Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto CI. Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva"

Transcrição

1 Projeto CI Curso: Engenharia da Computação Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Recife, 28 de outubro de 2012

2 Sumário 1. Motivação Introdução: O Problema Identificado Soluções Alternativa Alternativa Alternativa Estudo da Viabilidade Operacional Estudo da Viabilidade Técnica Alternativa Alternativa Alternativa Estudo da Viabilidade de Cronograma Alternativa Alternativa Alternativa Estudo da Viabilidade Econômica Alternativa Alternativa Alternativa Análise Final das Alternativas Recomendação e Considerações Finais Apêndice A História e Visão Geral Apêndice B - Contatos e Coleta de Informações Apêndice C - Detalhamento do Estudo de Viabilidade Econômica Alternativa Alternativa Alternativa Apêndice D - Detalhamento do Estudo de Viabilidade Operacional Alternativa Alternativa Alternativa

3 13. Apêndice E Avaliação da Equipe

4 1. Motivação Os sistemas de informação facilitam o processo dentro da empresa. Suas atividades e tarefas são otimizadas quando os agentes envolvidos dentro da organização dispõem de um sistema que os auxiliam, tornando o cotidiano da corporação ágil, prático e eficiente. Por isso, profissionais das mais variadas áreas eliminam as atividades, antes realizadas manualmente, para que os sistemas de TI as realizem. Empresas de todos os setores buscam sistemas que se identifiquem com seu negócio para melhoramento do processo. Porém, com toda essa evolução e tecnologia que existe hoje, ainda há organizações que precisam de uma remodelagem no seu processo de negócio. A empresa precisa ter o controle sobre tudo que acontece dentro dela, como: controle de estoque, faturamento, gastos e controle de funcionários. Tendo em vista isso, empresas que trabalham com manutenção e conserto de equipamentos precisam ter um controle maior sobre transações internas. Por isso, é fundamental que possuam um sistema que diminua o retrabalho, a inconsistência de dados e informações, e aumente o controle, a segurança e a eficiência nas operações. Na manutenção e recondicionamento de computadores existe um grande volume de equipamentos e aparelhos entrando e saindo da empresa, devido a diversos tipos diferentes de peças e artefatos. Por essa razão, os gestores e colaboradores devem ter um domínio e um controle formal sobre eles, sendo essencial para o bom andamento e organização do processo da empresa. 2. Introdução: O Problema Identificado O Projeto Computadores para Inclusão - Projeto CI - consiste em receber doações de computadores e componentes de órgãos públicos e privados para serem restaurados e posteriormente entregues as escolas públicas e telecentros comunitários. Esse projeto envolve a administração federal e seus parceiros num esforço conjunto para a oferta de equipamentos de informática recondicionados, em plenas condições operacionais, para apoiar a disseminação da informática em centros comunitários. O apêndice A relata seu histórico e descreve mais detalhes de seu funcionamento. O objetivo desse projeto é criar uma rede nacional de reaproveitamento de equipamentos usados, sendo esses equipamentos recondicionados por jovens em 4

5 formação profissionalizante. Oficinas denominadas de Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs) estão sendo adaptadas para o processo de recepção de equipamentos usados, triagens, recondicionamentos, armazenamentos, entrega e descarte ambientalmente correto de componentes não aproveitáveis. A figura 1 ilustra o funcionamento da empresa. Figura 1. Funcionamento do Projeto CI O processo da organização começa com o recebimento dos computadores e componentes na recepção. Os equipamentos são anotados manualmente e encaminhados para o setor de estoque. Nesse setor, os equipamentos são recebidos e armazenados até que a equipe de montagem solicite algum componente. Nesse caso, o pedido é feito também manualmente ou até mesmo verbalmente, sem nenhum controle de entrada e saída dos artefatos. Além desse processo, existe uma seleção dos locais onde os computadores reaproveitados serão entregues. Quando o local é escolhido, os computadores prontos são encaminhados para a instituição pública ou telecentro selecionado. Nesse processo foram encontradas várias falhas e problemas que estão citados abaixo: O maior problema é a falta de controle do estoque. Os equipamentos recebidos e armazenados muitas vezes não são notificados. Como o processo é feito manualmente, o registro de entrada e saída de peças nem sempre é realizado. O modo como a comunicação entre os agentes é realizado causa inconsistência das informações e um possível retrabalho das equipes, já que as transações internas não são devidamente registradas. Há dificuldades na geração mensal dos relatórios, que devem ser enviados ao órgão superior sobre os locais que receberam os computadores do CRC. Existe um gargalo na arrecadação de computadores por falta de propaganda e incentivo a doação dos componentes. 5

6 Para resolver os problemas relatados anteriormente, a seguir, são listadas três soluções possíveis para melhorar o desempenho da empresa, favorecendo seus processos internos e atividades relacionadas a seu negócio. 3. Soluções 3.1 Alternativa 1 Quando o CRC recebesse uma doação de um equipamento, um funcionário responsável pelo estoque de peças faria um documento de cadastro contendo a relação de peças que este equipamento possui. Em seguida, as peças seriam enviadas para serem armazenadas no galpão de estoque. Quando um funcionário da etapa de manutenção fizesse um pedido de peça ao estoque, para fazer a montagem de um computador, um funcionário do estoque faria o documento de registro do pedido e iria localizar a peça requisitada no galpão de estoque. Encontrada a peça, ela seria enviada para a etapa de manutenção. Quando a peça fosse recebida pelo funcionário da manutenção, o mesmo encaminharia a peça para a realização de testes, para verificar suas condições de uso. Se a peça não estivesse em boas condições, ela seria descartada. Caso contrário, ela seria utilizada na montagem do computador. Quando fossem terminados a montagem e o teste deste computador, um funcionário faria um documento informando que o equipamento está pronto para ser doado. Em seguida, um conjunto de computadores seria encaminhado para as entidades selecionadas como beneficiárias. Mensalmente, seriam documentadas todas as doações realizadas pelo CRC durante este período e enviadas à coordenação do projeto CI. 3.2 Alternativa 2 A segunda alternativa propõe a criação de um sistema web que seria de uso restrito aos funcionários do CRC. O sistema seria responsável pelo controle de estoque e de fluxo das peças doadas. Quando um equipamento fosse recebido pelo CRC, seria feito um cadastro, através de uma página web, das peças que compõem esse equipamento. Se uma peça fosse requisitada por um funcionário da manutenção, seria feito um registro de pedido. Em seguida, o funcionário responsável pelo estoque localizaria a peça no galpão de estoque. Essa localização seria facilitada, pois o 6

7 responsável faria a pesquisa na página web e, se a peça requerida estivesse registrada no estoque, seria mostrada na tela do sistema a localização da mesma no galpão. Sendo encontrada a peça, ela seria enviada para a etapa de manutenção, e seria feito o registro de saída da peça. Quando a peça chegasse à etapa de manutenção, seria feita a confirmação do seu recebimento. Em seguida, seriam testadas suas condições de uso. Se a peça não estivesse em boas condições, ela seria registrada como peça danificada e seria encaminhada para restauração ou descarte. Se estivesse em boas condições, ela seria utilizada na montagem do computador. Quando fossem terminados a montagem e o teste deste computador, este seria adicionado à lista de computadores que estariam prontos para serem doados. Um conjunto de computadores seria selecionado através do sistema e encaminhado para as entidades selecionadas como beneficiárias. Sendo assim, seriam gerados automaticamente os documentos com as informações de doações, para que mensalmente fossem reportados à coordenação do projeto CI. 3.3 Alternativa 3 Uma terceira alternativa seria a implementação de um portal web. Este sistema público seria uma forma de aumentar a divulgação dos projetos de inclusão digital e estimular empresas ou pessoas físicas a fazerem doações de equipamentos usados. No portal, seriam informados os CRCs mais próximos das localidades dos doadores interessados. Este também incluiria um sistema para gerenciar todo o funcionamento do CRC. O acesso a este sistema seria restrito aos funcionários do CRC. Nele seria feito o controle de estoque de peças e o controle de fluxo dos equipamentos no CRC. 4. Estudo da Viabilidade Operacional Nesta seção, são apresentados os resultados obtidos no estudo comparativo entre as alternativas propostas no que diz à respeito à viabilidade operacional. Durante este processo, as alternativas não apenas foram avaliadas de acordo com a estrutura PIECES, como também a posição do usuário final e da gerência do sistema. Um estudo mais detalhado sobre a viabilidade operacional de cada alternativa pode ser encontrado no apêndice D. É recomendado a sua leitura, pois abaixo são mostrados apenas os resultados, e não como chegamos a esse resultado. A primeira alternativa se mostrou mais viável economicamente, por se tratar apenas de uma modelagem dos processos de negócios do CRC. Porém ela deixa a 7

8 desejar nos aspectos de performance, controle, eficiência, e a opinião do usuário final e da gerência. A segunda alternativa, é interessante com relação à performance, informação, eficiência e serviços. Mostrou-se mediana no controle, economia, usuário final e gerência. Já a terceira alternativa, se mostrou a opção mais cara das três. Porém ela leva vantagem sobre os aspectos da segunda alternativa em relação ao controle, usuário final e gerência. Ela acabou empatando com a alternativa 2 em performance, informação, eficiência e serviços. Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3 Performance * * * * * * * Informação * * * * * * * * Economia * * * * * * Controle * * * * * * Eficiência * * * * * * * Serviços * * * * * * * * * Usuário Final * * * * * * Gerência * * * * * * * fraco * * razoável * * * bom Assim, concluímos que a terceira alternativa apresenta-se como a mais viável do ponto de vista operacional, seguida pela segunda alternativa e por fim, pela primeira. 5. Estudo da Viabilidade Técnica Foi realizado um estudo de viabilidade técnica, para cada alternativa de solução proposta, visando analisar e verificar a praticidade destas soluções em relação às necessidades técnicas e especialistas em sua execução. 5.1 Alternativa 1 Para essa abordagem é preciso que os colaboradores do CRC sejam treinados para que toda transação interna seja documentada, seguindo um padrão pré-definido de documentação. Está alternativa não precisa de novas tecnologias, apenas padronizar a documentação para que seja mais fácil a geração dos relatórios, que serão confeccionados manualmente e enviados aos órgãos superiores em Brasília. Portanto, essa alternativa é tecnicamente viável, porém com o contraponto de 8

9 demanda para documentação, incluindo pausas no fluxo de produção do centro para manter a documentação. 5.2 Alternativa 2 Para essa abordagem é preciso um servidor interno que armazene um banco de dados, onde o sugerido foi o MySQL. Cada setor interno do centro precisa ter disponível terminais para registrar as movimentações das peças, onde foi sugerido um terminal para cada bancada da manutenção, sendo 16 unidades, um terminal para o controle de estoque e mais 4 terminais para os escritórios. E ainda, além do servidor e dos terminais, seria preciso uma impressora comum conectada em rede, uma impressora de códigos de barras no estoque e leitores de códigos de barras em cada terminal da manutenção para atualizar o status de cada peça. Também seria preciso realizar o treinamento para capacitar os funcionários no uso do novo sistema. Além disso, a aplicação precisaria ser escrita preferivelmente em Perl, pois a o CRC treina alunos com essa tecnologia, tornando as manutenções mais baratas e a alternativa tecnicamente viável. 5.3 Alternativa 3 Para a terceira alternativa é necessário um servidor web que armazene todas as informações submetidas e as torne pública para qualquer pessoa que acesse o portal e queira fazer uma auditoria. A tecnologia de desenvolvimento utilizada no portal seria a linguagem PHP, que também é ensinada para alunos do CRC. Portanto, tendo disponíveis técnicos especializados nesta tecnologia. E, também, por ser uma tecnologia consolidada essa alternativa é tecnicamente viável. 6. Estudo da Viabilidade de Cronograma 6.1 Alternativa 1 Para determinar o padrão dos processos de controle, assim como determinar a formatação dos documentos a serem preenchidos em cada fase do processo, e posterior implantação (treinamento), é necessário um mês. Esta é a alternativa mais rápida das três, pois não há necessidade de criação de software algum. 9

10 6.2 Alternativa 2 Para criar o software de controle de estoque, determinou-se que durariam dois meses. Já a instalação e configuração da rede interna e instalação dos computadores duraria quinze dias. Finalmente, a implantação do sistema e treinamento de pessoal demoraria mais um mês, totalizando três meses e meio para esta alternativa. 6.3 Alternativa 3 Esta alternativa é a que possui o maior tempo para ser concluída. Dois meses para implementação do sistema de software de controle interno, um mês para implementação do site externo (Web), quinze dias para instalação e configuração da rede interna e instalação dos computadores e outro mês para treinamento de pessoal, totalizando quatro meses e meio. Conclusão do Estudo de Viabilidade de Cronograma Dados os prazos de conclusão das três alternativas, segue abaixo as notas dadas a cada uma, com valores de 1 (ruim) a 10 (ótimo). Alternativa 1 10 Alternativa 2 5 Alternativa 3 4 Tabela 1. Viabilidade de Cronograma As alternativas 2 e 3 não possuem prazos ruins, mas foram julgadas com notas bastante inferiores, dada a comparação com a primeira alternativa que é concluída em menos de um terço do tempo das outras. 7. Estudo da Viabilidade Econômica Como o CRC é uma Organização Não Governamental (ONG) sem fins lucrativos, não há retorno financeiro do investimento feito em qualquer das alternativas sugeridas. O CRC não recebe dinheiro pelos computadores montados, nem pelos cursos oferecidos. O Governo Federal simplesmente estabelece um orçamento para a organização e paga as despesas. Logo, não faz sentido calcular tempo de payback ou ROI (Return on Investment) neste estudo. Mesmo sem ter retorno financeiro, uma 10

11 melhor eficiência do centro é cobrada por quem o financia, sendo este o principal objetivo das soluções. 7.1 Alternativa 1 Custo: Treinamento do pessoal. Benefício: Diminuição de extravios de peças do estoque em até 70%; Relatórios mais precisos e confiáveis; 7.2 Alternativa 2 Custos: Salário dos desenvolvedores do software; Aquisição de computador servidor do sistema; Aquisição de computadores terminais, com leitores de código de barras; Aquisição de impressora normal e de etiquetas de código de barras; Instalação e configuração de rede interna; Manutenção do hardware adquirido; Treinamento de pessoal; Benefícios: Diminuição de extravios de peças do estoque em até 90%; Aumento no número de computadores montados por mês em até 50%; Eliminação do esforço manual para geração de relatórios mensais; Relatórios mais precisos e confiáveis; 7.3 Alternativa 3 Custos: Salário dos desenvolvedores do software (sistema interno e página externa); Aquisição de computador servidor do sistema; Aquisição de computadores terminais, com leitores de código de barras; Aquisição de impressora normal e de etiquetas de código de barras; Instalação e configuração de rede interna; Manutenção do hardware adquirido; Treinamento de pessoal; 11

12 Servidor de hospedagem para a página externa; Benefícios: Diminuição de extravios de peças do estoque em até 90%; Aumento no número de computadores montados por mês em até 50%; Eliminação do esforço manual para geração de relatórios mensais; Relatórios mais precisos e confiáveis; Melhor comunicação com o público e potenciais doadores; Aumento no número de doações em até 50%; 8. Análise Final das Alternativas Segue abaixo a matriz de análise de viabilidade que é usada para determinar qual das alternativas é a mais viável. Viabilidade Peso Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3 Operacional 50% 5,0 8,0 10,0 Técnica 10% 9,0 7,0 7,0 Cronograma 10% 10,0 7,0 6,0 Econômica 30% 5,5 7,0 7,0 Final 100% 6,05 7,50 8,40 Tabela 2. Matriz de Análise de Viabilidade Como visto na tabela 2, pela análise de viabilidade e as notas a elas atribuídas, a terceira alternativa é a mais viável em relação as demais. Ela obteve vantagem na viabilidade operacional, adquirindo nota máxima e notas medianas nas demais avaliações, sendo esses os motivos pelos quais ela foi considerada a melhor alternativa. A média foi calculada considerando os pesos dados a cada viabilidade estudada. A viabilidade operacional foi considerada como o principal critério de avaliação e, por isso, ela recebeu o peso de 50%. A análise de Viabilidade Técnica obteve peso de 10%, porque todas as alternativas usam tecnologias existentes e consolidadas. Como a primeira alternativa só utiliza tecnologia na modelagem do processo, ela recebeu nota 9 por ser mais prática em relação as demais. A análise da Viabilidade de Cronograma recebeu peso de 10% porque o tempo não é um fator crítico no desenvolvimento e implantação das alternativas. A nota máxima foi dada a primeira alternativa porque ela possui um prazo menor. 12

13 Como essa organização se trata de uma ONG, ela não obtém lucro, entretanto, menos gastos são bem vindos. A análise de Viabilidade Econômica foi realizada com base nos custos do desenvolvimento de cada alternativa. 9. Recomendação e Considerações Finais Com os estudos de viabilidade expostos nesse trabalho, concluímos que a alternativa mais viável é a alternativa 3. Com o objetivo de melhorar o processo interno da ONG e ajudar a disseminar a arrecadação de computadores e componentes, a terceira alternativa é a recomendada. Ela abrange tanto o trabalho interno dos colaboradores, informatizando o processo, como também divulga o trabalho do Projeto CI para além de seus parceiros. Mesmo a alternativa 3 não obtendo todas as notas máximas, suas limitações, por exemplo, de tempo, não impediram que ela se tornasse a melhor alternativa. Com esse projeto, o Governo Federal oferece a comunidade uma oportunidade para um mundo informatizado, cheio de aprendizado e novas experiências. Com isso, é importante salientar que informatização é fundamental em qualquer instituição. 10. Apêndice A História e Visão Geral O Projeto Computadores para Inclusão foi criado em 2004 como parte da política de inclusão digital do Governo Federal. Coordenado pela Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - SLTI/MP, integrou as ações do Programa Inclusão Digital, integrante do Plano Plurianual de Aplicações (PPA). Em 2011, o Projeto CI iniciou seu processo de transição para a Secretaria de Inclusão Digital, criada na estrutura do Ministério das Comunicações, no qual está sendo integrado às ações de formação e demais programas e projetos sob responsabilidade do novo órgão. Os Computadores para Inclusão - CI promove a inclusão digital e a formação de jovens de baixa renda em situação de vulnerabilidade social com a oferta de oficinas, cursos, treinamentos e outras atividades formativas, com foco no recondicionamento e manutenção de equipamentos de informática, e na conscientização ambiental sobre os resíduos eletroeletrônicos. Os cursos são oferecidos por Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs). 13

14 O Centro de Recondicionamento de Computadores (CRC) é o espaço físico adaptado para a formação de jovens de baixa renda no processamento de equipamentos de informática usados, de modo a deixá-los em plenas condições de funcionamento. Os CRCs oferecem oportunidade de formação profissional para pessoas que vivem em seu arredor. Nos centros, jovens aprendem na prática a testar, consertar, limpar, configurar e embalar as máquinas. Os computadores prontos são doados a telecentros, bibliotecas e escolas públicas de todo o país. 11. Apêndice B - Contatos e Coleta de Informações Tivemos nosso primeiro contato com o Centro de Recondicionamento de computadores, o CRC Recife, através de uma reportagem, achamos o projeto interessante e resolvemos realizar uma visita. A primeira visita tinha o objetivo de conhecer o projeto mais de perto. Conhecemos as dependências do centro. E, posteriormente, nos foi apresentado os professores de programação, de eletrônica e por último o administrador chefe do centro, Sávio França. Então, vimos a possibilidade de realizarmos um projeto em conjunto para melhorar a qualidade do serviço prestado pelo CRC e a capacidade de produção do Centro. Visitas posteriores foram realizadas durante uma semana para realizar o processo de análise e para a elicitação dos requisitos. Foram realizadas entrevistas abertas com responsáveis pelos setores, como o administrador auxiliar responsável pelo controle do estoque, Dimas Ferreira, e também um maior contato com as turmas em treinamento para saber a opinião deles sobre possíveis mudanças no centro. 12. Apêndice C - Detalhamento do Estudo de Viabilidade Econômica 12.1 Alternativa 1 Para esta solução, o custo se resume ao salário de um mês de um analista de sistemas e o uso de computador com ferramentas de modelagem de processos de negócio. Este analista será responsável pela criação dos processos e treinamento dos stakeholders envolvidos. Para determinar o custo da utilização das ferramentas de modelagem, escolheuse a taxa de 20% ao ano de depreciação do software. Item Computador Valor (R$) R$2000,00 14

15 Sistema Operacional R$ 500,00 Ferramenta de modelagem de processos R$ 400,00 Total R$ 2900,00 Depreciação por ano (20%) R$ 580,00 Depreciação por mês R$ 48,33 Tabela 3. Custo de desenvolvimento Seguem então os custos totais para concluir esta solução, material e mão-deobra: Salário de Analista de Sistemas Júnior R$ 2.800,00 Utilização de material de desenvolvimento R$ 48,33 Total R$ 2848,33 Benefícios Como benefícios da padronização dos processos de estocagem e manutenção de computadores, o centro seria beneficiado com uma redução no número de peças extraviadas, aproveitando melhor as doações recebidas, e os relatórios gerados para as instituições que financiam o centro seriam mais confiáveis. O ganho em relação ao estado atual do centro não seria tão expressivo, visto que ainda haveria muito esforço em trabalhos manuais de documentação e controle Alternativa 2 Para desenvolver esta solução, será necessária uma equipe de três desenvolvedores e um analista de sistemas, como também uma equipe para implantação e mão-de-obra para instalar o cabeamento e dispositivos de rede. Logo, durante os primeiros dois meses de desenvolvimento, as despesas mensais seriam as seguintes: Mão-de-obra: Salário Analista de Sistemas Júnior R$ 2800,00 Salário Desenvolvedor Perl 1 R$ 2300,00 Salário Desenvolvedor Perl 2 R$ 2300,00 Salário Desenvolvedor Perl 3 R$ 2300,00 Total mensal R$ 9700,00 15

16 Tabela 4. Mão de Obra Utilização de hardware e software: Item Qtd. Valor unitário (R$) Valor total (R$) Computador , ,00 Sistema Operacional 4 300, ,00 Ferramentas de desenvolvimento* 3 0,00 0,00 Ferramentas de modelagem 1 400,00 400,00 Total ,00 Custo anual (20%) ,00 Custo mensal ,00 Tabela 5. Hardware e Software *As ferramentas escolhidas para desenvolvimento do sistema são gratuitas. Ao fim destes dois meses o sistema de controle interno estaria pronto. No terceiro mês, haveria aquisição e instalação da nova infraestrutura, como descrito na tabela abaixo: Custo de instalação de infraestrutura: Item Qtd. Valor unitário (R$) Valor total (R$) Servidor , ,00 Computadores terminais , ,00 Cabeamento de rede - 220,00 220,00 Switch 1 220,00 220,00 Modem roteador 1 200,00 200,00 Total ,00 Tabela 6. Instalação de infraestrutura Logo, os custos divididos por cada mês seriam os seguintes: Primeiro mês: Mão de obra R$ 9700,00 16

17 Utilização de material R$ 160,00 Total R$ 9860,00 Segundo mês Mão de obra R$ 9700,00 Utilização de material R$ 160,00 Total R$ 9860,00 Terceiro mês: Investimento em infraestrutura R$ 35140,00 Mão de obra para instalação R$ 2500,00 Treinamento feito pelo Analista de Sistemas (15 dias) R$ 1400,00 Total R$ 39040,00 Quarto mês: Treinamento feito pelo Analista de Sistemas (15 dias) R$ 1400,00 Custo de manutenção da infraestrutura (mensal) R$ 585,66 Total R$ 1985,66 Meses seguintes: Custo de manutenção da infraestrutura (mensal) R$ 585,66 O custo de manutenção foi calculado tomando como base a depreciação de 20% ao ano do valor do patrimônio em infraestrutura adquirido: Valor do patrimônio em infraestrutura R$ 35140,00 Custo de manutenção (20% ao ano) R$ 7028,00 Benefícios 17

18 Agora, com um sistema computacional que guarda todos os dados sobre peças recebidas, assim como destino de cada uma (descarte ou computador montado e doado), o centro possui relatórios muito mais ricos, precisos e confiáveis, aumentando a satisfação dos seus financiadores. Além disso, a produção do centro aumenta bastante, devido à eliminação de diversos passos que eram realizados manualmente Alternativa 3 Para esta solução, será necessária uma equipe de desenvolvimento Web Back- End em PHP, um analista de sistemas, um desenvolvedor Web Front-End e instalação de infraestrutura para implantar o sistema de controle interno. Durante os primeiros dois meses, seriam necessários três desenvolvedores back-end, um desenvolvedor front-end e um analista de sistemas para implementar o sistema de controle interno: Mão-de-obra: Salário Analista de Sistemas Júnior R$ 2800,00 Salário Desenvolvedor Back-End (PHP) R$ 2200,00 Salário Desenvolvedor Back-End (PHP) R$ 2200,00 Salário Desenvolvedor Back-End (PHP) R$ 2200,00 Salário Desenvolvedor Front-End R$ 2100,00 Total mensal R$ 11500,00 Tabela 7. Mão de Obra Durante estes dois meses, os desenvolvedores fariam uso dos seguintes materiais: Utilização de hardware e software: Item Qtd. Valor unitário (R$) Valor total (R$) Computador , ,00 Sistema Operacional 5 300, ,00 Ferramentas de desenvolvimento* 3 0,00 0,00 18

19 Ferramenta de design gráfico 1 120,00 120,00 Ferramenta de modelagem 1 400,00 400,00 Total ,00 Custo anual (20%) ,00 Custo mensal ,33 Tabela 8. Hardware e Software *As ferramentas escolhidas para desenvolvimento back-end são gratuitas. Após este período, seria iniciado o desenvolvimento do site externo, que duraria um mês e que necessitaria de menos desenvolvedores: dois desenvolvedores backend, outro front-end e nenhum analista de sistemas. Mão-de-obra: Salário Desenvolvedor Back-End (PHP) R$ 2200,00 Salário Desenvolvedor Back-End (PHP) R$ 2200,00 Salário Desenvolvedor Front-End R$ 2100,00 Total mensal R$ 6500,00 Tabela 9. Mão de Obra Durante este mês, os desenvolvedores fariam uso dos seguintes materiais: Utilização de hardware e software: Item Qtd. Valor unitário (R$) Valor total (R$) Computador , ,00 Sistema Operacional 3 300,00 900,00 Ferramentas de desenvolvimento* 2 0,00 0,00 Ferramenta de design gráfico 1 120,00 120,00 Total ,00 Custo anual (20%) ,00 Custo mensal ,00 19

20 Tabela 10. Hardware e Software *As ferramentas escolhidas para desenvolvimento back-end são gratuitas. Com o sistema de controle interno e site externo prontos, haveria aquisição e instalação da nova infraestrutura, idêntica à da alternativa 2, como descrito na tabela abaixo: Custo de instalação de infraestrutura: Item Qtd. Valor unitário (R$) Valor total (R$) Servidor , ,00 Computadores terminais , ,00 Cabeamento de rede - 220,00 220,00 Switch 1 220,00 220,00 Modem roteador 1 200,00 200,00 Total ,00 Tabela 11. Instalação de infraestrutura E para possuir um site para o público há os seguintes custos: Domínio.com.br 30,00/ano 2,50/mês Hospedagem 238,80/ano 19,90/mês Total 268,80/ano 22,40/mês Logo, os custos divididos pelos meses de desenvolvimento seriam os seguintes: Primeiro mês: Mão de obra R$ 11500,00 Utilização de material R$ 200,33 Total R$ 11700,33 Segundo mês: Mão de obra R$ 11500,00 Utilização de material R$ 200,33 Total R$ 11700,33 Terceiro mês: 20

21 Mão de obra R$ 6500,00 Utilização de material R$ 117,00 Total R$ 6617,00 Quarto mês: Investimento em infraestrutura R$ 35140,00 Mão de obra para instalação R$ 2500,00 Treinamento feito pelo Analista de Sistemas (15 dias) R$ 1400,00 Custos do site externo (mensal) R$ 22,40 Custo de manutenção da infraestrutura (mensal) R$ 585,66 Total R$ 39648,06 Quinto mês: Treinamento feito pelo Analista de Sistemas (15 dias) R$ 1400,00 Custos do site externo (mensal) R$ 22,40 Custo de manutenção da infraestrutura (mensal) R$ 585,66 Total R$ 2008,66 Meses seguintes: Custos do site externo (mensal) R$ 22,40 Custo de manutenção da infraestrutura (mensal) R$ 585,66 Total R$ 608,06 O custo de manutenção foi calculado tomando como base a depreciação de 20% ao ano do valor do patrimônio em infraestrutura adquirido: Valor do patrimônio em infraestrutura R$ 35140,00 Custo de manutenção (20% ao ano) R$ 7028,00 Benefícios Com esta alternativa, o centro não só aumenta a sua produtividade, satisfaz melhor seus financiadores com relatórios mais ricos, precisos e confiáveis, como também se relaciona melhor com seu público, possuindo um site para divulgação dos 21

22 seus serviços e cursos. O que aumentaria o número de doações de peças, e aumentaria a visibilidade do centro, possivelmente trazendo mais investimentos. Conclusão do Estudo de Viabilidade Econômica Na tabela abaixo, julgamos cada solução com duas notas de 1 a 10, uma para o custo e outra para os benefícios. A nota final deste estudo é a média aritmética entre estas duas notas. Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3 Primeiro mês R$ 2848,33 R$ 9860,00 R$ 11700,33 Segundo mês R$ 0,00 R$ 9860,00 R$ 11700,33 Terceiro mês R$ 0,00 R$ R$ 6617, ,00 Quarto mês R$ 0,00 R$ 1985,66 R$ 39648,06 Quinto mês R$ 0,00 R$ 585,66 R$ 2008,66 Total de custo R$ 2848,33 R$ 51471,32 R$ 71674,38 Nota Tabela 12. Comparação de custos Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3 Nota Tabela 13. Comparação de benefícios Alternativa 1 Alternativa 2 Alternativa 3 Média 5,5 7,0 7,0 Tabela 14. Comparação final 22

23 13. Apêndice D - Detalhamento do Estudo de Viabilidade Operacional Nesta seção faremos um estudo detalhado da viabilidade operacional das três alternativas, considerando a estrutura PIECES, a avaliação do usuário final e da gerência em relação à implementação do sistema Alternativa 1 Performance - Quanto à vazão (throughput), essa alternativa se mostra ineficiente, pois para cada etapa do processo, os funcionários deveriam preencher à mão vários documentos como o de cadastro de peças, recebimento do kit de peças da montagem, no qual muitas informações repetem-se com frequência. De maneira semelhante, o tempo de resposta para a consulta de peças no estoque seria inadequado, pois o operador de estoque deveria procurar em um grande volume de dados, a disponibilidade da peça. Informação - As informações fornecidas por um controle manual estão mais suscetíveis à inconsistências, devido a uma maior dificuldade de atualizar os status de uma peça, ou uma máquina que esteja sendo montada. O tempo para consultas, geração de relatórios para a coordenação do CRC, seria elevado. Economia - Os custos relativos ao um controle manual de todo o processo seriam relativamente pequenos, devido apenas à uma remodelagem nos processos de negócio da empresa. A análise econômica completa desta alternativa pode ser visualizada através do seu Estudo de Viabilidade Econômica. Controle - Essa alternativa trás um nível médio de segurança e corretude nas informações, pois cada etapa do processo é documentada. Porém, para garantir uma maior segurança nas informações, é necessário que apenas as pessoas credenciadas para manipular cada tipo de documento possam ter acesso aos mesmos. Eficiência - Por se tratar de um método manual, esta alternativa é menos eficiente que as demais, pois em alguns momentos, os funcionários devem pausar suas atividades para manter toda a documentação atualizada, além do grande esforço necessário para extrair informações úteis à coordenação do CRC. 23

24 Serviços - Caso aconteça alguma mudança nos processos do CRC, seria necessário apenas de uma remodelagem do processo de negócios para as partes afetadas. Logo, podemos dizer que ela é flexível. Para o usuário final esse sistema, seria ineficiente, pois seria necessário um grande volume de trabalho manual, ao documentar o processo de aquisição de doações, expedição de peças à montagem. Já para a gerência esse sistema não seria eficiente no sentido de fazer o levantamento de informações úteis a relatórios a serem expedidos ao governo, sendo necessário um grande esforço e tempo para isso Alternativa 2 Performance - Quanto à vazão (throughput), essa alternativa se mostra eficiente, pois no cadastro de peças, por exemplo, muitas informações se repetem, e isso poderia ser otimizado usando um sistema web de controle. O tempo de resposta do sistema se mostra satisfatório, pois o acesso à informação estaria disponível em tempo real. Informação - Como nesta alternativa os dados estariam armazenados numa Base de Dados, teríamos uma garantia na qualidade da informação, estando sempre atualizadas, integradas, e com um tempo de resposta adequado. Economia - Os custos relativos a esta alternativa constituem-se basicamente no desenvolvimento de um sistema web para o controle dos processos internos e a aquisição dos equipamentos de infraestrutura necessários para a implantação. Em contrapartida, os processos seriam mais automatizados, necessitando de menos funcionários para geri-lo. A análise econômica completa desta alternativa pode ser visualizada através do seu Estudo de Viabilidade Econômica. Controle - Como as informações sobre o estoque das peças, e o fluxo das mesmas durante o processo de montagem de computadores, estão registradas no sistema, apenas por pessoas credenciadas para tais atividades, o controle de informação seria eficaz, podendo evitar fraudes no sistema, como o desvio de peças. Eficiência - Por se tratar de um método eletrônico, através de um sistema web, os recursos seriam utilizados ao máximo, deixando que atividades mais mecânicas, como o levantamento de um relatório, fossem executadas pelo sistema. Com isso, alguns funcionários poderiam ser alocados para outras áreas, ou até mesmo poderia haver uma redução no número de pessoas. 24

25 Serviços - Caso aconteça alguma mudança nos processos do CRC, seria necessário apenas de uma alteração no sistema web e um novo treinamento para as novas funcionalidades do sistema. Logo, podemos dizer que ela é uma solução flexível. Para o usuário final esse sistema, seria eficiente, pois seria necessário o processo de cadastro de aquisição de peças seria mais rápido, assim como uma consulta da disponibilidade de uma peça no estoque. Já para a gerência esse sistema seria útil ao ter todo o controle das peças no estoque, assim como o funcionário responsável pela montagem dos computadores, e também seria possível fazer um relatório de maneira rápida e consistente Alternativa 3 Performance - Quanto à vazão (throughput), essa alternativa se mostra eficiente, pois no cadastro de peças, por exemplo, muitas informações se repetem, e isso poderia ser otimizado usando um sistema web de controle. O tempo de resposta do sistema se mostra satisfatório, pois o acesso a informação estaria disponível em tempo real. Informação - Como nesta alternativa os dados estariam armazenados numa Base de Dados, teríamos uma garantia na qualidade da informação, estando sempre atualizadas, integradas, e com um tempo de resposta adequado. Economia - Os custos relativos à esta alternativa constituem-se basicamente no desenvolvimento de um sistema para o controle dos processos internos, e portal web e a aquisição dos equipamentos de infraestrutura necessários para a implantação. Em contrapartida, os processos seriam mais automatizados, necessitando de menos funcionários para geri-lo. Existiria também um aumento tanto na produtividade e no volume de doações. A análise econômica completa desta alternativa pode ser visualizada através do seu Estudo de Viabilidade Econômica. Controle - Como as informações sobre o estoque das peças, e o fluxo das mesmas durante o processo de montagem de computadores, estão registradas no sistema, apenas por pessoas credenciadas para tais atividades, o controle de informação seria eficaz, podendo evitar fraudes no sistema, como o desvio de peças. Outro benefício é que através do portal, a população em geral poderia ter acesso à algumas informações, podendo visualizar informações a respeito das doações e do processo de recondicionamento, fazendo uma espécie de auditoria. Eficiência - Por se tratar de um método eletrônico, através de um sistema web, os recursos seriam utilizados ao máximo, deixando que atividades mais mecânicas, como 25

26 o levantamento de um relatório, fossem executadas pelo sistema. Com isso, alguns funcionários poderiam ser alocados para outras áreas, ou até mesmo poderia haver uma redução no número de pessoas. Serviços - Caso aconteça alguma mudança nos processos do CRC, seria necessário apenas de uma alteração no sistema web e um novo treinamento para as novas funcionalidades do sistema. Logo, podemos dizer que ela é uma solução flexível. Para o usuário final esse sistema, seria eficiente, pois o processo de cadastro de aquisição de peças seria mais rápido, assim como uma consulta da disponibilidade de uma peça no estoque, bem como divulgação dos CRC mais próximos para um doação, além de ter informação relativas a transparência no processo de recondicionamento de computadores. Já para a gerência, esse sistema seria útil ao ter todo o controle das peças no estoque, assim como o funcionário responsável pela montagem dos computadores, também seria possível fazer um relatório de maneira rápida e consistente, e com uma maior divulgação, maior o número de doações, e de jovens interessados a participar do programa, aumentado assim, a produtividade do CRC. 13. Apêndice E Avaliação da Equipe 26

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Estudo de Viabilidade GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Recife, 20 de Janeiro de 2012 1 Sumário 1. Motivação... 3 2. Problema identificado...

Leia mais

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Plano de Projeto Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 07/04/2010 1.0 Criação da primeira versão do Plano

Leia mais

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Dezembro/2010 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática - Indicadores

Leia mais

www.computadoresparainclusao.gov.br

www.computadoresparainclusao.gov.br Fevereiro/2011 Eixos da Política de Inclusão Digital ESCOLAS PÚBLICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS Investimento em Conexão, Equipamentos, Recursos Humanos e Capacitação Processo de Avaliação Sistemática -

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Equipe (Ciência da Computação): Airton Sobral (asds) Alan Gomes (aga) Glauco Roberto (grps)

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Projeto InfoSupply Professora: Carla Silva Recife, 28 de Outubro de 2012. Controle de Versões Versão Responsável pela modificação Modificação realizada Sumário 1. Motivação... 1 2.

Leia mais

Software. Gerenciamento de Manutenção

Software. Gerenciamento de Manutenção Software Gerenciamento de Manutenção Importância de um Software de Manutenção Atualmente o departamento de manutenção das empresas, como todos outros departamentos, necessita prestar contas de sua atuação

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

CONCEPCIONISTAS MISSIONÁRIAS DO ENSINO SETOR: TECNOLOGIA MANUAL DE PROCESSOS

CONCEPCIONISTAS MISSIONÁRIAS DO ENSINO SETOR: TECNOLOGIA MANUAL DE PROCESSOS CONCEPCIONISTAS MISSIONÁRIAS DO ENSINO SETOR: TECNOLOGIA MANUAL DE PROCESSOS 110 SETOR: TECNOLOGIA Nº DOC.: FOLHA:02/16 MATRIZ DE PROCESSOS E ATIVIDADES APROVADO POR: Ir. 25/03/2010 REVISÃO: 13/09/2013

Leia mais

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS

gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS gesacad GESTÃO ACADÊMIDA DE ESCOLAS Mais de uma década de experiência e evolução é o que dá ao sistema uma vasta gama de funcionalidades. Esse conhecimento que faz total diferença para sua empresa. xp+

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings

Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Estudo de Viabilidade Projeto de promoções dirigidas em shoppings Professora: Carla Taciana (ctlls@cin.ufpe.br)

Leia mais

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS

Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO. Curso: Gestão da Tecnologia da Informação. Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS Autores/Grupo: TULIO, LUIS, FRANCISCO e JULIANO Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Professor: ITAIR PEREIRA DA SILVA GESTÃO DE PESSOAS ORGANOGRAMA FUNCIANOGRAMA DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Informática - CIn Estudo de Viabilidade Congretz Recife, Novembro de 2013 1 Equipe Anderson Luiz (alfr) Eduardo Macedo (erbm) José Araújo (jasn) Rodolfo

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Estudo de Viabilidade CondoMine. Recife, outubro de 2012 Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco

Estudo de Viabilidade CondoMine. Recife, outubro de 2012 Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco Estudo de Viabilidade CondoMine Recife, outubro de 2012 Centro de Informática, Universidade Federal de Pernambuco SUMÁRIO Motivação... 4 1. Introdução... 5 2. Apresentação das Alternativas para o Sistema...

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade Desenvolvimento de Sistema Web de Auxílio a Treinos Físicos (Personal Trainer Virtual) Curso de Ciência da Computação Centro de Informática - UFPE 23/10/2012 Prof. Carla Silva Sumário

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Simplificando a TECNOLOGIA

Simplificando a TECNOLOGIA 3 Simplificando a TECNOLOGIA SEGURANÇA DESENVOLVIMENTO BANCO DE DADOS S O L U Ç Õ ES E M T E C N O L O G I A MISSÃO VISÃO Contribuir com o sucesso dos Clientes através da Ser a melhor provedora de Soluções

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade WorkerTraining Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Silva Cynthia Raphaella, Húgaro Bernardino, Jéssica Barbalho e Wellton Thiago Recife, 20/01/2013

Leia mais

Padronize sua atividade de arrecadação com

Padronize sua atividade de arrecadação com Padronize sua atividade de arrecadação com ATM Eu Penso ATM é um software que funciona totalmente na internet, disponível pra você com pagamento de mensalidade muito acessível ou outras modalidades de

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Soluções em Documentação

Soluções em Documentação Desafios das empresas no que se refere à documentação de infraestrutura de TI Realizar e manter atualizado o inventário de recursos de Hardware e software da empresa, bem como a topologia de rede Possuir

Leia mais

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística

SUMÁRIO. Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: Coordenação de Qualidade e Meio Ambiente. Gerência Suprimentos e Logística Suprimentos e Logística Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA / NÍVEL DE DISTRIBUIÇÃO... 2 3 SIGLAS UTILIZADAS... 2 4 GLOSSÁRIO / CONCEITOS... 2 5 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 3 6 CONTEÚDO...

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Empresa: Scitum Funcionários: 450+ EMPRESA Empresa

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

*Os usuários devem possuir um CMA ou um Resource Manager registrado de modo a ativar as capacidades de geração de relatórios.

*Os usuários devem possuir um CMA ou um Resource Manager registrado de modo a ativar as capacidades de geração de relatórios. DESCRITIVO DE SERVIÇOS Serviço Advantage O Serviço Advantage é uma oferta de suporte que proporciona assistência técnica telefônica prioritária 24x7 para clientes de porte médio e corporativos que tenham

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares.

Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Retorno do investimento com aplicativos empresariais em celulares. Introdução A simulação do retorno sobre o investimento (do inglês ROI return on investment) tem sido utilizada como importante ferramenta

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro UGB

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br. Prof. José Maurício S. Pinheiro UGB PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br O Custo Total de Propriedade d (TCO) Prof. José Maurício S. Pinheiro UGB O custo da infra-estrutura 5% ou menos do orçamento total do projeto de uma rede de comunicação

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS

CATÁLOGO DE SERVIÇOS Partner MASTER RESELLER CATÁLOGO DE SERVIÇOS SUPORTE TÉCNICO in1.com.br Explore Mundo! seu Conteúdo 1 - Objetivo 2 - Serviços prestados por meio do contrato de manutenção e suporte anual 2.1 - Primeira

Leia mais

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC

AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DO QUADRO DE SERVIDORES DA COTEC MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA Coordenação-Geral de Administração e Tecnologia da Informação Coordenação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M 1. Introdução a política 2. Quem está elegível para solicitar suporte? 3. Horário de atendimento 4. Que tempo de resposta

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISPA FACULDADE SENAC Edilberto Silva 1, André Luiz (1012545), Andreia Pereira da Silva (1012547) Carlos Alberto (1012206), Humberto César de Carvalho

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC Configurador Automático e Coletor de Informações Computacionais GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO software livre desenvolvido pela Dataprev Sistema de Administração

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos

Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO BX MRO. Brochura. Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Brochura BX MRO Soluções baseadas no SAP Business One BX MRO Gestão de Manutenção, Reparo e Revisão de Equipamentos Manutenção, Reparo & Revisão para SAP Business One Esta combinação de SAP Buisness One

Leia mais

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança + Conformidade Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança e Conformidade via Software-as-a-Service (SaaS) Hoje em dia, é essencial para as empresas administrarem riscos de segurança

Leia mais

Processo: Vender Produto

Processo: Vender Produto Pág. 1/5 Nome da Empresa Cliente: Acme Computadores Responsável Cliente: Dono do Projeto Consultor: Nome Consultor Data: Nome do Projeto: Processo de Venda de Produtos Entrevistados Perfil Consultores

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DIRETRIZES GERAIS... 3 3 PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DAS UNIDADES... 4 3.1 Módulo Conceitual - Diretrizes

Leia mais

Por que Office 365? Office 365 Por que usar?

Por que Office 365? Office 365 Por que usar? Por que Office 365? Office 365 Por que usar? POR QUE OFFICE 365? Olá. Nesse guia, vamos tratar de um serviço que está sendo extremamente procurado por executivos e especialistas em TI das empresas: o Office

Leia mais

Prévia Apresentação. A E-Assis atua no mercado há mais de 10 anos e conta com mais de 1.000 clientes satisfeitos com as soluções web desenvolvidas.

Prévia Apresentação. A E-Assis atua no mercado há mais de 10 anos e conta com mais de 1.000 clientes satisfeitos com as soluções web desenvolvidas. Prévia Apresentação Um pouco mais sobre a E-Assis A E-Assis atua no mercado há mais de 10 anos e conta com mais de 1.000 clientes satisfeitos com as soluções web desenvolvidas. Nosso objetivo é fazer com

Leia mais

Wisurf - Central de Dominio 011 34611171 (www.wisurf.com.br)

Wisurf - Central de Dominio 011 34611171 (www.wisurf.com.br) Vários modelos de aplicação O sistema e controlado via WEB Sistema SLP WiSurf Internet controlada para locais públicos. O melhor sistema de controle de internet utilizado pelas grandes redes hoteleira

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP Política de Informática CCRP Índice 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 2. ESPECIFICAÇÃO E AQUISIÇÃO DE NOVOS EQUIPAMENTOS... 2 3. INSTALAÇÃO DE SOFTWARES... 2 4. DESENVOLVIMENTO, MANUTENÇÃO E BACKUP DE SISTEMAS

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

Suporte Técnico. A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA

Suporte Técnico. A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA Suporte Técnico A ZRCR Informática presta suporte técnico, via telefone, e-mail ou Skype diretamente aos usuários do E-GESTAOBELEZA Horário de Atendimento De segunda-feira à sexta-feira das 09:00 ás 19:00

Leia mais

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência 2 Serviços para gerenciar o ciclo de vida dos inversores de média

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Lista de exercícios 01

Lista de exercícios 01 PARTE I Lista de exercícios 01 1. Defina os seguintes termos: entidade, atributo, valor do atributo, atributo composto, atributo multivalorado, atributo derivado, atributo-chave, domínio. 2. Explique as

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos

Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Melhores práticas no planejamento de recursos humanos Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Preparando a força de trabalho para o futuro Planejamento de recursos humanos

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais