P S I 3. º A N O F 0 F I C H A I N F O R M A T I V A

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P S I 3. º A N O F 0 F I C H A I N F O R M A T I V A"

Transcrição

1 P S I 3. º A N O F 0 F I C H A I N F O R M A T I V A Módulo 13 Técnicas de Modelação de Dados Quando se está a desenhar uma base de dados, quantas tabelas se devem criar? Como é que se sabe que um campo pertence a uma determinada tabela, e não a outra? O número de campos, e a respectiva distribuição por tabelas numa base de dados, segue determinadas regras. Estas regras estão organizadas num processo chamado normalização. O que justifica todo este trabalho extra? A normalização pressupõe uma melhoria da base de dados ao nível: da integridade dos dados, isto é, evita que quando se elimina um dado, desapareçam outros dados, ou que a base de dados fique corrupta; da diminuição da redundância 1 de informação; de evitar a dependência de inconsistência, isto é, considera-se inconsistente procurar, por exemplo, o endereço de um funcionário numa tabela de salários; do desempenho no manuseamento da base de dados, pois é conseguida uma distribuição de dados menor pelas tabelas, mantendo-se a mesma informação; da verificação da consistência e indexação dos dados na manutenção; da diminuição dos índices numa tabela e consequentemente um menor risco de mau funcionamento da base de dados. Mas afinal o que é a normalização? A normalização é um processo composto por três regras básicas (que podem ser alargadas a cinco) chamadas formas normais. 1 Repetição de informação desnecessária, isto é, guardar os mesmos dados em tabelas diferentes. É de notar que todas as bases de dados têm alguma repetição de informação. Página 1 de 5

2 1.ª Forma Normal 1. A tabela deve ser apenas bidimensional, isto é, a tabela deve ter correspondência de um para um entre os dados e as linhas e as colunas da tabela; 2. Todas as ocorrências de um mesmo registo devem conter o mesmo número de colunas; 3. Nenhuma coluna deve ter elementos repetidos. A aplicação da primeira forma normal (1FN) pressupõe a aplicação das seguintes regras: 1. Eliminação de grupos, isto é, de colunas repetidas na mesma tabela; 2. Criação de tabelas separadas para cada grupo de dados relacionados; 3. Identificação da(s) chave(s) primárias para cada conjunto de dados relacionados; 1.º Exemplo - Tabela não normalizada Descrição Produtor Endereço Quantidade Telefone do produtor do produtor disponível Departamento Caneta azul, Canetas R. Dias N Fornecimentos caneta verde ABC Papel A4 Papel DEE R. Guarte Geral Cadeiras REEd R. Neves Equipamento Primeira Forma Normal (1FN) Índice Descrição Produtor Endereço do Telefone do Quantidade produtor produtor disponível Departamento 001 Caneta azul, Canetas ABC R. Dias N Fornecimentos 002 Caneta verde Canetas ABC R. Dias N Fornecimentos 003 Papel A4 Papel DEE R. Guarte Geral 004 Cadeiras REEd R. Neves Equipamento Página 2 de 5

3 2.ª Forma Normal A 2.ª forma normal indica a necessidade de evitar a repetição desnecessária de informação, isto é: - criar tabelas separadas para informação relacionada com várias entidades; - identificar com um índice os dados relacionados. A aplicação da segunda forma normal (2FN) leva à separação da tabela anterior em várias tabelas. Índice Descrição Índice produtor Quantidade disponível Departamento 001 Caneta azul, Fornecimentos 002 Caneta verde Fornecimentos 003 Papel A Geral 004 Cadeiras Equipamento Índice produtor Produtor Endereço do produtor Telefone do produtor 1001 Canetas ABC R. Dias N Papel DEE R. Guarte REEd R. Neves Explicação Pode-se sentir que esta separação de tabelas substitui todo um conjunto de informação por um índice. Deste modo, todas as informações relativas a um produtor, por exemplo, produtor REEd podem ser chamadas pelo Índice produtor 1003, cuja informação guarda o seu endereço e o seu número de telefone. Desta forma, a informação fica mais organizada, com acesso mais rápido e mais simples de relacionar. Substitui-se uma tabela de informação por índices. Página 3 de 5

4 3.ª Forma Normal Obriga a reformular a organização de informação pela separação dos campos que não dependam directamente do índice ou chave das tabelas. Índice Descrição Índice produtor Quantidade disponível Departamento/Índice 001 Caneta azul Caneta verde Papel A Cadeiras Índice produtor Produtor Endereço do produtor Telefone do produtor 1001 Canetas ABC R. Dias N Papel DEE R. Guarte REEd R. Neves Índice departamentos Departamentos Fornecimentos Geral Equipamento Comentários: Os produtores e os departamentos não são estritamente dependentes da mesma chave, o que obriga à separação desta informação em tabelas. Na prática, nem sempre a aplicação da terceira FN reveste-se de uma forma exequível. Por exemplo, no caso de uma pequena base de dados onde se usem os códigos postais, pode não ser necessário criar mais uma tabela só para guardar o código postal e a sua descrição. Página 4 de 5

5 Tarefa 1 Alterar a seguinte tabela, de modo a que cumpra os requisitos da primeira forma normal. Nome do Director Nome do Assessor Rui M. Tiago P. Júlia R. Pedro G. Manuel N. Ana B. Tarefa 2 A) Indicar qual a forma normal em que se encontra a seguinte tabela. B) Refazer a tabela de modo a que satisfaça à segunda forma normal. Ind Aluno Apelido Sobrenome Endereço Localidade Código postal 2003 Ana Marques R. Luís Duque, 29 Póvoa de Varzim Teresa Roio R. Camões, 34 Vila do Conde Pedro Neves R. Elísio Rute, 65 Esposende Ana Peixoto R. Pedro Nunes, 55 Póvoa de Varzim 4490 C) Refazer o trabalho anterior pensado nos códigos postais do tipo Tarefa 3 Normalizar a tabela seguinte. DataEnc CodCli Cliente Morada CodArt Artigo Preço Quant C111 Silvia Porto 1033 Modem C112 Santos Coimbra 1044 Scanner C121 Xavier Lisboa 1021 Impressora C122 Sara Faro 1051 Placa Rede C122 Sara Faro 1033 Modem C11 Silvia Porto 1051 Placa Rede 6 4 Tarefa 4 Procurar na Web quais os objectivos da quarta e quinta formas normais. Página 5 de 5

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados.

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Modelagem de Dados Normalização Objetivo: BANCO DE DADOS Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Sub-Fases: Identificação das redundâncias e outros

Leia mais

registo do nascimento em 5 unidades de saúde sem deslocações à conservatória Porto Coimbra Lisboa Almada Faro

registo do nascimento em 5 unidades de saúde sem deslocações à conservatória Porto Coimbra Lisboa Almada Faro Nascer Cidadão Inicia-se hoje a 1.ª fase da nova geração do Projecto Nascer Cidadão. O registo do nascimento da criança passa a poder fazer-se em 5 unidades de saúde do país, sem deslocações à conservatória:

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS X SGBD Banco de Dados: Um "banco de dados" pode ser definido como um conjunto de "dados" devidamente

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5 Capítulo 5 Complemento Fundamentos de Bancos de Dados: Modelo de Entidade e Relacionamento - MER 5.1 Laudon, Cap. 5 Modelo mais utilizado: simplicidade e eficiência. Banco de dados relacional. Base: percepção

Leia mais

Inscrição. Encontra se aberta a participação a interessados exteriores às instituições que integram a organização da Conferência.

Inscrição. Encontra se aberta a participação a interessados exteriores às instituições que integram a organização da Conferência. Inscrição Encontra se aberta a participação a interessados exteriores às instituições que integram a organização da Conferência. As inscrições são limitadas ao número de 30. Preço da inscrição 25 000$00

Leia mais

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento 1 Quanto à obrigatoriedade dos elementos de uma entidade participarem, ou não, no relacionamento com outra entidade, tem-se: Participação obrigatória de

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Expressão do Relacionamento. Expressão do Relacionamento

Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I. Expressão do Relacionamento. Expressão do Relacionamento Tecnologias e Linguagens para Banco de Dados I Efetivação Lógica de Normalização Prof. Gilberto Braga de Oliveira Expressão do Relacionamento Necessidade de incluir campos nas tabelas para que os relacionamentos

Leia mais

Novo Order Manager para o Software NobelProcera

Novo Order Manager para o Software NobelProcera Novo Order Manager para o Software NobelProcera Guia Rápido Versão 1 O novo Order Manager facilita mais os processos e procedimentos envolvidos nas encomendas através do sistema NobelProcera. Isto inclui

Leia mais

Teoria De Bases de dados

Teoria De Bases de dados Teoria De Bases de dados Paulo Leocádio Índice A informática na empresa...2 Da dependência à independência dos dados...3 Os três níveis da arquitectura de um SGBD...6 Funções e estrutura de um SGBD...7

Leia mais

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág.

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág. Conteúdos Dos ficheiros de dados aos sistemas de gestão de base de dados Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Informática Departamento de Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto

Licenciatura em Engenharia Informática Departamento de Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Licenciatura em Engenharia Informática Departamento de Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Sandra Manuela Lemos Machado Versão 2 Março 2002 Criticas e sugestões: smachado@dei.isep.ipp.pt

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

Introdução às Bases de Dados

Introdução às Bases de Dados Chave primária Domínios Relação Normalizada F# F Nome Estado Cidade F1 José 20 Braga F2 João 10 Faro F3 Luís 30 Lisboa F4 Rui 30 Setúbal Atributos Tuplas Modelo Relacional Uma das regras que uma relação

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Sistema de Gestão de Bases de Dados. Doenças. Alunos: Filipe Alexandre da Silva Vila Real Nuno José Morais Felicio

TRABALHO PRÁTICO. Sistema de Gestão de Bases de Dados. Doenças. Alunos: Filipe Alexandre da Silva Vila Real Nuno José Morais Felicio FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Sistemas de Informação - 2000/2001 TRABALHO PRÁTICO Sistema de Gestão de

Leia mais

Desenvolvimento de uma base de dados. Relação. Modelo lógico: SGBD relacional

Desenvolvimento de uma base de dados. Relação. Modelo lógico: SGBD relacional Desenvolvimento de uma base de dados Realidade Bases de dados relacionais e SQL Conceitos básicos de bases de dados relacionais A 3ª forma normal Structured Query Language (SQL) Modelo conceptual (e.g.

Leia mais

Curso técnico de informática

Curso técnico de informática Manuel Pires Rua I 8000 Faro Nome: Manuel Pires Empresa: Morada: Rua I Localidade:8000 Faro Tel.:+351962222222 Email:manuelpires@sapo.pt António Manuel Rua B 8800 -Tavira Nome: António Manuel Empresa:

Leia mais

Os elementos básicos do Word

Os elementos básicos do Word Os elementos básicos do Word 1 Barra de Menus: Permite aceder aos diferentes menus. Barra de ferramentas-padrão As ferramentas de acesso a Ficheiros: Ficheiro novo, Abertura de um documento existente e

Leia mais

Sistemas de Gestão de Bases de Dados

Sistemas de Gestão de Bases de Dados SGBD Sistemas de Gestão de Bases de Dados Aspectos genéricos sobre bases de dados; Criação de uma base de dados no Microsoft Access; Utilização de uma base de dados: consultas, formulários e relatórios.

Leia mais

NASCER CIDADÃO. Perguntas & Respostas

NASCER CIDADÃO. Perguntas & Respostas NASCER CIDADÃO Perguntas & Respostas 1. O que é o Nascer Cidadão? O Nascer Cidadão tem três objectivos: a) Permitir que o registo de nascimento das crianças se realize em unidades de saúde (hospitais e

Leia mais

Introdução às Bases de Dados

Introdução às Bases de Dados Introdução às Bases de Dados Chave primária Domínios Relação F# F Nome Estado Cidade F1 José 20 Braga F2 João 10 Faro F3 Luís 30 Lisboa F4 Rui 30 Setúbal Atributos Tuplas Introdução às Bases de Dados Modelo

Leia mais

aelousada.net AE Lousada Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2014

aelousada.net AE Lousada Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2014 ALBERTINO CLÁUDIO DE BESSA VIEIRA Colocado em 3138 Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras ALBERTO RAFAEL SILVA PEIXOTO Colocado em 3064 Instituto Politécnico

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO

GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO GESTÃO DOCUMENTAL E FLUXOS DE TRABALHO 2 GESTÃO DOCUMENTAL VANTAGENS Informação sempre acessível, acesso fácil e rápido Redução do espaço, custos de armazenamento e impressão Redução da duplicação de dados

Leia mais

Uma Aplicação de gestão de stocks com data bases hierárquicos, relações lógicas e indexação secundária, e sua exploração em Teleprocessamento.

Uma Aplicação de gestão de stocks com data bases hierárquicos, relações lógicas e indexação secundária, e sua exploração em Teleprocessamento. Uma Aplicação de gestão de stocks com data bases hierárquicos, relações lógicas e indexação secundária, e sua exploração em Teleprocessamento. RESUMO Descrevem-se as estruturas de bases de dados utilizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ EAJ - PRONATEC / REDE etec MÓDULO III DESENVOLVIMENTO PROFESSOR ADDSON COSTA RESUMO DE AULA CRIAÇÃO E MANIPULAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

1- Identifique para cada questão abaixo, se o enunciado se refere a View, Stored Procedures, Trigger ou Function. Apenas um por questão.

1- Identifique para cada questão abaixo, se o enunciado se refere a View, Stored Procedures, Trigger ou Function. Apenas um por questão. 1- Identifique para cada questão abaixo, se o enunciado se refere a View, Stored Procedures, Trigger ou Function. Apenas um por questão. a- Representam tabelas virtuais não armazenadas, compostas de campos

Leia mais

Tarefa Orientada 6 Edição de Dados

Tarefa Orientada 6 Edição de Dados Tarefa Orientada 6 Edição de Dados Objectivos: Inserção de dados. Alteração de dados. Eliminação de dados. Definição de Listas de Pesquisa (Lookup Lists) O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Modelação conceptual de classes

Modelação conceptual de classes Modelação conceptual de classes Alguns casos práticos: Gestão de empréstimos Departamento da faculdade Mega superfície comercial 1 Gestão de empréstimos Processo de gestão de empréstimos para aquisição

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br. Aula 3. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord

MODELAGEM DE DADOS MODELAGEM DE DADOS. rafaeldiasribeiro.com.br. Aula 3. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 3 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Conhecer a arquitetura de 3 esquemas (conceitual, lógico

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

Empresa XPTO Avenida 25 de Abril, nº 25 8500 Portimão Manuel Pires Rua I 8000 Faro

Empresa XPTO Avenida 25 de Abril, nº 25 8500 Portimão Manuel Pires Rua I 8000 Faro Manuel Pires Rua I 8000 Faro o Nome: Manuel Pires o Empresa: Electroluz Lda. o Morada: Rua I o Localidade: 8000 Faro o Tel: +35962222222 o Email: manuelpires@sapo.pt Ana Fernandes Rua A 8700 - Olhão o

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

ferramentas de produtividade

ferramentas de produtividade ferramentas de produtividade modelização de dados normalização de dados as bases de dados 3 2002 Luis Borges Gouveia (http://www.ufp.pt/~lmbg) 1 modelização de dados 3 abordagens mínimo comum utilizar

Leia mais

Sistema de Informação de Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos

Sistema de Informação de Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos Sistema de Informação de Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos Indice Indice... 2 1. Introdução... 3 2. Sistema de Informação de Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR)....

Leia mais

- O atributo Cursos contém valores não atómicos!!!

- O atributo Cursos contém valores não atómicos!!! 3. Teoria da Normalização 3.1. Dependências Funcionais 3.2. Normalização 3.2.1. Primeira Forma Normal (1FN) Uma relação está na 1ª Forma Normal se. Cada atributo contém apenas valores atómicos.. Não há

Leia mais

SCPI 8.0. Guia Rápido. Parametrizando o Módulo CONTAS. Introdução. Informações da Entidade. Nesta Edição

SCPI 8.0. Guia Rápido. Parametrizando o Módulo CONTAS. Introdução. Informações da Entidade. Nesta Edição SCPI 8.0 Guia Rápido Parametrizando o Módulo CONTAS Introdução Nesta Edição 1 Informações da Entidade 2 Cadastro das Entidades 3 Cargos e Nomes 4 Parâmetros Gerais Antes de iniciar os trabalhos diários

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

05/06/2012. Banco de Dados. Gerenciamento de Arquivos. Gerenciamento de Arquivos Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelos de Dados

05/06/2012. Banco de Dados. Gerenciamento de Arquivos. Gerenciamento de Arquivos Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelos de Dados Banco de Dados Gerenciamento de Arquivos Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelos de Dados Gerenciamento de Arquivos Gerenciamento de Arquivos 1 Gerenciamento de Arquivos Em uma indústria são executadas

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Construir um modelo de dados é: - Identificar, Analisar e Registar a política da organização acerca dos dados

Construir um modelo de dados é: - Identificar, Analisar e Registar a política da organização acerca dos dados 4. Modelo Entidade Associação 4.1. Introdução Modelo de Dados. Visão dos dados em vez de visão das aplicações. Eliminação de redundâncias. Partilha de dados pelas aplicações Construir um modelo de dados

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Consistência Eventual Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Marco Bernardo Departamento de Informática Universidade da Beira Interior 25 de Maio de 2009 Descrição Geral 1 Introdução O Problema Definições

Leia mais

Aspectos genéricos - Base de Dados

Aspectos genéricos - Base de Dados Aspectos genéricos - Base de Dados 1) Ficheiros de dados, registos e campos 2) Base de Dados Flat_File (de uma tabela) 2.1) Especificação e exemplo 2.2) Limitações das bases de dados baseadas em uma só

Leia mais

APROG - Civil. Excel. Técnicas de pesquisa de informação em tabelas. Instituto Superior de Engenharia do Porto 2000-2007

APROG - Civil. Excel. Técnicas de pesquisa de informação em tabelas. Instituto Superior de Engenharia do Porto 2000-2007 APROG - Civil Excel Técnicas de pesquisa de informação em tabelas Instituto Superior de Engenharia do Porto 2000-2007 Elaborado por: António Silva (DEI-ISEP) Pesquisa de Informação em Tabelas O Excel

Leia mais

Microsoft Access. No Access, existem vários tipos de objectos: Tabelas. Consultas. Formulários Relatórios Macros Módulos

Microsoft Access. No Access, existem vários tipos de objectos: Tabelas. Consultas. Formulários Relatórios Macros Módulos É um SGBD do tipo relacional para a utilização em windows. Ao abrirmos o Access, podemos efectuar várias operações: abrir uma base de dados existente, ou então criar uma nova base de dados. Se criarmos

Leia mais

Deployment e Segurança

Deployment e Segurança Deployment e Segurança 5ª Conferência de Sistemas de Informação Código Seguro ESTG - Leiria José Pina Miranda www.multicert.com Novembro 2004 Deployment e Segurança E agora que toda a plataforma aplicacional

Leia mais

Data de Aplicação. Rede Local e Segurança Informática Básica

Data de Aplicação. Rede Local e Segurança Informática Básica FICHA TÉCNICA Exercício nº 10 NOME DO EXERCÍCIO DESTINATÁRIOS Duração Pré Requisitos Recursos / Equipamentos Orientações Pedagógicas OBJECTIVOS Resultado Esperado Rede Local e Segurança Informática Básica

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

Lista de todos os comandos do Word 2010

Lista de todos os comandos do Word 2010 Lista de todos os comandos do Word 2010 Nome de comando Modificadores Tecla Abrir Ctrl+ A Abrir Ctrl+ F12 Abrir Alt+Ctrl+ F2 Activar/Desactivar a Apresentação de Campos Shift+ F9 Activar/Desactivar Equação

Leia mais

Manual do Gestor da Informação do Sistema

Manual do Gestor da Informação do Sistema Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura Informática e Computação Laboratório de Informática Avançada Automatização de Horários Manual do Gestor da Informação do Sistema João Braga

Leia mais

Você pode dizer isso de novo! Compressão de Texto

Você pode dizer isso de novo! Compressão de Texto Atividade 3 Você pode dizer isso de novo! Compressão de Texto Sumário Desde que os computadores possuíam apenas uma quantidade limitada de espaço para armazenar informações, estes precisavam armazená-las

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

João Carvalho das Neves

João Carvalho das Neves ANÁLISE FINANCEIRA João Carvalho das Neves Professor Associado e Director do MBA - ISEG Sócio ROC Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC 1 Análise dos fluxos de caixa 52 1 Análise dos fluxos de caixa

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras Engenharia Informática 3º ano - 2003/2004 Ana Maria Madureira 1. MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Descreve o S.I. da Organização

Leia mais

Microsoft Access 2010. Para conhecermos o Access, vamos construir uma BD e apresentar os conceitos necessários a cada momento

Microsoft Access 2010. Para conhecermos o Access, vamos construir uma BD e apresentar os conceitos necessários a cada momento Microsoft Access 2010 Para conhecermos o Access, vamos construir uma BD e apresentar os conceitos necessários a cada momento 1 Principais objetos do Access Tabelas Guardam a informação da BD (Base de Dados)

Leia mais

Introdução a Banco de Dados e Access

Introdução a Banco de Dados e Access Roteiro Introdução a Banco de Dados e Access Isabel Harb Manssour. Conceitos Básicos B de Banco de Dados. 3. 4. Porto Alegre, maio de 007 Baseado no material das professoras Miriam Sayão, Adriana Beiler

Leia mais

Quando extrair o ficheiro SAFT

Quando extrair o ficheiro SAFT Conheça o seu ficheiro SAFT Quando extrair o ficheiro SAFT A partir de Janeiro de 2014 muitas empresas que não eram obrigadas a utilizar software de faturação certificado passaram a ser, tendo assim de

Leia mais

Software Integration Procedure

Software Integration Procedure Departamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Engenharia de Software II Software Integration Procedure Pneus_SoftwareIntegrationProcedure_06-03_v1.2.doc

Leia mais

Servidores Virtuais. Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção.

Servidores Virtuais. Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção. es Virtuais Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção. O que são os es Virtuais? Virtual é um produto destinado a empresas que necessitam de um servidor dedicado ligado

Leia mais

Introdução a Banco de Dados e Access

Introdução a Banco de Dados e Access Introdução a Banco de Dados e Access Edson Ifarraguirre Moreno Porto Alegre, maio de 2011 Baseado no material da professora Isabel Harb Manssour Roteiro 1. Conceitos Básicos de BD 2. Microsoft Access 3.

Leia mais

Relatório de Análise de Requisitos

Relatório de Análise de Requisitos Relatório de Análise de Requisitos (15/03/02 Versão 1.0) Gestão de Beneficiários Eduardo Abreu ei98020@fe.up.pt Miguel David ei98019@fe.up.pt Nuno Ferreira ei98003@fe.up.pt Tiago Silva ei98015@fe.up.pt

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DO KOHA. Luísa Maria Lousã Marques Bibliotecária da Escola Superior de Teatro e Cinema luisamarques@estc.ipl.pt

A IMPLEMENTAÇÃO DO KOHA. Luísa Maria Lousã Marques Bibliotecária da Escola Superior de Teatro e Cinema luisamarques@estc.ipl.pt A IMPLEMENTAÇÃO DO KOHA Luísa Maria Lousã Marques Bibliotecária da Escola Superior de Teatro e Cinema luisamarques@estc.ipl.pt Questões iniciais após a tomada de decisão de instalar o sistema KOHA: O que

Leia mais

Manual da AGENDA GRACES 2011

Manual da AGENDA GRACES 2011 1 Agenda Graces Manual da AGENDA GRACES 2011 O Sistema Agenda Graces integrada ao Sistema Graces e Agenda Graces Grátis foi desenvolvido pela empresa Quorum Informática. Este Manual tem por objetivo atender

Leia mais

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Autorizado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião

Leia mais

Apresentação Comercial Gestão Documental

Apresentação Comercial Gestão Documental Apresentação Comercial Gestão Documental Gestão Documental Como é possível administrar sua empresa de forma eficiente? Quais os passos para tornar seu empreendimento mais competitivo? Como é possível saber

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Luís Caldas de Oliveira Março de 2009 O objectivo deste laboratório é o de explorar a utilização de matrizes em Matlab e de usá-las para construir

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023 DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 David Barbosa 47076 Ricardo Boas 47023 Rui Fonseca 47081 Vítor Martins 47121 GRUPO 10 2009/2010 1 Índice 1. Introdução... 2 1.1 Visão Geral do Problema... 2

Leia mais

Diário de Segurança Alimentar

Diário de Segurança Alimentar Diário de Segurança Alimentar Diário de Segurança Alimentar Todos os direitos reservados Copyright 2008 by Biostrument, S. A. 1ª Edição Um produto Biostrument - Segurança Alimentar Sede: Rua 5 de Outubro

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Guia Rápido do Contacts

Guia Rápido do Contacts Guia Rápido do Contacts IPBRICK SA 12 de Novembro de 2014 1 Conteúdo 1 Introdução 3 2 IPBrick - Contactos 3 2.1 Separador Administração........................ 4 2.1.1 Requisitos dos ficheiros.csv..................

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

Conheça o seu ficheiro SAFT

Conheça o seu ficheiro SAFT Conheça o seu ficheiro SAFT Quando extrair o ficheiro SAFT A partir de 2013, passa a ser obrigatória a transmissão periódica do ficheiro SAFT às Finanças. Antes de 2013, a Lei exigia o SAFT para fins de

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS Unidade 1 - Introdução Dados; Banco de Dados; Base de Dados; Projeto de Banco de Dados.

Leia mais

15 e 16 de Agosto de 2013. Luis Ferreira ATENÇÃO. Fax: 219228915 E-mail: fps@surfingportugal.com

15 e 16 de Agosto de 2013. Luis Ferreira ATENÇÃO. Fax: 219228915 E-mail: fps@surfingportugal.com Prova 2ª Etapa do Circuito Nacional Bodyboard Open 2013 Praia de Cortegaça - Vila do Surf 15 e 16 de Agosto de 2013 Director Técnico Chefe de Juízes Luis Ferreira Diogo Marques José Miguel Pereira Ricardo

Leia mais

Dependência funcional

Dependência funcional Dependência funcional Dependência funcional: Dados dois conjuntos de atributos A e B de uma entidade, diz-se que: B é funcionalmente dependente de A ou A determina B ou B depende de A, se a cada valor

Leia mais

MANUAL DA ÁREA DO CONDÔMINO. www.superlogica.com 0800-709-6800

MANUAL DA ÁREA DO CONDÔMINO. www.superlogica.com 0800-709-6800 MANUAL DA ÁREA DO CONDÔMINO www.superlogica.com 0800-709-6800 1 ÁREA DO CONDÔMINO A área do condômino é uma página de Internet segura, acessada mediante senha, com diversas facilidades para condôminos.

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Memória Paginação e Segmentação Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Slides baseados nas apresentações dos prof. Tiago Ferreto e Alexandra

Leia mais

Bases de Dados 2007/2008 Exame

Bases de Dados 2007/2008 Exame Exame 11 de Janeiro de 2008 Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Informática Regras O exame tem a duração de 2h30m. A folha de capa deve ser identificada com o nome e número do aluno.

Leia mais

Supremo Tribunal de Justiça Descritivo: Tabela da Sessão de 05-11-2015 10:00 1ª Secção

Supremo Tribunal de Justiça Descritivo: Tabela da Sessão de 05-11-2015 10:00 1ª Secção Tabela da de 05-11-2015 10:00 Adiados para Conferência 2-D/2000.E1.S1 Tribunal Judicial de Santarém ( Extinto ) - 3º Juízo Cível - Proc. 2- D/2000 Gabriel Catarino 1º - Maria Clara 2º - Sebastião Póvoas

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

ARQUIMEDES E CONTROLE DE OBRA

ARQUIMEDES E CONTROLE DE OBRA Catálogo de Novidades Versão 2009.1 1 ARQUIMEDES E CONTROLE DE OBRA A versão 2009.1 apresenta várias novidades e melhorias relativamente ao programa Arquimedes e Controle de Obra, que se indicam seguidamente.

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Lista de exercícios 01

Lista de exercícios 01 PARTE I Lista de exercícios 01 1. Defina os seguintes termos: entidade, atributo, valor do atributo, atributo composto, atributo multivalorado, atributo derivado, atributo-chave, domínio. 2. Explique as

Leia mais

Lógica e Bases de Dados. Prof. Elaine Faria e Hiran Nonato Programação Lógica UFU 2012

Lógica e Bases de Dados. Prof. Elaine Faria e Hiran Nonato Programação Lógica UFU 2012 Lógica e Bases de Dados Prof. Elaine Faria e Hiran Nonato Programação Lógica UFU 2012 Bases de Dados Relacionais "Base de dados" Coleção de dados interrelacionados, armazenada de modo independente do programa

Leia mais

Acesso ao cadastro de Rubricas

Acesso ao cadastro de Rubricas Pesquisar a Base de conhecimento Pesquisar Pesquisa Avançada Topo Pack Topo Pack Departamento Pessoal Configurando a Geração do HOMOLOGNET. Autor brunosilva.sup.pack Bruno Número de Referência do Artigo

Leia mais

PLANO DE EXPANSÃO COMERCIAL DA ÁREA COMERCIAL EMPRESA XYZS

PLANO DE EXPANSÃO COMERCIAL DA ÁREA COMERCIAL EMPRESA XYZS PLANO DE EXPANSÃO COMERCIAL DA ÁREA COMERCIAL EMPRESA XYZS 1. APRESENTAÇÃO: O objetivo deste documento é apresentar o Plano de Expansão Comercial, promovido pela Área Comercial da XYZS, deixando claro

Leia mais

Introdução aos Sistemas Informáticos

Introdução aos Sistemas Informáticos I folhas de tamanho A4, com 2 centímetros em todas as margens. 3. Guarde o documento na sua disquete (se não tiver uma disquete, então grave-o no disco do computador) com o nome Exercício 1. 4. Introduza

Leia mais

Exercícios de Word (Prova Avaliação Prática) Coisas da Vida

Exercícios de Word (Prova Avaliação Prática) Coisas da Vida Exercícios de Word (Prova Avaliação Prática) Faculdades Integradas Dom Pedro II Exercício 1 (Objetivo: Salvar Documentos) a) Crie uma pasta no Disquete ou Pen Drive com o nome Exercícios de Word. b) Crie

Leia mais

Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Trabalho prático Sistemas

Leia mais

Manual de Utilizador Carregamento e Processamento de Ficheiros via Internet Banking. Português - V1

Manual de Utilizador Carregamento e Processamento de Ficheiros via Internet Banking. Português - V1 Manual de Utilizador Carregamento e Processamento de Ficheiros via Internet Banking Português - Índice Introdução... 2 Capitulo I... 3 1.1 Localização da funcionalidade... 3 1.2 Tipo de Ficheiros... 3

Leia mais

Técnicas de Normalização por Phaser

Técnicas de Normalização por Phaser Técnicas de Normalização por Phaser http://phpbrasil.com/articles/article.php/pagerrow/0/id/146 Dos fatores mais importantes no desenvolvimento de páginas dinâmicas é a definição de banco de dados. Se

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais