CONCURSO PÚBLICO 27. MÉDICO I PNEUMOLOGIA INFANTIL PREFEITURA MUNICIPAL DE SOROCABA. Conhecimentos Gerais e Conhecimentos Específicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO 27. MÉDICO I PNEUMOLOGIA INFANTIL PREFEITURA MUNICIPAL DE SOROCABA. Conhecimentos Gerais e Conhecimentos Específicos"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE SOROCABA CONCURSO PÚBLICO 27. MÉDICO I PNEUMOLOGIA INFANTIL Conhecimentos Gerais e Conhecimentos Específicos INSTRUÇÕES VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DEFINITIVA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO CONTENDO 50 QUESTÕES OBJETIVAS. CONFIRA SEU NOME E NÚMERO DE INSCRIÇÃO NA CAPA DESTE CADERNO. LEIA CUIDADOSAMENTE AS QUESTÕES OBJETIVAS E ESCOLHA A RESPOSTA QUE VOCÊ CONSIDERA CORRETA. ASSINALE, NA TIRA DE RESPOSTAS DA CAPA DESTE CADERNO, A ALTERNATIVA DE SUA OPÇÃO. RESPONDA A TODAS AS QUESTÕES. ASSINALE NA FOLHA DEFINITIVA DE RESPOSTAS, COM CANETA DE TINTA AZUL OU PRETA, A ALTERNATIVA QUE JULGAR CERTA. A DURAÇÃO DA PROVA É DE 3 HORAS. A SAÍDA DO CANDIDATO DO PRÉDIO SERÁ PERMITIDA APÓS TRANSCORRIDA 1 HORA DO INÍCIO DA PROVA. AO TERMINAR A PROVA, VOCÊ ENTREGARÁ AO FISCAL A FOLHA DEFINITIVA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO DE QUESTÕES. AGUARDE A ORDEM DO FISCAL PARA ABRIR ESTE CADERNO DE QUESTÕES

2

3 CONHECIMENTOS GERAIS 01. A Constituição Federal estabelece, dentre outras competências, para os entes federativos: I. zelar pela guarda da Constituição, das leis e das instituições democráticas e conservar o patrimônio público; II. cuidar da saúde e assistência pública, da proteção e garantia das pessoas portadoras de deficiência; III. proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas; IV. promover programas de construção de moradias e a melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico; V. organizar, manter e executar a inspeção do trabalho. São de competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios apenas os itens (A) I, II, III e IV. (B) I, II, III e V. (C) I, II, IV e V. (D) I, III, IV e V. (E) II, III, IV e V. 02. Por determinação constitucional, compete aos Municípios, não exclusivamente, prestar serviços de atendimento à saúde da população. Ainda, segundo o texto constitucional, essa prestação deve ser feita (A) com recursos técnicos e financeiros exclusivos do município. (B) com a cooperação técnica e financeira exclusiva da União. (C) com a cooperação técnica e financeira exclusiva do Estado. (D) com a cooperação técnica e financeira da União e do Estado. (E) com a cooperação técnica e financeira da União, do Estado e de organismos internacionais. 03. Em nosso país, as ações e serviços de saúde são considerados de relevância pública e devem ser organizados de acordo com as seguintes diretrizes: (A) prevenção, assistência e reabilitação. (B) universalidade, eqüidade e integralidade. (C) gratuidade, universalidade e eqüidade. (D) universalidade, gratuidade e integralidade. (E) descentralização, atendimento integral e participação da comunidade. 04. Um trabalhador procura uma unidade de saúde municipal com suspeita de doença ocupacional e solicita informações sobre eventuais riscos no seu ambiente de trabalho que sejam de conhecimento da vigilância sanitária. Com base na Lei Orgânica do Município de Sorocaba, a conduta correta é: (A) encaminhar o trabalhador para o serviço médico da empresa onde ele trabalha, pois é dela a responsabilidade pela assistência dos agravos de origem ocupacional, e fornecer as informações sobre os riscos. (B) encaminhar o trabalhador para o serviço médico da empresa onde ele trabalha, pois é dela a responsabilidade pela assistência dos agravos de origem ocupacional, e não fornecer as informações em respeito aos princípios do sigilo da vigilância sanitária. (C) prestar assistência ao trabalhador, e fornecer as informações sobre os riscos. (D) prestar assistência ao trabalhador, e não fornecer as informações em respeito aos princípios do sigilo da vigilância sanitária. (E) prestar assistência ao trabalhador, e encaminhá-lo para a sub-delegacia regional do trabalho, pois é dela a responsabilidade pela fiscalização dos ambientes de trabalho. 05. Com relação à política de recursos humanos do Sistema Único de Saúde SUS, é correto afirmar que (A) os cargos e funções de chefia, direção e assessoramento poderão ser exercidos em regime de tempo integral ou parcial. (B) é valorizada a dedicação exclusiva aos serviços do SUS. (C) os servidores não poderão exercer suas atividades em mais de um estabelecimento do SUS. (D) qualquer servidor poderá exercer suas atividades em mais de um estabelecimento do SUS, desde que haja compatibilidade de horário entre as jornadas de trabalho. (E) tem como um de seus objetivos a organização de um sistema de formação de recursos humanos em todos os níveis de ensino, exceto de pós-graduação. 06. Com relação ao Conselho Municipal de Saúde, é correto afirmar que (A) constitui-se na única instância colegiada do SUS com caráter deliberativo. (B) é constituído exclusivamente por representantes do governo, profissionais de saúde e usuários. (C) atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde do município, inclusive nos aspectos econômicos e financeiros. (D) suas decisões independem de homologação pelo chefe do poder legalmente constituído na esfera municipal. (E) tem sua organização e normas de funcionamento definidas em regimento próprio, aprovadas pelo Conselho Estadual de Saúde. 3 PMS/27-Méd-I-PneumologiaInfantil

4 07. A Norma Regulamentadora para serviços de saúde do Ministério do Trabalho e Emprego classifica um agente biológico com risco individual elevado para o trabalhador e com probabilidade de disseminação para a coletividade, podendo causar doenças e infecções graves ao ser humano, para as quais nem sempre existem meios eficazes de profilaxia ou tratamento como sendo da (A) Classe de risco 1. (B) Classe de risco 2. (C) Classe de risco 3. (D) Classe de risco 4. (E) Classe de risco Num hipotético grupo populacional constituído por pessoas, registrou-se, ao longo de um ano, 10 casos novos de câncer de próstata. O coeficiente de incidência dessa patologia, nesse período, é: (A) 0,5 por mil. (B) 1 por mil. (C) 10 por mil. (D) 20 por mil. (E) impossível de ser calculado somente com os dados apresentados. 09. Um sistema de vigilância epidemiológica com altas taxas de diagnósticos falso-positivos e verdadeiro-positivos tem especificidade (A) baixa e sensibilidade alta. (B) baixa e sensibilidade baixa. (C) alta e sensibilidade baixa. (D) alta e sensibilidade alta. (E) alta e eficácia alta. 10. De acordo com a normatização do sistema de notificação compulsória de doenças no Estado de São Paulo, é correto afirmar que (A) só devem ser notificados os casos confirmados. (B) todo acidente por animal peçonhento deve ser notificado. (C) o tétano neonatal é de notificação, mas não o acidental. (D) os casos suspeitos de Síndrome da Imunodeficiência Adquirida AIDS devem ser notificados. (E) somente os gestores estaduais e federal do SUS podem acrescentar novos agravos à lista de notificação. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 11. São agentes etiológicos das pneumonias congênitas, pneumonia intra-uterina e na 1.ª semana de vida, pneumonia após a 1.ª semana de vida e pneumonia intersticial respectivamente: (A) Treponema pallidum, Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Chlamydia trachomatis. (B) Escherichia coli, Streptococcus pneumoniae, Ureaplasma urealyticum, vírus da rubéola. (C) Micoplasmas, vírus sincicial respiratório, Escherichia coli, Toxoplasma gondii. (D) Bordetella pertusis Treponema pallidum, Toxoplasma gondii, Pneumocistis carinni. (E) Adenovírus, varicela, Listéria monocytogenes, bacilos gram negativos. 12. O trato respiratório inferior mantém-se livre de partículas orgânicas e inorgânicas por vários mecanismos. Dentre eles estão: (A) filtração aerodinâmica de partículas, reflexo da tosse, clearence mucocliar e anel de Waldeyer. (B) broncoespasmo, alfa-1-antitripsina, complemento e pneumócitos do tipo II. (C) filtração aerodinâmica de partículas, lisozima, imunoglobulinas e mastócitos. (D) cílios pulmonares, macrófagos alveolares, lactoferrina e pneumócitos do tipo I. (E) espirros, tosse, complemento e IgE. 13. Na Doença das Membranas Hialinas, a manutenção da ventilação e oxigenação aceitáveis é fundamental. Pode-se dizer que (A) o uso de CPAP se impõe na maioria dos casos. (B) se indica ventilação mecânica na hipoventilação acentuada, PaCO2 65 mmhg e ph < 7,25. (C) se houver insucesso na oxigenação com capacetes de O 2, deve-se instituir ventilação mecânica com aparelhos microprocessados. (D) são preferidos os ventiladores ciclados a pressão. (E) deve-se evitar o uso de PEEP pelo risco de barotrauma. 14. Na faringite aguda, (A) a presença de secreção purulenta nas amídalas é diagnóstica da etiologia por estreptococos. (B) o uso da penicilina vem sendo questionado pelo encontro de resistência pelo estreptococo. (C) a reinfecção deve ser tratada com cefalosporinas e a recidiva, com penicilina oral. (D) a presença de cultura positiva para estreptococo do grupo A não é confirmadora da etiologia da infecção. (E) os portadores sãos devem ser tratados com antibióticos, visando à erradicação das bactérias. PMS/27-Méd-I-PneumologiaInfantil 4

5 15. Predispõe à sinusite em crianças: (A) síndrome de Kartagener, síndrome de Down e asma. (B) deficiência de alfa-1-antitripsina, natação e desvio do septo. (C) reação idiossincrática à aspirina, fibrose cística e bronquiectasias. (D) infecção dentária, deficiência de imunoglobulinas e bronquiolite. (E) rinite, atresia de coana e eosinofilia. 16. É verdadeira, em relação às doenças obstrutivas agudas das vias aéreas superiores, a afirmação: (A) a traqueostomia é preferida à intubação orotraqueal pelo risco de estenose na área inflamada. (B) a laringite espasmódica costuma ser precedida de IVAS, com quadro de febre alta e toxemia. (C) a laringotraqueobronquite aguda é causada pelo Haemophilus influenzae tipo B. (D) o uso de antibióticos está sempre indicado, pois essas doenças são devidas a causas infecciosas. (E) na suspeita de epiglotite deve-se evitar o exame de orofaringe e a laringoscopia pelo risco de espasmo agudo da glote. 17. Nas bronquites, (A) a etiologia bacteriana é mais prevalente. (B) na maioria das vezes, deve-se tratar com antibióticos e corticoesteróides. (C) a bronquite crônica deve ser avaliada quanto a causas predisponentes, como fibrose cística, uso de fogão à lenha, tabagismo na família. (D) a causa é relacionada à asma, denominando-se bronquite asmática. (E) a etiologia por vírus sincicial respiratório não é importante. 18. Criança com 6 meses de idade iniciou, há 48 horas, um quadro de febre baixa, coriza e tosse, evoluindo com tosse mais intensa, tiragem discreta e sibilância. Após admissão no hospital, evolui com piora do quadro clínico, uso de musculatura acessória, sibilância expiratória e crepitação inspiratória, freqüência respiratória de 58 mpm. Em relação ao diagnóstico e à conduta terapêutica, pode-se dizer que se trata de (A) bronquiolite aguda viral, devendo ser administrado oxigênio e, se necessário, suporte ventilatório, hidratação e, eventualmente, corticóides. (B) uma crise de asma, sendo fundamental o tratamento com corticóides, broncodilatadores e suporte ventilatório, se necessário. (C) pneumonia bacteriana, devendo ser administrados antibiótico, oxigenioterapia e suporte ventilatório, se necessário. (D) bronquiolite aguda viral, devendo ser administrados corticóides, broncodilatadores, antibióticos e oxigênio. (E) asma associada a infecção respiratória, devendo ser administrados corticóides, broncodilatadores, antibióticos e oxigênio. 19. A bronquiolite obliterante é uma desordem bronquiolar com destruição da mucosa e preenchimento do lúmen por tecido fibroso. Sobre essa doença, é correto afirmar: (A) o uso de corticóides está estabelecido nas fases instaladas da doença. (B) seu diagnóstico é fortemente sugerido pelo encontro de áreas em atenuação em mosaico na TC de tórax. (C) apenas a ventilação pulmonar está afetada, estando a perfusão mantida. (D) a coexistência com bronquiectasias é rara. (E) a etiologia em crianças é sempre pós-viral. 20. Em relação à pneumonia bacteriana da criança, é correto afirmar que (A) o Mycoplasma é um importante patógeno nas crianças menores de 5 anos. (B) como o pneumococo vem apresentando aumento da resistência à penicilina, o uso do ceftriaxone está indicado. (C) na pneumonia por S. aureus, a duração da antibioticoterapia deve ser de 14 dias. (D) a pneumonia pelo Haemophilus influenzae, geralmente se apresenta como pneumonia lobar. (E) a sua patogênese provém, na maioria das vezes, por aspiração de secreções infectadas das vias aéreas superiores. 21. Com relação à pneumonia viral aguda na criança, pode-se dizer que (A) a identificação viral não é importante, pois não há tratamento específico. (B) a sua patogênese provém, na maioria das vezes, por aspiração de secreções infectadas das vias aéreas superiores. (C) os principais vírus que acometem o trato respiratório inferior são: adenovírus, vírus sincicial respiratório, vírus parainfluenza e rinovírus. (D) as atelectasias e a hiperinsuflação pulmonar são mais freqüentes nas crianças pequenas. (E) o interstício pulmonar é poupado. 22. Em uma criança com pneumonite por vírus do sarampo, (A) deve-se isolar o paciente enquanto persistir a tosse, pois existe o risco de transmissão. (B) as crianças com imunidade humoral deprimida têm evolução pior do que as com imunidade celular deprimida. (C) na pneumonia bacteriana secundária, o enfoque terapêutico deve ser contra o pneumococo e o Haemophillus influenzae, uma vez que o estafilococo não é importante nessa situação. (D) a pneumonite do sarampo é relativamente rara, sendo encontrada em menos de 10% dos sarampos de evolução normal. (E) o achado gasométrico mais comum é a hipoxemia associada à hipocapnia. 5 PMS/27-Méd-I-PneumologiaInfantil

6 23. Na pneumonite da varicela, (A) a imunização passiva (gamaglobulina) é indicada para adolescentes e adultos susceptíveis, crianças imunocomprometidas, prematuros < 28 semanas, prematuros com > 28 semanas, de mães que tiveram varicela, e recémnascidos de mães que tiveram varicela até dois dias depois do parto. (B) a incidência da pneumonite na varicela é alta, chegando a 60%. (C) o tratamento inclui, além de suporte clínico e oxigenioterapia, antibióticos nas infecções secundárias, não havendo tratamento específico. (D) o quadro radiológico é de broncopneumonia. (E) os títulos de IgG, IgM e de IgA específicos anti-vzv, correlacionam-se com a gravidade da doença. 24. Sobre a pneumonite por citomegalovírus, é correto afirmar que, (A) a imunidade contra o CMV após o contágio inicial é definitiva. (B) a pneumonite pelo CMV na infecção congênita é a principal causa de letalidade. (C) apesar da prevalência da pneumonite por CMV nos pacientes com AIDS, o significado patogênico desta infecção é discutível. (D) a demonstração do vírus em amostras de tecido geralmente não é necessária nos transplantados de medula, uma vez que a sorologia é suficiente para o diagnóstico. (E) o tratamento da pneumonite por citomegalovírus nos transplantados de medula óssea se dá com altas doses de imunoglobulina endovenosa, associado a suporte clínico. 25. Sobre os derrames pleurais, é correto afirmar que (A) o tratamento do derrame pleural infeccioso depende do estágio do empiema. (B) em crianças com menos de dois anos, o tratamento antibiótico inicial do derrame pleural infeccioso deve haver cobertura para o pneumococo, haemophillus e estafilococo. (C) para se diferenciarem transudatos de exsudatos utilizam-se os critérios de Light, em que se avaliam os níveis no derrame e plasmáticos do ph, da glicose, das proteínas e do DHL. (D) no derrame pleural tuberculoso, encontra-se um exsudato linfocítico com abundantes mesoteliócitos. (E) têm sido observado aumento na incidência dos derrames pleurais por pneumococo e redução por estafilococo. 26. Sobre os abscessos pulmonares, pode-se afirmar que (A) os abscessos relacionados à compressão brônquica costumam ser em segmentos posteriores dos lobos inferiores. (B) os abscessos causados por embolia séptica costumam ser múltiplos e localizados em lobos inferiores. (C) os abscessos secundários à aspiração costumam ser localizados na língula e no lobo médio. (D) o principal patógeno causador de abscessos pulmonares em crianças são as bactérias anaeróbias. (E) a indicação da broncoscopia se dá, principalmente, para colheita de material, com a finalidade de estudo microbiológico. 27. São causas de bronquiectasias: (A) deficiência de alfa-1-antitripsina, pneumonias e bronquite aguda. (B) tuberculose, amidalite e síndrome de Mounier-Kuhn. (C) fibrose cística, síndrome sinusobronquial e epiglotite. (D) aspiração de corpo estranho, síndrome de Kartagener, deficiência seletiva de Ig A. (E) asma, sarampo e laringite aguda. 28. Deve-se suspeitar de tuberculose na criança diante da seguinte forma clínica: (A) na pneumonia alveolar, associada a alargamento mediastinal ipsilateral. (B) no derrame pleural. (C) nas pneumonias com grave comprometimento do estado geral. (D) em crianças com tosse, e PPD > 5mm. (E) nas pneumopatias crônicas, independentemente da epidemiologia. 29. Na coqueluche, é característico em relação aos sintomas, diagnóstico e tratamento: (A) congestão facial associada a crises de tosse, condensação ao RX de tórax e clindamicina. (B) tosse paroxística, hiperinsuflação pulmonar e ceftriaxone. (C) broncoespasmo, sorologia por ELISA e vancomicina. (D) guincho característico ao final da tosse, leucocitose com linfocitose e eritromicina. (E) apnéias, leucocitose com desvio à esquerda e gamaglobulina. PMS/27-Méd-I-PneumologiaInfantil 6

7 30. No quadro clínico típico da pneumonia por Mycoplasma encontra-se (A) a miringite bolhosa é uma manifestação articular associada ao Mycoplasma. (B) associação freqüente com encefalite e miocardite. (C) quadro de febre e tosse arrastado, associado a dor de garganta e, eventualmente, otalgia. (D) não há associação a infecção por Mycoplasma com exantema. (E) uma pneumonia de rápida evolução, freqüentemente fatal. 34. Quanto à patogenia da asma, pode-se dizer que (A) é uma desordem com hiperexpressão do fenótipo linfócito Th1 e produção de interleucina 2 e interferon γ. (B) a via do ácido araquidônico não está envolvida. (C) a imunoglobulina E age apenas em receptores de linfócitos, não agindo em mastócitos. (D) é uma desordem com hiperexpressão do fenótipo linfócito Th2, e produção de interleucinas 4,5 e 13. (E) apresenta hipersensibilidade imediata mediada pelos eosinófilos e hipersensibilidade tardia mediada pelos mastócitos. 31. Na pneumonia por Chlamydia trachomathis, (A) apresenta alta morbi-mortalidade. (B) o tratamento no período neonatal é feito com sulfas, estando contra-indicada a eritromicina. (C) a detecção de antígenos geralmente não auxilia no diagnóstico. (D) o quadro radiológico é de pneumonia lobar. (E) a contaminação é geralmente pelo canal de parto, e a infecção manifesta-se da 3.ª a 16.ª semana de vida. 32. Em relação à pneumonia por P. carinii, é correto afirmar: (A) o diagnóstico é clínico-radiológico, uma vez que não se consegue visualizar ou isolar o agente causador. (B) apresenta-se ao RX de tórax como pneumonia alveolar difusa bilateral, e o derrame pleural é raro. (C) indica-se profilaxia em crianças com CD4 < 200 mm³, independentemente da faixa etária. (D) apresenta baixa taxa de letalidade. (E) o quadro clínico é semelhante ao da pneumonia por pneumococo. 33. São sintomas sugestivos de aspiração crônica: (A) tosse intensa acompanhada de dispnéia, estridor laríngeo, febre. (B) sibilos unilaterais, disfagia, regurgitação. (C) broncopneumonias de repetição, síndrome de quase morte súbita, tosse crônica noturna. (D) dispnéia aos esforços, presença de leite nos intervalos das mamadas, engasgos. (E) batimentos de asa do nariz, uso de musculatura acessória, salivação. 35. Em relação ao tratamento da asma, é correto afirmar: (A) os medicamentos que agem na inflamação brônquica sempre são indicados, pois é esse o mecanismo patogenético. (B) o tratamento medicamentoso é feito de acordo com a gravidade, que é avaliado de forma clínico-funcional. (C) o uso do pico de fluxo inspiratório ajuda a predizer a crise, porém não é útil na estimativa da gravidade. (D) nas crianças mal controladas, apesar do uso adequado de medicações, deve-se sempre usar corticosteróide sistêmico. (E) o controle ambiental tem perdido importância com o advento de novas drogas para o tratamento. 36. Nas Imunodeficiências, é correto afirmar: (A) na imunodeficiência comum variável causa predominantemente infecção por germes oportunistas. (B) nas infecções recorrentes por fungos, deve-se suspeitar de deficiência de anticorpos. (C) nas infecções recorrentes por bactérias piogênicas, deve-se suspeitar de anormalidades da imunidade mediada pelo linfócito T. (D) dentre as imunodeficiências primárias, as mais prevalentes são as deficiências de imunoglobulinas, destacando-se a deficiência isolada de Ig A. (E) as deficiências de complemento são as mais prevalentes. 37. Na síndrome torácica aguda associada à doença falciforme, (A) não se deve usar opióides para controle da dor pelo risco de criar dependência. (B) a profilaxia é feita pelo uso de vacinação antihemófilos e antipneumocócica, não estando indicada profilaxia com antibióticos. (C) o tratamento com antibióticos é instituído quando houver evidência clínico-laboratorial de infecção. (D) nas suspeitas de infarto pulmonar, sempre deve ser administrada medicação anticoagulante. (E) o tratamento inicial independe da causa. 7 PMS/27-Méd-I-PneumologiaInfantil

8 38. Assinale a assertiva verdadeira em relação às pneumopatias crônicas na infância. (A) Apesar da correlação com a incidência e gravidade da asma, o tabagismo doméstico não se associa às infecções do trato respiratório inferior. (B) São critérios para definir pneumopatias crônicas: pelo menos 3 episódios de pneumonia nos últimos 2 anos, tosse diária por 1 mês. (C) São critérios para definir pneumopatias crônicas: tosse diária por 3 meses, radiografia de tórax com alteração persistente por 3 meses. (D) O achado de IVAS com freqüência de 5 episódios/ano em pré-escolares deve ser encarado como pneumopatia crônica recorrente. (E) A complacência e condutância das vias aéreas em lactentes é importante na fisiopatologia das pneumopatias agudas, porém não nas crônicas. 39. Com relação à mucoviscidose, pode-se afirmar que (A) o diagnóstico clínico é feito com a presença de, pelo menos, 2 dos 4 critérios clínicos: DPOC supurativa crônica, insuficiência pancreática, níveis elevados de cloro e sódio no suor e história familiar de mucoviscidose. (B) o diagnóstico é feito com base no teste do suor positivo, independentemente de outros critérios. (C) a alteração genética é autossômica recessiva, com distúrbio nos canais de sódio da célula respiratória. (D) a Pseudomonas aeruginosa coloniza precocemente o trato respiratório inferior logo após o período neonatal. (E) no tratamento do S. aureus, assim como da A Pseudomonas aeruginosa, não se objetiva a erradicação bacteriana, e sim o controle da infecção. 40. Em relação à insuficiência respiratória da criança, pode-se afirmar que (A) a alcalose respiratória indica necessidade de suporte ventilatório, e a acidose respiratória, de oxigenoterapia. 41. Em relação à Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo é correto afirmar que (A) é uma desordem relacionada ao pulmão, não havendo repercussão sistêmica. (B) o uso do PEEP é empírico, não havendo indicações na mecânica pulmonar curva volume/pressão do ponto de recrutamento alveolar. (C) a ventilação com hipercapnia permissiva visa manter o volume controlado pelo risco de barotrauma com pressões elevadas. (D) a hipoxemia refratária, avaliada por baixos valores da relação Pa O 2 / FiO 2 e necessidade de altos valores de PEEP, é característica da doença. (E) o diagnóstico de infecção 2.ª se dá pelo achado de febre, leucocitose e pneumopatia alveolar. 42. Na obstrução das vias aéreas superiores, (A) a medida inicial deve ser a aspiração das vias aéreas. (B) deve-se iniciar o uso de oxigênio e corticóides e se, não houver resposta, proceder cricotireoidostomia. (C) as patologias estenóticas da laringe invariavelmente necessitam de traqueotomia. (D) a presença de estridor, na suspeita de aspiração de corpo estranho, indica necessidade de intubação orotraqueal. (E) o uso de escores de gravidade e de corticóides e adrenalina nas causas inflamatórias tem reduzido significativamente a necessidade de intubação orotraqueal. 43. Em uma criança com pneumotórax, (A) o diagnóstico diferencial com enfisema lobar congênito e pneumatocele hipertensiva é simples à radiografia torácica. (B) o pneumotórax hipertensivo, acompanhado de insuficiência respiratória, demanda confirmação radiológica para tratamento. (C) o uso de oxigênio para aumentar a absorção do pneumotórax em recém-nascidos é isento de contra-indicações. (D) as causas mais freqüentes são o barotrauma, ruptura de pneumatoceles e ruptura de bolhas subpleurais. (E) na suspeita de fístula bronco-pleural indica-se a aspiração contínua. (B) a acidose respiratória indica necessidade de suporte ventilatório, e a alcalose respiratória, de oxigenioterapia. (C) são objetivos do suporte ventilatório: manutenção das trocas gasosas, redução do volume pulmonar pelo risco de barotrauma e redução do trabalho respiratório. (D) a resistência das vias aéreas aumenta com a idade. (E) a principal causa de hipoxemia é a alteração da difusão. PMS/27-Méd-I-PneumologiaInfantil Com relação às atelectasias, é correto afirmar que (A) a síndrome do lobo médio é exemplo de obstrução do tipo compressivo (passivo). (B) o uso de altas frações inspiradas de O 2 aumenta a incidência de atelectasias pela rapidez de reabsorção de O 2. (C) a aspiração meconial leva a atelectasias por anormalidades no surfactante. (D) o mediastino não é alterado na radiografia de tórax de atelectasias totais. (E) as atelectasias crônicas devem ser observadas, uma vez que freqüentemente tem evolução benigna.

9 45. No edema pulmonar, (A) o tratamento relacionado às causas que alteram a permeabilidade capilar é inespecífcico, visando basicamente ao suporte ventilatório. (B) o uso da PEEP é mais efetivo no edema pulmonar secundário a alterações da permeabilidade capilar do que nas causas de aumento na pressão capilar pulmonar. (C) o achado gasométrico mais freqüente é a hipoxemia associada a acidose metabólica. (D) as linhas B de Kerley traduzem ingurgitamento vascular e intersticial das bases pulmonares. (E) a redução da resistência vascular periférica não tem ação na pressão de enchimento do ventrículo esquerdo. 46. Assinale a alternativa correta. (A) o brometo de ipratrópio tem ação muscarínica seletiva M 3. (B) não existem evidências de provável efeito antiinflamatório dos β 2 estimulantes de longa duração. (C) não são observadas alterações eletrolíticas com o uso de β 2 estimulantes de curta duração. (D) o tremor associado ao uso de β 2 estimulantes de curta duração está associado à ação no sistema nervoso central. (E) a teofilina é uma droga com grande variedade de interações medicamentosas e seu metabolismo pode aumentar ou diminuir de acordo com diversas situações clínicas. 47. Com relação ao uso de corticóides nas doenças pulmonares, é correto afirmar que (A) os glicocorticóides potencializam a ação da interleucina-1, o que explica, em parte, sua ação antiinflamatória. (B) o uso da hidrocortisona é preferido à metilpredinisolona, na crise de asma, pelo menor efeito mineralocorticóide. (C) dentre os vários efeitos dos corticóides, destaca-se a inibição da via do ácido araquidônico, não dependente da ciclooxigenase. (D) nunca se deve suspender abruptamente o uso dos corticóides, mesmo no uso por curtos períodos de tempo. (E) os corticóides agem no RNA mensageiro, porém não têm ação no DNA. 49. Sobre a reabilitação pulmonar na infância, é correto afirmar que (A) a principal indicação na população pediátrica é nos bronquiectásicos. (B) é um programa que objetiva ganhos funcionais em que, após avaliação da capacidade física, da oxigenação, psicológica e nutricional, estabelece um programa de treinamento muscular e educacional para atingir seus objetivos. (C) é um programa que objetiva ganhos na qualidade de vida e na função respiratória, em que após a avaliação da capacidade física, da oxigenação, psicológica e nutricional, estabelece um programa de treinamento muscular e educacional para atingir seus objetivos. (D) os ganhos obtidos após um programa de reabilitação pulmonar são duradouros, independentemente da manutenção do treinamento e de medidas ergonômicas. (E) é um programa que objetiva ganhos na qualidade de vida, em que após avaliação de capacidade física, de oxigenação, psicológica e nutricional, estabelece um programa de treinamento muscular e educacional para atingir seus objetivos. 50. O uso de antibioticoterapia profilática na infância está indicado para: (A) asma. (B) sinusite crônica. (C) mucoviscidose. (D) tosse seca. (E) dor nas costas. 48. Em relação ao uso do oxigênio, (A) a administração de oxigênio nas crises de asma corrige os distúrbios da ventilação perfusão, principalmente o efeito espaço-morto. (B) o uso de altas frações inspiradas d O 2 é pouco tóxico para o pulmão devido aos mecanismos naturais de proteção. (C) o uso da oxigenoterapia domiciliar prolongada em hipoxêmicos crônicos é impactante pela melhora na qualidade de vida, porém sem efetividade no tempo de vida dos pacientes. (D) é indicada oxigenoterapia de longa duração em indivíduos com PaO2 < 55 mg ou saturação de O 2 < 88%. (E) na dessaturação noturna, seguem-se os mesmos critérios de indicação oximétrica que nos pacientes DPOC. 9 PMS/27-Méd-I-PneumologiaInfantil

10

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio

Abordagem da Criança com Taquipnéia. Paula Florence Sampaio Abordagem da Criança com Taquipnéia Paula Florence Sampaio Taquipnéia até 2 meses de idade: 60 rpm de 2 meses a 1 ano: 50 rpm de 1 a 4 anos: 40 rpm 5 anos ou mais: 30 rpm Algumas Causas de Taquipnéia Pneumonia

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis

Insuficiência Respiratória. Vias aéreas difíceis Insuficiência Respiratória Síndrome da Angústia Respiratória Aguda Vias aéreas difíceis Mailton Oliveira 2015.2 INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA Incapacidade do sistema respiratório de atender as demandas

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

Serviço de Pediatria HU-UFJF

Serviço de Pediatria HU-UFJF Serviço de Pediatria HU-UFJF POP Ped Nº 003 BRONQUIOLITE Elaborado em: Julho 2010 Revisado em: Maio 2011 Objetivo: - Estabelecer o diagnóstico da bronquiolite viral aguda em lactentes com sintomas respiratórios.

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia

Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia Figura 1: Fotografia da mão esquerda do paciente Figura 2: Radiografia do tórax em PA Enunciado Paciente do sexo feminino, 8 anos, comparece ao PA do HC-UFMG

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS

Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Fisioterapia aplicada a pneumologia e terapia intensiva DOENÇAS PULMONARES INFECCIOSAS Pneumonia É uma inflamação ou infecção do parênquima pulmonar Agente etiológico: bactérias, vírus, fungos, helmintos,

Leia mais

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS

1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS 1ª. PARTE CONHECIMENTOS GERAIS MEDICINA 01. A tuberculose, ainda hoje, apresenta-se como um grave problema de saúde pública mundial. A via de transmissão do seu agente etiológico mais comum, o Mycobacterium

Leia mais

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM PNEUMOLOGIA CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Dor torácica 3. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica 4. Nódulo pulmonar 5. Pneumonia Adquirida na Comunidade 6. Tosse

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Afecções do Sistema Respiratório 08/06/2015 08/06/2015 SISTEMA RESPIRATÓRIO Afecções do Sistema Respiratório 1 2 Rinite Rinite Inflamação das membranas mucosas do nariz. Sintomas: Congestão nasal; Coriza (purulenta na rinite bacteriana); Prurido e espirros.

Leia mais

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1

PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO H1N1 ORIENTAÇÕES GERAIS SANTA CASA DE MISERICÓRIDA DE CAPÃO BONITO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR JULHO 2009 PROTOCOLO DE MANEJO CLÍNICO DA INFLUENZA Em atendimento

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes

03/07/2012. Mauro Gomes. Mauro Gomes. Mauro Gomes Início agudo Febre alta Dor pleurítica Tosse com expectoração purulenta EF: consolidação pulmonar Leucocitose com desvio à esquerda 1 semana de antibiótico Início lento Síndrome consumptiva Febre vespertina

Leia mais

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS VACINAS ANTIPNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS As vacinas conjugadas são aquelas nas quais os antígenos bacterianos são ligados a carreadores protéicos, facilitando o processamento pelos linfócitos T, gerando então,

Leia mais

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos

Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos Formadora: Dr.ª Maria João Marques Formandas: Anabela Magno; Andreia Sampaio; Paula Sá; Sónia Santos 1 O que é? A bronquiolite é uma doença que se carateriza por uma inflamação nos bronquíolos e que, geralmente,

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS - IRAs Estima-se se que morram de IRA 4 milhões de crianças de 0 a 5 anos por ano/mundo Prof. Enf. Hygor Elias 75% das mortes Rinofaringite Amigdalite Otite Sinusite Trato

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

PNEUMONIAS. Maria João Rocha Brito. Unidade de Infecciologia Hospital Dona Estefânia CHLC EPE joao.rochabrito@netcabo.pt

PNEUMONIAS. Maria João Rocha Brito. Unidade de Infecciologia Hospital Dona Estefânia CHLC EPE joao.rochabrito@netcabo.pt PNEUMONIAS Maria João Rocha Brito Unidade de Infecciologia Hospital Dona Estefânia CHLC EPE joao.rochabrito@netcabo.pt PNEUMONIAS Pneumonia Incidência 36 40:1000 < 5 anos Europa 2,5 milhões casos/ano PNEUMONIAS

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof.: Lazaro Antonio dos Santos SISTEMA RESPIRATÓRIO CONCEITO Conjunto de órgãos que nutrem o organismo por meio de alimentos no estado gasoso, completando a função do Sistema Digestório.

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo

Silvia Castro Caruso Christ. Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Silvia Castro Caruso Christ Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Hospital São José Beneficência Portuguesa São Paulo Definições: Processo inflamatório da membrana mucosa que reveste a cavidade

Leia mais

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil

Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil Vigilância Epidemiológica de Pneumonias no Brasil COVER/CGDT/ DEVEP/SVS/MS São Paulo,, setembro de 2007 Classificações das Pneumonias Local de aquisição Tempo de evolução Tipo do comprometimento Comunitária

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1

Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 Capítulo 8 (Ex-CAPÍTULO 9) DOENÇAS DO APARELHO RESPIRATÓRIO 9.1. CAPÍTULO 8 DA LISTA TABULAR DO VOLUME 1 No Índice da Lista Tabular da CID-9-MC, as Doenças do Aparelho Respiratório encontram-se referenciadas

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO MÉDICO E HOSPITALAR

FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO MÉDICO E HOSPITALAR Edital N.º 073/2014-FAMESP-RH A Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar, torna público, para conhecimento dos interessados, que encontram-se abertas as inscrições para o processo seletivo de

Leia mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais

INVERNO GAÚCHO. ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais INVERNO GAÚCHO - 2008 Norma Técnica T e Operacional para infecçõ ções respiratórias rias agudas (IRAs) em pessoas com 60 anos e mais GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE PROGRAMA

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 80

PROVA ESPECÍFICA Cargo 80 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 80 QUESTÃO 26 Em relação à anatomia pulmonar, marque a afirmativa CORRETA: a) A principal função do pneumócito tipo I é realizar a troca gasosa, que ocorre por difusão ativa.

Leia mais

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho

Sistema Respiratório. Afecções das vias aéreas inferiores. Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Sistema Respiratório Afecções das vias aéreas inferiores Profa. Dra. Rosângela de Oliveira Alves Carvalho Pneumonia Bronquite Broncopneumonia Pneumonia Intersticial Pneumonia Lobar EBologia Agentes Infecciosos

Leia mais

OTITES MÉDIAS AGUDAS. Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA

OTITES MÉDIAS AGUDAS. Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA OTITES MÉDIAS AGUDAS Prof. Pedro Serafim DISCIPLINA DE OTORRINOLARINGOLOGIA Universidade Federal do Maranhão - UFMA Considerações anatômicas: Considerações funcionais: Energia mecânica (SOM) estímulos

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE)

INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) SUBPAV/SVS COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÕES INDICAÇÃO DE VACINAS ESPECIAIS (CRIE) VACINA INATIVADA CONTRA POLIOMIELITE (VIP) Crianças imunocomprometidas (com deficiência imunológica congênita ou

Leia mais

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Infecções respiratórias agudas

Especialização em SAÚDE DA FAMÍLIA. Caso complexo Sandra e Sofia. Fundamentação teórica Infecções respiratórias agudas Caso complexo Sandra e Sofia Especialização em Fundamentação teórica INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS Gilberto Petty da Silva Na faixa etária de seis meses aos três anos, as crianças têm de seis a nove infecções

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

Laringites Agudas na Infância

Laringites Agudas na Infância Laringites Agudas na Infância Hany Simon Junior Crupe Viral - definição O termo síndrome do crupe caracteriza um grupo de doenças que variam em envolvimento anatômico e etiologia, e se manifestam clinicamente

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 007/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizado em 12 de junho de 2014)

NOTA TÉCNICA Nº 007/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizado em 12 de junho de 2014) ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº 007/2014/DIVE/SUV/SES (Atualizado

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação

UNIMED GOIÂNIA. Centro de Vacinação UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO 2013 PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS 20 de outubro de 2012 Centro de Vacinação SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal

Protocolo de Desconforto Respiratório no Período Neonatal 1 de 5 2070 94 RESULTADO ESPERADO: 2070 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Neonatal Atendimento Cirúrgico Atendimento em Emergência Internação Procedimento Recém-Nascido com desconforto respiratório Como

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS 4º E 5º PERÍODOS MATRIZ 2 4 º Período BIOLOGIA MOLECULAR - 2835 Introdução a Biologia Molecular. Estrutura

Leia mais

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR

USO INTRATRAQUEAL OU INTRABRONQUIAL EM AMBIENTE HOSPITALAR IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Curosurf alfaporactanto (fração fosfolipídica de pulmão porcino) Surfactante de origem porcina. APRESENTAÇÕES Suspensão estéril disponibilizada em frasco-ampola de dose unitária.

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO

AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CLÍNICA DE CANINOS E FELINOS Prof. Roberto Baracat de Araújo AFECÇÕES DO APARELHO RESPIRATÓRIO CONSIDERAÇÕES ANÁTOMO-PATOLÓGICAS CLASSIFICAÇÃO: TRATO RESPIRATÓRIO SUPERIOR:

Leia mais

Protocolo de tratamento de influenza - 2011

Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Protocolo de tratamento de influenza - 2011 Depois de definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a fase pós- pandêmica, a partir de agosto de 2010, o vírus da influenza pandêmica A (H1N1) 2009 continuou

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda

Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda Rinorréia Posterior: Diagnóstico Diferencial e Condutas Mesa Redonda, Antônio Carlos Cedin,, Luiz Vicente Ferreira da Silva Filho e A associação entre a presença de secreção na cavidade nasal ou na parede

Leia mais

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO

CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO CAPÍTULO 7 : CUIDADOS COM O RECÉM-NASCIDO COM INFECÇÃO As infecções bacterianas nos RN podem agravar-se muito rápido. Os profissionais que prestam cuidados aos RN com risco de infecção neonatal têm por

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL

IMUNOBIOLÓGICOS UTILIZADOS NA UNIDADE NEONATAL USO DE IMUNOBIOLÓGICOS NA ENFERMAGEM UNIDADE NEONATAL Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro A garantia da imunização por meio das vacinas básicas disponibilizadas

Leia mais

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA

PNEUMONIAS NA INFÂNCIA PNEUMONIAS NA INFÂNCIA Hiargo Siqueira Hugo Santos EPIDEMIOLOGIA 4-6 Infecções respiratórias agudas (IRA s)/ano; 2-3% evoluem para pneumonia; Mundo (< 5 anos): 150,7 milhões/ano. 11-20 milhões de internações

Leia mais

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia

Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Treinamento para os Núcleos de Epidemiologia Módulo 04 Coqueluche 21 e 22 de maio de 2014 Salvador, Ba Maria do Carmo Campos Lima GT DTP/DIVEP/SESAB COQUELUCHE ASPECTOS LEGAIS Arts. 7º e 8º, da Lei nº

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL

ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 ANÁLISE COMPARATIVA DA APLICABILIDADE DA FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS COM PNEUMONIA NOSOCOMIAL Gabriela

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Aula 12: Doenças do sistema respiratório

Aula 12: Doenças do sistema respiratório Aula 12: Doenças do sistema respiratório Doenças do sistema respiratório Doenças respiratórias são aquelas que atingem órgãos do sistema respiratório (pulmões, boca, faringe, fossas nasais, laringe, brônquios,

Leia mais

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM

CALENDÁRIOS VACINAIS. Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM CALENDÁRIOS VACINAIS Renato de Ávila Kfouri Sociedade Brasileira de Imunizações SBIM VACINA É PARA A VIDA TODA... Oportunidades para a Vacinação criança adolescente adulto Programa infantil Catch up (repescagem)

Leia mais

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA

CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CENAP TÉCNICO EM RADIOLOGIA LUCIMARA DE FATIMA CAMPOS RADIOGRAFIA DE TÓRAX: EXAME DIAGNÓSTICO PARA PNEUMONIA CASCAVEL PR 2010 LUCIMARA DE FATIMA CAMPOS RADIOGRAFIA DE TÓRAX:

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Pneumonia em Pediatria. Abordagem etiológica e terapêutica

Pneumonia em Pediatria. Abordagem etiológica e terapêutica Pneumonia em Pediatria Abordagem etiológica e terapêutica 1 Definindo o diagnóstico: - O que tratar, Quem tratar, Como tratar, Onde tratar 2 Fatores de risco para pneumonia Maternos Educação materna Desmame

Leia mais

Precauções Padrão. Precaução Padrão

Precauções Padrão. Precaução Padrão Precauções Padrão Precaução Padrão Por todos os profissionais para todos os pacientes, na presença de risco de contato com sangue; fluidos corpóreos, secreções e excreções (exceção: suor); pele com solução

Leia mais

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Professora: Sabrina Cunha da Fonseca DOENÇAS RESPIRATÓRIAS Professora: Sabrina Cunha da Fonseca Os locais de trabalho têm oferecido, cada vez mais, ambientes poluídos por diversos elementos, gasosos e sólidos, presentes no ar como gases e

Leia mais

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO

Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A. Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade U F M A Prof. EDSON GARRIDO Pneumonia Adquirida na Comunidade O QUE É PNEUMONIA? Pneumonia Adquirida na Comunidade Infecção aguda do parênquima pulmonar distal ao bronquíolo

Leia mais

Rede Pública ou Particular?

Rede Pública ou Particular? Vacinar seu filho na feito com carinho para você ganhar tempo! Rede Pública ou Particular? guia rápido das vacinas e principais diferenças Um guia de utilidade pública com as fichas de 10 vacinas para

Leia mais

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza Tuberculose Profa. Rosângela Cipriano de Souza Risco para tuberculose Pessoas em contato com doentes bacilíferos, especialmente crianças Pessoas vivendo com HIV/AIDS Presidiários População vivendo nas

Leia mais

COQUELUCHE OU TOSSE COMPRIDA

COQUELUCHE OU TOSSE COMPRIDA COQUELUCHE OU TOSSE COMPRIDA Doença infecciosa aguda e transmissível, causada pelo bacilo Bordetella pertussis, que compromete especificamente o aparelho respiratório e se caracteriza por paroxismos de

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes

Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET. Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Universidade Federal do Ceará - UFC Faculdade de Medicina Programa de Ensino Tutorial - PET Condutas Infecções de Vias Aéreas Superioes Fernando Klein Outubro/2010 Caso 1 Fridundino Eulâmpio, 6 anos. Há

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO 25 de março de 2014 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Contexto atual Objetivos Manifestações clínicas e definições utilizadas Diagnóstico diferencial

Leia mais

Adultos e idosos também precisam se vacinar

Adultos e idosos também precisam se vacinar ANO VII N.º 10 Abril 2013 Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Adultos e idosos também precisam se vacinar Na hora de cuidar da própria saúde, muitos adultos e idosos não dão importância

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora:

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 26 Novembro 2008 Disciplina: Medicina Prof.: Dr. Germano do Carmo Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Nota 1: O professor incidiu

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE COQUELUCHE

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE COQUELUCHE MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE COQUELUCHE 05 de fevereiro de 2013 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Contexto atual Objetivos Manifestações clínicas e definições utilizadas Diagnóstico

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais