Resumos dos trabalhos científicos apresentados no XIV Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumos dos trabalhos científicos apresentados no XIV Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva"

Transcrição

1 ISSN X Suplemento II 2009 Revista Brasileira de Terapia Intensiva Suplemento II XIV CBMI Resumos dos trabalhos científicos apresentados no XIV Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva

2 Indexações ISSN X EDITOR CHEFE Gilberto Friedman Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto ALegre, Porto Alegre, RS, Brasil. Conselho Consultivo Cleovaldo S. Pinheiro, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Rachel Moritz, Professora de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Santa Catarina, Porto Alegre, SC, Brasil. Werther B. de Carvalho, Professor de Medicina, Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, SP, Brasil. EDITORES ASSOCIADOS Márcio Soares, Instituto Nacional do Câncer, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Jefferson Piva, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Felipe Dal Pizzol, Professor de Medicina, Departamento de Medicina, Laboratório de Fisiopatologia Experimental, Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma, SC, Brasil. EDITOR Científico Flávia Ribeiro Machado, Professora de Medicina, Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, SP, Brasil CONSELHO EDITORIAL Alberto Biestro, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade da República, Montevidéu, Uruguai. André Amaral, Consultor Científico da UTI do Hospital Brasília e Coordenador Técnico do Hospital Brasília, Brasil. Andrés Esteban, Unidade de Cuidados Intensivos, Hospital Universitário de Getafe, Madrid, Espanha. Anibal Basile-Filho, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, SP, Brasil Arnaldo Dubin, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade de La Plata, La Plata, Argentina. Carlos Carvalho, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. Cid M. David, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Daniel De Backer, Professor de Medicina, Universidade Livre de Bruxelas, Bruxelas, Bélgica. Daniel Garros, Professor Associado de Pediatria, Pediatric Intensive Care Unit, Stollery Children s Hospital, University of Alberta, Edmonton, Canada Denis Moura Faria Jr, Enfermeiro Master do CTI do Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil. Dinis R. Miranda, Professor de Medicina, Escola de Medicina, Universidade de Gröningen, Holanda. Ederlon C. Rezende, Diretor da UTI, Hospital Público do Servidor Estadual, São Paulo, SP, Brasil. Eduardo Troster, Professor de Pediatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Eliézer Silva, Professor de Medicina, Universidade de Santo Amaro, São Paulo, SP, Brasil. Esperidião Elias Aquim, Diretor do Inspirar - Centro de Estudos, Pesquisa e Extensão em Saúde, Curitiba, PR, Brasil. Francisco J. Hurtado, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade da República, Montevidéu, Uruguai. Francisco Garcia Soriano, Professor Associado da Disciplina de Emergências Clínicas do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP Guillermo Bugedo, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Pontifícia Universidade Católica do Chile, Santiago, Chile. Guillermo Gutierrez, Professor de Medicina e Anestesiologia, The George Washington University Medical Center, Washington-DC, EUA. Guillermo Ortiz, Professor de Medicina, Universidad del Bosque, Colômbia Glenn Poblette Hernandez, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Pontifícia Universidade Católica do Chile, Santiago, Chile. Haibo Zhang, Professor de Anestesia, Medicina e Fisiologia, Universidade de Toronto, Canadá. Humberto Correa, Professor de Medicina, Facultad de Medicina del Instituto Universitario CLAEH, Punta del Este, Uruguai. Jan Bakker, Departamento de Cuidado Intensivo, Centro Médico Erasmus, Roterdam, Holanda. Jean-Louis Vincent, Professor de Medicina, Universidade Livre de Bruxelas, Bruxelas, Bélgica. Jean J. Rouby, Professor de Medicina, Universidade de Paris, Paris, França. Jorge I. F. Salluh, Instituto Nacional do Câncer, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Jorge Enrique Sinclair, Professor de Cuidados Críticos, Faculdade de Medicina, Universidade do Panamá. Maria C. B. J. Gallani, Professora de Enfermagem, Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil. Maria de Fátima F. Vattimo, Professora de Enfermagem, Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, SP, Brasil. Patricia M. V. C. Mello, Professora de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade Estadual do Piauí, Teresina, PÍ Brasil. Pedro C. R. Garcia, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Rachel Moritz, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Santa Catarina, Porto Alegre, RS, Brasil. Raffo E. Kanashiro, Professor de Medicina, Universidade Nacional Federico Villarreal Lima, Peru. Renato G. Terzi, Professor de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade de Estadual de Campinas, SP, Brasil. Roberto Machado, Investigador Associado, Critical Care Department, Clinical Center, National Institutes of Health, Bethesda, EUA Rui P. J. Moreno, Professor de Medicina, Universidade Católica Portuguesa, Lisboa, Portugal. Saulo Fernandes Saturnino, Médico intensivista do Hospital Universitário Risoleta Tolentino Neves, Belo Horizonte, MG, Brasil. Silvia Regina Rios Vieira, Professora de Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil. Suzana Lobo, Professora de Medicina, Escola de Medicina, FUNFARME, São José do Rio Preto, SP, Brasil. Werther B. de Carvalho, Professor de Medicina, Escola Paulista de Medicina, Universidade Federal de São Paulo, SP, Brasil. RBTI inglês online i

3 Publicação Oficial da amib Associação de Medicina Intensiva Brasileira Rua Joaquim Távora, 724 Vila Mariana CEP São Paulo SP Tel.: (11) Fundada em 1980 Diretoria para o Biênio Presidente Vice-Presidente Álvaro Réa-Neto (PR) Hélio Santos de Queiroz Filho (BA) 1º Secretário Ederlon A. de Carvalho Rezende (SP) 2º Secretário José Eduardo Couto de Castro (RJ) 1º Tesoureiro José Raimundo A. de Azevedo (MA) 2º Tesoureiro Frederico Bruzzi de Carvalho (MG) FUNDO AMIB Presidente Suzana Margareth Ajeje Lobo (SP) Divisão de Publicações Diretora Flávia Ribeiro Machado (SP) Redação e Administração Secretaria Executiva Secretária Sônia Elisabete Gaion Freitas Publicidade Marcio Paiva - Cel. (11) Tiragem 5500 exemplares Jornalista Responsável Marcelo Sassine - Mtb Diretora de Arte Anete Salviano Projeto Gráfico e Produção Editorial MWS Design Fone: (11) Revisão Técnica Edna Terezinha Rother; Maria Elisa Rangel Braga Tradução e Versão Eugênia Deheinzelin; William Krell Revista Brasileira de Terapia Intensiva - ISSN X, é uma publicação trimestral da AMIB A responsabilidade por conceitos emitidos nos artigos é de inteira responsabilidade de seus autores. Permitida a reprodução total ou parcial dos artigos, desde que mencionada a fonte.

4 EDITORIAL Prezado Congressista, O XIV Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva traz muitas inovações para os participantes e palestrantes. As novidades foram pensadas pela comissão organizadora com intuito de prestigiar a todos. E uma delas será na apresentação dos Temas Livres. Isso porque, a cada congresso, o número de estudos enviados para análise cresce, não só em quantidade, mas, principalmente, em qualidade. Percebemos que os profissionais da terapia intensiva têm buscado, com muita frequência, o aprimoramento em seus procedimentos e dedicado um tempo especial em relatar seus estudos para disseminar o conhecimento. Para que você conheça, em primeira mão, os resumos aceitos que serão apresentados durante o XIV CBMI, preparamos este suplemento especial na nossa publicação, a RBTI. A Comissão Científica do CBMI recebeu 585 trabalhos de todas as regiões do Brasil, que foram submetidos a um comitê formado por renomados especialistas. Cada trabalho foi analisado de forma cega por três avaliadores. Após essa minuciosa análise, 416 resumos foram aceitos, correspondendo a 71,1% do total de trabalhos enviados. Destes, 55 serão mostrados nas sessões de Temas Livres em apresentação oral. E aqui já será notada uma inovação. Reservamos o horário de 9h30 às 11h30 do primeiro dia do Congresso, para que os autores apresentem seus trabalhos, simultaneamente, nas 11 salas preparadas. Essa iniciativa possibilitará aos participantes uma efetiva troca de experiência com os autores. Outros 361 trabalhos serão expostos na sessão de pôsteres do dia 12 a 14 de novembro, com apresentação marcada das 12h30 às 14 horas diariamente. Não deixem de prestigiar as apresentações e aproveitar para participar das discussões. Todas elas serão moderadas por renomados especialistas de nosso país, que foram cuidadosamente selecionados para proporcionar maior interatividade entre autores e congressistas. A Comissão Científica do XIV CBMI agradece a todos os intensivistas que submeteram seus trabalhos e ao grupo de avaliadores que participaram da difícil tarefa de selecionar os melhores resumos, aqui publicados. Sejam bem-vindos a São Paulo! Suzana Margareth Ajeje Lobo Presidente da Comissão Científica Ederlon Rezende Presidente do XIV CBMI iii

5 instruções AOS AUTORES A Revista Brasileira de Terapia Intensiva (Rev Bras Ter Intensiva, RBTI), ISSN X, publicada trimestralmente, é a revista científica da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) que tem por objetivo publicar pesquisas relevantes, que visam melhorar o cuidado dos pacientes agudamente doentes através da discussão, distribuição e promoção de informação baseada em evidências, aos profissionais envolvidos com medicina intensiva. Publica artigos de pesquisas, revisões, comentários, relatos de casos e cartas ao editor, em todas estas áreas do conhecimento, relacionadas aos cuidados intensivos do paciente grave. Os manuscritos podem ser submetidos em português, inglês ou espanhol. A RBTI é publicada na versão impressa em português e em formato eletrônico em português e inglês. Os artigos submetidos em português (ou espanhol) serão traduzidos para o inglês e os submetidos em inglês serão traduzidos para o português gratuitamente pela revista. Os manuscritos submetidos para apreciação serão encaminhados ao Editor, que fará uma análise inicial quanto aos padrões mínimos de exigências da revista e ao atendimento de todas as normas requeridas para envio dos originais. Aqueles que não apresentarem mérito, que contenham erros significativos de metodologia, ou não se enquadrem na política editorial da revista, serão rejeitados não cabendo recurso. Após aprovação pelo Editor, serão encaminhados para avaliação por dois ou mais revisores. Os revisores serão sempre de instituições diferentes da instituição de origem do manuscrito, sendo o anonimato garantido em todo processo editorial. As opiniões expressas nos artigos, inclusive as alterações solicitadas pelos revisores, serão de responsabilidade única dos autores. O prazo para analise é de 30 dias. Após o recebimento dos pareceres dos revisores, os autores terão o prazo de 60 dias para submeter a versão com as modificações sugeridas. Caso essa submissão não ocorra num período de 6 meses o artigo será retirado do banco de dados e uma eventual re-submissão seguirá os trâmites de uma submissão inicial. Todos os manuscritos encaminhados deverão vir acompanhados de carta assinada por todos os autores, autorizando sua publicação, transferindo os direitos autorais à revista e declarando que o mesmo é inédito, que não foi ou está sendo submetido à publicação em outro periódico. A esta carta devem ser anexados: Declaração de Conflito de Interesse, quando pertinente. A Declaração de Conflito de Interesses, segundo Resolução do Conselho Federal de Medicina nº 1595/2000, veda que em artigo científico seja feita promoção ou propaganda de quaisquer produtos ou equipamentos comerciais. Certificado de Aprovação do Trabalho pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Instituição em que o mesmo foi realizado ou de outra que tenha CEP constituído. Informações sobre eventuais fontes de financiamento da pesquisa. Para todos os manuscritos que incluem informação ou fotografias clínicas relacionadas a pacientes individuais, deve ser enviado Termo de Consentimento escrito e assinado de cada paciente ou familiar. Toda pesquisa, clínica ou experimental, em humanos ou animais, deve ter sido executada de acordo com a Declaração de Helsinki, devendo essa informação constar em Métodos. Critérios para autoria. Somente pessoas que contribuíram diretamente para o conteúdo intelectual do artigo devem ser consideradas autoras, de acordo com os critérios: 1. elaborou a idéia inicial e planejou o trabalho ou interpretou os resultados finais OU 2. escreveu o artigo ou revisou sucessivas versões E 3. aprovou a versão final do artigo. Posições administrativas, coleta de dados e estímulo não são considerados critérios para autoria e, quando cabível, devem constar apenas na sessão de agradecimentos. Preparo dos manuscritos Todos os artigos devem incluir: Página título: Titulo completo do artigo Nomes completos, por extenso, de todos os autores Afiliação institucional de cada autor (apenas a principal, ou seja, aquela relacionada a instituição onde o trabalho foi produzido). O endereço completo (incluindo telefone, fax e ) do autor para correspondência. O nome da instituição que deve ser considerada como responsável pelo envio do artigo. Fonte financiadora do projeto. Running title - Deve ser fornecido um titulo alternativo para o artigo, com no máximo 60 caracteres (com espaços). Esse nome deverá constar no cabeçalho de todas as folhas do artigo. Titulo de capa - Nos casos em que o título do artigo tenha mais de 100 caracteres (com espaços), deve ser fornecido um título alternativo, com no máximo 100 caracteres (com espaços) para constar da capa da revista. Resumo e Abstract Resumo: O resumo deve conter no máximo que 250 palavras, evitando-se ao máximo o uso de abreviaturas. Deve ser estruturado com os mesmos capítulos usados no texto principal (Objetivo, Métodos, Resultados e Conclusão) refletindo acuradamente o conteúdo do texto principal. Quando se tratar de artigos de Revisão e Relatos de Casos o resumo não deve ser estruturado. Para Comentários o resumo não deve exceder 100 palavras Abstract: O resumo em inglês deverá ser feito apenas para aqueles artigos submetidos nessa língua. Artigos submetidos em português terão seu resumo traduzido para o inglês. Descritores e Keywords Devem ser fornecidos seis termos em português e inglês, que definam o assunto do trabalho. Devem ser, obrigatoriamente, baseados nos DeCS (Descritores em Ciências da Saúde), que é uma tradução dos MeSH (Medical Subject Headings) da National Library of Medicine, disponíveis no endereço eletrônico: Texto Os artigos devem ser submetidos em arquivo word, com letra 12 Times New Roman e espaço duplo, inclusive em tabelas, legendas e referencias. Em todas as categorias de artigos, as citações no texto devem ser numéricas, sobrescrito e seqüenciais.

6 instruções AOS AUTORES Artigos Originais Os artigos originais são aqueles que trazem resultados de pesquisas. Devem ter no máximo palavras no texto, descontadas folha de rostro, resumo, tabelas e referências. Artigos com maior número de palavras necessitam ser aprovados pelo editor. O número máximo de autores recomendado é de oito. Caso haja necessidade de incluir mais autores, deve vir acompanhado de justificativa, com explicitação da participação de cada um na produção do mesmo. Artigos originais deverão conter: Introdução - esta sessão deve ser escrita do ponto de vista dos pesquisadores sem conhecimento de especialista na área e deve claramente oferecer - e, se possível, ilustrar - a base para a pesquisa e seus objetivos. Relatos de pesquisa clínica devem, sempre que apropriado, incluir um resumo da pesquisa da literatura para indicar porque o estudo foi necessário e o que o estudo visa contribuir para o campo. Esta sessão deve terminar com uma breve declaração do que está sendo relatado no artigo. Métodos - deve incluir o desenho do estudo, o cenário, o tipo de participantes ou materiais envolvidos, a clara descrição das intervenções e comparações, e o tipo de análise usada, incluindo o poder de cálculo, se apropriados. Resultados Os resultados devem ser apresentados em sequência lógica e clara. Os resultados da análise estatística devem incluir, quando apropriado, riscos relativo e absoluto ou reduções de risco, e intervalos de confiança. Discussão - todos os resultados do trabalho devem ser discutidos e comparados com a literatura pertinente. Conclusão - Deve discorrer claramente as conclusões principais da pesquisa e fornecer uma clara explicação da sua importância e relevância. Referências devem ser ordenadas por seqüência de citação no texto e limitar-se a um máximo 30 referências. Ver abaixo normas para elaboração das referências. Artigos de Revisão O artigo de revisão é uma descrição compreensiva de certo aspecto de cuidado de saúde relevante ao escopo da revista. Deve conter não mais que palavras (descontadas folha de rostro, resumo, tabelas e referências) e até 50 referências. Devem ser redigidos por autores de reconhecida experiência na área e o número de autores não deve exceder três, salvo justicativa a ser encaminhada a revista. As revisões podem ser: revisões científicas - descrevendo a ciência que têm impacto clínico; revisões bancada a beira do leito - descrevendo a ciência que suporta situações clínicas; revisões clínicas - descrevendo puramente situações clínicas. Nas revisões é recomendado haver, também, o capítulo Métodos que relaciona as fontes de evidências usadas e as palavras chave usadas para realizar a busca da bibliografia. Revisões sistemáticas da literatura, que contenham estratégia de busca e resultados de forma apropriada são consideradas artigos originais. Relato de casos Relata casos de uma determinada situação médica, especialmente rara, descrevendo seus aspectos, história, condutas, etc, incluindo breve introdução e revisão da literatura, descrição do caso e discussão. Deverá ter no máximo cinco autores e até dez referências. Debates clínicos Pro/con Dois autores convidados discutem suas diferentes opiniões sobre um assunto clínico especifico. Os assuntos são levantados através de cenários clínicos escritos pelo editor de sessão. Cada autor é solicitado a escrever um artigo referenciado de palavras, descrevendo se eles concordam ou discordam com o cenário clínico (Pro ou Con). Os artigos contrários são mostrados aos autores para uma resposta de não mais que 150 palavras. Os autores sabem quem é seu oponente, mas não podem ver o artigo oposto até terem submetido o seu. Não deve haver mais que 15 referências no artigo de 500 palavras, e cinco referências na resposta de 150 palavras. Preferem-se referências de estudos aleatórios e controlados publicados nos últimos 10 anos. Comentários São artigos de opinião escritos por especialistas e lidos pela comunidade médica em geral. Muitos são solicitados, contudo, os não solicitados são bem vindos e são rotineiramente revisados. O objetivo do comentário é destacar algo, expandindo os assuntos destacados, e sugerir a seqüência. Qualquer declaração deve ser acompanhada por uma referência, mas prefere-se que a lista de referências não exceda a 15. Para a leitura, as sentenças devem ser curtas e objetivas. Usar subtítulos para dividir o comentário em sessões. Devem ser curtos, com no máximo 800 a palavras, excluindo o resumo e as referências. O número de autores não deve exceder dois, salvo justificativa. Comentários de Pesquisas Os artigos de pesquisa são freqüentemente acompanhados por comentários. Eles visam descrever as qualidades e/ou deficiências da pesquisa, e suas implicações mais amplas. O artigo de pesquisa discutido deve ser a primeira referência do comentário. Comentários de publicações recentes Artigos de pesquisa publicados são escolhidos pelo conselho editorial nos últimos seis meses e os relata na forma de um comentário. Cartas ao editor Comentários em qualquer artigo publicado na revista, cabendo uma resposta do autor ou do editor. Não é permitida tréplica. Devem ter no máximo 400 palavras, até cinco referências, sendo o artigo da RBTI, ao qual a carta se refere, a primeira citação do texto e das referências. Os autores devem também enviar seus dados de identificação e endereço completo (incluindo telefone, fax, e ). Todas as cartas são editadas e enviadas para os autores antes da publicação. Agradecimentos Os autores devem usar esta sessão para agradecer financiamentos da pesquisa, ajuda de organismos acadêmicos; de instituições de fomento; de colegas ou outros colaboradores. Os autores devem obter permissão de todos mencionados nos agradecimentos. Devem ser concisos não excedendo a 4 linhas. Referências Devem ser atualizadas contendo, preferencialmente, os trabalhos mais relevantes publicados nos últimos cinco anos, sobre o tema. Não deve conter trabalhos não referidos no texto ou não publicados. As referências deverão ser numeradas consecutivamente, na ordem em que são mencionadas no texto e identificadas com algarismos arábicos. A apresentação deverá seguir o formato denominado Vancouver Style, conforme modelos abaixo. Os títulos dos periódicos deverão ser abreviados de acordo com o estilo apresentado pela National Library of Medicine, disponível em List of Journal Indexed in Index Medicus no endereço eletrônico: Para todas as referências, citar todos os autores até seis. Quando em número maior, citar os seis primeiros autores seguidos da expressão et al. v

7 instruções AOS AUTORES Artigos em formato impresso Dellinger RP, Vincent JL, Silva E, Townsend S, Bion J, Levy MM. Surviving sepsis in developing countries. Crit Care Med. 2008;36(8): Levy MM, Vincent JL, Jaeschke R, Parker MM, Rivers E, Beale R, et al. Surviving Sepsis Campaign: Guideline Clarification. Crit Care Med. 2008;36(8): Artigos em formato eletrônico Buerke M, Prondzinsky R. Levosimendan in cardiogenic shock: better than enoximone! Crit Care Med [Internet] [cited 2008 Aug 23];36(8): Available from: ;jsessionid=lwtrdhytfs6cttchrnxtjphbbvkgddg7qvyn12sgjw1dn99ynq4w! ! !8091!-1 Hecksher CA, Lacerda HR, Maciel MA. Características e evolução dos pacientes tratados com drotrecogina alfa e outras intervenções da campanha Sobrevivendo à Sepse na prática clínica. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2008[citado 2008 Ago 23; 20(2): Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s x &lng=pt&nrm=iso>. ISSN X Artigo de Suplemento Walker LK. Use of extracorporeal membrane oxygenation for preoperative stabilization of congenital diaphragmatic hernia. Crit Care Med. 1993;21 (Supp. l):s379-s380. Livro Doyle AC. Biological mysteries solved. 2nd ed. London: Science Press; Capítulo de livro Lachmann B, van Daal GJ. Adult respiratory distress syndrome: animal models. In: Robertson B, van Golde LM. Pulmonary surfactant. 2nd ed. Amsterdam: Elsevier; p Resumo publicado Varvinski AM, Findlay GP. Immediate complications of central venous cannulation in ICU [ abstract]. Crit Care. 2000;4(Suppl 1):P6. Artigo In press Beigel JH. Influenza.Crit Care Med. In press Tabelas e Figuras Todas as figuras e tabelas devem ser numeradas e mencionadas no texto na ordem que são citadas. Tabelas e figuras devem ser colocadas ao final do texto, após as referencias, uma em cada página, sendo as ultimas idealmente feitas em Microsoft Excel, Tif ou JPG com 300 DPI. Figuras que necessitem melhor resolução podem ser submetidas em arquivos separados. Figuras que contenham textos devem vir em arquivos abertos para que possam ser traduzidas. Caso isso não seja possível, o autor se responsabilizará pela tradução. As grandezas, unidades e símbolos utilizados nas tabelas devem obedecer a nomenclatura nacional. A legenda das tabelas e figuras deve ser concisa, porém auto-explicativa, permitindo a compreensão sem a consulta do texto. As unidades de medida devem vir no corpo da tabela e os testes estatísticos indicados abaixo da tabela. As figuras devem vir acompanhadas de legenda explicativa dos resultados, permitindo a compreensão sem a consulta do texto. Fotografias de cirurgia e de biópsias onde foram utilizadas colorações e técnicas especiais, serão consideradas para impressão colorida, sendo o custo adicional de responsabilidade dos autores. Se as ilustrações já tiverem sido publicadas, deverão vir acompanhadas de autorização por escrito do autor ou editor, A reprodução de figuras, quadros, gráficos e ou tabelas que não de origem do trabalho, devem mencionar a fonte de onde foram extraídas. Abreviaturas e Siglas O uso de abreviaturas deve ser evitado no titulo do trabalho, no resumo e no titulo das tabelas e figuras. Seu uso deve ser minimizado em todo o texto. Devem ser precedidas do nome completo quando citadas pela primeira vez no texto. No rodapé das figuras e tabelas devem ser discriminados o significado das abreviaturas, símbolos e outros sinais. Envio do manuscrito Os artigos deverão ser submetidos por via eletrônica, no site ou através do Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB A qualidade das figuras, gráficos e fotos são de responsabilidade exclusiva dos autores A correspondência para publicação deve ser endereçada para: rbti - Revista Brasileira de Terapia Intensiva Associação de Medicina Intensiva Brasileira Rua Joaquim Távora, 724 Vila Mariana CEP São Paulo SP Tel.: (11)

8 Choque e Monitorização Hemodinâmica 1 AO 001 Apresentação oral Evolução do lactato arterial em pacientes cirúrgicos de alto risco e associação com prognóstico João Manoel Silva Junior; Juliano Lopes Segura; Tiago Bertacini Gonzaga; Israel Ferreira da Silva; Amanda MRR Oliveira; Emanuele Austoni Jr; Diogo Oliveira Toledo; Ederlon Rezende Hospital Servidor Publico Estadual, IAMSPE/HSPE, São Paulo/SP, Brasil Objetivos: Lactato elevado é considerado como marcador de pior prognóstico, entretanto poucos dados existem a respeito da evolução do lactato no período peri-operatório. Este estudo avaliou a evolução do lactato arterial no peri-operatório e correlacionou com mortalidade em pacientes cirúrgicos de alto risco. Método: Coorte prospectiva, durante 06 meses. Foram incluídos pacientes com idade maior ou igual a 18 anos, submetidos a cirurgias de grande porte. Moribundos com cirurgias paliativas e pacientes com insuficiência cardíaca grave foram excluídos. Os pacientes foram alocados em dois grupos (sobreviventes versus não sobreviventes). Valores de lactato arterial foram coletados nos momentos antes da cirurgia, durante o procedimento, após a cirurgia e até 06 h de pós-operatório. Resultados: Foram incluídos 50 pacientes. A idade foi 67,1± 10,0 anos. Estado físico ASA II foram prevalentes 62,2% e não sobreviveram 33,3%. O valor médio de lactato no momento pré-operatório foi 1,6±0,7 mmol/l, no intra-operatório 1,5±0,7 mmol/l, na admissão da UTI 3,1±1,8 mmol/l e após 6 h de UTI 3,6±2,3 mmol/l. Porém, quando comparados sobreviventes e não sobreviventes, somente após 6 h de admissão em UTI o lactato dos pacientes não sobreviventes foi diferente aos sobreviventes (2,8±1,3 mmol/l versus 5,3±3,0 mmol/l p=0,001), os valores de lactato do pré-operatório, intra-operatório e admissão na UTI não mostraram diferenças entre sobreviventes e não sobreviventes. Conclusão: Lactato em pacientes cirúrgicos determina pior prognóstico somente após 6 h de pós-operatório, os valores no pré, intra e pós-operatório imediato não ajudam a determinar piores desfechos dos pacientes cirúrgicos. AO 002 A ressuscitação volêmica precoce guiada por saturação venosa mista de oxigênio melhora o perfil hemodinâmico e a resposta inflamatória do choque séptico? André Rosário; Milena Brunialti; Marialice Mendes; Marjorie Rapozo; Reinaldo Salomão; Guilherme Schettino; Marcelo Park; Luciano Azevedo Instituto de Ensino e Pesquisa, Hospital Sírio-Libanês; Laboratório de Imunologia, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP); Disciplina de Emergências Clínicas, HC-FMUSP. Objetivos: Avaliar os efeitos da ressuscitação volêmica precoce guiada por saturação venosa mista de oxigênio (SVO2) na hemodinâmica e na resposta inflamatória do choque séptico experimental. Métodos: Dezoito porcos (35-45 kg) anestesiados foram submetidos à peritonite por inoculação fecal (0,75 g/kg). Após desenvolverem hipotensão, receberam antibióticos (amicacina e metronidazol) e foram randomizados para dois grupos: grupo controle (n=9), com suporte hemodinâmico para pressão venosa central entre 8-12mmHg, diurese acima de 0,5 ml/kg/h e pressão arterial média maior que 65mmHg; grupo SVO2 (n=9), com os objetivos acima e SVO2 acima de 65%. As intervenções duraram doze horas e incluíram volume e noradrenalina nos 2 grupos e dobutamina no grupo SVO2. As concentrações de IL-6 e IL-10 foram mensuradas por ELISA e a produção de espécies reativas por neutrófilos avaliada por oxidação de diclorofluoresceína. Apoptose foi mensurada em neutrófilos marcados com anexina e iodeto de propídio e avaliou-se a expressão de CD14 em neutrófilos. Estes parâmetros foram medidos antes da peritonite, antes da ressuscitação e após 12 horas. Resultados: O grupo SVO2 apresentou melhor resposta hemodinâmica ao tratamento, incluindo maior débito cardíaco, débito urinário e menor necessidade de noradrenalina. A sepse induziu aumento significativo nas concentrações de IL-6, sem diferença significante entre os grupos. Não houve diferença estatística entre os grupos na expressão de CD14, apoptose e produção de espécies reativas. Conclusão:Apesar do melhor perfil hemodinâmico do grupo SVO2, a resposta inflamatória não foi diferente entre as estratégias. Os efeitos benéficos da ressuscitação precoce podem associar-se a mecanismos diversos da resposta inflamatória. AO 003 Morbimortalidade do choque circulatório à admissão e durante a permanência na UTI Francisco Albano de Meneses; Denison de Oliveira Couto; Vitor Nogueira Araújo; Lorena Granja Nunes; Diogo de Brito Sales; Natália Uchôa de Oliveira; Helder Bezerra; Arnaldo Aires Peixoto Júnior Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará (HUWC-UFC), Fortaleza, Ceará, Brasil Objetivos: Rastreamos os pacientes com diagnóstico de choque circulatório [CC] à admissão na UTI ou que o desenvolveram após a internação, comparando-os quanto à morbidade e à mortalidade. Métodos: Analisamos, retrospectivamente, 628 pacientes admitidos à UTI do HUWC-UFC, no período 01/dezembro/2005 a 30/abril/2009. Consideramos como CC [1] PAM < 60 mmhg e [2] uso de drogas vasoconstrictoras. Dividimo-los em dois subgrupos: C1, os admitidos à UTI com CC, e C2, os que o desenvolveram após a admissão. Resultados: Do total, 245 pacientes (39%) tiveram CC, 197 (80,4%) apresentando-o à admissão e 48 (19,6%), após. Houve predomínio das mulheres tanto em C1[111 pacientes (56,3%)] quanto em C2 [30 pacientes (62,5%)]; a idade média: C1 56,3±18,2 e C2 56,5±19,4 anos, e o APACHE II médio: C1 22,4± 9,3 e C2 23,5 ± 6,7 pontos, foram similares. O tempo de permanência média foi 6,7 ± 7,7 para C1, e 12,1 ± 10,5 dias para C2; p=0, C2 apresentou um maior número de disfunções, quer na admissão (3,0±1,03 vs 2,2±1,14, p=0,000071), quer após (2,02±0,9 vs 0,4±0,8; p<0,0001). Dentre as disfunções apresentadas, a neurológica (47,9 vs 31%; p=0,026), a renal (43,8 vs 14,2%; p=0,000004) e a respiratória (20,8 vs 4,6%; p=0,00016) foram mais prevalentes em C2. Este subgrupo utilizou mais suporte ventilatório (95,8 vs 67%; p=0,00006) e corticoterapia (29,2 vs 12,2%; p=0,0036). A mortalidade no subgrupo C2 também foi maior (65,2 vs 33%; p=0,00026). Conclusão: Os pacientes que desenvolveram CC durante a permanência na UTI tiveram maior morbidade, necessidade de suportes e mortalidade.

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

NORMAS PARA FORMATAÇÃO DOS ARTIGOS

NORMAS PARA FORMATAÇÃO DOS ARTIGOS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENFERMAGEM, NUTRIÇÃO E FISIOTERAPIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA DISCIPLINA SEMINÁRIO DE PESQUISA II NORMAS PARA FORMATAÇÃO DOS

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE SOFTWARE DE COLETA DE DADOS - MANUAL DE PREENCHIMENTO

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE SOFTWARE DE COLETA DE DADOS - MANUAL DE PREENCHIMENTO SOFTWARE DE COLETA DE DADOS - MANUAL DE PREENCHIMENTO 1. CONTEXTO Este manual foi desenvolvido como apoio a coleta de dados e ao preenchimento das fichas de notificação de casos do protocolo de sobrevivência

Leia mais

REVISTA BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE

REVISTA BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE REVISTA BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE Uma publicação da Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços de Saúde (SBRAFH) A Revista Brasileira de Farmácia Hospitalar e Serviços

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Prezado Colega, Contamos com a sua presença! Atenciosamente,

Prezado Colega, Contamos com a sua presença! Atenciosamente, Prezado Colega, A AMIB já começa a planejar o novo ano para os intensivistas. O Calendário de Eventos está pronto e certamente, cada encontro trará muitas novidades que agregarão ao dia a dia dos profissionais

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

DECISÃO DE ARQUIVAMENTO

DECISÃO DE ARQUIVAMENTO PA nº 1.26.000.002268/2007-07 DECISÃO DE ARQUIVAMENTO À DTCC O procedimento administrativo em epígrafe foi instaurado no âmbito desta Procuradoria da República, para apurar notícia de irregularidades no

Leia mais

1 Edital para submissão de materiais para o Congresso

1 Edital para submissão de materiais para o Congresso DIGICONGRESS 2014 Congresso de Comunicação e Marketing Digital 1 Edital para submissão de materiais para o Congresso 1.1 Informações gerais - O DIGICONGRESS (Congresso de Comunicação e Marketing Digital)

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FIMCA

NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FIMCA NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FIMCA A Revista FIMCA é dirigida a acadêmicos e profissionais de Saúde, destinada às publicações inéditas de trabalhos de pesquisa básica e aplicada, revisões científicas,

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Resumos dos trabalhos científicos apresentados no XV Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva

Resumos dos trabalhos científicos apresentados no XV Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva ISSN 0103-507X www.rbti.org.br Suplemento 2010 Revista Brasileira de Terapia Intensiva Suplemento - 2010 XV CBMI Resumos dos trabalhos científicos apresentados no XV Congresso Brasileiro de Medicina Intensiva

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA DATA: 1 a 3 de SETEMBRO LOCAL: HOTEL GOLDEN TULIP / VITÓRIA-ES Realização: Tema: O Envolvimento Interdisciplinar na Qualidade de Assistência e na Segurança do Paciente COMISSÃO ORGANIZADORA

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA DATA: 1 a 3 de SETEMBRO LOCAL: HOTEL GOLDEN TULIP / VITÓRIA-ES Realização: TEMA: O ENVOLVIMENTO INTERDISCIPLINAR NA QUALIDADE DE ASSISTÊNCIA E NA SEGURANÇA DO PACIENTE COMISSÃO ORGANIZADORA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Fisioterapia Trabalho de Conclusão de Curso Perfil dos fisioterapeutas das Unidades de Terapia Intensiva adulto do Hospital Regional de Santa Maria

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO

ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO 1. Os Arquivos Brasileiros de Cardiologia (Arq Bras Cardiol) são uma publicação mensal da Sociedade Brasileira de Cardiologia, indexada no Cumulated

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

Normas de publicação. 1. A Revista Brasileira de Cardiologia. 2. Instruções redatoriais. 3. Avaliação pelos pares (peer review)

Normas de publicação. 1. A Revista Brasileira de Cardiologia. 2. Instruções redatoriais. 3. Avaliação pelos pares (peer review) Revista Brasileira de Cardiologia 1 Normas de publicação 1. A Revista Brasileira de Cardiologia A Revista Brasileira de Cardiologia (Rev Bras Cardiol.) é a publicação oficial da Sociedade de Cardiologia

Leia mais

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa:

O Procedimento Operacional Padrão (POP) No. 04/2013 do Manual de Normas e Rotinas do Núcleo Interno de Regulação da Santa Casa: PARECER CRM/MS N 001-2014 PROCESSO CONSULTA N 13/2013 INTERESSADO: ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE CAMPO GRANDE ASSUNTO: SOLICITAÇÃO DE PARECER PRIORIZAÇÃODE ACESSO ÀS VAGAS EM UTI. Temas correlatos: Priorização

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA GESTÃO E SAÚDE 1. APRESENTAÇÃO

NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA GESTÃO E SAÚDE 1. APRESENTAÇÃO NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA GESTÃO E SAÚDE 1. APRESENTAÇÃO A Revista Gestão & Saúde é um periódico científico de acesso livre, pública e de revisão por pares, publicado quadrimestralmente em formato

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 (CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA) R1, R2, R3 HSF Residência em Medicina Intensiva Introdução: A Residência em Medicina Intensiva foi criada nesta instituição

Leia mais

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca Protocolo de Choque no Pósoperatório de Cirurgia Cardíaca Acadêmico Lucas K. Krum Prof. Dr. Mário Augusto Cray da Costa Choque no pós operatório da CC Função miocárdica declina nas 6 a 8 horas iniciais

Leia mais

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE.

Apresentação geral. Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. CAMPANHA SOBREVIVENDO À SEPSE Relatório Nacional Março - 2012 Apresentação geral Centros envolvidos na campanha no Brasil: panorama atual 2005 Instituição Cidade / Estado Mês de lançamento 1 Hospital Dona

Leia mais

Hugo Fragoso Estevam

Hugo Fragoso Estevam Hugo Fragoso Estevam PALS Suporte Avançado de Vida Pediátrico Objetivos 1. Entender as diferenças de manifestação das causas de parada cardiorrespiratória nas crianças em relação aos adultos. 2. Compreender

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) PROTOCOLO DE ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR) 1 - OBJETIVO Este protocolo tem por objetivo padronizar o atendimento à parada cardiorrespiratória (PCR), para um atendimento rápido e organizado,

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA CÂNDIDO SANTIAGO SEST-SUS/SES-GO

REVISTA CIENTÍFICA DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA CÂNDIDO SANTIAGO SEST-SUS/SES-GO 1. NORMAS EDITORIAIS DA REVISTA A Revista da Escola de Saúde Pública (RESAP), editada pela Superintendência em Educação e Trabalho para o SUS da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás, é uma revista científica

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA

ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA De acordo com a RDC 07/10, o coordenador de enfermagem da UTI deve ser especialista em terapia intensiva, isto é, enfermeiro intensivista. Assim,

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM TERAPIA INTENSIVA ADULTO MARÇO DE 2013 Programa de Residência Médica em Terapia Intensiva 2013 Unidade: Hospital Copa D Or Coordenador do Programa de Residência Médica

Leia mais

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS www.emergenciasclinicas.com.br HISTÓRICO DO EVENTO Em virtude da carência no ensino de urgências e emergências em algumas Faculdades de Medicina de

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 Monitorização Clínica do Paciente Neurológico em Terapia Intensiva Prof. Dr. Salomón S. Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 FILOSOFIA DE ATENDIMENTO Profilaxia Diagnóstico

Leia mais

Normas de publicação de Neurociências & Psicologia

Normas de publicação de Neurociências & Psicologia Normas de publicação de Neurociências & Psicologia A revista Neurociências & Psicologia é uma publicação com periodicidade bimestral e está aberta para a publicação e divulgação de artigos científicos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Curso de Extensão ASSISTÊNCIA AO PACIENTE GRAVE PARA TÉCNICOS EM ENFERMAGEM PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA Docentes: Thiago Christel Truppel, Adriano Yoshio Shimbo, Giulianno Tkaczuk de Souza, Cleberson Ribeiro

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS AUTORES - DIVUGAÇÃO EM SAÚDE PARA DEBATE

INSTRUÇÕES AOS AUTORES - DIVUGAÇÃO EM SAÚDE PARA DEBATE INSTRUÇÕES AOS AUTORES - DIVUGAÇÃO EM SAÚDE PARA DEBATE A revista Divulgação em Saúde para Debate é uma publicação do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes). Aceita trabalhos inéditos sob forma

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ACADÊMICOS DE MEDICINA NO SAMU

RELATO DE EXPERIÊNCIA: ACADÊMICOS DE MEDICINA NO SAMU RELATO DE EXPERIÊNCIA: ACADÊMICOS DE MEDICINA NO SAMU MESQUITA, Juliana Nóbrega 1 ; ALCANTARA, Thales Lino Fernandes 1 ; ALMEIDA, Renata Miranda de 1 ; BORGES, Walter Costa 1 ; COSAC, Diego Chedraoui 1

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Prof. Dr. José O Medina Pestana. Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo

Prof. Dr. José O Medina Pestana. Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA APÓS O TRANSPLANTE Prof. Dr. José O Medina Pestana Hospital do Rim e Hipertensão Disciplina de Nefrologia, Universidade Federal de São Paulo FUNÇÃO RETARDADA DO ENXERTO RENAL

Leia mais

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS VI CONGRESSO DE BIOÉTICA DE RIBEIRÃO PRETO Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS Maria Cristina Komatsu Braga Massarollo Escola de Enfermagem- USP massaro@usp.br TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS Modalidade

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 1 FRANCISCO PEREIRA 36 SENIOR MASC. VITÓRIA S.C. 20.23 2 ANDRE SANTOS 48 SENIOR MASC. C.A.O.VIANENSE 20.27 3 JORGE CUNHA 3 SENIOR MASC. S.C.MARIA DA FONTE 21.14 4 DOMINGOS BARROS

Leia mais

Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos

Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos Evento - Data envio do trabalho comprovação da inscrição do 1º autor resposta sobre aceitação ou recusa do trabalho Tema dos Trabalhos XIV CONGRESSO

Leia mais

A Parada cardiorespiratória em assistolia

A Parada cardiorespiratória em assistolia CAPÍTULO 142 A Parada cardiorespiratória em assistolia Paulo Cézar Medauar Reis * Introdução A isquemia do miocárdio secundária a degeneração arterioesclerótica das artérias coronárias é das doenças mais

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/ FM/ UFF/ HU

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/ FM/ UFF/ HU DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Pesquisador: PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP Título da Pesquisa: O efeito da suplementação com L-carnitina na redução da agressão miocárdica provocada pela injúria de isquemia

Leia mais

www.sohcierj.org.br Prezados Colega,

www.sohcierj.org.br Prezados Colega, www.sohcierj.org.br Prezados Colega, Está se aproximando a data do 13º Simpósio de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista da Sociedade de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista do Estado do Rio

Leia mais

Projetos e pesquisas: Como escrever um artigo original em ciências da vida. Walter Lilenbaum Universidade Federal Fluminense

Projetos e pesquisas: Como escrever um artigo original em ciências da vida. Walter Lilenbaum Universidade Federal Fluminense Projetos e pesquisas: Como escrever um artigo original em ciências da vida Walter Lilenbaum Universidade Federal Fluminense Etapas da construção de um projeto 1.Identificação do problema Coerência com

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO PROTOCOLOS GERENCIADOS Hospital Israelita Albert Einstein SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO Implementação do Protocolo: 1º de ABRIL de 2006 Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 SBIB Hospital Albert Einstein

Leia mais

Rogério Blasbalg Tessler. Declaração de conflito de interesse

Rogério Blasbalg Tessler. Declaração de conflito de interesse Rogério Blasbalg Tessler Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

SAÚDE & TECNOLOGIA, revista científica da ESTeSL. Instruções aos Autores

SAÚDE & TECNOLOGIA, revista científica da ESTeSL. Instruções aos Autores SAÚDE & TECNOLOGIA, revista científica da ESTeSL Instruções aos Autores 1. Apresentação de Originais 1.1. Instruções gerais As propostas para submissão com vista à publicação na Saúde & Tecnologia, revista

Leia mais

I JORNADA DE FISIOTERAPIA HGWA

I JORNADA DE FISIOTERAPIA HGWA I JORNADA DE FISIOTERAPIA HGWA 1. OBJETIVO Fomentar o conhecimento científico e investir no crescimento técnico científico da Fisioterapia sob o tema Segurança e Qualidade na Assistência Fisioterapêutica.

Leia mais

Avaliação de Tecnologias em Saúde

Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Assunto: Comparativo entre as marcas de cardioversores desfibriladores(cdi) Canoas, setembro de 2009 Avaliação da Câmara

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado : A 137 1 Adriana Manuela Gomes Pinheiro 14 S S 20 2 Alexandra Pereira Ferreira 28 3 Ângelo Rafael Araújo Gomes S 28 4 Beatriz da Costa Oliveira S 2 5 Domingos Gonçalo Ferreira

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

CONFIGURAÇÕES E PREPARAÇÃO DO RESUMO (apresentação de pôsteres)

CONFIGURAÇÕES E PREPARAÇÃO DO RESUMO (apresentação de pôsteres) CONFIGURAÇÕES E PREPARAÇÃO DO RESUMO (apresentação de pôsteres) Cada autor poderá enviar no Maximo 1 resumo e estar como co-autor em até 3 resumos. Prepare o resumo em um editor de texto com fonte Times

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO NORMAS PARA REDAÇÃO DE ARTIGOS Pompeia 2012 A composição dos textos deverá obedecer as orientações abaixo.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS

NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS NORMAS PARA ENVIO DE TRABALHOS 1. Cada interessado poderá submeter um trabalho, como primeiro autor, independente da categoria e quantos quiser como autor; Não serão aceitos trabalhos com mais de 5 autores.

Leia mais

A redação deve primar por clareza, brevidade e concisão.

A redação deve primar por clareza, brevidade e concisão. Revista Rumos: Administração e Desenvolvimento Introdução A Revista Rumos é uma publicação do Centro Universitário do Cerrado Patrocínio Unicerp e publica artigos científicos nas áreas temáticas de administração

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13008 10 E Técnico de Instalações Elétricas Carlos Jorge Oliveira Rodrigues Escola Secundária de São Pedro do Sul 13791 10 E Técnico de Instalações Elétricas Daniel dos Santos Rodrigues Escola Secundária

Leia mais

NORMAS DE PUBLICAÇÃO Revista Neurociências

NORMAS DE PUBLICAÇÃO Revista Neurociências NORMAS DE PUBLICAÇÃO A Revista Neurociências é voltada à Neurologia e às ciências afins. Publica artigos de interesse científico e tecnológico, realizados por profissionais dessas áreas, resultantes de

Leia mais

Padrões de Editoração

Padrões de Editoração Padrões de Editoração 1. Titulo do artigo no mesmo idioma do seu manuscrito (não exceder o limite de 12 palavras): a. Caixa baixa, exceto para a palavra inicial e nomes próprios; b. Não mencionar nomes

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos

Diretrizes Assistenciais. Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos Diretrizes Assistenciais Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos Versão eletrônica atualizada em mar/2012 Esta política descreve as ações a serem realizadas para a identificação, avaliação

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso

Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Indicações e Cuidados Transfusionais com o Paciente Idoso Dra. Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo Setembro/2006 Guidelines 1980 National Institutes of Health 1984 American

Leia mais

Boletim do Museu Integrado de Roraima (Bol. Mus. Integr. Roraima)

Boletim do Museu Integrado de Roraima (Bol. Mus. Integr. Roraima) Boletim do Museu Integrado de Roraima (Bol. Mus. Integr. Roraima) ISSN 2317-5206 uerr.edu.br/bolmirr Normas de publicação para os Autores O Boletim do Museu Integrado de Roraima aceita contribuições em

Leia mais

Departamento Nacional de Pós Graduação e Atualização

Departamento Nacional de Pós Graduação e Atualização Regras para a Elaboração do Pré-projeto e Artigo Científico dos cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade Redentor Elaborado por: Prof. M.Sc. André Raeli Gomes Prof.ª M.Sc. Cilene Carla Saroba Vieira

Leia mais

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE

LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Nome da Escola : Agrupamento de Escolas de Almancil, Loulé Horário n.º: 27-18 horas 2013-10-09 Grupo de Recrutamento: 420 - Geografia LISTA ORDENADA POR GRADUAÇÃO PROFISSIONAL - DGAE Ordenação Graduação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PROCESSO SELETIVO 2015 PROVA ESCRITA DE CONHECIMENTO JURÍDICO DOUTORADO BANCA: D-01D LINHA DE PESQUISA: DIREITOS HUMANOS E ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO: FUNDAMENTAÇÃO, PARTICIPAÇÃO E EFETIVIDADE ÁREA DE ESTUDO: DIREITO POLÍTICO SALA: 501 Carlos Athayde Valadares Viegas Ricardo

Leia mais