Arquitetura de Sistemas. para concursos. Questões comentadas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetura de Sistemas. para concursos. Questões comentadas"

Transcrição

1 Arquitetura de Sistemas para concursos Questões comentadas

2 Prefácio A Arquitetura de Sistemas é fundamental para qualquer sistema de média ou alta complexidade. A Arquitetura de Sistemas engloba os componentes de software, suas propriedades internas e externas, e seus relacionamentos com outros softwares já existentes. Prover documentos, especicações, ditar premissas e denir restrições em projetos são as principais atividades desenvolvidas na área de Arquitetura de Sistemas. No mundo corporativo de TI, o prossional arquiteto de sistemas é cada vez mais requisitado e, portanto, a Arquitetura de Sistema torna-se um assunto frequente nos concursos da área. O Grupo Handbook de TI preparou este volume, que traz uma série de questões comentadas sobre Arquitetura de Sistemas para você se preparar ainda melhor para os concursos de seu interesse. Bons estudos, Grupo Handbook de TI Página 1 de 41

3 Direitos Autorais Este material é registrado no Escritório de Direitos Autorais (EDA) da Fundação Biblioteca Nacional. Todos os direitos autorais referentes a esta obra são reservados exclusivamente aos seus autores. Os autores deste material não proíbem seu compartilhamento entre amigos e colegas próximos de estudo. Contudo, a reprodução, parcial ou integral, e a disseminação deste material de forma indiscriminada através de qualquer meio, inclusive na Internet, extrapolam os limites da colaboração. Essa prática desincentiva o lançamento de novos produtos e enfraquece a comunidade concurseira Handbook de TI. A série Handbook de Questões de TI Comentadas para Concursos Além do Gabarito é uma produção independente e contamos com você para mantê-la sempre viva. Grupo Handbook de TI Página 2 de 41

4 Canais de Comunicação O Grupo Handbook de TI disponibiliza diversos canais de comunicação para os concurseiros de TI. Loja Handbook de TI Acesse a nossa loja virtual em Serviço de Atendimento Comunique-se diretamente conosco através do Twitter do Handbook de TI Acompanhe de perto promoções e lançamentos de produtos pelo nosso Twitter com/handbookdeti Página 3 de 41

5 1. Assuntos relacionados: Portais Corporativos, B2B, B2C, B2E, B2G, Banca: CESGRANRIO Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas - Eng. de Software Ano: 2008 Questão: 44 São feitas 4 armativas sobre a tecnologia de portais. I - Um portal em geral utiliza uma instância de banco de dados para armazenar informações especícas do portal, como as personalizações dos usuários, índices para busca, regras de autorização de acesso ao conteúdo e, possivelmente, o próprio conteúdo. II - Os portais B2B (Business-to-Business) e B2G (Business-to-Government) normalmente apresentam estrutura tecnológica similar, fazendo uso de web services em uma arquitetura A2A (Application-to-Application). III - Um portal corporativo B2E (Business-to-Employees) pode ser utilizado para prover, além do conteúdo especíco de interesse dos funcionários, recursos de integração com ferramentas de data warehouse e BI (Business Intelligence). IV - Ferramentas mais avançadas de portal fornecem recursos para detecção de padrões de comportamento e áreas de interesse dos usuários, que serão utilizados para fornecer conteúdo personalizado ao mesmo. Estão corretas as armativas (a). I e II, apenas. (b). I e III, apenas. (c). I, II e III, apenas. (d). II, III e IV, apenas. (e). I, II, III e IV. Solução: Os portais corporativos são, comumente, apresentados como uma evolução das intranets. No entanto, os portais também podem ser vistos como uma aplicação web que agrega conteúdo, colaboração, conhecimento e aplicativos transacionais, todos em uma interface única. Exemplos de funcionalidades que os portais normalmente possuem são: busca e indexação; categorização de conteúdo; colaboração; personalização; comunidades; integração de sistemas; segurança. Portanto, pode-se dizer que as armativas I e IV são corretas. Com relação as alternativas II e III, para entender porque elas também podem ser consideradas corretas, é preciso conhecer o signicado dos termos das siglas B2B, B2G, B2E e outras. Página 4 de 41

6 B2B (Business to Business): são as transações de comércio entre empresas. Uma empresa vendendo para outra empresa ou um banco transferindo recursos para outro são exemplos de transações B2B; B2C (Business to Consumer): são as transações entre uma empresa e um consumidor. Amazon, Submarino e Americanas são exemplos típicos de empresas que realizam esse tipo de transação; C2C (Consumer to Consumer): são as transações entre consumidores, intermediadas normalmente por uma empresa. Exemplos de sites que oferecem um meio para a realização de transações C2C são os sites de leilão como o Ebay e Mercado Livre; B2G (Business to Governement): são as transações entre empresa e governo. Os exemplos comuns de B2G são licitações e compras de fornecedores; B2E (Business-to-Employee): normalmente relacionado aos portais que atendem aos empregados. Os portais B2E são as chamadas intranets corporativas, que têm por objetivo oferecer aos empregados uma interface única para que eles possam acompanhar as notícias da empresa, gerenciar seus dados pessoais, solicitar serviços etc. Nesse ponto da resolução da questão, você deve estar pensando: mais um monte de siglas para eu decorar!. E é exatamente isso. A indústria de TI permanece abusando do uso de siglas para representar conceitos que, após apresentados, são familiares aos leitores, sejam técnicos ou não. Portanto, ca mais uma vez o recado. Fique atento às siglas e seus signicados, pois elas vem sendo cobradas sistematicamente nos concursos! Página 5 de 41

7 2. Assuntos relacionados: ERP, Banca: Cesgranrio Instituição: BR distribuidora Cargo: Analista de Sistemas - Desenvolvimento Ano: 2008 Questão: 64 Os módulos de Contas a Pagar, Contas a Receber, Faturamento e Contabilidade compõem, tipicamente, tipo de sistema (a). CRM analítico (b). Data Warehouse (DW) (c). ERP (d). ECM (e). BSC Solução: Os sistemas de ERP - Enterprise Resource Planning - visam à integração entre todos os setores produtivos da empresa, conectando-os através de processos bem denidos, onde cada um tem suas responsabilidades bem delimitadas e o negócio é visto todo sob a perspectiva dos processos que o regem. Para atingir esse objetivo, sistemas de ERP conectam, geralmente em uma solução única, vários módulos aplicativos das diversas áreas da empresa. Assim, um típico sistema ERP integra os módulos de contas a pagar, contas a receber e vários outros. Como seu enfoque são os processos, o sistema também deve prever módulos de RH para administração de pessoal, módulos de controle de estoque e, na losoa mais recente, módulos voltados à modelagem dos processos da empresa e integração automática desses esses módulos de acordo com os uxos dos processos mapeados. Os grandes desenvolvedores de soluções ERP no mercado atual são a SAP e a Oracle. Há diversas outras empresas que também fornecem soluções interessantes, além de opções em software livre. De acordo com a explicação, a resposta correta à questão é a letra (C). Entretanto, para entendermos ao menos a ideia básica dos demais itens elencados nas outras opções, vejamos de forma rápida suas denições: CRM analítico: ferramentas de CRM - Customer Relationship Management - dirigemse ao trato das informações no relacionamento das empresas com seus clientes. Há dois tipos básicos de CRM: o operacional e o analítico. O CRM operacional é voltado para o registro de toda interação entre cliente e empresa. O CRM analítico pode ser encarado como um subconjunto de ferramentas de BI (Business Intelligence) voltadas para a análise dos dados coletados pelo CRM Operacional. De acordo com o documento CRM Operacional, disponível no site A parte incluída no CRM Analítico visa aqui aferir métricas operacionais, geralmente ligadas a custo e performance, que nada mais são do que análise de cubos para vericar, por exemplo, hits na webstore por campanha, vendas por hits, percentual de acerto por chamado ativo, custo/ticket médio por chamado, etc. Data Warehouse (DW): o mote dos sistemas de DW é a consolidação de dados operacionais, geralmente extraídos de sistemas OLTP (On Line Transaction Processing - sistemas de processamento online de informações) corporativos, gerando dados Página 6 de 41

8 analíticos que servirão de base em decisões estratégicas de negócio. Nesses sistemas, os dados são trabalhados de forma a expressar a informação necessária ao corpo diretor da empresa, agregando informação de diferentes sistemas da empresa. A manipulação desses dados dá origem aos cubos, que são elementos que permitem enxergar os dados a partir de diversas perspectivas atinentes ao negócio. A subtração de dados de uma área especíca é conhecida como Data Mart. Os Data Marts dão direções sobre um departamento ou um produto da empresa. Em última análise, podemos considerar que a união de todos os Data Marts de uma empresa gera seu Data Warehouse. ECM: Enterprise Content Management é o nome dado aos sistemas que têm por vocação armazenar, em formato digital, os documentos - tanto os digitalizados de papel quanto os naturalmente eletrônicos - de uma empresa e permitir o acesso a eles de forma rápida e precisa. Estes sistemas armazenam, além dos documentos em si, os dados mais relevantes destes, de forma a tornar a pesquisa de documentos algo simples e de fácil acesso a todos que deles precisem. BSC: Balanced Scorecard é uma metodologia disponível e aceita no mercado desenvolvida pelos professores da Harvard Business School, Robert Kaplan e David Norton, em Os passos dessa metodologia incluem: denição da estratégia empresarial, gerência do negócio, gerência de serviços e gestão da qualidade; passos estes implementados através de indicadores de desempenho. A ideia é, utilizando informações dos diversos sistemas OLTP da empresa, gerar indicadores voltados não apenas aos aspectos nanceiros, mas ao negócio da empresa como um todo: clientes, processos internos, nanceiro e aprendizado e crescimento, conforme ilustra a Figura 1. Figura 1: visão estratégica do BSC. Página 7 de 41

9 3. Assuntos relacionados: ERP, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Pleno - Processos Ano: 2006 Questão: 43 Assinale a opção que caracteriza um Sistema Integrado de Gestão (ERP - Enterprise Resource Planning). (a). Integra todos os departamentos e funções de uma companhia através em um único sistema computadorizado, com uma única base de dados, que serve às necessidades particulares de todos os usuários. Com ele, todas as áreas corporativas são informadas e preparam-se de forma integrada para o evento, das compras à produção, passando pelo almoxarifado, chegando até mesmo à área de marketing, que pode, assim, ter informações para mudar algo nas campanhas publicitárias de seus produtos. (b). Engloba o planejamento e a gestão de todas as atividades envolvidas em identi- car fornecedores, comprar, fabricar, e gerenciar as atividades logísticas. Inclui também a coordenação e a colaboração entre os parceiros do canal, que podem ser fornecedores, intermediários, provedores de serviços e clientes. (c). Permite a análise, denição, execução, monitoramento e administração de processos, incluindo o suporte para a interação entre pessoas e aplicações informatizadas diversas. (d). Possibilita que as regras de negócio da organização, travestidas na forma de processos, sejam criadas e informatizadas pelas próprias áreas de gestão, sem interferência das áreas técnicas. Ele origina-se dos antigos sistemas de workow. (e). Pode ser entendido como uma estratégia que permite à empresa como um todo ter uma visão única de seu cliente e, a partir daí, saber explorar as oportunidades de negócio. Para isso é necessário aproveitar todas as interações que a corporação tem com o cliente no sentido de captar dados e transformá-los em informações que possam ser disseminadas pela organização, permitindo que todos os departamentos - call center, vendas, marketing, diretoria, etc - vejam o cliente da mesma forma, ou seja, saibam quem ele é, seus gostos e preferências, quantas vezes ligou, reclamações que fez, sugestões que deu, quanto traz de valor para a empresa, entre outras. Solução: O cenário administrativo-nanceiro tem passado por mudanças, principalmente, ao logo dessas últimas décadas. Dentre essas mudanças, dois importantes conceitos merecem destaque: o primeiro, foi o conceito de processos de negócio em substituição a visão departamental das empresas; e o segundo, é o conceito de gestão colaborativa. O conceito de gestão colaborativa permitiu o surgimento de novos conceitos, como: SCM (Supply Chain Management), CRM (Customer Relationship Management), CPFR (Collaborative Planning, Forecasting and Replenishment), etc. Tais conceitos são amparados por sistemas, como, por exemplo: sistemas de planejamento e programação da produção distribuída, comumente conhecidos como sistemas APS (Advanced Planning and Scheduling); sistemas CRM, voltados para o apoio ao gerenciamento das relações com os clientes; ferramentas de armazenamento e tratamento da inteligência das empresas ou ferramentas de BI Página 8 de 41

10 (Business Intelligence); e tecnologias de rede, como internet, intranet e extranet. Um processo de negócio pode ser entendido como várias atividades inter-relacionadas que cruzam fronteiras funcionais com entradas e saídas bem denidas. Em função dessa reorganização das empresas em torno de processos de negócios é que surgiram os sistemas integrados de gestão (ERP - Enterprise Resource Planning). Figura 2: sistema ERP com interação com os departamentos. Um sistema ERP tem como objetivo integrar todos os departamentos e funções dentro de uma empresa por meio de uma ferramenta computacional única, com capacidade para suportar as necessidades dos departamentos. A Figura 2 mostra um sistema ERP com interação aos departamentos Vendas e Marketing, Manufatura, Finanças, RH e Cadeia de Suprimentos. Entre os diversos sistemas ERP existentes no mercado, algumas características são comuns: Estrutura: pode-se dizer que, de forma simplicada, que o sistema ERP é composto por uma base de dados central apoiada por vários módulos aplicativos. A base central recebe e fornece dados para os diversos módulos aplicativos, apoiando as atividades de processos de negócio da organização; Generalidade: um sistema ERP deve ser capaz de suportar uma variedade de estruturas organizacionais e deve ser adequado a uma vasta gama de tipos de organizações. Para cada empresa, um sistema ERP é customizado de forma a atender a cada requisito especíco; Arquitetura Cliente/Servidor: um sistema ERP está localizado em um servidor, sendo acessado por vários computadores, clientes, representado os usuários. Um dos principais sistemas ERP no mercado é o SAP. A Figura 3 apresenta os módulo do sistema por suas áreas fundamentais. Com base na explicação anterior, a seguir analisamos as alternativas: (A) CORRETA Página 9 de 41

11 Um sistema ERP integra todos os departamentos e funções de uma organização por meio de uma ferramenta computacional única com uma base de dados centralizada, servindo todos os usuários da organização. Com ele, todas as áreas corporativas, vistas como processos de negócios, são informadas e preparam-se de forma integrada para o evento, das compras à produção, passando pelo almoxarifado, chegando até mesmo à área de marketing, que pode, assim, ter informações para mudar algo nas campanhas publicitárias de seus produtos. Portanto, esta armativa está correta. (B) ERRADA Figura 3: sistema ERP Sap. Um ERP tem como base o conceito de processo de negócio, que pode ser entendido como várias atividades inter-relacionadas que cruzam fronteiras funcionais com entradas e saídas bem denidas. Note que o ERP interliga departamentos e funções de uma organização, e não apenas o planejamento e gestão das atividades. Logo, esta alternativa está errada. (C) ERRADA O ERP tem como base o conceito de processo de negócio, que pode ser entendido como várias atividades inter-relacionadas que cruzam fronteiras funcionais com entradas e saídas bem denidas. A interação entre pessoas está relacionada ao conceito de gestão colaborativa e não de processo de negócio, isto é, está relacionado aos sistemas APS, CRM e BI do que ao ERP. Portanto, esta armativa está errada. (D) ERRADA O sistema ERP integra todos os departamentos e funções de uma organização. Essa integração ocorre desde da área de gestão à área técnica. O ERP surgiu paralelamente ao workow a partir de sistemas de gestão existente há muito tempo no mercado. Uma nova demanda do mercado é aliar as funcionalidades do ERP com a exibilidade das ferramentas de workow. Um workow (uxo de trabalho) é um conjunto de atividades (sequênciais ou paralelas) que são interligadas para atingir a automação de processos de negócios, por inteiro ou em parte, durante o qual documentos, informações e tarefas são passadas de um participante para outro por ação respeitando um conjunto de regras procedimentais. Página 10 de 41

12 Logo, esta armativa está errada. (E) ERRADA O texto apresentado nesta alternativa está relacionado à gestão colaborativa, mais especicamente ao conceito de CRM, que é apoiado por sistemas voltados para o apoio ao gerenciamento das relações da corporação com os seus clientes. Portanto, esta armativa está errada. Página 11 de 41

13 4. Assuntos relacionados: ERP, Classicação ABCD, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócio Ano: 2008 Questão: 63 A implantação de um Sistema Integrado de Gestão (ERP) em uma organização é um projeto abrangente, com resultados que podem variar dependendo da condução e abordagens utilizadas. Sobre este tema, são feitas as armativas a seguir. I - Uma das vantagens competitivas proporcionadas pelos ERP diz respeito à adoção de modelos de processos pré-denidos. II - A classicação ABCD avalia o grau de efetividade da implantação de um ERP em uma organização. III - Uma desvantagem da implantação de um ERP é a pulverização dos dados corporativos entre os diversos módulos do ERP, dicultando sua consolidação. IV - A implantação de um ERP, em geral, demanda o envolvimento, virtualmente, de todos os departamentos de uma organização e requer que as pessoas passem a trabalhar de uma forma diferente. Estão corretas APENAS as armativas (a). I e II. (b). I e III. (c). II e III. (d). II e IV. (e). III e IV. Solução: Figura 4: estrutura típica de um sistema ERP. Nas últimas décadas, muito tem se falado dos sistemas integrados do tipo ERP Enterprise Resource Planning, que nada mais são que sistemas de informação que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema. O sistema ERP tem o objetivo fundamental de controlar, integrar e fornecer suporte a todos os processos de uma Página 12 de 41

14 empresa - operacionais, produtivos, administrativos e comerciais, integrando várias funções na organização como: controles nanceiros, contabilidade, folha de pagamento, faturamento, compras, produção, estoque e logística. Além disso, o sistema ERP possibilita um uxo de informações único, contínuo e consistente por toda a empresa, o que permite administrar os negócios em uma única base de dados. Em outras palavras, trata-se de um instrumento para a melhoria de processos e das informações online e em tempo real, que busca informações em outros sistemas espalhados pela empresa com o principal objetivo de consolidar estas informações em um único sistema (veja a Figura 4). Este parágrafo nos fornece condições de eliminar a armativa III do enunciado. No entanto, não é apenas implantar um sistema de integração na organização para torná-la integrada, essa integração se dá também pelo comprometimento (envolvimento) dos funcionários, pela denição dos objetivos, planejamento. Tal sistema demanda uma construção empresarial totalmente voltada para este novo ambiente de trabalho, uma reestruturação empresarial crítica sem falar na capacitação dos funcionários de todos os departamentos da empresa, pois tal sistema trabalha em conjunto, reunindo informações dos diversos departamentos e as apresenta de forma consolidada para que decisões estratégicas, gerenciais e operacionais possam ser tomadas. Este parágrafo nos diz que a armativa IV está correta. Abaixo, listamos algumas vantagens proporcionadas pelo sistema ERP: redução de custos: com o constante monitoramento da organização como um todo, detecta-se rapidamente onde estão os processos mais dispendiosos e quais os impactos nanceiros que este processo irá causar caso seja modicado. Pode-se, por exemplo, detectar as falhas que ocorrem no gerenciamento de estoque devido à produção excessiva de determinado produto, ocasionando assim perdas signicativas na organização; otimização do uxo de informações: pode-se determinar quais setores empresariais estão com deciência em troca de informações e quais medidas devem ser tomadas para que o uxo de informações ua de forma satisfatória; otimização no processo de decisão: com as informações consolidadas ca relativamente simples a tomada de decisão e suas principais consequências dentro da organização. Também existem desvantagens ao se aplicar o sistema ERP: dependendo do ambiente, o ERP pode funcionar de forma inversa ao esperado, desestruturando toda uma organização; um sistema ERP deve ser implantado ao longo dos anos, de uma forma estruturada e cadencial, devido ao seu alto custo e seu grau de complexidade; a organização que compra o sistema ca dependente do fornecedor do software; adoção de best practices (modelos padrões de processos) aumenta o grau de imitação e padronização entre as empresas de um segmento, o que representa uma desvantagem competitiva (podemos concluir que a armativa I está errada); torna os módulos dependentes uns dos outros, pois cada departamento depende das informações do módulo anterior, por exemplo. Logo, as informações têm que ser constantemente atualizadas, uma vez que as informações são em tempo real (on line), ocasionando maior trabalho; excesso de controle sobre as pessoas, o que aumenta a resistência à mudança e pode gerar desmotivação por parte dos funcionários. Uma das causas do não funcionamento do sistema ERP é exatamente o não comprometimento do usuário nal com o sistema. Página 13 de 41

15 Uma questão fundamental na análise do resultado da implantação de sistemas ERP é a forma de se mensurar o quão bem-sucedido foi o projeto. Diversas medidas de sucesso são utilizadas nos trabalhos sobre ERP, a maioria com caráter totalmente subjetivo e dependente da opinião de funcionários das empresas que fazem parte do espaço amostral destas pesquisas. O renomado artigo Critical Success Factors of Enterprise Resource Planning Systems Implementation Success in China cita duas medidas de sucesso: Classicação ABCD: que avalia o grau de integração dos processos (assim, a armativa II também está correta); Satisfação do Usuário: medida subjetiva, com quatro níveis, do grau de atendimento às expectativas. A partir do exposto acima, podemos concluir que a alternativa D está correta. Página 14 de 41

16 5. Assuntos relacionados: Workow, Workow Management System (WFMS), Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Pleno - Processos Ano: 2006 Questão: 41 Sobre os workows são feitas as seguintes armativas. I - Um workow é uma automação do Processo de Negócio, na totalidade ou em partes, onde documentos, informações ou tarefas são passadas de um participante para o outro, para execução de uma ação, de acordo com um conjunto de regras. II - Um WfMS - Workow Management System - é um sistema de Gerenciamento de workow responsável por gerenciar e executar uxos de trabalho através de um software cuja ordem de atividades é dirigida por uma representação da lógica do workow no computador, proporcionando a automação de um processo de negócio. III - Os benefícios do uso de uma ferramenta de workow eletrônico são: documentação e visualização dos processos e atividades; arquivamento e recuperação de informações sobre os objetos inseridos no workow; reastreabilidade; identicação dos responsáveis por cada atividade do processo; entre outras. IV - Uma ferramenta de workow deve ter a facilidade de invocar aplicativos; distribuir tarefas dinamicamente; priorizar e acompanhar o trabalho; gerar dados estratégicos. Estão corretas as armativas: (a). I e III, apenas. (b). II e III, apenas. (c). I, II e IV, apenas. (d). II, III e IV, apenas. (e). I, II, III e IV. Solução: Item I: CORRETO Workow é uma coleção de tarefas organizadas para realizar um processo de negócio. Uma tarefa pode ser executada por um ou mais sistemas de computador, por um ou mais participantes, ou então por uma combinação destes. Workow dene a ordem de execução e as condições pelas quais cada tarefa é iniciada. Para tanto, é necessário um conjunto de ferramentas que possibilita a automação de atividade e tarefas baseadas em informação. A tecnologia de Workow está basicamente relacionada à automação de processos de negócio. Então, o Workow é a automação de um processo de negócios, por inteiro ou em parte, durante o qual documentos, informações e tarefas são passadas de um participante para outro por ação respeitando um conjunto de regras procedurais. Além disso, os sistemas de Workow permitem a integração entre todas as atividades que compõem um processo. Item II: CORRETO Uma ferramenta de Workow (WFMS Workow Management System) é um componente de software que recebe como entrada descrições formais de processos de negócio e mantém o Página 15 de 41

17 estado da execução desses processos, delegando atividades entre os participantes e aplicações. O WFMS é responsável por controlar o andamento do processo, seguindo rigorosamente a ordem denida pelas dependências entre as atividades, e garantindo as regras de consistência especicadas. Apresenta uma técnica para integração e automatização das diferentes tarefas que integradas constituem processos de uma organização. Em outras palavras, o WFMS é um sistema que dene, gerencia e executa completamente Workows através da execução de software cuja ordem das atividades ocorra numa sequência própria e que os participantes sejam informados para que possam executar suas tarefas. Item III: CORRETO As ferramentas de Workow previnem que os participantes não esqueçam as próprias tarefas. Esta ferramenta certica-se de que as atividades ocorram numa sequência própria e que os usuários sejam informados para que possam executar suas tarefas. As soluções do Workow fornecem uma maneira consistente e automatizada para tarefas ou processos de uxo de atividades dentro de uma empresa. Resumindo, a ferramenta de Workow é um meio para documentar e visualizar todas as tarefas de um processo, além de recuperar informações sobre um processo de acordo com um conjunto de regras de procedimentos. Item IV: CORRETO Uma ferramenta de Workow possui um conjunto relativamente comum de funcionalidades. Um dos conceitos fundamentais das ferramentas é a possibilidade de predenir a sequência em que as atividades serão executadas. A ferramenta recebe entradas de atividades que devem ser realizadas. Para tanto, uma ferramenta de Workow tem a habilidade de invocar automaticamente um aplicativo adequado para uma determinada atividade. A denição do processo em geral não dene um participante especíco para a execução das atividades. Logo, tendo necessidade, antes de iniciar a atividade, uma ferramenta pode determinar o participante que irá executá-la. Essa escolha pode ser feita, automaticamente, pelo próprio WFMS (Workow Management System), ou então, manualmente. Além disso, um WFMS tem a capacidade de priorizar trabalho, uma vez que determinadas instâncias de Workow devem possuir uma prioridade superior às demais. A maioria dos sistemas de Workow permitem que a prioridade de uma instância seja alterada, em geral, por um usuário administrador. A utilização de sistemas de Workow para o gerenciamento do trabalho na organização pode, a médio e longo prazo, reverter em benefícios estratégicos para ela. Através do armazenamento de certos atributos de cada instância de Workow executada, pode-se criar uma base de dados que reete a eciência e a ecácia dos processos atualmente desempenhados pela organização. Com esses dados, pode-se analisar profundamente o desempenho do processo atual, identicando gargalos e inconsistências, e, posteriormente, fazer melhorias e correções sobre ele. Portanto, a resposta correta é alternativa E. Página 16 de 41

18 6. Assuntos relacionados: SOA, Banca: Cesgranrio Instituição: BR Distribuidora Cargo: Analista de Sistemas - Desenvolvimento Ano: 2008 Questão: 43 Qual fator deve ser considerado principal na divisão e composição de aplicações que implementam os serviços de uma arquitetura SOA? (a). Barramento de serviços e contratos. (b). Serviços necessários para automatizar processos de negócios. (c). Protocolos de comunicação requeridos pelo barramento de serviços. (d). Dependências tecnológicas entre as diferentes aplicações da empresa. (e). Departamentos da empresa e funcionalidade requerida por cada um deles. Solução: SOA (Service-Oriented Architecture) é uma arquitetura onde é possível criar, padronizar e documentar funções genéricas únicas, utilizadas por diferentes aplicações em componentes reutilizáveis e com total interoperabilidade, de modo que possam ser compartilhados e acessados por diferentes dispositivos sob a forma de serviço, sem precisarem ser reescritos. Um serviço é uma espécie de função independente que permite que se faça uma ou mais requisições e que se ofereça uma ou mais respostas por meio de uma interface predenida e padronizada. Para o sucesso das aplicações em SOA, é essencial que haja a capacidade de identicar os serviços e suas características. Um processo de negócio é um conjunto de atividades executadas numa sequência especíca para alcançar um objetivo de negócio. O processo de negócio dene a sequência das atividades, os eventos externos que devem ser tratados, os requisitos de interação humana e o processamento condicional. Como já diz a própria denição de SOA, as aplicações que implementam a arquitetura devem ser orientadas e, portanto, compostas e denidas, a partir da identicação de serviços. Nesse caso, esses serviços devem automatizar os processos de negócios, assim como qualquer solução de tecnologia de informação. A resposta correta é a letra B. Uma das principais vantagens de uma arquitetura de tal tipo é permitir que um serviço da empresa esteja disponível para programadores externos. Por exemplo, o SPC ou o SE- RASA poderiam ter seus serviços disponibilizados na forma de SOA, assim, qualquer um seria capaz de consultar o banco de dados de devedores a partir do Webservice disponibilizado por essas empresas. Já, por exemplo, dentro de uma empresa, o uso de SOA deve ser avaliado com mais cuidado. O seu uso deve ser justicado através dos ganhos que a arquitetura possa trazer. Rotinas complexas que automatizam os processos de negócios e que precisam ser utilizadas por vários sistemas da empresa podem trazer grandes vantagens se forem disponibilizadas em uma arquitetura SOA. Entretanto, deve ser avaliado qual o impacto no desempenho, como a segurança pode ser garantida nesses casos, entre outras diculdades que uma arquitetura distribuída naturalmente traz. Página 17 de 41

19 7. Assuntos relacionados: SOA, Banca: Cesgranrio Instituição: Petrobras Cargo: Analista de Sistemas Júnior - Processos de Negócio Ano: 2008 Questão: 62 A proposta de uma arquitetura orientada a serviços (SOA) prevê uma mudança de foco das aplicações tradicionais. Este novo paradigma prevê a criação de conjuntos de serviços independentes no lugar de aplicações monolíticas, os quais sejam capazes de interagir entre si e de compor novos serviços de maior granularidade, aumentando a exibilidade e respondendo de forma mais ágil a mudanças nos cenários de negócio. Qual dos apresentados a seguir NÃO constitui um princípio chave da orientação a serviços? (a). Reuso a lógica é divida em serviços com a intenção de promover o reuso. (b). Autonomia os serviços têm controle sobre a lógica que encapsulam. (c). Abstração o serviço esconde do mundo exterior qualquer lógica que não conste de seu contrato. (d). Manutenção de estado os serviços são projetados para reter o estado entre os acessos de clientes distintos. (e). Baixo acoplamento os serviços mantêm relacionamentos que minimizam dependências e somente requerem que eles saibam da existência dos demais. Solução: Orientação a Serviço é uma forma de pensamento em termos de serviços e desenvolvimento baseado em serviço, bem como dos resultados de serviços. Arquitetura Orientada a Serviço (Service-Oriented Architecture SOA) é um estilo arquitetural que apoia a orientação a serviço. Um serviço: é uma representação lógica de uma atividade de negócio repetível que tem um resultado especíco (por exemplo, a vericação de crédito de um cliente; o oferecimento de informações sobre o tempo; etc.); é auto-contido; pode ser composto por outros serviços; é uma caixa-preta para os consumidores do serviço. Existem alguns princípios (ou losoas) que norteiam a Orientação a Serviços. As listas de princípios disponíveis variam de autor para autor (tanto na quantidade quanto no formato de apresentação), mas, de forma geral, contêm os seguintes itens: limites explícitos: os serviços interagem por intermédio de passagem explícita de mensagens por limites bem-denidos. Este princípio fundamental, na prática, traduzse em um baixo acoplamento entre as diversas aplicações que interagem entre si, no sentido de torná-las independentes umas das outras e proporcionar modicações de lógica de funcionamento sem promover falhas no fornecimento dos serviços (por incompatibilidade de funções, por exemplo). Diz-se que os serviços oferecem um contrato para denir as interfaces públicas que apresentam. Serviços autônomos: os serviços são entidades implantadas independentemente, com versões e gerenciamento. Alterações feitas em um serviço não devem causar qualquer impacto em outros serviços; Página 18 de 41

20 serviços compartilham esquema e contrato, não a classe: a interação com o serviço deve se basear somente nas diretrizes, no esquema e nos comportamentos baseados no contrato de um serviço. Esse princípio é conhecido pelo abstração, isto é, apresentação ao mundo exterior tão somente da lógica necessária para a devida interação entre aplicações; reuso: os diversos serviços oferecidos desempenham tarefas especícas bem denidas, podendo ser compostos por outros serviços. Desta forma, o reuso de código é altamente estimulado, evitando retrabalho e duplicidade de códigos; orientação a documentos: na interação com os serviços, os dados são passados como documentos. Um documento é um container hierárquico e explicitamente modelado para conter esses dados. Esse princípio indica que não há manutenção de estados entre as aplicações, mas sim troca de dados (documentos). Na literatura, são encontrados outros princípios, como Orientação a Políticas, Independência de Fornecedor, Orientação a Metadados, etc. Na questão apresentada, são citados corretamente os princípios Reuso, Autonomia, Abstração e Baixo acoplamento. Entretanto, Manutenção de estado não é um princípio presente na losoa de desenvolvimento orientado a serviços. Tal termo, possivelmente, foi pego emprestado de outra área (como Banco de Dados, por exemplo) na tentativa de confundir o candidato. Assim, a letra (D) contém o item que não expressa um princípio da orientação a serviços, sendo a resposta para a questão. Página 19 de 41

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Software Livre. para concursos. Questões comentadas

Software Livre. para concursos. Questões comentadas Software Livre para concursos Questões comentadas Prefácio Hoje, qualquer instituição, seja ela pública ou privada, necessita utilizar programas de computadores para auxiliar os seus processos, gerando

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos 11 Objetivos Este capítulo apresenta uma introdução aos sistemas distribuídos em geral Arquiteturas de cliente servidor Características das arquiteturas de 2 e 3 camadas Ambiente

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN

Sistemas ERP. Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Unirio/PPGI SAIN Sistemas ERP Enterprise Resource Planning ou Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Definições Sistemas de informações que integram todos os dados e processos de uma organização em um único sistema

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Sistemas de Informações e o Uso comercial

Sistemas de Informações e o Uso comercial ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ASI Elabora por Prof.Mestra Rosimeire Ayres Conectan a Empresa à Rede Intranet Internet Extranet B2B B2C B2E C2C As empresas estão se tornan empresas conectadas

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 28 de abril de 2010 Principais suportes de Java RMI (Remote Method Invocation), da Sun Microsystems DCOM (Distributed Component Object Model), da

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade

Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Arquitetura de Software e Atributos de Qualidade Jair C Leite Requisitos e atributos de qualidade Requisitos Características, atributos, propriedades e restrições associadas ao software. Requisitos funcionais

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais

Sistemas ERP. Conceitos Iniciais Sistemas ERP Prof. Breno Barros Telles do Carmo Conceitos Iniciais Sistema de Informação adquirido em forma de pacotes comerciais de software que permite a integração de dados de sistemas de informação

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAIS O PODER DA INFORMAÇÃO Tem PODER quem toma DECISÃO Toma DECISÃO correta quem tem SABEDORIA Tem SABEDORIA quem usa CONHECIMENTO Tem CONHECIMENTO quem possui INFORMAÇÃO (Sem

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios?

RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling. Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? RESUMO DA SOLUÇÃO CA ERwin Modeling Como eu posso gerenciar a complexidade dos dados e aumentar a agilidade dos negócios? O CA ERwin Modeling fornece uma visão centralizada das principais definições de

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Conteúdo

Gestão do Conhecimento e Conteúdo Gestão do Conhecimento e Conteúdo White Paper E-Consulting Corp. & Vignette Página 1 de 9 Content Management A cada novo dia, a Internet se reforça como uma ferramenta extremamente importante para o gerenciamento

Leia mais

Padrões de Contagem de Pontos de Função

Padrões de Contagem de Pontos de Função Padrões de Contagem de Pontos de Função Contexto Versão: 1.0.0 Objetivo O propósito deste documento é apresentar os padrões estabelecidos para utilização da técnica de Análise de Pontos de Função no ambiente

Leia mais

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM. Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec SISTEMAS E GESTÃO DE RECURSOS ERP E CRM Prof. André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec Teoria geral do Sistemas O Sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 14 SOA e ESB Service-Oriented

Leia mais

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce

Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Facilitando Negócios Conectando softwares com Magento Plataforma de E-Commerce Integração de Dados Plataforma Hub Magento E-Commerce Este documento

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes

Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Padrões de Projeto Implementados em Infraestrturas de Componentes Paulo Pires paulopires@nce.ufrj.br http//genesis.nce.ufrj.br/dataware/hp/pires 1 distribuídas baseadas em componentes Comunicação transparente,

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT)

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Estudar a Colaboração Empresarial. Objetivos do Capítulo Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Estudar

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais