O que está em jogo em Honduras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que está em jogo em Honduras"

Transcrição

1 O que está em jogo em Honduras Marco Aurélio Garcia The coup that threw President Manuel Zelaya out of his office and country in June may have a dangerous demonstration effect that threatens the still fragile democracy building in Central America and perhaps the whole Latin America. The Brazilian government reacted to it strongly but discreetly at first. It decided to concentrate efforts on the multilateral forum of the OAS and on the agreement negotiated by president Arias of Costa Rica. But Brazil could not deny support to president Zelaya when he went back to his country and sought refuge in the Brazilian embassy in Tegucigalpa. Brazil cannot refuse an universalist stand in its foreign policy, especially when events such those in Honduras constitute a risk to democracy in the continent. A proximidade excessiva de um acontecimento histórico quase sempre dificulta sua análise. Essa dificuldade é maior quando se está diante de um processo inconcluso. A situação de Honduras ilustra bem esse impasse analítico. Quando estas notas foram escritas persistia, sem solução, a crise política hondurenha. As esperanças de um acordo entre Zelaya e o governo golpista, a partir dos esforços da OEA e da missão do embaixador Thomas Shanon, não se confirmaram. Micheletti mantinha, no começo de novembro, sua estratégia de realizar eleições sem devolver, ainda que por pouco tempo, a Presidência a Manuel Zelaya. Sua aposta era de que o pleito de novembro teria condições de tirar Honduras do isolamento internacional em que se encontrou depois do golpe. Esperava uma volta do país à normalidade, apesar das muitas advertências internacionais dentre elas a do Brasil de que um processo eleitoral organizado pelos golpistas careceria de legitimidade e não seria reconhecido. É bom não esquecer que Honduras viveu, de forma intermitente, nos últimos meses em estado de sítio, o que lança mais sombras sobre a lisura do pleito. A posição brasileira e de tantos outros governos expressou preocupações sobre o futuro de Honduras, da região e das relações internacionais de uma maneira geral. Nestas breves notas serão analisadas algumas dessas preocupações e os problemas que daí poderão decorrer. Os fatos Manuel Zelaya foi deposto de forma violenta. Retirado manu militare de sua residência, de madrugada, foi colocado em um avião que o conduziu, ainda vestindo pijama, para a Costa Rica. Antes de chegar a San José, o aparelho deteve-se em uma base militar norte-americana em Honduras. Seguramente não terá sido para abastecer o avião. Tegucigalpa fica muito próximo da Costa Rica. Marco Aurélio Garcia é professor licenciado do Departamento de História da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e assessor especial de Política Externa do presidente da República. 123 VOL 18 N o 3 DEZ/JAN/FEV

2 ARTIGOS As razões invocadas para a deposição de Zelaya procuram inovar a teoria dos golpes de Estado na região. A ação, segundo seus autores, foi um golpe legal e preventivo. Zelaya foi acusado de tentar mudar a Constituição em beneficio próprio para conseguir um segundo mandato, o que é expressamente proibido pela Carta hondurenha, aí figurando como cláusula pétrea. A legalidade do golpe teria sido dada pelo Congresso e pela Corte Suprema. Sua legitimidade teria sido confirmada pelo apoio ao pronunciamiento dado por empresários e pelo cardeal. Ao lado desses argumentos apareciam razões mais tangíveis. O presidente deposto se havia transformado em perigoso esquerdista, aliado de Hugo Chávez. Mas a realidade era bem distinta. O presidente Zelaya não propôs mudar a Constituição, mas realizar uma consulta sequer um plebiscito sobre a possibilidade de convocar uma Constituinte. A chamada quarta urna seria colocada ao lado das urnas tradicionais para que os eleitores opinassem sobre um conjunto de problemas que transcendiam o tema específico da reeleição, ainda que essa questão pudesse seguramente vir a ser discutida em caso de uma refundação institucional do país. O fato desta consulta estar prevista para se realizar no mesmo dia da eleição presidencial, e de não ter caráter vinculante, já eliminava o alegado risco de continuísmo. A convocação de Assembleias Constituintes vem se afirmando com muita força na América Latina. Para alguns, essa tendência aparece como um casuísmo autoritário impulsionado por caudilhos que buscam perpetuar-se no poder. Olhando sem parti pris ideológico, o fenômeno pode ter outra explicação. A emergência de novos atores na cena política de muitos países provocou uma ampliação do espaço público que não encontrou correspondência nas instituições existentes. Estreitas e conservadoras elas se constituíam em verdadeira camisa de força que impedia a construção de novos direitos na sociedade. A não resolução dessa contradição empurrava a sociedade ou para alternativas violentas, ou para uma perigosa estagnação política. Manuel Zelaya foi eleito presidente como candidato de um partido conservador. Fazendeiro, ele pertence a uma das grandes famílias que controlam o poder econômico e político de Honduras há décadas. À frente do governo de um dos países mais pobres da América Latina, desenvolveu programas sociais e buscou enfrentar as dificuldades energéticas de Honduras. Para tanto, aproximou-se da Venezuela com o intuito de beneficiar-se da associação com a Petro Caribe, que oferecia condições muito vantajosas para a compra de combustíveis aos países da região. Com os mesmos propósitos pragmáticos, ingressou na Alba (Aliança Bolivariana das Américas) e buscou apoio do Brasil para projetos energéticos em seu país. Todos esses fatores transformaram este político originariamente conservador em um dissidente das elites tradicionais, que assistiam inquietas uma mudança na correlação de forças em Honduras. Disso surgiu e se alimentou a tese do golpe preventivo, logo abraçada pela direita latino-americana, inclusive a do Brasil. Mas essa não é uma tese original, ainda que seja grave seu reaparecimento hoje. O golpe preventivo tem sido apresentado como solução para outras situações políticas que desagradam às oposições conservadoras em todo o continente. A democracia estaria enfrentando graves riscos na América Latina. Não bastariam, assim, apenas eleições, mesmo quando limpas, para resolver essas ameaças e legi- 124 POLÍTICA EXTERNA

3 O QUE ESTÁ EM JOGO EM HONDURAS timar um governo como democrático. Seria necessário também proteger-se dos regimes plebiscitários, do populismo da manipulação de massas despreparadas por governantes ambiciosos. Raciocínios semelhantes foram utilizados para desencadear o golpe de Estado contra Hugo Chávez em abril de 2002, e a segunda tentativa de derrubá-lo em dezembro do mesmo ano. Argumentos análogos foram empregados para derrocar o presidente João Goulart, em Tratava-se, segundo seus autores, de uma ação preventiva para impedir o estabelecimento de uma república sindicalista, conceito que surpreendentemente reaparece nos dias de hoje aqui no Brasil. A deposição de Goulart também foi legitimada por decisão da Câmara dos Deputados, que aceitou a tese do seu então presidente, Rainieri Mazzili, sobre a vacância de poder criada por uma suposta fuga do presidente constitucional. A fuga verdadeira de Jango para o Uruguai só ocorreu depois de sua deposição. Goulart já havia sofrido uma tentativa de golpe quando os militares tentaram impedir que ele, na condição de vice-presidente, ascendesse à Presidência em consequência da renúncia de Jânio Quadros. Os golpistas também invocaram a amea ça do advento de uma república sindic alista, risco que foi minorado com a adoção da emenda parlamentarista, que reduzia os poderes do novo presidente. Efeito de demonstração na América Central A enfática condenação do golpe por todos os países das Américas, especialmente pelo Brasil, traz embutida uma preo cupação central. Depois de mais de uma década de transição para a democracia na América Latina haveria o risco de abertura de um novo ciclo autoritário como aquele que se abateu sobre a região nos anos Essa recaída autoritária é preocupante para todo o continente e particularmente ameaçadora para a América Central, região que vem tentando a duras penas construir regimes democráticos. Fora a Costa Rica um oásis de estabilidade em uma zona altamente conturbada todos os demais países da América Central viveram profundas crises em períodos relativamente recentes. O Panamá sofreu a intervenção norteamericana. Transitou lentamente para a democracia. Em 2003 elegeu Martin Torrijos para a Presidência, um candidato de centro-esquerda, sucedido por Ricardo Martinelli, identificado como homem de direita. A sucessão não afetou, no entanto, a estabilidade institucional do país. A Nicarágua passou pela revolução sandinista nos anos de 1970, enfrentou a intervenção dos contra nos anos de 1980 e finalmente se estabilizou. Daniel Ortega, que chegou ao governo pela força de uma insurreição popular, cedeu o poder a Violeta Chamorro, após perder as eleições, e retornou recentemente ao governo pelo voto. Em El Salvador, depois de anos de luta armada, logrou-se um acordo de paz entre a guerrilha e a direita, na década passada. As eleições gerais deste ano deram ao candidato da Frente de Libertação Nacional Farabundo Martí (FMLN), Mauricio Funes, a Presidência da República. Na Guatemala, também nos de 1990, as organizações guerrilheiras reunidas na UNRG chegaram a um acordo com o governo depois de anos de cruenta guerra civil e de incontáveis violações dos direitos humanos. Mais recentemente, o país acabou por eleger Álvaro Colón, um candidato de centro-esquerda. 125 VOL 18 N o 3 DEZ/JAN/FEV

4 ARTIGOS Honduras, onde não houve movimentos insurgentes relevantes, superou o regime ditatorial e conseguiu também construir um caminho democrático, apenas agora interrompido. O temor de um efeito dominó na América Central, a partir dos acontecimentos de Tegucigalpa, não é desprovido de fundamento. Pouco antes do golpe hondurenho, a direita guatemalteca desencadeou uma operação de grande envergadura contra o presidente Colón, tentando envolvê-lo no assassinato de um advogado. A ofensiva somente amainou quando uma investigação independente da Justiça inocentou completamente o presidente da República. Em El Salvador, a mobilização dos conservadores para impedir a eleição de Funes foi considerável e não são poucos os que, entre os conservadores de direita daquele país, gostariam de reverter por meios antidemocráticos o resultado das urnas. Por todos esses antecedentes, o êxito da estratégia de Micheletti em Honduras seria entendido como um sinal de encorajamento a novas aventuras. A posição brasileira O governo brasileiro, apesar de sua enfática condenação ao golpe de Honduras, manteve baixo perfil nas primeiras semanas após o acontecimento. Nem o presidente Lula nem seu ministro de Relações Exteriores estiveram na reunião do Grupo do Rio, em Manágua, à qual assistiram vários chefes de governo. Lula tampouco acompanhou Zelaya em sua tentativa de retornar por avião a Tegucigalpa, como fizeram outros presidentes latino-americanos. Não havia diplomatas brasileiros acompanhando o presidente deposto quando ele tentou voltar a seu país pela fronteira terrestre. O Brasil sancionou o golpe com a retirada formal de seu embaixador em Tegucigalpa, cortando toda a cooperação econômica e militar com Honduras e passando a exigir visto para os cidadãos desse país. Concentrou suas iniciativas na Organização dos Estados Americanos (OEA) buscando constituir uma ampla coalizão de países que revertesse a situação, devolvendo o poder ao presidente deposto. O Brasil apoiou a moderada proposta do presidente da Costa Rica, Óscar Arias, sobretudo depois de Zelaya haver manifestado sua concordância com a fórmula apresentada pelo Prêmio Nobel da Paz. O presidente deposto visitou Brasília no marco de uma viagem a vários países da América do Sul tendo sido recebido pelo presidente Lula, que lhe reiterou seu apoio e solidariedade. A visibilidade maior que o Brasil passou a ter na crise hondurenha decorreu do fato de Manuel Zelaya ter ingressado clandestinamente no território hondurenho buscando abrigo na embaixada do Brasil. Não faltaram especulações sobre a conivência do governo brasileiro com esta operação de retorno. Não foi apresentada nenhuma evidência desse envolvimento. O presidente Lula foi informado do fato no avião que o transportava para Nova York, onde participaria da Assembleia Geral das Nações Unidas. Não teria por que negar apoio ao presidente deposto em sua volta a Honduras. A decisão de Zelaya foi legítima e correta sob o ponto de vista político. Legítima porque ele estava retornando ao seu país, do qual fora ilegalmente expulso. Correta porque, com sua presença, ele buscou mudar como efetivamente mudou o ritmo das negociações sobre a crise. A escolha da embaixada do Brasil se deveu à respeitabilidade que possui a política externa brasileira no mundo atual e ao fato de que a conduta de nossa diplomacia havia sido 126 POLÍTICA EXTERNA

5 O QUE ESTÁ EM JOGO EM HONDURAS marcada pela discrição e pela busca de uma saída negociada. A presença do presidente deposto na embaixada brasileira contribui para que o governo golpista sintomaticamente chamado por alguns de interino mostrasse sua verdadeira face. Decretou estado de sítio, suprimindo direitos e garantias individuais, reprimiu violentamente as manifestações pró Zelaya e estabeleceu a censura sobre os meios de comunicação com o fechamento violento de emissoras de rádio e televisão. Com isso tornou mais problemática ainda a realização das eleições presidenciais. Veladas ameaças de Micheletti à soberania da embaixada brasileira receberam resposta adequada do presidente Lula. O Conselho de Segurança das Nações Unidas expressou seu apoio ao Brasil. Os pronunciamentos de Manuel Zelaya durante sua permanência na embaixada sempre foram moderados. Não obstante, houve os que criticaram o fato de o presidente deposto ter transformado a legação brasileira em seu escritório político, ao mesmo tempo em que se multiplicavam comentários sobre o bigode ou o chapéu do governante. Sobre o golpe, nenhuma palavra. As considerações estéticas dos que defenderam o golpe preventivo de Micheletti não fazem mais do que dar seguimento a tentativas de desquali ficar pessoalmente todos os governantes que na América Latina desenvolvem projetos políticos opostos a suas convicções. Evo Morales foi transformado em índio cocalero. Hugo Chávez no tenente coronel cafuzo ( zambo ). Rafael Correa em um canastrão. Fernando Lugo no padre com muitos filhos. Sem esquecer, obviamente, o comentário de um dos ministros de Micheletti para quem o presidente Obama não passava de um negrinho ignorante. Estados Unidos, Honduras e a América Latina A crise hondurenha constituiu-se em mais um desafio para o presidente Barack Obama. A complexa transição que Obama vem realizando na política externa norteamericana tem produzido até agora resultados desiguais e, não raro, contraditórios. Obteve avanços significativos em matéria de desarmamento a partir de seu entendimento com a Rússia e da decisão de não implantar mísseis na Europa do leste. Mostrou disposição de diálogo com o Irã. No discurso do Cairo e em outras iniciativas parecia estar inaugurando uma nova postura vis-à-vis o Oriente Médio, em particular sobre a questão palestina. Atitudes a posteriori não confirmaram o que parecia um novo impulso para enfrentar o problema de maior complexidade das relações internacionais. O relacionamento com a América Latina obedece também esta mesma trajetória errática. A nova sensibilidade para os problemas da região, anunciada nos encontros Obama-Lula e na conversa com os presidentes sul-americanos em Trinidad e Tobago, encontrou fortes resistências nos conservadores que mantêm posições não só no Congresso dos Estados Unidos como na própria administração. Se foi positivo o apoio dos EUA à anulação da exclusão de Cuba da OEA e à atenuação de algumas medidas restritivas ao regime de Havana, decepcionou a renovação do embargo por mais um ano. Medida que recebe há anos a condenação quase unânime da comunidade internacional reiterada recentemente pela Assembleia Geral da ONU o embargo é visto na América Latina como símbolo de uma política com sabor de guerra fria, além de ineficaz. 127 VOL 18 N o 3 DEZ/JAN/FEV

6 ARTIGOS A policefalia da política externa norteamericana para a América Latina explica o desastrado e contraditório anúncio sobre as bases na Colômbia. Se o Departamento de Estado apresenta as bases aéreas naquele país como restritas ao combate interno do narcotráfico, os papéis do Pentágono (incluindo os oficiais e não apenas os estudos ) mostram que elas fazem parte de uma projeção de poder dos Estados Unidos em toda a região. Com isso alimentam situações de tensão regional. No caso da crise hondurenha a situação não foi diferente. Foi muito positiva a condenação do golpe por parte do governo norte-americano. Foram positivas as primeiras medidas de retaliação contra os golpistas. Mais positivo, ainda, o envio de Tom Shanon experimentado diplomata para lograr uma saída ao impasse hondurenho. Mas é evidente que certa ambiguidade em relação ao reconhecimento de eleições presididas pelos golpistas e o fato de os Estados Unidos não terem realizado mais pressões sobre Micheletti permitiram que os golpistas se sentissem respaldados para prosseguir em sua estratégia. Não é segredo para ninguém que a atitude a ser adotada pelos Estados Unidos em relação a Honduras se transformou no cavalo de batalha dos conservadores no Congresso, na mídia e, de forma mais sinuosa, na própria administração. Pronunciamentos de Otto Reich e de outros, mais recentemente convertidos ao neoconservadorismo, são claros indicadores dessa realidade. É sabido que a aprovação de Thomas Shanon como embaixador dos EUA em Brasília e de Arturo Valenzuela para subsecretário para a América Latina sofre restrições de parlamentares republicanos que advogam uma atitude compreensiva de Washington em relação aos golpistas de Tegucigalpa. Obama tentou sair do desconforto que os acontecimentos de Honduras provocaram na diplomacia de seu país, ironizando os que hoje pedem maior pressão dos EUA e ontem criticavam a ingerência desse país na vida do continente. O efeito retórico da boutade presidencial não encobre a realidade. Os Estados Unidos têm dificuldade em assumir mais rápida e corajosamente uma nova política para uma região do mundo que acumulou, por décadas, justificados ressentimentos e resistências ao vizinho do norte. O governo brasileiro, que mantém excelentes relações com Washington, desde a administração Bush, tem autoridade para fazer essa advertência. É certo que a América Latina não ocupa lugar prioritário nas preocupações globais dos EUA. Isso pode ser visto como algo positivo. Expressa uma realidade: a região atravessa uma situação favorável de crescimento econômico, melhoria social e consolidação democrática. Para a América Latina, uma presença mais discreta dos Estados Unidos também significa menor ingerência, menores tensões. Um descolamento muito grande dos EUA em relação ao continente ou sua presença apenas militar bases, Quarta Frota, por exemplo poderá implicar em um estranhamento mais profundo e duradouro que comprometa relações equilibradas e transparentes. Conclusão Um pequeno e pouco conhecido país da América Latina se transformou em centro de atenção da política internacional nos últimos meses. Por que essa visibilidade de Honduras na cena internacional? Perguntou-se também por que o Brasil deu tanta importância a uma situação que ficava fora de sua área de influência. 128 POLÍTICA EXTERNA

7 O QUE ESTÁ EM JOGO EM HONDURAS As duas perguntas talvez possam ser respondidas com um mesmo argumento. Ressalvado o fato de o Brasil não pretender ter áreas de influência, mas não renunciar uma postura universalista em sua política externa, cabe reiterar o que estas notas procuraram explicitar ainda que resumidamente. A construção da democracia na América Latina é um processo em curso, marcado por seu caráter embrionário e desigual. Entender esse processo é fundamental para garantir não só sua continuidade como seu aperfeiçoamento. Os acontecimentos de Tegucigalpa vão na contramão da evolução do continente. Mais que isso: fizeram velhos fantasmas voltarem a rondar o debate político latinoamericano. A desinibição com que se manifestaram os adeptos das soluções preventivas não pode ser creditada apenas ao fanatismo de renitentes conservadores. Ela expressa também a incapacidade de alguns que aqui e lá fora pregam a alternância, mas não suportam viver seus efeitos. 129 VOL 18 N o 3 DEZ/JAN/FEV

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

Atividade Ficha 1 1 os /2 os /3 os anos Beto ago/09. Ética e Cidadania. Nome: Nº: Turma: Caro aluno,

Atividade Ficha 1 1 os /2 os /3 os anos Beto ago/09. Ética e Cidadania. Nome: Nº: Turma: Caro aluno, Ética e Cidadania Atividade Ficha 1 1 os /2 os /3 os anos Beto ago/09 Nome: Nº: Turma: Caro aluno, Espero que tenha aproveitado bem seu período de férias, mas o dever nos chama. Retomaremos nossas atividades

Leia mais

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a

OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS. 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a OBAMA E O TESTE DAS HONDURAS por Mário Soares 1. Em quatro escassos meses, Barack Obama tem estado a revolucionar, pacificamente, a América e o Mundo. Isto é, está a mudar radicalmente as políticas norte-americanas,

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha.

Quatro grandes temas nos convocaram a este Encontro, na busca de uma nova etapa de integração latino-americana e caribenha. Declaração final do XIII Encontro De 12 a 14 de janeiro de 2007, em San Salvador, El Salvador, com a Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN) como anfitriã, desenvolveu-se o XIII Encontro

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

Declaração final do XVII Encontro

Declaração final do XVII Encontro Declaração final do XVII Encontro O XVII Encontro do Foro de São Paulo, reunido em Manágua, por ocasião do 50o Aniversário da fundação da Frente Sandinista de Libertação Nacional da Nicarágua e a 116 anos

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

O longo ciclo eleitoral latino-americano

O longo ciclo eleitoral latino-americano O longo ciclo eleitoral latino-americano Emir Sader* * Secretário Executivo do Conselho Latino-americano de Ciências Sociais (CLACSO). Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Professor

Leia mais

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE.

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE. FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE Nova Odessa SP Maio / 2014 1 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA FELIPE CARCELIANO

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Análise Desenvolvimento Vinícius Tavares de Oliveira 01 de Julho de 2010 Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010)

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010) GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE Questão 1 DESVENDANDO A NOTÍCIA Certos acontecimentos que ganham destaque na mídia internacional costumam, como se diz na linguagem corrente, esconder problemas ou polêmicas

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 50 AMÉRICA CENTRAL: DEPENDÊNCIA E O CASO CUBANO

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 50 AMÉRICA CENTRAL: DEPENDÊNCIA E O CASO CUBANO GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 50 AMÉRICA CENTRAL: DEPENDÊNCIA E O CASO CUBANO Como pode cair no enem Em fevereiro de 2008, após 49 anos no poder, Fidel Castro cedeu a chefia do Estado a seu irmão Raúl. O

Leia mais

Crise Sul Americana: Equador, Colômbia e Venezuela

Crise Sul Americana: Equador, Colômbia e Venezuela Crise Sul Americana: Equador, Colômbia e Venezuela Análise Segurança Joana Laura Marinho Nogueira 06 de março de 2008 Crise Sul Americana: Equador, Colômbia e Venezuela Análise Segurança Joana Laura Marinho

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 DECLARAÇÃO DE PUNTA DEL ESTE (10 de outubro de 2012) Os Ministros da Defesa e

Leia mais

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO O Ministério da Informação da República Árabe Síria expressa seus protestos de alta estima e consideração a Vossa Excelência e anexa ao presente texto a Declaração

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

COLEGIO NACIONAL BARTOLOME MITRE, S.M. de Tucumán, Bachiller, dezembro 1976.

COLEGIO NACIONAL BARTOLOME MITRE, S.M. de Tucumán, Bachiller, dezembro 1976. SECRETÁRIO DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS PARA A DEFESA Bel. Alfredo Forti FORMAÇÃO HARVARD UNIVERSITY, John F. Kennedy School of Government Título: Mestrado em Administração Pública. Concentração: política

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança /Vice-Presidente da Comissão Europeia. Federica Mogherini

Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança /Vice-Presidente da Comissão Europeia. Federica Mogherini Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança /Vice-Presidente da Comissão Europeia Federica Mogherini Assembleia da República, 17 fevereiro de 2015 CURRICULUM

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 93, de 2011 (Mensagem nº 212, de 17/06/2011, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação do Senado

Leia mais

Diálogo para o fomento da Democracia Social

Diálogo para o fomento da Democracia Social A FRIEDRICH-EBERT-STIFTUNG NAS REGIÕES AMÉRICA LATINA E CARIBE Diálogo para o fomento da Democracia Social IDÉIA E MISSÃO No séc. XXI, política de desenvolvimento será sinônimo de política da paz. A Divisão

Leia mais

DEMOCRÁTICA CARTA INTERAMERICANA

DEMOCRÁTICA CARTA INTERAMERICANA DEMOCRÁTICA CARTA INTERAMERICANA A ASSEMBLÉIA GERAL, CONSIDERANDO que a Carta da Organização dos Estados Americanos reconhece que a democracia representativa é indispensável para a estabilidade, a paz

Leia mais

Protestos em Mianmar Nações Unidas

Protestos em Mianmar Nações Unidas Protestos em Mianmar Nações Unidas AnSegurançaCar Resenha Segurança Celeste Cristina Machado Badaró 02 de outubro de 2007 Protestos em Mianmar Resenha Segurança Celeste Cristina Machado Badaró 02 de outubro

Leia mais

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio Análise Desenvolvimento Jéssica Silva Fernandes 15 de dezembro de 2009 A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira

Leia mais

Brasil e América do Sul

Brasil e América do Sul Brasil e América do Sul Brasil Linha do equador Tropico de Capricórnio O Brasil é o quinto país mais extenso e populoso do mundo. É a sétima maior economia mundial. É um país capitalista à apresenta propriedade

Leia mais

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Aumentar a fonte Diminuir a fonte MUNDO ÁRABE A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Apesar da vitória diplomática palestina na ONU, a existência de um Estado fica difícil com os novos

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 30/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15547

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre temas de conjuntura e não

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

RCTV não tem sua concessão renovada pelo governo venezuelano. Resenha Desenvolvimento / Integração Regional

RCTV não tem sua concessão renovada pelo governo venezuelano. Resenha Desenvolvimento / Integração Regional RCTV não tem sua concessão renovada pelo governo venezuelano Resenha Desenvolvimento / Integração Regional Raphael Rezende Esteves 07 de junho de 2007 1 RCTV não tem sua concessão renovada pelo governo

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

AMÉRICA LATINA Professor: Gelson Alves Pereira

AMÉRICA LATINA Professor: Gelson Alves Pereira Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio AMÉRICA LATINA Professor: Gelson Alves Pereira 1- INTRODUÇÃO Divisão do continente americano por critério físico por critérios culturais Área da América Latina:

Leia mais

CONFLITO ARMADO NA UCRÂNIA: Legalidade da Intervenção na Ucrânia

CONFLITO ARMADO NA UCRÂNIA: Legalidade da Intervenção na Ucrânia CONFLITO ARMADO NA UCRÂNIA: Legalidade da Intervenção na Ucrânia Gabriela Paulino de Paula. E-mail: g.paulinodepaula@gmail.com Orientador: João Irineu de Resende Miranda Universidade Estadual de Ponta

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

ATUALIDADES PROFESSOR MARCOS JOSÉ. Top Atualidades semanal. Top Atualidades semanal. Top Atualidades semanal

ATUALIDADES PROFESSOR MARCOS JOSÉ. Top Atualidades semanal. Top Atualidades semanal. Top Atualidades semanal ATUALIDADES PROFESSOR MARCOS JOSÉ 04 a 10 de fevereiro Rombo na balança comercial em janeiro é o pior da história O Brasil voltou a apresentar deficit comercial bilionário no início do ano. No mês passado,

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

OS DESAFIOS DO DIREITO INTERNACIONAL NO CASO ZELAYA

OS DESAFIOS DO DIREITO INTERNACIONAL NO CASO ZELAYA OS DESAFIOS DO DIREITO INTERNACIONAL NO CASO ZELAYA Sébastien Kiwonghi. Professor de Direito Internacional da Escola Superior Dom Hélder Câmara Belo Horizonte-MG A crise em Honduras tem alimentado, além

Leia mais

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil!

Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP. Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Tese da AJR para o XI Congresso dos Estudantes da USP Fora Rodas! Fora PM! Ensino público e gratuito! Poder Estudantil! Fora PM da USP! O estado de sítio na USP, com a instalação de bases da Polícia Militar

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

EDUCAÇÃO, SAÚDE & SEGURANÇA PÚBLICA. Ano 1, Outubro de 2005 Informação sem fins lucrativos

EDUCAÇÃO, SAÚDE & SEGURANÇA PÚBLICA. Ano 1, Outubro de 2005 Informação sem fins lucrativos GEOpress VENEZUELA URUGUAI TIMOR LESTE S.TOMÉ E PRÍNCIPE REP. DOMINICANA PORTO RICO CHILE CABO VERDE COLÔMBIA PERÚ COSTA RICA BRASIL PARAGUAI CUBA BOLÍVIA PANAMÁ EL SALVADOR ARGENTINA Língua Portuguesa

Leia mais

Declaração de Caracas. Os povos do mundo, contra o neoliberalismo e pela paz

Declaração de Caracas. Os povos do mundo, contra o neoliberalismo e pela paz Declaração de Caracas Os povos do mundo, contra o neoliberalismo e pela paz O XVIII Encontro do Foro de São Paulo, reunido em Caracas nos dias 4, 5 e 6 de julho de 2012, realiza-se em meio a uma forte

Leia mais

Cap.3 Europa e América antes da primeira Guerra Mundial BELLE EPOQUE IMPERIALISMO DOS ESTADOS UNIDOS A REVOLUÇÃO MEXICANA

Cap.3 Europa e América antes da primeira Guerra Mundial BELLE EPOQUE IMPERIALISMO DOS ESTADOS UNIDOS A REVOLUÇÃO MEXICANA Cap.3 Europa e América antes da primeira Guerra Mundial BELLE EPOQUE IMPERIALISMO DOS ESTADOS UNIDOS A REVOLUÇÃO MEXICANA Café Van Gogh - 1888 EXPOSIÇÃO UNIVERSAL DE LONDRES - 1851 BIG BEN - 1859 1889

Leia mais

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem

Capítulo 2 Método 81 A variável independente e a sua aplicação 81 O método institucional: o primado da instituição Estado sobre a ordem índice Agradecimentos 15 Prefácio 17 Introdução 23 Capítulo 1 Que forma de Estado previne melhor os golpes militares? 27 Golpes de Igreja, golpes de Estado, golpes militares 27 Que é a forma do Estado

Leia mais

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular,

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular, INICIATIVA POPULAR Iniciativa popular designa, em termos genéricos, diferente maneiras de participação popular no exercício dos poderes legislativo e executivo incluindo o plebiscito, referendo, conselhos

Leia mais

Presidencialismo já! *

Presidencialismo já! * Presidencialismo já! * Mario Brockmann Machado SEM MOTIVO APARENTE, OS CIDADÃOS BRASILEIROS estão sendo chamados a escolher, em plebiscito, a forma e o sistema de governo de sua preferência. No entanto,

Leia mais

Demografia. População (milhões de habitantes) 1

Demografia. População (milhões de habitantes) 1 DEMOGRAFIA Em 2002, a população dos 38 Estados e territórios do espaço Caribe chega a quase 250 milhões de habitantes, com uma densidade populacional de 47 habitantes/km², representando 4% da população

Leia mais

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO Os Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL e dos Estados Associados, reunidos na

Leia mais

50 anos depois, ainda vivemos o horror

50 anos depois, ainda vivemos o horror Especial 50 anos do golpe 50 anos depois, ainda vivemos o horror Tratar o passado de violações é constatar que o presente está marcado pela continuidade das violências por João Ricardo W. Dornelles publicado

Leia mais

CHÁVEZ E A DESCONSTRUÇÃO DA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA

CHÁVEZ E A DESCONSTRUÇÃO DA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA CHÁVEZ E A DESCONSTRUÇÃO DA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Marcelo Rech, Editor do InfoRel http://inforel.org/ inforel@inforel.org No dia 1º de maio, o presidente boliviano Evo Morales, decretou a nacionalização

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007.

aprovado no Foro de Ministros de Meio Ambiente (2004-2006) para 2005-2007. PROGRAMA LATINO-AMERICANO E CARIBENHO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ACORDOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PLACEA: 2005-2007 1 (DOCUMENTO EM VERSÃO PRELIMINAR) Introdução: Os especialistas em Gestão Pública

Leia mais

Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais

Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Análise Segurança / Desenvolvimento Vinícius Alvarenga 29 de outubro de 2004 1 Eleições dos EUA: possíveis cenários e impactos mundiais Análise

Leia mais

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente

Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente 224 NOTAS Notas Alternância e política exterior no México: uma mensagem do Presidente VICENTE FOX QUESADA A política exterior mexicana atravessa atualmente um período de renovação estreitamente vinculado

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05 China pode vetar reforma do Conselho de Segurança O governo brasileiro não considerou um problema diplomático a ameaça chinesa

Leia mais

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio Análise Segurança Prof. Danny Zahreddine 25 de fevereiro de

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de posse

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá)

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) Sugere ao Poder Executivo, a imediata retirada das tropas brasileiras do Haiti, e indica a necessidade de revogar o Decreto Legislativo nº 207, de 19 de maio de 2004,

Leia mais

g1 ge gshow famosos vídeos g1 ge gshow famosos vídeos Para uma melhor visualização do site atualize-o ou escolha outro navegador.

g1 ge gshow famosos vídeos g1 ge gshow famosos vídeos Para uma melhor visualização do site atualize-o ou escolha outro navegador. g1 ge gshow famosos vídeos ENTRE g1 ge gshow famosos vídeos ENTRE Internet Explorer Seu Firefox está desatualizado. Para uma melhor visualização do site atualize-o ou escolha outro navegador. g1 ge gshow

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

2. Segmento de Alto Nível da Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas: 6 a 9 de Dezembro;

2. Segmento de Alto Nível da Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas: 6 a 9 de Dezembro; RelatóriodaDelegaçãodaAssembleiadaRepúblicaPortuguesaà ConferênciadasNaçõesUnidasparaasAlteraçõesClimáticas(COP 17/CMP 7)emDurban,ÁfricadoSul I)Membrosdadelegação: DeputadoAntónioLeitãoAmaro(GPPSD) DeputadoFernandoJesus(GPPS).

Leia mais

Boletim Internacional

Boletim Internacional . não Iam@ Boletim Internacional CNM se solidariza aos colegas da Mahle ameaçados de demissão na Alemanha Ano VI nº 47 12.12.2006 Solidariedade à Mahle da Alemanha Abaixo, a carta de solidariedade enviada

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

- Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09

- Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09 - Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09 Apresentação: O Observatório de Política Externa Brasileira é um projeto de informação semanal da Graduação em Relações Internacionais,

Leia mais

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations Andréa Roloff Lopes * HUGGINS, Martha K. Polícia e Política: relações Estados Unidos/América

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. Relatora: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. Relatora: Senadora VANESSA GRAZZIOTIN I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Indicação (INS) nº 3, de 2015, do Senador João Capiberibe, que sugere nos termos do art. 224 do Regimento Interno do Senado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 16 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA

Leia mais

Pronunciamento da subsecretária María Otero na Fundação Getúlio Vargas Sexta-feira, 26 de março de 2010 Rio de Janeiro, Brasil

Pronunciamento da subsecretária María Otero na Fundação Getúlio Vargas Sexta-feira, 26 de março de 2010 Rio de Janeiro, Brasil Pronunciamento da subsecretária María Otero na Fundação Getúlio Vargas Sexta-feira, 26 de março de 2010 Rio de Janeiro, Brasil Obrigada pela amável apresentação. E muito obrigada à Fundação Getúlio Vargas

Leia mais

CRISE NO EQUADOR: GOLPE DE ESTADO OU REIVINDICAÇÃO CORPORATIVA? 1

CRISE NO EQUADOR: GOLPE DE ESTADO OU REIVINDICAÇÃO CORPORATIVA? 1 CRISE NO EQUADOR: GOLPE DE ESTADO OU REIVINDICAÇÃO CORPORATIVA? 1 Priscila Henriques Lima Laboratório de Estudos do Tempo Presente IFCS/UFRJ Graduanda em História pela Universidade Católica de Petrópolis

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

(O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das

(O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das (O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das escolas de samba do Carnaval Carioca tem um significado

Leia mais

Exercícios sobre Israel e Palestina

Exercícios sobre Israel e Palestina Exercícios sobre Israel e Palestina Material de apoio do Extensivo 1. Observe o mapa a seguir, que representa uma área do Oriente Médio, onde ocorrem grandes tensões geopolíticas. MAGNOLI, Demétrio; ARAÚJO,

Leia mais

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes.

ALHC. Trajetórias. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes. O reconhecimento espanhol das repúblicas latino-americanas: o fim da «falta de comunicação» entre as partes Carlos Malamud O reconhecimento, por parte da antiga potência colonial, das novas repúblicas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Intervenção do companheiro João Batista Lemos na VII reunião do Conselho Presidencial da Federação Sindical Mundial, Lima, 7 de Março de 2013

Intervenção do companheiro João Batista Lemos na VII reunião do Conselho Presidencial da Federação Sindical Mundial, Lima, 7 de Março de 2013 Intervenção do companheiro João Batista Lemos na VII reunião do Conselho Presidencial da Federação Sindical Mundial, Lima, 7 de Março de 2013 A LUTA PELO SOCIALISMO ESTÁ NA ORDEM DO DIA Iniciamos esta

Leia mais

Declaração da Cidade de Quebec

Declaração da Cidade de Quebec Declaração da Cidade de Quebec Nós, os Chefes de Estado e de Governo das Américas, eleitos democraticamente, nos reunimos na Cidade de Quebec, na III Cúpula, para renovar nosso compromisso em favor da

Leia mais

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina BRICS Monitor Posição dos BRICS diante da questão da Palestina Janeiro de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL ESTUDO VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO DEZEMBRO/2007

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais