ANDRÉIA CÁSSIA DO NASCIMENTO SILVA NÚBIA FÁBIA DOS SANTOS PLÍNIO JOSÉ GALINDO SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANDRÉIA CÁSSIA DO NASCIMENTO SILVA NÚBIA FÁBIA DOS SANTOS PLÍNIO JOSÉ GALINDO SILVA"

Transcrição

1 ANDRÉIA CÁSSIA DO NASCIMENTO SILVA NÚBIA FÁBIA DOS SANTOS PLÍNIO JOSÉ GALINDO SILVA GESTÃO DE ESTOQUE NO SISTEMA SAP SISTEMA SAP FACULDADE ESCRITOR OSMAN DA COSTA LINS FACOL VITORIA DE SANTO ANTÃO, PE, 2013

2 GESTÃO DE ESTOQUE NO SISTEMA SAP SISTEMA SAP RESUMO *Andréia Cássia do Nascimento Silva *Núbia Fábia dos Santos *Plinio José Galindo Silva ** Ricardo André de Souza carvalho Este artigo tem como campo de pesquisa, principalmente, na área de sistema de informação relacionada com sistema integrado de gestão de estoque ERP (EnterpriceResources Planning). Procura-se avaliar a eficiência de um sistema ERP (o SAP R\3). O método utilizado foi através de pesquisas bibliográficaexploratória com compreensão dos conceitos relativos ao tema, assim como seus complementos; conhecer os fundamentos básicos de sistemas ERP e analisar se as necessidades para uma gestão de estoque são atendidas pelo SAP R\3. Constatou-se que esta ferramenta suprir em grande parte, as necessidades dentro da área dos estoques, gerando grande satisfação em relação ao sistema geral. Percebe-se também a utilização de sistemas alternativos dentro da área de controle de estoque nas empresas. Conclui-se com este trabalho que conforme os resultados auferidos através da pesquisa realizada na área de controle de estoque, um resultado satisfatório e que esta ferramenta é eficiente na gestão dos estoques nas empresas. Palavra-chave: ERP (Sistemas Integrados de Gestão Empresarial), SAP R\3 (sistemas, Aplicações e Produtos em Processamento de dados).

3 1INTRODUÇÃO Este trabalho é resultado de pesquisa sobre o crescimento das empresas no estado de Pernambuco, mas especificamente em Vitória de Santo Antão, identificar a necessidade de aplicar um sistema capaz de trazer benefícios satisfatórios para os colaboradores se torna cada vez mais indispensável. Uma preocupação constante em qualquer empresa é os níveis de estoque, portanto, fica imprescindível um controle eficaz. Diante disso, torna-se inquestionável a criação de uma cadeia logística eficiente, com controle permanente para obter uma vantagem competitiva que garantirá supremacia em relações aos concorrentes. Os estoques são materiais de suprimento que a empresa ou instituição mantém para vender ou para fornecer produto. Entretanto, o sistema de informação SAP 1 vem oferecer recursos que visam a sustentabilidade do estoque melhorando sua eficácia para a movimentação. Este artigo visa analisar a gestão dos estoques nas empresas, com o intuito de diagnosticar as atuais condições dos estoques de produtos acabados para apresentar os pontos críticos e positivos e indicar soluções capazes de auxiliar o processo decisório. O Planejamento da Produção é indiscutivelmente essencial para garantir um bom desempenho das empresas. A gestão de estoque é utilizada no âmbito da empresa, para controlar os custos e melhorar a qualidade dos produtos em questão, analisamos a gestão de estoques enfocando o estoque de produtos acabados, apresentando alguns pontos positivos e negativos. Dentre os pontos positivos destaca-se o sistema de estoque SAP sendo o espaço estratégico para desenvolver um sistema para futuras expansões e a localização adequada dos produtos. SAP 1 : Sistema de Informação

4 Hoje as empresas estão enfrentando uma concorrência grande, encontrando-se com clientes cada vez mais críticos e seletivos, buscando-se por produtos não apenas pelo seu preço, esim, pela qualidade e seu diferencial nos produtos e atendimentos, com estas possibilidades de mercado passa a ser competitiva a busca de novos clientes na fidelização pelo produto. O fator humano é identificado como dificuldades para uma perfeita implantação do sistema SAP nas empresas, sendo identificados fatores que podem contribuir para uma gestão de estoque com êxito na qualidade é rentabilidade na mesma. Tem-se como objetivo geral analisar a eficiência do sistema na gestão dos estoquesdas empresas mostrando que as habilidades possam ser direcionadas, de forma eficaz. Enquanto isto o objetivo especifico verifica a atuação dos colaboradores na aplicação do sistema, contribuindo com as praticas adotadas na gestão de estoque, descreve modelos nas funções que o sistema oferece para as empresas propondo ações que possam se adequar para melhoria na gestão dos estoques. A metodologia abordada trata-se de uma pesquisa bibliográfica sobre controle de estoque no sistema SAP, com isto foi realizado um levantamento que dará ênfase a alguns conceitos relevantes para a temática, quanto os fins trata-se de uma pesquisa exploratória por ter sido realizado um levantamento dos modelos dosistema SAP, Mostrando-se claro que o software SAP R/3 através do sistema de informação ERP (Enterprise Resource Planning), hoje em dia, é o que melhor auxilia na gestão empresarial, principalmente por apresentar um enorme estado de integração entre as diversas áreas da empresa e ao mesmo tempo respeitando a independência entre elas. Como qualquer pesquisa, ela depende também de uma pesquisa bibliográfica, pois mesmo que existam poucas referências sobre o assunto pesquisado, nenhuma pesquisa hoje começa totalmente do zero. Haverá sempre alguma obra, ou entrevista com pessoas que tiveram experiências práticas com problemas semelhantes ou análise de exemplos análogos que podem estimular a compreensão. O resultado deste trabalho nos trouxe uma visão das empresas e instituições em geral, que vem buscando incessantemete a excelência em seus processos. Tal busca visa oferecer produtos e serviços cada vez melhores reduzindo custos sem

5 comprometer a qualidade de seus estoques: gerando benefícios aos acionistas e colaboradores. 2 GESTÃO DE ESTOQUE Avalia-se neste contexto a visão de diversos autores, como desempenhar-se uma boa gestão de estoque através do sistema SAP, e do desenvolvimento mútuo de seus colaboradores, utilizando objeto de pesquisa, bem como, fundamentando a evolução do sistema obtido na pesquisa abrangente, para isso precisa-se entender o conceito de gestão de estoque. A administração do controle de estoque deve minimizar o capital total investindo em estoque, pois ele é caro e aumenta continuamente,uma vez que, o custo financeiro também se eleva. Uma empresa não poderá trabalhar sem estoque, pois, sua função amortecedora entre vários estágios de produção vai até a venda final do produto. Frente a uma realidade, onde são crescentes as exigências em termos de produtividade e de qualidade do serviço oferecido aos clientes, a logística assume um papel fundamental entre as diversas atividades da empresa para atingir seu objetivo e se manter viva e competitiva. De acordo com Ching (2003), o ambiente competitivo, aliado ao fenômeno cada vez mais amplo da globalização dos mercados, exige das empresas maior agilidade, melhorando o desempenho e a constante procura pela redução de recursos. Já paraoliveira (2009), O controle de estoque tem uma função administrativa que, mediante a comparação dos padrões previamente estabelecidos, pelo estoque procura medir e avaliar o desempenho e o resultado das ações. Um dos pontos que poderão fazer diferença se bem administrados. Dentro deste contexto oliveira (2009) diz que: o papel desempenhado pala função de controle e a avaliação no processo de administração estratégica é acompanhar o desempenho da empresa, por meio da comparação entre as situações alcançadas e as previstas, principalmente quanto aos objetivos e metas, e da avaliação das estratégias e políticas adotadas pelas as empresas. (OLIVEIRA, 2009, p. 187). A gestão de estoque uma vez que a organização que busca total controle sobre esta gestão, terá vantagens sobre seus concorrentes, pois conseguirá manter-

6 se competitivo, atendendo ás necessidades do mercado, sem onerar o capital da empresa, finaliza o referente autor. 2.1DEFINIÇÕES DE LOGÍSTICA Atualmente a forma utilizada pela área de logística para programar e controlar os estoques vem encontrando muitas dificuldade,devido ao grande número de variáveis externas e internas onde ocorrem mudanças no decorrer do mês mudanças estas que interferem diretamente nos níveis de estocagem,acarretando algumas vezes indisponibilidade do produto acabado, com isto consequentemente onerando o capital da empresa. Novaes e Alvarenga (2000), não definem explicitamente seu conceito de logística, mas dividem em: logística de suprimentos, logística no sistema industrial e logística de distribuição, deixando claro que ela trata de identificação das necessidades do cliente, através do marketing e da sua satisfação, indo buscar a matéria-prima nos fornecedores, processando os materiais através da produção industrial, até suprir os clientes pela distribuição dos produtos acabados. Dentro deste contexto, carvalho (2002) diz que : Logística é a parte do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento queplaneja, implementa e controla o fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias-primas, materiais semi-acabados e produtos acabados, bem como as informações a eles relativas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender às exigências dos clientes. (CARVALHO, 2002, p. 31). Logística é um processo que integra, coordenar e controlar: a movimentação de materias, inventário de produção acabados e informações relacionadas, fornecedores através de empresas; para satisfazer as necessidades dos clientes. Logística integra o gerenciamento do fluxo físico que começa com a fonte de fornecimento e termina no ponto de consumo. (IMMM, 2000, p. 1). 2.2 DADOS GERAIS DO ESTOQUE Os estoques são materiais e suprimentos que as empresas ou intituição matém, seja para vender ou fornecer insumos ou suprimentos para o processo de

7 produção, frequentemente, os estoques constituem uma parte substancial dos ativos das empresas, comforme Arnold, (2000). Segundo Arnold, (2000), a administração de estoques é responsável pelo planejamento e controle de estoquesdesde do estágiode materia-prima até o produto acabado entregue ao cliente. Como o estoque resulta da produção e distribuição, os dois não podem ser administrados separadamente. A formulação de politica de estoques, requer o conhecimento do papel do estoque nas áreas de produção e marketing, deve-se ter uma, visão da magnitude dos ativos nele investidos. (BOWERSOX,2001.p. 224). Existem muitas oportunidades para melhorar a produtividade de estoques, elas derivam de capacidade que a cadeia de suprimentos integrada têm com o intercâmbio de informação e do esforço gerencial para reduzir incertezas na demanda e nos tempos do ciclo de processamento. 2.3 CARACTERISTICAS BÁSICAS DE CONTROLE DO ESTOQUE O controle de estoques envolve as tarefas de coordenação dos fornecedores condições fisícas, aramazenamentos, distribuição e registros das existências de todas as mercadorias. (GURGEL, 2000,p.67). Existem características que são comuns a todos os problemas de controle de estoques, não importando se são matérias primas, material em processo ou produtos acabados. 2.4 DEFINIÇÃO E TIPO DE ESTOQUES Para Slack (2000, p. 278) Estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. Para o referente existem vários tipos de estoques ex: um banco mantém estoque de pessoal, um estoque de caixas eletrônicos; um escritório de assessoria tributária mantém estoque de informações. No nosso caso, em questão, vamos falar de estoque de produtos acabados, prontos para serem comercializados. Quase todo tipo de operações produtivas mantém estoques, mas há diferenças entre os seus tipos.

8 Já para Ballou, (2001) algumas das razões para que as empresas estoquem materiais são: redução de custos de transporte; coordenação entre oferta e demanda; auxilio no processo de produção e ajuda no processo de marketing. Ainda para o autorcitado é impossível conhecer com certeza a demanda de um produto de uma empresa, e como ficaria difícil satisfazê-la imediatamente, então a necessidade do estoque. A armazenagem de estoque pode conduzir a custos de transportes mais baixos através do embarque de quantidades maiores e, portanto, mais econômicos. Ainda para Ballou (2001), o marketing está sempre preocupado com o quão prontamente um produto está disponível no mercado. Pois um produto armazenado agrega valor a este, e quanto mais perto do cliente esse produto esteja, mais rápido poderá ser entregue e, em conseqüência, poderá aumentar suas vendas ESTOQUE DE ANTECIPAÇÃO E SEGURANÇA Os estoques de antecipação seu objetvo, e para atender as demandas, futuras através de uma previsão programada de promoções ou até mesmo diante de possíveis eventualidade que a produção poderá ter. Através do método de antecipação a empresa pode nivelar seu nível de produção, com isto oferecendo auxílio a redução de custos de mudança das taxas de produção. A quantidade extra calculada de estoque mantido egerencialmente utilizado como proteção contra incerteza relativa a quantidade obtida, o estoque de segurança em qualquer empresa, depende de fatores interligados a variabilidade da demanda durante a frequência de novos pedidos com o nível de atendimento desejado com uma extensão maior demanda do estoque de segurança deve ser mantido.segundo Arnold (2001,p. 269). O estoque de segurança é mantido para proteger a empresa da flutuações aleatórias e imprevisíveis do suprimento da demanda. Assim, Corrêa (2008) defende que: A demanda assumida constante no patamar médio, durante o (lead time).por conseguinte, isso significa que o estoque chegará a zero antes que o ressuprimento chegue, causando falta. Para fazer frente a essas situações de variações aleatórias da demanda, em torno de sua média, muitas empresas resolvem lançar mão de manter alguma quantidade de estoque (chamada estoque de segurança) para que, nos casos em que, depois de emitido o pedido de ressuprimento, a demanda aumentar não haja falta ( CORRÊA 2008, p. 42).

9 De acordo com Tubino (2008) os estoques de segurança são para absorver as variações na demanda durante o tempo de ressuprimento, ou variações no próprio tempo de ressuprimento, dado que é apenas durante este tempo que os estoques podem acabar e causar problemas ao fluxo do produtivo mesmo assim o tamanho dos estoques de segurança está relacionado com o tamanho das variações na demanda prevista e/ou variações do tempo previsto de resuprimento, quanto maior for essas variações, maiores serão os estoques de segurança. Portanto, tubino (2008) declara que: Na realidade, os estoques de segurança agem como amortecedores para os erros do sistema produtivo associados ao abastecimento interno e externo dos itens. Estes erros fazem com que os tempos de ressuprimento e as demandas variem, impossibilitando o bom funcionamento do modelo de controle de estoques sem uma segurança (TUBINO, 2008, p.81). As organizações na prática tendem a conviver com estes erros e colocar estoques de segurança nos modelos de controle de estoques para amortecê-los, pelo menos enquanto estes erros não forem eliminados. De acordo com Tubino (2008) a colocação de estoques de segurança geralmente não precisa ser feita em todos os itens administrados pelo sistema de controle, necessitando se considerar nesse aspecto a dependência entre itens e os gargalos produtivos do sistema. O referente autor frisa ainda que: O outro aspecto considerado na escolha do ponto onde se colocaria estoque de segurança está relacionado ao fato de terem recursos gargalos no roteiro de fabricação do produto. Um recurso gargalo é um recurso cuja capacidade limita a capacidade total do roteiro, e, portanto, não deve ficar parado, pois uma parada nele não pode ser recuperada pelo sistema. Nos pontos de roteiro de fabricação onde houvesse recursos gargalos, a programação desses recursos deveria protegida com uma quantidade adicional de segurança para evitar paradas (TUBINO, 2008, p.82). Segundo Tubino (2008), existem dois fatores a serem equilibrados quando se refere ao dimensionamento dos estoques de segurança: os custos decorrentes do esgotamento do item e os custos de manutenção dos estoques de segurança. O autor ainda afirma que quanto maiores forem os custos de falta atribuídos ao item, maiores serão os níveis de segurança que se dispõe a manter, e vice versa (Tubino, 2008, p.82). O método de cálculo utilizado para calcular o estoque de

10 segurança foi determinado segundo Corrêa (2008) na qual utiliza-se o consumo médio e o lead time dos fornecedores. A formulação a seguir demonstra o cálculo. ES = Cm x Lt Es- Estoque de segurança Cm- Consumo médio Lt- Lead time (é o período entre o início de uma atividade, produtiva ou não, e o seu término) Enfim, os estoques de segurança têm por finalidade não afetar o processo produtivo a partir dos transtornos originados pela falta de produtos em estoques, onde a identificação do lead time de cada fornecedor de micro ingredientes é essencial para integrar com o estoque de segurança. 2.5 FUNCÕES DE ESTOQUE Embora que para manter estoque tenha um custo, este estoque pode indiretamente reduzir custos operacionais em outras atividades também poderá compensar o custo de sua manutenção. Manter estoques pode incentivar as economias de produção por permitir rodadas de produção mas ampla, com isto aumentando a produtividade dos equipamentos devidos. Segundo Arnold (2001), o propósito básico dos estoques é separar o suprimento da demanda. O estoque serve como um armazenamento intermediário entre a oferta e demanda,demanda dos clientes e produtos acabados e a disponibilidade dos componentes sob exigências de uma operação trazendo resultado. Bowersox (2001), diz que existe quatro principais funções desempenhadas pelos estoques, que estão representadas desta forma: especificação geográfica, estoque intermediários, equilíbrio entre o suprimento e demanda e gerenciamento de incertezas OBJETIVOS DO GERENCIAMENTO DE ESTOQUE Visando atingir os objetivos da empresa, usando o sistema SAP que pode ser considerado como o limite que os principais responsáveis pela empresa conseguem enxergar,dentro de um período de tempo mais longo para uma abordagem mas ampla.usando a ferramenta do SAP,espera-se constituir um retorno

11 dentro da gestão de estoque desenvolvendo o sistema organizado, capaz de alcançar objetivos onde possa ter resultados estratégicos.o controle de estoque é uma síntese da situação do estoque atual, e o sistema SAP é um protocolo de registros onde armazena todos os dados que movimenta o estoque,onde desenvolvem orçamentos que direciona os recursos para as atividades internas atribúidas ao estoque. O objetivo principal do gerenciamento de estoque é assegurar que o produto esteja disponível no tempo e nas quantidades desejadas, sengundo Ballou (2001). Já Conforme Arnold (2001), uma empresa que deseja maximinizar seu lucro deve possuir um investimento mínimo em estoque. Ballou descreve os estoquesservem para uma série de finalidades,ou seja, eles melhoram o nivel de serviço. (ballou, 2001, p.205). 2.6CONTROLE DE ESTOQUE O controle de estoque é de suma importância para a empresa, sendo que controla-se os desperdícios, desvios, apura-se valores para fins de análise, bem como, apura o demasiado investimento, o qual prejudica o capital de giro.o estoque do produto acabado, matéria-prima e material em processo não serão vistos como independentes. Todas as decisões tomadas sobre um dos tipos de estoque influenciarão os outros tipos. Ás vezes acaba se esquecendo dessa regra nas estruturas de organização mais tradicionais e conservadoras.o controle de estoque tem também o objetivo de planejar, controlar e replanejar o material armazenado na empresa. Portanto, Viana (2000) salienta que: Asprevisões exageradas por excesso implicam a imobilização desnecessária de recursos financeiros, além do congestionamento de áreas de armazenamento e da sobrecarga de trabalho de manuseio de estoques. Já as reposições reduzidas geram compras repetidas e urgentes, que geralmente são desfavoráveis. (VIANA, 2000, p. 37). Os estoques são recursos ociosos que possuem valor econômico, os quais representam um investimento destinado a oncrementar as atividades de produção e servir aos clientes. A formação de estoques consome o capital de giro, porém faz-se

12 necessário, motivo pelas quais as empresas possui um estoque que projete niveis adequados, objetivando manter o equilibrio entre estoque e consumo MOVIMENTAÇÕES DOS ESTOQUES Entretodas as atividades desempenhadas nos depósitos, amovimentação de estoque é aquela que mais consome mão-de-obra. Portanto, representa um dos componentes de custo de pessoal mais alto no sistema logístico. O manuseio de materiais tem como objetivo principal a separação das cargas de acordo com as necessidades dos clientes. As três atividades básicas para se movimentar. Segundo Bowersox (2001) estoques são: o recebimento, a movimentação interna e a expedição (venda de produtos), descreveram ainda que o manuseio de estoques é a chave da produtividade dos armazéns por algumas razões importantes: Quantidade relativamente grande de mão de obra, necessárias ao manuseio de materias; A natureza das atvidades de manuseio de materias apresenta limitações ao uso de tcnologias de informação; Manuseio de materias não é administradode maneira integrada com outras atividades logística. Conforme Ballou (2001), o manuseio de materias é uma atividade de absorção de custo, portanto, deve-se a eficiência através do desenvolvimento de quatro operações de acarga, layout do espaço, escolha dos equipamentos de estocagem e escolha dos equipamentos de movimentação. A paletização é utilizada como plataforma, feito geralmente de madeira, plasticos ou papelão corrugado, no qual os bens são armazenados para o transporte ou estocagem. Os produtos armazenados em palets podem ser, fracionados ou únicos, dependendo do tipo de naterial a ser segregados. Porém, Viana (2000, p. 322). A paletização vem sendo utilizada, com frequência cada vez maior, em empresas que manipulação rápida e armazenamento racional envolvendo grandes quantidades. Viana (2000) define algumas vantagens e desvantagens encontradas na utilização de palets, porém segui algumas delas:

13 Vantagens melhor aproveitamento de espaço disponível para armezenamento utilizando-se totalmente o espaço vertical, por meio de empilhamento duplo ou triplo. Compatibilidade com todos os meios de transporte; Desvantagens utilização de palets não padronizados; Necessidade de reposição e manutenção, quando fabricados em madeiras. 3 O QUE É SAP \ R3 SAP é uma empresa alemã criadora do Software de Gestão de Negócios do mesmo nome. Ao longo de três décadas, a SAP evoluiu de uma empresa pequena e regional a uma organização de alcance mundial. Hoje, a SAP é a líder global de mercado em soluções de negócios colaborativas e multiempresas. O principal produto da empresa, que emprega mais de pessoas, é o sistema integrado de gestão empresarial (ERP) SAP ERP. A empresa alemã chegou ao Brasil em 1995 e logo conquistou o seu espaço no mercado brasileiro, atingindo em 1998, cerca de 78 das500 maiores empresas do pais, segundo o anuário MELHORES &MAIORES, editado por EXAME, GUROVITZ apud CARDOSO, D.; SILVA NETO, M. C. da; SOUZA, Antônio A. de (1999). É um sistema desenvolvido com o objetivo de suportar todas as atividades de negócio de uma empresa de forma integrada e eficiente. A solução encontrada pelas empresas para coordenar e executar suas atividades de forma rápida, segura e confiável. Software de apoio ao ERP como o SAP R/3, não é intrinsecamente estratégico; ao contrário, é uma tecnologia de suporte, um conjunto de módulos integrados de software que formam o núcleo da máquina que realiza processamento interno de transações (Norris, 2001). Já para laudon e laudon (2001) diz que: O software de ERP modela e automatiza muitos processos básicos, como preenchimento de um pedido ou a programação de uma remessa, com objetivo de integrar a informação em toda a empresa e eliminar ligações complexas e caras entre sistemas de computador em áreas diferentes do negócio. (LAUDON E LAUDON 2001, p. 16). Os sistemas ERP possuem uma abrangência funcional, atendendo a uma ampla gama de funçoes empresariais. A idéia destes sistemas é de cobrir o

14 máximo possível de funcionalidade, atendendo ao maior número de processos dentro da cadeia de valor. 3.1 O QUE O SAP \R3 NÃO É Não se deve esperar que após a implantação do SAP todos os problemas enfrentados atualmente.irão desaparecer por completo. Além disso, deve-se estar ciente de que novos problemas surgirão em virtude do uso do R/3, já que toda ferramenta de trabalho apresenta vantagens de desvantagens.enfatizar importância do comprometimento dos usuários para o sucesso da implantação do sistema e de sua efetiva utilização. O comprometimento dos usuários se traduz pela participação ativa nos treinamentos, pela aceitação e entendimento claro das mudanças provocadas em sua forma de trabalhar e os benefícios trazidos para a empresa como um todo, associados à implantação do novo sistema integrado. A resposta para todos os problemas; A visão estratégica ou operacional da empresa; Um substituto para um bom planejamento; Um sucesso sem o comprometimento dos usuários IMPLANTAÇÃO DO SISSTEMA SAP Para implatação do sistema SAP no estoque atual, foram utilizados dodos secundarios e foram feitos observações nas áreas de planejamento do controle e armazenamento. Os dodos secundarios são basicamente os arquivos recebidos pela unidade de logistica corporativa, onde constam as premissas de produção, distribuição, os sistemas de gestão e as planilhas de controle utilizadas diariamente. Para aliar o sistema otimizar, deve-se possuir uma previsão de venda mensal, que é determinada pela área comercial, pontos de venda e pelas distribuidoras e revendas. O sistema SAP administra todas as informações das diversas áreas, desde a entrada de matéria prima até a venda final do produto acabado,controlando índices,apontamentos de produção,estoques,retenções,avarias,habilitaçãodenovos produtos,enfim é o principal sistema da área de logística.portanto o sistema tem que permanece sempre atualizado, pois sem isto, corre-se o risco de faltar produtos para demanda desejada.

15 Segundo Tadeu L.Prandi Ramalho, o sistema incorpora segurança, de forma que somente pessoas autorizadas possam acessar suas funções. (Ramalho,2000, p.11) BENEFICIOS EMPRESARIAIS DO SISTEMA SAP NO ESTOQUE O sistema SAP R/3 traz uma abrangencia de benefícios para o controle de estoque, o acesso ás informações é processado em tempo real para identificar problemas cedo e poder valer-se de oportunidades de forma pró-ativa. Outro aspcto importante está relacionado á produtividade, aficiência e tempo de resposta melhorores, aumentando o alcance de processos empresarias para conectar mais pessoas, em tempo real, dentro e fora da empresa, disponibilizando acesso rápido para vizualizações consolidadas e consistentes, de seus processos. De acordo com Davenport (2002) a SAP tem capacidade ampla e extensa da funcionalidade de seu SOFTWAREe sua tecnologia. Na adaptação as mudanças empresariais a integração completa de seus processos, do começo ao fim, e uso das tcnologias web mas recentes. Melhor administração financeira e governança coorporativa direcionado para uma nova e mas profunda visão da empresa e satisfação das necessidades globais e requerimentos legais. O SAP Business One é um ERP que contempla as melhores práticas de gestão empresarial, resultado da experiência de mercado e tecnologia da SAP. É uma plataforma totalmente integrada, que abrange todas as operações vitais das empresas com integridade, desde oportunidade de vendas, faturamento, compras, estoque, finanças, contabilidade, inteligência fiscal, relacionamento com clientes (CRM) até a gestão de serviços e produção. Além disso, tem custo de investimento totalmente compatível com os recursos das pequenas e médias empresas, e com a qualidade SAP, líder mundial em ERP. Para Stamford (2000, p. 1): O ERP é um sistema integrado, que possibilita um fluxo de informações único, contínuo e conistente por toda a empresa sob informa. 3.3 COMO SURGIU O SISTEMA ERP

16 Atualmenteexistem no mercado de sistema ERP vários programas, pórem para oprocesso proposto será abordado o sistema SAP\R3, que é a maioempresa mundial desoftware de gestão empresarial que utilizam ERP (GAZETA MERCANTIL, 2006). A sigla ERP foi cunhada pelo Gartner Aroup, uma empresa de pesquisa. O ERP surgiu de uma evolução do MRP (Manufactturing Resurce Planning ), que por sua vez foi uma evolução dp MRP. O MRP permitia que as empresas calculasse quantos materias de determinado tipo são necessários e em qual momento. Já o MRP, não calculava apenas as necessidades de materiais, mas também necessitan de outros recursos do processo de manufatura. Contudo, Souza (2000) diz que: Apresenta a seguinte afirmação:o principio básico do MRP é o principio do cálculo descessidades, uma técnca de gestão que permite do cálculo,viabilizado pelo uso do computador, das quantidades e dos momentosem que necessários os recursos de manufaturas para que se cumpram os programas com um minimo de formação de estoque. (souza 2000, p. 11). Esses sistemas, capazes de atender ás necessidades de informações de diversos departamentos e processos de négocios das empresas, que passaram a ser chamados ERP. 3.4 SAP R3: CONCEITOS, CARACTERÍSTICAS E FUNÇOES DE SEUS MÓDULOS O sistemasap/r3 é um sistema integrado, que permite um melhor planejamento e controle do negócio.segundo Davenport (2002,p.112), OR/3 do SAP mantém todos os sistemas unicos e é espinha dorsal do sistema geral.o R/3 não é um sistema simples, pelo contrário, é um sistema de alta complexidade decorrente do fato de que ele considera como processo de negócio a totalidade de cadeia funcional envolvida no desenvolvimento do mesmo. Isto implica que a cadeia do negócio pode utilizar diferentes módulos do R/3, o que traz complexidade na utilização destes tipos de pacotes integrado. Segundo Cardoso (2003), a implantação integrado de gestão, como o SAP R/3, leva em torno de dois anos,desde a fase inicial, de seleção do sistema, até sua

17 paramentrização final, que consiste no preenchimento de todos os aspectos customizáveis, de modo que forme a estrutura de funcionamento da empresa. O objetivo de R\3 é colaborar na gestão e administração dos processos do negócio, simplificando, ao máximo, as tarefas envolvidas nesta administração e gestão. Nas empresas estudadas, as funcões de trabalho estão divididas em áreas organizacionais; o SAP também está dividido desta forma, possuindo vários módulos ou blocos de funções do R\3. Os módulos são os menores conjuntos de funções que podem ser adquiridos e implementados separadamente em um sistema. Para Davenport (2002,p.268), Os módulos podem intercomunicar-se diretamente ou mediante a atualização de um banco de dados central. 3.5 TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES. Segundo O Brien (2004), os tipos de sistema de informação se classificam em diferentes maneiras e se dividem em várias categorias, vamos citar dois deles: SISTEMAS DE APOIO ÀS OPERAÇÕES - esses sistemas processam dados gerados por operações empresariais. Dentro desse sistema as principais categorias são: os sistemas de processamento de transações processam dados resultantes de transações empresariais, atualizam banco de dados operacionais e produzem documentos empresariais. Os sistemas de controle de processo monitoram e controlam processos industriais. Os sistemas colaborativos apóiam equipes, grupos de trabalho bem como comunicações e colaboração nas e entre empresas. SISTEMAS DE APOIO GERENCIAL - fornecem informações e apoio necessários para a tomada de decisão eficaz pelos gerentes. As principais categorias são: os sistemas de informação gerencial, que fornecem informações na forma de relatórios e demonstrativos pré-estipulados para os gerentes. Os sistemas de apoio à decisão, que fornecem apoio interativo ad hoc para o processo de decisão dos gerentes. Os sistemas de informação executiva, que fornecem informações críticas elaboradas especificamente para as necessidades de informações dos executivos. Portanto para O OBRIEN (2004)o sucesso da implantação de um sistema de informação temo-se que ser capazes de reconhecer e identificar todos os componentes fundamentais dos sistemas de informação. Portanto, O brien (2004) diz que;

18 Existem diferentes tipos de sistemas, isso porque há diferentes interesses, especialidades e níveis dentro de uma organização, para ele nenhum sistema sozinho poderá oferecer e fornecer todas as informações das quais uma empresa precisa. (LAUDON 2004, p ). Um dos sistemas de informação utilizado pelas empresas é o de controle de estoque; neste sistema constam todas as informações do produto, código identificações, descrição, número de quantidades existentes e saídas dos produtos; deve constar também o nível de estoque mínimo, para que seja alertado da necessidade de fazer reposição, para que seja evitada a falta do produto em estoque. Esse sistema ainda produz relatórios com todas as informações de entradas, saídas e devoluções de cada produto. 3.6 A EVOLUÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO Em meados da década de 1970, com os principais processos administrativos e contábeis já automatizados, o foco da informática se voltou para o desenho e para a montagem de sistemas de relatórios que atendessem às necessidadesinformações dos diversos níveis gerenciais da empresa. E esses esforços fracassaram por dois motivos: limitações tecnológicas e equiparação equivocada de informações com dados.devemos saber distinguir dados de informação o que distingue dado ou conjunto de dados de uma informação é o conhecimento que esta propicia ao tomador de decisões. Dado é qualquer elemento identificado em sua forma bruta que por si só não conduz a uma compreensão de determinado fato ou situação e a informação é o dado trabalhado, tornando assim esse dado compreensível. Um sistema é basicamente o conjunto de elementos que mantêm relações entre si. Sua estrutura é identificada a partir do momento em que enumeramos seus componentes, sendo que ele pode ter várias estruturas e cada uma dessapresentará de um determinado ângulo. Qualquer sistema que tem informação como entrada visando gerar informações de saída é denominada Sistema de Informação. Sendo que este. Assim diz Polloni (2000) que: Eum sistema usado para prover informações, qualquer que seja sua utilização. Ele se desenvolve em uma empresa segundo duas dimensões: os componentes desta e seu nível de decisão. Ainda,

19 segundo Polloni, O Sistema de Informação (SI) se subdivide em: Sistemas Transações e Processos (STP), Sistemas Especialistas (SE), Sistema de Automação,Sistemas de Informações Gerenciais (SIG) e Sistemas de Apoio a Decisão (SAD). (PALLONI, 2000, p 51). O processo de informatização de qualquer atividade deve passar necessariamente por uma série de estágios ou etapas. Os três mais importantes são o manual, o de automação e o de integração. A primeira etapa, a de informatização, é a racionalização e estruturação da atividade manual. Sem vencer esse estágio é muito difícil atingir o estágio seguinte que seria automatizá-la. No estágio de automação, as atividades costumam serem colocadas de início, em sistemas isolados e os ganhos podem ser significativos. Contudo os resultados dessas duas etapas, não são comparáveis aos advindos do próximo estágio que integra os sistemas antes independentes. No estágio da integração o sistema faz uma coleta de dados dos principais processos do negócio e os armazena em um único arquivo de dados abrangente, e podem ser usados por outros setores da empresa. Sistemas integrados exigem softwares complexos e grandes investimentos de tempo, dinheiro e conhecimento. 4DISCUSSÃO CRÍTICA Conforme toda teoria vista neste trabalho, opina-se para determinação dos níveis de estoques com o sistema de informação SAP os produtos acabados é um processo que requer envolvimento constante de profissionais comprometidos, exigindo análise detalhada das variáveis envolvidas, principalmente quando diversos produtos que possuem características muitos diferentes. É fundamental que as empresas, através de seus colaboradores, tenham pleno conhecimento dos fatores que influenciam na determinação dos níveis de estoques. Existem fatores internos e externos que agem e interage influenciado diretamente neste sentido. A realização deste trabalho teve como proposta verificar e analisar a gestão de estoques dentro do sistema SAP, para produtos acabados verificando a influência dos fatores internos relacionados ao sistema, no caso são as programações de produção, estocagem e controle de estoques para as empresas pode adquiri um sistema de informação amplo com capacidade satisfatória a todos.

20 Através dos dados levantados durante a realização desta pesquisa bibliográfica, pode-se delinear a situação atual que se encontra as empresas, então realizar e sugerir proposta de melhorias para uma boa gestão de estoque envolvendo todo corpo de colaboradores da empresa. Entre as sugestão de melhoria requer uma atenção especial, um estudo mas aprofundado para que se verifique a viabilidade dos estoques com funcionalidade do sistema de informação SAP, este sistema necessita de um aporte financeiro e autorização corporativa para sua implantação. Uma vez que as empresas condizem com a realidade de seus estoques cabe a unidade administrar seus níveis de estoques através da programação de produção e vendas realizadas, sendo assim o sistema de informação oferece um controle organizado de tal maneira que concilie as previsões com as programações dos estoques, com isto são realizados os ajustes pertinentes á desempenho dos estoques, a atualização do sistema ambos servem para estimar os estoques disponíveis para a venda, são também essências a disponibilidades de produtos. 5CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo apresentou alguns conceitos relacionados com á implantação do sistema de informação que fundamentam uma discussão sobre os requisitos necessários para aumentar a eficiência da cadeia de suprimentos para estoques. Através de fontes bibliográficas procurou-se relacionar a importância dos sistemas de informações para estoques e sua influência na cadeia de suprimentos. Os resultados da análise realizada sugerem para futuras pesquisas, um estudo mais abrangente considerando a possibilidade de novos conceitos de controle de estoque, com a filosofia da administração compartilhada os mesmos, serviços e da informação nas diversas áreas de atuação nas empresas de forma integrada. Um outro aspecto importante que foi observado diz respeito a estudos sobre o comportamento da demanda para apoio ao dimensionamento dos estoques de antecipação e segurança, bem como também a redução das incertezas nas estimativas de freqüências do consumo. Através da análise e sugestões de melhorias apresentadas anteriormente, acredita-se que as empresas consigam administrar melhor sua gestão de estoque com o sistema SAP, envolvendo mais pessoas neste processo, e com isto dividindo

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES

O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES O SISTEMA ERP E AS ORGANIZAÇÕES André Luís da Silva Pinheiro * Resumo: Este trabalho discutirá o impacto da implantação de um sistema do tipo ERP em uma empresa. Apresentaremos uma breve introdução de

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO

MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO MRP COMO FERRAMENTA DE CONTROLE E PLANEJAMENTO Augusto Cesar Giampietro, Unisalesiano de Lins, e-mail: guto.mkt@gmail.com Bruno Bodoia, Unisalesiano de Lins, e-mail: bruno.bodoia@bertin.com.br Carlos Silva,

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO. Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Prof. Esp. Lucas Cruz SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO Os SIs têm o objetivo de automatizar os diversos processos empresariais, visando aumentar o controle e a produtividade, bem

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial SIG

Sistema de Informação Gerencial SIG Sistema de Informação Gerencial SIG O SIG abrange a empresa Estratégico Tático Operacional Conceitos Básicos: DADO: Qualquer elemento identificado em sua forma bruta que, por si só, não conduz a compensação

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG)

Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Faculdade de Engenharia - Campus de Guaratinguetá Sistemas de Informação Gerenciais (SIG) Prof. José Roberto Dale Luche Unesp Um SISTEMA DE INFORMAÇÃO é um conjunto de componentes inter-relacionados, desenvolvidos

Leia mais

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP

Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Palestra: Entrerprise Resource Planning - ERP Ricardo Vilarim Formado em Administração de Empresas e MBA em Finanças Corporativas pela UFPE, Especialização em Gestão de Projetos pelo PMI-RJ/FIRJAN. Conceito

Leia mais

Análise Estruturada de Sistemas

Análise Estruturada de Sistemas Análise Estruturada de Sistemas Capítulo 3 Estudo de Viabilidade Definição das Necessidades Funcionais O propósito desta etapa é produzir um documento formal que contenha uma descrição detalhada da proposta,

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA REVISÃO

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Alinhamento das expectativas; O por que diagnosticar; Fases do diagnóstico; Critérios de seleção para um ERP; O papel da

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais