AVALIAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL RESIDENCIAL DE SALVADOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL RESIDENCIAL DE SALVADOR"

Transcrição

1 Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Química Curso de Especialização em Engenharia de Gás Natural LADJANE MELO BRAGA AVALIAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL RESIDENCIAL DE SALVADOR Salvador, maio 2011

2 LADJANE MELO BRAGA AVALIAÇÃO DO MERCADO DE GÁS NATURAL RESIDENCIAL DE SALVADOR Monografia apresentada à Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia, sob a orientação do professor Dr. Ednildo Andrade Torres, como um dos pré-requisitos para a obtenção do título de Especialista em Engenharia de Gás Natural ORIENTADOR: Profº Dr.Ednildo Andrade Torres Salvador, maio 2011

3 Ficha de Catalogação Braga, Ladjane Melo B 813 Avaliação do mercado de gás natural residencial de Salvador / Ladjane Melo Braga. Salvador : UFBA/Escola Politécnica, f. Monografia (especialização latu sensu) apresentada à Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia, Curso de Especialização em Engenharia de Gás Natural. Orientador: Prof. Dr. Ednildo Andrade Torres. 1. Gás natural Salvador (Bahia). 2. Recursos naturais. 3. Fontes de energia. I. Título. CDD: CDU:

4

5 AGRADECIMENTOS À Deus acima de tudo. A meu filho Igor, a minha filha Rebeca e ao meu marido Ricardo pelo apoio a todo o momento, por serem tão especiais sempre carinhosos e compreensivos. Aos meus familiares e amigos, por acreditarem na concretização deste sonho. Aos professores do curso de Especialização em Engenharia de Gás Natural CEEGAN VI que contribuíram para a construção dos conhecimentos necessários para a realização deste trabalho. À direção da Bahiagás e toda a sua equipe de profissionais, por terem aberto as portas da organização e fornecido os materiais e informações necessárias para a realização desse trabalho. Profº Dr. Ednildo Andrade Torres, orientador competente e, acima de tudo, um mestre. A todos os colegas que forneceram algum tipo de ajuda para a elaboração do presente estudo. Enfim, a todos que, direta ou indiretamente, participou da realização deste projeto, o que torna impossível mencionar este universo, sem cometer omissões.

6 SUMÁRIO CAPÍTULO INTRODUÇÃO Objetivos Justificativa Estrutura 9 CAPÍTULO METODOLOGIA 10 CAPÍTULO GÁS NATURAL: CONCEITO A Importância do Gás Natural CAPÍTULO GÁS NATURAL NO BRASIL E SUAS VARIÁVEIS Reservas de Gás Natural no Brasil Comparações Importantes GN, GLP, Gás de Refinaria e Gás de Rua Usos de Gás Natural: Residencial, Comercial e Refrigeração Vantagens e Desvantagens do Uso do Gás Natural Tipos de Medições: Coletiva, Coletiva com Rateio e Individual Viabilidades de Preço do Gás Natural e do GLP Implantações de Gás Natural em Edifícios 33 CAPÍTULO HISTÓRICO DO MERCADO RESIDENCIAL DE GÁS EM SALVADOR Contexto Atual em Salvador Evolução dos Clientes Residenciais da Bahiagás Mercado Atual de Gás Natural na Bahia Perspectivas da Bahiagás para Clientes Residenciais em CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 53 REFERÊNCIAS 55

7 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Especificações do Gás Natural 13 Tabela 2 Reservas de Gás Natural por Região de Produção (Bilhões de m 2 ) 22 Tabela 3 Comparação entre os Gases de Uso Doméstico 30 Tabela 4 Custo do Gás Natural em Relação ao Consumo (05/05/2011) 31 Tabela 5 Clientes Contratados Residenciais até Tabela 6 Localização dos Domicílios 43 Tabela 7 Nº de Domicílios por Tipo de Medição 45 Tabela 8 Nº de Domicílios por Uso 46

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Clientes Contratados 41 Figura 2 Evolução Nº de Domicílios Convertidos 42 Figura 3 Localização dos Clientes 44 Figura 4 Tipos de Medição 45 Figura 5 Tipo de Uso 46

9 RESUMO Este trabalho tem como objetivo avaliar o Mercado de Gás Natural na área residencial de Salvador, e sua evolução. Conhecer, apresentar e analisar o desenvolvimento deste segmento em Salvador desde o ano de 2004 até Com o crescimento acelerado do mercado imobiliário, da construção civil e a modernização dos projetos residenciais da cidade de Salvador, o Gás Natural residencial vem conquistando seu espaço desde o primeiro edifício a utilizar o Gás Natural. O mercado residencial é o que tem o menor consumo se comparado com os outros segmentos. E especificamente conceituar o Gás Natural, GLP e sua importância no contexto atual, apresentar o histórico do mercado residencial de Salvador desde 2004 até a atualidade e estabelecer comparativo dos anos, com intuito de verificar possível variação de preço do Gás Natural x GLP. Através de pesquisa bibliográfica embasada em respostas para questionamentos prévios, aplicada com levantamento bibliográfico de publicações que tratam de temas como consumo de Gás Natural, recursos naturais, fontes de energia. Com base nesses conceitos, observou-se a importância desse recurso natural, onde o cenário energético atual aponta para o crescimento da utilização do Gás Natural, seu crescimento vem sendo comprovado pela evolução gradual e constante dos volumes de Gás Natural na matriz energética nacional. O Gás Natural residencial encontra dificuldades em sua implantação, sendo necessário um estudo mais detalhado, levando em consideração as peculiaridades territoriais de Salvador. Palavras-chave: Gás natural Salvador (Bahia); recursos naturais; fontes de energia.

10 ABSTRACT This paper aims to address the main theme of Natural Gas Market in the residential area of Salvador, its evolution and current assessment. Known, present and analyze the development of this segment in Salvador since the year 2004 until With the rapid growth of real estate, construction and modernization of residential projects in the city of Salvador Natural Gas Residential has been gaining share since the first building to use natural gas. The residential market is the one with the lowest consumption compared with other segments. And specifically conceptualize Natural Gas, LPG and its importance in the current context, presenting the history of the residential market in Salvador from 2005 to the present and establish comparative years, in order to verify possible changes in price of natural gas x LPG. Through literature search based on answers to previous questions, applied with bibliography of publications dealing with topics such as consumption of natural gas, natural resources, energy sources. Based on these concepts, we observed the importance of this natural resource, where the current energy scenario points to the growing use of natural gas, its growth has been demonstrated by the development of gradual and constant volumes of natural gas in national energy policies. Natural Gas Residential faces difficulties in its implementation, requiring a more detailed study, taking into account the peculiarities of territorial Salvador. KEYWORDS: Natural gas Salvador (Bahia); natural resources; sources of energy.

11 7 CAPÍTULO 1 1 INTRODUÇÃO O gás natural (GN) consiste em um combustível fóssil e dessa maneira recurso não renovável, sendo visualizado como uma fonte energética alternativa importante que pode ser utilizada em vários segmentos industriais e outras atividades. No Brasil o uso do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) como gás combustível é muito popular, por ser de fácil transporte e armazenamento, as instalações de distribuição de gás canalizado (Gás Liquefeito de Petróleo - GLP e Gás Natural GN), reduzem o contato direto dos consumidores com os botijões, pois o reabastecimento dos vasilhames e sua manutenção são efetuados com cuidado por profissionais. A Bahia se destaca como um grande produtor de gás natural, seu fornecimento na área residencial se tornou um mercado atrativo e em expansão. Nos últimos anos o destaque foi significativo e por questões de comodidade e segurança o fornecimento de gás predial na capital baiana. Dessa maneira, os especialistas na área prevêem que os botijões utilizados em residências estarão cada vez mais em desuso, essa seria a maior justificativa desse trabalho, a relevância do tema, principalmente no contexto crescente no ramo imobiliário e da construção civil em Salvador. 1.1 Objetivos O objetivo geral é o estudo do mercado de gás natural residencial em Salvador Bahia, conhecer, apresentar e avaliar o seu crescimento desde sua implantação em 2002 até 2010 e estabelecer comparativo no período e a variação do preço do GN comparado com o GLP.

12 8 1.2 Justificativa A capital baiana possui uma extensão territorial bastante verticalizada, com muitos desses edifícios e condomínios que utilizam gases combustíveis canalizado, como o GN e GLP. Mas ainda encontra dificuldades para o fornecimento do gás natural, em especial, para os bairros novos e com melhor estrutura onde são mais fáceis de ocorrerem à implantação e o consumidor poder ter acesso a esse serviço, contudo, os bairros antigos, com acessos limitados para implantação do GN, tornaram-se um grande empecilho para este avanço. Neste setor existem alguns fatores que dificultam a aquisição de novos clientes, principalmente para prédios antigos, bem como, em condomínios horizontais. O mercado residencial é o mercado que tem o menor consumo se comparado com os outros setores: o comercial, o automotivo e industrial. A verificação deste mercado como um todo, ou seja, quais são as dificuldades apresentadas, para o crescimento deste segmento. Conhecer o mercado de gás natural na área residencial, ou seja, conhecer, analisar, compreender o desenvolvimento do mercado de gás natural nesta área. E se existe crescimento deste mercado. As mudanças para solucionar essa limitação serão gradativas, devido à estrutura geográfica da cidade. Mas à medida que o fornecimento do GN avance, os órgãos responsáveis poderão criar projetos e artifícios no intuito de extinguir o problema. Com base no tema apresentado, questiona-se: como otimizar o custo de implantação nos bairros antigos da cidade de Salvador e popularizar o fornecimento de gás canalizado?

13 9 1.3 Estrutura Este estudo foi desenvolvido na tentativa de responder a questão e aos objetivos citados anteriormente, e está estruturado em cinco capítulos. O primeiro capítulo aborda o histórico do gás natural, os objetivos, justificativa, delimitação e estrutura deste trabalho. O segundo capítulo aborda a metodologia utilizada para o desenvolvimento desta pesquisa. O terceiro capítulo aborda o conceito do gás natural, com foco em sua relevância e importância no cenário atual. O quarto capítulo analisa o gás natural no Brasil e suas variáveis, as reservas de gás natural no Brasil, comparações importantes entre GN, GLP, Gás de Refinaria e Gás de Rua, os usos de gás residencial, comercial e refrigeração, assim como, as vantagens e desvantagens do gás natural, tipos de medição, viabilidade de preço do gás natural e GLP e implantação de GN em edifícios. O quinto capítulo aborda o histórico do mercado de Gás Natural em Salvador, o contexto atual em Salvador, a evolução dos clientes da Bahiagás, o mercado atual de GN na Bahia e as perspectivas da Bahiagás para clientes residenciais de 2011.

14 10 CAPÍTULO 2 2. METODOLOGIA Nesta pesquisa foram utilizados fichamentos e resumos dos materiais coletados com posterior análise crítica, pesquisa bibliográfica, artigos, periódicos, coleta de dados que deverão ser representativas e suficientes para apoiar as conclusões deste estudo, viabilizando discussões acerca do assunto por parte da proponente da pesquisa. As informações coletadas para realização deste trabalho foram dados obtidos através do levantamento bibliográfico, que consistem em informações obtidas através de pesquisa científica e base de dados consultadas em vários órgãos e instituições no Brasil com o objetivo de embasar e trazer novos conhecimentos para este trabalho. A técnica utilizada para esta pesquisa está direcionada para o campo bibliográfico, por almejar a construção de conhecimentos para aplicação prática entre agentes envolvidos (VERGARA, 2003). Sua abordagem é da ordem qualitativa, esclarecendo a impossibilidade em traduzir em números a união entre sujeito e a realidade vivenciada, dessa forma, a relação inseparável que se estabelece entre subjetividade do ser humano e o mundo concreto, propriamente dito. E também por compreender que a pesquisa qualitativa tem a naturalidade como fonte de dados e o pesquisador como seu principal instrumento. (BOGDAN e BIKLEN e LUDKE e ANDRE, 1986, P. 11). Baseado nos objetivos gerais esta pesquisa pode ser identificada como bibliográfica caracterizada pelo seu modelo conceitual e metodológico e embasada em respostas para questionamentos prévios, aplicada com base em determinados métodos e procedimentos. Os passos para obtenção de informações e realização do trabalho consistiram, inicialmente, em um levantamento bibliográfico de publicações que tratam de temas como consumo de gás natural, recursos naturais, fontes de energia.

15 O foco deste trabalho direciona-se no mercado de gás natural residencial em Salvador, são contemplados os números de clientes residenciais que utilizam gás natural, bem como uma análise da representatividade desses números o que eles para esta pesquisa. 11 A pesquisa teve suporte em noções de engenharia, através de conceitos dos autores: Abreu (1999), Turdera (1997), Alveal (1997) entre outros. Com base nesses conceitos, observa-se a importância desse recurso natural, onde o cenário energético atual aponta para o crescimento da utilização do gás natural, seu crescimento vem sendo comprovado pela evolução gradual e constante dos volumes de gás natural na matriz energética nacional.

16 12 CAPÍTULO 3 3. GÁS NATURAL: CONCEITO Pela lei vigente no Brasil número 9.478/97 (Lei do Petróleo), o gás natural (GN) "é a porção do petróleo que existe na fase gasosa ou em solução no óleo, nas condições originais de reservatório, e que permanece no estado gasoso em CNTP (condições normais de temperatura e pressão). A Lei ainda acrescenta que o gás natural (GN) consiste numa mistura com componentes de hidrocarbonetos leves que, em situações normais de pressão e temperatura, apresenta-se no estado gasoso. No meio natural, o mesmo é encontrado em aglomerados de rochas porosas no subsolo (terrestre ou marinho), e normalmente acompanhado de petróleo. O gás natural está subdividido em duas classificações: associado e não associado. O gás natural associado consiste naquele encontrado em um reservatório, acompanhado de petróleo, sendo nesse caso, diluído no óleo ou sob a forma de uma capa de gás, ou seja, uma parte superior da acumulação rochosa, onde a concentração de gás é superior à concentração de outros fluidos como água e óleo. Já o gás não associado é aquele que, num recipiente, está livre do óleo e água, ou se encontram em concentrações muito baixas. No ambiente natural, em meio às rochas porosas, a concentração de gás é predominante, possibilitando a produção basicamente de gás. O gás natural compõe-se principalmente de metano, etano, propano e, em proporção amenizada, de outros hidrocarbonetos de maior peso molecular. Nessa composição, sobressai, principalmente, o metano (CH4). Geralmente, o gás natural apresenta reduzidos teores de impurezas como nitrogênio (N2), dióxido de carbono (CO2), água e compostos de enxofre.

17 A composição do gás natural pode variar, de campo para campo, o que é consequência de ele estar associado ou não ao óleo e de ter sido ou não processado em unidades industriais. 13 No Brasil as características e propriedades do gás natural direcionado ao consumo são reguladas, pela Portaria n o. 41, de 15 de abril de 1998, da Agência Nacional de Petróleo (ANP). O gás distribuído enquadra-se, normalmente, no Grupo M (médio), abaixo a tabela 01 salienta essas especificações detalhadamente: Tabela 1 Especificações do Gás Natural Conforme Tabela 1, existe todo um cuidado para manuseio do gás natural, pois o mesmo é inodoro, incolor, inflamável e asfixiante quando aspirado em concentrações elevadas. Dessa maneira, para facilitar sua identificação em situações de vazamento, componentes à base de enxofre são adicionados ao gás em concentrações suficientes para lhe dar um cheiro marcante; esse processo de extrema importância para o manuseio do GN é conhecido como odorização. Conforme ANP (2002), a produção de gás natural pode ser dividida, conceitualmente, em bruta, perdida e reinjetada e comercializada: a) Produção Bruta: corresponde aos volumes extraídos dos reservatórios; b) Produção Reinjetada: são os volumes dos reservatórios para a recuperação secundária de óleo;

18 c) Produção Perdida: volumes perdidos em qualquer fase da cadeia produtiva dividem-se em produção queimada no próprio campo, por falta de mercado consumidor e/ou investimento em tecnologia; d) Produção Comercializada (consumo geral) corresponde ao total da Produção Bruta menos Produção Reinjetada e Produção Perdida Importância do Gás Natural O gás natural consiste em um combustível fóssil e dessa maneira recurso não renovável, sendo visualizado como uma fonte energética alternativa importante que pode ser utilizada em vários segmentos industriais e outras atividades. As pesquisas mais recentes desse combustível salientam a sua importância e vem ao encontro das atividades econômicas num contexto amplamente globalizado, fato que tem dominado o cenário internacional e nacional, exigindo das áreas produtivas uma postura de contínua busca de maior competitividade. Em contra partida o gás automotivo começa a ser significativo, embora represente somente 1,2% do gás consumido no país. Nas zonas rurais, ocasionado devido à dispersão dos consumidores, enfrenta-se uma maior dificuldade para a inserção do energético que, apresenta um potencial de consumo na área de secagem de grãos, de fumo, além de aquecimento de instalações de aves, entre outros (ABREU, 1999). O autor reforçando a importância do gás natural aborda a questão da cogeração, o mesmo conceitua-o como o processo que permite a produção simultânea de energia elétrica, térmica e a vapor, a partir de uma única fonte de combustível: o gás natural. A Comgás (1999, p.45) aponta este combustível como uma alternativa importante para suprir a escassez de energia:

19 O ganho de eficiência neste sistema proporciona a produção de uma energia elétrica confiável, com baixo custo, ficando a unidade industrial ou comercial independente da qualidade de fornecimento do distribuidor de energia. Fato da maior importância para usuários que necessitam de um abastecimento sempre contínuo e ininterrupto, como os hospitais, hotéis, shopping centers e grandes empreendimentos ou mesmo muitas indústrias. Para um melhor entendimento, uma unidade de cogeração se constitui basicamente de uma unidade motora para mover um alternador que gera energia elétrica utilizável no próprio local de produção, sendo que o excedente na disponibilidade de energia elétrica pode ser transferido para outras redes. 15 Esta energia produzida pode proporcionar uma redução de custos, pois o calor recuperado dos gases de escape produz vapor, ar quente e refrigeração, importantes nos processos industriais. Consequentemente, a refrigeração, utilizando a energia térmica do processo, é obtida através de unidades de absorção cujo custo é menor quando equiparados com unidades convencionais por compressão. A utilidade e importância do gás natural se ampliam em vários âmbitos, mas esta pesquisa pretende abordar de maneira mais enfática esse item com foco no mercado residencial de Salvador no Estado da Bahia. O gás natural (GN) atualmente representa a terceira maior fonte de energia fóssil primária no mundo, logo após posiciona-se o petróleo e o carvão. Na Primeira Revolução Industrial o carvão teve um importante papel, seguindo do petróleo, que se tornou essencial para o desenvolvimento industrial e tecnológico até a nossa época. Ao longo dos séculos a busca por novas fontes de energia e a otimização de sua aplicabilidade (tanto primárias, quanto secundárias), evoluíram de maneira dantesca, reforçando a necessidade de disponibilidade de fontes energéticas primárias ou à substituição gradual do energético em uso. Com a evolução o carvão substituiu a lenha e durante esse período, a Inglaterra teve no carvão o pivô de sua posição hegemônica do capitalismo de então. Posteriormente, os Estados Unidos e outros países da Europa entraram no processo de industrialização sustentado pelo carvão mineral.

20 Turdera (1997) relata que com o advento da eletricidade e do motor a combustão interna reformula a matriz Energética, isto não somente significou um avanço tecnológico significativo, como direcionou também para uma mudança estrutural na economia mundial, iniciando dessa maneira, a Segunda Revolução Industrial, o que seria primordial o uso em grande escala dos hidrocarbonetos, com foco no petróleo e seus derivados. 16 Com base no autor, vários fatores de caráter técnico, com elevado poder calorífico e de fácil combustão, assim como, econômico com alto lucro oriundo da relação custo/renda, foram primordiais na ascensão e a presença do petróleo e seus derivados como a principal fonte energética mundial. Dessa maneira o gás natural começou a ser inserido sutilmente em vários segmentos do mercado energético. Até os anos 50, a maioria dos países, o considerou como um subproduto da extração de óleo, e descartado nas plataformas por ausência de tecnologia apropriada ou até mesmo por questões econômicas para seu uso. Por volta da década de 70 o preço do petróleo atingiu seu ápice, caindo em 50% na década de 80. Isso levou os países industrializados, extremamente dependentes do petróleo, a repensarem e reestruturarem suas matrizes energéticas (MARTIN, 1990). Com isso, motivou a busca intensa por fontes de energia alternativas, sendo elas renováveis e não renováveis. Essa postura partiu de países europeus: Estados Unidos, Canadá, Japão, Austrália e Nova Zelândia. Alguns outros países em contra partida, resolveram adotar a alternativa nuclear: Bélgica, Japão, Suécia, Grã Bretanha, e a França (MME, 2000). O autor ainda acrescenta que o consumo de gás natural e importância têm evoluído de maneira significativa, principalmente na década atual, sendo em nossos dias um marco no seu desenvolvimento. O mesmo originou-se na Europa Ocidental, onde ocorreu sua descoberta e exploração, estimulando com isso seu uso no próprio país e em seus vizinhos. Sua expansão acentuou-se com as descobertas de GN no sul do Mar do Norte.

21 Segundo estatísticas recentes o gás natural simboliza aproximadamente 35% do combustível utilizado na matriz energética dos países europeus. Nos Estados Unidos, representa 26%, na Argentina, 48,5% e, mesmo no Japão, país importador desse energético, representa 12%. 17 A região andina apresenta significativas reservas de gás natural, isto devido a sua proximidade territorial. Já a Venezuela pode vir a ser um país promissor no fornecimento de GN através do Estado do Amazonas, questão critica por se tratar de espaço ecológico. O Peru também é considerado como possível fornecedor desse energético, a partir da exploração do campo de Camisea. Em nosso país a sua utilização e consumo não são expressivos, representando aproximadamente 3% na matriz energética nacional. Porém, é crescente o interesse na divulgação sobre os benefícios, com foco para as questões econômicas e ambientais, apesar das fases distintas que compõem a cadeia de suprimento de GN ser onerosas. Especificamente no Brasil, aproximadamente 55% das reservas encontra-se em águas profundas e cerca de 70% do total das reservas de gás natural são de origem associado, ou seja, vinculado à produção de óleo, o que limita a sua exploração. Sendo assim, o que caracteriza sua importância e a menor ou maior inserção do gás natural no balanço energético de um país específico é a viabilidade econômica para o acesso ao seu suprimento. Mesmo assim, o fato de estes altos custos, tais como: tecnologia, equipamentos e mão-de-obra especializada, estarem presentes na exploração e produção de petróleo, reduz o montante a ser investido em se tratando de gás natural.

22 18 CAPÍTULO 4 4. GÁS NATURAL NO BRASIL E SUAS VARIAVEIS No Estado do Rio de Janeiro, mais precisamente em 1854 inaugurou-se a iluminação a gás de carvão, em seguida no ano de 1895, Irineu Evangelista de Souza (Barão de Mauá), foi o mentor da construção do primeiro gasômetro do Rio de Janeiro. Logo após, foi criada a Companhia de Gás de Rio de Janeiro, sob controle do grupo anglo-canadense Light, com fornecimento de energia elétrica. Na década de 30, a empresa Light contabilizava consumidores em todo o Estado (TURDERA, 1997). Em São Paulo, o gás foi inserido em 1869 com a criação da São Paulo Gás Company Ltda., de origem e recursos britânicos. No final do século XIX, a São Paulo Gás, sob controle da Light, inicia-se a diversificação do uso do gás, ramificando assim, o fornecimento para a área residencial. Os motivos para essas transformações se deram devido a razões econômicas juntamente à ausência de reservas com dimensões significativas de carvão de boa qualidade, ao rápido desenvolvimento do setor elétrico e à entrada no mercado do gás liquefeito de petróleo (GLP) em formato de botijões (este com custo reduzido para o consumidor e menos intensivo em capital), provocando uma involução do setor em nosso país. No ano de 1959 o governo federal nacionaliza a São Paulo Gás, que se tornara economicamente inviável por causa do elevado preço de GN importado. Em 1969 foi criada a Companhia Municipal de Gás (COMGÁS), sociedade de economia mista, com participação majoritária da Prefeitura de São Paulo. A empresa em 1974 tornou-se estadual, sob o nome de Companhia de Gás de São Paulo. Já no Rio de Janeiro, o governo estadual assumiu Companhia Estadual de Gás - CEG, dando inicio a distribuição de GN em 1983, como matéria-prima para a produção de gás de poder calorífico média em substituição à nafta, assim como combustível na área de suprimento e às indústrias.

23 A Petrobrás (empresa de petróleo nacional) nasceu em 1953, sob a égide de um governo intervencionista, iniciando a política econômica do Estado como instrumento de modelo desenvolvimentista, estatizando, entre outros, o setor energético. 19 Essa medida veio assegurar tanto o fornecimento de gás natural ao setor industrial quanto à integração vertical ao longo de toda a cadeia de suprimento de GN, situação que fora estendida aos grandes consumidores industriais no Rio de Janeiro, gerando conflito institucional entre a CEG e a Petrobrás pela disputa do mercado de distribuição de GN. A empresa Petrobrás iniciou suas atividades com um capital inicial de US$ 165 milhões, herdados da CNP (Companhia Nacional de Petróleo), sendo marcante a sua atuação estratégica. Em seguida, no início da década de 70, a Petrobrás completa a verticalização interna da indústria petrolífera e avança no desenvolvimento da petroquímica, da conglomeração e da internacionalização das suas atividades (ALVEAL et al, 1997). No início a empresa tinha como objetivo o foco no refino do petróleo, o gás natural não possuía papel relevante, sendo consumido pela própria Petrobrás na recuperação de óleo e nas suas refinarias ou sendo queimado nas plataformas marítimas. Com base na regulamentação da ANP, até 1997, predominou o modelo de monopólio estatal da Petrobras na produção e no transporte de gás natural, ficando as distribuidoras estaduais a cargo da distribuição e venda de gás aos consumidores residenciais e industriais. Também existiam casos em que a Petrobrás fornecia gás diretamente a alguns grandes consumidores. Contudo após 1997, a Petrobras perdeu o monopólio sobre o setor e para se adequar à "lei do livre acesso", a Petrobrás se viu obrigada a criar uma empresa para operar seus gasodutos, foi criada então a Transpetro e com a criação de uma Legislação específica (Lei n , de 4 de março de 2009), foram criadas normas para "exploração das atividades econômicas de transporte de gás natural por meio de condutos e da importação e exportação de gás natural" (art. 1º). Eis abaixo os segmentos da Cadeia de gás natural:

24 a) Produtor: Pessoa Jurídica que possui a concessão do Estado para explorar e produzir gás natural em determinados blocos; b) Carregador: Pessoa jurídica que detém o controle do gás natural, contrata o transportador para o serviço de transporte e negocia a venda deste junto às companhias distribuidoras; c) Transportador: Pessoa jurídica autorizada pela ANP a operar as instalações de transporte; d) Processador: Pessoa jurídica autorizada pela ANP a processar o gás natural; e) Distribuidor: Pessoa jurídica que tem a concessão do estado para comercializar o gás natural junto aos consumidores finais (No Brasil a distribuição é monopólio dos governos estaduais); f) Regulador: Figura do Estado representada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis ANP e pelas Agências Reguladoras Estaduais. 20 No Brasil o GN começou a despontar, no início da década de 80, até então, só participava da matriz energética apenas no Nordeste (Recôncavo e Sergipe/Alagoas), utilizado como insumo industrial em algumas plantas de fertilizantes nitrogenados, com combustível da Refinaria Landulfo Alves, Mataripe, e do Pólo Petroquímico de Camaçari/BA e outras poucas indústrias. O Governo Federal através do Programa Nacional de Racionalização do Uso dos Derivados de Petróleo e do gás natural estabeleceu como meta para o ano 2010 uma participação de 12% do GN na matriz energética nacional, percentual considerável se comparados aos 3,0% registrados em 1999 (MME, 2000). No Brasil as reservas de gás natural não obedecem a uma distribuição territorial proporcional, conforme os dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), do total das reservas provadas, 49,45% encontram-se na região Norte/Nordeste, sendo o mais expressivo o estado do Amazonas e da Bahia. A região Sudeste corresponde a 44%, sob a liderança do Rio de Janeiro, este último atende por 87% das reservas provadas de petróleo.

25 Com base em informações do mesmo órgão, no ano de 1999, as reservas medidas de GN no Brasil, somaram 231,2 bilhões de m 3. Esse dado pode ser considerado um marco na evolução das reservas, a descoberta da Bacia de Campos/RJ quadruplicou as reservas no período de , a região sul, sudeste detém atualmente 44% das reservas nacionais, a região norte atende por 18%, e por último o nordeste responde por um significativo 38% (MME, 2.000; ALVEAL et al, 1997). 21 As pesquisas atuais demonstram os seguintes dados de reservas já descobertas: a) As maiores reservas estão situadas na Europa e países da Ex URSS e no Oriente Médio; b) A América Latina possui 7 trilhões de m³ e deste total 364 bilhões de m³ estão distribuídos em reservas brasileiras; c) A Bahia possui 32 bilhões de m³, correspondendo a 63% das reservas do nordeste e 9% das reservas do Brasil; d) A participação do gás natural na Matriz Energética Brasileira de gás natural é de 9% e, dentro deste cenário, a Bahia representa 14,5%. 4.1 Reservas de Gás Natural no Brasil Com base nas informações do site Gásnet, as últimas reavaliações das reservas de gás realizadas em 1998 e a ausência e novas descobertas de médio e grande porte, conduziram as reservas totais de GN a atingir a marca de 409,8 bilhões de m 3, com o decréscimo de 5,9% em relação ao volume de 97.

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, dentre os quais se destacam o metano, o etano e o propano, resultantes

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências.

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Instalações de Gás Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Tipos de Gases: Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: GLP (Gás Liquefeito de Petróleo)

Leia mais

Prevenção de Acidentes com GLP.

Prevenção de Acidentes com GLP. Prevenção de Acidentes com GLP. Data de Publicação: 06/03/2008 Convidamos o nosso visitante, a ler e responder as perguntas abaixo. Ao término desta visita temos a certeza que um dia estas informações

Leia mais

Companhia de Gás de São Paulo

Companhia de Gás de São Paulo Companhia de Gás de São Paulo Autora:Tatiana Helena Marques Orientadora: Profa. Ms. Ana Maria Santiago Jorge de Mello Mestre em Administração de Empresas Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução:

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 10 - Gás Natural. Sorocaba, Abril de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 10 - Gás Natural Sorocaba, Abril de 2015. Terminologia Líquidos de Gás Natural LGN - Hidrocarbonetos

Leia mais

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria?

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria? Sumário 1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5 2. O que é, ou Inspeção de Autovistoria? 6 3. Qual a diferença entre manutenção e inspeção? 6 4. Quem faz manutenção e quem

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS 2 Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem

Leia mais

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS

PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS SEMINÁRIO SOBRE GÁS PRINCIPAIS TÓPICOS INTRODUÇÃO DEFINIÇÕES PRODUÇÃO TRANSPORTE PLANTAS DE PROCESSAMENTO APLICAÇÕES NOVAS TECNOLOGIAS Introdução Consumo Percentual de Energia Primária no Mundo 1974 1998

Leia mais

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas,

A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, A Companhia Energética Manauara é proprietaria de uma Usina Termelétrica, situada em Manaus, no Estado do Amazonas, na Rodovia AM-010 KM-20. A Manauara nasceu do desejo de contribuir para um país mais

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO

ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS ORIENTAÇÕES PARA O USO DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO (GLP) EM EDIFICAÇÕES CLASSIFICADAS COMO PROCEDIMENTO SIMPLIFICADO Belém 2014 / Versão

Leia mais

Breve Panorama do Gás Natural no Brasil

Breve Panorama do Gás Natural no Brasil Breve Panorama do Gás Natural no Brasil WAGNER MARQUES TAVARES Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos NOVEMBRO/2009 Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo 2 SUMÁRIO

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

A Expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural da Comgas

A Expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural da Comgas A Expansão da Rede de Distribuição de Gás Natural da Comgas Marcelo Menicucci Esteves Diretor de Suprimentos e Projetos de Energia São Paulo - 11/11/2004 Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e

Leia mais

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado Parâmetros para o correto uso do gás canalizado 2 Os parâmetros para utilização adequada do gás canalizado encontram-se no Decreto Estadual 23.317/97 que aprova o Regulamento de Instalações Prediais -

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 576, DE 1999 PARECER REFORMULADO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 576, DE 1999 PARECER REFORMULADO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, MEIO AMBIENTE E MINORIAS PROJETO DE LEI Nº 576, DE 1999 PARECER REFORMULADO Proíbe a instalação de aquecedores a gás no interior de banheiros. Autor: Deputado Simão Sessim

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J.

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J. Instalações prediais de gases combustíveis água quente Construção de Edifícios 5 Arquitetura e Urbanismo FAU USP J. Jorge Chaguri Jr Para que gás? Principais Normas NBR 15526 NBR 13103 Edifícios prumada

Leia mais

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo aquecedor sob a ótica do usuário final Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques 1 1. Objetivo O presente estudo visa comparar financeiramente,

Leia mais

GENERALIDADES. Versão 2014 Data: Março / 2014

GENERALIDADES. Versão 2014 Data: Março / 2014 2 GENERALIDADES Versão 2014 Data: Março / 2014 2.1. Principais características... 2.3 2.1.1. Poder calorífico superior (PCS)... 2.3 2.1.2. Poder calorífico inferior (PCI)... 2.3 2.1.3. Densidade relativa...

Leia mais

INSTITUCIONAL. Versão 2014 Data: Março / 2014

INSTITUCIONAL. Versão 2014 Data: Março / 2014 1 INSTITUCIONAL Versão 2014 Data: Março / 2014 1.1. A COMGÁS... 1.3 1.1.1. A empresa... 1.3 1.1.2. COMGÁS: uma combinação de competências e princípios... 1.3 1.1.3. COMGÁS: área de concessão... 1.3 1.1.3.1.

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

Congresso Minas Petro

Congresso Minas Petro Belo Horizonte / MG - 25 e 26 de Outubro Congresso Minas Petro IX Congresso de Postos Revendedores de Combustíveis de Minas Gerais Painel de Debates sobre Perspectivas da Revenda diante da nova Matriz

Leia mais

Projeto de Rede Telefônica

Projeto de Rede Telefônica Projeto de Rede Telefônica Prof. Manoel Henrique Sequencia Definições e materiais. Caixas de distribuição Blocos de terminais Caixas de passagem Tubulação Entrada Primária Secundária Cabos telefônicos

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis Capítulo 2 Caracterização dos gases Combustíveis 1 Caracterização dos gases combustíveis... 1 2 Principais características dos gases... 2 2.1 Gases da 1ª família gás de cidade... 2 2.2 Gases da 2ª família

Leia mais

Água Quente: Objetivos de Projeto

Água Quente: Objetivos de Projeto Água Quente: Objetivos de Projeto FINALIDADE DO USO E TEMPERATURA ADEQUADA Hospitais e laboratórios : 100 C ou mais Lavanderias : 75 a 85 C Cozinhas : 60 a 70 C Uso pessoal e banhos : 35 a 50 C MODALIDADES

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados)

Anexo 4 - Projeção de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) Anexo 4: Demanda de Eletricidade 1 Anexo 4 - de Demanda de Energia e da Geração Elétrica em Unidades de Serviço Público (Resultados) O Conceito de Energia Equivalente As fontes energéticas classificadas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA Nº 118, DE 11.7.2000 - DOU 12.7.2000 Regulamenta as atividades de distribuição de gás natural liqüefeito (GNL) a granel e de construção,

Leia mais

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia

20 de agosto de 2013. Xisto muda geopolítica da energia 20 de agosto de 2013 Xisto muda geopolítica da energia A "revolução do xisto" em curso nos Estados Unidos, que já despertou investimento de US$ 100 bilhões na indústria americana, vai resultar em uma nova

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Cogeração Motores a Gás e Diesel

Cogeração Motores a Gás e Diesel Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º Ano, 2º Semestre Gestão de Energia 2002/2003 Cogeração Motores a Gás e Diesel Afonso Oliveira,

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis. Portaria nº 308/12 DOU 06/03/12

Norma Regulamentadora NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis. Portaria nº 308/12 DOU 06/03/12 Norma Regulamentadora NR 20 Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis Portaria nº 308/12 DOU 06/03/12 Entrou em vigor na data de sua publicação exceto para os itens com prazos diferenciados.

Leia mais

SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP. Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP

SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP. Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP SEGURANÇA COM GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP Fernando Vieira Sobrinho Fundacentro/SP O GLP é basicamente uma mistura de propano e butano e sua composição é função de disponibilidade dos gases nas refinarias.

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

CASE. Título Tecnix OPSO - Economia em Sistemas de Regulagem de Pressão em Instalações Residenciais de Gás Combustível. Categoria INFRAESTRUTURA

CASE. Título Tecnix OPSO - Economia em Sistemas de Regulagem de Pressão em Instalações Residenciais de Gás Combustível. Categoria INFRAESTRUTURA CASE Título Tecnix OPSO - Economia em Sistemas de Regulagem de Pressão em Instalações Residenciais de Gás Combustível Categoria INFRAESTRUTURA SINOPSE O Brasil apresenta historicamente uma forte dependência

Leia mais

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias:

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias: ,1752'8d 2 O gás natural é composto, principalmente, de metano (até 98%) e por alguns hidrocarbonetos de maior peso molecular (de C 2 a C 6 ) além dos diluentes N 2 e CO 2. Com o uso crescente de petróleo

Leia mais

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país

Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Capítulo 8 Quanto maior o desenvolvimento econômico de um país Maior é o consumo de energia: -Economia dinâmica; - Elevado padrão de consumo da população Aumento da capacidade produtiva Aumento do consumo

Leia mais

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho.

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho. AULA 11 SISTEMA PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 1. Conceito e classificação O sistema de água quente em um edificação é totalmente separado do sistema de água-fria. A água quente deve chegar em todos os pontos

Leia mais

Porto Alegre, 19 de agosto de 2.004 - ABINEE TEC SUL. A Energia do Futuro Mais Perto de Você!

Porto Alegre, 19 de agosto de 2.004 - ABINEE TEC SUL. A Energia do Futuro Mais Perto de Você! Porto Alegre, 19 de agosto de 2.004 - ABINEE TEC SUL A Energia do Futuro Mais Perto de Você! SULGAS Estrutura Acionária 49% PETROBRAS Capital Social 51% RS Histórico da SULGAS Até 1988 distribuição e comercialização

Leia mais

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico

Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico Os perigos do Gás G s Liquefeito de Petróleo (GLP) e a segurança no uso doméstico José Possebon 20/10/2010 Características do GLP O GLP normalmente é uma mistura de propano e butano e sua composição é

Leia mais

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 Nº RD e Data de aprovação: PÁGINA : SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 CÓDIGO : GECOM/D.C. - 01 TÍTULO DA NORMA : SUBSTITUI : SISTEMA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA 1. PROPÓSITOS: Estabelecer

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013

Energia e Processos Industriais. Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia e Processos Industriais Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Energia Estimativas Emissões GEE 1970-2013 Equipe Técnica André Luís Ferreira David Shiling Tsai Marcelo dos Santos Cremer Karoline Costal

Leia mais

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada.

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos Clima Rio 23 de Maio de 2006 Tópicos da Apresentação

Leia mais

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de modo a

Leia mais

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014 5 DIMENSIONAMENTO Versão 2014 Data: Março / 2014 5.1. Parâmetros para o dimensionamento... 5.3 5.1.1. Escolha de parâmetros... 5.3 5.1.2. Tipologia construtiva da instalação predial... 5.3 5.1.3. Pressão

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam.

Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a Central Predial de Gás Liqüefeito de Petróleo do Distrito Federal, que especificam. DODF Nº 237 de 14 de dezembro de 2000. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 68/2002-CBMDF, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2002 Aprova Alterações na Norma Técnica nº 005/2000-CBMDF, sobre a

Leia mais

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA ! "#$ " %'&)(*&)+,.-/10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.-C)D5.,.5FE)5.G.+ &4-(IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.-D-;./);.& A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 46 - Janeiro 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...4. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 46 - Janeiro 2012 Sumário...4 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

Soluções Energéticas para o seu negócio

Soluções Energéticas para o seu negócio Soluções Energéticas para o seu negócio Gas Natural Serviços Qualidade e eficiência em soluções energéticas O grupo Gas Natural Fenosa O grupo Gas Natural Fenosa é líder no mercado de gás e eletricidade

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO PARA AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO.

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO PARA AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

14/10/2011 IBP Rio de Janeiro - RJ

14/10/2011 IBP Rio de Janeiro - RJ Projeções Sindigás Usos Restritos 14/10/2011 IBP Rio de Janeiro - RJ Observância às normas concorrenciais Todas as atividades desenvolvidas no âmbito do Sindigás obedecem às normas previstas no seu MANUAL

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5628/99 O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5628/99 Altera disposições da Lei nº 3.377, de 23 de julho de 1984, referentes à implantação de postos de revenda de Gás Liquefeito de Petróleo GLP e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...03. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 50 - Julho 2012

Sumário. Expediente. Estatísticas e Mercado...03. Relatório ABEGÁS - Mercado e Distribuição Ano VI - Nº 50 - Julho 2012 Sumário...03 Expediente Conselho Deliberativo ABEGÁS - Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado Presidente: Luis Domenech Vice-Presidente: Aldo Guedes Conselheiros: Bruno Armbrust,

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS // ABRALISO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS // ABRALISO ABRALISO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE LÃS ISOLANTES MINERAIS ABRALISO É uma organização que representa os fabricantes nacionais de lãs isolantes minerais, basicamente lã de vidro e lã de rocha.

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

Aquecimento alternativo

Aquecimento alternativo 34_Aquecedor domestico.qxd 17/11/2004 16:34 Page 90 AQUECEDOR DOMÉSTICO DE ÁGUA Divulgação Abrava/DASol Aquecimento alternativo Popularizar o produto é um dos objetivos do setor para 2005 Atualmente podemos

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO!

GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO! 14º Encontro de Energia FIESP Matriz Segura e Competitiva Luis Henrique Guimarães São Paulo, 5 de agosto de 2013 1 AGENDA Princípios que norteiam a apresentação O que é Preço

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais