RICHARD W. HUFFMAN, D.D.S. JOHN W. REGENOS, D.D.S, F.I.C.D.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RICHARD W. HUFFMAN, D.D.S. JOHN W. REGENOS, D.D.S, F.I.C.D."

Transcrição

1 RICHARD W. HUFFMAN, D.D.S. JOHN W. REGENOS, D.D.S, F.I.C.D.

2 INTRODUÇÃO À OCLUSÃO por Richard W. Huffman D.D.S. John W. Regenos D.D.S, F.I.C.D.

3 I-A-1 Seção I Parte A INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA OCLUSÃO INTRODUÇÃO A oclusão é a chave para a função oral e, conseqüentemente, a chave para o diagnóstico oral corretivo. Apesar disto, a oclusão é uma área frequentemente esquecida ou negligenciada em muitos consultórios odontológicos. Esta tendência de aceitar como normal qualquer oclusão do paciente é compreensível, pois a oclusão é, historicamente, um assunto de grande controvérsia, com diversas opiniões divergentes e teorias conflitantes. Conseqüentemente, há uma falta crítica de ensino adequado no campo da oclusão. Análises e estudos dos conflitos existentes nesse campo parecem-nos ser de grande valor. As opiniões, teorias e discrepâncias devem ser resolvidas. Pré-requisitos e critérios devem, então, ser estabelecidos para que se possa ter uma base para o ensino da oclusão. Métodos e técnicas melhores precisam ser desenvolvidos para se resolver este problema educacional. Um curso de pós-graduação foi criado na Ohio State University, College of Dentistry, para estudar os conceitos atuais de oclusão. Este manual é uma compilação do material utilizado no programa desse curso. No estágio atual da história da odontologia, a oclusão é uma criança, e crianças crescem e se desenvolvem rápido. É nosso desejo que a oclusão siga este mesmo padrão e que este manual sirva como um valioso material para o ensino neste período. Com o surgimento de novas informações nas pesquisas e estudos clínicos, serão necessárias modificações neste manual e materiais adicionais serão criados. Em 1924, Shaw, um antropologista, disse: A escrita em cortes, com tanta precisão nos complexos padrões dos dentes podem, realmente, ser hieróglifos, mas, mesmo assim, certamente não foram feitos de forma aleatória ou sem significados. Provavelmente foi uma linguagem orgânica real em que os princípios do design e mecânica dental foram registrados, e ainda podemos ter sucesso em decifrá-los se nos esforçarmos para aprender seu alfabeto dinâmico e dominar seus elementos. Em essência, isto significa que, uma vez decifrados os hieróglifos na superfície oclusal dos dentes, teremos dominado a oclusão. Estes chamados hieróglifos são as cúspides e fossas, suas posições e direções, a altura da cúspide e a profundidade da fossa e suas localizações, e a inter-relação entre os incisivos anteriores com a concavidade lingual dos incisivos superiores. Anos de pesquisa e estudos levaram a um conceito atual de oclusão baseado em dados precisos que vão de encontro aos requisitos do método científico. Utilizando um dispositivo de registro que copia, com precisão, os movimentos bordejantes da mandíbula em função e, transferindo estes dados para um instrumento capaz de reproduzi-los fielmente, é possível estudar, fora da boca, a interação das superfícies oclusais dos dentes com a articulação temporomandibular. A informação obtida é a chave fisiológica para o diagnóstico e este conhecimento, quando utilizado adequadamente, resulta em grande benefício para o paciente. Este tipo de estudo diagnóstico pode ser chamado de análise oclusal funcional. Os dados acumulados destes estudos têm levado ao conceito gnatológico da oclusão. Também, pesquisas gnatológicas finalmente decifraram os hieróglifos nas superfícies oclusais dos dentes, citados por Shaw. Nosso propósito, agora, como dentistas e educadores da odontologia, é de fazer estes conhecimentos trabalharem para nós. Os vários fatores que influenciam estes hieróglifos foram chamados de determinantes da morfologia oclusal e serão discutidos em detalhes mais a frente neste manual. Nossa próxima preocupação é a de correlacionar estes conhecimentos com outros determinantes da oclusão e formar critérios e técnicas baseados na combinação destas

4 I-A-2 informações. A solução para este problema é o propósito primário deste curso e deste manual. As páginas seguintes visam descrever, passo a passo, todos os vários elementos associados com esta solução. A oclusão não pode ser discutida inteligentemente sem primeiro considerarmos os movimentos mandibulares. Portanto, um estudo dos movimentos mandibulares e dos vários fatores que influenciam estes movimentos é essencial. I. MOVIMENTOS MANDIBULARES Se a mandíbula abrisse e fechasse poucos milímetros, em um movimento puramente de rotação, a oclusão seria um problema extremamente simples de se entender e resolver. Mas este não é o caso. A mandíbula pode fazer movimentos de rotação e translação em três planos: sagital, frontal e horizontal. Estes movimentos podem envolver desvios em um ou todos os planos, tendo então um potencial para uma complexa interação de movimentos. Isto, em parte, explica a história controversa e teorias conflitantes atuais sobre a oclusão dental. A complexidade e significância da articulação temporomandibular e seu papel nos movimentos mandibulares desafia seu entendimento. A articulação temporomandibular é o mecanismo guia responsável pelos movimentos mandibulares. Esta articulação, em humanos, é bi-articular (esquerda e direita) ginglemoartroidal. É formada por duas cabeças da mandíbula côndilos (esquerda e direita), cada uma repousando em sua fossa articular (fossa glenoide), com um disco articular interposto entre estes componentes ósseos. Esta área inter-óssea consiste, em ambos os lados, de um compartimento sinovial superior, um disco ou menisco, e um compartimento sinovial inferior. A articulação é envolvida por um ligamento capsular e protegida lateralmente pelos ligamentos temporomandibulares. Esta articulação é única, uma vez que um lado não pode se mover sem influenciar o outro. Uma articulação é o modo que a natureza oferece a um sistema a capacidade de movimento com um mínimo de desgaste. A articulação atua como uma parte integral de um sistema de alavanca. Portanto, uma discussão sobre os sistemas de alavancas é necessária em nosso estudo dos movimentos mandibulares. I. SISTEMAS DE ALAVANCAS (Fig. A-1) Webster define uma alavanca como: um objeto rígido capaz de girar sobre um ponto, ou eixo (o fulcro), e no qual há dois ou mais pontos de aplicação de força, usados para transmitir e modificar a força e movimento: especificamente, uma barra usada para exercer pressão, ou sustentar um peso, em um ponto ao longo de seu comprimento, pela aplicação de força em um segundo ponto, e girando sobre um terceiro ponto fixo, chamado de fulcro. As alavancas são classificadas como Classe I, II e III, de acordo com a relação entre os fatores que a compõem, que são: o fulcro (F), a força (P), e o trabalho ou peso (W). A alavanca Classe I é a mais eficiente, ou seja, é a que resulta em mais trabalho com menos força aplicada. A alavanca de Classe II é menos eficiente que esta e a Classe III a menos eficiente de todas. P W W F F P P Classe I Classe II Classe III Tesoura Carrinho-de-mão Pinça e e e Pé-de-cabra Quebra nozes Ponte levadiça Fig. A-1 F W

5 II. I-A-3 AS ALAVANCAS DA MANDÍBULA A. A alavanca normal Classe III A mandíbula funciona como um sistema de alavanca. Idealmente, este sistema de alavanca deveria ser a do tipo Classe III, uni e bi-lateral, no intuito de reduzir o stress causado nos dentes. F ALAVANCA CLASSE III W P ALAVANCA MANDIBULAR UNILATERAL NORMAL Vetor de força muscular Fig. A-2 Quando consideramos a mastigação de alimentos, unilateralmente, em uma direção antero-posterior, no lado de trabalho devemos ter um sistema de alavanca Classe III (Fig. A- 2). A articulação temporomandibular é o fulcro (F). A força (P) é aplicada pelo músculo mais próximo, o masseter, e o temporal, cujo vetor de força fica entre a articulação (fulcro) e os dentes, ou área de trabalho (W). Quanto mais anterior formos nos dentes, menor será a vantagem da alavanca, ou seja, a força aplicada pelos músculos resultará em menor pressão nos dentes. Isto nos ajuda a entender porque os dentes anteriores, que possuem um design estrutural frágil, são frequentemente os últimos dentes a serem perdidos. Além disso, nos permite uma observação interessante sobre os caninos. Temos ali dentes muito fortes, pelo design anatômico e vantagens mecânicas, localizados no arco dentário em uma área de mínimo resultado de forças. Este fato suporta a seqüência lógica que estabelece o dente canino como um fator chave da desoclusão anterior. Devemos também considerar a alavanca aplicada de maneira bi-lateral (plano coronal) na mastigação normal. Neste exemplo, vamos assumir o lado direito como o lado de trabalho, ou o lado em que o bolo alimentar está sendo mastigado. Novamente vemos um sistema de alavanca Classe III (Fig. A-3). Após a cabeça da mandíbula esquerda ter, progressivamente, ido para baixo, para frente e para mesial, abrindo a mandíbula e movendo-a para a direita, então, quando os músculos elevadores começam a fechar os dentes do lado direito sobre o bolo alimentar, desenvolve-se um sistema de alavanca. A cabeça da mandíbula direita atua como o fulcro (F), o vetor de força muscular (P) atua entre o fulcro (F) e os dentes do lado direito, que

6 I-A-4 representam a área de trabalho (W). Isto, novamente, atua como uma alavanca Classe III de modo que pouco stress é aplicado sobre os dentes e suas estruturas de suporte. F P W ALAVANCA CLASSE III ALAVANCA MANDIBULAR NORMAL NO PLANO CORONÁRIO Fig. A-3 A. Fulcro no molar devido a prematuridades A figura A-2 demonstrou uma alavanca normal da mandíbula no plano sagital. Agora vamos examinar o que acontece quando temos uma prematuridade na área de molares (ou de pré-molares) e como isto modifica o sistema de alavancas e, conseqüentemente, coloca grande stress sobre os dentes (Fig. A-4). A cabeça da mandíbula se desloca para baixo P F W MÁ-OCLUSÃO DEFLECTIVA ALAVANCA CLASSE I INTERFERÊNCIA EM PROTRUSÃO Prematuridade no Molar Fig. A-4

7 I-A-5 Em um movimento protrusivo da mandíbula, como para morder uma alface, etc., pode se desenvolver um padrão de oclusão que resulte em um sistema de alavanca Classe I. Quando a mandíbula abre, protrui, e tenta fechar com os incisivos de topo-a-topo, uma prematuridade no molar (ou pré-molar) pode existir e, então, deslocar a cabeça da mandíbula para baixo levando o contato prematuro no dente a se tornar o fulcro (F) do sistema de alavanca. (Este tipo de prematuridade em protrusiva geralmente se encontra no contato de uma vertente distal superior com uma vertente mesial inferior.) O vetor de força muscular no fechamento (P) está agora posteriormente ao fulcro do dente, e o trabalho (W) é feito na área dos dentes anteriores. Este posicionamento resulta em uma alavanca Classe I, que coloca grande stress nos dentes anteriores, especialmente os dentes anteriores superiores, pois, não só a força está aumentada devido à mudança no sistema de alavanca, como a direção da força não está alinhada com o eixo destes dentes. Semelhantemente, se temos uma prematuridade em um molar ou pré-molar quando a mandíbula se fecha em oclusão de relação cêntrica criando um toque anterior e deslizando para máxima intercuspidação (O.C.), desenvolve-se outro tipo de sistema de alavancas (Fig. A-5). W P F alavanca b: ALAVANCA CLASSE III P F W alavanca a: ALAVANCA CLASSE I MÁ-OCLUSÃO DEFLECTIVA Prematuridade no Molar Fig. A-5 Na situação do toque em cêntrica e deslize, geralmente com um movimento distal da mandíbula para posição de rotação terminal da articulação (O.R.C.), uma vertente distal inferior irá tocar uma vertente mesial superior criando o toque e deslize para anterior. Isto geralmente ocorre durante a deglutição e bruxismo, ou atividades parafuncionais, e não na mastigação normal de alimentos. O contato dos dentes durante a mastigação é geralmente na posição de máxima intercuspidação devido aos reflexos proprioceptivos, que serão discutidos com mais detalhes mais adiante nesta seção, quando falarmos dos arcos de fechamento da mandíbula.

8 I-A-6 Duas coisas acontecem nestas circunstâncias: Uma é o sistema de alavanca Classe I que se resulta (Fig. A-5, alavanca a) com o dente como fulcro e a área de trabalho, ou stress, sendo colocado sobre os dentes anteriores. A segunda área de trabalho é resultante da tendência da cabeça da mandíbula se recolocar em sua posição original na fossa mandibular (Fig. A-5, alavanca b). Clinicamente, no bruxismo com uma prematuridade em cêntrica como esta, a movimentação da mandíbula entre estes dois tipos de alavanca resulta em sintomas dentários, perda óssea ou sintomas musculares, nos músculos que elevam e retruem a mandíbula. Estes sintomas serão discutidos em maiores detalhes mais tarde. B. Contatos no lado de balanceio ALAVANCA CLASSE II P F W Contato do lado de balanceio Fig. A-6 A Fig. A-3 mostrou a alavanca normal Classe III da mandíbula no plano coronal durante a mastigação. Agora vamos examinar o que acontece quando é introduzido um contato no lado de balanceio e como isto muda a alavanca normal da mandíbula de uma alavanca Classe III para uma alavanca Classe II (Fig. A-6). Como exemplo, a boca é aberta e a mandíbula é girada para a direita para mastigar o alimento deste lado. Neste momento, a cabeça da mandíbula do lado esquerdo foi, progressivamente, levada para baixo, para frente e para mesial, na eminência articular. A cabeça da mandíbula direita está assentada em sua fossa e os músculos elevadores iniciam o fechamento da mandíbula. Se neste instante houver um toque na vertente do molar do lado esquerdo (um contato prematuro no lado de balanceio), o fulcro continua sendo a cabeça da mandíbula do lado direito (F), o trabalho continua sendo feito nos dentes do lado direito (W), mas a prematuridade gera um fechamento mais forçado por parte da musculatura do lado esquerdo devido ao contato no dente. Isto resulta em uma alavanca Classe II como mostrado na Fig. A-6. No bruxismo, os músculos elevadores esquerdos, definitivamente, iriam gerar a força para esta alavanca.

9 I-A-7 Caso o contato do molar esquerdo, neste exemplo, seja severo o suficiente, é possível que este se torne o fulcro deste sistema de alavanca resultando em uma alavanca Classe I (Fig. A-7, alavanca a). W W alavanca a alavanca b F P P F ALAVANCAS CLASSE I FULCRO Fig. A-7 Nestas circunstâncias, há uma tendência de se levar a cabeça da mandíbula direita para sua fossa e restaurar o fulcro no sistema de alavanca (Fig. A-7, alavanca b). Neste instante o trabalho (W) é representado pelos músculos elevadores do lado direito se contraindo com o intuito de recolocar a cabeça da mandíbula direita em sua posição original. Isto também representa uma alavanca Classe I que tende a produzir espasmos musculares, sintomas dentários, mobilidade e perda óssea vestibular e lingual, especialmente no dente com contato prematuro do lado de balanceio, que está atuando com fulcro. C. Ângulo incisal versus Ângulo da eminência articular Outro fator no design oclusal que pode criar diversas situações de alavancas é referente à relação entre o ângulo incisal versus o ângulo da eminência articular. Quando a mandíbula é posicionada em protrusiva com os incisivos de topo-a-topo, e leva-se para o padrão de relação cêntrica, se existir diferenças horizontais e/ou verticais entre estas estruturas que criem um ângulo de movimento anterior menor que o da eminência, irá ocorrer um contato pesado no molar (Fig. A-8). Ou, se o ângulo I (ângulo incisal) for menor que o ângulo E (ângulo da eminência), quando existir uma sobreposição horizontal ou vertical, irá ocorrer um forte contato no molar no trajeto para a cêntrica. A situação ideal seria: o ângulo incisal deve ser o mesmo (relação de 1:1) ou maior que o ângulo da eminência para prevenir o contato pesado no molar e a alavanca destrutiva resultante. Os diagramas de alavancas que explicam esta situação estão nas figuras A-2, A-4 e A-5.

10 I-A-8 I vs. E = 1:1 = Harmonia I > E = Desoclusão dos molares alavanca CLASSE III Bom I < E = Fulcro no molar alavanca CLASSE I Ruim Fig. A-8 D. Alavancas individuais de cada dente Dr. Frank Celenza, em sua série de vídeos sobre Oclusão e a Articulação Temporomandibular no programa de vídeo-cassete Dentistry for the 70 s, produzido pelo Health Information Systems, discute a alavanca dentária. Dr. Niles Guichet, em suas aulas, também descreve o dente como um sistema de alavanca. A alavanca dentária existe apenas quando o dente recebe uma força ou carga lateral. O fulcro da alavanca dentária está na posição central do suporte ósseo da estrutura radicular (Fig. A-9). FORÇA compressão o s s o s s tensão FULCRO tensão compressão Fig. A-9 Quando uma força lateral é exercida sobre um dente, ocorrem zonas de compressão e de tensão nas fibras da membrana periodontal e no osso alveolar adjacente. Estas áreas são opostas, abaixo e acima da área de fulcro na raiz do dente (Fig. A-9). A relação normal entre coroa e raiz é de 1:2. Como exemplo, um dente com 10 mm de coroa terá, geralmente, 20 mm

11 I-A-9 de raiz, o que é favorável para resistir às forças de alavanca enquanto o osso de suporte está em condições normais e cobre todo o comprimento da raiz. Vamos comparar um dente com suporte ósseo normal versus um dente que perdeu metade do osso de suporte alveolar por doença periodontal (Fig. A-10). Força Força de 100 lbs Coroa 10 mm Força Fulcro Raiz 20 mm 10 mm Fulcro 5 mm F x D = R F x D = R 100 lbs x 20 mm = 2000 lbs 100 lbs x 25 mm = 2500 lbs de resistência de resistência Fig. A-10 Nestas circunstâncias, aumentamos em 20% a força de resistência que deve ser exercida pelas estruturas de suporte alveolar para resistir ao movimento dentário, no entanto, há agora metade da área de suporte para resistir a esta força. Isto pode facilmente exceder a capacidade do periodonto de absorção de stress. Deste exemplo de alavanca dentária podemos ver que um de nossos objetivos deve ser eliminar forças laterais, como os contatos no lado de balanceio e de trabalho. Além disso, toda força lateral existente deve ser colocada nos dentes com maior possibilidade de resistir a estas forças. Esta é outra razão para eliminarmos os contatos, em trabalho e balanceio, através da desoclusão pelo canino, como iremos descrever mais adiante. Também neste exemplo podemos ver que dentes que perderam parte de seu suporte alveolar devido à doença periodontal devem ter consideração especial quanto à oclusão, distribuição de forças, etc. Destes exemplos podemos ver que os sistemas de alavancas têm um papel extremamente importante na oclusão. Estes são os fatores científicos que ajudam a confirmar o antigo dito que se um paciente não tem uma oclusão harmoniosa, uma das três situações irá ocorrer: A. Um desgaste severo dos dentes, B. Danos nas estruturas de suporte, C. Sintomatologia na articulação temporomandibular ou na musculatura.

12 III. IV. I-A-10 DINÂMICA DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES A. Os músculos movimentam a mandíbula, B. A estrutura óssea guia o movimento, C. Os ligamentos limitam o movimento (junto com outras estruturas anatômicas que também são fatores limitantes, como o processo coronoide). PROPÓSITOS DO MOVIMENTO MANDIBULAR E. Funcional 1. Mascar (Mastigação) 2. Engolir (Deglutição) 3. Falar (Fonética) F. Não-funcional, ou Parafuncional, ou Pervertidos 4. Bruxismo 5. Apertamento dentário 6. Hábitos (fumar cachimbo, morder lápis e outros hábitos) Se os movimentos mandibulares não estão sendo usados para propósitos nãofuncionais, ou parafuncionais, a oclusão se torna relativamente sem importância. Dr. Harry Lundeen apresentou parte da tabela a seguir comparando os fatores envolvidos na atividade funcional versus não funcional. Dr. Niles Guichet sugeriu o termo movimentos pervertidos, ao invés de atividades não-funcionais ou parafuncionais. Este pode ser um termo que descreva melhor esta situação e devemos dar-lhe uma séria consideração futuramente na terminologia odontológica. V. FUNCIONAL VS. NÃO-FUNCIONAL OU PARAFUNCIONAL FATOR FUNCIONAL NÃO-FUNCIONAL Duração do contato dentário por dia 4-10 min. 4 horas Magnitude da força aplicada lbs./in. 2 Até 300 lbs./in. 2 Direção da força aplicada Vertical (aceitável) Horizontal / lateral (prejudicial) Sistema de alavanca Classe III (talvez Classe II) Classe II ou Classe I Tipo de contração muscular Isotônica* Isométrica* Influência ou proteção proprioceptiva Posição de fechamento da mandíbula Arco adaptativo A interferência dentária é evitada por condição reflexa O.C. ou O.R.C. Arco esqueletal O mecanismo neuromuscular protetivo está ausente Excêntrica Efeitos patológicos Nenhum ou mínimo Alterações patológicas variam de paciente para paciente * A contração muscular isométrica pode resultar em baixa circulação sanguínea com o acúmulo de ácido lático que conduz a câimbras, espasmos, etc.

13 I-A-11 Através desta tabela é fácil entender porque as atividades funcionais são relativamente não-importantes e porque o bruxismo ou parafunção são tão prejudiciais para o sistema estomatognático. O fator tempo junto com a direção de aplicação de força, tipo de alavanca, etc., explicam adequadamente os efeitos deletérios do bruxismo. A afirmação de que uma noite de bruxismo é igual a uma vida de mastigação é provavelmente verdadeira. VI. VII. A MANDÍBULA TEM QUATRO MOVIMENTOS DISTINTOS A. Rotação rotação pura, abertura e fechamento B. Laterotrusão uma cabeça da mandíbula rotaciona enquanto a outra translada C. Protrusão ambas as cabeças da mandíbula vão para frente D. Transdução movimento exclusivamente lateral, movimento de Bennett Ocorrem múltiplas combinações destes quatro movimentos básicos. A MANDÍBULA SE MOVE EM TRÊS PLANOS A. Movimentos no plano Sagital plano vertical - abertura e fechamento Neste plano estudamos: 1. Envelope de Movimentos (diagrama de Posselt) a) Relação cêntrica - R.C. b) Oclusão cêntrica - O.C. c) Oclusão de relação cêntrica - O.R.C. d) Posição de repouso e) Abertura e fechamento trajetos e padrões 2. Eixo de Rotação localização e importância 3. Plano de oclusão 4. Curva de Spee 5. Concavidade lingual dos dentes maxilares. A relação dos dentes anteriores overbite e overjet 6. Relação mesio-distal dos dentes Classe I, II, III 7. Ângulo da eminência B. Movimentos no plano Axial plano horizontal - protrusão e laterotrusão Neste plano estudamos: 1. Movimento de Bennett, ou transdução 2. Ângulo da eminência em relação a este plano 3. Movimento de protrusão 4. Direção das cúspides e sulcos no dente 5. Latero-retrusão versus latero-protrusão 6. Distância entre as cabeças da mandíbula C. Plano coronal ou frontal plano vertical - translação Neste plano estudamos: 1. Altura de cúspide e profundidade de fossa 2. Ciclo de mastigação

14 VIII. I-A Movimentação médio-lateral com complexo articular 4. Latero-surtrusão versus latero-detrusão 5. Relação vestíbulo-lingual dos dentes 6. Dimensões do arco comprimento do arco dentário 7. Curva de Wilson 8. Distância entre as cabeças da mandíbula CINCO DETERMINANTES DO MOVIMENTO MANDIBULAR G. Deter minantes posteriores H. Articu lação fixa I. Determinante anterior fisiológico J. Mecanismo neuro-muscular proprioceptivo K. Estad o emocional, stress ou tensão do paciente ATM direita ATM esquerda Dentes ATM, polpa e tecido periodontal enviam impulsos nervosos para o funcionamento muscular (reflexos condicionados) Sistema nervoso central (S.N.C.) A ATM não está sob controle do dentista, a não ser por cirurgia Pode ser modificado pelo dentista a fonética e a estética são fatores limitantes Pode ser modificado diretamente, até certo ponto, alterando-se o terceiro determinante (Dentes) O stress emocional contribui para o bruxismo, espasmo muscular, queixas de DTM, etc. IX. ARCO DE FECHAMENTO DA MANDÍBULA A. Arco esquelético de fechamento O arco esquelético de fechamento é determinado pelas estruturas esqueléticas e pelo S.N.C.. Acreditamos que a mandíbula irá preferir utilizar este arco de fechamento se não houver nenhuma interferência dentária ou deflexão. Este fechamento leva à relação cêntrica ou à posição de rotação terminal da articulação. A ação funcional de deglutição oclui os dentes nesta posição neste arco de fechamento. B. Arco adaptativo de fechamento O arco adaptativo de fechamento da mandíbula é um arco direcionado pelo reflexo condicionado. Todo o mecanismo proprioceptivo neuro-muscular define o reflexo condicionado e guia este arco de fechamento. Este fechamento leva à oclusão cêntrica ou máxima intercuspidação dos dentes. Este arco adaptativo de fechamento é o utilizado na mastigação ou quando você diz ao paciente para fechar a boca tocando os dentes de trás. Este arco de fechamento pode ser considerado como o mecanismo protetivo natural, já que o arco pode ser modificado por vários estímulos, alterando então o reflexo condicionado. Se um dente se torna sensível, na poupa ou no periodonto, o mecanismo neuro-muscular irá programar um novo reflexo condicionado para proteger este dente. Este arco adaptativo não ocorre necessariamente apenas no plano sagital. Concomitantemente isto pode ocorrer em outros planos, visualizado como desvios

15 I-A-13 laterais. Este arco de fechamento é também conhecido como cêntrica habitual, etc. C. Arco voluntário de fechamento Há um arco voluntário de fechamento, ou controle voluntário sobre os movimentos mandibulares, que normalmente nunca é usado. Este tipo de movimento requer pensamento e, portanto, não pode ser reproduzido por longos períodos de tempo. Isto é semelhante ao controle voluntário da respiração; podemos conscientemente segurar o fôlego ou respirar mais rápido ou mais lentamente por um tempo limitado apenas. Este arco voluntário de fechamento da mandíbula é considerado de pouca significância já que é raramente usado. X. PORQUE NÃO DOIS ARCOS DE FECHAMENTO? Idealmente, o arco esquelético de fechamento (O.R.C.) e o arco adaptativo (O.C.) devem coincidir. Clinicamente, pesquisadores em várias disciplinas da odontologia procuram estabelecer uma coincidência entre O.C. e O.R.C.. Especialistas em prótese total têm estabelecido que ocorre uma reabsorção mais lenta das cúspides, maior eficiência na mastigação e maior estabilidade das bases protéticas existentes quando pacientes protéticos são providos com O.C. e O.R.C. coincidentes. Investigações feitas por periodontistas estabeleceram que um maior potencial para preservação de estruturas de suporte e recuperação mais rápidas de tecidos lesados ocorre quando existe uma coincidência entre O.C. e O.R.C.. Efeitos deletérios de várias magnitudes podem ocorrer quando estes arcos de fechamento não estão em harmonia. O grau destes efeitos irá variar de indivíduo para indivíduo, dependendo de vários fatores que não compreendemos totalmente atualmente, mas que categorizamos como adaptabilidade do paciente. Quando ocorrem efeitos deletérios, podemos resumir as causas e definir a lógica de sua ocorrência como: A. A alavanca Classe III conservativa é mais eficiente quando as cabeças da mandíbula estão na posição de rotação terminal da articulação (O.R.C.), quando uma força mínima muscular produz uma ação máxima. B. Quando estes dois arcos de fechamento não coincidem, frequentemente há um toque prematuro e deslize entre a O.R.C. e a O.C.. Isto é chamado de máoclusão. C. Este deslize introduz forças adversas ou forças não alinhadas com o longo eixo do dente. D. Estas forças adversas tendem a acentuar problemas periodontais. E. A deflexão resultante conduz a um desgaste e instabilidade do dente no arco dental. F. Esta deflexão também tende a predisposição de tensão e espasmo muscular ou outras queixas associadas a problemas da ATM. G. A presença de dois arcos de oclusão adicionada ao stress emocional aparentemente conduz a hábitos de bruxismo ou apertamento. H. A presença de dois arcos de oclusão leva a duas dimensões verticais de oclusão diferentes que podem resultar em ineficiência muscular. I. Nunca foi provado conclusivamente se as atividades parafuncionais se iniciam na O.R.C. ou O.C.. Portanto, parece-nos imperativo que estas duas posições se coincidam para que haja uma acomodação parafuncional assim como das

16 I-A-14 excursões funcionais laterais. Se a O.R.C. e a O.C. não são coincidentes, toda excursão excêntrica lateral irá estar em conflito com a guia da ATM. J. A R.C. é a única relação maxilo-mandibular que pode ser repetida rotineiramente. Portanto, nos parece ser lógico ter a O.R.C. e a O.C. coincidentes para que se mantenha uma relação anatômica mais constante entre as maxilas e, conseqüentemente, entre os dentes em oclusão. OCLUSÃO IDEAL Antes de discutirmos os vários conceitos de oclusão, devemos, primeiro, estarmos certos de que existe a tal oclusão ideal. Se assim for, quais são os critérios ou pré-requisitos para tal oclusão? Alguns autores rejeitam o termo Oclusão ideal e o substituem por um par de opostos: oclusão patológica versus fisiológica. Preferimos pensar que deve haver um tipo de oclusão que seja ótima. Lembre-se de que a palavra ideal é semelhante a infinito, pois pode se aproximar, mas nunca realmente se alcançar. Todas as outras oclusões, sem importar o nome que venham a ter, seriam pontos localizados em uma linha que vai de encontro com a oclusão ideal. Oclusão patológica Oclusão fisiológica aceitável OCLUSÃO IDEAL 1. Queixas musculares ou de DTM 1. Fatores do S.N.C. tensão ou stress emocional 2. Mobilidade, migração ou desgaste dentário 2. Saúde geral (sistêmica) 3. Patologias periodontais 3. Saúde dos tecidos locais, tolerância, tonicidade, etc. 4. Higiene oral, reabilitações, etc. Muitos pacientes vão ao consultório odontológico com má-oclusões obvias; no entanto, eles não apresentam queixas dentárias associadas à má-oclusão ou ao distúrbio oclusal. Como resultado desta observação comum, muitos dentistas têm se baseado em uma teoria de oclusão patológica versus fisiológica. Por definição, uma oclusão fisiológica aceitável é uma oclusão livre de queixas do paciente e de condições patológicas reconhecíveis, pelo dentista, no momento do exame. Seguindo esta teoria, não faríamos nada para equilibrar ou alterar nenhuma oclusão que seria fisiologicamente aceitável pelo paciente. No entanto, como podemos saber se o que é fisiologicamente aceitável hoje não se tornará patológico amanhã, mês que vem ou ano que vem? Há muitos fatores que permitem tal má-oclusão ser fisiologicamente aceitável para o paciente. A ausência de influência do S.N.C. ou tensão ou estresse emocional é provavelmente o maior fator. A idade do paciente, saúde bucal e geral, tolerância e tônus tecidual, higiene oral, são alguns outros fatores. Qualquer um destes fatores pode mudar a qualquer momento; portanto, parece-nos lógico estabelecer critérios para uma oclusão ideal. Tais critérios poderiam então ser usados como padrões para avaliar e analisar técnicas e conceitos de oclusão. A alteração ou equilíbrio profilático da oclusão destes pacientes pode também ser indicada. Devemos ter muito cuidado ao alterar uma oclusão fisiologicamente aceitável. Em alguns casos o equilíbrio entre o aceitável e o rejeitável é bem frágil. A

17 I-A-15 intervenção do dentista pode ser o mecanismo que irá desencadear os sintomas e levar a seqüelas. Quaisquer que sejam seus pensamentos quanto a este assunto, seja qual for a terminologia que prefira utilizar, deve haver um objetivo ou critério para a oclusão que procuramos. O simples fato de os pacientes se apresentarem com patologias oclusais reconhecíveis ou sintomas associados com doenças oclusais demonstra esta necessidade. Estes pacientes devem ser tratados e suas oclusões devem ser alteradas na tentativa de corrigir a situação. Portanto, alguns critérios são essenciais. Além desses pacientes com patologias oclusais, outros pacientes requerem extensos tratamentos restauradores devido à cárie, perda de dentes, dentes com mobilidade ou problemas periodontais avançados. Portanto, muitos pacientes, por necessidade, devem receber tratamentos restauradores com alterações em suas oclusões existentes. Isto amplia a necessidade da formulação de critérios para uma oclusão ideal. Como também, se tal oclusão se prova beneficial para estes pacientes, então nos parece lógico que estariam indicadas pequenas alterações profiláticas naqueles pacientes que não demonstram problemas no momento. Conforme o ditado um grama de prevenção equivale a um quilo de cura. I. O QUE CONSTITUI A DOENÇA OCLUSAL: As queixas e patologias reconhecíveis associadas com a doença oclusal, à qual nos referimos, podem ser listadas como: A. Problemas na articulação temporomandibular, como dor, crepitação, subluchação, estalos, etc. B. Espasmos ou queixas musculares associadas com qualquer músculo envolvido nos movimentos mandibulares. C. Outros tipos de dores referidas associadas com D.T.M. ou queixas musculares. (cabeça, ombro e pescoço). D. Desgaste oclusal ou incisal excessivo. E. Bruxismo, apertamento ou outros hábitos de morder. F. Patologias periodontais. Reinteirando: quaisquer que sejam seus pensamentos sobre este assunto, ou qualquer que seja a terminologia que prefira utilizar, qualquer que seja a razão para alterar uma oclusão, devemos estabelecer certos pré-requisitos e critérios para a oclusão que desejamos obter. II. Critérios gerais para tal oclusão podem ser listados como: CRITÉRIOS PARA UMA OCLUSÃO IDEAL A. Tudo o que fazemos deve levar a uma tensão ou extensão mínima do músculo para obter máxima eficiência. B. As forças devem ser alinhadas com o longo eixo dos dentes. Forças laterais ou adversas devem ser eliminadas. C. O resultado final deve ser confortável para o paciente, a presença de dentes em sua boca deve ser para ele algo inconsciente. D. Estabilidade dos dentes no arco dental. Os dentes não devem ter mobilidade, migrar ou mudar de posição após o tratamento. E. Todos os elementos envolvidos na oclusão devem estar em harmonia. Nenhum componente deve ditar a ação de outros componentes em nenhum movimento da mandíbula.

18 I-A-16 F. Deve-se ter um mínimo de desgaste ou degeneração e um máximo de saúde de todos os elementos envolvidos, após o término do tratamento. G. Deve-se conseguir contato, contorno e forma externa dentária apropriadas para se manter a saúde periodontal, bem como oclusal. H. Deve-se conseguir uma mesa oclusal estreita para melhor direcionar as forças ao longo eixo dos dentes, para melhorar a eficiência da função. I. Os dentes não devem estar travados em nenhuma posição, a liberdade para todos os movimentos excursivos é essencial. J. O arco esquelético de fechamento (O.R.C.) e o arco adaptativo de fechamento (O.C.) devem estar harmônicos entre si. K. O contato inicial dos dentes posteriores deve ser uniforme e ao mesmo tempo. Nenhum contato oclusal deve direcionar ou desviar o fechamento. L. Todas as cúspides cêntricas devem entrar em contato com o dente oposto de forma igual. Idealmente, as cúspides vestibulares dos dentes mandibulares e as cúspides palatinas dos dentes maxilares devem ser as cúspides cêntricas. M. Este contato inicial deve ser um contato de múltiplos pontos pequenos, e não grandes áreas de contato oclusal. N. Este contato inicial deve ocorrer em posição de fechamento, com uma dimensão vertical mínima, que é a dimensão vertical estabelecida em qualquer caso específico. O. Os dentes devem estar livres para funcionar como grupos, sem a interferência de outros grupos. 1. Os incisivos devem poder cortar ou segurar alimentos bem finos, como uma alface, sem interferência posterior. 2. Os caninos devem estar livres para segurar ou cortar alimentos eficientemente sem interferências posteriores ou anteriores. 3. Os dentes posteriores devem conseguir macerar alimentos eficientemente sem interferências anteriores, de incisivos ou caninos. P. A dimensão vertical deve permitir uma posição de repouso fisiológica, com um espaço funcional disponível entre as arcadas. Q. Deve-se dar consideração ao posicionamento dos dentes anteriores para a harmonia da oclusão. A concavidade lingual apropriada dos dentes anteriores da maxila é um ingrediente essencial para a inter-relação com os dentes anteriores da mandíbula. I. TIPOS DE OCLUSÃO FATORES PARA A CONSEPÇÃO DA OCLUSÃO A. Oclusão balanceada bilateral As primeiras pesquisas sobre oclusão foram feitas por protesistas para próteses totais. Já que os dentes na dentadura total estão presos uns aos outros em uma unidade, é possível se deslocar um lado da prótese se houver um contato pesado no lado oposto. Por este motivo, estes protesistas formularam a oclusão do tipo balanceada bilateral. Já que a maioria das pesquisas sobre oclusão foi orientada neste campo da odontologia, houve uma grande influência sobre o tratamento da dentição natural. Portanto, a maioria dos conceitos e técnicas iniciais de oclusão incorporaram o tipo de contato balanceado bilateral em suas filosofias para

19 I-A-17 a oclusão de dentes naturais. Como resultado, os conceitos mais antigos tinham muitas falhas, pois eles reconstruíam a oclusão do paciente para este tipo de contato oclusal. Hoje já é aceito que a oclusão balanceada bilateral só pode ser usada para oclusão de prótese total. Nem mesmo os protesistas ainda aderem estritamente à teoria de que é necessário ter todos os dentes no lado de balanceio mantendo contato, usualmente apenas um molar é considerado suficiente. Estudos posteriores, conduzidos principalmente por periodontistas, têm mostrado que os contados dentais no lado de balanceio são extremamente destrutivos para as estruturas de suporte. Como resultado disto, como também de outros estudos e observações, a oclusão balanceada bilateral não é mais recomendada para a oclusão de dentes naturais. Pré-requisitos para a Oclusão Balanceada Bilateral a. Posição Cêntrica: todos os dentes posteriores devem estar em contato, mesmo quando a mandíbula está fechada em relação cêntrica (O.R.C.). Os dentes anteriores devem ter uma folga mínima. Uma exceção é a relação de Classe III esquelética, onde os dentes anteriores devem tocar junto com os posteriores em O.R.C. b. Posições excêntricas: (1) Laterotrusão (a) Posição de teste do lado de trabalho deve ter as vertentes das cúspides vestibulares dos dentes superiores em contato íntimo com as vertentes das cúspides vestibulares dos dentes inferiores no lado de trabalho. O lado de trabalho é o lado em que a cabeça da mandíbula rotaciona. (b) Posição de teste do lado de balanceio. Os dentes do lado oposto ao lado de trabalho devem ter um contato de balanceio entre a cúspide lingual dos dentes superiores e a cúspide vestibular dos dentes inferiores. O lado de balanceio é o lado oposto ao lado de trabalho, ou o lado da cabeça da mandíbula orbitante. (2) Posição de teste protrusivo é a posição em que a incisal dos seis dentes anteriores maxilares estão em contato com a incisal dos oito dentes mais anteriores da mandíbula. Esta posição de teste deve ter um contato de balanceio no último molar; usualmente, a cúspide mesio-lingual do último molar da maxila toca a crista marginal distal do último molar inferior. B. Oclusão Balanceada Unilateral Depois que os estudos estabeleceram que os contatos do lado de balanceio eram destrutivos para a dentição natural, a idéia do balanceio bilateral foi abandonada para bocas dentadas. Muitos dentistas naquele tempo, simplesmente eliminaram os conceitos de contato em balanceio da velha teoria e mantiveram o restante da teoria de oclusão balanceada bilateral. Nasceu então a teoria da oclusão balanceada unilateral. Pré-requisitos para a Oclusão Balanceada Unilateral a. Posição Cêntrica: todos os dentes posteriores devem estar em contato, mesmo quando a mandíbula está fechada em relação cêntrica (O.R.C.). Os dentes anteriores podem ou não tocar nesta posição. b. Posições excêntricas: (1) Laterotrusão

20 C. Desoclusão I-A-18 (a) Posição de teste do lado de trabalho deve ter as vertentes das cúspides vestibulares dos dentes superiores em contato íntimo com as vertentes das cúspides vestibulares dos dentes inferiores no lado de trabalho. O lado de trabalho, novamente, é o lado em que a cabeça da mandíbula rotaciona. (b) Posição de teste do lado de balanceio. Não deverá haver qualquer tipo de contato no lado oposto, ou lado de balanceio. (2) Posição de teste protrusivo. Não deverá haver nenhum tipo de contato nos dentes posteriores quando os seis dentes anteriores superiores estiverem em contato com os oitos dentes inferiores mais anteriores, topo-a-topo, na posição de teste protrusivo. Quando a oclusão balanceada bilateral foi abandonada para os dentes naturais, um outro grupo de dentistas veio com um ideal totalmente diferente para a oclusão de dentes naturais. Eles notaram a proeminência do dente canino em animais carnívoros (inclusive no homem) e concluíram que um dos propósitos deste dente era o de desocluir, ou separar, todos os dentes posteriores durante os movimentos excêntricos. Como resultado destas observações, um terceiro tipo de relação de contatos dentais foi formulado e nomeado de desoclusão. As razões para esta oclusão serão discutidas em detalhes mais tarde. II. Pré-requisitos para a Desoclusão a. Posição Cêntrica: todos os dentes posteriores devem estar em contato, mesmo quando a mandíbula está fechada em relação cêntrica ou oclusão de relação cêntrica. Os dentes anteriores devem quase tocar. b. Posições excêntricas: (1) Laterotrusão (a) Posição de teste do lado de trabalho deve ter, sempre que possível, o canino superior em contato com a cúspide do canino inferior, ponta a ponta. É permissível que se tenham outros dentes anteriores em contato quando nesta posição. Não deverá ter qualquer contato em dentes posteriores, uma vez que a mandíbula deixe a posição de relação cêntrica. (b) Posição de teste do lado de balanceio. Não deverá haver qualquer tipo de contato no lado de balanceio, ou lado em que a cabeça da mandíbula realiza movimento de órbita. (2) Posição de teste protrusivo. Não deverá haver nenhum tipo de contato nos dentes posteriores quando qualquer um dos seis dentes anteriores superiores estiver em contato com qualquer um dos oitos dentes inferiores mais anteriores, em qualquer grau do movimento de protrusão. TIPOS DE POSICIONAMENTOS DE CÚSPIDES D. Cúspide Ameia Este é o tipo de posicionamento de cúspide estabelecido na velha montagem de prótese total ideal; variações desta relação são frequentemente vistas na dentição normal. É basicamente a relação entre um dente com dois dentes, encontrada em todos os dentes exceto o incisivo central inferior e o último molar superior. Cada dente do maxilar está distal e vestibularmente relacionado a seu correspondente inferior.

21 E. Posições Cêntricas: CÚSPIDE VESTIBULAR INFERIOR I-A-19 ÁREA DE CONTATO NO DENTES SUPERIORES (Fig. A-11) 1 pré-molar ameia entre canino e 1 pré superiores 2 pré-molar ameia entre 1 e 2 pré superiores 1 molar (cúspide M-V) ameia entre 2 pré e 1 molar superiores 1 molar (cúspide D-V) fossa central do 1 molar superior 1 molar (cúspide Distal) fossa distal do 1 molar superior 2 molar (cúspide M-V) ameia entre 1 e 2 molar superiores 2 molar (cúspide D-V) fossa central do 2 molar superior Fig. A-11 A partir disto, podemos ver que todas as cúspides vestibulares dos dentes inferiores estão em uma relação de contato com uma ameia entre dentes superiores, exceto: a. A cúspide Disto-Vestibular do 1 molar inferior, que toca a fossa central do 1 molar superior. b. A cúspide Distal do 1 molar inferior que toca a fossa distal do 1 molar superior. c. A cúspide Disto-Vestibular do 2 molar inferior que toca a fossa central do 2 molar superior. CÚSPIDE PALATINA SUPERIOR ÁREA DE CONTATO NO DENTES INFERIORES (Fig. A-12) 1 pré-molar fossa distal do 1 pré inferior 2 pré-molar fossa distal do 2 pré inferior 1 molar (cúspide M-P) fossa central do 1 molar inferior 1 molar (cúspide D-P) ameia entre 1 e 2 molar 2 molar (cúspide M-P) fossa central do 2 molar inferior 2 molar (cúspide D-P) distal do 2 molar inferior

22 I-A-20 Fig. A-12 A partir disto, podemos ver que todas as cúspides palatinas dos dentes superiores estão em uma relação de contato com uma fossa, exceto: a. A cúspide Disto-Palatina do 1 molar superior toca na ameia entre o 1 e 2 molares inferiores. b. A cúspide Disto-Palatina do 2 molar superior não está realmente em contato, mas há uma relação dele com a borda distal do 2 molar inferior. F. Posições Excêntricas: a. Laterotrusão (1) Posição de teste do lado de trabalho: Cúspides vestibulares (Fig. A-13) A posição de teste do lado de trabalho mostra que todas as inclinações mesiais e distais das cúspides vestibulares estão em uma relação de interdigitação com o dente correspondente, no arco oposto. Todas as pontas de cúspide vestibulares dos dentes superiores estão em uma relação com uma ameia, exceto: (a) A ponta da cúspide Mésio-Vestibular do 1 molar superior está no sulco vestibular do 1 molar inferior. (b) A cúspide Disto-Vestibular do 1 molar superior está no sulco distovestibular do 1 molar inferior. (c) A cúspide Mésio-Vestibular do 2 molar superior está no sulco Vestibular do 2 molar inferior. Todas as cúspides vestibulares dos dentes inferiores estão em uma relação com uma ameia, exceto: (a) A ponta de cúspide Disto-Vestibular do 1 molar inferior está no sulco vestibular do 1 molar superior. (b) A ponta de cúspide distal do 1 molar inferior toca a vertente distal da cúspide disto-vestibular do 1 molar superior. (c) A ponta de cúspide Disto-Vestibular do 2 molar inferior está no sulco vestibular do 2 molar superior.

23 I-A-21 Fig. A-13 (2) Posição de teste do lado de trabalho: Cúspides palatinas (Fig. A-14) A posição de teste do lado de trabalho também mostra que todas as vertentes mesiais e distais das cúspides palatinas estão em uma relação de interdigitação com os destes antagonistas, no arco oposto. Todas as cúspides palatinas dos dentes superiores estão em uma relação com uma fossa, exceto: (a) A cúspide Disto-Palatina do 1 molar superior está na ameia entre o 1 e o 2 molares inferiores. (b) A cúspide Disto-Palatina do 2 molar superior está na borda distal do 2 molar inferior. Todas as pontas de cúspide linguais dos dentes inferiores estão em uma relação com uma ameia, exceto: (a) A cúspide Disto-Lingual do 1 molar inferior está no sulco lingual do 1 molar superior. (b) A cúspide Disto-Lingual do 2 molar inferior está no sulco lingual do 2 molar superior. Fig. A-14

24 G. Cúspide - Fossa I-A-22 Este tipo de posicionamento de cúspide leva as cúspides vestibulares dos dentes inferiores para as fossas de seus antagonistas superiores. As cúspides palatinas dos superiores são posicionadas na fossa de seus antagonistas inferiores. A relação de cúspide-fossa direciona melhor as forças no longo eixo dos dentes. Isto tende a estabilizar as posições individuais dos dentes e mantêm os dentes em suas respectivas posições no arco dental. Isto também tende a prevenir a impactação de alimentos entre os dentes, já que não há pontas de cúspides tocando no espaço interdental, forçando os dentes a se separarem e impactando comida na gengiva papilar. Há uma menor tendência de desgaste da ponta de cúspide, que também tende a melhorar a estabilidade dos dentes no arco dental. Idealmente, a relação de cúspide fossa é o contato de um dente com um dente, e não de um dente com um arranjo de dois dentes. Obviamente isto pode também ser uma relação entre um dente e dois dentes. H. Posição Cêntrica: CÚSPIDE VESTIBULARES INFERIORES ÁREA DE CONTATO NO DENTES SUPERIORES (Fig. A-15) 1 pré-molar fossa mesial do 1 pré superior 2 pré-molar fossa mesial do 2 pré superior 1 molar (cúspide M-V) fossa mesial do 1 molar superior 1 molar (cúspide D-V) fossa central do 1 molar superior 1 molar (cúspide Distal) fossa distal do 1 molar superior 2 molar (cúspide M-V) fossa mesial do 2 molar superior 2 molar (cúspide D-V) fossa central do 2 molar superior CÚSPIDE PALATINA SUPERIOR Fig. A-15 ÁREA DE CONTATO NO DENTES INFERIORES (Fig. A-16) 1 pré-molar fossa distal do 1 pré inferior 2 pré-molar fossa distal do 2 pré inferior 1 molar (cúspide M-P) fossa central do 1 molar inferior 1 molar (cúspide D-P) fossa distal do 1 molar 2 molar (cúspide M-P) fossa central do 2 molar inferior 2 molar (cúspide D-P) fossa distal do 2 molar inferior

25 I-A-23 Fig. A-16 I. Posições Excêntricas: a. Laterotrusão (1) Posição de teste do lado de trabalho: Cúspides vestibulares (Fig. A-17) A posição de teste do lado de trabalho mostra uma interdigitação entre as vertentes distais e mesiais das cúspides vestibulares, no entanto, elas não estão tocando a área interdental. Os pré-molares tendem a passar por notches (corte em V) conhecidos como Thomas Notch (em homenagem ao Dr. Peter K. Thomas que originou o enceramento funcional cúspide-fossa). Estes notches dos pré-molares estão localizados nas vertentes mesiais das cúspides vestibulares dos dentes superiores, e nas vertentes distais das cúspides vestibulares inferiores. As pontas de cúspide dos molares superiores passam pelos sulcos dos dentes inferiores. As cúspides vestibulares dos dentes inferiores passam pelos sulcos acessórios ou suplementares nas cúspides vestibulares dos molares superiores. Fig. A-17 (2) Posição de teste do lado de trabalho: Cúspides linguais (Fig. A-18) A posição de teste do lado de trabalho mostra uma relação entre as vertentes distais e mesiais das cúspides linguais semelhantes ao das cúspides vestibulares.

26 I-A-24 Fig. A-18 J. Contados dentários de acordo com as posições da mandíbula K. Oclusão de Relação Cêntrica (O.R.C.): Este tipo de contato dentário harmoniza os arcos de fechamento da mandíbula dos tipos esquelético e adaptativo de forma que estes coincidam, e sejam um só; O.R.C. igual a O.C.. As razões para se ter estes dois arcos de fechamento coincidentes foram listadas nas páginas anteriores, quando discutimos os movimentos mandibulares. L. Oclusão de Relação Cêntrica (O.R.C.) mais Oclusão Cêntrica (O.C.): Este tipo de contato dentário orienta a oclusão do paciente para a relação cêntrica, ou posição de rotação terminal da mandíbula. Então mantém, ainda, a oclusão cêntrica, ou arco adaptativo de fechamento. A harmonia entre estas duas posições é provida de forma que não haja nenhuma deflecção entre O.R.C. e O.C.. Esta harmonia é frequentemente referida como cêntrica longa. M. Oclusão Cêntrica (O.C.): Como mencionado previamente, muitos acreditavam na teoria da oclusão fisiológica versus patológica. Estas pessoas não acreditam em mudar a oclusão fisiologicamente aceitável. Elas iriam fazer qualquer restauração necessária na intercuspidação dentária máxima existente ou O.C.. Ainda, não equilibrariam o paciente que apresentasse uma oclusão fisiologicamente aceitável. Esta área foi discutida em detalhes na seção sobre oclusão ideal. Esta teoria certamente parecenos grossamente inadequada, já que muitos pacientes têm uma oclusão patológica. Por isto e muitas outras razões, mencionadas previamente, este tipo de abordagem somente deveria ser aceita para crianças cujas oclusões ainda não estão finalizadas devido ao desenvolvimento e crescimento incompletos. SUMÁRIO DE FATORES PARA OS CONCEITOS DE OCLUSÃO TIPOS DE OCLUSÃO TIPOS DE POSICIONAMENTO DE CÚSPIDES Oclusão balanceada bilateral Cúspide - ameia O.R.C. TIPOS DE CONTATOS DENTÁRIOS DE ACORDO COM A POSIÇÃO DA MAND. Oclusão balanceada unilateral Cúspide fossa O.R.C. + O.C. Desoclusão O.C.

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO

ANÁLISE DISCIPLINA DE OCLUSÃO ANÁLISE OCLUSAL DISCIPLINA DE OCLUSÃO FACULDADE DE ODONTOLOGIA da UERJ 2000 Equipe da Disciplina: Ricardo Lessa Bastos Walzer Abrahão Poubel Florence M. Sekito Hilda M. R. Souza Paulo Roberto B. Fernandes

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente.

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente. DISTÚRBIOS OCLUSAIS Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Em uma oclusão fisiológica ou orgânica, no final do fechamento mandibular, a ação dos músculos elevadores promove o

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde

Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde 17 Harmonia Oclusal para a Promoção de Saúde ALFREDO JÚLIO FERNANDES NETO FLÁVIO DOMINGUES NEVES Boa parte das ações do homem na sociedade, objetivam fazer a vida melhor para a humanidade, ou despertá-la

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Viseu, 20 de Outubro de 2009. Molares Inferiores. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro

Viseu, 20 de Outubro de 2009. Molares Inferiores. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Viseu, 20 de Outubro de 2009 Molares Inferiores UBM IV 2ºano Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Molares Permanentes Mandibulares 1º Molar Inferior Calcificação- inicio aos 25 semanas

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente.

PRÉ-MOLARES. Os Pré-Molares superiores decrescem no sentido mésio-distal enquanto os inferiores têm sentido crescente. PRÉ-MOLARES PRÉ-MOLARES Pré-Molares são conhecidos como pequenos molares bicuspidados, em número de quatro para cada arco, dois de cada lado da linha mediana chamados de primeiros e segundos prémolares;

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Prótese Parcial Removível

Prótese Parcial Removível Prótese Parcial Removível Objetivo: Reabilitar arcos parcialmente desdentados, devolvendo as funções estética, fonética e mastigatória, podendo ser removida tanto pelo profissional como pelo paciente,

Leia mais

FECHAMENTO DE ESPAÇOS

FECHAMENTO DE ESPAÇOS FECHAMENTO DE ESPAÇOS Rua 144, n 77 - Setor Marista - Goiânia (GO) - CEP 74170-030 - PABX: (62) 278-4123 - 1 - Introdução Podemos definir essa etapa do tratamento ortodôntico como aquela onde o principal

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

Anatomia Individual dos Dentes

Anatomia Individual dos Dentes CAPÍTULO 2 Anatomia Individual dos Dentes OBJETIVOS Identificar e descrever os acidentes anatômicos de cada um dos dentes permanentes e decíduos típicos Descrever cada uma das faces da coroa de cada dente

Leia mais

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral

Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Técnicas Anestésicas Aplicadas à Cirurgia Oral Anestesias Locais 1. Periférica, tópica ou de superfície 2. Infiltrativa terminal 3. Troncular, regional ou bloqueio de condução Aula de cirurgia Anestesia

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

Breve Panorama Histórico

Breve Panorama Histórico Análise Facial Breve Panorama Histórico Norman Kingsley Kingsley (final do séc.xix): s a articulação dos dentes secundária à aparência facial. Breve Panorama Histórico Edward Angle (in (início séc. s XX)

Leia mais

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Maio/Junho 2010 Caso Clínico Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Di Alberti L, Donnini F, Camerino M, Di Alberti C, Rossi G, Perfetti G, Dolci M, Trisi P do Department of

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS Curso de Aperfeiçoamento em Ortodontia Elásticos TIPOS DE ELÁSTICOS Borracha Natural - conservação amônia sensível ao ozônio vulcanizado Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais Elasticidade é a propriedade

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Estudo dirigido sobre premolares

Estudo dirigido sobre premolares Estudo dirigido sobre premolares 1 Miguel Carlos Madeira e Roelf Cruz Rizzolo http://www.anatomiafacial.com Material para ser impresso, com a autorização dos autores, exclusivamente para os alunos do primeiro

Leia mais

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia Uma parcela da população sempre procura os serviços odontológicos pela presença de dores, porém muitas dessas dores não são de origem dentária, mas sim

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Paciente: J. B. L. Idade: 27anos Sexo: feminino Profissão: desempregada Tipo Facial : Braquifacial Classificação de Angle: classe I Leucoderma Queixa Principal

Leia mais

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS

ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS ROTEIRO DE TÉCNICAS ANESTÉSICAS Anestesia em anestésico o mais próximo possível do ápice do dente a ser anestesiado. Objetivo : Propiciar o conhecimento das técnicas anestésicas, principalmente as utilizadas

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Kit de Teste GrandTEC

Kit de Teste GrandTEC Kit de Teste GrandTEC Cara Utilizadora, Caro Utilizador, Este Kit de Teste foi criado para que possa experimentar num modelo a aplicação das tiras GrandTEC, confeccionadas em fibra de vidro impregnadas

Leia mais

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar

Figura A - Linha horizontal de referência no plano oclusal, e perpendicular vertical passando no centro da fossa pterigomaxilar 1 PUCPR, ORTODONTIA GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO MUDANÇAS REGIONAIS DA FACE Camargo ES, Maruo H, Guariza-Filho O, Tanaka O. As mudanças de crescimento podem ser descritas, para melhor compreensão, como regiões

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA OCLUSÃO FUNCIONAL PARA A EXCELÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO

A IMPORTÂNCIA DA OCLUSÃO FUNCIONAL PARA A EXCELÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA Suleila Rosa de Oliveira Araújo A IMPORTÂNCIA DA OCLUSÃO FUNCIONAL PARA A EXCELÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO Pindamonhangaba-SP 2012 Suleila Rosa de Oliveira Araújo A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Programa Laboratorial (hands on em Manequim)

Programa Laboratorial (hands on em Manequim) PROGRAMA DE CURSO DE EXCELÊNCIA EM ORTODONTIA COM 8 MÓDULOS DE 2 DIAS MENSAIS Prof. ROQUE JOSÉ MUELLER - Tratamento Ortodôntico de alta complexidade em adultos : diagnóstico, planejamento e plano de tratamento.

Leia mais

TP Orthodontics. HERBST Flip-Lock. www.tportho.com

TP Orthodontics. HERBST Flip-Lock. www.tportho.com TP Orthodontics HERBST Flip-Lock www.tportho.com TP Orthodontics, Inc. Idéias em Prática. "TP Orthodontics sempre ouve as minhas necessidades e me fornece os melhores produtos para o meu dia-a-dia." -Douglas

Leia mais

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO.

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO. TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO....Tip-Edge é um braquete com um slot edgewise modificado, pré-ajustado, que permite inclinação da coroa em uma direção e ainda cria ancoragem através de movimento

Leia mais

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS

CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES DENTISTAS CURSO INTENSIVO CLINICO E LABORATORIAL PARA CIRURGÕES Dr. Dario Adolfi Dr. Gustavo Javier Vernazza Dr. Oswaldo Scopin de Andrade Data: 20 a 24 de setembro de 2010 PROGRAMA DO CURSO PRIMERO DIA Dr. Gustavo

Leia mais

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS

INCISIVOS INCISIVO CENTRAL SUPERIOR INCISIVO LATERAL SUPERIOR INCISIVO CENTRAL INFERIOR INCISIVO LATERAL INFERIOR CANINOS INCISIVOS Os incisivos permanentes são o primeiro e segundo dente a contar da linha média; Juntamente com os caninos constituem os dentes anteriores; Os incisivos superiores são geralmente maiores que

Leia mais

Viseu, 6 de Novembro de 2008. Dentição Decidua. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro

Viseu, 6 de Novembro de 2008. Dentição Decidua. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Viseu, 6 de Novembro de 2008 Dentição Decidua UBM IV 2ºano Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Dentição Decidua Funções Fisiológicas Funções Fisiológicas Mastigação Formação de um plano

Leia mais

ENCERAMENTO PROGRESSIVO

ENCERAMENTO PROGRESSIVO ENCERAMENTO PROGRESSIVO Alfredo Julio Fernandes Neto & Marlete Ribeiro da Silva - Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Os critérios para o sucesso de uma reabilitação oral incluem, além das habili-dades técnicas

Leia mais

ANATOMIA DENTAL INTERNA

ANATOMIA DENTAL INTERNA ANATOMIA DENTAL INTERNA VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna Características Gerais Grupo dos incisivos Grupo dos caninos Grupo dos pré-molares Grupo dos molares VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção

Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Aparelhos Ortodônticos Removíveis com Alta Retenção Um novo conceito de ver e atuar com os aparelhos ortodônticos removíveis José Roberto Ramos Na maioria dos casos, o emprego dos aparelhos ortodônticos

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

Viseu, 13 de Outubro de 2009. Molares Superiores. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária. Octávio Ribeiro

Viseu, 13 de Outubro de 2009. Molares Superiores. UBM IV 2ºano. Mestrado Integrado em Medicina Dentária. Octávio Ribeiro Viseu, 13 de Outubro de 2009 Molares Superiores UBM IV 2ºano Mestrado Integrado em Medicina Dentária Octávio Ribeiro Molares Permanentes Maxilares 1º Molar Superior Calcificação- inicio aos 48 meses Erupção-

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

Ajuste oclusal na Ortodontia: por que, quando e como?

Ajuste oclusal na Ortodontia: por que, quando e como? T ÓPICO ESPECIAL Ajuste oclusal na Ortodontia: por que, quando e como? Roberto Carlos Bodart Brandão*, Larissa Bustamante Capucho Brandão** Resumo Introdução: o conhecimento sobre oclusão dentária deve

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia

1. Introdução. 2. Fios ortodônticos. Centro de Pós Graduação em Ortodontia 1. Introdução O alinhamento e o nivelamento é o primeiro estágio do tratamento ortodôntico com aparelho fixo. Alinhamento significa colocar os braquetes e os tubos alinhados no sentido vestibulolingual.

Leia mais

Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4

Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4 Dentes Alemães Classic A Solução Perfeita 4x4 Carta Molde Informação de Produto Magister Dentes anteriores Classic Magister Dentes anteriores com 4 camadas Os dentes Magister apresentam estética semelhante

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO

UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO RESUMO 474 UTILIZAÇÃO DO APARELHO DE PROTRAÇÃO MANDIBULAR COMO ANCORAGEM PARA MESIALIZAÇÃO DE MOLARES INFERIORES: RELATO DE CASO CLÍNICO Fábio André Werlang 1 Marcos Massaro Takemoto 2 Prof Elton Zeni 3 RESUMO

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Rafaela Bassani

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Rafaela Bassani Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Rafaela Bassani Oclusão em pacientes com agenesia de incisivos laterais superiores permanentes tratados com fechamento ortodôntico de espaços

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia Joelho O joelho é a articulação intermédia do membro inferior, é formado por três ossos:

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Curso de Especialização em: Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Disciplina: Diagnóstico por Imagem da Articulação Temporomandibular. : I. Conceituar radiografias da ATM, explicando-as; II. Identificar

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

SORRISO BONITO E SAUDÁVEL PARA TODA A VIDA!

SORRISO BONITO E SAUDÁVEL PARA TODA A VIDA! SORRISO BONITO E SAUDÁVEL PARA TODA A VIDA! INTRODUÇÃO Um sorriso bonito, saudável e harmônico faz toda a diferença! Na autoestima traz diversos benefícios, pois quem sorri abertamente acredita em si mesmo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Educação para Saúde SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR: ANATOMIA

Leia mais

Radiografia Panorâmica

Radiografia Panorâmica Unidade Clínica I Radiografia Panorâmica 18.10.2012 1 Introdução A radiografia panorâmica (também chamada de ortopantomografia) produz uma só imagem, tomográfica, das estruturas da face, incluindo as arcadas

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho

Aparelho Arco E-1886E. Partes do aparelho BRÁQUETES Aparelho Arco E-1886E Partes do aparelho Aparelho Arco E -1886 APARELHO PINO E TUBO - 1912 Arco Cinta -1915 Aparelho Edgewise - 1925 Braquete original Os primeiros bráquetes eram.022 de uma liga

Leia mais

Capítulo VIII Prótese total fixa tipo protocolo

Capítulo VIII Prótese total fixa tipo protocolo Capítulo VIII Prótese total fixa tipo Daniel Telles Henrique Hollweg Luciano Castellucci Aloísio Borges Coelho Originalmente os implantes foram desenvolvidos para devolver função e conforto a pacientes

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS Universidade Estadual de Maringá PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS TESTE SELETIVO TÉCNICO EM PRÓTESE DENTÁRIA Edital n o 096/2009-PRH CADERNO DE PROVA CONHECIMENTO ESPECÍFICO - 38

Leia mais

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini Caso Selecionado Harmonia Sidney Kina e José Carlos Romanini Na busca para encontrar uma composição agradável no sorriso, alguns fatores de composição estética devem ser observados, para orientação na

Leia mais

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci

Dr Christian Coachman. Dr Guilherme Cabral. Dr Braulio Paolucci Protócolo Wax-up Dr Christian Coachman Dr Guilherme Cabral Dr Braulio Paolucci Volume 3D / Posicão 3D Centrais 1. Encerar sobre a linha mediana antiga!! 2. Encerar os 2 centrais em um bloco de cera 3.

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO APARELHO ESTOMATOGNÁTICO

FUNDAMENTAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO APARELHO ESTOMATOGNÁTICO FUNDAMENTAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO APARELHO ESTOMATOGNÁTICO Alfredo Júlio Fernandes Neto * Flávio Domingues Neves ** João Paulo Lyra e Silva*** É importante a conscientização que ao procurar um cirurgião

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL

Cuidados profissionais para a higiene bucal HIGIENE BUCAL HIGIENE BUCAL A Higiene bucal é considerada a melhor forma de prevenção de cáries, gengivite, periodontite e outros problemas na boca, além de ajudar a prevenir o mau-hálito (halitose). Higiene bucal é

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais