TEC INGRE NUTRIÇÃO ANIMAL Boletim Técnico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEC INGRE NUTRIÇÃO ANIMAL Boletim Técnico"

Transcrição

1 ANTIBIÓTICOS: São substâncias produzidas por microrganismos (geralmente fungos) que inibem e impedem o desenvolvimento de outros microrganismos patogênicos. Os antibióticos combatem as bactérias patogênicas que debilitam o animal, aumentando a conversão alimentar, promovendo um ganho de peso mais rápido, consequentemente menor tempo de abate dos animais, aumento de apetite e redução de custos com medicamentos e perda econômica por mortalidade dos animais. De acordo com o Codex Alimentarius e Drugs Residues, os antibióticos são drogas que não podem deixar residuais nos alimentos, por isso seu correto uso deve ser seguido de acordo com as informações contidas em cada ficha, não nos responsabilizamos por overdose ou subdoses. As dosagens descritas e o tempo de tratamento são indicações técnicas. Qualquer alteração consulte seu Médico Veterinário.

2 AMOXICILINA TRIHIDRATADA 50% BASE/HCL Fórmula: Cada 100g contém: Amoxilina trihidratada...50g Veículo q.s.p...100g Características do produto/indicação Indicado para o tratamento de diversas infecções sensíveis à Amoxicilina em suínos, entre elas: meningite estreptocócica, doenças respiratórias e entéricas causadas por microorganismos sensíveis. ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS). Vias de administração: Oral. Misturado na ração ou água de bebida. Dosagem suínos: 0,5 kg do produto por tonelada de ração, ou dosagem 10 mg / kg de peso vivo. Dosagem Aves: Na agua de bebida ou na ração de 0.2 g a 0.3 g por litro de agua que corresponde a uma dose de 20mg a 30 mg / kpv / dia de Amoxicilina. Administrar a critério do medico veterinário atuante, durante 3 a 5 días. Continuar a medicação por 48 hs. logo de que os síntomas tenham desaparecido. (FAEVE S.A.) Precauções: Não administrar o produto em animais com histórico de alergia às penicilinas. Podem ocorrer reações alérgicas nesses animais. Carência -Período de Carência para abate: 30 dias/ consumo do leite: 3 dias. -Período de carência entre os ciclos de aplicação: um mês.

3 BACITRACINA DE ZINCO 15% BASE Fórmula: Cada 100g contém: Bacitracina de Zinco...15g Veículo q.s.p...100g Características do produto ADITIVO Indicação do produto: Indicado como promotor de crescimento e eficiência alimentar das aves domésticas e dos suínos. Vias de administração: Oral. Misturado na ração dos animais. Dosagem: Frangos de corte: misturar 35 a 350g/ton. de ração. Leitões: misturar 300 a 800g/ton. de ração. Suínos em crescimento: misturar 70 a 350g/ton. de ração. -Período de administração: 3-5 dias. -Período de Carência para abate: 7 dias -Período de carência consumo leite: 3 dias

4 CIPROFLOXACINA 50% BASE/HCL Características do produto Fórmula: Cada 100 g contém: Ciprofloxacina g Excipiente q.s.p g Indicações: Tratamento de infecções bacterianas, como: Aves: Colibacilose: E. coli, Micoplasmoses: (DCR), Mycoplasma gallisepticum, Mycoplasma synoviae. Cólera aviária: Pasteurella multocida. Salmoneloses: Salmonella spp Estafilococose: Staphylococcus aureus. Estreptococose: Streptococcus spp Suínos: Pneumonia enzoótica: Mycoplasma hyopneumoniae, Pasteurella multocida Pleuropneumonia: Haemophylus pleuropnumoniae Colibacilose: E. coli, Klebsiella spp Infecções urinárias: Neisseria spp, Proteus vulgaris, Proteus mirabilis. Estafilococoses: Staphylococcus aureus. Estreptococoses: Streptococcus spp Doenças do Aparelho locomotor: Clostridium spp Dosagem: Dose Terapêutica: 7 mg de Ciprofloxacina/kg de peso Corpóreo. Aves: Tratamento Curativo: 100g/1000 litros de água de bebida ou 200 g /ton. de ração, durante 3 à 5 dias. Tratamento Preventivo: As mesmas doses curativas, somente por 1 dia em épocas de maior suscetibilidade às doenças conforme o histórico da granja (pulse dosing).

5 Suínos: Tratamento Curativo: 200g/ton. de ração durante 5 dias. Tratamento Preventivo: A mesma dose curativa, numa única administração (pulse dosing), em épocas de maior suscetibilidade às doenças conforme o histórico da granja. Obs.: Recomendamos que o tratamento curativo seja prolongado por mais 48 horas, após o desaparecimento dos sintomas, ou a critério do Médico Veterinário. Administração: Via oral, dissolvido na água de bebida ou misturado à ração. Precauções: A Ciprofloxacina é uma fluorquinolona de introdução recente, e que apesar de ter demonstrado ser segura nos testes, pode apresentar efeitos indesejáveis (artropatia nos animais jovens). Não tratar os animais sob sol forte, riscos de fotossensibilização. A água de bebida e a ração medicada devem ser as únicas fontes hídricas e alimentares, durante o período de tratamento. Período de Carência: Suspender o tratamento 4 dias antes dos animais serem conduzidos ao abate para o consumo humano

6 CLORIDRATO DE CLORTETRACICLINA 20% BASE Fórmula: Cada 100 g contém Clortetraciclina (Cloridrato) g Excipiente q.s.p g Características do produto: Está indicado para as infecções dos tratos digestivo e respiratório de aves, suínos e bovinos causadas por: AVES: Mycoplasma spp (Doença Crônica Respiratória), Haemophillus gallinarum (Coriza Infecciciosa das Aves), Clostridium spp (Enterite Necrótica), Salmonella spp (Pulorose, Tifo, Paratifo), Pasteurella spp (Pasteureloses), E Coli (Colibaciloses), Streptococcus spp, Staphylococcus spp, Pseudomonas spp. SUÍNOS: Mycoplasma spp (Micoplasmoses), Salmonella spp (Salmoneloses), Pasteurella spp (Pastasteureloses), E Coli (Colibaciloses), Streptococcus spp, Staphylococcus spp, Pseudomonas spp. Dosagem: Controle: Utilizar 15 mg de Clortetraciclina por kg/peso vivo ao dia ou 300 a gramas de produto por tonelada de ração durante as fases críticas de aparecimento de doenças. Tratamento : Utilizar 30 mg de Clortetraciclina por kg/peso vivo ao dia ou a gramas de produto por tonelada de ração por cinco dias consecutivos ou a Critério do Médico Veterinário Administração: Via Oral. Misturado na ração. Precauções: - Suspender a medicação 15 dias antes do abate para os animais destinados ao

7 consumo humano - Não consumir o leite de animais submetidos a tratamento até 10 dias pós o término da medicação. - Não existe na literatura nenhuma citação de incompatibilidade do medicamento com qualquer outro composto utilizado na alimentação ou nos tratamentos fornecidos aos animais - Para poedeiras, durante o tratamento a produção de ovos deverá ser encaminhada para industrialização e não para consumo humano - Conservar o produto em local seco e fresco ao abrigo da luz solar, fora do alcance de crianças - Não interromper o tratamento antes de decorridas 48 horas após o desaparecimento dos sintomas Classe Terapêutica: ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS) Princípio(s) Ativo(s): CLORTETRACICLINA CLORIDRATO

8 Fórmula: Cada 100 g do produto contém: Doxiciclina g Excipiente...q.s.p g TEC INGRE DOXICICLINA 10% BASE/HCL Indicações: Aves, Suínos e Bezerros: Aves: Tratamento de infecções respiratórias: Micoplasmose aviária: Mycoplasma spp. DCR complicada: E.coli, Staphylococcus aureus. Coriza: Haemophilus paragallinarum. Sinovites e Artrite: Mycoplasma spp Suínos: Rinite Atrófica: Pasteurella multocida, Bordetella bronchiseptica,. Pleuropneumonia: H.pleuropneumoniae Pneumonia enzoótica: Mycoplasma hyopneumonia Doença de Glasser: Haemóphilus suis.artrite infecciosa: Haemophilus parasuis Síndrome MMA: Streptococcus spp, Staphylococcus spp, E.coli Mastites: Klebsiella spp, Enterobacter spp, E.coli. Septcemia: E.rushiopathiae Bezerros: Pneumonia enzoótica: Mycoplasma spp Dosagem: Dose terapêutica para aves, suínos e bezerros: 10 mg/kg de peso sendo: Aves: Curativo: Frangos de corte e postura leve: 1 kg do produto/ton. de ração ou 750g/1000 litros de água durante 3 5 dias consecutivos. Suínos e Bezerros: Curativo: 2-3 kg/ton. De ração por 3 5 dias uma vez ao dia. Administração: Via oral e misturado à ração.

9 Precauções: Suspender o tratamento 5 dias antes do abate para aves e 21 dias para suínos e 28 dias para bovinos e para aves de postura 10 dias Classe Terapêutica: ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS). Princípio(s) Ativo(s): DOXICILINA

10 Fórmula: DOXICICLINA 50% BASE/HCL Cada 100 g contém: Doxiciclina* (Hiclato)...50,000 g Excipiente q.s.q ,000 g Indicações: Antimicrobiano de largo espectro à base de doxiciclina. Suínos: Rinite Atrófica (Bordetella bronchiseptica); Feridas infectadas (Clostridium spp.); Metrite (Corynebacterium spp); Colisseptissemia dos leitões, Enterites (E. coli); Pleuropneumonia (H.pleuropneumoniae); Síndrome agalactia e Complexo MMA (Klebsiella aerogenes); Leptospirose (Leptospira spp); Pneumonias e artrites (Mycoplasma hyopneumoniae); Micoplasmose (Mycoplasma spp.); Septicemia hemorrágica, Pneumonias (Pasteurella multocida); Abcessos, Artrites (Streptococcus spp, Corynebacterium spp, Mycoplasma spp); Meningite (Streptococcus spp); Erisipela (Erisipelothrix rhuseopathiae); Enterites e Salmoneloses (Salmonella spp., E coli). Aves : Borreliose (Borrelia anserina); Hepatite infecciosa (Clostridium perfingens); Colibacilose aviária (Escherichia coli); Doença Crônica Respiratória (E. coli, Staphylococcus aureus, Haemophilus spp, Mycoplasma gallisepticum); Coriza infecciosa (Haemophilus gallinarum); Listeriose (Listeria monocytogenes); Pasteurelose/Cólera aviária (Pasteurella multocida); Artrites e sinovites (Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Corynebacterium spp); Enterites (Salmonella spp, Pasteurella spp, E. coli); Tifo aviário (Salmonella gallinarium); Pulorose (S. Pullorum).

11 Ração: Deve ser administrado por via oral, adicionado à ração dos suínos ou das aves a serem tratados. Água: Dissolver em água de bebida, de acordo com a dose recomendada ou a critério do médico veterinário Aves/Ração Primeira semana 100 g/ ton. de ração Segunda Semana 120 g/ ton. de ração Terceira Semana 160 g/ ton de ração Quarta Semana 190 g/ ton de ração A partir as quinta semana 240 g/ ton de ração Dose terapêutica recomendada: 10 mg/kg Tratamento: 3-5 dias consecutivos ou a critério do médico veterinário. Água : Primeira semana 110 g/ 1000 L água Segunda semana 130 g/ 1000 L água Terceira semana 150 g/ 1000 L água Quarta semana 170 g/ 1000 L água A partir da quinta semana 180 g/ 1000 L água Dose terapêutica recomendada: 10 mg/kg Tratamento: 3-5 dias consecutivos ou a critério do médico veterinário. Suínos/Ração Inicial 420 g/ ton. de ração Crescimento 550 g/ ton. de ração Terminação 630 g/ ton. de ração Dose terapêutica recomendada:10mg/kg Tratamento: durante 3-5 dias consecutivos ou a critério do médico veterinário. Administração: Administrado por via oral na água de beber ou ração. Contra indicações e limitações de uso:. Não administrar o produto em fêmeas prenhas. Evitar o uso de tetracilcinas em animais em fase de crescimento. Interações medicamentosas: Não administrar a animais que estejam recebendo tratamento com barbitúricos ou fentoína. Não administrar junto com antiácidos. A absorção da doxiciclina pode ser afetada na presença de hidróxido de alumínio, bicarbonato de cálcio, sais de cálcio e magnésio e preparações de ferro. ]]

12 Período de carência: Aves: Carne: suspender o tratamento 6-10 dias antes do abate. Ovos: não administrar o produto em aves poedeiras para ovos de consumo humano. Classe Terapêutica: ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS) Princípio(s) Ativo(s):DOXICILINA A SOLUÇÃO PERMENECERÁ ESTÁVEL EM ATÉ 7 DIAS APÓS SUA PREPARAÇÃO.

13 ENROFLOXACINA 50% BASE/HCL Fórmula: Cada 100 g contém: Enrofloxacina...50 g Excipiente q.s.p...100g Bovinos, suínos, cães, e aves. Indicações: Tratamento de infecções bacterianas em: AVES: Doença Crônica Respiratória (DCR): Mycoplasma gallisepticum; Colibacilose: E.coli; Micoplasmose: Mycoplasma gallisepticum, Mycoplasma meleagridis, Mycoplasma synoviae; Cólera aviária: Pasteurella multocida; Estafilococose: Staphylococcus aureus; Estreptococose: Streptococcus spp; Salmonelose: Salmonella spp. SUÍNOS: Pneumonia enzoótica: Mycoplasma hyopneumoniae; Pneumonia: Pasteurella multocida, Mannheimia haemolytica, Bordetella bronchiseptica, Haemophilus pleuropneumoniae; Colibacilose: E.coli; Síndrome M.M.A: (metrite, mastite e agalaxia): Streptococcus dysgalactiae, Staphylococcus aureus, Streptococcus agalactiae; Estafilococose: Staphylococcus aureus; Estreptococose: Streptococcus spp. BOVINOS: E.coli, Proteus ssp, C. perfringens, (diarréia e colibacilose), Salmonella, Pasteurella, Bordetella (Pneumonia, Broncopneumonia), Mycoplasma (pneumonia enzootica) B. bronchiseptica, Klebsiella, Mycoplasma bovis, Dose geral: 2,5 a 5 mg de enrofloxacino / kg de peso corpóreo. Dosagem média do produto: 5 mg a 10 mg de ENROFLOXACINO 50% p/ kg de peso corpóreo, obedecendo o seguinte esquema:

14 AVES: Pintos: 1ª semana: 40 g / ton de ração. 2ª semana: 60 g / ton de ração. 3ª semana: 80 g / ton de ração. 4ª semana: 100 g / ton de ração. Frangos de corte: mais de 5 semanas: 100 g / ton de ração. Frangas reprodutoras: 5 a 10 semanas: 100 g / ton de ração. 10 a 20 semanas: 150 g / ton de ração. Mais de 20 semanas: 200 g / ton de ração. SUÍNOS: Controle: 100 g / tonelada de ração. Matrizes: 300 a 400 g / tonelada de ração. BOVINOS: 2,5 mg 5 mg para cada 10 kg de peso vivo, dependendo do grau de infecção e severidade Administração: Via oral, misturado na ração. Duração do tratamento: 3-5 dias consecutivos ou a critério do Médico Veterinário. Interações medicamentosas: Não associar o produto com: tetracilcinas, cloranfenicol, macrolídeos, teofilina, sulfas mais trimetoprim e soluções contendo: cálcio, zinco, ferro, alumínio, magnésio e cobre. Por sua união com as proteínas plasmáticas, não administrar conjuntamente com aspirina, hidrocortisona, fenilbutazona e sulfamida. Período de carência: Os animais só devem ser destinados ao abate para consumo humano 07 (sete) dias após a última administração de ENROFLOXACINO 50%. Classe Terapêutica: ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS) Princípio(s) Ativo(s): ENROFLOXACINO

15 Fórmula: Cada 100g contém: FOSFATO DE TILOSINA 25% BASE Tilosina (FOSFATO)...25 g Veículo q.s.p g Indicações: Bovinos, Caprinos, Ovinos e Suínos. É indicado na prevenção e tratamento das principais doenças infecciosas que acometem os bovinos, caprinos, ovinos e suínos. Também é indicado no tratamento de apoio da enterite necrótica superficial, infeccções bacterianas secundárias às moléstias virais e infecções pós - operatórias. Bovinos: - Pneumonia: Pasteurella multocida, Corynebacterium pyogenes, Mycoplasma hyopneumoniae, Streptococcus spp - Pododermatite: Fusobacterium necrophorum - Mastite: Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Mycoplasma spp. Para tratamento de animais em período seco (não lactante). - Metrite: Staphylococcus spp, Streptococcus spp, Corynebacterium pyogenes. - Difteria: Spharephorus necrophorus. Suínos: - Artrite: Staphylococcus spp, Mycoplasma hyosynoviae - Pneumonia: Pasteurella multocida, Corynebacterium pyogenes, Mycoplasma hyopneumoniae, Streptococcus spp - Erisipela: Erysipelothrix insidiosa Ovinos e Caprinos: - Agalaxia contagiosa: Mycoplasma agalactiae - Pleuropneumonia caprina: Mycoplasma mycoides var. Capri Dosagem: Aves de corte: 4 a 10 g/ton de ração.

16 Suínos: 10 a 70 g/ton de ração Tempo de tratamento: 5 dias de tratamento. Período de Carência: Suspender o tratamento 21 dias antes do abate, quando destinados ao consumo humano. Não utilizar o leite de animais tratados para o consumo humano até 72 horas após a última aplicação Tempo de Carência: consumo da carne 15 dias; Princípio(s) Ativo(s):FOSFATO DE TILOSINA.

17 TEC INGRE Fórmula: CLORIDRATO DE LINCOMICINA 44% HCL Cada 100 contém: Lincomicina (Cloridrato) g Excipiente q.s.p g Indicações: Suínos: Tratamento e auxílio no controle de pneumonia micoplásmica (Mycoplasma hyopneumoniae), tratamento e controle de disenteria suína (Serpulina hyodisenteriae, Serpulina pilosicoli), prevenção e controle de Ileíte (Lawsonia intracellularis). Aves: Controle de enterite necrótica causada ou complicada por Clostridium spp, coriza, peritonite, problemas respiratórios. Dosagem: Suínos Tratamento de pneumonia micoplásmica: Administrar 220 g de Lincomicina 1 kg do produto por tonelada de ração como único alimento, durante 3 semanas. Controle de pneumonia micoplásmica: Administrar 22 a 88 g de Lincomicina 0,5 a 2 kg do produto por tonelada de ração como único alimento Tratamento de disenteria suína: Administrar 110 g de Lincomicina 2,5 kg do produto por tonelada de ração como único alimento, durante 3 semanas ou até 48 horas após o desaparecimento dos sintomas da doença ( fezes líquidas, mucosas ou sanguinolentas). Controle da disenteria suína: Administrar 44 g de Lincomicina /1 kg do produto por tonelada de ração como único alimento. Usar em animais ou ambientes com história de disenteria suína, sem a ocorrência de formas clínicas da doença. Prevenção e controle da Ileíte: Administrar 44 a 220 g de Lincomicina /1 a 5 kg do produto/ por tonelada de ração como único alimento, durante 3 semanas. Aves Controle de enterite necrótica:. DOSE PROFILÁRICA: 4 kg POR TONELADA DE RAÇÃO Administração: Deve ser administrado por via oral na ração.

18 Tempo de carência: Não requer período de retirada do produto antes do abate do animal. Classe Terapêutica: ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS). Princípio(s) Ativo(s): LINCOMICINA Contra indicações: BOVINOS, EQUINOS, COELHOS, PORQUINHOS DA INDIA, HAMSTERS NÃO DEVEM TER ACESSO A ALIMENTOS QUE CONTENHAM LINCOMICINA.

19 Fórmula: Cada 100 g contém: Norfloxacina g Excipiente q.s.p g TEC INGRE NORFLOXACINA 50% BASE/HCL Indicações: Tratamento de doenças crônicas respiratórias. Aves: DCR: Mycoplasma gallisepticum, Colibacilose: E.coli.Septicemia: E.coli, Salmonella spp, Staphylococcus spp, Pseudomonas aeruginosa; Cólera aviária; Pasteurella multocida, Klebsiella spp; Coriza Infecciosa: Haemophilus paragallinarum Artrite: Staphylococcus spp Tifo e Paratifo: Salmonella spp, Pseudomonas aeruginosa Suínos: Enterite bacteriana: E.coli, Proteus spp, Colibacilos, Salmonella spp Rinite atrófica: Bordetella bronchiseptica, Pneumonia: Pasteurella multocida; Colibacilose: E.coli, Klebsiella spp; Septicemia: Salmonella spp, E.coli, Pseudomonas aeruginosa;cistite: Proteus mirabilis, Proteus vulgaris. Dosagem: Aves: Tratamento Curativo: 10 mg de Norfloxacina/kg de peso corpóreo, sendo 200 g/ton. de ração/água de bebida fornecer a mesma quantidade por 1000 litros. Suínos: Tratamento Curativo: 7 mg de Norfloxacina/kg de peso corpóreo, sendo 350 g/ton. de ração/água de bebida fornecer a mesma quantidade por 1000 litros. Administração: Via oral, misturado na ração ou na água de bebida dos animais. Período de Carência O tratamento deve ser suspenso 3 dias antes dos animais serem abatidos e seus produtos destinados ao consumo humano. Não administrar às aves na fase de postura. Classe Terapêutica: ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS) Princípio(s) Ativo(s): NORFLOXACINA

20 OXITETRACICLINA 23% BASE/HCL Fórmula: Cada 100 ml contém: Oxitetraciclina g Veículo: q.s.p g Indicações: Bovinos: Pneumonia causada por Pasteurella multocida, Haemophilus spp, Mycoplasma spp, Bordetella spp, Klebsiella spp; Anaplasmose: Anaplasma marginale; Leptospirose: Leptospira spp; Actinobacilose: Actinobacillus spp; Podridão dos cascos: Fusobacterium necrophorum; Difteria e metrite: Pasteurella spp, Bacillus spp, Streptococcus spp; Mastites: Enterobacter aerogenes, Corynebacterium pyogenes, Escherichia coli, Mycoplasma spp, Pasteurella hemolytica, Staphylococcus aureus, Streptococcus spp; Artrite infecciosa, pericardite e feridas infecciosas: Escherichia coli, Salmonella spp; Dermatofilose: Dermatophilus congolensis; Queratoconjuntivite infecciosa: Moraxella bovis; Suínos: Pneumonia causada por Pasteurella multocida, Haemophilus spp, Mycoplasma spp; Erisipela: Erysipelothrix spp; Enterite bacteriana: Escherichia coli; Diarréia dos leitões, infecções pós-operatórias e pós-parto: Salmonella spp; Artrite infecciosa, feridas infecciosas: Salmonella spp; Auxiliar no controle e combate à MMA (metrite-mastiteagalaxia) por Escherichia coli, Klebsiella spp, Mycoplasma spp. Ovinos e caprinos: Aborto enzoótico: Pasteurella multocida; Podridão do casco: Fusobacterium necrophorum; Mastite: Streptococcus spp, Staphylococcus spp; Metrite: Klebsiella spp, Staphylococcus spp; Artrite infecciosa: Mycoplasma spp; Periocardite infecciosa: Salmonella spp, Streptococcus spp; Feridas infecciosas: Staphylococcus spp.

21 Dosagem: A dose recomendada é de 20 mg de Oxitetraciclina por Kg de peso corporal. Nos casos graves, repetir a dose 3 a 5 dias depois. A dose e a freqüência de aplicação pode ser modificada a critério do Médico Veterinário. Administração: OXITETRACICLINA 23% deve ser administrada por via oral, na águia de beber, ou misturado na ração. Precauções: Não diluir o produto. Não administrar em animais com histórico de hipersensibilidade às tetraciclinas. Não administrar em animais com alterações hepáticas ou renais. PERÍODO DE CARÊNCIA Suspender o tratamento, 28 dias antes do abate dos animais, para consumo humano. Não usar em vacas leiteiras lactantes.

22 OXITETRACICLINA 50% BASE/HCL Fórmula: Cada 100 g contém: Oxitetraciclina...50g Veículo q.s.p...100g Características do Produto: Tratamento das infecções: Febre do transporte (Pasteurella spp), Pneumonia (Corynebacterium spp, Streptococcus spp, Klebsiella spp, Salmonella spp; doença crônica respiratória, E.coli, enterite, brucelose. Indicações: AVES, SUINOS, BEZERROS. DOSES Dosagem média: 30 a 50 mg para caga Kg de peso vivo. Suínos e bovinos: 100 g produto para 200 litros de água de bebida. Aves: 1kg/ tonelada ração, ou 0,5g por 1 litro de água. Período de tratamento de 3-5 dias. Administração: Via Oral na água de bebida ou misturado na ração. Contra indicação: Não administrar o produto para galinhas poedeiras, cuja ovos se destinam ao consumo humano. Período de carência: 27 dias para bovinos, 3 dias para suínos e aves. Classe Terapêutica: ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS) Princípio(s) Ativo(s): OXITETRACICLINA

23 SULFAMETAZINA 50% BASE Fórmula: Cada 100 g contém: Sulfametazina (base) g Excipiente q.s.p g Indicações: É indicada para suínos, no tratamento e controle de colibacilose causada por Escherichia coli, de infecções pneumoentéricas causadas por Salmonella spp. e Pasteurella spp., de rinite atrófica infecciosa causada por Bordetella bronchiseptica e da pleuropneumonia causada por Actinobacillus spp. Dosagem: Misturar de 300 a 450 gramas do produto por tonelada de ração, durante 5 a 7 dias, ou seja, aproximadamente mg/kg de massa corporal Período de tratamento: tratamento durante 7 dias. Estas doses poderão ser alteradas e o tratamento associado a outros antimicrobianos (como por exemplo a clortetraciclina, trimetoprim ou tilosina) a critério do Médico Veterinário. Administração: Misturar à ração na proporção recomendada, em mistura homogênea, como única fonte de alimento. Período de Carência: Suspender a medicação 15 dias antes do abate dos animais destinados ao consumo humano. Contra-indicações: Animais com histórico de lesão renal ou hepática grave. Interações medicamentosas: Cuidados com : penicilina procainada, vitaminas do complexo B e substâncias relacionadas, tais como nicotinamida, ácido fólico (ácido pteroilglutâmico), colina, aminoácidos como ácido glutâmico e metionina Classe Terapêutica: ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS) Princípio(s) Ativo(s):SULFAMETAZINA.

24 SULFATO DE COLISTINA 50% BASE Fórmula: Cada 100 g contém: Sulfato de colistina...50g Veículo q.s.p...100g Características do produto: Administrada em pequenas quantidades aos produtos destinados à alimentação animal com a finalidade de melhorar a taxa de crescimento e/ou eficiência da conversão alimentar Administração: Via oral, misturado na ração. Dosagem técnica: 160g/tonelada de ração. Tempo de tratamento: 7 dias. OBSERVAÇÃO: Seguir a dosagem recomendada pelo Médico Veterinário. Período de carência: Suspender a administração 3 dias antes do abate dos animais

25 Fórmula: Cada 100 ml do produto contém: Sulfato de Neomicina g Veiculo qsp ,0 g Indicações: TEC INGRE SULFATO DE NEOMICINA 60 % BASE/HCL A Sulfamicina (Sulfato de Neomicina) é um medicamento de eleição para combater doenças, tais como: Coccidiose dos frangos e perus: enfermidade que se caracteriza por tristeza, diarréia e caimento das asas causada por Eimeria sp. Cólera das aves: doença de evolução aguda (morte rápida) produzida por Pasteurella multocida que afeta o trato gastrintestinal e que se distingue pelo elevado índice de mortalidade. Principalmente das aves adultas, ocasionando muitas vezes extinção de um aviário em poucas horas. Tifose aviária: é a doença mais freqüente e responsável pela maior mortalidade de aves em nosso meio, acarretando vultuosos prejuízos durante as estações quentes do ano. Caracteriza-se pelo aparecimento da inapetência, abatimento, diarréia e freqüentemente morte e é causada por Salmonella gallinarum. Coriza contagiosa: doença respiratória aguda ou crônica caracterizada por apresentar corrimento nasal, espirros e edema da face, causada por Haemophilus gallinarum. Espécie a que se destina: aves, suínos e bovinos. Dosagem: Para frangos de corte: 1- Uso na água: Na primeira semana de vida, para cada 1200 litros de água dissolver 20 g de SULFATO DE NEOMICINA MC como preventivo (10 ppm de neomicina base) ou 40 gramas como curativo (20 ppm de neomicina base). A partir da segunda semana, para cada 1000 litros de água dissolver 150 g do produto, como curativo (90 ppm de neomicina base). 2- Uso na ração: para cada 1200 kg de ração misturar 140 gramas de SULFATO DE NEOMICINA MC como preventivo (70 ppm de neomicina base) ou 280 g como curativo (140 ppm de neomicina base).

26 Para Suínos/Bovinos: Uso na ração : para cada 1200 kg de ração misturar 140 gramas de SULFATO DE NEOMICINA como preventivo (70 ppm de neomicina base) ou 280 como curativo (140 ppm de neomicina base). Recomenda-se que a administração do medicamento não seja interrompida antes de decorridas 48 horas do desaparecimento dos sintomas e que a duração do tratamento não exceda 5 dias. Administração: A Sulfamicina deve ser administrada sempre por via oral diluído na água de bebida ou misturado na ração. O uso profilático fica a critério do médico veterinário. Período de carência: suspender o tratamento 7 dias para aves, 3 dias para suínos e 10 dias para bovinos antes de serem abatidos para consumo humano. Classe Terapêutica: ANTIMICROBIANOS GERAIS; ANTIFÚNGICOS E ANTIPROTOZOÁRIOS (COCCIDIOS, FLAGELADOS) Princípio(s) Ativo(s): SULFONAMIDAS /NEOMICINA

27 LACTATO DE TRIMETROPIM 50% BASE e HCL Produto técnico importado exclusivamente para formulação de antimicrobianos de uso veterinário, como tratamento profilático. Formula: Lactato de trimetropim...50g Veículo q.s.p...100g Indicações: Suínos: Infecções brônquicas causadas por Pasteurella multocida. Infecções intestinais causadas por Escherichia coli e Salmonella spp. Infecções urogenitais causadas por Escherichia coli. Galinhas não poedeiras: Infecções brônquicas causadas por Escherichia coli, Salmonella spp. E Pasteurella spp. Administração: Oral, através da água de bebida, ou misturado na ração. Doses: Suínos: 2,5-5 mg de trimetoprim por kg de peso corporal por dia, durante 3-5 dias. Galinhas: 5-12 mg de trimetoprim por kg de peso corporal por dia, durante 3-5 dias. Precauções: Proibido o uso direto nos alimentos.

28 Fórmula: CLORIDRATO DE BROMEXINA 10% HCL Cloridrato de Bromexina...10g Veículo q.s.p...100g Indicado para: AVES e SUÍNOS. Auxilia no tratamento de doenças respiratórias, promovendo alivio imediato e pronto estabelecimento dos animais. Solução mucolítica, liquefaz o muco coadjuvante no tratamento com antibióticos. Carreando o antibiótico, diminuindo o tempo para o início e concentração máxima do efeito antibiótico tornando o mesmo mais eficiente, pois este ficará por mais tempo agindo no organismo do animal. Sem contra indicações, podendo haver interação medicamentosa. Composição básica: CLORIDRATO DE BROMEXINA Modo de usar: VIA ORAL. Diluído na água de bebida ou misturado na ração. Tempo de tratamento: Durante três a cinco dias consecutivos. Dose recomendada: - AVES: 100 g/1000 litros de água, ou 200 g/tonelada de Ração. - SUÍNOS: 200 G/1000 litros de água, ou 400 g/tonelada de Ração. Qualquer alteração na dosagem e tempo de tratamento consulte seu Médico Veterinário.

29 FUMARATO DE TIAMULINA 80% Características do produto: antimicrobiano bacteriostático. É ativo contra Mycoplasm hyopneumonia e outros micoplasmas,brachyspira (Serpulina) hyodysenteriae, Braschyspira pilosicoli, organismos gram-positivos e gramnegativos. Também auxilia no tratamento de Disenteria Suína, Pneumonia Enzoótica Suína e Doença Crônica Respiratória em aves. Tem efeito positivo na prevenção e tratamento de Pleurupneumonia causada por Actinobacillus pleuropneumoniae (APP) e da ileíte caudasa por Lawsonia intracellularis, Campylobacter, Bordetella, Treponema. Indicações: Aves e Suínos Via de administração: Via oral, para ser misturado na ração. Dose preventiva: 45g por tonelada de ração ou 36ppm. Doenças Respiratórias: g/ton. de ração, durante 5 a 10 dias consecutivos, ou 100 a 200 ppm. Doenças Entéricas: g/ton. de ração, durante 5 a 10 dias consecutivos, ou 100 a 152 ppm. Dose Fumarato de tiamulina a 20%: g /ton ração (animais em crescimento usar dosagem maior). Precauções: IMPORTANTE: Não utilizar o produto em rações contendo Monensina, Narazina, Salinomicina e Ionóforos em geral, pois pode desencadear efeitos tóxicos. Pó não solúvel em água. Carência: Abate:suspender 3-7 dias antes do abate, dependendo da dose e tempo usados. Período de carência entre os ciclos de administração: 15 dias

30 FLORFENICOL 2% BASE Formula: Cada 100 g contém: Florfenicol...2g Veículo q.s.p...100g Características do produto: Antibiótico de amplo espectro indicado para tratamento de doenças respiratória bovina (DRB) e infestações de Pasteurella haemophilus, haemolytica, multocida e somnus. Tratamento de doenças interdigitais (foot rot, necrobacillosis, infecciosas pododermatites). É eficaz também contra Fusobacterium necrophorum e Bacteróides melaninogenicus. e das diarréias decorrentes de enterites infecciosas causadas por Escherichia coli, Salmonella spp e por infecções bacterianas secundárias a infecções virais. Também é indicado no tratamento das pododermatites infecciosas causadas por Bacteróides nodosus e Bacteróides melaninogenicus. Lawsonia intracellularis (ileíte) nos suínos. Tratamento de infecções digestivas e respiratórias dos suínos, causadas por Actinobacillus pleuropneumoniae, Bordetella bronchiseptica e Streptococcus suis sp. O florfenicol atua na síntese protéica bacteriana, apresentando principalmente uma ação bacteriostática. Indicação: Bovinos, suínos. Dose: 1 2 kg por tonelada de ração, de 7 a 14 dias. Precauções: O produto deve ser utilizado criteriosamente em animais portadores de hematopatias. Não administrar em bezerros com menos de um mês de idade. Não utilizar em vacas leiteiras com mais de 20 meses de idade, já que estas podem apresentar resíduos da droga no leite. Não administrar conjuntamente com as Penicilinas, Cefalosporinas e Quimioterápicos, em decorrência do antagonismo "in vitro" e "in vivo". Período de carência: Não abater animais destinados ao consumo humano, antes de decorridos 28 dias do último tratamento. O produto não deve ser utilizado nos bovinos produtores de leite,

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br Fone:(54)2521-3124 Fax:(54)2521-3100 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 19 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO DOX 100 mg/g pó oral para bovinos, suínos e aves (frangos e perus) 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

19/10/2011. Ricardo M. Hayashi. - Adaptação do agente ao hospedeiro. - Seleção genética para alta produtividade. - Densidade do galpão (aves/m2)

19/10/2011. Ricardo M. Hayashi. - Adaptação do agente ao hospedeiro. - Seleção genética para alta produtividade. - Densidade do galpão (aves/m2) Ricardo M. Hayashi Médico Veterinário Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR - Adaptação do agente ao hospedeiro - Seleção genética para alta produtividade - Densidade do galpão (aves/m2) - Otimização

Leia mais

Programa de Nutrição para. Bovinos

Programa de Nutrição para. Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Programa de Nutrição para Bovinos Copyright 2012 Kera Nutrição Animal Propriedade literária reservada. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos em acordo com a NBR 14725-4:2009 Nome do Produto: TRIMECLOR 75 Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: TRIMECLOR 75 Nome da empresa: FARMABASE SAÚDE ANIMAL LTDA. Av. Emílio Marconato, 1000 Galpão A3 Chácara

Leia mais

PATOLOGIAS RESPIRATÓRIAS

PATOLOGIAS RESPIRATÓRIAS PATOLOGIAS RESPIRATÓRIAS A INCIDÊNCIA ECONÓMICA DAS DOENÇAS RESPIRATÓRIAS NA AVICULTURA É CONSIDERÁVEL. O aparecimento de doenças respiratórias implica a associação de vários factores que actuam em sinergia.

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 12 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Paracilina SP 800 mg, pó para solução oral. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama contém: Substância

Leia mais

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA

Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA Otofoxin cloridrato de ciprofloxacino SOLUÇÃO OTOLÓGICA USO ADULTO USO OTOLÓGICO Forma farmacêutica e apresentação Solução otológica: frasco contendo 10 ml com conta-gotas. Composição Cada (1 ml) contém

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano V N o 19 Dezembro/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano V N o 19 Dezembro/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano V N o 19 Dezembro/1996 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Utilização de vacinas em produção de suínos David Emílio S. N. de Barcellos 1 Jurij Sobestiansky

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 17 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Cepravin DC 250 mg, Suspensão intramamária para bovinos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada seringa

Leia mais

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR MICOPLASMOSE AVIÁRIA Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR Mycoplasma gallisepticum, M.synoviae, M.meleagridis

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 14 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Nuflor 40 mg/g pré-mistura para alimento medicamentoso para suínos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

Cyperclor Plus Pour On

Cyperclor Plus Pour On Ectoparasiticidas 2 Cyperclor Plus Pour On CYPERCLOR PLUS POUR ON controla e trata as infestações causadas pelos principais ectoparasitas de bovinos e suínos, contém Clorpirifós, Citronela, BPO (Butóxido

Leia mais

PRINCÍPIOS ATIVOS (ANTIBIÓTICOS E COCCIDIOSTÁTICOS) USADOS EM PRODUÇÃO ANIMAL E O IMPACTO DA SUA RETIRADA SOBRE O DESEMPENHO

PRINCÍPIOS ATIVOS (ANTIBIÓTICOS E COCCIDIOSTÁTICOS) USADOS EM PRODUÇÃO ANIMAL E O IMPACTO DA SUA RETIRADA SOBRE O DESEMPENHO I Simpósio Paranaense de Produção e Sanidade Avícola PRINCÍPIOS ATIVOS (ANTIBIÓTICOS E COCCIDIOSTÁTICOS) USADOS EM PRODUÇÃO ANIMAL E O IMPACTO DA SUA RETIRADA SOBRE O DESEMPENHO Prof. Dr. Sebastião Aparecido

Leia mais

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g.

Probiótico. Identificação. Descrição / especificação técnica: Pó creme a marrom claro, contendo no mínimo 10 bilhões de UFC/g. Material Técnico Probióticos Identificação Fórmula Molecular: Não aplicável DCB / DCI: Não aplicável INCI: Não aplicável Peso molecular: Não aplicável CAS: Não aplicável Denominação botânica: Não aplicável

Leia mais

sorbatox Complexo totalmente natural de silicato de alumínio hidratado para a alimentação animal

sorbatox Complexo totalmente natural de silicato de alumínio hidratado para a alimentação animal sorbatox Complexo totalmente natural de silicato de alumínio hidratado para a alimentação animal Adsorvente de micotoxinas sorbatox O Sorbatox atrai e liga de forma irreversível as toxinas devido às suas

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos

ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos ELEMENTOS DE MICROBIOLOGIA Perigos Microbiológicos Rosa Helena Luchese, PhD Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro E-mail: rhluche@ufrrj.br CONTAMINANTES DOS

Leia mais

Monuríl fosfomicina trometamol. Granulado

Monuríl fosfomicina trometamol. Granulado Monuríl fosfomicina trometamol Granulado Forma farmacêutica e apresentação: Caixa com 1 envelope de granulado com 8g. USO ADULTO - USO ORAL Composição: Granulado Cada envelope contém: 5,631 g de fosfomicina

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Panacur PetPasta 187,5 mg/g de pasta oral para cães e gatos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 g de pasta para administração

Leia mais

Aditivos Ionóforos para a Alimentação de Bovinos INTRODUÇÃO

Aditivos Ionóforos para a Alimentação de Bovinos INTRODUÇÃO Aditivos Ionóforos para a Alimentação de Bovinos INTRODUÇÃO Uma ampla gama de produtos classificados como aditivos está disponível no mercado para o produtor. Portanto, o objetivo deste artigo é fazer

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 12 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Coliplus 2.000.000 UI/ml Concentrado para Solução Oral para uso na água da bebida em Bovinos, Ovinos, Suínos,

Leia mais

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 8 Junho/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 8 Junho/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 8 Junho/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Pneumonia em suínos Itamar Antônio Piffer 1 José Renaldi Feitosa Brito 1 As doenças respiratórias

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Panacur AquaSol 200 mg/ml suspensão oral para água de bebida para suínos e galinhas 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

INFECÇÕES BACTERIANAS

INFECÇÕES BACTERIANAS INFECÇÕES BACTERIANAS 1. Salmonelose (enterocolite), febre tifóide, febres entéricas Salmonella: Espécies x doenças: S. typhi (febre tifóide) S. paratyphi A, B, C (febres entéricas) Outras espécies (salmonelose)

Leia mais

BIOQUÍMICA DA ÁGUA. Disciplina: Bioquímica, Prof. Dr. Vagne Oliveira E-mail: vagne_melo_oliveira@outlook.com

BIOQUÍMICA DA ÁGUA. Disciplina: Bioquímica, Prof. Dr. Vagne Oliveira E-mail: vagne_melo_oliveira@outlook.com BIOQUÍMICA DA ÁGUA Disciplina: Bioquímica, Prof. Dr. Vagne Oliveira E-mail: vagne_melo_oliveira@outlook.com ÁGUA Substância mais abundante nos seres vivos; É uma substância líquida, incolor, inodora e

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Pantelmin mebendazol. suspensão. Anti-helmíntico de amplo espectro

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO. Pantelmin mebendazol. suspensão. Anti-helmíntico de amplo espectro IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Pantelmin mebendazol suspensão Anti-helmíntico de amplo espectro APRESENTAÇÃO Suspensão de 100 mg de mebendazol por 5 ml do copo-medida que acompanha o medicamento (20 mg/ml

Leia mais

Multi Star Adulto 15kg e 5kg

Multi Star Adulto 15kg e 5kg Multi Star Adulto 15kg e 5kg Proteína Bruta Extrato Etéreo (Mín.) 21% (Mín.) 8% Matéria Mineral Matéria Fibrosa (Máx.) 8% (Máx.) 4% Cálcio (Máx.) 1,8% Fósforo (Mín.) 0,8% Carne de Frango e Arroz Extrato

Leia mais

POTENSAL. O trabalho da POTENSAL é promover o crescimento e a satisfação dos produtores e criadores que utilizam nossos produtos.

POTENSAL. O trabalho da POTENSAL é promover o crescimento e a satisfação dos produtores e criadores que utilizam nossos produtos. POTENSAL Atuando em todo o território nacional, a POTENSAL NUTRIÇÃO E SAÚDE ANIMAL trabalha somente com matérias-primas nobres e mão-de-obra especializada. Atualmente, possui diversas linhas de produtos,

Leia mais

SULFATO DE GENTAMICINA

SULFATO DE GENTAMICINA SULFATO DE GENTAMICINA ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril sulfato de gentamicina (5 mg/ml) BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

C. perfringens tipos B e C Idade < 10 dias Enterotoxemia hemorrágica grave Mycobacterium paratuberculosis

C. perfringens tipos B e C Idade < 10 dias Enterotoxemia hemorrágica grave Mycobacterium paratuberculosis Diagnóstico diferencial das Diarréias nos Bovinos Prof. Paulo Henrique Jorge da Cunha DMV/EV/UFG Diarréia Inflamação da mucosa intestinal Dor abdominal; Desequilíbrio hidroeletrolítico; Desequilíbrio ácido-básico.

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol.

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol. Naxogin nimorazol PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Naxogin Nome genérico: nimorazol Forma farmacêutica e apresentações: Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição:

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas.

Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas. Otociriax ciprofloxacino hidrocortisona Forma farmacêutica e apresentação Suspensão otológica - Embalagem contendo 5 ml de suspensão acompanhado de conta-gotas. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO.

Leia mais

AULA 07 PROGRAMA DE BIOSSEGURIDADE PARA A PRODUÇÃO DE SUÍNOS

AULA 07 PROGRAMA DE BIOSSEGURIDADE PARA A PRODUÇÃO DE SUÍNOS AULA 07 PROGRAMA DE BIOSSEGURIDADE PARA A PRODUÇÃO DE SUÍNOS Conceitos Amplos de BIOSSEGURIDADE: 1. Todas as medidas destinadas a evitar a entrada de agentes infecciosos nos animais bem como reduzir a

Leia mais

Colibacilose Aviária. Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR

Colibacilose Aviária. Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR Introdução Enfermidade sistêmica ou localizada causada E. coli, incluindo

Leia mais

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol

Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Trinizol -M Tinidazol Nitrato de miconazol Creme vaginal Uso intravaginal APRESENTAÇÃO TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa contendo bisnaga com 80 g de creme e 1 aplicador. TRINIZOL -M CREME VAGINAL: caixa

Leia mais

INDÚSTRIA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS ANIMAL LTDA. AV. JINROKU KUBOTA, 482 CEP 87.033-170 MARINGÁ PR. FARMACÊUTICA RESPONSÁVEL: HOMEOPATIA ANIMAL

INDÚSTRIA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS ANIMAL LTDA. AV. JINROKU KUBOTA, 482 CEP 87.033-170 MARINGÁ PR. FARMACÊUTICA RESPONSÁVEL: HOMEOPATIA ANIMAL INDÚSTRIA DE PRODUTOS HOMEOPÁTICOS ANIMAL LTDA. AV. JINROKU KUBOTA, 482 CEP 87.033-170 MARINGÁ PR. FARMACÊUTICA RESPONSÁVEL: HOMEOPATIA VETERINÁRIA A homeopatia é uma terapia cada vez mais aceita e difundida

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

CONTROLE DE DOENÇAS E VERMINOSES EM OVINOS ASSOCIADAS A DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO

CONTROLE DE DOENÇAS E VERMINOSES EM OVINOS ASSOCIADAS A DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO CONTROLE DE DOENÇAS E VERMINOSES EM OVINOS ASSOCIADAS A DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO FEIPECUS/2006 São Carlos/SP Paulo Francisco Domingues Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp.

Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Resistência aos antimicrobianos em Salmonella spp. Síntese das investigações desde a descoberta de novos antimicrobianos Final do século XIX: Pasteur efetuou relatos sobre antagonismo entre diferentes

Leia mais

Saúde Pública como Área de Residência em Medicina Veterinária

Saúde Pública como Área de Residência em Medicina Veterinária Saúde Pública como Área de Residência em Medicina Veterinária Prof. Ass. Dr. José Paes de Almeida Nogueira Pinto Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia UNESP, campus de Botucatu Ideias O Veterinário

Leia mais

TOBREX. Solução Oftálmica Estéril e Pomada Oftálmica Estéril

TOBREX. Solução Oftálmica Estéril e Pomada Oftálmica Estéril TOBREX TOBRAMICINA 0,3% Solução Oftálmica Estéril e Pomada Oftálmica Estéril FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO: Frasco plástico conta-gotas contendo 5 ml de Solução Oftálmica Estéril

Leia mais

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias 1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias Dr. Luciano Bastos Lopes Pesquisador Embrapa Agrossilvipastoril Epidemiologia e Doenças Infecciosas Controle Sanitário em Bovinos

Leia mais

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Laboratório de Imunovirologia Molecular DBG UFV Prof. Sérgio Oliveira de Paula Tristeza Parasitária Bovina (TPB) Enfermidade hemoparasita

Leia mais

Transamin Ácido Tranexâmico

Transamin Ácido Tranexâmico Transamin Ácido Tranexâmico 250 mg Zydus Nikkho Farmacêutica Ltda Comprimidos Bula do Paciente I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TRANSAMIN ácido tranexâmico APRESENTAÇÕES Comprimidos de 250 mg. Embalagem

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 7 Abril/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Rinite atrófica dos suínos J. R. F. Brito I. A. Piffer M. A. V. P. Brito 1 A renite atrófica dos

Leia mais

THIABENA Tiabendazol Sulfato de neomicina

THIABENA Tiabendazol Sulfato de neomicina THIABENA Tiabendazol Sulfato de neomicina Creme - Uso tópico APRESENTAÇÃO THIABENA CREME: caixa contendo bisnaga com 15 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Tiabendazol... 10 mg Sulfato de neomicina...

Leia mais

Trato Digestivo do Suíno

Trato Digestivo do Suíno Trato Digestivo do Suíno Monogástrico onívoro com limitada fermentação pós-gástrica Estômago simples, incapaz de utilizar dietas ricas em forragem Incapaz de digerir algumas substâncias presentes em grãos,

Leia mais

Cipro* HC. ciprofloxacino 0,2% cloridrato. hidrocortisona 1% Suspensão Otológica

Cipro* HC. ciprofloxacino 0,2% cloridrato. hidrocortisona 1% Suspensão Otológica Cipro* HC ciprofloxacino 0,2% cloridrato hidrocortisona 1% Suspensão Otológica FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO: Frasco de vidro conta-gotas contendo 10 ml de suspensão otológica.

Leia mais

I - ocorrer pela primeira vez ou reaparecer no País, zona ou compartimento declarado oficialmente livre;

I - ocorrer pela primeira vez ou reaparecer no País, zona ou compartimento declarado oficialmente livre; INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 50, DE 24 DE SETEMBRO DE 2013. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Predef (Acetato de Isoflupredona)

Predef (Acetato de Isoflupredona) Uso Veterinário Administração intramuscular ou intra-sinovial. Descrição: Cada ml contém 2 mg de acetato de isoflupredona; 4,5 mg de citrato de sódio anidro; 120 mg de polietilenoglicol 3350; 1 mg de povidona;

Leia mais

TETRALYSAL 150 & 300 LIMECICLINA Cápsulas. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: cápsulas em embalagens com 16 e 28 unidades.

TETRALYSAL 150 & 300 LIMECICLINA Cápsulas. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: cápsulas em embalagens com 16 e 28 unidades. MODELO DE BULA TETRALYSAL 150 & 300 LIMECICLINA Cápsulas FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES: cápsulas em embalagens com 16 e 28 unidades. USO ADULTO COMPOSIÇÃO Limeciclina (expressa como tetraciclina base)...

Leia mais

CISTICID. praziquantel. Merck S/A. Comprimidos 500 mg

CISTICID. praziquantel. Merck S/A. Comprimidos 500 mg CISTICID praziquantel Merck S/A Comprimidos 500 mg Cisticid praziquantel APRESENTAÇÕES Embalagens contendo 50 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DOS 4 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL

BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL BULA PARA O PACIENTE MICOSTATIN (nistatina) SUSPENSÃO ORAL MICOSTATIN nistatina USO ORAL APRESENTAÇÃO MICOSTATIN 100.000 UI/mL é apresentado em cartuchos com frasco de vidro âmbar contendo 60 ml, com conta-gotas

Leia mais

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS

DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS DEMANDA AJUDA PRODUTOR A ENFRENTAR ALTA DE INSUMOS Os preços recebidos pelos produtores de leite em março (referente à produção de fevereiro) seguiram em alta, de acordo com levantamentos do Centro de

Leia mais

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes

AULA DO PRODUTO. Curso inicial & Integração Novos Representantes AULA DO PRODUTO Curso inicial & Integração Novos Representantes 1 HELICOBACTER PYLORI A bactéria Helicobacter pylori foi descoberta em 1982 pelos australianos Barry J. Marshall e J. Robin Warren. Até então,

Leia mais

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida.

Duphalac lactulose MODELO DE BULA. DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. MODELO DE BULA Duphalac lactulose FORMA FARM ACÊUTICA E APRESENTAÇ ÃO DUPHALAC (lactulose) é apresentado em cartuchos contendo 1 frasco de 200 ml e um copo medida. VIA ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Vigamox moxifloxacino 0,5% cloridrato

Vigamox moxifloxacino 0,5% cloridrato Vigamox moxifloxacino 0,5% cloridrato Solução Oftálmica Estéril FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO: Frasco plástico conta-gotas contendo 5 ml de Solução Oftálmica Estéril. USO ADULTO

Leia mais

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS

CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS CONTROLE SANITÁRIO DE ENDO E ECTOPARASITAS Henrique Coelho Médico Veterinário MOSCA DOS CHIFRES CICLO DA Cocchliomyia hominivorax - Só realiza postura nas bordas de ferimento de animais de sangue quente

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

Tecnologia EM na Pecuária Bovina

Tecnologia EM na Pecuária Bovina Tecnologia EM na Pecuária Bovina Os Microorganismos Benéficos podem fazer muito mais do que bons vinhos e queijos, eles também podem ajudar na Pecuária Bovina. O EM 1 tem uma ampla gama de aplicações na

Leia mais

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml.

Tralen 28% tioconazol. Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. Tralen 28% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 28% solução para unhas em embalagem contendo 1 frasco com 12 ml. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA

FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA FUNDAMENTOS DA ENFERMAGEM ENFª MARÍLIA M. VARELA INFECÇÃO As infecções são doenças que envolvem bactérias, fungos, vírus ou protozoários e sua proliferação pode ser vista quando o paciente tem os sintomas,

Leia mais

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil

Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil SANOFI-AVENTIS FARMACÊUTICA LTDA Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento. Toplexil cloridrato de oxomemazina / guaifenesina / paracetamol FORMA

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS. Saúde Animal. Trate com esta marca. TOP DE AGRONEGÓCIO 2006 ABCS TOP OF QUALITY 2007 TOP OF BUSINESS 2007 AMPHENOR

LINHA DE PRODUTOS. Saúde Animal. Trate com esta marca. TOP DE AGRONEGÓCIO 2006 ABCS TOP OF QUALITY 2007 TOP OF BUSINESS 2007 AMPHENOR Catálago de Produtos SANPHAR - 6ª Edição LINHA DE PRODUTOS Saúde Animal. Trate com esta marca. TOP DE AGRONEGÓCIO 2006 Destaque: Excelência em Qualidade. No ano de 2006, o Instittuto de Estudos e Pesquisa

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

Laboratórios Ferring

Laboratórios Ferring Pentasa Sachê mesalazina Laboratórios Ferring IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Pentasa Sachê mesalazina APRESENTAÇÕES Grânulos de liberação prolongada de: - 1 g disponível em embalagens com 50 sachês - 2 g

Leia mais

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: NECAMIN

MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: NECAMIN MODELO DE BULA IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: NECAMIN mebendazol Comprimidos em blíster de 6. Suspensão oral em frasco de 30 ml, acompanhado de copo-medida USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição completa:

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Fungirox Esmalte Ciclopirox

Fungirox Esmalte Ciclopirox Fungirox Esmalte Ciclopirox Apresentação Frasco com 6 g de esmalte, 2 frascos com removedor de esmalte e 24 lixas para unha. Esmalte Uso tópico USO ADULTO COMPOSIÇÃO Ciclopirox... 80 mg Veículo q.s.p....1

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA. Pepsamar comprimidos mastigáveis cartucho contendo 50 ou 200 comprimidos mastigáveis.

MODELO DE TEXTO DE BULA. Pepsamar comprimidos mastigáveis cartucho contendo 50 ou 200 comprimidos mastigáveis. MODELO DE TEXTO DE BULA PEPSAMAR hidróxido de alumínio Formas farmacêuticas e apresentações Pepsamar comprimidos mastigáveis cartucho contendo 50 ou 200 comprimidos mastigáveis. Via oral USO ADULTO Composição

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

Anexo A THIANAX CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 50 mg

Anexo A THIANAX CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA. Pomada. 50 mg Anexo A THIANAX CAZI QUIMICA FARMACÊUTICA IND. E COM. LTDA Pomada 50 mg THIANAX tiabendazol Pomada IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: Pomada 50mg/g: bisnaga com 45 g. USO TÓPICO

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 33 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Cobactan 4,5 % pó e solvente para solução injetável para equinos e bovinos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

Uso correcto dos antibióticos

Uso correcto dos antibióticos CAPÍTULO 7 Uso correcto dos antibióticos Quando usados correctamente, os antibióticos são medicamentos extremamente úteis e importantes. Eles combatem diversas infecções e doenças causadas por bactérias.

Leia mais

Cicatrene sulfato de neomicina bacitracina zíncica. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada - embalagem contendo bisnaga com 20g.

Cicatrene sulfato de neomicina bacitracina zíncica. FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada - embalagem contendo bisnaga com 20g. Cicatrene sulfato de neomicina bacitracina zíncica FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada - embalagem contendo bisnaga com 20g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada grama de CICATRENE contém: sulfato

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Nobivac L4, suspensão injetável para cães 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada dose de 1 ml contém: Substâncias

Leia mais

MICROBIOTA INTESTINAL PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS SIMBIÓTICOS Apresentado por : Prof. Dr. Yvon Toledo Rodrigues Membro Titular da Academia Nacional de Medicina. Presidente da Academia Latino-Americana de Nutrologia.

Leia mais