO: Responder às questões 21 a 26 com

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR Lília Santos NA BIBLIOTECA ESCOLAR, a MEDIAÇÃO com crianças e jovens acontece o tempo todo. É preciso ter atenção com os conteúdos

Leia mais

A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE

A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE A TENDÊNCIA DE SUBVERTER UM GÊNERO EM OUTRO: O BOOM CRIATIVO NA PUBLICIDADE Thiago Leonardo Ribeiro (Bolsista PIBIC UENP/Fundação Araucária) Vera Maria Ramos Pinto (GP Leitura e Ensino CLCA - UENP/CJ)

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA 1 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INTRODUÇÃO A PUBLICIDADE E PROPAGANDA... 4 02 HISTÓRIA DA ARTE... 4 03 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Spot: Pense antes de se expor 1

Spot: Pense antes de se expor 1 Spot: Pense antes de se expor 1 Carolina BROTEL 2 Fernanda YAMAMOTO 3 Kellen VIEIRA 4 Sarah BONINI 5 Sarah NAHASS 6 Wilton SILVA 7 Renato VILLAÇA 8 Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH), MG RESUMO

Leia mais

Inúmeras maneiras de expor, de forma crítica e responsável, o que vai pelas cabeças das pessoas quando o assunto são as drogas...

Inúmeras maneiras de expor, de forma crítica e responsável, o que vai pelas cabeças das pessoas quando o assunto são as drogas... CRIAÇÃO E PRODUÇÃO: O PROGRAMA Drogas, prevenir ou remediar? Livros, filmes, novelas, documentários, peças teatrais,... Difícil imaginar de que forma esta questão ainda não foi abordada, sob os mais diversos

Leia mais

Poder: Jornal Fortuna

Poder: Jornal Fortuna Aqui você enriquece sua leitura Jornal Fortuna Volume 1, edição 1 Data do boletim informativo Nesta edição: Poder: Há vários tipos de poder, poder militar, poder da natureza, poder político, o poder da

Leia mais

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA

A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing. Com DANILO CUNHA A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Com DANILO CUNHA Ética A Responsabilidade Ética na Propaganda & Marketing Conceito Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL

LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 LITERATURA INFANTIL: TRABALHANDO O TEXTO E A IMAGEM NA SALA DE AULA DA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosélia Maria de Sousa SANTOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba José Ozildo dos SANTOS

Leia mais

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela

Fundamentos da Propaganda TV e Cinema. Prof. Adriano Portela Fundamentos da Propaganda TV e Cinema Prof. Adriano Portela Brasil, 1950. A chegada da televisão revoluciona a vida dos brasileiros. Os Anos de Chumbo, como foram chamados os 20 anos de ditadura, marcaram

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos

QUADRO CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA QUADRO ANTERIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGENTE NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos QUADRO CURSO D PUBLICIDAD PROPAGANDA QUADRO ANTRIOR A 2001 ATÉ O CURRICULO VIGNT NO PRÓPRIO CURSO - 3 primeiros períodos DISCIPLINA A DISCIPLINA B CÓDIGO DISCIPLINA - 2008 C/H CUR -SO DISCIPLINA C/H CÓDIGO

Leia mais

Conto de fadas: Spot para a marca de sapatos Victor Vicenzza. 1

Conto de fadas: Spot para a marca de sapatos Victor Vicenzza. 1 Conto de fadas: Spot para a marca de sapatos Victor Vicenzza. 1 Ana Lidia Marreiros Tavares Vieira 2 Andrezza Alana Silva Borges 3 Ana Carolina Medeiros Barreiros 4 Manoela Gonçalves Moraes 5 Carolina

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais