Análise de integração de soluções de comércio electrónico com os outros sistemas de informação das organizações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de integração de soluções de comércio electrónico com os outros sistemas de informação das organizações"

Transcrição

1 Análise de integração de soluções de comércio electrónico com os outros sistemas de informação das organizações Dissertação de mestrado apresentada por Miguel Alexandre Rodrigues Pereira Sob orientação do Prof. Doutor Ramiro Gonçalves (UTAD) e do Prof. Doutor Carlos Rabadão (IPLeiria) Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Departamento de Engenharias 2008

2 Dissertação apresentada por Miguel Alexandre Rodrigues Pereira à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Informática, sob a orientação do Prof. Doutor Ramiro Manuel Ramos Moreira Gonçalves Professor do Departamento de Engenharias da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e co-orientada pelo Prof. Doutor Carlos Rabadão Professor do Departamento de Engenharias da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria. i

3 DEDICATÓRIA Aos meus pais, tudo lhes devo. ii

4 AGRADECIMENTOS À minha família pelo apoio e motivação que sempre manifestou. Ao meu orientador, Professor Doutor Ramiro Gonçalves, pelos seus comentários, críticas e sugestões e pela disponibilidade sempre demonstrada. Ao Instituto Politécnico de Leiria e à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro pelas facilidades concedidas. Às empresas questionadas pela sua colaboração e prontidão demonstrada. Aos meus amigos, por todo o carinho. A todos muito obrigado. iii

5 RESUMO Actualmente, o mundo electrónico apresenta-se como uma alternativa para transacções de compra e venda apresentando uma ampla variedade de informações aos consumidores sendo ainda um meio eficiente e rápido para a troca de informações entre empresas, governos e consumidores. A inclusão das novas Tecnologias da Informação e Comunicação proporciona uma nova infra-estrutura para as várias actividades produtivas e comunicativas, vitais para a vida organizacional das empresas, apresentando-se como suporte às decisões, como factor de produção, e exercendo influência sobre o comportamento das pessoas. O crescimento de computadores ligados à Internet ocorre de forma generalizada em vários países, incluindo Portugal, demonstrando assim, que este meio de comunicação pode ser utilizado independentemente de factores regionais, culturais, políticos e económicos. A explosão da Internet revolucionou a forma de conduzir os negócios nas mais diversas áreas, estando as aplicações de comércio electrónico presentes na maioria das empresas. O comércio electrónico pode ser definido como a realização de transacções de bens e serviços recorrendo a computadores mediados por redes informáticas, sendo que o pagamento e/ou a entrega dos produtos transaccionados não são, necessariamente, efectuados por via electrónica. Com o advento dessas aplicações, foi identificado um grande conjunto de necessidades e requisitos a serem atendidos. Assim, as tecnologias de informação e os processos de reengenharia empresarial, usado em conjunto, deram à luz importantes ferramentas estratégicas, Sistemas de Gestão Empresarial (ERP s), que as empresas passaram a usar. No entanto verificou-se que muitas das empresas eram suportadas por sistemas legados, dispersos e pouco ajustados às realidades do mercado, e que a estratégia mais adequada é efectuar uma integração das aplicações de comércio electrónico com os chamados sistemas de backoffice ao invés de se tentar uma unificação de ambientes, plataformas e tecnologias dado o alto custo e tempo. Perante tal situação pretendeu-se analisar o modo como as empresas integram as soluções de comércio electrónico com outros sistemas, nomeadamente, tecnologias utilizadas, vantagens e constrangimentos verificados. Dado que o mercado das tecnologias mudou significativamente nos últimos tempos e dada a crescente competitividade entre as empresas e os mercados das Tecnologias de Informação e Comunicação, o âmbito da integração alargou-se a toda a organização. Assim, com o recente surgimento dos Web Services e da arquitectura Service Oriented Architecture criaram-se novas alternativas às abordagens mais tradicionais de integração. Com os estudos de casos analisados verificou-se que realmente a utilização de Web Services / Arquitectura Orientada a Serviços são uma solução para a integração de aplicações de comércio electrónico com outros sistemas de informação. Por outro lado as diversas softwarehouses, face à evolução das tecnologias e crescente competitividade, conseguiram dar uma resposta aos problemas de integração com que as empresas se deparavam nos últimos anos. iv

6 ABSTRACT Nowadays, the e-world presents itself as an alternative to buying and selling transactions presenting a wide variety of information. It also a fast and efficient way to exchange information between companies, governments and consumers. The inclusion of the new Information and Communication Technologies provides a new infrastructure for the various productive activities and communication, vital to the companies structural life. Its presents itself as a support for decisions, as an input, and it influences people behaviour. The growth of computers that are connected to the Internet is widespreading in several countries, including Portugal, thus demonstrating that this means of communication can be used regardless of regional, cultural, political and economic factors. The significant increase of the Internet revolutionized the way of conducting business in many different areas, and the applications of electronic commerce in the majority of companies. E-commerce can be defined as the completion of transactions of goods and services by using computer-mediated networks, and the payment and / or delivery of products involved are not necessarily carried out electronically. With the advent of these applications, it was identified a wide range of needs and requirements to be met. Thus, the information technologies and the business reengineering processes, used together, gave birth to important strategic tools, Enterprise Management Systems (ERP), which companies began to use. However it was found that many of the companies were supported by legacy systems, scattered and poorly adapted to the realities of the market, and that the most appropriate strategy is to integrate the applications of e-commerce systems with the so-called backoffice instead of trying to an unification of environments, platforms and technologies, given the high cost and time. Due to this situation it was intended to examine how companies integrate the solutions for Electronic Commerce with other systems, in particular, technologies, benefits and constraints encountered. As the market for technology has changed significantly in recent times and given the increasing competition between companies and markets of Information Technology and Communication, the scope of integration has been extended to the entire organization. So with the recent emergence of Web Services and the Service Oriented Architecture Architecture new alternatives to more traditional approaches to integration have been created. When the case studies were reviewed, it was putid the use of Web Services/ the Services Oriented Architecture are really a solution for the integration of applications of electronic commerce with other information systems. On the otherhand the various softwarehouses, in the face of the changing technology and the increasing competition, managed to give an answer to the problems of integration with which companies came across in recent years. v

7 ÍNDICE GERAL DEDICATÓRIA... ii AGRADECIMENTOS... iii RESUMO... iv ABSTRACT... v ÍNDICE GERAL... vi ÍNDICE DE TABELAS... x ÍNDICE DE FIGURAS... xi SIGLAS E ACRÓNIMOS... xiii CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Caracterização conjuntural Objectivos gerais Objectivos específicos Metodologia Organização da dissertação... 4 CAPÍTULO 2 O COMÉRCIO ELECTRÓNICO Mundo electrónico Internet Tecnologias da Informação e Comunicação A Informação no mundo electrónico O valor da informação O valor da informação para a comercialização de produtos O valor da informação para a comercialização de serviços O Comércio Electrónico Definição vi

8 2.5.2 Evolução Negócio Electrónico Barreiras e benefícios à expansão do comércio electrónico Barreiras tecnológicas Barreiras culturais Barreiras organizacionais Barreiras estruturais Benefícios Considerações finais CAPÍTULO 3 SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL I e II Conceito História e evolução Enquadramento Actual Características Estrutura/Arquitectura Benefícios e problemas Tendências (Sistema de Gestão Empresarial II) Considerações finais CAPÍTULO 4 A INTEGRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Razões para a integração Formas de integração Integração Aplicacional Integração da Informação Integração de Processos Condicionantes da integração vii

9 4.4 Considerações finais CAPÍTULO 5 SOLUÇÕES DE INTEGRAÇÃO Os Web Services e a Arquitectura Orientada a Serviços O cenário das Tecnologias da Informação e Comunicação nas empresas Conceito de Web Service Funcionamento de um Web Service A integração através de Web Services Arquitectura Orientada a Serviços Como tudo funciona Considerações finais CAPÍTULO 6 ESTUDO DE CASOS Caso 1 GlobalData Situação Solução Benefícios e constrangimentos Caso 2 HP Situação Solução Benefícios Melhoramento do serviço de clientes Ajuda no aumento da receita online Melhoria da eficiência operacional e cumprimento de directivas CAPÍTULO 7 CONCLUSÕES Conclusões Finais viii

10 7.2 Limitações do trabalho REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Anexo I Número de utilizadores de Internet por país. (Fonte: 94 Anexo II Modelos de comércio electrónico Business to Costumer (Negócio a Cliente) Business to Business (Negócio a Negócio) Business to Government (Negócio a Governo) Costumer to Costumer (Cliente a Cliente) Costumer to Enterprise (Cliente a Empresas) Costumer to Government (Cliente a Governo) Anexo III Questionário enviado às softwarehouses ix

11 ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 - Diferenças entre o mundo electrónico e o mundo tradicional (Adaptado de MATOS, 1999) Tabela 2 - Relação dos 15 países líderes em utilizadores da Internet (2004 a 2006). (Fonte: 12 Tabela 3 Evolução dos conceitos de ERP Tabela 4 Comunicação de módulos num ERP Tabela 5 Benefícios e problemas dos sistemas ERP Tabela 6 ERP/ERP II. (Fonte: ZRIMSEK et AL., 2001) Tabela 7 Características das soluções das camadas de uma aplicação. (Fonte: MARTINS, 2006). 57 Tabela 8 Vantagens e desvantagens da Integração de Informação. (Fonte: MARTINS, 2006) Tabela 9 Web Services: vantagens de negócio e vantagens tecnológicas Tabela 10 Número de utilizadores de Internet por país (fonte: 98 Tabela 11 - Aplicações do CE e E-business entre governo, empresa e consumidor. (Adaptado de COPPEL, 2000, p. 4) x

12 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 - Tipos de comércio. (Fonte: IDC, 2002) Figura 2 - Volume de vendas do seu site (no caso da Banca, o indicador é o nº de transacções nos serviços de homebanking) 4º trimestre de 2007 em comparação com o período homólogo. (Fonte: NETSONDA e ACEP, 2007) Figura 3 - Volume de vendas no 4º trimestre de (Fonte: NETSONDA e ACEP, 2007) Figura 4 - No 4º trimestre de 2007, e em comparação com o período homólogo, o nº de clientes que fez compras no seu site (no caso da Banca, o indicador é o nº de utilizadores dos serviços de homebanking). (Fonte: NETSONDA e ACEP, 2007) Figura 5 - Número de clientes referentes no 4º trimestre de (Fonte: NETSONDA e ACEP, 2007) Figura 6 - Categorias de Produtos/Serviços que vendeu no seu site neste 4º trimestre de (Fonte: NETSONDA e ACEP, 2007) Figura 7 - Frases que melhor descreveram as suas expectativas para o próximo Trimestre. (Responda apenas se operar na área B2C). (Fonte: NETSONDA e ACEP, 2007) Figura 8 - Frases que melhor descreveram as suas expectativas para o próximo Trimestre. (Responda apenas se operar na área B2B). (Fonte: NETSONDA e ACEP, 2007) Figura 9 - Razões para não dispor de ligação à Internet em casa através de banda larga (%). (Fonte: INE, 2007) Figura 10 - Utilizadores de CE, (%). (Fonte: INE, 2007) Figura 11 - Empresas que interagiram com organismos, entidades e autoridades públicas, em 2006, por dimensão da empresa (%). (Fonte: INE, 2007) Figura 12 - Empresas que utilizaram o CE para efectuar e receber encomendas de bens ou serviços em 2006, por dimensão da empresa. (Fonte: INE, 2007) Figura 13 Maiores fornecedores de ERP. (Fonte: AMR Research, 2007) Figura 14 Evolução do conceito ERP Figura 15 Estrutura/arquitectura de um ERP. (Fonte: DAVENPORT, 1988) Figura 16 Tipologia de 3 camadas num ERP. (Fonte: DAVENPORT, 1988) Figura 17 - EAI - Integração de Sistemas. (Fonte: BARBIERI, 2001) xi

13 Figura 18 - Evolução e convergência tecnológica. (Adaptado de DUBRAY, 2003) Figura 19 - Evolução da integração de SI. (Adaptado de MAGIC, 2003) Figura 20 - Visões da Integração. (Adaptado de INTEGR8, 2005) Figura 21 Camadas de uma aplicação. (Adaptado de WONG, 2001) Figura 22 Integração ao nível da camada de apresentação. (Adaptado de WONG, 2001) Figura 23 Integração ao nível da lógica aplicacional. (Adaptado de WONG, 2001) Figura 24 Integração ao nível do acesso e armazenamento da informação. (Adaptado de WONG, 2001) Figura 25 Middleware de integração. (Adaptado de WATT, 2002) Figura 26 Integração de SI com foco no processo organizacional. (Adaptado de FISCHER, 2003). 62 Figura 27 Normas exigidas aos fornecedores de TIC. (Fonte: DEPLHI, 2003) Figura 28 Exemplo funcionamento Web Service Figura 29 - Tipos de CE. (Adaptado de COPPEL, 2000) xii

14 SIGLAS E ACRÓNIMOS ACEP ADSL A2A BoB B2C B2B B2G BAM BI BPM C2C C2B C2G CE CEO CIO COM CORBA CRM CRP DW EAI EDI Associação do Comércio Electrónico em Portugal Asymmetric Digital Subscriber Line Application-to-Application Best of Breed Strategy Business-to-Costumer (Negócio-a-Cliente) Business-to-Business (Negócio-a-Negócio) Business-to-Government (Negócio-a-Governo) Business Activity Monitoring Business Intelligence Business Process Management Costumer-to-Costumer (Cliente-a-Cliente) Costumer-to-Enterprise (Cliente-a-Empresas) Costumer-to- Government (Cliente-a-Governo) Comércio electrónico Chief Executive Officer Chief Information Officer Component Object Model Common Object Request Broker Architecture Customer Relationship Management Capacity and Requiring Transfer DataWarehouse Enterprise Application Integration Electronic Data Interchange xiii

15 EFT EOQ EPM ERM ERP FTP HP IRC LDAP MB MOM MRP MRP II OCDE OLTP PRM RPC RMI SCM SFA SGBD SI SOA SOAP SQL Electronic Funds Transfer Economic Order of Quantities Enterprise Performance Management Enterprise Relationship Management Enterprise Resource Planning File Transfer Protocol Hewlett-Packard Internet Relay Chat Lightweight Directory Acess Protoco Message Broker Message-Oriented Middleware Material Requirement Planning Manufacturing Resource Planning Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico On-Line Transaction Processing Partner Relationship Management Remote Procedure Calls Remote Method Invocation Suply Chain Management Sales Force Automation Sistema de Gestão de Base de Dados Sistemas de Informação Service Oriented Architecture Simple Object Access Protocol Structured Query Language xiv

16 TCP/IP TIC UDDI URI XML WSDL WS Transmission Control Protocol/Internet Protocol Tecnologias da Informação e Comunicação Universal Description, Discovery and Integration Unique Resource Identifier extensible Markup Language Web Service Description Language Web Services xv

17 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 O primeiro capítulo é destinado à introdução do trabalho, às abrangências, aos objectivos, à metodologia utilizada e à estrutura dos capítulos. 1

18 Capítulo 1 Introdução 1.1 Caracterização conjuntural As organizações herdaram conceitos e estruturas de comando e controle das administrações militares e religiosas, os quais foram adaptados pela teoria da administração, para apoiar as necessidades da era industrial. No entanto, nos últimos anos assistiu-se a uma mudança para a era da informação e da necessidade de movimentos integrados em busca de novas estruturas organizacionais, novas estratégias empresariais e novas tecnologias. O novo ambiente empresarial é fundamentalmente baseado no ambiente digital que tem como componente básico as redes digitais de transmissão de dados. A importância dessas estruturas é justificada pela necessidade de substituição dos modelos antigos de empresa por modelos que levem à criação de comunidades de negócios, e nos quais haja cooperação, gestão do conhecimento, trabalho em equipa e procura de alto desempenho. No ambiente competitivo dos negócios, as empresas necessitam de meios cada vez mais ágeis e eficientes de acesso e processamento das informações, bem como, utilizar novos canais de comercialização dos seus bens e serviços e de meios mais efectivos de circulação das informações: externamente, entre clientes, fornecedores e parceiros; internamente, entre os seus funcionários. A utilização do CE, tendo em conta somente a Internet como meio de acesso, data do início dos anos 70, em que cientistas compartilhavam mensagens e pesquisas (HAGEL; ARMSTRONG, 1998, p. 4). O surgimento, em 1996, da Amazon Books, primeira livraria virtual com acesso via Internet, pode ser considerado um facto importante na utilização da Internet como meio para realizar compras. Assim, o CE sendo um novo canal de realização do processo comercial, constitui uma alavanca de redefinição do ambiente de negócios, potenciando o relacionamento dentro da organização, entre organizações e entre estas e o consumidor. Utilizada actualmente por pessoas e organizações em todo o mundo, a Internet coloca ao alcance de praticamente qualquer empresa, desde as gigantes multinacionais até às microempresas, a entrada facilitada em novos mercados, a conquista de novos clientes, o estabelecimento de relações com novos fornecedores, a celebração de novas alianças e parcerias, a exploração de novos produtos e serviços, tudo isto sem os limites materiais, geográficos e temporais, que a forma convencional de conduzir os negócios impõe através de soluções de comércio electrónico. Tudo isto impõe à organização a definição de estratégias que promovam níveis de competitividade mais elevados. É fundamental que, tanto os negócios, quanto a adopção de tecnologias de informação, assim como a presença da organização no mundo digital, sejam pensados sob uma perspectiva estratégica e adequados às necessidades das empresas. É claro que a maioria das empresas, desde as gigantes multinacionais até às microempresas, investiu em soluções de comércio electrónico com vista a aumentar a sua quota de mercado e ter vantagem competitiva em relação aos seus concorrentes. No entanto, muitas limitaram-se a implementar uma solução sem ter em conta as tecnologias de informação envolvidas e as suas implicações/interligações com aplicações já existentes. Assim, e apesar de todo o sucesso do CE tem havido muitos problemas resultantes da dificuldade de integração das soluções tecnológicas de CE com as restantes aplicações tecnológicas. 2

19 Capítulo 1 Introdução Objectivos gerais Identificar e caracterizar as soluções adoptadas pelas empresas no sentido de integrarem as aplicações de CE com os sistemas de backoffice, mostrando os principais resultados e constrangimentos verificados Objectivos específicos Analisar as empresas que implementaram soluções de integração vendo de que forma o fizeram, benefícios e dificuldades encontradas; Efectuar um estudo comparativo sobre os tipos de soluções adoptadas pelas empresas; Para o desenvolvimento desses objectivos será realizado estudo de casos no sentido de: 1º) Identificar as soluções de ERP (backoffice) existentes antes da aplicação de CE; 2º) Identificar e caracterizar as formas e soluções de integração das aplicações de CE com os sistemas backoffice; 3º) Mostrar resultados e constrangimentos verificados na integração Metodologia O desenvolvimento deste trabalho caracteriza-se pela pesquisa exploratória e descritiva, realizando pesquisas bibliográficas, descrevendo características e efectuando análises através de estudo de caso. A pesquisa bibliográfica visa a obtenção do conteúdo para proporcionar conhecimento sobre o mercado electrónico, comércio electrónico, os sistemas ERP/ERPII existentes nas empresas, a integração de sistemas de informação e soluções para a integração, nomeadamente, soluções baseadas em Web Services. Para o desenvolvimento do estudo do caso foi realizado, numa primeira fase, um inquérito a empresas softwarehouses de modo a perceber como e de que forma ultrapassaram a integração de soluções de CE com sistemas backoffice. Dado o baixo número de repostas, a estratégia passou pela análise de estudo de casos de modo a verificar as soluções de integração adoptadas pelas empresas (para mais detalhe ver capítulo 6 Estudo de casos). 3

20 Capítulo 1 Introdução 1.5 Organização da dissertação O desenvolvimento deste trabalho foi realizado em sete grandes capítulos, conforme descrito abaixo: 1 Capítulo O primeiro capítulo é destinado à introdução do trabalho, às abrangências, aos objectivos, às limitações e à estrutura dos capítulos. 2 Capítulo Neste capítulo são abordadas as características presentes no mercado electrónico e no mercado tradicional, demonstrando a expansão do meio virtual através da Internet. É contemplado o uso da tecnologia de informação e comunicação e a importância do conteúdo das informações no comércio electrónico. É referenciado ainda as aplicações de CE, limitando-o à compra e venda referindo os diversos modelos de comércio electrónico. Por fim apresentam-se as barreiras que, por sua vez, impedem o crescimento de compra e venda através do CE, bem como os benefícios promovidos pela sua utilização. 3 Capítulo Este capítulo trata dos sistemas ERP, sistemas estes que têm sido amplamente utilizados pelas empresas que desejam integrar os diversos sistemas de informação, actualizar a base tecnológica e obter os benefícios da terciarização do desenvolvimento de aplicações transaccionais. Dado que esses sistemas apresentam muitos benefícios, é importante analisar e conhecer as dificuldades e limitações relacionadas à tecnologia, para que os benefícios esperados através da sua utilização possam ser efectivamente obtidos. 4 Capítulo Neste capítulo abordam-se os conceitos teóricos relacionados com a integração de sistemas de informação. São abordadas as diversas formas de integração destacando-se a integração aplicacional. São ainda enumeradas as razões de se efectuar a integração de sistemas e os condicionalismos que daí poderão advir. 5 Capítulo Face à evolução das TIC e das normas de integração, actualmente existe uma variedade de soluções no mercado que asseguram o suporte a qualquer tipo de integração necessário. Os Web Services e a arquitectura SOA têm vindo a ter um papel cada vez mais importante nesse sentido. 4

21 Capítulo 1 Introdução Desta forma, neste capítulo são abordados esses dois conceitos em particular, dando uma breve visão das suas definições e funcionamento. 6 Capítulo Esta parte representa o objectivo específico do trabalho, sendo apresentado a análise de dois estudos de casos de duas empresas, uma empresa nacional e uma empresa estrangeira. São aqui apresentadas as duas organizações tendo em conta a sua situação antes e pós integração das soluções de CE com os outros sistemas de informação referindo os benefícios e constrangimentos verificados. 7 Capítulo São apresentadas as conclusões do trabalho e ideias para que seja dada continuidade a investigações futuras e as limitações do trabalho realizado. 5

22 O COMÉRCIO ELECTRÓNICO CAPÍTULO 2 Neste capítulo são demonstradas as diferenças entre o mundo virtual/mercado electrónico e o tradicional. Ora, estas diferenças ocorrem no próprio contexto dos ambientes electrónico e tradicional em conjunto com o meio utilizado: a Internet, no caso do electrónico, e a presença física, no tradicional. O conhecimento e o domínio das características próprias desse meio pode promover a obtenção de melhores resultados em favor dos agentes económicos que desejam explorá-lo, seja através de actividades comerciais ou de estruturas que permitam a realização de comunicações e transacções. A evolução das TIC com a utilização de computadores, software, telecomunicações, inteligência artificial, multimédia, base de dados, juntamente com a redução dos custos e aumento do acesso a esses recursos contribui para o fortalecimento do mercado electrónico (ALBERTIN 2000, p. 205). Para as empresas com actividades comerciais no mundo electrónico ou que exploram negócios que fornecem estruturas de comunicação e transacção, é necessário a escolha ou o desenvolvimento de tecnologia que, além de proporcionar a operacionalização de transacções, permita a realização de interface com os clientes. A utilização do mundo electrónico para fins comerciais permite aos agentes económicos satisfazer necessidades sem a imposição das limitações de horários, dias ou fronteiras geográficas. Apesar dessas vantagens, o CE apresenta barreiras que impedem o crescimento da sua adopção por empresas e pessoas, este facto deve-se à sua recente aparição, que, por sua vez, não permite a criação de uma massa crítica, a qual segundo ALBERTIN (2000, p. 55), é fundamental para o sucesso comercial do CE pela Internet. Essa criação depara-se com alguns obstáculos, como a facilidade de acesso, de utilização e a falta de instrumentos de avaliação (HOFFMAN; NOVAK; CHATTERJEE, 1997). 6

23 Capítulo 2 O Comércio Electrónico Mundo electrónico Existem diferenças entre o mundo electrónico e o tradicional. O mundo electrónico é capaz de promover transformações no mundo tradicional através de mudanças de hábitos e costumes dos indivíduos que o utilizam. No entanto, as diferenças, não se resumem apenas na forma de apresentação das informações e no meio de acesso, mas também à existência de um contexto de mercado para produtos, serviços e entretenimentos capaz de alterar ou substituir as necessidades de consumo, modificar as características de produtos e serviços, bem como provocar mudanças nos meios utilizados para fazê-los chegar ao destino final, atendendo ao princípio de conformidade com as necessidades dos clientes e consumidores do mundo electrónico. Como se pode ver na tabela 1, o mundo electrónico e tradicional apresentam algumas variáveis idênticas, porém as características de cada variável apresenta-se de forma diferenciada para cada um deles. Considerando que o mundo electrónico é recente, torna-se necessário para melhor compreendê-lo confrontar as particularidades das suas características com aquelas encontradas no mundo real. PRIVACIDADE COMPORTAMENTO LEGISLAÇÃO MUNDO ELECTRÓNICO A privacidade é protegida, a menos que não se queira. A camuflagem e o disfarce pessoal são possíveis. O comportamento é livre e podese manifestar sem restrições, caso se mantenha no anonimato. Há poucas leis sobre o mundo virtual, ficando os julgamentos a critério da jurisprudência. Mesmo assim, se o site estiver num outro país, as decisões legais de um país não se aplicam a outro. Para ser processado, a identidade da pessoa precisa ser revelada, o que nem sempre é possível (direito à privacidade). MUNDO TRADICIONAL Vê-se a pessoa com quem se fala, ou então ouve-se a sua voz e sabe-se quem é. Não se discute com estranhos assuntos íntimos ou pessoais. Se se ofender alguém, pode-se ser processado ou agredido fisicamente. Vivendo num país, a pessoa está sujeita às suas leis e pode ser processada se não as cumprir. As empresas ficam sujeitas às leis do país em que se encontram. CENSURA Não há assuntos proibidos para menores de idade (mas há um movimento contra os X-rated As obras geralmente são censuradas pelos editores de jornais e revistas, ou são 7

24 Capítulo 2 O Comércio Electrónico MUNDO ELECTRÓNICO sites ). Pode-se aceder ao que se quiser: a decisão é da pessoa. MUNDO TRADICIONAL vetadas (como os artigos defendendo o neofascismo ou o racismo). FRONTEIRAS GEOGRÁFICAS Não há fronteiras geográficas, excepto onde não houver a Internet (como no Iraque, onde a Internet é considerada filha do grande satã ). A pessoa é cidadã do mundo e não do seu país. Para ir de um país para outro é preciso autorização de ambos os países (fora da União Europeia). A cidadania da pessoa é definida. TEMPO Não existem horários de funcionamento. As lojas virtuais funcionam 24 horas por dia. Não há feriados (que dependem do país) e não existe dia nem noite. Há horários para o trabalho, para o lazer e para o repouso. Existem sábados, domingos e feriados. ACESSO ÀS PESSOAS As comunicações são rápidas e desburocratizadas. Dependendo do assunto, pode-se ser atendido ou não. O contacto é sempre realizado, sem autorização. Deve-se marcar horário ou entrar em filas de espera. Podese esperar dias até ser atendido, ou não. MÉDIA DA INFORMAÇÃO Não existe papel, as informações são electrónicas. A autenticidade é feita pela identificação da fonte ou pela chave criptográfica. Todas as informações necessitam de um suporte físico, geralmente o papel. Os documentos autênticos têm a designação da empresa, embora possam ser falsos MOBILIDADE Pode-se estar em vários lugares ao mesmo tempo. Pode-se participar numa reunião internacional sem sair do local de trabalho. Pode-se estar somente num único lugar. 8

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636

Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636 Alexandre Pontes Nº 27340 Wilson Roque Nº 27636 As últimas décadas permitiram ligar o mundo e dinamizar os mercados, intensificando a competitividade existente. A Internet tornou o mundo mais pequeno e

Leia mais

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business

A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business A vantagem competitiva através do desenvolvimento do e-business Artigo original redigido por: Dien D. Phan Extraído do Information & Management, Vol.40, 2003 (pág.581-590) Introdução * E-business O seu

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Introdução A Chevron, e as demais subsidiárias do grupo, comprometem-se em proteger a sua privacidade. Esta política explica em detalhe as medidas tomadas para proteger os seus

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Um Desafio às Telecomunicações

Um Desafio às Telecomunicações Um Desafio às Telecomunicações A Inovação na Administração Pública como driver de desenvolvimento de novas infra-estruturas, produtos e serviços egovernment & ehealth 24 e 25 de Junho de 2008 IDC - CCB

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt &RPpUFLRHOHFWUyQLFRSULQFLSDLVTXHVW}HVHVXDGLYXOJDomRHP 3RUWXJDO SRU 5RGULJR$OEHUWR$OPHLGD%DSWLVWD Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

RESUMO ABSTRACT. Palavras-chave: CRM (Customer Relationship Management) e Marketing Público. Key- words: CRM and Marketing Public

RESUMO ABSTRACT. Palavras-chave: CRM (Customer Relationship Management) e Marketing Público. Key- words: CRM and Marketing Public Professor Vicente Serrano e Professor Pedro Duarte Marketing das organizações políticas da economia social José António Gonçalves Costa, 7828 Samuel Dias Amado, 7971 Comunicação Empresarial, 2º ano RESUMO

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 49 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andra, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com Web Services OPINIÃO IDC Apesar de não constituírem uma alteração tecnológica radical,

Leia mais

Service Oriented Architectures

Service Oriented Architectures Service Oriented Architectures Uma abordagem evolutiva Manager, IT Middleware Vodafone Portugal Mario.saraiva@vodafone.com Agenda 1. O desafio da Integração O princípio do Middleware, ActiveWorks e Middleware

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1 Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal João Varajão 1, Cidália Pereira 2, Luís Amaral 3, Sandra Castro 2 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias,

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO

NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO NOTIFICAÇÃO DE NEGÓCIO O Microsoft Business Solutions for Supply Chain Management Navision Business Notification ajudao a gerir a sua empresa mais facilmente e eficazmente. Pode identificar qualquer problema

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto

Os Sistemas de Informação nas PME s. José Pinto Os Sistemas de Informação nas PME s José Pinto José Ângelo Costa Pinto Licenciado em Gestão Empresas Pós-Graduação em Sistemas de Informação (PM) Pós Graduação em Economia e Gestão Mestre em Sistemas de

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário A Internet: Modelos de Negócio, Publicidade e Meios

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

ACEPI/Netsonda Barómetro Trimestral do Comércio Electrónico em Portugal 1º Trimestre 2012. Página 1

ACEPI/Netsonda Barómetro Trimestral do Comércio Electrónico em Portugal 1º Trimestre 2012. Página 1 Página 1 Sobre a ACEPI A ACEPI - Associação de Comércio Electrónico e Publicidade Interactiva, é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema.

Com esta tecnologia Microsoft, a PHC desenvolveu toda a parte de regras de negócio, acesso a dados e manutenção do sistema. Caso de Sucesso Microsoft Canal de Compras Online da PHC sustenta Aumento de 40% de Utilizadores Registados na Área de Retalho Sumário País: Portugal Industria: Software Perfil do Cliente A PHC Software

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet

Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Modelos de Negócio e Internet internet, intranet e extranet Luis Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Abril de 2001 Modelos de negócio e internet valor oferecido aos consumidores segmentação dos consumidores

Leia mais

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS

BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS BARÓMETRO TRIMESTRAL DO COMÉRCIO ELECTRÓNICO EM PORTUGAL 2º TRIMESTRE DE 2014 RELATÓRIO DE RESULTADOS Índice Introdução 03 Ficha Técnica 05 Sumário Executivo 06 Relatório de Resultados 07 Entidades Inquiridas

Leia mais

O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23

O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23 INTRODUÇÃO 5 ÍNDICE PREFÁCIO Carlos Zorrinho 11 PREFÁCIO Jorge Rocha de Matos 15 INTRODUÇÃO 17 CAPÍTULO 1 O CONTEXTO ECONÓMICO, CULTURAL E TECNOLÓGICO QUE CONDICIONA A VIDA DAS ORGANIZAÇÕES 23 CAPÍTULO

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações

Informática. Aula 7. Redes e Telecomunicações Informática Aula 7 Redes e Telecomunicações Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução Para as empresas modernas funcionarem eficazmente, são vitais as ligações que conectam as suas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL (Estudo de Caso: Rede Eletrosom Ltda em Pires do Rio - GO) MÁRCIO FERNANDES 1, DÉBORA DE AMORIM VIEIRA 2, JOSIANE SILVÉRIA CALAÇA MATOS

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica Informática Aula 8 Estrutura e Funcionamento de Computadores Software Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Tipos de Software Software de Sistema Software Aplicacional Gestão do Sistema

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL

TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL TENDÊNCIAS DE PROJECTOS DE IT EM PORTUGAL Estudo Infosistema 4º trimestre de 2014 OBJECTIVO DO ESTUDO Objectivo: Analisar as tendências de projectos de IT em Portugal Período em análise: 4º Trimestre de

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

Seminário GS1 Portugal FIPA

Seminário GS1 Portugal FIPA GS1 - The Global Language of Business Seminário GS1 Portugal FIPA Nuno Miranda 14.06.2012 2 EDI = Electronic Data Interchange - Transferência Electrónica de Documentos EDI é a transferência de MENSAGENS

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Tecnologia da Informação. Aula 3 e-business. Prof. Adrian Kemmer Cernev. Prof. Adrian Cernev. Tec. da Informação

Tecnologia da Informação. Aula 3 e-business. Prof. Adrian Kemmer Cernev. Prof. Adrian Cernev. Tec. da Informação Tecnologia da Informação Aula 3 e-business Prof. Adrian Kemmer Cernev Questão-chave Como eu faço, então, esse negócio online deslanchar? Nascimento e evolução da Internet 1969 ARPAnet - rede baseada em

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo

Impacto das Novas Tecnologias na Contabilidade. A. Domingues de Azevedo Tecnologias na Contabilidade 1 SUMÁRIO 1. Introdução Impacto das Novas 2. Impacto das Novas Tecnologias na Economia e na Sociedade a) A Empresa na Hora b) A Empresa On-line c) A informação Empresarial

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

B2C. Pedro Sousa. Pedro Sousa

B2C. Pedro Sousa. Pedro Sousa B2C Posicionamento dos Sistemas B2C Primary Activities Inbound Logistics Operations Outbound Logistics Marketing & Sales Services Support Activities Procurement Human Resource Management Infrastructure

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal > outsourcing > > consulting > > training > > business solutions > > engineering & systems integration > > payment solutions > Portugal Há sempre um melhor caminho para cada empresa. Competências Outsourcing

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias

Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Tópicos de Ambiente Web Internet: negócios eletrônicos, novas tendencias e tecnologias Professora: Sheila Cáceres Uma mensagem enviada em internet é dividida em pacotes de tamanho uniforme. Cada pacote

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181 SUMÁRIO SUMÁRIO PREFÁCIO AGRADECIMENTOS VII XI XIII INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. ORGANIZAR WORKFLOWS 1 1.1 Ontologia da gestão de workflows 1.2 Trabalho 1 1 1.3 Processos de Negócio 3 1.4 Distribuir e Aceitar

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Marcos N. Lessa. Global Document Outsourcing Director

Marcos N. Lessa. Global Document Outsourcing Director Marcos N. Lessa Global Document Outsourcing Director Managed Print Services: Serviço de valor acrescentado Managed Print Services (MPS) é um serviço que envolve a gestão de todos os equipamentos de impressão,

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais