AS MUDANÇAS NO SETOR DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM A IMPLANTAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA ERP: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA DE TELECOMUNIÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS MUDANÇAS NO SETOR DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM A IMPLANTAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA ERP: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA DE TELECOMUNIÇÕES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JOÃO JOSÉ LEONEZI AS MUDANÇAS NO SETOR DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM A IMPLANTAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA ERP: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA DE TELECOMUNIÇÕES SÃO PAULO 2009

2 ii JOÃO JOSÉ LEONEZI AS MUDANÇAS NO SETOR DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM A IMPLANTAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA ERP: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA DE TELECOMUNIÇÕES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Dr. Professor Sidney Lazaro Martins SÃO PAULO 2009

3 iii JOÃO JOSÉ LEONEZI AS MUDANÇAS NO SETOR DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM A IMPLANTAÇÃO DE UM NOVO SISTEMA ERP: UM ESTUDO EM UMA EMPRESA DE TELECOMUNIÇÕES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho apresentando em: 28 de novembro de Dr. Prof. Sidney Lazaro Martins Msc. Prof. Carlos Roberto Carneiro Comentários:

4 iv AGRADECIMENTOS Aos mestres da Universidade Anhembi Morumbi que desprenderam muita atenção para transmitir o conhecimento para eu e meus colegas de classe permitindo um aprendizado que será a bagagem para nova etapa da minha vida após a conclusão deste curso de graduação.

5 v RESUMO Neste trabalho de conclusão de curso é apresentado um estudo de caso das mudanças ocorridas no setor de planejamento e controle da produção com a implantação do sistema ERP OMEGA para o sistema ERP SAP numa empresa multinacional do ramo de telecomunicações e os resultados obtidos. O estudo de caso mostrará as possibilidades de parametrização do sistema que passam a facilitar o as atividades de planejar e controlar a produção. O estudo de caso foi escolhido por ter sido um fato recente na empresa permitindo compara o ano anterior a implantação com o ano atual surpreendendo à aqueles que pretendem implantar ou trocar o sistema ERP de uma empresa Palavras Chave: Sistemas ERP Gerenciamento de Estoque Gerenciamento de Informações

6 vi ABSTRACT This final paper shows a case of all changes that happened in the production planning department after to change the ERP system called OMEGA for the new one called SAP in the telecommunication multinational company and the achived results. This case will show the system parameterizations possibilities that facility the activities of the planning e production control. This study was chosen because the recently change of the system that s happened allowing to compare year 2008 when the OMEGA system was in operation with the current year when was implanted the SAP system, surprising the people with the intention to change the ERP system of the your company. Key Worlds: ERP Systems Stock Management Information Management

7 vii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Analogia dos Estoques...9 Figura 2: Gráfico modelo por ponto de pedido...11 Figura 3: Gráfico Modelo por Revisões Periódicas...12 Figura 4: A curva ABC...19 Figura 5: Integração das áreas da empresa com o cadastro do material...20 Figura 6: Lista técnica material...23 Figura 7: Planejamento da Produção...23 Figura 8: Planilha de média para programação...26 Figura 9: Tela de abertura do forecast...26 Figura 10: Tela onde são inseridas as necessidades...27 Figura 11: Seleção por planejador...28 Figura 12: Sinalizadores de materiais críticos...28 Figura 13: Visualização de necessidades individuais...29 Figura 14: Geração individual de requisição de compra...30 Figura 15: Conversão coletiva de requisição de compra...31 Figura 16: Planejamento de necessidades semanais...32 Figura 17: Janela de parametrização MRP Figura 18: Chave de cálculo do tamanho do lote no MRP...34 Figura 19: Janela de parametrização MRP Figura 20: Janela de parametrização MRP Figura 21: Modo de compensação...37 Figura 22: Janela de parametrização MRP Figura 23: JOB consumo incorreto...39 Figura 24: Indicador de acurácia do estoque...40 Figura 25: Indicador de prazo de entrega a clientes...41 Figura 26: Divisão do PCP linha de produto x colaborador...42 Figura 27: Avaliação de Impacto no PCP...45 Figura 28: Avaliação dos Processos da Empresa...45 Figura 29: Indicador nível de estoque ano Figura 30: Indicador nível de estoque Figura 31: Faturamento ano Figura 32: Faturamento ano

8 viii LISTA DE TABELAS Tabela 1: Tabela de Construção da Curva ABC...17 Tabela 2: Tabela de cálculo do valor monetário consumido no período...17 Tabela 3: Tabela de ordenação dos itens por ordem decrescente do valor durante período...18 Tabela 4: Tabela de cálculo do percentual de cada um dos itens em relação do percentual...18

9 ix LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS PCP ERP SAP BI BOM JOB MRP OrdPro DivEst ReqCmp ResOrd Estoq. NecSub Planejamento e Controle da Produção Enterprise Resource Planning - Planejamento dos Recursos Corporativos Em alemão: Systeme, Anwendungen und Produkte in der Datenverarbeitung. Em inglês: Systems, Applications and Products in Data Processing. Em português: Sistemas, Aplicações e Produtos no processamento de dados. Businness Inteligency Bill of material Lista técnica de material Geração de relatório enviado automaticamente aos usuários de sistemas ERP Material Resources Planning Sigla do SAP para ordem de produção Sigla do SAP para material que tem pedido de compra colocado em um fornecedor Sigla do SAP para material que está reservado através de uma requisição de compra para uma ordem de produção Sigla do SAP para material que está reservado para uma ordem de produção Sigla do SAP para material que está no estoque Sigla do SAP para material subcontratado

10 x SUMÁRIO p. 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Sistemas de Produção Produção Produtividade Planejamento da Produção MRP (Planejamento das Necessidades de Materiais) Plano de Produção Gestão de Demanda Gestão de Estoques Função dos Estoques Tipos de Estoques Modelo básico de gestão de estoques Análise dos Estoques Inventário Físico Acurácia dos Controles Giro de Estoques Análise ABC...16

11 xi 5.5 Sistema SAP para ERP Cadastro de Materiais Centro de Trabalho Centro de Trabalho Lista Técnica Planejamento da Produção ESTUDO DE CASO A Empresa A Realidade da empresa passada e presente Previsão de Demanda Geração de Necessidades Através do MRP Geração de Ordens de Produção Geração de requisições de materiais Envio de Necessidades aos Fornecedores Parametrizações do MRP no SAP Estoque de Materiais Inconsistência de Consumos Acurácia do Estoque Confirmação Data de Entrega Pesquisa comparativa Sistema de busca de peças no almoxarifado Relação estoque versus faturamento ANÁLISE DOS RESULTADOS CONCLUSÃO...50

12 xii 9. RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...53 ANEXO...54

13 1. INTRODUÇÃO Este trabalho visa mostrar as mudanças no Planejamento e Controle da Produção - PCP de em uma empresa com a mudança do sistema ERP OMEGA para o sistema ERP SAP, onde trouxe melhorias no planejamento da produção, controle do uso dos materiais, controle do estoque e controle das necessidades dos clientes. As gestões empresariais são utilizadas em diversas empresas com softwares dos sistemas denominados ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento de Recursos Empresariais). A partir dos anos 90 o uso do ERP cresceu muito nos países desenvolvidos, mas no mercado brasileiro, esse sistema desenvolveu-se a partir de 1996 devido à crescente demanda pelo desenvolvimento de uma gestão profissional. Muitos softwares oferecem diversas vantagens, vendendo como solução a sua implantação para resolver todos os problemas do cliente, não mencionando as diversas difíceis etapas de implantação, treinamento de funcionários, adequação e conflitos, quando não incompatibilidades, com os sistemas existentes, os quais devem ser observados para evitarem desperdícios de tempo, dinheiro e o risco de insucesso.

14 2 2. OBJETIVOS Analisando a realidade passada e presente de uma empresa do ramo de telecomunicações apresenta-se os seguintes objetivos. 2.1 Objetivo Geral Mostrar as diferenças nos processos da empresa após a implantação do aplicativo SAP verificando quais foram as vantagens, desvantagens e melhorias no departamento de planejamento e controle da produção - PCP e se essas mudanças tornaram mais efetivo o planejamento das suas necessidades, controle de estoque e cumprimento dos prazos. 2.2 Objetivo Específico - Elencar os principais problemas anteriores a implantação do aplicativo SAP; - Mostrar as facilidades no uso do aplicativo SAP aplicado as atividades do PCP; - Mostrar a aplicação das teorias de administração da produção que estão embutidas nos softwares de ERP e MRP; - Propor novos processos de contagem cíclica de matéria-prima e componentes devido à necessidade de alto controle de estoques; - Propor um sistema de busca de componentes no estoque para que o almoxarifado possa separa rapidamente os materiais necessários para uma ordem de produção. - Mostrar as diferenças ocorridas nos processos da empresa

15 3 3. MÉTODO DE TRABALHO A realidade na administração da produção da empresa com a variedade de produtos divididos por linhas de produtos ou BD (business division), que dificulta o controle da produção e administração dos estoques, é uma tarefa difícil, mas o objetivo desse método é verificar a percepção dos colaboradores da empresa e o resultado obtido. Com esse objetivo foram seguidos os seguintes procedimentos adotados para a realização do presente trabalho foram: levantamento bibliográfico. revisão da literatura de forma a se compreender os principais conceitos e premissas básicas adotadas na análise dos conceitos de administração da produção. o estudo de caso da empresa consulta às diversas publicações, sites na internet, etc. Cabe observar também que a pesquisa realizada na empresa aconteceu 8 meses após a implantação de um novo sistema ERP.

16 4 4 JUSTIFICATIVA Este Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia de Produção justifica-se pela necessidade de planejamento e controle da produção eficiente e eficaz. A necessidade de se planejar, programar, controlar a produção e os estoques conciliando produtividade com satisfação do cliente solicita métodos adequados na melhoria dos processos proporcionando aperfeiçoamento dos recursos humanos indispensáveis para qualquer empresa que depende de uma clientela e de funcionários bem preparados e comprometidos. As alternativas e modelos gerenciais de planejamento da demanda e do estoque serão verificadas para orientar a melhor solução. De extrema importância é o levantamento de teorias que servirão como base para comparações e identificação de modelos que podem ser seguidos. Após o levantamento do material teórico será descrito o perfil da empresa, as suas divisões por linha de produtos e os processos do PCP. Com isso será possível obter uma visão dos problemas que foram vividos pela empresa e sua atual realidade. O perfil de uma empresa e os seus processos produtivos será objeto de estudo de caso onde se pretende indicar melhorias.

17 5 5 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Este trabalho foi desenvolvido seguindo o seguinte referencial teórico sobre a administração da produção e controle de estoque: 5.1 Sistemas de Produção Os sistemas de produção têm uma função importante na administração da produção para ajudar nas tomadas de decisão respondendo perguntas básicas como: - o que produzir e comprar? - quanto produzir e comprar? - quando produzir e comprar? - com que recursos produzir? Produção Pode-se definir produção como um processo que produz uma linha de produtos onde estão envolvidos processamento de matérias-primas para transformação em produto acabado. Para TUBINO (2000) a função da produção consiste em todas as atividades que diretamente estão relacionadas com a produção de bens ou serviços não se limitando apenas as operações de fabricação e montagem de bens, mas também as atividades de armazenagem, movimentação e etc. Para CONTADOR (1998) produção é o processo de obtenção de qualquer elemento considerado como objetivo da empresa, chamado produto, é a aplicação de recursos produtivos com alguma forma de administração. A produção está então dentro de um processo administrativo da empresa para o atendimento de suas metas.

18 Produtividade Toda empresa dentro de suas diversas metas a serem atingidas a melhoria da produtividade é uma busca constante. Para CONTADOR (2000) produtividade é a capacidade de produzir ou o estado que se dá a produção. A produtividade então dentro dos sistemas de produção serve para medir as operações da empresa a fim de avaliar os seus resultados. 5.2 Planejamento da Produção O planejamento da produção visa verificar as demandas futuras da empresa conciliando com as necessidades presentes MRP (Planejamento das Necessidades de Materiais) O MRP através de softwares hoje em dia tem uma função primordial no planejamento da produção devido a velocidade no retorno da informação das necessidades para produzir. Segundo CORRÊA, GIANESI & CAON (2001) o conceito de cálculo de necessidade de materiais é simples e conhecido há muito tempo. Baseia-se na idéia de que, se são conhecidos todos os componentes de um determinado produto e os tempos de obtenção de cada um deles, podemos com base na visão de futuro das necessidades de disponibilidade do produto em questão, calcular os momentos e as quantidades que deverão ser obtidas. A previsão de demanda de um produto com componentes conhecidos (árvore de produto) e tempos de produção pré-estabelecidos o MRP facilita a geração de necessidades.

19 Plano de Produção O plano de produção tem importante função no planejamento pois auxilia o gerentes que tomam as decisões do que produzir, principalmente o envolvimento da área de vendas e produção. Através de reuniões entre as áreas de vendas e planejamento, as áreas envolvidas discutem como sincronizar a demanda do mercado com a capacidade instalada de produção. Para CORRÊA, GIANESI & CAON (2001) o plano de produção coordena a demanda do mercado com os recursos internos da empresa de forma a programar taxas adequadas de produção de produtos finais. Para CONTADOR (1998) é o documento que especifica a quantidade de cada um dos produtos que deverá ser produzida no próximo período de programação. Ou seja, especifica o que e quanto produzir. Já para TUBINO (2000) o plano de produção formaliza as decisões tomadas quanto à necessidades de produtos acabados para cada período analisado. O plano de produção é uma ferramenta fundamental que envolve as áreas de uma empresa na tomada de decisão sobre o que produzir Gestão de Demanda As empresas não são tão flexíveis para alterar os seus volumes de produção de produção imediatamente para atender as variações de demandas. Para CORRÊA, GIANESI & CAON (2001) A função da gestão dea demanda inclui esforços em cinco áreas principais: previsão da demanda, comunicação com o mercado, influencia sobre a demanda, promessa de prazos de entrega, além de priorização e alocação.

20 8 Já para TUBINO (2000) gestão de demanda é a base para o planejamento estratégico da produção, pois permitem que os administradores destes sistemas antevejam o futuro e planejem adequadamente suas ações. A gestão de demanda então deve ter habilidade de prever as demandas através de um canal de comunicação com o mercado podendo influenciar a demanda, provendo prazos priorizando as necessidades e alocando as produções de forma que os objetivos sejam atingidos. 5.3 Gestão de Estoques Os estoques dentro da administração da produção é um dos principais conceitos porque é um elemento gerencial. Os estoques em certos momentos da economia são essenciais para as produções e atendimento das necessidades dos clientes, mas em outros momentos da economia conduz à falência, e por isso deve ser tratado com extrema vigilância para que não se atinja altos valores de estoques e também formação de estoques ruins com peças obsoletas ou produtos com validade vencida Função dos Estoques empresa. Os estoques visam suprir as necessidades de produção e dos clientes de uma Para CONTADOR (1998) a necessidade de estoque está relacionada tanto com características internas do sistema de produção como do seu entorno. Para CORRÊA, GIANESI & CAON (2001) tem a função de acumular recursos materiais entre fases especificas de processos de transformação. Esses acúmulos de materiais têm uma propriedade fundamental que é uma arma no sentido que pode se usada para o bem e para o mal.

21 9 Para TUBINO (2000) para administrar estoques, há necessidade de diferenciálos quanto as suas importâncias relativas, definir lotes de reposição, estabelecer modelos que permitam operacionalizar seus controles e estabelecer estoques de segurança. A função do estoque é de alta importância, pois uma má administração do estoque pode trazer sérios problemas de diferenças no balanço com prejuízos devido ao seu gerenciamento incorreto Tipos de Estoques Os estoques regulam o fluxo de negócios da empresa pois dependendo do setor que a empresa atua. MARTINS & CAMPOS (2006) faz uma analogia com as caixas d água de residências que é adequada. A figura 1 mostra esquematicamente esta analogia. Figura 1: Analogia dos Estoques Fonte: Martins, 2006 ParaMARTINS & CAMPOS (2006) quando a velocidade de entrada dos itens é maior que a de saída, ou quando o número de unidades recebidas é maior que o número de unidades expedidas, o nível de estoque aumenta. Se, ao contrário, mais itens saem, são demandados ou consumidos do que os que entram, o estoque

22 10 diminui. E se a quantidade que é recebida é igual à que é despachada, o estoque mantém-se constante. Se considerarmos V(t) como sendo a velocidade de entrada (unidades recebidas/unidade de tempo), v(t) como a velocidade de saída (unidades expedidas/unidade de tempo) e E como sendo o estoque, teremos as seguintes relações lógicas: V(t) x t > v(t) x t E aumenta V(t) x t < v(t) x t E diminui V(t) x t = v(t) x t E mantém-se inalterado Conseguir a igualdade V(t) x t = v(t) x t é o objetivo e desafio da filosofia Just-intime aplicada à gestão dos estoques, em que os estoques podem ser nulos. A gestão do fluxo de chegada, V(t) x t, é função de compras. Já a gestão do fluxo de saída, v(t) x t, é função de vendas e distribuição. A harmonização dos dois fluxos dentro da fábrica é função do planejamento e controle da produção (PCP). Para efeitos contábeis os estoques são classificados em cinco grandes categorias: 1ª Estoques de matéria-prima 2ª Estoque de produtos em processo 3ª Estoque de produtos acabados 4ª Estoque em trânsito 5ª Estoque em consignação Em muitas empresas a administração do estoque também faz parte do PCP deixando a cargo do departamento de compras somente a negociação do valor de compra das matérias-primas ou componentes.

23 Modelo básico de gestão de estoques Os estoques podem ser de vários tipos como matéria-prima, produtos semiacabados e produtos acabados. Para esses estoques é necessário determinar um modelo de gestão Modelo por ponto de pedido Para TUBINO (2000) O modelo por ponto de pedido consiste em estabelecer uma quantidade de itens em estoque, chamada de ponto de pedido ou de reposição, que quando atingida, dá a partida no processo de reposição do item em uma quantidade preestabelecida., conforme figura 2. Figura 2: Gráfico modelo por ponto de pedido Fonte: Tubino, 2000 A fórmula abaixo define a quantidade do ponto de pedido: PP= d x t + Qs Onde: PP = ponto de pedido; d = demanda por unidade de tempo; t = tempo de ressuprimento; Qs = estoque de segurança; Qmáx = estoque máximo

24 Modelo por revisões periódicas Segundo TUBINO (2000) Enquanto o modelo de controle por ponto de pedido trabalha no eixo das quantidades, propondo a reposição dos estoques quando seu nível ultrapassa determinada quantidade, o modelo por revisões periódicas trabalha no eixo dos tempos, estabelecendo datas nas quais serão analisadas a demanda e as demais condições dos estoques, para decidir pela reposição dos mesmos., conforme figura 3. Figura 3: Gráfico Modelo por Revisões Periódicas Fonte: Tubino, 2000 A fórmula abaixo define o tempo entre cada revisão: t tr = N Q t = D ano Onde: tr = tempo ótimo entre revisões; tano = número de dias no ano ano

25 Modelo por estoque de segurança Em alguns casos é necessário formar-se estoque de segurança para atender o cliente a tempo. Segundo CORRÊA, GIANESI & CAON (2001), é necessário se determinar o nível de estoque de segurança necessário para atender a determinado nível de serviço oferecido ao cliente. A relação entre nível de serviço e ao cliente e nível de estoque de segurança é dado por: E seg = FS σ LT PP Onde: Eseg = estoque de segurança; FS = fator de segurança, que é uma função do nível de serviço que se pretende; σ = desvio-padrão estimado para a demanda futura; LT = lead time de ressuprimento; PP = periodicidade à qual se refere o desvio-padrão Modelo por lote econômico Segundo CORRÊA, GIANESI & CAON (2001), às vezes, em gestão de estoques, o ressuprimento, depois de disparado e depois de transcorrido o lead time, não se dá de forma instantânea, mas gradual, pois se trata por exemplo de uma ordem de produção e não de compra recebida de um fornecedor interno e não de um fornecedor externo. O cálculo do lote econômico de produção para o caso de reposição gradual fica então: LE = 2 DA Cf DA Ce 1 PA

26 14 Onde: LE = lote econômico para a situação em que a reposição se dá de forma gradual; DA = taxa anual segundo a qual a demanda ocorre; PA = taxa anualizada segundo a qual a produção ocorre; Cf = custo fixo de preparação; Ce = Custo unitário anual de armazenagem. 5.4 Análise dos Estoques Os estoques representam boa parte dos ativos de uma empresa podendo gerar lucros ou prejuízos nos negócios de uma empresa. Para MARTINS & CAMPOS (2006) em épocas de alta inflação, manter estoques elevados poderia ser a forma mais adequada de obter grandes lucros, pois a reposição dava-se sempre a preços bem maiores. Numa economia mais estável e de baixa inflação, isso não é verdadeiro, e uma boa gestão dos estoques poderá ser a responsável pelo lucro Inventário Físico O inventário é uma ferramenta importante no controle do estoque pois estoque 100% correto pode ser considerado uma utopia Para MARTINS & CAMPOS (2006) o inventário físico consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico e os registros do controle de estoques, devem ser feitos os ajustes conforme recomendações contábeis e tributárias. MARTINS & CAMPOS (2006) dividem o inventário físico entre dois modos: periódico ou rotativo. O inventário físico é periódico quando em determinados períodos normalmente no encerramento dos exercícios fiscais, ou duas vezes por ano fazse a contagem física de todos os itens do estoque. Nessas ocasiões coloca-se um número bem maior de pessoas com funções específicas de contar os itens. È uma

27 15 força-tarefa designada exclusivamente para esse fim, já que tal contagem deve ser feita no menor espaço de tempo possível (geralmente de 1 a 3 dias). O inventário físico é rotativo quando permanentemente se contam os itens em estoque. Nesse caso faz-se um programa de trabalho de tal forma que todos os itens sejam contados pelo menos uma vez dentro do período fiscal (normalmente de um ano). Essa política exigira um certo número de pessoas exclusivamente dedicadas à contagem, em período integral o ano todo. Um critério usual é contar a cada três meses 100% dos itens da classe A, 50% dos itens da classe B e 5% dos itens da classe C Acurácia dos Controles Para MARTINS & CAMPOS (2006), uma vez terminado o inventário, pode-se calcular a acurácia dos controles, que mede a porcentagem de itens corretos, tanto em quantidade quanto em valor, ou seja: Acurácia = Número _ de _ itens _ corretos Número _ total _ de _ itens Ou Valor _ de _ itens _ corretos Acurácia = Valor _ total _ de _ itens Giro de Estoques Para MARTINS & CAMPOS (2006), o giro de estoques mede quantas vezes, por unidade de tempo, o estoque se renovou ou girou. Valor _ consumido _ no _ período Giro _ de _ estoques = Valor _ do _ estoque _ médio _ n _ período

28 Análise ABC Para MARTINS & CAMPOS (2006), a análise ABC é uma das formas mais usuais de se examinar estoques. Essa análise consiste na verificação, em certo espaço de tempo (normalmente 6 meses ou 1 ano), do consumo, em valor monetário ou quantidade, dos itens de estoque, para que eles possam ser classificados em ordem decrescente de importância. Os itens mais importantes de todos, segundo a ótica do valor ou quantidade, dá-se a denominação itens classe A, aos intermediários, itens classe B, e aos menos importantes, itens classe C. Não existe forma totalmente aceita de dizer qual o percentual do total dos itens pertencentes à classe A, B ou C. Os itens A são os mais significativos podendo representar algo entre 35% e 70% do valor movimentado dos estoques, os itens B variam de 10% a 45%, e os itens restantes representam o restante. A experiência demonstra que poucos itens, de 10% a 20% do total, são da classe A, enquanto uma grande quantidade, em torno de 50% são da classe C e 30% a 40% são da classe B. O exemplo 8.8. abaixo retirado do livro de MARTINS & CAMPOS (2006) mostra como construir uma curva ABC através das Tabelas 1, 2, 3 e 4. Exemplo 8.8: Construir a curva ABC do estoque sabendo-se que, durante um determinado ano-base, a empresa Condor apresentou a seguinte movimentação de seu estoque de 15 itens, conforme tabela 1.

29 17 Tabela 1: Tabela de Construção da Curva ABC Fonte: Martins, 2006 A tabela 2 mostra o cálculo do valor monetário consumido no período: Tabela 2: Tabela de cálculo do valor monetário consumido no período Fonte: Martins, 2006

30 18 A tabela 3 mostra a ordenação dos itens decrescente por valor consumido durante o período: Tabela 3: Tabela de ordenação dos itens por ordem decrescente do valor durante período Fonte: Martins, 2006 A tabela 4 mostra os cálculos percentuais de cada um dos itens em relação ao total: Tabela 4: Tabela de cálculo do percentual de cada um dos itens em relação do percentual Fonte: Martins, 2006

31 19 Uma análise da tabela mostra que os três primeiros itens 2035, e 1020 representam 60% dos gastos totais com materiais de estoques no período; são, portanto, itens tipicamente da classe A. Os quatro seguintes 2050, 6070, 2015 e 3055 representam mais 25% dos gastos com materiais; são tipicamente itens de classe B. Os oito itens restantes representam 15%; são então itens classe C. Assim, como ilustrado na figura 4 pela curva ABC, 20% dos itens (classe A) representam 60% dos gastos, 26,67 dos itens (classe B) correspondem a 25% dos gastos, e 53,33% dos itens (classe C) resultam em apenas 15% dos gastos. Figura 4: A curva ABC Fonte: Martins, Sistema SAP para ERP As informações do tópico 5.5 e subtópicos são informações interpretadas e traduzidas do MANUAL SAP (2001). O aplicativo SAP para ERP é um software integrado de planejamento de recursos corporativos destinado a atender aos principais requisitos de software das mais exigentes empresas de médio e grande porte, de todos os setores e mercados

32 20 verticais, em qualquer país do mundo. O software SAP ERP é constituído de quatro soluções individuais que sustentam as principais áreas funcionais das organizações. Todas as funcionalidades do SAP giram em torno do cadastro mestre de materiais conforme figura 5. Figura 5: Integração das áreas da empresa com o cadastro do material Fonte: Manual SAP, Cadastro de Materiais O Cadastro de Materiais é o conjunto de dados mestres para a gestão do material nas diferentes áreas de negócio da empresa. As informações cadastrais dos materiais se organizam por Visões, ou seja, subdividem-se por áreas funcionais de modo a permitir que as consultas e manutenções sejam estruturadas e atribuídas às áreas responsáveis. No Cadastro de Materiais existem dados gerais, que são válidos para todos os centros e dados específicos de cada centro e dados detalhados para cada depósito de um centro. A correta manutenção dos dados cadastrais dos materiais é de fundamental importância para que o fluxo logístico e financeiro de cada material aconteça de forma adequada no SAP. abaixo: Os materiais são agrupados pelo uso funcional de acordo com a relação Matéria Prima (Raw Material) Embalagem (Packaging) ROH VERP

33 21 Produto Acabado (Finish Goods) Produto Semi-Acabado (Semi Finish Goods) Itens não comprados (água, vapor) Itens não estocáveis (Phantom) Material não avaliado (pallet, rejeito, sucata) Itens de almoxarifado FERT HALB PIPE NLAG UNBW ERSA Para que o MRP funcione corretamente alguns parâmetros devem ser cadastrados como tipo de MRP, ponto de reabastecimento, planejador MRP, tamanho lote MRP, tamanho mínimo do lote, tamanho máximo do lote, estoque máximo, valor arredondamento, tipo de suprimento e suprimento especial entre outros Centro de Trabalho Os centros de trabalho são dados mestres muito importantes do planejamento e controle de produção. São utilizados para formular roteiros e determinar qual parâmetros serão custeados nas confirmações de produção como exemplo máquinas, grupos de máquinas, linhas de produção, posto de trabalho de montagem e grupos de pessoas. São utilizados também para a programação da produção que utiliza os tempos e as fórmulas onde são registrados no centro de trabalho para que se possa calcular a duração de uma operação. Calculo de custo onde através de fórmulas são registrados no centro de trabalho para que se possa custear uma operação, como também associar um centro de trabalho a um centro de custo. Planejamento de capacidade onde se registra a capacidade disponível e as fórmulas para o cálculo da necessidade de capacidade.

34 Centro de Trabalho O roteiro contém os dados de capacidade de produção da linha, centro de trabalho, itens que estão associados a esse roteiro e estabelece a seqüência de recursos necessários para execução de um processo e equipamentos devemos utilizar e os tempos de utilização Lista Técnica As listas técnicas de material ou BOM (Bill of materials) é uma lista de componentes (Semi-elaborados, matérias-primas e embalagens) requeridos para planejar, programar e produzir um item pai. As BOM s contém as seguintes informações: Código do componente Descrição do componente Quantidade de componentes Indicador do tipo de estoque do componente Status da BOM Base de cálculo da BOM Data de cadastro da BOM Responsável pela criação da BOM A lista técnica ou BOM é composta por um Material pai e Materiais componentes ou itens, os quais podem ser, por sua vez, materiais pais de outros itens, conforme ilustra a figura 6.

35 23 Figura 6: Lista técnica material Fonte: Manual SAP, Planejamento da Produção O planejamento ou seqüenciamento das ordens de produção pode ser agendado no quadro de planejamento onde são identificados os centro de trabalho e é atribuída uma quantidade máxima de capacidade para a linha de produção. A figura 7 mostra a forma de visualização da ocupação desse centro de trabalho após a execução da programação. Figura 7: Planejamento da Produção Fonte: Software SAP

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE

Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE Cap. III GESTÃO DE ESTOQUE Nos anos 80 muitas empresas tiveram problemas estratégicos sérios por acharem que deveriam, a todo o custo, BAIXAR A ZERO seus estoques, seduzidas por uma leitura equivocada

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Treinamento de Utilização da Produção Repetitiva

Treinamento de Utilização da Produção Repetitiva Treinamento de Utilização da Produção Repetitiva Glossário Introdução 03 Conceitos 05 PP.002.000 - Dados Mestre 07 PP.002.010 - MRP 1 09 PP.002.010 - MRP 2 10 PP.002.010 - MRP 4 11 PP.002.010 - Esquematização

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

E&L ERP Almoxarifado

E&L ERP Almoxarifado Apresentação 1 PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução: Prevendo todas as rotinas necessárias ao bom funcionamento da administração de materiais, o produz automaticamente as médias

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg)

N= D. LT_prod. (1+Seg) + D. LT_entr. (1+Seg) Os parametros para o cálculo são : Demanda diária (D) Qtde. de peças por KANBAN (Q) Lead time de produção (LT_Prod) Lead time de entrega (LT_entr) Segurança (margem) definida (Seg) Sendo: N= D. LT_prod.

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção

APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção APS Advanced Plainning and Scheduling Sistema Avançado de Produção O módulo APS é a mais nova ferramenta que irá auxiliar no gerenciamento da produção. O principal objetivo do APS é a determinação exata

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Manual de Utilização de Software NEFRODATA-ACD T E C N O L O G I A É A S S I M CONTROLE DE ESTOQUE

Manual de Utilização de Software NEFRODATA-ACD T E C N O L O G I A É A S S I M CONTROLE DE ESTOQUE GUIA Manual de Utilização de Software NEFRODATA-ACD T E C N O L O G I A É A S S I M CONTROLE DE ESTOQUE Informações sobre este manual de utilização de software Documento produzido com conceitos básicos

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Aqui seus Resultados Aparecem

Aqui seus Resultados Aparecem Aqui seus Resultados Aparecem 2 Evolution Materiais: Controle de Estoque, Compras Gerencia necessidades de compra para reposição de estoque ou para atender à necessidade de um Centro de Custo. Envolve

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO.

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE - MELHORIAS DESENVOLVIDAS PARA UMA EMPRESA DO RAMO PLÁSTICO. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE MATERIAIS DE DEMANDA DEPENDENTE

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO

Sistema de gestão ERP. Sistema de Gestão GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO Sistema de gestão ERP GESTÃO RASTREABILIDADE RESULTADO MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Manual Módulo de Custos

Manual Módulo de Custos Manual Módulo de Custos Emissão: 24/01/2014 Revisão: 20/05/2015 Revisado por: Juliana shp group 1 Alameda dos Jurupis, 452 Cj 73 Moema Conteúdo Introdução...... 3 I - TIPOS DE CUSTOS QUE O ERP JAD POSSUI.......

Leia mais

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer

3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer 3 O sistema APO Advanced Planner and Optimizer Esse capítulo tem por objetivo apresentar os conceitos do sistema APO (Advanced Planner and Optimizer), o sistema APS da empresa alemã SAP. O sistema APO

Leia mais

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais.

Observação: As caixas em vermelho representam módulos adicionais. Fenícia Gestão ERP Introdução O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua robustez aliada ao alto grau de tecnologia e conhecimento

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE INVENTÁRIO FÍSICO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE INVENTÁRIO FÍSICO 07/02/203 INTRODUÇÃO O Procedimento de Inventário Físico tem por objetivo estabelecer as normas para realização do Inventário Físico utilizado para conferir as quantidades registradas contabilmente e validar

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP COMO PROCEDER PARA FAZER BACKUP S

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP COMO PROCEDER PARA FAZER BACKUP S CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP Atualmente, a DpComp, visando ampliar a capacidade corporativa de seus clientes, acompanha a evolução tecnológica e trabalha hoje com o banco de dados MySQL, um dos bancos

Leia mais

Parametrização Básica WMS

Parametrização Básica WMS Parametrização Básica WMS Sumário Definindo Parâmetros Gerais... 4 Parâmetros... 5 Conferência... 6 Integração... 7 Pick / Pack... 8 Tarefa... 10 Etiqueta... 11 Produção... 12 Integração do Produto...

Leia mais

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br

Curva ABC. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Curva ABC Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Introdução... 3 Utilização no sistema TCar-Win... 3 Configuração da curva ABC... 4 Configuração

Leia mais

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS)

MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) MRP - MATERIAL REQUERIMENT PLANNING (PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DE MATERIAS) SILVA M. C. Melo. UFSe (2001) MRP e MRP II O objetivo do conteúdo dessas aulas é enfocar os sistemas MRP e MRPII no processo

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa)

FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) FENICIA GESTÃO ERP Enterprise Resource Planning (Planejamento dos Recursos da Empresa) O FENÍCIA GESTÃO ERP é uma solução integrada, personalizável, de gerenciamento corporativo, que se destaca pela sua

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação)

Cobertura de Estoques-Antigiro (Prazo médio de Rotação) Aula 3 Adm. de Materiais-TRE- ALEX DINIZ INDICADORES Giro de estoques Rotação de Estoques GIRO é a média de entrada e saída de um item em estoque, A unidade que este vem expresso é o inverso da unidade

Leia mais

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?

COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES? COMO PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA E OS PAGAMENTOS A FORNECEDORES?! Qual a importância do orçamento de caixa?! Como os grandes orçamentos da empresa se inter-relacionam?! Quais as maneiras de

Leia mais

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção

12/02/2009. Planejamento e Controle da Produção. MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de PCP É a função da administração que planeja, dirige e controla o suprimento de material e as atividades de processamento de

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Sistema de gestão ERP. erp

Sistema de gestão ERP. erp Sistema de gestão ERP erp Módulos e Clientes Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. erp área comercial área administrativa financeira área produção e suprimentos área

Leia mais

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva CAPÍTULO Análise dos Estoques 1 Gestão de Estoques Série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Carla Milanesi de Oliveira Carla_mila_lala@hotmail.com CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

1 Organização de estoque no Gera 1

1 Organização de estoque no Gera 1 ESTOQUE 1 Organização de estoque no Gera 1 1.1 Endereçamento de estoque no GeraSGI 1 1.2 Configuração das Estações (Ruas) 2 1.3 Configuração das Racks (Prateleiras) 4 1.4 Cadastro dos Produtos no Endereçamento

Leia mais

Manual - Relatórios Gerenciais.

Manual - Relatórios Gerenciais. Manual - Relatórios Gerenciais. Perguntas que temos que responder quase que diariamente sobre: Vendas Financeiro Produção Emissão: 04/02/2014 Revisão: 28/05/2015 Revisado por: Juliana 1 Área de Vendas

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Sistema de Gestão Empresarial Freedom ERP

Sistema de Gestão Empresarial Freedom ERP Sistema de Gestão Empresarial Freedom ERP O que é o Freedom ERP? É um software livre para Gestão Empresarial. Pode ser utilizado em estabelecimentos comerciais, varejistas, atacadistas e industriais. Dividido

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

Gestão de estoques de materiais em uma confecção

Gestão de estoques de materiais em uma confecção Gestão de estoques de materiais em uma confecção Wendell Juliano Montanheiro(FAQ) biblioteca@faculdadexvdeagosto.edu.br Luiz Antonio Fernandes (FAQ) biblioteca@faculdadexvdeagosto.edu.br RESUMO O trabalho

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

Nome do Processo: Requisição Gera Múltiplos pedidos para Múltiplos Fornecedores

Nome do Processo: Requisição Gera Múltiplos pedidos para Múltiplos Fornecedores Desenvolvimento BM-1131 Versão 5 Release 17 Autor Sirlene Araújo Processo: Compras Nome do Processo: Requisição Gera Múltiplos pedidos para Múltiplos Fornecedores Motivação Tornar o processo de geração

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira

Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068. Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Logística e gestão de Redes de Surprimentos ADM 068 Professor Marcos Gilberto Dos-Santos Faculdade Anísio Teixeira Programa da Disciplina I Unidade II Unidade Logística Visão geral e funções Suprimentos

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN)

Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) SISTEMAS COM ERP Profº Adalberto J. Tavares Vieira ERP

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL ACORDO - Celular: Silencioso ou desligado - Chamada 19:10hs e 22:10hs. - Entrada ou saída no decorrer da aula em silencio para não atrapalhar os demais participantes. -Trabalho final

Leia mais

Administração de Materiais e Logística II.

Administração de Materiais e Logística II. A Administração de Material corresponde, no seu todo ao planejamento, organização, direção, coordenação e controle de todas as tarefas de aquisição, guarda, controle de aplicação dos materiais destinados

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2014. O que há de novo

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2014. O que há de novo Documentação do produto PUBLIC O que há de novo Índice 1 O que há de novo no SAP Business ByDesign.... 4 2 O que há de novo em Customer Relationship Management.... 6 3 O que há de novo em Administração

Leia mais

TUTORIAL DE COMPRAS ERP JAD

TUTORIAL DE COMPRAS ERP JAD TUTORIAL DE COMPRAS ERP JAD Emissão e Revisão: 23/04/2015 Revisado por: Juliana Caminho para acessar o módulo de compras para criação de cotações, requisições e pedidos segue abaixo. Neste módulo existem

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES

SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO UNIVERSITÁRIO DIRETORIA GERAL DE ADMINISTRAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE MANUAL PARA REQUISITANTES SISTEMA 1ª EDIÇÃO SETEMBRO/2013

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais

Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Conteúdo programático: Formação Gestão de Materiais Informações gerais Família de Gestão: Gestão de Materiais Carga Horária: 172 horas (96 horas presencial + 76 horas e-learning) Objetivo: Proporcionar

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0

Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Planejamento e Controle da Produção Cap. 0 Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br sileneudesc@gmail.com Sistemas Produtivos O sistema de produção define de que maneira devemos organizar a

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais