AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PONTA GROSSA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PPGEP ELAINE WANTROBA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL PONTA GROSSA NOVEMBRO

2 ELAINE WANTROBA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção, do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Área de Concentração: Gestão Industrial, do Departamento de Pesquisa e Pós Graduação do Campus de Ponta Grossa, da UTFPR. Orientador: Prof. Luciano Scandelari, PhD. PONTA GROSSA NOVEMBRO

3 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ!"#$% & &'( $% TERMO DE APROVAÇÃO Título de Dissertação Nº 063 AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL por Elaine Wantroba Esta dissertação foi apresentada às 08 horas do dia 15 de dezembro de 2007, como requisito parcial para a obtenção do título de MESTRE EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, com área de concentração em Gestão Industrial, linha de pesquisa Gestão do Conhecimento e Inovação, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. O candidato foi argüido pela Banca Examinadora composta pelos professores abaixo assinados. Após deliberação, a Banca Examinadora considerou o trabalho aprovado. Prof. Dr. Valdir Michels UNICENTRO Prof. Dr. João Luiz Kovaleski UTFPR Prof. Dr. Cezar Augusto Romano UTFPR Prof. Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) Orientador Prof. Dr. Kazuo Hatakeyama (Coordenador) (UTFPR) Coordenador do PPGEP

4 AGRADECIMENTOS A Deus, fonte de luz e inspiração. Sem Ele nada somos... Ao professor Luciano Scandelari, orientador desse trabalho, por toda dedicação, paciência e ensinamentos dispensados. Aos membros da Banca Examinadora e aos funcionários da secretaria do PPGEP. A todos os professores dos cursos de Pós-Graduação da UTFPR pelo conhecimento compartilhado durante as aulas. A Universidade Tecnológica Federal do Paraná que oportuniza um ensino de qualidade e excelência. Aos colegas de turma, pelo apoio e pela amizade demonstradas durante o curso. A todas as pessoas que contribuíram direta e indiretamente para a realização da pesquisa.

5 ... Assim, Robinson Crusoé sacrificou parte de seu consumo em prol de fazer uma poupança. Desta forma, estaria garantindo o seu consumo de amanhã. Ao sacrificar, então, parte de sua poupança em prol de investimentos, estava garantindo seu consumo para depois de amanhã... (Karl Marx, 1800 História de Robinson Crusoé com enfoque econômico)

6 RESUMO Os sistemas ERP tiveram um crescimento considerável nos últimos anos, impulsionados pela inovação tecnológica e pela competição no mercado. Vivemos numa era em que a tecnologia se tornou um diferencial competitivo e estratégico dentro das organizações. Por esse motivo, todo investimento em TI precisa ser muito bem avaliado e alinhado aos negócios das empresas, favorecendo o crescimento, o desenvolvimento e até mesmo, a sobrevivência no mercado atual. Entre as vantagens que os sistemas informatizados oferecem, estão a agilidade nas informações, integrações de dados, redução de custos de pessoal, melhoria nos processos produtivos entre outros. No entanto, a aquisição de ativos de TI, especialmente sistemas integrados de gestão, é ainda considerado caro e de difícil adaptação à realidade das empresas, tornando difícil justificar o retorno obtido com tais investimentos. Normalmente, os indicadores tradicionais de retorno inviabilizam projetos de TI. Surge, então, a necessidade de se justificar tais projetos por outros meios. Nesse estudo, serão discutidas e apresentadas metodologias que visam avaliar os investimentos em sistemas ERP, considerando os benefícios tangíveis e intangíveis de retorno, bem como o alinhamento estratégico. Embora nenhuma metodologia seja aceita universalmente é importante o conhecimento delas, para que se possa ampliar a discussão sobre o tema. Será realizado um diagnóstico de um caso real de implantação de ERP, em um grupo industrial, aqui denominado como Alfa, evidenciando quais foram os critérios escolhidos para a tomada de decisões sobre a escolha do sistema, como se procedeu a implantação do sistema e como os gerentes avaliam o processo, em dois anos de implementação. Também serão apresentadas metodologias para avaliação de investimentos em sistemas ERP, com base na literatura existente. Palavras-chave: sistemas ERP, retorno de investimentos, intangíveis, estratégia, benefícios.

7 ABSTRACT The systems ERP (Enterprise Resource Planning) had a considerable growth in the last years, impelled by the technological innovation and the market competition. We live in a time where the technology became a competitive and strategic differential inside the organizations. For that reason, every investment in Information Tecnology IT, needs to be very well appraised and aligned to the businesses of the companies, helping the growth, the development and even, the survival in the current market. Among the advantages that the computerized systems offer, there are the agility in the information, data integration, reduction of personnel's costs, improvement in the productive processes, among others. However, the acquisition of IT assets, especially integrated systems of administration, it is considered still expensive and difficult to adapt in the companies reality, turning difficult to justify the return obtained with such investments. Usually, the traditional indicators of return make unfeasible the projects of IT. It appears, then, the need to justify such projects for other ways. In this study, it will be discussed and presented methodologies that seek to evaluate the investments in ERP systems, considering the tangible and intangible benefits of return, as well as the strategic alignment. Although no methodology is universally accepted it is important the knowledge of them, so It will be possible to enlarge the discussion on the theme. A diagnosis of a real case of implantation of ERP will be accomplished, in an industrial group, here denominated as Alpha, evidencing which were the chosen criteria for making decisions about the choice of the system, how was the procedure of the implantation of the system and how the managers evaluate the process, in two years of implementation. Methodologies for evaluation of investments in ERP systems will be exhibited too, based in the existent literature. Key-words: ERP systems, return of investments, intangible, strategy, benefits.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 2.1: Arquitetura das Informações da Empresa Figura 2.2: Relação TI e empresa Figura 2.3: Ciclo de Vida dos Sistemas ERP Figura 3.1: Metodologias de Análise de Investimentos Figura 3.2: Fórmula ROI simplificada Figura 4.1: Forças que dirigem a concorrência na indústria Figura 4.2: A estratégia em Ação de Kaplan e Norton Figura 5.2: Fluxo de Caixa Figura 6.1: Metodologia proposta... 74

9 LISTA DE TABELAS Tabela 4.1: Resumo dos FCS da Administração de Informática Tabela 4.2: Escada de Benefíciosl Farbey et al. (1995) Tabela 5.1: Descrição do Projeto Tabela 5.2: Análise das alternativas Tabela 5.3: Comparativo da Estimativa dos custos de implantação do sistema ERP Tabela 5.4: Custos Tangíveis e Intangíveis de Sistemas Tabela 5.5: Cálculo do Payback 72 Tabela 6.1: Cálculo do ROA... 78

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS BSC: CIO: CRM EBITDA ERP: FCD: FCS: ROA ROI: SI: TCO: TIR: TI: TIRM: VOI: VPL: - Balanced Scorecard - Chief of Information Office - Customer Relationship Management - Earnings before interest, taxes, depreciation and amortization - Enterprise Resource Planning - Fluxo de Caixa Descontado - Fatores Críticos de Sucesso - Return on Assets - Return on Investiment - Sistemas de Informação - Total Cost of Ownership - Taxa Interna de Retorno - Tecnologia da Informação - Taxa Interna de Retorno Modificada - Value on Investiment - Valor Presente Líquido

11 SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... 4 RESUMO... 6 ABSTRACT... 7 LISTA DE FIGURAS... 8 LISTA DE TABELAS... 9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS INTRODUÇÃO TEMA QUESTÃO DE PESQUISA JUSTIFICATIVA HIPÓTESES OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS A EVOLUÇÃO DA TI E DOS SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORIGEM, CONCEITOS E TENDÊNCIAS DOS SISTEMAS ERP CRITÉRIOS DE RELEVÂNCIA NA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMAS CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS ERP MUDANÇAS ORGANIZACIONAIS E A RELEVÂNCIA DO FATOR HUMANO AS CUSTOMIZAÇÕES EM SISTEMAS ANÁLISE DE RISCOS, CUSTOS E RETORNO DE INVESTIMENTO EM SISTEMAS ERP ANÁLISE DOS RISCOS CUSTO DE OPORTUNIDADE E A SUBSTITUIÇÃO DE ATIVOS TOTAL COST OF OWNERSHIP (TCO) ANÁLISE DE INVESTIMENTOS ANÁLISE MATEMÁTICA DO RETORNO DE INVESTIMENTOS Período Payback Payback Descontado Valor Presente Líquido (VPL) Taxa Interna de Retorno (TIR) Taxa Interna de Retorno Modificada (TIRM)... 41

12 3.5 ANÁLISE CONTÁBIL DO RETORNO DE INVESTIMENTOS ROI RETURN ON INVESTIMENT ROI DU PONT E RETURN ON ASSETS (ROA) AVALIAÇÃO DE BENEFÍCIOS INTANGÍVEIS E ESTRATÉGICOS EM TI FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO A ESCADA DE AVALIAÇÃO DE BENEFÍCIOS DE FARBEY (1995) INFORMATION ECONOMICS O BALANCED SCORECARD (BSC) METODOLOGIA TIPO DE PESQUISA CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA DESCRIÇÃO DO PROJETO E DA METODOLOGIA UTILIZADA PELA EMPRESA ANÁLISE DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO ANÁLISE TRADICIONAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM SISTEMAS IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO ENQUADRAMENTO DA EMPRESA SEGUNDO AS OITO ESCADAS DE BENEFÍCIOS DE FARBEY AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS E BENEFÍCIOS INTANGÍVEIS ATRAVÉS DO BALANCED SCORECARD - BSC CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES PARA NOVOS ESTUDOS REFERÊNCIAS: ANEXOS ANEXO 1 ROTEIRO DE ENTREVISTAS...89 ANEXO 2 RESULTADOS DAS ENTREVISTAS...93 ANEXO 3 DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DO GRUPO ALFA...97

13 1 INTRODUÇÃO Os Sistemas Integrados de Gestão Empresarial se destacam no mercado de soluções de informática. Impulsionados pelas pressões competitivas do mundo moderno e pelo desenvolvimento das tecnologias, surgem como solução para as empresas que precisam produzir mais em menos tempo, reduzindo margem de erro e custos. Os sistemas ERP (Entreprise Resource Planning ou Planejamento dos Recursos da Empresa) foram os que mais se destacaram entre todos os sistemas integrados de gestão que emergiram nos últimos anos. Na década de 90, houve um crescimento expressivo da sua utilização, na busca por maior competitividade, redução de custos e resposta imediata às necessidades do mercado. Inúmeras empresas recorreram à adoção dos pacotes ERP s. Com a sua utilização em larga escala e, levando em consideração que os investimentos aplicados em um sistema são relativamente altos, surgiu a necessidade de uma avaliação prévia ao adquirir novas tecnologias de informação e de se verificar como se realiza a escolha de um sistema, quais os custos envolvidos no processo e quais os benefícios alcançados. O ROI Return on Investiment, tornou-se uma medida bastante popular na análise de investimentos de TI. Criado em 1977, pelo Gartner 1, ganhou destaque nos anos 90, com a expansão dos sistemas de gestão. Sua finalidade é demonstrar se há ou não viabilidade econômica, para investir em determinada tecnologia e em quanto tempo esse investimento se pagará. Como o ROI não consegue mensurar os valores intangíveis do investimento, outras técnicas de análise vêm sendo desenvolvidas para superar tal dificuldade. Nesse sentido, diversas metodologias vêm ganhando espaço na avaliação de 1 Gartner Group Empresa de consultoria Americana, especializada em análise de tendências e usos da tecnologia da informação.

14 projetos, dando ênfase à identificação dos custos e dos benefícios intangíveis de retorno de investimentos. Destarte, pretendeu-se, neste trabalho, identificar a metodologia de análise de investimentos mais relevante para avaliação dos projetos de TI, dando prioridade às metodologias capazes de identificar aspectos intangíveis de investimento. Tal estudo caracterizou-se como um estudo de caso real, realizado em um Grupo Industrial composto de cinco empresas localizadas em Guarapuava PR, onde se analisou um projeto referente à implantação de Sistema ERP. A finalidade de tal projeto era a integração das empresas do grupo e dos diversos setores, aumento de competitividade e maior agilidade nos processos. No presente estudo foram avaliados todos os custos envolvidos na implantação do novo sistema, comparativamente aos gastos estimados. Também foram realizadas entrevistas com os gerentes de cada divisão dentro da organização e avaliados os benefícios visualizados e as dificuldades enfrentadas ao longo de pouco mais de dois anos de uso do novo sistema. O trabalho se divide em seis capítulos, sendo o primeiro composto de introdução, tema, problema, objetivos, hipóteses e justificativa; no capítulo dois, é realizada uma revisão teórica e conceitual, em que são descritos os componentes da Tecnologia da Informação para as empresas e como estes componentes estão diretamente ligados aos Sistemas ERP; no terceiro capítulo, são conceituados e evidenciados a análise de riscos, custos e retorno de investimentos pelas técnicas tradicionais; no capítulo quatro são descritas as métricas mais utilizadas para o cálculo do retorno de investimentos em TI, levando em consideração aspectos tangíveis e intangíveis; no capítulo cinco, são evidenciados e diagnosticados os dados da empresa, objeto de estudo e realizada uma descrição do processo de implantação da empresa; no capítulo seis, é sugerida uma proposta para avaliação de investimentos em sistemas, utilizando quatro das metodologias existentes. Por fim, são realizadas as considerações finais do estudo.

15 1.1 TEMA Os sistemas ERP permitem às empresas melhorarem o fluxo de informações, reduzirem custos e se tornarem mais eficientes. No entanto, os sistemas são caros, sua implantação é complexa e nem sempre se consegue mensurar adequadamente seus benefícios. Os sistemas ERP exigem grandes investimentos em nível econômico, humano e organizacional. Tais investimentos não são somente efetuados na fase inicial, mas durante todo o seu ciclo de vida. (ESTEVES et all, 2000). Quando se pensa somente nos aspectos tangíveis, como redução de custos, seja com redução de pessoal e economia de papel, por exemplo, não se consegue facilmente observar o verdadeiro valor de um sistema ERP. Junto com os sistemas vêm outros custos como depreciação de Hardware (25% ao ano), custos de manutenção etc. Sua relevância talvez esteja justamente nos fatores intangíveis, como a melhora do fluxo de informações e maior eficiência no processo produtivo (GRAEML, 2000). Esses benefícios não podem ser mensurados por meio da fórmula tradicional do ROI. Dessa forma, surge a importância de se definir novas formas de se calcular o Retorno de Investimentos, para evidenciar se os benefícios auferidos são compatíveis aos custos do sistema. 1.2 QUESTÃO DE PESQUISA Os investimentos em Tecnologia da Informação (TI) são essenciais para todos os negócios, ao mesmo tempo em que tais investimentos nessa área são cada vez maiores, e devem servir não somente a redução de custos como também à obtenção de maiores lucros. Nesse sentido, a questão fundamental dessa pesquisa esta relacionada com a proposição de um método de avaliação relevante para o cálculo de retorno de investimentos em Sistemas ERP para o grupo Alfa. Surgem então a seguinte questão Qual a melhor metodologia para se calcular o retorno sobre investimentos em Sistemas ERP levando-se em consideração os aspectos tangíveis e intangíveis?

16 1.3 JUSTIFICATIVA Anualmente as empresas precisam fechar o orçamento de capital, anual ou plurianual. Tem-se como desafio selecionar as opções de investimento que irão maximizar os lucros para os proprietários ou acionistas, em longo prazo, respeitando as restrições orçamentárias. A remuneração dos investimentos é a recompensa ao empreendedor por seu capital investido. Desta maneira, é importante calcular o retorno de investimentos sobre o capital investido como maneira de subsidiar a tomada de decisão e como ferramenta gerencial e financeira. Com o objetivo de melhorar a qualidade das decisões gerenciais, expandir as atividades, ou simplesmente para obter um maior controle sobre as operações, as empresas tendem a investir cada vez mais em Tecnologia da Informação (TI). Junto com essa necessidade, e levando em consideração que as despesas operacionais com infra-estrutura de TI vem aumentando consideravelmente, é, portanto necessário calcular a viabilidade econômica desses investimentos. Estimar os custos de investimento em um Sistema ERP que é um dos elementos de alto custo em TI, é relativamente simples, no entanto, calcular os benefícios deste investimento inclui uma série de fatores intangíveis, como o tempo que leva para o retorno ocorrer; a adaptação estratégica na empresa; os custos da oportunidade; os níveis de inovação necessários; o valor da conexão com os clientes. Nesse contexto, existe uma crescente preocupação com a mensuração de Ativos Intangíveis e a avaliação de sua contribuição no resultado das organizações. Na chamada Sociedade do Conhecimento (DRUKER, 2000) ressalta que a inovação, a iniciativa e o conhecimento são fatores estratégicos para o melhor desempenho das organizações. Levar em consideração esses fatores intangíveis é essencial para estimar o valor dos investimentos em TI. A combinação de fatores tangíveis e intangíveis indica algumas lacunas com as quais os gerentes se defrontam quando avaliam esses investimentos.

17 1.4 HIPÓTESES As fórmulas tradicionais de avaliação de investimentos não conseguem mensurar todos os benefícios de um sistema ERP e por isso devem ser aliadas a outras técnicas. As técnicas de cálculo que consideram o valor intangível dos investimentos oferecem cálculo mais próximo à realidade. O volume e qualidade dos custos de implementação de sistemas ERP são relevantes na decisão sobre investimentos em TI. 1.5 OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Propor uma metodologia de avaliação de investimentos em Sistemas ERP, com base na literatura existente OBJETIVOS ESPECÍFICOS Identificar os principais métodos de avaliação de investimentos propostos por autores contemporâneos; definir os critérios mais evidentes de relevância para o cálculo de retorno de investimentos em sistemas ERP; descrever o processo financeiro na implementação de Sistemas ERP; propor metodologias eficientes para avaliação de investimentos em sistemas.

18 2. A EVOLUÇÃO DA TI E DOS SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL Neste capítulo, é apresentada uma revisão de literatura contemplando conceitos relacionados à Tecnologia da Informação (TI) e Sistemas ERP, ressaltando suas características, relevância, custos e benefícios esperados. Para que um sistema de informações funcione adequadamente, é preciso toda uma estrutura de TI que o auxilie. Nesse sentido, serão conceituados os principais componentes necessários à implantação de ERP s nas empresas. 2.1 A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO A Tecnologia da Informação (TI) pode ser considerada um conceito bastante abrangente, pois, além de se constituir na soma de computadores, telecomunicações, recursos da informação, sistemas, etc., também envolve aspectos humanos, administrativos e organizacionais. A TI tem se destacado de maneira abrangente no mundo corporativo, contribuindo para o fornecimento de informações que contribuem para o planejamento, para a definição de estratégias e para a tomada de decisão nas empresas. Nos anos 70, a indústria de informática era movida por obsolescência tecnológica. Era fácil para que o gerente de informática justificasse a razão de troca de equipamentos, como no caso, por exemplo, o balanço vai sair mais rápido, assim como a folha de pagamento, etc. No começo dos anos 90, o papel do gerente de informática passou a ser diferente, ele deve procurar direcionamento de novos investimentos, de forma a reduzir os custos totais na área. O que mudou nesse período, é que a modernidade passou a ser associada a um custo menor, mas as decisões continuam sendo de caráter tecnológico. E por continuarem dessa forma, dissociadas da tradicional relação custo x benefício, os custos de informática continuam a crescer.

19 Na atualidade, os investimentos em TI na América Latina estão acelerados. O Gartner Group 2 Instituto de Pesquisas realizou um estudo onde ouviu CIOs latinoamericanos sobre as tecnologias que pretendiam investir em A taxa anual de crescimento dos orçamentos na região deve ser de 7,3% até 2010, o dobro em relação às estimativas para os Estados Unidos. O estudo ainda identifica que a América Latina está investindo três vezes mais que a média mundial. De acordo com a pesquisa, as empresas latino-americanas vão aumentar em 8,5% o volume de recursos para projetos de TI ao longo de 2007, enquanto a média mundial para o mesmo período ficou em 2,8%. Diante desse contexto, torna-se imperativo tomar decisões com base em critérios econômicos e não mais tecnológicos somente. A Tecnologia propriamente dita vive em contínua transformação constantemente surgem inovações importantes. Houve época em que o grande desafio era gerenciar e acompanhar a tecnologia, mas, recentemente, o desafio passou a ser gerenciar o uso da tecnologia. (KEEN, 1996). Segundo REZENDE e ABREU (2001, p. 76): Pode-se conceituar a Tecnologia da Informação como recursos tecnológicos e computacionais para geração e uso da informação. Outro conceito de TI pode ser todo e qualquer dispositivo que tenha capacidade para tratar dados e ou informações, tanto de forma sistêmica como esporádica, quer esteja aplicada ao produto, quer esteja aplicada no processo. (CRUZ, 2003). Os componentes da Tecnologia da Informação podem ser assim especificados: Hardware e seus dispositivos e periféricos; software e seus recursos; sistemas de telecomunicações; 2 Gartner Group Empresa de consultoria Americana, especializada em análise de tendências e usos da tecnologia da informação.

20 gestão de dados e informação. (REZENDE e ABREU, 2001) Os dados devem ser submetidos a atividades de processamento, a fim de serem analisados e organizados, para convertê-los em informação para os usuários finais. A arquitetura genérica dos sistemas de informação de uma empresa pode ser graficamente representada na figura 2.1: Arquitetura de Informações da Empresa PRODUÇÃO COMERCIAL FINANÇAS R.H. Sist. De Suporte a Altos Executivos Aplica ções Funcio nais de Negócios Sist. De Apoio a Média Gerência e Especialistas Automação Escritório, Sist. Apoio Operacional Sist. Coleta e Registro de Transações da Empresa HARDWARE SOFTWARE DADOS TELECOMUNI- CAÇÃO Base Computacional Figura 2.1- Arquitetura das Informações da Empresa Fonte: Rezende e Abreu (2001) Um sistema de informação bem estruturado e funcionando de forma eficiente ajuda no processo de tomada de decisões e auxilia os indivíduos da organização a atuarem harmoniosamente. Como afirma AZEVEDO (2000), novas idéias, conceitos e requisitos têm sido propostos, no sentido de auxiliar na competitividade das empresas, tais como: a constante diminuição do ciclo de vida dos produtos, a contínua melhoria da

21 qualidade e da confiabilidade, a concepção e a produção de produtos cada vez mais complexos, etc. Para ALTER (1996), a relação entre TI e os demais componentes do negócio são representadas na figura 2.2: Figura 2.2: Relação TI e empresa Fonte: Alter (1996) A TI tem grande tem grande influência na empresa como um todo, e deve ser considerada como fator estratégico. Dependendo do ramo de atividade, a TI pode afetar os processos de negócio, a firma e o ambiente de negócio. Os investimentos em TI contribuem para a melhora do desempenho das empresas, pois os computadores vêm conquistando cada vez mais espaço e se transformaram em ferramenta estratégica para expansão e gestão de negócios. Dessa forma, a TI deve ser vista como um meio de viabilizar os Projetos de SI, interferindo em toda a organização. Os investimentos em TI devem ser constantes, no entanto, é preciso que sejam avaliados com muito cuidado: esse tipo de investimento costuma ser alto, especialmente quando se trata de investimento em equipamentos, contribuindo para que o problema se torne mais complexo, pois a depreciação desses equipamentos acontece de maneira muito rápida.

22 Se por um lado pode haver redução de pessoal, ou de papel na empresa, por outro essa economia é compensada com o gasto elevado da depreciação do hardware. Os equipamentos de informática depreciam 25% a.a., ou seja, em quatro anos o bem já está totalmente depreciado. Outro custo relevante é com as atualizações de versões do software e treinamento de funcionários 2.2 ORIGEM, CONCEITOS E TENDÊNCIAS DOS SISTEMAS ERP Os sistemas ERP Entreprise Resource Planning, que traduzidos literalmente significam Planejamento dos Recursos da Empresa, no Brasil, são conhecidos como sistemas integrados de gestão empresarial, têm como finalidade controlar e dar suporte a todos os setores da empresa: operacionais, administrativos, comerciais e produtivos. Para PADILHA et al (2005): O ERP é um sistema integrado que possibilita um fluxo de informações único, contínuo e consistente por toda a empresa, sob uma única base de dados. Devido a essa característica de unificar e facilitar o fluxo de informações dentro da empresa, a utilização dos produtos ERP tem crescido consideravelmente. Segundo a AMR research Inc, o mercado de softwares ERP continuará a ser um dos maiores em crescimento e em influência na indústria de software. LAURINDO e MESQUITA (2000) descrevem a evolução dos sistemas ERP: No início da década de 90, em evolução aos sistemas MRPII, surgiram os sistemas integrados, denominados "Enterprise Resources Planning" - ERP. Esta nova geração de sistemas tem sua abrangência expandida para além da Produção, atingindo, entre outras, as áreas Contábil, Financeira, Comercial, de Recursos Humanos, Engenharia, Gerenciamento de Projetos, englobando uma completa gama de atividades dentro do cenário de negócios das empresas. Vale destacar que, em muitas das implantações de sistemas ERP, apenas são adquiridos estes módulos voltados para as partes administrativas da corporação, ficando de lado toda a parte relativa ao MRPII, i.e., a parte que trata da produção. Anteriormente aos sistemas Integrados de Gestão, existiam os sistemas MRP s, que abrangiam apenas a área de produção e de difícil adaptação a outros sistemas. Com a evolução tecnológica, os sistemas ERP surgem como importante

23 ferramenta, capaz de auxiliar as empresas agilizando os processos, melhorando o fluxo de informações e, conseqüentemente, a tomada de decisões. Segundo DAVENPORT (1998), a implementação dos sistemas ERP foi o acontecimento mais importante ocorrido no mundo dos negócios nos anos 90. Para o autor, a não implementação de um ERP está fora de questão, pois os ganhos em longo prazo com produtividade e integração das empresas são indiscutíveis. A tecnologia tornou-se algo essencial para as empresas. Do hardware e do software ao uso da Internet e do , às opções tecnológicas que podem facilitar a comunicação e a interação com clientes, auxiliar na gestão, no controle, na produção, enfim, contribuir para o alcance de inúmeros benefícios. Ao tomar a decisão pela utilização de sistemas ERP, as empresas esperam obter: a integração, o incremento das possibilidades de controle sobre processos da empresa, a atualização tecnológica, a redução de custos da informática, o acesso a informações de qualidade em tempo real. Para discutir essas questões e ampliar o conhecimento sobre o tema, inúmeros trabalhos científicos já retrataram os investimentos em TI, sob diferentes pontos de vista. A literatura também contempla trabalhos que vêm sendo realizados em relação aos sistemas ERP s, no que se refere a sua seleção, implementação e seus impactos organizacionais: SCHMIDT (2004) afirma em sua tese, que, se os esforços financeiros e humanos que as empresas têm dispendido na implantação dos sistemas ERP têm trazido melhoria nos seus processos de gestão e agregado valor ao negócio, é possível medir a eficiência da utilização da TI em uma empresa, pelo retorno que ela propicia, análise dos custos e pela agregação de valor nos produtos ou serviços. Ressalta, ainda, a importância do fator humano para o sucesso dos sistemas ERP quando algo não dá certo, a tendência é culpar somente os aspectos materiais do sistema ou do hardware, quando, na realidade, o papel da gestão e das pessoas é o mais relevante para o sucesso do sistema. SCHAICOSKI (2002), em sua dissertação intitulada A utilização do ROI na Análise de Projetos de Tecnologia da Informação, realiza um estudo de viabilidade referente à implantação de um sistema ERP, utilizando as técnicas de retorno sobre

24 investimentos tradicionais (sem considerar aspectos intangíveis). O autor ressalta a importância de se calcular o retorno de investimentos nesses projetos, bem como a dificuldade encontrada pelas empresas em realizá-lo, especialmente nas de médio porte. HENDERSON & VENKATRAMAN (1993) propuseram um modelo que destaca e analisa a importância estratégica do papel desempenhado pela TI dentro das empresas. É realizada a análise do impacto da TI nos negócios da empresa, na estratégia de TI e na disponibilidade no mercado em termos de novas tecnologias. GRAEML (2003) dá ênfase às questões financeiras e avalia como as empresas consideram os dispêndios em TI, se como investimentos ou como despesas. É analisada também a idéia de que o nível de investimentos em TI está associado ao desempenho da empresa e citados os métodos de análise de investimentos capazes de capturar o valor dos fatores intangíveis, entre esses, os Fatores Críticos de Sucesso de Rockart e o Balanced Scorecard de Kaplan e Norton (1993). PEREIRA, TURRIONI E PAMPLONA (2005), afirmam que os métodos tradicionais de análise de investimentos (ROI, TIR, VPL), não são tão eficientes porque não contemplam uma das principais características da TI que são os benefícios intangíveis. Eles analisam em seus estudos, as dificuldades que esses métodos demonstram no cálculo de benefícios intangíveis. LAURINDO et all (2002), enfocam a TI como possibilidade de novas alternativas de estratégias nos negócios, e citam como exemplo o e-business. Porém, segundo o trabalho, ainda existem questionamentos sobre os reais ganhos advindos dos investimentos em TI. É preciso alinhar a TI com as estratégias da empresa, para que ela atinja seus objetivos ser eficaz e eficiente, alavancando os negócios e tornando a empresa mais competitiva. De maneira geral, eficiência significa fazer bem as coisas, enquanto que eficácia significa fazer as coisas certas. Segundo os autores, a eficiência está associada ao uso dos recursos, enquanto a eficácia está associada à satisfação de metas, objetivos e requisitos. Eficiência está relacionada com aspectos internos da atividade de TI e a adequada utilização dos

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI

Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Avaliação de Investimentos em Tecnologia da Informação - TI Ubiratam de Nazareth Costa Pereira (UNIFEI) upereira@sp.senac.br João Batista Turrioni (UNIFEI) turrioni@unifei.edu.br Edson de Oliveira Pamplona

Leia mais

Decisão sobre Investimentos em Bens de Capital

Decisão sobre Investimentos em Bens de Capital Decisão sobre Investimentos em Bens de Capital Elaine Wantroba (UTFPR - Ponta Grossa) elaine_2006@pg.cefetpr.br Dr. Luciano Scandelari (UTFPR Ponta Grossa) luciano@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Rogério João Lunkes Contabilidade Gerencial Um Enfoque na Tomada de Decisão Visual Books Sumário Prefácio 1 1 Aspectos Fundamentais da Contabilidade Gerencial 3 1 1 A Evolução da Contabilidade Gerencial

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro UGB

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro UGB PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br O Custo Total de Propriedade d (TCO) Prof. José Maurício S. Pinheiro UGB O custo da infra-estrutura 5% ou menos do orçamento total do projeto de uma rede de comunicação

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Auditoria do TCO de redes de

Auditoria do TCO de redes de PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Auditoria do TCO de redes de computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro - UGB A infra-estrutura Aspectos para Avaliação: Que tipo de informações são

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

Aula 8 Custo Total de Propriedade 2009-1

Aula 8 Custo Total de Propriedade 2009-1 1. Custo Total de Propriedade O custo do tempo de vida útil dos equipamentos TI tornou-se algo essencial para os usuários de redes de computadores. Assim que os usuários investem numa solução de infra-estrutura,

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

O custo da infra-estrutura no

O custo da infra-estrutura no O custo da infra-estrutura no projeto de redes de computadores José Maurício dos Santos Pinheiro Professor do Centro Universitário de Volta Redonda UniFOA Professor da Escola Técnica Pandiá Calógeras ETPC

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI na Prática

Gerenciamento de Serviços de TI na Prática Gerenciamento de Serviços de TI na Prática Uma abordagem com base na ITIL Inclui ISO/IEC 20.000 e IT Flex Ivan Luizio Magalhães Walfrido Brito Pinheiro Novatec Sumário Agradecimentos... 19 Sobre os autores...

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Enterprise Resouce Planning ERP O ERP, Sistema de Planejamento de Recursos

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas?

qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? RESUMO DA SOLUÇÃO Pacote CA Clarity PPM on Demand Essentials for 50 Users qual é o segredo para obter PPM de forma fácil e econômica em quatro semanas? agility made possible Agora a CA Technologies oferece

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Gestão de Valor e VMO. Cyrus Associados Apoio em Projetos

Gestão de Valor e VMO. Cyrus Associados Apoio em Projetos Gestão de Valor e VMO Cyrus Associados Como definimos sucesso de uma iniciativa temporária (projetos ou programas)? Agenda Cyrus Associados 1. VALOR como elo entre estratégia, portfolio de programas e

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso março 2011. ESPM Unidade Porto Alegre. Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. MANUAL DO CANDIDATO Ingresso março 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400 Segunda a sexta-feira 9h00

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: SISTEMA DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: SISTEMA DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO ÁREA: SISTEMA DE GESTÃO DE INFORMAÇÃO OS IMPACTOS DE UM ERP NA GESTÃO DE PROCESSOS DE UMA ORGANIZAÇÃO LUAN MOREIRA CAMARGO

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

1. Problemas da Falta de Planejamento PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA (PDI)

1. Problemas da Falta de Planejamento PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA (PDI) PLANO DIRETOR DE INFORMÁTICA (PDI) Também denominado Plano Diretor de Tecnologia da Informação, ou simplesmente Plano de Informática, é um planejamento composto do levantamento das necessidades da empresa

Leia mais

BALANCED SCORECARD Um estudo de caso em uma empresa de varejo

BALANCED SCORECARD Um estudo de caso em uma empresa de varejo BALANCED SCORECARD Um estudo de caso em uma empresa de varejo CLIENTES PROCESSOS INTERNOS VISÃO E ESTRATÉGIA FINANÇAS APRENDIZADO E CRESCIMENTO Como definir a empresa? Que visão a empresa deve ter? Quais

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema No ambiente de negócios atual, o potencial da Tecnologia da Informação (TI) está sendo utilizado para alavancar a vantagem competitiva de inúmeras industrias.

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar

Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de aperfeiçoamento do setor Hermes Management Consulting T: +54 11 4393 2019 www.hermesmc.com.ar Análise dos custos nas agências de viagem e formas de

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais