Módulo IV. Cirrose Descompensada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo IV. Cirrose Descompensada"

Transcrição

1 Módulo IV Cirrose Descompensada

2

3 Abordagem Inicial do Cirrótico 21 Paulo Lisboa Bittencourt Cirrose hepática (CH) é definida pela desorganização da arquitetura lobular do fígado, definida histologicamente por fibrose e formação de nódulos regenerativos. Como cirrose é um conceito anatomopatológico, opta-se pelo uso do termo doença crônica parenquimatosa do fígado (DCPF) para caracterizar pacientes com evidências clínicas, laboratoriais e radiológicas de cirrose hepática e sem avaliação histológica do parênquima hepático. Clinicamente, a DCPF é classificada em compensada ou descompensada de acordo com a presença de complicações da hipertensão portal e insuficiência hepática. A DCPF é dita descompensada na ocorrência de ascite, hemorragia digestiva varicosa, encefalopatia hepática (EH) e infecções tais como a peritonite bacteriana espontânea (PBE). A abordagem do paciente com DCPF deve incluir avaliação etiológica (Tabela 1) e prevenção e rastreamento de complicações (Tabela 2). A abordagem terapêutica da CH compensada deve incluir avaliação de tratamento da causa subjacente da doença; tratamento dos sintomas e complicações associadas; suporte nutricional e avaliação de elegibilidade para transplante de fígado.

4 104 Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Nycomed Doença Crônica Parenquimatosa do Fígado Avaliação de complicações (Ascite/hidrotórax / Hemorragia digestiva / Infecções [PBE, infecção respiratória e urinária, de pele e tecido celular subcutâneo] / Encefalopatia Hepática / Insuficiência Renal Aguda / Coagulopatia) Vide algoritmo de complicações Avaliação laboratorial: De acordo com protocolos de complicações Coleta de Na, K, U, Cr, HMG, Glicose TGO, TGP, FA, GGT, PT e F, BT e F, Na Urinário (na 1a internação) Avaliação de etiologia (Tabela 1 e 2) 1. Padrão bioquímico: Hepatocelular (elevação preponderante de AST, ALT), Colestático (elevação preponderante de FA, GGT) 2. Avaliação Inicial: o Consumo de álcool: (n unidades/semana) / Uso de medicações/ fitoterápicos (Consultar hepatox) / Antecedentes familiares de DCPF, doenças auto-imunes e consaguinidade; uso de transfusões ou de drogas IV e inalatórias 3. Exames laboratoriais (Fase I) Perfil bioquímico hepatocelular/ misto: AgHbs, Anti-HBC total, Anti-HCV, Ferro, CTLFe Perfil colestático: US, AAM, CPRE ou CPRM, A1AT 4. Exames laboratoriais (Fase II [ I se suspeita clínica importante]) Ceruloplasmina, Cobre sérico e urinário e Pesquisa de anel de KF AAML, AAMFR, AAN, AAM A1AT 5. Considerar biópsia hepática Estadiamento: Classificação de Child/Pugh e MELD (Tabela 3 e 4) Prevenção de complicações EDA: Ausência de varizes + Child A Ausência de varizes + Child B/C VE de fino calibre ( 5 mm) + Child A VE fino calibre ( 5 mm) + Child B/C Sinais vermelhos VE médio/grosso calibre (> 5 mm) + Child A VE médio/grosso calibre (> 5 mm) + Child B/C Sinais vermelhos Repetir EDA de 3/3 anos Repetir EDA de 1/1 ano Considerar profilaxia com betabloqueador não seletivo (BBNS) até dose máxima tolerável Na ausência de profilaxia repetir EDA de 1-2/1-2 anos Profilaxia com BBNS Profilaxia com BBNS ou ligadura elástica (LE) na presença de contraindicações aos BBNS Profilaxia com BBNS ou LE

5 Módulo IV Capítulo 21 Abordagem Inicial do Cirrótico 105 Rastreamento de Hepatocarcinoma Ultrassonografia de abdomen superior + alfafetoproteína de 6/6 m Profilaxia de infeccções (PBE) Antecedente de PBE ou proteína de LA < 1,5 g/dl ou cirrose avançada Child 9 com BT > 3,0 g/dl ou Creatinina > 1,2 mg/ml ou Na 130 meq/l Profilaxia de síndrome hepatorrenal (PBE) Profilaxia de infecções na hemorragia varicosa Norfloxacin 400 mg/dia Ciprofloxacin 500 mg/dia Ciprofloxacin 750 mg/semana TMP/SMZ 800/160 mg/dia Vide algoritmo de síndrome hepatorrenal e de PBE Vide algoritmo de hemorragia varicosa Avaliação de pacientes cirróticos para transplante de fígado (Coleta de grupo sanguíneo; BT, Cr, TP com INR, Albumina e Na para cálculo do MELD e da Classificação Child-Pugh antes da avaliação por equipe de transplante [www.abto.org.br] Pontuação Child-Pugh B > 7 e MELD > 10 Descompensação: ascite, HDA, infecções ou encefalopatia hepática Carcinoma hepatocelular (diagnóstico de acordo com os critérios de Barcelona e indicações de acordo com os critérios de Milão [nódulo único de até 5 cm ou até 3 nódulos de até 3 cm]) (Tabela 4, Figuras 1 e 2) Tabela 1: Principais Causas de Cirrose Hepática Hepatites Virais Vírus C Vírus B Vírus B e delta Álcool Drogas Isoniazida, Alfa-Metildopa, Vitamina A, Metotrexate Doenças Auto-Imunes do Fígado Hepatite Auto-Imune Cirrose Biliar Primária Colangite Esclerosante Primária Doenças Metabólicas Esteatohepatite Não-Alcoólica Hemocromatose Doença de Wilson Deficiência de Alfa-1 Antitripsina Tirosinemia, etc Distúrbios Vasculares Insuficiência Cardíaca Direita Síndrome de Budd-Chiari Doenças Hepatobiliares Cirrose Biliar Secundária Atresia de Vias Biliares Ductopenia do Adulto Colestase Intrahepática Familiar Progressiva Criptogênica

6 106 Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Nycomed Tabela 2: Correlação entre Dados de História Clínica e Exame Físico e Provável Etiológica da Cirrose. Causas Vírus C Vírus B Hepatite Auto- Imune Cirrose Biliar Primária Colangite Esclerosante Primária Hemocromatose Doença de Wilson Doença Alcoólica do Fígado Cirrose de etiologia medicamentosa Síndrome de Budd-Chiari Dados de História e Exame Físico Uso de sangue, hemoderivados e transplante de órgãos antes de 1992; hemodiálise; uso de drogas intravenosas com compartilhamento de seringas e agulhas; emprego de cocaína inalatória, tatuagem e piercing Estado de portador do HIV Vida sexual promíscua Mãe portadora do vírus B Presença de outras doenças ou manifestações auto-imunes (artrite, tiroidite) no paciente ou em familiares de primeiro grau Idade usualmente superior a anos Outras doenças ou manifestações auto-imunes (CREST, síndrome sicca) no paciente ou em familiares de primeiro grau Xantomas e xantelasmas Associação com doença inflamatória intestinal Colangite de repetição Xantomas e xantelasmas Idade usualmente superior a 50 anos; diabetes; cardiomegalia, hiperpigmentação cutânea História familiar de cirrose e consanguinidade Idade usualmente inferior a 35 anos História familiar de cirrose e consanguinidade Alterações neurológicas e presença de anel de Kayser Fleischer Uso abusivo de álcool superior a 21 unidades * por semana para homens e 14 unidades por semana para mulheres por período usualmente superior a 8 anos Sinais de feminização Uso crônico de medicamentos associadas ao desenvolvimento de cirrose hepática, particularmente oxifenisatina, metildopa, nitrofurantoína, iproniazida, vitamina A e metotrexate. Uso de fitoterápicos contendo alcalóides da pirrozilidina e drogas incluindo contraceptivos orais e azatioprina Presença de síndrome pró-coagulante (deficiência de proteína C ou S ou de antitrobina III) ou mielodisplásica * Aproximadamente 12 gramas de álcool que corresponde a uma dose (50 ml) de bebida destilada, um cálice de vinho ou um copo de cerveja

7 Módulo IV Capítulo 21 Abordagem Inicial do Cirrótico 107 Tabela 3: Classificação de Child-Pugh modificada Pontos Encefalopatia Ausente 1 e 2 3 e 4 Ascite Ausente Discreta Moderada Bilirrubinas (mg/dl) > 3 Bilirrubinas (mg/dl) (Hepatopatias colestáticas) > 10 Albumina (mg/dl) > 3,5 2,8-3,5 < 2,8 Tp (dif. Em seg.) > 6 A = escore de 5 a 6; B = escore de 7 a 9; C = escore de Tabela 4: Model for End-stage Liver Disease (MELD): 3.8 x log BT (mg/dl) x log INR x log creatinina (mg/dl) Tabela 5: Critérios Diagnósticos de Barcelona para Hepatocarcinoma Critério Histológico Critérios Não-Invasivos: Radiológico: Duas técnicas de imagem coincidentes (USG/CT helicoidal/ RNM/ Angiografia) mostrando lesão focal > 2cm com hipervascularização arterial Combinado: Uma técnica de imagem mostrando lesão focal > 2cm com hipervascularização arterial + AFP > 400 ng/ml

8 108 Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Nycomed Carcinoma Hepatocelular PST 0 Child-Pugh A PST 0-2 Child-Pugh A-B PST > 2 Child-Pugh C Estadio Muito Precoce Nódulo único < 2 cm Estadio Precoce PS 0 / Nódulo único ou 3 nódulos < 3 cm Estadio Intermediário PS 0 / Multinodular Estadio Avançado PS 1-2 / Invasão Portal / N1 / M1 Estadio Terminal Nódulo único 3 nódulos 3 cm Invasão Portal / N1 / M1 Hipertensão Portal Bilirrubina Aumentada Doenças associadas Normal Não Sim Não Sim Ressecção Transplante Hepática Alcoolização / Radiofrequência Novos Agentes (Sorafenib) Quimio- Embolização TRATAMENTO CURATIVO RCTs Sintomáticos Figura 1 Estratégia de Diagnóstico e Tratamento do Hepatocarcinoma do grupo de Barcelona (BCLC)

9 Módulo IV Capítulo 21 Abordagem Inicial do Cirrótico Ativo para exercer atividades cotidianas sem restrições 1 Restrição à atividade fisíca, mas capaz de deambular e exercer atividades profissionais sedentárias 2 Deambulação preservada e capaz de realizar cuidados pessoais, mas sem capacidade para o trabalho. Confinado ao leito ou a cadeira por menos de 50% do período normal de deambulação 3 Capaz de executar cuidados pessoais limitados. Confinado ao leito ou a cadeira por mais de 50% do período normal de deambulação 4 Incapaz de executar cuidados pessoais. Confinado ao leito ou a cadeira Figura 2 Graus de performance status da World Health Organization Referências Bibliográficas 1. Bittencourt PL; Couto CA; Farias AQ. Cirrose Hepática. In Cerri GG; de Castilho EA; Carrilho FJ; Martins MA; Alves VAF (eds). Clínica Médica HCFMUSP. Editora Manole, São Paulo, 2007 (no prelo) 2. Garcia-Tsao G, Bosch J, Groszmann RJ. Portal hypertension and variceal bleeding-- unresolved issues. Summary of an American Association for the study of liver diseases and European Association for the study of the liver single-topic conference. Hepatology. 2008;47: Murray KF, Carithers RL Jr; AASLD practice guidelines: Evaluation of the patient for liver transplantation. Hepatology. 2005;41(6):

10

11 Ascite 22 Andréa Ribeiro Cavalcanti Ascite é secundária à sobrecarga de volume devido a maior retenção de sódio e água e consequente acúmulo de líquido na cavidade peritoneal pelo regime de hipertensão portal e hipertensão linfática secundárias às alterações estruturais da cirrose. É uma complicação frequente de DCPF. Estima-se que 50% dos cirróticos desenvolverão ascite ao longo da vida. O surgimento de ascite associase a redução da qualidade de vida e sobrevida para cerca de 50% em 2-5 anos. Ascite é usualmente diagnosticada clinicamente. No entanto, é recomendado punção de líquido ascítico em todo paciente com DCPF e ascite de início recente para determinação do teor de proteína do liquido ascitico (LA), mensuração do gradiente soro-ascite de albumina (subtração da albumina sérica da albumina de LA) e realização de contagem de polimorfonucleares neutrófilos (PMNN), visando respectivamente o diagnóstico de ascite associada à hipertensão portal e de peritonite bacteriana espontânea (PBE). Profilaxia primária com norfloxacino 400 mg/dia; ciprofloxacino 750 mg/semana ou 500 mg/dia ou trimetoprimsulfametoxazol 800/160 mg/dia tem sido associada a menor frequência de PBE e maior sobrevida a médio e longo-prazo em pacientes selecionados com cirrose avançada e níveis baixos de proteína em líquido ascítico. Gradiente soro-ascite maior ou igual a 1,1 g/dl é indicativo da presença de hipertensão portal e contagem de PMNN maior ou igual a 250 células/mm3 é diagnóstica de PBE, mesmo na ausência de sintomas. O tratamento inicial de escolha da ascite é dieta hipossódica para 2 g de NaCl / dia e uso escalonado de diuréticos: espironolactona mg/dia e furosemida mg/dia caso seja necessário. Deve-se monitorizar a função renal e

12 112 Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Nycomed os eletrólitos para detecção precoce dos distúrbios hidroeletrolíticos e disfunção renal associados ao uso dessas drogas. Restrição hídrica não é recomendada, exceto se o sódio sérico for inferior a meq/l. Pacientes com ascite tensa e ascite refratária podem se beneficiar de paracentese terapêutica com infusão de albumina. O uso de shunt transjugular intra-hepático portossistêmico (TIPS) pode ser avaliado em pacientes que não tolerem ou que necessitem de mais que duas a três paracenteses de repetição no período de um mês. Referências Bibliográficas 1. Runyon BA; Practice Guidelines Committee, American Association for the Study of Liver Diseases (AASLD). Management of adult patients with ascites due to cirrhosis. Hepatology. 2004;39: Fernández J, Navasa M, Planas R, Montoliu S, Monfort D, Soriano G, Vila C, Pardo A, Quintero E, Vargas V, Such J, Ginès P, Arroyo V. Primary prophylaxis of spontaneous bacterial peritonitis delays hepatorenal syndrome and improves survival in cirrhosis. Gastroenterology. 2007;133(3):

13 Módulo IV Capítulo 22 Ascite 113 Ascite Ascite de início recente ou sem punção de líquido ascítico (PLA) prévia Hospitalização / Sintomas GI sugestivos de PBE (dor abdominal, diarréia, vômitos ou íleo) Sinais de infecção sistêmica (febre, leucocitose ou íleo) / Encefalopatia / Piora da função renal PARACENTESE (punção preferencial em linha média ou flanco inferior esquerdo) (Uso de plaquetas e hemoderivados não é justificado mesmo na presença de coagulopatia) Contagem de leucócitos e PMNN Dosagem de proteína total (PT) e albumina em LA (se 1ª PLA) Cultura em balão de hemocultura (n=2) e hemocultura 2 pares (se SD de PBE) Outras análises a depender do contexto clínico: ADA, CBAAR, PBAAR se SD de BK; triglicérides se ascite quilosa; citologia oncótica se SD de HCC ou Carcinomatose peritoneal Gradiente Soro-Ascite de albumina Considerar BK peritoneal (Mensurar ADA no LA, Rx tórax, PPD), ascite cardíaca, carcinomatose, etc. 1,1 < 1,1 Ascite não associada a Hipertensão Portal Contagem de leucócitos PMNN > 250/mm 3 ou cultura positiva (algoritmo de PBE) Linfócitos > 250 cel/mm 3 Considerar BK PT no LA < 1,5 g/dl Ascite associada a Hipertensão Porta Cirrose avançada * Profilaxia primária com norfloxacino 400 mg/dia Controle de Peso e Diurese Na urinário em urina de 24 h, Na, K, U, Cr, HMG, TP, PT e F (nício recente) Dieta 2 g (88 mmol) NaCl/dia Espironolactona 100 mg a 300 mg/dia e Furosemida 40 mg-80 mg/dia (manter perda ponderal g/dia na ausência de edema de MMII ou e até 1 kg/dia na presença de edema de MMII) Triantereno mg/dia ou amilorida mg/dia podem ser alternativas à espironolactona na presença de efeitos colaterais Monitorizar Na, K, U, Cr Restrição ao uso de anti-inflamatórios não hormonais e rastreamento de sinais clínicos de encefalopatia hepática Evitar hipovolemia associada a uso abusivo de diuréticos Restrição hídrica apenas se Na+ < mmol/l * CPS > 9 com BT > 3,0 mg/dl ou Cr > 1,2 ou Na 130 mg/dl Resposta satisfatória: ascite sensível a diuréticos Acompanhamento quinzenal a semestral com Na, K, U, Cr

14 114 Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Nycomed Resposta insatisfatória Verificar aderência Coleta de sódio urinário Na Urinário < 78 mmol/l Na Urinário > 78 mmol/l Ascite Refratária Orientação Paracentese terapêutica de repetição com infusão de albumina (+ 8 g/l) [Obs.: 2 frascos para cada 3 l de LA = 6,6 g /L] particularmente se drenagem superior a 5 litros Considerar TIPS na necessidade de mais de duas a três paracenteses/mês como ponte para o transplante de fígado Ascite Tensa Paracentese terapêutica com infusão de albumina (+ 8 g/l) [Obs.: 2 frascos para cada 3 l de LA = 6,6 g /L particularmente se drenagem superior a 5 litros] Tratamento convencional de ascite

15 Hidrotórax Hepático 23 Andréa Ribeiro Cavalcanti O hidrotórax hepático (HH) e definido pela presença de derrame pleural em quantidade superior a 500 ml em paciente com cirrose hepática (CH). Acomete cerca de 10% dos portadores de CH descompensada com ou sem ascite, ocorrendo preferencialmente em hemitórax direito. É secundário à hipertensão portal sendo o acúmulo de líquido em cavidade pleural possibilitado pela ocorrência de falhas ou defeitos diafragmáticos que permitem a passagem do liquido ascítico para o espaço pleural devido à presença de pressão intra-torácica negativa. A abordagem do HH no cirrótico varia a depender da coexistência de ascite. Nos pacientes com ascite, deve-se realizar paracentese diagnóstica para determinação do gradiente soro-ascite de albumina e leucometria e cultura para exclusão de infecções: peritonite bacteriana espontânea (PBE) e tuberculose peritoneal. O tratamento do HH nesses pacientes segue o mesmo algoritmo para tratamento de ascite. Toracocentese diagnostica deve ser realizada apenas naqueles pacientes sem PBE e com suspeita clínica de empiema bacteriano espontâneo ou em casos refratários ao esquema terapêutico para ascite. Nos pacientes sem ascite ou com ascite mínima, deve-se realizar toracocentese diagnóstica com mensuração do gradiente soro-líquido pleural de albumina e leucometria para afastar empiema bacteriano espontâneo ou tuberculose pleural.

16 116 Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Nycomed Hidrotorax Hepático Ascite ausente ou mínima Ascite puncionável Toracocentese diagnóstica para diagnóstico diferencial (Mensuração de ph, albumina, DHL Glicose, adenosina deaminase [SD de BK pleural] e contagem global e diferencial de leucócitos) Paracentese (vide algoritmo de ascite) Na presença de desconforto respiratório a despeito de paracentese esvaziadora Gradiente soro-liquido pleural > 1.1 Citologia com PMNN < 250 cel/ mm 3 Optar por toracocentese terapêutica (retirada máxima de 2 litros de líquido pleural) Hidrotórax Hepático Citologia com PMNN > 250 cel/mm 3 Tratamento Dieta hipossódica e diuréticos (vide algoritmo de ascite) Empiema bacteriano espontâneo Cefotaxima 2 g 8/8 horas por 7 dias Ausência de resposta (necessidade de mais de 1-2 toracocenteses de alívio por mês) Avaliar TIPS Na presença de contra-indicação ao uso de TIPS (doença avançada com CPS > 10; idade superior a 60 anos e encefalopatia prévia) ou inelegibilidade para o transplante avaliar risco-benefício de pleurodese e/ou reparo dos defeitos diafragmáticos guiados por toracoscopia

17 Módulo IV Capítulo 23 Hidrotórax Hepático 117 Tabela 1: Principais causas de derrame pleural de acordo com a apresentação como exsudato e transudato Apresentação habitual como exsudato Doenças Neoplásicas: metástases, mesotelioma, linfoma Doenças infecciosas: infecções piogênicas, tuberculose, actinomicose, nocardiose, infeccções fúngicas, virais e parasitárias Tromboembolismo pulmonar Doenças gastrointestinais: perfuração esofágica, pancreatites, abscessos intraabdominais, hérnia diafragmática, pós-operatório de cirurgia abdominal Doenças reumatológicas: artrite reumatóide, lupus eritematoso sistêmico, linfadenopatia imunoblástica, síndrome de Sjogren, síndrome de Churg-Strauss, granulomatose de Wegener Síndrome pós-lesão cardíaca Apresentação habitual como transudato Insuficiência cardíaca congestiva Doenças do pericárdio Hidrotórax hepático Síndrome nefrótica Diálise peritoneal Urinotórax Mixedema Síndrome de veia cava superior Doença veno-oclusiva Transplante de medula óssea Referências Bibliográficas 1. Bittencourt PL & Zolinger CC. Hérnias e Hidrotórax Hepático. In Terra C & Mattos AA. Complicações da cirrose: ascite e insuficiência renal. Ed. Revinter, Rio de Janeiro, 2009; pag Porcel JM, Light RW. Diagnostic approach to pleural effusion in adults. Am Fam Physician. 2006;73:

18

19 Encefalopatia Hepática 24 Andréa Ribeiro Cavalcanti A encefalopatia hepática (EH) é um distúrbio funcional do sistema nervoso central (SNC) associado à insuficiência hepática decorrente de quadros agudos ou crônicos de hepatopatia; à presença de shunts porto-sistêmicos, sejam eles espontâneos, cirúrgicos ou após a colocação de shunt transjugular intra-hepático porto-sistêmico (TIPS). A EH associada a cirrose é classificada em 1) episódica precipitada, espontânea ou recorrente e 2) persitente leve, acentuada ou dependente de tratamento e 3) mínima (Tabela 1). A EH episódica precipitada é a mais frequentemente observada em UTI, associada à hemorragia digestiva, infecções ou uso de benzodiazepínicos. O diagnóstico de EH é de exclusão (Tabela 2), particularmente naqueles pacientes com EH de início recente, pacientes com sinais e sintomas atípicos ou naqueles indivíduos com doenças neurológicas associadas. Recomenda-se que o diagnóstico e a graduação da EH em cirróticos devam ser baseados em três pontos principais: 1) História clínica visando avaliar a presença de sinais e sintomas de cirrose hepática associada à hipertensão portal e presença de distúrbios neurológicos e neuropsiquiátricos, com particular atenção às funções motora e cognitiva, à habilidade para executar atividades rotineiras e anormalidades do ciclo sono-vigília, 2) Exclusão de outras causas, particularmente distúrbios metabólicos (uremia), doenças infecciosas, processos expansivos do SNC (hematomas, neoplasias), distúrbios psiquiátricos e alterações de comportamento, especialmente abstinência alcoólica, 3) Uso de um dos seguintes sistemas de graduação do estado mental: Os critérios de West Haven e a Escala

20 120 Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Nycomed de Coma de Glasgow (Tabela 3 e 4), estando a EH grave definida como um escore menor que 12. As estratégias terapêuticas empregadas para o tratamento da EH no cirrótico são diferentes de acordo com a classificação da síndrome. Encefalopatia hepática episódica, precipitada por fatores desencadeantes, pode ser revertida apenas com a remoção ou correção do evento relacionado (Tabela 5), particularmente na presença de sinais e sintomas leves de EH (graus I e II). Habitualmente, associam-se medidas farmacológicas nesses pacientes visando evitar progressão para graus mais avançados de encefalopatia. Portadores de EH episódica recorrente devem ser submetidos à orientação dietética e alertados para o emprego de medidas profiláticas visando diminuir ocorrência de fatores precipitantes associados. As medidas terapêuticas para a EH incluem: 1) tratamento de suporte; 2) identificação e remoção dos fatores precipitantes; 3) nutrição; 4) medidas farmacológicas; 5) prevenção de novos episódios de EH; 6) avaliação de elegibilidade para transplante de fígado. Tabela 1: Classificação da encefalopatia hepática associada à cirrose Tipo Caracterização Episódica precipitada Espontânea Recorrente Persistente Leve Acentuada Dependente de tratamento Mínima Nomenclatura estabelecida no 11º Congresso Mundial de Gastroenterologia, Viena. Tabela 2: Diagnóstico diferencial da encefalopatia hepática Encefalopatias metabólicas: Hipoglicemia; Uremia; Hipóxia; Narcose por CO 2,, Cetoacidose Encefalopatias tóxicas: Alcoólica (Intoxicação aguda; Síndrome de abstinência; Síndrome de Wernicke-Korsakoff); Abuso de drogas psicotrópicas; Intoxicação por salicilatos; Intoxicação por metais pesados Lesões intracranianas: Hemorragia subaracnóide, subdural e intracerebral; Infartos cerebrais; Tumores cerebrais; Abscessos cerebrais; Meningite; Encefalite; Epilepsia, Encefalopatia pos-ictal Distúrbios neuropsiquiátricos (psicoses)

21 Módulo IV Capítulo 24 Encefalopatia Hepática 121 Manejo e Tratamento da Encefalopatia Hepática Episódica Graus I - II Graus III- IV Glicemia capilar / Acesso venoso periférico Expansão volêmica / Haloperidol SN Coleta de hemograma, Na, K, U,Cr, glicemia, gasometria venosa, INR, BT e F, microscopia de urina Considerar coleta de enzimas hepáticas, PT e F Considerar citologia global e diferencial de líquido ascítico (LA), cultura de LA, urocultura, hemocultura e radiografia de torax na suspeita diagnóstica de infecção PESQUISAR FATORES PRECIPITANTES HDA, Infecções, Transgressão dietética, Uso de BDZ ou Psicotrópicos, Insuficiência Renal, Dist. Hidroeletrolíticos, Hipovolemia HDA Constipação Avaliar necessidade de intubação orotraqueal Acesso venoso periférico Glicemia capilar / Oximetria de pulso Expansão volêmica Suspender Diuréticos, Expansão volêmica e Correção de Dist HE Uso de Catárticos e/ou Lavagem intestinal Corrigir Fatores Precipitantes BDZ Flumazenil 0,5 1 mg TRATAMENTO Dieta hipercalórica (>1500Kcal/d) e hipoprotéica (0,5g/Kg/d) por horas Lactulose 30mL vo ou via SNE 1/1 h até fezes liquidas + Lactulose 30mL 6/6 h ate atingir 2-3 dejeções/dia * Enema de lactulose (300mL de lactulose / 1L de água) de 6-12/6-12 h se íleo Resposta Ausente h Infecção Tratamento específico Resposta + Aumentar proteína na dieta g/d ate até -1,5g/kg/d ou EH Considerar avaliação neurológica com TC/RM crânio e punção liquórica se necessário Reavaliar diagnóstico, tratamento e controle de fatores desencadeantes Acrescentar metronidazol 400mg vo de 12/12 h Considerar LOLA IV 20 g/dia na infusão máxima de 5g/hora seguido da dose oral de 3 g de 12/12 horas

22 122 Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Nycomed Tabela 3: Critérios de West Haven para Classificação da encefalopatia hepática de acordo com a gravidade Grau I Grau II Grau III Grau IV Alterações leves de comportamento e de funções biorregulatórias, como alternância do ritmo do sono, distúrbios discretos do comportamento como riso e choro fácil, hálito hepático Letargia ou apatia, lentidão nas respostas, desorientação no tempo e espaço, alterações na personalidade e comportamento inadequado, presença de flapping. Sonolência e torpor com resposta aos estímulos verbais, desorientação grosseira e agitação psicomotora, desaparecimento do flapping. Coma não responsivo aos estímulos verbais e com resposta flutuante à dor. Tabela 4: Escala de coma de Glasgow para Classificação da encefalopatia hepática de acordo com a gravidade. Abertura ocular Espontânea 4 Estímulo verbal 3 Estímulo doloroso 2 Sem resposta 1 Melhor resposta motora Obedece ordens verbais 6 Localiza estímulo doloroso 5 Reação de retirada 4 Decorticação 3 Descerebração 2 Não responde 1 Melhor resposta verbal Orientado 5 Confuso 4 Emite palavras inapropriadas 3 Emite sons inapropriados 2 Não responde 1 A pontuação na escala de Glasgow varia de 3 a 15. Encefalopatia hepática grave é definida como pontuação menor que 12.

23 Módulo IV Capítulo 24 Encefalopatia Hepática 123 Tabela 5: Fatores precipitantes da encefalopatia hepática Fatores Precipitantes Excesso de proteína na dieta Constipação Hemorragia digestiva Infecção Hipocalemia Alcalose metabólica Hipovolemia Restrição hídrica Diuréticos Paracentese Diarréia osmótica / uso de laxantes Uso de benzodiazepínicos Uso de psicotrópicos Shunts portossistêmicos: Espontâneos; Cirúrgicos; TIPS Insuficiência hepática progressiva Hepatocarcinoma REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Oliveira RLB; Cavalcanti AR; Lyra TG; Bittencourt PL. Encefalopatia hepática. GED 2007; 26(2): Ferenci P., Lockwood A, Mullen K, Tarter R, Weissenborn K, Blei AT. Hepatic Encephalopathy- definition, nomenclature, diagnosis and quantification: final report of the Working Party at the World Congresses of Gastroenterology, Viena, Hepatology 2002; 35:

24

25 Infecções no Cirrótico 25 Liana Machado de Codes Infecções bacterianas, particularmente por bacilos gram-negativos, ocorrem em cerca de 30%-50% dos pacientes hospitalizados por cirrose hepática descompensada. Na Unidade de Gastroenterologia e Hepatologia do Hospital Português, infecções são observadas em 30% dos pacientes á admissão e em 16% dos pacientes durante a internação hospitalar. As principais infecções observadas foram peritonite bacteriana espontânea (PBE), infecção do trato urinário e infecção respiratória, sendo sua ocorrência associada à maior mortalidade intra-hospitalar. Bactérias gram-negativas, membros da família Enterobacteriaceae como a E. coli e Klebsiella spp, enterococos e outras espécies de estreptococos são as bactérias que mais comumente fazem a translocação do lúmen intestinal para os linfonodos mesentéricos, sendo comumente implicadas nas infecções adquiridas na comunidade pelos cirróticos. A incidência de infecção por cocos gram-positivos tem aumentado recentemente, especialmente em pacientes hospitalizados, provavelmente devido aos procedimentos invasivos, aos quais esse grupo de pacientes é frequentemente submetido em unidade de terapia intensiva. Pacientes cirróticos admitidos com hemorragia digestiva são particularmente suscetíveis a infecções bacterianas. Profilaxia antibiótica de curto prazo neste subgrupo de doentes diminui o risco de complicações infecciosas e melhora sobrevida. A profilaxia com quinolonas por longo período, embora seja efetiva na prevenção da recorrência de PBE, tem sido associada ao surgimento de infecções causadas por organismos resistentes, assim, o uso de norfloxacin deve ser limitado ao subgrupo de pacientes com alto risco de desenvolver a PBE.

26 126 Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Nycomed Infecções No Cirrótico PROFILAXIA DE INFECÇÕES NO CIRRÓTICO Profilaxia secundária de peritonite bacteriana espontânea Profilaxia primária proteína total em líquido ascítico 1,5 g/dl ou cirrose avançada (CPS 9 com bilirrubina sérica superior a 3,0 mg/dl) Creatinina > 1,2 mg/ml Na 130 meq/l Norfloxacin 400 mg vo /dia Esquemas alternativos: TMP/SMZ 800/160 mg 5-7 vezes por semana Ciprofloxacin 500 mg/dia Ciprofloxacin 750 mg/semana Profilaxia de infecções após hemorragia digestiva alta Norfloxacin 400 mg vo ou VSNG de 12/12 por 7 dias. Considerar ciprofloxacina 400 mg IV 12/12h, na presença de íleo ou hematêmese Considerar ceftriaxone 1 g IV/ dia por 7 dias em pacientes com cirrose avançada Child C ou com sangramento clinicamente relevante

27 Módulo IV Capítulo 25 Infecções no Cirrótico 127 SD de Peritonite Bacteriana Espontânea (PBE): ascite de início recente; sintomas sugestivos de PBE (dor abdominal / vômitos / febre / diarréia / íleo); sinais de infecção sistêmica; piora da função renal e encefalopatia hepática espontânea Punção de Líquido Ascítico (PLA) preferencialmente em linha média ou FI Leucometria (Contagem de hemácias se LA hemorrágico. Na presença de LA hemorrágico ajustar contagem 1 PMNN /250 hemácias) Cultura em balão de hemocultura (n=2) Hemocultura 2 pares Considerar estudo adicional do líquido ascítico com glicose, DHL, PT e F na SD de peritonite bacteriana secundária Considerar Rx simples de abdômen e tórax e CT de abdômen com contraste oral na SD de peritonite bacteriana secundária PMNN 250/ mm 3 PMNN < 250/mm 3 PBE: Cefotaxima 2g IV 8/8 h por 7-10 dias * Considerar albumina 1.5 g/kg em 6 h + 1 g/kg no 3º dia pós-tratamento Flora polimicrobiana Ausência de PBE Cultura + (Bacterascite) Paracentese h Tratar como Cultura + e/ou PMNN > 250 Cultura negativa: Ausência de PBE Cultura negativa: ascite neutrofílica com cultura negativa Cultura positiva: Ajustar antibioticoterapia conforme antibiograma Considerar PLA de controle em 48 h < 25% dos PMNN 25% dos PMNN Considerar PBS ** Considerar falência terapêutica ** Resposta satisfatória Profilaxia 2a com norfloxacino 400 mg/dia * Ciprofloxacin 500 mg vo 12/12 h ou ofloxacin 400 mg vo 12/12 h por 7 dias se hipersensibilidade a beta-lactamicos na ausência de profilaxia previa com norfloxacin ou se o paciente nao apresentar ileo, choque, encefalopatia ou Cr > 3.0 mg/dl ** Na suspeita de PBS ou falência terapêutica introduzir tazobactam 4,5g IV 8/8h

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

ESÔFAGO-GÁSTRICASGÁSTRICAS

ESÔFAGO-GÁSTRICASGÁSTRICAS ENDOSCOPIA NAS VARIZES ESÔFAGO-GÁSTRICASGÁSTRICAS OBJETIVOS DA ENDOSCOPIA Prevenção do 1 sangramento varicoso Tratar o sangramento varicoso agudo Prevenir sangramento recorrente TRATAMENTO DAS VARIZES

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA

EVOLUTIVAS PANCREATITE AGUDA Academia Nacional de Medicina PANCREATITE AGUDA TERAPÊUTICA José Galvão-Alves Rio de Janeiro 2009 PANCREATITE AGUDA FORMAS EVOLUTIVAS INÍCIO PANCREATITE AGUDA 1º - 4º Dia Intersticial Necrosante 6º - 21º

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Transplante de Fígado para Situações Especiais

Diretrizes Assistenciais. Transplante de Fígado para Situações Especiais Diretrizes Assistenciais Transplante de Fígado para Situações Especiais Versão eletrônica atualizada em 2011 Transplante de Fígado para Situações Especiais INSUFICIÊNCIA HEPÁTICA AGUDA GRAVE (IHAG) Condições

Leia mais

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis

Abordagem do Choque. Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis Abordagem do Choque Disciplina de Terapia Intensiva Ricardo Coelho Reis CONCEITO Hipóxia tecidual secundária ao desequilíbrio na relação entre oferta e consumo de oxigênio OU a incapacidade celular na

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

Anvisa RDC 96. Declaração de potencial conflito de interesse

Anvisa RDC 96. Declaração de potencial conflito de interesse HEMORRAGIA VARICOSA Profilaxia primária e secundária Anvisa RDC 96 Declaração de potencial conflito de interesse Nada a declarar. Nenhum dos participantes da reunião declarou exercer atividades em associação

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos.

Doenças Pleurais ESQUEMA ANATOMIA. Fisiologia. Imagem. Abordagem da Pleura. Diferencial Transudato x Exsudato. Principais Exsudatos. SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA II Curso de Pneumologia na Graduação 11 e 12 de junho de 2010 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Doenças Pleurais Evaldo Marchi Grupo de Pleura -

Leia mais

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 Caso Clínico Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 IDENTIFICAÇÃO: M.P.B.S, sexo feminino, 27 anos, solteira, procedente de Nova Olinda-CE, Q.P.: " pele amarelada e com manchas vermelhas" HDA: Paciente relata

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

Albumina na prática clínica

Albumina na prática clínica Uso de Albumina Humana na Prática Clínica Hemocentro-Unicamp Angela Cristina Malheiros Luzo Bioquímica Fisiologia Polipeptídio pobre em triptofano (600 aminoácido). Peso molecular ao redor de 69.000 Forma

Leia mais

Varizes Esofágicas Caso 41 Controle terapêutico Marielle Garcia de Souza Como tudo começa... A hipertensão portal é uma condição fisiopatológica resultante da dificuldade do sangue transitar pelo fígado,

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do Trato Urinário. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do Trato Urinário Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio C Cotrim Neto-Médico Residente e Equipe Gipea Data de Realização: 23/03/2009 Data de Revisão: Data da Última

Leia mais

PROTOCOLOS CLÍNICOS DA COOPERCLIM AM MANEJO PRÁTICO DA ASCITE AUTOR: LEONARDO SOARES DA SILVA

PROTOCOLOS CLÍNICOS DA COOPERCLIM AM MANEJO PRÁTICO DA ASCITE AUTOR: LEONARDO SOARES DA SILVA PROTOCOLOS CLÍNICOS DA COOPERCLIM AM MANEJO PRÁTICO DA ASCITE AUTOR: LEONARDO SOARES DA SILVA 1 RESUMO Ascite é definida como acúmulo de líquido livre na cavidade peritoneal. Manifestação comum na hipertensão

Leia mais

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Caso Suspeito de Dengue Paciente com doença febril aguda, com duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos

Leia mais

Pós operatório em Transplantes

Pós operatório em Transplantes Pós operatório em Transplantes Resumo Histórico Inicio dos programas de transplante Dec. 60 Retorno dos programas Déc 80 Receptor: Rapaz de 18 anos Doador: criança de 9 meses * Não se tem informações

Leia mais

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE)

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE) Caso Clínico 1 (2,0 pontos) Um homem de 50 anos, funcionário público, casado, etanolista diário, deu entrada na emergência, referindo dor abdominal, febre 38 C e evacuações diarreicas aquosas há 24 horas.

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

DOENÇA HEPÁTICA ABORDAGEM PERICIAL ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA

DOENÇA HEPÁTICA ABORDAGEM PERICIAL ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA MANUAL DE PERÍCIA MÉDICA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE II EDIÇÃO DOENÇA HEPÁTICA ABORDAGEM PERICIAL ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA Na maioria dos casos, o diagnóstico de doença hepática requer uma anamnese detalhada

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH)

Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Interpretação de exames laboratoriais Lactato desidrogenase (LDH) Nathália Krishna O que é? NAD+ está presente em quantidades somente catalíticas na célula e é um cofator essencial para a glicólise,dessa

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica)

SEPSE. - SEPSE GRAVE SEPSE + disfunção (cardiovascular, respiratória, hematológica, renal, metabólica, hepática, neurológica) SEPSE Definições: - Síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS) - febre ou hipotermia - taquicardia - taquipnéia - leucocitose, leucopenia, desvio do hemograma - edema - alteração da glicemia -

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa

Autor. Revisão Técnica. Durval Alex Gomes e Costa Apresentação A estrutura do Guia de Interpretação de Exames, em que cada capítulo aborda um exame diferente, foi concebida para ser uma alternativa à literatura especializada na melhor interpretação possível

Leia mais

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA

TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA Departamento de Clínica Médica Disciplina de Gastroenterologia PROTOCOLO DE TRATAMENTO DE HEPATITE C CRÔNICA COM INTERFERON E RIBAVIRINA. INTRODUÇÃO A hepatite C vem sendo

Leia mais

Manual de Cuidados Intensivos. em Gastroenterologia e Hepatologia

Manual de Cuidados Intensivos. em Gastroenterologia e Hepatologia Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Manual de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia Editores Paulo Lisboa Bittencourt Cláudio Celestino Zollinger Co-editores

Leia mais

16/06/2010. Histórico Exame físico Exames complementares. Síntese. Metabolismo. Detoxificação. Urinálise*

16/06/2010. Histórico Exame físico Exames complementares. Síntese. Metabolismo. Detoxificação. Urinálise* HEPATOPATIAS EM FELINOS MV, M.Sc Maria Alessandra Martins Del Barrio PUC-MG Poços de Caldas VETMASTERS FUNÇÕES Síntese Metabolismo Detoxificação DIAGNÓSTICO DAS HEPATOPATIAS Histórico Exame físico Exames

Leia mais

Portaria n.º 541/GM Em 14 de março de 2002. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais,

Portaria n.º 541/GM Em 14 de março de 2002. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Portaria n.º 541/GM Em 14 de março de 2002. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos,

Leia mais

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue Secretaria de Estado de Saúde do RS e Secretarias Municipais de Saúde Porto Alegre, novembro de 2011 Vamos abordar 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica

HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA. Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica HOSPITAL ESTADUAL DA CRIANÇA PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU Especialização em Medicina Intensiva Pediátrica Programa de Pós-Graduação 2014 Caracterização do curso: Instituições: Instituto D Or de Pesquisa e

Leia mais

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs

TEMAS. Sepse grave e Choque Séptico Microrganismos produtores de KPC A problemática da Resistência Microbiana nas UTIs 5ª OFICINA DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS Francisco Kennedy S. F. de Azevedo Médico Infectologista Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

Hepatite C Casos Clínicos

Hepatite C Casos Clínicos DIA MUNDIAL DE ENFRENTAMENTO DAS HEPATITES VIRAIS Hepatite C Casos Clínicos Dr. Bernardo Machado de Almeida Hospital de Clínicas UFPR H. Municipal São José dos Pinhais Curitiba, 28 de julho de 2014 Para

Leia mais

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica

ETIOLOGIA. Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica PANCREATITE AGUDA ETIOLOGIA Alcoólica Biliar Medicamentosa Iatrogênica FISIOPATOLOGIA MANIFESTAÇÃO CLÍNICA CRITÉRIOS PROGNÓSTICOS Ranson Na admissão: Idade > 55 anos Leucócitos > 1600 N uréico aumento

Leia mais

Cirrose hepática Curso de semiologia em Clínica Médica

Cirrose hepática Curso de semiologia em Clínica Médica Cirrose hepática Curso de semiologia em Clínica Médica Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP 2007 Cirrose hepática Definição: Processo de lesão difusa do fígado caracterizado

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Disfunção plaquetária em situações especiais

Disfunção plaquetária em situações especiais Disfunção plaquetária em situações especiais Fernanda Andrade Orsi Médica Hematologista do Serviço de Hemostasia do Hemocentro de Campinas - UNICAMP Atividade plaquetária Exposição do colágeno subendotelial

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

Aparelho Cardiovascular

Aparelho Cardiovascular Aparelho Cardiovascular DOR TORÁCICA Angina IAM Dissecção Hidrotórax Pneumotórax TEP Pericardite Perfuração do esôfago ECG. Raio X Enzimas Cardíacas. Gasometria arterial se FR alta ou cianose Estável Instituir

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Outros dados do exame, referentes às doenças de base, podem ajudar no diagnóstico diferencial.

Outros dados do exame, referentes às doenças de base, podem ajudar no diagnóstico diferencial. CAPÍTULO 1 ASCITE Definição: Ascite é o acúmulo de líquido na cavidade peritoneal além do volume fisiologicamente encontrado (25 a 50ml), em decorrência de desarranjos nos mecanismos regulatórios dos fluidos

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC SOLICITANTE Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.706-3 DATA 26/03/2014 SOLICITAÇÃO Solicito parecer

Leia mais

Transplante Intestinal: indicações e manejo

Transplante Intestinal: indicações e manejo Transplante Intestinal: indicações e manejo Marcio Miasato Residente de 4 Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo Introdução

Leia mais

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice

Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice Protocolo de profilaxia de Tromboembolismo Venoso (TEV) em pacientes internados Índice 1. Definição/ Avaliação/Profilaxia 1 1.1. Tromboembolismo Venoso 1 2. Descrição do método de avaliação 1 3. Profilaxia

Leia mais

Seção 10 - Distúrbios do Fígado e da Vesícula Biliar Capítulo 116 - Manifestações Clínicas das Doenças do Fígado

Seção 10 - Distúrbios do Fígado e da Vesícula Biliar Capítulo 116 - Manifestações Clínicas das Doenças do Fígado Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Seção 10 - Distúrbios do Fígado e da Vesícula Biliar Capítulo 116 - Manifestações Clínicas das Doenças

Leia mais

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS A PROGRAMA BÁSICO TEÓRICO PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS Abdome agudo Abordagem neurológca da fraqueza AIDS (SIDA) Anemias Antibióticos Arritmias cardíacas Asma Auto-imunidade e doenças imunológicas

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU

SCIH PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO - ITU M Pr02 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial EB, MS RESUMO A infecção do trato urinário relacionada à assistência à saúde (ITU-RAS) no adulto

Leia mais

Boletim Informativo 5-2007. Estamos finalizando nossas reformas e nesta primeira quinzena do mês estaremos de cara

Boletim Informativo 5-2007. Estamos finalizando nossas reformas e nesta primeira quinzena do mês estaremos de cara PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS AAMPPLLI IIAAÇÃÃO DDAASS INNSSTTAALLAAÇÕEESS I Estamos finalizando nossas reformas e nesta primeira quinzena do mês estaremos de cara nova, com

Leia mais

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva Específica da Gravidez e Hellp Síndrome Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 1 - DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GRAVIDEZ Hipertensão que aparece após a

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS

OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS OFICINA INTEGRADA DE DOENÇAS IMUNOPREVINÍVEIS DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DAS MENINGITES- ESTUDO DO LCR TÓPICOS A SEREM ABORDADOS : FASE PRÉ ANALÍTICA PROCESSAMENTO

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014

MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL. Belo Horizonte 2014 MANEJO DA SEPSE: ENFOQUE MULTIPROFISSIONAL Belo Horizonte 2014 RESIDENTES MULTIPROFISSIONAIS EM INTENSIVISMO Camilla Serva Camilo Brandão Christina Tinti Cleunice Oliveira Daniela Falcão Gabriela Reis

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Abcessos Hepáticos. Hospital de Braga. Cirurgia Geral. Director: Dr. Mesquita Rodrigues. Pedro Leão Interno de Formação Específica em.

Abcessos Hepáticos. Hospital de Braga. Cirurgia Geral. Director: Dr. Mesquita Rodrigues. Pedro Leão Interno de Formação Específica em. Hospital de Braga Cirurgia Geral Director: Dr. Mesquita Rodrigues Pedro Leão Interno de Formação Específica em Cirurgia Geral 18-05-2010 Lesões Hepáticas Focais Benignas Abcessos Hepáticos Piogénico Amebiano

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

CARCINOMA HEPATOCELULAR (CHC)

CARCINOMA HEPATOCELULAR (CHC) CARCINOMA HEPATOCELULAR (CHC) O carcinoma hepatocelular (CHC) é um tumor primário do fígado, altamente fatal que acomete aproximadamente 500.000 pessoas no mundo. A grande maioria dos casos ocorre na África

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar Pancreatite Aguda Quadro clínico: dor abdominal súbita epigástrica irradiando para dorso, acompanhada de náusea e vômitos. Amilase 3 nl e US abdome e Rx abd agudo Avaliar gravidade Internar se: o Dor severa

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Clínica Médica de Pequenos Animais

Clínica Médica de Pequenos Animais V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Reposição Hidroeletrolítica Introdução A meta da terapia com fluídos é a restauração do volume e composição de líquidos corporais à normalidade

Leia mais

Consumo Alcoólico no Mundo WHO 2008. 3,2% da mortalidade global 4% de anos de vida perdidos

Consumo Alcoólico no Mundo WHO 2008. 3,2% da mortalidade global 4% de anos de vida perdidos Consumo Alcoólico no Mundo WHO 2008 3,2% da mortalidade global 4% de anos de vida perdidos Consumo Alcoólico na Europa WHO 2008 Europa 4% da mortalidade global 7,9 % de anos de vida perdidos WHO report

Leia mais

Mesa Redonda Diabetes Mellitus. Edema Cerebral na Cetoacidose Diabética Podemos evitá-lo?

Mesa Redonda Diabetes Mellitus. Edema Cerebral na Cetoacidose Diabética Podemos evitá-lo? Mesa Redonda Diabetes Mellitus Edema Cerebral na Cetoacidose Diabética Podemos evitá-lo? I Jornada de Endocrinologia Pediátrica do Rio Grande do Norte Durval Damiani Instituto da Criança HCFMUSP Unidade

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

EXAME DA FUNÇÃO HEPÁTICA NA MEDICINA VETERINÁRIA

EXAME DA FUNÇÃO HEPÁTICA NA MEDICINA VETERINÁRIA EXAME DA FUNÇÃO HEPÁTICA NA MEDICINA VETERINÁRIA GOMES, André PARRA, Brenda Silvia FRANCO, Fernanda de Oliveira BASILE, Laís JOSÉ, Luana Trombini ROMERO, Vinícius Lovizutto Acadêmicos da Associação Cultural

Leia mais