CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0422 MÉDICO PEDIATRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0422 MÉDICO PEDIATRA"

Transcrição

1 PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para sempre com uma pessoa, mesmo que a convivência fosse infernal. Mas agora tudo mudou, pois ficamos mais conscientes de nós mesmos, queremos mais. Se antes o importante era o fato de estarmos comprometidos com alguém ou o tempo que durava o relacionamento, agora vale a qualidade do encontro. Questionamos as regras, a falta de liberdade, o jeito mecânico dos relacionamentos. Não queremos mais nos sentir prisioneiros de relacionamentos complicados. Descobrimos que o felizes para sempre era uma fraude. No passado havia muita angústia, repressão e frustração. Os homens levavam e as mulheres eram levadas numa dança que está ficando para trás. Hoje é mais fácil ver mulheres bem mais determinadas que os homens. Elas se cuidam bem, ganham o seu dinheiro, sabem o que querem; eles estão começando agora a sua revolução de comportamento, e, em decorrência, ocorrem desencontros, até que os dois lados acertem o passo novamente. A sensualidade e a aparência se tornaram referências de vida para muita gente. E os que buscam o amor, aqueles que ainda querem um relacionamento com profundidade, não encontram condições para isto. Parece que virou loteria achar alguém que queira se envolver de verdade. O amor está mais livre do que nunca e, para sobreviver, ele exige coragem, autenticidade e criatividade. Além disso, é preciso que ele seja cuidado, com extrema sensibilidade, pelos amantes. Mas quem está preparado para tanto? As pessoas tentam se encontrar, tentam se relacionar, mas estão bem desajeitadas. O seu repertório de comunicação e o jeito de proceder ainda estão bastante impregnados dos conceitos antigos, que não são compatíveis com o momento atual e anulam qualquer boa vontade para amar. À pergunta sobre quais as qualidades exigidas, para se escolher uma pessoa, apresenta-se uma grande lista: tem de ser sensível, inteligente, companheira, fiel, trabalhadora, honesta, sarada, bem humorada, alta, magra. Este modelo ideal é observado entre heterossexuais, homossexuais, adolescentes ou adultos. É a ilusão da cara metade, da alma gêmea que, diga-se de passagem, nunca vem. Por isso há tanta gente só ou que não tem paciência para aprofundar uma relação. Se não for do jeito que queremos, nada feito. E mesmo que o par perfeito exista e apareça, é preciso muita habilidade para manter esse amor vivo. Somente a experiência real, com muitos erros e acertos, faz-nos chegar a uma situação emocional de convivência harmônica e satisfatória. Neste sentido, o amor de nossa vida nunca vai cair do céu. O que está acontecendo, afinal? Estamos exigentes conosco mesmos. Temos defeitos, pontos fracos, imperfeições, mas fomos educados para não aceitarmos este fato. E tentamos, a todo custo, disfarçar nossas vergonhas, protegendo-nos com uma máscara, com atitudes de autoafirmação, fingindo que somos seguros e bem sucedidos. Não abrimos mão de nossas convicções sobre o certo e o errado e vamos, cada vez mais, distanciando-nos do ser humano de carne, osso e coração que somos. O que faz com que tenhamos intimidade com outra pessoa é exatamente a naturalidade, a espontaneidade, o sentimento de que somos reais e, como nós, a outra pessoa também é. Só assim permitimos, de fato, que o amor aconteça. Se conseguirmos olhar para nós mesmos com olhos mais condescendentes, se reconhecermos nossa vulnerabilidade, já é um passo. Assim ficamos mais humanos e permitimos que alguém também humano se aproxime de nós, mesmo que esta pessoa tenha lá suas imperfeições e fraquezas. Sergio Savian, in Sinal verde, outubro/novembro de Adaptado QUESTÃO 01 Após a leitura do texto, é possível concluir que A) Tudo que fizermos para cultivar um amor de verdade será em vão, já que não existem amores de contos de fadas; B) As pessoas vulneráveis são mais propensas a encontrarem um amor verdadeiro; C) Para que o amor seja duradouro, a intimidade entre os casais precisa ter um limite; D) O amor real precisa de seres humanos reais para acontecer; E) O grande amor só acontece para algumas pessoas. QUESTÃO 02 A relação que o autor do texto faz entre passado e presente: A) Assegura que no passado as pessoas eram mais felizes por não serem tão exigentes; B) Afirma que atualmente as mulheres são indiferentes aos relacionamentos, já que são cada vez mais independentes; C) Mostra que, com o passar do tempo, as pessoas foram adquirindo uma nova maneira de viver o relacionamento conjugal; D) Demonstra que a evolução de valores e das prioridades femininas contribui cada vez mais para o aumento dos divórcios; E) Afirma que no passado os relacionamentos duravam mais porque eram conduzidos principalmente pelos homens. 1 de 10

2 QUESTÃO 03 Apenas uma das modificações descritas a seguir acarretaria em uma mudança na semântica do texto. Qual? A) Mas agora tudo mudou, pois ficamos mais conscientes de nós mesmos, queremos mais. No lugar de pois, colocar enquanto; B) Hoje é mais fácil ver mulheres bem mais determinadas que os homens. Trocar hoje por atualmente; C) Além disso, é preciso que ele seja cuidado, com extrema sensibilidade, pelos amantes. No lugar de além disso, colocar ademais; D) Assim ficamos mais humanos e permitimos que alguém também humano se aproxime de nós, mesmo que esta pessoa tenha lá suas imperfeições e fraquezas. Substituir assim por desse modo; E)... aceitávamos o destino de viver para sempre com uma pessoa, mesmo que a convivência fosse infernal Substituir mesmo que por apesar de que. QUESTÃO 04 O emprego do acento indicativo de crase no início do quinto parágrafo justifica-se porque: A) Obedece à transitividade do verbo perguntar; B) É exigida pelo verbo que está subentendido; C) Obedece à transitividade do verbo apresentar; D) É uma expressão adverbial feminina; E) A oração da qual faz parte está na ordem inversa. QUESTÃO 06 E tentamos, a todo custo, disfarçar nossas vergonhas, protegendo-nos com uma máscara, com atitudes de autoafirmação, fingindo que somos seguros e bem sucedidos. Assim como a palavra em destaque no trecho, também está seguindo as regras do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa: A) Heroico; B) Ultra-sonografia; C) Vôo; D) Micro-ondas; E) Subsequente. QUESTÃO 07 É uma exposição de atividades de um funcionário no desempenho de suas funções ou por ordem de uma autoridade superior. Dentre as correspondências oficiais, essa descrição refere-se a um(a): A) Memorando; B) Ofício; C) Comunicação; D) Carta de recomendação; E) Relatório. Anotações QUESTÃO 05 Julgue as assertivas a seguir: I. O emprego das aspas em felizes para sempre destaca uma expressão proveniente de uma língua estrangeira; II. Em Por isso há tanta gente só ou que não tem paciência para aprofundar uma relação. A conjunção em destaque tem valor conclusivo; III. O emprego do adjetivo vulnerabilidade em se reconhecermos nossa vulnerabilidade, já é um passo. Demonstra a fraqueza do ser humano; IV. Assim ficamos mais humanos... O advérbio destacado exprime circunstância de modo; V. A separação silábica da palavra condescendentes fazse da seguinte forma: con-des-cen-den-tes. Está correto o que se afirma em: A) II, e III, apenas; B) III, IV e V, apenas; C) I, II e III, apenas; D) II, IV e V, apenas; E) I, II, III, IV e V. 2 de 10

3 TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 08 A 10: ÁGUA PESADA Compartilhar X Acumular: o choque entre a onda do consumo consciente e o tsunami da ostentação Na Terra de contrastes de Roger Bastide, nosso velho conhecido, talvez caiba mais um novo capítulo. Agendas das mesmas casas de shows andam alternando reservas de palcos para grupos aparentemente antagônicos. De um lado ídolos da música nascida nas periferias expressam nas letras a dureza e a indignação dos que vivem das sobras no país. Do outro, shows de figuras que batem no peito e gritam com toda a força o fato de terem conseguido não só o conforto de um teto ou uma televisão de tela plana, mas que celebram a conquista daquilo que aprenderam desde cedo a entender como a melhor expressão da vitória, da aceitação e da boa vida. Lamborghinis, cordas de ouro puro, maços de dinheiro, roupas grifadas e mulheres exuberantes também cobertas de joias. Em comum entre as duas faces dessa medalha (de ouro), além dos bonés e de uma situação econômica melhor resolvida por conta do sucesso, a revolta contra governantes, políticos e a gestão cafajeste que eles impingem. Também a revolta contra os símbolos e as instituições deste Estado, muito especialmente a polícia. Nesse aspecto, variam os símbolos, mas o recado não. Mensagens, diga-se, que fazem eco com aqueles ouvidos nas ruas em junho, vindos da classe média que arrumou vaga nessa faixa da pirâmide há mais tempo. Milhares de movimentos, iniciativas e ideias, mais e menos sérias, são lançadas todos os dias, alertando para a necessidade de se rever a lógica do consumo enlouquecido e do ter como solução para as angústias da geral. Compartilhar mais e acumular menos seria uma das chaves para um ponto de equilíbrio. Na contramão, milhões de pessoas celebram o fato de estarem podendo finalmente entender que graça tem ter (e ostentar) alguma coisa. Para aumentar a pressão, um Estado inábil, corrompido e incapaz. Um encontro de águas invocado. Ondas tão violentas que têm produzido uma energia difícil de conter e que incluem, em seu rastro, inveja, ódio, conflitos e mortes. É nessa pororoca moral brasileira que a Trip mergulha e tenta decifrar mais uma vez Texto: Paulo Lima QUESTÃO 08 Após a leitura do texto, considere as assertivas a seguir: I. Trata-se de um texto dissertativo-argumentativo que expressa o posicionamento de uma empresa sobre determinado assunto, sem a obrigação da presença da objetividade; II. É um gênero do tipo dissertativo-argumentativo que possui uma linguagem mais pessoal e leve, em que se escreve aos leitores; III. De acordo com as características e com o propósito comunicativo, pode-se afirmar que trata-se do gênero editorial; IV. Predomina no texto uma dissertação expositiva, já que trata-se de uma reportagem, e, por isso, tem como objetivo informar e levar os fatos ao leitor de uma maneira clara e com uma linguagem direta. Estão corretas: A) I, apenas; B) I e II, apenas; C) III, apenas; D) IV, apenas; E) I e III, apenas. QUESTÃO 09 Todas as palavras ou expressões destacadas abaixo funcionam primordialmente como elementos de coesão no texto, exceto: A) Compartilhar mais e acumular menos seria uma das chaves para um ponto de equilíbrio. B) De um lado ídolos da música nascida nas periferias expressam nas letras a dureza e a indignação dos que vivem das sobras no país. C) Além dos bonés e de uma situação econômica melhor resolvida por conta do sucesso... D) Do outro, shows de figuras que batem no peito... E) Nesse aspecto, variam os símbolos, mas o recado não. QUESTÃO 10 Na última frase (que está em destaque no texto), o autor encerra seu posicionamento fazendo uso de uma figura de linguagem chamada: A) Silepse; B) Metáfora; C) Personificação; D) Paradoxo; E) Metonímia. 3 de 10

4 O texto a seguir servirá de base para as questões de 11 a 14: DOM CASMURRO Enfim, chegou a hora da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos. Muitos homens choravam também, as mulheres todas. Só Capitu, amparando a viúva, parecia vencer-se a si mesma. Consolava a outra, queria arrancá-la dali. A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas... As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela; Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou de carícias para a amiga, e quis levá-la; mas o cadáver parece que a retinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem o pranto nem palavras desta, mas grandes e abertos, como a vaga do mar lá fora como se quisesse tragar também o nadador da manhã. Machado de Assis, Capítulo CXXIII Olhos de ressaca QUESTÃO 11 A palavra consternou tem como sinônimo: A) Surpreendeu; B) Entristeceu; C) Revoltou; D) Desconfiou; E) Desmotivou. QUESTÃO 12 Em uma das opções, há erro na indicação da classe gramatical da palavra destacada. Assinale-a: A) Só Capitu, amparando a viúva advérbio; B) saltassem algumas lágrimas poucas e caladas... adjetivo; C) olhando a furto para a gente que estava na sala preposição; D) mas o cadáver parece que a retinha também pronome relativo; E) como a vaga do mar lá fora conjunção subordinativa. QUESTÃO 14 No período: Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas... A oração subordinada é: A) Adverbial consecutiva; B) Adverbial concessiva; C) Adverbial comparativa; D) Adverbial causal; E) Adjetiva restritiva. QUESTÃO 15 Marque a opção em que há desvio do padrão culto da língua: A) As mudanças só serão percebidas em longo prazo; B) Ao invés de se importa com a vida dos outros, importese com a sua; C) A seleção do concurso consiste em duas etapas; D) A prova será finalizada meio-dia e meia; E) A carta será entregue em mão. RACIOCÍNIO LÓGICO QUESTÃO 16 Dona Chiquinha foi à feira para comprar até três tipos de frutas: abacaxi, banana e coco. Sabendo que os preços unitários (em reais) do abacaxi, da banana e do coco são respectivamente 1,00; 2,00 e 3,00, de quantos modos ela pode fazer sua compra de modo que gaste os 10,00 reais que levou para a feira: A) 09; B) 10; C) 11; D) 12; E) 13. Anotações QUESTÃO 13 Em: Muitos homens choravam também, as mulheres todas. O termo destacado exerce função sintática de: A) Objeto direto; B) Objeto indireto; C) Sujeito; D) Complemento nominal; E) Aposto. 4 de 10

5 QUESTÃO 17 Considere as sentenças abaixo: 1. Existe um número real x tal que x 2 = 1; 2. Para todo número inteiro n, vale n 2 > n; 3. Existe um número natural n, tal que para todo número real x, têm-se n > x; E as afirmações a seguir: I. Todas as sentenças são verdadeiras; II. A negação de 1 é Para todo número real x, têm-se x 2 1 ; III. Todas as sentenças são falsas; IV. A negação de 3 é Para todo número natural n, existe um número real x tal que n x. O número de afirmações corretas é: A) 0; B) 1; C) 2; D) 3; E) 4. QUESTÃO 18 Considere as tabelas-verdade a seguir: I p ~p p V ~p V F V F V V II p ~p p ~p V F F F V F Assinale a alternativa correta: A) I é exemplo de contradição e II de tautologia; B) I é exemplo de tautologia e II de contradição; C) Ambas são exemplos de tautologia; D) Ambas são exemplos de contradição; E) Ambas tanto podem ser uma contradição como uma tautologia. QUESTÃO 19 Sejam as proposições: p: Maria é jogadora de basquete; q: Maria é bonita. Considere as afirmações: I. A proposição p q, escrita em linguagem natural, corresponde a Maria é jogadora de basquete e Maria é bonita ; II. A proposição p V ~q, escrita em linguagem natural, corresponde a Maria é jogadora de basquete ou Maria é bonita ; III. Quando preenchemos a tabela-verdade abaixo, na coluna da proposição p V ~q, aparecem apenas valores lógicos verdadeiros. Estão corretas: A) Nenhuma; B) Todas; C) I e III, apenas; D) II e III, apenas; E) I e II, apenas. p q ~q p V ~q V V F V F V F V F F F V QUESTÃO 20 A respeito da negação das operações lógicas assinale o que for incorreto: A) A negação da negação (dupla negação) de uma proposição é logicamente equivalente à proposição; B) A negação de uma conjunção é logicamente equivalente a uma disjunção; C) A negação de uma disjunção é logicamente equivalente a uma conjunção; D) A negação do condicional é logicamente equivalente a uma conjunção; E) A negação do condicional é logicamente equivalente a uma disjunção. 5 de 10

6 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 21 São fatores que modificam a concentração sanguínea de um fármaco para uma dose especifica, Exceto: A) Formulação do medicamento; B) Interações medicamentosas; C) Variações genéticas; D) Função renal e/ou hepática; E) Nenhuma das alternativas anteriores está correta. QUESTÃO 22 Apenas para poucos medicamentos a monitoração terapêutica é útil na prática clínica. Desde que a dosagem laboratorial adequada esteja disponível, há indicação para dosar um medicamento quando: A) O fármaco tem intervalo terapêutico longo; B) Em baixas doses, o fármaco pode produzir os mesmos efeitos da doença que está sendo tratada; C) A droga pode alterar a função renal e/ou hepática alterando sua excreção; D) A absorção do fármaco não é influenciada pela dose ou por outras situações; E) Não há suspeita de não adesão ao tratamento. QUESTÃO 23 A Organização Mundial de Saúde (OMS) tem definido reação adversa a medicamentos (RAM), como: "qualquer efeito prejudicial ou indesejável, não intencional, que aparece após a administração de um medicamento em doses normalmente utilizadas no homem para a profilaxia, o diagnóstico e o tratamento de uma enfermidade". Sobre a RAM, assinale V para verdadeiro e F para falso: ( ) São consideradas reações adversas a medicamentos os efeitos adversos que aparecem depois de doses maiores do que as habituais (acidentais ou intencionais); ( ) Efeitos colaterais são os inerentes à própria ação farmacológica do medicamento, porém, o aparecimento é indesejável num momento determinado de sua aplicação; ( ) As reações do tipo A são farmacologicamente previsíveis, geralmente dependem da dose, têm alta incidência e morbidade, baixa mortalidade e podem ser tratadas ajustando-se as doses. QUESTÃO 24 Sobre a sensibilidade de um exame, podemos afirmar que: A) É a probabilidade de um teste positivo em pacientes nos quais a doença está presente; B) Também é chamada taxa de falso-positivo; C) É a probabilidade de um teste negativo em pacientes que não têm a doença; D) Também é chamada de taxa de verdadeiro-negativo; E) Nenhuma das alternativas anteriores está correta. QUESTÃO 25 Interações medicamentosas é evento clínico em que os efeitos de um fármaco são alterados pela presença de outro fármaco, alimento, bebida ou algum agente químico ambiental. Constitui causa comum de efeitos adversos. Em relação a este tema julgue as afirmativas abaixo: I. Interações farmacocinéticas são aquelas em que um fármaco altera a velocidade ou a extensão de absorção, distribuição, biotransformação ou excreção de outro fármaco; II. Interações farmacodinâmicas ocorrem nos sítios de ação dos fármacos, envolvendo os mecanismos pelos quais os efeitos desejados se processam; III. Interações de efeito ocorrem quando dois ou mais fármacos em uso concomitante têm ações farmacológicas similares ou opostas. Podem produzir sinergias ou antagonismos sem modificar farmacocinética ou mecanismo de ação dos fármacos envolvidos; IV. Interações farmacêuticas, também chamadas de incompatibilidade medicamentosa, ocorrem in vitro, isto é, antes da administração dos fármacos no organismo, quando se misturam dois ou mais deles numa mesma seringa, equipo de soro ou outro recipiente. Estão corretas: A) Apenas as afirmativas II e III; B) Apenas as afirmativas I e III; C) Apenas as afirmativas I, II e III; D) Apenas as afirmativas II e IV; E) Todas as afirmativas. A sequência correta de cima para baixo é: A) V, V, F; B) F, F, V; C) F, V, V; D) V, F, V; E) V, V, V. 6 de 10

7 QUESTÃO 26 As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o Sistema Único de Saúde (SUS), são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas no art. 198 da Constituição Federal, obedecendo ainda aos seguintes princípios, EXCETO: A) Acesso aos serviços de saúde apenas no nível terciário; B) Integralidade de assistência, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema; C) Preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral; D) Igualdade da assistência à saúde, sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie; E) Divulgação de informações quanto ao potencial dos serviços de saúde e a sua utilização pelo usuário. QUESTÃO 27 O uso de testes de laboratório para rastrear pacientes assintomáticos é um tipo especial de procedimento diagnóstico, e uma das metas é detectar as doenças cujas morbidade e mortalidade possam ser reduzidas por detecção precoce e tratamento. É preciso considerar a viabilidade e a efetividade dos critérios para realizar programas de rastreamento. No que se refere aos testes realizados num programa de rastreamento, assinale a afirmativa INCORRETA: A) Deve ser um teste de rastreamento simples, seguro, preciso e validado; B) A distribuição dos valores do teste na população-alvo deve ser conhecida, e um ponto de corte adequado, definido e acordado; C) O teste não necessariamente deve ser aceitável para a população; D) Deve haver uma política acordada para posterior investigação diagnóstica de indivíduos com teste positivo e nas escolhas disponíveis para esses indivíduos; E) Nenhuma das alternativas anteriores está correta. QUESTÃO 28 Em relação ao Sistema Único de Saúde (SUS), julgue as afirmativas abaixo: I. O SUS é um conjunto de unidades, de serviços e de ações que interagem com a finalidade de proteger, promover e recuperar a saúde; II. Regionalização e hierarquização são princípios éticos do SUS; III. O princípio da equidade corresponde a assegurar ações e serviços de todos os níveis, sem barreiras, discriminando positivamente os menos favorecidos; IV. De forma paritária com o governo, é assegurada a participação dos cidadãos, dos profissionais de saúde e dos prestadores de serviço nos conselhos de saúde. Estão corretas apenas as afirmativas em: A) II e III; B) I, III e IV; C) I, II e III; D) III e IV; E) III. QUESTÃO 29 Segundo o Código de ética Médica, em relação a Publicidade Médica, é vedado ao médico: A) Permitir que sua participação na divulgação de assuntos médicos, em qualquer meio de comunicação de massa, deixe de ter caráter exclusivamente de esclarecimento e educação da sociedade; B) Divulgar informação sobre assunto médico de forma sensacionalista, promocional ou de conteúdo inverídico; C) Divulgar, no meio científico, processo de tratamento ou descoberta cujo valor ainda não esteja expressamente reconhecido cientificamente por órgão competente; D) Consultar, diagnosticar ou prescrever por qualquer meio de comunicação de massa; E) Anunciar títulos científicos que não possa comprovar e especialidade ou área de atuação para a qual não esteja qualificado e registrado no Conselho Regional de Medicina. 7 de 10

8 QUESTÃO 30 A Taxa de mortalidade específica por causas externas (Coeficiente de mortalidade específica por causas externas) consiste no número de óbitos por causas externas (acidentes e violência), por 100 mil habitantes, na população residente em determinado espaço geográfico, no ano considerado. Sobre esta taxa, assinale a afirmativa Falsa: A) Estima o risco de morte por causas externas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública; B) Reflete aspectos culturais e de desenvolvimento socioeconômico, com o concurso de fatores de risco específicos para cada tipo de acidente ou violência; C) Expressa as condições da assistência médica dispensada e a qualidade do registro das ocorrências; D) Requer correção da subnumeração de óbitos captados pelo sistema de informação sobre mortalidade, especialmente nas regiões Norte e Nordeste; E) Não apresenta restrição de uso quando ocorre elevada proporção de óbitos sem assistência medica ou por causas mal definidas. QUESTÃO 31 Nos casos de diarreia crônica inespecífica detectados em crianças entre 6 meses e 2 anos de idade a conduta mais interessante a ser tomada dentre as alternativas é: A) Aumentar a ingestão de gorduras; B) Retirar lactose; C) Diminuir consumo de proteínas; D) Estimular o consumo de suco de frutas; E) Aumentar aporte líquido, 200ml/kg/dia. QUESTÃO 32 Você investiga doença febril aguda em lactente de 2 meses e encontra os seguintes achados: hematócrito = 26%, hemoglobina = 8g/dl. Sabe-se que o mesmo teve pré-natal sem anormalidades, parto normal a termo, bom desenvolvimento, sucção adequada e aleitamento materno exclusivo. A melhor conduta a seguir é: A) Receitar ferro oral; B) Tranquilizar e orientar a mãe sobre o quadro, interpretando os valores como normais; C) Hemotransfusão; D) Seguir com investigação laboratorial especifica, Coombs-direto e ferritina sérica; E) Nenhuma das alternativas anteriores está correta. QUESTÃO 33 Paciente, 3 anos de idade, chega à emergência com febre alta de início há 12 horas, vômitos e cefaleia. No exame físico você evidencia petéquias e púrpuras em tronco e membros. Lúcido e orientado, com momentos de agitação. Não apresenta sinais meníngeos. Pressão arterial 70mm Hg. O diagnóstico mais provável é: A) Febre hemorrágica da dengue; B) Dengue grave; C) Febre purpúrica brasileira; D) Meningococcemia; E) Eritema infeccioso. QUESTÃO 34 Joãozinho, pré-escolar de 3 anos, desnutrido, é trazido ao hospital por tosse e dispneia. Achados do exame físico: T.Ax.: 37,7 C e sibilância difusa. Radiografia de tórax feita há 4 dias evidenciava opacidade em lobo médio esquerdo. Uma nova radiografia mostrou opacidade no lobo superior direito. O diagnóstico mais provável é: A) Pneumonia pneumocócica; B) Pneumonia por Haemophilus Influenzae; C) Síndrome de Löefler; D) Pneumonia de Eaton; E) Pneumonia Estafilocócica. QUESTÃO 35 Menino de cinco anos com fezes diarreicas apresentando trofozoítos de Entamoeba histolytica e Giardia lambia. Qual medicação mais apropriada para o tratamento: A) Albendazol; B) Metronidazol; C) Praziquantel; D) Fluconazol; E) Tiabendazol. QUESTÃO 36 Joaquim Manuel, 6 anos de idade, foi atendido na emergência após queda da própria altura há 3 horas. Houve perda da consciência com duração de 4 minutos, tendo apresentado 2 episódios de vômitos durante esse período. O exame físico não revelou hematoma. Encontra-se apenas sonolento, mas orientado. Neste caso deve-se adotar o seguinte procedimento: A) Hospitalização com pedido de tomografia computadorizada de crânio; B) Raios-x de crânio, com liberação se não houver alterações; C) Liberação com orientação aos pais sobre complicações; D) Observação hospitalar mínima de 6 horas; E) Observação hospitalar mínima de 24 horas. 8 de 10

9 QUESTÃO 37 Pedrinho, 5 meses de idade é atendido em unidade secundária de saúde com tosse e dispneia, apresenta tiragem intercostal e subcostal, sua frequência respiratória é 55irpm. Em relação ao quadro apresentado e segundo o programa de controle e tratamento das infecções respiratórias agudas do ministério da saúde, este caso classifica-se como: A) Insuficiência respiratória aguda; B) Nasofaringite; C) Pneumonia não grave; D) Bronquiolite; E) Pneumonia grave. QUESTÃO 38 Larissa Vitória, 10 meses de idade, é trazida à unidade de pronto atendimento por apresentar há 2 dias fezes líquidas, sem sangue. Ingestão diminuída e 2 episódios de vômitos hoje. Ao exame: irritada, sinal da prega presente, enchimento capilar maior que 2 segundos e olhos fundos. Aceita agua avidamente. Qual a conduta mais adequada: A) Dieta oral zero e iniciar reidratação venosa, com reavaliação após 1 hora; B) Dieta oral zero, antieméticos e iniciar reidratação venosa, com reavaliação após 1 hora; C) Receitar terapia de reidratação oral para casa, além de orientar dieta específica; D) Prescrever antieméticos intramuscular e liberar para casa com orientação para aumento da ingestão de líquidos e terapia de reidratação oral; E) Prescrever reidratação oral para as próximas 4 horas, com reavaliações durante esse período. QUESTÃO 39 Paciente, 4 anos, com quadro de anemia microcítica e hipocrômica, faz uso de sulfato ferroso. Apresenta fáceis de esquilo (proeminência dos maxilares). Apresenta elevação importante de HbA2 e HbF ao exame de eletroforese de hemoglobina, além de detecção de uma mutação em um alelo da beta-globina. Qual o diagnóstico mais provável? A) Anemia ferropriva; B) Anemia falciforme; C) Carência de folato; D) Beta-talassemia; E) Anemia perniciosa. QUESTÃO 40 Criança de 7 anos, atendida em unidade de urgência, relata trauma em perna direita ocorrido há uma semana. Ao exame apresenta flogose na perna direita, acompanhado de pústulas e lesões bolhosas. Raios-x da perna direita sem alteração óssea. Qual o esquema de antibioticoterapia inicial? A) Vancomicina; B) Ciprofloxacino; C) Oxacilina; D) Penicilina cristalina; E) Penicilina benzatina. QUESTÃO 41 Lactente de 5 meses de idade, previamente hígido, é trazido pela mãe com queixa de coriza nasal hialina há 3 dias, febre recorrente que cede ao uso de antitérmico (2 picos diários) há 2 dias e há 1 dia com chiado no peito e tosse seca. Relata também hiporexia. Ao exame: regular estado geral, anictérico, acianótico, taquidispnéico, com retrações intercostaois e subcostais. A ausculta pulmonar revela murmúrio vesicular presente, com aumento do tempo expiratório e sibilos difusos. Frequência respiratória: 64irpm, frequência cardíaca: 155bpm. Qual o provável diagnóstico e agente etiológico? A) Pneumonia viral; influenza ou parainfluenza; B) Bronquiolite aguda; vírus sincicial respiratório e metapneumovírus; C) Pneumonia bacteriana; pneumococo; D) Pneumonia por germes atípicos; E) Bronquiolite obliterante aguda; adenovírus. QUESTÃO 42 A partir de setembro de 2013 o ministério da saúde incluiu uma nova vacina ao calendário vacinal. Com base nesse calendário nacional de imunizações, qual das alternativas a seguir cita a nova vacina e sua respectiva indicação: A) HPV; a partir de 9 anos de idade; B) HPV; de 9 anos de idade até os 18 anos; C) Varicela; para crianças com 15 meses que já receberam a primeira dose da tríplice viral; D) Varicela; aos 12 meses, junto com a tríplice viral; E) Varicela; aos 9 meses. QUESTÃO 43 Criança de 6 anos é atendida em unidade de saúde com quadro compatível com amigdalite purulenta. Foi prescrita amoxicilina 50mg/kg/dia, via oral por 7 dias. A mãe da criança recusa a receita, refere preferir medicação injetável alegando que sua vizinha indicou ser ótima medicação para quadros semelhantes. O médico explica o quadro de moderada gravidade e que com a medicação oral se tem bons resultados. A mãe insiste que seja feita medicação por via intramuscular. Qual a conduta indicada para esta situação? A) Encaminhar ao conselho tutelar, conforme normas do estatuto; B) Notificar o ocorrido ao CRM, mantendo sua conduta e evitando futuro problema judicial; C) Manter prescrição, tendo seu direito de médico preservado e pensando no benefício da criança; D) Modificar prescrição, atendendo à solicitação da mãe, indicando antibioticoterapia intramuscular compatível com o caso; E) Recomendar outro médico para a família. 9 de 10

10 QUESTÃO 44 Criança de 3 anos, sexo masculino, é atendido com quadro de rinorreia hialina tosse seca e febre. É prescrito sintomáticos e liberado para casa. Após 3 dias retorna com secreção nasal purulenta, unilateral e fétida. Qual a melhor conduta para esse caso? A) Investigar a possível introdução de corpo estranho no nariz e encaminhar ao otorrinolaringologista; B) Encaminhar ao otorrinolaringologista pela possibilidade de polipose nasal; C) Encaminhar ao otorrinolaringologista pela possibilidade de rinite atrófica; D) Manter conduta anterior, pensando em quadro grave de infecção viral de vias superiores; E) Prescrever antibiótico por suspeitar de evolução com provável sinusite. QUESTÃO 45 No curso de um tratamento hospitalar, com penicilina, para pneumonia em escolar de 10 anos, que apresenta boa evolução clínica. Você recebe o resultado do antibiograma com cepa resistente de pneumococo a Oxacilina. Nessa situação a melhor conduta será: A) Dobrar a dose atual; B) Associar ceftriaxona; C) Associar vancomicina; D) Associar quinolona; E) Manter tratamento atual. QUESTÃO 46 Em relação à faringite estreptocócica, assinale a alternativa INCORRETA: QUESTÃO 48 O tratamento inicial para um escolar com crise aguda de asma em unidade de pronto atendimento, segundo a IV Diretrizes Brasileiras para Manejo da Asma, é prescrever: A) Brometo de ipratrópio inalatório em doses repetidas; B) Oxigênio 2l/min por máscara facial; C) Aminofilina intravenosa; D) Beta agonista inalatório de curta duração; E) Adrenalina subcutânea. QUESTÃO 49 Escolar de 10 anos, apresenta alopécia tonsurante, com descamação e prurido. O provável diagnóstico e a conduta adequada é: A) Tinea do couro cabeludo, cetoconazol tópico; B) Tinea do couro cabeludo, griseofulvina VO; C) Impetigo, cefalexina; D) Alopécia areata, corticosteroide tópico; E) Tricotilomania, psicoterapia. QUESTÃO 50 Maria Alice, 3 anos de idade, é atendida com tosse produtiva, principalmente noturna, e obstrução nasal há 13 dias. Foi atendida há uma semana, quando obteve diagnóstico de Nasofaringite viral. O diagnóstico atual mais provável é: A) Traqueíte viral; B) Faringite bacteriana; C) Epiglotite; D) Sinusite; E) Asma. A) Cafalosporinas são mais efetivas para erradicar o estado de portador; B) Antibioticoterapia precoce acelera a recuperação clínica; C) A maioria dos episódios se resolve em poucos dias; D) A pesquisa do estreptococo na orofaringe com cultura é o padrão ouro para o diagnóstico; E) Antibioticoterapia precoce pode reduzir o risco de febre reumática. QUESTÃO 47 Não é fácil estabelecer diagnóstico diferencial entre pneumonia bacteriana e viral na prática clínica. Dentre as alternativas abaixo, qual fala mais a favor de infecção bacteriana em pré-escolares? A) Pneumonias intersticiais; B) Infiltrado broncopneumônico; C) Quadro precedido por tosse, coriza e obstrução nasal; D) Casos que evoluem com Bronquiolite obliterante; E) Murmúrio vesicular diminuído e estertores creptantes do lado afetado. 10 de 10

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0431 PEB ENSINO RELIGIOSO

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0431 PEB ENSINO RELIGIOSO PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0442 PSICOPEDAGOGO

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0442 PSICOPEDAGOGO PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

Atendimento de retorno

Atendimento de retorno Algumas crianças doentes têm de retornar para que o médico as veja de novo. Terá de ser dito às mães quando elas devem regressar para a consulta de retorno. Nessa consulta, o médico pode ver se a criança

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0416 MÉDICO MASTOLOGISTA

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0416 MÉDICO MASTOLOGISTA PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0424 PROCTOLOGISTA

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0424 PROCTOLOGISTA PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações

Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações 147 Apêndice D: Listas de verificação de múltiplas observações Visita domiciliar de APS Monitorização do crescimento Imunizações Terapia de reidratação oral Planejamento familiar Módulo 6: Qualidade do

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0428 MÉDICO ULTRASSONOGRAFISTA

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0428 MÉDICO ULTRASSONOGRAFISTA PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O QUE VOCÊ PRECISA SABER DIAGNÓSTICO DE INFLUENZA E OUTROS VIRUS RESPIRATÓRIOS NO HIAE. O QUE VOCÊ PRECISA SABER Maio de 2013 Laboratório Clínico Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Apenas para lembrar alguns aspectos das

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS - IRAs Estima-se se que morram de IRA 4 milhões de crianças de 0 a 5 anos por ano/mundo Prof. Enf. Hygor Elias 75% das mortes Rinofaringite Amigdalite Otite Sinusite Trato

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS

EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS EFEITOS ADVERSOS A MEDICAMENTOS INTRODUÇÃO As informações contidas neste folheto têm a finalidade de orientar as pessoas que passaram ou que podem passar pela experiência não-desejada dos efeitos adversos

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS

Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS Assunto: Nova classificação de caso de dengue OMS 1. A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotará a nova classificação de caso de dengue revisada da Organização Mundial de Saúde (detalhamento anexo I):

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria

Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Fique atento ao abuso de antibióticos na pediatria Criado em 22/04/15 10h50 e atualizado em 22/04/15 11h27 Por Sociedade Brasileira de Pediatria Para se ter sucesso no tratamento da criança alérgica ou

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0425 MÉDICO PSIQUIATRA

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0425 MÉDICO PSIQUIATRA PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS EPIDEMIOLOGIA IRA (definição) São infecções de etiologia viral ou bacteriana que podem acometer qualquer segmento do aparelho respiratório, com duração aproximada de 7 dias. Correspondem a diversas síndromes clínicas

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir:

Concurso Público. Exames laboratoriais: Com base nesses dados, responda às questões a seguir: 01 Concurso Público Menina de sete anos de idade apresentou imagem radiológica de pneumatoceles em ambos os pulmões. História pregressa de rash neonatal, atraso da dentição e fraturas recorrentes devido

Leia mais

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Unidade de Anestesia Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Definições OMS Uma resposta

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Infecções respiratórias agudas

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Infecções respiratórias agudas Caso complexo Sandra e Sofia Especialização em Fundamentação teórica INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS Gilberto Petty da Silva Na faixa etária de seis meses aos três anos, as crianças têm de seis a nove infecções

Leia mais

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia

Febre Reumática Sociedade Brasileira de Reumatologia Febre Reumática CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://www.guildford.gov.uk/play EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright SBR-, 2011 O conteúdo desta

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0447 TERAPEUTA OCUPACIONAL

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0447 TERAPEUTA OCUPACIONAL PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Protocolo de tratamento de influenza - 2011

Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Depois de definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a fase pós- pandêmica, a partir de agosto de 2010, o vírus da influenza pandêmica A (H1N1) 2009 continuou

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0401 CIRURGIAO DENTISTA PSF

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0401 CIRURGIAO DENTISTA PSF PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Fernando Klein Outubro/2010 Caso 1 Fridundino Eulâmpio, 6 anos. Há

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

Carla TG Barreto Andrey M Cardoso Felipe FG Tavares Carlos EA Coimbra Jr. Departamento de Endemias ENSP/FIOCRUZ

Carla TG Barreto Andrey M Cardoso Felipe FG Tavares Carlos EA Coimbra Jr. Departamento de Endemias ENSP/FIOCRUZ Estado vacinal como fator protetor para Infecção Respiratória Aguda em crianças indígenas Guarani menores de 5 anos hospitalizadas no Sul e Sudeste do Brasil: um Estudo Caso-Controle Carla TG Barreto Andrey

Leia mais

Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana

Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana Dilemas Diagnósticos entre Tonsilite Viral e Bacteriana Mesa Redonda Moderador: Jayme Murahovshi Participantes: Edigar R. de Almeida, Luiza H. Endo e Sílvio Luiz Zuquim Prof. Dr. Jayme Murahovschi (Pediatra)

Leia mais

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais.

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais. Síndrome de Apert O que é Síndrome de Apert? A síndrome de Apert é uma desordem genética que causa desenvolvimento anormal da caixa craniana. Bebês com síndrome de Apert nascem com a cabeça e a face com

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

DENGUE E FEBRE AMARELA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

DENGUE E FEBRE AMARELA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV DENGUE E FEBRE AMARELA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Os Arbovírus ARBOVÍRUS = ARthropod BOrne VIRUS Arbovírus pertencem a três famílias: Togavírus Bunyavírus Flavivírus: Febre

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio REIDRAMAX I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio Forma farmacêutica e Apresentação Pó para solução oral

Leia mais

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário

Guia de Farmacovigilância - Anvisa. ANEXO IV - Glossário Guia de Farmacovigilância - Anvisa ANEXO IV - Glossário De acordo com a RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 10/02/09 (DOU 11/02/09): Dispõe sobre as normas de farmacovigilância para os detentores de registro de medicamentos

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo

Caso 14. 1ª Parte. Refletindo e Discutindo Caso 14 1ª Parte Gabriel, 17 anos, procurou Maria, agente comunitária de saúde, para saber onde poderia tratar de seus vários dentes com buracos porque queria servir ao Exército. Maria pergunta se esse

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0439 PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA CLASSE II/PEB II GEOGRAFIA

CONCURSO PÚBLICO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE IGUATU 0439 PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA CLASSE II/PEB II GEOGRAFIA PORTUGUÊS TEXTO PARA A RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE 01 A 06: Quem está preparado para amar? Éramos obrigados a estar dentro de um relacionamento, engolíamos muitos sapos, aceitávamos o destino de viver para

Leia mais

Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG. Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS

Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG. Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS Protocolo de Tratamento Casos de SG e SRAG Dr. José Ricardo Pio Marins Consultor Externo CGDT/ SVS Brasília, novembro de 2012 Antecedentes Uso do medicamento durante a pandemia e 2011/2012 Dificuldade

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

Instituto Nacional de Amparo à Pesquisa Tecnológica, Inovação na Gestão Pública - INTS

Instituto Nacional de Amparo à Pesquisa Tecnológica, Inovação na Gestão Pública - INTS Instituto Nacional de Amparo à Pesquisa Tecnológica, Inovação na Gestão Pública - INTS Metodologia Pesquisa de opinião com a finalidade de avaliar demandas, anseios e a qualidade dos serviços prestados

Leia mais

Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer?

Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer? Meu bebê tem Doença Falciforme O que fazer? Agência Nacional de Vigilância Sanitária 2 Guia Sobre Doenças Falciformes Diretor Presidente Gonzalo Vecina Neto Diretores Luiz Carlos Wandreley Lima Luiz Felipe

Leia mais

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com Palestrante Marco Vinicius da Silva Melo Enfermeiro Obstetra/Ginecologia Enfermeiro do Trabalho MBA em Auditoria em Serviços de Saúde Docência do Ensino Superior TEMA: PROTOCOLO DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA

Leia mais

Protocolos Não Gerenciados

Protocolos Não Gerenciados Protocolos Não Gerenciados Unidade de Pediatria FEBRE SEM SINAIS LOCALIZATÓRIOS EM CRIANÇAS ATÉ 3 ANOS Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2005 SBIB Hospital Albert Einstein Page 1 of 7 Protocolo

Leia mais

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN

MECLIN. cloridrato de meclizina APSEN MECLIN cloridrato de meclizina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimido APRESENTAÇÕES Comprimidos de 25 mg em embalagem com 15 comprimidos. Comprimidos de 50 mg em embalagem com 15 comprimidos. USO ORAL USO

Leia mais

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br

Traduzido por: Edson Alves de Moura Filho e-mail: edson.moura@saude.gov.br A Doença Do Boletim Epidemiológico, Vol 22, nº 3, setembro de 2001 Influenza: Aspectos Epidemiológicos Básicos para o Desenvolvimento de Vacinas A influenza (a flu ) é uma dos mais notórios achaques (doença

Leia mais

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno.

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. Características clínicas da influenza - Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. - Incubação: um a quatro dias. - Transmissibilidade:

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015

Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Protocolo de Tratamento de Síndrome Gripal e Síndrome Respiratória Aguda Grave 2015 (Material produzido pelo Ministério da Saúde e adaptado

Leia mais

NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO. Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS)

NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO. Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO - EDITAL N.º 001/2012 PREFEITURA MUNICIPAL DE BREVES PROVA OBJETIVA: 1 de abril de 2012 NÍVEL FUNDAMENTAL COMPLETO Cargo: AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE (ACS) Nome do Candidato:

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação

Vacina Pentavalente. Nomenclatura. Proteção. Forma Farmacêutica Apresentação Vacina Pentavalente Nomenclatura Proteção Forma Farmacêutica Apresentação Lab. Produtor Composição Indicação Precauções Contra Indicações - Vacina adsorvida difteria, tétano, pertussis, hepatite B (recombinante)

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

Boletim Epidemiológico Julho/2015

Boletim Epidemiológico Julho/2015 GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA COORDENADORIA DE PROMOÇÃO À SAÚDE SUBCOORDENADORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÃO ESTRATÉGICA EM VIGILANCIA

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais INVERNO GAÚCHO - 2008 Norma Técnica T e Operacional para infecçõ ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE PROGRAMA

Leia mais

Estabelecer o fluxo de notificação, aquisição e dispensação dos medicamentos pertencentes aos Programas Estratégicos (Tuberculose, DST/AIDS e SRAG).

Estabelecer o fluxo de notificação, aquisição e dispensação dos medicamentos pertencentes aos Programas Estratégicos (Tuberculose, DST/AIDS e SRAG). FARMPr13 1 de 12 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial CAMS; CESC; LAS;MBJ;LR; 1 Objetivo Estabelecer o fluxo de notificação, aquisição e dispensação

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de respostas. Nº de Inscrição Nome ASSINALE A RESPOSTA

Leia mais

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE

Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Passos para a prática de MBE Passos para a prática de MBE Elaboração de uma pergunta clínica Dr. André Deeke Sasse 1. Formação da pergunta 2. Busca de melhor evidência resposta 3. Avaliação crítica das evidências 4. Integração da

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais