Rafael Trapp. Um Processo de Gerenciamento de Configuração para Desenvolvimento de Sistemas ERP Multi-Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rafael Trapp. Um Processo de Gerenciamento de Configuração para Desenvolvimento de Sistemas ERP Multi-Empresas"

Transcrição

1 Rafael Trapp Um Processo de Gerenciamento de Configuração para Desenvolvimento de Sistemas ERP Multi-Empresas Joinville 2009

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Rafael Trapp UM PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ERP MULTI-EMPRESAS Trabalho de conclusão de curso submetido à Universidade do Estado de Santa Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Ciência da Computação Orientador: Doutor, Edson Murakami Joinville 2009

3 Rafael Trapp UM PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ERP MULTI-EMPRESAS Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado para a obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação e aprovado em sua forma final pelo Curso de Ciência da Computação Integral CCT/UDESC. Banca Examinadora: Orientador: Doutor, Edson Murakami Membro: Doutor, Claudiomir Selner Membro: Mestre, Salvador Antônio dos Santos Joinville, de de 2009

4 Resumo Mudanças são intrínsecas no desenvolvimento de software. No desenvolvimento de sistemas ERP as mudanças são intensificadas devido às mudanças de legislação, que têm restrições de prazo e ocorrem com freqüência, além das mudanças de regras de negócio e solicitações de novas funcionalidades por parte do cliente. Portanto a adoção de boas práticas de Gerenciamento de Configuração se torna imprescindível. Neste trabalho é apresentada uma proposta de um processo de gerenciamento de configuração com escopo reduzido a controle de versão de código fonte que foi implantado na Microvix, uma empresa desenvolvedora de sistemas ERP, a fim de garantir a integridade do código e controlar distribuição de versões do produto. Esse processo é baseado no fluxo de trabalho GCS do RUP e na área de processo GCS do CMMI. Palavras-chaves: Controle de Versão, ERP, Gerenciamento de Configuração de Software

5 Abstract Changes are inherent in software development. In development of ERP systems, changes are intensified by changes in legislation, which have restrictions of time and occur frequently, changes in business rules and custumers requests for new features. Therefore the adoption of best practices of Configuration Management becomes essential. This work presents a proposal for a Configuration Management process that was implemented in MICROVIX, an ERP software developer company, to ensure the integrity of the code and to control the distribution of product versions. This process is based on RUP SCM workflow and CMMI specifications in SCM. Keywords: version control, ERP, Software Management Control

6 Lista de Figuras Figura Ciclo de vida de sistemas ERP (SOUZA; ZWICKER, 2000)...15 Figura Comparativo entre o modelo tradicional e o modelo Application Service Provider (MICROVIX, 2007)...16 Figura Fluxo simplificado do processo de desenvolvimento de uma OS...18 Figura Exemplo do desenvolvimento de uma OS com relação às pastas dev e qualidade...20 Figura Exemplo de um cenário do Microvix ERP para extração de funcionalidade para publicação extra...23 Figura Qualidade no ciclo de vida do software (ISO/IEC 9126)...26 Figura Modelo típico de atividades de GCS (OFFICE GOVERNMENT COMMERCE, 2007, p.85)...28 Figura Tópicos do GCS abordados pelo SWEBOK. Traduzido de (IEEE, 2004)...30 Figura Modelos dos componentes do CMMI...31 Figura Visão geral do RUP (RATIONAL, 2001)...33 Figura Fluxo de trabalho de Gerenciamento de Configuração e Mudança. Modificado de ( RATIONAL, 2001)...34 Figura Gráfico de evolução de um sistema...36 Figura Compartilhamento de itens de configuração...37 Figura Problema do compartilhamento de arquivos...38 Figura Modelo Lock-Modify-Unlock...40 Figura Modelo Copy-Modify-Merge (parte 1)...42 Figura Modelo Copy-Modify-Merge (parte 2)...43 Figura Funcionalidades do Subversion a partir da ferramenta TortoiseSVN...48 Figura Fluxo de trabalho geral para o processo Figura Planejar as Atividades de GC...55 Figura Alterar e Liberar ICs...57 Figura Alterar e Liberar ICs...61 Figura Gerenciar Configurações Base...62 Figura Estrutura do repositório...66 Figura Código-fonte versionado...76 Figura 6.2 Repositório...76 Figura 6.3 Cópias de trabalho no servidor...77 Figura 6.4 Log do TortoiseSVN e parte da análise da OS Figura 6.5 Status da OS após término de suas atividades

7 Figura Resultado do questionário de avaliação do processo implantado...81 Figura Tendência de versões controladas e não controladas de acordo com o processo antigo 84 Figura Tendência de versões controladas e não controladas de acordo com o novo processo..84 7

8 Lista de Abreviaturas BD Banco de dados CMMI Capability Maturity Model Integrated COBIT Control Objetives for Information and related Tecnology CVS Concurrent Versions System ERP Enterprise Resource Planning GC Gerenciamento de Configuração GCS Gerenciamento de Configuração de Software ISACF Information Systems Audit and Control Foundation ITGI Information Technology Governance Institute ITIL Information Technology Infrastructure Library MCT Ministério da Ciência e Tecnologia OCG Office of Government Commerce RUP Rational Unified Process SCM Software Configuration Management TI Tecnologia da Informação 8

9 Lista de Tabelas 5.1 Responsabilidades e autoridades de cada papel Correlação entre as práticas apresentadas neste trabalho e as práticas do CMMI-dev Cronograma do planejamento para implantação do processo Checklist preenchido de acordo com a auditoria da OS Não conformidades das demais OS's auditadas

10 Sumário Lista de Figuras 6 Lista de Abreviaturas 8 Lista de Tabelas 9 1 Introdução Objetivos Estrutura do Trabalho Microvix ERP Sistemas ERP Apresentação do sistema Microvix ERP Processo de desenvolvimento atual Repositórios e compartilhamento de arquivos Releases Controle de versão no Microvix ERP Problemas Correção de erro no ambiente de produção Publicação extra Gerenciamento de Configuração de Software Abordagens de GCS COBIT ITIL SWEBOK CMMI MPS.BR RUP Controle de versão O problema do compartilhamento de arquivos Modelos de versionamento Solução Lock-Modify-Unlock Solução Copy-Modify-Merge Sistemas de Controle de Versão

11 GNU Arch ClearCase CVS Subversion Subversion x CVS Justificativa da escolha do Subversion Principais funcionalidades do Subversion Update Commit Merging e resolução de conflitos Branch Tag Número de revisão Trabalhos Correlatos Processo de Controle de Versão de código do Microvix ERP Responsabilidade e autoridade Visão Geral do Processo Planejar as Atividades de GC Desenvolver OS de Customização Desenvolver OS de Exceção Desenvolver OS de Configuração Gerenciar Configurações Base Políticas de GC Repositório Identificação de IC's e Configuração base Rastreamento dos itens de configuração Update / Commit (Check-out / Check-in) Softwares utilizados Treinamento Considerações do capítulo Resultados da implantação Planejamento Grau de fidelidade Resultados da auditoria...74

12 Análise qualitativa Planejamento Resultados da pesquisa Número de versões controladas Considerações Conclusões Trabalhos futuros...88 REFERÊNCIAS...89 APÊNDICE...92 APÊNDICE A - Questionamento para avaliação do processo...93 APÊNDICE B Checklist para auditoria do processo...94 APÊNDICE C Tabela para controle de OS's de exceção publicadas...96

13 13 1 Introdução Quase todo tipo de software sofre mudanças durante sua fase de desenvolvimento objetivando a melhora da qualidade do software. As mudanças podem buscar diferentes resultados como correção de bugs, melhora de desempenho, agregação de novas funcionalidades, entre outros. Por isto que software não é visto como um produto acabado e sim como um processo, que deve estar em constante aperfeiçoamento. Tantas mudanças durante o desenvolvimento de software causam confusão que prejudicam a produtividade. Para Babich (1986), a arte de coordenar o desenvolvimento de software para minimizar a confusão é denominada Gerenciamento de Configuração. Ainda complementa que é a arte de identificar, organizar e controlar as modificações no software que está sendo construído por uma equipe de programação em que a meta é maximizar a produtividade minimizando-se os erros. O Gerenciamento de Configuração de Software (Software Configuration Management SCM) é aplicado para identificar e controlar a mudança, garantir que ela esteja sendo adequadamente implementada e relata-la a outras pessoas que possam ter interesse nela (PRESSMAN, 2002). COBIT (Control Objetives for Information and related Tecnology), que é um guia para gestão de TI recomendado pelo ISACF (Information Systems Audit and Control Foundation) e o ITIL, um modelo de referência de governança de TI disponibilizada pela OCG (Office of Government Commerce), destacam a importância da utilização de boas práticas de GCS em organizações ou departamentos de TI. Em sistemas ERP em particular, as mudanças ocorrem com bastante freqüência. Além dos motivos comuns de outros tipos de software, sistemas ERP contam com fatores decorrentes de mudança de legislação, alteração nas regras de negócio do cliente e solicitações de novas funcionalidades por parte do cliente. Um sistema ERP precisa estar de acordo com a legislação vigente de um determinado país, estado e/ou município. Assim, criação de novos impostos, ajuste de alíquotas e mudanças de demais normas tributárias forçam os sistemas ERP a se adaptarem a elas. Além disso, sistemas ERP são fortemente atrelados às necessidades dos clientes e, na maioria dos casos, o sistema tem que se adaptar ao negócio e não o contrário. Desta forma, mudanças nas regras de negócio do cliente geram diretamente mudanças do sistema ERP. Por último, clientes podem solicitar novas funcionalidades no sistema a fim de atender a novos interesses. Por exemplo, o cliente pode ampliar a utilização do ERP a mais setores da empresa ou requerer uma rotina que aumente o nível de automação de um determinado processo ou simplesmente solicitar algo ainda não contemplado pelo sistema. Isso acaba gerando diversas versões do sistema ERP e exigindo maior esforço no controle do código distribuído aos clientes.

14 14 A Microvix é uma empresa de Joinville, desenvolvedora de sistemas ERP para web, que não conta com um processo de GCS formalizado para controlar o processo de desenvolvimento de seu sistema ERP. Com o objetivo de definir um processo para esta empresa e com base no contexto apresentado, a proposta deste trabalho é definir um processo GCS com escopo reduzido a controle de versão de código para o Microvix ERP baseado nas práticas da área de processo de Gerenciamento de Configuração do modelo CMMI-dev versão 1.2 e no fluxo de trabalho GCS do RUP, aplicá-lo na empresa e analisar os resultados. Controle de versão é a sub-área do Gerenciamento de Configuração de Software responsável por registrar, identificar e controlar as mudanças sofridas pelos itens de configuração. Este processo será aplicado em um estudo de caso para validação e melhoria do processo. 1.1 Objetivos Objetivo Geral: Definir um processo de controle de versão de código para desenvolvimento de Sistemas ERP com múltiplos clientes. Os objetivos específicos são listados abaixo: Determinar problemas decorrentes da não utilização de um processo de controle de versão; Definir técnicas de controle de versão para atender as necessidades de sistemas ERP; Definir ferramentas de controle de versão; Testar o processo elaborado com base em um caso de uso real; Documentar o processo. 1.2 Estrutura do Trabalho Esta monografia está organizada da seguinte forma: no capítulo 1 é introduzido o tema; no capítulo 2 é abordada a problemática, descrevendo o cenário que envolve o desenvolvimento de software ERP e, mais especificamente do Microvix ERP; no capítulo 3 são expostos os conceitos gerais e são abordadas as definições, conceitos e contextualização de controle de versão dentro da área de GCS, além de relatadas as ferramentas de controle de versão e suas funcionalidades; no capítulo 4 são apresentados os trabalhos correlatos; no capítulo 5 é exposta a proposta de processo de controle de versão de código do Microvix ERP; no capítulo 6 são apresentados os resultados da implantação; no capítulo 7 são realizadas as conclusões do trabalho; por fim são apresentadas as referências.

15 15 2 Microvix ERP Neste capítulo serão apresentadas questões relevantes que envolvem o software Microvix ERP, com ênfase em seu processo de desenvolvimento. As questões levantadas neste capítulo serviram de base para a definição do processo apresentada no capítulo Sistemas ERP Os sistemas ERP são sistemas de informação integrados, comercializados como pacotes de software e tem por objetivo dar suporte à maioria das operações de uma empresa. Segundo Markus e Tanis (2000), são pacotes comerciais que permitem a integração de dados provenientes dos sistemas de informação transacionais e dos processos de negócios ao longo de uma organização. Um estudo realizado por Souza e Zwicker (2000) mostra que processos de ajustes em um sistema ERP são inevitáveis, sendo eles os processos de adaptação, parametrização, customização e atualização. Adaptação é o processo em que um sistema é implantado em uma empresa e onde observam-se as discrepâncias entre o pacote ERP e as necessidades da empresa. Parametrização compreende a eliminação de certas discrepâncias por meio da configuração de parâmetros préexistentes no pacote. Por outro lado, quando não é possível a resolução de discrepâncias por meio de parâmetros, elas são resolvidas através de mudanças no sistema ERP, caracterizando-se as customizações. Ainda tem o processo de atualização, que consiste na criação de novas funcionalidades e correções de erros. Além disso, o estudo aborda as principais etapas do clico de vida de um sistema ERP. Este ciclo pode ser visualizado na figura 2.1, contemplando as etapas de decisão e seleção, implementação e utilização. Para este trabalho, são relevantes as etapas de implementação e utilização, pois evidenciam o cenário de constantes mudanças no desenvolvimento de um sistema ERP.

16 16 Figura Ciclo de vida de sistemas ERP (SOUZA; ZWICKER, 2000). A fase de implementação de um sistema ERP pode ser definida como o processo pelo qual os módulos do sistema são colocados em funcionamento em uma empresa. Assim que os módulos são parametrizados, os dados são migrados, os usuários treinados e demais ajustes são feitos, o sistema passa para a etapa de utilização. Na etapa de utilização, o sistema está em uso atendendo as operações rotineiras da empresa. Uma característica observada é que, na maioria dos casos, somente após esta etapa é possível vislumbrar novas alternativas e possibilidades de uso do sistema ERP na empresa. Desta forma a etapa de utilização realimenta a etapa de implementação com novas necessidades que possivelmente serão atendidas por novos módulos e com a alteração de parâmetros já estabelecidos do sistema em uso. Todo esse contexto complexo de mudanças que envolvem os sistemas ERP revela mais um motivo para a implantação de um processo de controle de versão de código. Nas seções seguintes são apresentadas questões relevantes do Microvix ERP. 2.2 Apresentação do sistema Microvix ERP O Microvix ERP foi lançado em 2001, sendo o primeiro ERP nacional totalmente baseado em

17 17 ambiente web. Este modelo de aplicação, conhecido como Application Service Provider, possui diversas vantagens em relação ao modelo tradicional, como menores custos de operação, menores custos com equipamentos, maior nível de segurança (fornecido pelo próprio datacenter), entre outros. Porém, o maior diferencial desta abordagem é a possibilidade de acessar o sistema a partir de qualquer dispositivo conectado a Internet que possua um navegador web. Uma comparação entre este modelo e o modelo tradicional pode ser visto na figura 2.2. Figura Comparativo entre o modelo tradicional e o modelo Application Service Provider (MICROVIX, 2007). O sistema é desenvolvido nas linguagens ASP 3.0 e Java. A apresentação dos dados é toda feita em HTML, em conjunto com JavaScript para processamento no lado do cliente. O sistema é divido em módulos, os quais representam as diversas atividades executadas por uma empresa. Os principais módulos são: CRM: utilizado para gerenciamento do cadastro de clientes e fornecedores. Também dispõe de diversas ferramentas para gestão do relacionamento com clientes; Faturamento: contempla a parte de Orçamento/Pedido, Emissão de Nota Fiscal, Comissões, Royalties entre outros recursos. Conta com diversos relatórios gerenciais para um completo controle de vendas; Contabilidade: é o núcleo do ERP gerando e utilizando integrações em todos os demais módulos. Também existem alguns recursos que tornam o sistema financeiro mais simples e prático para uso, mesmo por usuários que não tenham conhecimentos avançados sobre contabilidade; Serviços: abrange a Prestação de Serviços e Faturamento de Ordens de Serviços. Conta com diversos relatórios gerenciais para um completo controle de prestação de serviços; Estoque: permite controlar a disponibilidade e movimentações de todos os produtos da empresa.

18 18 Hoje em dia existem duas distribuições distintas, o Microvix ERP para indústria e o Microvix ERP para varejo. 2.3 Processo de desenvolvimento atual O desenvolvimento do Microvix ERP é dirigido pelo conceito de ordens de serviços (OS s). Uma ordem de serviço nada mais é que a descrição detalhada de uma alteração a ser realizada no software. Existe uma série de formalidades para a criação de uma OS, mas a explicação deste fluxo não faz parte do escopo deste trabalho. O que interessa é o que acontece depois que uma OS é criada. O fluxo representado pela figura 2.3 mostra este processo de forma simplificada. Primeiramente é importante diferenciar os três tipos de OS s existentes: customização, exceção e de configuração. A OS de customização é a agregação de uma nova funcionalidade ou modificação de uma existente no sistema. As OS s de customização tem por finalidade atender a novas necessidades dos clientes ou melhorar em algum aspecto as funcionalidades já existentes. A OS de exceção é criada quando há algum erro no sistema ERP que está no ambiente de produção. Existem erros que afetam apenas determinadas releases (ou versões, no ambiente de produção) e até mesmo erros que afetam apenas alguns clientes específicos, quando os erros são gerados a partir de uma certa configuração de parâmetros. A OS de configuração não exige nenhuma alteração no código-fonte do sistema pois, como o próprio nome diz, o serviço corresponde apenas a uma configuração. Tratam-se de alterações realizadas no banco de dados.

19 19 Figura Fluxo simplificado do processo de desenvolvimento de uma OS Repositórios e compartilhamento de arquivos Atualmente o repositório do Microvix ERP nada mais é do que uma pasta específica no servidor interno. Existe um repositório para o Microvix ERP para varejo e uma para o Microvix ERP para indústria, ambos independentes entre si. O repositório do sistema para varejo é divido nas pastas dev e qualidade e para indústria em i-dev e i-qualidade. Nas pastas dev e i-dev é feito o compartilhamento dos arquivos dos respectivos projetos de forma que todos os programadores têm acesso simultâneo a todos os arquivos. Nessas pastas são realizadas as alterações referentes as OS s recebidas, não havendo um controle formal para evitar conflitos. Este controle é feito por meio de comunicação entre os membros da equipe. As pastas qualidade e i-qualidade, por sua vez, são destinadas à realização de testes dos

20 20 sistemas para varejo e indústria, respectivamente. Assim que uma OS é terminada, as alterações correspondentes realizadas sobre os arquivos do dev são repassadas para a pasta qualidade. O mesmo acontece em relação a i-dev e i-qualidade. Quando estão sendo realizados testes na qualidade e i-qualidade, essas pastas são bloqueadas de modo a evitar que novas alterações sejam incorporadas a elas. Se algum erro for detectado nos testes, o responsável pelo desenvolvimento da OS é notificado para que corrija o erro no dev ou i-dev e repasse a alteração novamente para a qualidade ou i-qualidade. Um exemplo desse processo pode ser visto na figura 2.4.

21 21 Figura Exemplo do desenvolvimento de uma OS com relação às pastas dev e qualidade.

22 Releases O Microvix ERP é disponibilizado aos seus clientes no formato de release. Releases são versões de software constituídas por um conjunto de novas funcionalidades que são liberadas aos clientes. A Microvix lança releases para o Microvix ERP a cada período de aproximadamente quatro meses. Os clientes podem optar por recebê-las ou manter as sua versões correntes. Na data da realização deste trabalho o Microvix ERP, na sua distribuição para o varejo, contava com cinco versões diferentes no ambiente de produção e, na sua distribuição para a indústria, com três versões. Além disto, ambas as modalidades do sistema sempre estão em processo de desenvolvimento para lançamento de um próximo release Controle de versão no Microvix ERP Atualmente não se faz uso de um processo formal e documentado de controle de versão. O que é feito é um backup diário do conteúdo das pastas dev, i-dev, qualidade e i-qualidade, permanecendo armazenado por no mínimo trinta dias. Isto significa que é possível retornar a versões anteriores, apesar de exigir um ajuste manual da nova versão e poder ocasionar perda de algumas alterações realizadas no período. Outra questão decorrente da ausência de um processo de controle de versão é que não existem armazenadas no repositório as versões anteriores do sistema que estão rodando nos clientes. Essas versões estão presentes apenas no ambiente de produção. Apesar disso, essas versões apresentam processos de backups oferecidos pelos datacenters em que estão rodando. 2.4 Problemas A não adoção de um processo formal de controle de versão e consequentemente a não utilização de uma ferramenta de controle de versão causa vários problemas. Carneiro (2007) destaca os seguintes problemas gerais: Perda de versões anteriores do projeto; Perda de trabalho decorrente de alterações feitas sobre uma versão antiga e/ou incorreta;

23 23 Dificuldade na manutenção simultânea de diferentes versões do projeto; Perda de trabalho decorrente da concorrência dos membros da equipe por itens de configuração; Dificuldade (ou impossibilidade) na auditoria de alterações dos itens de configuração. Além desses problemas, foram identificados outros problemas específicos do processo de desenvolvimento do Microvix ERP, os quais serão apresentados nas seções seguintes Correção de erro no ambiente de produção Caracterizados por OS s de exceção, os erros detectados no ambiente de produção devem ser corrigidos no próprio ambiente de produção, uma vez que não há replicação do código no servidor interno de desenvolvimento. Depois da correção, a alteração é incorporada a todas as versões da produção que apresentam o erro e também ao repositório interno, onde se encontra o código referente à próxima release a ser lançada. Esta prática causa vários problemas: A correção mal feita pode comprometer o sistema e gerar outros erros, causando desde inconvenientes aos clientes até sérios prejuízos; Se a correção não for repassada para o repositório interno, provavelmente a correção é perdida, pois não há um controle que possibilite identificar este tipo de erro; Acesso ao ambiente de produção por certos programadores é um risco. Erros humanos ou má fé são dificilmente identificados e podem causar problemas; Dificuldade de auditoria e controle de código sobre essas alterações realizadas. Podem existir pequenas diferenças entre versões que teoricamente seriam iguais. Com a implantação do processo descrito no capítulo 5, pretende-se solucionar esses problemas apresentados acima. Isto será possível porque o processo possibilitará controle total sobre o código do cliente que está em produção, acesso restrito ao ambiente de produção a poucos funcionários e testes serão realizados no ambiente de desenvolvimento antes da publicação na produção.

24 Publicação extra A Microvix dispõe de uma situação especial para entrega de novas versões do Microvix ERP que é chamada de publicação extra. Trata-se da publicação de uma funcionalidade específica a determinados clientes antes do release oficial. O problema disto é que esta funcionalidade tem que ser extraída manualmente do repositório que contém a versão mais recente e incorporada a uma versão mais antiga no ambiente de produção. É um serviço delicado e pode causar inconsistências na versão do cliente. Vamos supor a seguinte situação: a versão na pasta qualidade contém as funcionalidades 1, 2 e 3, dispostas em quatro arquivos. Deseja-se fornecer para o cliente x apenas a funcionalidade 1, sendo que sua versão não contém nenhuma das três funcionalidades. Um detalhe importante é que a funcionalidade 1 exerce influência sobre a funcionalidade 2, que por sua vez exerce influência sobre a funcionalidade 3. Este cenário pode ser visto na figura 2.5. O que então precisa ser feito é extrair manualmente a funcionalidade 1 dos arquivos correspondentes, adapta-la para que funcione corretamente sem as funcionalidades 2 e 3 e então publica-las no ambiente de produção do cliente.

25 25 Figura Exemplo de um cenário do Microvix ERP para extração de funcionalidade para publicação extra. A implantação do processo de GCS proposto por este trabalho proporcionará a minimização dos problemas causados pela publicação extra. Com o processo implantado, espera-se uma maior facilidade na identificação das funcionalidades, realização de testes no ambiente de desenvolvimento e um maior grau de semelhança entre o ramo principal de desenvolvimento e o código do cliente.

26 26 3 Gerenciamento de Configuração de Software A implantação de um processo de controle de versões traz diversos benefícios para a empresa desenvolvedora de software, mas no final o objetivo é a redução de custos e a melhora de qualidade do software. O conceito de redução de custos é bastante óbvio, porém o mesmo não se pode dizer das questões que envolvem qualidade de software, que são subjetivas em muitos aspectos, as quais serão exploradas a seguir. Qualidade de software é definida na norma NBR ISO 8402 conforme segue, Qualidade de software é a totalidade das características de uma entidade que lhe confere a capacidade de satisfazer as necessidades explícitas e implícitas. Necessidades explícitas são aquelas estabelecidas por requisitos definidos pelo produtor do software. Esses requisitos estabelecem as condições em que o produto deve ser utilizado, seus objetivos, funcionalidades e o desempenho esperado. As necessidades implícitas são aquelas, que embora não documentadas, são necessárias para o usuário. Entram na classe das necessidades implícitas os requisitos que são óbvios ou requisitos que não foram percebidos no momento em que o software foi desenvolvido e que se não atendidos possam provocar problemas críticos ao sistema. Segundo Pressman(2002, p. 724), qualidade de software é definida como: Qualidade de software é a conformidade a requisitos funcionais e de desempenho explicitamente declarados, a padrões de desenvolvimento claramente documentados e a características implícitas que são esperadas de todo software profissionalmente desenvolvido. Pressman enfatiza três pontos importantes com a definição acima. O primeiro é que os requisitos de software são a base a partir da qual a qualidade é medida e que a falta de conformidade a estes requisitos significa falta de qualidade. Outro ponto é que se padrões especificados que definem um conjunto de critérios de desenvolvimento não forem seguidos o resultado é, quase que seguramente, perda de qualidade. Por fim, sua definição expressa a importância do cumprimento dos requisitos implícitos, que se não respeitados, a qualidade de software também é comprometida. A norma ISO/IEC 9126, intitulada de Engenharia de software - Qualidade do produto destaca as diferentes abordagens para alcançar um produto de qualidade. Na figura 3.1 isto é mostrado no ciclo de vida do software.

27 27 Figura Qualidade no ciclo de vida do software (ISO/IEC 9126). Além disso, o ciclo evidencia a importância da qualidade do processo para se ter um produto final de qualidade. Isto significa que o processo de desenvolvimento é a base de todo ciclo e que todas as etapas posteriores tem dependência direta ou indireta dele. Portanto, se o processo de desenvolvimento for inadequado ou mal controlado, dificilmente se terá um produto final de qualidade. Nesta seção foram abordadas algumas definições de qualidade de software e suas respectivas implicações. Qualidade de software caracteriza-se como o principal objetivo a ser alcançado com a implantação de um processo de controle de versão. Depois do embasamento realizado neste capítulo, o trabalho segue com a exploração dos aspectos envolvidos pelo GCS com ênfase em controle de versão. 3.1 Abordagens de GCS Nesta seção são expostas várias abordagens da grande área de TI que englobam a área de GCS e, consequentemente, o controle de versão. Primeiramente a abordagem é explicada de forma geral e em seguida é dado ênfase nas questões de GCS, pois são questões que envolvem controle de versão diretamente ou indiretamente COBIT COBIT é um framework de governança de TI desenvolvido pela ITGI (IT Governance Institute) e disponibilizado pela ISACA com intuito de auxiliar gerentes de negócios e profissionais de TI em todos os aspectos de uma empresa de TI, sob o foco principal de negócios. COBIT oferece um

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

6 Infraestrutura de Trabalho

6 Infraestrutura de Trabalho 6 Infraestrutura de Trabalho Este capítulo tem como objetivo fornecer uma visão geral do ambiente de trabalho encontrado na organização estudada, bem como confrontá-lo com a organização ideal tal como

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

Agenda. Gerência de Configuração de Software. Atividade Sala. Quais os problemas? P1) Duplicidade de Trabalho. P2) Trabalhos Sobrepostos

Agenda. Gerência de Configuração de Software. Atividade Sala. Quais os problemas? P1) Duplicidade de Trabalho. P2) Trabalhos Sobrepostos Agenda Gerência de Configuração de Software Vamos entender o Problema? Quais os problemas? Gerência de Configuração Marcos Dósea dosea@ufs.br Entender os problemas... Quais os problemas? Problema 1) Duplicidade

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Gerência de Configuração de Software

Gerência de Configuração de Software Gerência de Configuração de Software Desenvolvendo software de forma eficiente e disciplinada O Cristine Dantas É bacharel em Informática pela UFRJ e mestre em Engenharia de Sistemas e Computação pela

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao 1 Tópicos Especiais Novembro - 2008 2 Referências

Leia mais

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Gerência de Configuração Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Introdução Mudanças durante o desenvolvimento de software são inevitáveis: os interesses

Leia mais

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com

Gerência de Configuração de Software. Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Gerência de Configuração de Software Msc. Ernani Sales Implementador Oficial MPS.BR ernani@webapsee.com Introdução O que é GCS? Terminologia Agenda Modelos, Padrões e Normas Processo de GCS Padrão IEEE

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Tópicos Especiais Junho - 2008 Referências Acessos

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Funções

Gerência de Configuração de Software Funções Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Funções Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. (UNIFEI) sanches@iem.efei.br Dalton Péricles de Almeida (UNIFEI) dalton.almeida@ig.com.br

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL

Governança de TI. ITIL v.2&3. Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Governança de TI ITIL v.2&3 Prof. Luís s Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL ITIL Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços Gerenciamento

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 ESTUDO E DEFINIÇÃO DA APLICAÇÃO PARA CONTROLE DE VERSÕES DOS ARTEFATOS GERENCIADOS PELA FERRAMENTA S.A.Do.M (SOFTWARE ARTIFACTS DOCUMENTATION AND MANAGEMENT)

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Introdução

Gerência de Configuração de Software Introdução Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Introdução Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Conceitos Básicos e Implementação Dataprev 2006 Analista de Banco de Dados 106 A aplicação de gerenciamento de níveis de serviço, por si só, garante a oferta de bons serviços.

Leia mais

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR

Gerência de Projetos de Software Modelos de gerência. CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelos de gerência CMM: Capability Maturity Model ITIL: Information Technology Infrastructure Library MPS BR Modelo de maturidade: CMM CMM (Capability Maturity Model) é um modelo subdividido em 5 estágios

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

ivirtua Solutions 4 ITIL

ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions ITIL WHITEPAPER ITIL INTRODUÇÃO O ITIL é o modelo de referência para endereçar estruturas de processos e procedimentos à gestão de TI, organizado em disciplinas

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G) LONDRINA - PR 2014 GIOVANI HIPOLITO MARONEZE ESTUDO DE CASO CONTENDO IMPLANTAÇÃO DO MODELO MR-MPS-SV (NÍVEL G)

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Versionamento de Código. Núcleo de Desenvolvimento de Software

Versionamento de Código. Núcleo de Desenvolvimento de Software Versionamento de Código Núcleo de Desenvolvimento de Software Por quê? Facilidades de utilizar um sistema de versionamento de código. Várias versões Quando se salva uma nova versão de um arquivo, a versão

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

UM CASE DE IMPLANTAÇÃO DA GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO E MUDANÇA (NÍVEL F) DO MPS.BR UTILIZANDO PADRÕES ABERTO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO

UM CASE DE IMPLANTAÇÃO DA GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO E MUDANÇA (NÍVEL F) DO MPS.BR UTILIZANDO PADRÕES ABERTO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO Nome do Pesquisador(Aluno): Thiago Magalhães Zampieri Nome do Orientador: Simone Tanaka Titulação do Orientador: Especialista Instituição: null Curso para apresentação: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO / CIÊNCIA

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar a GC (Gerencia de Configuração) no contexto da Engenharia de Software Mostrar a importância da GC no controle

Leia mais

Café da Manhã Corporativo

Café da Manhã Corporativo Café da Manhã Corporativo O ITIL como ferramenta de Governança de TI Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Palestrante: Julio Cesar R. S. Avila Especialista Newtrend em Governança de TI, é um profissional

Leia mais

Sequência da Apresentação

Sequência da Apresentação Fernando Welter Orientador: Paulo Roberto Dias Sequência da Apresentação Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento do sistema Operacionalidade da implementação Resultados e discussões

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES Vilson Raphael Vello de Andrade 1 ;

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais

Controle de versão e fluxo de trabalho em projetos de desenvolvimento de software

Controle de versão e fluxo de trabalho em projetos de desenvolvimento de software Controle de versão e fluxo de trabalho em projetos de desenvolvimento de software Doutorado Multi-Institucional em Ciência da Computação UFBA UNIFACS UEFS terceiro@dcc.ufba.br 8 de novembro de 2008 Termos

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Instruções do Jogo INSTRUÇÕES DO JOGO

Instruções do Jogo INSTRUÇÕES DO JOGO INSTRUÇÕES DO JOGO Introdução Objetivo do jogo: concluir um projeto de software Número de jogadores (primeira versão): recomenda-se de 2 a 3 jogadores, mas poderia ser jogado individualmente. Composição

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

APLICATIVO PARA ATUALIZAÇÃO EMPRESARIAL

APLICATIVO PARA ATUALIZAÇÃO EMPRESARIAL APLICATIVO PARA ATUALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE UM SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Marlon Gracietti de Amorim Orientador: Prof. Cláudio Ratke Roteiro de apresentação 1.Introdução 2. Objetivos 3. Fundamentação

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI

ITIL Overview. Gestão de Serviços de TI ITIL Overview Gestão de Serviços de TI Sobre a ILUMNA Atuando na área Gerenciamento de Serviços em TI (ITSM) desde 1997, a ILUMNA presta serviços de Consultoria, Educação e Tecnologia, com o objetivo de

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Aula Inaugural: MBA Gestão em TI T4 29/07/2009. Professor: Fernando Zaidan. Metodologia?!?

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Aula Inaugural: MBA Gestão em TI T4 29/07/2009. Professor: Fernando Zaidan. Metodologia?!? Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Aula Inaugural: MBA Gestão em TI T4 Tópicos Especiais Biblioteca de Infra-Estrutura de TI Professor: Fernando Zaidan Julho - 2009 1 2 Acessos em 17 jul. 2009: http://www.trainning.com.br/artigo_itil.html

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

2. GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOTWARE

2. GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOTWARE 1. INTRODUÇÃO Constata se, atualmente, que organizações voltadas ao desenvolvimento de software, buscam alavancar seus níveis de competitividade, uma vez que o mercado de desenvolvimento de software apresenta

Leia mais

Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley

Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley Utilizando o Rational Unified Process para atender a Lei Sarbanes- Oxley Orlando Ovigli 1, Arthur Gomes 1, Patrícia Kimie 1, Márcia Ito 1,2 1 Gestão e Engenharia de Processos para desenvolvimento de Software

Leia mais

Principais Vantagens do Microsoft Visual Studio Team System

Principais Vantagens do Microsoft Visual Studio Team System Principais Vantagens do Microsoft Visual Studio Team System White Paper Novembro de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.msdnbrasil.com.br/vstudio As informações contidas neste documento

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa Gestão de Modificações Fabrício de Sousa Introdução Inevitáveis quando o software é construído Confusão As modificações não são analisadas antes de serem feitas Não são registradas antes de serem feitas

Leia mais

J820. Integração Contínua. com CVS, CruiseControl, Cruise Control. argonavis.com.br. AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm.

J820. Integração Contínua. com CVS, CruiseControl, Cruise Control. argonavis.com.br. AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm. J820 Integração Contínua com CVS, CruiseControl, Cruise Control AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm.org) Integração contínua Um dos requisitos para implementar a integração contínua é ter um sistema

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Integrando a Gestão de Configuração do CMMI com o Gerenciamento de Liberação do ITIL

Integrando a Gestão de Configuração do CMMI com o Gerenciamento de Liberação do ITIL 16 Integrando a Gestão de Configuração do CMMI com o Gerenciamento de Liberação do ITIL Marlon Gracietti de Amorim, Cláudio Ratke Departamento de Sistemas e Computação Universidade Regional de Blumenal

Leia mais

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006

ISO/IEC 20000:2005. Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 ISO/IEC 20000:2005 Introdução da Norma ISO/IEC 20000 no Mercado Brasileiro Versão 1.1, 15.09.2006 André Jacobucci andre.jacobucci@ilumna.com +55 11 5087 8829 www.ilumna.com Objetivos desta Apresentação

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César Gerência de Configuração Profº Rômulo César Gerência de Configuração Cenário Atual Projetos cada vez mais complexos em relação ao tamanho, sofisticação e tecnologias envolvidas Grandes equipes geograficamente

Leia mais

Gerência de Configuração. Técnicas e Práticas no Desenvolvimento do Software

Gerência de Configuração. Técnicas e Práticas no Desenvolvimento do Software Gerência de Configuração Técnicas e Práticas no Desenvolvimento do Software Sumário Introdução... 19 Parte 1 - Visão Geral... 23 1 Entendendo a Necessidade de Gerência de Configuração... 25 1.1 Visão Geral

Leia mais

ITIL - Information Technology Infraestructure Library

ITIL - Information Technology Infraestructure Library ITIL Biblioteca de infra estrutura de TI (do Inglês, Information Technology Infraestructure Library) e ISO/IEC 20.000 ITIL - Information Technology Infraestructure Library Foi criado no fim dos anos 80

Leia mais

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL

Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Alinhamento Estratégico da TI com o Modelo de Negócios da Empresa: um estudo sobre as melhores práticas da biblioteca ITIL Fernando Riquelme i Resumo. A necessidade por criar processos mais eficientes,

Leia mais

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3.

Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Curso preparatório para exame de Certificação do ITIL V3. Dentro do enfoque geral em conhecer e discutir os fundamentos, conceitos e as definições de Governança de TI - Tecnologia da Informação, bem como

Leia mais

Introdução ao Controle de Versões. Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br)

Introdução ao Controle de Versões. Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) Introdução ao Controle de Versões Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) Introdução A Engenharia de Software... Abordagem disciplinada para o desenvolvimento de software Grande diversidade de metodologias

Leia mais

Lista de Exercícios 01: ITIL Prof. Fernando Pedrosa

Lista de Exercícios 01: ITIL Prof. Fernando Pedrosa Lista de Exercícios 01: ITIL Prof. Fernando Pedrosa Canais: fpedrosa@gmail.com http://tinyurl.com/ycekmjv INMETRO - Infraestrutura - (CESPE 2009) 81 Gerenciamento de nível de serviço é uma forma de entrega

Leia mais

Unidade IV. A governança está relacionada com a possibilidade de se ter controle e sucesso nas operações e nos trabalhos de uma organização.

Unidade IV. A governança está relacionada com a possibilidade de se ter controle e sucesso nas operações e nos trabalhos de uma organização. GERENCIAMENTO DE INFRAESTRUTURA Unidade IV 4 A GOVERNANÇA DE TI A governança está relacionada com a possibilidade de se ter controle e sucesso nas operações e nos trabalhos de uma organização. 4.1 A governança

Leia mais

2º Encontro GE-SP ITIL 05.03.2005

2º Encontro GE-SP ITIL 05.03.2005 ITIL (IT Infrastructure Library) ITIL - Information Technology Infrastructure Library Uma Introdução 2º Encontro GE-SP ITIL 05.03.2005 05/03/2005 GE-SP ITIL 1 Apresentadores Carlos Teixeira - Automidia

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

Governança de TI: O que é COBIT?

Governança de TI: O que é COBIT? Governança de TI: O que é COBIT? Agenda Governança de TI Metodologia COBIT Relacionamento do COBIT com os modelos de melhores práticas Governança de TI em 2006 Estudo de Caso Referências Governança de

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Melhores práticas de gerenciamento de ativos de software JUNHO DE 2013 Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo John Fulton CA IT Business Management

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor.

Gestão da TI. É proibida a cópia deste conteúdo, no todo ou em parte, sem autorização prévia do autor. Este material foi desenvolvido especialmente para a disciplina Gestão da TI ministrada no curso de graduação em Sistemas de Informação da AES (Academia de Ensino Superior). Algumas imagens são de domínio

Leia mais

Proposta ITIL V3 HAND S ON. Apresentação Executiva. ITIL V3 Hand s ON

Proposta ITIL V3 HAND S ON. Apresentação Executiva. ITIL V3 Hand s ON ITIL V3 HAND S ON Apresentação Executiva 1 Os treinamentos de ITIL Hand s On, abordam os processos da gestão de serviços de TI do ITIL v3 e são recomendados e necessários, para quem quer ser tornar um

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO III - GLOSSÁRIO

PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO III - GLOSSÁRIO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 30/2009 BNDES ANEXO III - GLOSSÁRIO Termo Descrição Ambiente de Desenvolvimento Ambiente onde propriamente são desenvolvidas e validadas pelo desenvolvedor as linhas de código implementadas.

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

MOD9 Processos de Transição de Serviços

MOD9 Processos de Transição de Serviços Curso ITIL Foundation MOD9 Processos de Transição de Serviços Service Transiction Professor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com 1 Curso ITIL Foundation Transição significa

Leia mais

O que o Negócio quer da TI? www.companyweb.com.br Download: www.companyweb.com.br/downloads 1

O que o Negócio quer da TI? www.companyweb.com.br Download: www.companyweb.com.br/downloads 1 O que o Negócio quer da TI? www.companyweb.com.br Download: www.companyweb.com.br/downloads 1 Exemplo de Relatório Velocidade na Resolução dos incidentes 97% 95% Qualidade na resolução dos incidentes 85%

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração

Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração Viviane Nogueira Pinto de Oliveira 1 1Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos, 6627 CEP

Leia mais

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved

Conhecimento em Tecnologia da Informação. CobiT 5. Apresentação do novo framework da ISACA. 2013 Bridge Consulting All rights reserved Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Apresentação do novo framework da ISACA Apresentação Este artigo tem como objetivo apresentar a nova versão do modelo de governança de TI, CobiT 5, lançado

Leia mais

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. Capítulo 25 Gerenciamento de Configuração slide 624 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Gerenciamento de mudanças Gerenciamento de versões Construção de sistemas

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

Information Technology Infrastructure Library (ITIL)

Information Technology Infrastructure Library (ITIL) Information Technology Infrastructure Library (ITIL) Metodologias de Sistemas 1 Profa. Rosângela Penteado Grupo Guilherme Leme Janito V. Ferreira Filho João Victor Martins Patrícia Inoue Nakagawa Rafael

Leia mais